domingo, 27 de julho de 2008

Geraldo Alckmin está internado no InCor em São Paulo

O ex-governador e candidato a prefeito Geraldo Alckmin (PSDB) permanece internado no InCor (Instituto do Coração), em São Paulo, após ter passado mal no início da madrugada deste domingo. Segundo assessores, o tucano teve uma indisposição estomacal. Alckmin foi levado ao hospital por volta da 0h30 a pedido do seu médico, David Uip. Segundo informou o coordenador da campanha do tucano, deputado Edson Aparecido (PSDB), Alckmin foi ao hospital realizar exames e está sob observação médica. O deputado afirma que o ex-governador foi medicado e dormia até o início da tarde deste domingo hoje. O candidato era esperado na manhã deste domingo em evento de campanha na favela de Heliópolis, na zona sul de São Paulo, mas não compareceu por causa do mal-estar. Alckmin tem um problema crônico de diverticulite.

Roberto Mangabeira foi acusado por fundos de beneficiar Daniel Dantas

Os fundos de pensão de estatais que hoje controlam a BrT (Brasil Telecom) acusaram formalmente o ministro de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, de "atender aos exclusivos interesses" do Banco Opportunity, de Daniel Dantas, quando este detinha o comando da companhia. Mangabeira foi nomeado em 2003 "trustee" (procurador judicial) da BrT nos Estados Unidos, cargo que ocupou até a destituição do Opportunity do comando da empresa, em 2005. Em comunicado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) em 2004, a Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil) e a Petros (fundo dos funcionários da Petrobras) disseram que Mangabeira "se apresenta em público como consultor do Opportunity". O ministro nega a acusação e diz que se pautou pela independência, o que, segundo ele, foi atestado pela CVM: "Fundos de pensão protestaram, a CVM se reuniu e convalidou o trustee. Disse que era legítimo”.

Ministério da Fazenda vê risco de PIB ficar abaixo dos 4% em 2009 no País

A pancada de 0,75 % de alta na taxa de juros acendeu um alerta no Ministério da Fazenda. O temor é de que a dose tenha sido exagerada e derrube o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2009 para algo entre 4% e 4,5% ou até menos. Na visão dos auxiliares do ministro da Fazenda, Guido Mantega, corre-se o risco de interrupção indesejada no ciclo de crescimento sustentado da economia. Apesar da preocupação, Guido Mantega não se manifestou contra a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom). Mantega costumava dar declarações para tentar pressionar por juros menores. Agora, a estratégia é diferente. O ministro e seus auxiliares entendem que a definição dos juros é responsabilidade do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e também será dele a tarefa de prestar contas no futuro, caso o crescimento seja ferido de morte pelas taxas elevadas.

Mais da metade dos argentinos desaprova governo de Cristina Kirchner

O resultado de uma pesquisa na Argentina revelou que 57% da população desaprova o governo de Cristina Fernández de Kirchner, conforme o jornal "Perfil" de Buenos Aires, neste domingo. A pesquisa, realizada pela empresa de consultoria MBC-Mori, destaca que 28% dos entrevistados aprova a administração da presidente argentina, cuja imagem ficou arranhada após o controverso projeto tributário que gerou um prolongado conflito com o setor rural. A pesquisa revela que 50% dos argentinos considera que a situação econômica do país é "ruim" ou "muito ruim", em comparação a 21% que a qualifica de "boa" ou "muito boa". Já 61% dos entrevistados rejeitam a política oficial sobre a inflação, contra 12% que a aprova, em um momento no qual a confiabilidade da entidade oficial que mede o indicador está sob suspeita. Uma segunda pesquisa publicada por "Perfil", da empresa de consultoria Ibarómetro, mostra que 53,8% dos argentinos têm expectativas favoráveis sobre o desempenho do novo chefe de gabinete, Sergio Massa, enquanto 35% têm opinião contrária. Uma terceira pesquisa, da Universidade Aberta Interamericana (UAI), revela que 79,2% dos consultados considera que Néstor Kirchner, marido e antecessor de Cristina, deve se afastar da presidente, contra 12,1% que estima que ele deve acompanhá-la em sua gestão.

Justiça para um médico justo

Os jornais gaúchos da última terça-feira (22 de julho de 2008) publicaram uma raridade: uma nota oficial do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul, contendo um desagravo público assinado pelo presidente Marco Antonio Becker e pelo primeiro-secretário, Fernando Weber Matos. Diz a nota de desagravo: “O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 3.268/57, o Decreto nº 44.045 e o artigo 26 do Código de Ética Médica, considerando que o médico Rui Luiz Peixoto – Cremers nº 4.733 sofreu agravo no exercício da profissão, quando teve seu consultório invadido por policiais; considerando o artigo 26 do Código de Ética Médica, a Resolução CFM 1.407/94 e o Parecer CFM nº 09/90; considerando que o Processo Ético-Profissional levado a julgamento neste Conselho Regional de Medicina concluiu pela absolvição do médico, por unanimidade, pois foi comprovado que aqueles que receberam atestados eram seus pacientes de longa data; Resolve, por deliberação unânime, em Sessão Plenária de 06 de maio de 2008, desagravar publicamente o médico Rui Luiz Peixoto”. Este é mais um daqueles episódios exemplares de como uma reputação é exposta de maneira completamente injusta. Os que conhecem o médico Rui Luiz Peixoto sabem da sua dedicação à profissão e aos seus pacientes. Ele é um daqueles hoje raro tipo de médico humanista. Quem o procura em seu consultório sempre encontrará um livro sobre a mesa. Pode ser que esse livro seja “O Coração das Trevas”, de Joseph Conrad. É com este espírito humanitário que Rui Luiz Peixoto participou da formação de centenas de médicos gaúchos que foram seus alunos na Fundação Faculdade Federal de Medicina Católica de Porto Alegre. Ele é homem que também combateu com coragem a ditadura militar brasileira. Velhos companheiros encontram apoio junto a ele. Pois este homem foi vilipendiado. O desagravo público agora trazido a público pelo Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul é importante. Mas, como apagar a mácula injusta que lhe foi imposta?

Ditador Ahmadinejad diz que Irã já tem mais de 5 mil centrífugas para enriquecer urânio

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse neste sábado que seu país tem entre 5 mil e 6 mil centrífugas para o enriquecimento de urânio, quase o dobro das que possuía em abril, informou a rede de TV iraniana "Alalam". Ahmadinejad fez estas declarações em uma conferência realizada na cidade iraniana de Mashhad, onde recebeu o título de "herói nacional da proeza nuclear", concedido por um grupo de catedráticos iranianos “basiyies”, milícias fanáticas voluntárias fiéis ao regime dos aiatolás (uma espécie de SS dos nazistas). “Os países ocidentais aceitaram que não sejam produzidas mais do que as entre 5 mil e 6 mil centrífugas existentes e que essas sejam ativadas sem nenhum problema”, afirmou Ahmadinejad, sugerindo que o Ocidente está de acordo com a existência das atuais centrífugas. O presidente iraniano acrescentou que os países ocidentais se viram obrigados a retomar as negociações sobre o programa nuclear iraniano, depois de terem fracassado em sua tentativa de deter os progressos do Irã na área. Ahmadinejad ressaltou que a "luta" iraniana obrigou os Estados Unidos a mudar de postura e a participar da última rodada de contatos sobre a questão nuclear, em Genebra.

Governadora Yeda Crusius escolhe general para secretário da Segurança

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), anunciou na noite deste sábado, durante a festa de seu aniversário, no Palácio Piratini, a nomeação do general Edson de Oliveira Goularte para o cargo de Secretário de Segurança, em substituição ao delegado federal José Francisco Mallmann, que pediu demissão na sexta-feira. A posse do novo secretário da Segurança acontecerá neste domingo, às 11 horas, no Palácio Piratini. A governadora determinou a publicação de uma edição extra do Diário Oficial do Estado neste domingo para anunciar a nomeação do general Edson de Oliveira Goularte e do tenente-coronel Joel Prates Pedroso para o cargo de Chefe da Casa Militar, no lugar do Coronel Edson Ferreira Alves. Yeda Crusius agiu com rapidez na escolha do novo secretário de Segurança devido à ameaça de motins de presos em várias penitenciárias do Estado. Estes motins são sempre motivados pelos agentes penitenciários, historicamente. Há uma tradição de os agentes penitenciários tentarem a derrubada dos seus superintendentes na Superintendência dos Serviços Penitenciários, quando não dos próprios secretários. Foi o que ocorreu, por exemplo, no governo de Jair Soares, quando derrubaram o secretário da Justiça, o atual deputado federal Mendes Ribeiro Junior, e no governo de Pedro Simon. Agora, em um momento de crise, os agentes penitenciários decretaram estado de greve e impediram as visitas dos familiares dos presos. Foi o que bastou para que ocorressem início de motins em vários presídios no Interior. A governadora Yeda Crusius agiu com energia e rapidez, determinando que a Brigada Militar assumisse o controle dos presídios de Bagé, Alegrete e Santana do Livramento. O comandante geral da Brigada Militar, coronel Paulo Mendes, restabeleceu a ordem no sistema prisional, que ainda registrou tumultos em Cachoeira do Sul, Uruguaiana e Charqueadas (presas). Comprova-se a tese de que os maiores motivadores de tumultos, desordens e motins nos presídios são os agentes penitenciários. O governo de Yeda Crusius deve ampliar os estudos para repassar o controle total dos presídios gaúchos para o Batalhão Prisional da Brigada Militar. O novo secretário de Segurança, general Edson de Oliveira Goularte, nasceu em Bagé, em 1942, e ingressou no Exército há 42 anos. Ele tem pós-doutorado em Planejamento e Aplicações Militares pela Escola de Guerra do Exército Italiano (Civitavecchia-Itália). Como coronel, foi comandante do Batalhão da Guarda Presidencial, comandante do Corpo de Cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras e subchefe do Gabinete do Ministro do Exército (1996). Desempenhou, como oficial general, as funções de comandante da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada e de diretor de Inativos e Pensionistas do Exército.

Ministra Ellen Gracie e jornalista Roberto D’Ávila estão namorando

Os hóspedes do luxuoso Hotel Alvear, em Buenos Aires, que jantavam no restaurante La Bourgogne, na noite da última sexta-feira, foram testemunhas de uma cena de amor: a ministra Ellen Gracie Northfleet, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, jantava de mãos dadas e sorrisos enlevados. Roberto D’Ávila esparramou-se em desvelos com a ministra Ellen Gracie, inclusive a acompanhou duas vezes até a porta da toalette.

Repressor da ditadura na Argentina escapa da prisão

Um militar reformado argentino que estava preso por crimes de torturas e assassinatos, atos de terrorismo de Estado, durante a ditadura militar no país, fugiu neste sábado da dependência policial da cidade de Bahía Blanca na qual estava. O ex-tenente-coronel Julián Corres, de 56 anos, escapou na manhã deste sábado após pedir permissão para ir ao banheiro. Corres admitiu à Justiça que dirigiu um centro clandestino de detenção durante o último regime militar (1976-1983) em Bahía Blanca, cerca de 700 quilômetros ao sul de Buenos Aires. O ex-militar tinha sido detido no dia 3 de abril após permanecer foragido por um ano e meio. Segundo números oficiais, 30 mil pessoas desapareceram na Argentina na ditadura militar.