quarta-feira, 30 de maio de 2012

Serra diz que embate Lula-Mendes criou problema institucional

Pré-candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, o ex-governador José Serra disse que o atrito entre o ex-presidente Lula e o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, criou "um problema entre as instituições do Brasil". "É um assunto que afeta as instituições do Brasil, a estabilidade institucional, então não vou me manifestar nessa polêmica", disse. Pouco depois, pregou "serenidade". "Nós temos na pauta do Judiciário o julgamento do mensalão. Vamos todos trabalhar pra que seja um julgamento que aconteça e que seja isento", disse ele.

Patriota diz que conversou com chanceler da Bolívia sobre senador que pediu asilo político ao Brasil

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, disse ter entrado em contato com o colega boliviano, David Choquehuanca, para conversar sobre a situação do senador Roger Pinto, que pediu asilo ao Brasil e está abrigado na embaixada do país em La Paz desde a última segunda-feira. Patriota reafirmou que o governo avalia a solicitação feita por Pinto em carta à presidente Dilma Rousseff. "Estamos examinando a questão à luz da Convenção de Caracas sobre o direito de asilo", disse. O senador, que integra a oposicionista Convergência Nacional, alega ser vítima de uma "perseguição inclemente" do governo do ditador índio cocaleiro Evo Morales. Seus correligionários dizem que ele foi ameaçado de morte. O senador enfrenta 20 processos judiciais.

Servidora diz que dezenas relataram pedido de propina de Aref

Uma funcionária da Secretaria de Habitação de São Paulo disse ter ouvido dezenas de relatos de contribuintes sobre cobrança de propinas pelo ex-diretor do órgão, Hussain Aref Saab. A servidora, que trabalha há mais de uma década no mesmo prédio que Aref trabalhava, prestou depoimento à Promotoria. Seu nome é mantido em sigilo. Aref dirigiu o Aprov (setor de aprovação de empreendimentos de médio de grande porte) entre janeiro de 2005 e o mês passado. Nesse período ele adquiriu 106 imóveis avaliados em mais de R$ 50 milhões. Em seu depoimento, a servidora diz que os relatos apontam que Aref exigia propinas em dinheiro e, às vezes, em imóveis. Essa versão reforça denúncia anônima encaminhada ao prefeito Gilberto Kassab (PSD) que relatava que Aref cobrava propina. A servidora disse nunca ter presenciado a cobrança de propina nem ter recebido provas por parte dos contribuintes que a procuraram para fazer uma denúncia. A funcionária relatou ter constatado que alguns desses projetos estavam absolutamente em ordem. Ou seja, Aref criava dificuldades para aprovação dos projetos para exigir a propina. Algumas exigências feitas pelo ex-diretor, segundo a funcionária, não tinham previsão legal alguma. Aref é investigado pela Corregedoria-Geral do Município e pelo Ministério Público por suspeita de corrupção e enriquecimento ilícito.

Presidente da CPI nega dispensar Demóstenes de depoimento

O presidente da CPI do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), negou nesta quarta-feira o pedido feito pelo senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) para dispensá-lo de depor nesta quinta-feira na comissão. Com a negativa da dispensa, segundo o advogado de Demóstenes, Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, o senador deve adotar a estratégia de permanecer em silêncio durante a audiência prevista para as 10h15. A petição em que constava o pedido foi apresentada pelo advogado do senador, mas não chegou a ser votada. Para o advogado, Demóstenes já disse "tudo o que tinha para falar" quando participou ontem de sessão no Conselho de Ética do Senado, onde é alvo de processo por quebra de decoro.

Brasil é o terceiro país com o maior juro real no mundo

Pelo segundo mês seguido, o Brasil não figura mais no topo da lista dos países com os maiores juros reais (taxa que desconta a inflação), posição que ocupou de janeiro de 2010 até março deste ano. Agora, a Rússia assumiu a liderança do ranking com juros reais de 4,3%, enquanto o Brasil ocupa a terceira posição com de 2,8%. O segundo lugar ficou com a China, com 3,1%. Com a decisão do Copom nesta quarta-feira, a taxa caiu no Brasil para 8,5% ao ano, a menor de toda história do País.

Petrobras investirá R$ 1,23 bilhão em dutos e terminais neste ano

A Petrobras vai investir R$ 1,23 bilhão em dutos e terminais neste ano. O valor está em linha com o aplicado no ano passado e um pouco inferior aos R$ 1,5 bilhão investidos em 2010. Segundo o gerente-geral de planejamento de logística do abastecimento da companhia, Carlos Felipe Lodi, os investimentos são necessários para atender o crescimento da produção de petróleo e da demanda por derivados do País. Ele lembrou que a produção de petróleo do Brasil deve atingir 6,092 milhões de barris por dia em 2020, segundo o Plano Decenal de Energia, elaborado pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética). Lodi ressaltou ainda que a demanda por derivados de petróleo está crescendo acima do PIB. Até quatro anos atrás, o crescimento era de 0,8% do PIB, disse. Segundo Lodi, a demanda por derivados de petróleo e combustíveis vai crescer entre de 3,5% e 4,5% ao ano até 2020.

Governo anuncia R$ 22 bilhões para agricultores familiares

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, anunciou nesta quarta-feira que o governo vai disponibilizar R$ 22 bilhões para ações voltadas aos pequenos produtores neste ano. O anúncio faz parte do pacote anunciado pelo governo em resposta às reivindicações do grito da Terra Brasil, realizado anualmente pela Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores). Do total de recursos, R$ 18 bilhões serão disponibilizados através de créditos do Pronaf 2012/2013 (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), que deverá ser lançado pelo governo no fim de junho ou início de julho. De acordo com o ministro, o governo não fará nenhum contingenciamento dos recursos previstos no Orçamento deste ano para a agricultura familiar. São R$ 706,5 milhões previstos no orçamento. Os pequenos gricultores foram recebidos pela presidente Dilma Rousseff e pelos ministros Pepe Vargas (Desenvolvimento Agrário), Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência e Gleisi Hoffmann (Casa Civil). O governo também anunciou a mudança na gestão do crédito para assentamentos da reforma agrária. Conforme Pepe Vargas, os assentamentos passarão a ser enquadrados no programa Minha Casa, Minha Vida. "Vamos ter um novo modelo de crédito. Nós estamos colocando o Minha Casa, Minha Vida na reforma agrária", explicou o ministro. Com a mudança, o crédito disponível para os assentados referente à "habitação" passaria de R$ 15 mil para R$ 25 mil. O ministro Pepe Vargas afirmou ainda que o governo vai desbloquear R$ 300 milhões para assistência técnica da agricultura familiar.

CPI quebra sigilos de empresa de advogado de Demóstenes e Perillo

Além da convocação dos governadores de Goiás, Marconi Perillo, e do Distrito Federal, Agnelo Queiróz, a CPI do Cachoeira também aprovou nesta quarta-feira a quebra dos sigilos fiscal, bancário, telefônico e dos e-mails de uma empresa que tem entre seus sócios o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende dois investigados pela comissão. A Data Traffic recebeu do governo federal R$ 30 milhões entre 2010 e 2012, em contratos com o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) na área de fiscalização eletrônica nas estradas. Em diálogos interceptados pela Polícia Federal, a empresa foi citada várias vezes por integrantes do esquema de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Por requerimento do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), a empresa teve seus sigilos quebrados nos últimos dez anos. "A empresa tem ligação com várias lideranças de Brasília", diz o deputado, no requerimento. Diretores da empresa participaram de uma série de reuniões com membros para discutir a formação de um consórcio interessado em ganhar um contrato no governo de Goiás. Em conversa entre Cachoeira e Wladimir Garcez, apontado pela Polícia Federal como braço político do esquema, em 5 de maio de 2011, eles combinam que a Data Traffic será a líder do consórcio, com 39%, a Delta terá 36% e os demais 25% ficariam divididos entre duas empresas. "Wladimir sugere que se Carlinhos quiser e achar que tem clima, pode interceder junto ao governador [de Goiás, Marconi Perillo] para pedir para a Delta ser a líder no contrato", escreveu a Polícia Federal em seu relatório. Kakay disse que tem "apenas" 7% da empresa e que colocou sua cota à venda no ano passado: "Nunca fui a sede da empresa. É apenas um investimento". O irmão de Kakay, Marcos de Almeida Castro, também é sócio da empresa. Amigo de petistas como o ex-ministro José Dirceu, Kakay é advogado de dois investigados pela CPI do Cachoeira: o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) e Marconi Perillo (PSDB).

Ellen Gracie é eleita nova integrante do Conselho da OGX, de Eike Batista

A ex-ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Ellen Gracie foi eleita para integrar o Conselho de Administração da OGX, empresa de petróleo e gás do empresário Eike Batista, informou a empresa nesta quarta-feira em ata de assembleia de acionistas datada de 26 de abril. Primeira mulher a integrar a Suprema Corte brasileira, Ellen Gracie ficou no STF durante dez anos e oito meses e deixou o tribunal em agosto de 2011, quando se aposentou.Ellen, assim como os demais membros eleitos para o Conselho, terão mandato de um ano.

Copom corta Selic em 0,5 ponto porcentual

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central confirmou a previsão dos analistas de mercado de dar continuidade à politica de corte de juros e reduziu a Selic em 0,5 ponto porcentual, em decisão unânime. Fixada agora em 8,5%, sem viés, a taxa alcança o menor índice já registrado. Até hoje, a menor “meta” para taxa de juros na economia brasileira havia sido de 8,75% ao ano, fixada pelo BC entre julho de 2009 e abril de 2010. Em nota, o Copom disse considerar que, neste momento, permanecem limitados os riscos para a trajetória da inflação e que dada a fragilidade da economia global, a contribuição do setor externo tem sido desinflacionária. A decisão do órgão foi baseada, sobretudo, no persistente cenário de desaceleração da economia brasileira, que vem respondendo de maneira insatisfatória aos constantes cortes na Selic. Analistas esperam que o Produto Interno Bruto (PIB) trimestral, que será divulgado na próxima sexta-feira, mostre alta de 0,3% a 0,5%, número muito inferior às expectativas otimistas do final de 2011. “A indústria está com uma quadro baixo de investimento e os dados de concessão de crédito também estão menores do que o esperado”, afirma Roberto Padovani, economista-chefe da Votorantim Corretora. A piora da crise internacional desde a última reunião do Copom também justifica a nova redução dos juros. Segundo analistas, a tensão no cenário global já afeta a confiança do empresariado e do consumidor, o que prejudica o principal objetivo do governo nos dias de hoje: o aquecimento do mercado interno. Além disso, a desaceleração do crescimento de nações desenvolvidas e dos emergentes afeta diretamente o setor exportador do país, além dos investimentos vindos do Exterior.

Petista agora acusa PSDB de se juntar ao PMDB contra o PT

O líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), deixou a reunião da CPI do Cachoeira, nesta quarta-feira, acusando a existência de um conluio entre tucanos e peemedebistas para convocar o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e poupar o do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB). “Há um acordo para politizar a CPI. Mas isso é bobagem. Com o tempo a farsa vai ser desmascarada”, disse Tatto. A queixa se baseia nos três votos que os tucanos apresentaram contra a ida de Cabral à CPI, depois de terem defendido a convocação de Agnelo. A participação do PSDB foi decisiva para que o governador do Rio de Janeiro escapasse da exigência. O líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo (PE), nega a existência de um pacto: “Nós só fazemos acordo com os partidos do nosso bloco: o PPS e o DEM. O PT é que tem problemas de relacionamento com seus aliados”, afirmou. O tucano diz ainda que seu partido soube diferenciar o grau de envolvimento dos governadores com o esquema de Cachoeira: “Nesse momento há clareza de que não há conexões objetivas que levassem à vinda do governo Cabral”. O relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), também discordou da decisão do plenário da Comissão Parlamentar de Inquérito: “Há provas evidentes do envolvimento do governador Marconi Perillo. Do governador Agnelo Queiroz, neste momento não”. Diante do inevitável, Jilmar Tatto tenta dar uma aspecto positivo à convocação do governador do Distrito Federal: “É a oportunidade de Agnelo dizer que foi vítima desse esquema do Carlinhos Cachoeira e não foi sócio, como o governador do PSDB de Goiás. Agnelo tem o apoio e a confiança do PT”

Petrobras pára operação de terminal em Angra dos Reis

A Petrobras vai paralisar as operações do seu terminal em Angra dos Reis (RJ), atingido por um incêndio em 2002, para a realização de obras, disse na quarta-feira o gerente-geral de Planejamento de Logística do Abastecimento da estatal, Carlos Felipe Guimarães Lodi. O objetivo é recompor as condições originais das instalações, aumentando a sua produtividade. Segundo o executivo, o projeto deve ser concretizado "na virada de 2012 para 2013". Porta de saída das exportações de petróleo da empresa, o terminal deve ter equipamentos que já atingiram sua vida útil substituídos, informou Lodi.

PSOL protocola representação contra ministro Gilmar Mendes

O PSOL protocolou nesta quarta-feira uma representação na Procuradoria-Geral da República contra o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. O partido questiona a conduta do magistrado em relação às acusações ao ex-presidente Lula. De acordo com reportagem da revista "Veja", em reunião no escritório do ex-ministro Nelson Jobim, Lula teria pedido ao ministro do STF que atrasasse o julgamento do mensalão. Em troca, o ex-presidente teria prometido "blindar" o ministro na CPI que investiga Carlinhos Cachoeira. Para a bancada do PSOL no Congresso, a conduta do ministro é bastante questionável. Assinam a representação o deputado Ivan Valente, presidente nacional do partido; deputado Chico Alencar, líder na Câmara, deputado Jean Wyllys e senador Randolfe Rodrigues, líder no Senado. O documento pede a investigação dos fatos e, caso haja comprovação de conduta indevida, a bancada pede que sejam adotadas as medidas cabíveis, no âmbito administrativo, civil ou penal pela Procuradoria. O PSOL diz que é preciso investigar o motivo que levou o ministro a anunciar a reunião um mês após ela ocorrer.

Ex-braço direito de Eike Batista perde ação contra empresário

A Justiça do Rio de Janeiro decidiu nesta quarta-feira em favor do empresário Eike Batista em uma das ações movidas contra ele pelo seu ex-diretor Rodolfo Landim. O executivo entrou na Justiça para ter o direito de vender 5,540 milhões de ações da OGX, petroleira do grupo EBX, de Eike. Avaliadas em cerca de US$ 50 milhões pelo mercado, as ações foram dadas à Landim como bônus de pagamento. Uma cláusula diz que ele teria de esperar até novembro de 2011 para vender suas ações na petroleira. O ex-executivo, no entanto, já passou adiante sua participação, fora do período determinado. Em última análise, a decisão com relação ao prazo validará ou não a venda das ações. Landim foi o braço direito de Eike na criação da holding EBX. Ele já ocupou a presidência da petroleira OGX, da mineradora MMX e da OSX, de construção naval. Devido a divergências internas, o executivo foi desligado do grupo em abril de 2010 e entrou na Justiça contra o ex-patrão. No início do ano, o juiz Luiz Roberto Ayoub, da 1ª Vara Empresarial do Rio, decidiu em favor de Landim. Eike recorreu e a ação foi para a segunda instância. Landim tem mais um processo contra Eike. O ex-executivo briga na justiça para ter 1% do capital da holding EBX. Ele afirma que o empresário havia lhe prometido a fatia na companhia. Em junho do ano passado, a Justiça deu ganho de causa a Eike. Landim recorreu e o processo ainda está tramitando. Há divergências com relação à formalização da suposta promessa. Os advogados de Landim dizem que a promessa foi firmada em carta manuscrita por Eike, registrada em cartório. Já os advogados de Eike dizem que Landim se baseia em um bilhete escrito durante uma viagem de avião, em 2006, por Eike, no qual este promete lhe dar "1% da holding mais 0,5% das minhas ações da MMX".

Maurício Rands desiste de pré-candidatura à prefeitura de Recife

O secretário estadual de governo e deputado federal licenciado, Maurício Rands (PT), anunciou nesta quarta-feira sua renúncia à pré-candidatura a prefeito de Recife (PE). A decisão do secretário deverá ser seguida pelo prefeito da cidade, João da Costa, que disputaria com Rands a prévia do partido, marcada para o próximo domingo. Costa ainda não se pronunciou. Sem os dois pré-candidatos, o caminho ficará aberto para o senador Humberto Costa, nome preferido pela Executiva Nacional do PT, com apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Lula, Campos e a cúpula petista avaliam que Rands e o prefeito não reúnem mais condições de unir o partido e a base de apoio eleitoral da situação em torno de seus nomes, após o fracasso da prévia realizada no último dia 20. O pleito, vencido pelo prefeito, foi anulado pela executiva, depois de várias denúncias de fraudes na elaboração da lista de filiados aptos a votar. O colégio eleitoral foi definido pela Justiça, em uma batalha de liminares realizada durante a votação. Os dois pré-candidatos trocaram duras acusações, desagradando ao PT.

Dólar sobe 1,51% e fecha a R$ 2,016

O câmbio local não escapou da piora de humor externo. O dólar fechou o dia com alta, captando o aumento na aversão ao risco decorrente da preocupação com o setor financeiro e com o custo de financiamento da Espanha. O dólar comercial fechou com alta de 1,51%, a R$ 2,016 na venda. Na terça-feira, o dólar subiu 0,15%, a R$ 1,986. Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o dólar para junho tinha valorização de 1,12%, a R$ 2,016. No câmbio externo, o Dollar Index, que mede o desempenho da divisa americana ante uma cesta de moedas, subiu 0,65%, a 83,06 ponto. Já o euro caiu 1,05%, a US$ 1,237, menor preço desde julho de 2010.

Seca provoca quebra na safra de milho em Santa Catarina

A estiagem que afeta Santa Catarina provocou quebra de cerca de 25% na produção de milho --um dos principais insumos para alimentação animal. "O Estado, que já era deficitário na produção de milho e soja, terá que comprar mais esses produtos de outros Estados e até do Paraguai e da Argentina", disse o secretário-adjunto de Agricultura, Airton Spies. A estiagem no Estado já dura seis meses e é considerada uma das mais longas da história de Santa Catarina. A cidade de Araranguá (sul do Estado) decretou situação de emergência na terça-feira, aumentando para 148 o número de municípios afetados pela falta de chuva - metade das 293 cidades catarinenses. São cerca de 770 mil pessoas atingidas, principalmente na região oeste, afirma a Defesa Civil. O número representa 12 % da população do Estado. As consequências são percebidas principalmente na produção de leite. Segundo o secretário, além de a produtividade ter caído, devido às pastagens secas, alimentar o gado com ração ficou mais caro. Segundo avaliação da Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina), o custo de produção de aves e suínos aumentou cerca de 30% esse ano. O Estado é o principal produtor de suínos do País e o segundo na produção de aves.

Lula diz, "tem muita gente que não gosta de mim"

Em mais um capítulo da batalha verbal com o ministro Gilmar Mendes, o ex-presidente Lula disse nesta quarta-feira, sem citar nomes, que "tem muita gente que não gosta de mim". A polêmica entre Lula e Gilmar Mendes foi iniciada no último fim de semana, depois de reportagem da revista "Veja" revelar um encontro que eles tiveram no último dia 26 de abril, no escritório do ex-ministro do STF Nelson Jobim, em Brasília. A única menção, ainda assim indireta, à polêmica envolvendo ele e Mendes se deu no início de palestra proferida no 5º Fórum Ministerial de Desenvolvimento, organizado pela ONU, na Fiocruz, em Brasília. "Vou falar de pé, porque senão vão dizer que eu estou doente. Tem muita gente que não gosta de mim", disse Lula ao chegar ao púlpito. O ex-presidente ainda se recupera de um câncer na laringe.

Presidente da Câmara sugere chá de camomila para Lula e Gilmar Mendes

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), recomendou nesta quarta-feira ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, e ao ex-presidente Lula que tomem chá de camomila e acalmem os ânimos. Na terça-feira, ao defender Lula, Maia colocou em suspeita o comportamento de Gilmar Mendes. Nesta quarta-feira, disse que é preciso colocar panos quentes nessa polêmica, motivada pelas versões sobre um encontro do ministro e do ex-presidente no mês passado. Na reunião, Lula teria pedido a Mendes que adiasse o julgamento do mensalão em troca de blindagem na CPI do Cachoeira. O ex-presidente nega. "Nesse momento, o importante é que se passe uma borracha nesse episódio que não vai trazer problema para o Brasil. Temos que dar um chá de camolia a todos os envolvidos, principalmente neste momento em que se aproxima a votação no STF", afirmou. Maia voltou a alfinetar o ministro. "A partir de agora, o momento é de acalmar os ânimos. É quase incompreensível a forma como o ministro Gilmar Mendes tratou essa questão, mas conhecemos o ministro, sabemos de seu papel e de sua responsabilidade. Nada pode influenciar o Supremo".

Vírus "Flame" atingiu indústria do petróleo do Irã

A indústria do petróleo do Irã foi afetada por um curto período de tempo pelo poderoso vírus de computador conhecido como "Flame", com capacidade sem precedentes para capturar dados e espionar usuários, disse Gholam Reza Jalali, que dirige uma unidade militar encarregada de combater a sabotagem. O comentário dele é a primeira ligação direta entre o surgimento do novo vírus e do ataque dentro de um sistema de computador bastante sensível no Irã, cuja receita com o petróleo responde por 80% de sua renda. A total extensão dos danos causados pelo vírus no mês passado não foi fornecida, mas o Irã foi forçado a cortar a internet com o principal terminal de exportação do país, presumivelmente para tentar conter a ameaça. Se o caso se confirmar, será o mais recente vírus a invadir as defesas dos computadores do Irã nos últimos dois anos, aumentando os rumores de que programadores israelense podem ter agido de novo. Na terça-feira, o vice-primeiro-ministro israelense, Moshe Yaalon, alimentou as especulações de que Israel, conhecido pela inovação tecnológica e pela campanha incansável contra o programa nuclear de Teerã, poderia ter lançado o vírus.

Farc liberta jornalista francês sequestrado em abril

O jornalista francês Romeo Langlois foi libertado nesta quarta-feira pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc - organização terrorista e traficante de cocaína). Ele reapareceu em um remoto povoado do sul colombiano e reuniu-se com a comissão à qual foi entregue pelas Farc. Ao ser solto, o jornalista de 35 anos de idade vestia uma camisa verde parecida com um uniforme militar. Ainda não se sabe quando Langlois deixará San Isidro, um povoado situado 450 quilômetros a sudoeste de Bogotá.

Conselho da ONU sugere fim de Polícia Militar no Brasil

Abolir a Polícia Militar, acusada de execuções sumárias e de violações. A recomendação foi apresentada pela Dinamarca e faz parte das sugestões apresentadas pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU ao Brasil, no marco da sabatina realizada sobre a situação dos direitos humanos no Brasil, na semana passada. Na terça-feira, nas conclusões dos trabalhos, a sugestão de acabar com a força policial foi incluída no texto. No total, a sabatina do Brasil resultou em 170 recomendações ao País sobre como superar as violações de direitos humanos, numa clara demonstração de que, apesar de certos avanços, a situação social, econômica e de igualdade ainda é preocupante. Mas o governo preferiu não dizer quais das 170 recomendações aceitará aplicar, e pediu até setembro para que se estude cada uma das sugestões. A delegação brasileira na sabatina foi uma das mais numerosas que a ONU já recebeu neste ano, com 36 integrantes. Um dos principais pilares das recomendações no Conselho focou na questão policial e da impunidade. Para o governo da Dinamarca, seria recomendável "abolir o sistema separado de Polícia Militar, aplicando medidas mais eficientes para reduzir a incidência de execuções extra-judiciais". Governos não hesitaram em denunciar os "esquadrões da morte" no Brasil, como no caso da Coreia do Sul e do Vaticano. Enquanto a Austrália sugeriu que o projeto de UPP seja usado em outros Estados do Brasil, a Espanha pediu para que a educação em direitos humanos seja parte das forças de segurança. Para quase uma dezena de países, entre eles a Alemanha, chegou o momento de o Brasil garantir que crimes cometidos por políciais e outros agentes de segurança sejam devidamente investigados e que o combate à impunidade seja alvo de uma campanha.

Venezuela ataca ministro Gilmar Mendes

A Embaixada da Venezuela no Brasil criticou as declarações do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. Mendes disse que o “Brasil não é a Venezuela onde Chávez prende juiz”, ao se referir ao encontro que teve com o ex-presidente Lula, durante o qual o petista o teria pressionado para adiar o julgamento do mensalão. "As declarações do ministro do STF Gilmar Mendes ao jornal O Globo, se de fato ocorreram, constituem uma afronta à população venezuelana, e demonstram profunda ignorância sobre a realidade de nosso país”, afirmou, por meio de nota, o embaixador Maximilien Arveláiz. “Nossa Constituição, elaborada pela Assembleia Constituinte e referendada pelas urnas, determina a separação de poderes, estabelece direitos de cidadania e configura os instrumentos judiciais cabíveis, ou seja, o presidente da Venezuela não manda prender cidadão algum, independentemente do cargo que ocupe”, disse. Para Arveláiz, ”recorrer à desinformação para envolver a Venezuela em debates que dizem respeito apenas aos brasileiros é uma atitude indecorosa”.

Governo está disposto a discutir de dívidas dos Estados

O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse nesta quarta-feira que o Tesouro continua aberto para renegociar a dívida dos Estados. Ele afirmou que a União está disposta a colocar a taxa Selic como teto para correção da dívida. Mas alertou que não aceita renegociar retroativamente. "Isso está fora de cogitação", afirmou. Barbosa admitiu que a correção pelo IGP-DI mais 6% (em alguns casos chega a 9%) não reflete mais a realidade da economia brasileira, mas argumentou que a conta ainda é favorável para os Estados. "Houve um subsídio do Tesouro", disse. Ao ser questionado sobre a posição de alguns Estados em trocar o indicador pela Selic, Barbosa disse que é um processo de negociação. "Acho que é possível fazer e reduzir os encargos financeiros nos próximos anos".

Para Aécio Neves, acusação contra Lula gera constrangimento

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou nesta quarta-feira que a acusação de que o ex-presidente Lula teria tentado influenciar o julgamento do Mensalão do PT causa "constrangimento", especialmente para os aliados do petista. "Eu tenho certeza absoluta que o STF vai julgar o caso do mensalão e outras demandas que lá cheguem com isenção, com valores, de forma técnica, como deve ser. Mas é um fato que gera constrangimentos, especialmente para os aliados do presidente", afirmou Aécio Neves. O senador falou sobre o caso durante encontro dos pré-candidatos do PSDB a prefeito no País. Aécio Neves afirmou que o STF é uma instituição sólida, que "não parece abalada pela crise". Ele disse que é "grave" a acusação contra o ex-presidente.

Governo lança portal que disponibiliza trabalhos acadêmicos em saúde

Profissionais da saúde poderão acessar conteúdo científico por meio do portal Saúde Baseada em Evidências, lançado na terça-feira. De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, estão disponíveis para consulta mais de 31 mil periódicos completos e mais de 200 mil trabalhos acadêmicos digitalizados, entre dissertações de mestrado e teses de doutorado. Cerca de R$ 10 milhões foram utilizados na criação do portal e na compra do acervo digital de sete bancos de dados (Rebrats, Embase, ProQuest Hospital Collection, Atheneu Livros Virtuais, Micromedex, Dynamed e Best Practice, British Medical Journal). "Esse portal de periódicos científicos da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) ajuda em toda pesquisa no Brasil, toda a vida acadêmica, em todas as áreas do conhecimento, todos nossos estudantes no exterior, bolsistas, pesquisadores, utilizam esse portal como referência, porque ele é muito bem organizado, muito didático", disse Mercadante. Segundo o ministro, a concepção do portal foi feita por uma comissão de cientistas e de especialistas, que determinou quais os periódicos que interessam ao profissional na ponta, de forma que o atendimento e o tratamento em saúde sejam melhorados. Além da Capes, a iniciativa envolve o Ministério da Saúde e da Educação e a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Segundo Mercadante, o objetivo do portal é melhorar a eficiência do trabalho dos médicos no país, já que a proporção é relativamente pequena, com uma média nacional de 1,8 médico para cada mil habitantes. Na Argentina, a proporção é o dobro do que no Brasil.

Investigado consegue no Supremo direito de ficar calado na CPI

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, concedeu o direito a Gleyb Ferreira de permanecer em silêncio na CPI do Cachoeira. Ferreira foi convocado na condição de investigado para depor nesta quarta-feira por ser considerado "laranja" no suposto esquema de jogos ilegais comandado pelo empresário Carlos Cachoeira. Após ler a decisão de Toffoli, o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), perguntou a Gleyb se ele iria se pronunciar e responder às questões postas pelos integrantes do colegiado. "Vou usar o direito de permanecer calado", respondeu o depoente. No fundo da sala da comissão, a mulher de Gleyb acompanhou a sessão de forma discreta. Além de Gleyb também está previsto no dia de hoje o depoimento de José Olímpio de Queiroga Neto, um dos supostos operadores do esquema no Distrito Federal; Lenine Araújo de Souza, apontado como contador do grupo de Cachoeira e Cláudio Abreu, ex-diretor regional da Delta Centro-Oeste. Os três também tiveram aprovados pelo Supremo pedido de liminar em Habeas Corpus para permanecerem em silêncio. Por sua vez, o tesoureiro da campanha do governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB), Jayme Rincón, que iria depor como testemunha, alegou que estava doente e não vai comparecer à Comissão nesta quarta-feira. "Isso é um direito constitucional. Não desmoraliza a CPI. Mas esse habeas corpus é desnecessário não está a altura do Supremo", afirmou o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) durante a sessão. "Estamos dando um passeio para eles. Damos café, água gelada e eles voltam para a cadeia", disse o deputado Chico Alencar (Psol-RJ).

Fifa confirma Brasília como abertura da Copa das Confederações

A Fifa e o COL (Comitê Organizador Local) confirmaram na manhã desta quarta-feira que Brasília receberá o jogo da abertura da Copa das Confederações-2013. A capital federal será a única a receber apenas um jogo do torneio, que tem outras cinco sedes. A seleção brasileira vai fazer o primeiro jogo do evento teste da Fifa, que será no dia 15 de junho de 2013. A confirmação foi no Rio de Janeiro e contou com a participação do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e do secretário do COL, Bebeto. As outras cinco sedes escolhidas (Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza) vão realizar três partidas. O segundo jogo da seleção será no dia 19 de junho, às 16h, em Fortaleza. Os jogos da Copa das Confederações serão disputados em dois horários (16h e 19h), menos o jogo final e a disputa do terceiro colocado da competição. A partida que definirá o terceiro colocado será em Salvador, no dia 30 de junho, às 13h. A final da Copa das Confederações vai acontecer no mesmo dia, no Maracanã, às 19 horas. O sorteio dos grupos da competição será realizado em São Paulo. O evento acontecerá no Anhembi, entre os dias 27 de novembro e 1º de dezembro. A Copa das Confederações será realizada entre 15 e 30 de junho de 2013. Brasil (sede), Espanha (campeã mundial), Japão (campeão da Copa da Ásia), México (campeão da Copa Ouro) e Uruguai (campeão da Copa América) são os países já garantidos. Três vagas (África, Europa e Oceania) ainda estão abertas.

Na África do Sul, Mandela aparece na TV pela primeira vez desde internação

O ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, apareceu pela primeira vez na televisão desde uma internação hospitalar em fevereiro, e foi mostrado recebendo uma tocha em comemoração ao centenário do seu partido, ANC (Congresso Nacional Africano). O herói antiapartheid, de 93 anos, apareceu sentado em uma poltrona, cercado por familiares, em sua casa de campo na cidade de Qunu. Ele falou brevemente durante a cerimônia e disse que estava "feliz" por receber a tocha. Mandela, que foi hospitalizado em fevereiro para um exame abdominal completo, está atualmente frágil e tem feito poucas aparições públicas nos últimos anos. A última vez que ele apareceu na televisão foi em outubro, quando foi mostrado em sua casa em Johanesburgo preenchendo seu formulário do censo. O ganhador do Nobel da Paz por sua luta pelo fim do regime de segregação racial foi nesta semana para Qunu, no sudeste do país, onde ele nasceu e cresceu. Apesar de ter deixado o governo ao final de seu primeiro mandato como presidente em 1999, o primeiro presidente negro da história da África do Sul ainda ocupa posição central na política e no sentimento da população em um país que foi liderado pelos 10% da minoria branca até as eleições abertas de 1994.

'Não me considero braço direito de Cachoeira', diz investigado à CPI

Apontado pela Polícia Federal como contador do empresário Carlos Augusto Ramos, Lenine Araújo de Souza disse nesta quarta-feira à CPI do Cachoeira que não se considera "braço direito" do empresário e que não é sócio de Cachoeira em nenhuma empresa. Ele se dispôs a colaborar com a CPI após seu depoimento à Justiça de Goiás, marcado para esta quinta-feira. "Sou administrador de empresas formado. Tenho empresas, mas não sou sócio de nenhum das empresas investigadas. Não me considero braço direito de Cachoeira. Meus bens estão todos declarados no meu imposto de renda",.afirmou ele. Lenine contou aos parlamentares que foi preso no dia 29 de fevereiro e levado a uma prisão de segurança máxima, em Mossoró (RN), sem ter conhecimento do que era acusado. Nesse presídio, disse, ficou 15 dias isolado numa cela. "Foram 15 dias direto, sem banho de sol, livro, revista. A única forma de comunicação era por meio de requerimentos por escrito encaminhados ao psicólogo. "Me disseram que fui enviado para um presídio de segurança máxima por questões de segurança. Minha vida poderia correr riscos. Eu nunca fui preso, nunca respondi a processo", afirmou. Após os relatos ao psicólogo, Lenine disse que foi retirado do isolamento e colocado no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), quando já lhe era permitido o banho de sol, mas sem contato com outros presos: "Me senti humilhado e injustiçado". Atualmente, ele está em Brasília, no Complexo Penitenciário da Papuda: "Os contatos com meus advogados são limitados, pelo vidro ou pelo interfone".

Comissão aprova endurecimento do combate a lavagem de dinheiro

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou nesta quarta-feira projeto que endurece a legislação de combate aos crimes de lavagem de dinheiro. O projeto prevê que a ocultação de valores seja considerada crime mesmo quando não estiver veiculada a outros delitos, como previsto na legislação atual. Também estende as punições aos "laranjas". Com a mudança, o crime de lavagem de dinheiro pode ser configurado mesmo que a Justiça não consiga comprovar o crime antecedente que resultou na arrecadação do dinheiro "lavado" pelos acusados. A movimentação de recursos sem explicações, por si só, passa a ser considerada lavagem de dinheiro. "Isso igualaria nossa legislação à de países como os Estados Unidos, México, Suíça, França, Itália, entre outros, pois passaríamos de uma legislação de "segunda geração" para uma de "terceira geração", disse o senador Eduardo Braga (PMDB-AM), relator do projeto. Para quem cometer crimes de lavagem de dinheiro, o projeto prevê penas de reclusão de 3 a 10 anos, multa de R$ 200 milhões para condenados, além da alienação antecipada de bens dos acusados e dos "laranjas" por meio de decisão judicial. A punição dos "laranjas", usados por titulares do dinheiro para a ocultação dos recursos, não é prevista atualmente pela legislação brasileira.

Para ministro israelense, é preciso deter Irã antes que seja tarde

O ministro israelense da Defesa, Ehud Barak, afirmou nesta quarta-feira que é preciso deter o polêmico programa nuclear iraniano antes que seja tarde demais. "Não é possível dormir tranquilo quando os iranianos continuam avançando em seu programa. É preciso encontrar o momento propício antes que já não seja mais possível agir", declarou Barak em um discurso na Universidade de Tel Aviv. O ministro da Defesa reiterou novamente que "todas as opções estão sobre a mesa", referindo-se a um possível ataque israelense contra as instalações nucleares iranianas. Em relação aos Estados Unidos, Barak reafirmou que há "diferenças de enfoque". "Nossa escala de tempo é diferente" frente ao programa nuclear iraniano. "O governo americano sabe que no final Israel é o único responsável por sua segurança", acrescentou. Na terça-feira, o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu acusou o grupo "5+1" (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) de ter reduzido suas exigências, pedindo na semana passada durante uma reunião em Bagdá que o Irã não enriqueça o urânio em mais de 5% e que transfira para o Exterior suas reservas atuais de cerca de 100 quilos de urânio enriquecido a 20%.

Bolívia vai pedir saída ao mar em Assembleia Geral da OEA

O governo boliviano vai aproveitar a próxima Assembleia Geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), marcada para ocorrer na semana que vem, em Cochabamba, para pedir mais uma vez uma saída ao mar. La Paz pretende obter a ratificação de uma resolução da OEA aprovada há 33 anos e que declara "de interesse hemisférico permanente" a busca por uma "solução equitativa" à demanda marítima. O representante boliviano na OEA, Diego Pari, informou que o país vai aproveitar a condição de anfitrião do encontro para "fazer notar o descumprimento" da resolução por parte do Chile. O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse recentemente que a Assembleia Geral deve ter dois temas principais: o conflito da Argentina pela soberania das Ilhas Malvinas e a demanda boliviana pela saída ao mar. A Bolívia perdeu para o Chile a sua saída para o mar durante a Guerra do Pacífico (1879-1883), na qual territórios peruanos também passaram a ser controlados pelos chilenos. A reunião da OEA está marcada para os dias 3 a 5 de junho, em Cochabamba, na Bolívia.

Etanol só será competitivo em 2 ou 3 anos, diz diretor da ANP

O etanol hidratado, utilizado nos veículos flex, só voltará a ser competitivo frente à gasolina no Brasil em dois ou três anos, afirmou nesta quarta-feira o diretor da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) Alan Kardec. Ele disse que o cenário de oferta e consumo de etanol no país ainda é muito imprevisível, o que afeta a competitividade do biocombustível. "Temos hoje uma grande imprevisibilidade de oferta e consumo de etanol no País", disse Kardec. A afirmação foi feita num momento em que a produção de etanol no Brasil luta para se recuperar, com a oferta de cana podendo apresentar um crescimento relativamente pequeno na comparação com a fraca safra do centro-sul da temporada passada, segundo dados da indústria. Apesar de uma produção menor neste início da safra, o preço do etanol hidratado registrou queda pela terceira semana consecutiva no principal Estado produtor do Brasil (São Paulo), informou análise do Cepea nesta segunda-feira. A pesquisa destaca que a queda da cotação nas usinas tem relação com pequeno interesse de compra das distribuidoras, considerando a competitividade da gasolina. O preço da gasolina é controlado pela Petrobras. Usinas, por outro lado, também têm obtido melhores lucros com a produção de açúcar. No acumulado da safra até 15 de maio, a produção de etanol (anidro e hidratado) no centro-sul diminuiu 39,28%, alcançando 1,32 bilhão de litros.

Moçambique quer que Vale liste empreendimento na Bolsa local

Moçambique quer que a Vale liste 10% de seu empreendimento local na Bolsa de Valores Moçambicana para aumentar a participação no grande crescimento da mineração de carvão no país africano, disse nesta quarta-feira a ministra de recursos minerais, Esperança Bias. Segundo uma proposta de mudança nas leis, as companhias que investem em Moçambique podem ter que reservar de 5% a 20% das respectivas companhias locais para entrada na Bolsa. "Estamos agora preparando todos os processos e definindo as regras. Assim que acabarmos, a participação irá para o mercado", declarou a ministra Esperança Bias. "Não podemos dizer quando exatamente isso vai acontecer, mas será neste ano", acrescentou. A mineradora brasileira começou a produzir carvão da mina de Moatize no ano passado e aprovou uma expansão de US$ 6 bilhões para elevar a produção a 22 milhões de toneladas anuais, ante as 11 milhões previstas inicialmente.

Saída de dólares supera entrada e fluxo cambial fica negativo em maio

O fluxo de dólares (entrada e saída da moeda) ficou negativo em US$ 1,25 bilhão no país na quarta semana de maio, informou o Banco Central nesta quarta-feira. O período das movimentações divulgadas corresponde de 21 até 25 de maio. O resultado da quarta semana do mês se deve à saída de US$ 1,39 bilhão da conta comercial e à entrada de US$ 145 milhões na conta financeira. No mês, o resultado é negativo em US$ 2,76 bilhões, com a saída de US$ 5,05 bilhões da conta financeira e a entrada de US$ 2,28 bilhão nas operações comerciais. No ano, o saldo é positivo em US$ 22,55 bilhões, 48,6% abaixo do registrado no mesmo período de 2011 (US$ 43,9 bilhões). As operações comerciais são aquelas onde contratos são celebrados para exportação e importação. Já as operações financeiras incluem as atividades restantes, como IED (Investimento Estrangeiro Direto), aplicações financeiras, remessas de lucros e dividendos ao Exterior.

Governo cumpre 46% da meta anual do superavit primário em abril

O governo central (composto pelo Tesouro Nacional, Banco Central e INSS) registrou superavit primário de R$ 11,21 bilhões em abril, alta de 48,4% em relação a março (R$ 7,55 bilhões) segundo divulgação nesta quarta-feira do Tesouro Nacional. A meta do superavit do governo para este ano é de R$ 96,9 bilhões. Com o resultado de abril, 46,4% já foi cumprida. O resultado ficou 27,8% abaixo do registrado no mesmo mês do ano passado (R$ 15,5 bilhões). Superavit primário é o quanto de receita o governo consegue economizar, após o pagamento de suas despesas, sem considerar os gastos com os juros da dívida. As receitas subiram 13,4%, de R$ 70,8 bilhões em março para R$ 80,3 bilhões em abril. Já as despesas passaram de R$ 63,2 bilhões para R$ 69 bilhões, alta de 9,18%. O Tesouro contribuiu com saldo positivo de R$ 16,6 bilhões, enquanto a previdência social (RGPS) e o banco Central apresentaram deficit de R$ 5,31 bilhões e R$ 76,8 milhões, respectivamente. No acumulado de janeiro até abril deste ano, o superavit atingiu a soma de R$ 45 bilhões, 8,96% acima do registrado no mesmo período de 2011 (R$ 41,3 bilhões). Como o governo precisa reduzir a proporção da dívida pública em relação ao PIB (Produto Interno Bruto), essa economia de receitas tem sido usada para pagar os juros desses débitos de modo a impedir seu maior crescimento e sinalizar ao mercado que haverá recursos suficientes para honrá-los no futuro. Nos últimos anos, o governo brasileiro tem mantido uma política de superavit altos quando comparados aos resultados obtidos pela maioria dos outros países. Em 2011, o superavit brasileiro foi de 2,26% do PIB (Produto Interno Bruto), acima dos 2,09% de 2010. Em 2011, o superavit primário foi de R$ 93,51 bilhões, ultrapassando a meta para o ano, que era de R$ 91,8 bilhões. Em 2010, somou R$ 78,77 bilhões.

Tráfego da internet no Brasil ficará oito vezes maior até 2016, diz empresa

O tráfego de dados da internet brasileira será multiplicado por oito até 2016, muito acima da média global, aponta estudo. Os dados são da pesquisa "Visual Networking Índex", da fabricante de equipamentos de rede Cisco, divulgada nesta quarta. O tráfego mensal de dados no Brasil, que foi de 420 petabytes mensais em 2011, deve atingir 3.500 petabytes em 2016, diz o levantamento (incremento de 8,3 vezes). Um petabyte é o mesmo que 1.024 Tbytes, que, por sua vez, representam 1.024 Gbytes cada. Ainda conforme o estudo da Cisco, cerca de 617 milhões de dispositivos, entre computadores, smartphones e tablets estarão conectados à internet no ano de 2016. A velocidade média da banda larga brasileira quase triplicará em quatro anos, passando dos 4,9 Mbps atuais para 14 Mbps, diz a pesquisa.

CPI aprova convocação dos governadores de Goiás e do Distrito Federal

A CPI do Cachoeira aprovou nesta quarta-feira a convocação dos governadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Agnelo Queiroz (PT-DF), mas rejeitou ouvir o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB). A decisão de votar requerimentos convocando governadores levou mais de duas horas, tomadas pelo embate entre o PT e o PSDB na comissão de inquérito. Perillo, que segundo investigações da Polícia Federal teria loteado seu governo com indicações de Cachoeira e recebido dinheiro do empresário pela venda de uma casa, foi convocado por unanimidade. Mais cedo, a CPI adiou a votação do requerimento que pedia a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do governador tucano. A convocação de Agnelo foi aprovada por 16 votos a favor e 12 contra. O PT foi contrário a chamá-lo, alegando que não há no inquérito nada que ligue o governador ao esquema de Cachoeira. A Polícia Federal identificou, entretanto, o envolvimento do seu ex-chefe de gabinete, Cláudio Monteiro, com o empresário, assim como outros membros do governo do Distrito Federal. Monteiro pediu afastamento do cargo após ser citado em conversas telefônicas de pessoas do grupo de Cachoeira. Em uma das conversas, é discutido um suposto pagamento de propina pelo sargento aposentado da Aeronáutica Idalberto Matias, o Dadá, e Cláudio Abreu, então diretor da Delta. Monteiro também é citado com um dos que teriam celular antigrampo. Ele nega envolvimento com o grupo, mas admite que se encontrou com Dadá por duas vezes, na condição de funcionário da Delta, empresa que faz a coleta do lixo em Brasília. As datas dos depoimentos de Perillo e Agnelo ainda não foram marcadas.

Convidado por Marin, ex-funcionário de Teixeira é o novo diretor do COL

O jornalista Mário Rosa é o novo diretor de comunicação do COL (Comitê Organizador Local da Copa de 2014). Ele vai substituir Rodrigo Paiva, que entregou o cargo há aproximadamente duas semanas. Rosa já ocupou uma diretoria no COL. Ele foi diretor institucional da entidade, mas deixou o cargo após se desentender com Ricardo Teixeira, que era o comandante do Comitê. Rosa foi convidado por José Maria Marin, presidente do COL e da CBF. O jornalista trabalhou com Teixeira por quase dez anos. Ele começou a trabalhar com o antigo cartola no auge das duas CPIs, que investigaram as contas da entidade em 2001. A partir daí ele foi um dos principais consultores de Teixeira até se desentenderem há cerca de dois anos. Paiva continua como diretor de comunicação da CBF.

Preservação ambiental é essencial para crescimento econômico, diz Dilma

Dois dias após anunciar os artigos vetados no novo Código Florestal, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira que a preservação do meio ambiente é "condição essencial do crescimento econômico". Para a presidente, um crescimento econômico que não respeita o meio ambiente compromete o presente e o futuro do País. "Verificamos isso na nossa agricultura. Descobrimos que uma matriz energética renovável é sempre melhor do que uma matriz energética fóssil ou físsil. Descobrimos que a preservação das nossas riquezas naturais somente será possível se os direitos fundamentais de nossa população estiverem garantidos e vice-versa", afirmou a presidente em discurso na cerimônia de entrega do prêmio Objetivos do Desenvolvimento do Milênio, no Palácio do Planalto. Dilma Rousseff disse também que a produção sustentável é a melhor forma de gerar oportunidades para a inclusão da população. Durante o discurso, Dilma afirmou que o governo percebeu que "incluir, crescer, proteger e conservar resulta num desenvolvimento qualitativamente melhor e quantitativamente maior".

Greve no porto de Santos paralisa operações de 20 navios

Uma greve dos estivadores do porto de Santos, o maior do Brasil, paralisa as operações de embarque e desembarque em 20 dos 29 navios atracados. A greve, que começou na noite de terça-feira, ocorre por conta de uma discussão em torno de uma exigência do Ministério Público para que haja um maior intervalo entre os turnos trabalhados pelos estivadores. A movimentação de produtos líquidos, cujo transporte para o navio ocorre por dutos, não é afetada. No entanto, operações que exigem trabalhadores, como o transporte de contêineres, estão paralisadas em sua maioria. Cinco dos navios atracados são de granéis líquidos, em berços com operações ocorrendo normalmente. Estão sendo embarcados também um navio com açúcar a granel, um com celulose, um de soja e um com contêineres, segundo a assessoria, que não tinha informação sobre como a movimentação ocorre neste último caso. Operações com café e açúcar ensacado, que é transportado em contêiner, estão sendo afetadas. O volume de açúcar ensacado movimentado no porto é relativamente bem menor na comparação com o açúcar a granel, que responde pela grande maioria das operações do principal canal para escoamento da commodity do Brasil. O Brasil é o maior exportador global de café e açúcar. Cerca de 7.000 trabalhadores participam da greve, que não tem prazo para acabar.

Tribunal de Justiça afasta presidente do TRE de São Paulo

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu nesta quarta-feira afastar o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, Alceu Penteado Navarro. O Órgão também decidiu abrir processo disciplinar contra os cinco desembargadores do TJ que furaram a fila de pagamentos de atrasados do tribunal e receberam de R$ 400 mil a R$ 1,5 milhão entre 2006 e 2010. Os processos podem levar à aposentadoria compulsória ou ao afastamento remunerado. Além de Navarro, são alvos dois ex-presidentes do Tribunal de Justiça. Roberto Bellocchi e Viana Santos (já morto) e três ex-membros da Comissão de Orçamento da corte.

Pão de Açúcar terá vendas abaixo do previsto no seguno trimestre

O Grupo Pão de Açúcar deve encerrar o segundo trimestre com crescimento de vendas abaixo do esperado pela companhia. O otimismo visto no início do ano deu lugar a questionamentos sobre as razões que têm limitado o aumento do consumo no país, apesar do ambiente favorável a isso. "Estamos crescendo um pouco abaixo do que desenhamos no começo do ano", disse o vice-presidente executivo do Pão de Açúcar, Hugo Bethlemr. Após apurar crescimento de 10,4% nas vendas brutas de janeiro a março na comparação anual, a maior varejista do País caminha para um segundo trimestre que "começou mal", segundo o executivo. Junho, tradicionalmente um mês fraco, deve ganhar destaque apenas na região Nordeste, pela comemoração das festas de São João, ainda segundo Bethlem. O executivo aposta em um segundo semestre positivo para compensar o desempenho aquém do previsto da primeira metade do ano. A projeção da companhia é de que as vendas brutas em 2012 superem R$ 57,2 bilhões, 8,6% acima de 2011, sendo que o segmento alimentar deve contribuir com a maior fatia, de mais de R$ 31,5 bilhões. No primeiro trimestre, o faturamento do grupo foi de R$ 13,7 bilhões.

Oi venderá imóveis para reduzir dívida, diz presidente

A Oi terá uma estratégia agressiva para manter sua base de clientes. Após ter se livrado do peso de uma complexa reorganização societária, deve iniciar no segundo semestre processo de venda de ativos não essenciais para reduzir sua dívida. "A gente tem uma lista grande de itens que estão sendo discutidos, uma quantidade grande de imóveis que hoje são completamente desvinculados da operação, imóveis vazios por exemplo, e estamos no processo de trabalhar no modelo de monetizá-los", disse o presidente da Oi, Francisco Valim. Ele não quis fornecer uma expectativa de quanto pode ser arrecadado com os ativos, mas afirmou serem "valores relevantes". "A partir de agora iniciamos todos esses estudos, alguns deles em andamento, outros em precificação, por isso não podemos dar ideia precisa dos valores, mas todos eles são valores significativos e impactariam positivamente no nosso endividamento", afirmou o executivo nesta quarta-feira. A Oi encerrou o primeiro trimestre com uma dívida líquida pro forma de R$ 17,5 bilhões. No front operacional, o grupo de telecomunicações pretende ampliar sua cobertura de 3G de 65% para 80% da população brasileira neste ano, buscando elevar a receita com serviços de telefonia móvel. Na telefonia fixa, Valim afirmou que a Oi tem visto uma contenção na fuga de clientes em várias regiões, sem especificar localidades.

Governador de Goiás nega surpresa com convocação pela CPI

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), disse que não se surpreendeu com a convocação feita nesta quarta-feira pela CPI do Cachoeira para que ele deponha sobre o caso. "Eu já tinha me colocado ontem à disposição", afirmou minutos depois de receber a informação de que fora chamado a depor. Segundo Perillo, a visita à CPI será importante para explicar suas ligações com o empresário de jogos Carlinhos Cachoeira, preso pela Operação Monte Carlo no dia 29 de fevereiro. "Será uma boa oportunidade para expor a verdade dos fatos", afirmou. Ele disse que vai repetir a versão sobre a venda da casa de R$ 1,4 milhão em julho de 2011, onde Cachoeira foi preso. De acordo com o governador, a casa foi vendida ao empresário Walter Paulo sob intermediação do ex-vereador Wladimir Garcez, também preso na Monte Carlo. Na semana passada, Garcez afirmou à CPI que comprou a casa do governador, mas que, como não conseguiu pagá-la, revendeu o imóvel para Walter Paulo, dirigente da Faculdade Padrão. Integrantes do governo de Perillo aparecem nas gravações da Operação Monte Carlo, entre eles sua chefe de gabinete, Eliane Pinheiro, exonerada do cargo após a divulgação do caso.

Relator diz que não vê necessidade de 10% do PIB para a educação

O relator do PNE (Plano Nacional de Educação), deputado federal Angelo Vanhoni (PT-PR), afirmou nesta quarta-feira que não vê necessidade de uma reserva de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) para investimentos em educação. Ele reconheceu, no entanto, que uma nova rodada de conversas será feita com o governo na tentativa de se chegar a um consenso sobre o índice. A definição do percentual é o principal ponto de impasse para a votação da matéria em comissão especial da Câmara dos Deputados, criada no ano passado para debater o assunto. "Eu acho que os 7,5% são suficientes para enfrentar os problemas estruturantes da educação brasileira. A bandeira dos 10% é muito mais política", disse o petista. Encaminhado ao congresso no final de 2010, o plano original previa a elevação do investimento público de forma a atingir, até 2020, o percentual de 7% do PIB. O relator da matéria elevou o índice para 7,5%, mas entidades do setor pressionam por uma reserva de 10% para a educação. Diante do impasse, Vanhoni reconheceu que uma nova discussão deverá ser feita com autoridades do governo para debater o assunto. O tema, disse, já foi levado ao Ministério da Educação e à Secretaria de Relações Institucionais. "Estamos esperando até semana que vem para que nos dêem um retorno. Para consolidar uma saída para o impasse, estamos solicitando mais uma rodada de negociações", disse. O PNE deve ser votado apenas no próximo mês. O texto pode seguir diretamente para o Senado Federal --a matéria pode ir ao plenário da Câmara caso isso seja solicitado pelos deputados. O plano estabelece 20 metas, além de estratégias, para a educação na próxima década.

Para ministro da Justiça, não há crise entre Executivo e Judiciário

O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) disse nesta quarta-feira que o episódio envolvendo o ex-presidente Lula e o ministro do Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, não provocou nenhuma crise entre Executivo e Legislativo. Um dos principais interlocutores do governo Dilma com o STF, o ministro disse que as relações continuam normais. "As relações entre Executivo e Judiciário estão, continuam sendo harmoniosas. Não vejo crise nenhuma", afirmou. Questionado sobre como avaliava o encontro entre Mendes e Lula, no qual o ex-presidente teria pedido ao ministro o adiamento do julgamento do mensalão, ele não quis comentar. "Eu tenho as minhas impressões, mas ministro nunca expressa impressões porque no dia que expressar, vira opinião de governo", afirmou.

USP apresenta novo navio de pesquisa

Após quatro anos, a pesquisa oceanográfica de São Paulo volta a ter um navio para chamar de seu. Batizado de Alpha Crucis - a estrela da constelação do Cruzeiro do Sul que representa o Estado na bandeira do Brasil - ele foi apresentado com festa nesta quarta-feira no porto de Santos. O navio foi comprado em uma ação conjunta da USP e da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) em 2010 e levou 15 meses até ser reformado e equipado com tecnologia de ponta para estudos que vão desde biodiversidade até climatologia. Todo o processo custou US$ 11 milhões. Com 65 metros de comprimento, 11 metros de de largura e média de 50 dias de autonomia em alto-mar, a embarcação é a retomada em grande estilo das pesquisas paulistas nos oceanos, interrompidas com a aposentadoria do navio Professor W. Besnard em 2008. Mesmo antes de encerrar suas operações, o Besnard já oferecia limitações. Por questões de segurança, não podia ir além de 370 quilômetros da costa. O que, na prática, representa apenas a "beiradinha" do mar e, por conseguinte, limitava muito as pesquisas. Os pesquisadores responsáveis, porém, prometem que os dias de limitações científicas ficaram para trás. "É uma nova era para as pesquisas. Os equipamentos estão novinhos, tudo perfeito", disse Luiz Vianna Nonato, do Instituto de Oceanografia da USP, que chefiou a missão científica de 45 dias que trouxe o navio de Seattle. O navio tem sistema de estabilização que permite que ele fique parado ou siga uma linha reta sem interrupções, além de hélices na proa e na popa. Isso é particularmente útil em estudos que requerem obedecer uma rota extremamente precisa. Além disso, o navio tem ainda scanners e outros equipamentos que possibilitam uma varredura do fundo do mar, ajudando trabalhos sobre relevo, biodiversidade, petróleo e outros temas. O Alpha Crucis já soma 39 anos em operação. Antes de chegar ao Brasil, ele pertenceu à Noaa (agência nacional de oceanos dos EUA) e à Universidade do Havaí. "Mas o navio está em excelentes condições. Além de ter sido extremamente bem cuidado, ele sofreu uma grande reforma antes de chegar até nós", avaliou Nonato. A manutenção, aliás, deverá ser prioridade na gestão do navio. "Comprar um navio é até fácil, comparado ao trabalho que é mantê-lo", completou o cientista. Antes de bater o martelo, porém, a equipe visitou 18 outros navios. "Precisava ser um equipamento funcional e em condições de ser reformado para fazer pesquisa de ponta, mas ainda com um preço acessível", explica Michel Mahiques, diretor do IO-USP. O Alpha Crucis deve zarpar para sua primeira missão - um projeto da USP sobre fluxos de carbono na margem brasileira - no segundo semestre. Outras duas saídas estão programadas para 2012. O navio também estará aberto a receber cientistas de outras instituições que deverão submeter suas propostas a uma comissão científica. "A operação do navio é cara, cerca de US$ 15 mil por dia no mar. Então, a seleção, é claro, será bastante criteriosa. Mas nós estamos abertos", explica Mahiques. Com quatro laboratórios, sala de estar, miniacademia e até churrasqueira, o navio poderá receber (dependendo da configuração) cerca de 40 pessoas, 18 delas da tripulação.

Promotoria investiga contratos da Câmara de Campinas

A Ministério Público quer explicações da Câmara de Campinas sobre contratos firmados com supostas empresas fantasmas. As fraudes teriam causado o desvio de pelo menos R$ 8,3 milhões nos últimos três anos. O promotor Marcos Grella, da Promotoria do Patrimônio Público e São Paulo, encaminhou na terça-feira ao presidente do Legislativo, Tiago Ferrari (PTB), questionamentos e pedidos de cópias de todos os contratos sob suspeita. A Câmara tem 30 dias para responder. Um relatório do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), setor do Ministério Público que investiga o crime organizado, aponta indícios de irregularidades nas contratações de fornecedores e prestadores de serviços feitas pelo Legislativo. O caso veio à tona no final de março, quando dois altos funcionários da Câmara foram afastados dos cargos. Desde então, o chefe de compras, Carlos Eduardo Guida Gaspar, e o chefe de contabilidade, Adilson Dutra Barbosa, respondem a uma sindicância que é realizada sob sigilo. Os funcionários de carreira assinaram todos os contratos sob investigação. Materiais de limpeza, pagamentos para pequenas obras de engenharia e aquisição de material de escritório, entre outros serviços, foram negociados com pelo menos cinco empresas que têm donos com os mesmos sobrenomes. Entre essas empresas, a Renata AP Girardi Floriano Manutenção Predial e a VA Mancini Comércio de Papelaria ME têm como proprietários empresários que são sócios de Dutra e Gaspar em um empreendimento imobiliário. Outro fato que chamou a atenção do Gaeco é que as empresas fornecedoras têm como sedes endereços residenciais, o que levantou a suspeita de serem negócios de fachada. "O relatório do nosso setor inteligência está pronto e será encaminhado à Promotoria do Patrimônio Público para colaborar com as investigações", disse o promotor Ricardo Schade. Segundo ele, por enquanto não há indícios de formação de quadrilha, o que impede o Gaeco de atuar no caso. "Mesmo assim, vou pedir abertura de inquérito policial para apurar se houve descumprimento da Lei de Licitações".

Ministério Público investiga empreendimentos de cobre da Vale no PA

Após ajuizar ação que pede a suspensão da operação de níquel Onça Puma, da Vale, o Ministério Público Federal tem mais dois novos alvos de investigação das atividades da mineradora no Pará. O MPF vai agora se concentrar em denúncias que envolvem os empreendimentos de cobre Salobo e Sossego, afirmou nesta quarta-feira o procurador André Casagrande Raupp. "Existem procedimentos que investigam eventuais prejuízos em sociedades indígenas, entre eles, foram citados Salobo e Sossego", disse o procurador responsável pela ação judicial pedindo a suspensão das atividades Onça Puma. O procurador disse ainda que o MPF aguarda informações da Funai (Fundação Nacional do Índio) para apurar detalhes das denúncias envolvendo Salobo e Sossego. No caso de Salobo, um projeto de US$ 2,3 bilhões com início previsto para este ano, a denúncia que chegou ao MPF cita que a Vale teria retirado vegetação para a construção de uma linha de transmissão sem repor a mata em outra área, o que teria afetado indígenas na região. De acordo com o plano de investimentos da Vale divulgado no final do ano passado, a licença de operação de Salobo era esperada para primeiro semestre de 2012. Normalmente, é solicitado pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) que a supressão de mata para determinado fim seja compensada com o reflorestamento em outra região, segundo especialistas. No caso da operação de níquel de Onça Puma, por exemplo, do recebimento de denúncias sobre supostas irregularidades até a ação na Justiça pedindo a suspensão do empreendimento da Vale, o MPF levou um ano e meio apurando a situação. Segundo a ação judicial relacionada à operação de níquel, a Vale teria falhado em atender a obrigações para mitigar impactos da mina sobre os índios das etnias Xikrin do Cateté e Kayapó. Os índios Xikrin também se dizem vítimas de Sossego, mina de cobre já em operação que produziu 25 mil toneladas no primeiro de trimestre. Eles alegam que houve diminuição da terra indígena e que o empreendimento estaria ocupando área deles. A ação judicial sobre Onça Puma, que tramita na Vara Única Federal de Redenção, pede ainda que a mineradora pague "todos os danos materiais e morais causados aos índios" nos últimos dois anos em que o empreendimento estaria em operação sem cumprir as medidas compensatórias, informou o MPF na última segunda-feira.

Gilmar Mendes desmancha o esquema de Lula para melar o Mensalão do PT

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, afirmou na terça-feira, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que "querem melar o julgamento do processo do mensalão", e apontou para um ex-diretor geral da Polícia Federal, delegado Paulo Lacerda. "Dizem que (Lacerda) está assessorando o PT. Eu tive uma informação, em 2011, que o Paulo Lacerda queria me pegar". Mendes suspeita que Lacerda estaria divulgando "informações distorcidas, informações falsas" sobre sua atuação. O ministro também falou sobre o encontro com o ex-presidente Lula no escritório do ex-ministro Nelson Jobim, da Defesa, onde o ex-presidente teria sugerido adiamento do julgamento do processo do mensalão. Lula teria tentado intimidar o ministro do STF ao insinuar que ele viajou para a Alemanha com despesas bancadas pelo contraventor Carlos Cachoeira. O ex-presidente e o ex-ministro da Defesa negam que o mensalão tenha sido debatido naquele encontro, em 26 de abril. Estado: Na conversa no escritório de Jobim, o ex-presidente Lula foi taxativo ou falou veladamente? Ministro Gilmar Mendes: Em relação à CPMI ele foi taxativo e também quando falou da viagem a Berlim. Três ou quatro vezes ele disse: 'Eu tenho o controle da CPMI'. Eu fui me fazendo de desentendido. Percebi o intuito dele quando ele disse: 'Você tem que se preocupar com a CPMI'. Eu disse a ele que não tenho nada com o Demóstenes. 'Vá fundo na CPMI', eu disse a ele. Eu disse que não tenho que ter proteção. Ai ele levou um susto, tanto que fez um movimento corporal mais brusco. Mas em seguida veio com a pergunta. 'E Berlim? E essa história?' Como o sr. respondeu? Eu disse a ele: 'Presidente, o senhor está desinformado. Eu vou a Berlim frequentemente. Desde 1979 que vivo indo à Alemanha. Estudei lá, fiz doutorado, fiz mestrado. Vou a Berlim como você vai a São Bernardo do Campo. Contei ao presidente que na viagem a Praga fui recebido pelo embaixador, ex-chefe do cerimonial dele. E em Berlim fui recebido pelo embaixador Everton Vargas, designado por ele (Lula). O almoço (com o embaixador) estava na agenda, ninguém foi fazer turismo oculto. E sobre o mensalão? Repassamos vários assuntos, falamos de nomeação de ministros, da PEC da bengala e a falta de interlocução hoje com o STF. Aí ele falou do mensalão. Eu defendi um julgamento eminentemente técnico, fiz uma defesa nesse sentido. Ele falou: 'Não é bom agora porque vai pegar o clima eleitoral.' Quem puxou o assunto sobre o mensalão? Ele (Lula). Como o sr. reagiu? A conversa prosseguiu normalmente, depois é que percebi o intuito dele (Lula). Eu disse a ele que não seria possível o adiamento (do julgamento), por causa da repercussão e a possibilidade de que dois ministros que receberam a denúncia (contra os réus do mensalão) não mais poderiam participar (por causa da aposentadoria de ambos). Eu disse que (os ministros) são experientes e seria positivo que participassem (do julgamento). Estão fazendo uma grande confusão a partir de premissas evidentemente falsas. Eles construíram a ideia de que podiam melar o julgamento do mensalão trazendo uma crise para o Poder Judiciário. Achavam que podiam evitar o julgamento e passaram então a alimentar essa história com informações distorcidas. Quais informações? Eles subsidiaram isso com uma série de informações falsas. Hoje você tem um roteiro da viagem que fiz a Berlim dizendo que teria sido paga pelo Cachoeira, uma viagem para um encontro com o Demóstenes. Posso assegurar, e disso tenho provas documentais, que parte da viagem foi paga diretamente pelo Supremo e o restante por mim. Exibo a quem quiser os comprovantes das despesas que tive. Minha filha faz doutorado na Alemanha, vou lá toda hora. Vou à Europa quatro vezes por ano, participo da Comissão de Veneza (Comissão Europeia para a Democracia), faço os trajetos mais diversos e tenho convites. Em abril (de 2011) eu tinha a viagem a Granada e aí decidi ir a Praga, que eu não conhecia e, depois, segui para Berlim. Quanto tempo durou a conversa? Uma hora meia, duas horas. O ex-presidente citou o nome do ex-ministro José Dirceu? Falou sim, que às vezes batia desespero no Zé Dirceu. Jobim nega que no encontro tenha sido abordado o mensalão. Não vou ficar discutindo com ele. Evidente que a conversa houve, e com detalhes. Lula também nega o teor da conversa e diz que se sente indignado. Não vou emitir juízo sobre a nota dele, mas não recuo um passo. Minha visão, hoje, olhando todo esse conjunto é que o estão sobrecarregando pela responsabilidade política e tudo o mais. Acho que é isso. Esquecem que ele é um homem convalescente. Não sou que estou sob pressão, acho que quem está sob pressão é o presidente Lula. O sr. está assustado? Essas coisas não me intimidam, evidente que não me intimidam. Você lembra da história do Gilmar de Mello Mendes? A situação é muito similar. Sabe-se que uma notícia é falsa, não obstante divulga-se essa notícia para criar esse estado de pânico. A minha surpresa foi quando ouvi isso da boca do presidente Lula. E, depois, ao saber, de jornalistas que o próprio presidente Lula estava se incumbindo de divulgar essa fantasia de que Cachoeira pagou minhas despesas. Ele está muito mal assessorado, mal informado. Está dando vazão a informações falsas. Quem está abastecendo o ex-presidente Lula? Eu imagino que esse grupo de pretensos investigadores de CPI e coisa do tipo. Fala-se até que o Paulo Lacerda o está assessorando. O sr. suspeita que Paulo Lacerda está por trás desses vazamentos que citam o sr.? O que se noticia é que hoje ele está prestando assessoria ao PT. Eu já tinha recebido notícia de que Paulo Lacerda tinha como missão me destruir. Ele fez muito mal a esse País, instalando um Estado policial e é bom que fique distante. Realmente ele não respeitou as regras mínimas do Estado de Direito. Na conversa com o ex-presidente foi citado o nome de Lacerda? Sim. O Jobim perguntou ao Lula, 'e aí, e o Lacerda?' O Lula respondeu: 'Está chegando, está voltando'. Agora a ficha caiu para mim. Recebi notícias confirmando que (Lacerda) está prestando serviços ao PT na CPMI. Eu não sei, mas isso não tem a menor relevância. Que (Lacerda) tenha boa sorte, mas que não venha com bisbilhotagem e nem reinstalar concepções do Estado policialesco. O sr. teme Paulo Lacerda? Imagina, imagina, imagina. Veja que os embates vêm de 2007 quando o Tarso (Genro) era ministro (da Justiça) e ele (Lacerda) chefe da PF. Foi aí que houve aquela divulgação sobre o Gilmar de Mello Mendes (homônimo do ministro, citado em uma operação da PF) e todas as encenações em torno dessas ações continuaram. E nós reagindo às várias operações. No CNJ estabelecemos limites, os juízes passaram a fundamentar e a comunicar o CNJ as decisões de escutas telefônicas. Aprovamos a súmula das algemas. Meu papel foi institucional, em prol do Estado de Direito do País. A polícia, naquele período, tinha virado poder nas mãos de Lacerda não tenho nenhum arrependimento de ter enfrentado aquela situação. Desde que essa coisa começou temos sido, minha família e eu, alvos dessas constantes plantações. O que mais se falou de Lacerda no escritório de Jobim? Ao longo do tempo a conversa me causou muito incômodo. É sintomático, só hoje me faz sentido. O Jobim perguntou (a Lula) sobre Paulo Lacerda. 'Ele está voltando de Portugal', respondeu o presidente. 'Está por aí'. Eu digo que naquele momento não atribuí maior importância, mas a ficha caiu aos poucos. Dizem que (Lacerda) Está assessorando o PT. Eu tive uma informação, em 2011, que o Paulo Lacerda queria me pegar. Por que o sr. não representou à Procuradoria Geral? Não se tratava de representar. Na própria conversa (com Lula) eu demorei a perceber qual era o intuito. Percebi que havia algo errado, tanto que saí de lá (do escritório de Jobim), estava atrasado para um encontro com o senador Agripino, e logo disse a ele: 'Senador, passei por uma situação absolutamente atípica há pouco, diante de um homem ainda visivelmente doente. No dia seguinte comentei com o Sigmaringa Seixas o absurdo de uma situação daquela. Alguns jornalistas vieram me dizer que o próprio ex-presidente era a fonte de informação. Eu comecei a contar sobre aquela conversa (com Lula) para os jornalistas que diziam sobre comentários na CPMI. Veja o grau de desinformação. Depois que duas jornalistas falaram que a fonte era o próprio presidente, que ele estava difundindo essa versão, eu entendi todo o contexto da conversa. O encontro com Lula no escritório de Jobim foi casual? Eu tive vários contatos (com Lula), inclusive falei com ele em São Bernardo, quando voltou para casa. Chegamos até a pré agendar um encontro pessoal em São Paulo, mas aí ele foi hospitalizado novamente. O Jobim propôs me ligou um dia e disse: 'O Lula está aqui, não quer falar com ele?'. Para mim era uma oportunidade de revê-lo, de abraça-lo e, claro, colocar a conversa em dia. Óbvio que ele (Lula) continua um ator político importante. O sr. demorou para revelar essa conversa com Lula. Por que? Falei para as pessoas. Eu não tinha intuito de divulgar isso publicamente. A revista (Veja) veio me procurar e eu confirmei. Eu tratei de fazer interlocutores, inclusive do governo, saberem que havia algo de indevido. Olha, desde março isso vem sendo alimentado. Estamos vivendo de novo uma situação de descontrole. Por isso foi bom o vazamento de todo o inquérito porque evitou que esses estelionatários ficassem aí de posse de informações privilegiadas. Mas é claro que há uma bagunça no sistema, um quadro ridículo. A Procuradoria, a polícia e a Justiça têm que ordenar. Não é razoável que o cidadão que nada tem com a investigação fique se defendendo a partir de futricas divulgadas por esses estelionatários. Que futrica? Por exemplo, minha mulher celebrou aniversário. Enviamos convites públicos, (a revista) Caras estava lá, todos os convidados registrados fotograficamente. Saiu na imprensa. Aí aparecem pessoas, supostamente do grupo do Cachoeira, dizendo que Demóstenes iria faltar a um encontro porque teria que ir ao jantar do aniversário de minha mulher. O que isso mostra? Mostra o quadro surreal que estamos vivendo. Que outra futrica o sr. pode citar? Veja outra linha de idiotice. Eu seria responsável pelo retardo do Gurgel (Roberto Gurgel, procurador geral da República) em tomar medidas (com relação à Operação Monte Carlo, da PF). Isso está listado entre as bobagens. Outra linha que está no roteiro dessa investigação é o meu suposto envolvimento com o Jairo Martins, depois surpreendido nessa operação trabalhando com Cachoeira. Sei que (Jairo) é um desses antigos funcionários da Abin que tem uma firma de arapongagem. Eu não o conheço. Ele e ninguém da equipe dele trabalhou para o Supremo, pelo menos no nosso período. O caso da Celg (concessionária de energia elétrica de Goiás), uma decisão técnica tomada no processo vira tema de intrigas porque aparece numa conversa entre Demóstenes e Cachoeira. Alguém minimamente alfabetizado em Direito não faria um escarcéu em torno disso. Como foi o encontro com Demóstenes na Europa? O Demóstenes estava em Praga e nós nos encontramos lá. Fomos até Berlim. Não fizemos um passeio turístico oculto. Fomos recebidos pelos embaixadores em Praga e em Berlim. Uma viagem semioficial com toda a transparência e aí começam a fazer intrigas em torno disso, sobre o nosso relacionamento. Saímos lá publicamente, reitero, fomos recebidos pelo embaixador Everton Vargas em Berlim. O embaixador em Praga é o ex-chefe do cerimonial do presidente Lula. Aí a gente fica com esses investigadores, esses arapongas. Eles não precisavam disso, não precisavam fazer intrigas. Bastava telegrafar para a Embaixada via Itamaraty, que saberiam do trajeto que fiz. A viagem à Berlim foi mesmo paga pelo sr.? Eu viajo a toda hora, pago minhas despesas. Eu tenho o hábito de pagar as minhas despesas. Eu não vivo de subsídios sindicais. Eu tenho um livro que vendeu quase 100 mil exemplares. Só de direitos autorais eu poderia dar a volta ao mundo se quisesse. Não precisaria fazer uma viagem a Berlim paga por terceiros ou por sindicato. O sr. está decepcionado com Demóstenes? Nós tínhamos contatos. Eu fui o presidente do Supremo, ele (Demóstenes) era muito produtivo, foi o relator de quase todos os nossos projetos, era o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, um importante articulador para as questões do Judiciário.

Haddad convoca a esgotosfera

Diante do impasse nas negociações com outros partidos, o pré-candidato do PT, Fernando Haddad, investe no front virtual para tentar crescer na disputa pela prefeitura de São Paulo. Ele procurou blogueiros que apóiam o governo Dilma Rousseff para pedir ajuda a sua campanha na internet. O grupo participou de jantar na noite de terça-feira no apartamento do jornalista Paulo Henrique Amorim, que é apresentador da TV Record e mantém o blog Conversa Afiada. "A intenção é ouvir opiniões sobre a campanha e pedir o apoio deles como militantes", disse o deputado estadual Simão Pedro (PT), da campanha petista. Na lista de convidados, estavam também Luis Nassif, Rodrigo Vianna, Luiz Carlos Azenha, Renato Rovai, Altamiro Borges, Conceição Oliveira, Paulo Salvador e Sérgio Lírio. Rovai disse que o grupo pretendia discutir temas da cidade e não deve declarar apoio formal a Haddad.Os participantes do jantar, que se apresentam como "blogueiros progressistas", foram recebidos pelo ex-presidente Lula no Planalto no fim de 2010. No ano passado, o PT montou um núcleo de militantes virtuais para atuar na internet. O grupo será acionado para fazer propaganda de Haddad e atacar rivais nas redes sociais.

CPI em Gramado mete a mão na documentação das contas investigadas do Natal Luz

Finalmente a juíza da 2ª Vara do Foro de Gramado (cidade turística na serra do Rio Grande do Sul), Aline Ecker Rissato, concedeu autorização para que a CPI do Natal Luz extraia as cópias de todas as notas contidas em nove caixas da prestação de contas da 26ª edição, informa o jornalista Políbio Braga: "O caso ainda é uma enorme caixa preta. O administrador Ruben Oliveira, nomeado pela juíza, negou-se a prestar contas na Câmara de Vereadores de Gramado. Os advogados dos réus não conseguiram até agora a documentação completa.. A CPI contratará um perito para examinar a documentação, coisa que a juíza não fez, embora tenha homologado as contas em menos de 48 horas".

RBS troca Nelson Sirotsky por Eduardo Sirotsky Melzer na presidência executiva do grupo

O grupo de comunicação RBS, que atua no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, basicamente, onde possui dezenas de emissoras de rádio (AM e FM), televisões, jornais e portal de Internet, confirmou nesta quarta-feira que terá novo presidente executivo a partir do dia próximo dia 3. Assumirá a presidência executiva do grupo um herdeiro da família Sirotsky, Eduardo Sirotsky Melzer. Ele é neto do lendário fundador do grupo, Mauricio Sirotsky Sobrinho. Trata-se de filho de Suzana Sirotsky, irmã mais velha de Nelson Sirotsky, casada com Carlos Melzer. Nelson Sirotsky ficará presidindo o Conselho Administrativo do grupo e também o Conselho Editorial.

Ajuris rompe manto de silêncio gaúcho e critica chantagem de Lula sobre o STF

Finalmente uma entidade da sociedade civil organizada do Rio Grande do Sul saiu de cima do muro e resolveu criticar a chantagem de Lula sobre o STF, postou o jornalista Políbio Braga. Essa entidade foi a Ajuris (Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul). A Ajuris não fulaniza as críticas, mas obliquamente põe o barrete em quem tem que por. É oceânico e assustador o silêncio da mídia, das entidades e das lideranças políticas, intelectuais e empresariais gaúchas sobre o escabroso incidente, completa Políbio Braga. Não é de se estranhar, porque as entidades corporativas, quase a totalidade delas, são dominadas pelo petismo. Assim, a manifestação isolada da Ajuris tem mesmo uma grande singularidade. Essa entidade é a mesma que expulsou de seus quadros o juiz aposentado Luiz Francisco Correa Barbosa, por ter enfrentado a alta direção do Poder Judiciário gaúcho, a qual pretendia que ele transferisse de volta para a Caixa Econômica Estadual os depósitos judiciais que estavam em conta no Banco do Brasil. No meio desses depósitos, os valores apreendidos da quadrilha do traficante Juca Galiano, na época o maior traficante brasileiro. Na época, vigorava um convênio firmado entre a Caixa Econômica Estadual e a Ajuris. Por esse convênio, comprometiam-se os juízes gaúchos a depositar as custas e valores judiciais em conta na Caixa Econômica Estadual. Conforme o bolo depositado, a Caixa Econômica Estadual concedia empréstimos altamente privilegiados para magistrados, sem correção monetária, a juros de meio por cento ao mês, e com prazo de dez anos para pagamento. Era muito mais do que um empréstimo de pai para filho, era um empréstimo de tataravô, bisavô, avô e pai para o filho, quando a inflação do período chegou a alcançar quase 80% ao mês. O juiz tirava o dinheiro em um caixa, depositava no caixa do lado, e a rodada do overnight já pagava o empréstimo. Isso aconteceu quando o governador do Estado era Jair Soares, entre 1983 e 1987. Mas, as benesses na Caixa Econômica Estadual para a magistratura gaúcha já vinham de mais tempo. Até hoje a Ajuris silencia sobre esse passado. Mas, um livro da própria Ajuris, desses utilizados para fazer atas de assembléias de condomínios, registra todos os pedidos de empréstimos altamente beneficiados concedidos a magistrados na época. As páginas do livro estão bem vivas. As inscrições no livro apresentam a letra de próprio punho dos magistrados fazendo os pedidos de empréstimos. Apenas dos juízes na época recusaram-se a cumprir com o pactuado pela Ajuris com a Caixa Econômica Estadual, de colocar os depósitos judiciais em conta na Caixa Econômica Estadual: além de Luiz Francisco Correa Barbosa, também o juiz João Andrade Carvalho, conhecido como Carvalhinho, na época juiz da vara de Acidentes de Trabaloho, e que tinha enormes depósitos judiciais. Luiz Francisco Correa Barbosa, o Barbosinha, depois de recusar uma promoção e mudança de cidade, foi afastado do trabalho pela direção do Tribunal de Justiça. E Carvalhinho teve cinco recusas consecutivas para promoção por antiguidade ao cargo de desembargador. Era a época das decisões imotivadas do Poder Judiciário, uma página que desonra profundamente a história da Justiça no Brasil e no Rio Grande do Sul. A questão dos empréstimos para juízes e desembargadores na Caixa Econômica Estadual era tão singular que a divulgação de um empréstimo tomado pelo ex-desembargador João Paulo Bisol, divulgada pela revista IstoÉ, detonou a candidatura dele à vice-presidência da República na chapa de Lula. História serve para isso.

Todos os sigilos de Demóstenes são quebrados

A CPI do Cachoeira quebrou todos os sigilos do senador Demóstenes Torres: bancário, fiscal, telefônico, de e-mail, SMS e Skype. A comissão também requisitou ao COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) os dados sobre as movimentações bancárias do senador. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro solicitou que seu cliente seja dispensado de depor nesta quinta-feira. Caso o pedido seja rejeitado, o que é mais provável, já avisou que o senador vai recorrer ao direito de permanecer calado. Castro afirma que Demóstenes já esclareceu o que tinha de ser esclarecido ao Conselho de Ética do Senado. Nos bastidores do Congresso, comenta-se que Demóstenes se saiu melhor no depoimento de terça-feira do que era o esperado. Não se tem dúvida de que Humberto Costa (PT-PE), relator do processo no conselho, vai recomendar a cassação, o que deveria ser aprovado pela maioria do grupo, em votação aberta. O julgamento no plenário, no entanto, se dá com voto secreto.

“A violação dos direitos de um indivíduo significa a abolição de todos os direitos”

Do jornalista Reinaldo Azevedo - Publiquei nesta manhã um post sobre a intenção do governo de ampliar as áreas em que seriam aplicadas as cotas raciais. Até mesmo os cursos de… doutorado (!!!) teriam de se submeter a esse critério, o que é uma barbaridade. É evidente que, se o “cotismo” vai valer para negros com base na suposição de que são discriminados, não há por que não estendê-lo a outros grupos que se digam também vulneráveis. Aos poucos, vamos deixando de lado duas questões essenciais: a) o mérito ( e só ele deve contar quando se trata de desempenho intelectual) e b) uma política pública de educação, de caráter universal, que busque atender a todos igualmente. Um país que se ocupe de articular reparações pontuais acaba fatalmente se descuidando do conjunto. Muito bem! Lembrei-me de um trecho do texto What Is Capitalism, da brilhante Ayn Rand, uma liberal convicta, que está no livro Capitalism - The Unknown Ideal: "Quando, numa sociedade, o “bem comum” é considerado algo à parte e acima do bem individual, de cada um de seus membros, isso significa que o bem de alguns homens tem precedência sobre o bem de outros, que são relegados, então, à condição de animais prontos para o sacrifício. Presume-se, nesse caso, implicitamente, que o “bem comum” significa o “bem da maioria” tomado como algo contrário à minoria ou ao indivíduo. Observe-se ser esta uma suposição implícita, já que até mesmo as mentalidades mais coletivistas parecem perceber a impossibilidade de justificá-la moralmente. Mas o “bem da maioria” é nada mais do que uma farsa e uma fraude: porque, de fato, a violação dos direitos de um indivíduo significa a abolição de todos os direitos. Isso submete a maioria desamparada ao poder de qualquer gangue que se autoproclame a “voz da sociedade”, que passa a subjugá-la por meio da força física, até ser deposta por outra gangue que empregue os mesmos métodos". Ayn Rand era o pseudônimo de Alissa Zinovievna Rosenbaum (1985-1982), russa de origem judaica, cuja família emigrou para os EUA. Enveredou pelo caminho da filosofia, da literatura e da política. Foi uma das mais reluzentes e radicais expressões do pensamento liberal no século passado. Não concordo com tudo o que dizia, não. As suas considerações sobre Deus, por exemplo, me pareciam amplamente insuficientes. Era uma ateia — agnóstica, no seu caso, seria mais preciso — convicta. Mas eu não preciso endossar 100% do que pensam as pessoas para encontrar aspectos admiráveis na sua produção. Há muitos vídeos seus no YouTube. Destaco um, com legenda, que tem tudo a ver com o Brasil destes dias. Volto para o encerramento. “A violação dos direitos de um indivíduo significa a abolição de todos os direitos”. Esse deveria ser um princípio indeclinável do estado democrático e de direito e uma divisa a orientar todos os votos no Supremo Tribunal Federal.

Dono da Delta vai colaborar com CPI se for convocado, afirma advogado

O empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, não pretende pedir habeas corpus ao Supremo Tribunal Federal, nem ficará calado caso haja uma convocação para ele depor na CPI do caso Cachoeira, afirmou o criminalista Técio Lins e Silva, seu novo advogado. O profissional substitui José Luis Oliveira Lima, que continuará como advogado da J&F, holding que está em processo de compra da Delta. José Luis Oliveira Lima é advogado do mensaleiro petista José Dirceu (deputao federal cassado por corrupção) no processo penal do Mensalão do PT. José Luis Oliveira Lima é sobrinho do advogado José Carlos Dias, ex-ministro da Justiça, e integrante da Comissão da Verdade nomeada por Dilma Rousseff. “Onde quer que Cavendish seja chamado, ele comparecerá para prestar a sua obrigação de cidadão, colaborando com as autoridades ou com quem quiser ou estiver investigando em qualquer área ou instância”, afirmou Lins e Silva. “Esse é o desejo dele”, acrescentou. O advogado afirmou ainda que o dono da Delta não é alvo de nenhum processo penal, não responde a nenhum inquérito policial e não é indiciado na CPI, e ressaltou que, por enquanto, somente presta assistência jurídica a Cavendish. “Sobre ele, pessoa física, não há nenhuma acusação. Portanto, ele não precisa de advogado criminal. Mas vou dar assistência justamente para protegê-lo e ajudar a esclarecer as acusações”, afirmou Lins e Silva.

Dilma homenageia Lula em evento

Durante a entrega do prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), na manhã desta quarta-feira, em Brasília, a presidente Dilma Rousseff homenageou seu antecessor, Lula, e foi ovacionada com aplausos e gritos vindos da platéia. A homenagem acontece em meio à polêmica envolvendo Lula, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e a coação por parte do ex-presidente para adiar o julgamento do caso Mensalão do PT. Durante o evento, a presidente afirmou que “as pessoas nos lugares certos e na hora certa mudam processos e transformam a realidade”. "Faço essa homenagem pelo desempenho do presidente Lula em se comprometer, no Brasil, com o desenvolvimento e dar oportunidade aos mais pobres no País", disse Dilma. A platéia aplaudiu de pé e cantou "olé, olá, Lula, Lula". Ou seja, a sabujada petista usa o Palácio do Planalto para fazer campanha eleitoral, porque esse foi o hino da campanha de Lula.

Juiz e promotora pedem autorização do Tribunal de Justiça para investigar Ary Vanazzi, enquanto a Famurs o elege presidente

No dia em que o Ministério Público Estadual confirmou o parecer da promotora Ana Paula Bernardes em apoio às investigações que a Polícia Civil quer fazer sobre o prefeito petista Ary Vanazzi, a Federação dos Municípios do Rio Grande do Sul - FAMURS - o elegeu como novo presidente. Ou seja, a FAMURS agora só elege prefeito com alentada ficha corrida. Ary Vanazzi será investigado no âmbito da Operação Cosa Nostra, desencadeada há dois meses em São Leopoldo. Os policiais estiveram na cidade, cumpriram mandatos de busca e apreensão em cinco repartições públicas, inclusive Instituto de Previdência e Hospital Centenário. Um dossiê de 1.200 páginas narra a existência de uma organização criminosa integrada por dezenas de líderes políticos locais ligados ao PT e ao PSB, mais nove dezenas de empresários, envolvidos em grossas falcatruas. Mesmo antes do parecer da promotora, o juiz José Piccoli já havia remetido o pedido de autorização de investigações para o Supremo Tribunal Federal e Tribunal de Justiça, abrangendo o prefeito Vanazzi, sua cunhada, a deputada estadual petista Ana Affonso, e os deputados federais Ronaldo Zulke (PT) e Alexandre Roso (PSB). O inquérito da Operação Cosa Nostra prossegue em andamento pelas mãos da Polícia Civil, Polícia Federal, Ministério Público Estadual e Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul.

Dificuldade é grande para Randon, Marcopolo e MWM International

Do site do jornalista Políbio Braga - Na sexta-feira, a CIC Caxias do Sul denunciou acelerado processo de desindustrialização no País. Carlos Heinen, o presidente, chegou a causar alarme entre seus colegas, ao falar no Fórum da Indústria: "O Rio Grande está à beira da falência". Desde o início de maio os sindicatos de trabalhadores da área metalúrgica de Caxias do Sul, principal pólo industrial do Rio Grande do Sul, vinham acumulando sinais de que os dois maiores grupos locais, a Randon e a Marcopolo, poderiam anunciar programas de férias coletivas, reduções de jornadas, demissões voluntárias e até demissões em massa. No dia 4 de maio, o editor passou as primeiras informações. O caso da Randon e da Marcopolo não são exclusivos de Caxias e do Rio Grande do Sul, porque todos os fabricantes de caminhões e de ônibus estão cortando produção e jornada. A Marcopolo não quer confirmar nada, mas Randon e MWM, esta de Canoas, confirmaram cortes de produção e de jornada. A Randon e a MWM concederam férias coletivas para não demitir 1.300 e 900 dos seus empregados, respectivamente. Nesta quarta-feira, a Mercedes-Benz anunciou que também faz ajustes na sua fábrica de São Bernardo do Campo. Em abril ela já tinha colocado 480 operários em licença remunerada. MAN, líder do mercado de caminhões com a marca Volkswagen, mais Scania e Volvo, reduziram a produção e usam alternativas mitigatórias para não demitir. O que ocorre é que no primeiro quadrimestre a produção de caminhões caiu 30,3% sobre igual período de 2011. No mesmo período, a produção de chassis para ônibus despencou 35%. A indústria alega que as mudanças na tecnologia de motores de caminhões e ônibus, este ano, encareceram o preço dos veículos em até 5%, mas sabe-se que o problema principal é a desindustrialização e a desaceleração da economia (o Banco Central admitiu, terça-feira, que o crescimento do PIB deste ano não chegará a 3%).

Autor de “Privataria Tucana” é indiciado por quatro crimes pela Polícia Federal

Quando se referiu a Lula e seus companheiros do PT envolvidos no Mensalão como “gangsteres e bandidos políticos”, o ministro Gilmar Mendes, do STF, queria também incluir arapongas como o jornalista Amaury Júnior, autor do livro “Privataria Tucana”, que acaba de ser indiciado por quatro crimes diferentes pela Polícia Federal. Ele serviu ao setor de inteligência (arapongagem) do comitê de Dilma Roussef, espionando Serra e a família toda durante a campanha eleitoral. No seu blog desta quinta-feira, escreveu o jornalista Fábio Pannunzio: O jornalista Amaury Ribeiro Júnior foi indiciado nesta segunda, 25, pela Polícia Federal por quatro crimes: violação de sigilo fiscal, corrupção ativa, uso de documentos falsos e por dar ou oferecer dinheiro ou vantagem à testemunha. Amaury prestou depoimento na superintendência da Polícia Federal em Brasília, das 10h30 às 17h de hoje, ao delegado Hugo Uruguai, que comanda investigação sobre a violação do sigilo fiscal de vários dirigentes do PSDB e de pessoas ligadas aos tucanos, entre eles, Verônica Serra, filha do candidato à presidência da República, José Serra.. O jornalista é suspeito de ter encomendado e pago a terceiros pela invasão desse sigilo em computadores da Receita Federal.

Impasse evita quebra de sigilo de governadores na CPI

Sem acordo, a CPI do Cachoeira adiou nesta quarta-feira a votação de um requerimento que quebraria os sigilos fiscal, bancário e telefônico do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). A queda-de-braço sobre a possível inclusão de outros dois governadores na medida impossibilitou a a votação do pedido. A discussão ocorreu antes mesmo que a CPI analisasse os pedidos de convocação dos governadores. A oposição cobrou que fossem incluídas no requerimento de quebra de sigilo as figuras dos governadores do Distrito Federal (PT), Agnelo Queiroz, e do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB). “Não há como admitirmos a exclusão de uns, a inclusão de outros, a seleção de alvos, a inclusão de dois pesos, duas medidas e dois focos”, protestou o senador Alvaro Dias (PSDB-PR). Já o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) sugeriu a rejeição da quebra do sigilo dos três governadores: “Os secretários de Estado demitidos em função do suposto envolvimento no esquema sequer foram indiciados. E nós vamos votar hoje quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico de governadores que tomaram essas medidas contra seus secretários? O relator da CPI, deputado federal Odair Cunha (PT-MG), rebateu: “Há nos autos dos inquéritos da Polícia Federal mais evidências no que diz respeito ao governador Marconi Perillo. Os cheques da casa foram para a conta dele”, afirmou, fazendo menção à venda da casa do governador ao contraventor Carlinhos Cachoeira. “O senhor falta com a verdade. A venda da casa não consta do inquérito”, rebateu o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). Tentando encerrar o debate, o presidente em exercício da CPI, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), sugeriu que o requerimento fosse sobrestado - ou seja, mantido em espera até que surjam novos fatos. A comissão também deveria ouvir nesta quarta-feira seis personagens do escândalo. Quatro deles, entretanto, apresentaram habeas corpus garantindo o direito ao silêncio: Cláudio Abreu, ex-diretor Delta no Centro-Oeste, Gleyb Ferreira da Cruz, auxiliar de Cachoeira; José Olímpio de Queiroga Neto, explorador de caça-níqueis em Goiás; Lenine Araújo de Souza, comparsa do contraventor. O presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Eduardo Rincón, apresentou um atestado médico para não comparecer. E Rodrigo Dal Agnol, tesoureiro da Delta, obteve no Supremo uma decisão que adiou seu depoimento porque, na convocação, não ficou claro se ele falaria na condição de investigado ou de testemunha. Todos os chamados à sala de comissão foram dispensados logo após informar que ficariam em silêncio, à exceção de Lenine, que resolveu falar, mas passou a maior parte do tempo queixando-se das condições de sua prisão: “Estão cometendo certas injustiças contra a minha pessoa, mas certas coisas eu vou ficar impossibilitado de falar por causa da minha audiência na sexta-feira”, disse ele, referindo-se a uma audiência na Justiça Federal em Goiás. Lenine também alegou inocência: “Não me considero braço direito do senhor Carlos, como me denunciaram, e me sinto injustiçado quanto a isso”. A defesa de Lenine pediu à CPI que agendasse um novo depoimento para os próximos dias, após a audiência na Justiça. O senador Vital do Rêgo concordou: o indiciado pode retornar à comissão já na semana que vem. Em seguida, Lenine foi dispensado.

35 mil pessoas pedem ao Supremo o imediato julgamento do Mensalão do PT

Representantes de movimentos de combate à corrupção entregaram aos ministros do Supremo Tribunal Federal, nesta quarta-feira, um abaixo-assinado com mais de 35 000 assinaturas pedindo que o julgamento do Mensalão do PT seja realizado ainda no primeiro semestre. Fazem parte do grupo o Movimento 31 de Julho, a ong Transparência Brasil, a ong Contas Abertas e o Movimento “Queremos Ética na Política”. O principal objetivo do protesto foi alertar para a possibilidade da prescrição de alguns crimes. “O nosso objetivo é fortalecer as instituições. Esse é um gesto de solidariedade aos ministros do Supremo. Nós acreditamos que o próprio presidente do STF, Carlos Ayres Britto, tem a intenção de julgar o processo rapidamente. Então isso é um apoio a essa intenção”, afirmou Ana Luiza Archer, do Movimento 31 de Julho. Apesar de a maioria das assinaturas ter sido colhida de forma eletrônica (cerca de 24 000), os organizadores da petição dizem estar satisfeitos com apoio físico. “A adesão na rua foi muito grande. No Rio, fizemos eventos na orla, em Copacabana, Ipanema, Leblon. Os movimentos duravam apenas duas horas, mas a adesão era total”, afirma Marcelo Medeiros, também do 31 de Julho. “O corpo a corpo na rua foi muito interessante. Grande parte das pessoas aderiu, fez fila e elogiou muito”, completou Ana Luiza. A campanha das entidades ocorre após a ação do ex-presidente Lula, que tem se lançado em uma ofensiva contra o STF para protelar o julgamento.