sexta-feira, 26 de outubro de 2012

CLIMA POLÍTICO FERVENDO EM ESTÂNCIA VELHA

Waldir Dilkin
O prefeito de Estância Velha, empresário do ramo de curtumes Jose Waldir Dilkin (PSDB), recentemente reeleito, não vai ter vida fácil. Na manhã desta sexta-feira explodirá uma forte denúncia contra ele. E o promotor local, Marcelo Tubino, já foi acionado. O prefeito José Waldir Dilkin tem tido iniciativas absolutamente inacreditáveis, incompreensíveis e inaceitáveis. Uma delas foi contratar como procuradora do município de Estância Velha a advogada Márcia Elisa Bitarello. Qual é o problema com esta advogada? Bem, o grande problema é que ela é advogada do vereador petista Luis Carlos Soares, vulgo "Viramato". E este petista é réu em processo crime. Como vereador e presidente do PT, ele se reuniu com o pistoleiro Alexandro Ribeiro, que foi contratado para matar "inimigo" da administração do então prefeito petista Elivir Desiam, conhecido como "Toco". O inimigo a ser morto era o então secretário-geral do PSDB na cidade, jornalista Mauri Martinelli, que escrevia coluna no jornal O Minuano e denunciava maracutaias da administração petista. O atentado foi consumado na noite do dia 17 de agosto de 2006. O pistoleiro, hoje já condenado e pagando pena na Penitenciária de Alta-Segurança de Charqueadas, descarregou o pente de 15 balas de uma pistola austríaca Glock 380. Cinco balas se alojaram no corpo de Mauri Martinelli, que não morreu por um acaso. Testemunhas da reunião para contratação do pistoleiro denunciaram o vereador petista e presidente do PT, Luis Carlos Soares, o Viramato, e ele foi indiciado pelo promotor Marcelo Tubino, junto com ex-secretário do prefeito petista Toco, Jaime Schneider. O processo está com a juíza Rosali Libardi, que encerrou a fase de instrução e deve mandar a quadrilha inteira a juri popular. Viramato não conseguiu se reeleger vereador no dia 7 de outubro. Viramato é tido como inimigo político do prefeito José Waldir Dilkin e da sua administração, tanto que apresentou várias denúncias contra a administração tucana, em especial por causa de obras e contratos no setor de Habitação. Nesta área ele trava uma luta quase pessoal contra a coordenadora do setor, Sônia Cardoso. Mas, tem coisa mais inacreditável. Há poucos dias aconteceu uma invasão de aproximadamente 20 casas populares. Informações de fontes locais asseguram que a invasão foi coordenada por Clarivane do Amaral, cabo eleitoral do vereador petista Viramato, e mãe de seu assessor Maicon Dallasanta. E aí vem o arremate: a procuradora do município, a advogada Márcia Elisa Bitarelo, advogada de Viramato no processo em que ele é acusado de fazer parte da quadrilha que contratou pistoleiro para matar adversário político, ainda não ingressou com ação de reintegração de posse em nome da prefeitura para reaver as casas. Qual a explicação do prefeito Dilkin para essa história? Talvez a Fepam encontre explicações..... quem sabe....