segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Rifa de R$ 20,00 do PCC sorteia 4 carros 0km


A polícia paulista apreendeu na sexta-feira três blocos de uma rifa do Primeiro Comando da Capital (PCC). Eles estavam na casa de Julio Cesar Bicho, de 34 anos, um dos principais ladrões de banco de São Paulo. Os bilhetes, que custam R$ 20,00 cada, prometem aos sorteados quatro carros 0km como prêmio. Vendida por integrantes que estão fora dos presídios, a rifa é uma das formas de arrecadação de recursos usada pela facção criminosa. A rifa achada na casa de Bicho, na Vila Matilde, zona leste, aponta como primeiro prêmio um veículo Kia Soul. Segundo os bilhetes, também serão sorteados dois Gols e um Uno Mille. Além dos bilhetes, agentes da 5ª Delegacia do Patrimônio (Deic) encontraram relógios de grife, roupas, celulares, rádios e um notebook. Ainda foi apreendido um Citroën C3. Responsável por 17 roubos a banco na capital apenas neste ano, Bicho foi preso quando saía de casa na tarde de sexta-feira. Ele ainda tentou enganar os agentes, apresentando carteira de habilitação em nome de outra pessoa. As investigações, porém, já traziam imagens da atuação do criminoso em diversos assaltos. Em um dos casos, ele apontou a arma para a boca de um gerente. Além de comandar quase um quarto dos roubos a banco na capital neste ano, Bicho também é suspeito de participar de pelo menos outras três ações na Região Metropolitana. A polícia descobriu que o bandido tinha a colaboração de vigias dos bancos. Aliciados por integrantes da quadrilha, eles facilitavam o acesso às agências e chegavam a simular ter sido dominados por criminosos nos assaltos para não despertar suspeitas. Na última década, Bicho fez parte da quadrilha de Monstro, Rejão e De Menor, ladrões de banco conhecidos da polícia. Os dois últimos estão presos. Depois da prisão na sexta, Bicho contou à polícia que se desentendeu com Monstro no fim do ano passado e, por isso, os dois não atuavam mais juntos. Para a polícia, porém, a principal hipótese é de que cada um ficou responsável por comandar uma parte da quadrilha. Se um fosse preso, como aconteceu, o outro continuaria em atividade.

EMERGÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS EM PORTO ALEGRE ESTÁ COM O TRIPLO DE PACIENTES EM RELAÇÃO AO NÚMERO DE LEITOS


O espaço entre as macas é mínimo, não dá para passar o médico, para examinar o paciente. Essa situação se repetiu na volta do feriadão na emergência do Hospital de Cínicas em Porto Alegre, onde o número de pacientes atinge mais que o triplo da capacidade de atendimento. O problema não é novo, mas se agravou nesta segunda-feira durante todo dia. Sem nenhuma doença típica que tenha tomado conta dos gaúchos, a única explicação plausível para o médico Gerson Martins Pereira, que trabalha na unidade, é o costume das pessoas adiarem a busca por atendimento e por uma solução, acumulando enfermos em plena segunda-feira pós-feriado. Nesta segunda-feira, por volta das 19 horas, o caos estava por toda parte, desde a entrada na emergência, onde os pacientes ficam em cadeiras, até a parte mais crítica, onde está montada uma espécie de Unidade de Terapia Intensiva de guerra. Na ala adulta, 160 pessoas estavam internadas em um espaço de 49 leitos. Na emergência pediátrica, os nove leitos eram ocupados por 13 crianças. Fora isso, havia cerca de 50 pessoas que ainda aguardavam atendimento médico. Com oito médicos para atender todo esse contingente de pessoas com as mais variadas doenças, os pacientes sofrem não só com a dor e a espera para o primeiro atendimento, mas também com a demora no tratamento. Além disso há também a escassez de leitos para que os pacientes graves sejam transferidos das emergências.
O hospital inteiro está lotado.

Isolado, Marco Aurélio condena Duda Mendonça, Zilmar Fernandes e "mequetrefe" por evasão


Em um voto isolado nesta segunda-feira, o ministro Marco Aurélio Mello entendeu pela condenação de Duda Mendonça e Zilmar Fernandes por não terem comunicado um depósito de mais de R$ 10 milhões repassados pelo valerioduto em uma conta no Exterior. O ministro também destoou dos pares ao condenar Geiza Dias, a funcionaria "mequetrefe" de Marcos Valério, pelo crime. Depois de livrar os réus de lavagem de dinheiro, Marco Aurélio fez uma defesa por uma legislação mais dura de evasão de divisas e foi voto isolado pela condenação dos réus, que já tinham maioria pela absolvição.

Celso de Mello absolve Duda Mendonça e sua sócia do segundo crime


Com o voto do ministro Celso de Mello, o revisor do Mensalão do PT, Ricardo Lewandowski, venceu o embate com o relator, Joaquim Barbosa, em pelo menos um capítulo do processo. Celso de Mello acompanhou na íntegra o voto de Lewandowski e condenou cinco réus por evasão de divisas: o empresário Marcos Valério, apontado como operador do Mensalão do PT, seu sócio Ramon Hollerbach, sua ex-funcionária Simone Vasconcelos e os executivos do Banco Rural, Kátia Rabello e José Roberto Salgado. No entanto, absolveu os publicitários Duda Mendonça e Zilmar Fernandes por evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Ao afirmar que estava em dúvida sobre a confirmação do crime imputado aos publicitários, Celso de Mello consumiu boa parte do tempo de seu voto analisando a possibilidade de existência da lavagem de dinheiro sem um crime antecedente. "O ponto que gera em mim grande dúvida, ao analisar o que foi apresentado na denúncia, é que o crime antecedente aqui apontado se verificou posterior à lavagem de dinheiro. Não havia, na época dos saques, dinheiro apto a ser ocultado. Esta é uma dúvida que, persistindo, me leva a votar como o ministro revisor", disse o decano da Corte. Para ele, não ficou comprovado que o crime de evasão de divisas tenha sido realizado antes da suposta lavagem de dinheiro.

Toffoli absolve Duda Mendonça e condena Marcos Valério por evasão de divisas


O ministro Dias Toffoli votou pela absolvição integral do publicitário da campanha de Lula em 2002, Duda Mendonça, e sua sócia Zilmar Fernandes, das acusações de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Ele condenou o publicitário Marcos Valério e mais quatro réus de suas agências de publicidade e do Banco Rural por evasão de divisas. Para justificar a absolvição de Duda e Zilmar, o ministro destacou que o recebimento de recursos por meio de uma offshore no Exterior teria apenas o objetivo de sonegação. "Duda e Zilmar pediram para receber no Exterior para sonegar", disse. Ele destacou que os réus reconheceram o crime, pagaram os tributos e multa e, assim, estariam livre dessa acusação. Ele considerou culpados por evasão de divisas Marcos Valério, seu ex-sócio Ramon Hollerbach, a ex-diretora da agência de publicidade Simone Vasconcelos, a ex-presidente do Banco Rural, Kátia Rabelo, e o ex-vice, José Roberto Salgado. Votou ainda por absolvição do outro sócio de Valério, Cristiano Paz, a ex-funcionária da agência Geiza Dias, e o ex-diretor do Banco Rural, Vinicius Samarane.

Gilmar Mendes vota pela condenação de Duda Mendonça por lavagem


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta segunda-feira pela condenação por lavagem de dinheiro do publicitário Duda Mendonça e da sócia dele, Zilmar Fernandes. De acordo com Mendes, ao concordar com o recebimento no exterior, Duda e Zilmar praticaram o crime. "Ainda que a abertura (de conta) tenha sido por imposição de Marcos Valério (Fernandes de Souza, empresário), nota-se que Zilmar e Duda aderiram e contribuíram com a prática criminosa", afirmou. Com o voto do ministro do Supremo, formou-se maioria para condenar por evasão de divisas a economista e ex-presidente do Banco Rural S.A, Kátia Rabello, e o ex-vice-presidente da instituição financeira, José Roberto Salgado. Também já foram condenados pela maioria dos ministros os empresários Marcos Valério Fernandes de Souza e Ramon Hollerbach (ex-sócio dele) e a diretora financeira da SMP&B na época do Mensalão do PT, Simone Vasconcellos. Gilmar Mendes afirmou ainda que o fato de o pagamento a Duda Mendonça ter sido feito por um concorrente dele torna o caso mais estranho: "Nem o mais cândido dos ingênuos há de admitir isso". Com o voto do ministro, cinco réus foram condenados por evasão.

STF absolve Duda Mendonça do crime de evasão de divisas


A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, deu nesta segunda-feira o sexto voto pela absolvição do publicitário Duda Mendonça e da sócia dele, Zilmar Fernandes, por evasão de divisas e por um dos crimes de lavagem de dinheiro de que são acusados. Dessa forma, formou-se maioria no tribunal para livrar os dois dessas duas imputações. Ao seguir integralmente o voto do revisor, Ricardo Lewandowski, a ministra entendeu que não houve o cometimento de crimes no esquema montado pelo publicitário Marcos Valério e pelo ex-tesoureiro petista Delúbio Soares para pagar a Duda e Zilmar as dívidas da campanha do ex-presidente Lula em 2002. Cármen Lúcia livrou a dupla das acusações de lavagem de dinheiro relativas a cinco saques feitos no Banco Rural e de evasão de divisas pela manutenção de recursos no Exterior. Ela ainda entendeu que não houve lavagem de dinheiro relativo aos recursos recebidos por meio de 53 depósitos em uma conta mantida no Exterior. Com o voto da ministra, também foram absolvidos pelos crimes de lavagem de dinheiro o ex-sócio de Marcos Valério, Cristiano Paz, a ex-gerente da SMP&B, Geiza Dias, e o ex-diretor e atual vice-presidente do Banco Rural, Vinícius Samarane. Por outro lado, também com a manifestação de Cármen Lúcia, Marcos Valério, Cristiano Paz, outro sócio dele, e a ex-diretora financeira da SMP&B, Simone Vasconcelos, receberam o sexto voto pela condenação por evasão de divisas na operação montada para quitar a dívida com Duda e Zilmar Fernandes.

Rosa Weber condena Marcos Valério por evasão de divisas


A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, condenou nesta segunda-feira os empresários Marcos Valério Fernandes de Souza e Ramon Hollerbach (ex-sócio dele) e a ex-diretora financeira da SMP&B na época do Mensalão do PT, Simone Vasconcelos, pelo crime de evasão de divisas. Rosa Weber absolveu outros sete réus acusados desta violação, entre eles o publicitário Duda Mendonça a sócia dele, Zilmar Fernandes, e a cúpula do Banco Rural S.A: a economista e ex-presidente Kátia Rabello, o ex-vice-presidente José Roberto Salgado e o economista e ex-diretor Vinícius Samarane. Para julgar inocente a direção do banco, a ministra disse que não ficou caracterizada a conduta criminosa de cada dirigente. "Essas operações internacionais demandam uma apuração circunstanciada em processo à parte, não sendo, contudo, possível concluir que dirigentes do Banco Rural teriam conhecimento e responsabilidade específica por cada transação", disse.

Ministro Luiz Fux segue relator e condena Duda Mendonça e sua sócia por lavagem


O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, acompanhou o voto do relator Joaquim Barbosa e votou, nesta segunda-feira, pela condenação de Duda Mendonça e de Zilmar Fernandes pelo crime de lavagem de dinheiro relativo aos recursos recebidos por meio de 53 depósitos em uma conta mantida no Exterior. Fux, que seguiu integralmente a manifestação do relator, livrou a dupla das acusações de lavagem relativas a cinco saques no Banco Rural e de evasão de divisas pela manutenção de recursos no Exterior. No início do seu voto, Fux lembrou que foi a dupla que exigiu receber os recursos referentes à campanha presidencial de 2002 fora do País. "A abertura da conta no Exterior para o recebimento das verbas ocorreu por iniciativa única e exclusivamente de Duda Mendonça e Zilmar Fernandes", afirmou. O ministro disse que a remessa de valores do Exterior é uma prática comum para se lavar dinheiro. O ministro declarou ainda que o uso de operação dólar-cabo também é outra conduta que está atrelada ao crime no País. Pelo dólar-cabo, um doleiro repassa fora do País para uma pessoa ou conta indicada por outra o mesmo valor devido por uma operação cambial. Fux condenou ainda os réus Marcos Valério, o seu antigo sócio Ramon Hollerbach, a ex-diretora das empresas de publicidade de Valério, Simone Vasconcelos, e os ex-dirigentes do Banco Rural, Kátia Rabello e José Roberto Salgado, por evasão de divisas. Os demais réus foram absolvidos por ele.

Rosa Weber absolve Duda Mendonça de lavagem e evasão de divisas


A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, seguiu o voto do revisor Ricardo Lewandowski para absolver o publicitário Duda Mendonça e a sócia dele, Zilmar Fernandes, dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A dupla foi responsável por realizar nas eleições presidenciais de 2002 a campanha vitoriosa do então candidato Lula. Segundo o Ministério Público Federal, eles receberam ilegalmente mais de R$ 10 milhões do esquema montado por Marcos Valério e pelo ex-tesoureiro petista Delúbio Soares como forma de pagamento das dívidas de campanha. Para a ministra, o Ministério Público não conseguiu comprovar que os dois tinham conhecimento de que o valor recebido era supostamente de origem ilícita. Por essa razão, ressaltou, eles não cometeram o crime de lavagem de dinheiro. "Me parece que eu não poderia, sob pena de desprestígio da ampla defesa, apontar o crime de evasão de divisas de Duda Mendonça e Zilmar Fernandes como crime antecedente", destacou a ministra. Rosa Weber disse ainda que, no caso do crime de evasão de divisas, a denúncia é "atípica". Ela lembrou que havia circulares do Banco Central que estipulavam em US$ 100 mil o piso para que as pessoas declarassem contas no Exterior nos anos de 2003 e 2004. O saldo da conta de Duda fora do País, a Dusseldorf, eram menor do que as normas do Banco Central naqueles anos.

Lewandowski condena Marcos Valério por evasão de divisas


O ministro revisor do processo do Mensalão do PT no Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, votou pela condenação do empresário Marcos Valério e mais quatro réus pelo crime de evasão de divisas. Ele absolveu outros cinco réus acusados do crime, entre eles o publicitário Duda Mendonça e sua sócia Zilmar Fernandes. Lewandowski afirmou que Valério, seu ex-sócio Ramon Hollerbach, a ex-diretora financeira Simone Vasconcelos, a ex-presidente do banco Rural e acionista Kátia Rabello, e o ex-vice da instituição financeira, José Roberto Salgado, praticaram o crime porque atuaram de forma dolosa no envio de recursos de forma ilícita para o Exterior. Ele absolveu, além de Duda e Zilmar, o outro ex-sócio Cristiano Paz, a funcionária da agência Geiza Dias e o ex-diretor e atual vice do Rural, Vinicius Samarane.

Revisor absolve Duda Mendonça de lavagem e evasão de divisas


O ministro Ricardo Lewandowski, revisor do processo do Mensalão do PT no Supremo Tribunal Federal, abriu nesta segunda-feira a primeira divergência com o relator Joaquim Barbosa nesta etapa do julgamento ao absolver o publicitário Duda Mendonça e a sócia dele, Zilmar Fernandes, pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Segundo o Ministério Público Federal, eles receberam ilegalmente mais de R$ 10 milhões do esquema montado por Marcos Valério e o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares como forma de pagamento das dívidas de campanha. No seu voto, Lewandowski disse que, no caso dos crimes de lavagem de dinheiro, "ficou muito claro" durante a instrução do processo que os dois réus não tinham objetivo cometer os delitos. Para o revisor, eles queriam apenas receber o dinheiro devido pelo trabalho de 2002: "Não há lavagem de crédito lícito, inclusive, declarado à Receita Federal e ainda com recolhimento de impostos". O revisor disse que os réus não tiveram escolha na forma de como receber o dinheiro. O relator, contudo, rebateu o colega, lembrando que foi o próprio Duda quem procurou o Banco de Boston para abrir uma conta no Exterior para receber os recursos.

Joaquim Barbosa condena Duda Mendonça por recebimento de recursos no Exterior


O relator do processo do Mensalão do PT, ministro Joaquim Barbosa, votou pela condenação do publicitário da campanha de Lula em 2002, Duda Mendonça, e de sua sócia Zilmar Fernandes pelo crime de lavagem de dinheiro relativo aos recursos recebidos por meio de uma conta no Exterior. Joaquim Barbosa tinha absolvido os dois das acusações de lavagem relativas a saques no Banco Rural e de evasão de divisas pela manutenção de recursos no Exterior. Em seu voto, Joaquim Barbosa sustentou que houve lavagem de dinheiro em relação às 53 transações feitas pelo grupo de Marcos Valério e pelo Banco Rural para uma conta de uma offshore de Duda e Zilmar. Nesse caso, afirmou o ministro, o crime antecedente é a evasão de divisas, delito do qual Duda e Zilmar não participaram, mas tinham conhecimento. "Com efeito, tanto Duda quanto Zilmar tinham pleno conhecimento que os 53 depósitos na conta Dusseldorf foram realizados mediante saídas ilegais de dinheiro para o exterior promovida por Marcos Valério e o núcleo financeiro, formado pelo Banco Rural", disse o relator. Ele condenou Marcos Valério, seu ex-sócio Ramon Hollerbach, a ex-diretora da agência Simone Vasconcellos, a ex-presidente e acionista do Rural, Kátia Rabelo, e o ex-vice-presidente do banco, José Roberto Salgado, pelo crime de evasão de divisas. Absolveu em relação a essa acusação, além de Duda e Zilmar, o outro ex-sócio de Valério, Cristiano Paz, a ex-funcionária da agência Geiza Dias e o ex-diretor e atual vice do Rural Vinícius Samarane.

Joaquim Barbosa absolve Duda Mendonça e sócia por lavagem de dinheiro


O relator do processo do Mensalão do PT, ministro Joaquim Barbosa, votou pela absolvição do publicitário da campanha de Lula em 2002, Duda Mendonça, e de sua sócia Zilmar Fernandes, pela acusação de lavagem de dinheiro relativa a cinco saques no Banco Rural. Duda e Zilmar são acusados de lavagem e evasão de divisas pelo dinheiro recebido no Exterior. Barbosa entendeu que, apesar de terem se beneficiado do mecanismo de lavagem de dinheiro disponibilizado pelo Banco Rural e por Marcos Valério, o publicitário Duda Mendonça e sua sócia poderiam não ter conhecimento que o dinheiro recebido era proveniente de crimes. O relator destacou ainda que a própria Zilmar realizou os cinco saques no montante de R$ 1,4 milhão disponibilizados pelo esquema. Para o ministro, o objetivo dos publicitários seria apenas receber por serviços prestados ao PT na campanha de 2002.

Brigadiano condenado por roubo é preso em Balneário Camboriú


Um policial militar reformado, da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, condenado por roubo qualificado, foi preso nesta segunda-feira em Balneário Camboriú. Rudimar Gilberto Leonhardt, de 43 anos, é acusado de ter participado do roubo a uma agência do Banrisul em Novo Hamburgo (RS), em 2008. Ele é apontado pelas autoridades como integrante de uma quadrilha formada por 60 policiais, sendo um deles da Polícia Civil e pelo menos 10 oficiais da Brigada Militar. O policial militar foi localizado na casa onde morava com a família na rua Irlanda, Bairro das Nações, por volta das 16 horas. Ele era morador de Balneário há mais de dois anos. A condenação de Leonhardt saiu no início do mês e na semana passada um ofício foi encaminhado para a Divisão de Investigação Criminal (DIC). A prisão faz parte da operação Duas caras, desencadeada pela polícia gaúcha para desbaratar a quadrilha. De acordo com a investigação, alguns dos integrantes da quadrilha agiam diretamente nos roubos a bancos. Outros, como o policial militar, eram coniventes. "A atuação dele foi de postergar atendimento. No Batalhão, eles esvaziaram o tanque da viatura, impossibilitando a repressão aos crimes e dando tempo para os assaltantes fugirem", explica o delegado da DIC de Balneário Camboriu, Osnei de Oliveira. As investigações começaram em 2008, quando o homem tido como líder da quadrilha, José Luiz da Rosa, foi morto. A polícia suspeita de queima de arquivo. Logo em seguida outros nomes foram surgindo, mas inicialmente os praças tentaram proteger os oficiais. Leonhardt foi condenado na Justiça Militar a cinco anos de reclusão. Ele é suspeito ainda de apropriação indébita, furto, prevaricação, formação de quadrilha, peculato e violação de sigilo funcional. Durante a tramitação do processo, ele alegou problemas de saúde e conseguiu ser reformado.

Parlamento israelense aprova realização de eleições antecipadas em janeiro


O Parlamento israelense aprovou nesta segunda-feira sua dissolução e a realização de eleições antecipadas no próximo dia 22 de janeiro, com cem votos a favor e nenhum contra. A câmara deu sinal verde ao projeto de lei preparado pelo governo de Benjamin Netanyahu para pôr fim à 18ª legislatura. O Parlamento abriu nesta tarde sua sessão de inverno, que começou com discursos do presidente da casa, Reuven Rivlin; do chefe de Estado, Shimon Peres; e do próprio Netanyahu. Agora, aprovado o projeto de lei que implica no fechamento do período de sessões de inverno, o Parlamento só poderá reunir-se a pedido de 40 deputados ou, se seu presidente requisitar, para levar adiante projetos de lei nos quais governo e oposição estejam de acordo. A 18ª legislatura, que começou em março de 2009, foi uma das mais estáveis da história política israelense, quase sem reajustes no Executivo. As pesquisas de opinião mais recentes outorgam uma ligeira alta ao direitista Likud de Netanyahu; uma queda do Kadima (centro-direita), partido mais votado no último pleito, e um bom resultado do Partido Trabalhista encabeçado por seu novo líder, Shelly Yajimovich.
Fica a incógnita de um eventual retorno ao cenário político do ex-primeiro-ministro Ehud Olmert, possivelmente acompanhado daquela que foi sua titular de Relações Exteriores, Tzipi Livni.

Na TV, Serra diz que PT usa eleição para esconder o Mensalão


No primeiro dia de propaganda eleitoral na televisão no segundo turno, o candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, José Serra, afirmou que o PT pretende usar a eleição paulistana como "cortina de fumaça" para tentar esconder as condenações de lideranças do partido no julgamento do Mensalão do PT. O tucano disse que "o PT está concentrando forças" e faz da eleição "ponto de honra para esconder o Mensalão". Sobre o Mensalão, ele afirmou: "É tudo muito grave, um atentado contra o povo". O candidato do PSDB também ressaltou os apoios à sua campanha, entre eles o PDT, de Paulinho da Força, o PPS, de Soninha Francine, e o PTB, de Luiz Flávio D’Urso, candidato a vice na chapa de Celso Russomanno (PRB). E fez questão de afirmar que alianças vão lhe dar maioria de vereadores na Câmara Municipal.

Cemig não vai renovar concessão de três hidrelétricas


A Cemig deixou fora do pedido de renovação de concessões as hidrelétricas São Simão, de 1,7 mil megawatts (MW), Jaguara (424 MW) e Miranda (408 MW), que ainda poderiam ser renovadas por mais 20 anos segundo as regras antigas, válidas antes da publicação da medida provisória 579.
"Optamos por continuar com esses ativos até o término de cada concessão nas mesmas condições vigentes antes da edição da Medida Provisória 579", informou o presidente da empresa, Djalma Bastos de Morais. A companhia informou que acredita "no seu direito de renovar a concessão dessas três usinas por mais 20 anos nas mesmas condições vigentes antes da publicação da MP 579". A empresa apresentou o pedido de renovação das concessões à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para outros ativos de geração e dos ativos de transmissão, com ressalvas que garantem à empresa a possibilidade de não assinar o contrato. O pedido para renovação de ativos de distribuição foi feito com "adesão integral", informou o comunicado. No segmento de geração, o pedido de renovação das concessões foi feito para as hidrelétricas Três Marias, Salto Grande, Itutinga, Camargos, Piau, Gafanhoto, Peti, Tronqueiras, Joasal, Martins, Cajuru, Paciência, Marmelos, Sumidouro, Anil, Poquim, Dona Rita e Volta Grande.

Hospital mata idosa ao colocar café com leite na sua veia


Uma idosa de 80 anos, internada no Posto de Atendimento Médico (PAM) de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, morreu no domingo, quatro horas depois de uma estagiária da unidade de saúde injetar café com leite na veia da paciente. Vítima de uma infecção renal, Palmerina Pires Ribeiro estava internada havia dez dias, mas se recuperava e tinha alta prevista para esta segunda-feira. Palmerina tinha uma sonda pela qual se alimentava e outra por onde recebia soro. Uma estagiária teria se confundido e depositou o café com leite na sonda do soro, na tarde de domingo. A idosa começou a passar mal e, embora tenha recebido remédios para ser reanimada, morreu. O Conselho Regional de Enfermagem do Estado do Rio de Janeiro já havia denunciado a atuação de estagiários sem supervisão nesse PAM, mas nenhuma providência foi tomada, de acordo com o órgão. O caso aconteceu menos de uma semana depois de um episódio semelhante ser registrado na Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa, no sul fluminense. No dia 8, a aposentada Ilda Vitor Maciel, de 88 anos, morreu após ter recebido sopa pela veia. Uma funcionária também confundiu a sonda pela qual a mulher se alimentava, pelo nariz, com aquela por onde recebia soro, na veia.

Almirante argentino renuncia ao comando da Marinha

Fragata Libertad

O almirante mais graduado e comandante da Marinha argentina, Carlos Alberto Paz, renunciou ao cargo nesta segunda-feira, após o governo de Gana ter retido o veleiro de treinamento Libertad, da arma, a pedido dos credores internacionais do país. Paz foi substituído no cargo pelo vice-almirante Daniel Alberto Martín. O secretário-geral Luis Maria González Day, e o vice-comandante da Marinha, Mario Blanco, foram suspensos nesta segunda-feira, enquanto o governo investiga porque o navio foi colocado em risco ao fazer uma escala em um porto do país africano no começo deste mês. Em 2 de outubro o juiz Richard Adjei-Frimpong, de um tribunal ganês, ordenou que o veleiro Libertad da Marinha argentina fosse retido no porto de Tema até que o governo argentino pague US$ 1,6 bilhão em bônus da dívida em moratória de 2001 ao fundo de investidores Elliott Management Corp. NML Capital, de Nova York. A NML Capital diz que o governo argentino pode depositar US$ 20 milhões em uma conta e ter o navio liberado, mas a Argentina afirma que não fará isso e conseguirá a liberação do navio nos tribunais de Gana ou nos tribunais internacionais.

Governo Dilma estuda inclusão de negros no funcionalismo


Dois anos depois da aprovação do Estatuto da Igualdade Racial, conjunto de metas para corrigir desigualdades sociais e melhorar a vida da população negra, técnicos do governo federal ainda discutem formas para agilizar a implementação das ações afirmativas. Está em estudo a criação de cotas para negros no serviço público federal e incentivos nas áreas de educação e cultura. O debate está concentrado na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Não há previsão para a divulgação do trabalho ou o envio de uma proposta para a análise jurídica da Casa Civil. Da mesma forma, não há data prevista para anúncios de medidas. Há uma semana, o Ministério da Cultura divulgou que abrirá linhas de incentivos exclusivas para produtores negros. O governo Dilma estuda reservar 30% das cotas do serviço público, em cargos concursados ou comissionados, aos negros.

Tarso Genro quer presença de Lula na campanha eleitoral em Pelotas


O governador do Rio Grande do Sul, o peremptório petista Tarso Genro, pediu ajuda ao ex-presidente Lula para a campanha de segundo turno do candidato do PT em Pelotas, Fernando Marroni. A cidade é a única do Estado que terá segundo turno e converteu-se na esperança do PT de vencer em pelo menos um dos principais colégios eleitorais do Estado. Tarso Genro não se garante sozinho, afinal de contas, durante o seu governo, o PT se transformou em nova Arena, o partido dos grotões no Rio Grande do Sul. Tarso Genro reuniu-se no início da noite desta segunda-feira com o ex-presidente no Instituto Lula, no bairro Ipiranga, em São Paulo. Ele pediu a presença de Lula em Pelotas, mas o ex-presidente está com dificuldade para incluir o Estado na agenda. Lula viaja na quarta-feira à Argentina e retorna apenas na tarde do dia seguinte. Com a agenda apertada, ele terá de concentrar esforços na campanha de Fernando Haddad em São Paulo.

Justiça reduz pena para pilotos do jato Legacy


Por dois votos a um, o Tribunal Regional Federal da Primeira Região reduziu nesta segunda-feira para três anos e um mês a pena de quatro anos e quatro meses de prisão aplicada pela Justiça Federal de Mato Grosso contra os pilotos americanos Joseph Lepore e Jean Paul Paladino. Eles pilotavam um jato Legacy que colidiu com um avião da Gol em 2006, matando 154 pessoas. A pena será cumprida em regime aberto, ou seja, os condenados podem trabalhar, mas devem se apresentar periodicamente à Justiça e cumprir uma série de outras exigências. O Tribunal, no entanto, não permitiu a transformação da pena em prestação de serviços alternativos. A terceira turma do TRF1 julgou dois recursos movidos pelo Ministério Público e Federal e pela Associação das Vítimas do Acidente do Avião Gol. Nesses processos, eles pediam aumento da pena dada aos pilotos americanos pela Justiça Federal de Mato Grosso em maio de 2011. A pena aplicada foi de quatro anos e quatro meses de prisão em regime semiaberto, depois convertida em pena alternativa. Os reclamantes também pediam a revogação da substituição da pena por serviços comunitários, que foi autorizada pela Justiça. O acidente ocorreu em 2006, quando o avião da Gol que saiu de Manaus com destino a Brasília e ao Rio de Janeiro se chocou com o jato Legacy sobre uma área densa da floresta amazônica. Todos os passageiros e tripulantes do avião da Gol morreram. Os pilotos do Legacy conseguiram fazer um pouso de emergência na Base Aérea da Serra do Cachimbo, no Pará.

DEM aposta em Gustavo Fruet em Curitiba


O DEM formalizou nesta segunda-feira o apoio a Gustavo Fruet (PDT), que concorre com Ratinho Junior em Curitiba. O partido estava dividido por causa da postura da Executiva Estadual, mas em reunião da legenda no âmbito municipal entre o presidente em Curitiba, Osmar Bertoldi, secretário da Habitação; a bancada da Câmara Municipal e mais 60 membros do diretório municipal, o partido decidiu ficar ao lado de Fruet. A maior resistência dizia respeito ao fato do candidato ter o apoio do PT. Fruet também conversou demoradamente com o presidente estadual do PDT, Osmar Dias, atualmente no Banco do Brasil, e confirmou a presença de lideranças nacionais em Curitiba. O prefeito reeleito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT) e o senador Cristovam Buarque (PDT) já confirmaram participação na campanha de Fruet nos próximos dias.

Moagem de cana da safra 13/14 pode crescer mais de 10%


A moagem de cana do centro-sul do Brasil na próxima temporada poderia crescer mais de 10% em relação à atual safra na melhor das hipóteses, indicou nesta segunda-feira a consultoria Datagro. O crescimento da produção da região que responde por cerca de 90% da cana do País deverá ocorrer em meio à recuperação da produtividade agrícola, por conta da intensificação da renovação dos canaviais. A oferta de cana para moagem no centro-sul do Brasil na próxima safra (2013/14) foi estimada pela Datagro em um intervalo de 545 a 575 milhões de toneladas, contra uma estimativa de processamento na safra 12/13 de 512,13 milhões de toneladas. Essa previsão para 12/13 foi mantida ante a estimativa de setembro. Em setembro, a Datagro estimou a produção de açúcar em 12/13 da principal região produtora em 31,3 milhões de toneladas, praticamente estável em relação a safra 11/12. Nastari preferiu não fazer previsões para a produção de açúcar e etanol da safra 13/14, argumentando que é muito cedo para fazer projeções para a safra que começa a ser moída oficialmente em abril de 2013. Até o final de setembro, a indústria havia processado 381,4 milhões de toneladas de cana da safra 12/13.

Rafael Greca confirma apoio a Ratinho Júnior em Curitiba


Apesar de ter feito sérias críticas aos projetos de Ratinho Júnior (PSC) durante os debates que antecederam o primeiro turno das eleições, o ex-prefeito de Curitiba, Rafael Greca, confirmou sua participação na campanha, seguindo a orientação do senador Roberto Requião, presidente do partido na capital. "O senador Requião não impôs nada, temos uma relação republicana e cordial", disse Greca, ao ser questionado se havia sido pressionado a apoiar Ratinho em detrimento de Gustavo Fruet (PDT), o outro adversário. Para Ratinho, o apoio de Greca é bem-vindo. Ele minimizou os problemas de rejeição do candidato (em torno de 20%). "O Rafael é uma pessoa muito querida. Agora, ninguém é unânime, eu mesmo não sou; mas a qualidade dele é muito grande", afirmou. A campanha de Ratinho deve ganhar também o apoio do PPL.

Após 70 dias de greve, Polícia Federal comunica retorno aos trabalhos


A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) comunicou nesta segunda-feira o fim da paralisação da categoria que durou 70 dias. Até as 16 horas, 18 Estados brasileiros já haviam concluído as assembléias. Apenas dois deles votaram pela permanência da greve. Caso a maioria decida pelo retorno ao trabalho, a determinação será de ordem nacional. O efetivo total deve voltar a atuar a partir desta terça-feira. Os policiais federais de São Paulo, do Sindpolf-SP, realizaram assembleia na última quinta-feira e são favoráveis ao fim da paralisação. Além de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Brasília, Goiás, Pará, Bahia, Sergipe e Espírito Santo votaram pelo retorno aos trabalhos. Há pouco mais de 15 dias, o Superior Tribunal de Justiça reconheceu a legitimidade da greve dos policiais federais, mas fixou a necessidade de manutenção de cotas mínimas de servidores em algumas áreas de trabalho. A categoria era a única ainda parada no funcionalismo federal. A reivindicação teve início no dia 7 de agosto em todo o País. A categoria afirma ter respeitado a lei de greve e disse que manteve 30% do efetivo trabalhando.

Médicos suspendem atendimento a planos de saúde em mais cinco Estados


Médicos no Amazonas, no Rio Grande do Sul, em Rondônia, em Santa Catarina e no Tocantins suspenderam, a partir desta segunda-feira, o atendimento a pacientes de planos de saúde. Em oito Estados também há paralisações – no Acre, na Bahia, no Maranhão, em Mato Grosso do Sul, em Minas Gerais, no Pará, em São Paulo e em Sergipe. Esta é a quarta suspensão anunciada pela categoria em dois anos. De acordo com o Conselho Federal de Medicina, durante o movimento, não serão realizadas consultas e cirurgias eletivas. Segundo o órgão, os pacientes foram informados previamente sobre a paralisação e terão que remarcar o atendimento. Serviços de urgência e emergência não serão afetados. Além do reajuste de honorários de consultas e de outros procedimentos, a pauta de reivindicações inclui a inserção, em contrato, de critérios de reajuste, com índices definidos e periodicidade e o fim da intervenção dos planos na relação médico-paciente. Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) indicam que, entre 2003 e 2011, a receita das operadoras cresceu 192%, enquanto o valor médio pago por consulta aumentou 65%. Cálculos da própria categoria, entretanto, indicam que houve reajuste de 50%.

Blatter promete agir contra deserções de cubanos


O presidente da Fifa se propôs, nesta segunda-feira, a falar com as autoridades cubanas sobre a situação dos jogadores caribenhos que abandonam suas delegações durante competições internacionais. "Isto não pode seguir assim. As coisas não funcionam", declarou Joseph Blatter. O dirigente anunciou a sua intenção nesta segunda-feira após quatro jogadores cubanos que participavam das Eliminatórias da Concacaf para a Copa do Mundo de 2014 abandonaram a equipe no Canadá antes de uma partida. Blatter declarou que o tema das deserções é um "assunto da presidência da Fifa" e que analisará o relatório do episódio da última quinta-feira antes de agir. Blatter afirmou que vai entrar em contato pessoalmente "com as autoridades esportivas de Cuba" e lhes dará "uma cópia de suas propostas para que entreguem às autoridades políticas". Com as deserções, Cuba contou com apenas 11 jogadores para o jogo com o Canadá da última sexta-feira e perdeu por 3 a 0. A equipe não tinha mais chances de avançar ao hexagonal final do torneio classificatório e mandou ao Canadá uma equipe sem os seus principais jogadores, o que levantou especulações de que Cuba deixou em casa alguns titulares para evitar que abandonassem a delegação.

Ministério Público quer anular parceria de Anac e DCA-BR


O Ministério Público Federal de São Paulo pediu à Justiça Federal a anulação de termo de parceria firmado entre a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica (DCA-BR), com sede em São José dos Campos. A instituição disse que a contratação da empresa é irregular porque as atividades de treinamento, consultoria e assistência técnica exigem licitação, o que não foi feito. Segundo o Ministério Pùblico, houve fraude no processo que levou à qualificação da DCA-BR como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). Como tal, a empresa foi contratada sem licitação para prestação de serviços na área de certificação aeronáutica e recebeu da Anac R$ 24.435.897,96 entre 2007 e 2012, conforme a ação. O Ministério Público disse que a companhia não obedece aos requisitos legais para ser classificada como Oscip e que houve uma "farsa" no processo que a qualificou dessa forma. Para obter a qualificação, a DCA-BR declarou, em seus estatutos, ter por finalidade "o desenvolvimento da certificação aeronáutica, visando à segurança de vôo e à preservação do meio ambiente". De acordo com o Ministério Público, porém, a inserção da expressão "preservação do meio ambiente" foi uma forma de induzir o órgão qualificador ao erro, classificando a DCA-BR como Oscip, o que lhe permitiu assinar contrato com a Anac sem licitação. As contestações à parceria com a DCA-BR vêm pelo menos desde 2008. Em um parecer de 21 de novembro daquele ano, o então procurador-geral em exercício da Anac, Rogério Emílio de Andrade, já havia questionado a legalidade da parceria. No documento, ele recomenda à Superintendência de Administração e Finanças da agência a "suspensão do pagamento dada a irregularidade constatada". Em 3 de dezembro, o parecer anterior foi contestado por Gabriel de Mello Galvão, nomeado como procurador-geral da agência nesse meio tempo. Ele deu aval para um termo aditivo que alterava a fonte orçamentária da qual sairiam os recursos para o pagamento da DCA-BR, para driblar um "corte linear" no Congresso. Em março do ano passado, quando as investigações do Ministério Público estavam ainda em fase inicial, a Anac afirmou que a parceria com a DCA-BR foi uma solução emergencial encontrada em 2007 contra um iminente "apagão" no setor de certificação. O argumento foi de que, pouco antes de a agência ser criada, em 2005, houve um esvaziamento do órgão militar até então responsável pela certificação.

HRT firma protocolo com Petrobras para viabilizar gás do Amazonas


A HRT e a sua parceira TNK-Brasil informaram nesta segunda-feira que firmaram protocolo de intenções com a Petrobras para monetização do gás encontrado pelas companhias na bacia do rio Solimões (no Amazonas). O objetivo da parceria é "integrar esforços para avaliar a viabilidade técnica, econômica, ambiental, financeira, jurídica, regulatória e tributária para a implementação da monetização do gás natural vinculado às concessões em áreas contíguas ao Campo de Juruá", disse a HRT em fato relevante. Segundo a companhia, um plano de trabalho será elaborado em até 30 dias. Esse plano definirá as atividades e cronogramas referentes ao projeto. O protocolo, assinado pelos presidentes da Petrobras, Maria das Graças Foster; da HRT, Marcio Mello, e da TNK-Brasil, George Michael Morgan, tem prazo de vigência de seis meses, podendo ser prorrogado mediante aditivo, e não acarreta obrigação de firmar negócios futuros, segundo as companhias. Na manhã desta segunda-feira, antes de enviar o fato relevante ao mercado, a HRT havia informado em comunicado que vinha conversando com algumas empresas, incluindo a Petrobras, sobre a viabilidade da monetização do gás natural da bacia do Solimões. A petroleira brasileira tem realizado várias descobertas de gás na região, mas ainda precisa de maneiras de escoar a produção. Uma dificuldade é a grande distância da produção dos centros consumidores. A Petrobras já possui infraestrutura para transportar a produção de Urucu, também no Amazonas, e poderia compartilhar gasodutos com a HRT. A HRT havia dito anteriormente que sua meta é ter definida uma estratégia para monetização do gás natural da Bacia do Solimões até o fim de 2013. Executivos da HRT e da sua sócia anglo-russa TNK-BP reavaliaram a bacia do Solimões e decidiram diminuir temporariamente o número de sondas de exploração em operação de quatro para duas.

Azul tentou decolar com meia pista em Viracopos, mas foi impedida pela Anac


A Azul Linhas Aéreas, empresa mais prejudicada pela interdição do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, no interior de São Paulo, tentou fazer decolagens usando apenas metade da pista, mas foi desautorizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pela Infraero pouco depois de chamar os passageiros para o embarque, ao meio dia, nesta segunda-feira. O aeroporto ficou com sua única pista bloqueada desde as 20 horas de sábado, quando um cargueiro vindo de Miami interditou a passagem depois de um pouso mal sucedido, quando o pneu estourou e a aeronave ficou presa na cabeceira da pista. A Azul, responsável por 95% dos vôos de Viracopos, foi obrigada a cancelar 450 viagens até as 15 horas, segundo balanço oficial da Infraero. Mais de 25 mil passageiros foram afetados e a empresa somou dezenas de milhões de reais por dia em perdas. A Azul ficou com 15 aeronaves presas nos terminais, um terço de todos os seus jatos.

Ditadura de Cuba condena espanhol a quatro anos de prisão


Um tribunal cubano condenou a quatro anos de prisão o espanhol Angel Carromero, motorista do veículo que bateu e causou a morte dos dissidentes Oswaldo Paya e Harold Cepero. A corte considerou que o acidente aconteceu "em consequência da conduta imprudente de Carromero", reportou o site estatal Cubadebate. O espanhol, dirigente do conservador Partido Popular da Espanha, conduzia o carro que em 22 de julho derrapou em uma via sem pavimento e chocou-se com uma árvore. Autoridades acusaram Carromero de excesso de velocidade e de ignorar as placas de aviso. A promotoria pedia sete anos de prisão. Ele viajou ao país para encontrar e ajudar membros da comunidade dissidente. O caso ganhou relevância internacional por causa da morte de Payá, célebre opositor de 60 anos que na década passada encabeçou um projeto de referendo para estabelecer o pluripartidarismo na ilha. Os advogados de Carromero afirmaram que é impossível saber com certeza a velocidade do veículo na hora do acidente e que a sinalização era ruim, somente sendo melhorada após a batida. Cuba chama os dissidentes de "mercenários" e acusa-os de tentarem minar o sistema comunista do país.

Economistas dos Estados Unidos ganham Prêmio Nobel por teoria de combinação


Os programas de transplante de rins que salvam vidas são apenas uma das aplicações práticas das teorias de combinação de mercado pelas quais os economistas norte-americanos Alvin Roth e Lloyd Shapley foram agraciados com o Prêmio Nobel de Economia de 2012 nesta segunda-feira. Combinar alunos com escolas e empregadores com pessoas em busca de emprego são outros exemplos de como Roth, de 60 anos, e Shapley, de 89 anos, aplicaram separadamente a teoria dos jogos para a vida diária. A Real Academia Sueca de Ciências, que concede o prêmio de 8 milhões de coroas (1,2 milhão de dólares), chamou o trabalho deles de um exemplo notável de engenharia econômica. Tore Ellingsen, um membro do comitê do Nobel e professor na Escola de Economia de Estocolmo, disse que a questão central quando os recursos são escassos é quem recebe o quê. "Qual trabalhador recebe qual trabalho? Que aluno vai para qual escola? Qual paciente tem acesso a qual órgão para transplante? A teoria da combinação explica como os resultados dependem do procedimento de combinação escolhido", disse Ellingsen. A citação do prêmio afirmou que Shapley, professor emérito da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, tinha usado a teoria dos jogos para comparar vários métodos de combinação e certificar que as combinações eram aceitáveis para todas as partes. Roth deu seguimento aos resultados de Shapley em uma série de estudos empíricos. Roth, que estava dormindo quando foi feita a ligação de Estocolmo e perdeu a primeira chamada, disse que o prêmio era inimaginável e inesperado: "Certamente é esperado que Lloyd Shapley deva ganhar o prêmio. Teria sido um descuido grave se ele não o ganhasse. Então, eu estou feliz de compartilhar isso com ele". Ele descreveu seu trabalho como estudar o "cortejo" de muitos tipos: "Combinar... tem a ver com como você consegue as coisas que não pode apenas escolher, mas também tem que ser escolhido", disse ele. O prêmio de economia, oficialmente chamado de Prêmio Sveriges Riksbank em Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel, foi criado pelo banco central da Suécia em 1968. Não fazia parte do grupo original de prêmios, para as ciências e promoção da paz, que foi estabelecido no testamento do magnata dos diamantes Nobel, em 1895. Roth é cofundador do Programa da Nova Inglaterra para Transplante de Rins, que se baseia na teoria da combinação de mercados para combinar doadores de rins compatíveis e recebedores.

MINISTÉRIO PÚBLICO GAÚCHO AGE COM GRANDE PRESTEZA E JÁ DENUNCIA NA JUSTIÇA ASSASSINO DA RUA RAMIRO BARCELOS

Luís Antônio Portela

O Ministério Público do Rio Grande do Sul denunciou por latrocínio (matar para roubar) Cristiano Beretta Machado, de 26 anos. A vítima foi Paulo Roberto Rosa de Oliveira e o crime aconteceu na noite de 9 de setembro deste ano, na rua Ramiro Barcelos, em Porto Alegre. Conforme a denúncia, assinada pelo promotor de criminal Luís Antônio Portela, o autor do crime é reincidente, o que constitui em um agravante. O denunciado Cristiano Beretta Machado também deve responder por um assalto praticado horas antes no bairro Rubem Berta, no qual junto com um comparsa não identificado roubou, mediante ameaça de revólver, um veículo Renault Clio, dinheiro e um notebook. O denunciado, que se encontra recolhido na Penitenciária Estadual do Jacuí, foi reconhecido pela vítima. A dupla abordou Paulo Roberto de Oliveira e a esposa, Sandra Marçal da Rocha, que saíam do automóvel Ford Focus. À mulher, os assaltantes pediram para que não tirasse nada do veículo. Já a Paulo Roberto, o denunciado exigiu as chaves do carro. Quando entregava as chaves, Cristiano Beretta Machado atirou na cabeça do motorista que, ao cair no chão, recebeu mais dois tiros. A vítima não havia reagido ao assalto e morreu. Duas testemunhas reconheceram Cristiano Machado como sendo o autor dos disparos.

JORNALISTA ARGENTINO CRÍTICO DO CHAVISMO É DETIDO NA VENEZUELA PELA POLÍCIA POLÍTICA DO DITADOR HUGO CHÁVEZ


O jornalista argentino Jorge Lanata, um dos principais nomes da imprensa argentina teve suas reportagens apagadas de todos os computadores de sua equipe pela polícia política do ditador Hugo Chávez. Um dos mais conhecidos jornalistas da Argentina, colunista do jornal Clarín e apresentador do programa "Periodismo para Todos" (Jornalismo para Todos) no canal El Trece, Jorge Lanata foi detido no final da tarde desta segunda-feira no aeroporto de Caracas, quando se preparava para voltar a Buenos Aires. Lanata e sua equipe foram levados por agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional) ao subsolo do aeroporto, onde foram interrogados por cerca de duas horas. Segundo o jornalista, o material jornalístico que existia em computadores, tablets e celulares carregados por ele e sua equipe de produção foi apagado. "Apagaram tudo", disse Lanata antes regressar à Argentina: "Foi insólito. Nos acusaram de espionagem. Nos interrogaram, principalmente eu e Nicolás Wiñazki (jornalista do Clarín). Examinaram exaustivamente os equipamentos e recolheram nossos passportes". Detido por volta das 16h30 (18 horas em Brasília), o grupo só foi liberado para pegar o avião de volta a Buenos Aires pouco antes das 19 horas locais. Jorge Lanata e sua equipe estavam na Venezuela desde a semana passada para cobrir a eleição presidencial de 7 de outubro, na qual Hugo Chávez conquistou seu quarto mandato. Crítico contumaz do autoritarismo do caudilho venezuelano, e também da administração da peronista populista muito incompetente Cristina Kirchner, Lanata exibiu neste final de semana na TV argentina uma reportagem especial sobre o enriquecimento da família Chávez desde sua chegada ao poder, 14 anos atrás.  O programa mostrou a evolução patrimonial de parentes e pessoas próximas a Hugo Chávez, além dos diferentes cargos que ocuparam ao longo do tempo. Em uma entrevista do ex-deputado chavista Rafael Jiménez, o clã foi denunciado por corrupção. "Os carros, os luxos, as casas. A maneira como eles mudaram dramaticamente seu modo de vida é uma coisa que está à vista de todos", disse o antigo parlamentar. Horas depois do episódio no aeroporto de Caracas, o embaixador da Argentina na Venezuela, Carlos Cheppi, negou que tivesse havido uma detenção. Em entrevista à TV pública argentina, ele afirmou que tudo não passou de um procedimento de rotina e que Lanata havia feito uma "provocação" aos agentes, ao exibir uma "pasta" do serviço de inteligência chavista. Cheppi também negou que dados da equipe do jornalista tivessem sido apagados. "Quando nós atuamos, rapidamente o liberaram e me asseguraram que os dados não foram subtraídos nem apagados", declarou o embaixador, que disse ter conversado com o ministro do Interior da Venezuela, Tareck el Aissami.

Irã apresenta proposta de transição na Síria com Assad no poder


O Irã propôs ao emissário internacional Lakhdar Brahimi um "período de transição" na Síria sob supervisão do presidente Bashar Al Assad. Brahimi foi escolhido pela ONU e pela Liga Árabe como mediador do conflito sírio. A proposta foi feita durante a vista de Brahimi a Teerã, cujo governo é o principal aliado do regime sírio. O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, sugeriu "um período de transição que culmine em eleições presidenciais e legislativas, tudo sob supervisão do presidente Assad". O ministro iraniano acrescentou também proposta de cessar-fogo, o fim do envio de armas e de apoio aos grupos terroristas e a organização de um processo de diálogo nacional entre a oposição e o governo. Segundo ele, a Síria concorda com a proposta. De acordo com o site oficial do governo iraniano, o próprio ditador do Irã, o nazista islâmico Mahmoud Ahmadinejad, afirmou que está "pronto a cooperar e a fornecer ajuda para que o povo sírio possa encontrar a calma e a segurança". A violência na Síria já provocou pelo menos 33 mil mortos desde o início da revolta contra o regime, em março de 2011.

Ministro da Agricultura antecipa que presidente Dilma vai vetar alguns pontos da MP do Código Florestal


Sem antecipar detalhes ou números, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, disse nesta segunda-feira que a presidente Dilma Roussef vai vetar poucos pontos do projeto de lei que altera a Medida Provisória do Código Florestal. O texto foi aprovado há 20 dias pelo Senado Federal. Segundo Mendes Ribeiro Filho, o decreto que será publicado nos próximos dias para regulamentar a legislação terá poucas surpresas. “O decreto tira a discussão sobre a matéria e não causa surpresa. São assuntos que estão sendo encaminhados como foram desde o primeiro momento”, disse. Apesar de declarar que o objetivo é esclarecer pontos do texto, o ministro Mendes Ribeiro Filho sinalizou que as questões referentes às áreas de preservação permanentes (APPs) em margens de rios e de nascentes, alteradas pelos parlamentares, devem ser revistas com o decreto. Os parlamentares da comissão modificaram a chamada “escadinha” proposta pelo governo federal, que estabelecia quanto das margens de rios desmatadas deveriam ser replantadas de acordo com o tamanho da propriedade. “A escadinha foi uma coisa que o governo discutiu com a sociedade, em que colocou a prioridade de questões que poderiam atender ao interesse do produtor e o que o governo entendia como necessário”, disse o ministro.

Avião quebrado é retirado da pista de Viracopos


O avião cargueiro MD-11, da companhia norte-americana Centurion, foi retirado no final da tarde desta segunda-feira da pista do Aeroporto Internacional de Viracopos (Campinas). O avião que quebrou durante um pouso no último sábado, estava impedindo o uso da pista. A demora para a remoção, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), decorreu da complexidade da operação, já que a aeronave danificada pesa 130 toneladas e tem 19 toneladas de combustível. Segundo a Infraero, a pista será liberada somente após uma avaliação técnica das condições do pavimento. Foram cancelados mais de 400 vôos previstos para pousar ou decolar do aeroporto desde a noite de sábado, quando houve o incidente. De acordo com a Azul Linhas Aéreas, companhia aérea que responde por cerca de 85% das operações em Viracopos, o incidente forçou o cancelamento de mais de 450 vôos da empresa, programados até as 17 horas. A Infraero e a Centurion iniciaram os trabalhos de remoção da aeronave da pista ainda na noite de sábado. A empresa norte-americana passou a manhã de domingo fazendo a retirada da carga de 67 toneladas de componentes eletrônicos.

PMDB é o maior partido do Rio Grande do Sul, mas perdeu 9% dos eleitores


Do jornalista Políbio Braga - As equações usadas para indicar quais os partidos que se saíram melhor nas eleições municipais do Rio Grande do  Sul devem ser bem pensadas. É que conjuntos de vitórias para prefeito não permitem aferir a força de cada legenda, porque existem coligações poderosas, como as de Porto Alegre, nas quais a força dos aliados é até maior do que a do partido líder, e no entanto a soma dos votos vai somente para ele. Foi por isto que o professor Newton Braga Rosa, professor do Instituto de Informática da Ufrgs, montou o quadro dos resultados apurados para cada vereador do Estado, visando demonstrar a votação de cada partido. Neste caso, sobre os 6,1 milhão de votos válidos, os dez maiores foram: PMDB, 1,1 milhão, 18%; PP, 989,8 mil, 16%; PT, 921,4 mil, 15%; PDT, 850,2 mil, 155%; PTB, 584,5 mil,10%; PSB, 363,9 mil, 6%; PSDB, 356,1 mil, 6%; PPS, 173,9 mil, 3%; PCdoB, 156,4 mil, 3%; DEM, 161,6 mil, 3%; PRB, 94,5 mil, 2%. Outros 17 partidos fizeram votos. O 11º é o novato PSD, de Kassab, que fez 64,3 mil votos, praticamente empatado com o PV. O discutido PSOL fez 53 mil votos. Em último lugar, com apenas 894 votos, surgiu o PCB. São os maiores. E quais os que mais somaram ou perderam eleitores? Considerando-se que o eleitorado teve um crescimento de 6% entre 2008 e 2012, e cotejando uma eleição com a outra, já devidamente ajustados os números para aferir o avanço ou a perda real, eis os resultados: 1) Os que mais cresceram - PCdoB, 43%; PSB, 30%; PRB, 27%; PT, 6%; PDT, 2%; 2) Os que mais perderam - DEM, 30%; PSDB, 24%; PMDB, 9%; PP, 4%; PPS, 4%; PTB, 3%. É claro que avanços como os do PCdoB, PSB e PRB, influem pouco sobre o futuro eleitoral, porque cada um deles tem fatia muito diminuta do eleitorado, o mesmo acontecendo com perdas de nanicos como DEM ou PPS. No pelotão de frente, as perdas de eleitores do PMDB, PP e PTB são significativas, como são expressivos os avanços do eleitorado do PT e do PDT, apesar dos efeitos do Mensalão do PT.

PSDB fica do tamanho do PSB no Rio Grande do Sul


Mesmo tendo perdido 24% dos seus votos nas eleições municipais, o PSDB iguala-se ao lustroso PSB, ambos com 6% do eleitorado gaúcho, o que os situa na categoria dos pesos-médios. Apesar do mau desempenho, os tucanos conquistaram posições importantes, como as prefeituras de São Leopoldo, Viamão e Uruguaiana, disputando o segundo turno em Pelotas. Além disto, a bancada estadual terá seu sexto membro a partir de janeiro, já que sairá Luciano Azevedo,eleito prefeito de Passo Fundo, e entrará Elizabeth Sanfelice. Azevedo, PPS, abriu vaga para a tucana porque integrou coligação na proporcional com o PSDB.

Joaquim Barbosa absolve Duda Mendonça e Zilmar Fernandes de parte da imputação de lavagem de dinheiro


O relator do processo do Mensalão do PT, ministro Joaquim Barbosa, votou pela absolvição do publicitário da campanha de Lula em 2002, Duda Mendonça, e de sua sócia Zilmar Fernandes, pela acusação de lavagem de dinheiro relativa a cinco saques no Banco Rural. Duda e Zilmar são acusados de lavagem e evasão de divisas pelo dinheiro recebido no Exterior. Joaquim Barbosa entendeu que, apesar de terem se beneficiado do mecanismo de lavagem de dinheiro disponibilizado pelo Banco Rural e por Marcos Valério, o publicitário Duda Mendonça e sua sócia poderiam não ter conhecimento que o dinheiro recebido era proveniente de crimes: “Entendo que há dúvida razoável sobre se Duda e Zilmar tinham conhecimento dos crimes antecedentes”. O relator destacou ainda que a própria Zilmar realizou os cinco saques no montante de R$ 1,4 milhão disponibilizados pelo esquema. Para o ministro, o objetivo dos publicitários seria apenas receber por serviços prestados ao PT na campanha de 2002: “Ao que tudo indica, o objetivo final de Duda e Zilmar era tão somente o recebimento da dívida dos serviços publicitários que prestaram”. Joaquim Barbosa afirmou que não há como comprovar a prática de lavagem de dinheiro. Afirmou que pode ter havido sonegação fiscal, mas que isso não foi denunciado pelo Ministério Público. O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Carlos Ayres Britto, abriu nesta segunda-feira a 36ª sessão de julgamento do Mensalão do PT. Houve uma mudança de última hora no cronograma previsto. A sessão recomeçou com o voto do ministro relator, Joaquim Barbosa, sobre os crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas cometidos pelo publicitário Duda Mendonça e a sócia dele, Zilmar Fernandes. A dupla é acusada pelo Ministério Público Federal de ter recebido recursos ilegalmente do esquema operado por Marcos Valério, fora do País. O dinheiro, R$ 10 milhões, seria, segundo admitiu Duda Mendonça à CPI dos Correios em 2005, pagamento da dívida da campanha presidencial de Lula. O julgamento seria retomado com o voto do ministro Gilmar Mendes, o oitavo a se manifestar no capítulo em que seis réus são acusados no processo por lavagem de dinheiro. Ocorre que Gilmar Mendes e Celso de Mello, que votaria em seguida, não haviam chegado ainda ao plenário quando começou a sessão. Joaquim Barbosa, no entanto, condenou Duda Mendonça e Zilmar Fernandes por esse crime em razão de outras operações. Os publicitários também foram absolvidos do crime de evasão de divisas, mas Barbosa deixou claro que pode mudar o seu voto a depender do entendimento do colegiado. A primeira acusação de lavagem, pela qual eles foram absolvidos, se refere a cinco retiradas de agência do Banco Rural que totalizaram R$ 1,4 milhão em espécie. A segunda acusação de lavagem de dinheiro, que resultou na condenação, se refere a 53 operações de envio de recursos para o Exterior por meio da offshore Dusseldorf, de propriedade de Duda Mendonça. Marcos Valério, seu sócio Ramon Hollerbach, além de Simone Vasconcelos, ex-diretora das agências do grupo, foram condenados por evasão de divisas. Também foram condenados pelo delíto a ex-presidente do Banco Rural, Kátia Rabello, e o ex-vice-presidente, José Roberto Salgado. Foram absolvidos dos crime de evasão de divisas Cristiano Paz, Vinicius Samarane e Geiza Dias. A lavagem de dinheiro é delito que consiste em tentar dar aparência de legalidade a dinheiro proveniente de atividade criminosa, enquanto evasão de divisas significa realizar operação de câmbio não autorizada com o objetivo de tirar dinheiro do País.  De acordo com o Ministério Público, os dez réus no item da denúncia que trata de evasão de divisas enviaram de modo ilegal para Miami R$ 11 milhões recebidos do PT por Duda Mendonça. Ao ler o voto, o ministro Joaquim Barbosa ressaltou que a sócia de Duda Mendonça, Zilmar Fernandes, sacou em cinco vezes  o valor  de R$ 1,4 milhão em espécie no Banco Rural. Barbosa citou depoimento de Marcos Valério, apontado como o operador do esquema de compra de votos no Congresso, no qual Valério destaca que o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, determinou que ele fizesse repasse de recursos a Duda Mendonça. O relator afirmou, contudo, que não há provas de que o publicitário e Zilmar Fernandes sabiam da ocultação de dinheiro. Por conta disso, absolveu-os da acusação de lavagem de dinheiro. O relator disse ainda que Zilmar e Duda podem ter praticado sonegação de tributos, mas não lavagem.

Congresso se omite e Fundo de Participação dos Estados corre risco de ser congelado


O Congresso tem prazo até o final do ano para aprovar novas regras de repartição do Fundo de Participação dos Estados. Não fará isto. Assim, ficarão congelados os 21,5% dos recursos da arrecadação do IPI e do IR destinados aos Estados. É inacreditável a atitude dos congressistas, parece que eles estão vivendo no mundo da Lula.

Obra com a marca da Delta


A concorrência que escolheu a Delta para erguer um prédio do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro foi “direcionada” e “com indícios de fraude fiscal”. É o que revela um contundente relatório do Conselho Nacional de Justiça. O contrato de 174,8 milhões de reais, assinado em 2010 pelo então presidente do Tribunal de Justiça, Luiz Zveiter, e aditivado quatro vezes pelo sucessor, Manoel dos Santos, é questionado do início ao fim. O Conselho Nacional de Justiça afirma que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro foi “tendencioso” ao exigir atestados extremamente específicos no edital. Pior: o edital nunca foi analisado pela área técnica do tribunal. Depois de vencer a concorrência, as facilidades da empresa de Fernando Cavendish cresceram ainda mais: mesmo sem qualquer acréscimo na obra, a Delta foi agraciada com aditivos superiores a 23% entre 2010 e 2012. Até o pagamento de impostos foram sonegados. O Conselho Nacional de Justiça deu 15 dias para o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro explicar as irregularidades no contrato com a empreiteira Delta. Após o prazo, o Conselho Nacional de Justiça decidirá se abre processo administrativo e criminal. A ministra Eliana Calmon iniciou a investigação em maio.

Azul foi obrigada a cancelar 148 vôos devido a fechamento do aeroporto de Viracopos


A Azul cancelou 148 vôos previstos para este domingo no aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior de São Paulo, devido ao fechamento do aeroporto desde as 20 horas de sábado em razão de problemas no pouso de um avião cargueiro que ainda interdita a pista para pousos e decolagens. Segundo a Infraero, ainda não há previsão de reabertura do aeroporto. A empresa responsável pela aeronave, a americana Centurion Cargo, estimava que até o final da noite deste domingo o avião fosse retirado do local, o que não ocorreu. De acordo com o diretor-geral da Centurion, Vanderlei Morelli, o cargueiro MD11, que vinha de Miami, pousou às 19h55 em Viracopos, quando apresentou problemas no trem de pouso, que travou. O avião percorreu toda a pista e ficou parado no final dela.

Inflação se espalha e alta de preços já atinge dois terços de produtos


A recente alta da inflação, que chegou a 0,57% em setembro, foi atribuída principalmente aos efeitos da seca nos Estados Unidos sobre o preço dos alimentos. Mas especialistas perceberam uma tendência mais preocupante no resultado do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). A alta dos alimentos não é fenômeno isolado e passageiro. Segundo alguns economistas, a pressão inflacionária está se espalhando e atingindo um número cada vez maior de produtos e serviços. Como a economia voltou a crescer, aumentou o risco de que a inflação suba de patamar ou fique em um nível elevado por muito tempo, mesmo se os preços dos alimentos caírem. Enquanto o Brasil ainda discute o marco regulatório para a exploração do petróleo da camada do pré-sal, cuja descoberta foi anunciada em 2008, uma verdadeira revolução energética está ocorrendo no mundo, embalada pelo aumento da produção do chamado gás natural não convencional em países como Estados Unidos e China. Só nos Estados Unidos, o avanço de 45% na produção nos últimos seis anos reduziu seus preços para US$ 3,00 por milhão de BTU (medida internacional do gás). No Brasil, o valor cobrado pela Petrobras fica entre US$ 10,00 e US$ 11,00.

Collor paga três funcionários particulares com dinheiro público


Acemilton Gonçalves da Silva não precisa bater ponto, mas é um trabalhador pontual. Todo dia, por volta das 8 da manhã, dá início a sua exaustiva jornada de trabalho. Acemilton é jardineiro, mas, se preciso, quebra uma como encanador e eletricista. Ele detém uma das funções mais delicadas da República: manter a boa aparência dos célebres e exuberantes jardins da Casa da Dinda, residência da família Collor de Mello desde a década de 1960 e atual morada do senador Fernando Collor (PTB-AL) em Brasília. São jardins inesquecíveis, especialmente para os contribuintes. Durante o curto período de Collor na Presidência da República, entre 1990 e 1992, os jardins da Dinda receberam cascatas e lagos artificiais. A obra foi calculada na ocasião em cerca de US$ 2,5 milhões. Dinheiro não era problema naquele tempo. Os recursos haviam sido fornecidos pelo ex-tesoureiro de campanha de Collor, Paulo César Farias, o PC, que os arrecadara com empresários que dependiam do governo. As fotos do local entraram para a história como um dos indícios de corrupção que, meses depois, derrubariam Collor. Há dez dias, Acemilton, como de hábito, chegou à Dinda pontualmente às 8 horas e estacionou seu Golzinho num imóvel em frente à casa. Quando buzinou para que abrissem o portão, foi informado da presença de um fotógrafo da revista ÉPOCA nas imediações. Acemilton deu meia-volta, parou o carro longe da calçada e entrou às carreiras na Casa da Dinda. Vestia um macacão marrom e calçava botas. Meia hora depois, apareceu atrás de um arbusto, espiando o movimento na rua. Mineiro, de 47 anos, Acemilton é um homem simples. Tem consciência de que sua situação é irregular. Acemilton trabalha de macacão, mexe na terra com pás e usa tesouras de poda, mas, para o Senado, não é um jardineiro. É assistente parlamentar no gabinete do senador Collor, designado pela sigla burocrática AP08, com salário de R$ 2.200,00 mensais. Acemilton, portanto, é empregado doméstico de Collor. Mas quem paga seu salário é o Senado.

Barco com ativistas pode ser interceptado por Israel


O governo da Finlândia informou no sábado que Israel avisou que vai adotar ações contra um barco carregando ativistas internacionais pró-Palestina que planeja furar um bloqueio naval imposto à Faixa de Gaza. "Israel disse que vai adotar ações para impedir o barco de atracar se ele tentar furar o bloqueio. Nós avisamos que se trata de um barco civil e pedimos que eles sejam prudentes em qualquer ação que forem tomar", afirmou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores finlandês, Risto Piipponen. O barco sueco Estelle, com bandeira finlandesa, deixou Nápoles, na Itália, em sete de outubro, com 20 pessoas de oito países à bordo, carregando itens que incluem cimento, bolas de basquete, instrumentos musicais e equipamento de luz para teatro. Israel impôs um bloqueio a Gaza após terroristas islâmicos do Hamas tomarem o controle da região em 2007, das mãos do rival Fatah. Em setembro de 2011, um relatório divulgado pelas Nações Unidas expôs a legalidade do bloqueio naval, classificando a ação de "medida legítima de segurança".

Abandono em massa


Da jornalista Dora Kramer - São impressionantes os números que traduzem a opção preferencial de boa parte do eleitorado pelo silêncio diante das urnas municipais: 25% dos brasileiros e 30% dos paulistanos anularam, deixaram o voto em branco ou simplesmente se abstiveram. Somados, são 35 milhões de eleitores voluntariamente apartados do processo de escolha. Em São Paulo foram 2,4 milhões e ultrapassaram a votação dos dois primeiros colocados: José Serra (1,8 milhão) e Fernando Haddad (1,7 milhão). Um contingente considerável. Digno de chamar atenção dos partidos que, no lufa-lufa dos preparativos para as disputas do segundo turno, não têm dado importância ao assunto. Pelo menos não falam disso como seria de se esperar, tendo em conta a necessidade dos candidatos pela maior quantidade possível de votos válidos. Talvez para 2012 seja tarde para reagir e dar uma resposta a essa legião que arranja seu próprio jeito de escapar da imposição (antiquada) do voto obrigatório. Na prática, vota quem quer. A obrigatoriedade só serve para dar mais trabalho a quem não quer. Contudo, fosse o voto facultativo, a ausência não seria ainda maior? Provavelmente. Mas pelo menos os partidos não teriam garantida uma reserva de mercado. Os políticos precisariam trabalhar mais, se comportar melhor e dar ouvidos à opinião pública na entressafra dos períodos eleitorais se quisessem assegurar presença razoável do público na hora de votar. Claro que o distanciamento entre representantes e representados não decorre da obrigatoriedade do voto. A crescente indiferença é sintoma de algo muito maior. Problema de diagnóstico conhecido e solução sempre apontada na direção da reforma política.

Aloizio Mercadante pode substituir Ideli


No rearranjo de forças para enfrentar a disputa em São Paulo abrindo espaço para o PMDB com Gabriel Chalita no ministério da Educação, o ministro Mercadante poderá ocupar a secretaria de Relações Institucionais, no lugar de Ideli Salvatti (Relações Intitucionais). Ministro da lista de “favoritos” de Dilma, virou uma espécie de “coringa” nas reformas do governo: já ocupou a Ciência e Tecnologia e acabou na Educação. Ao contrário de Mercadante, que é economista, Gabriel Chalita, que ficou em terceiro lugar  na disputa à prefeitura paulista , é professor, com mais de duas centenas de livros. Ele escreve livros como uma cozinheira descasca batatas. Dilma estuda também a opção de dar ao ministro a Secretaria Geral da Presidência da República, de Gilberto Carvalho, íntimo de Lula e insatisfeito no posto.

Manifestantes aplaudem atuação do STF no julgamento do Mensalão do PT


Manifestantes se reuniram na sexta-feira em frente ao Supremo Tribunal Federal para aplaudir a atuação da Suprema Corte no julgamento do processo do Mensalão do PT. Um grupo de manifestantes cantou o Hino Nacional ao mesmo tempo em que soltava balões e apresentava faixas com frases anticorrupção, como "O Brasil mudou!", "A pizzaria fechou!". O bancário Rodrigo Montezuma, organizador do evento, explicou que o grupo é apartidário e começou o movimento nas redes sociais.

Alas do PT pressionam Tarso Genro para troca de secretário da Segurança Pública


A especulação sobre a substitutição do secretário de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul, o petista Airton Michels, já desencadeou uma luta entre as dezenas de correntes políticas existentes dentro do PT. A cogitação mais forte é de que ele será substituído pelo recém eleito vereador petista Alberto Kopittke, que foi o candidato do peremptório governador petista Tarso Genro. Michels disse que não sabia de nada e que não iria correr atrás para descobrir. Alberto Kopittke foi eleito vereador de Porto Alegre com 5,2 mil votos. Sua eventual nomeação poderia permitir que o primeiro suplente assuma o mandato, o vereador Adeli Sell (presidente do partido em Porto Alegre), que não conseguiu se reeleger.

Superlotação deixa pacientes indignados em unidade de saúde de Porto Alegre


A recém-inaugurada Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Moacyr Scliar, na zona norte de Porto Alegre, foi palco de protestos de pacientes devido à superlotação na sexta-feira. Às 16h20min, mais de 60 pacientes aguardavam atendimento, alguns deles desde a parte da manhã. A média de espera para os casos menos graves era de cinco a seis horas. "Tem cachorro sendo melhor tratado do que nós", reclamou o aposentado Carlos Henrique Ferreira, 73 anos, morador do bairro Jardim Itu-Sabará. Representantes do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) foram ao local verificar o que ocorria. A situação alarmou a diretora do Simers, Clarissa Bassin: "Estou muito preocupada. Temo que isso vire um caldeirão". O problema é a falta de médicos. O posto tinha apenas três médicos prestando atendimento, quando deveriam ser pelo menos oito. A assessoria jurídica do Simers estuda medidas legais a tomar. A UPA da Zona Norte é gerida pelo Grupo Hospitalar Conceição (GHC). De acordo com o gerente de Pacientes Externos do Conceição, Robinson Menezes do Amaral, um problema no esgoto da sala de observação do hospital agravou a situação. O local, com capacidade para cem pacientes, teve de ser esvaziado. Os casos mais graves ficaram no Conceição, e os demais foram orientados a procurar os postos de saúde. A maioria acabou indo até a UPA.

CNJ quer explicação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por obra da Delta


O Conselho Nacional de Justiça deu 15 dias para o Tribunal de Justiça do Rio explicar supostas irregularidades no contrato com a empreiteira Delta, suspeita de ligação com o contraventor Carlinhos Cachoeira: a reforma de R$ 174, 9 milhões do prédio do Tribunal de Justiça, assinada em 2010, é a mais cara das três com a finada empresa de Fernando Cavendish. O CNJ questiona aditivos e a falta de pagamento de tributos federais. Após o prazo, o CNJ decidirá se abre processo administrativo e criminal. A ministra Eliana Calmon iniciou a investigação em maio. Na época, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Manuel Alberto Rebêlo, informou à ministra que os contratos eram fiscalizados pelo Tribunal de Contas.