domingo, 21 de dezembro de 2008

Supremo anula mais um interrogatório por videoconferência

O Supremo Tribunal Federal anunciou na sexta-feira que anulou outro interrogatório realizado por videoconferência. Em outubro deste ano, os ministros analisaram a constitucionalidade da Lei Estadual nº 11.819/05 que permitiu a utilização de videoconferência em São Paulo e decidiram que cabe somente à União legislar sobre o tema. O ministro Menezes Direito confirmou o pedido de extensão do habeas corpus, ao considerar que a situação é igual a do caso julgado anteriormente. O voto de Menezes Direito foi acompanhado pelos demais ministros. O Supremo julgou, no dia 30 de outubro, a inconstitucionalidade da lei do Estado de São Paulo que permite o julgamento por videoconferência. Com a decisão, o interrogatório de um réu condenado a sete anos de prisão por roubo foi cancelado.

Repsol vende rede de postos no Brasil à AleSat por US$ 55 milhões

A petrolífera espanhola Repsol anunciou na sexta-feira a venda de sua rede de distribuição de combustíveis à AleSat. O negócio foi fechado por US$ 55 milhões, e prevê a aquisição da rede dos 327 postos de bandeira Repsol, infra-estrutura comercial, logística, além dos negócios complementares das lojas de conveniência, vendas diretas e asfaltos. Na quarta-feira passada a companhia comunicou a venda da refinaria de Manguinhos, no Rio de Janeiro, ao grupo Grandiflorum. A refinaria já não operava há dois anos, e as instalações eram usadas para a distribuição de combustíveis. Em comunicado, a Repsol alega que o negócio faz parte de um plano de venda de ativos de distribuição não integrados em países como Chile, Equador e Brasil. Tal processo já possibilitou à empresa arrecadar US$ 310 milhões. A Repsol informa ainda que vai priorizar as atividades de exploração e produção no Brasil. Atualmente, a empresa tem 14 mil barris/dia de produção, em função da participação de 10% no campo de Albacora Leste, na bacia de Campos, que é controlado pela Petrobras. A petrolífera vai apostar na perspectiva que tem com a concessão de 24 blocos adquiridos nas rodadas da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), dos quais é operadora em 11 deles. A Repsol tem, inclusive, participação nos campos de Carioca e Guará, na camada pré-sal da bacia de Santos. É o segundo negócio da Ale este ano. Em setembro, havia comprado a rede Polipetro, com 130 postos na região Sul do País. A Ale é a quinta maior distribuidora do País, com 1.300 postos espalhados em 21 Estados.

Ministro Gilmar Mendes diz que falta de ação política do Congresso leva o Judiciário a legislar

Alvo de inúmeras acusações por parte de deputados e senadores de que o Supremo Tribunal Federal estaria legislando, o presidente da Suprema Corte, ministro Gilmar Mendes, rebateu as críticas na sexta-feira, afirmando que é a falta de ação política do Congresso que leva o Judiciário a legislar. Gilmar Mendes usou declaração do ex-presidente do Supremo e atual ministro da Defesa, Nelson Jobim, para avaliar a omissão do Legislativo. "O Supremo não saí buscando as demandas. Só vêm por provocação do conflito político. Jobim, inclusive, não se cansava de observar que a judicialização da política decorre das desinteligência dos próprios políticos", afirmou Gilmar Mendes. Judiciário e Congresso entraram em rota de colisão, ao longo deste ano, na análise de vários temas, como a questão da fidelidade partidária, uso de algemas, situação dos políticos ficha suja, entre outros casos. Um dos embates que mais chamou atenção ocorreu com o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP). O embate foi provocado porque Mendes cobrou um posicionamento do Congresso sobre a regularização de 57 municípios que foram criados quando o Congresso aprovou a EC (Emenda Constitucional) 15, de 1996, que passou a exigir regulamentação federal para criação de municípios.

Lula diz que Brasil deve ser "generoso" com vizinhos frágeis

O presidente Lula, que tem a pretensão de se tornar o grande líder da América do Sul, já que foi o fundador do Foro de São Paulo, junto com o ditador cubano Fidel Castro, disse na sexta-feira que o governo brasileiro só pode ser duro com os países que têm o porte econômico do Brasil. Com os demais, de economia "frágil", disse Lula, o Brasil tem de "ser generoso". Ou seja, Lula quer jogar com as riquezas do País, dos brasileiros, para perseguir seu sonho de liderança continental. Lula se referiu aos casos dos embates com o Equador e Paraguai. "Não se pode ser réu com as palavras. O Brasil tem de ser generoso com os mais frágeis, não pode ter estresse com os vizinhos, e forte com quem está no mesmo nível. Não pode politizar um debate", disse o presidente. Lula se referiu ao embate com o Equador e Paraguai a quem sutilmente chamou de economias "frágeis" e daí defendeu a generosidade. "Às vezes, querem que a gente seja duro. Não é assim que funciona", disse ele. Com o Equador, a polêmica em torno do financiamento da obra da usina hidrelétrica teve início quando o presidente equatoriano, o fascistóide Rafael Correa, questionou o fato de o empréstimo ter sido direcionado diretamente à construtora Odebrecht, mas que aparece como dívida interna do Equador com o Brasil. Correa expulsou os funcionários da Odebrecht do Equador, levantou suspeitas sobre falhas na usina de San Francisco e a legalidade da dívida com o BNDES, no valor de US$ 207 milhões. Já com o Paraguai, o presidente paraguaio, Fernando Lugo, disse que pretende multiplicar por quase nove a renda que obtém com a venda da parte que lhe cabe da energia gerada pela hidrelétrica de Itaipu, compartilhada com o Brasil.

Polaroid recorre à lei de falências para facilitar reestruturação

O grupo Polaroid, célebre por ter inventado as câmeras fotográficas instantâneas, anunciou na sexta-feira que recorreu à lei norte-americana de falências para facilitar sua reestruturação financeira, depois da verificação de uma fraude de fundos da firma proprietária. O capítulo 11 da lei de falências permite que uma firma em dificuldades financeiras inicie uma reestruturação sob supervisão de um juiz. É o equivalente norte-americano da concordata. A Polaroid explica que precisou declarar concordata por causa da repercussão dos problemas do fundo norte-americano Petters Group Worldwide, que a recomprou em 2005. Criada em 1937 graças à invenção de um jovem norte-americano de 20 anos, a Polaroid se transformou em uma das marcas mundiais mais conhecidas depois da Segunda Guerra Mundial. O grupo se endividou no final dos anos 1980 para resistir a uma oferta de compra hostil e investiu sem êxito em novos produtos.

Standard&Poors reduz classificação de 11 bancos internacionais

A agência de classificação Standard & Poor's baixou na sexta-feira entre um e dois patamares a nota de 11 bancos internacionais, em decorrência das enormes pressões sobre seus desempenhos no próximo ano, segundo um comunicado. Os bancos que tiveram as notas revistas para baixo são o Bank of America, Barclays, Citibank, Credit Suisse, Deutsche Bank, Goldman Sachs, JPMorgan Chase, Morgan Stanley, Royal Bank of Scotland, UBS e Wells Fargo. A S&P também reduziu de "estável" para "negativa" a perspectiva da nota "AA" da dívida a longo prazo do britânico HSBC. Estas decisões "refletem nosso ponto de vista sobre as significativas pressões sobre o desempenho futuro das grandes instituições financeiras por causa dos crescentes riscos para o setor bancário e da desaceleração da economia mundial", explica a agência. A Standard and Poor's destaca que os diferentes planos dos governos para ajudar o setor bancário mundial "talvez limitem em boa medida essas pressões".

Lula diz que ex-presidente tem de saber ficar "quietinho" e não disputar novos cargos

O presidente Lula “descartou” na sexta-feira hipóteses de concorrer a cargos eletivos depois que acabar seu mandato presidencial. Sem mencionar seus antecessores Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e José Sarney (PMDB-AP), Lula disse ex-presidente tem de saber "ficar quietinho" e não opinar nem disputar novos cargos. "Não trabalho com a hipótese absurda que alguns companheiros trabalham. Não vou voltar em 2014", afirmou Lula. Mas disse que vai "continuar a fazer política" e andar pelo Brasil. Ou seja: pretende voltar em 2014, e tem, mais, não vai ficar quietinho coisa alguma, vai dar opinião sobre tudo, o tempo inteiro. Vai atazanar a vida do seu sucessor, se for da oposição. Anotem, e cobrem.

Lula critica "pulverização" de candidaturas na Câmara e diz que reeleição de Garibaldi é ilegal

Lula critica "pulverização" de candidaturas na Câmara e diz que reeleição de Garibaldi é ilegal O presidente Lula alertou na sexta-feira que a pulverização na disputa pelo comando da Câmara pode levar à eleição da "falta de bom senso". Como exemplo, o presidente citou a vitória do ex-deputado federal Severino Cavalcanti (PP-PE), em 2005. Para Lula, a tentativa de reeleição do presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), é ilegal. "Eu pensei que o jogo já estava definido. Imaginei que seria o companheiro Tião Viana, do PT do Acre, no Senado, e o deputado Michel Temer, do PMDB de São Paulo, na Câmara, todos ganharíamos com isso", afirmou Lula. Ele acrescentou: “Não podemos incorrer no mesmo erro do passado, quando o resultado da falta de bom senso foi a eleição do deputado Severino”. Em 2005, Severino, que pertencia ao chamado "baixo clero", venceu as eleições na Câmara dos Deputados e pouco tempo depois renunciou ao mandato e ao cargo em meio a denúncias de corrupção.

Brasil tem déficit de US$ 25,8 bi em transações com exterior até novembro

O Banco Central contabilizou um déficit de US$ 25,8 bilhões em transações correntes até novembro, o que até o final do ano deve atingir US$ 29,6 bilhões. Trata-se do primeiro resultado negativo para este indicador desde 2002. Para 2009, no entanto, o Banco Central reduziu a previsão para o déficit de US$ 33,1 bilhões para US$ 25 bilhões. As transações correntes registram as trocas do País com o Exterior e servem como uma medida de nossa vulnerabilidade externa. O Banco Central inclui nessa conta as remessas ao estrangeiro, os gastos com turistas e as transações comerciais. Em 2008, as remessas de lucros e dividendos devem ficar em US$ 33,7 bilhões (já foram enviados US$ 30,7 bilhões até novembro). No próximo ano, o Banco Central estima que devem cair para US$ 20 bilhões.

Chrysler aceita condições do governo americano para ajuda financeira

A montadora norte-americana Chrysler anunciou na sexta-feira que aceitou as severas condições impostas pelo governo de George W. Bush para a concessão de uma ajuda financeira de urgência e que assinou uma carta na qual se compromete a cumpri-las. "A Chrysler está determinada a cumprir com as condições impostas", destacou seu presidente, Robert Nardelli, em um comunicado. Após agradecer ao governo e ao Tesouro por sua confiança na companhia, Nardelli afirmou que seu grupo permanecerá concentrado nos desafios que vem enfrentando. "Esta injeção inicial de fundos de operações deve ajudar a Chrysler a superar a crise de liquidez que a indústria está enfrentando e voltar a ter rentabilidade", comentou. O governo americano vai usar recursos do chamado Tarp (Programa para Alívio de Ativos Problemáticos), o pacote de US$ 700 bilhões aprovado em outubro e destinado inicialmente a resgatar empresas do setor bancário com problemas ligados a papéis "podres" (com alto risco de calote) para ajudar as montadoras. De início a General Motors e a Chrysler terão acesso a US$ 13,4 bilhões, com outros US$ 4 bilhões que podem ser oferecidos em março. O acordo exige como contrapartida das empresas a apresentação de dados que mostrem que estão em condição financeiramente viável até o fim de março de 2009.

Lula admite fazer "teste político" com ministra Dilma Rousseff

O presidente Lula admitiu na sexta-feira que faz uma espécie de teste político com a ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, como sua eventual sucessora, porque está convencido que ela é capaz tecnicamente. Lula afirmou que Dilma terá "todo o tempo do mundo" para mostrar sua capacidade, mas sugeriu que ela se mostre mais e utilize a imprensa para isso. Também negou que tenha tratado do assunto com a ministra: "Estou vendo como ela se comporta, estou insinuando e como os partidos reagem”.

Senado ingressa no Supremo com ação contra Câmara para garantir empregos 7.343 vereadores

O advogado-geral do Senado Federal, Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho, ingressou na sexta-feira com um mandado de segurança pedindo que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, conceda uma liminar obrigando que a Câmara dos Deputados assine a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que criou 7.343 novas vagas de vereadores em todo o País, permitindo que a PEC seja promulgada pelo Congresso Nacional. O recurso pede ainda que o presidente da Câmara dos Deputados, o deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP), seja intimado a explicar os motivos que levaram a Mesa Diretora a barrar a validade da emenda constitucional. O documento sustenta que esta decisão fere a Constituição porque a Câmara não tem o direito de vetar a promulgação de uma PEC, ainda mais tendo sido aprovada de acordo com os ritos tradicionais, em dois turnos, pelas duas Casas legislativas. "Se nem ao presidente da República, que tem poder de veto sobre a produção legislativa, é dado vetar Proposta de Emenda Constitucional, não seria a Mesa de uma das Casas que teria essa prerrogativa constitucional", diz o mandado. O advogado-geral do Senado argumenta que existe entendimento jurídico de que é legal o fato de se promulgar uma parte da PEC e remanejar parte do texto para uma PEC paralela, tal medida ocorreu na análise das reformas do Judiciário e da Previdência, que foram promulgadas parcialmente. O mandado questiona ainda o argumento da Mesa Diretora de que teria ocorrido uma alteração substancial no texto porque os senadores aprovaram apenas a criação das novas vagas e retiraram do texto o artigo que tratava da limitação de gastos das Câmaras Municipais. A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados barrou na quinta-feira o aumento no número de vereadores aprovado na madrugada da mesma quinta-feira pelo Senado Federal. A PEC aprovada criava 7.343 vagas de vereadores nas Câmaras Municipais. Na reunião da Mesa, a cúpula da Câmara resolveu por unanimidade, não assinar a proposta.

Chinaglia nega retaliação e diz que vai cobrar do Senado sobre MP da Filantropia

O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse na sexta-feira que vai cobrar um esclarecimento do Senado sobre a situação da Medida Provisória 446, que trata da certificação de entidades filantrópicas. Chinaglia quer ter acesso ao parecer jurídico da Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal que analisou a legalidade do ato do presidente da Casa, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), de devolver a medida. No entendimento do petista, como foi um ato político, a Medida Provisória ainda está valendo e pode prejudicar os trabalhos da Câmara em 2009, uma vez que ainda está em vigência e passa a trancar os trabalhos na Câmara. De acordo com a Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, Garibaldi não poderia ter devolvido a Medida Provisória.

STF concede prisão domiciliar a torturador uruguaio da Operação Condor

O Supremo Tribunal Federal autorizou na sexta-feira a concessão de prisão domiciliar para o coronel uruguaio torturador Manuel Cordero Piacentini, acusado de participação na Operação Condor, esquema de repressão política entre ditaduras da América do Sul contra opositores. O benefício está condicionado à uma cirurgia cardiovascular a que Piacentini deverá ser submetido. Ele entrou com o pedido de prisão domiciliar por sofrer de "grave doença cardiovascular". O torturador Manuel Cordero Piacentini está preso desde fevereiro de 2007. Ao conceder o benefício, o ministro Marco Aurélio Mello levou em consideração a idade do militar torturador, de 70 anos. Em seu voto, o ministro determinou que o militar deverá entregar o passaporte na Polícia Federal e permanecer no Brasil. Os demais ministros da Corte acompanharam o voto de Mello. Porém, a ministra Cármen Lúcia, ressaltou que o militar deverá "ser acompanhado do controle policial necessário para que não haja nenhum tipo de desvirtuamento" da prisão. O Supremo julga desde o ano passado dois pedidos de extradição feitos pela Argentina e pelo Uruguai contra o torturador Manuel Cordero Piacentini. Este infame militar uruguaio atuou na repressão em Buenos Aires, no famigerado centro de tortura e assassinatos chamado Automotores Orletti. Nesse local ele torturou a uruguaia Sara Rita Mendez, e roubou seu filho (um nenê de poucos dias), só reencontrado mais de 25 anos depois. Também torturou e depois conduziu para Montevidéu a argentina Maria Claudia Garcia Irureta de Gelman, nora do famoso poeta Juan Gelman. Assim que deu à luz na prisão, em Montevidéu, Maria Claudia foi assassinada. O mundo está de olho na decisão que será tomada pelo Supremo Tribunal Federal.

Faturamento com venda de TV LCD deve cair em 2009

O faturamento obtido com as vendas globais de televisores com telas de LCD deve cair, em 2009, pela primeira vez desde que o produto foi lançado. O motivo é a crise econômica mundial. Em relatório, a empresa de pesquisa DisplaySearch prevê que a receita com a venda de televisores LCD caia 16% em 2009, na comparação com 2008, baixando faturamento para US$ 64 bilhões. As vendas totais de televisores devem cair 18%, chegando a US$ 88 bilhões. O mercado de TVs LCD deve comercializar 102,2 milhões de unidades em 2008, o que representa um crescimento de 29% em relação ao ano passado. Mas, esse volume representa uma queda de 3,6 milhões de unidades em relação à estimativa anterior.

Opep diz que continuará cortando produção de petróleo até que preços se estabilizem

A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) está decidida a cortar sua produção de petróleo até conseguir que os preços se estabeleçam, afirmou na sexta-feira o presidente do cartel, Chakib Jelil, também ministro argelino de Minas e Energia. Jelil fez as declarações em Londres, em uma conferência entre países produtores e consumidores de petróleo, dois dias depois de uma reunião da Opep em Oran, Argélia, na qual o cartel decidiu reduzir sua produção em 2,2 milhões de barris por dia para fazer frente à queda de preços. Apesar de suas declarações, o preço do óleo bruto desabou na sexta-feira, em Nova York, abaixo dos 34 dólares o barril, pela primeira vez em mais de quatro anos e meio.

Supremo nega habeas corpus a advogado réu do mensalão

O plenário do Supremo Tribunal Federal negou, por unanimidade, habeas corpus ao advogado Rogério Lanza Tolentino, um dos réus do processo do Mensalão, esquema corruptor montado pelo PT para comprar votos e apoio político de parlamentares e partidos para o governo Lula, em 2005. Tolentino recorreu à Suprema Corte para tentar reverter decisão do ministro Joaquim Barbosa que manteve a decisão da Justiça Federal de Belo Horizonte sobre o Mensalão mineiro, esquema de desvio de empréstimos para financiar a campanha ao governo do Estado de Minas Gerais do atual senador Eduardo Azeredo (PSDB). Tolentino é amigo e sócio do publicitário Marcos Valério, operador do mensalão.

Morre Mark Felt, o informante secreto chamado "Garganta Profunda" do caso Watergate

Mark Felt, de 95 anos, ex-subdiretor do FBI, morreu na última quinta-feira. Ele entrou para a história dos Estados Unidos com o pseudônimo de "Garganta Profunda", tendo sido um dos principais responsáveis pela queda do ex-presidente Richard Nixon no escândalo de "Watergate". Sua morte, em um centro de saúde nas proximidades de sua casa, em Santa Rosa, na Califórnia, foi confirmada por sua filha, Joan Felt, e por seu neto, Nick Jones Foi o jornal The Washington Post que publicou, em 1972 e 1973, as informações que o “Garganta Profunda” (informante secreto) passava ao então repórter novato Bob Woodward, que, ao lado de seu colega Carl Bernstein, investigava o escândalo de escutas em escritórios em Washington do Partido Democrata durante a campanha eleitoral de 1972. Com as informações de Mark Felt, as matérias sobre o caso no Washington Post forçaram a renúncia de Richard Nixon, em 1974, em um fato sem precedentes no país. A importância do "Garganta Profunda" no escândalo de Watergate foi conhecida quando Woodward e Bernstein lançaram, em 1974, o livro “Todos os Homens do Presidente”, transformado em filme em 1976. A identidade de Mark Felt era conhecida apenas por Woodward, que tinha prometido não revelar o segredo até sua morte. No entanto, o próprio Felt, a pedido de sua filha Joan, se identificou como "Garganta Profunda" em 2005, em um longo artigo publicado pela revista Vanity Fair. O jornalista Bob Woodward, do The Washington Post, contou em junho de 2005 no jornal como era sua relação com Mark Felt, o “Garganta Profunda”, no caso Watergate. Diz ele: “Felt disse que precisávamos de um sistema de comunicação — uma mudança no ambiente que ninguém percebesse ou visse nela algum sentido. Se eu costumava deixar as cortinas do meu apartamento fechadas, abri-las seria a senha para o nosso encontro. ‘Eu posso checá-las diariamente. Quando elas estiverem abertas, podemos nos encontrar na mesma noite em um local determinado’, declarou Felt.Como eu costumava mantê-las abertas normalmente, pensamos em outro sinal. Ele nunca me explicou como monitorava diariamente meu apartamento. Lembrei que tinha uma pequena bandeira vermelha fincada em um vaso na sacada de casa. Era um presente de uma namorada. Felt sugeriu, e eu concordei, que, quando quisesse encontrá-lo, deveria mover o vaso com a bandeira da parte da frente da sacada, onde costumava ficar, para a de trás. Também me alertou que não abusasse do sinal, apenas o usasse quando fosse realmente necessário. O gesto significaria que nos encontraríamos na madrugada seguinte, às 2 horas, em uma garagem subterrânea na Key Bridge, em Rosslyn”. Conforme Bob Woodward, “Felt também estabeleceu algumas regras para o meu deslocamento até o local do encontro”: “Não use o seu carro. Pegue um táxi até perto de um hotel onde haja ponto de táxi depois da meia-noite. Desça, caminhe um pouco, então pegue outro táxi até Rosslyn. Não desça muito próximo à garagem. Caminhe as últimas quadras. Se estiver sendo seguido, não apareça. Eu entenderei”. E tina mais: "Se Felt tivesse algo para mim, combinamos que ele desenharia um relógio com o horário do encontro na página 20 do exemplar do The New York Times que eu recebia diariamente em casa, como assinante. Como ele fazia isso, nunca descobri”. Com informações de Mark Felt, os repórteres publicaram que a Casa Branca mantinha um sistema de escutas para espionar integrantes do Partido Democrata, que fazia oposição a Nixon. O caso ficou conhecido como Watergate, que era o nome de um complexo imobiliário em Washington onde o Partido Democrata mantinha o seu comitê de campanha presidencial.

Preço do barril de petróleo recua para US$ 33,00 e retoma preços de 2004

O preço do petróleo segue em queda livre e já chegou aos US$ 33,00 na sexta-feira, nível do início de 2004. Os investidores ignoraram a iniciativa da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) de reduzir em 2,2 milhões de barris por dia a oferta atual, de 27,3 milhões de barris diários, a partir do dia 1º de janeiro e mantém as atenções voltadas para a recessão global prevista para 2009. Os contratos do barril para entrega em fevereiro, que são a próxima referência do mercado, estavam cotados na sexta-feira a US$ 41,22, em baixa de 1,08%. Em julho deste ano, o barril chegou a US$ 147,27, valor recorde, devido à expectativa oposta, a de que um crescimento exagerado do consumo tanto na China como nos Estados Unidos. Mesmo a desvalorização do dólar frente a outras moedas, como o euro, não bastou para reduzir a queda dos preços da commodity. No começo do ano, o enfraquecimento da moeda norte-americana foi usado pelo mercado como justificativa para a alta dos preços, uma vez que a commodity é cotada em dólar. A medida da Opep para impedir o recuo do preço do petróleo foi ignorada pelos investidores. Para os analistas, a medida não surte o efeito desejado porque a demanda tende a se reduzir bem mais do que o corte.

Banco Central prevê queda de 25% no investimento estrangeiro em 2009

Os investimentos estrangeiros no setor produtivo do Brasil devem cair 25% em 2009 em relação ao resultado esperado para este ano, segundo previsões divulgadas na sexta-feira pelo Banco Central. A previsão para 2008 é de uma entrada de US$ 40 bilhões. Até novembro, já entraram no País o equivalente a US$ 36,9 bilhões. O resultado surpreendeu o Banco Central, que previa antes um resultado positivo de US$ 35 bilhões. Para o próximo ano, a previsão caiu de US$ 33 bilhões para US$ 30 bilhões. Se confirmado, o resultado ficará 25% abaixo do projetado para este ano. Os investimentos estrangeiros em ações e títulos públicos devem terminar esse ano em US$ 5,5 bilhões (o Banco Central chegou a prever US$ 22 bilhões antes da crise). Até novembro, o País registra uma entrada de US$ 6,8 bilhões. Para 2009, o Banco Central mudou a previsão de uma entrada de US$ 15 bilhões para uma saída de US$ 3 bilhões. Isso significa que os estrangeiros vão tirar mais dinheiro desses investimentos em dezembro e no próximo ano. Apesar da saída de dinheiro dos investidores estrangeiros, o BC prevê que a crise vá melhorar as contas externas do Brasil, devido principalmente à redução das remessas de lucros das multinacionais para fora do País. Em 2008, as remessas de lucros e dividendos devem ficar em US$ 33,7 bilhões (já foram enviados US$ 30,7 bilhões até novembro). No próximo ano, devem cair para US$ 20 bilhões. Antes da crise o BC previa uma remessa de US$ 30 bilhões em 2009. Outro fator que afeta as contas externas são as exportações brasileiras, que devem cair de US$ 200 bilhões neste ano para US$ 193 bilhões em 2009, segundo o Banco Central. Já as importações devem subir de US$ 176,5 bilhões para US$ 179 bilhões. Com isso, o superávit na balança comercial (diferença entre exportações e importações), deve cair de US$ 23,5 bilhões para US$ 14 bilhões. Esses dois resultados são os principais componentes das transações correntes, que registram as transações do país com o exterior e servem como uma medida da vulnerabilidade externa do país. Nesse ano, o país deve registrar um resultado negativo de US$ 29,6 bilhões, o primeiro déficit desde 2002. Até novembro, o resultado já está negativo em US$ 25,8 bilhões.