domingo, 12 de setembro de 2010

Morre o cineasta francês Claude Chabrol

O cineasta francês Claude Chabrol, morto neste domingo, aos 80 anos, em Paris, descreveu com bom humor, através de sua extensa obra, os defeitos da burguesia provinciana francesa. Nascido em 24 de junho de 1930, em Paris, filho de uma família de farmacêuticos, Chabrol passou a adolescência, vivida em plena Segunda Guerra Mundial, em Creuse, de onde só saiu para cursar as faculdades de Letras e Farmácia em Paris. Ainda como crítico de cinema, participou do lançamento da "Nouvelle Vague", escrevendo na revista "Cahiers du Cinéma" (1952-57) junto com François Truffaut e Jacques Rivette. Em pouco tempo, Claude Chabrol se impôs como autor, realizador e produtor de seus filmes. "Nas Garras do Vício" ("Le Beau Serge", 1957), con Jean-Claude Brialy, recebeu o prêmio Jean Vigo e o grande prêmio do Festival de Locarno, em 1958. Já "Os Primos" ("Les Cousins") conquistou em 1959 o Urso de Ouro do Festival de Berlim. Chabrol se divorciou para casar-se novamente com a atriz Stéphane Audran, sua atriz musa, que interpretou papéis marcantes em filmes como "A Mulher Infiel" ("La femme infidèle") e "O Açougueiro" ("Le Boucher"), de 1969, além de "Ao Anoitecer" ("Juste avant la nuit", 1970). Chabrol pintou com crueldade e sem recato o comportamento e os hábitos da burguesia provinciana, com seus escândalos encobertos por uma fachada de respeitabilidade, sem hesitar na hora de forçar as situações até o limite da queda absoluta. Com "Violette Nozière" (1978), célebre envenenadora parricida dos anos 30, o cineasta contribuiu para revelar o talento da atriz francesa Isabelle Huppert, a quem escalou para estrelar cinco outros filmes, entre os quais "Um Assunto de Mulheres" ("Une Affaire de femmes", 1988), "Mulheres Diabólicas" ("La Cérémonie", 1995) e "A Teia de Chocolate" ("Merci pour le chocolat", 2000). Outros filmes mais leves, como "Delegado Lavardin" ("Inspecteur Lavardin", 1986) e "Frango ao vinagrete" ("Poulet au vinaigre", 1985), que contam histórias policiais estreladas pelo ator Jean Poiret, foram grandes sucessos de bilheteria. O conjunto de sua obra, com mais de 80 filmes para o cinema e a televisão, foi coroado com o Prêmio René Clair da Academia Francesa (2005) e o Grande Prêmio 2010 de autores e compositores dramáticos.

Justiça reconsidera decisão que tirava de Aloysio Nunes tempo de propaganda de Quércia

O juiz Mário Devienne reconsiderou neste domingo a decisão que suspendia a utilização do tempo de propaganda eleitoral de Orestes Quércia (PMDB) em favor do candidato tucano à Casa, Aloysio Nunes. Candidato ao Senado na chapa do PT, Netinho de Paula (PCdoB) havia conseguido uma liminar que determinava a suspensão, mas Aloysio recorreu e conseguiu modificar a decisão. Quércia abandonou a campanha pelo Senado para tratar de um câncer. Com isso, o tempo do peemedebista passou a ser usado por Aloysio, que com a saída de Quércia passou a ser o único candidato da chapa tucana. Netinho pedia que o tempo do peemedebista fosse dividido entre todos os candidatos que permanecem na disputa às duas vagas de São Paulo na Casa. "As ponderações agora feitas no pedido de reconsideração da Coligação representada levam a uma melhor reflexão desse dispositivo, conjugando-o com a análise de outros relativos à matéria, para se concluir pela necessidade de se alterar o decidido", diz o juiz na reconsideração. O tempo do peemedebista deu ao tucano 5min30s de propaganda na TV e no rádio, espaço superior ao do candidato do PT ao governo do Estado, Aloizio Mercadante, que é de 4min16s, por exemplo. Para o PSDB, a migração do tempo de Quércia para Aloysio era questão pacífica. Para o partido, há entendimento de que o espaço da propaganda eleitoral pertence à coligação, e não aos candidatos, e que, por isso, poderiam redefinir a utilização do tempo do peemedebista como julgasse melhor.

Néstor Kirchner passa bem após cirurgia e pode deixar hospital nesta segunda-feira

O ex-presidente da Argentina, Néstor Kirchner, de 60 anos, passa bem depois de ter sido submetido a uma angioplastia na noite de sábado e pode deixar nesta segunda-feira a clínica onde está internado. Néstor governou a Argentina de 2003 a 2007 e hoje exerce três cargos simultaneamente. Além de ser secretário-geral da Unasul (União das Nações Sul-Americanas), é deputado federal e dirige o PJ (Partido Justicialista). Conforme boletim médico divulgado ao meio-dia de domingo, o ex-presidente "evolui bem" e os exames pós-operatórios indicaram uma condição "normal" de saúde, o que permitirá alta "em 24 horas". Durante a angioplastia, os médicos implantaram um stent para impedir o fechamento de uma artéria coronária que se encontrava obstruída. Em fevereiro, Néstor já havia sido submetido a um cateterismo após um problema na artéria carótida direita. Néstor é considerado o político mais poderoso do país e tem grande poder de influência no governo de sua mulher. Atualmente ele é um dos principais pré-candidatos à Presidência para as eleições de outubro de 2011.

Entre liberação da Anac e assinatura de contrato com Correios, empresa era representada por atual diretor da estatal

A presidente da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Solange Vieira, contrariou decisão da diretoria da agência e beneficiou a empresa MTA, apontada como contratante dos serviços de consultoria do filho da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra. A renovação da concessão saiu em quatro dias, mesmo com parecer contrário da diretoria da agência. Em 15 de dezembro, a Anac havia negado a renovação em razão da "ausência da comprovação de regularidade previdenciária". Porém, no dia 18, a presidente da Anac concedeu a renovação estendendo o prazo de três para dez anos. O ato da presidente da Anac foi referendado pela diretoria duas semanas depois. Segundo a assessoria da Anac, Solange concedeu a renovação porque a MTA apresentou a papelada exigida pela burocracia do órgão. A renovação por dez anos foi uma mudança de entendimento da diretoria que se estendeu para todas as demais empresas do ramo. Após conseguir a liberação, a MTA fechou neste ano um contrato com os Correios de R$ 19,6 milhões, sem licitação e com privilégios: permite que a companhia aérea leve cargas de terceiros além do material dos Correios nas viagens, tornando mais lucrativo o negócio. Este é o único contrato que permite a carga compartilhada. As demais empresas que atendem aos Correios operam com carga exclusiva. A empresa ganhou neste ano quatro contratos nos Correios no valor de R$ 59,6 milhões, para o transporte de carga aérea. Três foram por pregão eletrônico e somam R$ 40 milhões. O quarto é o de R$ 19,6 milhões. Entre a liberação na Anac e a assinatura do contrato com os Correios a MTA era representada por Artur Rodrigues da Silva, que depois se tornou diretor de Operações dos Correios, em agosto, por indicação da Casa Civil. Segundo a revista "Veja", o consultor Fábio Baracat, ligado à MTA, teria negociado esses contratos com a ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, graças a atuação de seu filho Israel Guerra. A intermediação teria rendido uma propina ao filho da ministra, segundo a "Veja".

Filho de sucessora de Dilma fez lobby usando a Casa Civil onde a mãe é ministra

O diretor de Operações dos Correios, Artur Rodrigues da Silva, e o consultor Fabio Baracat, apontaram no sábado para o jornal Folha de S. Paulo o filho da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, como intermediador de negociações e contratos entre uma empresa privada e o governo federal. Erenice sucedeu a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, de quem era o braço direito na pasta. Reportagem da revista "Veja" desta semana mostra que Israel Guerra e a empresa Capital Assessoria e Consultoria Empresarial, à qual é ligado, fizeram lobby para ajudar a MTA Linhas Aéreas a obter a renovação de uma concessão da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) que permitiu, mais tarde, um contrato em condições privilegiadas com os Correios. A revista diz que foi Erenice quem viabilizou o sucesso da atuação do filho. Segundo a reportagem, o dinheiro pago na intermediação teria sido citado pela ministra como necessário para cumprir "compromissos políticos". Em nota oficial, Erenice classificou a reportagem de "caluniosa", mas o envolvimento de Israel foi confirmado à Folha por dois participantes das negociações com a Anac e os Correios. Rodrigues Silva disse que a Capital foi contratada pela MTA (Master Top Linhas Aéreas) no final do ano para apressar a liberação de seus voos pela Anac. Segundo a Junta Comercial de Brasília, a Capital está registrada em nome de Saulo Guerra, outro filho de Erenice, e de Sônia Castro, mãe de Vinícius Castro, assessor da Casa Civil. A "Veja" afirma que os donos são "laranjas" de Israel e Vinícius. Representante da MTA na época, Baracat diz que era com Israel que os entendimentos eram travados. O filho de Erenice, segundo ele, receberia remuneração se a operação tivesse sucesso. "Durante o período em que atuei na defesa dos interesses comerciais da MTA, conheci Israel Guerra, como profissional que atuava na organização da documentação da empresa para participar de licitações, cuja remuneração previa percentual sobre eventual êxito, o qual repita-se, não era garantido", disse Baracat à Folha. No início do ano, a MTA fechou contrato sem licitação de R$ 19,6 milhões com os Correios para transporte de carga. Baracat disse ter conhecido Erenice, mas negou ter discutido negócios com ela. Segundo a "Veja", eles teriam se encontrado quatro vezes para negociar os interesses da MTA.

Diretor de estatal diz que contrato dos Correios foi emergencial

Diretor de Operação dos Correios, Eduardo Artur Rodrigues Silva, disse que a Capital Consultoria e Assessoria foi contratada pela MTA (Master Top Linhas Aéreas) para "agilizar" a renovação da concessão da empresa na Anac. Na época, ele era gerente da Martel Assessoria e Consultoria Aeronáutica, que entre seus clientes tem a MTA.
Folha - Que tipo de serviço a Capital fez para a MTA?
Eduardo Artur Rodrigues Silva - Em dezembro do ano passado a Anac suspendeu os vôos da empresa porque uma certidão (que comprova pagamento de imposto) estava vencida. Eles da MTA nos informaram então que contrataram uma assessoria em Brasília para agilizar o procedimento na Anac.
Folha - Por que contrataram uma outra consultoria se já tinham contrato com a consultoria do senhor?
Eduardo Artur Rodrigues Silva - Disseram que embora a Martel tenha filial em Brasília, só tem uma funcionária, então contrataram consultoria para ajudar. Antes de mandar para a Anac, por solicitação da MTA, essa consultoria mandou e-mail para que a Tatiana (filha de Silva e diretora da Martel) desse uma olhada no expediente porque ela é especializada em direito aeronáutico.
Folha - Por que era preciso "acelerar" a renovação da concessão da empresa?
Eduardo Artur Rodrigues Silva - A certidão venceu numa semana de pico para o setor e a empresa parou de operar. Como estavam desesperados, eles contrataram uma consultoria em Brasília.
Folha - Após renovar a concessão, a MTA conseguiu um contrato milionário com os Correios sem licitação.
Eduardo Artur Rodrigues Silva - Em dezembro, a TAF Linhas Aéreas, que tinha dois aviões operando para os Correios, teve problema com as aeronaves. Em janeiro, a Total Linhas Aéreas teve dois aviões parados pela Anac e em fevereiro uma outra empresa foi considerada inidônea. Por isso tiveram que fazer contrato de emergência.
Folha - O sr. tratou da MTA com a ministra Erenice Guerra ou com o Israel, filho dela?
Eduardo Artur Rodrigues Silva - Eu vi a doutora Erenice duas vezes na vida. O Israel não sei quem é.
Folha - O sr. era o procurador da MTA. O sr. disse que quem fez esse trabalho na Anac foi a Capital. Qual a relação entre a MTA e a Martel?
Eduardo Artur Rodrigues Silva - Fui procurador da MTA e renunciei em maio. A MTA informou que tinha uma consultoria em Brasília que estava ajudando a renovar o funcionamento jurídico. Para atender o nosso cliente, olhamos o documento que a Capital estava fazendo.

Situação de Cesar Maia e Marco Maciel assusta o DEM

A nova rodada de pesquisas do Datafolha publicada no final de semana trouxe duas notícias preocupantes para o DEM. O ex-prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia, que foi ultrapassado por Lindberg Farias (PT) e corre o risco de não se eleger, é um dos principais líderes nacionais da sigla e pai do atual presidente da sigla, o deputado federal Rodrigo Maia. Em Pernambuco, caso Armando Monteiro (PTB) continue crescendo, o partido pode perder Marco Maciel (DEM), que foi por oito anos vice-presidente no governo Fernando Henrique Cardoso.

Maluf avança para se livrar de todos os seus processos

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) teve o registro de candidatura cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo no dia 23 de agosto deste ano, enquadrado na Lei Ficha Limpa. Ironicamente, o parlamentar pode ser beneficiado com a decisão: inelegível pelos próximos oito anos e sem mandato a partir de 2011, Maluf perderá o direito a foro privilegiado e poderá ver o Supremo Tribunal Federal devolver à primeira instância os processos nos quais figura como réu, por crimes ao sistema financeiro. No entendimento da maioria dos ministros do tribunal eleitoral, a condenação de Maluf por improbidade administrativa, devido à compra de frangos superfaturados quando era prefeito da capital paulista, em 1996, foi suficiente para enquadrá-lo como “ficha suja”. Além da demora burocrática para mudança de instância dos processos, uma condenação em primeira instância permitiria que a defesa entrasse com novos recursos, postergando, novamente, eventuais punições. Para o procurador regional eleitoral Pedro Barbosa, que anteriormente integrou a equipe de acusação a Maluf no Ministério Público de São Paulo, o deputado é “o maior exemplo da tônica da impunidade em crimes de corrupção”. Com a morosidade do judiciário e o protelamento dos julgamentos, Maluf também acaba sendo favorecido com a presunção da inocência e os 79 anos recém-completados, no dia 3 de setembro. De acordo com o Código Penal, o prazo prescricional deve ser reduzido pela metade para réus acima dos 70 anos. Por esse motivo, na última quarta-feira, o ministro Joaquim Barbosa, do Supremo, decidiu extinguir uma ação por superfaturamento de obras, sobre a qual Maluf respondia por crimes de falsidade ideológica e responsabilidade pelos fatos ocorridos em 1996, durante sua gestão na prefeitura. O parlamentar teria criado, junto com os ex-secretários de Finanças Celso Pitta e José Antônio de Freitas, créditos adicionais suplementares no valor de R$ 1,8 bilhão. Estima-se que, na ocasião, a prefeitura teve um déficit de R$ 1,2 bilhão. Na opinião do procurador eleitoral, o foro privilegiado é uma das principais causas da impunidade no Brasil: “Isso é anti-republicano. Sou favorável à extinção dos foros por prerrogativa de função. Além do mais, o juízo de primeira instância costuma ser mais objetivo; o próprio Paulo Maluf foi condenado por improbidade administrativa no caso dos frangos em primeira instância”.

Militares abandonarão prédios na Esplanada dos Ministérios

Exército, Marinha e Aeronáutica terão que abandonar os edifícios que ocupam na Esplanada dos Ministérios. Em uma decisão que demorou mais de 25 anos para ser tomada, o governo decidiu, finalmente, que os comandantes militares devem voltar a comandar as tropas da caserna, e não mais em uma área que originalmente foi criada para abrigar os ministérios. Ainda não há data definida para o início da mudança, mas internamente o Exército já concordou em ser o primeiro a voltar para o quartel.

Kassab pode migrar do DEM para o PMDB

Em flerte com o PMDB, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), espera o resultado das eleições para definir seu destino político. Dependendo da bancada de aliados eleitos em outubro, poderá se filiar ao PMDB para tentar assumir o comando do partido no Estado. Kassab tem defendido a fusão de seu partido com o PSDB. Mas não descarta sair do DEM. Ele trocará de sigla caso o DEM não eleja bancada de ao menos 51 deputados para garantir estrutura na Câmara. Se o DEM atingir esse piso, ele poderá ficar e disputar com Rodrigo Maia (RJ) o controle do partido. O número de aliados eleitos no Congresso também pesará na decisão. Kassab nega e afirma que este não é o momento para a discussão. "Isso é coisa de adversário tentando desestabilizar a campanha. É só falarem para eu aparecer ao lado de Alckmin", reage. Presidente municipal do PMDB e autor do primeiro convite a Kassab, Bebeto Haddad diz que tem conversado com o prefeito sobre a proposta: "Eu, Michel Temer e Quércia concordamos com a filiação de Kassab". Um dos empecilhos é o vice-presidente estadual do PMDB, Jorge Caruso. Em 2008, ele se pôs à disposição para concorrer à Prefeitura de São Paulo. Acordo entre Quércia e Kassab, no entanto, o rifou da disputa. Com o adoecimento de Quércia, Caruso desponta como possível líder no Estado.

Serra assume liderança da oposição e rompe com Lula

José Serra deixou de lado o bom-mocismo que mantinha em relação a Lula e bateu de frente no tutor de Dilma Roussef, mostrando video no qual ele explicitou apoio, quinta a noite, ao governador preso do Amapá. A fala de Lula foi mostrada duas vezes. O tucano também mostrou a reportagem de Veja, atribuindo ao grupo de Dilma todas as malfeitorias praticadas por Erenice Guerra. A primeira parte do programa foi toda ela dedicada ao problema da segurança pública, com ênfase para a omissão do governo "da Dilma" às questões do tráfico de armas e de drogas. Serra disse que vai criar o ministério da Segurança Pública e uma Polícia Federal de Fronteiras. O programa de Dilma Roussef centrou o discurso nas qualidades da mulher, enfatizando que Dilma é mulher, o que todo mundo já sabia. Dilma tem problemas com o eleitorado feminino. No RS, embora ela mantenha diferença de 5 pontos sobre Serra, perde no meio do eleitorado feminino. Veja o programa:

Itália pede ao Brasil que caso do terrorista Battisti seja decidido antes do fim do governo

O chanceler italiano, Franco Frattini, fez neste sábado um pedido ao governo do presidente Lula para que o caso do terrorista Cesare Battisti, atualmente na penitenciária da Papuda, em Brasília, seja decidido antes do término do mandato. "Pediremos às autoridades brasileiras que, antes do fim de seu mandato, o presidente Lula aplique o tratado de extradição em vigor entre Itália e Brasil para o terrorista Cesare Battisti", afirmou Frattini, ao participar de um debate promovido pelo partido PDL (Povo da Liberdade, governista), em Roma. Segundo ele, a aplicação do tratado "seria um ato de respeito ao direito, à Itália, à União Européia e a uma lei que o Brasil deve respeitar". O envio do italiano ao seu país, onde é condenado à prisão perpétua por quatro homicídios cometidos na década de 1970, "não é um apelo à clemência, mas um chamado à aplicação das leis. Por ora, nos limitamos a pedir isso", enfatizou o chefe da diplomacia italiana. Frattini retomou o tema durante a apresentação do livro "Gli amici del terrorista. Chi protegge Cesare Battisti" (2010), de Giuseppe Cruciani. A obra retrata como o caso tornou-se emblemático e fala da "incapacidade da Itália de acertar as contas com o passado". No mesmo evento, o ministro para as Políticas Europeias, Andrea Ronchi, classificou o caso como "um fracasso" para a União Européia. Para ele, Battisti "testemunha a loucura que atingiu a Itália nos anos 70 e 80". Condenado à revelia na Itália, Battisti foi detido no Brasil em 2007 e obteve em 2009 o status de refugiado político, concedido pelo então ministro da Justiça, Tarso Genro, o qual foi anulado pelo Supremo Tribunal Federal, que julgou ilegal a concessão. O Supremo Também se manifestou pela extradição do terrorista, como requer o Estado italiano. Mas, decidiu igualmente que a decisão pertence ao presidente Lula, observado os termos do tratado existente entre Brasil e Itália.

Kirchner foi internado na Argentina

O ex-presidente da Argentina, Néstor Kirchner (2003-2007), foi internado às pressas no sábado, por problemas coronários. À tarde, segundo fontes do partido do governo, o Justicialista (Peronista), ele foi levado ao hospital Los Arcos, no bairro de Palermo, por causa de fortes dores no peito. Kirchner, considerado o verdadeiro poder no governo de sua esposa, a presidente Cristina Kirchner, foi levado no final da tarde à uma clínica no município de Olivos, nas proximidades da residência presidencial, na área norte da Grande Buenos Aires. Mas, segundo fontes governamentais, a gravidade de seu estado fez que seus médicos decidissem pela transferência ao hospital Los Arcos, no bairro de Palermo. No início da noite a presidente Cristina acompanhou seu marido ao hospital. O ex-presidente está no quinto andar do estabelecimento. Em fevereiro Kirchner foi internado às pressas no mesmo hospital, onde passou por uma cirurgia da carótida. Os médicos recomendaram uma redução de sua atividade política, mas o ex-presidente, que além de ocupar o posto de deputado, de presidente do partido Justicialista e secretário-geral da Unasul recusou-se a diminuir seu ritmo de trabalho.

Dilma defende Erenice e diz que oposição procura "bala de prata"

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, comentou neste sábado em São Paulo a reportagem da revista Veja que acusa sua sucessora na Casa Civil, e ex-braço direito no ministério, Erenice Guerra, de ter atuado para viabilizar negócios nos Correios intermediados por uma empresa de consultoria que tem um de seus filhos, Israel Guerra, como sócio. Dilma falou ao chegar ao hospital Sírio Libanês na tarde de sábado, onde foi visitar o vice-presidente José Alencar, internado desde sexta-feira. "Tenho certeza de que a ministra Erenice vai se defender, se é que já não se defendeu'', disse Dilma. Ela afirmou que não tinha "como fazer avaliação sobre uma matéria" que não leu, mas saiu em defesa de Erenice. "Eu não escutei os lados. Agora, até hoje, ela tem a minha confiança", afirmou Dilma. Ela comentou a afirmação feita mais cedo por José Serra, candidato do PSDB, que disse que a Casa Civil virou um "centro de maracutaia" desde que foi comandada por José Dirceu, antecessor de Dilma no cargo. "Meu adversário tem perdido todas as estribeiras, fazendo acusações sistematicamente sem provas, de forma leviana. Periga passar a eleição sendo chamado de caluniador'', afirmou.

Raimundo Colombo vira eleição em Santa Catarina

Pesquisa do Ibope divulgada na sexta-feira aponta uma virada na disputa ao governo de Santa Catarina. O candidato Raimundo Colombo (DEM) aparece pela primeira vez à frente de Ângela Amin (PP) na preferência dos eleitores, com 34% das intenções de voto. Amin tem 27%, e Ideli Salvatti (PT), 15%. A pesquisa anterior, divulgada em 28 de agosto, demonstrou empate técnico entre Amin e Colombo. O percentual de indecisos segue alto no Estado: 15% declaram não saber em quem votar.

Pesquisa mostra que Aécio Neves tem 67% na corrida ao Senado em Minas Gerais

Aécio Neves (PSDB) e Itamar Franco (PPS) lideram a disputa para o Senado Federal em Minas Gerais, segundo pesquisa Datafolha. O tucano tem 67% das intenções de voto, contra 42% de Itamar Franco. Fernando Pimentel (PT), ex-prefeito de Belo Horizonte, aparece em terceiro lugar, com 29%. Marilda Ribeiro (PSOL), Zito Vieira (PC do B) e Rafael Pimenta (PCB) têm 3% das intenções de voto cada. José João da SIlva (PSTU), Miguel Martini (PHS), Betão (PCO), Efraim Moura (PSTU), Mineirinho (PSOL) e Alfredo (PRB) aparecem com 1%. Brancos e nulos somam 13% e não souberam ou não quiseram responder, 35%.

Netinho e Marta Suplicy lideram disputa ao Senado em São Paulo

Netinho de Paula (PCdoB) e Marta Suplicy (PT) lideram a disputa para o Senado em São Paulo, segundo o Datafolha. O vereador saiu de 28% (nos dias 2 e 3) para 36% agora. Ele lidera numericamente a disputa, mas está empatado tecnicamente com Marta Suplicy, que tem 35%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Aloysio Nunes (PSDB) tem 16%; Romeu Tuma (PTB), 21%; Ciro (PTC), 12%; Moacyr Franco (PSL), 9%; Ana Luiza (PSTU), 4%; e Ricardo Young (PV), 3%.

Petista Lindberg Farias sobe 12 pontos e empata com Crivella na disputa ao Senado pelo Rio de Janeiro

O candidato do PT ao Senado no Rio de Janeiro, Lindberg Farias, subiu 12 pontos percentuais nas últimas duas semanas e aparece agora em empate técnico com Marcelo Crivella (PRB), segundo o Datafolha. Crivella, que mantinha uma curva de queda desde julho, voltou a crescer e lidera a corrida com 40%. Ex-prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg soma 36% e ultrapassou Cesar Maia (DEM), que caiu para 29% (tinha 32% na rodada anterior). Jorge Picciani (PMDB), presidente da Assembléia Legislativa, ganhou seis pontos e marca 22%. Lindberg bate Maia, que administrou a capital fluminense, na região metropolitana (38% a 27%). No interior, ocorre o oposto: 33% a 28%. Crivella é o preferido em ambas as regiões.

Hélio Costa tem 39% em Minas e Anastasia, 36%, aponta Datafolha

Pesquisa Datafolha mostra que o candidato do PMDB ao governo de Minas Gerais, Hélio Costa, tem 39% das intenções de voto, contra 36% de Antonio Anastasia (PSDB). Como a margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, os dois estão tecnicamente empatados. Os candidatos Edilson Nascimento (PT do B), Zé Fernando Aparecido (PV), Professor Luiz Carlos (PSOL), Vanessa Portugal (PSTU), e Fabinho (PCB) têm 1% cada. Pepê (PCO) aparece com 0%.

Datafolha aponta que Alckmin lidera corrida para governo de São Paulo com 49%

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, lidera a corrida no Estado com 49%, segundo pesquisa Datafolha. Aloizio Mercadante (PT) aparece em segundo lugar, com 23%. Celso Russomanno (PP) tem 9%; Paulo Skaf (PSB), 3%; Fabio Feldmann (PV), 1%; Paulo Búfalo (PSOL), 1%; Mancha (PSTU), 1%; e Anaí Caproni (PCO), 0%.