segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Governo do Rio Grande do Sul e Banco Mundial assinam contrato de financiamento de US$ 1,1 bilhão nesta segunda-feira

O governo do Estado do Rio Grande do Sul e o Banco Mundial (Bird) assinam nesta segunda-feira o contrato de financiamento de US$ 1,1 bilhão, em solenidade marcada para as 11 horas, no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini. "Nós vamos assinar um contrato inovador para o Brasil e que será seguido por outros estados", destaca a governadora Yeda Crusius (PSDB). Ela acrescenta: "Vamos mostrar que a confiança que eles depositaram em nós e que construímos mutuamente com o governo federal merece um futuro promissor e que valoriza o Rio Grande". Aprovada por unanimidade pela diretoria do Banco Mundial, pela Assembléia Legislativa e pelo Senado, a operação servirá para abater parte da dívida extralimite do Estado, formada por contratos ou obrigações que não foram objeto da renegociação da dívida com a União, em 1998, sob o amparo da Lei 9496/1997. Inédita no mundo, a transação de crédito do Banco Mundial ao Rio Grande do Sul é a maior da história da instituição firmada com um ente subnacional. Com a reestruturação viabilizada pelo financiamento, o comprometimento da Receita Líquida Real (RLR) com o pagamento da dívida extralimite, cairá de 5,1% para 3,1%, já em 2008, e de 3,3% para 2,6% no período 2008-2012, convergindo para uma trajetória de 1,2% no período 2010-2038. Dessa forma, haverá uma economia significativa aos cofres públicos pelos próximos 30 anos, que se reverterá em recursos para ampliação de investimentos. O financiamento do Bird representa também um importante apoio ao Programa de Ajuste Fiscal que o governo estadual está promovendo para zerar o déficit público. Em 2007, com o Programa de Ajuste Fiscal, o déficit de R$ 2,4 bilhões foi reduzido para R$ 1,2 bilhão como resultado de cortes de despesas, eliminação de desperdícios e maior eficiência dos órgãos arrecadadores. Em 2008, o déficit cairá para pelo menos de R$ 300 milhões. As negociações com o Bird iniciaram-se em maio de 2007, quando o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sinalizou positivamente com a possibilidade de o Rio Grande do Sul propor uma operação de empréstimo junto à instituição. Desde então, 12 missões técnicas do Banco Mundial visitaram o Rio Grande do Sul para elaboração do documento, juntamente com técnicos do governo do Estado. O empréstimo de US$ 1,1 bilhão do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (Bird) ao Rio Grande do Sul em apoio a políticas de desenvolvimento tem juros fixos, é dividido em duas parcelas, garantido pela República Federativa do Brasil e tem um prazo total de 30 anos.

Linha direta entre Lula e Fernando Henrique Cardoso evitou pedido de impeachment

Durante todo o primeiro mandato e parte do segundo, o presidente Lula teve uma linha direta de consultas com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mantida por meio de conversas secretas dos então ministros Antonio Palocci, da Fazenda, e Márcio Thomaz Bastos, da Justiça. A linha direta funcionou com mais vigor no auge do escândalo do mensalão, quando os ministros pediram a Fernando Henrique para agir e evitar que a oposição descambasse para pedir o impeachment de Lula. Ele atendeu e se posicionou publicamente contra o impeachment. Os encontros foram confirmados ao jornal O Estado de S. Paulo pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, por Palocci e Bastos. Palocci confirmou que esteve pessoalmente com Fernando Henrique “pelo menos cinco vezes”; Bastos disse ter conversado com ele pessoalmente apenas uma vez, em junho de 2005, momento em que crescia a onda do impeachment. Mas os contatos por telefone foram bem mais freqüentes, confirmam os três. Palocci e Bastos asseguram que Lula sempre soube das conversas antes de elas ocorrerem e foi informado do seu resultado depois. Mais de uma vez, no entanto, em momentos de difícil enfrentamento com a oposição, Lula sugeriu a Palocci: “Vai conversar com Fernando Henrique”. E pelo menos uma vez, em dezembro de 2007, o presidente determinou expressamente que Palocci (então já fora do governo), procurasse Fernando Henrique Cardoso para negociar o projeto de reforma política que pretendia enviar ao Congresso no começo de 2008. Fernando Henrique elogiou Palocci e Bastos para o jornal O Estado de S. Paulo, confirmou as conversas e disse que elas foram possíveis porque os dois ex-ministros de Lula têm “noção institucional”. Estendeu o elogio ao chefe de gabinete Gilberto Carvalho: “Esse também tem noção institucional”. Mas, lamentou que a linha de consulta tenha sido interrompida em 2008. Lamentam também os brasileiros, que deixaram de ser consultados sobre esses acordos que o PSDB fazia com o PT. Não é de estranhar o estado a que chegaram as coisas na república petista e no governo Lula.

DEM larga nota oficial forte contra a delinqüência do governo Lula

Leia a fortíssima nota oficial do DEM divulgada neste domingo: “A Comissão Executiva Nacional do Democratas, além de aguardar medidas imediatas do Congresso Nacional e do Poder Judiciário contra o avanço do governo Lula sobre o Estado de Direito, vem a público fazer as seguintes observações sobre as escutas ilegais feitas no telefone do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes: 1) encontra-se à beira do precipício a Democracia de um País onde um órgão sob o comando do presidente da República realiza escutas ilegais e viola o sigilo telefônico do presidente do Supremo Tribunal Federal; 2) a responsabilidade pelos atos criminosos que se sucedem no âmbito da Presidência da República é do presidente Lula da Silva, o chefe de um governo que se caracteriza pela mesquinhez de propósito, a irresponsabilidade política e a delinqüência institucional; 3) cumpre que o Legislativo e o Judiciário aprovem normas para preservar a Democracia ante os riscos de seguir com um governo que quebrou o sigilo fiscal e bancário de testemunhas de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs), como ocorreu com o caseiro Francenildo; avançou sobre documentos da República para fazer dossiês contra a Oposição e agora ousa violar as conversas telefônicas do presidente do STF; 4) o Democratas não aceita silenciar-se ante o arremedo de Democracia que estamos vivendo e exige, além da investigação completa deste episódio e da punição dos responsáveis, medidas concretas para impedir a continuidade de tais abusos. Basta de ilegalidades. Exigimos o fim do Estado Policial e o cumprimento das regras democráticas; 5) neste país, onde nada acontece, algo vai ter de acontecer, porque não podemos seguir calados enquanto o governo Lula investe contra o Estado de Direito. Sem ação concreta para impedir a continuidade destes crimes, este governo de índole autoritária acabará atirando borda-fora as conquistas democráticas que pertencem a todos nós, brasileiros”. A nota é assinada pelo deputado federal Rodrigo Maia, presidente da Comissão Executiva Nacional do Democratas.

Presidente do PSDB convoca reunião para discutir grampos telefônicos

O presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra, convocou reunião do partido para quarta-feira, para discutir os grampos telefônicos realizados contra autoridades do Legislativo e do Judiciário por meio da Abin. Em nota, o PSDB disse que os grampos indicam a instauração "de um poder paralelo, criminoso e antidemocrático, semelhante em ação às milícias e ao tráfico de drogas, que se escondem sob o manto nebuloso da clandestinidade". O PSDB cobra ainda que o presidente Lula dê "uma satisfação imediata à sociedade". A duríssima nota oficial distribuída pelo líder do PSDB no Senado Federal, senador Arthur Virgílio, tem o seguinte conteúdo: "É muito grave a informação de que o Presidente da República recebeu relatórios baseados em “grampos” ilegais e inconstitucionais, efetuados por agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). É preciso que isso seja prontamente desmentido ou comprovado sem sombra de dúvida. Ou estaremos diante de grave crise, de conseqüências imprevisíveis. Esse monstro, que está solto, foi cevado e alimentado por convicções pouco democráticas de pessoas e grupos que estão no Poder e voltou-se contra grupos do próprio Poder. Nada mais urgente do que passar tudo a limpo! Tenho, para tanto, proposta clara: a) Identificar todos os aparelhos “guardiões” (de escuta telefônica) existentes em território nacional; b) Se o aparelho foi adquirido legalmente, para executar serviços policiais, submetê-lo a auditoria para verificar quais as escutas autorizadas pela Justiça e quais foram feitas pelo livre arbítrio de autoridades, para que estas sejam apontadas à opinião pública, execradas e punidas; c) Se se tratar de “guardiões” de origem ilegal e, por essa via, inseridos em espúrios trabalhos de inteligência, proceder a rigorosa e honesta blitz para localizá-los e de pronto enquadrar os portadores delinqüentes dos aparelhos, em funcionamento torpe e inconstitucional. O fato é que uma República em que líderes da Oposição, o Presidente do Congresso Nacional e o Presidente da Suprema Corte são espionados, poderá estar gravemente se distanciando da segurança que a Democracia oferece ao cidadão. Uma República em que a máquina de espionagem, fora de controle, espiona também o Chefe do Gabinete Pessoal do Presidente da República e Ministros palacianos, poderá estar indicando perigoso estado de anomia, quebra de autoridade e de governo". Arthur Virgilio lembrou: “Nós, do PSDB, oferecemos ao PT e ao presidente Lula uma bela transição com democracia consolidada. Não se ouvia falar disso no governo de Fernando Henrique Cardoso. O presidente do Senado Federal, senador Garibaldi Alves, também está desarvorado: "Presidentes dos dois Poderes grampeados, não dá. Para manter o equilíbrio e a harmonia entre os três Poderes, tem que grampear também o outro, o Executivo”.

O peremptório ministro Tarso Genro corre para afastar qualquer suspeita de si mesmo

O ministro da Justiça, Tarso Genro, agiu rápido para afastar de sua pasta qualquer suspeita sobre a responsabilidade pelo grampo ilegal feito nos telefones do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes. Peremptório, Tarso Genro não só lembrou que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) é subordinada ao gabinete da Segurança Institucional, do Palácio do Planalto, como pôs a Polícia Federal à disposição de todas as autoridades para apurar os fatos. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Carlos Ayres Britto, que é sempre ponderado e costumava tratar o assunto grampo com certo menosprezo, resolveu agora mudar o tom: "De início, eu não me preocupei demasiadamente, porque atribuí os fatos a um açodamento no curso de investigações criminais. Agora essa preocupação se tornou mais séria, porque percebi que aquela clandestinidade de escutas telefônicas sinaliza total descontrole por parte dos próprios escalões superiores de órgãos como a Polícia Federal e a Abin. No caso, ao que parece, nem a própria Abin tem explicações convincentes para episódios como esse da interceptação telefônica do presidente do Supremo Tribunal Federal. A minha preocupação é tanto maior quando se sabe que a Abin não é polícia judiciária e, portanto, não pode fazer investigação criminal. Sendo assim, nem por ordem judicial ela poderia interceptar comunicações telefônicas".

Senador petista Tião Viana, também grampeado, acha que o objetivo era a chantagem

Único petista que entrou na lista dos grampos telefônicos ilegais da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), divulgada pela revista "Veja", o senador Tião Viana (AC) suspeita da existência de uma "organização criminosa paralela ao Estado" que teria obtido a "tecnologia da escuta telefônica em função pública" e agora a usa de forma ilegal em busca de informações para um esquema de chantagem. Ou seja, ele já saiu tentando livrar a cara do governo Lula, apesar dele próprio ser vítima. "Telefonei para o Luiz Fernando Corrêa (atual diretor-geral da Polícia Federal) e ele disse que afastava completamente possibilidade de ser um ato institucional da Abin, mas que o fato é grave e merece esclarecimento", comentou Tião Viana. Ele acredita que entrou na lista dos grampeados pela condição de potencial candidato a presidente do Senado, sucedendo Garibaldi Alves (PMDB-RN), que também é vítima da escuta ilegal, em fevereiro do ano que vem: "Tenho a sensação de que isso (a busca de informações comprometedoras para chantagem) pode ser uma maneira de alguém fugir, de ficar livre de qualquer demanda judicial".

Vice-presidente José Alencar diz que grampo no Supremo é 'intolerável'

O vice-presidente da República, José Alencar, "bateu forte" nas escutas telefônicas de conversas entre o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres (DEM/GO): "Temos que dar jeito de acabar com isso. Essa prática é intolerável em um regime democrático", afirmou ele durante a visita que fez a 31ª edição da Expointer, em Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre. Acompanhado da governadora Yeda Crusius (PSDB), durante sua visita ao Parque de Exposições Assis Brasil, José Alencar foi mais incisivo nas suas críticas: "Eu sou um democrata e acredito muito na tripartição dos poderes, na independência dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. Acho abominável essa questão de escutas telefônicas de qualquer natureza. Agora que nós estamos com um avanço impressionante na tecnologia e na informática, isso tem que ser aplicado também para terminar com os chamados grampos telefônicos". A governador Yeda Crusius também foi espionada durante a CPI do Detran, por um major da Brigada Militar, que continua cedido à liderança do PT na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul.

PPS divulga nota de repúdio à espionagem

O PPS também divulgou nota oficial de "repúdio à espionagem". No documento assinado pelo presidente do partido, Roberto Freire, o PPS pede que sejam demitidos os diretores da Abin e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional , general Jorge Felix. Roberto Freire também quer uma "investigação independente do episódio", comandada pelo Ministério Público Federal, e afirma, na nota, que tomará medidas judiciais e também legislativas para tornar sem efeito o decreto que dá acesso automático da Abin às bases de dados da Polícia Federal, Receita Federal, Exército, Marinha e Aeronáutica.

Oposição ameaça pedir impeachment do presidente Lula

Além de pedir a demissão de toda a diretoria da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), a oposição ameaça denunciar o presidente Lula por crime de responsabilidade, abrindo caminho para um processo de impeachment por conta da escuta clandestina da agência nos telefones dos presidentes do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, e do Congresso Nacional, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN). "Ou o presidente toma uma atitude rápida e aponta os responsáveis pelo grampo, ou, se continuar calado e omisso como está, ficará como responsável perante a sociedade e terá de responder por isto com base na lei do impeachment", advertiu o presidente nacional do DEM, deputado federal Rodrigo Maia (RJ). O artigo 7º da Lei do Impeachment estabelece que é crime de responsabilidade contra o livre exercício dos direitos políticos, individuais e sociais "servir-se das autoridades sob sua subordinação imediata para praticar abuso do poder, ou tolerar que essas autoridades o pratiquem sem repressão sua". Também define como crime "violar patentemente qualquer direito ou garantia individual". Rodrigo Maia lembra ainda que fica sujeito à abertura de processo de impeachment presidente, governador ou prefeito que se opuser "ao livre exercício dos Poderes Legislativo e Judiciário". O DEM quer se articular com o PSDB para que a oposição tome uma posição conjunta. Os tucanos marcaram para quarta-feira, em Brasília, uma reunião da Executiva Nacional, "para discutir o momento político e a crise entre poderes".

Lula diz que vai mandar demitir e enquadrar a Abin

Na tentativa de acabar com a grave crise institucional provocada por grampos da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) nos telefones do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, o presidente Lula decidiu enquadrar a agência. Ele determinou ao diretor-geral da Abin, Paulo Lacerda, que demita sumariamente os responsáveis pela escuta ilegal. A decisão será comunicada nesta segunda-feira a Gilmar Mendes, ao vice-presidente do Supremo, ministro Cezar Peluso, e ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Carlos Ayres Britto, durante reunião marcada para as 9 horas, no Palácio do Planalto. A reunião foi exigida por Gilmar Mendes em um telefonema ao presidente da República, no sábado à noite, por causa da revelação, pela revista Veja, de que a Abin gravou pelo menos uma conversa do presidente do Supremo, tendo do outro lado do telefone o senador Demóstenes Torres (DEM-GO). Por causa da crise, Gilmar Mendes cancelou uma viagem oficial que faria à Coréia do Sul e convocou reunião extraordinária da Corte para as 16 horas. Para o presidente do Supremo, é preciso haver reação contra o que ele chama de “Estado policial paralelo”. Ele considera que hoje há um descontrole no aparato estatal. O ministro-chefe da Segurança Institucional, general Jorge Felix, à qual a Abin é subordinada, disse que já conversou com o presidente Lula sobre as providências a serem tomadas: "Conversei com o presidente e pedi ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, que, da parte do Ministério Público, investigue o que está havendo. Paralelamente, está sendo feita uma sindicância na Abin. Uma coisa é certa, tudo indica que houve uma gravação, porque os dois interlocutores reconheceram o teor da conversa. Se foi a Abin, pode ser e pode não ser. Mas que houve a gravação, houve. Quem fez isso será punido". O general disse que a orientação é para que a Abin só trabalhe dentro das normas vigentes, o0 que obviamente ela não faz.

Senador Demóstenes Torres exige que Lula restaure credibilidade do governo

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que teve grampeada uma conversa com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, exigiu que o presidente Lula se antecipe a tudo e anuncie medidas que restabeleçam a credibilidade do governo. "O presidente tem de provar que controla a situação, que não é refém de um grupo de bandoleiros, renegados, bandidos e malfeitores hoje instalado no serviço de inteligência”, disse ele. Demóstenes assegurou: "Nós vamos reagir”. Ele não propõe o fim da Abin, porque acha que a agência é necessária para qualquer governo. Só não aceita que seus integrantes fiquem fazendo grampos ilegais: "Alguém tem de explicar qual é a razão de terem grampeado o presidente do Supremo e um senador, e mais senadores e ministros, e altas autoridades do governo. Querem investigar o quê?”

Exército colombiano captura sobrinho de terrorista das Farc

O Exército colombiano capturou, no sul de Bogotá, um sobrinho do chefe terrorista das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, organização terrorista e traficante de cocaína) conhecido como "Macaco Jojoy". A informação foi divulgada no sábado por autoridades, que o apresentaram à imprensa algemado e escoltado por dois militares. Kenet Mackenzie Rivera Perdomo, sobrinho de Jorge Briceño Suárez, conhecido como "Macaco Jojoy", chefe das Farc, camuflava-se em Bogotá fazendo-se passar por estilista da moda no populoso bairro do sul de Bogotá. Rivera Perdomo é acusado de fazer parte das milícias urbanas das Farc e antes esteve em vários frentes das Farc que operam nos Departamentos de Meta, Huila e Tolima. O terrorista tinha como missão em Bogotá antecipar seqüestros e extorquir comerciantes, além de coordenar ações para desestabilizar a ordem pública na capital.

Datafolha aponta popularidade recorde de Lula na cidade de São Paulo

O presidente Lula atingiu índice de popularidade recorde na cidade de São Paulo, de 49%, segundo pesquisa Datafolha. O resultado faz de Lula o mais importante cabo eleitoral para a candidata petista à prefeitura, Marta Suplicy. Neste sábado, Lula participou de uma carreata e de um comício de apoio à candidatura de Marta Suplicy. Ele criticou a disputa por sua imagem nas eleições e disse que, em São Paulo, tem "lado": Marta Suplicy. "Eu sou presidente de todos os brasileiros, mas eu tenho lado, e em São Paulo estou do lado de Marta Suplicy para prefeita", disse ele.

Bloqueio de opositores bolivianos atrapalha tráfego com Argentina

Pelo menos 300 caminhões, muitos com combustível, estão parados na fronteira entre Bolívia e Argentina por causa do bloqueio dos grupos opositores ao governo de Evo Morales, que realizam um protesto há seis dias. Jorge Baldivieso, chefe do "comitê da greve" da localidade boliviana de Yacuiba, na fronteira com a Argentina, disse que "os 300 caminhões estão parados nos dois lados da fronteira" devido ao bloqueio da ponte internacional. Os manifestantes apóiam os governadores departamentais opositores de Santa Cruz, Beni, Pando, Chuquisaca e Tarija em sua reivindicação ao governo do presidente cocaleiro trotskista Evo Morales de restituir aos seus departamentos a renda petrolífera, que foi reduzida em janeiro.

Polícia Federal investiga se delegado Protógenes Queiroz usou Land Rover da MSI

O delegado Protógenes Queiroz, responsável pela Operação Satiagraha, é alvo de sindicância da Polícia Federal de São Paulo. A cúpula da Polícia Federal quer saber se ele usou um Land Rover preto, blindado, apreendido da empresa MSI Licenciamentos, ex-parceira do Corinthians. A Operação Satiagraha, chefiada inicialmente por Protógenes, prendeu o banqueiro Daniel Dantas. O delegado também esteve à frente da Operação Perestroika, que devassou a parceria MSI/Corinthians por crimes de lavagem de dinheiro. O carro estava com o delegado desde dezembro do ano passado e tem débitos de R$ 14 mil pela falta de pagamento de licenciamento e IPVA.

Candidato do PTB lidera a campanha eleitoral em Canoas

Jurandir Maciel, do PTB, atual vice-prefeito de Canoas (RS), lidera a campanha para prefeitura de sua cidade. Pesquisa , Canoas se encaminha para uma disputa acirrada na eleição de 5 de outubro. A pesquisa Fato mostra que ele estaria no segundo turno, junto com Jairo Jorge, candidato do PT. O candidato do atual prefeito, Marcos Ronchetti (PSDB), o vereador Nedy Vargas, do PMDB, está distante em terceiro lugar. Na estimulada estimulada, a vantagem do candidato do PTB sobre o petista é de 3,7 pontos percentuais.

Advogada da família Fernandes, ré no processo da Operação Rodin, quer levar seu caso para o Supremo

A suspensão do processo crime contra 41 réus da Operação Rodin, que apurou o desvio de mais de 45 milhões de reais do Detran RS, e que corre na 3ª Vara Federal Criminal, em Santa Maria, foi pedida na sexta-feira por uma das rés, a advogada Denise Nachtigall Luz, membro da família de um dos cérebros da fraude, José Fernandes, dono da empresa de consultoria Pensant. O advogado dela, Aury Lopes Junior, quer a suspensão do processo até que o Supremo decida se o deputado federal José Otávio Germano (PP) será ou não investigado. A notícia-crime contra José Otávio foi encaminhada pelo Mistério Público estadual à Procuradoria-Geral da República. O advogado sustenta que, como há conexão entre os fatos, se o deputado federal José Otávio for investigado pelo Supremo, por ter foro privilegiado, todo o processo deverá subir para Brasília. O pedido de Denise Nachtgall Luz, nora de José Fernandes, foi distribuído para o ministro Joaquim Barbosa.

Porto cearense de Pecém poderá ser um dos maiores do País

O moderno Terminal Portuário do Pecém, a 60 quilômetros de Fortaleza, vive a expectativa de entrar para o grupo dos portos mais importantes do País. O empreendimento, inaugurado em 2002, foi concebido para dar suporte à movimentação do Complexo Industrial do Pecém, que previa a instalação de uma siderúrgica e uma refinaria na região. Com o fracasso das negociações e a ida dos projetos para outros Estados, o terminal foi obrigado a se remodelar para atender à demanda de cargas gerais e contêineres e ser incluído na rota marítima internacional de navios de grande porte. Mas, agora a história pode mudar. A Petrobras assinou com o governo do Ceará um protocolo de entendimentos para a instalação de uma refinaria Premium, no valor de US$ 11 bilhões. Além disso, a Vale firmou parceria com a coreana Dongsung para construir uma siderúrgica, que exigirá investimento de US$ 1 bilhão, também no Estado. Junta-se aí a transferência do parque de tancagem de combustíveis do Porto de Mucuripe para o Complexo Industrial e Portuário do Pecém, afirma Francisco Humberto Castelo Branco, diretor da CearáPortos, que administra o terminal, cujo controle é do governo estadual. A expectativa, diz ele, é que o empreendimento comece a operar a partir de 2012, assim como a siderúrgica. A refinaria ficaria pronta em 2014. Um dos diferenciais do Porto de Pecém é o calado natural de 16 metros, um dos maiores do País. Com essa profundidade, o terminal permite a atracação de navios de grande porte, como os post-panamax, que têm custo de transporte menor que os navios mais antigos.

Senado Federal quer ação conjunta com Supremo contra grampos da Abin

O presidente do Senado Federal, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), vai procurar o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, nesta segunda-feira, para articular uma reação conjunta dos Poderes Judiciário e Legislativo à ação de espiões do governo Lula que grampearam telefones dos dois chefes de Poder e de senadores de vários partidos, inclusive do PT. "O presidente Lula terá que tomar providências. Ele tem um papel decisivo no sentido de afastar qualquer possibilidade de que o seu núcleo de poder esteja patrocinando e incentivando isso", disse o presidente do Senado. No caso do grampo aos presidentes do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, o senador Garibaldi Alves diz que está em jogo mais do que a privacidade de um senador e de um ministro do Supremo: "Devemos adotar providências conjuntas para defender as prerrogativas dos nossos cargos, como chefes de dois Poderes". Garibaldi avalia que o presidente Lula precisa "agir dentro do governo" para reprimir o que está acontecendo: "Acho que, com esta conotação e esta gravidade, esta situação é inédita no Brasil". Garibaldi Alves afirmou que também cobrará explicações do diretor-geral da Abin, Paulo Lacerda: "A Abin terá que prestar contas ao Congresso e à Justiça”.

Senado Federal vai convocar comissão que controla atividades de inteligência

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) informou que o presidente do Congresso Nacional, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), deverá convocar a Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência, que tem como objetivo fiscalizar os serviços do setor. “É preciso restabelecer a ordem dentro da Abin porque é um serviço imprescindível ao País. Não dá para ficar sem esses serviços porque detecta focos de guerrilha, narcotráfico. Agora, a Abin não pode ser usada para fins menores, para bisbilhotagem”, afirmou o senador Demóstenes Torres.

Aterros sanitários em área de aproximação de aeroportos são um perigo para os aviões

Aterros sanitários em área de aproximação de aeroportos são um perigo para os aviões
O administrador Enio Noronha Raffin, editor do site Máfia do Lixo (http://www.mafiadolixo.adm.br/) fez uma pesquisa técnica sobre os aterros sanitários e projetos de instalação de empreendimentos, localizados dentro da Área de Segurança Aeroportuária. Empresários buscam instalar aterros sanitários em locais muitas vezes inadequados, entre eles está a proximidade de aeroportos brasileiros. Há uma legislação que trata disso. A Resolução “CONAMA Nº 004/1995 - "Estabelece as Áreas de Segurança Aeroportuária - ASAs", de 9 de outubro de 1995, publicada no Diário Oficial da União nº 236, de 11 de dezembro de 1995, na pág. 20388, trata disso. O Conselho Nacional do Meio Ambiente considerou “Área de Segurança Aeroportuária - ASA” as áreas abrangidas por um determinado raio a partir do “centro geométrico do aeródromo”, de acordo com seu tipo de operação, divididas em duas categorias: I - raio de 20 quilômetros para aeroportos que operam de acordo com as regras de vôo por instrumento (IFR); e II - raio de 13 quilômetros para os demais aeródromos. Dentro da “ASA” não é permitida implantação de atividades de natureza perigosa, entendidas como “foco de atração de pássaros”, como por exemplo matadouros, curtumes, vazadouros de lixo, culturas agrícolas que atraem pássaros, assim como quaisquer outras atividades que possam proporcionar riscos semelhantes à navegação aérea. Outro item a ser observado é a “Área de Aproximação e Transição do Plano Específico de Zona de Proteção do Aeroporto”. Considerando que aterro sanitário é foco potencial de atração de aves, por se tratar de local de destinação final e decomposição de matéria orgânica, a legislação não permite a implantação desse empreendimento nas “Áreas de Aproximação e de Transição dos PBZP” e nas ASAs dos aeroportos brasileiros. Um exemplo é o aterro sanitário da empresa Vital Engenharia Ambiental S/A, o qual está instalado no município de Sabará (MG), a cerca de 10,2 quilômetros do aeroporto de Pampulha, localizado em Belo Horizonte. O administrador Enio Noronha Raffin vai requerer na FEAM, em Belo Horizonte, uma cópia integral, “capa a capa”, do processo de licenciamento do aterro sanitário de Sabará, o CDR Macaúbas, e fará uma profunda análise de como foi permitida a implantação desse empreendimento privado dentro da ASA do Aeroporto da Pampulha. Recentemente em Teresina, no Piauí, um avião Airbus da TAM (veja na foto), com 111 passageiros a bordo, se chocou com um urubu e teve que fazer um pouso de emergência no Aeroporto Petrônio Portela. O acidente provocou uma enorme rachadura no bico do avião.

Unilever é multada em R$ 10 milhões por mau cheiro em Goiânia

A empresa Unilever, que atua na área de produtos de higiene, beleza e alimentos, foi multada em R$ 10 milhões pela Agência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia por ser responsável pela poluição que ocasionou um forte mau cheiro em 25 bairros da capital goiana. A indústria da Unilever, localizada na região norte da cidade, estaria com falhas no sistema de tratamento de resíduos industriais, conforme apontaram técnicos da agência municipal. Milhares de moradores da capital de Goiás estavam sendo afetados desde a última terça-feira, por um odor parecido com ovo podre, mais forte de madrugada e parte da manhã. Muitas pessoas reclamaram de dores de cabeça, náuseas, e estudantes chegaram a ser dispensados das aulas após passarem mal. A agência municipal de Meio Ambiente recebeu pelo menos 500 denúncias contra o mau cheiro. A autuação ocorreu na sede da indústria, após uma operação de monitoramento que durou dois dias feita pelos agentes do órgão em ruas, bueiros e córregos da região norte e noroeste. A identificação da empresa responsável pelo odor ocorreu após vistoria aérea, quando técnicos perceberam que o sistema de tratamento de resíduos da Unilever exalava um cheiro igual ao relatado pela população afetada. O odor era mais forte em volta da estação de tratamento. Após a vistoria aérea e pelos rios, técnicos estiveram na empresa e constataram por meio de medições que havia uma alta concentração de gás sulfídrico, altamente tóxica, resultado de processo de decomposição de matéria orgânica provocada por ação bacteriana. O cheiro parecido com ovo podre afeta as mucosas respiratórias e provoca fortes irritações em quem tem contato com o gás. A empresa estava operando acima de sua capacidade, sobrecarregando a estação de tratamento de resíduos e, como conseqüência, jogando o gás na atmosfera.

Tribunal de Contas gaúcho conclui auditoria na Corsan

Auditores do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul concluíram a auditoria extraordinária na Corsan cuja realização foi determinada pelo Pleno da Corte, em julho, por representação do Ministério Público Especial dessa Corte. Os auditores dizem que o relatório da auditoria deve ficar pronto este mês. Videversus pode antecipar que precisará ser refeito se não tiver abrangido as consultorias contratadas pela Corsan durante o governo Germano Rigotto (PMDB), pelo presidente Vitor Bertini. Uma dessas consultorias, com a empresa Brisa (travestida de ONG, ela pertence a Sólon Lemos Pinto), tinha fatura mensal de 380 mil reais, e um dos consultores regiamente remunerado é Vitor Englert, primo-irmão do atual secretário substituto da Secretaria da Fazenda, Ricardo Englert. O bancário Ricardo Englert (funcionário de carreira do Banrisul) é presidente do Conselho de Administração da Procergs, e aprovou a contratação da Brisa para realização de outra auditoria inútil na empresa. Até os degraus das escadarias da Procergs sabem que o gerente deste contrato da Brisa com a Procergs foi o primo-irmão (Vitor Englert) do secretário substituto da Fazenda, o bancário Ricardo Englert. E o bancário Ricardo Englert recusou-se a entregar cópias dos documentos solicitadas pelo jornalista Vitor Vieira, editor de Videversus, justamente sobre estas consultorias. O jornalista Vitor Vieira entrou com um mandado de segurança no Tribunal de Justiça e ganhou. Mas, há meses, espera pela expedição do Acórdão pelo Tribunal de Justiça para poder cobrar a execução do seu pedido de informações com certidão (a base legal para o pedido foi a Lei Federal n º 9051 – Lei das Certidões). Documentos encaminhados como denúncia à Corregedoria do Tribunal de Contas serviram de base para a atuação dos auditores. Parte do material se refere a irregularidades da Corsan na região de Canoas, onde o Ministério Público Federal também investiga denúncias de corrupção. A secretária de Transparência do governo estadual, Mercedes Rodrigues (procuradora aposentada do Estado), pode aproveitar e começar a fazer uma investigação por sua própria conta, e correndo, porque vai encontrar muito problema na administração de Vitor Bertini. Para começar, mande buscar no Tribunal de Contas uma cópia da denúncia que está sendo investigada pelo procurador Geraldo Costa da Camino. Na área da informática é um escândalo sem parar.

Dossiê colombiano diz que partido italiano manteve relações "além da política" com as Farc

Um dossiê do governo colombiano acusa o partido Refundação Comunista italiano de ter mantido relação com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc, organização terrorista e traficante de cocaína) "que vai além dos simples contatos políticos". Esta relação decorr dos e-mails e documentos encontrados no computador do dirigente terrorista Raul Reyes, o segundo principal responsável das Farc até 1º de março deste ano, quando morreu após um bombardeio das tropas colombianas. O jornal La Republica acrescenta que, com base nesses documentos, "emergem apoios explícitos, coleta de dinheiro, troca de informações e o caso de um representante das Farc na Europa (Lucas Gualdron) que esteve em uma clínica na Suíça com as despesas a cargo do partido". O jornal cita membros da Refundação Comunista, Ramon Mantovani e Marco Consolo, que no começo deste mês reconheceram ter mantido durante anos contatos políticos com as Farc, mas insistiram em que estes se desenvolveram sempre de forma oficial. No entanto, segundo o relatório citado pelo jornal, dos documentos encontrados surge um apoio que vai "além de relações políticas" com as Farc, grupo desde 2002 na lista de organizações terroristas da União Européia (UE) e da ONU e que, naquele momento, tinha como refém a franco-colombiana Ingrid Betancourt. Após o fracasso, em 2002, das negociações de paz entre as Farc e as autoridades colombianas e quando o novo governo do país latino-americano proibiu qualquer contato com o grupo, a "Refundação Comunista agiu como se nada tivesse acontecido e prosseguiu de maneira secreta os contatos", diz o jornal. Marco Consolo escreveu a Reyes que esperava se encontrar com ele, com uma delegação na qual haveria "companheiros mais importantes" que o próprio membro da Refundação Comunista, segundo o "La Repubblica". O jornal publica alguns e-mails, entre eles um de dezembro de 2004, em relação ao seqüestro de Ingrid Betancourt, no qual Marco Consolo diz: "Existe o risco concreto de que se transforme em um bumerangue".

Prova do Enem tem recorde de participantes

Terminou às 18 horas deste domingo a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). O exame, realizado em 107.265 salas em 1.418 municípios brasileiros, bateu o recorde de inscritos neste ano: 4.004.715, conforme o Ministério da Educação. No ano passado, a prova foi feita por 3,5 milhões de estudantes. Dos inscritos, 2.255.372 já concluíram o Ensino Médio e 1.523.324 irão concluí-lo neste ano. Há ainda 144.627 participantes que declararam que irão concluir o Ensino Médio após 2008. O número de participantes do sexo feminino supera o número de inscritos do sexo masculino. Ao todo, são 2.431.413 mulheres e 1.477.414 homens (95.888 inscritos não informaram o sexo). Os estudantes tiveram cinco horas para responder as 63 questões de múltipla escolha e uma redação. O exame conta pontos em diversos vestibulares e é um dos requisitos para o estudante concorrer a uma bolsa no ProUni (Programa Universidade para Todos). Essa é a razão pela qual está começando a ser cada mais disputado, a cada ano que passa.

Belo Horizonte: "Come to the land of Mensalões" (2)

Videversus acrescenta sobre a fraudulenta licitação da destinação final do lixo de Belo Horizonte promovida pela prefeitura petista da capital mineira, que brindou a empresa Vital Engenharia Ambiental, do Grupo Queiroz Galvão, com um contrato de 25 anos, no valor inicial de 820 milhões de reais. Primeiro: esse valor de 820 milhões de reais é só para enterrar o lixo de Belo Horizonte. Segundo: ainda será preciso a prefeitura pagar a uma empresa para transportar o lixo até o aterro da Vital, em Sabará (coitadas das montanhas de Minas Gerais, sendo destruídas para abrigar um lixão - veja na foto). Terceiro: o contrato vale por 25 anos; aterros já são solução tecnológica amplamente ultrapassadas e Belo Horizonte se condenou ao total atraso tecnológico na área do saneamento e da limpeza urbana com este criminoso contrato de concessão. Quarto: a prefeitura petista de Belo Horizonte, criminosamente, entregou para a empresa Vital Engenharia Ambiental, do grupo Queiroz Galvão, e para o município de Sabará, o direito aos créditos de carbono, o que vale uma fortuna. Quinto: lixo é energia, como comprova a Alemanha, que queima todo o lixo arrecadado de seus cidadãos e ainda importa lixo da Itália, para gerar milhares de megawatts de energia em suas usinas (e, como até um débil mental sabe, energia vale ouro, literalmente).

Belo Horizonte e o lixo: “Come to the land of Mensalões”

Na última sexta-feira, à 1 hora (da madrugada) o blog Videversus (http://www.poncheverde.blogspot.com/) publicou, com oito horas de antecedência, que a empresa Vital Engenharia Ambiental S/A, subsidiária do poderoso grupo Queiroz Galvão, seria a vencedora da bilionária licitação da destinação final do lixo de Belo Horizonte, na licitação promovida pela prefeitura petista da capital mineira. Mais do que isso, que a Vital Engenharia Ambiental S/A ganharia um contrato de concessão pelos próximos 25 anos. Nem avô faz isso pelo seu netinho preferido. O valor inicial do contrato da licitação do lixo da prefeitura petista de Belo Horizonte é de 820 milhões de reais. Dá quase quatro vezes mais do que contrato da licitação da linha 2 Verde do metrô de São Paulo, que também foi antecipado em oito horas pelo jornal Folha de S. Paulo, por meio de matéria publicada em seu site Folha Online na última sexta-feira. Mas, em Minas Gerais, ao contrário de São Paulo (onde ainda existe imprensa), nenhum jornalista e nenhum veículo de comunicação interessou-se em acompanhar e investigar esta bilionária licitação fraudulenta, fraudada, que está em vias de ser consumada, com a adjudicação de seu objeto (contrato) para a subsidiária do grupo Queiroz Galvão. Como ninguém da imprensa mineira se mexeu para denunciar essa flagrante fraude, a esperança dos coitados dos mineiros reside nos jornalistas de veículos de comunicação de fora de Minas Gerais. Porém, até o alvorecer desta segunda-feira, não se tem notícia de que a Folha de S. Paulo, tão ciosa em investigar uma licitaçãozinha de 200 milhões de reais na capital paulistana, tenha deixado de investigar uma megalicitação quatro vezes maior em Belo Horizonte, de mais de 800 milhões de reais. Afinal, a Folha de S. Paulo é ou não é um jornal nacional? Pelo critério de importância que deu à sua descoberta em São Paulo, então deveria deslocar um batalhão de repórteres para Belo Horizonte. Oito horas exatamente depois de ter colocado no ar as suas oito notas continuas no blog Videversus (http://www.poncheverde.blogspot.com/), o jornalista Vitor Vieira, seu editor, viu sair a total confirmação de sua previsão. Às 9 horas de sexta-feira, a prefeitura petista de Belo Horizonte realizou a sessão de abertura dos “envelopes de preços” das propostas das empresas licitantes na concorrência nº 001/2007 para contratação de empresa para realização do serviço de destinação final do lixo da capital mineira. Compareceram as empresas licitantes habilitadas pela comissão de licitação da SMURB: Vital Engenharia Ambiental S/A, Vega Engenharia Ambiental S/A e S.A. Paulista de Construções e Comércio. A Sarpi - Sistemas Ambientais e Comércio Ltda, uma das empresas do grupo Veólia, foi inabilitada pela comissão de licitação e acabou ingressando na Justiça de Minas Gerais onde obteve uma liminar. A decisão do Juiz é para manter o envelope sob a guarda da comissão de licitação, sem que o mesmo seja aberto, até o julgamento do mérito da ação. Quanto ao resultado das propostas, não poderia haver nenhuma surpresa. A previsão de Videversus (http://www.poncheverde.blogspot.com/) e do administrador Enio Noronha Raffin, que vem há nove meses denunciando a respectiva licitação e suas falcatruas, foi amplamente confirmada. A empresa vencedora do certame é a Vital Engenharia Ambiental S/A. Minas Gerais é um estado singular atualmente no contexto brasileiro. Pode-se afirmar que é o Estado mais corrupto da União. Não há oposição em Minas Gerais. A imprensa está toda ela absolutamente dominada e silenciada, por um pacto político absolutamente corrupto e corruptor, que envolve todos os partidos e os atrela a um esquema visando fazer um presidente em 2010. Não existe Ministério Público em Minas Gerais, ele está totalmente subordinado ao Palácio da Liberdade. Lá impera Dona Andréia, irmã do governador, que efetivamente manda no governo (o governador está sempre viajando com seus amiguinhos; há poucos dias estava na Sérvia, junto com Álvaro Garnero, conforme noticiado pela imprensa nacional). O jornal Estado de Minas, o mais importante do Estado, resumiu-se a dar uma matéria aparentemente “neutra” na sua edição de sábado, noticiando o resultado da grande fraude bilionária promovida pela prefeitura petista de Belo Horizonte. A matéria dizia o seguinte: “Destino do lixo de BH ainda é incerto - PBH abre propostas: empresa do grupo Queiroz Galvão tem melhor preço global, mas custo de transporte será deduzido. Processo na Justiça pode levar trâmite à estaca zero - Bianca Melo - Estado de Minas - Ainda não é oficial, mas tudo indica que a Vital Engenharia Ambiental S/A, do Grupo Queiroz Galvão, que já tem contrato provisório com a prefeitura de Belo Horizonte para processar o lixo da capital, vai levar também a Parceria Público-Privada (PPP) com remuneração de pelo menos R$ 714 milhões em 25 anos de contrato. A abertura dos envelopes das empresas concorrentes, ontem (na sexta-feira), pela comissão especial de licitação da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas, mostra que o menor preço foi o da Vital. Os R$ 860,4 milhões propostos por ela pelo trabalho de receber e tratar o lixo ficaram abaixo dos R$ 990,5 milhões da S.A Paulista de Construção e Comércio e dos R$ 1,05 bilhão da Vega Engenharia Ambiental S/A. No entanto, o procurador-geral do município, Marco Antônio Rezende, alerta que os valores não são válidos para classificação e espera que a definição da vencedora seja feita na próxima semana. Segundo ele, nos valores apresentados, está incluso também o custo de transporte que vai ser pago pelo município. “O que estamos buscando é o valor do aterramento, que é de responsabilidade da empresa, e faremos a apuração para separar os custos”. O município impôs um teto para o transporte, mas podem aparecer valores mais baixos, dependendo da localização dos aterros, explica Rezende. Pelas exigências do edital, as empresas não precisaram indicar os espaços onde vão tratar o lixo da capital, mas apenas declarar que já tinham licenciamento ambiental para implantar o aterro. A Vital Engenharia Ambiental é um braço do Grupo Queiroz Galvão, que vem abocanhando contratos públicos Brasil afora com suas várias empresas que atuam nas áreas de construção, concessões, óleo e gás, alimentos, siderurgia e engenharia ambiental. Desde julho do ano passado, o lixo residencial de BH é aterrado na Central de Resíduos Macaúbas, em Sabará, de propriedade da Vital. Para o antigo aterro, no Bairro Califórnia, na Região Noroeste, ainda são encaminhados o lixo hospitalar e resíduos de construção civil e de podas de árvores. O contrato com a Vital foi motivo de muitos ações questionando favorecimento da PBH à empresa. O Tribunal de Contas do Estado (TCE) trabalha para concluir uma auditoria deste contrato. Na ata da sessão de abertura das propostas houve menção à Sarpi Sistemas Ambientais Comércio Ltda, de propriedade do grupo francês Veolia, um dos maiores na área de gestão ambiental no mundo. Apesar de não ter sido analisado, o envelope da empresa permanece sob a guarda da comissão licitante até que haja parecer definitivo do Tribunal de Justiça de Minas. Os advogados da Sarpi impetraram mandado de segurança contra sua desclassificação no processo. Eles pediram também a suspensão da licitação, mas o juiz Raimundo Messias Júnior concedeu liminar parcial, considerando apenas a proposta de manter os envelopes da Sarpi até que haja julgamento. Significa que, dependendo da decisão judicial, a prefeitura pode ser obrigada a voltar à estaca zero do processo. Dependendo da decisão judicial, a prefeitura pode ser obrigada a voltar à estaca zero do processo. Segundo o procurador do município, Marco Antônio Rezende, “pode haver anulação sim, mas temos bons argumentos, tanto que continuamos tranqüilamente. E ainda assim caberia recurso”. Administrativamente, a Sarpi está excluída sem direito a recorrer”. Algum trabalho jornalístico aí? Nenhum. Alguma investigação? Nenhuma. É a chamada “matéria 500”, como os jornalistas chamam nas redações as matérias que são encomendadas por suas direções. Videversus afirma: a licitação foi fraudada. O edital é todo fraudado. As empresas que aparentemente concorriam não concorriam de verdade, apenas faziam “parede” para a Queiroz Galvão, para dar uma “aparência” de concorrência à licitação. Essas concorrentes apresentaram documentação fraudada, mentirosa, o que deveria ter produzido a eliminação delas na fase de habilitação. E houve concurso para a fraude da FEAM, fundação que cuida do meio ambiente em Minas Gerais, órgão do governo mineiro. Quanto ao Tribunal de Contas de Minas Gerais, que também deveria investigar esta concorrência fraudulenta, é preciso perguntar mais alguma coisa sobre ele depois dos últimos episódios públicos? Os brasileiros não devem esquecer: Minas Gerais é a terra do Mensalão, aliás, a terra dos Mensalões, os dois, criados pelo mesmo personagem, o publicitário mineiro Marcos Valério, um para servir ao ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) e o outro para servir ao PT para angariar apoios partidários e de políticos para o governo Lula. Precisar dizer mais? Pode-se aplicar com perfeição o “slong” de Marlboro: “Minas Gerais - Come to the land of mensalões”. Por último, uma recomendação: já que falta oposição e jornalismo independente em Minas Gerais, o deputado estadual petista Roberto Felício, de São Paulo, que quer investigar a licitação de 200 milhõezinhos do Metrô paulistano, poderia se deslocar para Minas Gerais, para investigar a licitação fraudada do governo do seu partido que equivale a mais de quatro vezes a do metrô paulista.

Folha de S. Paulo antecipou resultado da licitação do Metrô paulistano

O resultado da licitação para a construção da via permanente 2-Verde do Metrô paulistano, obra de mais de R$ 200 milhões, foi antecipado pelo site do jornal Folha de S. Paulo, o Folha Online, na última quinta-feira, oito horas antes da abertura dos envelopes. O nome da vencedora e detalhes do processo foram ocultados em texto sobre a ópera "Salomé", em cartaz na Sala São Paulo. Conforme o jornal Folha de S. Paulo, o fato dele ter antecipado o nome dos vencedores mostra que a concorrência pode ter sido direcionada, de forma a dar vitória ao consórcio liderado pela empresa Camargo Corrêa. A obra em questão trata da ampliação da linha 2-Verde no trecho de Alto do Ipiranga até Vila Prudente. Hoje essa linha vai da Vila Madalena até o Alto do Ipiranga. Essa expansão é uma das bandeiras políticas da gestão José Serra (PSDB). As empresas excluídas da licitação já avisaram que irão à Justiça contestar o resultado. Pelo conteúdo dos envelopes, o consórcio Camargo Corrêa/Queiroz Galvão apresentou a "melhor" proposta. O consórcio pediu R$ 219,7 milhões para executar a obra, valor 12% acima dos R$ 196 milhões previstos pelo Metrô. A segunda colocada foi a empresa Andrade Gutierrez, que pediu R$ 222,1 milhões. A terceira colocada foi a OAS (R$ 226 milhões). Para excluir quatro das oito empresas que disputavam a licitação, o Metrô usou um parecer técnico da Ieme Brasil, empresa contratada como projetista da linha 2-Verde. Ela prestou serviço à Camargo Corrêa. O procedimento é contestado administrativa e judicialmente pelas perdedoras (Galvão/Engevix; Iesa Consbem/Serveng; Carioca/Convap/Sultepa; Tejofran/Somafel). Conforme o jornal Folha de S. Paulo, a Ieme não poderia participar nem "direta" nem "indiretamente" do processo. O Metrô informou a exclusão das quatro empresas no Diário Oficial do Estado da última terça. Para fundamentar a decisão, em vez de produzir um parecer próprio, a direção do Metrô usou o que a Ieme fez para a Camargo Corrêa. Ou seja, o Metrô usou o argumento de uma das concorrentes para desclassificar as demais. Para “especialistas” consultados pelo jornal Folha de S. Paulo, isso foi o bastante para “contaminar” o processo licitatório. A Folha Online apurou que o Ministério Público paulista já requisitou cópia da reportagem "Folha Online antecipa vitória em licitação de obra do metrô de São Paulo" para abrir um inquérito que irá investigar se houve irregularidade no processo licitatório.