quarta-feira, 5 de março de 2008

Ministro Carlos Lupi deve anunciar nessa quarta-feira que vai deixar a presidência do PDT

O comando do PDT aguarda que o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, anuncie nesta quarta-feira a decisão de deixar a presidência nacional do partido para se manter no governo Lula. A decisão ocorre quase três meses depois de a Comissão de Ética Pública recomendar que ele optasse por uma das funções. Oficialmente, a iniciativa será anunciada ao partido em uma reunião em Brasília. Há uma disputa para ocupar o lugar de Carlos Lupi na presidência do partido, entre o governador do Maranhão, Jackson Lago (apenas um braço direito do PT), o deputado Vieira da Cunha (RS) e o atual secretário-geral do PDT, Manoel Dias. De acordo com integrantes do partido, as mudanças deverão ser anunciadas nesta quarta-feira durante reunião do Conselho Político do PDT, na qual estarão também as bancadas do partido na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Depoimento do presidente da Finatec à CPI das ONGs é adiado

O presidente afastado do Conselho Superior da Finatec (Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos), Antônio Manoel Dias Henriques, não prestou depoimento nesta terça-feira à CPI das ONGs. Em documento enviado à comissão, ele disse que acompanharia a irmã em uma cirurgia fora de Brasília, e o depoimento deve ser remarcado para a próxima semana. Gladaniel Palmeira de Carvalho, promotor de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal, foi o primeiro a depor na CPI. Segundo ele, as fundações de direito privado, como a Finatec, seguem um mesmo modo de atuar: burlam as licitações e fazem pagamentos de remuneração indireta (como gastos em restaurantes e bolsas de estudo). "É um sistema falido e ultrapassado e não se justifica mais", disse o promotor: "É um sistema que precisa passar por uma urgente reforma, do Acre ao Rio Grande do Sul. Essas fundações não contribuem para as pesquisas”.

PT desiste da pressão e concorda em ficar com relatoria da CPI dos Cartões

O líder do PSDB no Senado Federal, senador Arthur Virgílio (AM), classificou como sensata a decisão do PT de abrir mão da presidência da CPI dos Cartões Corporativos. Com o recuo, a senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) vai assumir a presidência da comissão que investigará irregularidades no uso dos cartões por integrantes do governo federal. O PT, por sua vez, ficará com a relatoria da comissão, nas mãos do deputado federal Luiz Sérgio (RJ). "Eles respeitaram a proporcionalidade, o direito da bancada do PSDB de indicar o presidente da CPI. Acredito que, com isso, se começa a estabelecer uma relação mais positiva entre a senadora Marisa e o deputado Luiz Sérgio", disse Arthur Virgílio. Responsável pelo acordo firmado com a oposição para que Marisa Serrano assuma a presidência da CPI, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) disse que o PT quis colaborar com o processo de investigação ao desistir do cargo. A decisão do PT de abrir mão da presidência da CPIfoi conseqüência do isolamento da bancada do partido na Câmara dos Deputados, por ter insistido na troca do cargo com a oposição mesmo sem o apoio de outras legendas da base aliada do governo. Segundo parlamentares, o PT não conseguiu convencer nem mesmo a bancada do próprio partido no Senado para ficar com a presidência.

Governador José Serra cobra explicação sobre apagão em São Paulo

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), determinou à secretária de Saneamento e Energia do Estado, Dilma Seli Pena, a apresentação de um relatório a respeito da falha que deixou cerca de 20 bairros de São Paulo e partes de Embu e Taboão da Serra sem luz na manhã desta terça-feira. A AES Eletropaulo informou que a interrupção ocorreu às 8h45 e que o fornecimento foi restabelecido por volta das 9h40, e que 690 mil clientes foram afetados. O problema teria ocorrido na subestação Bandeirantes da CTEEP (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista). “Acompanhamos isso com preocupação e vamos querer uma explicação muito convincente a esse respeito", afirmou o governador. O presidente do Stieesp aponta falta de investimento no setor em todo país. Ele defende a volta da racionalização no consumo, assim como foi feito em 2001.

Promotores defendem quebra de sigilos do presidente da Finatec na CPI das ONGs

A oposição escalou nesta terça-feira uma tropa de choque para acompanhar a sessão da CPI das ONGs. O PSDB e o DEM escolheram líderes das bancadas e senadores para participarem da reunião. A primeira vitória da oposição foi conseguir que mais um promotor fosse chamado para prestar esclarecimentos. Na linha de frente da oposição estiveram os senadores Heráclito Fortes (DEM-PI), Álvaro Dias (PSDB-PR), Arthur Virgílio (PSDB-AM), Sérgio Guerra (PSDB-PE), Agripino Maia (DEM-RN). Já pelo governo Lula se apresentaram os senadores Sibá Machado (um suplente sem voto do PT-AC), Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), Paulo Paim (PT-RS) e Valter Pereira (PMDB-MS). Os promotores do Ministério Público do Distrito Federal defenderam a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente afastado do Conselho Superior da Finatec (Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos), Antônio Manoel Dias Henriques. O requerimento sugerindo a quebra dos sigilos será apresentado por Álvaro Dias, segundo o próprio senador.

PT vai questionar conduta de Marco Aurélio Mello como magistrado

O PT prepara duas representações contra o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal. Nas representações, o PT acusa Marco Aurélio de desrespeitar a lei que proíbe os magistrados de se manifestarem sobre processos que tramitam na Justiça. O alvo das representações são declarações do ministro, que disse que o lançamento do programa Territórios da Cidadania em ano eleitoral poderia ser contestado judicialmente. O presidente Lula criticou indiretamente o ministro e disse que "seria tão bom se o Judiciário metesse o nariz apenas nas coisas dele". "O governo não se mete no Legislativo e não se mete no Judiciário. Se cada um deve ficar no seu galho, o Brasil tem chance de ir em frente. Se cada um der palpite nas coisas do outro, pode conturbar a tranqüilidade que sociedade espera de nós", afirmou Lula na semana passada. As declarações de Lula foram criticadas por parlamentares. "Isso que ele criticou é a última coisa que ele poderia fazer. Poderia ter feito outras críticas mais legítimas, essa de recorrer ao Judiciário, o Congresso tem legitimidade para recorrer sempre que se sentir atingido", afirmou o presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN). O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), criticou a reação de Lula atribuindo ao estilo de personalidade dele: "O presidente revelou o estilo ditatorial dele. O ministro Marco Aurélio Mello está fazendo o trabalho dele".

Presidente da CPI e relator divergem sobre investigar contas de FHC e ministros de Lula

A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), indicada para presidir a CPI dos Cartões Corporativos, defendeu nesta terça-feira que a comissão não investigue as chamadas contas B do governo Fernando Henrique Cardoso, que deram origem ao atual modelo dos cartões corporativos. Por outro lado, o futuro relator da CPI, deputado federal Luiz Sérgio (PT-RJ), disse não estar disposto a convocar os ministros do governo Lula acusados de irregularidades no uso dos cartões. "As investigações têm que seguir o requerimento de instalação da CPI. Nele, não se fala em contas B. Só nos cartões corporativos. Se na discussão aparecer algo correlato, é obrigação da Mesa Diretora da comissão aceitar", afirmou Marisa Serrano. A indicação dela para a presidência da CPI foi feita após acordo entre lideranças do governo e da oposição.

Presidente da CPI e relator divergem sobre investigar contas de FHC e ministros de Lula

A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), indicada para presidir a CPI dos Cartões Corporativos, defendeu nesta terça-feira que a comissão não investigue as chamadas contas B do governo Fernando Henrique Cardoso, que deram origem ao atual modelo dos cartões corporativos. Por outro lado, o futuro relator da CPI, deputado federal Luiz Sérgio (PT-RJ), disse não estar disposto a convocar os ministros do governo Lula acusados de irregularidades no uso dos cartões. "As investigações têm que seguir o requerimento de instalação da CPI. Nele, não se fala em contas B. Só nos cartões corporativos. Se na discussão aparecer algo correlato, é obrigação da Mesa Diretora da comissão aceitar", afirmou Marisa Serrano. A indicação dela para a presidência da CPI foi feita após acordo entre lideranças do governo e da oposição.

Ministro Nelson Jobim diz que notícia sobre envio de armas para Venezuela não tem procedência

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse nesta terça-feira que a notícia sobre o envio de armas de fogo do Brasil para a Venezuela não tem procedência. Jobim rechaçou as informações de que existiria a programação de vôos secretos numa suposta operação rumo à Venezuela. "A notícia não tem procedência alguma", afirmou o ministro, no Congresso: "Não tem remessa de armas”. A reação do ministro de ir ao Congresso foi provocada pela iniciativa de Virgílio, que subiu à tarde à tribuna do Senado para denunciar a operação.

TAM também desmente denúncia de transporte ilegal de armas para Venezuela

A TAM divulgou nota oficial nesta terça-feira para desmentir afirmações do senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) que, com base em informações de um organismo internacional, acusou a empresa aérea de transportar armamentos de forma clandestina para a Venezuela. A empresa admite, porém, que transportou armamento da empresa Taurus neste ano para a Venezuela, mas argumenta que a operação foi legal. A companhia aérea afirma que, antes dos últimos 15 dias, encontrou uma exportação de carga de revólveres Taurus para um importador venezuelano. Segundo a TAM, a exportação do armamento "seguiu todos os trâmites legais" e contou com as "autorizações oficiais devidas". Na nota, a empresa argumenta que o transporte desse tipo de carga é autorizado pelo Exército brasileiro, que teria emitido a permissão ao exportador. Arthur Virgílio subiu à tribuna do Senado para denunciar uma operação da TAM que teria programado quatro vôos secretos para a Venezuela com mais de 31,5 toneladas de armas de fogo fabricadas no Brasil para municiar o país vizinho, em meio à crise instalada com o Equador e a Colômbia. O senador disse que as denúncias foram reveladas pelo "Financial Crime Consultant for World Check", instituição internacional que controla ações belicistas em todo o mundo.

Deputado federal gaúcho Pompeo de Mattos é eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos, sob protestos

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados elegeu o deputado federal Pompeo de Mattos (PDT-RS), nesta terça-feira, para a sua presidência. A votação não foi unânime e o resultado gerou protestos de integrantes da comissão. Entre eles, do deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ). O parlamentar ressaltou que Pompeo de Mattos não tem uma história vinculada aos direitos humanos e acusou o pedetista de introduzir condições desfavoráveis ao desarmamento quando foi relator da Medida Provisória 379/07, que estendia o prazo para o registro de armas.

Ministério Público denuncia PMs pelo assassinato de jornalista em São Paulo

O Ministério Público de São Paulo denunciou nesta terça-feira quatro policiais militares acusados de participar da morte do jornalista Luiz Carlos Barbon, em maio de 2007, em um bar de Porto Ferreira (SP). Adelcio Carlos Avelino, Valnei Bertoni, Paulo César Ronceiro e Edson Luiz Ronceiro foram denunciados por homicídio e formação de quadrilha. O jornalista publicava artigos no "Jornal do Porto" e foi quem primeiro denunciou, em 2003, o caso de vereadores acusados de explorar sexualmente adolescentes. Ele foi um dos três finalistas do prêmio Esso de Jornalismo em 2003, categoria Especial Interior, com a reportagem "Corrupção de menores", publicada no "Jornal Realidade", de Porto Ferreira. A mulher da vítima, Kátia Barbon, informou que o jornalista havia recebido ameaças por cartas e telefonemas. Barbon Filho morreu em Porto Ferreira, após ser atingido por dois tiros de espingarda. Segundo testemunhas, dois homens vestidos com roupas pretas e encapuzados chegaram ao bar em uma moto. O criminoso que estava na garupa desceu da moto, se aproximou do jornalista e disparou dois tiros à queima roupa.

JBS anuncia compra de três empresas estrangeiras por US$ 1,3 bilhão

O grupo JBS-Friboi divulgou a compra de três empresas estrangeiras. As transações somam cerca de US$ 1,3 bilhão. O negócio com a norte-americana Smithfield Beef Processing foi de US$ 565 milhões e incluem 100% das ações da subsidiária Five Rivers Ranch Cattle Feeding, informou a JBS. "Estão excluídos da aquisição da Smithfield Beef os estoques de gado vivo, mantendo-se, entretanto, a prestação de serviço do processo de engorda pela JBS", aponta o comunicado. A companhia informou também a intenção de capitalizar a Five Rivers em mais US$ 200 milhões após o fechamento da operação. Por 160 milhões de dólares australianos (cerca de US$ 150 milhões), a JBS também comunicou a aquisição das operações da Tasman, da Austrália, com atuação no abate, processamento e comercialização de carne bovina e de animais de pequeno porte. A JBS também informou contrato com também norte-americana National Beef, "visando à aquisição, direta ou indiretamente, da totalidade da participação societária representativa do capital social" da empresa. A National Beef opera no abate e na venda de carne bovina, cortes de carne embalados e customizados e subprodutos bovinos. A JBS pagará US$ 560 milhões, dos quais aproximadamente US$ 465 milhões serão pagos em dinheiro e aproximadamente US$ 95 milhões, em ações de emissão da JBS.

Equador rejeita pedido de desculpas da Colômbia

A Colômbia voltou a pedir desculpas para o Equador, nesta terça-feira, três dias depois de invadir o território do país vizinho, na operação militar em que resultou morto o terrorista nº 2 das Farc, organização terrorista e traficante de cocaína. Por incrível que pareça, não adiantou nada o pedido de desculpas da Colômbia. O governo do bufão Raul Correa quer uma humilhação da Colômbia, e não quer reconhecer que abrigava terroristas em seu território, e que queria inclusive entregar o controle da faixa de fronteira para esses terroristas. O Equador respondeu que o gesto, adotado na reunião extraordinária da Organização de Estados Americanos em Washington, não é suficiente. E apresentou três exigências. A chanceler equatoriana María Isabel Salvador afirmou que a OEA precisa condenar a incursão colombiana, designar uma comissão investigadora do incidente e convocar um encontro de chanceleres das Américas, a ser realizado "no máximo até 11 de março". O embaixador colombiano na OEA, Camilo Ospina, admitiu a invasão do território equatoriano no sábado, em uma operação contra terroristas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. O ataque matou 21 combatentes. Três guerrilheiras que também estavam no acampamento sobreviveram. Ospina falou sobre os antecedentes criminais de Raúl Reyes, número 2 das Farc, morto na ação, e reafirmou que o Equador e a Venezuela fomentaram as atividades da guerrilha. O embaixador colombiano entregou uma pasta com informações sobre a operação, que "tornam imperativas explicações, das autoridades equatorianas e venezuelanas, sobre seus vínculos com as Farc". Nesta terça-feira, o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, anunciou que vai denunciar o presidente venezuelano, Hugo Chávez, ao Tribunal Penal Internacional, em Haia, por "patrocínio e financiamento de genocidas".

Brigada Militar gaúcha expulsa bandoleiras do MST de fazenda invadida em Rosário do Sul

Mais de 500 terroristas do MST invadiram nesta terça-feira a fazenda Tarumã, em Rosário do Sul, município localizado a 390 quilômetros de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. A fazenda pertence à empresa finlandesa Stora Enso. As bandoleiras do MST foram expulsas da propriedade no final da tarde, com a necessidade de uso bombas de efeito moral e balas de borracha pelos policiais para convencer as terroristas que recebem treinamento militar das Farc. Um oficial policial militar foi ferido em um dos braços por foiçada desferida por uma terrorista. As militantes do MST invadiram a fazenda de 2.075 hectares às 5h40. Durante o dia, a Brigada Militar cercou a fazenda e realizou a operação de retirada às 18 horas. O subcomandante da Brigada Militar no Rio Grande do Sul, coronel Paulo Mendes, que coordenou a operação, confirmou que foram usadas bombas de efeito moral e balas de borracha. Cães e cavalos também foram utilizados na operação que contou com 50 policiais. As terroristas invasoras foram todas levadas para uma delegacia na cidade de Santana do Livramento, para serem indiciadas por danos e corrupção de menores, já que 250 crianças foram levadas para participar da invasão. Quatro hectares de eucaliptos foram destruídos pelas terroristas invasoras. A fazenda Tarumã é utilizada pela Stora Enso há dois anos para o cultivo de eucaliptos. A Stora Enso possui 46 mil hectares no Rio Grande do Sul, sendo mais de 9.000 hectares cultivados. A previsão é que mais 10 mil hectares sejam florestados ao longo de 2008. A fazenda invadida em Rosário do Sul tem 2.075 hectares. Cerca de 40% da área é destinada ao plantio de eucaliptos. O restante é uma reserva de preservação permanente.

Comissão do Senado aprova prazo de 90 dias para restituição do Imposto de Renda

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal aprovou nesta terça projeto de lei que fixa um prazo máximo de 90 dias para a restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física. A proposta é de autoria do senador Alvaro Dias (PSDB-PR) e recebeu decisão terminativa na CAE, o que significa que seria submetida agora à Câmara dos Deputados, desde que não houvesse recurso em contrário. Mas, o líder do governo Lula no Senado Federal, senador Romero Jucá (PMDB-RR), anunciou que solicitará nova votação para essa matéria no Plenário da Casa. De acordo com o projeto, o prazo de 90 dias seria contado a partir do último dia útil previsto para a entrega da declaração. Segundo Alvaro Dias, a demora nas devoluções por parte da Receita Federal caracteriza "prática escancarada de empréstimo compulsório não autorizada nos termos constitucionais". Na reunião realizada nesta terça, alguns senadores da base governista afirmaram que o prazo de 90 dias seria muito curto. Eduardo Suplicy (PT-SP), por exemplo, apresentou alguns dos argumentos da Secretaria da Receita Federal contra o projeto, como o de que as devoluções dentro desse prazo reduziriam o fluxo de caixa do Tesouro Nacional, prejudicando os fundos que repassam recursos para Estados e municípios. Francisco Dornelles (PP-RJ), relator do projeto de Alvaro Dias, respondeu que, desde que se tornou senador, "os pronunciamentos da Receita Federal são contrários à aprovação de qualquer proposta de qualquer senador".

Hillary Clinton derrota Barack Obama nas prévias de Rhode Island, Ohio e Texas

A senadora Hillary Clinton, de Nova York, ganhou as primárias democratas nos Estados de Rhode Island, Ohio e Texas, reacendendo suas chances de ser a candidata do Partido Democrata à Presidência dos Estados Unidos. A vitória de Hillary Clinton, a primeira a ser anunciada, em Rhode Island, um estado pequeno, com apenas seis delegados, foi importante por representar o fim de uma sequência de onze vitórias do demagogo Barack Obama.

Tribunal de Justiça manda governadora Yeda Crusius intervir na prefeitura de Porto Alegre

O ofício do Poder Judiciário para a governadora Yeda Crusius (PSDB), assinado pelo desembargador-presidente do Tribunal de Justiça, Armínio José Abreu Lima da Rosa, com data de 29 de fevereiro de 2008, determinou a intervenção na Prefeitura de Porto Alegre e diz o seguinte: “Senhora Governadora: Em cumprimento ao artigo 222 do Regimento Interno deste Tribunal e do art. 15, inciso IV e § 1º, letra “b” da Constituição Estadual, requisito de Vossa Excelência a intervenção no Município de Porto Alegre, uma vez que em 21 de fevereiro do corrente, transitou em julgado a decisão do Órgão Especial, datada de 03/121/07, no processo nº 70021238738, Representação proposta pelo Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral de Justiça contra o referido Município. Em anexo, cópia do acórdão. Na oportunidade, renovo os meus protestos de elevada estima e distinta consideração”. É importante ressaltar a expressão utilizada pelo desembargador Armínio José Abreu Lima da Rosa: “REQUISITO”. Ou seja, ele não sugeriu, não pediu, não ponderou. Ele ordenou, de maneira impositiva, como determina a lei. A Intervenção é conseqüência de ação movida pelo advogado Marino de Castro Outeiro, cobrando uma dívida trabalhista da Prefeitura de Porto Alegre em favor de Rosemari Almeida Farias. O processo já dura 12 anos. A vítima, Rosemari Almeida Farias, caminhava pela rua indo em direção ao seu trabalho, quando foi atingida por máquina de empreiteira contratada para obra da prefeitura e foi jogada dentro de um buraco de três metros de profundidade. Vencedora em primeira instância, a questão subiu para o Tribunal de Justiça, por iniciativa da Procuradoria Geral do Município de Porto Alegre, onde foi julgada no dia 3 de dezembro do ano passado. A Prefeitura da capital gaúcha perdeu a apelação por unanimidade no Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Como a Procuradoria Geral do Município perdeu prazo para qualquer outro recurso, o processo transitou em julgado, e agora é emitida a ordem de intervenção na prefeitura da capital gaúcha. A intervenção está sendo decretada porque a prefeitura de Porto Alegre se recusou a obedecer ordem judicial e pagar a quantia de R$ 102.053,65 para Rosemari Almeida Farias. O prefeito José Fogaça está levando bolas nas costas da Procuradoria Geral do Município.

Técnicos sabotam o governo de Yeda Crusius

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), dorme tarde, acorda cedo, promove reuniões incontáveis com o objetivo de desamarrar a administração estadual e, no fim, seus esforços terminam em nada, porque setores do governo sabotam suas determinações. Na segunda-feira começaram as inscrições para a montagem de uma força-tarefa no IGP (Instituto Geral de Perícias). Mas, será uma iniciativa inútil, tudo por causa da disputa existente entre os diretores do Departamento de Criminalística e o do Insitituto Geral de Perícias. Este último vai contrariar diretamente o que foi determinado pela governadora Yeda Crusius. A montagem da força-tarefa decorre de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) estabelecido entre o governo do Estado , o Poder Judiciário e o Mistério Público, ainda durante o governo Germano Rigotto. A governador Yeda Crusius tomou a iniciativa de colocar o trem andando. Editou o Decreto 45.292, no dia 23 de outubro do ano passado, criando a força-tarefa do Instituto Geral de Perícias, que deveria realizar 12.000 perícias, atual passivo da Seção de Balística Forense e Seção de Documentoscopia Forense do Departamento de Criminalística. Essa foi a justificativa da Lei 12.879, de 27 de dezembro de 2007, que autorizou a contratação emergencial de 25 Peritos Criminais para a força-tarefa atender o objetivo de zeramento das perícias. No corpo da mesma lei foi incluída também a contratação de quatro Médicos-Legista e nove Auxiliares de Perícias para atuarem em Postos Médicos Legistas no Interior do Estado. Também, na mesma lei ficou autorizada a prorrogação de contrato emergencial de Médidos, Papiloscopistas e Auxiliares de Perícias no Interior do Estado. Ou seja, a lei autorizou a contratação de 38 funcionários. Mas, no dia 18 de fevereiro de 2008, no Diário Oficial, páginas 15 a 17, saiu publicado o Edital 01/2008 do IGP (Instituto Geral de Perícias), no qual ardilosamente, foi prevista a inscrição de 38 servidores (número previsto na Lei) para os locais e cargos relacionados no corpo do mesmo. Acontece que efetivamente somente 13 vagas foram previstas, sendo 4 Médicos Legistas e 9 Auxiliares de Perícias. Informalmente, para gasto interno, foi declarado pelo chefia que a não inclusão dos 25 Peritos Criminais foi porque haverá concurso para 133 funcionários no IGP (55 Peritos-Criminais, 4 Peritos Quimicos Forense, 19 Peritos Medico-Legista, 18 Papiloscopista, 18 Fotografos Criminalisticos, 19 Auxiliares de Pericias). Acontece que, até a entrada efetiva dos futuros concursados em serviço, se tudo ocorrer bem, terão decorrido no mínimo dois anos. Resumindo, até lá, o passivo de zeramento de 12.000 não acontecerá. Mais do que isso: vai se multiplicar em muito esse passivo. Ou seja, tudo exatamente ao contrário do que era o objetivo e a determinação da governadora Yeda Crusius. É fundamental que ela tenha agora nomeado o economista Delson Martini para a Secretaria Geral de Governo, para controlar essas e outras sabotagens que são produzidas pelas corporações em prejuízo do interesse da sociedade.

Senador John McCain já é o candidato republicano à presidência dos Estados Unidos

O senador John McCain, de Illinois, conseguiu a nomeação presidencial nesta terça-feira com quatro vitórias que fizeram seu grande rival, o ex-governador de Arkansas, Mike Huckabee, sair da corrida. As vitórias em Vermont, Ohio, Texas e Rhode Island garantiram a McCain número superior aos 1.191 delegados necessários para assegurar a nomeação do seu partido. Com as vitórias desta terça-feira, o veterano da Guerra do Vietnã conseguiu atingir a marca de 1.205 delegados. O presidente George W. Bush deve apoiar a candidatura de McCain na Casa Branca nesta quarta-feira. "Estou muito satisfeito de perceber, meus amigos, que conseguimos ganhar o número suficiente de delegados para dizer com confiança, humildade e um senso de grande responsabilidade que serei o nomeado republicano à Presidência dos Estados Unidos", disse McCain a simpatizantes em Dallas, Texas.