quarta-feira, 22 de junho de 2011

Deputado federal gaúcho Jerônimo Goergen contesta governo do petista Tarso Genro

O deputado federal gaúcho Jerônimo Goergen (PP) disse nesta noite, ao jornalista Vitor Vieira, editor de Videversus, que não votaria de jeito nenhum na aprovação do Pacotarso se fosse ainda deputado estadual no Rio Grande do Sul. Disse Jerônimo Goergen, em entrevista via Twitter: "Nosso partido tem decisão institucional de oposição. Este caso dos cargos mostra que o atual governo age totalmente contrário ao que diz. A minha posição é clara desde o inicio, esse pacote e um absurdo, arrecadatório, e se essa é a linha do governo Tarso Genro, vão ser quatro anos do mesmo jeito". O deputado Jerônimo Goergen também considera totalmente injusta a intenção do governo Tarso Genro de dar calote no pagamento dos precatórios das professoras e velhinhas gaúchas.

Bomba na política gaúcha

Em reunião hoje, com as bancadas estadual e federal do PTB, o partido tomou duas resoluções da mais ampla repercussão: 1º) dentro de poucos dias, em julho, o deputado estadual Luis Augusto Lara, secretário no governo do peremptório governador petista Tarso Genro, afasta-se da presidência do partido no Rio Grande do Sul, lugar que será assumido pelo atual vice-presidente, o deputado federal Sérgio Moraes; 2º) a bancada do partido apresentará na sexta-feira um requerimento para que seja retirada a urgência do Pacotarso que está em tramitação na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, e também votará pela realização de audiências públicas para conter as medidas propostas no Pacotarso, especialmente o aumento de alíquotas do desconto de funcionários públicos para a previdência do Estado.

Tarso Genro diz que o terrorista assassino Batisti recebeu visto "porque merece"

O governador do Rio Grande do Sul, e ex-ministro da Justiça, o peremptório petista Tarso Genro, comentou no início da tarde desta quarta-feira a concessão de visto de permanência no Brasil dado ao terrorista assassino italiano Cesare Battisti. "Se concederam, então é porque merece, né?" - disse ele. Tarso Genro era titular da pasta da Justiça quando o governo Lula concedeu refúgio ao terrorista. O Supremo Tribunal Federal considerou este refúgio ilegal e o desconstituiu. Tarso Genro disse peremptóriamente: "O Supremo agiu corretamente em outorgar ao presidente da República a última instância sobre o assunto".

Conselho Nacional de Imigração autoriza permanência do terrorista Battisti no Brasil

O Conselho Nacional de Imigração (CNIg), vinculado ao Ministério do Trabalho, concedeu nesta quarta-feira a autorização de permanência no País ao terrorista assassino italiano Cesare Battisti. O pedido foi aprovado por 15 votos a dois. A concessão do visto permanente depende ainda da análise do Ministério das Relações Exteriores. Como o terrorista Battisti entrou ilegalmente no País, usando um passaporte falso, o visto é necessário para regularizar sua situação. Com o visto, o terrorista Battisti passará a ter os mesmos direitos de qualquer brasileiro, menos aqueles destinados apenas aos cidadãos natos, como votar. O CNIg é um órgão colegiado tripartite ligado ao Ministério do Trabalho. Atualmente, é composto por nove ministérios, cinco entidades que representam os trabalhadores e cinco entidades ligadas aos empregadores. Entre as finalidades do conselho está a formulação de políticas de imigração e resolução de casos excepcionais relacionados a imigrantes. Em 1988, Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália pelos assassinatos de quatro pessoas, na década de 1970. Na época, o terrorista integrava a organização Proletários Armados pelo Comunismo (PAC).

Jóias de Evita Perón são recuperadas por polícia italiana

Jóias de Eva Perón, que haviam sido roubadas há dois anos em Valência, na Espanha, foram encontradas nesta quarta-feira pela polícia em um quarto de hotel de luxo em Milão, no norte da Itália. Na operação, as forças policiais também prenderam um sérvio de 40 anos, cuja ordem de detenção havia sido expedida pelas autoridades espanholas em maio de 2010. De acordo com os policiais, sete pessoas estiveram envolvidas no crime. A descoberta foi possível por uma operação liderada pelo Núcleo de Investigação dos carabineiros de Milão, em cooperação com a Polícia Nacional espanhola, que foi iniciada uma semana após o roubo. O quarto de hotel de luxo em que as jóias foram achadas estava alugado para um homem sob nome falso. Os carabineiros esperaram ele sair para entrar no local. As jóias, avaliadas em seis milhões de euros, foram roubadas em 17 de dezembro de 2009 na Joalheria Sofía, de Valência, por um grupo de ciganos de etnia rom, que na ocasião levaram outras jóias, no total de dez milhões de euros.

Deputado Marcio Biolchi convoca funcionários a aumentarem pressão contra Pacotarso

O deputado estadual Márcio Biolchi (PMDB), em reunião com organizações de funcionários do Estado na noite de terça-feira convocou as entidades a aumentarem a pressão sobre os partidos e parlamentares da base aliada do governo para a retirada do pedido de urgência do “Pacotarso”. O pacote de medidas, que visa estrangular os contribuintes gaúchos e os funcionários públicos, penaliza servidores com a majoração das taxas de contribuição previdenciária e reduz os pagamentos de precatórios de pequeno valor (RPVs), além de criar taxa de inspeção veicular e autorizar o executivo a realizar venda de imóveis. Conforme Biolchi, para barrar os projetos, que tramitam com regime de urgência e passam a trancar a pauta de votações da Assembléia Legislativa a partir do próximo dia 28, oneram o cidadão e não resolvem o problema para o futuro do Estado. "O governo tem maioria constituída e a melhor forma de pressão para que ele transija nessa questão, principalmente da urgência é perdendo essa maioria, e essa pressão deve ser de fora para dentro, junto a base de cada deputado", afirmou Biolchi, ao solicitar as entidades que mantenham mobilização contra o Pacotarso. O deputado esclareceu que a bancada do PMDB mantém posição fechada contra o pacote e fará o possível para barrar as propostas. "A inspeção veicular não precisa ser taxada, os servidores não precisam pagar as contas do Estado e o pagamento de RPVs deve continuar e ser ampliado", disse ele.

Deputado Cassiá Carpes exige que PTB entregue as secretarias que ocupa no governo Tarso

O deputado estadual Cassiá Carpes, do PTB, defenderá nesta quarta-feira que o partido deixe as três secretarias que ocupa no governo Tarso Genro. Na segunda feira, a cúpula partidária havia decidido colocar os cargos "à disposição", mas o peremptório governador petista Tarso Genro preferiu mantê-los. Mesmo assim, Cassiá Carpes entende que o PTB deve entregar as pastas. "Vamos nos libertar, vamos começar tudo de novo. Se for preciso, vamos levantar nossa bandeira com nossos ideais fortalecidos", diz Cassiá Carpes. O constrangimento no PTB ganhou força no fim de semana, quando o deputado federal Sérgio Moraes acertou um tapa no rosto do deputado estadual Ronaldo Santini durante o Seminário de Alinhamento Estratégico do partido. Sérgio Moraes criticou a forma como os CCs são divididos no governo, disse que a sigla "se vende por meia dúzia de cargos" e acusou o presidente estadual do PTB, deputado estadual Luis Augusto Lara, de liderar "um grupinho" que escolhe os beneficiados. Pressionado em entrevista no rádio, na terça-feira, o deputado estadual Ronaldo Santini confessou que cada deputado estadual ganhou uma "cota" com direito a indicar CCs que representem, no total, R$ 80 mil por mês em salários. "Quero que demonstremos ao povo gaúcho o verdadeiro PTB, sem esta mácula de partido fisiológico", defende Cassiá Carpes. Veja a cena em que Sérgio Moraes tabefeia a cara de Ronaldo Santini.

Mães da Praça de Maio teriam recebido dinheiro de Chávez

A promotoria argentina investiga o financiamento que as Mães da Praça de Maio teriam recebido do ditador venezuelano, Hugo Chávez. O promotor federal Raúl Pleé pediu um relatório detalhado de toda a verba recebida do Exterior pela organização. A investigação ganhou força depois das denúncias feitas, na semana passada, por deputados da oposição venezuelana, que suspeitam que Chávez enviou pelo menos US$ 1 milhão para a organização. O dinheiro teria sido utilizado para a criação da "cátedra de pensamento bolivariano" da Universidade das Mães da Praça de Maio. Nas visitas de Chávez a Buenos Aires, a líder da organização, Hebe de Bonafini, é presença constante. Ela ainda visita Caracas com frequência. Os deputados venezuelanos dizem que Hebe, fundadora da entidade, "é uma senhora mimada por Chávez". Nos últimos anos, as Mães da Praça de Maio deixaram de lado a procura por filhos desaparecidos durante a ditadura e ampliaram suas atividades, transformando-se em uma empresa com empreendimentos na área de educação e construção civil. Elas também transformaram-se em uma organização peronista populista que prepara manifestações favoráveis à presidente Cristina Kirchner. As investigações sobre o financiamento bolivariano coincidem com o escândalo de corrupção que atingiu a organização, cujo protagonista é Sergio Schoklender, famoso parricida do início dos anos 80 que, em meados da década de 90, ao sair da prisão, transformou-se em braço direito de Hebe de Bonafini e se tornou multimilionário. Nas últimas semanas, a Justiça levantou suspeitas sobre desvio de fundos públicos ao fazer o levantamento dos bens de Schoklender. Ele controlava quase US$ 200 milhões que o governo entregava às Mães da Praça de Maio para a construção de casas populares. Promotores suspeitam que a verba recebida tenha sido usada para lavagem de dinheiro. O juiz encarregado do caso, Norberto Oyarbide, disse que é preciso investigar se Hebe de Bonafini é responsável pelo uso ilegal dos fundos.

Hackers derrubam sites da Presidência e do governo brasileiro

Um grupo de hackers autodenominado LulzSecBrazil assumiu na madrugada desta quarta-feira que tiraram do ar os sites da Presidência da República (presidencia.gov.br) e do governo brasileiro (brasil.gov.br). O anúncio de que os sites sairiam fora do ar foi anunciado via Twitter pelo grupo, quando os dois sites ficaram fora da rede. O site do governo brasileiro já voltou ao ar, entretanto, o site da Presidência da República ainda permanece fora do ar. O grupo internacional LulzSec (Rindo da Segurança) usou o Twitter para cumprimentar a então representação brasileira pelo feito. "Nossa unidade brasileira está fazendo progresso. Bem feito, irmãos @LulzSecBrazil!", respondeu o grupo internacional. O grupo brasileiro diz ser uma filial do grupo estrangeiro LulzSec, que defende o ataque contra sites de governos governos, bancos e grandes corporações do planeta. O grupo de hackers Annonymous publicou nesta madrugada um vídeo no site YouTube em que junto com os hackers do LulzSec avisa farão uma invasão aos sites governamentais. Na divulgação, eles convidam todos a participarem da defesa da internet livre e da promoção de ataques virtuais contra os governos corruptos. "É hora de mostrar a governos corruptos do mundo que eles não têm direito de censurar o que não possuem. Não importa a cor da sua pele, origem ou crenças, nós convidamos você a se juntar a nós em nossa luta contra a censura e os governos corruptos", diz trecho da declaração.

Grupo de hackers derruba sites da Presidência e do governo federal

Um grupo de hackers chamado "LulzSecBrazil" tirou do ar no início da madrugada desta quarta-feira os sites da Presidência da República e do governo federal. O anúncio da ação foi divulgado pelo próprio grupo em seu perfil no Twitter. Por volta das 2 horas o acesso a ambos ainda era instável. O LulzSec, grupo internacional de hackers ativistas que atacou uma longa lista de sites governamentais e corporativos nos últimos meses, comemorou a ação dos parceiros brasileiros em sua conta no Twitter. "Nossa unidade brasileira está fazendo progresso. Bom trabalho @LulzSecBrazil, irmãos!". Entre suas ações mais recentes, o LulzSec é apontado como responsável por invadir o site do Senado dos Estados Unidos e tirar do ar o site público da CIA. A palavra "Lulz" deriva da expressão "laugh out loud", ou "rindo alto". O grupo convocou seus seguidores a invadir e causar dano a sites governamentais. "A maior prioridade é roubar e vazar quaisquer informações classificadas como governamentais, inclusive trocas de e-mails e documentos. Os maiores alvos são bancos e outros estabelecimentos de alto nível", afirmou o Lulz em comunicado recente.