quarta-feira, 10 de agosto de 2011

MEC vai gastar R$372 milhões no Enem

O Ministério da Educação vai pagar R$ 372 milhões pelas próximas edições do Exame Nacional do Ensino Médio. O valor será repassado pelo Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais ao consórcio entre Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília e a Fundação Cesgranrio, responsável pela realização da prova. O valor é referente à elaboração e aplicação do exame nos próximos 12 meses, entre outubro deste ano e abril de 2012.

Socialite petista Marta Suplicy se diz indignada com a imprensa

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) disse nesta quarta-feira, da tribuna do Senado, que se sentiu "indignada" pela maneira como a imprensa tratou a forma como ela agiu para não comentar a prisão de seu ex-chefe de gabinete e assessor de campanha, Mário Moyses, com outros 34 servidores do Ministério do Turismo. Ela negou que tenha saído da mesa do plenário para o banheiro para se esconder dos repórteres. "Fui porque havia uma necessidade de ir ao banheiro", alegou. "Quando saí, havia 10 jornalistas, para minha surpresa, e eu simplesmente disse que não iria mais falar sobre o assunto, porque já havia me manifestado e não sabia do que se tratava", falou a socialite. A senadora omitiu em seu discurso a forma inédita como deixou o plenário: ela "escapuliu" pela saída que dá acesso à taquigrafia, chamado de buraco da taquigrafia, contrariando policiais que haviam vetado a idéia porque o local está em obras. Dali, foi para o estacionamento lateral, onde era aguardada pelo seu carro. Marta Suplicy deixou claro nesta quarta-feira que está em campanha para a prefeitura de São Paulo. Depois de explicitar sua "indignação", falou sobre os benefícios que criou para os idosos quando era prefeita. Ela lamentou a redução de benfeitorias iniciadas na sua gestão, prometendo recuperá-las se assumir a prefeitura novamente. Ou seja, a socialite Marta Suplicy que realmente foi ao banheiro do Senado para obrar, e não para fugir de jornalistas e de explicações.

Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirma decisão de juíza e goleiro Bruno vai a júri popular

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou por unanimidade, nesta quarta-feira, decisão da juíza Marixa Rodrigues, do Tribunal do Júri de Contagem, de encaminhar o goleiro Bruno Fernandes de Souza e os outros três réus para julgamento popular pelo desaparecimento de Eliza Samudio, ex-amante do jogador. Além de Bruno, irão a julgamento Luiz Henrique Romão, o Macarrão (amigo e secretário de Bruno), Sérgio Rosa Sales (primo do goleiro) e Marcos Aparecido dos Santos, o Bola (ex-policial e suposto autor do homicídio). Eles vão responder pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. Todos estão presos, mas Sérgio Sales será libertado. A Câmara Criminal acatou o voto do desembargador Doorgal Andrada e decidiu dar liberdade ao réu Sérgio Sales, que poderá aguardar o julgamento em liberdade. A favor dele, pesaram os argumentos do relator, segundo os quais Sérgio não possui "grande capacidade de influenciar testemunhas" e não dispõe de recursos financeiros para também tentar influenciar no processo. As defesas dos réus tentaram livrá-los do júri popular e contestaram ainda vários outros pontos do processo, que já tem 7.962 folhas, mas apenas dois pontos foram acatados pelos três desembargadores, que julgaram 20 contestações e pedidos das defesas dos réus. Por outro lado, a Câmara Criminal não acatou o recurso do Ministério Público Estadual para que fossem também denunciados por homicídio os outros quatro réus envolvidos no processo. São eles: Dayanne Souza (mulher de Bruno), Fernanda Castro (ex-namorada de Bruno), Elenilson Vitor da Silva (administrador do sítio do goleiro) e Emerson Souza, o Coxinha (amigo). Esses outros quatro réus aguardam o julgamento em liberdade. Eles respondem a processos por sequestro e cárcere privado. Os dois pontos das contestações acatados pelo desembargador relator dizem respeito ao fato de os delegados de Polícia Civil que investigaram o caso não terem sido ouvidos na primeira fase do processo em audiências com a participação das defesas dos réus. O outro são termos escritos pela juíza no processo. Andrada disse que os delegados poderão ser ouvidos como informantes durante o julgamento. O desembargador Herbert Carneiro disse que compete à juíza nessa nova fase garantir esse direito aos advogados. Essa decisão foi seguida pelo desembargador Delmival de Almeida Campos, que presidiu a sessão. Outro argumento acatado parcialmente pelo relator foi a retirada dos autos das expressões "forma cruel" e "barbaramente" empregados pela juíza para se referir à morte de Eliza Samudio. Andrada concordou com os argumentos da defesa, embora tenha afirmado que, ao fazer a pronúncia, a juíza Marixa Rodrigues foi até cuidadosa, destacando ter havido "indícios da morte da ex-amante do goleiro".

Família de Toninho do PT pede federalização de assassinato

Familiares do prefeito de Campinas (cidade localizada a 93 quilômetros de São Paulo), Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, assassinado no dia 10 de setembro de 2001, pediram que a investigação do crime, ainda não esclarecido, passe para a Polícia Federal. Eles protocolaram um pedido para que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, se manifeste sobre a federalização do crime e a consequente investigação pela Polícia Federal. De acordo com o advogado da família, William Ceschi Filho, já há, desde 2007, um procedimento com esse pedido, mas é a primeira vez que o procurador-geral da República é questionado a respeito do chamado incidente de deslocamento de competência, argumento que pode ser utilizado apenas por ele em casos de violação de direitos humanos, em qualquer fase de um inquérito ou processo. Caso seja favorável aos argumentos da família, o procurador-geral poderá solicitar ao Superior Tribunal de Justiça que o caso seja deslocado para a Justiça Federal e Polícia Federal. Atualmente está com a Polícia Civil. Diz Ceschi Filho: "Dez anos se passaram da morte do prefeito sem que linhas importantes fossem seriamente investigadas. É preciso que o caso mude de mãos". O prefeito foi assassinado após permanecer oito meses no governo. Quando saía de um shopping da cidade, dirigindo seu carro, foram disparados três tiros contra ele. Em setembro de 2007, o juiz José Henrique Torres, de Campinas, decidiu, alegando falta de indícios, não aceitar a denúncia contra o sequestrador Wanderson de Paula Lima, o Andinho, acusado pelo Ministério Público e Polícia Civil de ser um dos autores do crime. Para a família, a motivação foi política e há outras suspeitas de autorias em áreas cujos interesses o então prefeito confrontou. Ou seja, os contratos de lixo.

TCU manda bloquear conta bancária de ONG suspeita de desvios

O Tribunal de Contas da União determinou o bloqueio da conta da ONG Ibrasi (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável) na Caixa Econômica Federal em que estão depositados recursos de um dos convênios da organização com o Ministério do Turismo. O convênio tem valor de R$ 5 milhões e foi assinado em 2010. Os recursos são destinados por emenda parlamentar da deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP). A deputada também foi responsável por destinar uma emenda de R$ 4 milhões em 2009 para outro convênio com a mesma ONG. Foi neste convênio que a Polícia Federal constatou irregularidades e desencadou a Operação Voucher, deflagrada na manhã de terça-feira. De acordo com o relator do processo no TCU, ministro Augusto Nardes, o ministério também está proibido de repassar mais recursos para este convênio. Dos R$ 5 milhões, R$ 4 milhões já tinha sido depositados na Caixa Econômica Federal. Entre as irregularidades constatadas pelo órgão de controle estão a falta de fiscalização do contrato, irregularidades na assinatura do convênio e falta de condições da ONG de prestar os serviços contratados. Segundo o órgão, também foram destinados recursos ao Ibrasi sem que ele tenha cumprido as ações acordadas. O órgão de controle aponta ainda que a ONG tinha sido aberta em 2006, mas que ficou sem funcionar até 2009, quando mudou seu estatuto para incluir ações na área de Turismo, o que não constava no estatuto anterior.

Mantega diz que governo está preocupado com produtos estrangeiros

O ministro Guido Mantega (Fazenda) disse nesta quarta-feira, em reunião com empresários, que o governo está preocupado com a forte entrada de produtos estrangeiros no Brasil. Segundo ele, o que está acontecendo é uma "guerra comercial" e o País não irá fazer "papel de bobo". "Não vamos fazer papel de bobo. Isso é uma guerra", disse o ministro a empresários. Para o presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Braga, as medidas de defesa comercial adotadas pelo Brasil na semana passada são boas, mas precisam ser implementadas rapidamente. "Foram discutidas as medidas de defesa comercial. As ações têm que ser de aplicação rápida. O ministro Mantega determinou que sejam feitas ações rápidas nesse sentido", afirmou o presidente da CNI. O plano Brasil Maior, anunciado na semana passada pela presidente Dilma Rousseff, prevê a intensificação de algumas medidas de defesa comercial, como antidumping e salvaguardas. Entre elas está a extensão de direitos antidumping ou de medidas compensatórias a importações cujo objetivo seja reduzir a eficácia de medidas de defesa comercial em vigor no Brasil. O governo vai indeferir a licença de importação no caso de falsa declaração de origem, após investigação. Além disso, vai fortalecer a fiscalização administrativa dos preços das importações, para identificação de casos de subfaturamento. Segundo Robson Braga, a CNI vai preparar uma lista com os produtos que entram no Brasil com um preço muito abaixo do que é cobrado no país e essa relação será entregue para o Ministério da Fazenda e o Ministério do Desenvolvimento.

Polícia Federal solta 18 presos em operação contra fraudes no Turismo

A Polícia Federal liberou nesta quarta-feira 18 pessoas presas na Operação Voucher, após prestarem depoimento. A informação foi divulgada pelo Ministério Público Federal no Amapá no final da tarde. Todos os presos liberados haviam sido alvo de prisão temporária. Outros 18 suspeitos, com prisão preventiva decretada, seguem detidos no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá, em Macapá. Segundo a procuradoria, os suspeitos seguem presos para que não interfiram nas investigações. Deflagrada na terça-feira, a Operação Voucher prendeu um total de 36 pessoas, em São Paulo, Brasília, Curitiba e Macapá. Ao todo 38 mandados de prisão foram expedidos. Duas pessoas seguem foragidas. As investigações começaram em abril e apontaram irregularidades em um convênio de R$ 4,45 milhões firmado entre o Ministério do Turismo e o Ibrasi (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável). Entre os presos na operação estão o secretário-executivo do Ministério do Turismo, Frederico Costa, e o ex-secretário-executivo da pasta, Mário Moyses, que continuam presos.

Brasil discorda de Estados Unidos sobre saída do poder do ditador genocida Assad do comando da Síria

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, questionou nesta quarta-feira a avaliação dos Estados Unidos de que a Síria estaria melhor com a saída do ditador Bashar Assad do comando do país. Representantes dos países do Ibas (Brasil, Índia e África do Sul) tiveram um encontro em Damasco com Assad e seu chanceler, Walid Muallem, e reforçaram a mensagem da declaração do Conselho de Segurança da ONU condenando a violência praticada por "todos os lados". "Tem que ter um pouco de prudência também na aplicação do remédio, para que o remédio não mate o paciente. Tem que ser um remédio na dose certa", afirmou Patriota sobre a saída de Assad. Na avaliação do chanceler, "alternativas ao governo atual podem ser até mais problemáticas". "O que você faz? Tira o Bashar Assad e quem assume? O Exército? Outras forças que podem ser mais radicais, forças mais progressistas? Como é que elas conseguem implementar um plano de reforma?", questionou o ministro. Como se vê, Patriota é um grande defensor de.... tiranos. Essa é a diplomacia de Dilma que teria mudado?

JBS-Friboi fecha três unidades em São Paulo e Mato Grosso do Sul e demite mais de mil

O grupo JBS-Friboi, um dos maiores produtores de carne do mundo, fechou dois curtumes paulistas e um no Mato Grosso do Sul. As demissões chegam a 1.025 funcionários, somando as que também ocorreram em um frigorífico do grupo. A empresa alega que problemas tributários levaram ao fechamento dos curtumes paulistas. Segundo o grupo, no caso de São Paulo, não se trata de demissões, mas de reorganização, porque o mesmo número de funcionários está sendo contratado em três curtumes no Ceará, em Minas Gerais e em Goiás. O fechamento mais recente ocorreu em Franca, na última sexta-feira. O curtume, adquirido há um ano, era o quinto maior do grupo. Foram 370 demitidos. Em Aguaí, as demissões começaram em 15 de julho. São 350 desligamentos. Outro curtume foi fechado em Rio Brilhante (MS), com 150 demitidos. Outros 155 foram desligados de um frigorífico em Campo Grande (MS) por remanejamento de turnos.

Para Sarney, Dilma não corre risco de perder apoio do Congresso

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), defendeu nesta quarta-feira a forma como a presidente Dilma Rousseff tem lidado com as crises em seu governo. Segundo ele, Dilma não corre risco de perder o apoio que tem no Congresso. "A presidente Dilma goza de uma confiança do Congresso muito grande. Está fazendo um excelente governo. Está administrando todas as crises que têm surgido com absoluta competência", afirmou Sarney. Para o peemedebista, qualquer ministério pode ser alvo de investigação. No caso da Operação Voucher da Polícia Federal, que na terça-feira prendeu 35 pessoas ligadas ao Ministério do Turismo, as denúncias não são mais caso de política, mas sim de "polícia". "Sendo um caso de polícia, agora cabe à polícia provar quem são os culpados e quem são os inocentes e se tirar a política disso", disse ele. Sarney ainda afirmou que o sistema judicial brasileiro é muito lento "na parte processual" e que o Congresso está "procurando modificar" isso. A proposta de reforma do Código de Processo Penal foi aprovada no ano passado no Senado, e atualmente tramita na Câmara.

Bolívia ameaça bloquear diálogo caso índios marchem contra estrada

O governo da Bolívia afirmou que, se os indígenas do Parque Nacional Isiboro Sécure insistirem em realizar uma marcha na próxima semana na capital La Paz, vai encerrar o diálogo sobre a construção de uma rodovia que pode cruzar a maior reserva florestal do país. A advertência foi feita pelo ministro da Presidência, Carlos Romero, depois dos índios deixarem de comparecer a uma reunião marcada com uma comissão governamental que os esperava em Trinidad, capital do estado de Beni, a 600 quilômetros de La Paz. Romero disse que, se o governo abre "publicamente a possibilidade de diálogo", não é possível submetê-lo "a uma chantagem". O ministro ainda qualificou como "injusta" a marcha por La Paz, que foi marcada para segunda-feira. A população indígena do Parque Nacional se posiciona contra a possível divisão em duas partes da reserva com a construção do trecho II da estrada que ligará os municípios de Villa Tunari, em Cochabamba, e San Ignacio de Moxos, em Beni. O projeto da rodovia tem custo de US$ 410 milhões, dos quais US$ 350 milhões foram concedidos pelo BNDES, e sua construção está a cargo da empreiteira brasileira OAS, que venceu a licitação em 2008.

Receita reabre prazo para pessoas físicas negociarem dívidas

A Receita Federal reabriu nesta quarta-feira o prazo para pessoas físicas inscritas no Refis da Crise concluírem a negociação de seus débitos. Isso significa que elas terão até o dia 31 para informar ao Fisco os valores e o número de parcelas que utilizarão para quitar a dívida. A expectativa é que R$ 4,7 bilhões sejam negociados por 137 mil contribuintes que ainda não consolidaram os débitos na primeira oportunidade, encerrada em maio. Segundo a Receita Federal, das 240 mil pessoas físicas que aderiram ao Refis apenas 103 mil completaram as negociações. Muitas delas alegaram que não sabiam desta obrigação. Desta vez, os contribuintes receberão uma notificação pelos Correios. Segundo a Receita, as cartas começaram a ser enviadas na segunda-feira. A dívida total das pessoas físicas é de R$ 8,7 bilhões. A maior parte é referente a pendências com o Imposto de Renda. O chamado Refis da Crise foi lançado em 2009 pelo governo federal e permitiu aos contribuintes parcelarem seus débitos em até 180 meses.

Fleury Filho volta ao PMDB após a morte de Quércia

Quinze anos depois de deixar o PMDB, Luiz Antonio Fleury Filho, ex-governador de São Paulo, se filiará novamente ao partido nesta quinta-feira. Fleury Filho saiu do partido após brigar com o governador Orestes Quércia. Com a morte de Quércia, no ano passado, o vice-presidente da República, Michel Temer, articulou o retorno de Fleury. Além de mudar a direção partidária e isolar os quercistas, Temer pretende atrair ao partido aqueles que deixaram o PMDB por divergências com a direção anterior. "O partido está resgatando antigas lideranças", comentou Arlon Viana, da Executiva do PMDB de São Paulo e assessor de Temer. Fleury chegou ao governo paulista com apoio do então governador Quércia, em 1987, como secretário de Segurança Pública. Com apoio de Quércia, foi eleito sucessor do governador em 1990. Os quatro anos da gestão de Fleury foram tumultuados e seu governo foi marcado pelo massacre do presídio Carandiru, com a execução de 111 presos, apesar dele ser promotor de Justiça de carreira.

TSE aprova proposta orçamentária da Justiça Eleitoral para 2012

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral aprovaram nesta quarta-feira a proposta orçamentária da Justiça Eleitoral para 2012, de R$ 6,44 bilhões. O montante abrange o custeio administrativo do TSE e dos 27 tribunais regionais eleitorais, investimentos, eleições municipais, benefícios aos servidores, despesas com pessoal e encargos sociais. Para a realização das eleições municipais de 2012, estão previstos R$ 521,9 milhões. Outros R$ 224,7 milhões serão destinados ao fundo partidário. A proposta orçamentária será enviada ao Executivo nesta quarta-feira. O TSE realizou na tarde desta quarta-feira uma audiência pública para debater cinco resoluções que nortearão as eleições de 2012. Além dos ministros do tribunal, o encontro conta com a presença de advogados, representantes de partidos políticos e especialistas de tecnologia da informação. As cinco resoluções tratam de representações, assinatura digital do sistema eleitoral, cédulas de contingência, formulários e lacres para as urnas eletrônicas.

Base aliada de Dilma na Câmara protesta contra transformação do País em "delegacia"

Insatisfeitos com o governo da petista Dilma Rousseff, líderes da base aliada na Câmara ameaçam parar as votações no plenário da Casa. PMDB, PP, PR, PTB e PSC reclamam principalmente da atitude do governo diante das diversas suspeitas de irregularidades em ministérios. Dizem que é preciso parar de tentar passar a impressão de que o governo e o Judiciário são bons e os políticos "ruins". "Não podemos transformar o País em uma delegacia de polícia. Que história é essa?", questionou o líder do PTB, Jovair Arantes (GO). Outra reclamação feita pelos deputados é a de que a presidente Dilma Rousseff aparenta estar preocupada apenas com a crise econômica internacional. Mais uma vez dizem que não há nenhuma demonstração de vontade política para a liberação de emendas. "Paris e Londres estão a mais de sete mil quilômetros de distância da minha cidade. Os prefeitos daqui também estão preocupados com suas obras", disse Jovair Arantes.

PSDB responsabiliza socialite petista Marta Suplicy por caso policial no Ministério do Turismo

O presidente nacional do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra, responsabilizou nesta quarta-feira a senadora Marta Suplicy (PT-SP) pelo esquema de corrupção no Ministério do Turismo. O tucano disse que as irregularidades na pasta tiveram início na gestão da socialite petista, que deixou o ministério em 2008 e foi sucedida por Luiz Barretto, seu secretário-executivo na pasta. "Os quadros que estão lá não começaram no governo atual, com o atual ministro. Eles vêm da Marta, sim, do tempo da Marta e do tempo depois dela. Ela tem que explicar isso também. Foi sob responsabilidade de governo do PT e ministra do PT. Ela não pode ficar nas estrelas pensando que foi nas estrelas que isso aconteceu", disse. Antes do atual ministro peemedebista Pedro Novais (Turismo) assumir o cargo, a pasta era ocupada por Barretto. Antes de Marta Suplicy, a pasta também foi ocupada por Walfrido Mares Guia, indicado pelo PTB. Guerra afirmou que, em Pernambuco, presenciou a liberação de verbas e emendas parlamentares por meio do Ministério do Turismo para a realização de festas e eventos que nunca ocorreram: "Estranhamente, as dotações do Congresso e do ministério para a realização de festas explodiram durante dois ou três anos. Deram prioridade nacional para festas". O presidente do PSDB disse que processo de corrupção "explodiu" no governo de Dilma Rousseff e criticou as medidas adotadas pela presidente para conter a crise política: "Ou a presidente tem coragem, ou não tem. Não pode é passar a idéia de que está fazendo uma grande limpeza quando não está. Isso é simulação, ação secundária".

Presidente da MMX, de Eike Batista, diz que crise não afetará projetos da empresa

As turbulências no mercado financeiro internacional não deverão afetar os projetos da mineradora MMX, afirmou o presidente da empresa, Roger Downey. O Superporto Sudeste, que vai escoar a produção de minério de ferro da companhia a partir do próximo ano, já tem R$ 1,2 bilhão assegurados pelo BNDES, informou o executivo. Assessores financeiros da empresa buscam no momento R$ 1,8 bilhão para a expansão da mina Serra Azul, projeto de R$ 4 bilhões. Downey não acredita que terá problemas para levantar o valor. Segundo ele, as principais sócias da companhia, a chinesa Wisco e a coreana SK, continuam comprometidas com os investimentos a serem feitos na companhia. "Não recebemos nenhuma indicação de nenhum de nossos parceiros financeiros que o financiamento, ou nossos planos, estão correndo risco", disse a analistas em teleconferência para comentar os resultados do segundo trimestre. A companhia teve lucro de R$ 91 milhões contra prejuízo de R$ 38,5 milhões há um ano. A empresa teve que comprar no segundo trimestre 70 mil toneladas de minério de ferro de terceiros, devido à perda de produção própria por culpa das chuvas, movimento que Downey afirmou não será recorrente. O executivo informou que aguarda até o final deste ano o licenciamento ambiental para a expansão da mina de Serra Azul, em Minas Gerais, projeto que junto com as minas de Bonsucesso e Pau de Vinho serão desenvolvidos pela MMX nos próximos anos no Brasil. A empresa também possui projeto no Chile, ainda não iniciado. "É um projeto (Serra Azul) muito forte e não vislumbra problemas pela frente com a crise recente. Temos dois meses de muito trabalho pela frente para construir o planejamento financeiro", disse Downey. De acordo com o diretor financeiro da MMX, Guilherme Escalhão, que também participou da teleconferência, o BNDES, que já financia parte do Superporto, poderá também apoiar Serra Azul. A MMX tem capacidade instalada para produzir cerca de 10 milhões de toneladas e pretende atingir 46 milhões de toneladas em 2016.

Facebook vai fechar contas de presidiários nos Estados Unidos

O Facebook começou a fechar as contas de presidiários da Califórnia depois que um homem condenado por pedofilia visitou, da prisão, a página de sua vítima. O Facebook fechou as contas de pelo menos dois detentos, e as autoridades estão trabalhando para identificar outras contas que tenham sido acessadas da prisão, informou o departamento penitenciário da Califórnia. Ainda que a maioria dos presidiários californianos não tenha acesso à internet, eles muitas vezes se conectam com celulares recebidos clandestinamente, apesar dos esforços de repressão à posse desses aparelhos em presídios, disseram as autoridades penitenciárias. O departamento penitenciário da Califórnia, que anunciou oficialmente sua cooperação com o Facebook na segunda-feira, disse ter recebido centenas de queixas de vítimas que foram contatadas por presidiários que estão cumprindo penas. Entre eles está o pedófilo condenado, que as autoridades penitenciárias disseram ter visitado as páginas de sua vítima no Facebook e MySpace e depois ter enviado desenhos da menina à família dela. A vítima tinha 10 anos de idade ao ser molestada e 17 ao ser contatada pelo criminoso, que havia usado a Web para descobrir que corte de cabelo ela estava usando e que roupas preferia. "A imaginação é o único limite para eles; temos líderes de gangues ordenando ataques e crimes a serem cometidos em seus nomes", disse Dana Toyama, porta-voz do departamento penitenciário da Califórnia.

Assembléia de Minas Gerais quer comprar 90 iPads para deputados

A Assembléia Legislativa de Minas Gerais abriu uma licitação para a compra de 90 iPads, que serão distribuídos aos deputados estaduais. A licitação inclui a compra de seis computadores da Apple, fabricante do iPad, e dois scanners. O gasto previsto é de R$ 257 mil. Segundo as exigências do edital, o iPad deve ter ser da versão 2 com memória de 64 GB e conexão Wi-Fi e 3G. No site da empresa, cada modelo custa R$ 2.599,00. A licitação prevê a realização de um pregão eletrônico para o dia 23 deste mês. Além dos iPads distribuídos aos 77 deputados, outros 13 tablets serão dados aos funcionários da área técnica. O diretor de Planejamento e Coordenação da Assembléia, Alaor Messias Marques Júnior, afirma que um aplicativo de iPad está sendo desenvolvido para os deputados. Como são moderninhos esses deputados mineiros.... "O programa terá a legislação básica, a agenda dos eventos e um clipping de notícias sobre a Assembléia. Só essa função vai substituir um calhamaço de 100 páginas distribuído todo dia aos deputados", afirma Marques. De acordo com o diretor, a compra foi decidida no começo do ano e faz parte de um "esforço de planejamento estratégico" da Mesa Diretora que tomou posse este ano. Muito estratégico....

Cúpula do Turismo favoreceu ONG em fraude, diz Procuradoria

O Ministério Público Federal no Amapá afirmou que a cúpula do Ministério do Turismo sabia do esquema criminoso montado no Estado. De acordo com a Promotoria, as contratações com o Ibrasi (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável) foram feitas sem critério objetivo, de forma ilegal. Em busca à sede da ONG, em São Paulo, a Polícia Federal apreendeu R$ 610 mil em dinheiro. De acordo com um documento da investigação da Procuradoria, o ex-secretário-executivo da pasta, Mario Moysés, um dos 35 presos na terça-feira em operação da Polícia Federal, direcionou o convênio para o Ibrasi, embora a falta de qualificação técnica fosse "facilmente perceptível". A Procuradoria afirmou que o atual secretário-executivo, Frederico Costa, autorizou o pagamento de R$ 1,3 milhão à entidade com base em nota falsa de prestação de contas. O secretário nacional de Programas e Desenvolvimento do Turismo, Colbert Martins da Silva Filho, liberou R$ 900 mil, diz o documento. Uma servidora do ministério atuava como "verdadeira funcionária do Ibrasi". Para o Ministério Público Federal, Kérima Silva Carvalho adulterou documentos do Ibrasi que já haviam sido entregues oficialmente ao ministério. Todos foram presos preventivamente com mais 14 pessoas e levados na noite de terça-feira a Macapá. Eles são acusados por crimes como formação de quadrilha, peculato e falsidade ideológica.

Deputados ovacionam ministro e criticam "denuncismo" da mídia

O ministro Mário Negromonte (Cidades), do PP, voltou a negar irregularidades em sua pasta, durante audiência pública na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira. Ele ganhou o apoio de diversos líderes da base aliada e foi ovacionado pelos deputados em pelo menos três ocasiões. Reportagem da revista "Isto É" mostrou que o Ministério libera recursos para obras classificadas como irregulares pelo Tribunal de Contas da União e que empresas doaram cerca de R$ 15 milhões em 2010 para campanhas eleitorais da legenda. Deputados do PT, PMDB e PP, entre outros, falaram da "competência" do ministro e alguns chegaram a criticar a imprensa "pelo denuncismo" que acontece contra ministérios do governo. O deputado Henrique Eduardo Alves (RN), líder do PMDB, mesmo partido do ministro do Turismo, Pedro Novais, foi o primeiro a manifestar apoio a Negromonte. "O Ministério é exemplar do primeiro ao último passo. Quero aqui ser testemunha que o seu partido pode se orgulhar do ministro que tem. Acusações fazem parte do jogo. Não são ideais, o trato da imprensa deveria ser exemplar, mas quando não é, nós devemos ser exemplares na hora de tirar a dúvida. Eu gostaria de autorizar a colocar no final da sua fala a assinatura do líder do PMDB, porque concordomos em gênero, número e grau", afirmou. Os líderes do governo e do PT, Cândido Vaccarezza (PT-SP) e Paulo Teixeira (PT-SP), respectivamente, também disseram ter total confiança no ministro. "Venho aqui manifestar a confiança absoluta que o governo de Dilma tem no nosso companheiro. As acusações não têm nenhuma procedência. Nenhuma insinuação, dúvida ou questionamento pesa contra Vossa Excelência. As explicação pelo visto são desnecessárias. Não estamos vendo nenhum questionamento. Espero que a imprensa registre isso. Esse é um momento histórico", afirmou Vacacrezza.

Agência de classificação diz que Chipre precisará de resgate europeu

A agência de classificação Fitch, que rebaixou nesta quarta-feira em dois níveis a nota do Chipre, disse que o pequeno país da zona do euro não pode cumprir os seus compromissos de dívida e precisará ser resgatado por seus parceiros. "Nas condições atuais de mercado, a Fitch acredita que o governo do Chipre não pode cumprir seus prazos sem ajuda externa oficial", afirma a agência em um comunicado, em uma referência a um plano de resgate europeu. A agência explicou ainda que a degradação da nota reflete o atual descontrole fiscal da ilha, que está em perspectiva negativa --o que significa que pode sofrer um novo rebaixamento. Em 27 de julho, outra das três grandes agências de classificação de risco, a Moody's, rebaixou a nota de risco de Chipre em dois graus para Baa1 por causa da exposição do país à crise grega e à turbulência política interna. A ilha de 1 milhão de habitantes no Mediterrâneo aderiu ao euro em 2008 e está a apenas dois níveis do grau especulativo ou "lixo" na classificação da Moody. Bancos de Chipre estão na lista dos que foram convocados a aderir voluntariamente ao pacote de resgate à Grécia, que terá participação privada de € 37 bilhões, valor que corresponde a pouco mais do dobro do PIB da ilha. Dois bancos cipriotas têm € 5,8 bilhões em dívidas gregas nas suas carteiras. Além do contágio da crise grega, o país tem seus problemas internos. O Chipre enfrenta uma crise econômica e energética desde que a principal usina de geração de energia explodiu no início do mês. O acidente foi o estopim de pressões para que o governo renuncie.

Wagner Rossi diz que acesso de lobista foi "descuido" de equipe

O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, afirmou nesta quarta-feira que a equipe da pasta que controla o acesso de pessoas pela entrada privativa do ministério é "muito acolhedora" e que o acesso privilegiado do lobista Júlio Fróes ao ministério pode ter sido um "descuido". "Nunca me preocupei com isso (com a triagem no acesso). Tenho uma equipe maravilhosa de pessoas que trabalham lá. Não são pessoas voltadas para a atitude de evitar a entrada de pessoas. Eles são muito acolhedores, talvez tenha tido esse descuido. Mas eu não posso assumir a responsabilidade de controlar a portaria", disse Rossi durante audiência pública na Comissão de Agricultura do Senado. Segundo reportagem da revista "Veja", Fróes tinha uma sala dentro do ministério e redigia pareceres e editais de licitação, sempre com o aval do então braço direito de Wagner Rossi, o secretário-executivo Milton Ortolan, que alega inocência, mas acabou pedindo demissão após a publicação da revista. Em seu depoimento, Rossi voltou a negar que conheça Fróes e que o lobista tivesse uma sala em seu ministério. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), sentou na primeira fileira para acompanhar o depoimento. Ele é irmão de Oscar Jucá Neto, demitido por Rossi do cargo de diretor financeiro da Conab após a autorização de um pagamento irregular de R$ 8 milhões para um armazém registrado em nome de laranjas. Na semana passada, em depoimento na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, Rossi e parlamentares da oposição e da base elegeram Jucá Neto como alvo. Rossi chegou a classificar de "absurda" as ações do irmão de Romero Jucá, indicado pelo próprio senador ao cargo.

Exportador garante entrada de US$ 3,6 bilhões no Brasil em agosto

A entrada de dólares no Brasil superou a saída em US$ 3,58 bilhões na primeira semana de agosto, segundo dados do Banco Central. Os exportadores garantiram uma entrada líquida de US$ 3,94 bilhões no comércio exterior. Esse resultado compensou a saída de US$ 362 milhões nas operações financeiras, que incluem os fluxos para a Bolsa e investimentos diretos no País, por exemplo. Segundo operadores, muitos exportadores aproveitaram a alta do dólar na semana passada para trazer recursos ao País. Os dados do Banco Central na área financeira mostram ainda que, na semana passada, não houve saída significativa de recurso do País. No ano, o Brasil já recebeu US$ 59,2 bilhões, 143% acima do verificado em todo o ano de 2010. O Banco Central comprou quase todos os dólares que entraram no País no período. Foram US$ 2,6 bilhões em aquisições na semana. As reservas chegaram a US$ 348,5 bilhões na última sexta-feira. Na segunda-feira, já estavam em US$ 349,6 bilhões.

Novos temores sobre a França derrubam Bolsas no Brasil e nos Estados Unidos

Novos temores no mercado, desta vez sobre a situação da França, trouxeram mais um dia de queda às Bolsas de Valores mundiais. Às 13h42, o Ibovespa, principal termômetro dos negócios da Bolsa paulista, tinha desvalorização de 1,47%, aos 50.397 pontos, bem abaixo da queda nas Bolsas dos Estados Unidos. O Dow Jones, da Bolsa de Nova York, caía 3,70%. No mesmo horário, o dólar comercial era negociado por R$ 1,625, queda de 0,12%. A taxa de risco-país marca 215 pontos, com aumento de 5,39% ante a pontuação anterior. Depois de um dia de fortes altas após o anúncio do Fed de que vai manter os juros norte-americanos em patamar histórico de baixa pelo menos até 2013, os investidores voltaram às vendas nesta quarta-feira, impulsionados pelo medo de possíveis problemas no setor bancário francês. Além disso, o mercado se preocupa com um possível rebaixamento da nota da dívida francesa. Por conta disso, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, voltou mais cedo de suas férias nesta quarta e prometeu cortar o grande endividamento do país.

Argentina faz Petrobras fechar refinaria após explosão

A subsecretaria de Gestão Ambiental da cidade argentina de Bahía Blanca determinou que a Petrobras suspenda a operação de sua refinaria Ricardo D. Eliçabena após uma explosão que deixou um morto e um ferido na quarta-feira. A unidade, no sul do país, tem capacidade para processar 31 mil barris diários de petróleo. A Petrobras havia informado mais cedo que apesar da explosão as operações da unidade não haviam sido afetadas. Em um comunicado posterior a estatal brasileira informou que o acidente ocorreu à 1h da madrugada (horário local da refinaria) desta quarta-feira e que autoridades argentinas haviam solicitado o seu fechamento. "A refinaria foi parada preventivamente, por solicitação da Subsecretaria Ambiental local. As causas do acidente serão investigadas", informou a estatal brasileira em nota.A empresa disse que a explosão ocorreu em uma das salas de descanso temporário de operadores na refinaria, fora da área industrial. Mais cedo, na Argentina, um funcionário local já havia informado a uma agência estatal que após o acidente foi ordenado o fechamento da planta por questões de segurança. O subsecretário de Gestão Ambiental de Bahía Blanca, Eduardo Conghos, disse à agência estatal Telam que depois do acidente "se ordenou o fechamento, uma vez que não estavam asseguradas as condições de segurança para que a planta possa seguir operando".

Lupi defende governo e diz que há "Carnaval" de denúncias

O ministro Carlos Lupi (Trabalho) disse nesta quarta-feira que há "Carnaval" nas denúncias de corrupção contra ministros da presidente Dilma Rousseff. Na opinião do pedetista, a oposição usa a crise política para fazer "denuncismo" uma vez que "perdeu sua bandeira e não tem discurso nem programa" para o País. "Denúncia fundamentada, tem de se apurar, tem de se investigar.Tem de se prender aqueles que façam qualquer desvio de recurso público. Outra coisa é denuncismo por denuncismo. Aqueles para aparecer em manchete de jornais", afirmou. Na opinião do ministro, tem "Carnaval e fato real", mas falta "enredo" em certas acusações, principalmente as feitas pela oposição: "Em muitos momentos você tem a denúncia pela denúncia". Lupi admitiu, porém, que as denúncias desgastam o governo, que precisa gastar sua energia em apurações "ao invés de estar produzindo para a população". "É preciso sempre guardar o direito sagrado e constitucional de defesa de cada um acusado para verificar qual é o resultado disso", afirmou. O ministro ainda rebateu pedidos da para que apresente um pacote de medidas para proteger o Brasil da crise internacional: "Essa crise continua sendo a crise da especulação, então precisamos tirar a especulação fora. A realidade brasileira é completamente diferente. Não adianta fazer pacote. Já passou a fase do pacote. Agora é a gente se adaptar à realidade de cada momento". Em depoimento à Comissão de Assuntos Sociais do Senado, Lupi negou que tenha feito intervenções na organização sindical brasileira ou no processo de registro de sindicados.

Transpetro cerca área dos dutos do Itaquerão

A Transpetro (Petrobras Transporte S/A) enviou ofício ao Ministério Público Federal, nesta terça-feira, em que mostrou preocupação com o acesso não autorizado ao local onde estão os dutos embaixo do terreno do futuro estádio do Corinthians, na região de Itaquera, em São Paulo. "Para impedir o acesso aos dutos que continuam em operação e garantir sua integridade, foram adotadas medidas cautelares", afirma o documento, assinado pela gerente-geral do Departamento Jurídico da Transpetro, Maria Carolina Gomes Pereira Vilas Boas. Além de instalar cercas de proteção para proteger a área, também foram colocadas placas de sinalização adicionais. A estatal informou ainda que fiscaliza permanentemente os serviços realizados no entorno dos dutos, para evitar qualquer risco à tubulação, como no caso de cruzamentos com veículos e máquinas pesadas sob a faixa dos dutos. O ofício serviu para ela negar ao Ministério Público que a remoção já tenha sido iniciada. Os cuidados da Transpetro atendem a uma recomendação exatamente do órgão para que os custos sejam assumidos somente pelos empreendedores da obra. A remoção e o reposicionamento das tubulações estão orçados inicialmente em R$ 30 milhões.

Dilma pede à base "responsabilidade" no aumento de custos

Em reunião de uma hora e meia na manhã desta quarta-feira, o Planalto pediu aos líderes dos partidos da base aliada "responsabilidade" e união ao avaliar projetos que aumentem os custos do governo. O ministro Guido Mantega (Fazenda) deu o exemplo da PEC 300, que cria um piso nacional para policiais e bombeiros. Há pressão no Congresso para votar o tema neste semestre. "A PEC 300 pode ter um efeito fiscal muito pior para o Brasil do que a crise internacional", afirmou o ministro na reunião. A presidente Dilma Rousseff abriu o encontro falando de economia e da importância do equilíbrio fiscal do país. Pediu a união da base aliada para que não se aprove projetos no Congresso que se transformem em aumento de gastos do governo. Mantega falou ainda do receio de que os aumentos do funcionalismo nos próximos meses "crie uma espiral" de aumento de gastos. Temas políticos, como a crise no Ministério do Turismo, foram citados nas falas dos congressistas, que disseram que o clima no Congresso "está ruim". O PR, que ameaça deixar a base aliada de Dilma desde as mudanças no Ministério dos Transportes, que derrubaram toda a cúpula da pasta e Dnit, foi representado na reunião pelo senador Magno Malta (PR-ES). Ele chegou atrasado, mas ficou até o final. Há poucos dias, Malta defendeu que o PR fizesse apoio "crítico" ao governo. Já o presidente do PMDB, Valdir Raupp (RO), elogiou a condução da presidente frente a crise política e disse que o partido "está com o governo".

Cai aprovação do governo Dilma, aponta CNI/Ibope

A pesquisa CNI/Ibope, divulgada na manhã desta quarta-feira, apontou queda na avaliação pessoal da presidente Dilma Rousseff e, simultaneamente, queda na avaliação positiva de diversas áreas do governo. A aprovação da forma como Dilma comanda o País passou de 73% na pesquisa divulgada em abril para 67%. Com isso, a taxa de desaprovação subiu de 12% para 25% no mesmo intervalo. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais. O levantamento verificou aumento do índice de desaprovação do governo em setores específicos. A insatisfação com relação aos impostos passou de 53% em abril para 69%. A desaprovação com o combate à inflação também subiu, partindo de 42% em abril para 56%. No combate ao desemprego, a taxa dos que desaprovam as políticas governamentais passou de 35% em abril para 47%. Na saúde (aumento do índice de desaprovação de 53% para 69%), educação (43% para 52%), e segurança pública (49% para 65%) também houve variação negativa significativa. Paralelamente a isso, a confiança na presidente Dilma caiu. Dos entrevistados, 65% disseram confiar na presidente (o índice anterior era de 74%). Com isso, aumenta a taxa dos que não confiam (de 16% em abril para 29%). No mesmo intervalo considerado de tempo, mais que dobrou o percentual dos entrevistados que consideram o governo Dilma pior que o governo do ex-presidente Lula (de 13% para 28%). Flávio Castelo Branco, gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da CNI, afirmou que a aprovação pessoal da presidente Dilma e do governo petista ainda é "bastante elevada", comparada aos índices verificados nos governos de Lula e do tucano Fernando Henrique Cardoso. O levantamento mostrou um aumento na percepção de notícias desfavoráveis sobre o governo (de 7% para 25%). Espontaneamente, os assuntos mais lembrados sobre o governo Dilma foram a crise no Ministério dos Transportes (21%) e na Casa Civil (14%), seguida pela decisão do Supremo Tribunal Federal que liberou a união estável para casais do mesmo sexo (7%).

CCJ aprova mudança na tramitação de MP e votação vai ao Senado

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou nesta quarta-feira a PEC (proposta de emenda constitucional) que muda o rito de tramitação das medidas provisórias no Congresso, já com as emendas apresentadas pelo governo para mudar o texto. Depois de um impasse que se arrastava desde o primeiro semestre, aliados da presidente Dilma Rousseff e oposição fecharam acordo para votar a matéria, que segue agora para análise do plenário da Casa. O relator da PEC, senador Aécio Neves (PSDB-MG), fez mudanças no texto a pedido do governo para aprovar a proposta. "Se não é o ideal, é um avanço expressivo na tramitação das MPs. Em nenhum momento tratei essa matéria como membro da oposição que sou. Esse não é relatório do senador Aécio, mas do conjunto dessa comissão", disse o tucano. Na principal concessão, Aécio Neves retirou o artigo que impedia a vigência imediata da MP depois de editada pelo Poder Executivo sem antes passar pela análise do Congresso. Pela nova proposta de Aécio Neves, a MP entra em vigor, mas Comissões de Constituição e Justiça da Câmara e do Senado terão dez dias para analisar a constitucionalidade das MPs - e não uma comissão específica para este fim, como defendia o tucano inicialmente. Aécio Nevesaceitou incluir no texto a possibilidade de recurso ao plenário da Câmara e do Senado se a MP for rejeitada na Comissão de Constituição e Justiça. O tucano conseguiu manter a limitação de um único assunto por MP, acabando com os chamados "contrabandos" de temas na mesma medida provisória.

Mercedes descarta montar automóveis no curto prazo no Brasil

O presidente mundial do grupo Daimler, Dieter Zetsche (que comandou a área de desenvolvimento da Mercedes-Benz, no Brasil, no fim dos anos 80), disse nesta quarta-feira que ainda tem esperança de voltar a produzir automóveis no Brasil. "Estou certo de que podemos voltar a produzir carro no Brasil, mas não amanhã", disse durante coletiva de imprensa em Stuttgart, Alemanha. As duas tentativas de montar veículos leves de passeio no País fracassaram. A fábrica de Juiz de Fora (MG) foi montada na segunda metade dos anos 90 para a montagem do Classe A. A empresa tinha a meta de produzir 30 mil unidades por ano, mas o máximo que conseguiu, durante o curto período de funcionamento desta linha, foi 17 mil unidades em 2001. A segunda tentativa foi com a linha do Classe C (exportado para os Estados Unidos) e o modelo CLC, o cupê da Mercedes. O projeto teve de ser paralisado em 2010, quando a Mercedes-Benz já tinha decidido dar um outro destino à fábrica em Minas Gerais. Em janeiro de 2012, a empresa pretende iniciar a produção de dois modelos de caminhões para o crescente mercado brasileiro, que pode alcançar o patamar de 160 mil unidades em 2011. O plano é produzir 15 mil unidades do Accelo e do Actros, o caminhão pesado da marca hoje importado pelo Brasil.

Fraude desvia R$ 4 milhões da prefeitura de São Paulo

Um esquema criminoso investigado desde junho desfalcou os cofres da Prefeitura de São Paulo em pelo menos R$ 4 milhões, segundo a própria corregedoria municipal. O alvo é o setor de habitação e o esquema envolve a outorga onerosa, dispositivo legal que permite a construção de imóveis acima do limite previsto, mediante o pagamento para a prefeitura. Em um dos casos investigados, a construtora Marcanni obteve o direito de construir um prédio residencial no Tatuapé (zona leste) após apresentar uma guia, no valor de R$ 586 mil, à prefeitura em novembro de 2010. "A guia é falsa e nenhuma parte do valor foi recolhido aos cofres públicos", diz Edilson Bonfim, corregedor-geral da prefeitura: "Temos indícios de que isso ocorreu com algumas construtoras e com outras guias também". Apesar de calcular o rombo em alguns milhões, o corregedor diz que não será surpresa se o valor for bem maior. "Ainda não sabemos o tamanho deste iceberg".

Ministro diz que 15 empresas querem fabricar tablets no Brasil

O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, afirmou nesta quarta-feira que 15 empresas se inscreveram para fabricar tablets e smartphones no Brasil, sendo que nove estão praticamente liberadas para a produção. A venda dos primeiros equipamentos feitos no país deverá começar em setembro, disse o ministro. A produção deverá contar com 20% de componentes nacionais. Em três anos, o índice de conteúdo nacional deverá ser de 80%, afirmou Mercadante. A indústria de tablets no Brasil terá benefícios da chamada "Lei do Bem", que reduzirá PIS, Cofins e IPI na produção desses equipamentos, medida adotada esse ano pelo governo.

Aldo Rebelo terá apoio ruralista para vaga ao TCU

O deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP) deverá contar com a pluripartidária bancada ruralista, que soma 232 deputados na atual legislatura, para vencer a eleição para ministro do Tribunal de Contas da União. Ele se aproximou desse grupo nos últimos dois anos, período em que relatou o projeto do Código Florestal, que acabou sendo aprovado pela Câmara em maio deste ano por 410 votos a 63. Integrantes de partidos com grande número de ruralistas, como o PMDB, já anunciam apoio a Aldo Rebelo. "É uma perda para o Parlamento, mas ao mesmo tempo o Tribunal de Contas da União ganha uma pessoa competente", afirma o deputado Moacir Micheletto (PMDB-PR), um dos expoentes ruralistas da Câmara. O PMDB tem três pré-candidatos ao Tribunal de Contas da União que devem se enfrentar em uma prévia para apresentar um nome apenas. Entretanto, a avaliação é de que nenhum dos pretendentes - Átila Lins (AM), Fátima Pelaes (RN) e Osmar Serraglio (PR) - integram a cúpula do partido, o que afasta a idéia de empenho para elegê-los. Aldo Rebelo conquistou o apoio do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), durante um encontro de seus correligionários com os dois na semana passada. O DEM, também com muitos ruralistas, pode vir a fechar o apoio a Aldo Rebelo. "Há uma simpatia muito grande com a candidatura dele. Grande parte de nós deve apoiá-lo, sobretudo os ligados ao agronegócio, que na nossa bancada é bem representativa", disse o vice-líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM).

TAM reverte prejuízo e lucra R$ 60,3 milhões no segundo trimestre

A TAM anunciou nesta quarta-feira que teve lucro líquido de R$ 60,3 milhões no segundo trimestre deste ano, revertendo prejuízo líquido de R$ 174,8 milhões no mesmo período do ano passado. Apesar disso, o resultado representou uma queda de 53% sobre os três primeiros meses do ano, quando obteve lucro de R$ 128,8 milhões. A retração é consequência do aumento de custos e redução de preços de tarifas. A receita operacional bruta cresceu 16,5%, para R$ 3,2 bilhões, também na comparação anual, sendo que R$ 2,3 bilhões correspondem às receitas com passageiros, que aumentaram 8,2%. Em meio a um aumento da competição no mercado doméstico, em que a Azul se consolidou como terceira maior empresa do setor e a rival mais próxima Gol trabalha para adquirir a Webjet, a TAM reduziu preços de tarifas tanto na comparação anual quanto sobre os três primeiros meses do ano. O yield doméstico, indicador que mede o preço de passagens, recuou 2,4% sobre os três primeiros meses do ano e despencou 21% na comparação com o segundo trimestre do ano passado. Enquanto isso, as despesas operacionais da companhia, que tenta criar com a chilena LAN a maior linha aérea da América Latina, subiram 3,6% sobre o primeiro trimestre e 16,4% sobre um ano antes.

Déficit na conta corrente da França cai para 3,4 bilhões de euros

A França apresentou um déficit de 3,4 bilhões de euros (R$ 7,8 bilhões) em sua conta de transações correntes em junho, um volume 38% menor que o de 5,5 bilhões de euros (R$ 12,6 bilhões) registrado em maio, informou o banco central do país nesta quarta-feira. O resultado foi ajudado pela queda do déficit na balança de bens, de 7,5 bilhões de euros (R$ 17,2 bilhões) em maio para 5,8 bilhões de euros (R$ 13,3 bilhões) em junho, e pelo aumento do superávit em serviços, de 800 milhões para 1,5 bilhão de euros (R$ 3,4 bilhões). A saída líquida de investimento direto totalizou 6,2 bilhões de euros em junho, muito mais do que os 2,8 bilhões de euros de maio, enquanto o investimento direto da França no Exterior somou 7,3 bilhões de euros (R$ 14,2 bilhões) e os investimentos de não residentes na França totalizaram 1,1 bilhão de euros (R$ 2,5 bilhões).

Explosão em refinaria da Petrobras na Argentina mata uma pessoa

Uma explosão em uma refinaria da Petrobras na Argentina deixou pelo menos um funcionário morto e um ferido grave. A refinaria está instalada na cidade de Bahía Blanca, no sul do país, que abriga o principal pólo petroquímico da Argentina. A planta tem capacidade para refinar 4.850 metros cúbicos diários, ou 31 mil barris por dia (bpd). Há notícias de que existem ao menos cinco feridos.

Delfim Netto vai coordenar programa de governo de Chalita

Delfim Netto será o coordenador do programa de governo de Gabriel Chalita (PMDB-SP), pré-candidato à prefeitura de São Paulo. O ex-ministro da ditadura militar também integra a equipe da Casa São Paulo, fundação que Chalita lança no final do mês, com sede no Pacaembu. O deputado federal Gabriel Chalita é a grande aposta do PMDB para as eleições de 2012. No ano passado, Chalita foi o segundo mais votado para a Câmara dos Deputados, com aproximadamente 560 mil votos. A política brasileira está uma coisa completamente desclassificada e ordinária. Chamar Delfim Netto para fazer programa de governo do PMDB, justamente um dos signatários do infame AI5, é muito mais do que um deboche. Seria como chamar para escrever seu programa justamente o estuprador de sua mulher. Depois não querem que o povo rejeite os políticos e a política.

Energia para indústria no Brasil é a quarta mais cara do mundo

A indústria brasileira paga a quarta conta de energia mais cara do mundo, o que afeta a sua competitividade. A tarifa de consumo industrial, de R$ 329,00 por MWh na média nacional, fica atrás apenas de Itália, Turquia e República Tcheca, segundo estudo inédito da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro). A tarifa média dos 27 países que participaram do levantamento foi calculada em R$ 215,50 por MWh. O preço brasileiro, portanto, é 53% superior à média mundial. Considerando a média dos Brics (R$ 140,70 o MWh), a tarifa brasileira é 134% maior. A indústria nacional também paga 131% a mais do que a média de seus principais parceiros comerciais (Estados Unidos, Argentina, China e Alemanha), de R$ 142,20 o MWh. "Sob qualquer ótica, estamos muito acima do razoável em termos de competitividade", afirma Cristiano Prado, gerente de competitividade e investimentos da Firjan. O trabalho reforça o alto peso de encargos e impostos sobre o custo total: 48,6% da tarifa. Mas os custos de geração, transmissão e distribuição, o chamado GTD, também têm forte influência no total. Segundo o estudo, só o custo de GTD no Brasil, de R$ 165,50 por MWh, supera a tarifa de competidores como China e Argentina, apesar da vantagem hídrica brasileira. O alto valor do GTD esquenta o debate sobre a renovação das concessões do setor elétrico que começam a vencer em 2015. A indústria, liderada pela Fiesp, defende novas licitações, apostando em preços mais baixos após novos leilões. "A tendência natural é o preço despencar", diz Paulo Skaf, presidente da Fiesp. Segundo ele, será possível reduzir a tarifa de R$ 90,00 o MWh (média cobrada hoje pela geração nas usinas com renovação prestes a vencer) para R$ 20,00 o MWh, pois os investimentos na construção dos empreendimentos já foram amortizados e restarão apenas custos operacionais. "O impacto será grande, pois 30% da geração, 40% da distribuição e 80% da transmissão devem vencer a partir de 2015", afirma. A Fiesp entrou com representação no TCU (Tribunal de Contas da União) solicitando intervenção para que sejam tomadas providências para a realização de novos leilões. "Se o GTD não cair 35%, estaremos fora do jogo da competitividade industrial", diz Prado, da Fierj. A energia elétrica representa, em média, 10% do custo total da indústria, segundo a Fierj (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro). Quanto mais altos os custos, maior será o preço dos produtos vendidos ao consumidor final.

Sindicalistas condicionam apoio a cargos e poder no PSDB

Sindicalistas atraídos para o novo braço sindical do PSDB mal chegaram ao partido e já reivindicam espaço e cobram engajamento na pauta trabalhista. A aproximação com os sindicatos foi idealizada por tucanos como o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o senador Aécio Neves (MG) dentro da estratégia de "refundação" do PSDB. O núcleo paulista já foi criado e tem cerca de 200 sindicalistas. Em Minas Gerais, o lançamento será no dia 20 com a filiação de até 150 pessoas. A maior parte vem da Força Sindical, mas também há dirigentes da Nova Central Sindical e da UGT (União Geral dos Trabalhadores). O presidente nacional do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra, disse que também haverá um braço nacional e extensão para outros Estados. Vice-presidente da Força, Melquíades de Araújo, disse que será preciso estar aberto às questões levadas pelos sindicalistas. Ele reclamou que o PSDB, "na sua maioria, nunca quis ouvir": "Não podemos ser núcleo sindical para eleição". Ele disse que o PSDB paulista já teve a experiência de ter um grupo sindical na época de Mário Covas, que o levou para a sigla, mas que "com o tempo o próprio partido foi marginalizando a participação do movimento sindical". Os sindicalistas cobram "democracia interna" e abertura para se candidatarem a vereador e deputado. À frente do núcleo sindical em São Paulo, o sindicalista Antônio de Sousa Ramalho, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil no Estado, afirmou que o grupo só terá voz se conseguir "alguém com mandato". "Não quero ser apenas soldado nessa história toda", disse. O PSDB agora quer repetir o PT. Não aprendeu nada com a história, de que não há nada mais corrupto do que sindicalismo e sindicalistas.

Demanda por crédito recua pelo segundo mês consecutivo

A demanda do consumidor por crédito recuou 1,2% em julho na comparação com o mês anterior, registrando a segunda queda mensal consecutiva, de acordo com o indicador da Serasa Experian divulgado nesta quarta-feira. Segundo os economistas da Serasa, a diminuição é um sinal de que o atual ciclo de aperto monetário, com aumento dos juros e adoção de medidas macroprudenciais de restrição ao crédito, deverá produzir menor ritmo de expansão do crédito ao consumidor ao longo deste semestre. No confronto com o mesmo mês do ano passado, a procura aumentou 9,3%, apresentando a segunda menor taxa de crescimento em um período de 13 meses. Já no acumulado do ano, a busca foi 13,0% superior ao contabilizado entre janeiro e julho de 2010. Na análise por renda mensal, todas as faixas reduziram a procura em julho, com exceção dos consumidores de baixa renda, que ganham até R$ 500,00 por mês e tiveram crescimento de 0,5% ante junho. A maior queda (1,5%) foi verificada na camada que engloba quem recebe entre R$ 1.000,00 e R$ 2.000,00 por mês. No acumulado dos primeiros sete meses do ano houve crescimento em todas as faixas.

Escritor Charles Dickens foi dono de jornal de muito sucesso

Em 1866, a atriz vitoriana Ellen Terry disse que uma revista era o que a fazia sentir saudades de Londres. Durante 20 anos, uma publicação semanal administrada e editada pelo escritor Charles Dickens era aguardada ansiosamente por leitores. Toda quarta-feira, eles encontravam ali não só relatos ricamente construídos dos fatos da época, mas também capítulos avulsos daqueles que mais tarde se tornariam os livros mais famosos do escritor. Acadêmicos modernos esperam que o apelo popular da revista, cujo título quando foi lançada, em 1850, era "Household Words" (palavras de família), mas que passou a se chamar "All the Year Round" (o ano todo) em 1859, quando Dickens rompeu com o publisher e passou a publicá-la por conta própria, possa ser recuperado. Voluntários foram convidados para ajudar a levar a íntegra das 1.101 edições da revista para a era digital, tornando-as acessíveis a um público tão amplo quanto os 300 mil vitorianos que compravam o periódico semanalmente. "O alvoroço provocado nos anos 1860 pela chegada de cada novo Dickens só pode ser entendido por pessoas que o testemunharam na época", escreveu Ellen Terry em sua autobiografia: "Meninos vendiam a revista nas ruas e frequentemente eram perseguidos por uma multidão ansiosa, como se estivessem portando notícias sobre o último vencedor da corrida de cavalos". O bicentenário do nascimento de Dickens é em 7 de fevereiro de 2012. A pequena equipe da Universidade de Buckingham esperava ter todas as revistas on-line até essa data, mas, embora as páginas já tenham sido escaneadas, elas agora precisam ser revistas para que sejam removidos os inevitáveis erros causados pelos computadores. O número enorme de páginas (30 mil) cria um problema para a conclusão do trabalho no prazo desejado. Por conta disso, foi lançado um chamado a todos os editores de texto amadores com acesso a computadores. "Todas as transcrições lidas por máquinas precisam ser corrigidas. Nestes tempos de cortes de verbas, o custo seria considerável, de modo que decidimos abrir o trabalho aos interessados", disse John Drew, professor sênior de inglês em Buckingham. Mas apenas 15% do trabalho com os arquivos foi distribuído até agora, principalmente entre pós-graduandos e acadêmicos. Depois de uma carta a esse respeito ter sido publicada pelo "Guardian" na semana passada, mais voluntários se apresentaram, e agora quase 20% das edições estão em processo de revisão. A revista era extremamente respeitada na época de sua circulação e publicou capítulos de "Grandes Esperanças", "Tempos Difíceis", "North and South" e "A Mulher de Branco", além de poesia, jornalismo investigativo, relatos de viagens, ciência de alcance popular, história e comentários políticos. Em três bilhões de palavras, há tanto joias históricas que detalham a vida, os problemas sociais e a política dos vitorianos quanto um tesouro literário das obras de Wilkie Collins (1824-89), Elizabeth Barrett Browning (1806-61), George Sala (1828-95) e Elizabeth Gaskell (1810-65). Talentos desconhecidos também tinham espaço. "Charlie, um irmão de Wilkie Collins, escreveu alguns depoimentos de testemunha ocular extraordinariamente vívidos. Ele é um indivíduo que a história perdeu, apesar de ter se casado com a filha de Dickens e de ter redigido boa parte da revista nos primeiros dez anos", disse Drew. "Dickens começou como repórter que cobria o Parlamento, e "The Pickwick Papers" foi originalmente um livro de esquetes divertidos, alguns deles sobre moda. O fato de ter escrito suas obras de ficção para um público semanal de revista ajuda a explicar como Dickens sobreviveu até os tempos modernos. É um trabalho muito visual, repleto de imagens que se traduziram bem para a televisão e o para cinema, de uma maneira que nunca foi o caso de um William Thackeray (1811-63), por exemplo." Mas Dickens também cobriu assuntos que outros jornais se negavam a tratar: não apenas as condições vigentes nos moinhos, fábricas e - um de seus temas favoritos - prisões, mas também notícias do Exterior. Ele encarregou Thomas Trollope, irmão do escritor Anthony Trollope (1815-82), de fazer uma cobertura extensa dos massacres da segunda guerra de independência italiana (abril-julho de 1859) contra o império austríaco, no momento em que a Grã-Bretanha, constrangida por lealdades da família real, se abstinha do conflito. Os relatos vivos do enviado contradiziam boa parte da cobertura da época, politicamente neutra. "Eu estava editando esses despachos no mesmo momento em que o noticiário internacional revolvia em torno da intervenção na Líbia, e foi interessante conhecer o contexto histórico pregresso", comentou Drew. Um dos textos favoritos dele, entretanto, diz respeito a um evento menos dramático. "É uma reportagem instigante, que, ao mesmo tempo em que se abstém de qualquer condescendência, constitui uma leitura profundamente incômoda. Ela revela tanto sobre nossos valores e atitudes atuais quanto sobre o apreço vitoriano pelo excêntrico e pelo chamado grotesco", observou Drew. Dickens escreveu uma genial obra chamada "Diário do ano da peste".

Dilma ordena faxina na Conab igual à do Dnit

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) passará pela mesma faxina do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), determinou a presidente Dilma Rousseff. Significa que, do presidente da estatal aos assessores aparentados de políticos, todos serão afastados. Há ainda um agravante em desfavor da Conab. Lá, o loteamento entre os partidos foi maior do que no Dnit. Toda a Conab foi dividida entre o PTB (que não tem um ministério, mas se contentou com a presidência da estatal, que está presente em todo o Brasil e tem orçamento de R$ 2,8 bilhões), o PMDB e o PT. O Dnit havia sido loteado apenas entre o PR e o PT. O primeiro a ser demitido foi Oscar Jucá Neto, que ocupava a diretoria financeira da Conab. Jucá, que é irmão do líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), determinou o pagamento de R$ 8 milhões a uma empresa de silos de Goiás, mas a verba era destinada à compra de alimentos. Em represália pela demissão determinada pelo ministro da Agricultura, ele acusou Wagner Rossi de corrupção. Rossi respondeu que as denúncias eram uma vingança. A presidente Dilma Rousseff defendeu o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, por dois dias seguidos e determinou a faxina na Conab. Assessores da presidente Dilma Rousseff dizem que todos os partidos já foram informados de que seus afilhados serão substituídos por técnicos. Na segunda-feira, a presidente conversou com o ministro da Agricultura. "Quero técnicos no lugar dos diretores", cobrou Dilma. "Para a Diretoria Jurídica você pode recorrer à Advocacia-Geral da União (AGU)", aconselhou ela. A própria presidente avisou ao advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, que ele teria de ceder alguém para a Conab.

Número 2 do Ministério do Turismo tem uma folha corrida extensa de denúncias

Preso nesta terça-feira pela Polícia Federal, o secretário-executivo do Ministério do Turismo, Frederico Silva da Costa, foi promovido ao segundo cargo mais importante da pasta, em janeiro deste ano, mesmo sob acusações de desvio de verbas da extinta Sudam ( Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), favorecimento de empresa de sua família e irregularidades na gestão de convênios federais. Graças ao apoio das bancadas de diversos partidos no Congresso, devidamente recompensadas com a liberação de emendas, atravessou oito anos blindado das denúncias em postos importantes do ministério, administrado no período por PTB, PT e PMDB. Fred, como é conhecido, chegou à pasta em 2003, como nome imposto ao ex-ministro Walfrido Mares Guia (PSB, ex-PTB) pelo então presidente nacional do PTB, José Carlos Martinez (falecido em 2003). Assumiu a diretoria do Departamento de Financiamento e Promoção de Investimentos, que capta investimentos de organismos externos. Com a troca de comando no ministério, assumido em 2007 pela petista Marta Suplicy, foi alçado à Diretoria de Programas Regionais de Desenvolvimento do Turismo. No ano seguinte, com a ascensão de Luiz Barretto (PT-SP), foi promovido a secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo, que controla a liberação de verbas de emendas para obras e qualificação de operadores de turismo, área sob investigação da Polícia Federal. Em janeiro, Fred ascendeu a secretário-executivo com o apoio do líder do PMDB na Câmara, deputado federal Henrique Eduardo Alves (RN). Segundo fontes do ministério, um mês antes de sua nomeação Fred recebeu as bênçãos do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), em reunião da qual participaram o atual ministro, Pedro Novais, e seu antecessor, Luiz Barretto, que o tinha como figura siamesa em sua gestão. Com a caneta para deliberar sobre convênios e a chave do cofre, Fred ganhou a simpatia dos parlamentares. Em meio à sua ascensão profissional, tornou-se réu de ação civil pública no Tocantins e teve os bens bloqueados por suposto desvio de verbas da Sudam. Ele, seu pai, Francisco Hyczy da Costa, e seu irmão, Francisco Costa Neto, obtiveram do órgão, nos anos 1990, empréstimo de R$ 4,7 milhões em nome da Forasa Indústria Alimentícia S/A para financiar uma fábrica de processamento de tomates. Segundo o Ministério Público Federal, o valor foi desviado. Como gerente do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), Fred destinou, segundo reportagem da revista Época, R$ 13 milhões para construir a rodovia GO-507, que facilitou o acesso de turistas à região de Rio Quente. Lá fica o Rio Quente Resorts, da qual sua família é acionista.

Grupo australiano de shoppings chega ao Brasil


Depois de uma década sem expandir suas operações para novos países, a Westfield, uma das líderes no mercado mundial de shopping centers, anunciou nesta terça-feira sua entrada no mercado brasileiro. O grupo australiano comprou por R$ 740 milhões uma participação de 50% na catarinense Almeida Junior. O acordo para a criação de uma joint venture vinha sendo discutido desde março e foi oficializado em Sydney. Avaliada em R$ 1,4 bilhão, a Almeida Junior desenvolveu e hoje administra quatro shoppings em Santa Catarina, nas cidades de Blumenau, Joinville e Balneário Camboriú. O projeto mais recente está em andamento e deve ser inaugurado no ano que vem, no município de São José, região metropolitana de Florianópolis. A nova empresa, batizada de Westfield Almeida Junior, deixa de ter uma atuação exclusivamente regional para avançar pelo mercado brasileiro de shoppings. "Com a joint venture, o espectro da companhia passa a ser outro", diz Jaimes de Almeida Junior, CEO da nova empresa: "Vamos estudar investimentos em São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná". Além de receber aporte financeiro, o empresário diz que a sociedade facilitará a atração de grifes internacionais para os shoppings da rede, já presentes em empreendimentos do parceiro internacional. A Westfield tem interesse de acompanhar de perto o sócio brasileiro. Além do diretor financeiro, que virá de Los Angeles, o grupo indicará outros dois executivos para comandar a comercialização e desenvolvimento de projetos. Da quantia paga pela Westfield, R$ 340 milhões serão embolsados pelos fundadores e R$ 400 milhões vão para o caixa do grupo. O recurso é destinado à expansão e ao pagamento de dívida.

Petrobrás já perdeu quase o mesmo valor da capitalização

A crise mundial derrubou o valor de mercado da Petrobrás, que se aproxima do nível anterior à apresentação das ações do pré-sal na capitalização recorde de R$ 120 bilhões do segundo semestre do ano passado. O valor de mercado da estatal atingiu, na segunda-feira, R$ 258,9 bilhões. Em 23 de setembro do ano passado, véspera da capitalização, o valor era de R$ 252,6 bilhões. O maior valor de mercado da Petrobrás desde o anúncio da descoberta da camada petrolífera do pré-sal foi de R$ 413,3 bilhões, em 8 de março. Em cinco exatos meses desde o seu maior valor, a perda atingiu R$ 154,4 bilhões. Para o economista Edmar de Almeida, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a crise abre perspetiva de queda no preço do petróleo, "o que desvaloriza qualquer empresa do setor": "No caso da Petrobrás, a situação é mais grave porque ela está mais alavancada do que o resto do mercado, tem muitos investimentos. É a empresa de petróleo que mais investe no mundo. Uma situação de grande investimento em período de incerteza coloca a empresa em posição de fragilidade". Divulgado em julho, o plano de negócios da Petrobrás para o período 2011-2015 estipula US$ 224,7 bilhões em investimentos. Almeida observa que, no Brasil, o investidor estrangeiro está exposto a um evidente risco cambial: "Como o real está muito valorizado, isso implica a perspectiva de desvalorização do real em algum momento. O preço da ação leva em consideração o risco do investimento". De acordo com estudo divulgado pela consultoria Economática, o patrimônio líquido da Petrobrás era de R$ 306,7 bilhões no último dia de 2010. Na data, o valor de mercado da petroleira era R$ 380,2 bilhões. Ou seja: o valor de mercado era 24% maior que o patrimônio liquido. A correlação mudou com a crise global. Segundo a consultoria, embora a Petrobrás ainda não tenha publicado o balanço de junho de 2011, é possível calcular uma queda expressiva do valor da empresa em bolsa, em relação ao patrimônio líquido. O cálculo vincula o patrimônio liquido de março deste ano, de R$ 314,7 bilhões, com o valor de mercado em 8 de agosto, de R$ 258,9 bilhões. Se antes valia mais em comparação com o patrimônio líquido, agora o quadro é bem diferente. Ela vale na bolsa 82,3% do patrimônio liquido. A companhia realizou em 2010 a maior operação de aumento de capital da história, ao levantar R$ 120 bilhões (US$ 69,9 bilhões à época) pela emissão de cerca de 4 bilhões de ações nas Bolsas de São Paulo e Nova York. A oferta levou-a do quarto para o segundo lugar entre as empresas de energia com ações em bolsa, atrás apenas da Exxon Mobil.

População forma grupos de autodefesa em Londres contra hordas de vândalos

Centenas de habitantes de Londres se organizaram na madrugada desta quarta-feira em grupos de autodefesa, após quatro dias de distúrbios na capital britânica. Em Southall, no oeste da capital britânica, centenas de Sikhs, alguns vestidos com suas roupas tradicionais, se reuniram em seu templo após boatos de que poderiam ser alvo dos vândalos. Os Sikhs organizavam patrulhas de moto e vigiavam a estação local para prevenir a possível chegada de agressores. Em Enfield, distrito do norte de Londres muito afetado pelos distúrbios das noites anteriores, cerca de 200 moradores percorriam as ruas em patrulha. Um vídeo amador divulgado nesta quarta-feira mostra um grupo de 100 pessoas gritando "Inglaterra, Inglaterra, Inglaterra" em uma rua de Enfield. No distrito de Eltham, sudeste de Londres, ao menos 100 pessoas saíram às ruas para defender sua zona. "Este é um bairro de operários brancos e estamos aqui para proteger nossa comunidade", disse um homem ao jornal The Guardian. "Estamos aqui para ajudar a polícia. Minha mãe está aterrorizada pelo que viu na televisão nos três últimos dias e decidimos que isto não ocorrerá aqui". Nos bairros de Hackney e Kentish Town, ao norte de Londres, vários comerciantes, incluindo muitos turcos, protegiam suas lojas, alguns com armas improvisadas. No início da noite do último sábado, manifestantes iniciaram protestos em Nottingham, no norte de Londres, motivados pelo assassinato de um homem de 29 anos e pai de família, dois dias antes.

Secretário-executivo do Turismo que foi preso já tinha bens bloqueados


Frederico Silva da Costa, secretário-executivo do Ministério do Turismo, preso nesta terça durante a Operação Voucher da Polícia Federal, está, desde o começo deste ano, com seus bens indisponibilizados por determinação da Justiça Federal no Tocantins. A medida foi motivada por fraude cometida na extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). A decisão também bloqueou os bens de seu pai, Francisco Hyczy Costa, e de seu irmão, Francisco Costa Neto, em um total de R$ 7,1 milhões, e vale até a conclusão do processo. O juiz também decretou a quebra do sigilo fiscal dos envolvidos. Costa e seus parentes são acusados de apropriação indébita de recursos da Sudam por meio de fraudes na condução do projeto Forasa Indústria Alimentícia, aprovado em dezembro de 1999. O objetivo era implantar uma unidade de processamento industrial de tomate, em Formoso do Araguaia. A empresa recebeu quase R$ 4,8 milhões, em 2000, com essa finalidade. De acordo com a Procuradoria da República no Tocantins, os acusados não executaram o projeto e falsificaram documentos para comprovar os gastos. As atas de assembléia-geral simulavam o aumento do capital social da Forasa, apontando o depósito de mais de R$ 1,5 milhão de reais na conta da empresa, com extratos enviados à Sudam. Os valores eram imediatamente sacados e desviados como pagamento para serviços não executados, a cargo das empresas Aliança Projetos e Construções, Gebepar e Campina Verde, estas últimas geridas por Francisco Hyczy, o que facilitava a emissão das notas falsas. Para acobertar a não aplicação dos recursos, dois servidores da Sudam relataram que ele estava sendo executado regularmente, o que possibilitou a liberação de mais três parcelas dos recursos. Uma perícia feita pela Polícia Federal no imóvel onde deveria ter sido erguido o parque industrial da empresa constatou a ausência de benfeitorias, estando o terreno desprovido de qualquer tipo de utilização relacionado com o empreendimento.

Senadora petista Marta Suplicy se esconde no banheiro para não falar com jornalistas sobre prisão de seu "braço direito"


Responsável pela nomeação do ex-presidente da Embratur, Mário Moysés, preso nesta terça-feira na Operação Voucher, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) chegou a se esconder no banheiro do cafezinho do plenário para fugir dos jornalistas. Impecável em um tailler vermelho, a socialite Marta Suplicy se encastelou na cadeira de presidente de olhos grudados no computador enquanto os senadores da Oposição se revezavam para criticar o novo escândalo de desvio de cerca de R$4 milhões no Ministério do Turismo, durante parte de sua gestão na pasta. Mário Moysés foi braço direito da socialista petista Marta Suplicy em São Paulo, inclusive em suas campanhas políticas. Mas ela se negou o tempo todo a falar sobre o rombo na pasta que administrou. Durante todo o tempo em que ela presidiu a sessão, a ricaça Marta Suplicy se manteve com cara de amuo. Quando o senador Mário Couto (PSDB-PA) falou de "ladrões" no Ministério do Turismo, citando as prisões de Frederico e Mário Moysés, Marta Suplicy virou o rosto para o outro lado e ficou fazendo cara de impaciência. "Malditos aqueles que roubam! Mas vão pagar, doa a quem doer, presidenta" - bradava Mário Couto, enquanto a socialite petista Marta nem se movia na sua direção, mantendo os olhos fixos na tela do computador a sua frente. Por volta das 17 horas, quando o presidente José Sarney(PMDB-AP) chegou ao plenário para presidir a ordem do dia, ela não se levantou da cadeira. Ele teve que ficar por alguns minutos em pé no plenário enquanto Marta Suplicy, atabalhoadamente tentava ela mesma presidir a ordem do dia. Mas, nervosa, começou a discutir uma matéria, sem sequer anunciar a abertura da ordem do dia. "Para começar a ordem do dia, Vossa Exelência tem que primeiro anunciar a abertura da ordem do dia", repreendeu Mário Couto. "Vou abrir, vou abrir", disse a socialite petista Marta Suplicy. Quando Sarney subiu à Mesa e retomou seu lugar, Marta Suplicy continuou sentada ao seu lado, enquanto o grupo de jornalistas a aguardava embaixo. Por fim, ela saiu da Mesa, mas refugiou-se no banheiro do cafezinho. Os jornalistas se deslocaram então para a porta do banheiro e esperaram por mais de 20 minutos enquanto ela despachava lá dentro com assessores. Quando finalmente ela saiu do banheiro, caminhou a passos largos fingindo que falava ao celular, ignorando as perguntas dos jornalistas sobre a prisão de seu homem de confiança. "Não vou falar, tudo que tinha a dizer já falei", disse a petista Marta Suplicy, subindo novamente para a Mesa.