quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Com grande procura, governo de São Paulo aumenta número de leitos para usuários de drogas


Em dois dias, o número de pessoas que procuraram o Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod), no centro da capital paulista, foi além do dobro que a unidade costumava atender em uma semana. Foram atendidas 80 pessoas nas segunda e terça-feiras, quando a média é de 30 atendimentos semanais. O crescimento da demanda, decorrente do início do projeto do governo estadual e da Justiça para agilizar internações de dependentes químicos, fez com que o governador Geraldo Alckmin anunciasse nesta quarta-feira o aumento dos leitos destinados a esse tipo de tratamento, de 691 para 757. "Vamos aumentar os leitos de retaguarda na rede estadual e também na rede contratada. Serão 44 já agora e mais 22 já na semana que vem", anunciou o governador, após visitar o Cratod na manhã desta quarta-feira. Ele negou que estejam faltando vagas para internação: "Ninguém vai ser deixado. Todos estão sendo cuidados, como houve uma corrida, uma demanda grande para cá, as pessoas estão sendo orientadas que os casos ambulatoriais são nos atendidos no Centro de Apoio Psicossocial. Não há hipótese de alguém com autorização judicial, não ser internado", garantiu ele.

Edital publicado pelo BNDES retoma processo de desestatização do IRB-Brasil


Edital publicado nesta quarta-feira no Diário Oficial da União pelo BNDES dá seguimento à retomada da privatização pelo governo Dilma do IRB-Brasil Resseguros (IRB-Brasil Re), autorizada por resolução do Conselho Nacional de Desestatização. O edital estabelece os procedimentos para a viabilização do processo. A privatizasção da empresa  ocorrerá via aumento de capital, em montante equivalente ao mínimo de 2% e ao máximo de 15% de seu capital social. Embora o BNDES seja o gestor do Programa Nacional de Desestatização (PND), a parte operacional do aumento de capital será feita pelo próprio IRB, informou o banco. A União renunciará ao exercício do direito de preferência na subscrição de novas ações. Para efeito de subscrição no aumento de capital, cada ação terá preço de  R$ 2.577, fixado pelo CND. O valor foi obtido com base na avaliação econômico-financeira  da companhia, efetuada pela consultoria PricewaterhouseCoopers, vencedora de licitação com essa finalidade. O trabalho de consultoria foi executado no ano passado. No próximo dia 30 será realizada assembléia pelo IRB para efetuar a conversão das ações preferenciais (PN) em ações ordinárias (ON). Esse é o primeiro passo para o aumento de capital, destacou a assessoria do BNDES. A partir daí, será contado prazo de 30 dias para que os acionistas que não quiserem fazer a conversão possam se manifestar. Ao final de todas as etapas, se saberá o valor necessário para que haja o aumento de capital. A ideia é concluir todo o processo de privatização do IRB-Brasil Re até o final do primeiro semestre deste ano, segundo o BNDES. De acordo com o balanço patrimonial consolidado apresentado pelo IRB-Brasil Re em 31 de dezembro de 2011, o ativo total da companhia alcançava R$ 9,981 bilhões.  O lucro líquido somou no período  R$ 465,83 milhões. Empresa mista, com controle estatal, com atuação no  mercado de resseguro, o IRB foi criado no governo Getulio Vargas, em 1939. A companhia manteve o monopólio do resseguro no País até 2007, quando a Lei Complementar 126 abriu o mercado ressegurador brasileiro. Com isso, o IRB passou a ser  classificado como ressegurador local. Dois leilões foram programados para o IRB em 1999 e em 2000, dentro do Programa Nacional de Desestatização, mas acabaram não ocorrendo, por questionamentos diversos.

Governo aumenta número de blocos de exploração de petróleo que serão licitados em maio


A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) deverá leiloar 289 blocos de exploração de petróleo na 11ª Rodada de Licitação de Blocos Exploratórios de Petróleo, que está marcada para os dias 14 e 15 de maio. Anteriormente, o governo tinha anunciado a licitação de 172 blocos, mas, a pedido da presidenta Dilma Rousseff, o número de blocos ofertados foi ampliado. O total da área que será disponibilizada para exploração na 11ª rodada será de 155.713 quilômetros quadrados (km²), todos fora da área do pré-sal. A expectativa do governo é arrecadar entre R$ 1 bilhão e R$ 10 bilhões pelos bônus de assinatura durante a licitação.  O anúncio foi feito pelo secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Marco Antonio Almeida, após reunião na manhã desta quarta-feira com a presidenta Dilma Rousseff, o ministro Edison Lobão e a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard. Segundo Almeida, o objetivo do governo é aumentar o volume de áreas a serem ofertadas, com foco no aproveitamento de blocos da 8ª rodada, que foi cancelada. As áreas ainda devem ser aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) até o dia 10 de fevereiro. Entre os blocos a serem licitados na 11ª rodada estão 36 em terra, na Bacia de Tucano Sul, na Bahia, que soma 6,4 mil km². Outros seis blocos em águas profundas serão oferecidas na Bacia do Espírito Santo, em uma área de 4,3 mil km². Dez blocos serão licitados na Bacia Pernambuco Paraíba, todos em águas profundas, somando 6,2 mil km². Na Foz do Amazonas, próximo à fronteira com a Guiana, serão licitados 65 blocos em águas rasas e profundas. Almeida anunciou também que a primeira rodada de exploração de petróleo na área do pré-sal, sob o novo regime de partilha, deverá ser realizada nos dias 28 e 29 de novembro, mas os blocos ainda não estão definidos pelo governo. “Algumas áreas estão sendo estudadas, mas ainda não estão definidas quais são as áreas e quantas serão”, disse o secretário. Outra licitação que será realizada pelo governo será a de gás e óleo não convencional, nos dias 11 e 12 de janeiro.

Arrecadação federal em 2012 ultrapassa R$ 1 trilhão, mas cresce abaixo do previsto pela Receita


Pela primeira vez na história, a arrecadação federal em um ano ultrapassou a barreira de R$ 1 trilhão. Segundo números divulgados pela Receita Federal, as receitas da União somaram R$ 1,029 trilhão no ano passado. Apesar desse resultado, o ingresso de recursos ficou abaixo do esperado pelo governo. Em termos nominais, a arrecadação aumentou 6,12% em relação a 2011. Descontando a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no entanto, a alta ficou em 0,7%, abaixo da projeção de 1% de crescimento real divulgada pela Receita Federal. Em dezembro, a Receita arrecadou R$ 103,246 bilhões, crescimento real de 0,96% em relação ao mesmo mês de 2011 e o segundo melhor resultado para o mês, só perdendo para dezembro de 2010, quando o ingresso de recursos tinha somado R$ 105,1 bilhões em valores corrigidos pelo IPCA. De acordo com a Receita, a crise econômica e as desonerações promovidas pelo governo contribuíram para o baixo crescimento da arrecadação no ano passado. Apesar de as vendas de bens e serviços terem aumentado 8% no ano passado e da massa salarial ter subido cerca de 13%, a queda de 2,53% na produção industrial influenciou o resultado. Isso porque o peso da indústria na arrecadação é maior que o dos outros setores da economia.

Financiamento imobiliário com recursos da poupança chega a R$ 82,8 bilhões em 2012


O crédito imobiliário com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE), que usa dinheiro da poupança, aumentou 3,6% em 2012, ao passar de R$ 79,9 bilhões para R$ 82,8 bilhões. O levantamento foi divulgado nesta quarta-feira pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). O percentual ficou bem abaixo do registrado em 2011, quando o crescimento atingiu 42% na comparação com o ano anterior, e 65% entre 2009 e 2010. Segundo a associação, o mercado imobiliário no ano passado foi marcado pelo "aumento das vendas ao mutuário final e pela diminuição de lançamento", que caíram de 1.600 para 1.086 empreendimentos de 2011 para 2012. Com isso, os estoques ficaram em queda, mas com recuperação das ofertas este ano, conforme a Abecip. Do volume total, R$ 54,7 bilhões foram para financiar a compra de imóveis no ano passado, contra R$ 44,7 bilhões em 2011, o que representou alta de 22%. Para o financiamento da construção, foram R$ 28,1 bilhões, ante R$ 35,2 bilhões em 2011. O número de unidades financiadas caiu de 493 mil para 453 mil. O valor médio dos financiamentos subiu de R$ 162 mil para R$ 183 mil. Segundo a associação, a expectativa é expansão do crédito em 15% este ano, chegando aos R$ 95,2 bilhões. Para alcançar o bom desemprenho, a entidade aposta no crescimento de emprego e renda, aumento de 10% no lançamento de imóveis, alta de 5% nas vendas, maior facilidade na obtenção de licenças com as prefeituras para construção e recursos bancários para atender a demanda do crédito imobiliário.

Estado tem prazo de 24 horas para internar paciente


A juíza Ângela Roberta Paps Dumerque, em plantão no Foro Central de Porto Alegre, ordenou ao Estado do Rio Grande do Sul a internação imediata da idosa Maria Geni Alves, no prazo de 24 horas. A autora tem 82 anos e é portadora de síndrome coronária aguda, moradora da cidade de São Sebastião do Caí, onde não há Unidade de Tratamento Intensivo. A paciente, que já está na fila de espera para internações em UTI, precisa receber tratamento o mais rápido possível, pois sua saúde está em risco e seu agravamento pode levar à morte. O Estado tem o prazo de 24 horas para realizar a internação em hospitais públicos conveniados com o SUS. Em caso de descumprimento da medida, a paciente deverá ser direcionada a um hospital privado e os custos serão integralmente arcados pelo réu. A juíza ressalta a urgência do pedido, pois a autora não possui recursos financeiros para custear o tratamento de saúde de que necessita. É dever do Ente Público garantir o direito à saúde consubstanciado na Carta Constitucional em seu artigo 196, destacou a juíza Angela Roberta Paps Dumerque.

Mais dois países embargam carne bovina brasileira


A lista de países com restrições à carne bovina brasileira cresceu com a comunicação feita ao governo brasileiro por Catar e Belarus. Os dois países suspenderam temporariamente as importações, em função da confirmação do caso não clássico de vaca louca anunciado em dezembro do ano passado. Até agora doze países suspenderam as importações de produtos brasileiros. Japão, China, àfrica do Sul, Arábia Saudita, Coréia do Sul, Taiwan, Peru, Belarus e Catar deixaram de comprar carne bovina. Líbano e Jordânia suspenderam as compras apenas do Paraná e o Chile proibiu a farinha de carne de osso. Segundo o Ministério da Agricultura, os países que suspenderam temporariamente as importações representaram cerca de 5% das exportações de carne bovina em 2012 e por isso não devem afetar a balança comercial da pecuária brasileira. Técnicos lembram que após as explicações prestadas junto à Organização de Saúde Animal (OIE) e à Organização Mundial de Comércio (OMC), além da remessa de documentação às autoridades sanitárias dos países compradores da carne bovina, o governo brasileiro intensifica a agenda de encontros presenciais com os governos que interromperam as compras.

Vereadora assume vaga na Câmara de Lajeado do Bugre com apenas um voto


Mesmo recebendo apenas o próprio voto nas eleições de outubro, a candidata Juvina Camargo Duarte (PMDB) conquistou uma cadeira na Câmara de Vereadores de Lajeado do Bugre, no norte do Estado. Ela ficou com a vaga do companheiro de partido, Everaldo da Silva, que desistiu do cargo.
Juvina foi uma dos 17 concorrentes à Câmara, na cidade de quase 2,5 mil habitantes. Aos 33 anos e mãe de três filhos, a agricultora nunca tinha cogitado a vida política. Ela conta que a coligação do partido ao qual é filiada precisava de mulheres para preencher o número mínimo estipulado por lei de candidatas, 30%. Mesmo fazendo campanha e distribuindo santinhos, Juvina recebeu apenas seu próprio voto. Ela justificou a ausência de apoiadores pela falta de recursos financeiros. O único voto, no entanto, a levou a assumir uma das nove vagas no legislativo.

BM busca envolvidos em tiro disparado contra soldado em Porto Alegre


A bandidagem continua fazendo vítimas entre os contingentes policiais em Porto Alegre. Com o objetivo de encontrar as pessoas envolvidas no confronto entre um soldado e um criminoso na manhã desta quarta-feira, a Brigada Militar ocupou o Campo da Tuca, na zona leste da Capital. A intenção também é combater o tráfico de drogas e, segundo o major Alexandre da Rosa, não tinha hora para acabar. Um homem de 31 anos já foi preso, ele possuía antecedentes por assalto, homicídio e posse de entorpecentes. Por volta das 6h15min, após tentar prender sozinho um criminoso, o soldado Marcelo Fogaça Rocha, de 41 anos, do 19º Batalhão de Polícia Militar, foi baleado na barriga com a própria arma, uma espingarda calibre 12. Ele está internado no Hospital São Lucas da PUCRS, em estado gravíssimo. Conforme o comandante em exercício do batalhão, major Alexandre da Rosa, o policial militar foi ferido quando tentava prender Ivan Claudionor Lopes Simões, 32 anos, suspeito de envolvimento com o tráfico, na Rua C, no Campo da Tuca, bairro São José. "O soldado Fogaça e outro colega abordaram o táxi onde estava o suspeito, que carregava um revólver de calibre 38. Ivan desceu do carro e entrou em luta corporal com o soldado Fogaça.  Ele conseguiu pegar a arma do policial e atirou", relata o oficial. O mais curioso no episódio é que Ivan, um sujeito com vários antecedentes policiais, já estava ferido. Ele fora atingido por dois tiros duas horas antes, quando uma guarnição composta por três policiais militares o surpreendeu e outros sete indivíduos em frente a uma boca de fumo na Rua Paineira, também na região do Campo da Tuca. Os suspeitos dispararam ao fugir, e os policiais revidaram, acertando Ivan, que conseguiu escapar. Um dos bandidos deixou cair um revólver calibre .38. Os policiais chamaram reforços e foi então que o soldado Fogaça e um colega chegaram à Tuca, para ajudar. Por volta das 6 horas, um grupo de cinco policiais se espalhou pela vila, procurando pelos suspeitos em becos. Foi quando Fogaça e um colega viram o táxi, com Ivan dentro.

Condenada por lavagem de dinheiro dupla que vendia remédios pela internet


A Justiça Federal gaúcha condenou, por lavagem de dinheiro, duas pessoas que movimentaram no Exterior valores obtidos com a venda de medicamentos de uso controlado pela internet, nesta quarta-feira. O esquema foi investigado na Operação Pedra Redonda, realizada pela Polícia Federal em 2008, e já havia resultado na condenação de um deles, líder do grupo, por tráfico internacional de drogas, em setembro do ano passado.
Conforme a sentença do juiz federal Daniel Marchionatti Barbosa, da 1ª Vara Federal Criminal de Porto Alegre, as penas aplicadas foram de sete anos e seis meses de reclusão, para o réu já condenado por tráfico, e de quatro anos e cinco meses para o outro acusado, nos dois casos, em regime semiaberto. Durante a Operação Ouro Verde, que investigou uma instituição de câmbio clandestina na capital gaúcha, entre 2003 e 2007, foi constatada movimentação intensa de recursos em nome de uma única pessoa. A partir dessa descoberta, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal deram início a uma segunda investigação, a chamada Operação Pedra Redonda. O caso levou à ação penal que condenou o principal responsável pela venda online de medicamentos a 21 anos e quatro meses de reclusão. A decisão decretou ainda a perda de depósitos bloqueados em contas na Suíça, no Panamá e em Liechtenstein, somando mais de US$ 1,3 milhão. Conforme a legislação brasileira, os valores sequestrados no exterior podem ser repassados à União, por serem objeto do crime de lavagem de dinheiro.

Justiça mantém liberados bens de empresa de Cachoeira


O Tribunal Regional Federal da Primeira Região decidiu na tarde desta quarta-feira manter livres de qualquer bloqueio judicial os bens da Vitapan, empresa do ramo farmacêutico que é controlada por pessoas do grupo do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Pela terceira vez, o Ministério Público Federal tentou, sem sucesso, congelar os bens da empresa, liberados desde o dia 15 de novembro do ano passado. Os desembargadores da Segunda Seção do tribunal foram unânimes em acompanhar o voto do relator Tourinho Neto, favorável a deixar os recursos da empresa livres de qualquer restrição imposta pela Justiça. Os magistrados decidiram ainda emitir uma ordem ao juiz de primeira instância, Alderico Rocha dos Santos, para que mantenha os bens desbloqueados. Em caso de descumprimento da decisão, o próprio tribunal autorizará a medida. Favorável ao bloqueio da Vitapan, o procurador regional Carlos Alberto Vilhena Coelho chegou a sustentar numa manifestação enviada ao TRF-1 que a empresa pertence "de fato" a Carlinhos Cachoeira e teria sido usada num esquema de lavagem de dinheiro. "Com efeito, a qualquer momento os proprietários, de fato e de direito, da Vitapan Indústria Farmacêutica Ltda. poderão alienar suas cotas societárias, ocultar valores atualmente mantidos em instituições financeiras ou mesmo modificar lançamentos contábeis para mascarar a atividade supostamente ilícita de branqueamento de capitais, o que esvaziará a medida cautelar de sequestro", alegou. A Vitapan teve seus bens bloqueados inicialmente em 29 de fevereiro de 2012, quando foi deflagrada a Operação Monte Carlo, que levou à prisão Cachoeira e seu grupo. No dia 13 de junho, a defesa da empresa conseguiu liberar os bens. No dia 23 de outubro, a Justiça Federal expediu nova ordem de bloqueio, que foi derrubada pela decisão do desembargador Tourinho Neto menos de um mês depois.

Detran gaúcho abre concurso para 216 vagas


O Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran/RS) divulgou edital de concurso público para preenchimento de 216 vagas de nível médio, técnico e superior, além de formação de cadastro de reserva. O documento foi publicado nesta quarta-feira no Diário Oficial do Estado. As inscrições podem ser efetuadas somente pela internet no site da Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciência (Fundatec). O valor da taxa de inscrição é de R$ 129,69 para os cargos de nível superior e R$ 56,88 para os cargos de nível médio e técnico. O concurso terá provas objetivas e de títulos. As provas objetivas serão realizadas no dia 7 de abril, em Porto Alegre. Para todos os cargos será exigida a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou Permissão para Dirigir. Programa, bibliografia e demais informações podem ser conferidos no edital. Os vencimentos básicos variam de R$ 1.578,22 para Assistente Administrativo e Operacional (nível médio), R$ 1.829,35 para Auxiliar Técnico (nível técnico), R$ 4.456,93 para Técnico Superior (nível superior), e são acrescidos de 20% correspondentes à Gratificação de Produtividade Trânsito (GPT), sobre o vencimento básico do grau "A" do respectivo cargo.

Dilma anuncia redução na conta de luz a partir desta quinta-feira e descarta risco de racionamento


A presidenta Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira, em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, que o Brasil tem energia suficiente para o presente e para o futuro, “sem nenhum risco de racionamento ou qualquer tipo de estrangulamento, no curto, médio ou no longo prazo”. Dilma anunciou que, a partir desta quinta-feira, a conta de luz dos brasileiros terá uma redução de 18% para as residências e de até 32% para as indústrias, agricultura, comércio e serviços. O corte é maior do que o anunciado em setembro do ano passado. “Com a redução de tarifas, o Brasil passa a viver uma situação especial no setor elétrico, ao mesmo tempo baixando o custo da energia e aumentando sua produção elétrica”, disse Dilma. Ela assinou hoje um decreto e uma medida provisória com os novos índices de redução das tarifas. Segundo ela, os consumidores que são atendidos pelas concessionárias que não aderiram à prorrogação dos contratos (Companhia Energética de São Paulo - Cesp, Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig e Companhia Paranaense de Energia - Copel) também terão a conta de luz reduzida. Dilma criticou duramente as previsões sobre a possibilidade de racionamento de energia por causa do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. Ela explicou que praticamente todos os anos as usinas térmicas, movidas a gás natural, óleo diesel, carvão ou biomassa, são acionadas com menor ou maior exigência para garantir o suprimento de energia do País. Segundo Dilma, isso é “usual, normal, seguro e correto”. “Surpreende que algumas pessoas, por precipitação, desinformação ou outro motivo, tenham feito previsões sem fundamento quando os níveis dos reservatórios baixaram e as térmicas foram normalmente acionadas. Como era de se esperar, essas previsões fracassaram, o Brasil não deixou de produzir um único quilowatt que precisava. E agora, com a volta das chuvas, as térmicas voltarão a ser menos exigidas”, explicou. Dilma disse que o País irá dobrar em 15 anos a capacidade instalada de energia elétrica, que hoje é 121 mil megawatts. Segundo ela, no ano passado, o País colocou em operação 4 mil megawatts e 2,7 mil quilômetros de linhas de transmissão e, este ano, deve colocar mais 8,5 mil megawatts de energia e 7,5 mil quilômetros de novas linhas: “Temos contratada toda a energia que o Brasil precisa para crescer e, bem, neste e nos próximos anos”. Dilma também disse que o sistema elétrico brasileiro é um dos mais seguros do mundo porque trabalha com fontes diversas de produção de energia, o que não ocorre na maioria dos países. Durante o pronunciamento, a presidenta também criticou os que, segundo ela, “são sempre do contra”, e não acreditavam que o governo conseguiria baixar os juros, aumentar o nível de emprego e reduzir a pobreza.

Financial Times voltará seus trabalhos para o online


Em uma fase que a informação possui cada vez mais velocidade e alcance, o Financial Times está mudando a sua prioridade: sai do tradicional impresso e vai voltar suas atenções para o universo online. O novo posicionamento tem o objetivo de agregar novos assinantes ao conteúdo do jornal. No anúncio feito na última segunda-feira, Lionel Barber, diretor do jornal, declarou que o Financial Times vai entrar em negociação com o Sindicato Nacional dos Jornalistas para a demissão de 35 dos 600 profissionais. Em seguida, a redação receberá o reforço de dez jornalistas que estarão focados na edição online. Em nota direcionada aos funcionários, publicada na íntegra no jornal britânico The Guardian, Barber fala sobre a redução de custos que um jornal impresso exige e a flexibilidade que a área online permite. As mudanças reduzirão os custos em 1,6 milhões de libras em 2013. A vontade do diretor aflorou após uma visita ao Vale do Silício, na Califórnia. Ele também falou das possibilidades que a internet oferece para aprofundar ainda mais os assuntos. O jornal deve criar novos produtos e serviços online, para permitir a comunicação de forma mais dinâmica e interativa do que o estilo padrão do Financial Times. A apresentação da nova estratégia do grupo Pearson PLC, detentora do Financial Times, sucede em dois anos o anúncio feito pelo britânico The Guardian de que passaria a apostar no espaço online. A mudança de perfil adotada pelo jornal foi uma medida para combater um prejuízo de 33 milhões de libras. Um ano depois, o veículo noticiava que a nova estratégia tinha "compensado largamente" a perda de receitas das vendas em papel.

CNA firma acordo com Monsanto que suspende cobrança por transgênico


A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e as Federações de Agricultura dos Estados de Bahia, Tocantins, Piauí, Maranhão, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná firmaram acordo com a Monsanto do Brasil para suspensão permanente da cobrança pelo uso da primeira geração da Soja RR1 nas safras 2012 e 2013. Os produtores que aderirem ao trato terão quitados os débitos relativos ao uso da tecnologia que torna as sementes resistentes aos herbicidas à base de glifosato. "Com esse acordo, as entidades e a Monsanto intensificam sua contribuição para o desenvolvimento tecnológico e para a produção agrícola nacional", afirma a presidente da CNA, a senadora Kátia Abreu.

Presidente da Câmara de Vereadores de Vacaria assume a prefeitura


O presidente da Câmara de Vereadores, Amadeu de Almeida Boeira (PSDB), é o prefeito em exercício de Vacaria. Ele assumiu na manhã desta quarta-feira após ser notificado pela Justiça da decisão do Tribunal Regional Eleitoral de cassar os mandatos do prefeito petista e da vice. Elói Poltronieri (PT) e Vera Marcelja (PDT), que foram reeleitos em outubro, foram afastados porque o Tribunal Regional Eleitoral entendeu que houve abuso do poder econômico devido à distribuição de um informativo de prestação de contas da prefeitura. Poltronieri e Vera recorrerão ao Tribunal Superior Eleitoral, pedindo a suspensão da decisão do Tribunal Regional Eleitoral. Caso o recurso não seja acatado em Brasília, haverá nova eleição em Vacaria.

Ministério Público gaúcho pede suspensão da licença de operação da Arena do Grêmio


Um inquérito civil conduzido pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul resultou no pedido de suspensão da licença de operação da Arena do Grêmio. A ausência de medidas compensatórias para o entorno do estádio motivou o pedido. O Ministério Público tomou conhecimento de um termo de compromisso firmado entre a OAS e o Município de Porto Alegre, em que a construtora transferia ao município a responsabilidade pelas medidas. O órgão, através da Promotoria de Defesa do Meio Ambiente, pediu que o termo de compromisso fosse sustado. Outra avaliação do Ministério Público a respeito das obras da Arena é de que o custo total do empreendimento está subestimado. Uma questão que também surgiu no inquérito civil diz respeito aos valores de compensação ambiental da obra. O investimento originalmente seria feito no Parque Estadual Delta do Jacuí, mas deve ser utilizado em uma unidade de triagem para reciclagem de resíduos sólidos, em Porto Alegre, por decisão do Município e da OAS. Liminar do Ministério Público pede a suspensão da cláusula do termo de compromisso que prevê a construção da unidade de triagem.

Brasil vai produzir insulina em escala industrial


O Laboratório Biomanguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vai passar a produzir insulina, medicamento usado no tratamento do diabetes. Um acordo firmado entre o governo e um laboratório ucraniano, que vai transferir a tecnologia, irá permitir a produção nacional do remédio, segundo o Ministério da Saúde. A previsão é que, em três anos, o Brasil passe a fabricar a droga em escala industrial. Pelo cronograma divulgado pela pasta, o início da produção de cristais de insulina pela Fiocruz começa este ano. A fábrica de produção dos cristais (princípio ativo do medicamento) estará estruturada em 2014. No ano seguinte, serão feitos testes, qualificações e ajustes técnicos para a validação das instalações produtivas. Em 2016, a transferência de tecnologia pelo laboratório Indar à Fiocruz será concluída para o início da produção em escala industrial e, em 2017, o País estará preparado para a fabricação em grande escala. "Calcula-se que a parceira entre a Fiocruz e o laboratório Indar resulte em uma economia de R$ 800 milhões para o governo brasileiro (considerando também a redução no preço dos insumos)", informou o ministério. Ao todo, 7,6 milhões de brasileiros têm diabetes, dos quais 900 mil dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS). O ministério comprou estoque de 3,5 milhões de frascos de insulina para 2013. O volume será entregue em abril e poderá chegar a 10 milhões de frascos até dezembro deste ano, caso haja necessidade. Dados do governo apontam o alto índice de mortes causadas pelo diabetes, em torno de 50 mil todos os anos. A doença mata quatro vezes mais do que a aids e supera o número de vítimas do trânsito no País. Em 2010, 54 mil brasileiros morreram em decorrência do diabetes, enquanto 12 mil mortes foram provocadas pelo vírus HIV e 42 mil por acidentes de trânsito. O número seria ainda maior se considerado que o diabetes age como fator de risco para várias outros males, como câncer e doenças cardiovasculares, por exemplo. Em 2010, 68,5 mil mortes estavam associadas ao diabetes, o que totaliza 123 mil mortes diretas ou indiretamente.

Impacto das desonerações em 2013 será de R$ 53 bilhões


A secretária-adjunta da Receita Federal, Zayda Manatta, afirmou nesta quinta-feira que o impacto das desonerações tributárias em 2013 será de R$ 53 bilhões. Sobre o ano passado, a renúncia estimada pela Receita ficou em R$ 46,440 bilhões, o que, nos dois anos, já soma um total de R$ 99,440 bilhões. Apesar da forte perda já esperada para este ano, Zayda evitou traçar um quadro para o comportamento da arrecadação no período. "A arrecadação de 2013 estará ancorada no crescimento do PIB, massa salarial e venda de bens e serviços", dsse Zayda Manatta, citando as principais origens de arrecadação. A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 1,029 trilhão em 2012 em termos nominais, segundo números divulgados nesta quarta-feira pela Receita Federal. O valor é recorde e representa um crescimento de 0,70% em termos reais em relação ao valor recolhido em 2011 e uma alta de 6,12% em termos nominais. Em 2011, a arrecadação atingiu R$ 969,892 bilhões. As receitas administradas pela Receita Federal somaram R$ 992,089 bilhões no ano passado, e as administradas por outros órgãos atingiram R$ 37,171 bilhões. Em dezembro, a arrecadação chegou a R$ 103,246 bilhões, alta real de 0,96% em relação ao mesmo mês de 2011 e de 6,85% em termos nominais. As receitas administradas pela Receita Federal em dezembro atingiram R$ 101,354 bilhões, enquanto as administradas por outros órgãos atingiram R$ 1,892 bilhão.

Seis novos casos de dengue são registrados no Rio Grande do Sul


A Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul confirmou seis novos casos de dengue no Estado. Ao todo, em 2013, são 11 registros confirmados, todos registros importados. Entre os 11 pacientes, quatro contraíram a doença em Minas Gerais, três no Mato Grosso, outros três no Rio de Janeiro e um no Mato Grosso do Sul. Em Porto Alegre, além de um caso registrado nas primeiras semanas do ano, há mais três. As outras foram em Canoas, Rio Grande e Pelotas. O aumento de casos no Mato Grosso do Sul já havia alertado autoridades da região noroeste do Estado.

Militantes do PSOL decidem permanecer na sede invadida do Instituto Lula até assinatura de desapropriação de terra

Ameaçado de despejo, o grupo de "assentados" que invadiu e ocupou nesta quarta-feira pela manhã a sede do Instituto Lula, na capital paulista, garante que permanecerá no local até que a presidente Dilma Rousseff assine o decreto de desapropriação do Assentamento Milton Santos, localizado em Americana (SP), a 130 quilômetros de São Paulo. Esses militantes fazem parte de uma dissidência da organização terrorista clandestina MST e são vinculados ao PSOL. Além do instituto, onde estão cerca de cem "assentados", também foi invadido e ocupado o prédio do Incra. Na Avenida Paulista, estudantes militantes do PSOL se acorrentaram em frente ao escritório da Presidência da República, onde fazem greve de fome desde a tarde de terça-feira, em solidariedade às famílias do assentamento. De acordo com Vandré Paladini Ferreira, advogado das famílias, a assinatura de decreto presidencial de desapropriação por interesse social seria a única forma de garantir a permanência das 70 famílias que vivem no assentamento de 103 hectares. O proprietário do terreno ganhou liminar na Justiça assegurando a reintegração de posse.

É iminente o reinício das operações da usina térmica de Uruguaiana


Nesta quarta-feira seguiu para Buenos Aires o Memorando de Entendimento assinado no dia anterior pelo ministro Edison Lobão, especificando as condições do fornecimento de gás regaseificado em Baía Blanca para abastecimento da usina térmica AES Uruguaiana. Como a presidente Cristina Kirchner voltará nesta quinta-feira da sua viagem ao Oriente Médio, a assinatura do lado argentino só acontecerá no final de semana. O memorando foi uma exigência argentina para fornecer o gás e só foi  exigido na undécima hora, no dia 15, quando a AES Uruguaiana está apta a gerar energia, esperando em vão pelo gás. Na verdade, o que os argentinos exigiram foi uma cláusula imponto à AES a obrigação de negociar com a YPF a demanda judicial que os americanos abriram contra os argentinos em função da interrupção do fornecimento de gás. O editor já tinha adiantado que os argentinos chantageariam a AES e o governo do Brasil. A usina gerará 164 MW, o equivalente a um terço da capacidade, durante 60 dias. No período, os dois governos discutirão a plena geração de energia. A usina tem capacidade para geral 630 megawatts de energia.

Ford entra em segmento de caminhões extrapesados com modelo criado no Brasil


A Ford oficializou nesta quarta-feira o início das operações no segmento de caminhões extrapesados. O primeiro modelo a ser vendido pela marca, um caminhão com capacidade para carregar mais de 46 toneladas, foi criado pelas equipes de design e engenharia brasileira em parceira com a subsidiária da montadora na Turquia. A entrada da marca no segmento está ligada ao desenvolvimento econômico do Brasil, com a projeção da melhora da infraestrutura e o aumento da demanda por bens fora dos grandes centros. Segundo o diretor de caminhões da marca, Oswaldo Jardim, eventos como a Copa do Mundo, Olimpíadas, o PAC (Programa de Aceleração do Desenvolvimento) e o avanço de áreas como o pré-sal e o agronegócio também justificam o ingresso na categoria. "O segmento de extrapesados é muito importante do ponto de vista de receitas e de rentabilidade", afirma. Os extrapesados representam hoje cerca de 25% das vendas de caminhões no Brasil e geraram cerca de R$ 11 bilhões em receita no ano passado. O lançamento do modelo foi feito em conjunto com a Turquia, onde o produto já está sendo lançado. No Brasil, ele deve começar a ser produzido a partir do segundo semestre e será exportado também para a Argentina.

Gastos de brasileiros no Exterior batem recorde em 2012


Os brasileiros gastaram US$ 1,426 bilhão a mais com viagens ao Exterior, no mês de dezembro, do que os estrangeiros deixaram no País. Foi um aumento de US$ 275 milhões (2,41%) em relação ao mesmo mês de 2011. As despesas no ano com viagens internacionais somaram US$ 22,2 bilhões enquanto os estrangeiros deixaram US$ 6,4 bilhões no País, o que resultou no déficit de US$ 15,588 bilhões nas contas das viagens internacionais. Os números foram apresentados nesta quarta-feira pelo chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel. Segundo Maciel, 2012 registrou um novo recorde de gastos com viagens internacionais, estimulado, principalmente, pela valorização do real em relação ao dólar, em boa parte do ano passado. Além de viagens, os serviços externos registraram saídas líquidas de US$ 41,075 bilhões em 2012. Custaram, portanto, US$ 3,143 bilhões a mais (8,28%) que no ano anterior, uma vez que as despesas totais de brasileiros lá fora somaram US$ 80,939 bilhões, enquanto as receitas obtidas com gastos de estrangeiros no País ficaram em US$ 39,864 bilhões. As principais despesas, de US$ 18,804 bilhões, foram com aluguel de equipamentos, que aumentaram 12,23% na comparação com 2011, seguidas das despesas com viagens. Depois, vieram os gastos com transportes, no valor de US$ 8,769 bilhões (+5,2%); US$ 3,850 bilhões com computação e informações, no mesmo patamar do ano anterior; US$ 3,156 bilhões com royalties e licenças (+16,45%); US$ 1,446 bilhão com serviços governamentais (+3,95%); US$ 994 milhões com seguros (-17,98%); US$ 709 milhões com serviços financeiros (-17,36%); e US$ 10,759 bilhões na rubrica "outros serviços", com acréscimo de 7,01% em relação ao ano anterior. De acordo com o chefe do Depec, as remessas líquidas de renda para o Exterior somaram US$ 6,543 bilhões no último mês de 2012, com leve aumento de 1,7% em relação a dezembro de 2011. Com esse desempenho, as remessas acumuladas no ano ficaram em US$ 35,448 bilhões, ou 25,1% abaixo das remessas de US$ 47,319 bilhões em 2011. Foram US$ 24,112 bilhões em lucros e dividendos, com redução de 36,8% em relação a 2011, e US$ 11,847 bilhões com pagamento de juros, que diminuíram 17,79% na comparação anual.

O MST, pelego que é, não apoia “ocupação” do golpista Instituto Lula por assentados. Ou: Finalmente, uma área realmente improdutiva é ocupada


Moradores do assentamento Milton Santos, que fica entre Americana e Cosmópolis, no interior de São Paulo, resolveram invadir… Ooops! Eles resolveram “ocupar” — é o verbo politicamente correto — a sede do Instituto Lula no centro de São Paulo. Tão logo fiquei sabendo da notícia, pensei o óbvio: “Finalmente o MST invade uma área realmente improdutiva”. Como, que se saiba, não existem pés de jabuticaba no Instituto Lula, a única coisa realmente nativa que se produz por ali é besteira. Mas eu estava enganado, e não se está noticiando por aí um fato realmente encantador: O MST NÃO ESTÁ APOIANDO ESSA OCUPAÇÃO. Ao contrário! Os pelegos emitiram uma nota em seu site oficial deixando claro que estão fora dessa. Lê-se lá: “Os protestos organizado pelo MST têm como orientação geral denunciar os verdadeiros inimigos da reforma agrária, como o agronegócio, o latifúndio, o Poder Judiciário e a imprensa burguesa e pressionar os órgãos de Estado para que façam a Reforma Agrária". Entenderam?  Sigamos. Decisão judicial determinou que os assentados —sim, eles já foram assentados pelo Incra — deixem a área. A terra pertencia ao grupo Abdalla e foi tomada pela União em razão de dívidas com o INSS. A decisão foi revertida na Justiça, e daí se criou a confusão. Muito bem! Ações judiciais têm de ser cumpridas. Se um juiz determina que a Polícia Militar realize a desocupação e se esta se nega a fazê-lo — ou o governador de Estado —, os responsáveis pela negativa podem ir em cana. Qual é a saída? Os moradores do assentamento Milton Santos reivindicam que o governo federal faça o óbvio: que desaproprie a área, o que está a seu alcance. A rigor, é o que ele poderia ter feito no caso do Pinheirinho, por exemplo — lembram-se dele? Em vez de aquele amigo esquisitão de Gilberto Carvalho ir lá fazer proselitismo e incitar a violência, Lula poderia, então, como presidente, ter desapropriado o terreno. Mas não se fez isso. Por que os assentados invadem o Instituto Lula? Ora, fomos informados há três dias que é ali que se decidem realmente os destinos da nação — segundo os petistas ao menos. Foi no instituto que amigos do Apedeuta anunciaram um golpe de estado: Lula vai surrupiar de Dilma a condução da política e as negociações com o Congresso. Se o Babalorixá de Banânia pode ser o intermediário nas negociações com o Parlamento, também pode sê-lo em casos assim. Depois do golpe dado, o instituto deve ser uma espécie de centro de peregrinação — e, claro!, ocupação — de todos os descontentes do país. Se a APUE (Associação dos Portadores de Unha Encravada) tem algo a reivindicar do Poder Público, já sabe o endereço.
Os moradores do Milton Santos prometem sair do local só quando houver o decreto de desapropriação. Sem o apoio de ninguém e discretamente hostilizados pelo MST, duvido que resistam tanto. Mas puseram o dedo na ferida: o governo federal tem como resolver essa história com um simples decreto. Mas é bem possível que alguns espertalhões prefiram que a PM seja obrigada a agir — não pode resistir a uma decisão judicial — para que se possa jogar a culpa nas costas do tucano. Aí os inefáveis Gilberto Carvalho, Maria do Rosário e José Eduardo Cardozo podem vir a público para verter suas lágrimas caridosas. Quanto ao MST, dizer o quê? O peleguismo inflamado consegue ser ainda mais asqueroso do que o outro, que se permite ser cavalgado sem disfarces. (Por Reinaldo Azevedo)

PSOL promove invasão da sede do Instituto Lula


Integrantes do Assentamento Milton Santos, uma dissidência da organização clandestina e terrorista MST, comandados pelo PSOL, invadiram e ocuparam nesta quarta-feira, por volta de 6h30, a sede do Instituto Lula, no bairro Ipiranga, zona sul da capital paulista. Os manifestantes querem pressionar o ex-presidente Lula a interceder com a presidenta Dilma Rousseff para evitar a reintegração de posse da área do assentamento, em Americana (SP). Eles têm até o próximo dia 30 para deixar o local voluntariamente. De acordo com a Polícia Militar, viaturas foram enviadas ao local por volta das 7h30. ".. por enquanto, a situação é tranquila", relatou Vandré Paladini, advogado das famílias. Cerca de 80 militantes participaram da invasão. Por volta das 9 horas, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, esteve no local. Segundo Vandré Paladini, Okamotto se comprometeu a entrar em contato com integrantes do governo para intermediar uma solução para o caso. No assentamento ilegal (invasão) Milton Santos vivem cerca de 70 famílias "assentadas" pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) há sete anos, segundo o movimento. As famílias reivindicam a desapropriação por interesse social, única medida legal que pode reverter o despejo, determinado pela Justiça no dia 28 de novembro.
Paladini também informou que, desde a tarde de terça-feira, quatro estudantes que apoiam a reivindicação dos invasores do PSOL estão acorrentados e fazem greve de fome em frente ao escritório da Presidência da República em São Paulo.

Balanço externo de pagamentos registrou déficit de US$ 4,9 bilhões em dezembro


O balanço de pagamentos registrou déficit de US$ 4,901 bilhões no mês de dezembro, ante superávit de US$ 18,9 bilhões em igual mês de 2011. As transações correntes das contas externas também apresentaram prejuízo, de US$ 8,413 bilhões, no último mês de 2012, de acordo com o Relatório do Setor Externo, divulgado nesta quarta-feira pelo Departamento Econômico do Banco Central. A conta financeira registrou ingressos líquidos de US$ 3,693 bilhões, com destaque para os US$ 5,4 bilhões de investimentos estrangeiros diretos (IED) no mês. No ano, a conta financeira somou US$ 74,639 bilhões, dos quais US$ 65,3 bilhões de investimentos externos no setor produtivo. Em contrapartida, a conta corrente de 2012 foi deficitária em US$ 54,246 bilhões, equivalente a 2,4% do PIB. De acordo com o relatório do Banco Central, a conta de serviços em dezembro contabilizou déficit de US$ 4,4 bilhões. No mesmo mês do ano anterior, o déficit foi US$ 3,6 bilhões. No acumulado janeiro-dezembro, a conta de serviços teve saídas líquidas de US$ 41,1 bilhões, com aumento de 8,3% em relação aos gastos de 2011. As despesas com aluguel de equipamentos atingiram US$ 1,8 bilhão no mês (US$ 18,7 bilhões no ano, 12,3% a mais). O déficit com viagens internacionais somou US$ 1,4 bilhão no mês (US$ 15,6 bilhões no ano) e com transportes chegou a US$ 722 milhões no mês (US$ 8,8 bilhões no ano). Os gastos com computação e informações chegaram a US$ 484 milhões em dezembro (US$ 3,9 bilhões no ano), e as remessas líquidas de royalties e licenças somaram US$ 302 milhões no mês (US$ 3,2 bilhões no ano) ou 16,4% a mais que em 2011.

Petrobrás nega acesso às atas das reuniões de seu Conselho


A Petrobrás negou um pedido de informação, feito via Lei de Acesso à Informação (Leinfo), de acesso às atas das reuniões de seu Conselho de Administração no ano de 2012. A solicitação foi feita neste ano de 2013 por Marcelo Marchesini, cidadão brasileiro. Na negativa, a Petrobrás afirmou que o pedido era “genérico” e a análise das exigiria “trabalho adicional” por parte da empresa para ver se não haveria conteúdo protegido legalmente por sigilo. “A generalidade da solicitação resta caracterizada pela não especificação de qual ata da reunião do Conselho de Administração se pretende ter acesso e o respectivo assunto”, escreveu o Serviço de Informação ao Cidadão da Petrobrás. “Além disso, a solicitação objeto da presente resposta exigiria trabalho adicional de análise por parte da Companhia, eis que seria necessária a verificação de todas as atas do Conselho de Administração, a fim de atestar que em seu conteúdo não constariam informações protegidas de divulgação”.

Procuradores do Caso Rodin vão embora de Santa Maria, é a debandada acelerada na iminência da saída da sentença


Os três procuradores da República que atuam em Santa Maria estão de partida. Eles pediram remoção da cidade por meio de uma espécie de concurso interno dentro do Ministério Público Federal, que promove a realocação de um procurador no País. Todos os três atuaram no Caso Rodin, que investigou suposta fraude no Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Jerusa Vieceli, Rafael Miron e Harold Hoppe afirmam que remoções são normais na atividade e têm caráter pessoal. No final no ano passado, as mudanças foram homologadas pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Promotores e procuradores, conforme a Constituição, são inamovíveis, não podem ser removidos da comarca onde atuam, a não ser a pedido ou por promoção. Portanto, os três promoveram uma debandada em grupo, em face da iminência da sentença no processo criminal da Operação Rodin, que eles conduziram. A juíza Simone Barbisan Fortes também pediu remoção para Florianópolis, mas o Tribunal Regional Federal da 4ª Região só atendeu o pedido a partir do momento em que ela conclua o processo. Por isso, "espraiou-se" a impressão de que ela já está com a sentença pronta, uma vez que vem acelerando a jato a tramitação do processo, negando todas as dezenas de pedidos de diligências dos réus e os embargos impetrados por suas defesas. Tudo indica que ela também quer sair da cidade na mesma velocidade. Aliás, não é de hoje, porque esta estaria pedindo sua remoção ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região há vários anos. Em 2007, a partir de uma denúncia anônima, mas que no processo foi descoberto ter sido feita por professores da Universidade de Santa Maria, os procuradores Hoppe e Miron deram início às investigações, junto com a Polícia Federal, que culminaram na denúncia do contrato existente entre o Detran e as fundações de apoio da universidade, Fatec e Fundae, e de seus dirigentes, bem como de profissionais e empresas contratadas por estas fundações. Santa Catarina também será o destino do procurador Rafael Miron. O santa-mariense atuará na cidade portuária de Itajaí. Nascida em Ijuí, a procuradora Jerusa Viecili vai para Lajeado, no Vale do Taquari. Também santa-mariense, Harold Hoppe foi designando para a cidade de Canoas, na Região Metropolitana. Atualmente, apenas Jerusa Vieceli continua integrando a força-tarefa do Ministério Público Federal no Caso Rodin. No lugar dos procuradores que estão saindo, Santa Maria vai receber Ivan Claudio Marx, que está vindo de Cachoeira do Sul e também integra a força-tarefa da Rodin: a procuradora Paula Martins Schirmer, de Bagé, e a procuradora Lara Marina Zanella Martinez, de Cruz Alta.

Dívida externa cresce 6,24% em 2012 e já alcança US$ 316,8 bilhões


A dívida externa alcançou US$ 316,831 bilhões no final de 2012, com acréscimo de US$ 18,627 bilhões no ano, ou 6,24% a mais que os US$ 298,204 bilhões registrados em dezembro de 2011, de acordo com o Relatório do Setor Externo, divulgado nesta quarta-feira pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central. As reservas internacionais cresceram, porém, um pouco mais, alcançando expansão de 7,55% no mesmo período. A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 279,295 bilhões, enquanto a dívida de curto prazo aumentou para US$ 37,535 bilhões, de acordo com o chefe do Depec, Túlio Maciel. Ele disse que os principais fatores de variação da dívida foram as captações de empréstimos tomados pelo governo e pelo setor bancário, a colocação de títulos pelo setor não financeiro e as amortizações de títulos pelo Sistema Financeiro Nacional (SFN). As reservas internacionais aumentaram US$ 26,6 bilhões no decorrer do ano e chegaram a US$ 378,613 bilhões no final de dezembro, com expansão de 7,55% em relação aos US$ 352,012 bilhões anotados em dezembro de 2011. Resultado, em grande parte, das compras do Banco Central no mercado à vista, no valor de US$ 12,7 bilhões; da remuneração das próprias reservas, calculadas em US$ 4,4 bilhões; e das variações de preço e paridade das moedas, que proporcionaram incremento de US$ 2,3 bilhões aos estoques.

PT despeja dinheiro grosso, pelêgos e ativistas, ministros e marqueteiros, tudo para esmagar Kopshina em Novo Hamburgo


O PT gaúcho começa a repetir em Novo Hamburgo o mesmo erro que cometeu em Pelotas no segundo turno, que é arrebanhar pelegos sindicais, ativistas profissionais de organizações terroristas clandestinas como MST e Via Campesina, militantes de outras cidades, tudo com o objetivo de emparedar o adversário e vencer as eleições. O PMDB avisou que o PT importou até o seu candidato a prefeito, Luís Lauermann, que é de Igrejinha. O PT também cometeu outro erro político e eleitoral crasso, que foi insistir com a candidatura do ex-prefeito ficha suja Tarcisio Zimmerman, impugnado no primeiro pleito, responsável pela anulação das eleições e autor direto da confusão atual em que mergulhou a coligação que apóia o PT, já que até o PT saiu da aliança com a denúncia de que a campanha atual é de mentirinha. Só acertou o PT de Novo Hamburgo ao decidir gastar dinheiro grosso na campanha. O candidato da oposição, Paulo Kopshina, decidiu ampliar seu comando de campanha, encostando coordenadores de cada partido junto ao coordenador geral, o ex-prefeito Jair Foscarini.

Mais uma de Renan, e a faxineira ética se aposentou...


Uma empreiteira ligada ao irmão do empresário apontado como laranja do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) faturou R$ 70 milhões pelo programa “Minha Casa, Minha Vida” nos últimos dois anos em Alagoas. Segundo denúncia do jornal “O Estado de S.Paulo”, a Construtora Uchôa, do irmão de Tito Uchôa, assinou seu primeiro contrato, no valor de R$ 51,7 milhões, para a construção de 1.261 casas populares em Santana do Mundaú após as chuvas que destruíram a região em dezembro de 2010. O município fica a 30 quilômetros de Murici, terra de Renan Calheiros. A empresa, segundo a reportagem, ainda não entregou as residências previstas no acordo.  A operação, que utiliza recursos do Ministério das Cidades e é coordenada pela Caixa Econômica Federal (CEF), ainda recebeu emenda, apresentada por Renan ao ministério, no valor de R$ 4,2 milhões para obras de infraestrutura e habitação popular. Agora a Construtora Uchôa está negociando um aditivo de R$ 5 milhões para terminar as obras. Este ano, a empreiteira conseguiu fechar seu segundo contrato. Cerca de R$ 20 milhões serão destinados à construção de 400 unidades habitacionais em Campo Alegre. O novo contrato coloca a Uchôa no rol de grandes beneficiárias do programa no estado de Alagoas. Segundo o “Estado”, as contratações, sem processo de licitação, são feitas diretamente pela Caixa, área de influência de Renan e do PMDB no estado e com ramificações em Brasília, a partir de propostas apresentadas por prefeitos e empreiteiras ao banco. Isso somando ao comando político de 80% dos municípios alagoanos pelo senador peemedebista, favorito à presidência do Senado, favoreceu a contratação da Construtora Uchôa para obras do programa, que é uma das principais bandeiras da presidente Dilma Rousseff. O “Minha Casa, Minha Vida” é uma das armas do senador para aumentar seu capital político nas próximas eleições. Alagoas está, proporcionalmente, entre os maiores contratantes do programa habitacional, superando outros estados do Nordeste e até a meta do próprio governo, que era construir 13 mil unidades em Alagoas. Hoje, mais de 26,8 mil unidades habitacionais já foram contratadas e o volume de recursos públicos investido ultrapassa a marca de R$ 1 bilhão. Empresário versátil, Tito Uchôa é sócio do filho do senador, o deputado federal Renan Filho (PMDB), em uma gráfica e em duas rádios. Também é proprietário de uma agência de viagens, uma empresa de locação de carros e um supermercado. A mulher dele, Vânia Uchôa, era funcionária do gabinete do senador Renan Calheiros.

Netanyahu obtém vitória apertada e terá dificuldade para formar base de apoio de novo governo em Israel


O partido do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ganhou nesta terça-feira as eleições gerais no país com 31 assentos no Parlamento, uma incômoda margem que trará ao governante maiores complicações no momento de formar um novo governo devido à ascensão dos partidos de centro e esquerda e ao apoio menor do que o esperado por parte da extrema-direita. A grande surpresa das eleições foi a inesperada entrada em cena do partido de centro Yesh Atid, do ex-jornalista Yair Lapid, que com 19 cadeiras se transforma na segunda maior força política, superando o histórico Partido Trabalhista (15), com cerca de 75% dos votos apurados. A legenda ultradireitista Habait Hayehudi, do carismático Naftali Bennett, à qual todas as pesquisas concediam uma ascensão eleitoral até a segunda posição, acabou em quarto lugar (11), atrás dos ultra-ortodoxos sefarditas do Shas (12). O partido de Lapid ficou com grande parte dos votos que seriam a princípio do Kadima, principal partido da oposição na última legislatura e que ficou relegado a ínfimas duas cadeiras. A grande questão agora é qual base de apoio Netanyahu poderia obter com o intrincado cenário parlamentar que as urnas desenharam. Pouco após a divulgação das pesquisas de boca de urna em seguida ao fechamento dos colégios eleitorais, o primeiro-ministro se apressou a ligar para Lapid para dizer que juntos "podem fazer grandes coisas pelo Estado de Israel", e já convocou reuniões para a próxima quinta-feira. No entanto, Lapid evitou falar sobre possíveis coalizões durante seu breve discurso na noite eleitoral, e se limitou a afirmar que os cidadãos de Israel "disseram não à política do medo e do ódio, não ao radicalismo e à anti-democracia". "Nesta noite recaiu sobre nossos ombros uma grande responsabilidade", disse Lapid a seus seguidores em Tel Aviv sobre as 17 cadeiras que seu partido terá no Knesset (Parlamento). Netanyahu, que curiosamente começou seu discurso ao mesmo tempo que Lapid, declarou que vê "muitos aliados" para formar "o governo mais amplo possível". "Vejo muitos parceiros para esta missão. Estenderemos a mão para um governo amplo e, com a ajuda de Deus, triunfaremos juntos", declarou em um breve discurso em Tel Aviv. Além disso, ele afirmou que nesta mesma noite começará a trabalhar para formar um governo de coalizão plural. "Vocês me deram a oportunidade pela terceira vez de governar o Estado de Israel. É um grande privilégio, mas também uma grande responsabilidade", acrescentou. Por sua vez, a líder do Partido Trabalhista, Shelly Yachimovich, que teve um pobre resultado em relação a suas expectativas, prometeu fazer "todo o possível" para montar uma coalizão que tire do poder o atual chefe do Executivo. "Há muitas possibilidades de que amanhã de manhã Netanyahu não possa formar um governo, e farei todo o possível para que assim seja e que possa ser formado um governo social que promova um processo de paz", disse ele a seus seguidores em Tel Aviv.