sábado, 11 de outubro de 2008

G7 promete medidas para desbloquear crédito e evitar quebra de bancos

Os países membro do G7 acordaram na sexta-feira tomar "todas as medidas necessárias para desbloquear o crédito e os mercados monetários" para que os bancos disponham de "amplo acesso à liquidez". O grupo dos sete países mais industrializados, reunido em Washington, anunciou a adoção de um "plano de ação" de cinco pontos para enfrentar a crise financeira internacional. O plano pretende utilizar "todos os instrumentos à disposição" para impedir a quebra dos principais bancos, cuja falência teria repercussões sobre todo o sistema financeiro. "O G7 concorda que a atual situação exige uma ação urgente e excepcional", destaca um comunicado do Tesouro dos Estados Unidos. "Nos comprometemos a prosseguir trabalhando juntos para estabilizar os mercados financeiros, restaurar o fluxo de crédito e apoiar o crescimento econômico global". Continua a nota: "As ações deverão ser adotadas de forma que protejam os contribuintes e evitem os efeitos potencialmente prejudiciais em outros países. Utilizaremos ferramentas de política macroeconômica quando for necessário e apropriado". Os pontos em acordo são os seguintes: 1) adotar ações decisivas e utilizar todas as ferramentas disponíveis para apoiar as instituições financeiras importantes para o sistema e evitar sua falência; 2) dar todos os passos necessários para descongelar os mercados de crédito e câmbio e garantir que os bancos e outras instituições financeiras tenham amplo acesso à liquidez e fundos; 3) garantir que bancos e outros intermediários financeiros maiores possam, segundo sua necessidade, reunir capital de fontes públicas e privadas, em volumes suficientes para restabelecer a confiança e prosseguir com os empréstimos para famílias e negócios; 4) assegurar que os respectivos seguros nacionais de depósitos e programas de garantias sejam suficientemente robustos e consistentes para que os pequenos correntistas mantenham a confiança no sistema; 5) atuar, quando for apropriado, para reativar os mercados secundários para hipotecas (os mercados de compra de hipotecas por entidades financeiras).

Embraer fecha contrato com empresa de Moçambique para dois jatos Embraer 190

A Embraer assinou um contrato com a LAM (Linhas Aéreas de Moçambique) para a venda de dois jatos Embraer 190, com direitos de compra para outras duas aeronaves do mesmo modelo. O valor total do negócio é de US$ 75 milhões, e pode dobrar caso todos os direitos de compra sejam exercidos. Com isso a Embraer alcança a marca de 50 empresas que são suas clientes. O Embraer 190 da LAM será configurado com duas classes de serviço, com nove assentos na primeira classe e 84 na econômica. A primeira entrega está prevista para o segundo semestre de 2009 e a aeronave terá como base a capital do país, Maputo. “Quando decidimos modernizar nossa frota de aeronaves de curto e médio alcance, bem como reduzir os custos operacionais, o foco era adaptar nossa capacidade à demanda do mercado”, disse José Ricardo Viegas, presidente do Conselho de Administração da LAM. “Nosso objetivo era substituir os maiores aviões da nossa frota por aeronaves menores e mais novas que possibilitassem aumentar freqüências, abrir novas rotas e servir melhor aos nossos clientes. O Embraer 190 é exatamente o modelo que precisamos”.

Seis ministros do Supremo já expressaram opinião contrária à exigência de diploma para jornalistas

O Supremo Tribunal Federal pode derrubar a exigência de diploma para jornalista poder exercer a profissão. Sondagens concluem que dos 11 ministros que vão julgar o recurso, seis já se manifestaram contra obrigatoriedade de formação específica para a profissão. O Supremo Tribunal Federal caminha para derrubar, ainda neste semestre, a obrigatoriedade do diploma de jornalista para o exercício da profissão, o que será excepcional, já que isto se constitui em uma excrescência instituída pela ditadura militar. Alguns ministros já sinalizaram, nos bastidores ou em decisões anteriores, como pretendem votar. Um deles é o próprio presidente do Supremo, ministro Gilmar Mendes, relator do caso. Em 2006, Mendes relatou, na 2ª Turma do Supremo, uma medida cautelar que garantiu o exercício profissional a pessoas que trabalhavam na área sem ter o registro no Ministério do Trabalho. Na época, o ministro Gilmar Mendes teve sua posição referendada pelos seus colegas ministros Cezar Peluso, Celso de Mello e Joaquim Barbosa.

Marina Silva ignora PT e apóia Gabeira

A causa ecológica e a amizade de mais de 20 anos levaram a ex-ministra do Meio Ambiente e senadora Marina Silva (PT-AC) a anunciar apoio a Fernando Gabeira (PV) no segundo turno das eleições no Rio de Janeiro. Marina Silva é a primeira petista a divergir da adesão oficial do partido a Eduardo Paes (PMDB), decidida pela cúpula do PT no Rio de Janeiro. “Compreendo a posição do partido, mas me sinto inteiramente à vontade para manifestar meu apoio a Gabeira. Seria uma contradição com a minha trajetória não apoiá-lo”, disse a ex-ministra. Uma comissão de verdes do parlamento da União Européia virá ao Rio de Janeiro, caso Gabeira seja eleito, para manifestar apoio ao prefeito.

PDT decide apoiar candidatura de Eduardo Paes no Rio de Janeiro

O PDT decidiu na sexta-feira apoiar a candidatura de Eduardo Paes (PMDB) à prefeitura do Rio de Janeiro neste segundo turno. O partido havia lançado o deputado Paulo Ramos (PDT) como candidato a prefeito. A decisão foi anunciada após votação dos integrantes do diretório municipal do PDT. Mas, para oficializar o apoio, o partido espera que Paes assine uma carta-compromisso se comprometendo a não perseguir camelôs, a implantar a jornada de ensino integral nas escolas municipais e a rever as políticas de segurança públicas, entre outros compromissos. A carta será entregue ao candidato nesta segunda-feira, na sede do PDT. O partido tem sérias restrições ao governador do Estado Sérgio Cabral (PMDB), de quem Paes é "afilhado" político.

Lula grava mensagens de apoio a quatro candidatos da base aliada

O presidente Lula gravou na sexta-feira mensagens de apoio para os candidatos a prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB); de São Luís, Flávio Dino (PCdoB); e para a candidata de Juiz de Fora, Margarida (PT). Lula pretende ir a São Paulo nos próximos dias 18 e 19 para subir nos palanques dos candidatos petistas Marta Suplicy, que disputa a prefeitura de São Paulo; Luiz Marinho, candidato em São Bernardo, e Vanderlei Siraque, candidato da legenda em Santo André, ambos na região do ABC. A idéia do presidente é concentrar suas atenções nestas três cidades, nas quais o PT não concorre com adversários ligados à base aliada. Lula ainda está em dúvida sobre como conduzir a campanha política em Porto Alegre (RS).

Colômbia em estado de exceção por causa de greve no Poder Judiciário

A Colômbia está em estado de exceção desde a última quinta-feira, por causa da greve dos funcionários do Poder Judiciário que já dura mais de 30 dias. O presidente Álvaro Uribe decretou esta medida para combater a paralisação dos despachos judiciais causada pela greve. Uribe classificou como "inaceitável" que quem garante os direitos e liberdades das pessoas se declare em greve. "É como tirar um pilar da estrutura", disse ele. O estado de emergência foi anunciado pelo presidente Uribe na quinta-feira, ao dizer que, devido à greve, 2.700 presos por homicídio, narcotráfico e posse de armas foram libertados por vencimento de termos legais. Além disso, provocou falhas em mais de 120 mil processos e à não realização de cerca de 25 mil audiências desde 3 de setembro, quando começou a greve.

Ministros do governo Lula afirmam que sentença contra coronel Ustra é uma “condenação moral”

A declaração da Justiça de São Paulo responsabilizando o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra por práticas de tortura na década de 60 foi analisada pelos ministros Tarso Genro (da Justiça) e Paulo Vannuchi (dos Direitos Humanos), e pelo ex-ministro José Dirceu (Casa Civil, deputado federal petista cassado por corrupção) como “uma condenação moral e forma de se fazer justiça”. As afirmações foram feitas durante a 12ª edição da Caravana da Anistia, em São Paulo. No evento, seis ex-estudantes perseguidos pelo regime militar na década de 60 foram anistiados e informados sobre indenizações que receberão do governo. Segundo Tarso Genro, a decisão significou a recuperação da memória e da verdade sobre a aplicação de torturas no País durante o período que foi governado por militares. "A minha atenção para este fato está relacionada com a recuperação da memória e da verdade. No caso concreto dessa sentença, a memória e a verdade foram restabelecidas. Mostrou que o Estado brasileiro não só tolerou, como incentivou atos de tortura naquela oportunidade. A consolidação da memória e da verdade é vital para a construção da democracia", afirmou o peremptório ministro. Para Vanucchi, por mais que a decisão do juiz não leve o coronel para a cadeia, há esperança de que a declaração se desdobre em outras decisões punitivas. "Esta é uma condenação que não leva ninguém a cadeia, mas a pessoa terá de conviver com esse tipo de declaração formal. Foi torturador, o que pela ONU é um crime que agride a dignidade do ser humano, como é o genocídio. Essa é uma ação que precisa se desdobrar em dez, em 50, para se ter uma condenação equivalente a de ontem. A nossa previsão é que seja mantida nas instâncias superiores" disse Vanucchi. José Dirceu, também presente no evento por ter sido perseguido pelo regime quando era estudante na década de 60, classificou a decisão como "justiça". "Se fez justiça. Não é uma punição, é uma condenação moral. O Estado reconheceu que é importante que reabra a questão. Nós sabemos que estes crimes são imprescritíveis pelas leis internacionais. A condenação moral é muito importante, é algo fantástico, e eu espero que seja mantida nas outras instâncias da polícia".

Embraer entrega 145 aeronaves até setembro

A Embraer divulgou as entregas de aeronaves e a carteira de pedidos atualizada relativas ao terceiro trimestre de 2008. Com base nos primeiros três trimestres de 2008, quando a empresa entregou 145 unidades, houve um aumento de 34% em relação ao mesmo período de 2007, quando foram entregues 108 jatos. Dessa forma, a Embraer confirmou sua estimativa de entregar entre 195 e 200 aeronaves em 2008, além de dez a 15 jatos Phenom 100. Apenas no terceiro trimestre a Embraer entregou 37 jatos para o mercado de Aviação Comercial, nove jatos executivos e duas aeronaves para o segmento de Defesa e Governo. A carteira de pedidos firmes da Companhia chegou a US$ 21,6 bilhões no terceiro trimestre, um aumento de 4,3% sobre o trimestre anterior. No terceiro trimestre, a Embraer anunciou 13 novas vendas de aviões comerciais, incluindo 12 Embraer 190, e um EMBRAER 195. A Embraer informou ainda que há 17 vendas de Embraer 190 já inclusos na lista de pedidos do trimestre anterior como "cliente não divulgado". Quatro clientes entraram para a lista de novos operadores no terceiro trimestre: a Kun Peng, da China; a TACA, de El Salvador; a Petroecuador e a Virgin Nigeria.

Governo dos Estados Unidos vai comprar ações de instituições financeiras

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Henry Paulson, anunciou na sexta-feira que o governo dos Estados Unidos vai comprar ações de instituições financeiras com fundos do pacote de US$ 700 bilhões aprovado pelo Congresso norte-americano. "Estamos desenvolvendo estratégias para adquirir participações nas instituições financeiras conforme for necessário para impulsionar a estabilidade nos mercados financeiros", disse Paulson. O anúncio foi feito pouco depois de o G7 anunciar, em Washington, um "plano de ação" para combater a crise financeira mundial e que emprega "todas as ferramentas disponíveis" para apoiar as principais instituições e evitar sua falência. O G7 também se compromete a fazer o necessário para desbloquear o mercado de crédito hipotecário e destaca a necessidade de se conceder aos bancos a capacidade de elevar seu capital junto aos setores público e privado, com o objetivo de restabelecer a confiança.

Marcos Valério é suspeito de corromper policiais para livrar empresa de multa

O publicitário Marcos Valério, um dos expoentes do mensalão, como grande operador do PT para corromper parlamentares e partidos políticos em troca de apoio político ao governo Lula, é suspeito de participar de um esquema de corrupção envolvendo policiais federais, segundo Leandro Daiello Coimbra, superintendente regional da Polícia Federal no Estado de São Paulo, que atua na operação Avalanche. De acordo com Leando Daiello Coimbra, Marcos Valério articulou a abertura de um inquérito fraudulento para livrar uma empresa (da qual é conselheiro) de uma multa de R$ 105 milhões. A empresa Praiamar Indústria, Comércio e Distribuição Ltda, que pertence à Cervejaria Petrópolis, da região de Sorocaba (no interior de São Paulo), de propriedade de Walter Faria, foi autuada por dois fiscais da Receita Estadual a pagar R$ 105 milhões. Marcos Valério, conselheiro da empresa, contratou dois advogados que subornaram policiais federais de uma delegacia em Santos para que fosse aberto o inquérito com o intuito de desmoralizar os fiscais. Conforme Coimbra, a polícia apreendeu uma alta quantia na casa de um dos advogados de Marcos Valério. "Na casa de um deles a Polícia Federal encontrou mais de meio milhão de reais”. No dia 13 de agosto deste ano, R$ 1 milhão também foi apreendido no aeroporto de Sorocaba e seria levado para Santos para pagar o grupo. Marcos Valério teve decretada prisão temporária, ficará na cadeia por cinco dias, prorrogáveis por mais cinco.

Ministro Guido Mantega diz que não perdeu o sono com a crise

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, que está em Washington para a reunião semestral do FMI e o encontro de emergência do G20, disse na sexta-feira que não perdeu o sono com a crise econômica global. "Porque sou o ministro da Fazenda do Brasil, eu não perdi o sono. Acredito que meus colegas, de outros países, estão perdendo o sono, sim", disse ele. "Nós não temos razão de perder o sono lá no Brasil. Temos uma situação bastante sólida, o país continua crescendo apesar da crise”. De acordo com Mantega, o Brasil só tem problemas “localizados”, mas o ministro afirma que o governo agiu com rapidez para sanar as vulnerabilidades da economia nacional. "O que não podemos é deixar faltar liquidez nesse momento. E nós temos tomado as medidas para viabilizar liquidez", afirmou ele. "O Banco Central já liberou compulsório. Já houve a possibilidade de desapertar os bancos médios e pequenos", acrescentou o ministro, em referência aos depósitos que as instituições financeiras têm que fazer no Banco Central ao final de cada dia.

Arrozeiro de Roraima pede reintegração de posse de sua fazenda

O líder arrozeiro e prefeito de Pacaraima (RR), Paulo César Quartiero (DEM), pediu ao Supremo Tribunal Federal a reintegração de posse de sua fazenda na reserva indígena Raposa/Serra do Sol. Segundo ele, cerca de 100 índios ocupam a área desde maio. O pedido, que inicialmente foi apresentado ao juízo de primeira instância, foi remetido ao Supremo nesta semana porque a Corte analisa em outros processos a legalidade da demarcação da reserva. No recurso, Quartiero apresentou documentos que compravam que é proprietário da Fazenda Depósito há mais de 15 anos. Segundo o prefeito, dois funcionários da fazenda que foram até a área ocupada foram recebidos com "flecha, bala e porrete". Quartiero relata no pedido que também tentou dialogar com os índios, mas foi recebido com tiros.

Só 35 senadores respondem a comunicado de Garibaldi sobre emprego de parentes

Só 35 senadores responderam ao comunicado do presidente do Senado Federal, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), sobre a contratação de parentes em seus gabinetes. Os senadores que responderam à solicitação do peemedebista negaram a existência de nepotismo. Ao menos 34 pessoas ligadas a 18 senadores foram demitidas de setembro a outubro. Os senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e Epitácio Cafeteira (PTB-MA) têm dúvidas sobre como agir em relação a algumas situações que consideram específicas. Raupp emprega as filhas da diretora-geral do Senado Federal, Cláudia Lyra, e não pretende demiti-las, enquanto Cafeteira resiste em abrir mão da sobrinha. Segundo o petebista, sua sobrinha chegou ao Senado em 1997. Tanto Raupp como Cafeteira esperam análise sobre suas dúvidas por parte da advocacia-geral do Senado Federal.

Lula pede voto de evangélicos para Marta Suplicy e diz que candidata sofre preconceito

O presidente Lula disse na sexta-feira que a candidata à prefeitura de São Paulo, a petista ricaça Marta Suplicy, sofre preconceito por parte da sociedade pelas "coisas boas que fez". Em evento com líderes evangélicos, o presidente pediu votos para a petista e voltou a afirmar que também sofreu preconceito. "Sabe por que estou à vontade aqui pedindo votos pra Marta? Eu que já sofri tanto preconceito, hoje acredito que Marta é vítima de preconceito da cidade. Vítima pelas coisas boas que fez", afirmou Lula, em discurso aos líderes evangélicos. "Eu estou convencido que essa mulher sofreu uma campanha de preconceito exatamente pelas coisas boas que fez pela cidade", disse o presidente, citando como exemplos das "coisas boas" a criação do Bilhete Único e dos CEUs (Cento Educacional Unificado). Esta foi a primeira participação de Lula na campanha de Marta desde o início do segundo turno. Na primeira fase da campanha ele participou de um comício e uma carreata ao lado da petista. O encontro de sexta-feira reuniu cerca de 50 líderes de igrejas de várias denominações. O objetivo foi aparar as arestas com os evangélicos. Há cerca de três de semanas, a petista ricaça Marta Suplicy passou por uma saia justa com líderes da Igreja Batista de São Paulo, que reclamaram do posicionamento da candidata favorável aos homossexuais.

Reino Unido perde informações de 100 mil integrantes das forças armadas

O Ministério da Defesa do Reino Unido admitiu na sexta-feira o extravio de um arquivo de memória portátil com detalhes pessoais de 100 mil integrantes das forças armadas, enquanto uma empresa de previdência privada teve um computador com dados de 100 mil clientes furtado. A memória contém nomes, residências, números de passaportes, datas de nascimentos e detalhes das carteiras de habilitação de militares da Royal Navy e da Royal Air Force. Além disso, informações de 600 mil aspirantes a ingressar nas forças armadas estão na memória, de propriedade da EDS, empresa de informática contratada pelo Ministério da Defesa. No mês passado um disquete com dados confidenciais do pessoal da RAF foi roubado de uma base na Inglaterra. Esse disquete continha dados de membros e ex-membros da RAF e estava em poder da Agência de Veteranos e Pessoal de Serviço da RAF em Innsworth, Gloucester (oeste da Inglaterra). Em junho, documentos secretos do governo sobre o Iraque e a rede terrorista Al Qaeda foram encontrados em um trem. Além disso, no ano passado foram perdidos dados confidenciais de 25 milhões de cidadãos, que incluíam nomes, habilitações, datas de nascimento, números de subsídios infantis, números da seguridade social e detalhes de milhões de contas bancárias. No incidente semelhante ocorrido agora, a empresa privada de contabilidade Deloitte anunciou o roubo de um computador portátil com dados de 100 mil participantes de planos de pensões e de previdência. Esse é o risco quando empresas privadas são contratadas para gerenciar dados sobre os cidadãos de controle do Estado.

FMI oferece a seus membros US$ 250 bilhões contra a crise financeira

O Fundo Monetário Internacional pôs à disposição dos países-membros suas reservas de quase US$ 250 bilhões para responder à crise financeira. Os recursos seriam desembolsados na forma de empréstimos urgentes, com menos condições que seus programas freqüentes e em questão de duas semanas. O diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, ativou na quarta-feira este processo de emergência, frente aos apelos de alguns membros do organismo. Foi usado pela última vez durante a crise asiática do final dos anos 90. O Fundo quase não emprestou dinheiro nos últimos anos, dada a ampla liquidez nos mercados, com o que seus cofres estão repletos de reservas. Nenhum país solicitou ainda oficialmente a ajuda do FMI, mas a Islândia é o candidato mais provável. Seu governo se viu obrigado a nacionalizar três grandes bancos esta semana, ao mesmo tempo que o valor de sua moeda afundou.

Petróleo termina semana cotado a US$ 77,70 em Nova York, o nível mais baixo em um ano

O preço do barril de petróleo cru em Nova York fechou na sexta-feira no nível mais baixo desde setembro de 2007, entre as expectativas de menor demanda no mercado global e uma forte queda das ações ao longo do pregão em Wall Street e outras bolsas mundiais. Na Nymex (Bolsa Mercantil de Nova York), os contratos do barril de petróleo para entrega em novembro encerraram cotados a US$ 77,70, em decréscimo de 10,27% ante o fechamento anterior (US$ 86,59). O preço é o mais baixo desde 10 de setembro do ano passado. Nesta semana a cotação recuou 17,2%. Desde a cifra histórica de US$ 147,27, em julho deste ano, a queda é de 47%. As sombrias expectativas de demanda do petróleo e dos combustíveis levaram a Opep (Organização de Países Exportadores de Petróleo) a marcar uma reunião extraordinária da Opep no dia 18 de novembro, em Viena.

Dólar termina a semana a R$ 2,31 e Bovespa encerra com queda de 8,47%

O Banco Central interferiu na sexta-feira mais uma vez no mercado de câmbio para tentar conter a escalada das taxas, em um novo dia de pânico. Nas últimas operações do dia, o dólar comercial foi cotado a R$ 2,316 na venda, em alta de 5,36%. Trata-se do preço mais alto para a moeda norte-americana desde maio de 2006. Os agentes financeiros entraram em pânico com a perspectiva de uma recessão global, reforçada desde quinta-feira pelas notícias de prejuízos para empresas não-financeiras, como os das gigantes norte-americanas do setor automobilístico, General Motors e Ford. Assim, a corrida para o dólar parece se explicar exclusivamente pelo fato de a moeda se escudar nos títulos do Tesouro norte-americano, um dos poucos ativos considerados de liquidez garantida. No médio prazo a queda nos preços das commodities (matérias-primas) também deve contribuir para enfraquecer a moeda brasileira frente ao dólar. Assim as empresas brasileiras também não se mostram imunes à crise. A volatilidade fez o Banco Central atuar três vezes no mercado de câmbio na sexta-feira. Pela manhã, fez um leilão com o dinheiro das reservas e vendeu dólares a R$ 2,275. Ainda pela manhã o Banco Central voltou a usar as reservas internacionais e vendeu dólares no mercado financeiro, por meio de um leilão de câmbio promovido entre as 10h40 e 10h50. A autoridade monetária aceitou ofertas dos agentes financeiros por R$ 2,275. Por volta das 13 horas foram vendidos US$ 589,3 milhões de contratos cambiais que oferecem proteção contra a alta da moeda (os contratos de "swap" cambial). E às 15h30, em novo leilão de reservas, os dólares do Banco Central foram vendidos a R$ 2,311. O Banco Central vendeu ainda na sexta-feira um novo lote de contratos de câmbio, no valor de US$ 589,3 milhões. Foi o quinto dia seguido de leilões de "swap" cambial.

Dilma Rousseff descarta "socialização de perdas" em empréstimos do BNDES

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou na sexta-feira que as linhas de financiamentos para empresas disponíveis no BNDES não podem ser consideradas como uma "socialização de perdas". Segundo ela, o papel do BNDES em manter linhas de créditos disponíveis para as empresas é importante para que não sintam muito o efeito da falta de crédito disponível no mercado internacional. Porém, ela garantiu que esses financiamentos não serão uma espécie de "socialização de perdas" para empresas que fizeram apostas mal sucedidas sobre o câmbio, como foi observado na Sadia, Aracruz e grupo Votorantim. "As linhas são de financiamentos, logo serão pagas", disse a ministra. Além disso, ela garantiu que os investimentos contidos no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) serão mantidos mesmo com a crise financeira internacional, já que se trata de um dos instrumentos para manter o níveis de investimentos no País.

Equador pede que caso Odebrecht não prejudique relação com Brasil

O governo do Equador afirmou que o impasse com a construtora Norberto Odebrecht não deveria pôr em risco as relações com o Brasil. O presidente Lula suspendeu na sexta-feira uma missão ao país vizinho após seu colega Rafael Correa, tiranete populista e amigo de terroristas e traficantes de cocaína, ter anunciado a expulsão da empresa brasileira. "O problema é com uma empresa e não com o governo do Brasil. Estamos nos esforçando para esclarecer toda a série de irregularidades relacionadas a empresa", disse o ministro coordenador de Áreas Estratégicas do Equador, Galo Borja. Na quarta-feira, o populista fascista Rafael Correa rejeitou o acordo com a Odebrecht e anunciou a expulsão definitiva da empresa de seu país. Na semana passada, a construtora havia anunciado um acordo com o governo sobre a reforma da usina hidrelétrica de San Francisco. A empresa brasileira se comprometeu a depositar uma garantia de US$ 43 milhões até que se apure a culpa pela paralisação da central ocorrida em junho, após ter entrado em funcionamento um ano antes. Além da Odebrecht, o fascistóide Rafael Correa também está em atrito com a Petrobras, exigindo da estatal brasileira a renegociação de contratos de exploração de petróleo no Equador. "A Odebrecht serviu ao Estado equatoriano por mais de 21 anos, sempre participando de projetos que visavam contribuir para o desenvolvimento do país. São projetos que continuam servindo a seus propósitos, muitos dos quais conquistaram reconhecimento internacional", disse a empresa. A empresa informou que existem contratos em execução no país para duas hidrelétricas, um aeroporto e um sistema de irrigação. Segundo a Odebrecht, as medidas de Correa envolvem um total de contratos da ordem de US$ 650 milhões, atingindo 3.800 pessoas, sendo 36 são brasileiras. Desde 23 de setembro deste ano, quando o fascistóide Rafael Correa anunciou a militarização dos bens da empresa, dois executivos brasileiros da empresa permanecem refugiados na embaixada do Brasil, sem poder deixar o Equador. Fernando Bessa e Eduardo Gedeon estão hospedados na residência oficial do embaixador brasileiro no país, Antonino Marques Porto e Santos. O fascistóide populista Rafael Correa assinou um decreto no dia 23 do mês passado ordenando o embargo dos bens da Odebrecht e proibiu que quatro funcionários da empresa (Bessa, Gedeon, Fabio Andreani Gandolfo e Luiz Antonio Mameri) deixassem o país. De acordo com a construtora, Gandolfo e Mameri não estavam no país quando do anuncio do decreto e, portanto, não foram retidos. Em relação a Petrobras, o fascistóide Rafael Correa ameaçou no último sábado nacionalizar um campo da empresa, que produz 32 mil barris de petróleo por dia, caso a petrolífera não renegocie seu contrato.

Ações do Morgan Stanley caem mais de 30% com redução em nota de risco

As ações do banco norte-americano Morgan Stanley registraram queda acentuada na sexta-feira com a circulação de boatos sobre a situação financeira da instituição. Os papéis do banco caíram 32%, sendo negociados US$ 8,47. No ano, a perda já chega a mais de 80%. Os investidores temem que empresas ligadas ao Morgan Stanley e outros parceiros possam se desligar do banco. Os rumores se intensificaram depois que a agência de classificação de risco Moody's Investors Service, na quinta-feira, anunciou a revisão da nota de risco dos débitos de longo prazo do banco e de suas subsidiárias. No mês passado, o Federal Reserve (Fed, o BC americano) aprovou a conversão imediata do Morgan e do Goldman Sachs de bancos de investimento para bancos de varejo. O Morgan também recebeu autorização para receber um investimento de US$ 9 bilhões do banco japonês Mitsubishi UFJ Financial. As ações do Goldman também caíam (-15,4%, para US$ 85,00) depois que a Moody's rebaixou a nota dos débitos de longo prazo do banco e de suas subsidiárias.

DEM, de ACM Neto, declara apoio a João Henrique em Salvador

O DEM oficializou na manhã de sexta-feira o apoio à candidatura à reeleição do prefeito de Salvador, João Henrique (PMDB). O reforço na campanha do peemedebista foi anunciado pelo presidente do DEM na Bahia, Paulo Souto, e pelo deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), que ficou em terceiro lugar em Salvador. Além do DEM, João Henrique ganhou a adesão de outros quatro pequenos partidos que apoiaram a candidatura de ACM Neto no primeiro turno (PRP, PSDC, PT do B e PTN). O presidente do PMDB da Bahia, Lúcio Vieira Lima, disse que João Henrique ficou "muitíssimo mais forte" com o apoio do DEM para derrotar o PT no segundo turno.

Banco Central coloca mais US$ 589,3 milhões no mercado com leilão de contrato de câmbio

O Banco Central vendeu na sexta-feira um novo lote de contratos de câmbio, no valor de US$ 589,3 milhões. Foi o quinto dia seguido de leilões de "swap" cambial, o equivalente a uma operação de venda de moeda no mercado futuro. Esses contratos oferecem proteção contra a alta do dólar e, dessa forma, diminuem a pressão de alta da moeda norte-americana. O valor ficou abaixo dos US$ 791,3 milhões oferecidos pelo Banco Central. A autoridade monetária ofereceu contratos com vencimentos para dezembro de 2008 e para janeiro de 2009. Pela manhã, o Banco Central voltou a usar as reservas internacionais e vendeu dólares no mercado financeiro, por meio de um leilão de câmbio. As turbulências do mercado financeiro têm obrigado o Banco Central a intervir pesadamente no câmbio. Na quinta-feira a autoridade monetária já havia realizado dois leilões de venda de dólares, além de um leilão de "swap". E na quarta-feira foram outros três leilões com queima de reservas, e mais um leilão de "swap" cambial.

PSOL decide ficar neutro no segundo turno da eleição do Rio de Janeiro

O PSOL, partido do deputado federal Chico Alencar, candidato derrotado a prefeito do Rio de Janeiro, decidiu na sexta-feira ficar neutro na disputa de segundo turno entre Eduardo Paes (PMDB) e Fernando Gabeira (PV). A decisão foi tomada por unanimidade em reunião fechada da direção do partido. Após a derrota de Chico Alencar, sétimo colocado no primeiro turno, com 1,81% dos votos válidos, o partido discutia se liberava os seus eleitores ou se os orientava a votar nulo. Em nota, o partido afirmou que não apoiaria Paes por ser oposição ao governador Sérgio Cabral (PMDB), principal cabo eleitoral do peemedebista. Contra Gabeira pesou o apoio do PSDB, que o PSOL identifica com as políticas neoliberais do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do ex-governador Marcelo Alencar.

Reforma agrária na China motiva êxodo rural

Uma reforma na legislação chinesa sobre a terra deve levar pequenos agricultores a SE mudarem para as cidades. A nova lei permite que os camponeses vendam, aluguem ou façam hipoteca do direito de uso das terras controladas pelo Estado. A medida é o tema central da reunião do Comitê Central do Partido Comunista chinês, iniciada na quinta-feira e que termina neste domingo. "A medida acelerará o processo de urbanização, já que favorecerá a migração dos habitantes do campo para as cidades e promoverá a criação de grandes propriedades modernas nas zonas rurais", afirmou ao Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista, o pesquisador da Academia de Ciências Sociais da China, Dang Guoying. A reforma agrária tem como objetivo a modernização do campo para aumentar a produtividade. Com a mudança na regra, espera-se que os camponeses vendam o direito de uso de pequenas propriedades para grandes agricultores, que acumulariam terras para cultivo. Os terrenos familiares tem uma superfície média de 0,67 hectares; outros estudos indicam o tamanho de 0,4 hectares. A reforma agrária discutida pelo Comitê muda as regras estipuladas há 30 anos, quando o governo extinguiu as fazendas comunitárias e permitiu que pequenos camponeses usassem a terra por um período de 30 anos. O risco da reforma é que as populações migrantes não encontrem condições de vida favoráveis na cidade. Analistas apontam que o governo deve ampliar o acesso ao registro de residência, conhecido como "hukou". Sem ele, os novos moradores da cidade não teriam acesso a serviços básicos, como educação para os filhos. Atualmente, 56% da população chinesa (cerca de 750 milhões de pessoas) vivem no campo. Naturalmente, a reforma agrária que será instalada na China socialista será o oposto da que é pregada pelo MST e pela Igreja Católica no Brasil.

Marcos Valério preso, junto com mais 16 pessoas

A Polícia Federal prendeu na sexta-feira o publicitário Marcos Valério e outras 16 pessoas, entre despachantes aduaneiros, advogados, policiais civis e federais e empresários, acusados de extorsão, fraudes fiscais e corrupção. A Operação Avalanche cumpriu 17 mandados de prisão (oito preventivas e nove temporárias) e 33 mandados de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. Segundo a Polícia Federal, o grupo foi dividido em três núcleos distintos, mas interligados: o primeiro grupo, através de contatos em órgãos públicos (Polícia Civil e Federal, Receita Federal e Estadual), é suspeito de obter informações privilegiadas sobre determinados empresários que apresentavam problemas junto ao fisco e com base nesses dados, praticariam extorsão, exigindo valores em troca de possível solução. O segundo grupo atuaria em fraudes fiscais visando praticar importações ilegais por meio de empresas de fachada, contando com a ação de despachantes aduaneiros junto ao Porto de Santos. O terceiro grupo, de acordo com a Polícia Federal, teria sido identificado no momento em que uma empresa que havia sido autuada pela Receita Estadual em mais de R$ 100 milhões, teria se utilizado, como tática de defesa, da desmoralização dos fiscais responsáveis pela autuação através da instauração de inquérito policial com base em fatos inverídicos. Marcos Valério foi apontado pela Procuradoria-Geral da República como o operador do Mensalão, esquema de corrupção montado pela direção do PT, para assegurar apoio político de partidos e parlamentares ao governo Lula.

Petista Luiz Marinho obtém liminar para tirar da internet notícia publicada na Folha

O petista Luiz Marinho, ex-ministro e candidato a prefeito de São Bernardo do Campo (SP), obteve uma liminar na Justiça para que o jornal Folha de S. Paulo retire do seu acervo digital uma reportagem de 2005 que, segundo o candidato petista, está sendo divulgada por e-mail por adversários políticos para prejudicá-lo. Os advogados do Grupo Folha apresentaram defesa contra a concessão da liminar, argumentando que a decisão configura censura à imprensa. "Não se pode confundir notícia jornalística com propaganda eleitoral irregular promovida por terceiros", disse Maurício de Carvalho Araújo, advogado da empresa. A reportagem de 20 de outubro de 2005 relata que, em entrevista ao jornal alemão "Die Welt", o ex-gerente de Recursos Humanos da Volkswagen, Klaus Joachim Gebauer, disse que Luiz Marinho visitou uma boate na Alemanha às custas da fabricante de carros. Segundo Marcos Moreira, advogado do candidato, adversários de Luiz Marinho estão enviando e-mails para eleitores com um link para a reportagem armazenada no arquivo digital da Folha Online, o que estaria afetando a imagem do ex-ministro petista.

Lula grava mensagem de apoio ao ex-tucano Eduardo Paes do Rio de Janeiro

Três anos após ter sido chamado de "chefe da quadrilha" do mensalão, o presidente Lula gravou na sexta-feira mensagem de apoio ao autor da expressão, o ex-deputado federal e relator-adjunto da CPI dos Correios, Eduardo Paes, atual candidato do PMDB à prefeitura do Rio de Janeiro. Para gravar ao lado de Lula, Eduardo Paes alugou uma sala no hotel Hilton, em São Paulo, onde passou a tarde. O governador Sérgio Cabral (PMDB), idealizador da candidatura de Eduardo Paes e aliado de Lula, estava presente. A mensagem deve ir ao ar nesta segunda-feira. Quando ainda estava filiado ao PSDB e atuava na CPI dos Correios, Eduardo Paes criticava o comportamento de Lula. Em 7 de outubro de 2005, em Brasília, ele chamou Lula de "psicótico". "Só Sigmund Freud explica esse comportamento. É uma atitude típica de quem sabe da sua culpa. Pois exagera nas mentiras para se convencer que são verdades”.

TCU aponta calote do governo Lula sobre os Estados

As medidas provisórias editadas pelo governo Lula para compensar parte das perdas de receita que os Estados tiveram com a desoneração das exportações tiraram R$ 2,5 bilhões das áreas de saúde e educação, conforme conclusão do Tribunal de Contas da União. Essas medidas fazem parte de um acordo do Ministério da Fazenda com os governadores, pelo qual o governo Lula criou um canal "paralelo" de distribuição dos recursos devidos aos Estados como ressarcimento pelas perdas provocadas pela Lei Kandir. Entretanto, a partir de 2004, o governo Lula criou um fundo paralelo de fomento às exportações, o FEX, onde o dinheiro é livre de vinculação. O Tribunal de Contas da União vai enviar nos próximos dias um relatório para a Procuradoria-Geral da República, recomendando que seja ajuizada uma ação direta de inconstitucionalidade contra o sistema de transferência que está prejudicando a receita dos Estados.