segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Quatro emergências de hospitais de Porto Alegre operam com mais que o dobro da capacidade nesta segunda-feira

Pelo menos sete setores de emergências de hospitais de Porto Alegre estão com todas as suas vagas ocupadas nesta segunda-feira. Destas, quatro atendem mais que o dobro da capacidade. O caso mais crítico é o do Hospital Conceição, que atende 160 pacientes em 50 vagas, superando o triplo do recomendado. O Hospital de Clínicas, que está com 140 pacientes para 49 leitos, divulgou uma nota durante a tarde alertando que novos pacientes que chegassem à instituição passariam por um controle de risco. O local está dando prioridade aos casos mais graves, com risco de morte. Também apresentam quadro de superlotação as emergências do Hospital São Lucas (da Pucrs) e Santa Clara (do Complexo Hospitalar da Santa Casa). E ainda estão lotados os hospitais Ernesto Dornelles, Moinhos de Vento e Dom Vicente Scherer. A capital gaúcha está vivendo um época de crise total e caos absoluto na saúde pública, devido ao evidente grande déficit e leitos, tanto nas emergências quanto nos outros setores dos hospitais. Não há dúvida de que Porto Alegre e Caxias do Sul, no mínimo, deveriam receber atenção urgente das autoridades no sentido de instalação de hospitais de campanha.

Chuva em Bagé diminui déficit na barragem Sanga Rasa

Os 6,3mm de chuva registrados até o início da noite desta segunda-feira em Bagé, na região da Campanha do Rio Grande do Sul, junto à fronteira com o Uruguai, diminuíram o déficit na barragem Sanga Rasa. Agora, a principal abastecedora de água da cidade está com apenas 2,40 metros abaixo do seu nível ideal. As outras duas barragens, Piraí e Emergencial, estão cheias. Entretanto, o racionamento de água de 12 horas diárias que vigora desde janeiro na cidade continuará existindo. Segundo o Departamento de Água e Esgoto (Daeb), a medida é preventiva para o verão, quando sempre ocorre nova escassez de chuva no município. Bagé é uma cidade governada há uma década por administrações petistas que não conseguiram resolver o principal problema de sua população, o fornecimento de água.

Cervejaria japonesa compra Schincariol por R$ 3,95 bilhões

A cervejaria japonesa Kirin anunciou nesta segunda-feira a compra de uma participação de 50,45% na brasileira Schincariol, terminando com meses de especulações sobre a venda da vice-líder do mercado nacional de cerveja, com quase 11% de participação. O grupo japonês adquiriu todas as ações pertencentes a Alexandre e Adriano Schincariol por R$ 3,95 bilhões.  O valor será pago nesta terça-feira de acordo com comunicado divulgado pela empresa japonesa. A Kirin informou que angariou o valor por meio de recursos próprios e empréstimos. A compra dá à Kirin uma sólida base no mercado brasileiro, que cresce rapidamente, e se soma à base que a companhia já detém na àsia e na Oceania. O grupo japonês afirma que a compra da Schincariol faz parte de sua estratégia de expansão territorial como forma de ganhar mercado. "O mercado brasileiro (de bebidas) deverá manter crescimento estável por conta da expansão econômica do Brasil e do contínuo aumento da renda pessoal da população", afirma a nota do grupo japonês.

Rússia embarga exportações de mais 37 frigoríficos brasileiros

O governo russo anunciou nesta segunda-feira que embargou 37 novos frigoríficos brasileiros. No início de junho, a Rússia já havia decidido pela suspensão das exportações de 85 unidades instaladas no Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso. A nova lista é formada apenas por abatedouros de aves e bovinos, sem incluir plantas de suínos. Segundo o Ministério da Agricultura, o anúncio russo não foi surpresa porque o próprio governo brasileiro, após uma auditoria, relacionou as unidades que deveriam passar por melhorias para continuarem vendendo à Rússia. A nova medida também não afeta o Rio Grande do Sul, uma vez que todas as plantas do Estado já estavam com as exportações suspensas para o mercado russo.

Dirigente do DNIT-PI é desmascarado por jornalista

O superintendente regional do DNIT no Piauí, Sebastião Vitor Braga Ribeiro, o “Tião Sorriso”,  divulgou há dias uma nota nos jornais locais, paga pelos contribuintes, refutando denúncias de favorecimento da Construtora Jurema, de propriedade da família do deputado Marcelo Castro (PMDB), seu cunhado, e passando dados que não conferem com os pagamentos efetivamente realizados. A nota de "Tião Sorriso" sustenta que a Construtora Jurema faturou R$ 5,5 milhões em 2011, mas o jornalista Armatéia Azevedo, do Portal AZ, de Teresina, consultou o Portal da Transparência do Governo Federal e verificou que o valor repassado à Construtora Jurema, em 2011, foi na verdade de R$ 8,6 milhões, cerca de R$ 3 milhões a mais. A Jurema, que atuava na construção de apartamentos residenciais, especializou-se nos últimos anos em rodovias. Em 2004, o faturamento da empresa junto ao DNIT foi de R$ 146 mil. Já em 2010, com “Tião Sorriso” já no cargo, a Construtora Jurema faturou R$ 34, 8 milhões no DNIT. Um crescimento de mais de 23.000%. No acumulado entre 2004 e 2011, o faturamento da empresa junto ao DNIT chegou a R$ 96,9 milhões.

Senado dos Estados Unidos vota acordo sobre dívida nesta terça-feira

O Senado americano votará nesta terça-feira o plano para aumentar o teto da dívida. Segundo líder democrata no Senado, Harry Reid, a votação está prevista para o meio-dia (em Brasília). Para que a medida que passou na Câmara seja aprovada também no senado, são necessários 60 votos a favor em uma casa que conta com cem assentos. Se a medida também for aprovada no Senado, faltará apenas a sanção do presidente Barack Obama para que se torne lei.

Ditador Raúl Castro anuncia flexibilização de viagens para cubanos

O ditador cubano Raúl Castro anunciou nesta segunda-feira que seu governo flexibilizará as restrições que os cubanos têm para viajar, uma das principais reclamações populares em sua reforma. Raúl Castro destacou ao encerrar uma sessão plenária do Parlamento que "há uma série de avanços acontecendo na reformulação e elaboração de um conjunto de medidas reguladoras" da política imigratória, segundo comunicado emitido à imprensa local, mas não precisou detalhes. "Damos este passo como uma contribuição ao incremento dos vínculos da nação com a comunidade de imigrantes, cuja composição tem variado radicalmente com relação às décadas iniciais da revolução", disse em seu discurso de encerramento da sessão, a qual não teve acesso a imprensa internacional. O VI Congresso do Partido Comunista aprovou em abril um plano de reformas de abertura, no qual estava incluída a autorização aos cubanos à viagens de turismo ao estrangeiro pela primeira vez em meio século, apesar de as condições não estarem definidas ainda. Os cubanos só podem viajar com carta-convite e através de uma permissão de saída ("carta branca") e devem passar um processo burocrático longo e custoso, de 400 dólares, pois inclui, além do passaporte, legalizações ante os consulados cubanos no Exterior.

Câmara dos Estados Unidos aprova plano para aumento do teto da dívida

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, liderada pela maioria republicana, aprovou o plano para elevar o teto da dívida e evitar a moratória americana, cujo prazo limite é esta terça-feira. O plano foi aprovado por 269 deputados, mas 161 votaram contra. Para que o plano fosse aprovado, era necessário que 216 deputados votassem a favor. Houve apenas quatro abstenções e até a deputada democrata Gabrielle Giffords (que levou um tiro na cabeça em Tucson, no começo do ano) compareceu à votação. Entre os democratas, 95 votaram contra e 95 a favor. Entre os republicanos, 173 votaram a favor e 66 foram contra. Depois desta terça-feira, o Tesouro informou que não terá mais dinheiro para pagar despesas correntes e os juros da dívida, o que poderia levar ao primeiro calote dos Estados Unidos. A suspensão do pagamento da dívida americana provocaria o aumento das taxas de juros do país. Os Estados Unidos atingiram seu limite de endividamento em maio, mas o governo usou manobras para garantir o pagamento das contas até esta terça-feira. Na noite de domingo, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou que os líderes do Congresso e da Casa Branca haviam chegado a um acordo para aumentar o teto da dívida e evitar portanto que o país entrasse em moratória a partir desta terça-feira. O pacote aprovado autoriza o governo a elevar o teto da dívida em um valor mínimo de US$ 2,1 trilhões. Isto garante que o limite não deverá aumentar de novo até 2013, para evitar novas lutas bipartidárias no lance final da campanha pelas eleições de 2012 e não prejudicar a recuperação econômica. O acordo impõe imediatamente um corte do déficit no valor de US$ 1 trilhão. Um novo comitê bipartidário no Congresso se encarregará de apresentar, até o final de novembro, um plano complementar que reduza o déficit em US$ 1,5 trilhão adicionais durante os próximos dez anos. O Congresso deverá votá-los antes do dia 23 de dezembro de 2011. O acordo inclui um mecanismo para assegurar que antes de 2013 se consiga pelo menos uma redução do déficit de US$ 1,2 trilhão. Este corte tem como base a economia de mais de US$ 900 bilhões ao longo de uma década em despesas domésticas não imprescindíveis, dividida entre programas civis e de Defesa, e que não afetará a Seguridade Social. O plano reduzirá a despesa doméstica anual ao nível mais baixo desde a Presidência de Dwight Eisenhower (1953-1961). A proposta inclui um corte de US$ 350 bilhões ao orçamento base de Defesa, que representa o primeiro golpe aos cofres do Pentágono desde os anos 90 e que será implementado de acordo com uma revisão das missões dos Estados Unidos. Além disso, incentiva as negociações no comitê bipartidário para encontrar novos meios para reduzir a despesa e atualizar o plano.

Após denúncias, presidente do PMDB defende extinção da Conab

O presidente do PMDB, Valdir Raupp, defendeu nesta segunda-feira a extinção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) depois das denúncias que levaram à demissão do ex-diretor financeiro do órgão Osmar Jucá Neto, irmão do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR). Raupp disse que "ninguém vai perceber se o órgão não existir", ao afirmar que a Conab perdeu suas funções essenciais. "É um órgão que não tem papel, está só fazendo cadastro de quem recebe o Bolsa Família. Ninguém vai perceber se ela não existir. O PMDB não reivindica esse cargo", disse Raupp. Ele afirmou não acreditar que as denúncias vão levar a presidente Dilma Rousseff a promover uma "limpeza" no Ministério da Agricultura, a exemplo do que a petista fez no Ministério dos Transportes. O peemedebista disse que não há denúncias que justifiquem qualquer mudança na pasta. "Não tem nada para se apurar no ministério, as denúncias não têm consistência", afirmou. Integrantes do PMDB avaliam que as denúncias de Jucá Neto não atingem o irmão, uma vez que o líder governista disse ter sido "pego de surpresa" com as acusações. Em conversas com membros do partido, o vice-presidente Michel Temer afirmou que Jucá permanece com a sua credibilidade "inabalada" depois das revelações do irmão. Mas reconheceu a aliados que o líder governista não deveria tê-lo indicado para a diretoria da Conab diante de sua postura "explosiva". Ou seja, líderes do partido, conforme ele, devem evitar nomeações de pessoas e parentes que não saibam segurar a língua.

Tribunal pede explicações sobre aposentadoria para Durval Barbosa

O Tribunal de Contas do Distrito Federal determinou que o processo de aposentadoria de Durval Barbosa, delator do Mensalão de Brasília, retorne à Polícia Civil, onde ele foi servidor. O benefício foi negado por "falta de requisito temporal", segundo o tribunal. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal nesta segunda-feira. De acordo com o texto, depois de ser notificado oficialmente, Barbosa tem um prazo de 30 dias para apresentar sua defesa. O tribunal afirma que um dos documentos anexados ao processo é uma certidão de serviço prestado por ele quando tinha 14 anos de idade. O cargo ocupado era o de fiscal de tributos da Prefeitura Municipal de Planaltina de Goiás. Segundo o tribunal, cópias dos autos serão encaminhadas ao Ministério Público do Distrito Federal para apurar se houve fraude.

PR quer mesmo tratamento dado aos Tranportes para novas denúncias

O líder do PR, deputado federal Lincoln Portela (MG), disse que as recentes suspeitas de corrupção nos ministérios da Agricultura e das Cidades devem ser tratadas da mesma forma que as denúncias nos Transportes. Para Portela, uma "jurisprudência ministerial" justifica que o mesmo tratamento dado aos Transportes. "A partir do momento em que o governo cria uma balança, ela existe para todos. Se existe uma denúncia, que se proceda da mesma forma", disse. Ao ser perguntado se os outros partidos estavam recebendo o mesmo tratamento, ele devolveu a pergunta: "Não posso fazer esse tipo de comparação. Quem tem que fazer é a imprensa, o povo brasileiro". Ele deu a declaração após uma reunião fechada nesta segunda-feira com a ministra Ideli Salvatti, das Relações Institucionais. Disse, porém, que a reunião tratou apenas da agenda legislativa após o recesso.

Reservas internacionais cresceram US$ 10,4 bilhões em julho

As reservas internacionais tiveram um aumento de US$ 10,4 bilhões em julho em relação ao mês anterior, segundo o Banco Central. Esse é o segundo maior crescimento no ano, atrás apenas do aumento de US$ 10,9 bilhões em abril. Consideradas um seguro contra crises externas, as reservas estão hoje em US$ 346 bilhões. O valor é quase 70% maior que o verificado em setembro de 2008, quando o Banco Central teve de usar parte desses recursos para segurar a alta do dólar na época. A elevação das reservas se deve, principalmente, às compras de dólares pelo Banco Central, que precisa enxugar o aumento da oferta de moeda estrangeira no mercado para evitar uma queda ainda maior do dólar.

Itamaraty reage à morte de centenas de pessoas na Síria

O Itamaraty divulgou nota nesta segunda-feira afirmando que recebeu com "indignação" a notícia da morte de centenas de pessoas na cidade de Hama, na região central da Síria, e afirmou que "insta" o país a dar continuidade ao diálogo com os opositores do regime sírio. Segundo ativistas de direitos humanos, ao menos 140 pessoas foram mortas no domingo por forças de segurança do regime do ditador Bashar Assad. "O governo brasileiro manifesta preocupação com o não cumprimento pela Síria de compromissos assumidos publicamente no tocante ao direito de manifestação e expressão e insta o governo sírio a dar seguimento ao processo de diálogo nacional e reforma política com sentido de urgência", diz trecho da nota. Ao lado de países como África do Sul e Índia, o Brasil resiste a uma condenação mais dura à Síria, como defendem Estados Unidos e Grã-Bretanha.

Anvisa decide proibição da mefedrona nesta terça-feira

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai avaliar nesta terça-feira um pedido feito pela Polícia Federal para declarar como proscritas a venda e a entrada da mefedrona no País. Isso significa que, se entrar na lista de proscritos, a substância vai ser tratada como uma droga de uso ilícito, assim como a cocaína e a maconha, de acordo com a Vigilância Sanitária. Conhecida popularmente como "miau-miau", a mefedrona é um fertilizante para plantas. Usada como estimulante, seus efeitos são similares ao do ecstasy ou da cocaína e, como estas substâncias, se adquire tanto em pó como em pílulas. Em dezembro do ano passado, a União Européia aprovou a proibição da substância. A mefedrona "causa dependência e seu consumo pode derivar em problemas graves de saúde".

Cuba aprova reformas que incluem propriedade privada

A Assembléia Nacional cubana aprovou nesta segunda-feira propostas do Partido Comunista para estimular a recuperação econômica e retirar algumas restrições à vida pessoal dos cidadãos. O plano, com mais de 300 itens, foi aprovado inicialmente num congresso partidário em abril, por iniciativa do ditador Raúl Castro. "Socialismo significa direitos e oportunidades iguais para todos, mas não igualitarismo", disse José Luis Toledo, presidente da comissão de Constituição e Justiça do Parlamento, durante a sessão. As reformas, a serem implementadas durante mais de cinco anos, eliminam mais de 1 milhão de empregos no setor público e reduzem a participação estatal em áreas como agricultura, varejo, transporte e construção, dando lugar a pequenas empresas e cooperativas. As grandes estatais ganham mais autonomia, inclusive para levar em conta as forças do mercado, e regras que afetam o cotidiano dos cidadãos, como a proibição de venda de imóveis e veículos, serão abrandadas. Ao mesmo tempo, os subsídios estatais para tudo, de alimentos a energia elétrica, serão gradualmente eliminados, e os salários pagos pelo Estado, que hoje giram em torno dos 18 dólares mensais, serão aumentados. Desde os primeiros dias da revolução de 1959, que levou Cuba ao comunismo, o Estado monopoliza mais de 90% da atividade econômica e emprega uma força de trabalho equivalente a isso. A ilha ainda não se recuperou da crise econômica causada pelo fim da União Soviética, há 20 anos. Raúl Castro, que há cinco anos substituiu seu irmão Fidel no poder, busca um sistema que valorize mais o esforço individual e o cumprimento de metas. As autoridades locais não esperaram o aval da Assembleia Nacional para iniciar o corte de empregos e subsídios, paralelamente à ampliação do setor privado. Cerca de 325 mil pessoas hoje atuam como patrões ou empregados em pequenas empresas. O número mais do que duplicou desde o anúncio das medidas no ano passado. O país também ganhou nos últimos três anos 150 mil pequenos agricultores autônomos, estimulados por políticas com as quais o Estado pretende reduzir sua dependência dos alimentos importados, hoje de 60% a 70% do total consumido no país. Resumindo, Cuba é um país comunista em que nada funciona, incapaz inclusive de produzir a comida para alimentar sua população miserável.

Areva Koblitz anuncia duas novas PCHs no Rio Grande do Sul

Foi anunciada nesta segunda-feira, em Porto Alegre,  a decisão da divisão de bionergia da multinacional Areva, a Areva Koblitz, de construir duas PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas) no Rio Grande do Sul. O investimento irá a R$ 18 milhões. As PCHs serão cosntruídas pela Brookfield e sairão em Vacaria e Bom Jesus.

Em reunião, Dilma não cobra explicações sobre nova denúncia

A presidente Dilma Rousseff não cobrou explicações do senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, sobre as denúncias feitas pelo seu irmão Oscar Jucá Neto, ex-diretor financeiro da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a respeito de corrupção no Ministério da Agricultura. O senador era um dos participantes da reunião de coordenação do governo, na manhã de hoje, no Palácio do Planalto. O novo líder do governo no Congresso, Mendes Ribeiro (PMDB-RS), participou da reunião pela primeira vez. Segundo a ministra Helena Chagas (Comunicação Social), que apresentou um resumo da reunião à imprensa, as denúncias a respeito da pasta da Agricultura, comandada pelo PMDB, principal aliado do governo, não foram abordadas na reunião. Também não está prevista, segundo a ministra, uma conversa entre a presidente e Jucá para discutir o assunto. Em entrevista à revista “Veja”, o irmão de Jucá, exonerado após determinar o pagamento de R$ 8 milhões a um armazém em nome de laranjas, acusa o ministério comandado por Wagner Rossi (PMDB), afilhado político do vice-presidente Michel Temer, de retardar um pagamento determinado pela Justiça ao armazém Caramuru. O motivo seria uma tentativa de negociar um aumento artificial de R$ 5 milhões no valor a ser pago ao armazém, de forma que esse valor fosse embolsado por autoridades do ministério. A Conab também teria vendido um terreno em área valorizada de Brasília por um quarto do valor de mercado a um vizinho do senador Gim Argello (PTB-DF), também com influência política dentro do ministério. A reunião, segundo Helena Chagas, foi dominada pela discussão da agenda prioritária do governo com a volta do Congresso Nacional ao trabalho, após recesso de 15 dias. Nesta terça-feira a presidente assina medida provisória com a definição da nova política industrial do governo. Também na área tributária, na próxima semana a presidente deverá anunciar as mudanças nas regras do Super Simples, que será enviado ao Congresso na forma de projeto de lei complementar. Até setembro, a presidente quer enviar ao Legislativo outros quatro projetos de lei: Lei Geral da Copa, os marcos legais da internet e da mineração, além da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que trata da alteração da DRU (Desvinculação das Receitas da União), que permitirá maior liberdade de movimentação orçamentária ao governo.

Do site do jornalista Reinaldo Azevedo - A mais nova revelação dos palcos brasileiros num momento mágico

Já tinham me enviado este vídeo faz tempo. Optei por deixar pra lá porque, afinal, o, por assim dizer, espetáculo dizia respeito apenas à vida privada, embora esteja num site de livre acesso, para regalo universal. Agora que sei que sou um dos financiadores da estréia no teatro da atriz Bia Lula, um filme de sua festa de 15 anos, que está no YouTube, ganha uma dimensão também pública. Sempre é bom a gente saber qual estética está apoiando, não é mesmo? Vi o filme abaixo e pensei: “Pô, finalmente a gente tem no Brasil algo parecido, assim, com uma aristocracia; sobretudo a do gosto.” Vejam. Volto depois.

Comento - Bem, não tenho palavras. A parte final, em especial, me deixou mudo. E vocês certamente saberão se comportar, né? Digam só coisas bonitas. É tudo muito eloqüente. Só senti falta, no fim, de um poema de Gabriel Chalita.
A Família Lula e a Lei Rouanet: com todo o respeito, “vida privada” uma ova!!!
Se há sujeito que faz a devida distinção entre as esferas pública e privada, este alguém sou eu. Alguns leitores estão reclamando do vídeo que traz a atriz Bia Lula e os seus numa festa. “Pô, diz respeito apenas à família…” Huummm… Trata-se de um vídeo-propaganda, que está no YouTube, devidamente editado para encantar. Não recebi uma fita clandestina de alguém infiltrado no evento, não! Uma das personagens principais da festa é simplesmente a figura PÚBLICA mais conhecida do Brasil. Reitero: não é de hoje que sei da existência do vídeo. Apesar do que vai acima, deixei pra lá. Agora não. O LEITOR TEM O DIREITO DE SABER MAIS SOBRE ESTA NASCENTE ESTRELA DO TEATRO, QUE ESTRÉIA COM O BENEFÍCIO DA LEI ROUANET, GARANTIDA PELA IRMÃ DO CHICO BUARQUE, COM O NOSSO DINHEIRO. Uma única palestra do avô garantiria os R$ 300 mil. Duas pagariam todo o custo do espetáculo. Dinheiro não falta aos Lula da Silva. Basta fazer as contas para constatar que o Apedeuta é o mais novo milionário do Brasil. Por que jogar essa conta nas costas dos brasileiros? Será que devemos isso também ao Babalorixá de Banânia? A única justificativa razoável - e, ainda assim, eu sou contra esse tipo de incentivo  - seria a chamada contribuição estética, né? Não consta que a tal montagem de “A Megera Domada” esteja destinada a ser um marco do teatro brasileiro. Considerando a idade da moça, acho que ela deveria ralar um pouco mais, né?, como fazem todos os jovens atores e atrizes. Da forma como saiu o benefício, parece-me tratar-se de um privilégio aristocrático, digno mesmo da princesa que ela simula ser na sua festa de 15 anos. Podem ficar tranqüilos. Eu sempre pondero muito bem os limites entre o público e o privado. O Ministério da Cultura cancele a autorização politicamente pornográfica para a produção captar R$ 300 mil pela Lei Rouanet, e eu nunca mais toco no assunto. Mas isso não vai acontecer porque essa gente não tem limites. Está claro, ou preciso desenhar?

Associação defende nomeação de juiz federal para o Supremo

A Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) divulgou uma nota nesta segunda-feira defendendo a nomeação de um juiz federal para o Supremo Tribunal Federal. "A ministra Ellen Gracie Northfleet, última representante da magistratura federal brasileira, que muito contribuiu para a jurisprudência do STF com a sua cultura e ponderação, deu entrada em seu pedido de aposentadoria que está sendo processado na Casa Civil. A magistratura federal brasileira precisa continuar representada no STF não apenas pela reconhecida e elevada qualidade técnica dos seus membros, mas pela experiência dos magistrados federais que processam e julgam os crimes mais graves do País e também todas as causas que envolvem a União Federal, autarquias e empresas públicas", diz a nota. Segundo a associação, o Supremo sempre teve a representação de membros da magistratura federal em sua composição: "Em certos períodos, até mesmo a maioria dos seus ministros eram juízes federais. Há pouco os representantes da magistratura federal brasileira no STF eram as marcantes e qualificadas figuras dos ministros Néri da Silveira, Carlos Mário Velloso e Ilmar Galvão". Para a Ajufe, é importante que a experiência da magistratura federal continue a qualificar o STF, tornando-o "mais democrático e plural".

Alfredo Nascimento reassume mandato no Senado Federal

O ex-ministro Alfredo Nascimento (Transportes) reassume nesta terça-feira seu mandato no Senado Federal com um discurso na tribuna da Casa em defesa do PR, do qual é presidente nacional. O partido, que ocupava postos-chave no ministério e órgãos do setor de transportes, teve seus principais quadros afastados da pasta depois das denúncias de corrupção que levaram à renúncia de Nascimento. Segundo aliados do ex-ministro, Nascimento vai usar o discurso para defender a sigla. Mesmo com a promessa de não atirar contra o governo, o senador quer mostrar que o PR não recebeu o "tratamento adequado" da presidente Dilma Rousseff, que afastou, até agora, pelo menos 22 pessoas desde que as denúncias vieram à tona. "Não há nenhum personagem concreto dentro das denúncias, mas fomos marginalizados. O problema não são os cargos, mas sim o partido ser tratado como uma legenda que não é companheira ou aliada do governo. Não é possível que um próprio aliado tenha que provar ao governo que é um partido do bem", disse o deputado Luciano Castro (PR-RR).

Testemunha diz que namorado de nutricionista dirigia Land Rover que matou jovem executivo em São Paulo

Testemunha do acidente que matou o administrador Vitor Gurman, de 24 anos, a jornalista Ingrid Basílio, de 48 anos, disse nesta segunda-feira à polícia que a nutricionista Gabriella Guerrero Pereira, de 28 anos, não estava dirigindo o jeep Land Rover blindado atropelou o rapaz. A testemunha afirmou que viu Gabriella em cima de Roberto de Souza Lima, de 34 anos, dono do veículo e namorado da nutricionista, no banco do motorista após a colisão. Ingrid foi espontaneamente na tarde desta segunda-feira ao 14º DP acompanhada do advogado Alexandre Venturini, que representa a família Gurman. Moradora de um prédio quase em frente ao local do acidente, ela disse ainda à polícia ter sido a primeira pessoa a chegar ao local e não ter dúvidas de que o motorista no momento do acidente era o engenheiro Roberto de Souza Lima, e que ele estava "completamente embriagado". Ela disse também à policia suspeitar de que as pessoas que socorreram o casal no carro sejam amigos dos dois. O advogado Venturini afirmou querer ajudar a policia a buscar novas testemunhas para que "a verdade apareça": "Vamos dar todos os subsídios para a investigação para que as pessoas sejam devidamente responsabilizadas". José Luis Oliveira Lima, advogado de Gabriella e Roberto (é o mesmo advogado que defende José Dirceu no processo do Mensalão do PT, no Supremo Tribunal Federal), afirmou que apresentará testemunhas que confirmam que a nutricionista estava dirigindo o veículo e que socorreram o casal após o acidente. "A afirmação dessa testemunha não é verdadeira. Em momento algum o Roberto dirigia o veículo, quem estava dirigindo era a Gabriella, assim como já afirmaram os PMs conforme relato apresentado por eles no registro policial. Causa estranheza à defesa que essa testemunha não tenha apresentado seus dados na hora e não tenha ido no dia até a delegacia", disse o advogado José Luis Oliveira Lima. O acidente ocorreu no dia 23 de julho na rua Natingui, Vila Madalena, na zona oeste. O rapaz morreu na última quinta-feira.

Mais da metade dos americanos consome bebidas alcoólicas

Mais da metade dos americanos com mais de 12 anos consome bebidas alcoólicas, quase um quarto se embebedou no último mês, e um em cada 14 adolescentes fez uso de maconha, segundo um relatório sobre o abuso de substâncias químicas elaborado por uma agência governamental dos Estados Unidos. Um total de 52% dos 137.436 americanos entrevistados em 2008 e 2009 disseram ter bebido no último mês, aponta o relatório, divulgado no fim de julho pela Administração dos Serviços de Saúde Mental e Abuso de Substâncias (SAMHSA, sigla em inglês). O consumo de bebidas alcoólicas é mais frequente entre os 18 e 25 anos, e o estado de New Hampshire registrou o maior índice: 75% dos adultos jovens disseram ter bebido no último mês, segundo o relatório. Nos 50 Estados americanos, a idade permitida para o consumo de álcool é de 21 anos, embora haja exceções. Muitos Estados permitem que menores bebam em locais privados, com o consentimento dos pais.

Romero Jucá pede desculpas a Dilma por declarações do irmão

O líder do governo no Senado Federal, senador Romero Jucá (PMDB-RR), pediu desculpas nesta segunda-feira à presidente Dilma Rousseff pela postura de seu irmão Oscar Jucá Neto, ex-diretor financeiro da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que denunciou um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura. Em reunião reservada com a presidente, o líder governista disse que "desaprova a conduta" de Jucá Neto. "Foi um absurdo o que ele fez, eu desaprovei a sua conduta. Pedi desculpas à presidente e já tinha também conversado com o ministro Wagner Rossi". Em entrevista à revista "Veja", o irmão de Jucá, exonerado após determinar o pagamento de R$ 8 milhões a um armazém em nome de laranjas, acusa o ministério comandado por Wagner Rossi (PMDB), afilhado político do vice-presidente Michel Temer, de retardar um pagamento determinado pela Justiça ao armazém Caramuru. O líder disse que as denúncias de seu irmão não prejudicam o PMDB, nem vão levar a presidente Dilma a promover uma "limpeza" no Ministério da Agricultura, a exemplo do que fez nos Ministério Transportes. "A oposição vai tentar fazer uma onda por motivação política. Mas a presidente entendeu minha posição, disse que o ministro Wagner está averiguando as acusações", afirmou.

Supremo decide que músico não precisa de registro para exercer profissão

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal decidiu nesta segunda-feira que o músico não precisa ter registro em entidade de classe para exercer sua profissão. Os ministros julgaram o caso de um músico de Santa Catarina que foi à Justiça ao alegar que, em seu Estado, ele só poderia atuar profissionalmente se fosse vinculado à Ordem de Músicos do Brasil. Em diversos locais do Brasil, músicos são obrigados a apresentar documento de músico profissional (a "carteirinha de músico") para poder se apresentar. A decisão vale apenas para o caso específico, mas ficou decidido que os ministros poderão decidir sozinhos pedidos semelhantes que chegarem ao tribunal. Ou seja, se o registro continuar a ser cobrado, será revertido quando chegar no tribunal. Para a ministra Ellen Gracie, relatora da ação, o registro em entidades só pode ser exigido quando o exercício da profissão sem controle representa um "risco social", "como no caso de médicos, engenheiros ou advogados", afirmou. O ministro Carlos Ayres Britto disse que não seria possível exigir esse registro pois a música é uma arte. Ricardo Lewandowski, por sua vez, chegou a dizer que seria o mesmo que exigir que os poetas fossem vinculados a uma Ordem Nacional da Poesia para que pudessem escrever. Já o ministro Gilmar Mendes lembrou da decisão do próprio tribunal que julgou inconstitucional a necessidade de diploma para os jornalistas, por entender que tal exigência feria o princípio da liberdade de expressão.

Ministro da Agricultura diz que irmão de Romero Jucá é despreparado

O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, afirmou nesta segunda-feira que Oscar Jucá Neto, irmão do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) e ex-diretor financeiro da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), é "despreparado para o cargo". Rossi admitiu que Jucá Neto foi indicado para o cargo por ser irmão do líder do governo no Senado e disse que ele foi pego "em uma flagrante ilegalidade e agora quer criar uma crise política ao tentar colocar todo mundo no mesmo saco". "Não vou dizer que não tenho parcela de culpa na escolha, mas eu cumpri minha responsabilidade ao colocá-lo para fora", afirmou o ministro. Segundo Rossi, o ex-diretor foi demitido da Conab após liberar um pagamento de R$ 8 milhões a uma empresa ao acessar diretamente o sistema de repasses financeiros do órgão, sem informar a diretoria. "Foram contrariadas todas as normas, sem passar por diretorias. Ele mesmo entrou no sistema e pegou um recurso que não pode ser manejado", afirmou o ministro. Em entrevista à revista "Veja", o irmão de Jucá rebateu as acusações e disse que a Conab e o Ministério da Agricultura "só tinham bandidos". Mesmo assim, Rossi disse que não é o caso para uma "faxina" na área de agricultura do governo. O ministro, contudo, disse que é uma situação "difícil" por conta do parentesco do ex-diretor da Conab com o líder do governo: "Vocês hão de convir que o senhor Oscar é irmão do líder do governo. Eu comuniquei o senador, que teve uma atitude absolutamente correta e pediu para minimizar danos, mas que poderia fazer o que achasse mais correto". Rossi disse que entende o pedido de Jucá para "minimizar danos": "Acho absolutamente normal que um irmão peça isso, eu respeito isso porque família tem muito valor para mim. Não é conveniente esse tipo de coisa, indicar irmão, olha que situação difícil que fica o irmão que indicou".

ONS diz que gasto com geração térmica será 50% menor em 2011

As fortes chuvas do início do ano encheram os reservatórios das hidrelétricas do Brasil ao maior nível dos últimos 10 anos. Por isso os brasileiros pagarão menos para garantir o abastecimento de energia, já que menos usinas termelétricas serão ligadas. A energia gerada nessas usinas é mais cara que nas hidrelétricas. Segundo o diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Hermes Chipp, até o momento nenhuma usina termelétrica precisou ser ligada no País. Ele diz que o gasto com o despacho das termelétricas neste ano não deve chegar a R$ 250 milhões, metade dos R$ 500 milhões gastos em 2010. Nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, os reservatórios em 31 de julho estavam com 80,7% de sua capacidade; na região Nordeste, com 79,6%; e no Sul com 95,4%. Na comparação com a mesma data de 2010, Sudeste e Centro-Oeste tinham 66%, enquanto o Nordeste tinha 65% de sua capacidade total. Chipp afirma que o País se encontra em uma situação confortável, com sobra de energia. Esse cenário deverá se manter até 2015. Segundo o planejamento estratégico do ONS, existem 2.500 MW médios de sobra de energia em 2011, para uma oferta de 58 mil MW médios. Para 2015, o ONS prevê uma sobra 5 mil MW médios, para uma oferta de 71 mil MW médios, considerando crescimento de 5% ao ano no PIB no período.

Conselho de Medicina cria três novas áreas de atuação médica

Resolução do Conselho Federal de Medicina publicada nesta segunda-feira no Diário Oficial da União cria três novas áreas de atuação médica: medicina do sono, medicina paliativa e medicina tropical. A partir de agora, o profissional que ingressar em um programa de residência da especialidade infectologia, por exemplo, pode receber treinamento adicional específico na área de medicina tropical. A resolução associa a área de medicina paliativa às especialidades clínica médica, cancerologia, geriatria e gerontologia, medicina da família e comunidade, pediatria e anestesiologia. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam que 65% dos portadores de doenças crônicas que ameaçam a vida necessitam de cuidados paliativos. Com a publicação da norma que cria esta área, a comissão nacional de medicina paliativa da AMB (Associação Médica Brasileira) definirá os critérios para o reconhecimento dos primeiros paliativistas titulados do País. Vinculada à especialidade infectologia, a área de atuação da medicina tropical é dedicada ao estudo e tratamento de doenças como malária, febre amarela, dengue, esquistossomose e leishmaniose, típicas de regiões tropicais. A especialidade é derivada do campo de estudo da medicina tropical, mas atualmente abrange um vasto número de doenças. A medicina legal também passa a ser denominada medicina legal e perícia médica. Deixam de ser tratadas como áreas de atuação: cirurgia de coluna, perícia médica, reprodução humana e medicina aeroespacial. Além disso, o número de especialidades vinculadas à área de atuação hepatologia foi ampliado. A partir de agora, manterá ligações com clínica médica e infectologia.

PSDB quer ouvir órgãos de fiscalização sobre irregularidades

O líder do PSDB na Câmara, deputado federal Duarte Nogueira (SP), afirmou nesta segunda-feira que vai apresentar requerimento para a realização de audiência pública com cinco órgãos de fiscalização e de controle para apurar as supostas irregularidades no governo da presidente Dilma Rousseff. Serão convidados integrantes da Procuradoria-Geral da República, da Polícia Federal, do Tribunal de Contas da União, Procuradoria do Distrito Federal e da Controladoria-Geral da República. O documento deve ser apresentado na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle. Duarte Nogueira culpa a política de alianças iniciada no governo do ex-presidente Lula como uma das principais causas dos supostos focos de corrupção. O tucano disse esperar que Dilma faça como nos Transportes, demitindo as pessoas sob suspeita, e não passe "a mão na cabeça" dos acusados: "Espero que a Dilma não mantenha o padrão de passar a mão na cabeça do presidente Lula, pois agora isso está explodindo no colo da presidente".

Oposição inclui Negromonte na lista de ministros a serem convocados

A oposição tentará convocar cinco ministros no Senado para prestarem depoimentos sobre as diversas denúncias de corrupção no governo federal. Além dos ministros dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, de Minas e Energia, Edison Lobão, do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, e da Agricultura, Wagner Rossi, DEM e PSDB também vão pedir para ouvir o ministro das Cidades, Mário Negromonte. Os pedidos de convocação estão sendo encaminhados para três comissões do Senado: Agricultura, Fiscalização Financeira e Controle, além da Comissão de Infraestrutura. Para que os ministros sejam convocados, os requerimentos precisam ser aprovados pela maioria dos integrantes das comissões. Os oposicionistas querem que Negromonte explique a denúncia de que a pasta libera recursos para obras classificadas como irregulares pelo Tribunal de Contas da União, e que age a favor de empresas que, juntas, doaram cerca de R$ 15 milhões em 2010 para campanhas eleitorais do PP, partido que comanda o ministério. Em relação ao Ministério dos Transportes, a oposição quer que Passos explique o afastamento de 22 integrantes da pasta ou de órgãos afins depois das acusações de superfaturamento e pagamento de propina envolvendo o ministério, a Valec (estatal de ferrovias) e o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), incluindo o ex-ministro Alfredo Nascimento (PR-AM). "O ministro Passos participou de todo o processo no governo. O Pagot sempre disse que se tratava de um colegiado no ministério", afirmou o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR). O tucano já reuniu 23 das 27 assinaturas necessárias para instalar a CPI da Corrupção no Senado. O objetivo do PSDB é buscar dissidentes na base governista para conseguir instalar a comissão, que tem como meta apurar todas as denúncias de corrupção no governo, especialmente no Ministério dos Transportes. Além do ministros, a oposição também quer convocar o diretor-geral da ANP (Agência Nacional do Petróleo), Haroldo Lima, e o presidente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Celso Lacerda. Matéria publicada pela revista "Época" revelou a existência de um esquema de cobrança de propinas dentro da ANP. Segundo a revista, a advogada Vanusa Sampaio, que representa companhias do ramo, foi procurada por dois assessores do órgão em 2008. Em relação ao Incra e ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, há a denúncia de negociações de membros o governo para a aquisição de com lotes para fins de reformas agrária envolvendo ocupantes de cargos de confiança do Executivo. Já no Ministério da Agricultura, a oposição quer esclarecer o suposto esquema denunciado pelo irmão do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), o ex-diretor da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) Oscar Jucá Neto, em entrevista à revista "Veja". Segundo Jucá Neto, existe um consórcio entre o PMDB e o PTB para controlar a estrutura do Ministério da Agricultura com o objetivo de arrecadar dinheiro. A revista revela que suas informações incluem dois casos de negócios envolvendo a Conab.

Governo resgata 69 pessoas em trabalho escravo em Goiás

Fiscais do Ministério do Trabalho encontraram e resgataram 69 pessoas que eram submetidas a condições de trabalho análogas à escravidão em carvoarias de Goiás. A fiscalização aconteceu a partir de uma denúncia de tentativa de homicídio de um dos trabalhadores. De acordo com o ministério, as 11 carvoarias pertencem a um grupo de sete pessoas da mesma família. Entre as irregularidades apontadas pelos fiscais estão a falta de registro dos trabalhadores que, portanto, não recebiam benefícios como férias, descanso semanal, seguro para acidentes, entre outros. Os carvoeiros também viviam e trabalhavam em condições precárias. Segundo a fiscalização, os trabalhadores não tinham equipamento de proteção individual, água potável, instalações sanitárias e alojamento adequado. Eles também teriam sido transportados de Minas Gerais para as carvoarias sem requerer ao ministério uma certidão declaratória para transporte de trabalhador, que é obrigatória. As carvoarias ficam nos municípios de Santa Terezinha de Goiás, Crixás, Nova Crixás, Pilar de Goiás, Campos Verdes e Guarinos. Os empregadores devem pagar verbas rescisórias de R$ 680,2 mil. Até agora, foram pagos R$ 205 mil, o restante será cobrado durante ação coletiva movida pelo Ministério Público do Trabalho. Eles receberão seguro-desemprego no valor de um salário mínimo, dividido em três parcelas.

Montadora chinesa JAC vai investir US$ 600 milhões em fábrica no Brasil

A montadora chinesa JAC Motors anunciou nesta segunda-feira a construção de uma fábrica no Brasil, com investimentos de US$ 600 milhões e capacidade de produção de 100 mil unidades por ano. A empresa começou a atuar no Brasil em 18 de março deste ano, trazida pelo empresário brasileiro Sérgio Habib, com a abertura de 46 concessionárias em 28 cidades brasileiras. A fábrica deve ser concluída em 2014 e operar em dois turnos, gerando 3.500 empregos diretos. Habib disse que ainda não definiu o Estado, mas será "possivelmente em um local onde já há uma montadora" operando devido aos fornecedores já instalados. Atualmente há montadoras operando em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Bahia, Ceará, Paraná e Rio Grande do Sul, além de um projeto para instalação em Pernambuco. Em Manaus há um pólo de produção de motocicletas. O modelo que será fabricado no Brasil não está à venda no País agora, mas terá valor abaixo de RS 40 mil. "Será uma família de carros com a mesma plataforma", afirmou Habib. "Vamos chegar muito rapidamente a 3% do mercado brasileiro", completou. A montadora já ocupa a 13ª colocação no ranking de automóveis, com 0,67% de participação nos licenciamentos no acumulado do primeiro semestre (8.565), segundo a Fenabrave (federação das concessionárias). A composição societária vai se dividir entre a SHC, de Habib, e a JAC, com maior participação da empresa brasileira. A estratégia da JAC ao chegar ao Brasil, em março, incluiu R$ 140 milhões de investimento em marketing, seis anos de garantia para os carros e o apresentador Fausto Silva como garoto-propaganda da marca. Os modelos J3 e J3 Turin tiveram 242 alterações para se adaptar ao consumidor brasileiro. Outra chinesa, a Lifan, e a empresa brasileira Effa, já assinaram um acordo para a construção de uma montadora no Brasil com capacidade para 10 mil unidades por ano. O investimento previsto é de US$ 100 milhões. Antes disso, a planta da também chinesa Chery deve ser inaugurada em Jacareí, no interior de São Paulo, com investimentos de US$ 400 milhões. As obras começam neste ano e devem ser concluídas em 2013. A projeção é produzir 150 mil unidades anualmente.

TAM promove reestruturação na diretoria

O vice-presidente comercial e de alianças da TAM Linhas Aéreas, Paulo Castello Branco, deixou a companhia. Na TAM desde 2004, Castello Branco era um dos principais executivos da companhia e chegou a ser cogitado para assumir a presidência da empresa. Para a área de alianças, a companhia promoveu o diretor Nelson Shinzato, que coordenava a área de planejamento. Também deixa a companhia o diretor da TAM Cargas, Carlos Amodeo. Para seu lugar, foi escolhido Euségio Angelotti, que até então era responsável pela regional Pantanal. A Pantanal pertence ao grupo TAM.

Cresce presença da classe C em compras eletrônicas

O número de novos consumidores da classe C nas compras virtuais vem puxando a presença dessa faixa no comércio eletrônico. Cerca de 60% dos internautas que usaram os serviços de e-commerce no primeiro semestre tinham renda familiar igual ou menor a R$ 3 mil, de acordo com dados da consultoria e-bit. Os novos usuários, que representam cerca de 5 milhões de pessoas, elevaram o percentual dos consumidores da classe C de 44,6%, em 2009, para 46,5% do total, no primeiro semestre deste ano. De acordo com o e-bit, esses consumidores gastaram, em média, R$ 320,00 no período. O gasto médio para os usuários da classe C que estrearam os serviços de compra virtual foi um pouco maior, de R$ 340,00. Já o desembolso médio no total registrado pela consultoria foi de R$ 355,00. Segundo o diretor de marketing e produtos da e-bit, Alexandre Umberti, internautas com renda familiar de até R$ 3 mil costumam considerar o canal depois de uma primeira experiência na compra de um bem de valor agregado, como eletrodomésticos, eletrônicos ou artigos de informática.

Hacker tinha dados de 75 mil pessoas em 16 computadores

Um jovem britânico de 18 anos, suposto líder do grupo de hackers LulzSec, armazenou dados de 75 mil pessoas nos 16 computadores que tinha em sua casa, segundo revelação feita nesta segunda-feira durante seu comparecimento em um tribunal de Londres. Jake Davis, que foi detido nas ilhas escocesas Shetland, no dia 27 de julho, depôs no Tribunal de Westminster após ser acusado por cinco delitos, como a invasão de um site da SOCA (Agência Britânica contra o Crime Organizado) e um do Serviço Nacional de Saúde. Davis utilizava o nome Topiary na internet e se identificava como porta-voz de LulzSec, um grupo de hackers que reivindicou ataques contra o Senado dos Estados Unidos, a empresa japonesa Sony, a agência norte-americana CIA e o jornal britânico "The Sun". Davis ficou em liberdade pagando uma fiança com a proibição de entrar na internet e com o compromisso de ficar na casa de sua mãe em Lincolnshire (norte da Inglaterra), de onde não poderá sair das 22 às 7 horas.

Hugo Chávez aparece de cabeça raspada na televisão

O ditador da Venezuela, Hugo Chávez, apareceu de cabeça raspada nesta segunda-feira, na cerimônia de juramento dos novos ministros de seu gabinete, transmitida pela televisão local. Chávez passou recentemente por sessões de quimioterapia, como parte de um tratamento contra um câncer. "É meu new look", disse ele. Chavez explicou que a queda de cabelo foi consequência da quimioterapia, que "ataca com prioridade aquelas células do corpo que experimentam rápido crescimento", entre as quais o folículo capilar. O venezuelano disse ainda que a queda de cabelo é sinal de que a quimioterapia está funcionando. Ele questionou as especulações da oposição sobre sua doença e negou que tenha câncer de cólon, reto ou nariz. Insistiu ainda que não tem células cancerígenas no corpo. Mais cedo, em entrevista telefônica, Chávez havia dito: "Ontem à noite tive que chamar o barbeiro e lhe disse: 'olha, meu cabelo está caindo'. Fui tomar banho, ia por o shampoo como sempre e senti que caiu um pedaço". O presidente venezuelano contou que escolheu, então, fazer um corte de cabelo "militar".

Nelson Jobim diz que acompanha investigações sobre fraude no Exército

O ministro Nelson Jobim (Defesa) disse nesta segunda-feira que acompanha as investigações do Ministério Público Militar contra oito generais do Exército. Segundo ele, os responsáveis "vão pagar" caso as suspeitas de fraude em obras de rodovias sejam comprovadas. Jobim disse ter sido informado do caso na semana passada pelo comandante do Exército, Enzo Martins Peri. O general é um dos investigados pelo suposto desvio de R$ 11 milhões repassados pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). O órgão, vinculado ao Ministério dos Transportes, tem sido alvo de diversas denúncias sobre irregularidades em licitações e aditivos em contratos. "Vamos ver o que é. O general Enzo é que me avisou que viria a matéria. Vamos examinar", disse o ministro: "Se houver problema, vão pagar. Se não houver problema, as coisas continuarão iguais". Jobim afirmou que não quer "antecipar a culpa" dos oficiais e que caberá à Procuradoria-Geral da República investigar Enzo, que tem foro privilegiado e só pode ser processado no Supremo Tribunal Federal.

Ministro promete aeroportos prontos até a Copa de 2014

O ministro da Aviação Civil, Wagner Bittencourt, afirmou nesta segunda-feira que os aeroportos serão modernizados em tempo para receber turistas na Copa de 2014. Após uma reunião com representantes da Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base), em São Paulo, Bittencourt afirmou que o cronograma está sendo "rigorosamente cumprido" para que sejam realizados, no dia 22 de dezembro deste ano, os leilões de concessão (privatização) dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília. Na reunião, segundo relato do presidente da Abdib, Paulo Godoy, o ministro afirmou que as concessões serão feitas de forma a garantir a competição entre aeroportos. "O ministro explicou que Guarulhos e Viracopos não poderão ser administrados pelo mesmo grupo", disse Godoy. O ministro também afirmou no encontro que o governo pretende fixar nos editais de concessão regras que garantam a manutenção do atual regime de tarifas aeroportuárias.

Sucesso eleitoral da Assembléia de Deus é maior que o do PT

A Assembléia de Deus, maior denominação evangélica pentecostal no Brasil, comemora seu centenário em 2011, e sua bancada, que lidera a Frente Parlamentar Evangélica na Câmara, representa 22,5 milhões de brasileiros. Antes das eleições de 2010, o deputado federal Ronaldo Fonseca (PR-DF) reuniu-se com José Wellington Bezerra, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus, para escolher pastores e lideranças da igreja com bom potencial eleitoral. Fecharam a lista em 30 nomes. Conseguiram eleger 22 deles, um percentual assombroso de 73,3% de sucesso. Não há partido político no Brasil com tamanho êxito: o PT, por exemplo, dono da maior bancada da Câmara, lançou 334 candidatos a deputado federal e elegeu 88 deles (26,3%). Dos 73 deputados que compõem a bancada evangélica, os assembleianos são um terço. Seu presidente, o deputado federal João Campos, é seguidor da igreja. Com seu eleitorado cativo, os parlamentares ligados à Assembléia de Deus podem se dar ao direito de contrariar a orientação partidária quando convém ao seu grupo. Segundo Fonseca, presidente subdivisão ligada à igreja na Câmara, "temos um acordo com nossos partidos: se o que está em pauta na Casa atentar para alguma questão moral, temos independência. Foi assim que derrubamos o kit gay". O deputado se refere à suspensão da produção e distribuição do kit anti-homofobia, produzido pelo Ministério da Educação para distribuição nas escolas. À época, os parlamentares chegaram a ameaçar adesão à CPI, movida pela oposição, contra o ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, acusado de súbito enriquecimento. Quase toda a bancada evangélica, de 63 parlamentares, faz parte de partidos da base do governo da presidente Dilma Rousseff (PT). "Os partidos sabem que não têm como segurar esses deputados. Falou em aborto, descriminalização da maconha ou casamento gay, os evangélicos votam contra. O PSC é base do governo Dilma, mas nem adianta pedir apoio nessas questões", afirmou o vice-presidente do PSC, pastor Everaldo Pereira. Para o segundo semestre, os evangélicos devem, novamente na esteira de atuação dos adeptos da Assembléia de Deus, encampar duas pautas. Uma é a elaboração de versão "alternativa" ao projeto de Lei 122, sob relatoria da senadora Marta Suplicy (PT -SP), que criminaliza a homofobia. A outra é promover um plebiscito nacional que substitua a aprovação do Supremo Tribunal Federal, que julgou constitucional a união civil entre pessoas do mesmo sexo. A reivindicação dos deputados evangélicos ganhou fôlego e substância após a divulgação, na semana passada, de pesquisa do instituto Ibope Inteligência, que revelou que 55% dos brasileiros são contra a união estável para casais homossexuais. O percentual de contrários sobe para 77% entre evangélicos. Por ora, os assembleianos se dizem satisfeitos com a presidente Dilma: "Ela não nos 'peitou' quando fomos pra cima, no caso do kit gay. Então está bom", disse Fonseca. "Agora, precisa nos receber. Passaram-se seis meses e a gente só conversa com o Gilberto Carvalho", destacou o pastor Everaldo. Rondônia é o Estado que abriga mais parlamentares ligados à Assembleia de Deus, em termos absolutos e proporcionais: três de seus oito deputados federais pertencem à igreja.

Venda de veículos bate recorde e ultrapassa 2 milhões no ano

As vendas de veículos novos bateram mais um recorde no acumulado do ano, com o emplacamento de 2,043 milhões de unidades de janeiro a julho. Essa quantidade representa uma expansão de 8,6% sobre igual período em 2010 (1,882 milhão), que detinha a melhor marca até então. Considerando apenas julho, foram licenciados 306,2 mil automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões, com o resultado também atingindo uma nova marca para o mês. O número aponta um leve crescimento de 0,6% ante junho e de 1,3% sobre o montante contabilizado no mesmo intervalo no ano passado. A perspectiva para todo o ano é que as vendas cheguem a 3,69 milhões de veículos, com crescimento de 5% ante 2010, segundo projeções da Anfavea (associação das montadoras).

Vendas de papelão ondulado caíram 3,6% em junho sobre maio

As vendas domésticas de papelão ondulado totalizaram 271.100 toneladas em junho, com ligeira queda de 0,14% em relação ao mesmo mês do ano passado, e recuo de 3,59% ante maio, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pela ABPO (Associação Brasileira do Papelão Ondulado). No acumulado do primeiro semestre, as vendas do insumo somaram 1.569.577 toneladas, um crescimento de 0,5% sobre igual intervalo em 2010. Por seu uso nas embalagens, o papelão ondulado é visto como um termômetro do nível de atividade geral. A oscilação das vendas serve como indício das expectativas dos empresários, o que repercute no ritmo das encomendas e da produção do setor.

Balança comercial tem saldo de US$ 3,1 bilhões em julho

A balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 3,135 bilhões em julho. Esse valor é 29,2% menor do que o registrado em junho, quando o superávit foi de US$ 4,430 bilhões. O saldo de julho ficou 133% acima do registrado no mesmo mês de 2010 (US$ 1,34 bilhão). A divulgação foi feita pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior nesta segunda-feira. No período, as exportações somaram US$ 22,252 bilhões, com média diária de US$ 1,059 bilhão. Já as importações totalizaram US$ 19,117 bilhões e diariamente foram comprados US$ 910 milhões. De janeiro a julho, o Brasil já acumula um resultado positivo de US$ 16,101 bilhões, saldo 74,4% maior que o verificado no mesmo período de 2010. No ano, o País vendeu para o Exterior US$ 140,555 bilhões e importou US$ 124,454 bilhões.

Neta de Lula quer ser atriz, com dinheiro do distinto público

Do blog do jornalista Reinaldo Azevedo: "Luiz Inácio Lula da Silva é a expressão máxima da imoralidade e da falta de ética da política brasileira. O Apedeuta pôs a serviço do vício o que poderia haver, originalmente, de virtude em seu partido, nascido nos estertores da ditadura, propondo-se a mobilizar setores da sociedade que tinham ficado um tanto à margem da modernização do país empreendida pelo regime militar. Essa história — e muita mistificação que a ela se agregou — conferiu ao petismo certa aura anti-establishment, que, de modo injustificado, persiste. Embora o PT seja hoje a legenda de estimação do setor financeiro, de alguns potentados da indústria e das oligarquias, reivindica a condição de “partido das massas”. O fato de dominar boa parte dos sindicatos do setor privado e do setor público, que são manobrados de acordo com seus interesses, com características às vezes mafiosas, lhe confere ainda o estatuto de partido de… trabalhadores. Ocorre, meus caros, que não há malefício que PR, PMDB ou PP possam fazer aos cofres públicos que o PT não faça com muito mais destreza — e impunidade garantida. E Lula é o chefe inconteste dessa política nefasta; ele próprio e sua família são beneficiários da falta de escrúpulos. A Folha noticiou neste domingo que a Oi decidiu investir R$ 300 mil na produção da peça “A Megera Domada”, de Shakespeare, que tem no elenco Bia Lula, filha de Lurian. A Oi é uma concessionária de serviço público da qual, na prática, o BNDES é sócio. O patrocínio se dará por intermédio da Lei Rouanet, e isso significa, então, que o dinheiro que vai financiar a peça da neta do Babalorixá de Banânia sai da renúncia fiscal. Nós todos pagaremos para que a neta de Lula realize o seu sonho. Não é de hoje que a Oi é amiga da família Lula. Quando  ainda se chamava Telemar, injetou R$ 5 milhões na Gamecorp, a empresa de Fábio Luiz da Silva, o famoso Lulinha. Quando o pai chegou à Presidência da República, o rapaz era monitor de jardim zoológico. Dois anos depois, era um próspero empresário. Ainda hoje, a Oi é a única grande cliente da empresa de Lulinha. Ao comentar o desempenho do rebento, Lula afirmou que seu filho era, assim, um “Ronaldinho dos negócios”. Agora vemos nascer a “Ronaldinha” dos palcos. Se alguém tinha alguma dúvida sobre a, digamos, qualidade técnica da gestão de Ana de Hollanda no Ministério da  Cultura, a resposta está dada. Deveriam estar todos num picadeiro. A Oi, protagonista de um momento notável do jeito petista de governar, nem precisava recorrer à Lei Rouanet para prestar esse favor a Lula. Vocês devem se lembrar. A empresa comprou a Brasil Telecom, que era de Daniel Dantas. A legislação vigente no Brasil proibia a aquisição. Lula, então presidente da República, FEZ APROVAR UMA LEI COM O FITO EXCLUSIVO DE LEGALIZAR A OPERAÇÃO. Não só isso: antes mesmo que houvesse a sustentação jurídica para a operação, o BNDES se propôs a financiá-la. Ou seja: um banco público se comprometeu a dar apoio a uma operação que, àquela altura, ainda era ilegal. O episódio levou-me a escrever neste blog que, nas democracias convencionais, os negócios são feitos de acordo com a lei; NO BRASIL PETISTA, AS LEIS SÃO FEITAS DE ACORDO COM OS NEGÓCIOS. Em 2010, o governo liberou o mercado de TV a cabo para as teles e incluiu um dígito nos celulares de São Paulo com o objetivo de aumentar os números disponíveis para venda, o que facilitou a entrada da Oi nesses mercados. O Lula que permite que a família se entregue a tais desfrutes é aquele mesmo que está hoje empenhadíssimo em pôr um ponto final nisto que se convencionou chamar “faxina” no governo. Seu operador ativo é Gilberto Carvalho, que ontem (vejam abaixo) negou que a presidente Dilma Rousseff esteja sendo pautada pela imprensa. É evidente que Dilma não tem como alegar ignorância, não é?Afinal, era ou não era a gerentona? Não se beneficiou ela própria do “modelo”? A resposta, obviamente, é “sim”. Mas é também inegável que ela está fazendo demissões que ele não faria, não porque seja necessariamente mais moral do que seu mentor e chefe político, mas porque é uma figura política mais fraca, com uma carapaça muito menos resistente. As ações moralizadoras a fortalecem. Lula, no entanto, teme que a sua arquitetura de poder seja abalada. E em que ela consiste? Tudo bem que roubem; o importante é ser fiel e sustentar a hegemonia petista. O nome da peça é “O Apedeuta Indomado”.

Megalicitação de limpeza em São Paulo exclui pequena empresa

A limpeza urbana de São Paulo passará por uma grande mudança. Haverá concentração de serviços com o objetivo, segundo a prefeitura, de melhorar a fiscalização e a qualidade da limpeza. A mesma empresa que fizer a varrição de ruas será responsável também pela limpeza das bocas de lobo, pelo recolhimento de entulho e pela retirada de cartazes dos postes, por exemplo. Hoje, essas ações são pulverizadas em várias empresas contratadas pelas subprefeituras. Por três anos de contrato, a prefeitura estima gastar cerca de R$ 2 bilhões. Será a maior licitação de serviços da gestão Gilberto Kassab (PSD). Pela quantidade de dinheiro envolvida e pela importância do contrato, a concorrência já gera dúvidas e deve acabar na Justiça. O principal questionamento é a limitação da concorrência. Com os novos contratos, acaba a contratação de pequenas empresas pelas subprefeituras. A cidade será dividida em apenas dois lotes, cada um com no máximo três empresas associadas. Ou seja, a limpeza pública de São Paulo, hoje pulverizada em dezenas de pequenas e médias empresas, ficará a cargo de, no máximo, seis empresas. Para obter contratos bilionários como esses, a Lei de Licitações exige que o concorrente tenha alto capital social. Nenhuma das cinco empresas que hoje cuidam da varrição de ruas teria condições de assumir um contrato desse porte, segundo dois executivos do setor. O questionamento sobre a limitação da competitividade foi feito por duas entidades e uma empresa do setor em audiência pública sobre o tema na semana passada. Perguntas e respostas da prefeitura foram publicadas no Diário Oficial da cidade de sexta-feira. A Secretaria de Serviços, responsável pela licitação, informou que, ao contrário de restringir, ela possibilita uma maior competição. Duas empresas são tidas como favoritas para vencer a megalicitação: Vega e Queiroz Galvão, controladoras, respectivamente, da Loga e da Ecourbis, responsáveis pela coleta de lixo domiciliar e hospitalar da cidade.

Obama anuncia um acordo bipartidário que evita o calote da dívida americana

Na antevéspera do prazo fatal para evitar um calote, o presidente Barack Obama anunciou na noite deste domingo a realização de um acordo bipartidário para enxugar US$ 1 trilhão do Orçamento dos Estados Unidos nos próximos dez anos e elevar o teto do endividamento público do país. O pacote, que precisa ser votado até esta terça-feira pelo Congresso, fica aquém de expectativas iniciais de redução de US$ 3 trihões, valor que ainda poderá ser atingido em uma segunda fase de cortes. Mas, põe fim a quase um mês de impasse que enervou população e mercados. "Ainda faltam votos importantes, mas os líderes republicano e democrata, na Câmara e no Senado, chegaram a um acordo para evitar um calote", anunciou Obama às 20h40 de domingo. O presidente deu poucos detalhes do pacote e não dirimiu diversas dúvidas. Ele garantiu a elevação do teto da dívida, hoje em US$ 14,3 trilhões, sem dizer em quanto. Em versões anteriores do plano, esse aumento era de US$ 2,4 trilhões, mais que o PIB do Brasil, o que asseguraria autorização para o governo tomar dinheiro emprestado até o final de 2012. Obama também anunciou a criação de uma comissão bipartidária que vai propor novos cortes de gastos até novembro. Nessa etapa futura, afirmou o presidente, "todas as alternativas estarão na mesa", inclusive a reforma de programas sociais do governo, como exige a oposição, e o fim dos cortes de impostos para as classes mais altas iniciados por George W. Bush, como insiste Obama. Parecendo cansado, Obama agradeceu aos líderes dos partidos e ao eleitorado, que respondeu durante a semana a seu chamado para pressionar o Congresso: "Foram a voz, os e-mails, os tuítes de vocês que permitiram isso". Legisladores de ambos os lados ainda trabalham em detalhes do novo pacote, e não estava claro quais os programas serão afetados. Uma preocupação dos republicanos é limitar os cortes na Defesa. O Pentágono consome US$ 1,00 em cada US$ 5,00 gastos pelo país, e responde por mais de 40% dos gastos militares mundiais.