quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Bittar deu endereço fantasma

O Antagonista mostrou que Fernando Bittar forneceu à Kitchens como endereço residencial um imóvel localizado no número 500 da estrada Fazenda Sul Brasil, em Atibaia. O endereço não aparece na internet. Descobrimos com ajuda de moradores que a tal estrada é uma continuação da estrada municipal Hisaichi Takebayashi. O número 500, porém, não existe. Só há o 520 (foto). É uma área rural, de sítios e fazendas.



Lula, abatido, apela a Deus por PT; Lula é um ator..... muito, muito safo!!!

Lula gravou um vídeo curto pelos 36 anos do PT. Sem clima de festa, visivelmente abatido, o petista fala de erros cometidos, mas sem citar os escândalos que estão sob investigação. Disse ainda que "o PT não é uma seita" e que "tem gente mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro". Ao final, apelou a Deus e disse que vai torcer pelo PT. "Se Deus quiser, apesar de toda dificuldade momentânea, vai continuar a ser o grande partido da história deste país. Vamos torcer para que quando comemorar 37 anos de idade estejamos mais fortes do que hoje". Não adianta torcer, Lula, nem rezar.

Lula é um ator, muito, muito safo.

Lula é beneficiado por interminável troca-troca no Ministério Público Federal

Mais cedo O Antagonista cobrou do procurador Ivan Marx uma posição sobre a investigação do tráfico de influência de Lula para a Odebrecht no BNDES. A assessoria do MPF ligou para explicar que Marx já não está no caso. Ele foi substituído por Carolina Martins, que assumiu provisoriamente. Já a procuradora Mirella Aguiar, que passou o caso a Marx quando saiu de licença maternidade, foi transferida e também não retomará a investigação. Esse interminável troca-troca de procuradores só interessa a Lula e Marcelo Odebrecht.

Escândalo da Petrobras é eleito o 2º maior caso de corrupção no mundo


O escândalo da Petrobras foi eleito o segundo maior caso de corrupção no mundo em votação popular da ONG Transparência Internacional (no Brasil, essa Ong é controlada por petistas). Com 11.900 votos, a petroleira só ficou atrás do ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovych, que recebeu 13.210 votos pelo desvio milionário de recursos para sua conta privada. A ONG, com sede na Alemanha, faz relatórios anuais com índices de percepção de corrupção. No último, o Brasil apareceu na 76ª posição entre 168 países. A lista faz parte da campanha “Desmascare os Corruptos”, da Transparência Internacional. A campanha começou em outubro e teve a participação de mais de 4,5 milhões de pessoas que indicaram casos de corrupção ao redor do mundo. O escândalo na estatal brasileira supera outros sete casos de grande repercussão. Entre eles, o da Fifa (1.844 votos), com 81 casos de lavagem de dinheiro comprovados, e o do ex-presidente do Panamá, Ricardo Martinelli (10.166), que desviou US$ 100 milhões do dinheiro público. Alejandro Salas, representante da Transparência Internacional, disse que uma nova fase da campanha começou nesta quinta-feira e vai cobrar sanções sociais e políticas contra os envolvidos nos casos mais votados. A ONG já está pedindo informações em oito países da América Latina, nos quais as empreiteiras investigadas na Lava-Jato também têm contratos. Salas afirmou que o propósito é evitar que escândalos como o da Petrobras se repitam. A Transparência Internacional assinou uma carta de apoio às 10 medidas de combate à corrupção, apresentadas pelos procuradores do Ministério Público Federal no Brasil. A proposta precisa de menos de 200 mil assinaturas para alcançar a meta de 1,5 milhão e ser avaliada no Congresso. 

Argentina investiga ex-ministro citado por ex-diretor da Petrobras

A promotoria federal argentina abriu uma investigação para apurar a participação do ex-ministro kirchnerista Julio De Vido (Planejamento) em um esquema de pagamento de propina na venda de uma empresa da Petrobras, segundo informações do jornal "Clarín". O envolvimento de De Vido, que hoje é deputado federal, no caso foi apontado por Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras. Segundo o delator, o político argentino pressionou e organizou o pagamento de propina para que a companhia de transporte de energia Transener (que pertencia à Petrobras) fosse vendida para a argentina Electroingeniería. A Promotoria argentina pediu ao juiz Sebastián Ramos, responsável pelo caso, que solicite à Justiça brasileira acesso as declarações de Cerveró. Antes de a Transener ser vendida para a empresa argentina, ela já havia sido negociada por US$ 54 milhões para o fundo americano Eton Park Capital Management. A transação foi desfeita pelo ministro, que, segundo o delator, o convocou para uma reunião na Argentina na qual afirmou que o negócio deveria ser fechado com a Electroingeniería, considerada uma "empresa amiga". Ainda de acordo com Cerveró, a maior parte da propina da transação ficou na Argentina, e ele e o lobista Fernando Soares, conhecido como Baiano, receberam R$ 300 mil cada um. Baiano deu declarações para a Procuradoria Geral da República que corroboram a versão. Em janeiro, quando foram publicadas informações sobre a delação de Cerveró que o envolviam, De Vido escreveu em sua conta no Twitter que nunca havia trabalhado por interesses privados: "Sempre atuei de forma institucional e em defesa do interesse nacional". Afirmou também que a venda da Transener para uma companhia argentina ocorreu para evitar um monopólio e um "abuso da posição dominante da Petrobras". 

Ex-presidente da Andrade Gutierrez volta para a cadeia após cinco dias solto

Otávio Marques de Azevedo, presidente da construtora Andrade Gutierrez

O ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, solto na sexta-feira após fechar acordo de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato, voltou a ser preso nesta quarta-feira em São Paulo, por ordem do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, que conduz os processos referentes a propinas na estatal Eletronuclear. Nesta quinta-feira, a defesa de Azevedo deve entrar com uma petição na Justiça Federal do Rio de Janeiro para esclarecer a Bretas as condições do acordo de delação premiada que permitiram a soltura do empresário na sexta-feira. Ele voltou à prisão preventivamente porque tinha contra si um segundo mandado de prisão, decretado pelo juiz federal fluminense. Azevedo foi encaminhado à carceragem da Polícia Federal em São Paulo e, caso a petição de seus advogados não seja atendida, será transferido ao Rio de Janeiro. Elton Negrão, o outro executivo da Andrade Gutierrez libertado há cinco dias, continua em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica.  Nos chamados "anexos" da delação premiada, que resumem os tópicos principais da colaboração, Otávio Azevedo afirmou que a pressão por dinheiro, em pleno ano eleitoral de 2014, partiu do então tesoureiro da campanha petista, Edinho Silva, hoje ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, e de Giles Azevedo, ex-chefe de gabinete e atual assessor especial de Dilma Rousseff. A mensagem, segundo o executivo, era clara: se a Andrade Gutierrez não se engajasse mais efetivamente na campanha petista, seus negócios com o governo federal e com as empresas estatais estariam em risco em caso de vitória de Dilma. Em outras palavras, o executivo, preso em junho do ano passado pela Operação Lava-Jato, relatou o que entendeu como um achaque. A pressão do alto comando da campanha de Dilma Rousseff sobre a Andrade Gutierrez tinha uma explicação. Os petistas reclamavam que a empreiteira, embora fosse detentora de grandes contratos no governo e em estatais, vinha apoiando a candidatura do tucano Aécio Neves. A queixa se transformou em ameaça. A Andrade acabou abrindo os cofres. De agosto a outubro, a empreiteira doou oficialmente 20 milhões de reais ao comitê de Dilma. A primeira contribuição, de 10 milhões de reais, se deu nove dias após Edinho Silva visitar Otávio Azevedo na sede da empreiteira - àquela altura, a Andrade já havia repassado mais de 5 milhões à campanha de Aécio Neves e não tinha doado ainda um centavo sequer ao comitê petista. Nas investigações da Lava-Jato, não é a primeira vez que Edinho Silva é acusado de pressionar empreiteiras a dar dinheiro para a campanha. Alvo de um inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal, ele já havia aparecido nesse mesmo papel na delação premiada de Ricardo Pessoa, dono da UTC. Até aqui, a menção a Giles Azevedo é tida como um dos pontos mais sensíveis da delação, justamente por seu potencial de dano à presidente da República. De todos os auxiliares de Dilma Rousseff, ele é o mais próximo da presidente. É dos poucos autorizados, no governo e fora dele, a falar em nome da petista. Azevedo decidiu ainda narrar aos investigadores segredos envolvendo o ex-presidente Lula. Ele planeja dizer que a antiga Telemar, que foi rebatizada de Oi, comprou cerca de 30% da Gamecorp, por 5 milhões de reais, em 2005, a pedido de Lula. Naquela época, o presidente sabia que o banqueiro Daniel Dantas apresentara uma oferta para se tornar sócio da Gamecorp. Como queria Dantas longe de seu filho e de seu governo, o petista, segundo Azevedo, pediu aos donos da Telemar/Oi, entre eles a Andrade Gutierrez, que apresentassem uma oferta agressiva de compra dos papéis da empresa de seu primogênito. Assim foi feito. Três anos depois dessa transação, o governo Lula mudou a legislação para permitir que a Telemar/Oi se fundisse com a Brasil Telecom, sob o pretexto de criar um gigante brasileiro no setor de telecomunicações. Azevedo confidenciou a advogados e executivos que, após essa segunda transação, viabilizada graças à mudança da legislação feita sob medida por Lula, sócios da Gamecorp e integrantes do governo começaram a exigir mais ajuda financeira da Andrade Gutierrez. Pressionada, a empreiteira, por meio da Oi, passou a contratar periodicamente serviços da própria Gamecorp. Serviços que, conforme Azevedo, não eram necessários. Assim, estabeleceu-se um canal permanente de repasse de dinheiro para Fábio Luís e seus sócios - entre eles, Fernando Bittar e Jonas Suassuna, proprietários formais do sítio em Atibaia que é usado como refúgio por Lula e que, tal qual o tríplex no Guarujá, teve parte de sua reforma paga pela OAS. A assessoria de imprensa da Oi confirmou que a empresa contrata regularmente serviços da Gamecorp, mas se recusou a fornecer os valores dos contratos. Na campanha presidencial de 2014, integrantes da chapa de Dilma Rousseff chegaram a reclamar dos desembolsos da Andrade Gutierrez, acusando Azevedo de ser um tucano enrustido. Ele desabafou com um amigo: "O PT não pode reclamar depois de tudo o que fiz por eles". Azevedo disse que a pressão partia do ministro Edinho Silva, então tesoureiro da campanha à reeleição, e de Giles Azevedo, ex-­chefe de gabinete e atual assessor especial da presidente. Como se sabe, a parceria com a empreiteira transformou Fábio Luís, outrora um monitor de zoológico, em um empresário de "sucesso".

O petista Silvinho "Land Rover" Pereira e se diz à disposição do juiz Moro na Operação Lava Jato


O ex-secretário geral do PT, Silvio Pereira, conhecido como "Silvinho Land Rover Pereira", colocou-se ‘à disposição’ da Operação Lava Jato. Apontado pelo empresário ligado ao partido Fernando Moura como um dos precursores do esquema de propinas instalado na Petrobrás, em 2003, na abertura do primeiro mandato do ex-presidente Lula, Silvinho "Land Rover" Pereira comunicou ao juiz federal Sérgio Moro que se dispõe a "prestar os esclarecimentos porventura necessários". A petição ao juiz da Lava Jato é subscrita pelos advogados Mariângela Tomé Lopes e André Augusto Mendes Machado, do escritório Saad Gimenes Advogados Associados. Eles se reportam às informações divulgadas nas últimas semanas sobre os sucessivos depoimentos de Fernando Moura.



Silvinho "Land Rover" Pereira é um personagem emblemático da histórica política recente do País. Alçado dirigente petista desde sua origem nas Comunistas Eclesiais de Base da Igreja Católica (uma das três pernas fundadoras do PT), no escândalo do Mensalão do PT ele foi denunciado pela Procuradoria Geral da República pelo crime de formação de quadrilha, mas acabou contemplado com um acordo homologado pela Justiça (transação penal, pela qual admitiu sua culpa) – o único dos 40 acusados que teve essa oportunidade porque a pena prevista para o delito que lhe foi imputado era inferior a um ano de prisão. Para obter a suspensão condicional do processo criminal, Silvinho "Land Rover" Pereira teve de prestar serviços comunitários na subprefeitura do Butantã, zona oeste de São Paulo – cumpriu uma jornada de 750 horas como avaliador da situação de praças, fiscalizou poda de árvores e desobstrução de bocas de lobo. O empresário Fernando Moura, que trouxe Silvinho "Land Rover" Pereira para o coração da Lava Jato, foi capturado em agosto de 2015 junto com o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), na Operação Pixuleco – desdobramento da grande investigação. Acuado, Fernando Moura fechou acordo de delação premiada e foi solto. Em janeiro ele protagonizou um episódio insólito da investigação. Diante do juiz Moro ele mudou a versão dada em delação, principalmente no trecho sobre a suposta orientação recebida do bandido petista mensaleiro José Dirceu para que saísse do País em 2005, no auge do Mensalão do PT. Chamado à força tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba, base da Lava Jato, Moura disse que recuou porque recebeu "ameaça velada" um dia antes de seu depoimento na Justiça. Sérgio Moro o intimou para novo depoimento. Em todos os relatos, porém, ele manteve as informações sobre Silvinho "Land Rover" Pereira, a quem atribui também papel importante na distribuição e indicação de apadrinhados do governo Lula para cargos estratégicos em estatais e empresas públicas. Narrou, ainda, pagamento de propinas. Disse que certa vez pegou R$ 600 mil na residência de Silvinho "Land Rover" Pereira, em São Paulo. O juiz perguntou. “E para o sr. Silvio, (ele) também recebia esses pagamentos? Uma parte para ele?” “Com certeza”, respondeu Fernando Moura. “Por que o sr. diz isso?”, insistiu o magistrado. “Porque uma oportunidade peguei 600 mil reais na casa do Silvio que ele tinha recebido da GDK e me pediu para entregar para uma outra pessoa”, disse o empresário delator. Na petição ao juiz da Lava Jato, os advogados de Silvinho Pereira fazem menção ao procedimento do Ministério Público Federal "que tem por finalidade apurar as evidentes contradições" do depoimento de Fernando Moura à Justiça e as declarações no âmbito da delação premiada. “Assim, se for do interesse da Justiça e pertinente à apuração dos fatos tratados nesta ação penal, o peticionário (Silvio Pereira), novamente, coloca-se à inteira disposição deste juízo bem como dos procuradores da República que integram a força-tarefa”, assinalam os advogados Mariângela Tomé Lopes e André Augusto Mendes Machado.

Refino de petróleo no Brasil volta ao nível de 2012


O refino de petróleo em 2015 registrou uma retração de 5,8% em comparação com 2014, de acordo com a ANP. E o que essa pisada no freio significa? O volume total processado em 2015, de 724 milhões de barris, ficou um pouco acima daquele observado em 2012, quando foram refinados 705 milhões de barris. Isso tudo acontece depois das bilionárias reformas e ampliações das diversas refinarias e com a entrada em operação — parcial — da enrolada refinaria do Nordeste (RNEST).

Coisa muito séria, licitação para compra dos caças pode ser anulada por suspeita de corrupção


A Polícia Federal vê potencial de anulação da licitação de compra dos caças da Saab diante do que vem sendo descoberto pela Zelotes. É uma situação gravíssima, mas algo perfeitamente imaginável dentro do regime petista, dominado por uma organização criminosa. 

Estudo comprova que cavalos reagem a emoções humanas

Uma pesquisa feita por cientistas da Universidade de Sussex (Reino Unido) aponta que cavalos são capazes de discernir expressões faciais humanas. O experimento, feito usando fotos de rostos humanos, mostrou que os cavalos domésticos "respondem negativamente" a expressões irritadas. Para os cientistas, isso acontece porque a domesticação pode ter habilitado os animais a interpretar o comportamento humano.


Nosso comportamento em torno deles tem um impacto", disse a pesquisadora Amy Smith. Os resultados foram publicados na revista científica Biology Letters. A equipe mostrou grandes fotografias para 28 cavalos, que tinham as reações cerebrais medidas. "Uma pessoa apresentava a foto enquanto a outra segurava o bicho", detalhou Smith. Eram alternadas imagens com expressões felizes e irritadas. “O principal resultado foi que eles olharam (para os rostos com raiva) com seu olho esquerdo", o que significa que processaram a imagem com o lado direito do cérebro, "especializado no processamento de estímulos negativos", explicou a pesquisadora. Os cientistas também posicionaram monitores cardíacos nos cavalos, revelando que as expressões irritadas causaram aceleração significativa em seus batimentos cardíacos. Resultados semelhantes foram relatados recentemente em cães domésticos, levantando questões sobre como viver com os seres humanos pode ter influenciado as habilidades dos animais.

Mercado projeta inflação de 7,56% para este ano

Projeção de instituições financeiras para a inflação neste ano passou de 7,26% para 7,56%, conforme projeção para o IPCA. Para 2017, a estimativa subiu de 5,80% para 6%, de acordo com o boletim Focus, do Banco Central. O governo havia estipulado o centro da meta em 4,5%, tendo o teto máximo de 6,5% para este exercício.

Juíza rejeita recurso de Azeredo contra condenação


A juíza Melissa Costa Lage, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, rejeitou na última sexta-feira o recurso da defesa do ex-presidente do PSDB e ex-governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo, contra sua condenação a 20 anos e dez meses de prisão por peculato e lavagem de dinheiro no escândalo do valerioduto mineiro. A defesa de Azeredo entrou com embargos de declaração, recurso que questiona aspectos da decisão da juíza, no dia 25 de janeiro, pouco mais de um mês após a sentença que condenou o ex-governador. Como o caso tramita em primeira instância, o tucano recorre em liberdade e continua trabalhando para a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). No recurso, a defesa aponta que a magistrada teria omitido declarações de testemunhas que inocentariam o ex-governador mineiro, além de ter sido omissa em relação ao processo movido pelo Ministério Público contra o lobista Nilton Monteiro. No decorrer das investigações do escândalo, Monteiro apontou que Azeredo teria desviado dinheiro por meio do valerioduto - esquema que utilizava as empresas de publicidade de Marcos Valério Fernandes de Souza e que posteriormente foi adotado pelo PT no Mensalão. "Quanto à suposta omissão aos depoimentos dos 'corresponsáveis', verifica-se que, a fim de se evitar prejulgamentos, deve-se evitar a menção aos corréus na sentença de processo ao qual não pertencem. Ainda que assim não fosse, as declarações dos corréus foram transcritas na sentença", afirma a juíza Melissa Costa Lage ao rejeitar os argumentos da defesa. Ela ainda aponta que há um capítulo inteiro na sentença de 125 páginas a respeito da investigação contra o lobista. "Em relação à citação parcial dos depoimentos das testemunhas, não há que se falar em qualquer omissão, uma vez que o magistrado não é obrigado a mencionar todas as provas produzidas integralmente, mas tão somente aquelas necessárias ao seu convencimento", segue a magistrada. Na dura sentença que levou à condenação de Azeredo, a juíza aponta uma série de "mentiras" do ex-governador e afirma ter sido criada "uma organização criminosa complexa, com divisão de tarefas aprofundada, de forma metódica e duradoura". Em fevereiro de 2014, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a condenação de Azeredo, então deputado federal, a 22 anos de prisão pelo seu envolvimento no desvio de ao menos 3,5 milhões de reais de estatais mineiras para o caixa dois da campanha à reeleição do tucano ao governo de Minas Gerais em 1998. O parlamentar, no entanto, renunciou ao cargo de deputado e, pela perda de foro privilegiado, o processo foi enviado à primeira instância da Justiça estadual em Minas Gerais.

Atos de terrorismo atrasam operação de linhão para usinas do Madeira


As usinas de Jirau e Santo Antônio não estão escoando toda a energia que poderiam produzir por conta de atrasos na construção das linhas de transmissão. A questão agora não é licença ambiental e nem a logística de construção, mas sim uma série de atos de vandalismo. De acordo com relatório de monitoramento da Aneel, de novembro de 2014 a dezembro de 2015, foram derrubadas 15 torres, de 40 metros de altura e 10 toneladas cada, afetando os testes para início de operação do segundo linhão que vai escoar a energia até o Sudeste. A maioria das ocorrências aconteceu nas cidades de Rolim de Moura e Castanheiras, ambas em Rondônia. A previsão é que a reparação das torres seja concluída neste mês. O nome disso é operação guerrilheira, é terrorismo puro. De acordo com o regulador, mesmo quando esse problema for resolvido, a capacidade total de escoamento dos dois linhões, de 6,3 mil megawatts (MW) não será alcançada. Por conta de atrasos na construção de uma subestação, que deve ficar pronta só em 2017, ela ficará limitada a 5,6 mil MW. Atualmente, as duas usinas estão com capacidade para produzir 5.642 MW de um total de 7.318 MW quando todas as turbinas estiverem em operação. 

PSDB convoca protesto para depoimento de Lula e Marisa


Grupos de WhatsApp do PSDB paulista convocam militantes para comparecerem ao fórum da Barra Funda na próxima quarta-feira, dia 17, para protestar na chegada de Lula e a mulher, a italiana Marisa, que vão depor às 9 horas. O ex-presidente e a mulher serão ouvidos no inquérito que investiga se são os verdadeiros proprietários de um triplex construído pela Bancoop e depois concluído pela OAS no Guarujá.

Juiz Sérgio Moro decide que documentos da Suiça podem ser usados no processo contra os executivos da Odebrecht


O juiz Sergio Moro, que conduz os processos da Operação Lava Jato, em Curitiba, decidiu hoje que as provas coletadas via acordo de cooperação com a Justiça suíça poderão ser utilizadas no processo que investiga pagamento de propinas pela Odebrecht no Exterior. Os pagamentos foram feitos por meio de empresas offshore controladas pela empreiteira e se destinavam a diretores da Petrobras, que também usavam offshores para receber os valores. O ex-executivo da Odebrecht, Márcio Faria, preso na 14ª fase da Lava Jato, pleiteava a retirada dos documentos referentes às contas e depósitos bancários do processo que investiga corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa, enquanto o Ministério Público Federal defende o uso das provas. Em seu despacho, o juiz federal questionou se "há ou não decisão da Corte Suíça obstaculizando a utilização dos documentos?", respondendo negativamente em seguida. Sergio Moro ressalta que, apesar de reconhecer um erro procedimental do Ministério Público suíço, a "Corte suíça não proibiu as autoridades brasileiras de utilizar os documentos, nem solicitou a sua devolução. Pelo contrário, denegou expressamente pedido nesse sentido da Havinsur/Odebrecht". Segundo o juiz, "o erro procedimental não é suficiente para determinar a ilicitude da prova" porque ela não foi produzida por meio de "violação de direitos fundamentais do investigado ou do acusado". Moro ainda observou que a Odebrecht busca, por meio de seus executivos e advogados, "apenas ganhar mais tempo", e restabeleceu o prazo para as alegações finais da defesa da empreiteira no processo, suspenso na terça-feira da semana passada. A partir de amanhã, a Odebrecht terá dez dias para tomar conhecimento da decisão de Moro e, depois da ciência, mais sete dias para apresentar sua defesa final a respeito das provas obtidas via Suíça. Na semana passada, por considerar a questão "relativamente complexa", Moro havia suspendido o processo para que o Ministério Público Federal se manifestasse. A decisão do magistrado havia ocorrido após a Justiça suíça ter considerado "irregular" o procedimento de envio de provas obtidas no país europeu contra a Odebrecht à Procuradoria brasileira. Embora tenha apontado a falha, a corte suíça entendeu que o Brasil não tinha de devolver os documentos bancários enviados, conforme havia pedido a Odebrecht na intenção de anular as provas levantadas no Exterior. O recurso que motivou a decisão da Justiça suíça foi impetrado pela Hanvisur S/A, offshore por meio da qual a Odebrecht pagou, em março de 2010, 565.000 dólares à Milzart Overseas Holdings, sediada em Mônaco e controlada pelo ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque. Além de Duque, o Ministério Público Federal informou que receberam propina da empreiteira os ex-diretores de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, da área Internacional, Jorge Zelada e Nestor Cerveró, e o ex-gerente da Diretoria de Serviços, Pedro Barusco.

FBI confirma investigação de e-mails de Hillary Clinton

O FBI confirmou formalmente que investiga os e-mails privados de Hillary Clinton, decisão que os republicanos esgrimem como prova de que a ex-secretária de Estado democrata não estaria qualificada para governar os Estados Unidos. Em uma carta com data de 2 de fevereiro e divulgada nesta segunda-feira, o conselheiro jurídico do FBI, James Baker, indica ao Departamento de Estado que as investigações dos e-mails da pré-candidata democrata irão continuar. A carta não detalha o alcance ou o conteúdo das indagações, mas indica que o escândalo que mancha a campanha eleitoral de Hillary está longe de ser esquecido. Os republicanos não demoraram a reagir: "O anúncio do FMI confirma que a investigação do servidor secreto de e-mails de Hillary Clinton está longe de ser uma "avaliação de segurança de rotina, como ela alegou", declarou o Partido Republicano em um comunicado. "É mais um fato para lembrar que não se pode confiar a presidência a Hillary Clinton", acrescenta o texto, que acusa a ex-chefe da diplomacia americana de ter "colocado em risco a segurança nacional", comprometendo informações sensíveis do governo em uma conta privada de correio armazenada em um servidor igualmente privado, uma prática normalmente proibida pelo governo americano. O escândalo dos e-mails de Hillary ressurgiu no fim de janeiro, quando o Departamento de Estado anunciou ter encontrado mensagens altamente secretas em sua correspondência privada. O caso alimenta as principais críticas dos rivais republicanos de Hillary na campanha pela presidência dos Estados Unidos. 

Deputados franceses aprovam mudança constitucional para retirada de nacionalidade de islâmicos terroristas

Os deputados franceses votaram nesta terça-feira à noite uma emenda solicitada pelo governo socialista de François Hollande, após os atentados de novembro passado em Paris, que amplia na Constituição a possibilidade de retirada da nacionalidade. Depois de votar sem fazer referência à binacionalidade, os deputados adotaram o artigo 2 do projeto de lei constitucional por uma pequena maioria de 162 votos contra 148. Essa emenda prevê que a Constituição "reveja" a lei sobre "as condições, nas quais uma pessoa possa ser despossuída da nacionalidade francesa, ou dos direitos inerentes à mesma, quando for condenada por um crime, ou por um delito que constituam um atentado grave à vida da Nação". O projeto do governo estabelece, em especial, a extensão da retirada da nacionalidade aos binacionais nascidos franceses e condenados por terrorismo. A proposta é contestada pela maioria e pela oposição.

Supremo dos Estados Unidos suspende programa ambiental do muçulmano Obama

Por cinco votos a quatro, a Suprema Corte dos Estados Unidos suspendeu, nesta terça-feira, um ambicioso programa do presidente Barack Obama que busca limitar as emissões poluentes das centrais térmicas. A mais alta instância judicial americana se pronunciou a pedido de 27 estados, em grande parte de maioria republicana, que criticavam o plano de Obama a favor das energias limpas, um pilar de sua política para lutar contra o aquecimento global. Os quatro juízes "progressistas" da Corte manifestaram sua divergência com a sentença, decidida com surpreendente rapidez. A Suprema Corte suspendeu a aplicação do "Clean Power Plan" (Projeto para uma Energia Limpa), elaborado pela Agência de Proteção Ambiental (EPA) americana. O plano impõe às centrais elétricas reduções draconianas de suas emissões de gases causadores do efeito estufa - de 32% em relação a 2005 - antes de 2030.

De onde vem o dinheiro de Zeca?

O site de O Globo publica que Zeca Dirceu, o nobre deputado petista, filho mais velho de José Dirceu, se esbalda em badalações nacionais e internacionais, enquanto o pai está na prisão, tentando aprender espanhol. Zeca Dirceu gosta de frequentar "praias paradisíacas da Califórnia ou Santa Catarina, e points do sofisticado circuito Paris/Londres/Amsterdã/Punta Del Este. Na última semana, se dividiu entre a ferveção de camarotes vips no circuito Barra-Ondina do badalado carnaval de Salvador e praias do 'sul do mundo', como descreveu em sua conta no Instagram, ao retornar de Salvador no último domingo depois de três dias de farra na 'Baheeea'". O Antagonista só tem uma pergunta: com que dinheiro Zeca Dirceu badala tanto? 


Papai, essa é para você

Só para lembrar

Vira e mexe os nomes de Roberto Teixeira e Luiz Marinho surgem em meio a denúncias envolvendo Lula e seus familiares. O MP, que investiga Lula por ocultação de patrimônio, não esqueceu que o apartamento em que vive Luís Cláudio Lula da Silva está em nome de uma empresa da família de Teixeira, a Mito Participações. O imóvel foi comprado da offshore Peabody Trade, que tem André Neumann como procurador. Neumann é marido de Maria Beatriz Braga, a rainha da catraca, que possui empresas de ônibus e uma construtora em São Bernardo do Campo com contratos com a prefeitura do petista Luiz Marinho.

Antes do sítio, Lula ficava em hotel

O Antagonista foi informado por funcionários da administração do Bourbon Atibaia Convention & Spa Resort que Lula sempre frequentou o local quando ainda não tinha o sítio Santa Bárbara. E nunca precisou pagar pela hospedagem. Jonas Suassuna e Fernando Bittar devem ter ficado com pena de ver um homem como Lula se hospedando de favor em hotéis e resolveram presenteá-lo com um sítio inteirinho.

Lula e o usufruto proibido

Citamos dias atrás uma matéria do blog "Os Amigos do Presidente Lula" defendendo a compra do apartamento do Guarujá em 2011. Mas chamou atenção um trecho da matéria que dizia: "Milionários brasileiros e estrangeiros emprestariam de bom grado mansões de praia, iates, casas de montanha, em fazendas ou ilhas paradisíacas" ao ex-presidente. Parece ser o caso do Bourbon, onde Lula se hospedava de graça. Como disse José Dirceu a Sérgio Moro, "a realidade é que eu tenho uma história, doutor".

Donald Trump e Bernie Sanders vencem as primárias de New Hampshire


Em votação que confirmou a fama de Estado independente, New Hampshire deu vitória nas primárias desta terça-feira (9) a dois pré-candidatos à Presidência dos Estados Unidos não alinhados às bases tradicionais de seu partidos: o senador Bernie Sanders, do lado democrata, e o empresário Donald Trump, entre os republicanos. Sanders, senador independente por Vermont, um socialista (comunistas, diz que é socialista democrático, mas isto não existe), derrotou a ex-secretária de Estado, Hillary Clinton, que é investigada pelo FBI. Entre os republicanos, o bilionário e apresentador de TV Trump ultrapassou o governador de Ohio, John Kasich, que se colcou em segundo lugar no estado. Kasich tem usado uma mensagem centrista e positiva em contraste com Trump.  A terceira posição estava sob disputa entre o senador Ted Cruz, do Texas, o ex-governador da Flórida, Jeb Bush, e o senador pela Flórida, Marco Rubio. Estado-chave das eleições americanas por realizar uma das primeiras prévias, New Hampshire tem algumas características que não se refletem no restante do país. A população é majoritariamente branca (acima de 90%), relativamente mais velha e mais rica. Metade dos eleitores republicanos se considera moderada, e os democratas tendem a se posicionar mais à esquerda que a média nacional. 

Esse é Marco Aurélio Bitencourt de Souza, o monstro de Capão da Canoa, sequestrador e estuprador de menina de 5 anos


Pouco mais de 24 horas depois de cometer pelo menos três crimes - sequestrar, agredir e estuprar uma menininha de apenas de cinco anos, em Capão da Canoa, o mostro Marco Aurélio Bitencourt de Souza, de 41 anos, foi preso em sua casa, em Capão Novo, por volta das 19h45min desta terça-feira. Conforme a delegada Sabrina Deffente, o monstro tentou fugir pulando um muro no pátio da residência e se feriu. Com a besta foi apreendido um celular com vídeos envolvendo a menina e fotos de outras crianças. Além de estupro de vulnerável, ele deve responder por tráfico de drogas, já que foram encontrados entorpecentes em sua casa.  O vagabundo tem antecedentes por assédio sexual desde 2002, quando filmou mulheres em um banheiro público feminino. Em 2012, ele foi preso por tentar estuprar uma menina de quatro anos de idade. Na semana passada, Marco Aurélio foi flagrado tentando entrar em um banheiro feminino em um supermercado de Capão da Canoa. Ou seja, é uma besta qualificada, reincidente em muitas oportunidades. O vagabundo disse que é doente e tem problemas com álcool. Já foi pedida a prisão preventiva da besta, que deverá ser encaminhada à Penitenciária de Osório, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. A polícia chegou até o homem após denúncia anônima na manhã de terça-feira de um morador que o reconheceu em fotos divulgadas nas redes sociais. A menina que sofreu as agressões foi até a casa do monstro Marco Aurélio Bitencourt de Souza e reconheceu o lugar. Um segundo suspeito de participar do crime foi identificado e está sendo procurado pela Polícia Civil gaúcha. A menina estava na casa da bisavó materna no bairro Santa Luzia quando desapareceu, por volta das 17h30min de segunda-feira. No começo da madrugada de terça-feira ela foi localizada com ferimentos no rosto e relatou ter sido agredida a socos. Segundo a mãe da menina, de 23 anos, os exames realizados pela perícia constataram que ela sofreu abuso sexual. A criança também contou ter sido ameaçada para não contar nada. 


O monstro fez ameaças e também um segundo suspeito teria dito a ela que se contasse alguma coisa à polícia, a mãe seria morta. "Ela disse que "outro tio" (um segundo suspeito) colocou ela em um carro e mandou baixar a cabeça. Quando ela desceu, avisou que mataria a mãe se ela falasse alguma coisa". Os pais são separados e têm a guarda compartilhada. O pai explicou que a menina estava morando com a bisavó. "Ela ficava um pouco comigo, um pouco com a mãe. A mãe tem outros filhos para cuidar. Mas morava mesmo com a bisavó. Ela sumiu quando estava brincando com uns primos", afirmou. Atenção presos de Osório, vocês têm mulher e filhos, sabem como é que é. Portanto, preparem a recepção. O sistema jurídico brasileiro é uma grande farsa. Um vagabundo desses, se for condenado, estará livre novamente em no máximo cinco anos para voltar a atacar outras crianças. É preciso imediatamente rever a legislação penal no Brasil, começando por acabar com qualquer chance de progressão da pena para determinados crimes, como o de sequestro, tortura e estupro de crianças. 

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

The Economist desvenda o tamanho da tragédia Venezuela sob o regime bolivariano


Às 9h30 de uma quinta-feira, seis venezuelanos aguardam para realizar um tour guiado pelo antigo museu militar que atualmente abriga o mausoléu de Hugo Chávez, o presidente populista que governou o país entre 1999 e 2013. Do outro lado da rua, cerca de 120 pessoas fazem fila num supermercado estatal para comprar alimentos pela tabela oficial de preços. A fila começa a ser formar às 3 da madrugada. “Às vezes a gente consegue comprar alguma coisa, às vezes não”, diz uma pessoa na fila. Nesse bairro de Caracas, que já foi um bastião do chavismo, a mística do ex-presidente vem perdendo brilho em meio à luta diária pela sobrevivência. Ficaram para trás os dias em que Chávez podia fazer uso das abundantes reservas de petróleo do país para impor sua “revolução bolivariana” - uma mistura de subsídios indiscriminados, controles de preços e câmbio, programas sociais, expropriações e corrupção em larga escala. O colapso dos preços do petróleo revelou a gigantesca fraude que jazia por trás da revolução. No mês passado, o governo venezuelano admitiu que nos 12 meses encerrados em setembro, a economia sofreu contração de 7,1% e a inflação chegou a 141,5%. Até mesmo Nicolás Maduro, o malfadado herdeiro e sucessor de Chávez, disse que os números são “catastróficos”. Para o Fundo Monetário Internacional, a situação ainda vai piorar: seus técnicos calculam que a inflação atingirá 720% este ano e a economia encolherá 8%, depois de ter recuado 10% em 2015. O Banco Central venezuelano vem emitindo moeda para cobrir grande parte de um déficit fiscal que corresponde a aproximadamente 20% do PIB. O governo está sem dólares: as reservas internacionais baixaram para apenas US$ 1,5 bilhão, estima José Manuel Puente, economista da escola de administração IESA, de Caracas. Se é verdade que todas as nações produtoras de petróleo estão passando por dificuldades, a Venezuela é uma das únicas que não dispõe de provisões para enfrentar o período de preços baixos. O resultado é um estado de penúria de que só se salvam algumas poucas autoridades privilegiadas e os parasitas que vivem em seu redor. Os salários reais tiveram queda de 35% no ano passado, calcula o consultor Asdrúbal Oliveros. Segundo levantamento realizado por um grupo de universidades, 76% dos venezuelanos vivem atualmente em situação de pobreza, frente a 55% em 1998. A indústria farmacêutica alerta que os estoques de medicamentos recuaram a 20% de seus níveis normais. Muitos remédios estão em falta; o que vem causando a morte de doentes. Em Caracas, a cada semana que passa, aumentam as filas para a compra de alimentos nos estabelecimentos estatais. A escassez deve se agravar ainda mais em março, aflige-se um executivo do setor de alimentos. A criminalidade está fora de controle. A insatisfação crescente desembocou na vitória da oposição nas eleições de dezembro para a Assembleia Nacional. Sobreveio o impasse. Chávez transformou as instituições do Estado venezuelano - incluindo o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) - em apêndices do Poder Executivo. No fim de novembro, antes de perder o controle do Legislativo, os parlamentares chavistas aprovaram a substituição legalmente duvidosa de 13 magistrados do TSJ, que semanas depois impugnou a candidatura de quatro deputados, retirando da oposição a maioria de dois terços necessária à aprovação de emendas constitucionais. Maduro não dá sinais de estar disposto a mudar o rumo de seu governo. No mês passado, ele baixou um decreto de “emergência econômica”, revogado uma semana depois pelos novos deputados, que basicamente aumentava seu controle sobre a economia. O governo parece paralisado, vítima da indecisão e de conflitos internos. O presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, deu um prazo de seis meses a Maduro para que ele acabe com a crise econômica. Do contrário, o líder oposicionista ameaça destituir o presidente constitucionalmente. Em tese, os meios disponíveis para isso incluem a realização de um referendo revogatório, a aprovação de uma emenda abreviando os seis anos do mandato presidencial ou a convocação de uma Assembleia Constituinte. Na prática, o TSJ e o Conselho Nacional Eleitoral, ambos controlados pelos chavistas, podem obstruir ou retardar indefinidamente essas iniciativas. Por isso, diz Ramos Allup, a primeira coisa que a Assembleia Nacional precisa fazer é promover a substituição dos 13 magistrados recém-nomeados - uma medida que o próprio TSJ se encarregará de vetar. O custo do impasse é alto. Brigas nas filas para a compra de alimentos e ondas localizadas de saques são ocorrências diárias. “Estamos a um passo de uma situação que o governo não vai ter como controlar. É uma linha muito tênue”, diz o moderado Henrique Capriles, oposicionista que em 2013 perdeu a eleição presidencial para Maduro por pequena margem de votos. A maioria dos oposicionistas e alguns chavistas acreditam que uma transição negociada é a única maneira de evitar que a situação descambe num conflito sangrento. Não é preciso pensar muito para delinear os contornos gerais de um acordo desse tipo: o regime teria de conceder anistia aos presos políticos e concordar em restaurar a independência do Judiciário, da autoridade eleitoral e de outros poderes. Em troca, a oposição precisaria dar seu apoio a medidas fundamentais, ainda que certamente impopulares, para estabilizar a economia. Ramos Allup diz que há “algumas conversas” em curso, mas não um diálogo formal. Nas ruas, o tempo está se esgotando. Muitos na oposição dizem que o preço de um acordo é a renúncia de Maduro, seguida de uma eleição ou de sua substituição por Aristóbulo Istúriz, um chavista moderado que assumiu recentemente o cargo de vice-presidente do país. Mas Maduro concordaria com isso? O presidente parece paralisado pela ideia de que sua renúncia seria uma traição ao legado de Chávez. Mas o fato é que o que resta do chavismo estaria melhor sem ele. 

E o vencedor é...

Metade dos moradores do Rio de Janeiro despeja esgoto diretamente na Baía de Guanabara. Apesar disso, diz O Globo, Luiz Fernando Pezão “quer usar os recursos do Fundo Ambiental para socorrer as aposentadorias da previdência fluminense, que tem um déficit previsto para este ano de 12 bilhões de reais”. No Brasil, as fezes sempre acabam vencendo.

Um delegado transparente

O delegado federal Marlon Cajado fez uma defesa lapidar do inquérito policial contra Lula. Em documento enviado ao juiz Vallisney de Souza Oliveira e reproduzido pelo Estadão, ele disse: "A instauração de novos inquéritos para apurar outras condutas ilícitas atribuíveis à organização criminosa, e até a participação de novos indivíduos à mesma não se trata de nenhuma ilegalidade. Entender de outra forma é assumir que a proposição de ação penal preclui a apuração de qualquer outro crime que possa ser atribuído a alguém, ou mesmo a invenção de uma forma extralegal de prescrição da pretensão punitiva do Estado com relação a outras condutas e outras pessoas, as quais podem ser processadas em nova ação penal se assim entender por bem o Ministério Público". Ele disse também que o inquérito policial é "inclusive uma garantia de mais transparência". Lula é oculto, mas temos a sorte de poder contar com um delegado transparente.

Teori mantém Argôlo preso

Teori Zavascki negou pedido de liberdade da defesa de Luiz Argôlo, condenado a 11 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

O bolivarianismo é culpa da seca

A Odebrecht não deverá ver dinheiro tão cedo na Venezuela. O governo de Nicolás Maduro anunciou que os shopping centers do país ficarão sem energia elétrica entre 13h e 15h e entre 19h e 21h, de segunda a sexta-feira. Nicolás Maduro pôs a culpa na seca causada pelo El Niño. O bolivarianismo é culpa da seca.

Os usufrutuários de Luleco

Gilto Avallone, conselheiro do Palmeiras, escreveu artigo para o Blog do Paulinho sobre a indicação de Luís Cláudio Lula da Silva como auxiliar técnico de Vanderlei Luxemburgo. Ele defende a tese de que Luleco foi usado por Luxemburgo para se aproximar de Lula em sua pretensão de virar senador e escapar de processos. Assim como no Corinthians, o caçula de Lula recebeu para não fazer nada. "Acham que foi contratado e exerceu a função? Lógico que não", diz Avallone. Seguindo esse raciocínio, Luleco também foi usado pelo lobista Mauro Marcondes para conseguir a aprovação das MPs que beneficiaram o setor automotivo. Ele pagou R$ 2,5 milhões ou mais (o valor pode chegar a R$ 4 milhões) para usufruir de Luleco.