segunda-feira, 4 de agosto de 2008

MST invade segunda fazenda em duas semanas do grupo de Daniel Dantas no Pará

Cerca de 1.000 militantes da Fetraf (Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar) invadiram, na semana passada, uma fazenda em Santana do Araguaia (PA) alugada pela Agropecuária Santa Bárbara Xinguara, do grupo Opportunity, de Daniel Dantas. É segunda invasão sofrida por fazendas ocupadas pela empresa nas duas últimas semanas. A primeira foi feita pelo MST em Eldorado do Carajás (PA), no dia 25 do mês passado. De acordo com Francisco Ferreira Carvalho, coordenador estadual da Fetraf, o objetivo da ação da semana passada na fazenda Rio Cristalino é "botar esse povo para correr". A liderança afirmou que a empresa está, há "quatro ou cinco meses", "pressionando" posseiros de uma pequena vila contígua a uma área onde criam gado para que vendam suas propriedades. O problema, dizem os trabalhadores rurais, é que a vila tem escola, pequenos comércios e um posto de saúde, usados pelas 1.300 famílias assentadas em lotes próximos. Sem ela, o abastecimento e a oferta de serviços básicos no local ficariam comprometidos. "Além do mais, eles fazem isso para lavar dinheiro", disse Carvalho.

Presidente do Senado Federal propõe três semanas de recesso branco até as eleições

Com o esvaziamento do Congresso Nacional resultante das eleições municipais, o presidente do Senado Federal, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), defendeu nesta segunda-feira a realização de três semanas de "recesso branco" até outubro. O novo recesso ocorreria na terceira semana de agosto e nas duas últimas de setembro. Nesse período, os parlamentares ficariam livres de comparecer ao Congresso e poderiam se dedicar às campanhas municipais. Dessa forma, os parlamentares trabalhariam às terças, quartas e quintas-feiras em duas semanas de agosto, outra em setembro. Na prática, os senadores trabalhariam somente nove dias em Brasília nos próximos três meses. A proposta não pode ser mais desavergonhada. Garibaldi Alves, no entanto, diz que o "recesso branco" do Congresso até outubro não significa período de "descanso" para os parlamentares. "Quando diz folga, dá a impressão que os senadores vão para a praia. Não tem nada de folga. Vão cumprir um dever cívico que é participar de uma eleição municipal, que é importante", afirmou ele. Como se os eleitores tivesse eleito esses gazeteiros para eles participarem de eleições..... O senador criticou o fato do Senado não ter fechado acordo para votar antes do recesso de julho o projeto que proíbe a candidatura de políticos com "ficha suja" na Justiça. Garibaldi Alves não definiu ainda se o projeto vai ser incluído na pauta de votações até outubro, mas a expectativa é que o tema seja adiado diante da falta de consenso entre os parlamentares sobre a matéria. A pauta de votações do Senado está trancada por três medidas provisórias, enquanto na Câmara, outras quatro MPs estão com prazo de votação vencido. Na Câmara, a oposição não está disposta a fechar acordo com a oposição para destrancar a pauta de votações. DEM e PSDB ficaram irritados com a edição de medida provisória pelo presidente Lula, na semana passada, que concede status de ministério à Secretaria da Pesca, que cria 295 cargos comissionados na administração federal.

Relator da CPI do Grampo quer ver decisão que autorizou acesso irrestrito a ligações

O relator da CPI das Escutas Telefônicas da Câmara dos Deputados, o deputado federal federal Nelson Pellegrino (PT-BA), disse nesta segunda-feira que ficou estarrecido com o fato de a Polícia Federal receber senhas para monitorar o histórico de chamadas não só dos investigados na Operação Satiagraha, mas de qualquer cidadão do País. Ele pretende apresentar um requerimento para ver a decisão judicial que autorizou o acesso irrestrito a ligações telefônicas. "Estou estarrecido com a denúncia. Isso é inaceitável. É como se todo cidadão fosse um criminoso", afirmou Pellegrino. O deputado federal ressaltou que a Lei n.º 9.296, que rege o uso de escutas telefônicas em investigações criminais, só permite interceptação telefônica quando há indício de fato criminoso e se não tiver outro meio de conseguir provas.

Acredite, Ideli Salvati está apaixonada

Ideli Salvati, a petista santista que se tornou senadora por Santa Catarina, e que se distingue no Senado Federal por seus discursos esganiçados e pela defesa do governo Lula como se fosse uma pitbull, está agora que é um docinho, toda derretida. Ideli Salvati se confessa apaixonada por um sargento flautista do Exército. O nome do sargento é Jeferson Figueiredo. Ele tem 44 anos, enquanto a senadora petista já alcança os 56 anos. O casalzinho petista é uma graça. Uma das atenções do sargentão petista é comprar sabonetes da marca Senador, desenhar uma letra “a” junto ao nome, e colocá-los no toalette de Ideli Salvati. Não é mesmo uma gentileza fantástica? Ideli está tão feliz que disse à petista Dilma Rousseff que até sua pele tinha melhorado. "Eu tinha acabado de voltar de uma viagem de lua-de-mel para a Rússia e estava resplandecente", conta Ideli. Dilma perguntou: "Ele não tem um irmão?" Ideli Salvatti passou a cuidar de sua aparência quando começou o romance com o sargento flautista. Eles se conheceram em 2002, na campanha de Ideli Salvatti ao Senado Federal. Há cinco anos, Ideli Salvati submeteu-se a uma cirurgia de redução de estômago e perdeu 40 dos 110 quilos que pesava. Mais recentemente ela mudou os cabelos, que agora estão cacheados. E seus terninhos estão justos e são de cores vibrantes. "Até a sexualidade melhorou", conta ela. Neste ano de 2008, Ideli ainda tem outro motivo para felicidade: Eurides Mescolotto, pai de seus dois filhos, foi nomeado presidente da Eletrosul. Tudo isto a leva a considerar que, em 2010, ninguém a afasta da candidatura ao governo de Santa Catarina.

Estudo indica que em 2013 faltarão 1.400 oficiais para comandar navios no Brasil

O Brasil está à beira do apagão marítimo. Um estudo da Escola Politécnica da USP, encomendado pelo Sindicato Nacional dos Armadores (Syndarma), prevê um déficit crônico de Oficiais de Marinha Mercante (OMM) nos próximos anos. Com base na expectativa de lançamento ao mar de novos navios de bandeira brasileira, a pesquisa concluiu que, sem medidas emergenciais, em 2013 faltarão 1.400 oficiais para comandar as embarcações, particularmente as da Petrobras, que participarão da exploração do petróleo no pré-sal. “A situação é séria, já existe escassez de mão-de-obra, mas pode se tornar ainda mais dramática, colocando em risco a operação dos navios brasileiros”, alerta Roberto Galli, vice-presidente-executivo do Syndarma. Para os pesquisadores, o número de embarcações de bandeira brasileira passará de 291 em 2007 para 428 em 2013. Este salto de 137 embarcações de transporte e apoio marítimo fará com que a demanda de oficiais passe dos atuais 2.724 para 4.465 em cinco anos. Pelas condições atuais, só estarão disponíveis no mercado 3.046 oficiais, o que representará um déficit de 1.419 marítimos graduados no País.

Morre o escrito russo Alexander Solzhenitsyn

O russo Alexander Solzhenitsyn, dissidente do regime soviético e escritor laureado com o prêmio Nobel, morreu aos 89 anos, segundo a agência russa de notícias Interfax em informe veiculado neste domingo. A agência informa que Solzhenitsyn teve um ataque do coração e morreu em sua casa em Moscou. O escritor serviu no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, mas se tornou um dos mais conhecidos dissidentes durante a era Soviética, enfrentando a perseguição do regime e sendo posteriormente preso e enviado para campos de trabalho forçados. A experiência resultou em alguns dos seus livros mais famosos, como "Um Dia na Vida de Ivan Denisovich" e "Arquipélago Gulag", sendo premiado com o Nobel de literatura em 1970. Após a publicação de "Gulag", em 1974, uma história monumental sobre o estado policial soviético, ele é exilado e se estabelece nos Estados Unidos, retornando a sua terra natal somente em 1994. Ele nasceu em 1918, em Kislovodsk, uma pequena cidade na região norte da Rússia, e estudou física e matemática na Universidade Rostov, entrando para as forças armadas após a invasão de Hitler, em 1941. A vida democrática no planeta Terra tem uma enorme dívida para com este homem.

Nevasca deixa 2.000 caminhões parados entre Argentina e Chile

Cerca de 2.000 caminhões estão parados nas imediações da passagem internacional Cristo Redentor, a principal entre a Argentina e o Chile, que foi fechada por causa de uma nevasca, informaram fontes rodoviárias argentinas neste domingo. As nevascas e ventos nesta área da Cordilheira dos Andes também levaram ao bloqueio da estrada 7, por isso vários motoristas de caminhões decidiram atravessar ao país vizinho pela passagem de Jama, situada na província argentina de Jujuy, no extremo norte do país. Enquanto isso, funcionários rodoviários tentavam neste fim de semana retirar a neve com máquinas para facilitar a circulação pelas cercanias do túnel. O acúmulo de neve do lado chileno também impedia o trânsito na área próxima à passagem, a mais movimentada da fronteira entre Argentina e Chile, que foi fechada várias vezes durante o inverno de 2007 por causa de nevascas.

Governo colombiano informa que chefe das Farc está ferido e cercado

O vice-presidente colombiano, Francisco Santos, disse neste domingo que o chefe das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, organização terrorista e traficante de cocaína), Alfonso Cano, foi ferido durante um enfrentamento com militares e está cercado pelo Exército. Segundo Santos, o terrorista foi ferido no braço ao ser surpreendido por uma operação militar. De acordo com o governo colombiano, Mono Jojoy, um dos membros do secretariado das Farc, que representa a ala militarista da organização terrorista, também estaria ferido. "Não é só Alfonso Cano, é também Mono Jojoy e todos os dirigentes das Farc, que estão sendo cercados e cujas esperanças de sobreviver são cada vez menores", disse o vice-presidente em entrevista à rádio colombiana Caracol. Cano assumiu a chefia das Farc em março, logo depois da morte do líder e fundador do grupo, Manuel Marulanda. De acordo com a imprensa colombiana, o líder das Farc teria sido surpreendido pelo Exército em um acampamento no estado de Tolima. Há um mês, as Farc sofreram um duro golpe, depois que o Exército colombiano resgatou a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt e outros 14 reféns do grupo mantidos em cativeiro na selva havia anos.

Vale do Rio Doce fecha contrato para a construção de 12 navios com estaleiro chinês

A Vale do Rio Doce assinou neste domingo um contrato com o estaleiro chinês Rongsheng para a construção de 12 navios, no valor total de US$ 1,6 bilhão. Cada navio graneleiro, considerado o de maior porte entre os existentes atualmente, tem capacidade de carga para 400 mil toneladas. O investimento será adicional ao programa da empresa, de US$ 59 bilhões para o período entre 2008 e 2011. A encomenda faz parte da estratégia da Vale do Rio Doce de criar um diferencial logístico para reduzir os elevados custos de frete no transporte de seu minério para a China e enfrentar a concorrência de mineradoras mais próximas do mercado asiático. "Estas iniciativas incluem a utilização de trens mais longos em nossas ferrovias - com 330 vagões e locomotivas mais eficientes - e a criação de um serviço de frete marítimo dedicado entre Brasil e Ásia - região que contribuirá com a maior parte do crescimento da demanda global de minério de ferro", diz a nota da empresa. O primeiro dos 12 navios tem entrega prevista para o início de 2011, sendo o restante entregue até o final de 2012. Considerando os contratos celebrados e anunciados pela Vale em maio de 2007 - envolvendo o afretamento de quatro novos navios de 300 toneladas e a conversão de um navio petroleiro de 290 mil toneladas - a linha de transporte destinada à rota Brasil-Ásia terá 18 grandes navios graneleiros (VLOC - very large ore carriers), com capacidade total de 7,1 milhões de toneladas adicionais aos atuais três navios do tipo capesize. A frota terá uma capacidade estimada de transportar 30,2 milhões toneladas métricas de minério de ferro por ano do Brasil para Ásia, correspondendo a 31% dos embarques para a China em 2007.

Militares revoltados com Tarso Genro querem discutir punição para os “terroristas”

Militares decidiram dar troco ao ministro da Justiça, o peremptórioTarso Genro, em conseqüência à audiência pública convocada por ele na semana passada, para debater a punição de "agentes do Estado" que tenham praticado tortura, assassinatos e violações dos direitos humanos durante o regime militar. Revoltados com o que consideram "conduta revanchista" do ministro, oficiais da reserva, com o apoio de comandantes da ativa, patrocinarão um "anti-seminário" no Clube Militar do Rio de Janeiro, na quinta-feira. Um general da ativa que acompanha a movimentação dos colegas reformados disse ao Estado que a oficialidade vai se manter calada, "como convém ao regime democrático", mas avisa que a reserva "vai pôr a boca no trombone". Segundo este general, o objetivo do "anti-seminário" de 7 de agosto é debater o "passado terrorista" de autoridades do governo Lula e de personalidades do PT, discutindo, inclusive, se não seria o caso de puni-los pelos excessos cometidos na luta armada. O que mais irrita oficiais das três Forças é o fato de a maioria desses "terroristas" ter recebido "indenizações milionárias" do Estado. A queixa geral é de que "eles também mataram e seqüestraram, e agora querem provocar os militares que engolem calados". No seminário, uma das idéias é exibir uma série de slides com fotos e uma biografia resumida da "atividade terrorista" de ministros de Estado e petistas ilustres. A lista das autoridades começa pelo ex-ministro José Dirceu e tem o próprio Tarso Genro em quinto lugar. O segundo posto é dado à ministra da Casa Civil, Dilma Roussef. O ministro da Comunicação de Governo, Franklin Martins, aparece em quarto, logo atrás do deputado federal José Genoino (PT-SP). Mais atrás, estão os ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, e da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi. "Será que quem seqüestrou o embaixador norte-americano e o prendeu, dizendo todo dia que ia matá-lo, não cometeu ato de tortura igualmente condenável?", questionou o presidente do Clube Militar, general da reserva Gilberto Barbosa de Figueiredo. Franklin Martins foi um dos idealizadores do seqüestro.