quinta-feira, 14 de maio de 2009

Receita Videversus – aprenda a fazer anéis de cebola com a chef de cuisine Simone Nejar


A cebola é uma maravilha na cozinha; custa pouco, está disponível em qualquer época do ano e só faz o cliente chorar se ele tentar tirar uma casquinha. Mas se ele for bem esperto, coloca a cebola na geladeira, e quando for tirar uma casquinha, não haverá lágrimas. Nada como a experiência! Brincadeiras à parte, as propriedades da cebola eram amplamente difundidas no Egito. Documentos antigos descrevem sua importância como alimento e seu uso em arte, medicina e na mumificação. A cebola foi encontrada em vários sarcófagos, sendo associada às superstições e mitologias egípcias. Hoje estou me sentindo a Senhora dos Anéis. Estou rica... cheia de anéis de cebola à minha volta. Deliciosos, sequinhos, temperados e prontos para consumir com uma cerveja bem gelada ou, no meu caso, com um copo de água tônica com gelo e limão. Embora os anéis de cebola tenham origem desconhecida, em 1933 a Crisco, empresa norte-americana produtora de farinhas, publicou um anúncio com uma receita de anéis de cebola mergulhados em leite, passados na farinha e fritos com se fossem batatinhas. Se inicialmente tornaram-se populares nos "fast foods" dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Austrália, hoje o são no mundo todo. Podemos comer estes anéis com qualquer molho, pode ser ketchup, mostarda, shoyu ou shoyu com Wasabi (como no Japão). Eu, sinceramente, prefiro gotas de limão. Simples e bom. Vamos precisar de 2 cebolas grandes em fatias, 2 xícaras de farinha de trigo, 2 colherinhas de chá de sal, 2 colheres de sopa de tempero verde seco, 1 colher de sopa de açúcar, 1 colherinha de chá de pimenta (prefiro a chilli, moída), 1/2 xícara de amido de milho, 1 xícara de água e 2 gemas, além de óleo para fritar. Fatiamos as cebolas em anéis. Numa tigela média, juntamos meia xícara de farinha com o sal, pimenta, açúcar e tempero verde. Polvilhamos os anéis de cebola com a farinha temperada. Em outra tigela média, juntamos o resto da farinha, o amido de milho, a água e as gemas dos ovos, fazendo uma massa homogênea. Esquentamos o óleo Passamos as fatias de cebola na mistura e fritamos até dourar. O amido de milho vai garantir que a fritura fique sequinha. Outra sugestão é substituir os anéis de cebola por anéis de lula. O preparo é absolutamente igual. Para esclarecer dúvidas, me contar histórias ou me contratar, o e-mail é simonenejar@hotmail.com

Governadora Yeda Crusius vai processar a revista Veja

Após escolher José Eduardo Alckmin, ex-ministro de Tribunal Superior Eleitoral, como advogado, a governadora Yeda Crusius anunciou nesta quarta-feira, em Brasília, que deve processar a revista Veja. Alckmin tem entre seus clientes o governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira, e nove deputados gaúchos processados por manter albergues no Rio Grande do Sul. Yeda Crusius disse que chegou a hora de "defender o Estado". A revista Veja apresentou denúncias de suposto caixa 2 na campanha eleitoral da governadora e fez críticas à administração gaúcha em seu editorial. “A editoria da Veja vai ter que responder pelo que escreveu na Carta do Editor. Chega de atacar o Rio Grande do Sul! Chega de atacar a governadora do Rio Grande do Sul”, disse Yeda Crusius. A governadora deixou claro que a partir de agora somente o advogado, que será pago pelo PSDB e por recursos pessoais de Yeda Crusius, falará sobre as denúncias contra o governo. Caberá a Alckmin também estudar possíveis ações contra a companheira do falecido Marcelo Cavalcante, Magda Koenigkan, e políticos do PSOL, fontes das acusações. Alckmin é advogado do PSDB e ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral.

PMDB gaúcho decide não assinar requerimento de CPI eleitoreira petista

Em reunião da bancada na Assembléia Legislativa, o PMDB do Rio Grande do Sul decidiu que nenhum dos nove deputados estaduais assinará o requerimento petista eleitoreiro de criação de CPI, “pelo menos por enquanto”. Conforme o líder da bancada, deputado estadual Gilberto Capoani, o requerimento para formação de CPI elaborado pelo PT "não agrega fato novo" e não tem "fato determinado". O PMDB avaliou que as entrevistas de Magda Koenigkan, companheira do falecido Marcelo Cavalcante, apenas reiteram o que o PSOL já havia denunciado, portanto, sem novidade. Os deputados decidiram, também, que enviarão um pedido ao Ministério Público Federal para que o órgão se manifeste sobre a existência ou não de gravações com supostas irregularidades cometidas durante o governo Yeda Crusius. O PMDB já tem três parlamentares que estão sendo investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal: o deputado federal Eliseu Padilha e os deputados estaduais Alceu Moreira e Marco Alba. Capoani usa um argumento bem petista, usado à exaustão pelo governo Lula e por seu parlamentares, inclusive deputados federais petistas gaúchos: “Se já tem investigação, então a Assembléia não precisa investigar”.

Advogado esclarece a mídia gaúcha sobre a situação

O experiente e famoso advogado gaúcho Marco Aurélio Costa Moreira de Oliveira, ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul, e também desembargador aposentado do Tribunal de Justiça gaúcho, deu uma entrevista na tarde desta quarta-feira em que deixou de boca fechada uma enorme quantidade jornalistas sem qualquer informação jurídica, e que espalhavam versões as mais desbaratadas sobre os possíveis desdobramentos a partir da matéria publicada pela revista Veja. Marco Aurélio Costa Moreira de Oliveira foi muito claro: o Ministério Público de primeiro grau, nem estadual, nem federal, não pode investigar a governadora Yeda Crusius, que tem foro privilegiado. “No momento em que o Ministério Público Federal, de primeiro grau, estiver investigando, ele obrigatoriamente deverá remeter todos os elementos ao Superior Tribunal de Justiça”, afirmou Marco Aurélio Costa Moreira de Oliveira. Conforme o advogado, compete ao STJ autorizar o Ministério Público de segundo grau ou a Polícia Federal a investigar Yeda Crusius. Ele foi ainda mais longe: “O critério para abertura da CPI é político. Se abre CPI para qualquer coisa. Eu não sei qual é a acusação que vão usar como elemento para justificar a existência de uma CPI. Agora, em relação a um processo criminal, a um processo de investigação, eu não vejo o que fazer. Se houve sobras de campanha, se houve caixa 2, isso já está superado pela prestação de contas, que foi entendida como suficiente e o processo foi arquivado. Não há mais, em razão do decurso do prazo, como abrir uma ação de cassação de mandato. Isso já está totalmente superado porque o fato foi anterior à eleição, ou foi antes da governadora assumir o cargo, e o tempo de 15 dias depois da diplomação já passou e ninguém entrou com nenhuma ação”. Em relação às denúncias sobre a época eleitoral, ele deixou bem claro que só poderia ser aberto um processo se houvesse uma demonstração de crime eleitoral, que pode ser aberto a qualquer tempo. Marco Aurélio Costa Moreira de Oliveira também afirmou que receber verbas de empresas sem declaração e em dinheiro vivo não é crime, é somente uma irregularidade de prestação de contas. Portanto, isso não seria motivo para a abertura de um inquérito para apurar crime. E ainda descartou igualmente qualquer possibilidade de imputação de improbidade à governadora Yeda Crusius: “Não há nenhuma acusação de improbidade da governadora porque a improbidade é a malversação de dinheiro do erário ou o desvio de verbas do erário no exercício de mandato eletivo, ou seja, após a data que a governador assumiu. Alguém está imputando que a governadora desviou dinheiro depois de assumir o governo? Não”.

Delegado de Tarso Genro pede abertura de investigação contra Yeda Crusius

O superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, o delegado federal Ildo Gasparetto, subordinado do peremptório ministro da Justiça, Tarso Genro, candidato ao governo do Estado, resolveu anunciar à imprensa, nesta quarta-feira, que enviou informações à Procuradoria Regional Eleitoral no Rio Grande do Sul com um pedido para solicitação de autorização ao Superior Tribunal de Justiça para abertura de inquérito contra a governadora Yeda Crusius. A Polícia Federal não tem autoridade para investigar a governadora, detentora de foro privilegiado, sem expressa autorização do Superior Tribunal de Justiça, a partir de proposição apresentada pelo Procurador Geral da República. Gasparetto, o subordinado do peremptório candidato Tarso Genro, disse que a Polícia Federal juntou indícios que aumentam as suspeitas contra a governadora, o que indicaria a necessidade de o órgão investigá-la. "Nós já tínhamos umas investigações preliminares desde a CPI do Detran no ano passado", afirmou ele. Nunca se viu um delegado federal, superintendente regional, tão loquaz e tão seguro de suas “suspeitas” como o subordinado do peremptório candidato Tarso Genro. "Isso tudo foi juntado com o que nós dispúnhamos e foi encaminhado ao Ministério Público", afirmou ele. Tampouco o Ministério Público Federal (Procuradoria Geral da República) pode investigar a governadora sem uma expressa autorização do Superior Tribunal de Justiça. O que o solícito delegado federal Ildo Gasparetto, subordinado do peremptório candidato Tarso Genro, informa é que a Polícia Federal só poderia instaurar inquérito em matérias eleitorais se conseguisse um flagrante de delito. Não, nem assim, só com autorização judicial é que ele poderia instaurar o inquérito, porque o flagrante não é constituído pela autoridade policial, mas pela judicial.

Deputados petistas gaúchos não conseguem novas assinaturas para abertura de CPI

Na sessão plenária desta quarta-feira na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, os deputados estaduais petistas voltaram a se esganiçar em denúncias contra o governo de Yeda Crusius (PSDB), vociferando na tentativa de conseguir mais assinaturas para a abertura da CPI eleitoreira que estão querendo constituir. Mas, a coleta de assinaturas liderada pelo PT esbarrou na resistência dos deputados de todos os partidos, que se mantêm reticentes e não querem assinar o requerimento suspeito elaborado pelo PT. São necessárias 19 assinaturas e o PT tem só 9 assinaturas até agora.

Deputado federal gaúcho Sérgio Moraes é afastado da relatoria do caso do castelo

O presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, o deputado federal José Carlos Araújo (PR-BA), oficializou nesta quarta-feira o afastamento do deputado federal Sérgio Moraes (PTB-RS) do cargo de relator do caso do deputado federal Edmar Moreira (sem partido-MG), suspeito de uso irregular de verba indenizatória para pagar serviços prestados por uma empresa de segurança de sua propriedade, um castelo de R$ 25 milhões no interior de Minas Gerais. O novo relator é o deputado federal Nazareno Fonteles (PT-PI). A subcomissão era formada pelo relator, deputado federal Sérgio Moraes e pelos deputados federais Hugo Leal (PSC-RJ) e Ruy Pauletti (PSDB-RS). Na semana passada, Sérgio Moraes afirmou que Moreira era “boi de piranha” e disse estar “se lixando para a opinião pública”. O deputado gaúcho anunciou que recorrerá ao Supremo Tribunal Federal para recuperar a função. A desconstituição da subcomissão foi feita após o deputado federal Pedro Fernandes (PTB-MA) ter dito que ficou chocado ao ler nos jornais que o presidente do conselho pretendia retirar Sérgio Moraes da relatoria. Ao apresentar nesta quarta-feira os seus argumentos para permanecer à frente da relatoria do processo do caso do castelo, o deputado gaúcho pediu desculpas aos colegas pelo "exagero" da declaração de que estava se "lixando para a opinião pública": “A frase não foi boa, foi acalorada, infeliz”, disse Sérgio Moraes. Mas, acrescentou: “Não retiro ela, a palavra, e volto a falar se for necessário. Estou me lixando para aquilo que estão escrevendo ou vão escrever”.

Deputados transformaram reunião do Conselho de Ética em ato contra a imprensa

A reunião do Conselho de Ética da Câmara para discutir a relatoria do processo contra o deputado federal Edmar Moreira (sem partido-MG) virou um ato contra a imprensa. A maior parte das críticas ao trabalho dos jornalistas partiu de deputados que não integram o órgão disciplinar e são correligionários do deputado federal Sérgio Moraes. O deputado federal Ernandes Amorim (PTB-RO) saiu em defesa do colega questionando o trabalho da imprensa. "Eu fui senador, e quando cheguei ao Senado a primeira que a imprensa fez foi levantar calúnias contra mim. Muita gente no Congresso Nacional morreu por injustiças cometidas pela imprensa. A estrutura humana não aguenta ser desafiado", disse ele. O discurso foi seguido pelo deputado federal Marcelo Ortiz (PV-SP), que apelou para o corporativismo: "Ele não pode ser julgado pela imprensa. Amanhã podemos ser nós". Que maravilha..... O líder do PTB na Câmara, deputado federal Jovair Arantes (GO), questionou o presidente do órgão disciplinar, deputado federal José Carlos Araújo (PR-BA), por ter dito à imprensa sobre a substituição da relatoria. Jovair disse que o colega foi mal entendido: "Acho pouco convencional que seja discutido pela imprensa. Me preocupa a maneira como foi tratado o assunto. Os deputados do Rio Grande do Sul têm eloquência diferente dos outros, mas têm uma conduta exemplar. Ele precisa ser respeitado como pessoa que tem opinião e aqui é uma Casa de opiniões divergentes, justa ou injusta, e podemos receber todas e levar a voto". Por falar nisso, você já passou na Polícia Federal para pedir seu passaporte?

Petista Nazareno Fonteles é o novo relator do processo do dono do castelo

O deputado federal Nazareno Fonteles (PT-PI) é o novo relator do processo contra o deputado federal Edmar Moreira (sem partido-MG), o deputado do castelo. Ele afirmou, ao final do encontro do Conselho de Ética, que vai agir com o "silêncio" ao tratar do caso. Nazareno Fonteles substitui o deputado federal Sérgio Moraes (PTB-RS), afastado da relatoria por antecipar seu voto pela absolvição de Edmar Moreira antes mesmo da apresentação do parecer. Estão abertas as apostas sobre o novo parecer. Videversus aposta que o deputado petista piauiense vai votar pela absolvição do dono do castelo. O que você acha?

Governo Lula taxa poupança acima de R$ 50 mil a partir do próximo ano

As aplicações na caderneta de poupança acima de R$ 50 mil vão pagar Imposto de Renda a partir de 2010, segundo anúncio do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, feito nesta quarta-feira. O imposto será cobrado com a Selic abaixo de 10,50% ao ano, ou seja, já em 1º de janeiro de 2010, se a taxa se mantiver no patamar atual, 10,25%. A nova regra será acompanhada de um corte temporário, válido apenas para este ano, na tributação dos fundos de investimento, para assegurar a atratividade desses fundos mesmo com a queda da taxa básica de juros. Durante o anúncio, Mantega havia dado como referência para cobrança do imposto o atual nível de juros de 10,25% ao ano, mas tabela divulgada pelo ministério estabelece o patamar de 10,50%. Segundo o documento, com a Selic de 10% a 10,50% ao ano, a base de cálculo do imposto é de 20% dos rendimentos e sobre ela recairá o IR. Na faixa seguinte, de 8,75% a 10% ao ano para a Selic, a base de cálculo é de 30% dos rendimentos, sobre a qual o poupador pagará o imposto. As outras faixas são de 8,25% a 8,75%, com base de cálculo de 40%; e de 7,75% a 8,25%, com base de cálculo de 60%; de 7,25% a 7,75%, a base é de 80%; e de 7,25% para baixo, a base de cálculo é de 100% dos rendimentos. Mantega afirmou que o pagamento do tributo ocorrerá na declaração do ajuste de imposto de renda de 2011.

Lula orienta líderes partidários a desconstruir ataques da oposição à mudança na poupança

O presidente Lula recomendou nesta quarta-feira aos líderes partidários aliados do governo a desconstrução do discurso da oposição contra as mudanças nas regras da poupança. A oposição vem utilizando a mudança para atacar o governo e dizer que a medida prejudica os poupadores. A recomendação do Planalto é para que os líderes destaquem que as novas medidas só devem atingir 1% dos brasileiros que investem em poupança. O ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, informou que a Secretaria de Comunicação do governo prepara para esta quinta-feira um comunicado oficial sobre as medidas. O governo Lula vai encaminhar ao Congresso uma proposta determinando a cobrança de imposto de renda de poupanças com saldo superior a R$ 50 mil. As medidas só devem valer a partir de 2010. Em nota, o presidente do DEM, deputado federal Rodrigo Maia (RJ), condenou as medidas anunciadas pelo governo Lula. "O DEM é contra a criação de impostos", disse ele. Em relação à redução do Imposto de Renda para aplicações de renda fixa, Rodrigo Maia advertiu que a medida provocará queda da arrecadação dos Estados e municípios, pois o Imposto de Renda é um tributo compartilhado. As novas regras vinham sendo estudadas pela equipe econômica desde janeiro, quando o Banco Central deu início a um processo de corte nos juros básicos, a Selic, hoje a 10,25% ao ano. A partir de 2010, os depósitos na poupança acima de R$ 50 mil estarão sujeitos ao Imposto de Renda. Já os fundos de investimento terão desconto. O principal argumento do governo é de que, com juros cada mais baixos, os fundos de investimento perderiam clientes, provocando uma migração em massa para a poupança. O resultado seria um "desequilíbrio" no sistema. Com o agravamento da crise, o Banco Central vem reduzindo a taxa básica de juros no Brasil, a Selic. Desde janeiro, o corte chega a 3,5 pontos percentuais. A redução afetou o rendimento dos fundos de investimento, muitas vezes baseado na Selic. Nesse cenário, a caderneta de poupança (isenta de imposto de renda), passa a ser mais atraente. A explicação do governo é de que uma possível migração (dos fundos para a poupança) causaria um "desequilíbrio" ao sistema. Isso porque os recursos da poupança são direcionados a créditos específicos, como por exemplo, o habitacional. Já os recursos depositados nos fundos podem ser usados para crédito livre. No caso de uma fuga desses fundos, faltariam recursos para financiamentos "normais". Mas, na galega, o negócio é o seguinte: o governo Lula mudou as regras para garantir os rendimentos dos grandes investidores e especuladores.

Oposição tentará derrubar mudanças na caderneta de poupança

A decisão do governo Lula de taxar os poupadores da caderneta de poupança que tenham rendimentos acima de R$ 50 mil foi "uma opção equivocada", segundo avaliou nesta quarta-feira o líder do PSDB na Câmara, deputado José Aníbal (SP). Após reunião entre PSDB, PPS e DEM, os partidos oposicionistas anunciaram que vão lutar para derrubas as mudanças anunciadas pelo governo. “A oposição vai mostrar que o governo tirou da poupança a grande atração que ela tinha, que era a confiança. O governo decidiu desonerar os investidores, os aplicadores de recursos e onerar os poupadores”, criticou José Aníbal. “Em vez de tornar a poupança em mérito, e preservar as regras do jogo, o governo onera a poupança e desonera os investidores”, completou. Para o deputado Raul Jungmam (PPS-PE), com a medida de agora, o governo do presidente Lula fez "uma opção preferencial" pelos bancos.

Governo reduz juros de empréstimo do Tesouro para o BNDES

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quarta-feira que o governo reduzirá os juros do empréstimo de R$ 100 bilhões do Tesouro Nacional para o BNDES. A medida foi divulgada depois de reunião com empresários que compõem o Grupo de Acompanhamento da Crise (GAC). Com a redução, o Tesouro cobrará Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) mais 1% ao ano. Até agora, o BNDES pagava TJLP mais 2,5% ao ano. Segundo o ministro, os juros menores vão impulsionar a concessão de empréstimos pela instituição financeira.

Senador protocola requerimento de CPI sobre irregularidades na Petrobras

O vice-líder do PSDB no Senado Federal, senador Álvaro Dias (PR), protocolou, nesta quarta-feira, o requerimento que propõe a instalação de comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar irregularidades na Petrobras. O senador conseguiu 32 assinaturas, o mínimo suficiente para a instalação da comissão. De acordo com o senador, o objetivo da CPI é investigar irregularidades constatadas em operações da Polícia Federal (Castelo de Areia e Águas Profundas), além de denúncias de sonegação fiscal e de irregularidades no repasse de royalties a prefeituras. Para a CPI ser oficialmente instalada, é preciso que o requerimento seja lido em plenário e que os partidos indiquem seus representantes na comissão. Como José Sarney, o mais forte e fiel aliado de Lula, é o presidente do Senado Federal, ele vai demorar uma eternidade para ler esse requerimento, e os partidos da base aliada não farão as indicações necessárias para a instalação da CPI. Você já foi à Polícia Federal pedir o seu passaporte?

Novo Enem deve ter duas provas por ano

O ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou na noite desta quarta-feira que os reitores da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) aprovaram por unanimidade a matriz de habilidades que serão incluídas no novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A matriz é uma espécie de guia que orienta a elaboração dos itens da prova. De acordo com o ministro, também ficou definido entre o MEC e os reitores que um modelo de prova do novo Enem será divulgado "o quanto antes" para que os estudantes possam se preparar. Ele não soube precisar quantas universidades devem aderir ao novo vestibular, mas antecipou que a idéia é aplicar pelo menos duas provas por ano, apesar da questão orçamentária. Segundo Haddad, ficou definido que haverá provas de língua estrangeira: "A partir deste momento, se inicia um processo de reforma curricular do ensino médio”. O documento que vai especificar o conteúdo do vestibular unificado deverá ser divulgado nesta quinta-feira, após ser apresentado ao Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed).

Superintendente do Incra é autorizado a retornar ao cargo

A Justiça Federal de Canoas (RS) autorizou nesta quarta-feira o retorno de Mozar Dietrich, que havia sido afastado do cargo de superintendente do Incra na semana passada, acusado de incentivar a invasão de integrantes do MST no Assentamento Santa Rita de Cássia II, em Nova Santa Rita, às margens da BR-386. Como a desocupação já foi concluída, a Justiça Federal autorizou Dietrich a retornar ao cargo, mas segue um processo por improbidade administrativa contra ele. O Ministério Público Federal pediu o afastamento do superintendente por considerar que ele participou ativamente de um processo de extorsão dos arrendatários das áreas, exigindo a entrega de cerca de R$ 500 mil reais em sacas de arroz além do combinado, que seriam usados para fomentar as atividades do MST. Apostas abertas: alguém acredita que ele será condenado?

MEC lança plano para implantar lei que obriga o ensino de história afro-brasileira

O Ministério da Educação e a Secretaria de Políticas de Promoção para a Igualdade Racial (Seppir) lançaram nesta quarta-feira um plano nacional para que Estados e municípios implementem uma lei de 2003 que torna obrigatório o ensino de cultura e história afro-brasileira nos sistemas de ensino. O objetivo do plano é colaborar para que todo o sistema de ensino e as instituições educacionais cumpram as determinações legais e adotem a lei nas suas redes numa forma de combater o preconceito e a discriminação. Professores dos estados e municípios que aderirem ao plano receberão capacitação do MEC. A lei não exige a criação de disciplinas específicas sobre o tema, mas o assunto terá de ser incorporado em livros didáticos e nas aulas de história e geografia. Seis eixos foram propostos para a implementação da lei nº 10.639/03: fortalecimento do marco legal, política de formação para gestores e profissionais de educação, política de material didático e paradidático, gestão democrática e mecanismos de participação social, avaliação e monitoramento e condições institucionais.

Governadora Yeda Crusius começa a pagar R$ 280 milhões em precatórios

Em 1999, em seu governo, o petista Olívio Dutra resolveu não mais pagar precatórios no Rio Grande do Sul. De lá para cá, não eram mais pagos os precatórios. Olívio Dutra não só não pagou precatórios, ele também criou mais um contencioso de outros 2 bilhões de reais em novos precatórios. Seu ex-presidente do IPE (Instituto de Previdência do Estado), Eliezer Pacheco, marido da deputada federal petista Maria do Rosário, vivia fugindo das ordens de prisão expedida pela Justiça Estadual, por causa do corte do pagamento de pensionistas e aposentadas. Esses processos geraram os 2 bilhões extras de precatórios. Pois agora a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), passou a pagar precatórios. Este ano serão pagos 200 milhões de reais. Nesta quarta-feira foram pagos 28 milhões de reais em precatórios para os portuários que são funcionários do Estado. A conta era de 1998. No tribunal, há 23.198 precatórios, a maioria referente ao Instituto de Previdência do Estado (IPE).

Sarney assegura que Lula não pensa em terceiro mandato

O presidente do Senado Federal, senador José Sarney, afirmou nesta quarta-feira que o presidente Lula não cogita uma disputa para terceiro mandato em 2010. Segundo Sarney, Lula afirmou que tal matéria “jamais será analisada” e que todas as notícias sobre o assunto são apenas “especulações”. Vários senadores no Congresso já informaram ser contra um terceiro mandato presidencial. Você colocaria a mão no fogo para assegurar esta afirmação de Sarney? Quando político diz uma coisa, leia exatamente o contrário.

STJ determina recontagem de pena de Suzane von Richthofen

O ministro Og Fernandes, do Superior Tribunal de Justiça, determinou que a Justiça paulista faça novo cálculo de remissão da pena de Suzane Von Richthofen, condenada pela morte dos pais, assassinados em outubro de 2002. De acordo com tribunal, o tempo remido (obtido em função do trabalho realizado dentro do presídio) deveria ser somado ao tempo da pena cumprida e não abatido do total da pena aplicada, o que costuma ser mais benéfico aos condenados. Condenada a 39 anos e seis meses de reclusão pelo assassinato dos pais, Suzane cumpre pena na penitenciária feminina em Tremembé (SP). Anotem aí: dentro de pouquíssimo tempo a moçoila sairá da cadeia. Por falar nisso: você já foi à Polícia Federal pedir o seu passaporte? Se foi, aproveite também e vá ao consulado do Canadá, ou da Nova Zelândia, pedir asilo ou uma nova cidadania.

Lula vai receber prêmio da Unesco por incentivo à paz

O presidente Lula vai receber da Unesco um prêmio por incentivo à paz. A cerimônia de premiação está marcada para julho. O anúncio foi feito nesta quarta-feira pelo ex-presidente de Portugal, Mario Soares, que integra o júri do prêmio "Paz Félix Houphouët-Boigny 2008". A Unesco é uma espécie de sucursal da 4ª Internacional trotskista. Mário Soares é socialista. Segundo Mário Soares, Lula foi escolhido pelas ações que tem promovido em defesa da paz: "Decidimos conceder ao presidente Lula, por suas ações em busca da paz, do diálogo, da democracia, da justiça social e da igualdade de direitos, assim como por sua valiosa contribuição para a erradicação da pobreza e a proteção dos direitos das minorias".

Tesouro dos Estados Unidos apresenta plano para regular derivativos

O Tesouro dos Estados Unidos apresentou nesta quarta-feira um plano para regular a negociação de derivativos de complexos, como os que deram origem à atual crise financeira, e que prevê a criação de câmaras de compensação. A nova regulamentação busca prevenir o tipo de caos financeiro que ocorreu após o colapso das grandes empresas que negociavam com derivativos, Lehman Brothers e a seguradora AIG, no ano passado. As normas propostas pelo Tesouro exigem disponibilidade de capital por parte das empresas que vendem derivativos e que estes sejam negociados por intermédio de entidades reguladas. Trilhões de dólares em derivativos são negociados diariamente e entre os mais polêmicos estão os CDS (credit default swaps), que são uma espécie de seguro contra a depreciação de algumas obrigações.

Perito identifica ossada de guerrilheiro morto pelo Exército no Araguaia em 1972

O esqueleto batizado de X-2 pelo governo federal apresenta características idênticas às do guerrilheiro Bergson Gurjão Farias, morto no Araguaia em 1972. O corpo do guerrilheiro jamais foi localizado. O esqueleto foi exumado há 13 anos em Xambioá (norte de Tocantins). Será preciso fazer um novo exame de DNA nos restos mortais para tornar oficial o reconhecimento feito na perícia pedida pela Câmara dos Deputados. O perito Domingos Tocchetto, professor de criminalística da Escola Superior de Magistratura, lista coincidências entre as conclusões dos exames nos ossos recolhidos em 1996 e as características físicas de Jorge (codinome de Farias).

Supremo arquiva ação contra Dilma e Tarso sobre montagem de dossiê anti-FHC

O Supremo Tribunal Federal arquivou a ação que investigava o envolvimento dos ministros Dilma Rousseff (Casa Civil) e Tarso Genro (Justiça) na montagem de um dossiê com gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O ministro Ricardo Lewandowski, acolheu o parecer da Procuradoria Geral da República. O texto indicava que não existiu participação de pessoas com foro privilegiado no episódio. Só faltava mesmo a Procuradoria Geral da República dizer que havia..... Segundo o parecer da Procuradoria, "com exceção das imputações feitas nas referidas representações, não consta dos autos sequer indícios da participação da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, do ministro da Justiça Tarso Genro e do ministro Jorge Hage, da Controladoria-Geral da República, nos fatos noticiados, nenhuma prova de que partiu da primeira a ordem para a elaboração do dossiê ou para a divulgação dos dados, nem da omissão dos demais na apuração dos fatos". O governo Lula argumenta que montou um "banco de dados" sobre gastos com cartões corporativos com informações da gestão FHC, mas nega a confecção de um dossiê que seria utilizado como instrumento político contra os tucanos.

Promotoria no Paraná denuncia grupo de supostos neonazistas por morte de casal

A Promotoria de Campina Grande do Sul encaminhou à Justiça do Paraná a denúncia contra um grupo formado por seis pessoas acusadas de neonazistas. Eles são suspeitos de matar o casal Bernardo Dayrell Pedroso e Renata Waechter Ferreira no dia 20 de abril. Todos têm entre 19 e 25 anos. O casal teria morrido em razão de uma disputa de poder envolvendo grupos que pregam o neonazismo no País, que se concentram principalmente nas regiões Sul e Sudeste, segundo o promotor Octacílio Sacerdote Filho. No entanto, o promotor admite que o grupo tem ramificações em todo Brasil. "Esse grupo é muito grande. Não se restringe somente ao Paraná, Santa Catarina e São Paulo. É espalhado no Brasil inteiro. Mas a polícia disse que vai continuar investigando para descobrir mais casos", afirmou Sacerdote Filho. Na denúncia, elaborada a partir de investigações da Polícia Civil, a Promotoria aponta que o rapaz apontado como líder do grupo, que morava em São Paulo, teria contratado um dos suspeitos para matar Pedroso. O líder também solicitou a ajuda de outros membros do grupo, segundo o processo. De acordo com a Promotoria, o grupo teria combinado a morte de Pedroso para o dia 20 de abril, após um churrasco em que se "comemoraria" os 120 anos de nascimento de Adolf Hitler. Pedroso e a namorada foram mortos a tiros. Quando os suspeitos mataram o casal, ligaram para o líder para comunicar que a missão "havia sido cumprida", de acordo com o processo. As vítimas foram atraídas para a emboscada por uma das suspeitas do grupo, que seria amiga de Ferreira e teria pedido uma carona para deixar a festa por "estar se sentindo mal". Os dois levaram a suspeita para casa, deram uma carona para outro membro do grupo e seguiram de volta para a comemoração, segundo a ação. No caminho, eles foram seguidos de perto pelos outros membros do grupo. Na altura do km 6 da BR-116, no limite do município de Quatro Barras, o casal foi convencido a parar no acostamento pelo suspeito que estava de carona. Nesse ponto, o veículo dos denunciados parou em frente ao carro do casal. Os dois foram obrigados a descer e foram mortos com tiros na cabeça, disparados por dois dos suspeitos, segundo o processo. Duas pessoas viram o crime e testemunharam no inquérito da Polícia Civil, segundo o processo. Pedroso morreu porque, após um desentendimento com o líder do grupo de suspeitos, criou um grupo dissidente de neonazistas no Paraná, de acordo com o promotor.

Sobrevivente do campo de concentração de Sobibor vai ao julgamento do nazista Demjanjuk

Thomas Blatt, um dos poucos sobreviventes do campo de extermínio nazista de Sobibor, situado na atual Polônia, ocupada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, aos 82 anos de idade, hoje vivendo nos Estados Unidos, é testemunha-chave no julgamento do nazista John Demjanjuk, acusado de cumplicidade na morte de pelo menos 29 mil judeus como vigia em Sobibor. Ele decidiu comparecer ao julgamento e explica: “Vou ao julgamento porque, quando escapei de Sobibor, prometi a mim mesmo que, se sobrevivesse, faria tudo para contar a história do campo. É o que estou fazendo. E sei que Demjanjuk sabe muita coisa, pois ele estava diretamente envolvido no Holocausto. Ele nega ter estado ali, diz que nunca foi vigia em Sobibor, mas foi sim. Não me importa se ele está ou não na cadeia, mas me importa que diga a verdade. E a verdade é que ele era guarda em Sobibor. Sobibor não era um mero campo de concentração. Sobibor era um campo de extermínio. Lá, os guardas eram simplesmente assassinos. Num campo de concentração, um guarda era um guarda responsável por evitar que as pessoas fugissem. Mas em Sobibor eles eram simplesmente assassinos”. Thomas Blatt afirma que os guardas de Sobibor eram sádicos: “Eu disse que eram sádicos e que alguns fugiram de Sobibor. Mas Demjanjuk não fugiu. Ele esteve lá durante todo o tempo com os nazistas. Os guardas eram muito sádicos. E tínhamos mais medo dos guardas que dos alemães. Tenho certeza de que ele era um guarda. É minha obrigação dizê-lo. E ele deveria dizer para que Sobibor servia”.

Polícia Federal desmonta pirâmide financeira de R$ 2 bilhões

A Operação "M", deflagrada na manhã desta quarta-feira pela Polícia Federal no Rio Grande do Sul, foi causada pela crise financeira. A Polícia Federal desarticulou uma quadrilha que montou uma pirâmide financeira no Estado ao longo de cinco anos. O valor pode chegar a R$ 2 bilhões, mas é totalmente impreciso. Alguns investidores preferiram se retrair diante do cenário ruim no mercado financeiro e tentaram resgatar os recursos que tinham aplicado na pirâmide, mas não conseguiam. Em fevereiro deste ano, um dos investidores lesados denunciou o esquema para a Polícia Federal. Ele também deveria ter sido preso, porque investia em um esquema não autorizado a funcionar como financeira ou banco pelo Banco Central. Uma mulher, com experiência no mercado financeiro, comandava o esquema. Ela era a responsável pela captação dos recursos, feita de forma ilegal porque não possuía autorização do Banco Central para operar como uma instituição financeira. O esquema no Rio Grande do Sul começou a ser montado há cerca de cinco anos, baseado na promessa de rendimentos que variavam entre 3% e 8% ao mês. É engraçado que a Polícia Federal não investigue cooperativas e associações de classe, federações classistas, que funcionam como bancos sem autorização oficial para tal do Banco Central, e que se encontram sem qualquer fiscalização por esta instituição, apesar de uma delas, muito conhecida, ter sofrido uma denúncia formal na superintendência regional do Banco Central. A Polícia Federal no Rio Grande do Sul poderia informar por que não faz estas investigações?

Família de jovem morto pede cassação de deputado envolvido em acidente no Paraná

O advogado da família de Gilmar Rafael Souza Yared, de 26 anos, morto na última quinta-feira em um acidente de carro em Curitiba (PR), Elias Mattar Assad, protocolou nesta quarta-feira um pedido de cassação do mandato do deputado estadual Fernando Carli Filho (PSB-PR), na Assembléia Legislativa do Paraná. O deputado dirigia o veículo que abalroou violentamente, pela traseira, o carro de Yared. Na colisão, Yared e o amigo Carlos Murilo de Almeida, de anos 20, morreram no local. De acordo com boletim divulgado nesta quarta-feira pelo Hospital Israelita Albert Einstein, onde o deputado está internado, Carli Filho sofreu múltiplas fraturas no crânio e na face. Ele está consciente e foi transferido para a Unidade de Terapia Semi-Intensiva. De acordo com a equipe médica, ele deve passar por uma cirurgia de correção da deformidade buco-facial e ainda não há previsão para alta. Carli Filho estava com a carteira de habilitação suspensa quando ocorreu o acidente, por ter excedido o total de pontos permitidos (totalizava 130 pontos, enquanto o máximo permitido é de 20). De acordo com informações do Detran (Departamento Estadual de Trânsito), o deputado tinha 30 multas, desde 2003. Destas, 23 eram por exceder limites de velocidade. Quando ele abalroou pela traseira o carro dos jovens, passando por cima do mesmo, arrancando toda a capota do carro, e até decapitando um dos rapazes, ele corria, segundo testemunhas, a velocidade superior a 190 quilômetros.

Presidente da AIG pede que Congresso norte-americano pare com as críticas

O presidente da seguradora americana AIG (American International Group) pediu nesta quarta-feira que o Congresso dos Estados Unidos pare de questionar o plano de reestruturação da empresa, depois que o governo concedeu US$ 180 bilhões para evitar sua falência no ano passado. Durante uma audiência na Câmara dos Representantes (deputados), Edward Liddy, nomeado em setembro para dirigir a reestruturação da seguradora, afirmou que a AIG continua avançando nas tentativas de vender seus ativos no Exterior para pagar dívidas. Segundo ele, as opiniões negativas sobre a companhia desvalorizam seus ativos e dificultam essas negociações. O principal motivo das críticas de políticos e autoridades à AIG surgiram após a empresa pagar bônus de US$ 165 milhões a seus executivos, em março. A empresa alegou que os bônus fazem parte dos contratos que são mantidos em sigilo. Vários democratas do Congresso se queixaram dos bônus por rendimento que a seguradora paga a alguns de seus dirigentes, apesar dos prejuízos, e lamentam o "segredo" que envolve sua gestão.

Nelson Jobim rebate Romero Jucá e diz que senador não terá apoio para aprovar proposta que muda ministério

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, respondeu nesta quarta-feira aos ataques do líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (PMDB-RR), que ameaçou apresentar PEC (proposta de emenda constitucional) para obrigar que o ministro da Defesa seja efetivamente militar. Na opinião de Jobim, Jucá não terá apoio dos parlamentares para aprovar a proposta: "O senador tem o direito de apresentar as PECs que bem entender, a questão não é apresentar PEC, é conseguir aprová-la. Não acho nada". Nelson Jobim disse que as críticas de Romero Jucá são "irrelevantes" uma vez que pretende continuar o seu trabalho no ministério: "O doutor Ulysses tinha uma frase ótima, 'cada dia com sua agonia'”. Em um discurso, na terça-feira, o fisiológico senador Romero Jucá não escondeu a irritação com Jobim, que prometeu afastar as indicações políticas da Infraero. Jucá cobrou que o ministro diga publicamente o nome dos servidores que "sujam" a imagem da Infraero. Romero Jucá, que teve um irmão e uma cunhada demitidos na estatal, negou ter pedido ao presidente Lula a readmissão dos parentes.

Papa condena muro erguido por Israel como símbolo de "impasse"

O papa Bento 16 condenou nesta quarta-feira o muro erguido por Israel em volta da Cisjordânia. Ao lado da parede, que descreveu como símbolo do "impasse' entre Israel e os palestinos, o papa exortou ambos os lados a romper a "espiral de violência". Ele falou em um campo de refugiados em Belém, a cidade onde Jesus teria nascido. Esse era o tipo de linguagem que os palestinos esperavam da visita de um dia feita pelo papa à Cisjordânia ocupada por Israel, em meio a sua visita de cinco dias à Terra Santa, focada principalmente em Jerusalém. O papa alemão, que vem sendo criticado em Israel pelo que judeus interpretaram como sendo falta de emoção pessoal em declarações que fez sobre o Holocausto, produzido pelos alemães, pelos nazistas, pelas forças armadas nazistas às quais o papa serviu, teve o cuidado de enfatizar que o conflito envolve os dois lados e conclamou por uma paz justa e duradoura. "Dos dois lados do muro é preciso grande coragem para que o medo e a desconfiança possam ser superados e para que seja possível resistir ao desejo de retaliar por perdas e feridas", disse ele.

Lula nega que abertura de arquivos da ditadura seja revanchismo

O presidente Lula disse nesta quarta-feira que a decisão do governo federal de tornar públicas informações relacionadas ao período da ditadura militar (1964-1985) não representa um "revanchismo" de ex-militantes contrários ao regime. Lula disse que o governo "mudou uma página da história do Brasil" ao decidir divulgar informações do período da ditadura que ainda são obscuras. Lula disse que o governo não quer "esconder o que está no verso da página" da história brasileira, mas permitir que a população tenha acesso efetivamente ao que ocorreu no período do regime militar. "As pessoas ofendidas vão se defender na Justiça. Sejam militares ou civis, de esquerda ou de direita, o passo que estamos dando hoje é excepcional na vida desse País. Espero que o Congresso aprove logo isso, por isso mando como projeto de lei e não medida provisória. que a gente possa ter orgulho de dizer que a verdade nesse país é para todos, e não para alguns”. Na opinião de Lula, o direito à informação pública "é um dos mais eficientes instrumentos de combate ao arbítrio e à corrupção". O governo anunciou nesta quarta-feira três ações que têm como objetivo tornar públicos documentos federais. A primeira delas será o envio de projeto de lei ao Congresso Nacional que obriga os órgãos públicos federais a divulgarem informações solicitadas pela população. Cada órgão terá o prazo máximo de 30 dias para responder às consultas e, caso haja recusa, o projeto prevê que os interessados recorram à Controladoria Geral da União para obter as informações necessárias. O projeto muda os prazos de classificação para documentos sigilosos em mãos do governo (reservada, secreta e ultrassecreta), cujos prazos de sigilo serão de 5, 15 e 25 anos. Hoje o prazo máximo vai até 30 anos, prorrogável indefinidamente. Na nova regra, ao final do período, os documentos se tornarão públicos. Mas uma Comissão de Reavaliação de Informações (no âmbito da Presidência) poderá manter o dado em sigilo indefinidamente. Resultado: não muda nada, é só firula. A diferença em relação ao sigilo eterno atual é que cada ministério hoje decide o que pode ficar guardado para sempre. Os órgãos públicos também ficam obrigados a divulgar anualmente, na internet, uma lista de todos os documentos liberados e de todos os classificados como sigilosos. Vai ser mantido o sigilo sobre documentos relacionados a informações que coloquem em risco a defesa à soberania ou à integridade do território nacional; a condução de negociações ou relações internacionais; a vida, segurança ou saúde da população; estabilidade financeira e monetária do país; planos e operações estratégicas das Forças Armadas; autoridades nacionais, estrangeiras e familiares; atividades de inteligência, além do sigilo sobre informações fornecidas por Estados estrangeiros. Outra medida anunciada pelo governo foi a criação de edital que convoca os brasileiros a repassarem ao governo federal documentos relacionados ao período da ditadura militar. É outra grande besteira. Qualquer cidadão que tenha sido perseguido sabe: se há algo em que não se deve confiar é no Estado. O governo também criou o Portal "Memórias Reveladas" que, em parceria com o Arquivo Nacional, vai disponibilizar o acervo referente ao período da ditadura na internet.

José Serra diz que sua ficha no Dops tinha informação errada

O governador José Serra (SP) e a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) ficaram lado a lado nesta quarta-feira, durante cerimônia de assinatura de projeto de lei que modifica o acesso a informações públicas do governo. Ex-militantes de grupos de esquerda, Serra e Dilma defenderam a divulgação dos documentos do período militar. Dilma elogiou o governo de São Paulo por ter sido o primeiro a divulgar, publicamente, documentos referentes ao período militar. O governador José Serra leu fichas encontradas nos arquivos do Dops. "A ficha diz que eu teria chorado na comemoração da visita do Iuri Gagarin em cerimônia na biblioteca de São Paulo. Mas eu não tinha a menor simpatia pela União Soviética. Imagina, chorar ao lado do embaixador por causa do Gagarin. E está lá registrado", disse ele. José Serra elogiou a iniciativa do presidente Lula em enviar ao Congresso Nacional projeto de lei que regulamenta o acesso às informações públicas, entre elas documentos referentes ao período da ditadura. "Eu sou ardoroso defensor de que as coisas sejam cada vez mais conhecidas", afirmou.

Furnas quer antecipar usina no Rio Madeira para 2011

O presidente de Furnas Centrais Elétricas, Carlos Nadalutti Filho, confirmou nesta quarta-feira que a entrada em operação da usina de Santo Antônio, em construção no Rio Madeira (RO), poderá ser antecipada para 2011. O cronograma atual prevê que as primeiras máquinas começarão a operar em 2012, mas existe a perspectiva de antecipação, caso algumas condições de infraestrutura permitam a entrada mais rápida do principal empreendimento do setor elétrico em construção no País. "Há uma perspectiva de antecipação. Isso está sendo avaliado. Hoje, a previsão é que a usina comece a operar em 2012, mas isso pode ser antecipado para meados de 2011. Vai depender de algumas condições", afirmou, citando a conclusão de linhas de transmissão que serão interligadas à usina como condição facilitadora para a antecipação da usina de Santo Antônio.