domingo, 2 de janeiro de 2011

Sindicância sobre caso Erenice Guerra termina sem punições

A sindicância instalada na Casa Civil dia 16 de setembro passado para apurar o envolvimento de servidores do órgão em tráfico de influência na gestão da ex-ministra Erenice Guerra chegou ao fim sem pedir punições. Dois ex-funcionários da Casa Civil foram investigados: Vinicius Castro e Stevan Knezevic. O esquema de tráfico de influência seria comandado pelo filho de Erenice, Israel Guerra, e contava com a ajuda Knezevic e de Castro. Ambos pediram demissão da Casa Civil em setembro. Castro deixou o governo e Knezevic voltou para seu órgão de origem, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), onde é concursado. Com base no relatório da comissão de sindicância interna, coube ao ministro Carlos Eduardo Esteves (Casa Civil) decidir o que fazer com as conclusões. O prazo da comissão foi prorrogado duas vezes. A última delas para não coincidir com a última semana da campanha presidencial. Esteves deixou o cargo, entregando a Casa Civil a Antonio Palocci, e decidindo por não punir ninguém. A sindicância não investigou Erenice porque não tem poderes para isso. Segundo a Casa Civil, não houve sugestão de punição a Castro porque a investigação não comprovou envolvimento dele com as denúncias. Já a situação de Knezevic será decidida pelo Ministério da Defesa, já que ele é servidor da Anac. Knezevic não depôs na comissão de sindicância. Como funcionário de outro órgão, ele tinha a prerrogativa de se negar a participar. A Casa Civil remeterá ao Ministério da Defesa cópia do relatório final do caso. O relatório também será encaminhado à Comissão de Ética Pública da Presidência. Ainda segundo a Casa Civil, a sindicância propôs a abertura de um processo administrativo disciplinar para apurar convênio firmado em fevereiro de 2005, na gestão do então ministro José Dirceu, envolvendo a empresa Unicel. No auge das denúncias contra Erenice, surgiu a suspeita de que o empresário José Roberto Camargo Campos, marido da ex-ministra e ex-diretor da empresa Unicel, teria a companhia favorecida pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) e pelo Tribunal de Contas da União na obtenção de licença para operar telefonia móvel via rádio. Erenice segue sendo investigada pela Polícia Federal e pela Controladoria-Geral da União.

Gilberto Carvalho assume Secretaria-Geral dizendo que morreria por Lula

Gilberto Carvalho assumiu a Secretaria-Geral da Presidência, neste domingo, homenageando o ex-presidente Lula e os "companheiros de luta que ficaram pelo caminho". Gilberto Carvalho foi chefe-de-gabinete de Lula nos dois mandatos. Em três momentos do discurso de posse, Carvalho chorou: ao falar de Deus, do ex-presidente e dos companheiros. Claro, todos muito parecido. "Eu não queria me esquecer nesse momento de todos aqueles que nos ajudaram ao longo dessa luta, da construção dos movimentos sociais, da construção da resistência democrática, do movimento sindical, do PT, dos partidos de esquerda, lembrar de companheiros que ficaram pelo caminho, dos companheiros que foram humilhados pela sua ideologia, aos companheiros que perderam seus empregos e suas famílias para nos permitir chegar onde estamos. Lembro de companheiros metalúrgicos cujo olhar não podia compreender a demissão que sofreram depois da greve de 1979, em Curitiba", disse ele, chorando. Gilberto Carvalho afirmou ter "gratidão" por Lula e que morreria por ele, se preciso. O novo ministro disse que Lula foi parceiro nos momentos mais difíceis, e contou um episódio ocorrido em 2005, durante a CPI dos Bingos. "O presidente poderia ter se livrado de mim em momentos críticos pelos quais passei. Jamais vou esquecer quando voltei do segundo depoimento na CPI e ele tinha atrasado uma viagem me esperando sentado na minha sala para dizer 'Gilbertinho, vamos tomar uma cachacinha para você esquecer essas coisas'. Isso eu jamais vou esquecer e por esse homem eu poderia morrer", afirmou. Será que poderia matar, também? Gilberto Carvalho disse que foi chamado por Dilma para integrar o Ministério porque ela quer que ele lhe diga verdades: "Ela me disse que precisa de mim ao seu lado para me dizer as verdades, para falar das coisas como elas acontecem e para me trazer a sensibilidade e o sofrimento do povo e dos movimentos sociais". Você tem alguma dúvida de que esse homem é um auxiliar direto de Deus?

Homem do Pronasci gaúcho renuncia antes de assumir e vai para Brasília

Alberto Kopittke, uma reputação do petismo gaúcho em ascensão, que deveria cuidar da implantação do principal programa de segurança pública do governo do peremptório transversal Tarso Genro (o Proesci, versão botocuda do Pronasci), não vai mais fazer isso. Ele assume nesta segunda-feira, em Brasília, o cargo de Secretário Nacional Adjunto de Segurança Pública, ao lado da titular Regina Miki. Nunca foi tão fácil se criar reputações de sucesso como no petismo. Tudo que se sabe é que ele instalou algumas câmeras em Canoas, assim como um discutível programa com sensores para localizar ocorrência de tiroteios. Canoas, cidade administrada pela petista Jairo Jorge, continua tão violenta como sempre.

Aod Cunha também deve participar do governo petista de Dilma Roussef

Nesta semana, ao voltar de Garopaba,onde foi passar as festas de final de ano com a família, o ex-secretário da Fazenda do Rio Grande do Sul, Aod Cunha, decidirá se aceitará ou não o convite para ingressar no governo Dilma Roussef. O convite foi para ser o braço direito do industrial Jorge Gerdau no núcleo de gestão que será criado pela presidente eleita, Dilma Rousseff. Aod Cunha foi o secretário da Fazenda do governo de Yeda Crusius (PSDB) e seu primeiro gesto ao começar o governo foi convidar um integrante da assessoria do PT, Mateus Bandeira, para tomar conta do cofre do Estado. Ou seja, ele desenvolvia amplas afinidades com o petismo. Podia um governo assim resistir aos ataques do petralhismo? Aod é funcionário (auditor de carreira) da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul. Agora será cedido para o governo federal petista. Não é uma maravilha? É a ponte viva do petismo com o tucanismo. E o eleitor deve entender isso como?

Governador peremptório transversal realiza primeira reunião de trabalho no Palácio Piratini

Depois de visitar algumas dependências do Palácio Piratini para definir onde serão instaladas algumas secretarias, o governador peremptório transversal petista do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, teve o primeiro encontro formal com o núcleo de gestão. O peremptório transversal mandou avisar que ele e sua equipe debateram pedágios e a estiagem. O peremptório transversal também manifestou a intenção de convocar a Assembléia Legislativa para uma sessão extraordinária, ainda em janeiro. O objetivo é "melhorar algumas estruturas de cargos e salários". "Primeiro nós queremos trabalhar o teto das estatais para racionalizarmos a estrutura salarial do Estado. Temos que dar exemplo a partir daí. Depois o fortalecimento das coordenações técnicas das secretarias que serão responsáveis por tocar os projetos", ressaltou o peremptório transversal Tarso Genro. Assim sendo, professores públicos gaúchos, que pensaram que o peremptório transversal teria como primeira preocupação a convocação extraordinária da Assembléia Legislativa gaúcha para a aprovação do piso nacional do magistério como básico da remuneração, engaram-se redondamente. Primeiro o peremptório transversal quer cuidar das remunerações do altos burocratas do petismo. Já neesta segunda-feira o chefe da Casa Civil, comissário Carlos Pestana, se reunirá com os partidos que integram a base aliada do governo para debater o assunto do aumento dos salários dos altos burocratas, o comissariado do petismo, ou seja, vai cuidar da "Nomenklatura". Naturalmente, neste domingo, no Palácio Piratini, só petistas se encontraram para trabalhar: o peremptório petista Tarso Genro (a exceção, o vice socialista Beto Grill), o comissário Carlos Pestana, e os secretários Vera Spolidoro (Comunicação e Inclusão Digital), Marcelo Danéris (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social), Estilac Xavier (Secretaria Geral de Governo), Vinícius Wu (chefia de Gabinete), Flávio Koutzii e João Victor Domingues (coordenadores da Assessoria Superior do Governador).

"Porquinho" Cardozo diz que bingos poderão servir para lavagem de dinheiro

Em entrevista coletiva concedida à imprensa neste domingo, após cerimônia de transmissão de cargo, o novo ministro da Justiça, o "porquinho" José Eduardo Cardozo, condenou a legalização dos bingos nos moldes em que a questão está sendo discutida no Congresso. Ex-deputado federal, o "porquinho" Cardozo criticou o projeto de lei que legaliza a atividade no País: "O projeto, como está sendo discutido, é péssimo para a sociedade brasileira e beneficia diretamente os donos de bingos. As salvaguardas para impedir a lavagem de dinheiro não estão bem definidas, de modo que os bingos poderão servir para a lavagem de dinheiro". O "porquinho" Cardozo declarou neste domingo que a prioridade da pasta pelos próximos quatro anos será o combate ao crime organizado e, para isso, será preciso "sufocar" a lavagem de dinheiro. "Espero que a próxima legislatura sepulte de vez essa iniciativa", declarou o "porquinho" de Dilma.

Governo da Itália vai recorrer à Corte de Haia contra refúgio ao terrorista Battisti concedido por Lula

O governo da Itália está disposto a recorrer ao Tribunal de Haia para conseguir a extradição do terrorista Cesare Battisti, após a recusa do governo do Brasil de entregá-lo à Itália, onde foi condenado à revelia por quatro homicídios. As declarações foram dadas pelo ministro das Relações Exteriores italiano, Franco Frattini, em entrevista publicada neste domingo pelo jornal "Corriere della Sera", na qual ele também afirma que a Itália enviou uma carta à nova presidente brasileira, Dilma Rousseff, para que reconsidere a decisão de seu antecessor. Na carta, a Itália pede a Dilma que revise "a decisão de seu antecessor" e considere a "sentença do Supremo Tribunal Federal" que autorizou a extradição de Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália por quatro assassinatos cometidos na década de 1970.

Em transmissão de cargo, "porquinho" Palocci nega papel político da Casa Civil

O deputado federal Antonio Palocci (PT-SP) tomou posse neste domingo como ministro-chefe da Casa Civil no governo da presidente Dilma Rousseff e anunciou uma reestruturação, determinada por Dilma, com o objetivo de tirar funções da pasta e devolvê-la à sua função original de assessorar a presidente. Em discurso de transmissão de cargo, anteriormente ocupado por Carlos Eduardo Esteves Lima, o "porquinho" Palocci confirmou que a coordenação do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e do programa "Minha Casa, Minha Vida" passarão ao Ministério do Planejamento, comandado por Miriam Belchior. O chefe da Casa Civil disse ainda que a Secretaria de Administração da pasta passará à Secretaria-Geral da Presidência, chefiada por Gilberto Carvalho; o Arquivo Nacional retornará ao Ministério da Justiça, do "porquinho" José Eduardo Cardozo; e o Sipam (Sistema de Proteção da Amazônia) será transferido ao Ministério da Defesa, que seguirá sob o comando de Nelson Jobim.

Senador Eliseu Resende, de Minas Gerais, morre em São Paulo

O senador Eliseu Resende (DEM) morreu, aos 71 anos, na noite deste domingo, no Incor, em São Paulo. Ainda não há informações sobre a causa. Eliseu Resende era senador por Minas Gerais desde 2007 e foi ministro dos Transportes durante a ditadura militar e ministro da Fazenda em 1993, durante o governo de Itamar Franco. Nesta segunda-feira, o corpo do senador será velado na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

José Alencar deve retomar quimioterapia nesta semana

O médico Raul Cutait confirmou na manhã deste domingo que o ex-vice-presidente José Alencar retoma nos próximos dias o tratamento de quimioterapia contra o câncer de abdome. Na porta do Hospital Sírio Libanês, após visitar José Alencar, Cutait disse que o quadro de saúde do ex-vice-presidente é estável e que ele voltou a fazer fisioterapia. O médico informou que José Alencar vem se recuperando bem. "Ele não estava bem para viajar, mas está melhor", disse Cutait.

Dilma foi ao Planalto neste domingo para primeiro dia de trabalho como presidente

A presidente Dilma Rousseff chegou por volta de 9h40 neste domingo ao Palácio do Planalto para o primeiro dia de trabalho desde que tomou posse. O primeiro compromisso dela foi uma reunião com o príncipe das Astúrias, Felipe de Bourbon. Ele representou a Espanha durante a cerimônia de posse de Dilma. Dilma reservou o dia para reuniões com autoridades estrangeiras. Depois de se encontrar com o príncipe, a presidente se reuniu com José Mujica, o presidente do Uruguai, e com o primeiro-ministro da Coréia do Sul, Kim Hwang-Sik. Logo depois, a presidente se reuniu com o primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, e com Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina.

Helena Chagas assume Secom prometendo manter liberdade de imprensa

A jornalista Helena Chagas assumiu neste domingo a Secretaria de Comunicação Social, que tem status de ministério, prometendo manter a liberdade de imprensa. Na cerimônia, ela falou que é normal que o relacionamento entre o poder e a imprensa seja tenso, mas prometeu uma relação "honesta, respeitosa e transparente". Segundo ela, existe um "cacoete de alguns setores da imprensa de apontar defeitos na democracia brasileira". Pouco antes de transmitir o cargo, o ex-ministro Franklin Martins insistiu que no governo Lula houve "total liberdade de imprensa". "Escreveu-se o que quis e não se escreveu o que se quis", afirmou. Franklin reconheceu que aconteceram embates, mas disse que, ao final, sua relação com a imprensa foi positiva.

Paulo Maluf ouviu discurso do "porquinho" José Eduardo Cardozo na primeira fila

O deputado Paulo Maluf (PP-SP) ouviu o discurso de posse do "porquinho" José Eduardo Cardozo no Ministério da Justiça na primeira fila. Quando foi vereador em São Paulo, Cardoso presidiu a CPI da Máfia dos Fiscais, durante a gestão Celso Pitta (1997-2000). Padrinho político do então prefeito, Maluf vivia trocando acusações com o novo ministro. Durante a transmissão de posse deste domingo, o "porquinho" Cardozo usou para falar das ações da Polícia Federal a mesma expressão adotada pelo então presidente do Supremo, ministro Gilmar Mendes, em sua crítica à Operação Satiagraha, que em 2008 prendeu o banqueiro Daniel Dantas: "A Polícia Federal tem de ser uma polícia de Estado, não de governo, sem espetacularização de ações". Segundo ele, é preciso manter a linha "republicana" adotada no governo Lula. Então estamos todos bem....

Dilma desfilou no Rolls Royce fechado por causa da chuva

A presidente Dilma Rousseff desfilou em carro fechado, no Rolls-Royce, ao lado de sua filha Paula, a caminho do Congresso Nacional, onde prestou seu juramento como presidente do País. O vice-presidente Michel Temer seguiu em outro carro, atrás, com sua esposa Marcela Temer. A presidente Dilma Rousseff (PT) foi escoltada por 12 batedores em motos da Polícia Rodoviária Federal, 32 do Bope de Brasília, três equipes da Polícia Federal e uma ambulância com equipamentos de UTI. De cada lado do Rolls Royce presidencial, seguiam a pé três agentes da Polícia Federal.

Dilma Rousseff toma posse como presidente no Congresso Nacional

No seu discurso de posse no Congresso Nacional, Dilma Rousseff afirmou que o ex-presidente Lula mudou a forma de governar o País e disse que sua eleição representa a abertura de portas para que outras mulheres também sejam presidentes. Segundo Dilma, Lula "levou o povo brasileiro a confiar ainda mais em si mesmo e no futuro de seu País". Ela prometeu dar continuidade ao que chamou de "maior processo de afirmação que o Brasil já viveu". Dilma também disse que Lula levou o povo brasileiro a fazer "uma travessia para outra margem da história" e que sua missão, a partir de agora, será "ampliar o caminho" nessa outra margem. Nem mais nem menos, ela comparou Lula a Moisés conduzindo os judeus para sua terra prometida, e a ela como uma continuadora da obra de Moiséis. "Reconhecer, acreditar e investir na força do povo foi a maior lição que o presidente Lula deixou para todos nós", completou. E continuou: "Não vou descansar enquanto houver brasileiros sem alimentos na mesa, enquanto houver famílias no desalento das ruas, enquanto houver crianças pobres abandonadas à própria sorte. O congraçamento das famílias se dá no alimento, na paz e na alegria. E este é o sonho que vou perseguir". Ela avaliou, no entanto, que a pobreza não pode ser eliminada de forma isolada e, por isso, pediu o apoio das "instituições públicas e privadas, de todos os partidos, das entidades empresariais e dos trabalhadores, das universidades, da juventude, de toda a imprensa e de das pessoas de bem". No início de seu discurso de posse, a presidente da República, Dilma Vana Rousseff destacou o fato de ser a primeira mulher a ocupar o cargo: "Venho para abrir portas para que muitas outras mulheres, também possam, no futuro, ser presidenta; e para que, no dia de hoje, todas as brasileiras sintam o orgulho e a alegria de ser mulher". Ela também afirmou que a principal prioridade de seu governo será acabar com a pobreza extrema, ao dizer que isso envergonha nosso País e impede "nossa afirmação plena como povo desenvolvido". "A luta mais obstinada do meu governo será pela erradicação da pobreza extrema e a criação de oportunidades para todos", afirmou Dilma. Ela prometeu estender o Prouni para o ensino médio e tornar o SUS (Sistema Único de Saúde) "um dos maiores e melhores sistemas de saúde pública do mundo". Dilma afirmou que pretende fazer com que adolescentes possam estudar em escolas particulares de ensino médio: "Além do aumento do investimento publico vamos estender a vitoriosa experiência do Prouni para o ensino médio profissionalizante, acelerando a oferta de milhares de vagas para que nossos jovens recebam uma formação educacional e profissional de qualidade". Ela afirmou, no entanto, que o ensino de qualidade só existirá no Brasil quando "o professor e a professora forem tratados como as verdadeiras autoridades da educação, com formação continuada, remuneração adequada e sólido compromisso com a educação das crianças e jovens". Sobre o SUS, ela disse que quer consolidá-lo. A presidente defendeu a liberdade de imprensa e afirmou que não tem qualquer "arrependimento, ressentimento ou rancor": "Reafirmo meu compromisso inegociável com a garantia plena das liberdades individuais; da liberdade de culto e de religião; da liberdade de imprensa e de opinião. Reafirmo que prefiro o barulho da imprensa livre ao silêncio das ditaduras. Quem, como eu e tantos outros da minha geração, lutamos contra o arbítrio e a censura, somos naturalmente amantes da mais plena democracia e da defesa intransigente dos direitos humanos, no nosso País e como bandeira sagrada de todos os povos". Dilma adotou em seu primeiro discurso um tom conciliador em relação aos empreendimentos de várias atividades econômicas. Com a agricultura não foi diferente, evitando conflitos entre negócios empresariais e familiares e também do campo com o meio ambiente. "O apoio aos grandes exportadores não é incompatível com o incentivo à agricultura familiar e ao microempreendedor", disse.

Governo petista entrega gestão de Fernando de Noronha a empresa privada

O vencedor da licitação para a exploração de serviços de uso público no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, em Pernambuco, já tem um nome: é a empresa Cataratas do Iguaçu. Nos próximos dois anos ela terá que investir R$ 7,5 milhões na ilha. Para começar, quem resolver visitar o arquipélago a partir de fevereiro de 2011, terá que pagar R$ 60,00 (brasileiros) e R$ 120,00 (estrangeiros). A taxa dá direito ao visitante de permanecer no parque durante 10 dias. Hoje o turista paga R$ 38,24 para cada dia de permanência em Noronha. Não entram nesta conta os moradores, funcionários a serviço e parentes de primeiro grau dos residentes na ilha. Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), consta do processo da licitação de exploração várias benfeitorias. As obras incluem a construção de mirantes e trilhas suspensas, novas escadarias, recuperação de estradas de acesso e a instalação de uma exposição permanente avaliada em R$ 700 mil no Centro de Visitantes. Não é só isso: a empresa vencedora terá ainda que ajudar a controlar a linhaça, uma das principais espécies invasoras de Noronha. Caberá também à Cataratas do Iguaçu o controle da cobrança de ingresso. Espera-se, com isso, que sejam gerados 30 empregos diretos. Ainda conforme o edital, 15% da arrecadação serão repassados ao ICMBio, por meio do orçamento geral da União. Este é o quarto parque nacional do País a ter os serviços de uso público terceirizados, privatizados, pelo governo petista. Os demais são Foz do Iguaçu, no Paraná, e Tijuca e Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro.

Erenice Guerra despontou na posse de Lula no Palácio do Planalto e no coquetel do Itamaraty

Enquanto Dilma Rousseff não chegava ao Palácio do Planalto para a solenidade de passagem do poder, destacou-se entre os convidados na área reservada do Palácio do Planalto a figura da muito proba petista Erenice Guerra, que assumiu o comando da Casa Civil no lugar de Dilma, mas teve que renunciar diante de uma série de denúncias envolvendo seu nome e de seus familiares. De roupa preta e bolsa vermelha, a petista Erenice ficou de pé enquanto atraía as lentes de vários fotógrafos. Por ironia, o empresário gaúcho Jorge Gerdau Johannpeter sentou-se exatamente na cadeira em frente a Erenice. Ele foi convidado por Dilma para formar um núcleo de gestão do governo. A ex-ministra Erenice Guerra também circulou pelos salões do Itamaraty, ministério em que a presidente Dilma Rousseff, depois da posse, recepcionou os convidados da festa. Ela disse que espera voltar a advogar a partir do próximo mês e que não se encontrou com Lula desde que foi demitida do comando da Casa Civil. Erenice não quis dizer se manteve algum contato com Dilma. Toda de preto, com uma saia esvoaçante e uma bolsa vermelha, Erenice ficou na ala destinada a convidados especiais - e não a de ex-ministros de Estados - e foi efusivamente cumprimentada pela nova presidente da República. Acompanhada do marido José Roberto Camargo Campos, Erenice recebeu um longo abraço de Dilma, com direito a beijo, mão na cintura e tapinhas no ombro. Ao fim, depois de tirar foto ao lado da presidente e do marido, Erenice acariciou a faixa presidencial. Assim como os filhos da ex-ministra, o marido José Roberto também é suspeito de tráfico de influência na época em que era diretor de uma empresa de comunicações.

Ex-companheiras de Dilma na luta armada comemoram posse

Antigas companheiras da presidente Dilma Rousseff na luta armada compareceram a sua posse no sábado, em Brasília. Rose Nogueira, de 64 anos, que conheceu Dilma Rousseff no presídio Tiradentes, em São Paulo, chorou, levantou as mãos e disse: "Eu não acredito que nós conseguimos. O dia de hoje é a prova de que nós estávamos certas". Durante a ditadura militar, Dilma Rousseff ficou presa de fevereiro de 1970 até o final de 1972. Em um processo da Justiça Militar, Dilma foi condenada em três Estados (Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo) por subversão. Ela foi uma dirigentes da VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária-Palmares), uma das organizações terroristas da esquerda armada brasileira. A VAR-Palmares pretendia implantar a ditadura do proletariado no Brasil. Lutava contra a ditadura militar, mas não lutava pela democracia no País. O objetivo dela era outro.

Desvalorizados por Chávez, executivos do petróleo venezuelano são disputados no Exterior

A notícia de 2010 no agora dinâmico setor petroleiro da Colômbia foi a entrada, na Bolsa de Valores de Bogotá, da empresa canadense Pacific Rubiales. A novata viu suas ações subirem mais que quaisquer outras: 86%. Na vizinha Venezuela, críticos do governo Hugo Chávez destacam o êxito enquanto assinalam que a estatal local PDVSA admite queda na extração de petróleo e na produção de derivados. É só abrir a página da companhia canadense na internet para entender o entusiasmo dos analistas: 8 de seus 12 principais executivos (do presidente ao vice-presidente de planejamento, passando pelo responsável máximo pelas finanças) foram treinados e ocuparam posições de destaque na PDVSA. O atual presidente da BP no Brasil, Guillermo Quintero, trabalhou na PDVSA até o começo da década de 1990, quando fundou sua empresa de consultoria. Mas os executivos venezuelanos que trabalham na Colômbia são as estrelas do momento de uma diáspora que abarcou 22 mil funcionários da estatal venezuelana, ou metade da massa laboral que a PDVSA tinha em 2003. O contingente deixou a empresa entre 1999, quando Chávez chegou ao poder, e 2003, quando terminou a greve que reduziu a quase zero a produção de petróleo na Venezuela. A paralisação, cujo estopim oficial foi a troca do comando da PDVSA por Chávez, transformou-se em um locaute apoiado por vários setores com o objetivo explícito de desestabilizar o governo. Luis Pacheco, vice-presidente de Planejamento da Pacific Rubiales, que trabalhou 17 anos na PDVSA, reclama do status de ex. "O governo que em má hora nos governa quer nos converter também, como se se tratasse de etiquetas, não só de ex-PDVSA, mas também de ex-venezuelanos", escreveu em seu blog em abril. A Colômbia, cujo setor petrolífero renasceu com a melhora das condições de segurança derivada do enfraquecimento das organizações terroristas e traficantes de cocaína, é o novo destino dos expatriados. Além do caso Pacific Rubiales, há ainda a Alange, que tem como presidente-executivo o ex-presidente da PDVSA, Luis Giusti, símbolo da chamada "abertura petroleira" revertida por Chávez. A Alange, também de capital canadense, anunciou a descoberta de petróleo pesado na Colômbia em dezembro e prevê entrar na Bolsa neste ano.

Jornal e população se unem na Itália para boicotar o turismo no Brasil

O jornal italiano Libero, em um movimento liderado pelo próprio diretor, Maurizio Belpietro, começou uma campanha de protesto no sábado, contra a decisão do ex-presidente Lula de manter o terrorista Cesare Battisti no Brasil. Em um vídeo no site do jornal, em que ironiza a liberdade de imprensa em nosso país, Belpietro diz que a "Itália não é uma república das bananas" e pede que os leitores opinem em ridatecibattisti@libero-news.it e escrevam para a embaixada do Brasil: info@ambrasile.it. Nesta terça-feira, um grupo de jovens protestará em frente à embaixada na capital italiana, e outro grupo vai ao aeroporto internacional Leonardo Da Vinci, em Roma, para pedir um boicote turístico ao Brasil.

Indio cocaleiro Evo Morales sofre retumbante derrota e precisa anular gasolinaço

O ditador boliviano, o indio cocaleiro trotskista Evo Morales, anulou um decreto de aumento dos combustíveis de até 83%, que vigorou durante apenas cinco dias e provocou protestos violentos. Ele sofreu uma retumbante derrota política, a maior dos seus cinco anos de poder. Por volta da meia-noite de sexta-feira, noite de Ano Novo, o indio cocaleiro Evo Morales anunciou a suspensão da norma que seu governo havia aprovado no dia 26 de dezembro, visando eliminar uma subvenção aos combustíveis que a Bolívia mantinha há 12 anos. Ele precisou voltar atrás após protestos violentos que deixaram 15 feridos e muitos detidos em La Paz e na vizinha cidade de El Alto, reduto político do ditador. "Decidimos, nesta conduta de mandar obedecendo ao povo, derrubar o decreto supremo 748 e os outros decretos supremos que acompanham a medida", disse o índio cocaleiro Evo Morales, acompanhado de seus ministros. Segundo ele, "todas as medidas ficam sem efeito, não há justificativa agora para elevar as passagens, nem aumentar o preço dos alimentos, nem da especulação", depois que o gasolinaço provocou uma escalada inflacionária. Como se vê, decreto supremo é uma ova. Basta o povo gritar nas ruas contra a decisão totalitária que o decreto supremo vira papel higiênico na hora.

Dilma assume e encontra nova empresa estatal na área da saúde

No primeiro dia de mandato, a presidente Dilma Rousseff recebeu de herança do antecessor Lula uma nova estatal na área de Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH). Criada para resolver o impasse dos hospitais universitários, que reúnem cerca de 22 mil profissionais terceirizados (prática considerada ilegal pelo Tribunal de Contas da União), a empresa ficará encarregada da execução de assistência, ensino e pesquisa na área da saúde. A criação da estatal (a sexta criada no governo Lula) foi feita por medida provisória (MP) publicada no último dia de governo. Pelo texto, num primeiro momento, profissionais podem ser contratados temporariamente. Em Porto Alegre, a petralhada faz cerrada oposição ao governo de José Fortunatti que quer criar uma fundação de direito público para cuidar do programa de saúde na família. Mas, com relação ao que fazem seus companheiros no governo federal, em Canoas, São Leopoldo e Novo Hamburgo, os petralhas portoalegrenses calam a boca.

Embaixador italiano entregou carta a Dilma na solenidade de posse em protesto pelo caso Batisti

O embaixador da Itália no Brasil entregou às autoridades brasileiras uma carta do chanceler Franco Frattini dirigida à presidente Dilma Rousseff a propósito da negativa de Brasília de extraditar o terrorista Cesare Battisti. O diplomata Gherardo La Francesca participou da cerimônia de posse de Dilma Rousseff, em Brasília, mas regressou a Roma neste domingo, após ser chamado para consultas por Frattini. O chancelaria italiana anunciou na sexta-feira que chamaria La Francesca para consultas e que enviaria uma mensagem à Dilma Rousseff pedindo a revisão da negativa de extraditar o terrotista Battisti, adotada no último dia do governo do falastrão Lula. A Itália protestou firmemente contra a decisão de Lula de não extraditar o terrorista Cesare Battisti, condenado em seu país por quatro assassinatos bárbaros e cruéis.

Morre o professor gaúcho Túlio Paulo Ordovás Santos

Túlio Paulo Ordovás Santos, um dos mais conceituados professores de Matemática do Rio Grande do Sul, na verdade o professor símbolo do ensino da Matemática no Estado,  morreu no sábado, aos 75 anos, vítima de infarto. Mesmo aposentado, ele continuava dando aulas particulares para crianças e adolescentes. Túlio Santos foi um dos fundadores do ontológico Pré-Vestibular Mauá e atuou em outros cursos preparatórios criados em Porto Alegre. Lecionou nos mais famosos colégios particulares da capital gaúcha, como Rosário, Sévigné, Bom Conselho, Parobé, Julio de Castilhos, Colégio Militar e outros. No sábado, ele acompanhava a mulher, Carmen Arenhart Santos, em um clube náutico onde ela costuma nadar diariamente. Túlio Santos, que ficaria sentado olhando a mulher fazer o seu esporte preferido, passou mal dentro do clube e não resistiu. A cerimônia de cremação ocorreu neste domingo. Tulio Santos deu aulas para milhares de pessoas que hoje ocupam posições importantes. Ele era um professor dedicado e desapegado materialmente. Quando o advogado Luis Francisco Correa Barbosa assumiu a prefeitura de Sapucaia do Sul, convidou Túlio Santos para dar aulas a jovens e trabalhadores, em um cursinho gratuito, e ele topou a incumbência. Já não se fazem mais professores como Túlio Santos.

Milionário gaúcho bêbedo atropela moto e mata uma jovem em Punta del Este

O milionário gaúcho Marcelo Tellechea Cairoli, de 30 anos, envolveu-se em um acidente no balneário uruguaio de Punta del Este, na madrugada de sábado, que provocou a morte de uma pessoa e deixou outra gravemente ferida. Pilotando uma caminhonete Mitsubishi Dakar, e tomado por 15,9º de álcool no sangue, ele atropelou um casal que ia de motocicleta, no cruzamento das ruas 18 e 23, em torno das 4h20min. Segundo relatos de jornalista uruguaios, a moto foi arrastada por cinco quadras pela caminhonete do milionário gaúcho Marcelo Tellechea Cairoli. Com o atrito no asfalto e o impacto, a moto e a camionete se incendiaram. No desastre, morreu Jennifer Mariño Osano, de 18 anos, e foi hospitalizado em estado grave o condutor da moto, Rodolfo Damián Sosa Presa, de 20 anos. O casal é uruguaio e mora no Departamento de Maldonado, em que se localiza Punta del Este. Conforme o chefe de imprensa da Chefatura de Polícia de Maldonado, Raúl Eula, o milionário gaúcho Marcelo Tellechea Cairoli está preso na Seccional 10ª de Punta del Este da Polícia Nacional. Leia a matéria do jornal El Pais: "Nacional - Seis muertos en accidentes de tránsito - Tragedias. Turista brasileño alcoholizado mató a una joven; niño falleció en Montevideo - Seis personas perdieron la vida en las últimas 48 horas en accidentes ocurridos en Maldonado, Canelones, Treinta y Tres y Montevideo. En la península, un brasileño alcoholizado colisionó con una moto y la arrastró cinco cuadras, matando a una joven. A las 4:30 horas de ayer, M.T., un turista brasileño de 30 años residente en la ciudad de Mandel Viana del estado de Río Grande del Sur, conducía su Mitsubishi Dakar último modelo por las calles de Punta del Este. Al llegar a la intersección de las calles 17 y 27, embistió a una moto que era conducida por Rodolfo Damián Sosa Presa, de 20 años, quien llevaba como acompañante a Jennifer Mariño Osano (18). Según fuentes de la Policía de Maldonado, el conductor brasileño habría intentado escapar y arrastró la moto Winner hasta las calles 20 y 23. Sosa Presa resultó politraumatizado grave y fue internado en el Sanatorio Mautone. En tanto, la joven Mariño Osano falleció en dicho nosocomio. El parte policial de la Jefatura de Maldonado señala que se le practicó una espirometría al turista brasileño y esta arrojó resultados positivos: 15.9 decigramos de alcohol por litro de sangre. Es decir, había consumido cinco veces más alcohol que lo permitido por la normativa vigente. La Policía informó que ambos vehículos tomaron fuego. Tras el accidente, la jueza Letrada de Feria, Adriana Graziuso, dispuso la detención del turista brasileño y su conducción a la 15 horas de ayer. Su acompañante también fue detenido".

Lula discursa em São Bernardo e diz que não vai deixar a política

Em suas primeiras horas fora da Presidência, Lula subiu em um palanque montado à frente de seu edifício em São Bernardo do Campo. Ele estava acompanhado de José Sarney, presidente do Senado, da mulher, a italiana Marisa Letícia, e do prefeito da cidade, o petista Luiz Marinho. Lula foi recepcionado com uma queima de fogos e ao som do "Tema da Vitória", por volta das 22h45. "Eu volto para casa de cabeça erguida e com a sensação do dever cumprido", disse Lula. O ex-presidente afirmou ainda que teve o desafio de provar que um metalúrgico poderia ser um presidente da República e que conseguiu isso. Não havia mais de duas mil pessoas na recepção a ele.

Rafael Correa anuncia construção de super rodovias em várias regiões do Equador

O presidente equatoriano, o filofascista Rafael Correa, anunciou no sábado que empreenderá a construção de "super rodovias" em várias regiões do país para dinamizar o tráfego de carros e caminhões. Em seu habitual relatório de sábado, Correa revelou que o governo investirá US$ 5 bilhões nos 1.300 quilômetros de "super rodovias", que vão ligar várias das principais cidades e regiões produtoras do país. Correa prevê concluir o projeto em 2014, e mencionou a ampliação da estrada internacional Panamericana, de 450 quilômetros de comprimento, que cruza do sul ao norte pelos Andes do país. Ele revelou que o objetivo é ampliar várias estradas existentes nas novas vias, o que economizará tempo e dinheiro no transporte de pessoas e mercadorias pelo país.

Ditador Hugo Chávez cancela reunião com Dilma que estava marcada para este domingo

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, cancelou a reunião bilateral que teria com a presidente Dilma Rousseff neste domingo, às 9 horas, que seria a primeira agenda de trabalho de Dilma depois da posse. O Itamaraty não deu explicações para o cancelamento do encontro de domingo. O Ministério de Relações Exteriores apenas confirmou que Chávez havia embarcado de volta para seu país no sábado à noite. O presidente venezuelano não compareceu ao coquetel de posse de Dilma no Itamaraty.

Sakineh é liberada temporariamente

Uma mulher iraniana condenada à morte por apedrejamento foi autorizada a deixar a prisão para jantar com a filha e o filho neste sábado. A sentença de apedrejamento a Sakineh Mohammadi Ashtiani foi suspensa após pressão internacional, mas ela ainda pode ser executada por enforcamento. Ela jantou com os filhos no mesmo lugar onde foi realizada a entrevista coletiva de seu filho, o qual a acusou de culpa no assassinato do pai.

Egito acusa terroristas estrangeiros por ataque que matou 21 cristãos

A explosão que matou ao menos 21 pessoas em frente a uma igreja cristã em Alexandria, no norte do Egito, após uma missa para celebrar o Ano-Novo, é obra de "mãos estrangeiras", denunciou no sábado o presidente egípcio, Hosni Mubarak. Ele prometeu vencer o "terrorismo cego". "Todo o Egito é alvo, o terrorismo cego não faz diferença entre coptas (cristãos egípcios) e muçulmanos", disse Mubarak, acrescentando que "vamos cortar a cabeça da víbora, enfrentar o terrorismo e vencê-lo". O governador de Alexandria, Adel Labib, acusou a rede terrorista Al Qaeda de planejar a ação. Trata-se de um dos atentados mais sangrentos ocorridos no Egito nos últimos anos, sendo o mais grave contra a comunidade cristã do país, que representa 10% da população. O atentado de sábado foi perpetrado contra a Igreja dos Santos, no bairro de Sidi Bishr, a 0h15 do horário local, quando havia cerca de mil fiéis dentro do local religioso. Restos mortais das vítimas ficaram espalhados pela rua onde aconteceu o atentado, que danificou edifícios próximos, como uma mesquita situada em frente ao templo cristão. Nas últimas semanas, organizações terroristas iraquianas vinculadas à Al Qaeda perpetraram vários ataques contra cristãos do país, em protesto pelo desaparecimento de duas mulheres egípcias que eram cristãs e se converteram ao islã.

Agnelo Queiroz decreta situação de emergência na saúde do Distrito Federal

Para ter mais recursos e driblar a burocracia para aplicar verbas, o novo governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), decretou situação de emergência na saúde pública ainda na tarde de sábado, logo após sua posse. Agnelo também assinou outros quatro decretos, ente eles o que exonera os mais de 15 mil ocupantes de cargos comissionados (sem concurso) e o dá prazo de mais cinco dias úteis para conclusão das concorrências públicas iniciadas no governo tampão de Rogério Rosso (PMDB). O recém-empossado secretário de Saúde do Distrito Federal, Rafael Barbosa, anunciou que, com a situação de emergência, haverá mais recursos materiais e humanos à disposição da Secretaria de Saúde. Também será possível assinar contratos emergenciais e repor recursos orçamentários com mais facilidade. O Governo do Distrito Federal vai poder ainda comprar medicamentos e equipamentos sem licitação. Agnelo também decidiu demitir da máquina pública pessoas ligadas às administrações anteriores. Por isso, demitiu 95% dos 18,5 mil servidores comissionados e prometeu reduzir à metade o número de ocupantes em cargos de confiança. É preciso fiscalizar de cima essa primeira atitude do governo petista de Brasília. Essa história de dispensa de licitação para compra de remédio nunca dá em boa coisa, sempre acontece bandalheira no meio do negócio, comissões para cá e para lá.

Serra afirma que pretende ganhar a vida com palestras e aulas

Em sua primeira entrevista à imprensa após a derrota para Dilma Rousseff, o ex-governador José Serra (PSDB-SP) evitou temas políticos e disse que pretende "ganhar a vida" com aulas e palestras em 2011. Serra, que perdeu as eleições presidenciais no segundo turno, em 31 de outubro, afirmou ainda que não tem planos de abandonar a política. O tucano estava na cerimônia de posse do governador Geraldo Alckmin. Descrito pelo governador como "uma grande liderança nacional", foi aplaudido de pé. "Eu não tenho renda. Vou dar palestras, aulas, escrever, que é o que eu sei fazer", afirmou. Questionado sobre a refundação do PSDB, pregada pelo senador eleito Aécio Neves, Serra disse que "isso é assunto para outra hora".

Polícia estima em 30 mil público na posse de Dilma

Cerca de 30 mil pessoas estiveram na Esplanada dos Ministérios para acompanhar a posse da presidente eleita Dilma Rousseff, conforme estimativa otimista feita Polícia Militar do Distrito Federal, que fechou o cálculo às 13h45 de sábado. Na posse de Lula em 2003, foram 71 mil na hora do discurso no parlatório. Em 2006, na segunda posse do petista, foram 12 mil. Militantes com bandeiras, fantasias, camisetas e botons tomaram os lugares ao longo do gradeado, para garantir proximidade do cortejo de Dilma.

Morre na China o escritor Shi Tiesheng, expoente da "Geração Perdida"

O escritor chinês Shi Tiesheng, um dos mais famosos intelectuais da chamada "Geração Perdida" (aqueles que viveram a Revolução Cultural durante sua juventude), morreu aos 59 anos após uma hemorragia cerebral. Shi, que sofria de problemas renais, entrou em coma durante uma sessão de hemodiálise e acabou falecendo na manhã de sexta-feira, cinco dias antes de completar 60 anos, relatou o secretário-geral da Associação de Escritores de Pequim, Wang Shengshan. OShi Tiesheng, que nasceu em Pequim, em 1951, era conhecido no país principalmente pela obra "O Templo da Terra e Eu", considerada um dos melhores ensaios em língua chinesa do século XX. Shi escreveu ainda o romance "Vida em uma Corda". Com 18 anos, o escritor foi um dos estudantes chineses enviados ao campo para trabalhar durante a Revolução Cultural, e acabou ficando paralítico após um acidente de trabalho. Na China, se chama "Geração Perdida" todos os jovens, especialmente os que viviam em cidades, que sofreram a paralisação da educação e da cultura durante a Revolução Cultural, realizada por Mao Tsé-tung entre 1966 e 1976. Essa foi uma das maiores violências e boçalidades praticadas pelo comunismo internacional e pelos seus dirigentes. Mas, de Mao Tsé-tung, velho criminoso, que vivia cercado de meninas recrutadas em todo o país, podia se esperar de tudo.

Ex-governador do Tocantins não entrega faixa e abandona a cerimônia

A cerimônia de posse do governador Siqueira Campos (PSDB), no Tocantins, foi marcada por uma desavença entre o tucano e o ex-governador Carlos Gaguim (PMDB), de quem foi adversário nas eleições deste ano. Gaguim deixou de transmitir a faixa de governador ao sucessor e a largou com um cinegrafista de uma TV local, abandonando a cerimônia. Segundo a assessoria de Siqueira Campos, o ex-governador não cumpriu o combinado e se recusou a entregar a faixa no parlatório em frente ao Palácio do Governo, onde Campos o aguardava. Já Gaguim afirmou que foi orientado a permanecer em frente à porta do palácio e não subir ao parlatório. O ex-governador disse ainda que ficou quase duas horas esperando por nova orientação do cerimonial, mas cansou de esperar e deixou a faixa com um cinegrafista, saindo da cerimônia para embarcar para Brasília e acompanhar a posse de Dilma Rousseff. Na falta da faixa oficial, Siqueira Campos vestiu uma faixa entregue por alunos de um programa de contraturno escolar mantido pelo governo do Estado. A Folha ligou para o celular de Gaguim, mas a ligação caiu na caixa postal. Siqueira Campos foi eleito governador no primeiro turno, com uma votação apertada: teve 50,52% dos votos válidos, contra 49,48% de Gaguim. O Interior do Brasil tem atitudes de autêntico faroeste.

Filho de Sakineh considera mãe culpada, mas pede que não seja executada

O filho de Sakineh Mohammad Ashtiani, Sajjad Ghaderzadeh, afirmou no sábado que considera a mãe, condenada à morte por apedrejamento, e seu cúmplice Issa Taheri, responsáveis pela morte de seu pai. Mesmo com essa afirmação, o filho pediu que a mãe não seja executada. Ele fez o pedido durante encontro com a imprensa organizado pela justiça em Tabriz. "Considero minha mãe e Issa Taheri assassinos de meu pai e ambos são culpados. Acreditei que ela seria libertada se houvesse uma polêmica em relação ao assunto, mas isto não aconteceu", declarou Sajjad Ghaderzadeh, filho de Sakineh. Presa em Tabriz, Sakineh Mohamadi-Ashtiani foi condenada à morte em 2006 por envolvimento no assassinato do marido e, ao apedrejamento, por adultério. A primeira condenação foi comutada em dez anos de prisão, na apelação, em 2007, mas a segunda foi confirmada no mesmo ano, por um outro tribunal. A justiça havia suspendido em julho passado a pena de apedrejamento, esperando um novo exame do dossiê. Ela foi considerada culpada de ter matado o marido com a ajuda do amante Issa Taheri. Sajjad Ghaderzadeh foi preso em 10 de outubro, junto com o advogado de sua mãe, Hutan Kian, quando planejavam reunir-se com jornalistas alemães. Ghaderzadeh foi colocado em liberdade após pagar fiança em 12 de dezembro.

Agnelo Queiroz toma posse como governador e promete limpar Distrito Federal

O governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT) tomou posse na Câmara Legislativa da capital federal na manhã de e como primeiro ato determinou o início da lavagem, limpeza e poda das árvores de toda a cidade. Agnelo chorou mais de uma vez durante o discurso feito de improviso aos deputados distritais e convidados no qual agradeceu até mesmo aos eleitores que votaram nos adversários dele durante a eleição. Ao assumir o Distrito Federal, Agnelo Queiroz e o PT voltam a assumir o discurso "limpeza ética", em face do Mensalão do governo anterior. Entretanto, será difícil eles se descolarem do Mensalão do PT, que está sendo julgado no Supremo Tribunal Federal.

Michel Temer irá reformar Palácio do Jaburu antes de mudança

O vice-presidente Michel Temer não deve se mudar logo para o Palácio do Jaburu, residência oficial. O imóvel passará por uma reforma antes de abrigá-lo. Michel e a mulher, Marcela (já apelidade de a musa de Brasília) , e mais o filho, Michelzinho, devem se instalar em um apartamento funcional da Câmara dos Deputados nos primeiros meses do governo.

Peremptório Tarso Genro toma posse do governo gaúcho e diz se inspirar em Mandela

O ex-ministro da Justiça, o peremptório transversal Tarso Genro (PT), foi empossado governador do Rio Grande do Sul na manhã de sábado, na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. Após a posse, Tarso Genro foi para o Palácio do Piratini, sede do governo gaúcho, para a solenidade de transmissão de cargo com a então governadora Yeda Crusius (PSDB).  No discurso, Tarso Genro disse que uma das suas inspirações para governar é o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela. Não deu para entender qual o motivo pelo qual ele se quer se espelhar na figura de Mandela. Ele também citou o jurista gaúcho Raymundo Faoro, crítico do patrimonialismo das elites, e o escritor gaúcho Érico Veríssimo, que, segundo Tarso Genro, peremptporiamente abriu os olhos de todos para a identidade do Rio Grande do Sul. Está faltando a ele ler um pouco mais de literatura gaúcha. Que tal um pouquinho de Simões Lopes Neto? Já a ex-governadora Yeda Crusius fez um discurso burocrático e foi o exemplo de atitude que explica a razão de ter perdido as eleições.

Após atentado no Egito, papa Bento 16 pede proteção aos cristãos

O papa Bento 16 pediu no sábado aos dirigentes de todo o mundo que defendam os cristãos contra os abusos e as intolerâncias religiosas, depois do atentado contra uma igreja copta em Alexandria, no Egito, que deixou 21 mortos. "Ante as tensões ameaçadoras do momento, ante os abusos e a intolerância religiosa, que golpeiam hoje os cristãos, em particular, uma vez mais convido a não ceder ao desalento e à resignação", disse o papa durante a missa celebrada na Basílica de São Pedro. "É necessário um compromisso concreto e constante dos chefes das nações", acrescentou Bento 16 durante a celebração. "A humanidade não pode se mostrar resignada ante a força negativa do egoísmo e da violência, não deve se acostumar aos conflitos que causam vítimas e põem em risco o futuro dos povos", declarou o papa na homilia A explosão, que ocorreu após uma missa para celebrar o Ano Novo, foi provavelmente um atentado suicida de terrorista islâmico que se misturou aos fiéis. A igreja copta representa uma das crenças orientais mais antigas do mundo, sendo governada pelo atual líder, o papa Shenouda 3º, ao lado de seu sínodo. Os cristãos são cerca de 10% dos cerca de 79 milhões de habitantes do país, de maioria muçulmana.

Oposição controlará mais da metade do eleitorado e fará contraponto a Dilma

Os governadores de oposição que tomaram posse no sábado vão comandar a maior parte do eleitorado brasileiro e deveriam ser um contraponto à gestão federal petista. Juntos, os dois maiores partidos da oposição, PSDB e DEM, controlarão dez Estados e 52,5% dos eleitores. O governador reeleito de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), também apoiou José Serra (PSDB) na campanha, contrariando orientação do seu partido. O PSDB elegeu oito governadores e será o partido com o maior número de Estados sob seu comando, entre eles os maiores colégios eleitorais do País, São Paulo e Minas Gerais. Mas, não se deve esperar nada daí. Governadores que apoiaram Dilma Rousseff (PT) na eleição venceram em 16 Estados, que representam 46,2% do eleitorado nacional. O PT manteve o número de Estados governados, cinco. Não conseguiu reeleger Ana Júlia Carepa (PA), mas conservou sob seu comando a Bahia e conquistou importantes vitórias no Distrito Federal e no Rio Grande do Sul. O PSB dobrou o número de governadores (de 3 para 6) e é agora o segundo maior partido entre os Estados. Conseguiu também as duas maiores vitórias em percentual de votos, em Pernambuco e no Espírito Santo. Os governadores tucanos já anunciaram que não farão oposição ao Executivo federal, deixando a tarefa para os congressistas. Ou seja, em quatro anos vão querer se apresentar como candidatura de oposição, e vão levar outra surra. A disposição em manter uma boa relação se deve à necessidade de fazer parcerias e convênios com o governo federal. Uma demonstração disso é a presença da maioria dos tucanos na posse de Dilma.

Governo Lula prorrogou até 2035 encargo na conta de luz

O governo Lula prorrogou por mais 25 anos a RGR (Reserva Geral de Reversão), encargo cobrado na conta de energia elétrica que deveria ter acabado na sexta-feira. Caso o tributo fosse extinto, poderia haver uma queda de 2,7% nas tarifas de luz, segundo cálculo da Abrace (Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres). A extensão da cobrança foi inserida de "contrabando" na Medida Provisória 517, publicada no Diário Oficial da União de sexta-feira. A Medida Provisória trata também do pacote de crédito e do cadastro positivo. A RGR serve atualmente para bancar o programa de universalização elétrica do governo, o Luz para Todos, que beneficiará cerca de 13 milhões de pessoas quando concluído. A Eletrobras, gestora da conta, possuía em caixa R$ 7,9 bilhões referentes ao encargo no dia 30 de setembro, data de publicação de seu mais recente balanço contábil. Há ainda uma quantidade significativa dos recursos da reserva nas mãos de empresas do setor, sob a forma de financiamentos. Apenas em 2009 a Eletrobras recolheu R$ 1,5 bilhão de RGR dos consumidores e recebeu outro R$ 1,3 bilhão em pagamento de empréstimos e aplicações financeiras. Criada em 1957 para arrecadar recursos destinados à compra pela União de ativos de geração, transmissão ou distribuição em eventuais casos de fim da concessão pelas empresa, a RGR nunca foi utilizada para esse fim. Do total da RGR hoje, 40% são aplicados no financiamento de projetos de transmissão; 35%, no programa Luz para Todos; 18%, no financiamento à geração; 4%, em distribuição; e 3%, em programas de conservação de energia. O ex-ministro de Minas e Energia, Marcio Zimmermann, afirmou na sexta-feira que é importante e necessária a prorrogação do tributo até 2035 porque o fundo ajuda a levar luz a todos os cidadãos.

Sérgio Cabral cola em Lula e traça estratégia para ser vice em 2014

O governador Sérgio Cabral Filho (PMDB), 48 anos, inicia seu segundo mandato disposto a fixar a imagem de responsável por um "choque de gestão" no Estado do Rio de Janeiro. A estratégia é para, no mínimo, ser candidato a vice na disputa presidencial de 2014. Em seu cenário ideal, o cabeça de chapa seria Lula, já que sabe que somente ele poderia bancá-lo como candidato a vice frente às diversas correntes peemedebistas. Na escolha do vice de Dilma Rousseff, por exemplo, o PMDB impôs o nome de Michel Temer à então candidata petista. Sérgio Cabral avalia que dificilmente conseguiria que o partido viesse a aceitar indicá-lo como vice em 2014, a menos que Lula o exigisse. O peemedebista credita boa parte do sucesso de sua gestão à parceria com Brasília, em contraste com o enfrentamento constante entre Lula e o casal Garotinho. A proximidade de Lula com o ex-tucano se reflete em números. Entre 2003 e 2006, na gestão Rosinha Garotinho, o petista esteve no Rio de Janeiro em 37 oportunidades. Nos últimos quatro anos de governo Cabral, foram 67 visitas. As transferências da União para o Estado do Rio saíram de R$ 4,5 bilhões em 2004 e atingiram um pico de R$ 9,7 bilhões em 2008. Neste ano, o volume caiu para R$ 8,3 bilhões, cifra suficiente para manter o Rio de Janeiro como o Estado mais beneficiado.

Alckmin assume governo de São Paulo de olho em projeto eleitoral

O tucano Geraldo Alckmin assumiu o governo de São Paulo neste sábado, dia 1º de janeiro e montou um governo desenhado sob medida para seu projeto eleitoral, seja a busca da reeleição ou da Presidência da República. Além da tentativa de ampliação do arco de alianças, com inclusão do PSB e reserva de espaço para o PMDB, a montagem de seu secretariado mostra um esforço de asfixia de um potencial adversário do tucanato em 2014: o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM). "Temos que levar o governo mais para a esquerda", justificou Alckmin nos últimos dias a interlocutores. Isso é uma tremanda bobagem, e total submissão às premissas petistas, mas o pessoal do PSDB é incapaz de perceber tal coisa. "Nossa base está muito fragmentada", acrescentou. Não é só. Ao atrair o chamado bloquinho e manter o PMDB na sua esfera, Alckmin tenta debilitar uma eventual candidatura de Kassab ao governo do Estado. Prestes a se filiar ao PMDB, Kassab tenta se viabilizar como alternativa à polarização entre PT e PSDB no Estado. Também para neutralizar Kassab, o tucano adensa os laços com o vice Guilherme Afif, o único do DEM contemplado com uma vaga no seu secretariado. Uma das apostas para disputa pela Prefeitura de São Paulo em 2012, Afif tem sido tentado se filiar ao PSDB (e não ao PMDB), caso Kassab migre mesmo para a base do governo Dilma. A montagem da equipe também reflete a disposição de Alckmin de influir na disputa pela Prefeitura de São Paulo. Derrotado por Kassab na eleição municipal de 2008, Alckmin prestigiou três possíveis candidatos: além de Afif, os tucanos Bruno Covas e José Anibal. Também interessado em concorrer à prefeitura pelo PSDB, Walter Feldman está no governo Kassab. Para ampliar o eleitorado do PSDB entre os mais pobres, Alckmin planeja turbinar os programas de distribuição de renda, unificando ações hoje dispersas. Já a aproximação com o PSB teve a participação ativa do deputado recém-eleito Gabriel Chalita (PSB). Um dos conselheiros de Alckmin, Chalita participou, segundo tucanos, da indicação até da Secretaria da Justiça. Sem descartar uma candidatura para a Presidência, Alckmin equilibra-se, dentro do PSDB, na disputa entre aecistas e serristas.

Lula nega extradição de Battisti e governo critica Itália

O Palácio do Planalto anunciou na manhã de sexta-feira, por meio de nota, que o ex-presidente Lula decidiu negar a extradição do terrorista italiano Cesare Battisti, preso no Brasil há quatro anos. A nota diz que Lula seguiu parecer da Advocacia Geral da União dizendo que a decisão segue todas as cláusulas do tratado de extradição firmado entre Brasil e Itália. "Conforme se depreende do próprio tratado, esse tipo de juízo não constitui afronta de um Estado ao outro", diz o documento. A argumentação jurídica utilizada pelo governo Lula para manter o terrorista Battisti no País está presente no tratado de extradição, de sete páginas, firmado entre Brasil e Itália no final dos anos 80. Por ele, concede-se o refúgio quando "a parte requerida tiver razões ponderáveis para supor que a pessoa reclamada será submetida a atos de perseguição e discriminação por motivo de raça, religião, sexo, nacionalidade, língua, opinião política, condição social ou pessoal, ou que sua situação possa ser agravada por um dos elementos antes mencionados". O argumento é semelhante ao usado pelo então ministro da Justiça, Tarso Genro, em janeiro de 2009, quando o governo brasileiro concedeu o refúgio. O ato foi questionado e revertido no final daquele mesmo ano pelo Supremo Tribunal Federal. A Itália vai recorrer da decisão, conforme o advogado Nabor Bulhões, que representa o governo italiano. O Supremo também vai rever a decisão divulgada pelo presidente Lula, conforme já adiantou o presidente da Corte, Cezar Peluso.

Lula dá asilo político ao assassino italiano Cesare Batistti no último dia de governo

Lula e o PT escolheram a dedo o dia para anunciar o abrigo ao assassino e terrorista italiano Cesare Battisti. O dia 31 de dezembro não foi só o último dia do ano, como em 2010 a data significou a véspera da troca de presidente no Brasil. Assim, a data remetia as atenções da mídia para a cobertura do dia seguinte. Foi outra esperteza política típica de Lula e do PT. O novo govenador petista gaúcho, o peremptório Tarso Genro, está por trás da decisão, porque na qualidade de ministro da Justiça, foi ele quem primeiro protegeu o delinquente italiano, concedendo-lhe o status de refugiado. Aliás, concedeu esse refúgio depois de o Conare (Conselho Nacional de Refugiados) ter negado o pedido. E esse refúgio foi considerado ilegal pelo Supremo Tribunal Federal e anulado. Este Tarso Genro não agiu de maneira similar no caso dos boxeadores cubanos. No caso do terrorista italiano, tratava-se um bandido vulgar, condenado por um país com uma larga vivência do Estado Democrático de Direito. No caso dos boxeadores cubanos, tratava-se de gente oprimida por um Estado totalitário, que tentava uma vida em liberdade. Pois o peremptório transversal Tarso Genro os capturou e enfiou em um jatinho da PDVSA, rapidamente providenciado pelo ditador Hugo Chavez, para embarcá-los de volta para a opressão na ilha dos famigerados irmãos ditadores Castro. O assassino italiano Cesare Battisti poderá permanecer no Brasil. Ele está preso há quatro anos em Brasília, mas desde sexta-feira é considerado asilado político, por decisão do ex-presidente Lula. O ato de Lula contraria acordos internacionais dos quais o Brasil é signatário, inclusive com a Itália. Ele está condenado à prisão perpétua em Roma, como autor de quatro assassinatos, e deve ser entregue para cumprir a pena. Alberto Torregoni, filho do joalheiro Torregoni, assassinado por Battisti, na sexta-feira, em Roma, classificou de "vergonhoso" o ato de Lula. O ato de Lula, baseado em parecer da Advocacia Geral da União,  voltará ao exame do Supremo Tribunal Federal, que não libertará o terrorista italiano até que o caso passe novamente pela Corte.