domingo, 1 de janeiro de 2012

Distrito Federal dá mais verba ao estádio Mané Garrincha do que para Saúde

O orçamento do governo do Distrito Federal para 2012 já está oficializado e deve ser publicado no Diário Oficial de Brasíulia nesta primeira semana do ano. De acordo com Lei Orçamentária Anual (LOA), em 2012, o Governo do Distrito Federal poderá investir cerca de R$ 28,5 bilhões. São R$ 16,85 bilhões do orçamento próprio, mais R$ 10 bilhões do Fundo Constitucional do Distrito FederalF (FCDF), verba repassada para a União, além de R$ 1,6 bilhão de recursos das empresas estatais. O recurso teve acréscimo de 7% em relação ao orçamento em 2011. As obras voltadas à realização da Copa do Mundo aparecem como prioridade dos gastos públicos. muito além das prioridades sociais. Pela LOA aprovada para 2012, o Estádio Nacional de Brasília deve ser o campeão de absorção de dinheiro público. Estão previstos cerca de R$ 500 milhões do orçamento, enquanto a previsão de gastos com a Saúde é de R$ 443 milhões e com a Educação de R$ 359 milhões.

Congresso brasileiro custou R$ 6,1 bilhões em 2011

A ONG Contas Abertas divulgou um estudo no qual demonstra que o Congresso Nacional custou cerca de seis bilhões ao erário em 2011. Segundo o documento, só o Senado gastou R$ 2,8 bilhões de janeiro a 30 de novembro do ano passado. Já a Câmara dos Deputados, gastou R$ 3,3 bilhões no mesmo período. A verba foi usada na compra de materiais e pagamentos de salários, indenizações e aposentadoria para servidores. Em 2010, o gasto foi de R$ 5,4 bilhões nos onze primeiros meses. Desta forma, houve um aumento de quase R$ 800 milhões nos gastos de 2011. Neste ano, o Congresso deve gastar mais ainda porque está prevista e autorizada uma nova edição do concurso do Senado com 246 vagas abertas para cargos de nível superior. Os selecionados receberão salários que chegam a R$ 23,8 mil.

Incêndio na Patagônia chilena consumiu mais de 12.500 hectares

As autoridades chilenas informaram neste domingo que o incêndio que afeta o Parque Nacional Torres del Paine consumiu mais de 12.500 hectares de florestas nativas e destruiu a fauna do local. "O acidente, no qual trabalham 562 brigadistas, afetou 12.560 hectares", disse o diretor da Corporação Nacional Florestal, Vicente Núñez. "Devemos agradecer o trabalho heróico e incansável das centenas de pessoas, entre eles soldados do Exército, bombeiros, a Marinha e brigadistas argentinos que estão atuando aqui em Magallanes", disse Núñez. No sábado, a Justiça chilena processou um cidadão israelense de 23 anos, identificado como Roter Singer, que confessou ter provocado de forma involuntária o incêndio que afeta o parque nacional Torres del Paine, na Patagônia chilena. O promotor Juan Meléndez confirmou aos jornalistas que o israelense está em liberdade provisória e sem poder sair do país por três meses, enquanto são realizadas as investigações. "O homem confessou que em uma ação involuntária queimou um pedaço de papel higiênico, o que produziu o incêndio", disse Meléndez. Neste domingo foi divulgado que os pais do israelense viajarão ao Chile para estar com o jovem, que está em uma casa da cidade de Punta Arenas. O incêndio que afeta a Patagônia chilena, a 2 mil quilômetros ao sul de Santiago, começou na quarta-feira, situação que obrigou a retirada de centenas de turistas e trabalhadores da área. Em fevereiro de 2005, outro incêndio causado por Jiri Smitak, um turista tcheco que utilizou de forma errada um fogareiro, destruiu 13.880 hectares do lugar. O Parque Nacional Torres del Paine, declarado reserva da Biosfera pela Organização das Nações Unidas para a Ciência, a Educação e a Cultura (Unesco), chega a ter nos meses de verão cerca de 130 mil visitantes, a maioria europeus.

Presidente do Irã diz que Banco Central vai reagir com "força" às sanções

O Banco Central do Irã enfrentará com "força" o mais recente pacote de sanções anunciado pelo governo dos Estados Unidos, afirmou neste domingo o ditador nazista islâmico Mahmoud Ahmadinejad, no dia seguinte à assinatura, por Barack Obama, de novas represálias contra a instituição monetária. "O Banco Central é a espinha dorsal da pressão aos inimigos, e com autoconfiança deve possuir a resistência necessária para eliminar as conspirações", disse o ditador nazista islâmico, durante a assembléia anual dos dirigentes da instituição. "Devemos proteger o povo e o país dessas conspirações do inimigo", insistiu. O nazista Ahmadinejad disse que, "atualmente, não há problemas particulares no setor econômico" iraniano, minimizando, assim, os efeitos das sanções precedentes impostas pelas potências ocidentais.

Exxon receberá US$ 908 milhões em disputa com Venezuela

A Exxon Mobil, maior petroleira de capital aberto do mundo, informou neste domingo que venceu disputa com a Venezuela em arbitragem internacional e deverá receber US$ 908 milhões em decorrência da nacionalização de ativos promovida pela ditadura de Hugo Chávez. O valor é inferior ao solicitado pela companhia americana. Fontes do governo disseram que consideraram o veredicto favorável para o país, mas não revelaram quanto foi solicitado pela companhia americana. A decisão da Câmara de Comércio Internacional (ICC) foi divulgada no sábado. "A decisão do ICC confirma que a petroleira estatal PDVSA tem uma obrigação contratual com a Exxon Mobil", afirmou um funcionário da companhia por e-mail. As petroleiras Exxon e ConocoPhillips introduziram arbitragens contra a Venezuela em 2007, solicitando compensações bilionárias pela perda de ativos no país. As duas empresas se retiraram do país depois da ocupação de seus negócios pela PDVSA, que agora mantém participação majoritária em todos os projetos petrolíferos do país. A Exxon era sócia da PDVSA para extrair petróleo na bacia do Orinoco, região com grandes reservas petrolíferas.

Salmão agora passa a fazer parte do cálculo da inflação

A partir desta segunda-feira, o preço do chuchu não será mais monitorado pelo IBGE para calcular a inflação oficial do país. Tampouco as mensalidades dos supletivos e o preço da autoescola. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), usado pelo governo para determinar a meta de inflação, começa o ano de cara nova, o que provocará também mudanças no resultado da inflação. Quando foi anunciada, no fim de novembro, a nova estrutura do IPCA provocou uma onda de revisões das estimativas para a inflação em 2012. Todas para baixo. O banco Itaú, por exemplo, cortou de 5,75% para 5,25% a inflação prevista para o ano que vem, só devido à mudança nesse retrato. Ainda de acordo com o banco, com a alteração, já em março a inflação em 12 meses deverá voltar ao patamar dos 5%, o que não é visto desde janeiro de 2011. Até novembro, a inflação está em 6,64%. A atualização do IPCA pretende refletir novos hábitos de consumo do brasileiro. Itens que estão com preços em alta acabaram perdendo importância no cálculo. Educação e serviço de empregada doméstica, que subiram no último ano 8% e 11% respectivamente, encolheram. Já produtos com preços em baixa ganharam importância, como eletroeletrônicos e automóveis, que nos últimos 12 meses ficaram 3,95% e 2,69% mais baratos. Entre 2008 e 2009, o IBGE verificou que as famílias estão gastando menos com empregada doméstica. Por outro lado, passaram a consumir mais salmão, DVDs e celulares com internet. Desde 1979, o índice que mede a inflação mudou cinco vezes. Na inflação de 2012, serão monitorados os preços de 365 itens. Antes, eram 384. Desde 2006, o IBGE concentra esforços em produtos presentes na maior parte das casas do País. Daí a saída do chope e do bacalhau do índice de preços, com consumo mais localizado em algumas capitais. Mudanças também ocorrem regionalmente. A dispersão da atividade e da renda para outras cidades fez encolher a participação de São Paulo na inflação nacional. A maior cidade do país é ainda a mais importante, mas sua contribuição para o índice de preços nacional recuou de 33% para 31%. Há 15 anos, sua fatia era 36%. Rio de Janeiro, Porto Alegre e Fortaleza também perderam peso. As demais sete capitais onde há coleta de informações ganharam peso, com destaque para Recife (de 4,1% para 5,05%) e Goiânia (de 3,7% para 4,4%).