domingo, 9 de outubro de 2011

Spread bancário atinge maior nível em dois anos

A queda da taxa Selic, que indica os juros básicos da economia, não está se refletindo em juros menores para os tomadores finais de empréstimos e financiamentos. Esse movimento contraditório está sendo impulsionado pelo spread bancário que está no nível mais alto em dois anos, de acordo com o Banco Central. Em agosto, segundo os dados mais recentes divulgados pelo Banco Central, o spread atingiu 27,8% ao ano, percentual mais alto desde maio de 2009. Se for considerado apenas o crédito para as pessoas físicas, a diferença entre os juros de captação e aplicação correspondeu a 34,4% ao ano, maior nível desde julho de 2009. Em relação aos empréstimos para as empresas, o spread bateu recorde e alcançou 19% ao ano. A taxa média de captação caiu de 12,3% ao ano em julho para 11,9% em agosto. Esse movimento foi influenciado pelo corte de 0,5 ponto percentual na taxa Selic para 12% ao ano decidido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central no fim de agosto. Os juros médios pagos pelos tomadores de empréstimos e financiamento, no entanto, não tiveram a mesma trajetória. A taxa média de aplicação, como o Banco Central chama os juros dos clientes finais, permaneceu em 39,7% ao ano em agosto. De acordo com o professor de Finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV) Fabio Gallo, a alta do spread bancário é explicada pelo aumento da inadimplência, que em agosto atingiu o maior nível desde maio de 2010 para as pessoas físicas e o maior nível desde outubro de 2009 para as empresas. Na avaliação do especialista, o aumento da inadimplência é consequência da expansão do crédito experimentada nos últimos anos, acompanhada da falta de planejamento financeiro dos tomadores. "Os brasileiros, principalmente a nova classe C, se endividaram demais para consumir e não conseguem arcar com os financiamentos", declara.

Cresce número de tentativas dos cubanos de entrar nos Estados Unidos pelo mar

O número de cubanos que chegou aos Estados Unidos pelo mar de forma irregular durante o último ano fiscal (fechado em 30 de setembro), ou que foram capturados na tentativa, foi mais do que o dobro do ano anterior. Conforme dados do Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos, o jornal "The Miami Herald" detalha que a Guarda Costeira interceptou 1.000 cubanos tentando chegar ao país pelo mar no último ano fiscal, em comparação com os 422 detidos no ano anterior. Segundo o jornal, o número de cubanos que conseguiu chegar ao litoral americano aumentou de 409 para 696 entre os dois anos comparados. Como revelou o "The Miami Herald", este é o primeiro aumento da imigração ilegal cubana pelo mar desde o ano fiscal de 2007, o que os especialistas consultados atribuem ao agravamento da situação econômica e crescimento do mal-estar social na ilha, entre outros fatores, devido à facinorosa ditadura comunista da sanguinária dinastia Castro.

Paul McCartney e Nancy Shevell se casam em Londres

Cinco meses após ficar noivo, o ex-beatle Paul McCartney, de 69 anos, casou-se neste domingo com a milionária americana Nancy Shevell, de 51 anos. A cerimônia aconteceu em Old Marylebone Town Hall, em Londres, o mesmo lugar em que ele se casou com sua primeira mulher, Linda Eastman, em 1969. Linda morreu de câncer de mama em 1998. McCartney também se casou com a modelo Heather Mills. Os dois se separaram após quatro anos juntos.

Pesquisas apontam que peronista populista Cristina Kirchner vai ser reeleita na Argentina

A presidente da Argentina, a peronista populista Cristina Kirchner, que lidera um governo muito incompetente, totalitário e corrupto, possui ampla liderança sobre seus oponentes quando faltam duas semanas para as eleições presidenciais e deve ser reeleita com mais de 50% dos votos, mostraram duas pesquisas neste domingo. O apoio a Kirchner está agora em 53,2%, segundo a mais recente pesquisa mensal da empresa local de sondagem Management & Fit. Isso a coloca mais de 40% à frente do rival mais próximo, o governador socialista da província de Santa Fé, Hermes Binner. Já na pesquisa Poliarquia, feita para o jornal La Nación, ela tem apoio de 49,3%. Somando-se os eleitores ainda indecisos o apoio é estimado entre 52% e 55%. Binner tem um apoio de 12,4%, acima dos 11,6% do mês passado, e consolida sua posição como rival mais próximo de Kirchner, segundo a Management & Fit. A pesquisa Poliarquia também colocou Binner em segundo lugar com apoio de 13,6% e votação projetada entre 14% e 16%. Em terceiro lugar nas duas pesquisas apareceu o deputado social-democrata Ricardo Alfonsín, que tinha apoio de 7,8% e 9,5% nas sondagens. Em quarto lugar, as pesquisam mostraram o governador da província de San Luís, Alberto Rodríguez Saa. A Management & Fit aponta 7,4%, enquanto a sondagem Poliarquia aponta 8,2% de intenções de voto. Rodríguez Saa é um membro dissidente do Partido Peronista de Kirchner.

Brasil produz e exporta alimentos como nunca antes

No acumulado dos últimos 12 meses, o Brasil exportou US$ 88,3 bilhões e importou US$ 16,3 bilhões de alimentos in natura ou industrializados, o chamado agronegócio, gerando um superávit de US$ 72 bilhões.Trata-se do maior superávit do gênero no mundo, maior do que o dos Estados Unidos (US$ 43,5 bilhoes até setembro). O setor primário (agricultura e pecuária) carrega sozinho nas costas a balança comercial brasileira. Nem de longe o setor industrial acompanha este desempenho do agronegócio brasileiro.

Petrobras pode ter R$ 5 bilhões penhorados

Julgamento marcado para esta segunda-feira, na 16ª Vara Federal do Rio de Janeiro, vai decidir o valor de uma dívida já reconhecida pela Petrobras, em ação popular transitada em julgado no Supremo Tribunal Federal, mas que pode ser elevada a um total superior a R$ 5 bilhões. O caso remonta à gestão de Paulo Maluf no governo de São Paulo (1979-1982) e à criação do consórcio Paulipetro, formado para encontrar petróleo na bacia do rio Paraná. O resultado foi um fiasco, pois, apesar de terem sido perfurados 69 poços na bacia, nenhuma jazida viável foi encontrada. Em agosto, a Petrobras depositou judicialmente R$ 2,4 milhões, valor que a companhia considera correto para a dívida, por ter participado apenas da venda de dados sísmicos. Mas, o Ministério Público Federal e os autores da ação popular afirmam que 17 contratos com a Petrobras elevam a dívida acima de R$ 5 bilhões.

Nova classe média gasta mais com serviços do que com bens de consumo

A nova classe média já gasta mais com serviços do que com bens de consumo, revela estudo do instituto Data Popular. De cada R$ 100,00 desembolsados hoje, R$ 65,20 são com serviços e R$ 34,80 com produtos. Há 9 anos, as proporções entre gastos com serviços e bens de consumo estavam equilibradas. Eram de 49,5% e 50,5%, respectivamente. O aumento do gasto com serviços da classe C, que é mais da metade (54%) da população do País, dificulta a tarefa do Banco Central de trazer a inflação para o centro da meta, de 4,5%. É que os serviços não podem ser importados para conter a alta de preços. Além disso, seus preços são influenciados pelo salário mínimo, que tem reajuste programado de 14% para o próximo ano. "É a primeira vez que o gasto com serviços da classe C supera o desembolso com a compra de produtos", afirma Renato Meirelles, sócio diretor do instituto e responsável pelo estudo. Nos extremos da pirâmide social, no entanto, o estudo mostra que o perfil de consumo se manteve. Isto é, a alta renda continua gastando mais com serviços como proporção das despesas totais e a baixa renda, com produtos. O trabalho considera como classe C as famílias com renda média familiar de R$ 2.295,00. As projeções do perfil de gastos da classe C para este ano foram feitas com base no cruzamento de dados da Pesquisa de Orçamento Familiar e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE. O estudo separa as despesas das famílias em bens e serviços em um horizonte mais amplo, que inclui não só serviços livres, mas administrados, como energia elétrica, por exemplo.

CNJ quer restringir atuação de ministra

Os magistrados que dominam atualmente o Conselho Nacional de Justiça articulam uma proposta para colocar um cabresto na corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon. Com o discurso de que pretende preservar os poderes do Conselho Nacional de Justiça, o conselheiro Sílvio Rocha, juiz federal de São Paulo, quer que todas as investigações, antes de serem abertas, sejam submetidas ao plenário do Conselho. Composto em sua maioria por magistrados, o plenário diria o que pode ou não ser investigado. A proposta, encaminhada em sigilo aos conselheiros, é ainda mais restritiva do que a idéia inicial desse grupo e que gerou a crise interna do Conselho, com a divulgação de uma nota de repúdio às declarações de Eliana Calmon sobre a existência de “bandidos de toga” no Judiciário brasileiro. Os conselheiros ligados à magistratura defendiam que a Corregedoria apenas atuasse depois de concluídas as investigações nas corregedorias dos Tribunais de Justiça, que até hoje não funcionam a contento, conforme relatórios de inspeção do próprio Conselho. O novo texto deixaria a Corregedoria nas mãos do plenário do Conselho Nacional de Justiça e de seus interesses corporativos. Antes de abrir uma investigação, a Corregedoria teria de submeter a abertura de sindicância aos colegas. Se não concordassem com a investigação, mesmo que preliminar, poderiam simplesmente arquivá-la. Enterrariam a apuração das irregularidades já no nascedouro. E mesmo que os conselheiros autorizassem a abertura da investigação, a divulgação das acusações acabaria com o sigilo necessário para qualquer apuração. O magistrado suspeito saberá logo no início que será investigado. Hoje, a Corregedoria pode investigar todas as suspeitas que envolvam magistrado e que chegam ao Conselho Nacional de Justiça. Ao receber uma denúncia, a Corregedoria abre uma sindicância e busca indícios que poderiam comprovar a irregularidade cometida pelo magistrado. Caso não encontre, arquiva a sindicância. A Corregedoria só submete a investigação ao plenário do Conselho depois de colhidos todos os indícios e de considerar que são suficientes para comprovar a existência da irregularidade.

Desmonte do Banco do Brasil em Brasília força atitude de Dilma

Assim que retornar de viagem, a presidenta Dilma vai tomar decisões importantes sobre a atabalhoada transferência de funcionários do Banco do Brasil, chamados a se mudarem de Brasília para São Paulo, e cabeças devem rolar. O alvo principal é o atual vice-presidente de Negócios de Varejo, Paulo Cafarelli. Paranaense, ele espalha que é afilhado do casal de ministros Gleisi Hoffman e Paulo Bernardo. O Planalto não engoliu a declaração de Paulo Rogério Cafarelli de que a transferência do Banco do Brasil para São Paulo seria “questão de sobrevivência”.

Servidores da Justiça Federal do Rio Grande do Sul entram em greve a partir do dia 17

Os servidores da Justiça Federal no Rio Grande do Sul decidiram entrar em greve a partir do dia 17 de outubro. A categoria se reuniu na tarde de sábado em assembléias por todo o Estado. Os servidores exigem a revisão do Plano de cargos e de salários. O projeto de lei está parado desde 2009, na Câmara Federal. O Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal explica que a paralisação é por tempo indeterminado, mas ainda não estima os serviços que podem ser prejudicados. As justiças da Bahia, Amazonas, Mato Grosso e São Paulo já estão em greve. Além do Rio Grande do Sul, mais três Estados paralisam a partir do dia 17.

Gritos de horror no Planalto

Colegas da ministra Maria do Rosário não entendem como que ela permanece na Secretaria de Direitos Humanos, após a mais recente humilhação da presidenta Dilma, cujos gritos ainda ecoam no Palácio do Planalto. Maria do Rosário até foi desconvidada, de última hora, a integrar a comitiva oficial à Europa, conta o jornalista Claudio Humberto em seu site (www.claudiohumberto.com.br).

Lula, o palestrante, já deve R$ 2 milhões ao Imposto de Renda

O palestrante internacional Luiz Inácio Lula da Silva pagará seu preço por posar de conferencista financiado por banqueiros mundo afora. Com base nas quinze palestras realizadas até agosto, cachê médio de US$ 300 mil, Lula já deve à Receita Federal mais de R$ 1,9 milhão de Imposto de Renda. O valor vai passar de R$ 2 milhões com os eventos confirmados até dezembro. Seu faturamento beira os R$ 7,1 milhões. Ao posar com becas e diploma de doutor honoris causa, Lula esconde dos anfitriões o que o levou até ali: os jatinhos de empreiteiros amigos. Em palestra recente, Lula surpreendeu os contratantes: exigiu uma lancha para passear e uísque Blue Label, de 200 dólares a garrafa. Lula tem mais de cem convites aceitos para doutor honoris causa. Gilberto Carvalho, seu eterno secretário particular, cuidou de tudo. Lula não esconde o sonho de ganhar o Prêmio Nobel da Paz, lançando seu instituto na África, onde empreiteiros amigos ganham milhões. (do site do jornalista Claudio Humberto - www.claudiohumberto.com.br)