quinta-feira, 30 de abril de 2009

Blog dos Apoiadores de Delúbio Soares escancara sua campanha de volta ao PT


A campanha de reintegração do ex-tesoureiro Delúbio Soares ao PT produziu mal-estar no partido ao expor, na internet, o nome de apoiadores da causa. No ar, um blog em favor da volta de Delúbio Soares (você pode vê-lo no endereço http://companheirodelubio.blogspot.com) exibe uma galeria de fotos que inclui do senador Eduardo Suplicy (SP) ao ex-ministro e prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho. Consultados por Delúbio Soares, eles até se comprometido a apoiar a reintegração do ex-tesoureiro, expulso do PT em 2005 em meio ao escândalo do Mensalão. Mas reclamam de sua exposição. Até terça-feira, as fotos eram acompanhadas pela inscrição "galeria de apoiadores". Na quarta-feira, depois de o ex-tesoureiro ter sido procurado pela imprensa, o título mudou para "companheiros petistas". "Não sei de campanha. Não estou participando disso. Nem participo mais do diretório", reagiu a senadora Ideli Salvatti (SC). Marinho informou não ter autorizado o uso de sua imagem, nem mesmo assinado qualquer documento em favor de Delúbio Soares. O governador do Piauí, Welington Dias,o prefeito de Vitória (ES), João Coser, e o ex-governador do Acre, Jorge Vianna, não responderam se permitiram o uso de seus nomes. O líder do PT na Câmara dos Deputados, o deputado federal Cândido Vaccarezza (SP), reiterou a disposição de votar em favor de Delúbio Soares no Diretório. Segundo ele, "seus argumentos são convincentes". Vaccarezza condena, no entanto, o lançamento de campanha. "Sou contra campanha. Disse a Delúbio que só atrapalha", afirmou ele. Já o senador Eduardo Suplicy não só admite ter assinado um manifesto pela reintegração como concordado com o uso de sua imagem. Ao receber Delúbio Soares, Suplicy sugeriu, porém, que o partido registre doações e gastos na internet: "Disse a Delúbio que ninguém deve ser condenado para sempre”. Esse é moralista Eduardo Suplicy. Delúbio Soares ainda nem foi julgado no Supremo Tribunal Federal, onde é réu na Ação Penal 470, que reúne os acusados de envolvimento no esquema corruptor do PT. O deputado federal Vicente Paulo da Silva (PT-SP) defende Delúbio Soares: "Ele não matou ninguém". Esta é a ética de sindicalistas petistas. Outro "apoiador" de Delúbio Soares, o presidente do PT de São Paulo, José Américo, argumenta: "Podemos discutir a oportunidade da campanha. Mas Delúbio tem o direito de se defender". Veja também o site de Delúbio Soares no Orkut, no seguinte endereço: http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=39671567

Com queda da Selic, poupança passa a render mais que fundos com taxa superior a 1,5%

A redução da taxa básica de juros (Selic), de 11,25% para 10,25% ao ano , deve tornar a caderneta de poupança ainda mais atraente para os investidores com poucos recursos. A aplicação passará a ser ainda mais vantajosa em relação aos fundos de renda fixa, que compram títulos públicos atrelados à Selic. Em contrapartida, deve ficar mais difícil a vida do pequeno investidor que aplica nestes fundos. Para esse público, as taxas de administração passam de 4% ao ano e corroem boa parte da rentabilidade. Segundo cálculos do matemático José Dutra Sobrinho, o rendimento da poupança deve ficar em torno de 0,58% ao mês. A rentabilidade é superior à média de ganho estimada para os fundos com taxa de administração de 1,5% ao ano ou superior. Ou seja, para ganhar da poupança, agora será preciso investir em fundos com taxa de administração igual a 1% ao ano, ou menor. O problema é que estes fundos só estão disponíveis para investidores com muitos recursos. A aplicação mínima média dos fundos que cobram de 0% a 0,50% ao ano de taxa é de R$ 800 mil, considerando um universo de 99 fundos. Já nos fundos que taxam entre 0,51% e 1% ao ano, a aplicação mínima média é de R$ 85 mil, totalizando 53 fundos, de acordo com a base de dados da Associação Nacional de Bancos de Investimento (Anbid).

Empresa de laranja operou com outro banco

Para atuar no bilionário mercado de empréstimo em folha de pagamento do Senado Federal, o banco Santander também usou os serviços da Contact Assessoria de Crédito Ltda, empresa que tem sócios laranjas indicados pelo ex-diretor de Recursos Humanos, João Carlos Zoghbi. Até então, sabia-se apenas que o banco Cruzeiro do Sul havia credenciado a Contact como sua correspondente no Senado Federal. A Contact atuava como correspondente bancária de oito instituições financeiras. A empresa, cuja sócia majoritária é a ex-babá e ama de leite de Zoghbi, uma “mãe negra” (como ele a chama, de 83 anos, que mora em sua casa), recebeu R$ 2,3 milhões do Cruzeiro do Sul por serviços prestados ao Senado. O ex-diretor de Recursos Humanos colocou a Contact em nome da empregada doméstica Maria Izabel Gomes, de 83 anos, a sua “mãe negra”. Seu objetivo foi ocultar os filhos como verdadeiros donos da empresa, que, teoricamente, atuava como corretora na Casa. Zoghbi admitiu para a revista Época que colocou a empresa no nome de laranjas porque havia conflito de interesses e que essa história o comprometia. O Santander confirmou que utilizou os serviços da Contact até março de 2007. "As informações de contratos do banco com terceiros são confidenciais, razão pela qual o banco não se pronunciará sobre o assunto", disse o Santander. Sigilo bancário, como se vê, serve para encobrir grossa corrupção. No Senado Federal, 36 instituições financeiras mantêm convênio com a Casa para operar no mercado de empréstimo consignado, em um negócio que movimentou R$ 1,2 bilhão nos últimos três anos. No site da Secretaria de Recursos Humanos do Senado Federal é possível fazer simulações de empréstimos para saber qual instituição oferece as melhores taxas. Diretor até março deste ano, Zoghbi tinha informações privilegiadas sobre servidores. Além disso, ele era o principal gestor de todos os convênios com os bancos.