domingo, 11 de setembro de 2011

Três pessoas morrem por meningite tipo C na Bahia

Três pessoas morreram por meningite do tipo C na Bahia, segundo divulgou neste domingo a Secretaria da Saúde da Bahia, que também confirma sete casos da doença no Estado. Os sete casos de meningite meningocócica do tipo C foram registrados no município de Mata de São João, entre os funcionários do Complexo Hoteleiro de Sauípe. Deste total, três casos evoluíram para óbito, sendo dois do sexo masculino e outra do feminino. Nenhum caso foi registrado entre os hóspedes dos hotéis ou moradores da região. Segundo a Secretaria da Saúde, a partir do conhecimento do primeiro caso, no dia 4, a Secretaria, juntamente com as Secretarias Municipais de Saúde de Camaçari, Mata de São João e Entre Rios, iniciou a quimioprofilaxia para todas as pessoas que tiveram contato direto com os trabalhadores que apresentaram os sintomas da doença, tanto no ambiente de trabalho como no domiciliar. Cerca de 1.800 pessoas receberam a medicação e nenhum novo caso ocorreu nas últimas 24 horas. Como medida complementar, a administração do Complexo Hoteleiro Sauípe, está programando para os próximos dias, a vacinação de todos os funcionários.

Entidades ocidentais cristãs doam abrigos anti-bombas para Israel

Abrigo anti-bomba
A International Fellowship of Christians and Jews (Fraternidade Internacional de Cristãos e Judeus - IFCJ) comprou 100 abrigos anti-bomba que custaram US$ 1 milhão para serem colocados em áreas que foram alvos de foguetes disparados de Gaza nos últimos meses. "Queremos salvar vidas de todos os modos que pudermos, e sempre enquanto pudermos" disse o rabino Yechiel Eckstein, fundador e presidente da IFCJ. "A generosidade de nossos doadores dos Estados Unidos e do Canadá torna possível que os israelenses, que vivem sob a ameaça de guerra e de atentados terroristas, se protejam". Os abrigos móveis serão colocados perto de escolas e outras áreas públicas para que as pessoas possam ir para eles de forma rápida em caso de um ataque. Depois de ouvir uma sirene de alerta, as pessoas geralmente têm apenas de 15 a 20 segundos para chegar ao abrigo mais próximo. Os abrigos pré-fabricados de concreto serão instalados o mais rápido possível em pelo menos 12 cidades do sul que são alvos de recentes ataques com foguetes, incluindo Ofakim, Ashkelon, Beer Sheva e Ashdod. Cada abrigo custa US$ 10.000 e acomoda aproximadamente 28 pessoas. Há pelo menos 1 milhão de pessoas que precisam de acesso a abrigos de emergência no sul de Israel. No início de agosto Israel sofreu um dos seus piores ataques terroristas nos últimos anos. Em um ataque coordenado de três etapas, oito israelenses foram mortos e outros 30 feridos. Nos dias que se seguiram mais de 100 foguetes foram disparados contra Israel pelos terroristas da Faixa de Gaza que é controlada pelo Hamas. Esses ataques mataram uma pessoa e obrigaram que centenas de milhares de israelenses se abrigassem em lugares públicos e privados por todo o país. Foguetes e mísseis continuam a ser lançados diariamente contra áreas civis. Com os recursos para a segurança nacional sendo desviados para as necessidades de defesa e segurança das escolas, funcionários do Ministério da Defesa de Israel solicitaram ao rabino Eckstein para colaborar nas medidas de emergência para a compra de abrigos anti-bomba a serem colocados em áreas públicas. Desde a Guerra do Líbano, a IFCJ já financiou a reforma ou construção de 2.114 abrigos nas regiões norte e sul do país atingidas por ataques de mísseis e foguetes. A IFCJ também se comprometeu com mais US$ 10 milhões este ano para a participação nos esforços de segurança de Israel, e que incluem a fortificação de unidades hospitalares que tratam dos traumas das vítimas de ataques; assistência aos soldados das Forças de Defesa de Israel, incluindo aqueles sem família ou cujas famílias passam por necessidades, e na ajuda aos soldados para programas pós-militares de educação e formação profissional. No início deste ano a IFCJ também forneceu fundos para a reforma de 14 abrigos públicos em Bersheba e destinou US$ 450.000 para a reforma ou a construção de centros de comando de operações em 14 municípios localizados em áreas-alvo de terroristas. Também vários municípios receberam veículos para o combate ao fogo e para segurança, graças a doadores da IFCJ, a maioria dos quais são cristãos evangélicos.

Filho de Gaddafi chega ao Níger

Um dos filhos do ditador líbio Muammar Gaddafi, Saadi, chegou ao norte do Níger, informou o ministro da Justiça do país. O ministro das Relações Exteriores do Níger, Mohamed Bazoum, havia insistido na última quarta-feira que Muammar Gaddafi não estaria em seu país, mas também confirmou em entrevista à BBC que outros membros do regime líbio haviam conseguido se refugiar no país nos últimos dias. Segundo ele, cerca de 20 integrantes do regime líbio conseguiram se refugiar na capital nigerina, Niamei, estão "sob controle" do governo local e serão tratados de acordo com leis internacionais de refúgio. Uma autoridade do Níger disse na sexta-feira que a nação africana respeitaria seus compromissos para com o Tribunal Penal Internacional se Gaddafi ou seus filhos entrassem no país. Os Estados Unidos pediram na última terça-feira que o Níger detenha todos os aliados de Gaddafi que cruzaram a fronteira durante. "Pedimos nos termos mais fortes que as autoridades nigerinas detenham esses membros do regime que podem ser objeto de processo, a fim de garantir que confisquem quaisquer armas que encontrem e que qualquer bem do governo da Líbia, e que dinheiro e joias também sejam apreendidos para que sejam devolvidos ao povo líbio", disse a porta-voz do Departamento de Estado americano, Victoria Nuland.

Exportação de biquíni brasileiro cai 83%

As crises nos Estados Unidos e na Europa esfriaram a demanda por biquínis, e a valorização do real tornou o maiô de duas peças mais caro no Exterior. Neste ano, até julho, foram exportados 480,8 mil maiôs e biquínis. Em 2010, 614,4 mil peças. Números muito inferiores aos 3,6 milhões de unidades compradas por outros países em 2005, auge das vendas externas. Em valores, o movimento é parecido: as exportações do produto somaram US$ 19,8 milhões em 2005, montante que caiu para US$ 7,4 milhões em 2010. Até julho deste ano, foram US$ 6 milhões em produtos vendidos ao Exterior. O presidente da Acirb (Associação Comercial da Rua dos Biquínis), de Cabo Frio, Sílvio César Rodrigues, calcula que a queda nas vendas foi de 30% nos últimos três anos. "A nossa saída para sobreviver foi a abertura de lojas", diz Rodrigues, dono da marca Toccare. Nos tempos de vendas externas aquecidas, outra marca, a Acqua Brasil, chegou a produzir 100 mil peças por ano. Hoje, fabrica entre 20 mil e 30 mil unidades anualmente.

Irã diz que 11/9 foi "teatro americano" para justificar invasão ao Iraque

O ditador nazista islâmico do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, insistiu neste domingo em sua teoria de que os atentados de 11 de setembro de 2001 a Washington e Nova York foi um jogo orquestrado para influenciar à opinião pública e criar um pretexto à invasão da região islâmica e ocupar Iraque e Afeganistão. "O regime da arrogância vende armas para outros países e com isto procura fomentar a guerra e derramar sangue para poder desta maneira vender mais armas", acrescentou o nazista islâmico na televisão estatal iraniana. Em 25 de junho passado, Mahmoud Ahmadinejad declarou que os atentados de 11 de setembro de 2001 a Washington e Nova York fazem parte de uma conspiração para proteger os interesses dos Estados Unidos e de Israel. O nazista islâmico Ahmadinejad reiterou que "essa verdade" sairia à luz se fosse aberta uma investigação séria e independente.

PSD de Kassab nasce com vocação governista em 18 dos 27 Estados

Além de partido “colaborador, mas independente” em relação à presidente Dilma Rousseff, o PSD nasce aliado de 18 dos 27 governadores e, na maior parte dos casos, ainda tende a seguí-los nas eleições das capitais. O arco de alianças não tem preconceitos: vai do PT ao DEM, passando por PSB, PSDB e PMDB. A legenda criada pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab será “independente” em cinco Estados, inclusive São Paulo, e no Distrito Federal. Estará na oposição em apenas três. Com dois governadores (Raimundo Colombo, de Santa Catarina, e Omar Aziz, do Amazonas), cinco vice-governadores, 49 deputados federais e dois senadores, o novo partido não vê motivos para vetos na escolha dos parceiros. Entre os 18 governadores aliados, há um grupo de parceiros. Cederam aliados e, em contrapartida, fortaleceram suas bases. Estão nesse grupo a governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB); o tucano Simão Jatene, do Pará; os petistas Jaques Wagner, da Bahia, e Marcelo Déda, de Sergipe; e o presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Outro socialista, o cearense Cid Gomes, também apoiou a formação do PSD, coordenado no Estado por um de seus principais auxiliares, o gestor de gabinete do governo, Almircy Pinto. Nas eleições de 2012, em Fortaleza, o PSD vai seguir a orientação de Cid Gomes. O mais provável é que o governador cearense mantenha o apoio ao PT da prefeita Luizianne Lins. A situação se repete na sucessão de Recife. Eduardo Campos deverá manter a aliança com o PT, mas ainda há muita dúvida sobre a candidatura à reeleição do prefeito petista João da Costa. De qualquer maneira, o PSD será fiel à orientação do governador pernambucano. Campos aproximou-se de Kassab desde o início de sua empreitada pelo novo partido, quando ainda se especulava sobre uma possível fusão do PSD com o PSB, mais tarde descartada. Além de decisivo na formação do novo partido em Pernambuco, o governador ajudou na aproximação do PSD com aliados de vários Estados e com a própria presidente Dilma Rousseff.

Ministério Público Federal denuncia bispo Edir Macedo por lavagem de dinheiro

O Ministério Público Federal em São Paulo denunciou o bispo Edir Macedo e mais três dirigentes da Igreja Universal do Reino de Deus, acusados de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro arrecadado dos fiéis. De acordo com a investigação, o grupo teria utilizado os serviços de uma casa de câmbio de São Paulo para mandar recursos de forma ilegal para os Estados Unidos, entre 1999 e 2005. Os frequentadores da Igreja Universal seriam, segundo a denúncia, vítimas de estelionato. Os denunciados são acusados de só declarar à Receita parte dos recursos arrecadados com doações. Em 2009, o Ministério Público Estadual de São Paulo chegou a apresentar denúncia contra o bispo Edir Macedo e oito dirigentes da Igreja por lavagem de dinheiro, mas o Tribunal de Justiça do Estado anulou o processo, em outubro de 2010, porque entendeu que a investigação deveria ser remetida para a Justiça Federal. A nova denúncia foi apresentada no dia 1º de setembro pelo procurador Sílvio Luís Martins de Oliveira e utiliza fatos que foram levantados pela investigação do Ministério Público Estadual. Para o procurador, os “pregadores valem-se da fé, do desespero ou da ambição dos fiéis para lhes venderem a idéia de que Deus e Jesus Cristo apenas olham pelos que contribuem financeiramente com a Igreja e que a contrapartida de propriedade espiritual ou econômica que buscam depende exclusivamente da quantidade de bens materiais que entregam”. O Ministério Público Federal em São Paulo denunciou o bispo Edir Macedo e mais três dirigentes da Igreja Universal do Reino de Deus, acusados de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro arrecadado dos fiéis.

Brasil cai 20 posições em ranking de infraestrutura

A qualidade da infraestrutura brasileira piorou em relação ao resto do mundo pelo segundo ano consecutivo. Desta vez, no entanto, o País despencou 20 posições no ranking global de competitividade do Fórum Econômico Mundial, de 84º para 104º lugar. Em 2010, já havia perdido três colocações por causa da lentidão do governo para tirar projetos importantes do papel. Na avaliação de especialistas, com a paralisia verificada em algumas áreas este ano a situação tende a piorar. É o caso da malha rodoviária. No ranking mundial, a qualidade das estradas brasileiras caiu 13 posições e está entre as 25 piores estruturas dos 142 países analisados. A preocupação é que, depois dos escândalos de corrupção no Ministério dos Transportes, muitas obras estão paralisadas. Segundo dados do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), foram suspensos 41 editais, que estão sendo liberados de acordo com a prioridade do ministério.

Indústria de transformação brasileira parou de crescer há três anos

A indústria de transformação brasileira parou de crescer há três anos, freada pelo câmbio valorizado, pelo custo Brasil e pelo excesso de oferta mundial. Desde julho de 2008, logo antes do início da crise global, praticamente não houve crescimento da produção de manufaturados nem do nível de emprego no setor. Pelos números do PIB, a expansão da indústria de transformação de julho de 2008 a julho de 2011 foi de apenas 1%, comparada a 7,8% para a construção civil e 10,5% para os serviços. Segundo a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrange as seis maiores regiões metropolitanas, o emprego industrial cresceu apenas 2,2% no mesmo período. Enquanto isso, o emprego se expandia em 13,7% na construção civil e 11,8% nos serviços. A pressão sobre a indústria fica clara na migração de fábricas de empresas nacionais para o Exterior, como na recente decisão da Paquetá Calçados de transferir a unidade exportadora de Sapiranga (RS) para a República Dominicana. A desaceleração do PIB do segundo trimestre para 0,8% (3,2% em ritmo anualizado) ante os três primeiros meses do ano, na série sem influências sazonais, teve como freio principal a quase paralisia da indústria. O ritmo foi de apenas 0,2% (0,8% anualizado). No setor industrial, porém, o item que de fato segurou o crescimento foi a indústria de transformação, com expansão nula. A transformação corresponde a 62% da indústria, e abarca todas as manufaturas. Não fazem parte da indústria de transformação o segmento extrativo-mineral, a construção civil e eletricidade, água, esgoto e limpeza urbana. A fraqueza da indústria de transformação também fica clara no fato de que o seu nível de utilização da capacidade instalada (Nuci) pode cair abaixo da média histórica nos próximos meses, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Todo esse quadro de enfraquecimento industrial pesou na decisão do Banco Central de cortar a taxa básica, a Selic, em 0,5 ponto porcentual, para 12%, na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Mas o fato de que a paralisia já dura três anos leva alguns economistas a defender a idéia de que o problema na indústria não é conjuntural, mas sim estrutural. Nessa visão, a indústria está perdendo peso relativo dentro da economia, atingida por uma combinação de fatores que favorece a agricultura, as matérias-primas e o setor de serviços. “A indústria da transformação hoje está no nível de três anos atrás e a inflação está fortíssima; não dá mais para fazer um diagnóstico da inflação olhando a indústria”, diz Samuel Pessôa, economista da consultoria Tendências. O câmbio valorizado é apontado como a principal causa da estagnação na indústria, ao atrair a competição importada e dificultar as exportações.

Sobram portais, mas faltam dados sobre a Copa do Mundo

O Brasil tem pelo menos quatro portais de informações, três deles públicos, montados para monitorar os projetos e os investimentos para a Copa do Mundo de 2014. O problema tem sido a atualização deles. Segundo Gil Castelo Branco, economista e dirigente da organização não governamental Contas Abertas, não será o número de portais, mas a qualidade das informações publicadas que podem dar transparência aos investimentos do Mundial. “Alguém já disse que não existe algo que desinfete mais do que o Sol. Então, somente a abertura total das informações da Copa é que será capaz de tornar tudo transparente. Até agora, não há clareza quanto a esses gastos”, afirma Castelo Branco.

Custo da Copa corre o risco de explodir

O custo da Copa-14 pode repetir os problemas do Pan-Americano do Rio em 2007, quando o valor final do evento superou em 10 vezes o orçamento original. A menos de três anos para o Mundial, o país ainda não tem as contas fechadas para o torneio. O Portal da Transparência do governo, montado pela Controladoria-Geral da União, diz que a Copa custará R$ 23,4 bilhões. A Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), que tem acordo de cooperação técnica com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o Ministério do Esporte, trabalha com outros números. Estima em R$ 112 bilhões o custo total do Mundial e em R$ 84,9 bilhões, se considerado o recorte feito pelo Portal da Transparência, com o cálculo incluindo só aeroportos, portos, segurança, arenas e mobilidade urbana. O Ministério Público Federal acha que essa situação conduz o País ao risco de uma explosão de custos. O alerta é do procurador-chefe do Ministério Público Federal do Amazonas, Athayde Ribeiro Costa, atual coordenador do Grupo de Trabalho Copa do Mundo 2014.

Líderes partidários ainda não levam medo dos protestos organizados por redes sociais

Os líderes partidários acompanham a evolução do movimento desencadeado pelas redes sociais contra a corrupção. Eles estão de olho nas manifestações marcadas para 20 de setembro. Querem verificar se a mobilização tem fôlego, chegando às camadas populares. Ou se ficará limitado a uma ação desorganizada promovida por setores de classe média. Avaliam que as 25 mil pessoas que foram às ruas no Sete de Setembro, em Brasília, não são parâmetro. Sustentam que o protesto se beneficiou dos que foram assistir ao desfile oficial. E que havia um catalisador local: a não cassação da deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF).

Suspeitas podem derrubar ministro do Trabalho

O ministro Carlos Lupi (Trabalho) pode ser o próximo a cair no governo Dilma. O Palácio do Planalto pediu explicações sobre denúncias graves envolvendo o ministro e seu parceiro e chefe de gabinete Marcelo Panella, em negócios supostamente irregulares com uma Fundação Pró-Cerrado, especialmente contemplada com recursos milionários do Fundo de Amparo ao Trabalhador para cursos de qualificação. Carlos Lupi e seu chefe de gabinete Marcelo Panella são acusados de usar com frequência o jatinho do dono da Fundação Pró-Cerrado. As averiguações do Palácio do Planalto já levaram ao afastamento de Marcelo Panellas, que constrói uma mansão na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O objetivo do afastamento de Marcelo Panellas é dar ao ministro Carlos Lupi o argumento de que ele demitiu o auxiliar, ao saber das suspeitas. Temendo as algemas da Polícia Federal, dirigentes do Ministério do Trabalho suspenderam pagamentos a fornecedores e a conveniados. (site do jornalista Claudio Humberto)