terça-feira, 22 de novembro de 2011

Canadá proíbe transações financeiras com Irã

O Canadá proibiu quase todas as transações financeiras com o Irã, em coordenação com os Estados Unidos e Reino Unido, motivado pelo recente relatório da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) sobre o programa nuclear da república nazista islâmica. As novas sanções anunciadas na segunda-feira proíbem "quase todas as transações financeiras com o governo do Irã, acrescentam indivíduos e entidades à lista de pessoas designadas e expande a lista de bens proibidos", diz em nota o ministro das Relações Exteriores do Canadá, John Baird. "Estamos tomando ações agressivas para incluir os líderes conhecidos da Guarda Revolucionária do Irã e bloquear virtualmente todas as transações com o Irã, inclusive aquelas com o Banco Central", destaca o comunicado. O ministro canadense também afirmou que o recente relatório da AIEA é mais uma prova de que "o atual regime de Teerã representa a ameaça mais significativa para a paz global e a segurança de hoje em dia". O Tesouro dos EUA declarou na segunda-feira o território do Irã como "jurisdição de preocupação prioritária por lavagem de dinheiro", designação que expõe a sanções reforçadas a todo o sistema bancário do Irã. Obama pode ser considerado o pai da bomba atômica dos aiatolás nazistas, deu a eles todo o tempo que precisavam para concluir o artefato.

Militar armado entrincheirado em base dos Estados Unidos entrega

Um aviador norte-americano que se havia entrincheirado em um edifício da força aérea no Estado do Colorado se rendeu na noite de segunda-feira, depois de um impasse de dez horas, disseram autoridades locais. O aviador, que estava com uma arma, deixou o prédio da base da força aérea de Schriever às 20 horas locais, depois de horas de negociações, segundo um comunicado da base. Ninguém ficou ferido. O homem, cujo nome não foi divulgado, estava sendo processado numa corte civil e corria o risco de ser desligado da força militar, de acordo com a tenente Marie Denson, porta-voz da base de Schriever. Ela não deu mais detalhes sobre o caso. A base da força Aérea de Schriever, situada a 16 quilômetros da localidade de Colorado Springs, abriga operações de satélites militares.

Aeroportos para Copa-2014 terão mais lojas

A Infraero aumentará em 10% a área comercial (de lojas, lanchonetes e restaurantes) dos aeroportos nas 12 cidades que receberão os jogos da Copa-2014. A idéia é oferecer mais artesanato típico e comida regional. A Infraero está fazendo pesquisa para saber se os estabelecimentos já instalados atendem à necessidade de quem circula nos aeroportos.O levantamento, iniciado em Salvador e que ficará pronto em março, servirá de base para as licitações dos novos pontos e dos que estão com contratos vencendo. "Decidimos que queremos melhorar a área de artesanato e comida local. O resto vamos esperar o resultado da pesquisa. O mix das lojas foi revisado pela última vez há cinco anos", disse Geraldo Moreira Neves, diretor comercial da Infraero. De lá para cá, não somente aumentou a quantidade de pessoas que circulam nos aeroportos como mudou o perfil. Com a melhoria de renda, parte da população mais pobre passou a viajar de avião. Hoje há 3.440 contratos para exploração comercial de espaço nos 66 aeroportos administrados pela estatal. Ou seja, o negócio do governo petista é transformar aeroportos em shopping centers.

REVITA, DO GRUPO SOLVI (VEGA), TAMBÉM QUER O CONTRATO EMERGENCIAL DO LIXO DE PORTO ALEGRE

Revita, do Grupo Solvi (na verdade, é o antigo grupo Vega), pode receber contrato emergencial da prefeitura de Porto Alegre para coleta do lixo domiciliar urbano da capital gaúcha. A Revita (Vega) ganhou recentemente os contratos de limpeza urbana de Canoas, cidade colada a Porto Alegre e dirigida pela petista Jairo Jorge (ex-chefe de gabinete do Ministério da Educação, na gestão do peremptório Tarso Genro, hoje governador do Estado). A Revita também tem os contratos de coleta do lixo nas cidades de Pelotas e Santa Maria. Se somar as três cidades, ela não coleta nem a metade da produção de lixo diária de Porto Alegre. Ou seja, não teria atestado de capacidade técnica para cumprir o contrato com a capital gaúcha. Mas, isso qualquer lobista resolve. Basta visitar o prefeito e dizer que o atestado existe, que a Revita recolhe dez vezes mais lixo por dia em São Paulo. Ora, quem recolhe lixo em São Paulo é a Vega, que lidera um dos dois consórcios que prestam serviços para a capital paulistana. Não seria problemático para a Vega usar sua controlada Revita para lhe passar o seu atestado técnico pela prestação do serviço em São Paulo. É essa a jogada que está sendo armada para a Revita ganhar o contrato emergencial em Porto Alegre?

Prefeito Fortunatti pode contratar a Delta para recolher o lixo de Porto Alegre em contrato emergencial

O prefeito José Fortunatti, de Porto Alegre (RS), está considerando contratar a Delta para fazer a coleta do lixo domiciliar em contrato emergencial, em face do iminente colapso da empresa Qualix/Sustentare, que não tem mais condições de se sustentar, e vive em estado falimentar. A Delta já tem um outro contrato com a prefeitura de Porto Alegre na área de limpeza, para coleta do chamado lixo público. A Delta pertence à Delta Construções, do empresário carioca Fernando Cavendish. Além de ser "grande amigo" do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e de ter ganho uma série enorme de contratos com o governo desse Estado, Cavendish é aquele empresário que disse a frase famosa: "Com alguns milhões, seria possível até comprar um senador para conseguir um bom contrato com o governo”. No dia 12 de setembro deste ano, às 22:22, o site do jornalista Reinaldo Azevedo, no site da revista Veja, publicou a seguinte note: "Delta, empreiteira que tocava obras sem licitação em Cumbica, é estrela do noticiário - A construtora que está tocando, sem licitação, o terceiro terminal de Cumbica, a Delta, é uma velha conhecida do noticiário. No começo de maio deste ano, a VEJA publicou a seguinte reportagem. O segredo do sucesso Empresários afirmam que o ex-ministro José Dirceu faz tráfico de influência. E um de seus clientes, um empreiteiro que multiplicou seus ganhos no governo do PT, diz que os políticos são corruptos. Em 2005, José Dirceu foi obrigado a deixar a poderosa Casa Civil da Presidência da República, abatido pelo escândalo do mensalão. No mesmo ano, teve o mandato de deputado federal cassado no plenário da Câmara. Desde então, o petista trocou os holofotes pela atuação nos bastidores. A saber, a vida de dirigente partidário e de prócer governista por uma bem-sucedida carreira de consultor de empresas privadas. Dirceu já representou interesses milionários em países latino-americanos, nos Estados Unidos, na Europa e no Oriente Médio. Montou um portfólio invejável de clientes, do bilionário mexicano Carlos Slim, dono da Claro e da Embratel, ao controverso magnata Boris Berezovski, proibido de retornar à Rússia pela Justiça daquele país. Dirceu construiu uma carreira sem dúvida exitosa na área comercial, mas deixou margem a uma dúvida incômoda: que tipo de serviço ele realmente presta aos seus clientes? Pela primeira vez desde a saída do petista do Planalto, há evidências claras e um testemunho convincente de que as suas “consultorias” não passam de um eufemismo para acobertar a prática de tráfico de influência. Ao lançar mão de relações construídas no governo Lula, o ex-ministro abre portas de gabinetes e mostra os caminhos mais curtos que levam aos abarrotados cofres públicos. Da empreiteira Delta, um dos gigantes do setor, surge o caso mais contundente até agora sobre as misteriosas atividades do “consultor” Dirceu. Durante o governo do ex-presidente Lula, a Delta passou de empresa de porte médio a sexta maior empreiteira do país. É, hoje, a que mais recebe dinheiro da União. Sua ascensão vertiginosa chamou a atenção dos concorrentes. Em 2008, a Delta já ocupava a quarta colocação no ranking das maiores fornecedoras oficiais. Em 2009, houve um salto ainda mais impressionante: a empresa dobrou seu faturamento junto ao governo federal. Em 2011, apesar das expectativas de redução da atividade econômica, o faturamento da Delta deve bater os 3 bilhões de reais - empuxado por obras estaduais e do PAC, o Programa de Aceleração do Crescimento. Resumindo, em apenas nove anos, a Delta multiplicou seu faturamento em exatos 1091%. O fato do presidente da empresa, Fernando Cavendish, para aproveitar as boas oportunidades explica uma parte do sucesso. A outra pode ser creditada às suas boas amizades e ao, digamos, talento em contratar a pessoa certa na hora certa. Em 2009, o ano em que a Delta deu seu grande salto, a empresa passou a contar com os serviços da JD Assessoria e Consultoria, a firma do ex-ministro José Dirceu. Foi um contrato feito à sorrelfa, por meio de outra empresa da Delta, a Sigma Engenharia. Oficialmente, a JD recebeu 20000 reais mensais para “ampliar a participação da Delta no Mercosul”. Seus negócios, porém, prosperaram mesmo foi no Brasil. E José Dirceu está na raiz desse crescimento exponencial. Em 2009, a Delta amealhou 733 milhões de reais em contratos com o governo, o dobro de 2008. A empresa ampliou sua atuação nos ministérios da Defesa, Saúde e Transportes. Também passou a integrar o restrito grupo de prestadoras de serviços à Petrobras. E está encarregada da reforma do Estádio do Maracanã, para a Copa de 2014. Ao mesmo tempo, no Tribunal de Contas da União, a Delta é citada em mais de 150 investigações por envolvimento em diversos tipos de irregularidade. Como ela conseguiu se transformar nesse portento? Graças ao trabalho do “consultor” José Dirceu. Quem garante? O próprio dono da Sigma, a empresa que contratou o ex-ministro: “O trabalho dele (José Dirceu) era fazer tráfico de influência. Aproximar o Fernando Cavendish de pessoas influentes no governo para fazer negócios”, diz o engenheiro Romênio Marcelino Machado (veja a entrevista na pág. 69). A Delta comprou a Sigma Engenharia em 2008, num processo que se tornou motivo de litígio. Valeu-se dela, suspeita-se, somente para fazer transferências bancárias à JD Assessoria e, assim, tentar lançar um véu sobre seu espetacular desempenho na obtenção de contratos governamentais. Segundo a assessoria da Delta, o contrato com o ex-ministro foi negociado diretamente pela Sigma. Ao assumir o comando da empresa, Fernando Cavendish teria apenas dado prosseguimento ao acordo. Depois, ao perceber que José Dirceu não entregara o que fora prometido, “a ampliação dos negócios no Mercosul” -, ele decidiu rescindir o contrato. Nada disso, contudo, é verdade, de acordo com os donos originais da Sigma. “Nós nunca vimos o Zé Dirceu. Só ficamos sabendo que estávamos fazendo pagamentos a ele quando nos apresentaram as notas fiscais”, diz José Augusto Quintella Freire, um dos proprietários da empresa. Quintella também afirma que a história do Mercosul é balela: “O trabalho de Dirceu permitiu à Delta entrar no mercado de óleo e gás”. Procurado, Dirceu disse que não fala sobre seus negócios. A Petrobras também não quis comentar o caso. Com a crescente participação do estado na economia, os empresários buscam ligações especiais com o mundo oficial, para compelir com vantagem nas licitações e obter parcerias com o governo. Como o estado brasileiro é um dos mais onipresentes no universo da produção, com uma fatia de 40% do produto interno bruto, cria-se um campo ainda mais fértil para aproveitadores. É nesse cenário que figuras com o perfil de José Dirceu ganham maior relevância: “Pessoas que saem do governo e montam consultorias existem em qualquer país do mundo. Agora, quando há uma situação em que a burocracia estatal é grande, complexa e tudo é regulado e difícil, aí não tem jeito. Inevitavelmente, criam-se dificuldades para vender facilidades”, diz Sérgio Lazzarini, economista e autor de Capitalismo de Laços, um livro essencial para entender essa via de mão dupla e os intermediários entre os cofres públicos e as empresas. A compra da Sigma pela Delta, como foi dito, é motivo de uma intensa disputa judicial. Graças a essa contenda é que veio à tona a confirmação de que o consultor José Dirceu age como um intermediário de oportunidades dentro do governo. Ela mostra também o perfil de cliente que busca esse tipo de serviço. Em reunião com os sócios, no fim de 2009, quando discutia exatamente as razões do litígio, o empresário Fernando Cavendish revelou o que pensa da política e dos políticos brasileiros de maneira geral: “Se eu botar 30 milhões de reais na mão de políticos, sou convidado para coisas para ‘c…’. Pode ter certeza disso!”. E disse mais. Com alguns milhões, seria possível até comprar um senador para conseguir um bom contrato com o governo: “Estou sendo muito sincero com vocês: 6 milhões aqui, eu ia ser convidado (para fazer obras). Senador fulano de tal, se (me) convidar, eu boto o dinheiro na sua mão!”. Subornar pessoas com poder de decisão no governo é crime de corrupção ativa. Todo mundo sabe que isso ocorre a toda hora. Mas ouvir a confirmação da boca de um grande empresário do país, mesmo se for só bravata, é assustador". É sempre bom recordar que o misterioso José Dirceu esteve em Porto Alegre, no final de semana, para lançar seu livro no Barrashopping. Foi só para isso que ele veio a Porto Alegre?

SITUAÇÃO CAÓTICA NO LIXO DE PORTO ALEGRE

Videversus vem avisando há mais de um ano sobre a situação caótica dos serviços de limpeza de Porto Alegre, a cargo do DMLU (Departamento Municipal de Limpeza Urbana), da prefeitura municipal. Videversus tem alertado continuadamente que a empresa Qualix, hoje com o nome mudado para Sustentare, que faz a coleta do lixo domiciliar da cidade, está em processo falimentar, e que pode parar de prestar seus serviços a qualquer momento. No último dia 10 de novembro, os garis e motoristas da Qualix/Sustentare se revoltaram na garagem da empresa, localizada na Rua Nove de Junho, no bairro Partenon, e resolveram que sairiam para cumprir seus roteiros enquanto não recebessem o salário atrasado do mês de outubro. Por volta das 19 horas, a empresa conseguiu dinheiro e pagou os funcionários, e então a coleta do lixo na cidade foi retomada. Ocorre que, como a Qualix/Sustentare tem centenas de ações trabalhistas, e outras tantas de fornecedores que não são pagos, a Justiça determinou o arresto mensal de 60% de toda a receita paga pela prefeitura de Porto Alegre mensalmente à empresa. A Qualix/Sustentare está agora localizada na garagem alugada da rua Nove de Junho porque foi despejada de sua sede anterior, na rua Dona Alzira, pertencente à Cores, por falta de pagamento do aluguel. A situação atual da Qualix/Sustentare é insustentável. Aliás, já é insustentável há muito tempo, mas a diretoria do DMLU e o prefeito José Fortunatti, a par da situação, foram levando o caso com a barriga. Agora não dá mais. Por isso a correria para contratar uma outra empresa para fazer a coleta emergencial do lixo em Porto Alegre. Está tudo do jeito como Videversus sempre avisou que ia acontecer, caminhar tudo para um contrato emergencial. Os contratos emergenciais, especialmente na área dos serviços de limpeza pública, são sempre o sonho de qualquer administração municipal no Brasil. Permitem sempre mágicos realinhamentos de preços que fazem a felicidade de muita gente.

Suspensa contratação emergencial do governo petista na Fase

Atendendo pedido liminar da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre, a 3ª Vara da Fazenda Pública determinou a suspensão da contratação emergencial de 85 profissionais para a Fundação de Atendimento Sócio-Educativa do Rio Grande do Sul (Fase). As vagas, com prazo de 12 meses prorrogáveis por mais um ano, eram para os cargos de advogado, assistente social, enfermeiro, engenheiro civil, engenheiro eletricista, farmacêutico, pedagogo, psicólogo, técnico em enfermagem, assistente administrativo e agente socioeducador. Conforme a inicial da ação civil pública, o processo seletivo apresentou irregularidades, como o grande número de candidatos inabilitados por deixarem de preencher a parte do formulário “Carta de Interesse” onde deveriam expor seus motivos para trabalhar na Fase ou mesmo seus empregos anteriores. De acordo com o Ministério Público, o formulário induziu ao preenchimento somente das linhas indicadas e previamente sinalizadas para indicação do nome, emprego, município, data e assinatura. No despacho, a juíza Andréia Terre do Amaral entendeu que “caso a Fundação requerida desejasse que os candidatos produzissem um relatório manifestando seu interesse na vaga oferecida, deveria tal fato ter sido solicitado de forma clara e objetiva no edital ou no próprio formulário denominado Carta de Interesse”. A validade da suspensão foi determinada até o julgamento do processo. Processos de contratação de pessoas movido por governo petista precisa sempre ser vigiado. E, neste caso, vários candidatos que foram prejudicados pelos critérios esdrúxulos do processo de seleção acabaram reagindo e acionando os Ministério Públicos disponíveis. Um deles agiu, o que é seu papel, e aí está o resultado.

Argentina cria instituto para "reescrever" a história do país

O governo argentino anunciou a criação de um instituto que terá o objetivo de reescrever a história do país. Segundo o decreto da presidente Cristina Kirchner, o Instituto Nacional de Revisionismo Histórico Argentino e Ibero-americano Manuel Dorrego irá "difundir a vida e obra de personalidades que não receberam o reconhecimento adequado". O órgão será dirigido pelo historiador Mario "Pacho" O'Donnell. Dorrego (1787-1828), que dá nome ao instituto, foi um dos próceres da independência argentina. A Argentina, sob o domínio do peronista populista mais chulo, não cansa de dar espetáculos de ridículo, enquanto a inflação dispara no país.

Chanceler israelense ameaça coalizão no governo caso sejam demolidas colônias

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, pilar fundamental da coalizão do atual governo, ameaçou romper a aliança política se o governo de Benjamin Netanyahu determinar o desmantelamento de colônias judaicas em territórios palestinos ou retomar a transferência de impostos. Na reunião semanal com o grupo parlamentar de seu partido, o Yisrael Beiteinu (Israel Nosso Lar), Lieberman disse que pretende retirar seu apoio ao governo caso este acate a ordem do Tribunal Supremo, que obriga a demolição dos assentamentos de Migron e Givat Asaf, na Cisjordânia, considerados ilegais pela corte. O chefe da diplomacia israelense também advertiu que romperá a parceria com Netanyahu se o premiê decidir restabelecer a transferência da renda arrecadada de impostos dos palestinos. Normalmente esse dinheiro seria entregue à ANP (Autoridade Nacional Palestina), mas Israel suspendeu a transferência em setembro passado, após a entidade árabe solicitar admissão na ONU.

Morre viúva do ex-presidente francês François Mitterrand

A ex-primeira-dama francesa Danielle Mitterrand, viúva do ex-presidente François Mitterrand, morreu na madrugada desta terça-feira, aos 87 anos, após quatro dias hospitalizada para tratar uma anemia. Viúva desde 1996, Danielle era conhecida por suas opiniões marcadamente esquerdistas, sua amizade assumida com o ditador cubano Fidel Castro e seu envolvimento público com os trabalhos da fundação France Libertés. Sua imagem sempre foi estreitamente associada à do socialista François Mitterrand, presidente da França entre 1981 e 1995, com quem ela se casou em 1944. Danielle apoiou o marido durante sua longa vida política, mesmo quando a imprensa revelou a existência de uma filha que o líder teve fora do casamento. Durante o tempo em que foi primeira-dama da França, não se limitou ao papel tradicional de esposa do presidente da República. Em 1986, criou a fundação France Libertés, que lhe serviu como plataforma para sua ação pró-direitos humanos e como tribuna pública. A entidade tem como objetivo "estabelecer uma rede mundial que busque organizar uma alternativa à globalização do comércio e das finanças por uma sociedade que dê todas suas oportunidades à vida".

Copa Airlines anuncia vôos diários de Porto Alegre

A partir de 15 de dezembro, a Copa Airlines terá vôos diários para a Cidade do Panamá (7h13min horas por Boeing 737-300) saindo de Porto Alegre. A conexão para vôos como Orlando (mais três horas) e Nova Iorque (mais 5 horas) costuma levar uma hora e não exige procedimento alfandegário. A Copa opera neste momento com quatro vôos semanais. Os passageiros gostam dos aviões modernos (o 737 é pequeno, mas os aparelhos são todos novíssimos), da pontualidade e sobretudo dos preços (US$ 1.140,00 ida e volta, Nova Iorque).

Caixa Econômica Federal afirma que descoberta do rombo no Banco Panamericano foi uma surpresa

A Caixa Econômica Federal, por meio do seu vice-presidente de Finanças, Marcio Percival, disse à Polícia Federal que a descoberta do rombo de R$ 4,3 bilhões no Banco Panamericano, que pertencia a Silvio Santos, pelo Banco Central, dez meses após ter comprada essa instituição, foi uma “grande surpresa”. Ele garantiu que não houve pressão política do governo federal para a compra do Banco Panamericano. As informações estão em depoimento concedido pelo executivo na sede da Polícia Federal, em São Paulo, no dia 16 de setembro. Além de ocupar a vice-presidência de Finanças da Caixa Econômica Federal, Marcio Percival é presidente da CaixaPar, braço do banco público que comandou o processo que resultou na compra de 49% do capital social do Banco Panamericano por R$ 739,3 milhões. No depoimento aos policiais, Marcio Percival também negou ser amigo de Rafael Palladino, que dirigia o Banco Panamericano antes de as fraudes serem descobertas pelo Banco Central. No mercado financeiro, a impressão era diferente. Chamava a atenção de muitos especialistas a proximidade do relacionamento entre os dois. Segundo Marcio Percival, a Caixa Econômica Federal e as empresas contratadas para avaliar o Banco Panamericano não detectaram que o banco tinha o rombo contábil superior a R$ 4 bilhões. O executivo disse ainda que a Caixa Econômica Federal contratou o Banco Fator para fazer essa análise. Segundo Marcio Percival, o Banco Fator recontratou outras duas empresas (não especificadas) para ajudar na tarefa. A aquisição da Caixa Econômica Federal foi anunciada ao mercado no dia 1º de dezembro de 2009. Como pode permanecer no cargo um executivo que aplicou um mico desse tamanho na instituição que dirige?

Presidente do STJ faz lobby para cunhada ir para tribunal

A escolha de um novo ministro para o Superior Tribunal de Justiça deflagrou uma guerra de lobbies de partidários dos integrantes da lista tríplice levada à presidente Dilma Rousseff. O mais aberto parte do presidente do tribunal, ministro Ari Pargendler, que é cunhado de uma das candidatas, a desembargadora Suzana Camargo, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, com sede em São Paulo. Suzana foi a terceira colocada na lista tríplice enviada a Dilma, atrás dos desembargadores Néfi Cordeiro, do TRF da 4ª Região, com sede em Porto Alegre, e Assusete Magalhães, do TRF da 1ª Região, com sede em Brasília. Pargendler, que é casado com a irmã de Suzana Camargo, tem acompanhado a desembargadora em um périplo por gabinetes de deputados e senadores, em busca de respaldo político à nomeação. Em 19 de outubro, Suzana Camargo e Pargendler foram juntos a uma reunião com a bancada de Mato Grosso do Sul, onde ela começou sua carreira de juíza federal. Posaram inclusive para foto, postada no site do deputado Geraldo Resende (PMDB). Depois do encontro, os congressistas do Estado mandaram cartas aos ministros Cardozo e Gleisi Hoffmann (Casa Civil), manifestando apoio a Suzana Camargo. A atuação de Pargendler incomoda membros da corte. Dois ministros disseram que se sentem constrangidos. A desembargadora conta também com apoio do ex-governador Zeca do PT (MS) e do ex-ministro José Dirceu. Suzana só integrou a lista tríplice em segundo escrutínio. Na primeira votação do pleno do Superior Tribunal de Justiça, com 29 ministros, teve 14 votos, menos que o mínimo de 17 necessários.

PAC 2 tem apenas 11% das obras concluídas

O Ministério do Planejamento divulgou nesta terça-feira o segundo balanço do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2). Até setembro, apenas 11,3% do total das obras previstas para conclusão até 2014 foram entregues. Neste ritmo, dificilmente o governo conseguirá cumprir a promessa de entregar as construções até o fim do mandato da presidente Dilma Rousseff. O Planalto já admite que, do total de obras, 26% não serão entregues até 2014. O valor total a ser executado pelo PAC 2 até 2014 é de 955 bilhões de reais. Foram gastos, até agora, 143,6 bilhões de reais, o que representa 15% da verba prevista até 2014. Deste montante, 60,7 bilhões de reais foram destinados ao programa Minha Casa, Minha Vida 2, permitindo a contratação de 294.000 casas. Do restante, 41,4 bilhões de reais foram absorvidos por projetos de empresas estatais, 25,6 bilhões de reais foram destinados ao setor privado e 13,2 bilhões de reais ao Orçamento Geral da União Fiscal e Seguridade. Foram gastos ainda 2 bilhões de reais para financiamento ao setor público e 700 milhões de reais em contrapartidas de Estados e municípios. O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou que o PAC manteve o mesmo ritmo de investimentos do ano passado, e que, por isso, não deverá impactar a alta do PIB. “A manutenção do mesmo ritmo de investimento não contribui para aceleração do crescimento este ano”, afirmou. Em contrapartida, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, prometeu investimentos “subtanciais” do PAC para o próximo ano, o que, segundo ela, vai garantir que o Brasil não seja atingido tão fortemente pela crise internacional: “Acreditamos, sim, que será possível sustentar uma posição quase confortável no ano que vem em relação aos Estados Unidos e Europa”. Na área de transportes, foram concluídos quase 500 quilômetros em rodovias, entre elas, BR-262 (MG), BR-020 (DF-GO), BR-450 (DF) e BR-070(GO). Muitas obras no setor, no entanto, estão sendo revistas diante de situações de irregularidades em contratos realizados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Das 42 licitações do órgão em andamento, 14 foram revogadas e 27 suspensas, das quais 14 serão retomadas este ano. Todas as oito licitações da Valec, autarquia responsável pelas ferrovias, foram revogadas ou suspensas. Apenas uma obra será retomada em 2011. No setor de aeroportos, destacam-se a reforma do terminal de passageiros do Galeão (RJ), com 54% das obras finalizadas; e a ampliação da pista de Guarulhos (SP), com 47% de conclusão. O relatório do PAC sequer faz menção a obras no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. Na área de energia, entraram em operação quatro usinas hidrelétricas, onze termelétricas e nove eólicas. Entre os projetos que estão em atraso e não serão entregues até o fim do governo Dilma está a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, com realização de apenas 1,2% e previsão de inauguração em 2019. A Usina de Jirau (RO) está bem mais adiantada, com 64% das obras concluídas, mas só deve ficar pronta em 2016. A Usina de Santo Antônio (RO), que será entregue em 2015, tem 58,2% da construção finalizada. Até 2014, a Petrobras investirá 303 bilhões de reais em 115 projetos do PAC, que incluem a exploração do pré-sal. Até outubro, 34 poços foram perfurados e há previsão de início de obras em outros cinco poços até o fim do ano.