quinta-feira, 26 de junho de 2008

Ipea nega interferência de Lula e Mangabeira Unger para deixar de divulgar estimativa de inflação

O Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) negou ter sofrido pressões do governo Lula para deixar de divulgar projeções trimestrais para a economia brasileira, justo no momento em que a alta vive momento de incessante alta. Mas, o órgão, dirigido pelo petista trotskista Marcio Pochmann, confirmou ter recebido orientações do presidente Lula e do ministro da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos (Sealopra), Mangabeira Unger, para se concentrar "nas previsões de longo prazo". É inacreditável que um intelectual com longa e respeitada carreira acadêmica internacional, como Mangabeira Unger, submeta-se a uma vigarice intelectual dessa estirpe. Na Carta de Conjuntura, divulgada a cada três meses pelo Ipea e apresentada nesta quinta-feira, o órgão não apresentou projeções sobre a inflação e outros parâmetros econômicos. A única estimativa própria do Ipea publicada no documento foi o crescimento de 5,2% no Produto Interno Bruto (PIB) para este ano. O restante do documento mostrou números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Banco Central e da Secretaria de Tesouro Nacional, sobre o comportamento da economia brasileira, de abril a junho. O relatório apresentou, ainda, algumas projeções, mas os dados eram do Boletim Focus, pesquisa semanal do Banco Central com instituições financeiras. Ou seja, mérito de Mangabeira Unger, dar guarida à fraude intelectual.

Emocionado, Fernando Henrique Cardoso homenageia sua mulher morta, Ruth Cardoso

O velório da ex-primeira-dama e antropóloga Ruth Cardoso, mulher do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), reuniu nesta quarta-feira, na Sala São Paulo, em São Paulo, políticos de todos os matizes, empresários e integrantes do meio cultural. O ex-presidente, muito abalado, chegou ao local, sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, por volta das 12h30. Fernando Henrique Cardoso e dona Ruth estiveram casados por 56 anos. Uma bandeira do Brasil cobria parte do caixão aberto. Ficaram ao lado do corpo dois lanceiros do regimento Nove de Julho da Polícia Militar. Fernando Henrique estava acompanhado dos filhos Paulo Henrique e Luciana. Em visita à Espanha, a filha Beatriz viajou para o Brasil ainda na terça-feira à noite e chegará a tempo de comparecer ao enterro marcado para a manhã desta quinta-feira, no cemitério da Consolação, em São Paulo. O velório foi encerrado às 21 horas. O presidente Lula chegou ao velório no final da tarde na companhia da italiana Marisa Letícia e de oito ministros. Entre eles, a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que casou o grande dissabor dos últimos tempos a Ruth Cardoso, ao mandar bisbilhotar os seus gastos quando esteve na posição de primeira-dama. Ruth Cardoso morreu, aos 77 anos, na noite de terça-feira em sua residência no bairro de Higienópolis, de arritmia grave decorrente de doença coronariana. Na segunda-feira, havia se submetido a um cateterismo e teve alta à noite do Hospital do Rim. O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), disse que dona Ruth era iluminada e que tinha uma relação especial com o ex-presidente: "Conversavam sem precisar de palavras. Eram conversas regadas a um humor muito fino". O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra, confirmou o cancelamento das comemorações dos 20 anos do partido que seriam realizadas nesta quarta-feira no Congresso, em Brasília. "Ruth honrava muito o partido e é como se o partido estivesse sem uma de suas cabeças", afirmou ele. O senador Tasso Jereissati (CE) comentou que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso precisará muito dos amigos: "A vida deles se complementava, ela era parte fundamental dele”. Também o ex-governador Geraldo Alckmin, candidato a prefeito de São Paulo, comentou sobre o estado emocional do ex-presidente: "Fernando Henrique está extremamente emocionado, a vida deles era de décadas juntos, mas se Deus quiser ele vai superar. O trabalho de Ruth na área social, com o programa Comunidade Solidária, foi precursor de uma rede de proteção social que levou ao Bolsa Família no governo Lula. O programa visava combater a exclusão social”. Também o deputado Fernando Gabeira, do PV, afirmou que Ruth Cardoso modernizou a política de assistência social no Brasil "fazendo com que o governo não fosse apenas um intermediário entre necessitados e a iniciativa privada". Fernando Henrique recebeu ligações de condolências do ex-presidente Bill Clinton, da senadora Hillary Clinton e do rei Juan Carlos da Espanha. O presidente Lula, o governador Serra e o prefeito Kassab decretaram luto de três dias. Ela foi velada desde a manhã desta quarta-feira na Sala São Paulo, na região central da capital paulista, em velório aberto ao público. Durante a madrugada e a manhã desta quinta-feira, apenas a família e os amigos próximos devem acompanhar o velório. O cortejo do corpo sairá às 10 horas até o cemitério da Consolação, onde a ex-primeira-dama será enterrada. No final da tarde desta quarta, a filha do casal que estava na Europa, Beatriz, chegou ao Brasil e foi ao velório. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), decretou luto de três dias no Estado. Após a confirmação da morte, ele foi até o apartamento de Fernando Henrique Cardoso, em Higienópolis, para prestar solidariedade ao ex-presidente. "A Ruth era uma pessoa muito especial, para sua família, para seus amigos, para nosso país. Um exemplo de dignidade, delicadeza, inteligência e carinho pelas pessoas. É uma dor imensa a que sinto nesse momento", disse o governador, durante visita ao apartamento da família: “Os brasileiros ficaram sem a presença de uma mulher generosa, forte e combativa, que sempre sonhou com um país mais solidário, rico e justo. A Ruth Cardoso fará muita falta. Ela era muito querida e presente no partido". Nascida em 19 de setembro de 1930 na cidade de Araraquara, no interior de São Paulo, Ruth Correa Leite Cardoso foi professora de Antropologia e Ciência Política na USP (Universidade de São Paulo) e pesquisadora do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) em São Paulo. Bacharel em ciências sociais pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, a ex-primeira-dama se casou em 1953 com Fernando Henrique, com quem teve três filhos. Em 1972, recebeu o título de doutora em Antropologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Anos depois, concluiu pós-doutorado na Universidade de Columbia em Nova York e também foi professora em universidades norte-americanas e inglesas. O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), manteve as votações no plenário da Casa nesta quarta-feira mesmo após receber pedido do líder do PSDB, deputado federal José Aníbal, para cancelamento da sessão, para que os parlamentares do partido pudessem ir a São Paulo para o velório de Ruth Cardoso. Mas, Arlindo Chinaglia não se sensibilizou.

Morre uma das rainhas da Jovem Guarda, a cantora Sylvinha Araújo

A cantora Sylvinha Araújo, uma das representantes do movimento musical da Jovem Guarda, nos anos 60, faleceu às 20h35 desta quarta-feira, no Hospital 9 de Julho, em São Paulo, por causa de um câncer de mama. Ela tinha 56 anos e era casada com o também cantor Eduardo Araújo, outro membro da Jovem Guarda. Sylvinha Araujo estava internada desde o dia 4 de junho. Lançou diversos discos e gravou mais de 2000 jingles para comerciais. A versão soul que gravou para a música “Paraíba”, de Luiz Gonzaga, rendeu-lhe o apelido de “Janis Joplin brasileira”, dado pelo produtor musical e crítico Nélson Motta. Sylvinha havia se afastado da publicidade há alguns anos para se dedicar, com o marido Eduardo, à sua gravadora, a Number One. Em 2001 lançou o CD “Suave é a Noite”. O enterro será nesta quinta-feira, no cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. No ano passado foram comemorados os 40 anos da Jovem Guarda, um movimento que teve como principais destaques figuras como Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa, Martinha e tantos outros.

Hospital paraense tem 48 horas para explicar morte de bebês no Pará

O Ministério Público Federal deu prazo de 48 horas, a contar desta quinta-feira, para a direção da Santa Casa de Misericórdia do Pará explicar os motivos que provocaram a morte de 12 bebês, no último final de semana, dentro da UTI neonatal. O hospital foi intimado pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão a entregar os prontuários médicos dos recém-nascidos e dizer em que condições eles foram atendidos. Ana Karízia Teixeira, procuradora da República, disse que o Ministério Público Federal já investiga a situação do hospital desde março passado. Ela havia aberto procedimento administrativo depois de receber várias denúncias. Médicos da Santa Casa também apresentaram denúncias ao promotor Ernestino Pantoja, mas ele é do Mistério Público, sabe como é, não é mesmo? Os médicos disseram que o hospital apresenta graves deficiências no atendimento aos pacientes. Faltam medicamentos e condições de trabalho e há aparelhos enferrujados na sala de exames. Até ratos e insetos foram encontrados. Mas, sabe cume, né? Se alguém tocasse fogo nesse hospital, ainda diriam que ele é louco?

Estrangeiros vêem com cautela a expansão do setor naval no Brasil

Maior construtor de navios do mundo atualmente, a Coréia do Sul mira a indústria naval brasileira e seu potencial de encomendas que as novas descobertas na área do petróleo vão demandar. Mas, com cautela, explica o diretor da Sy Marine do Brasil, Ronaldo Arouca. "Eles estão querendo entender qual o futuro dessa área naval, porque ninguém vai colocar dinheiro no Brasil se não tiver um projeto de longo prazo", disse Arouca, representante de companhias coreanas que estão presentes pela primeira vez na Navalshore 2008. Hyundai, Tank Tech, Panasia e Deyang prospectam oportunidades no País, mas sem pressa para decidir investimentos, segundo Arouca. "É um primeiro passo, por isso eles estão vindo, mas só a encomenda da Transpetro não é suficiente, é uma visão de 10 anos, praticamente, é pouco, a Coréia faz um navio a cada 15 dias", ressaltou o executivo. "Eles querem um plano mais concreto do governo brasileiro e das entidades no médio e longo prazo", concluiu. O representante comercial da norueguesa Aker Promar, José Guilherme Vieira, também é reticente quanto a confirmar informações de que o grupo estaria planejando uma expansão: "Ainda falta uma definição do grupo de se vale a pena expandir ou melhorar a área atual". O estaleiro Aker Promar, localizado em Niterói, estuda construir mais uma unidade em Quissamã, no Estado do Rio de Janeiro, ou se vai ampliar as instalações já existentes. Entre as dificuldades para um novo estaleiro, Vieira apontou a demora da licença ambiental e a dragagem de um rio, "que deveria ser feita pelas prefeituras de Campos e Quissamã e que ainda está para acontecer". Sem novos estaleiros ou expansão expressiva dos já existentes será difícil atender a tantas demandas que virão da Petrobras e outras petrolíferas, afirmou o secretário-geral do sindicato do setor, Sérgio Leal. "Principalmente quando começar a exploração da área pré-sal no País", uma faixa de 800 quilômetros que se estende na costa brasileira do Espírito Santo a Santa Catarina e que pode conter bilhões de barris de petróleo. "O Brasil virou um grande produtor e cada plataforma que for instalada vai demandar uns três navios de apoio", afirmou Leal. Ele garantiu que novos estaleiros serão realmente instalados e citou como exemplo o anúncio feito pelo governo do Maranhão, na semana passada, de que iria incentivar a instalação de um estaleiro naquele Estado, provavelmente como grupo Mauá/Eisa.

Tribunal Regional Federal condena Requião a pagar nova multa de R$ 200 mil

O governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), foi multado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região ao pagamento de nova multa de R$ 200 mil sob acusação de ter descumprido ordem de não fazer ataques verbais a entidades públicas, à imprensa e a adversários políticos durante o programa “Escola de Governo”. O programa transmite a reunião do governador com seu secretariado pela Rádio e Televisão Educativa (RTVE) às terças-feiras, pela manhã. O pedido para a multa foi feito pelo Ministério Público Federal. A determinação para que Requião controlasse suas palavras foi proferida no início de janeiro pelo desembargador do TRF-4, Edgard Lippmann Júnior. Na primeira reunião após a ordem, uma tarja foi apresentada na televisão com a inscrição: "Censurado pelo desembargador Edgard Lippmann Júnior". Esta manifestação valeu ao governador a multa de R$ 50 mil prevista na sentença. Uma nova desobediência custaria R$ 200 mil, o que acabou acontecendo no fim de fevereiro. Agora a multa foi repetida por críticas ao Judiciário no dia 11 de março. Na oportunidade, o governador disse que a maioria dos homicídios ocorridos em Curitiba tinha como autor condenados que gozavam do regime semi-aberto e criticou os critérios utilizados pelos juízes.

Ministério Público do Mato Grosso do Sul entra com 5ª ação por desvio de recursos públicos contra Zeca do PT

O Ministério Público do Mato Grosso do Sul protocolou nesta quarta-feira na Justiça a quinta ação civil de desvio de verbas públicas contra o ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT. A exemplo das outras quatro ações que foram interpostas este ano, a denúncia do Ministério Público é sobre um sistema envolvendo agências de publicidade, gráficas e funcionários públicos estaduais na formação de caixa 2 com dinheiro destinado à propaganda oficial do governo de Mato Grosso do Sul. O processo foi distribuído para a Vara de Direitos Difusos Coletivos e Individuais Homogêneos. O Ministério Público denuncia o pagamento de quatro notas fiscais frias de um estabelecimento gráfico de Campo Grande, no valor de R$ 156 mil, com dinheiro da Subsecretaria Estadual de Comunicação. Este ano, além das ações cíveis, outras seis ações criminais por peculato foram protocoladas contra Zeca do PT, mas duas delas já foram extintas por decisão do Tribunal de Justiça. A estimativa é de que foram desviados R$ 30 milhões da Subsecretaria de Comunicação. Falta ainda analisar os documentos referentes ao primeiro mandato. Segundo as acusações, as gráficas e agências publicitárias receberam comissões de 17% a 25% do valor das notas frias, expedidas para justificar despesas que não existiram. Conforme os promotores apuraram, o dinheiro era distribuído, em forma de "mensalão", para políticos, jornalistas, publicitários e empresários. O promotor Marco Antônio Sottoriva disse que Zeca do PT e o ex-secretário de Governo do Estado Raufi Marques "valeram-se, reiteradamente, dos contratos publicitários para desviar recursos públicos por meio de notas fiscais frias". Nesta nova ação foram denunciados o ex-governador sul-mato-grossense; a ex-coordenadora de Despesas, Salete Terezinha de Luca; o ex-subsecretário de Comunicação, Oscar Ramos Gaspar; a funcionária da subsecretaria Ana Lúcia Rodrigues Rosa Tavares; o chefe de Gabinete, José Roberto dos Santos; a servidora da área financeira Ivanete Leite Martins; a agência B&W Três Propaganda Ltda e as duas sócias, e o proprietário da Gráfica e Editora Quatro Cores Ltda. (Sergraph), Odyllea Siqueira.