sábado, 7 de janeiro de 2012

Governo petista gaúcho fecha escolas públicas

Os petistas gaúchos passaram décadas denunciando outros governos pelo fechamento de escolas inúteis, ou seja, escolas sem alunos. Nisso eram acompanhados pelo estridente pelegada do Cpers, sindicato pelêgo que faz parte da máquina político-ideológica petista. Pois bem, agora se constata que, no governo, a petezada tem que se render ao óbvio, ou seja, a realidade. No dia 14 de março do ano passado, a Secretaria de Educação, no primeiro ano do novo governo petista, do peremptório Tarso Genro, enviou ao Conselho Estadual de Educação o Ofício nº 214, justificando a "cessação das atividades (fechamento) da Escola Estadual de Ensino Fundamental Benjamin Zanandréa, localizada em São João da Forquilha, no município de Sananduva, "devido à redução significativa da clientela atendida pela escola, sem previsão de aumento da demanda escolar para os próximos anos". Em conseqüência, "os 18 alunos remanescentes ao final do ano letivo de 2010 da escola cessante foram transferidos para as escolas públicas próximas, com garantia de transporte dos alunos fornecido pela municipalidade". A plenária do Conselho Estadual de Educação aprovou o descredenciamento da escola em 9 de novembro de 2011, com voto contrário de representantes do Cpers, mas favorável dos conselheiros do Executivo. Pergunta: não é de se pegar a pelegada do Cpers e dar um laço com vara de marmelo? Manter aberta uma escola com 18 alunos? Isso é sinal de loucura, tara. Mas, é claro, o Cpers precisa garantir sua gritaria por mais professores. A grande verdade é que o Estado tem professor em excesso, aluno de menos, e um monumental desperdício de recursos humanos na área de educação pública. O governo do Rio Grande do Sul joga dinheiro pela janela com o custo de professores. Mais escolas estão com pedido em análise no Conselho Estadual de Educação para serem fechadas, pelo motivo, falta de alunos.

DESASTRE DA EDUCAÇÃO NO RIO GRANDE DO SUL É DE GRANDE PROPORÇÃO

O retrato do desastre
A ex-secretária da Educação do Rio Grande do Sul, Mariza Abreu, consultora legislativa aposentada do Congresso Nacional, mostra números imbatíveis e insofismáveis sobre o tamanho do desastre da educação pública no Estado. A situação chega a tal ponto que ela exclama: "É um horror....". Qualquer pessoa pode constatar olhando o quadro elaborado pelo Inep, órgão do governo lulo-dilmista-petista. Constata-se pelos dados que, em 2000, o Rio Grande do Sul tinha 1.591.620 alunos na rede pública. Em 2010, esse número tinha caído para 1.364.507. Ou seja, houve uma dramática diminuição de 227.113 alunos. É como se a população de uma cidade de tamanho grande do Interior do Estado, dessas que podem ter segundo turno nas eleições, tivesse desaparecido. E aí chegam os números bestificantes. O desempenho adequado dos alunos, em 2000, na quarta série, na língua portuguesa, ficou em 31%. Ou seja, rodariam todos os alunos, porque estavam incapacitados. Já em 2010, melhorou um pouco a situação; os alunos apresentaram 38,9% de aproveitamento. Ou seja, continuaram todos rodados, uma década depois. São crianças que não compreendem a sua língua, mal sabem ler, não entendem os conteúdos, e são praticamente incapazes de escrever qualquer coisa. Quanto ao desempenho ao final da oitava série do Ensino Fundamental, o resultado é ainda mais trágico. Em 2000, o rendimento dos alunos foi de somente 26,2%. Já em 2010, melhorou um pouquinho, com um aproveitamento de 32,1%. Continuaram todos rodados, incapazes, iletrados, ignorantes de conteúdos, e inúteis para escrever. Quando se fala da matemática, então o cenário é dantesco. Em 2000, o aproveitamento ao final da 4ª série era de 14,9%. E ao final da oitava série, de 14,7%. O que dizer disso. Já em 2010, o desempenho tinha melhorado muito para os concluintes da 4ª série, com aproveitamento de 36,5%. Continuariam todos rodados, entretanto, do mesmo modo. E nesse mesmo ano de 2010 os concluintes da oitava série apresentaram um aproveitamento de 19,5%. Ou seja, dispensa comentários. E a pelegada do Cpers passa décadas após décadas dizendo que luta pela melhora da educação. Imagina se essa pelegada lutasse pela piora.....