terça-feira, 25 de maio de 2010

Trotskista Marcio Pochmann vai à Venezuela para inaugurar escritório do Ipea

O Brasil deve inaugurar ainda neste ano o escritório do Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas) na Venezuela. O presidente do instituto, o petista trotskista Márcio Pochmann, viaja para o país nesta semana para se encontrar com o ditador Hugo Chávez, com quem definirá os termos da parceria. Há a expectativa de que durante o encontro já sejam oficializados pontos técnicos da cooperação entre Brasil e Venezuela, de modo que a atuação do Ipea no país comece já no segundo semestre deste ano. O instituto também mantém negociações nos mesmos termos com a Angola. Os dois países deverão ser os primeiros a receber quadros do Ipea para a atuação internacional. Ou seja, é o trotskismo implantado no organismo púbico nacional expandindo o raio de sua ação. “A experiência recente mostra que os convênios entre os países não têm desdobramento sem a presença física no local”, afirmou o petista trotskista Marcio Pochmann. Segundo o presidente do instituto, os técnicos do Ipea usarão estrutura cedida pela Venezuela.

Diretor do FMI diz que crescimento de 7% no Brasil é insustentável

O diretor-geral do FMI (Fundo Monetário Internacional), Dominique Strauss-Kahn, afirmou nesta terça-feira que o Brasil poderá até crescer 7% neste ano, mas que esse ritmo de alta não é sustentável. "É o que está sendo esperado para esse ano, mas não acredito que o Brasil possa crescer por vários anos no ritmo de 7%", disse ele. Em evento no IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), em São Paulo, Strauss-Kahn afirmou que o País tem condições de crescer normalmente entre 4,5% e 5%, e que a partir de 7% há risco de superaquecimento. Segundo ele, para que o País cresça nesse ritmo, é necessário aumentar seu potencial com investimentos em pesquisa e educação. O diretor-geral do FMI afirmou ainda que o governo brasileiro está ciente dos riscos de superaquecimento e que "está tomando medidas".

Brasil tem 56% de escolas conectadas à internet

O Brasil tem pouco mais da metade das escolas conectadas à internet, segundo dados divulgados nesta terça-feira pela União Internacional de Telecomunicações. As informações foram compiladas a partir de números enviados pelos próprios países à entidade. No caso do Brasil, a responsável pelo envio foi a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Enquanto o País mantém 56% das escolas com acesso à rede, no Chile a cobertura de escolas chega a 75% (das quais 67% mantêm conexão banda larga. De acordo com os dados, dentro da América Latina, apenas o Uruguai mantém 100% de cobertura de internet banda larga nas escolas. Além do Uruguai, Jordânia (80%), Ilhas Maurício (85%) e Lituânia (69%) superam o Brasil nesse quesito. A maioria dos países desenvolvidos têm 100% de cobertura.

Oposição em Pernambuco levanta novas suspeitas sobre repasses da Fundarpe

A bancada de oposição na Assembléia Legislativa de Pernambuco fez nesta terça-feira uma poderosa acusação sobre o uso político-partidário-eleitoral das verbas e repasses da Fundarpe para entidades culturais. Em uma coletiva de imprensa foi exibido o dossiê "Ligações perigosas - os donos da cultura em Pernambuco". As novas acusações baseiam-se na constatação de que 11 empresas, algumas com sócios em comum, receberam juntas, em pouco mais de um ano, R$ 24 milhões do Funcuntura, em empenhos fracionados. "É uma concentração de muito dinheiro em poucas mãos", apontou Augusto Coutinho (DEM). Entre as suspeitas levantadas pelos oposicionistas está a de que a empresa Expresso, na qual um dos sócios é Joabson Guerra da Silva. A empresa é registrada na Junta Comercial de Pernambuco tendo como atividade econômica prestar serviços de recepção e bufê. Joabson ainda aparece como sócio de outras duas empresas beneficiadas, que no total receberam mais de R$ 5 milhões. Outra acusação recai sobre as empresas Clarins, Bloco Tá Legal e Figlioulo Produções - que também receberam pouco mais de R$ 5mlhões. O problema, segundo os opositores, é que o sócio Glaydson Figlioulo do Nascimento seria na verdade motorista, aprovado inclusive em concurso público da Prefeitura de Tamandaré para essa função, em 2003. "É estranho, a não ser que seja um honônimo. Há a suspeita do uso de laranjas nessas empresas", disse Terezinha Nunes (PSDB). Por fim, ainda recaiu acusações contra o fato de um assessor da Secretaria de Articulação Política ser cunhado de um dos donos da Palco Show, que recebeu cerca de R$ 2,6 milhões. "Isso em plena época eleitoral", destacou Coutinho. A oposição promete anexar as novas denúncias ao pedido de investigação já encaminhado ao Tribunal de Contas do Estado, que se comprometeu a abrir uma auditoria especial para apurar o caso.

PTB confirma apoio a José Serra para a Presidência

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson (RJ), reafirmou nesta terça-feira o apoio do partido à candidatura de José Serra à Presidência. Segundo Jefferson, a aliança está "fechadinha, fechadinha". Ela será oficializada apenas no dia 19, durante a convenção do partido, marcada para São Paulo. Ao comentar o resultado do último Datafolha, Roberto Jefferson disse que os números mostram a solidez da candidatura de José Serra: "Serra é tão sólido que se manteve nos 37%. Na hora que a campanha começar, ele passa a Dilma".

Michel Temer encerra reunião porque deputado federal estava twitando o encontro

O presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Michel Temer (PMDB-SP), decidiu encerrar uma reunião entre líderes partidários porque um dos parlamentares presentes, Capitão Assumção (PSB-ES), estava twitando a discussão sobre a votação da PEC 300, que fixa o salário de policiais militares e bombeiros. A reunião do colégio de líderes é feita toda semana para decidir a pauta de votações, e é secreta. Não é permitido gravar o conteúdo das discussões. Segundo deputados presentes no encontro, Assumção primeiro tentou gravar em áudio, mas depois, reprimido por Michel Temer, parou e começou a detalhar o debate em seu Twitter (http://twitter.com/capitaoassumcao). Ele negou que estivesse gravando, apesar de ter afirmado em seu microblog que foi "admoestado" pelo presidente da Câmara. Por quase duas horas, o deputado postou mensagens como "temer, sepultando a PEC, quer criar 1 comissão", "é muita hipocrisia. por favor, me digam: estamos na democracia?" e "mas o resumo da opera é que o governo está tentando sepultar a PEC 300" são algumas das mensagens. Os recados foram postados após o presidente da Câmara anunciar a criação de uma comissão para debater a proposta de emenda constitucional. "Pode levar o celular, é só ter a delicadeza de não gravar. Isso é coisa de araponga", afirmou Michel Temer.

Estados Unidos assinam ordem permitindo mais operações secretas no Oriente Médio

O mais alto comandante militar americano assinou uma ordem secreta no final do ano passado permitindo uma escalada de operações secretas e clandestinas contra terroristas no Oriente Médio, Ásia Central e Chifre da África, disseram autoridades de defesa nesta terça-feira. Assinada em setembro pelo general David Petraeus, a ordem autoriza uma escalada que inclui aumentar assistência militar e de inteligência para ajudar as forças do Iêmen a atacar alvos da Al Qaeda, bem como envio de vôos não pilotados para coletar informações e acompanhar alvos importantes. A ordem, de sete páginas, também autoriza operações específicas no Irã, como reunir informações de inteligência sobre seu programa nuclear ou identificar grupos dissidentes que poderiam ser úteis para uma ofensiva militar no futuro, segundo o jornal americano "The New York Times". A nova ordem não autoriza ações ofensivas. Em vez disso, a meta do Pentágono seria construir novas conexões para "penetrar, interromper, derrotar e destruir" grupos militantes, incluindo a Al Qaeda, e "preparar o terreno para ataques futuros".
A ordem também autorizou as unidades de Operações Especiais dos Estados Unidos a trabalhar com forças de segurança locais para conter a Al Qaeda e outras ameaças. Algumas operações militares secretas que se seguiram ao documento foram registradas, incluindo um ataque de helicóptero das Forças de Operações Especiais, em setembro de 2009, contra um carro carregando um dos militantes da Al Qaeda mais procurado no leste da África, o queniano Saleh Ali Saleh Nabhan. O Comando Central vem posicionando aviões em sua base no Chifre da África. Segundo autoridades, os aviões podem ser usados contra militantes no Iêmen e Somália, e mesmo contra piratas que atacam navios atravessando o Golfo do Aden e o Oceano Índico.

Exportação de carne de frango recua e Brasil mira África e Ásia

A crise econômica européia afetou as exportações de carne de frango do Brasil no início deste ano, e provocou uma queda de 1,43% no volume embarcado nos quatro primeiros meses em relação ao mesmo período de 2009, levando o País a apostar nos mercados da África e Ásia. No total, as exportações do Brasil atingiram 1,15 milhão de toneladas entre janeiro e abril, contra 1,17 milhão nos quatro primeiros meses de 2009. Somente para a União Européia, a queda das exportações em volume foi de 15%, no montante de 141.233 toneladas. Para a região asiática, as exportações atingiram 316,2 mil toneladas no primeiro quadrimestre, 2,2% a mais do que no mesmo período de 2009.

Governo argentino veta aumento de vôos partindo do Brasil

O aumento do número de brasileiros que viajam para a Argentina já provoca gargalos nas companhias aéreas, que desejam ampliar as frequências para o país vizinho. O governo argentino, no entanto, vem se recusando a ceder aos pedidos da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), disse nesta terça-feira a diretora-presidente do órgão, Solange Vieira. Ela disse que as saídas para o mercado argentino, que representam 16% dos vôos internacionais, têm forte potencial de crescimento no curto prazo. Atualmente, são 133 frequências semanais para a Argentina. A Anac já solicitou mais 30 ao governo da peronista populista Cristina Kirchner, que, no entanto, mostra-se reticente, temendo prejudicar as companhias locais. Os vôos internacionais para os Estados Unidos representam 23% do total que sai do Brasil, seguido pela Argentina (16%) e Portugal (10%). Somente com o incremento de 10% nas frequências, a proporção para a Argentina pode subir para 18%. Dados da Anac relativos ao ano passado indicam que foram transportados, ao todo, 128 milhões de passageiros, dos quais apenas 12 milhões relacionados a vôos internacionais.

Empresários avaliam que José Serra foi o melhor em sabatina na CNI

Ao final do evento que durou mais de cinco horas, o presidente da CNI, Armando Monteiro, elogiou postura dos candidatos presidenciáveis, José Serra (PSDB), Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PV). O empresário, no entanto, se recusou a revelar quem, na sua opinião, foi o “vencedor” da sabatina organizada pela entidade hoje em Brasília. Armando Monteiro disse que “fazer um juízo de valor sobre o desempenho seria algo arriscado”. “Todos puderam dar um recado interessante, cada um com as suas características, estilos e posturas”, afirmou. Entre os empresários, no entanto, a avaliação foi de que Dilma foi bem, Marina foi emotiva e José Serra foi o melhor.

Gastos de brasileiros no Exterior quase dobram e já chegam a US$ 4,6 bilhões no ano

Os gastos dos turistas brasileiros no Exterior somaram US$ 1,2 bilhão em abril, segundo dados do Banco Central, uma alta significativa diante dos US$ 770 milhões no mesmo período do ano passado. O aumento dos gastos foi de 55,8%. Em maio, segundo dados coletados até esta terça-feira, essas despesas já chegam a US$ 900 milhões. No acumulado do ano, foram gastos US$ 4,6 bilhões, muito mais do que os US$ 2,7 bilhões no primeiro quadrimestre de 2009, representando um aumento de 70,3%. O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, atribuiu o resultado ao aumento da renda e do emprego no período. Outro fator que influencia essa conta é o câmbio favorável aos turistas. Ainda segundo o Banco Central, deve haver uma queda nos investimentos estrangeiros em maio. Dados parciais para o mês corrente mostram que, depois do ingresso de US$ 2,2 bilhões em abril, devem entrar no País US$ 1,6 bilhão em investimentos diretos no setor produtivo.

José Serra chama Ahmadinejad de ditador e o compara a Hitler e Stalin

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, classificou como "ditador" o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, durante entrevista coletiva após sabatina com empresários na CNI (Confederação Nacional da Indústria). Para José Serra, o iraniano faz parte do "grupo de ditadores da década de 30, como Hitler e Stalin". Apesar das críticas ao presidente iraniano, José Serra disse que não duvida das "boas intenções" do governo brasileiro ao intermediar acordo nuclear do Irã. Ele afirmou, porém, que "desconfia" do governo iraniano para o cumprimento do acordo: "Não creio que haja má intenção, mas torço para dar certo".

Marina Silva afirma que é favor de mandato de cinco anos sem reeleição

Após quase 40 minutos de entrevista coletiva, a pré-candidata do PV à Presidência, Marina Silva, afirmou que é a favor de mandato de cinco anos, sem reeleição. Ela foi a última a falar na sabatina organizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) com os três principais presidenciáveis, José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT). Marina Silva falou bastante quando questionada sobre reforma do código florestal. Ela reforçou sua posição contrária ao projeto que tramita no Congresso, que transfere da União para os Estados a competência de determinar as áreas de preservação permanentes. Marina Silva voltou a dizer que, se eleita, vai dialogar com todos os partidos, e deu uma dura nos petistas e tucanos: "Se o PSDB e o PT não conversarem, seremos eternamente reféns do fisiologismo, com DEM e o PMDB".

Serra critica alta de juros e loteamento do governo em sabatina da CNI

Em sabatina da CNI (Confederação Nacional das Indústrias) com os presidenciáveis, José Serra (PSDB) elevou o tom das críticas à sua adversária na disputa, Dilma Rousseff (PT), e ao governo Lula, enquanto a petista e Marina Silva (PV) defenderam a reforma tributária. Segundo José Serra, há "loteamento político" no governo federal: "A Infraero está loteada. Hoje, as agências reguladoras estão divididas entre partidos. Tudo está loteado". Ele afirmou que o governo federal não solucionou problemas de infraestrutura do País, apesar do PAC. "Estão sendo resolvidos? Não duvido que haja boa intenção, mas está complicado", disse. "Falta planejamento, qualidade de gestão e falta capacidade para fazer sequenciamento dos investimentos segundo a ordem de prioridade", reiterou Serra. O candidato José Serra também rebateu a fala da neopetista Dilma Rousseff no que diz respeito à alta dos juros no País. "Não entendi a explicação da Dilma quando ela defende a política cambial e de juros. Entra governo, sai governo, continuamos com os maiores juros do mundo". José Serra afirmou que o Brasil é "campeão" por ter a maior taxa de juros do mundo. Ele afirmou ainda que a taxa de investimento governamental, muito aclamada por Dilma Rousseff, é irrisória: "Somos o penúltimo país na taxa de investimento. Só perdemos para o Turcomenistão". Serra afirmou não ter entendido o que Dilma disse a respeito de tributação. Na Constituição, consagrava-se a insenção de ICMS nas importações de manufaturados e qualquer coisa: "A ex-ministra falou contra isso, mas estava no projeto que ela apoiava". "Eu li o diabo do projeto", disse o tucano sobre o projeto de reforma tributária do governo, que não foi para frente: "Eu fui um elemento importante para que essa ruína não fosse aprovada". José Serra voltou a criticar a autonomia excessiva do Banco Central: "O Banco Central tem que se integrar na política do governo. Não há governo que funcione bem assim. A equipe é integrada^". E repetiu a frase polêmica: "O Banco Central não é a Santa Sé". A petista, por sua vez, questionada sobre a situação tributária no País, afirmou ser "caótica": "Nós tentamos várias vezes encaminhar projetos de reforma tributária, mas a situação tributária é caótica. É caótica porque se sobrepõem legislação, níveis de incidência de impostos". Ela propôs a desoneração "completa" da cadeia de bens de capital: "A prioridade é desoneração e estímulo ao investimento, exportação e ao emprego". Também defendeu a desoneração na folha de salário: "Significa desonerar a parte patronal, o que vai permitir o incentivo à formalização".Já Marina Silva defendeu as reformas política e tributária e fez críticas ao governo do presidente Lula, ao ser questionada sobre licenciamentos ambientais na Amazônia: "Não temos programa de infraestrutura para o Brasil, mas uma colagem de obras. O PAC não é um programa, mas uma gestão de obras". Ela se comprometeu com a reforma tributária, mas "sem falsas expectativas": "Não é fácil, se fosse fácil já teriam feito".