sexta-feira, 16 de julho de 2010

Sem combustível, Qualix pára coleta de lixo em Cuiabá, e prefeitura rescinde contrato

A coleta de lixo foi suspensa na manhã desta quinta-feira em Cuiabá, capital do Mato Grosso, por falta de combustível para os caminhões da empresa Qualix, que era responsável pelos serviços de limpeza da capital matogrossense. Coletores e motoristas, que deveriam iniciar seus trabalhos na Capital às 5h50, tiveram que aguardar a solução no pátio da empresa. Apenas os veículos que realizam a coleta em Várzea Grande saíram da garagem no horário correto. Há mais de 20 dias o lixo está acumulando em vários bairros de Cuiabá. Na parte da tarde, os trabalhadores tiveram uma notícia positiva, já que os garis dispensados pela Qualix serão absorvidos pela prefeitura, que assumiu os serviços de coleta do lixo, até que a licitação para a coleta seja feita. A partir de terça-feira, o contrato com a Qualix estará rompido e caminhões contratados, de forma emergencial pela prefeitura, farão o serviço. O custo aos cofres públicos para o contrato será definido pela Procuradoria Geral do município e o prefeito Chico Galindo. O secretário Euclides Santos reafirmou que a Qualix não tem condições de continuar o trabalho e não descarta novas multas para a empresa. O último contrato emergencial feito com a Qualix definiu que a empresa deveria colocar 16 caminhões disponíveis para os trabalho de coleta do lixo, mas apenas 12 estão funcionando. Os demais estão quebrados. A prefeitura está atuando com o mutirão para a coleta do lixo acumulado, com 180 funcionários e 24 caminhões basculantes. Esse trabalho será feito até que se normalize a coleta, ou seja, durante três vezes por semana nos bairros da capital matogrossense. A Qualix parou de fazer o trabalho quando não teve mais dinheiro em caixa para comprar o diesel para os caminhões. A Qualix Serviços Ambientais atua em Cuiabá desde 2005, depois que a Cidade Ambiental finalizou a prestação de serviço.

Irmão do goleiro Bruno é preso por tentativa de estupro no Piauí

Rodrigo Fernandes das Dores de Souza, de 23 anos, irmão do goleiro Bruno Fernandes (do Flamengo, acusado de matar sua ex-namorada Elisa Samudio), foi preso na noite de quarta-feira em Campo Maior, cidade localizada a 95 quilômetros de Teresina), em cumprimento a um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça do Maranhão. Ele responde a um processo por acusação de cárcere privado e tentativa de estupro em Peritoró (interior do Maranhão) e se mudou para o Piauí sem informar a Justiça. Após a prisão de seu irmão famoso, Rodrigo Fernandes das Dores de Souza passou a dar entrevistas e chamou a atenção da Justiça do Maranhão, que decretou sua prisão. Há certos comportamentos, na vida, que não parecem adquiridos pela relacionamento em sociedade, mas, mas propriamente, pela imposição da carga genética.