terça-feira, 10 de junho de 2008

Beto Richa anuncia que disputará reeleição em Curitiba

O prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), anunciou nesta segunda-feira que vai disputar a reeleição. Mas ele ainda não definiu o nome que ocupará a candidatura a vice. Richa disse que os bons índices de aprovação de sua gestão junto a pesquisas de opinião o fizeram decidir pela apresentação de nova candidatura. Pesquisa Datafolha feita em novembro apontou Richa como favorito para vencer no primeiro turno, com 58% das intenções de voto, índice que representava o dobro da soma dos concorrentes. Richa disse que, se for reeleito, vai permanecer por quatro anos no cargo, descartando eventual projeto de disputa ao governo do Estado, em 2010. Apesar da declaração, o prefeito disse que articula para montar uma ampla coligação capaz de definir a eleição no primeiro turno. A campanha de Richa será coordenada por Euclides Scalco, ex-ministro da Casa Civil no governo Fernando Henrique Cardoso.

Venezuela receberá 10 mil cabeças de gado do Brasil e do Uruguai

Cerca de 10 mil búfalos e vacas procedentes do Brasil e do Uruguai chegarão à Venezuela nos próximos três meses, e outras 10 mil serão entregues no último trimestre de 2008, para aumentar as produções de carne e leite do país. "Estamos coordenando com os três ministros da área e o vice-presidente da República a programação para a chegada ao país de 10 mil fêmeas bubalinas e bovinas", disse o presidente da Federação Bolivariana de Criadores de Gado e Agricultores da Venezuela (Fegaven), Balsamino Belandria. Nos próximos três meses, chegarão à Venezuela 3.200 búfalos e 4.000 cabeças de gado bovino de diferentes raças brasileiras, e outras 3.500 vacas da raça holandesa usadas do Uruguai, indicou Belandria, que somou a estes números a importação de outras 10 mil cabeças no último trimestre de 2008. Para o presidente da Fegaven, a chegada das 20 mil fêmeas "terá um impacto positivo na pecuária venezuelana, porque refrescarão o sangue de nossos rebanhos".

Ex-secretário de Transportes de Marta Suplicy será coordenador de campanha do PT em São Paulo

O deputado federal Carlos Zaratini (PT-SP) será o coordenador de campanha da ex-ministra Marta Suplicy (PT) às eleições pela prefeitura de São Paulo. A confirmação saiu na noite desta segunda-feira em reunião do diretório municipal do partido. Zaratini foi secretário de Transportes e de Sub-prefeituras da gestão de Marta Suplicy na prefeitura. Segundo o presidente do diretório municipal petista, o vereador José Américo, a comissão executiva da campanha ainda pode ser alterada até o dia da convenção do partido, que acontece no próximo dia 29.

Integrantes do MST são presos por porte ilegal de armas e formação de quadrilha

Nove terroristas do MST foram presos no Paraná na noite de sábado e autuados por porte ilegal de armas e formação de quadrilha. As prisões ocorreram após a Polícia Militar receber denúncias de fazendeiros de que membros do MST planejavam invadir uma fazenda em Reserva do Iguaçu (a 350 quilômetros de Curitiba) no final de semana. Em frente a um assentamento, policiais militares localizaram uma concentração de cerca de 50 pessoas. Os policiais fizeram uma revista e encontraram nove armas, entre elas uma escopeta calibre 12, revólveres calibre 38 e espingardas de caça. Trinta pessoas foram conduzidas à delegacia de Guarapuava. Nove delas continuam presas. De acordo com o delegado Cristiano Quintas dos Santos, chefe-adjunto da 14ª Subdivisão Policial, em Guarapuava, os sem-terra presos foram autuados por porte ilegal de arma e formação de quadrilha. Em depoimento, segundo o delegado, os sem-terra declararam que as armas foram repassadas por membros do MST.

Governadora Yeda Crusius monta um gabinete de transição em seu governo para enfrentar a corrupção

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), anunciou nesta segunda-feira a criação de um gabinete de transição. O gabinete foi criado após Yeda exonerar no sábado quatro assessores diretos por denúncias de corrupção: Cézar Busatto (ex-chefe da Casa Civil), Delson Martini (ex-secretário-geral de Governo), Marcelo Cavalcante (ex-chefe do escritório do Estado em Brasília) e coronel Nilson Bueno (ex-comandante-geral da Brigada Militar). O gabinete vai ser montado com um representante de cada um dos cinco partidos que compõem a aliança partidária de governo: PSDB, PMDB, PP, PPS e PTB. Pelos nomes iniciais que cada partido acabou apresentando, não dá para levar muito fé nesse gabinete. O PMDB, por exemplo, indicou a figura de Rospide Neto, justamente o tesoureiro do partido, homem que foi assessor especial do presidente do Banrisul, Fernando Guerreiro de Lemos. E o PP indicou o ex-governador Jair Soares, que está sendo investigado por desvio de diárias na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. Conforme Yeda Crusius, o gabinete de transição formulará critérios de participação partidária para a execução de políticas públicas e garantiu que está assegurada a continuidade “da atual política administrativa inovadora" que "tem o ajuste fiscal como um dos seus pilares". À noite, no programa Conversas Cruzadas, da TVCom, a governadora Yeda Crusius afirmou que não haverá uma demissão coletiva de secretários no governo. De acordo com Yeda, o gabinete de transição que será formado por parlamentares da base aliada para reestruturar o Executivo terá um "cunho parlamentarista". Contudo, ela não descartou que outros secretários deixem o governo e que pastas possam ser extintas. Segundo a governadora, o gabinete terá a duração de, no máximo, 15 dias.

Um longo e inútil depoimento de Busato na CPI do Detran RS

O depoimento do ex-chefe da Casa Civil, Cézar Busato, na CPI do Detran, foi o mais longo até agora, tendo durado 12 horas e meia. Como quase todos os outros, foi um depoimento inútil, que nada adiantou para as investigações da fraude no Detran do Rio Grande do Sul, de onde foram desviados mais de 45 milhões de reais. O clima esquentou durante alguns momentos desse longo depoimento. A deputada Stela Farias (PT) perguntou ao ex-secretário se ele concordava que o seu posicionamento na conversa gravada no dia 26 de maio pelo vice-governador Paulo Feijó constitui o crime de prevaricação. Busatto se exaltou com o questionamento da deputada e, em certo momento, a chamou de carrasca: “Estou me sentindo em tribunal de inquisição. A senhora está sendo muito carrasca e uma carrasca injusta. Eu sou um homem honrado e a senhora não tem o direito de fazer esse tipo de avaliação”. A deputada petista Stela Farias achou que tinha sido chamada de “safada”. Busato perdeu a calma, não raciocinou, porque poderia ter devolvido em um tom similar para a deputada petista, inquirindo-a sobre os 3 milhões de reais do fundo de previdência dos funcionários públicos de Alvorada que ela jogou na lata do lixo, fazendo uma criminosa aplicação financeira no Banco Santos. Talvez o ponto mais significativo de seu depoimento tenha surgido quando ele explicou o que significa a expressão "quem sabe, um gesto concreto do Fernando", na conversa gravada com o vice-governador Paulo Afonso Feijó: “Disse que se isso fosse suficiente para colocar fim na desarmonia entre a governadora e o Feijó, poderíamos pensar na possibilidade”. A possibilidade era a da demissão do presidente do Banrisul, Fernando Guerreiro de Lemos. Ao final do depoimento, Busato disse que pretende tirar 15 dias de férias e conhecer Machu Picchu. Ele precisa antes explicar se tem direito a férias em seu emprego, na Secretaria da Fazenda do Estado do Rio Grande do Sul, onde é auditor de carreira. Ele está afastado do cargo há muito tempo, sempre com cedências para exercício de cargos ou mandatos.

Vice-governador gaúcho avisa, gravou conversas com outros políticos

O vice-governador do Rio Grande do Sul, Paulo Afonso Feijó (DEM), confirmou nesta segunda-feira ter gravado algumas audiências que aconteceram no gabinete dele dentro do Palacinho, localizado na Avenida Cristóvão Colombo, em Porto Alegre. Ele disse ter tomado essa precaução para se preservar, e avisou que, "no momento oportuno", poderá usá-las. Feijó defendeu a gravação feita com o ex-chefe da Casa Civil, César Busatto, o que acabou selando a demissão do secretário: "Foi mais uma tentativa de me calar. Esse mesmo senhor já havia me feito propostas escusas por troca de favores em outras ocasiões”. É muito provável que algumas destas conversas gravadas tenham sido com outros importantes personagens públicos gaúchos, o deputado estadual Luiz Fernando Zachia, ex-chefe da Casa Civil, hoje secretário de Desenvolvimento, e o secretário estadual da Fazenda, Aod Cunha de Moraes Junior. Feijó espanta o Rio Grande do Sul ao agir como um "moderno Juruna", ao repetir comportamento do antigo deputado federal índio Juruna. Na verdade, ele não faz nada mais do que aquilo que muitos advogados recomendam para seus clientes quando os mesmos podem presenciar situações comprometedoras.

Mistério Público cria grupo de trabalho para investigar denúncias contra governo de Yeda

O Mistério Público gaúcho, com um atraso brutal de um ano e meio, desde que recebeu a denúncia inicial do delegado Luiz Fernando Tubino, sobre as fraudes do Detran, e se negou a investigar, resolveu agora constituir um grupo de trabalho para acelerar as investigações sobre as denúncias de corrupção envolvendo o uso de estatais gaúchas no financiamento público de campanhas eleitorais. O grupo será composto também por integrantes do Ministério Público Especial junto ao Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público Federal Eleitoral. O procurador-geral de Justiça, Mauro Henrique Renner, recebeu nesta segunda-feira a governadora do Rio Grande do Sul. O encontro foi na luxuosa e espetacular sala do Procurador Geral, nas muito luxuosas torres do Mistério Público gaúcho, um poderoso exemplo, até hoje, da inutilidade da aplicação dos recursos arrecadados dos contribuintes gaúchos. A força-tarefa irá investigar as atuações do Detran, CEEE (Companhia Estadual de Energia Elétrica), Daer (Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem) e Banrisul. No caso específico do Banrisul, algumas pistas para a força-tarefa: investigar a carteira de recuperação de créditos, as operações de novações de crédito, as chamadas “contas mortas”, as operações do antigo Desin (Departamento de Investimento), que foram passadas para a Caixa RS, os contratos de segurança e a atuação de uma única seguradora no Banrisul, entre outras.

Vice-governador gaúcho Paulo Feijó reafirma suas iniciativas no caso da gravação

O vice-governador do Rio Grande do Sul, Paulo Afonso Feijó (DEM), convocou uma coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira e foi incisivo nas explicações a respeito de sua iniciativa de gravar a conversa que manteve no dia 26 de maio com o ex-chefe da Casa Civil, Cezar Busato, divulgada na última sexta-feira, e que já causou a queda de grande parte do governo de Yeda Crusius (PSDB). Disse Feijó, a respeito da visita de Busato ao Palacinho para a conversa: “É preciso esclarecer que não foi uma visita amistosa a que recebi do ex-secretário. Foi mais uma tentativa de me calar. Para quem ouviu a conversa, está muito claro o que está sendo posto. Este mesmo Senhor já tinha me feito outras propostas escusas antes, sempre tentando trocar cargos e poder por posturas partidárias, como se convicção se trocasse por conveniências pessoais”. Ele assegurou estar seguro quando a legalidade de sua iniciativa: “Não houve ilegalidade nenhuma na gravação. O material não está editado e nem modificado como poderá atestar a Polícia Federal que provavelmente já está periciando a gravação. Entendo perfeitamente o debate sobre se foi ou não ético a forma como isto veio a público. Eu o fiz para me proteger de mais uma tentativa de cooptação para que eu me calasse em relação à permanência do presidente do Banrisul. É importante que não se perca o foco do acontecido”. Paulo Afonso Feijó também fez questão de rememorar as variadas iniciativas que tomou para encaminhar suas denúncias até a governadora Yeda Crusius: “São conhecidas as diversas tentativas que fiz para tentar elucidar questões envolvendo a gestão Lemos no Banrisul. Protocolei para o governo, por duas vezes, material referente à presidência do banco. Nesta última vez, onde inclusive o TAC feito demonstra com clareza que foi detectada irregularidade flagrante nos contratos, perguntei ao governo quais as medidas que seriam tomadas em relação à auditoria técnica apresentada”. E Feijó finalizou: “No dia da visita derradeira de Busato eu aguardava respostas e o que recebi? O que ouvi? Está aí, público e notório, o que foi dito pelo secretário. Este Senhor inclusive fala na gravação: ‘E se o Fernando fizesse algum gesto concreto....’ Então, não restam dúvidas do motivo que trouxe o secretário aqui no dia 26. Era para me cooptar para dentro de um sistema que a sociedade de bem não aceita. Era para me acomodar com a situação, com a ‘crueldade da política’, para que eu ‘aguentasse o sofrimento caso não quisesse abrir mão das minhas convicções”. Feijó também atacou Busato, visivelmente incomodado com os ataques que recebeu do mesmo: “Na conversa fica revelada a verdadeira face de políticos como o Senhor Busato, que dizem uma coisa para a população, pregam um discurso para se elegerem e quanto têm o poder na mão, a chance de mudar alguma coisa, não o faz. E ainda justificam com uma frieza impressionante seus métodos. Àqueles que questionam o fato de eu ter gravado e revelado eu pergunto: de que forma este submundo seria posto às claras? De que outra forma? Se soubesse estar sendo gravado nada teria sido dito, Busato continuaria secretário e a sociedade continuaria sem nada saber. Não posso aceitar práticas mafiosas deste tipo em um governo do qual faço parte. Vejo que já foi feito um bem ao ter esta pessoa fora do governo”. Paulo Afonso Feijó também informou que já acionou seus advogados para processar Busato: “Em relação aos adjetivos que este Senhor usou para se referir à minha pessoas, meus advogados já estão estudando o caso. Ele responderá por isto”. E continuou Feijó: “É preciso, sim, coragem para tornar pública uma gravação sabendo que seria alvo de críticas. Como homem público, eu tenho o dever de tomar uma atitude. E porque estou sendo acusado por tantos pelo fato de ter gravado esta conversa? Deve ser pelo medo que os maus políticos têm de serem pegos, confessando o inconfessável, pois se tivessem a coragem de dizer publicamente, jamais se elegeriam”. Ele terminou dizendo que não é contra a governadora Yeda Crusius e seu governo: “Torço pelo sucesso do ajuste fiscal do governo. Reconheço todas as ações positivas que têm sido realizadas. Não tenho nenhum interesse em atingir ou derrubar a governadora. Meu interesse é que o nosso governo esteja com as mãos limpas, transparente, demonstrando repúdio a práticas como as expostas pelo ex-secretário Busato. Se algum outro político se sentiu prejudicado pela minha ação e quiser me processar, que o faça. E eu convoco neste momento os quase oito milhões de eleitores gaúchos como testemunhas de defesa, porque tenho certeza que todos querem a verdade e o fim da corrupção”.

PT desafia PSDB a investigar Alstom e Yeda Crusius antes de cobrar VarigLog

Como estratégia para esvaziar as denúncias de irregularidades sobre a venda da VarigLog, os governistas subalternos de Lula vão usar as acusações que envolvem a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), e a empresa Alstom. Irônica, a líder do PT no Senado Federal, a santista Ideli Salvatti (SC), levantou nesta segunda-feira dúvidas sobre as informações de Denise Abreu, ex-diretora da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), sobre a pressão exercida pela Casa Civil. Ao ser questionada sobre a pressão do DEM e do PSDB para que a ministra Dilma Rousseff (da Casa Civil) preste esclarecimentos sobre as denúncias, a petista lançou um desafio à oposição: “ "Os partidos de oposição vão ter de ter moral para investigar, por exemplo, os casos do Rio Grande do Sul e Alstom, mas não investigam nada". A oposição quer aproveitar um requerimento que já foi aprovado pela Comissão de Infra-Estrutura do Senado para que Dilma Rousseff trate da usina de Belo Monte e seja instada a prestar esclarecimentos.

Governador Sérgio Cabral diz que situação do aeroporto Tom Jobim é grave e defende abertura de capital

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), voltou a defender a abertura do capital parcial do aeroporto internacional Tom Jobim. Ele afirmou nesta segunda-feira que o aeroporto vive problemas "muito graves" e que somente este ano já pediu quatro vezes ao presidente Lula a abertura de capital. "Pela minha proposta, a Infraero entrava com 49%, e os outros viriam 51% de um consórcio privado para administrar o aeroporto internacional do Rio de Janeiro. O que não dá é o aeroporto daquela maneira como está", declarou Sérgio Cabral, em palestra para empresários fluminenses na tarde desta segunda-feira.

Garotinho diz que Polícia Federal atua a serviço do PT

O ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, disse nesta segunda-feira que a Polícia Federal vem tendo atuação política a serviço do PT. Durante reunião do diretório fluminense, que ratificou a candidatura própria do partido à prefeitura do Rio de Janeiro, Garotinho negou as insinuações contidas em relatório da Polícia Federal, que apontam que ele e sua mulher, ex-governadora Rosinha Matheus (PMDB), teriam recebido propina do contraventor Rogério Andrade. "Todo mundo em Bangu sabe que "Madame" é a viúva do Castor de Andrade (bicheiro falecido, que controlava as bancas de boa parte da zona Oeste do Rio)", afirmou. "Madame" seria a pessoa que recebeu mais de R$ 10 milhões de Rogério Andrade, conforme informações encontradas em um pen drive do contraventor. A Polícia Federal insinuou que esse poderia ser o apelido da ex-governadora. Bangu é o bairro onde Castor concentrava seus negócios. Garotinho, que preside o PMDB fluminense, considerou o relatório uma covardia contra ele e Rosinha. Sobre a operação Segurança Pública S.A., na qual agentes da Polícia Federal revistaram sua casa, em Campos, Garotinho classificou a ação de "violência inexplicável". "Não podemos ter uma polícia política. Ela não pode ser do PT, tem que servir à sociedade e punir que tiver que punir", comentou. O ex-governador afirmou ainda que foi surpreendido com a revista policial em sua casa, ressaltando que os policiais mexeram em roupas íntimas de seus familiares. Garotinho disse ainda que recebera, há 3 meses, informação de que seu nome seria incluído em uma investigação policial, de modo forçado, "de cima para baixo".

Relator aguarda defesa de Paulinho da Força Sindical para iniciar depoimentos no Conselho de Ética

O deputado federal Paulo Piau (PMDB-MG), que relata o processo contra Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (PDT-SP), no Conselho de Ética, aguarda a defesa por escrito do pedetista. Piau disse que Paulinho tem até a próxima semana para encaminhar o documento, só depois serão iniciados os depoimentos. O relator passou o fim de semana lendo os documentos e a análise feita pela Corregedoria Geral da Câmara dos Deputados. Segundo Piau, é um "vasto material". De acordo com ele, ainda não foi procurado por Paulinho nem por interlocutores para encaminhar o parecer ou marcar data para audiência. "O deputado Paulo Pereira está dentro do prazo para elaborar sua defesa por escrito. Até agora não fui procurado por ele nem por assessores, mas estou à disposição, se ele quiser informações", disse Piau.

Gasto com combustíveis e insumos agrícolas puxa alta das importações

A alta no preço dos produtos básicos está entre os fatores responsáveis pelo aumento das importações brasileiras no início de junho, que cresceram 81% em relação ao mesmo período de 2007, enquanto as exportações avançaram apenas 40%. Segundo dados da balança comercial brasileira, o valor gasto com as compras externas de combustíveis e lubrificantes praticamente triplicou na primeira semana do mês em relação ao mesmo período do ano passado, um aumento de 197% (US$ 244 milhões na média diária). Além dos combustíveis pesaram o aumento nas importações de adubos e fertilizantes (+124,8%) e produtos siderúrgicos (+110,1%). Neste ano, o preço do barril de petróleo já subiu quase 50%. A balança comercial brasileira registrou, na primeira semana de junho, exportações de US$ 4,592 bilhões e importações de US$ 4,208 bilhões. A diferença entre os dois números resultou em um superávit comercial (diferença entre as exportações e as importações) de US$ 384 milhões.

Justiça Federal ouve coronel da Polícia Militar paulista sobre denúncia de desvios no BNDES

A Justiça Federal interrogou nesta segunda-feira mais dois suspeitos de envolvimento no esquema de desvios do BNDES: o coronel Wilson Consani Júnior e Boris Timoner. O esquema de desvios do BNDES, revelado pela Operação Santa Tereza, deflagrada em abril pela Polícia Federal, também teve crimes de lavagem de dinheiro, tráfico de mulheres, formação de quadrilha e rufianismo (obter lucro com a prostituição alheia). Consani Júnior é acusado de utilizar sua influência para manter a casa de prostituição WE aberta. A casa é apontado pela Polícia Federal como a principal sede do esquema. Timoner, envolvido na denúncia do Ministério Público por ter recebido valores referentes a um empréstimo feito pelo BNDES às Lojas Marisa, responde por formação de quadrilha e desvio na aplicação de financiamento.

IBGE prevê que safra chega a 144,3 milhões de toneladas

As importações do agronegócio, por sua vez, somaram US$ 886 milhões em maio, alta de 26,9% em relação ao mesmo período no ano passado. Destaque para o valor importado do milho (397%) e da farinha de trigo (137,8%). Já as quantidades importadas de trigo e arroz caíram 73,2% e 48%, respectivamente. O complexo soja foi o setor que mais contribuiu para o aumento das exportações. As vendas aumentaram US$ 1,4 bilhão, o que correspondeu a mais de 60% do crescimento total das exportações do agronegócio no mês passado. Sobre maio de 2007, os valores exportados de soja em grãos aumentaram 125,5%, devido ao aumento de 60% da cotação desse produto no mercado externo, e a quantidade exportada cresceu 41%. As vendas de farelo de soja aumentaram a receita em 108,9%, alcançando a cifra de US$ 612 milhões. As exportações do óleo de soja aumentaram 55,7%, por conta de alta de 94% nos preços e pela redução de 19,8% do volume embarcado. As vendas externas de carnes, por sua vez, cresceram 39,8%, atingindo US$ 1,4 bilhão, em comparação a maio de 2007. O preço também influenciou o resultado, já que a quantidade exportada aumentou 10%. O valor exportado de carne bovina in natura aumentou 5,6% por causa da elevação de 49,3% dos preços. O volume embarcado foi 29,3% menor. No acumulado do ano, as exportações do agronegócio soam US$ 27,2 bilhões, representando um crescimento de 25,3% em relação ao mesmo período do ano passado. As importações, por sua vez, subiram 40,4%, atingindo US$ 4,6 bilhões. O saldo comercial do agronegócio, até maio, cresceu cerca de US$ 4,1 bilhões, passando de US$ 18,3 bilhões, do mesmo período de 2007, para US$ 22,5 bilhões.

Executiva Estadual do PMDB no Rio de Janeiro revoga aliança com DEM

A Executiva Estadual do PMDB do Rio de Janeiro revogou nesta segunda-feira a aliança com o DEM para as eleições municipais de outubro na capital fluminense. A aliança havia sido aprovada pelo partido em setembro do ano passado e previa o apoio do PMDB à pré-candidata do DEM, a deputada Solange Amaral. Com a nova decisão, o PMDB assume a candidatura própria e tem dois pré-candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro: o ex-secretário Eduardo Paes e o deputado Marcelo Itagiba. O nome do candidato será definido durante a convenção municipal do partido, marcada para o próximo dia 22.

PTB escolhe Campos Machado para ser vice de Alckmin na disputa pela Prefeitura de São Paulo

O deputado estadual e presidente do PTB no Estado de São Paulo, Campos Machado, foi escolhido nesta segunda-feira como o vice na chapa encabeçada pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) para disputar a prefeitura da cidade. O PTB deve abrir mão ainda esta semana da coligação proporcional. A decisão do PTB de escolher Machado para compor a chapa com Alckmin aconteceu em reunião das executivas estadual e municipal do partido. "É um prazer mais uma vez estar ao lado de um homem honrado como o Geraldo Alckmin", disse Machado.

Petrobras assina acordo para exploração em rochas betuminosas nos Estados Unidos

A Petrobras anunciou, nesta segunda-feira, a assinatura de um contrato para estudar a viabilidade de exploração de petróleo em rochas betuminosas nos Estados Unidos. Fazem parte do acordo a norte-americana Osec (Oil Shale Exploration Company) e a japonesa Mitsui. A Petrobras informou que as pesquisas vão utilizar tecnologia própria em terras da Osec, no estado de Utah. A Mitsui prestará serviços de consultoria para o gerenciamento e realização do projeto. "Segundo o contrato, com base no resultado do estudo de viabilidade, a Petrobras e a Mitsui terão o direito de adquirir uma participação de 10% a 20% cada no projeto da Osec", informou a Petrobras, que já tem projetos em desenvolvimento com a Mitsui em álcool. O projeto prevê a exploração de rochas betuminosas em uma propriedade arrendada pelo Departamento de Gerenciamento de Terras (BLM, em inglês) e em uma área de 22 mil acres, recentemente adquirida pela Osec. Entre terras arrendadas e próprias, a Osec tem direitos sobre mais de 30 mil acres de propriedade de rochas betuminosas, tendo uma base de recursos já descobertos na faixa de 3 bilhões de barris.

Corregedor entrega pedido de cassação do deputado Álvaro Lins para Mesa Diretora da Alerj

O corregedor da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, deputado estadual Luiz Paulo (PSDB-RJ), entregou nesta segunda-feira o pedido de cassação do deputado estadual Álvaro Lins (PMDB-RJ) para a Mesa Diretora da Casa. Luiz Paulo finalizou seu relatório no final de semana. Luiz Paulo disse não ter dúvida de que Álvaro Lins quebrou o decoro parlamentar. "As provas são várias. Ele empregou três indiciados em seu gabinete. Outros quatro parentes dele ou do sogro dele foram indiciados. Três citados trabalham no seu gabinete", disse o corregedor. Para ele, o interesse de Álvaro Lins na nomeação de delegados da Polícia Civil do Rio de Janeiro continuou mesmo após ele sair da corporação e ser eleito deputado estadual: "A conexão dele com a nomeação de delegados continuou”. A Mesa Diretora da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro deve se reunir às 11 horas desta terça-feira para analisar o pedido de cassação de Álvaro Lins, que foi preso pela Polícia Federal durante a Operação Segurança Pública S/A, mas solto em seguida por decisão da Assembléia.