sábado, 30 de abril de 2011

Senador tucano ironiza presidente do PSDB no Twitter

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) ironizou neste sábado críticas do presidente do seu partido, deputado federal Sérgio Guerra, ao PSD, sigla criada pelo prefeito Gilberto Kassab. Em seu Twitter, o senador diz: "O presidente do PSDB emerge de um longo mutismo com disposição de combate. Contra o PT? Não. Contra um aliado: Gilberto Kassab". Em seguida, completa: "E isso no dia em que PT estende tapete vermelho para Delúbio Soares". Em nota divulgada na sexta-feira, o presidente do PSDB diz que há uma "ética discutível" na "formação de partidos que reúnem adesismo, conveniências em torno de projetos pessoais e mudança de lado". Pouco depois da manifestação do senador, Sérgio Guerra divulgou uma outra nota, desta vez sobre a reintegração de Delúbio ao PT. "Nos próximos dias vamos discutir ponto a ponto a resolução política divulgada pelo diretório do PT. É saudável e útil que partidos políticos discutam temas nacionais", afirma. "O que espanta é que tantos compromissos e tantas idéias como as divulgadas hoje não são capazes de desmontar o óbvio: o movimento para recuperar Delúbio Soares enquanto o Supremo Tribunal Federal examina processo em que são identificados diversos crimes, inclusive o de formação de quadrilha", completa.

Escritor argentino Ernesto Sábato morre aos 99 anos

Ernesto Sabato
O escritor argentino Ernesto Sábato morreu neste sábado, aos 99 anos, em sua casa, nos arredores de Buenos Aires. Sábato, um dos maiores nomes da literatura argentina, estava há vários anos praticamente cego e se mantinha recluso em sua residência na cidade de Santos Lugares. Nos últimos dias uma bronquite complicou seu estado de saúde, afirmou sua companheira, Elvira González Fraga. O escritor, que nasceu na cidade de Rojas, em 24 de junho de 1911, obteve o título de doutor em Física em 1938, pela Universidade Nacional de La Plata, mas deixou a carreira científica nos anos 40 para se voltar à literatura com a publicação da compilação de ensaios "Alguém e o Universo". O reconhecimento internacional veio em 1961, com o romance "Sobre Heróis e Tumbas", e a consagração definitiva ocorreu em 1974, com "Abadon, o Exterminador", que completam a trilogia iniciada com "O Túnel" (1948), adaptada ao cinema em 2006. Agraciado com o Prêmio Cervantes, em 1984, e proposto como candidato ao Nobel de Literatura, de 2007, Ernesto Sábato não só foi reconhecido por seu ofício de escritor, mas além disso presidiu em 1984 a Conadep (Comissão Nacional sobre Desaparecimento de Pessoas). Este grupo redigiu o relatório "Nunca Mais", uma obra-chave que relata os horrores da última ditadura militar argentina (1976-1983). A última obra publicada por Sábato, que também recebeu os prêmios Gabriela Mistral (1983) e Menéndez Pelayo (1997), foi "Espanha nos Diários da Minha Velhice", fruto de suas viagens ao país em 2002, enquanto a Argentina submergia na mais feroz crise econômica de sua história. Segundo contou o filho Mario Sábato, autor de um documentário sobre a vida de seu pai, o escritor já não saía de casa, estava sob cuidado de enfermeiras e quase não falava, embora ocasionalmente rompesse seu silêncio para ter algum breve diálogo com a família. O corpo do escritor argentino começou a ser velado a partir das 17 horas no Clube dos Defensores de Santos Lugares, em Buenos Aires. O escritor frequentava o clube pelas manhãs para jogar partidas de dominó com os amigos. Sábato, um dos maiores nomes da literatura argentina, estava há vários anos praticamente cego e se mantinha recluso em sua residência na cidade de Santos Lugares. Nos últimos dias uma bronquite complicou seu estado de saúde, afirmou sua companheira, Elvira González Fraga. O escritor, que nasceu na cidade de Rojas em 24 de junho de 1911, obteve o título de doutor em Física em 1938, pela Universidade Nacional de La Plata, mas deixou a carreira científica nos anos 40 para se voltar à literatura com a publicação da compilação de ensaios "Alguém e o Universo". O reconhecimento internacional veio em 1961 com "Sobre Heróis e Tumbas" e a consagração definitiva ocorreu em 1974 com "Abadon, o Exterminador", que completam a trilogia iniciada com "O Túnel" (1948), adaptada ao cinema em 2006. Ernesto Sábato se destacou por um firme compromisso político e ético que permeou sua obra e graças à arte salvou-se do suicídio, segundo confessou em entrevistas. "A arte me salvou e por isso minha arte é trágica", afirmou em 1992 o autor de "Sobre Herois e Tumbas" à revista "Newsweek", à qual confessou que tentou o suicídio duas vezes. Simpático ao socialismo, Sábato também foi reconhecido por sua defesa dos direitos humanos. Em 1984, presidiu a Comissão Nacional sobre Desaparecimento de Pessoas (Conadep), que redigiu o "Relatório Sábato", também conhecido como "Nunca mais", sobre os horrores da ditadura militar argentina (1976-1983). Sábato também escreveu cartas contra o terrorismo da ETA e ensaios sobre a dramática situação da infância no mundo. "A Humanidade vive um tempo de imoralidade", advertiu no final de 2000 em um texto para o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). O prólogo do relatório "Nunca Mais" valeu ao escritor fortes críticas de organizações de mães e avõs de terroristas esquerdistas, que questionavam a chamada "teoria dos dois demônios", sobre a violência política que sacudiu a Argentina na década de 1970. No texto, o escritor sustentou que, naqueles anos, a Argentina "foi convulsionada por um terror que provinha tanto da extrema direita como da extrema esquerda". "Nossos filhos não eram demônios. Eram revolucionários, guerrilheiros, maravilhosos e únicos que defenderam a Pátria", afirmou a presidente da Associação Mães da Praça de Maio, Hebe de Bonafini, durante um discurso proferido em 24 de março de 2006, quando foram completados 30 anos do golpe militar. "O que Sábato fez é uma porcaria, mas é seu pensamento", afirmou Hebe. Estas senhoras são peronistas primitivas, que acabaram entregando-se completamente às benesses fornecidas pelo governo populista peronista dos Kirchner. Mas a postura comprometida de Sábato não diminuiu seu número de leitores: seu ensaio "A resistência" (2000), que foi publicado primeiro na internet, foi um sucesso e a primeira edição impressa, de 100 mil exemplares, se esgotou rapidamente. Sábato também recebeu críticas de outros escritores, como Jorge Luis Borges. "(Sábato) escreveu pouco, mas esse pouco é tão vulgar que nos aflige como uma obra copiosa", definiu em 1956 o autor de "O Aleph", segundo o diário que Adolfo Bioy Casares escreveu sobre suas conversas com o amigo Borges. O escritor argentino atravessou momentos difíceis em sua vida com a morte do seu filho mais velho, Jorge, em um acidente de trânsito em 1995, e depois de sua primeira esposa, Matilde, em 1998. Em seguida, Elvira González Fraga entrou em sua vida e o acompanhou da viuvez à morte.

Bombardeio da Otan mata filho de Gaddafi

O filho mais novo do ditador líbio, Muammar Gaddafi, Saif al Arab Gaddafi, de 29 anos, foi morto neste sábado durante um ataque aéreo da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), anunciou o porta-voz do regime, Moussa Ibrahim, em Trípoli. De acordo com o porta-voz, o ditador líbio, Muammar Gaddafi, estava junto com o filho, mas saiu ileso do bombardeio, que também matou três netos e feriu outros parentes e amigos. A Otan atua na Líbia assumiu o comando das operações internacionais na Líbia no dia 31 de março e passou a liderar as forças na operação Protetor Unificado. Inicialmente, as ações militares do país eram lideradas pelos Estados Unidos. Gaddafi e sua mulher estavam na casa do filho, em Trípoli, quando ao menos um míssil da Otan atingiu o local: "A casa de Saif al Arab Muamar Gaddafi foi atacada com meios potentes. O líder Muammar Gaddafi está bem. Ele não foi ferido. Sua mulher também passa bem". A casa do filho do ditador, que fica em uma área residencial de Trípoli, ficou amplamente danificada. Saif al Arab Gadhafi era o sexto filho do ditador e passava grande parte do tempo na Alemanha nos últimos anos. Em Benghazi, houve comemoração com tiros para o alto disparados por rebeldes durante a madrugada deste sábado após o anúncio da morte de Saif al Arab. Gaddafi, que resiste há mais de um mês à intervenção militar internacional e há quatro meses de revolta oposicionista no leste, reiterou que não está disposto a renunciar e que a Otan "deve abandonar qualquer esperança de uma saída". "Não tenho função oficial para renunciar a ela. Não abandonarei meu país, e combaterei até a morte", declarou Gaddafi no pronunciamento. "Eu sou sagrado para o povo líbio, eu sou um símbolo e um pai para eles", insistiu.

Três empresas dominam quase 70% da distribuição de gasolina no Brasil

Cerca de 70% do mercado de distribuição de gasolina está nas mãos de três empresas: BR Distribuidora, Ipiranga e Raízen (joint venture formada entre Cosan e Shell). Os dados, compilados pelo CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), são da ANP (Agência Nacional do Petróleo) e referem-se a fevereiro. No mesmo período de 2006, cinco empresas concentravam 70% da distribuição. De lá para cá, empresas saíram, outras surgiram e o resultado foi a expansão do "market share" da BR, da Petrobras, e da Ipiranga, adquirida pelo grupo Ultra e pela estatal em 2007. Ipiranga e BR, hoje, respondem por 50% do mercado de distribuição de gasolina, fatia dez pontos percentuais maior do que em 2006. Mas o impacto da concentração de mercado para os consumidores não é consenso entre especialistas. Uma mudança natural na política de investimentos das empresas seria o motivo principal da concentração. Diante do crescente custo de exploração de petróleo, as companhias precisaram definir em qual fase da cadeia pretendiam atuar. "As petroleiras buscam racionalizar os ativos. A Exxon, por exemplo, deixou o País por entender que o negócio de distribuição na América Latina era o menos rentável", diz Alexandre Szklo, professor da Coppe/UFRJ. Mas os fatores que levaram a Exxon e outras estrangeiras, como a Chevron (vendedora da Texaco), a optar pela saída têm origem no monopólio da Petrobras no refino e na política para os preços dos combustíveis. "Ela tende a tornar menos rentável um segmento que, naturalmente, já não é tão rentável", afirma Szklo. Como a Petrobras não repassa para o consumidor interno os altos e baixos do petróleo e derivados no Exterior, o mercado nacional caminha descolado do mundo. Das estrangeiras, só a Shell continua no setor, agora em uma joint venture com a brasileira Cosan, que entrou no segmento em 2008, por meio da compra dos ativos de distribuição da Esso. A expansão do etanol no consumo explica a entrada de uma produtora de álcool em distribuição. Como a gasolina C, vendida ao consumidor, tem uma mistura de até 25% de álcool anidro, para os produtores de etanol a venda direta ao consumidor pode ser um bom negócio. "Você acaba vendendo álcool a preço de gasolina", diz Walter Belik, professor do Instituto de Economia da Unicamp. Segundo ele, o custo de produção de álcool está entre R$ 0,30 e R$ 0,35 por litro. Na sexta-feira, o anidro saía das usinas a R$ 2,38 por litro, segundo o indicador Esalq/Cepea.

A nazista Irmandade Muçulmana cria partido político no Egito

Relegada às margens da polícia egícpcia durante os anos da ditadura de Hosni Mubarak, a Irmandade Muçulmana, organização nazista islâmica anunciou neste sábado a criação do próprio partido político, que será civil e não teocrático, para participar nas eleições legislativas de setembro. A nova formação se chamará "Partido da Liberdade e da Justiça", anunciou Mohamed Hussein, secretário-geral da Irmandade Muçulmana, grupo islamita criado há mais de 80 anos, que foi aliado de Adolf Hitler, e principal voz da oposição durante a revolta popular que derrubou Mubarak em fevereiro. Hussein anunciou que a nova formação "não é um partido islamista no antigo sentido, não é teocrático": "É um partido civil". A Constituição egípcia proíbe os partidos religiosos, classistas ou regionalistas. A nova formação, que será dirigida por um membro do gabinete político da Irmandade Muçulmana, Mohamed al-Mursi, deverá coordenar suas posições com o grupo, mas com independência. As primeiras eleições legislativas desde a queda do presidente Hosni Mubarak em 11 de fevereiro pela pressão popular acontecerão em setembro. Antes do fim de 2011 também serão celebradas eleições presidenciais. A organização nazista islâmica Irmandade Muçulmana é a maior força de oposição no Egito. A formação estava oficialmente proibida durante o regime de Mubarak, mas era tolerada no país, onde dispõe de influentes redes de assistência social.

Petrobras prevê investir US$ 73 bilhões no pré-sal de Santos

A Petrobras informou na sexta-feira que a previsão dos investimentos para o desenvolvimento dos projetos do pré-sal da bacia de Santos até 2015 é de US$ 73 bilhões, sendo que 74% desse total será aportado diretamente pela estatal. A reavaliação do Plansal, plano instituído em 2008 para coordenar os investimentos nos reservatórios gigantes da bacia de Santos, foi feita em reunião do conselho de administração da estatal. Segundo o novo plano, em 2015 a área do pré-sal de Santos estará produzindo 613 mil barris diários de petróleo, referente à fatia da Petrobras nos campos, volume que representa um acréscimo de 108 mil barris diários em relação ao plano anterior.

Novo presidente petista recebeu doações de réus do Mensalão do PT

Ligado ao ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), o novo presidente do PT, Rui Falcão, recebeu doações de outros dois réus do Mensalão do PT em sua campanha à reeleição como deputado estadual em São Paulo, no ano passado. O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) e o ex-deputado federal  José Genoino (PT-SP) fizeram contribuições que somam pouco mais de R$ 16.500,00 segundo sua prestação de contas à Justiça Eleitoral. O deputado José Mentor (PT-SP), que também foi investigado pela CPI dos Correios por receber dinheiro do propinoduto petista também chamado de "valerioduto", integra a lista com R$ 5.710,00 em doações. Os valores são modestos diante dos R$ 2,55 milhões arrecadados por Falcão, mas demonstram sua proximidade de petistas envolvidos no escândalo e reabilitados recentemente pelo partido. Ele assumiu o comando do partido no dia em que a sigla aprovou a volta do ex-tesoureiro Delúbio Soares, acusado de operar o Mensalão do PT. Falcão teve a maior parte das despesas eleitorais bancada por empreiteiras e pela cúpula do PT. Nove construtoras doaram R$ 1,15 milhão (45% da receita total), e o partido, mais R$ 1,02 milhão. As contribuições atribuídas à legenda caracterizam as chamadas doações ocultas: não é possível saber a origem real do dinheiro. O deputado estadual foi eleito para o quarto mandato com 174 mil votos. Controla a primeira-secretaria da Assembléia Legislativa, responsável pela administração e pelos contratos da Casa. Na luta armada contra a ditadura militar, Falcão militou no Colina e na VAR-Palmares, junto à presidente Dilma Rousseff. Foi torturado e ficou preso três anos. Antes disso tinha sido militante do POC (Partido Operário Comunista). Fundador do PT, coordenou a campanha de Marta Suplicy à Prefeitura de São Paulo em 2000 e foi seu secretário de governo. Em 2010, chegou a integrar a coordenação da campanha de Dilma, mas foi afastado após o vazamento do dossiê com informações sigilosas contra tucanos. Ele nega envolvimento no caso.

''Estado'' está sob censura há 638 dias

Desde 29 de janeiro de 2010, o Estado aguarda definição sobre o processo que o impede de divulgar informações sobre a Operação Boi Barrica, pela qual a Polícia Federal investigou o empresário Fernando Sarney. A pedido do empresário, que é filho de José Sarney (PMDB-AP), o jornal foi proibido pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, em julho de 2009, de noticiar fatos relativos à operação. No dia 18 de dezembro de 2009, Fernando Sarney desistiu da ação, mas o Estado não aceitou. O jornal sustenta sua preferência pelo prosseguimento da ação, a fim de que ela tenha seu mérito julgado.