sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Ministro Joaquim Barbosa deve finalizar nesta segunda-feira sua parte do acórdão do julgamento do Mensalão do PT

O Supremo Tribunal Federal informou nesta sexta-feira que o presidente da Corte, ministro Joaquim Barbosa, deve finalizar na próxima segunda-feira sua parte do acórdão do julgamento do Mensalão do PT, mas, para que o documento seja publicado, é preciso aguardar que todos os demais ministros enviem os respectivos votos revisados para serem anexados. O acórdão é a formalização da decisão do tribunal, que condenou 25 pessoas pelos crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilha. A publicação do acórdão é fundamental para que as punições sejam cumpridas. Somente a partir disso é que os advogados podem propor os recursos aos quais os réus têm direito antes da efetivação das condenações. Joaquim Barbosa deve terminar nesta segunda-feira a chamada ementa do acórdão, um resumo do resultado com principais assuntos discutidos pelos ministros. O regimento do Supremo determina um prazo de 60 dias para a publicação do acórdão, a contar da data do julgamento. O prazo vence apenas em março, já que os dias de recesso (final de dezembro e o mês de janeiro) não são contabilizados. Para o ministro Gilmar Mendes, a Corte deve publicar o acórdão do julgamento do Mensalão do PT ainda em fevereiro. "O julgamento do esquema foi encerrado em dezembro. É essa expectativa que nós temos, porque desde o ano passado todos os gabinetes já estavam providenciando, ultimando os votos", disse o ministro, após participar de cerimônia na Câmara dos Deputados.

Embraer faz acordo de R$ 500 milhões com Republic Airways

A Embraer assinou contrato de quase US$ 250 milhões (ceca de R$ 500 milhões) com a Republic Airways para prestar assistência para até 308 aviões, entre eles, os 47 que a companhia norte-americana comprou na semana passada da fabricante brasileira. A Embraer dará suporte para mais de 400 peças para toda a frota da Republic, incluindo motor e sistemas hidráulicos e elétricos, informou nesta sexta-feira a fabricante. O contrato prevê a cobertura até fevereiro de 2020 de todos os E-Jets da Republic Airways, enquanto aviões modelo 145 terão cobertura até dezembro de 2017. O acordo foi acertado depois que a Republic anunciou na semana passada acordo de US$ 4 bilhões para fornecimento de jatos à rede regional da American Airlines.

FMI censura governo de Cristina, a Loca, que deturpa dados econômicos

O FMI censurou a Argentina publicamente, nesta sexta-feira, pela falta de precisão dos dados de inflação e crescimento econômico divulgados pelo governo do país. É a primeira vez na história da entidade que um país é advertido dessa forma. O governo da peronista populista muito incompetente Cristina Kirchner, La Loca, é um fracasso e promove total descrença da Argentina. A decisão já era esperada, uma vez que a diretora do Fundo, Christine Lagarde, vem chamando a atenção do governo argentino nos últimos meses. Em dezembro, ela já havia apresentado um relatório sobre a má qualidade das estatísticas argentinas. A Argentina já havia recebido outras três advertências, uma em julho de 2011, depois da visita de técnicos do órgão, e outra em setembro de 2012, em que se apontava que não havia havido progressos do país nesse sentido. A declaração do fundo não tem efeitos imediatos, mas economistas apontam que a declaração de censura é o primeiro passo no procedimento previsto pelo FMI para expulsar um país que não apresenta estatísticas confiáveis do organismo multilateral. O segundo passo seria impedir o acesso a empréstimos, e o terceiro, perder o direito a voto. "O Comitê Executivo do Fundo considerou o progresso da Argentina em implementar as medidas de correção não foram suficientes", diz o comunicado do FMI. A entidade explica que solicitou ao país índices mais confiáveis sobre seu PIB e o Índice de Preços ao Consumidor da Grande Buenos Aires, que mede a inflação, em setembro de 2012, e exige que sejam tomadas providências antes de setembro de 2013. Segundo a Bloomberg, a Argentina se torna, assim, o primeiro país a ser criticado pelo FMI por índices econômicos oficiais pouco confiáveis. Economistas e políticos colocam em dúvida estatísticas oficiais argentinas desde 2007, quando Néstor Kirchner (1950-2010), então presidente, interveio no serviço (Idec) e substituiu economistas de carreira na instituição. Outros números do órgão são questionados, como o que mede a pobreza e o valor da cesta básica. Seu governo e o de sua sucessora, sua viúva Cristina Kirchner, negam que o Idec manipule os dados.

Brasil Foods confirma saída de presidente do conselho

A Brasil Foods confirmou nesta sexta-feira a saída de Nildemar Secches da presidência do conselho de administração da companhia. Segundo comunicado divulgado ao mercado e arquivado na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), Nildemar não vai concorrer a um novo mandato. Ele continuará à frente do conselho até a próxima assembleia ordinária, marcada para o início de abril. O empresário iniciou sua atuação na companhia em 1994, quando ela era apenas Perdigão. Ele foi escolhido pelos fundos de pensão que adquiriram a empresa, em situação financeira difícil, da família Brandalise. À frente do negócio Nildemar promoveu não só a recuperação da lucratividade, como o crescimento da operação e a entrada da empresa na área de lácteos. Em 2008, ele decidiu deixar a presidência executiva da empresa, colocando o comando nas mãos de José Antônio do Prado Fay, e migrou para o conselho de administração.

Bombeiros do Rio de Janeiro interditam 127 estabelecimentos

O Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro interditou 127 estabelecimentos no Estado de segunda-feira até a noite de quinta-feira. Outros 52 foram multados e 20, notificados. Dos 209 locais submetidos a fiscalização no Rio de Janeiro desde segunda-feira, apenas 10 estavam em conformidade com as normas do Código de Segurança, informou a Secretaria de Defesa Civil. De acordo com a Pasta, os maiores problemas encontrados foram falhas na sinalização e iluminação de emergência, obstrução de vias de escape e falta de manutenção de equipamentos contra incêndio. Os estabelecimentos considerados irregulares têm 30 dias para se adequar. Até a tragédia em Santa Maria, não havia um trabalho sistemático de fiscalização de casas noturnas, boates, casas de show e similares no Estado. A meta agora é averiguar as condições de segurança de 40 mil edificações até o fim do ano. Em 2012, foram realizadas 16 mil vistorias desse tipo no Rio de Janeiro. O número de fiscais foi dobrado para 500. No ano passado, 439 casas noturnas, boates, restaurantes, casas de show e similares pediram aval dos Bombeiros para funcionar: 357 tiveram os certificados de registro concedidos; 82 foram negados.

Ônibus coletivos devem circular apenas até as 22 horas desta sexta-feira em Florianópolis

Por conta dos atentados em Florianópolis, não haverá ônibus no Terminal do Centro (Ticen) após as 22 horas desta sexta-feira. O transporte coletivo funcionou normalmente até às 20 horas. Depois disso, os ônibus sairão apenas em comboios, levados pela Polícia Militar do Centro para os bairros. O último transporte de passageiros será às 22 horas. Nos bairros, os passageiros da última leva do Terminal Central serão levados até o ponto final acompanhados pela polícia. Depois dessa operação, o serviço será suspenso. O transporte será retomado apenas às 7 horas de sábado. Os motoristas estão autorizados a retirar os ônibus a partir das 6h30.

Sob a égide da ética do crime. Ou: A ética dos Renans, dos Dirceus e um livro. Ou: É permitido matar a velha a machadadas?

Do jornalista Reinaldo Azevedo - Renan Calheiros (PMDB-AL), reconduzido à Presidência do Senado, resolveu exibir musculatura filosófica no discurso oficial como candidato ao posto. E disparou: “A ética não é um objetivo em si mesma. O objetivo em si mesmo é o interesse nacional. A ética é meio, não é fim”. Que coisa! O candidato falava, então, em termos abstratos, conceituais, e a paixão especulativa poderia nos devolver lá a Aristóteles, passando por Kant e chegando a Espinosa — depois de devidamente desprivatizado, já que, no Brasil, Marilena Chaui se quer a intérprete oficial do autor; se a obra de Espinosa fosse “A Valquíria”, Marxilena se apresentaria como Maria Callas… Mas que se deixe a abstração de lado. O voo teórico de Renan se fez ética encarnada na voz do senador Lobão Filho (PMDB-MA), que chegou à Casa como suplente de Lobão Pai, hoje ministro das Minas e Energia: “Nessa Casa não há nenhuma vestal. A última vestal que tentou ser vestal nessa Casa foi desossado pela imprensa. Não há ninguém a levantar o dedo para o senador Renan Calheiros”. O Lobinho é o homem do Lobão! Ele se referia certamente a Demóstenes Torres, defenestrado por bons motivos do Senado, como todo mundo sabe. Mas que se note: Demóstenes não perdeu o mandato porque se apresentasse como vestal; ele foi cassado porque não praticava, na vida pública, aquilo que enunciava e anunciava. Quando aquele senador caiu, os valores éticos não caíram com ele. É espantoso! Hoje em dia, intelectuais de esquerda, os petistas e tipos como Lobinho passaram a demonizar o discurso da ética e da moralidade públicas. Ele seria sempre e necessariamente falso; só poderia se exercer como moralismo de fachada. Nessa perspectiva, não se deve mais censurar este ou aquele pelo crime cometido; cumpriria, então, indagar: “Mas por que ele fez tal coisa? O fim é nobre?” De fato, a ética não é uma finalidade em si, mas um instrumento. Só que há uma consideração que certamente não passa pelo amoralismo de Renan Calheiros e dos setores da esquerda que são hoje seus aliados: os meios empregados qualificam os fins. Se Maquiavel retirou a política da esfera quase celeste e a devolveu à terra ao constatar que, na vida real, os fins acabam justificando os meios, tomada tal perspectiva como um norte ético, mergulha-se, então, no vale-tudo. Não, meus caros! Nem Aristóteles, nem Espinosa, nem Kant. O livro que trata de forma mais viva e cruenta a questão da ética é o magistral “O Zero e o Infinito”, escrito pelo ex-comunista Arthur Koestler, que veio à luz em 1941. Ele precisou de muito menos tempo do que outros para constatar os crimes do comunismo. O centro da obra é justamente um questionamento ético. Entre 1936 e 1938, Stálin — tratado no livro como o “Nº 1” — liquida boa parte da velha-guarda revolucionária no curso dos chamados “Processos de Moscou”, uma farsa judicial espantosa para se consolidar como a única fonte de poder da União Soviética. Os “processos” são especialmente espantosos porque conduzidos de forma a criar uma maquinaria argumentativa que levava os acusados a confessar a sua culpa, embora soubessem que isso não os livraria da morte, à qual já estavam condenados. A acusação essencial: conspirar contra o estado soviético, a revolução socialista e o partido. É esse clima que Koestler reproduz em seu livro. Rubachov é um comunista revolucionário de primeira hora que está preso, acusado de conspiração e traição. Somos apresentados a seus diálogos com seus algozes, todos eles a serviço do partido e da causa. Ocorre que se formara ele também na certeza de que o partido não errava nunca e de que não se iria construir uma nova humanidade sem cometer alguns atos condenados pela moral burguesa. Um trecho do livro é particularmente significativo. Rubachov conversa com Ivanov, um policial do regime com certas pretensões filosóficas. Este faz algumas considerações sobre Raskolnikov, o jovem assassino de “Crime e Castigo”, de Dostoiévski, aquele que mata uma velha exploradora a machadadas para supostamente usar o seu dinheiro em benefício da humanidade. Raskolnikov acaba confessando a sua culpa e busca a reabilitação. Para Ivanov, o policial, “Crime e Castigo” é um livro que deveria ser queimado porque não propõe nenhuma questão relevante. Entende que Raskolnikov “é um louco, um criminoso, não porque se comporte logicamente ao matar a velha, mas porque está fazendo isso por interesse pessoal”. E acrescenta: “O princípio de que o fim justifica os meios é e continua sendo a única regra da ética política. Tudo o mais é conversa fiada e se derrete, escorrendo por entre os dedos. Se Raskolnikov tivesse matado a velha por ordem do Partido (por exemplo, para aumentar os fundos de auxílio às greves ou para instalar uma imprensa clandestina), então a equação ficaria de pé, e o romance, com seu problema ilusório, nunca teria sido escrito, e tanto melhor para a humanidade”. Como vocês percebem, para Ivanov, o assassinato mais torpe se enobrece se a causa é considerada não exatamente justa, mas útil. Rubachov responde que, no poder, os revolucionários conseguiram criar uma sociedade pior do que aquela que buscavam substituir, que as condições de vida se deterioram dramaticamente em todas as áreas, que as pessoas sofrem muito mais. Ivanov então responde: “Sim, e daí? Não acha maravilhoso? Alguma vez já aconteceu algo mais prodigioso na história? Estamos tirando a pele velha da humanidade e lhe dando uma nova. Não é uma ocupação para gente de nervos fracos”. O policial já havia dito ao líder comunista que caíra em desgraça que só há duas éticas no mundo, opostas e inconciliáveis: uma é a cristã e humana, que declara que o homem é sagrado e que os princípios da aritmética não podem ser aplicadas a unidades humanas; a outra é a coletiva, que subordina cada homem às necessidades do coletivo; esta outra, que é a sua, diz ele, “não somente permite como pede que o indivíduo seja de todas as maneiras subordinado e sacrificado à humanidade”. De volta a Renan E o que Renan tem com isso? É um legítimo representante ou herdeiro da esquerda, por acaso? Até namorou com o PCdoB quando jovem, mas isso não tem importância. Relembro “O Zero e o Infinito” porque nenhuma obra levou tão longe e de maneira tão viva o questionamento ético. A elite dirigente que hoje comanda o País transformou em norte moral a máxima de que o fim justifica, sim, os meios empregados. Essa visão de mundo contamina setores da imprensa. Quantos não são aqueles que justificam a aliança da velha com a nova oligarquia em nome do interesse nacional? A “ética” de que fala Ivanov é aquela que entrega a um partido, a um ente, o destino da humanidade e de cada homem. Sim, ele está certo na constatação, entendo eu, de que, a rigor, só existem duas éticas: a que sacraliza o indivíduo e a que o transforma em peça de uma narrativa contada por aquele ente de razão. O que nos distingue, por óbvio, é que fico com a primeira, e ele, com a segunda. O Brasil passa por um momento particularmente infeliz no que diz respeito à ética porque, com efeito, o PT é herdeiro moral do vale-tudo bolchevista — sem mais ser, por óbvio, comunista. E, em nome do que vende como “causa da humanidade”, não só pratica os piores crimes como os transforma em ferramenta de progresso social, como faz Ivanov. Esse amoralismo redentor, que apela a amanhãs gloriosos, se casou perfeitamente com os interesses das elites reacionárias brasileiras, de que são expressões os Renans, os Sarneys etc. Se uns nunca tiveram têmpera revolucionária, os outros a empregam como farsa. Porque, de fato, se os reacionários nunca tiveram como perspectiva um novo mundo, os supostamente revolucionários queriam era dividir o comando da reação. E conseguiram. Os dois grupos se dizem hoje irmanados na defesa do bem comum, em nome do qual tudo é permitido. O conjunto explica por que José Dirceu sai proclamando aos quatro ventos que as críticas a Renan derivam do moralismo udenista. Dirceu é o candidato a Ivanov dessa nova ordem. E Ivanov já disse: Raskolnikov, o que matou a velha a machadadas, só não era um herói porque não agiu sob o comando do partido, de uma causa. Não sei se daqui a dois, seis, 10, 14 ou mais anos… Um dia essa gente será apeada do poder. E poderemos, ou outros poderão, refletir com ainda mais rigor sobre a era em que vivemos sob a égide do crime sem castigo. Os que chamamos as coisas por seus respectivos nomes fazemos a crônica de um tempo.

Marcos Valério nega autoria de lista que cita ministro Gilmar Mendes em novo depoimento na Polícia Federal

O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, condenado no julgamento do Mensalão do PT como operador do esquema, prestou depoimento na manhã desta sexta-feira na superintendência da Polícia Federal em Minas Gerais, em Belo Horizonte. Segundo o advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo, o empresário negou a autoria de uma lista com nomes de supostos beneficiários de repasses de recursos que seriam provenientes de caixa dois da campanha derrotada à reeleição do hoje deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG), em 1998. A lista cita o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. O esquema de financiamento da campanha do tucano é investigado no processo do chamado "mensalão mineiro". A lista foi publicada no ano passado pela revista filopetista "Carta Capital". Marcos Valério foi ouvido pela Polícia Federal como testemunha. No documento constava uma assinatura que supostamente era sua. O advogado do empresário disse que, durante depoimento de cerca de uma hora, ele afirmou que o conteúdo da lista é falso e que não produziu nem assinou os papéis: "Isso tem característica de listas falsas que foram feitas em Minas Gerais por um cidadão que já respondeu a vários processos por falsificação, Nilton Monteiro", afirmou o advogado Marcelo Leonardo. A lista foi encaminhada à Polícia Federal pelo advogado do lobista Nilton Monteiro. Ele é o responsável pela divulgação da "lista de Furnas", documento com nomes de 156 políticos que supostamente teriam recebido dinheiro da estatal federal Furnas Centrais Elétricas para suas campanhas eleitorais em 2002, o que é ilegal. A autenticidade da lista, porém, nunca foi comprovada. Ele foi preso em 2011, acusado de forjar documentos que colocavam empresários e políticos como credores dele. No ano passado, voltou a ser preso sob acusação de estelionato.

Aliado de José Serra, Aloysio Nunes é o novo líder do PSDB no Senado

O senador Aloysio Nunes Ferreira (SP), aliado do ex-governador José Serra, assumiu hoje a liderança da bancada do PSDB no Senado em substituição a Álvaro Dias (PR). O nome que vinha sendo cotado para a liderança da bancada tucana era a do senador Cássio Cunha Lima (PB), que ficou com a vice-liderança. Não houve disputa. A decisão foi tomada por acordo. Segundo senadores tucanos, o objetivo foi evitar desgaste a Cássio. O senador paraibano assumiu o mandato de senador apenas em novembro de 2011, um ano após a eleição, porque seu registro havia sido barrado pela Justiça Eleitoral, com base na Lei da Ficha Limpa. O motivo foi a cassação do seu mandato de governador, em 2008, por suspeita de irregularidades nas eleições de 2006. Com a anulação dos efeitos da lei para as eleições de 2010, o Supremo determinou sua posse. De acordo com senadores do PSDB, a escolha de Aloysio foi consensual e não houve interferência de Serra.

Funcionário de loja diz que banda comprava artefatos pirotécnicos "toda semana"

Um funcionário da loja Kaboom Pirotecnia, de Santa Maria, confirmou na quinta-feira que a banda Gurizada Fandangueira costumava comprar artefatos pirotécnicos quase "toda semana" na loja. Antes da tragédia na boate Kiss, no último domingo, um deles teria adquirido uma caixa de sputniks de uso externo, considerado inadequado para a casa noturna. O funcionário disse que as notas fiscais referentes à compra foram entregues aos investigadores. Ele confirmou que, antes da tragédia, a banda teria optado por adquirir os produtos de uso externo, que são mais baratos. Uma caixa com seis unidades custa R$ 13,00 enquanto um único exemplar de sputnik indoor (uso em ambiente interno) sai por R$ 75,00 no local: "Ele levava só o Sputnik. Nesse dia ele decidiu levar chuva de prata para testar. Várias vezes a gente dizia para ele: tu tá usando na parte interna. Ele dizia: mas eu sei como estou usando, estou usando com segurança, eu tenho o curso. Disso dele ter o curso é pior ainda. Se tem o curso, ele sabia que não podia usar". O funcionário afirmou que foi oferecido desconto para que o integrante da banda levasse o produto de utilização interna, mas não conseguiu concretizar a venda. Em depoimento à Polícia Civil, o produtor da banda, Luciano Augusto Bonilha Leão, reconheceu ser o responsável pela aquisição, mas disse que os sinalizadores utilizados eram "gelados, sem queima".

Collor acusa Gurgel de "chantagista" por denúncia ao Supremo contra Renan Calheiros

O ex-presidente da República e senador Fernando Collor (PTB-AL) criticou, durante discurso, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, a quem chamou de "chantagista" e "prevaricador". Semana passada, Gurgel apresentou ao Supremo Tribunal Federal denúncia contra o candidato à Presidência do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL), acusando-o de usar notas "frias" para comprovar seu patrimônio. Collor classificou a ação de uma "pseudodenúncia". Durante a CPI do Cachoeira, Collor entrou com um pedido de impeachment contra Gurgel no Senado e também com representações no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), questionando a demora do procurador-geral em investigar o ex-senador Demóstenes Torres e sua relação com o contraventor Carlinhos Cachoeira. Por isso, para o senador, o procurador não tem isenção para apresentar uma denúncia contra o aliado Renan Calheiros. "O senhor procurador-geral, Roberto Gurgel dos Santos, não tem nenhuma autoridade para apresentar qualquer tipo de denúncia contra nenhum parlamentar. Gurgel tem contra si, tramitando nesta Casa, representação contra sua atuação. Esta representação demonstra que o senhor procurador-geral é chantagista, prevaricador e que cometeu crime de responsabilidade. Como é que este senhor tem autoridade moral para apresentar uma denúncia contra um senador da República que já foi julgado pelo Senado Federal? Julgado e absolvido pelo Senado Federal", disse Collor de Melo. O ex-presidente defendeu Renan Calheiros.

Ibama autoriza matança do javali-europeu

Está autorizada, no Brasil, a perseguição, a captura e o abate de javalis-europeus, da espécie Sus scrofa. A decisão, publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira, pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), permitirá uma tentativa de controle desses animais e seus cruzamentos com o porco doméstico, que têm forte presença em algumas regiões do País, onde, em grande volume, vêm destruíndo lavouras e deixando a população em alerta. Até agora o controle estava autorizado para Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A coordenadora de Fauna Silvestre do Ibama, Maria Isabel Gomes, explica que a instrução normativa libera o abate controlado, com cadastramento e autorização prévia do órgão federal. O uso de armas de fogo deve obedecer as normas que regulamentam o assunto e, no caso das armadilhas, o Ibama liberou apenas as que permitem a captura do animal vivo, sem ferimentos. A norma proíbe a distribuição ou comercialização da carne, além do transporte de animais vivos. "O abate dos animais sem autorização continua sendo considerado crime ambiental", diz ela. Segundo a coordenadora, a população de javalis existentes no Brasil somente será mensurada com maior precisão a partir do comitê de monitoramento que será instalado pelo governo federal, com participação de representantes dos órgãos ligados aos ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura. Ela cita estimativas que indicam a existência de 200 mil javalis vivendo em liberdade no Rio Grande do Sul, por onde os animais entraram no Brasil após fugir dos criatórios que existiam no Uruguai. Maria Isabel Gomes afirma que o animal híbrido, resultado do cruzamento do javali europeu com o porco doméstico brasileiro, é mais forte e mais feroz. A legislação também prevê o fechamento de todos criatórios de javalis em território nacional, a partir de março, e a proibição de importações da espécie. A coordenadora diz que a experiência de outros países, como Alemanha e Austrália, mostra que é impossível exterminar a população de javalis. No município de Ponte Serrada, no oeste catarinense, a população local bem que gostaria de uma medida de extermínio dos javalis. Uma vara de javalis devora de 4 a 5 hectares de milho em uma noite.

Exército da Colômbia mata líder de frente das Farc

As forças militares da Colômbia informaram nesta sexta-feira terem matado Jacobo Arango, o líder máximo da Quinta Frente (Bloco Noroeste) das Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc, organização terrorista e traficante de cocaína). Segundo o ministro da Defesa do país, Juan Carlos Pinzón, o chefete terroristas foi morto após bombardeiro aéreo sobre um acampamento da organização terrorista localizado na zona rural de Tierra Alta, departamento de Córdoba, no Caribe colombiano. “É importante recordar que as Farc têm seis blocos e cada um tem um líder máximo. Esse indivíduo acabava de ser promovido a esse cargo dentro do grupo”, informou Pinzón. Jacobo Arango participou das Farc durante 31 anos. O ministro também destacou a “proximidade” entre Arango e o vice-líder das Farc e atual chefe de negociações de paz da organização terrorista, Iván Márquez. O ataque ocorreu em um momento tenso das negociações de paz em Havana, Cuba, porque, há oito dias, as Farc capturaram dois policiais como prisioneiros de guerra. Segundo o Ministério da Defesa, com a morte de Arango, as Farc perderam, nos últimos 16 meses, 27 líderes de frentes ou colunas, além do líder máximo Alfonso Cano, morto em uma operação militar em novembro de 2011. O Exército da Colômbia informou ter apreendido cinco fuzis, uma submetralhadora, duas espingardas, entre outras armas, além de munição, detonadores explosivos, e equipamentos de comunicação e informática.

Empresa de Eike Batista é multada em mais de R$ 1 milhão

A empresa OSX, que integra o grupo EBX do empresário Eike Batista, foi multada nesta sexta-feira em R$ 1,3 milhão pelo governo do Estado do Rio de Janeiro. O motivo é o alto nível de sal na água de um canal no Porto do Açu, no norte fluminense, onde a empresa constrói um estaleiro. Além da multa, a empresa terá de fazer a dragagem em três pontos do canal, cujo custo deve chegar a R$ 1 milhão e ainda adotar um parque estadual no porto, a um custo de implantação estimado em R$ 2 milhões, e mais R$ 350 mil anuais para manutenção, até que os problemas sejam sanados. O Instituto Estadual do Ambiente, responsável pela fiscalização das obras do estaleiro, determinou que a empresa pague os prejuízos causados a agricultores e pescadores afetados pela poluição, no prazo máximo de 60 dias. Segundo o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, foi considerado agravante para aplicação da multa o fato de a OSX não comunicar o excesso de sal e, sem autorização, ter realizado obras de correção. A OSX informou que a empresa vai recorrer da decisão.

Greves e falta de linhas de transmissão atrasam início de operação da Usina de Jirau

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta sexta-feira alteração do cronograma de implantação da Usina Hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira (RO). Com a mudança, o início da geração comercial de energia, prevista para 31 de janeiro deste ano, passou para o dia 1º de março. A Energia Sustentável do Brasil, responsável pelo empreendimento, pediu prorrogação até maio, mas os diretores da Aneel entenderam que a geração deveria começar em março. A empresa alegou que as greves de trabalhadores e incidentes no canteiro de obras ocorridos no ano passado, como saques e depredações, atrasaram o cronograma, além da operação padrão de auditores da Receita Federal, que retardou a entrega de equipamentos. A empresa argumentou também que as linhas de transmissão, que vão escoar a energia da usina, só ficarão prontas em abril. “Esse alinhamento de datas é muito benéfico para o consumidor, porque não haverá nenhum desembolso por uma energia que não poderia ser entregue”, explicou a representante da Energia Sustentável do Brasil, Gerusa Magalhães. Com investimento de mais de R$ 13 bilhões, a usina terá capacidade instalada de 3,75 mil megawatts (MW) e garantia física de 2,18 mil MW médios, suficiente para abastecer mais de 10 milhões de casas.

2012: com inflação de 6%, governo diz que nunca na história deste país a renda cresceu tanto. Magníficos 4,1%.

Circula a notícia de que nunca na história deste país houve um nível de desemprego tão baixo: 5,5%. E que nunca na história deste país a renda cresceu tanto: 4,1%. Da inflação de 6%, o governo não fala. Porque isso significa que os salários perderam muito mais do que 1,9%. Que os reajustes ficaram 30% abaixo da inflação oficial. Todos estes dados são para esconder o pibinho de 1% ou menos. O PT aprimorou de tal forma a sua capacidade de mentir e a sua máquina de propagar estas mentiras que, em 10 anos, as estatísticas perderam completamente a credibilidade.

Renan Calheiros é eleito presidente do Senado

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) foi eleito nesta sexta-feira presidente do Senado. Ele substituirá o companheiro de partido José Sarney (AP) e presidirá a casa legislativa por dois anos. Calheiros, eleito em meio a denúncias do procurador-geral da República, obteve 56 votos, contra 18 do senador Pedro Taques (PDT-MT). Houve dois votos em branco e dois nulos. Ao todo, 78 dos 81 senadores participaram da votação. Antes da eleição, senadores falaram na tribuna do Senado, manifestando opiniões contrárias e favoráveis a Calheiros. Colega de partido do novo presidente da Casa, o gaúcho Pedro Simon afirmou que, em razão das denúncias envolvendo o seu nome, Calheiros não deveria ter se candidatado. O ex-presidente da República Fernando Collor (PTB-AL) tentou desqualificar a figura do procurador-geral Roberto Gurgel e dizer que ele não pode apresentar denúncias contra Calheiros: "Gurgel é prevaricador, chantagista e sem autoridade moral". Em seu discurso, antes da votação, Pedro Taques se apresentou como perdedor. Disse que a vitória de Renan estava garantida e mas insistiu na importância moral da sua candidatura: "Sou o candidato do PDT, do PSOL, do PSB, do DEM, do PSDB e de corajosos senadores de outras legendas que não se submeteram. Nós, os que vamos perder, saudamos a todos com a dignidade intacta". Desde 2003, o comando do Senado é praticamente uma dança das cadeiras entre Sarney e Calheiros, que presidiram a casa quase de modo ininterrupto.

Quase tudo está com funcionamento irregular em Santa Maria

Santa Maria, parece, só poderia mesmo ter sido a cidade da tragédia do incêndio que matou 236 jovens até agora. Três prédios onde funcionam órgãos públicos são emblemáticos. O edifício onde funciona a administração central da prefeitura, no Centro de Santa Maria, não tem plano de prevenção contra incêndio. Na mesma rua, a Alberto Pasqualini, o prédio onde funciona o gabinete do prefeito também está irregular: o alvará de prevenção e proteção contra incêndio está vencido desde 26 de janeiro, um dia antes da tragédia, e os extintores de incêndio desde fevereiro de 2011. O alarme de incêndio também está desligado no local. Já o prédio onde funciona a Delegacia Regional da Polícia Civil, que concentra as investigações da tragédia, também está com o mesmo alvará vencido desde 4 de janeiro deste ano. No prédio do Centro Administrativo Municipal, o plano de prevenção contra incêndio inexistente está recém sendo providenciado.

Advogado de Kiko Spohr afirma que compra de espuma foi indicada por engenheiro

O criminalista Jader Marques, que defende Elissandro Spohr, o Kiko, um dos sócios da boate Kiss, diz que seu cliente desconhecia o perigo da espuma instalada na casa noturna e que seguiu orientação de um engenheiro. "É uma espuma antirruído. Ela está em todas as casas noturnas. Em todos os locais", disse Jader Marques. O advogado afirma que esse tipo de esponja está no revestimento de todas as casas noturnas. E acrescentou que, se não fosse o gaiteiro da banda Gurizada Fandangueira ter colocado fogo, não haveria incêndio. Afirmou o advogado Jader Marques: "A cortina é tóxica e inflamável quando pega fogo, o gesso acartonado é. Quem compra não tem preocupação com o fogo, pois quando tu instala madeira num palco, tu sabe que madeira queima. Qualquer coisa dentro daquela boate queima. Toda decoração de halloween, se queimar, produz fumaça tóxica mortal. Está havendo exagero. A pergunta importante não está sendo feita: qual o material queimado dentro da boate não produziria isso? Claro que a grande quantidade da espuma efetivamente produziu quantidade grande de gás tóxico. Quem comprou e instalou estava preocupado com a acústica. Não é razoável pensar isso. Vamos pensar o seguinte: ele tem 28 anos, dono de boate, arrumando a bebida, comida, o garçom, a comanda, música e aí tem que baixar som da casa, faz o quê? Chama um engenheiro e ele te diz para colocar a espuma antissom. Foi isso". Mas, o advogado se nega a revelar o nome do engenheiro que teria sido chamado pelo dono da boate Kiss.

Jovem vítima de incêndio criminoso em ataque a ônibus está na UTI

O jovem Eron Melo, de 19 anos, foi transferido no começo da tarde desta sexta-feira para um leito da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Governador Celso Ramos. O rapaz sofreu queimaduras de segunda grau por ter atravessado as chamas de um ônibus incendiado nesta madrugada. Melo deve ficar internado em Florianópolis até a próxima semana, depois deve ser levado para o Hospital Santa Tereza, em Lages, onde estão abertas duas vagas em UTI. O hospital é referência para o tratamento de queimados. O quadro de saúde dele é estável. A equipe médica considerou que ele deve ficar em observação por ter inalado fumaça, até que o socorro chegasse.

FORTUNATI DEMITE SEU EX-CHEFE DO LIXO, AQUELE QUE MONTOU O PROJETO DE LICITAÇÃO CONCENTRADORA PARA UMA EMPRESA

Veja o que está no Diário Oficial do município de Porto Alegre, Ano XVII - Edição 4435 - Quarta-feira, 30 de janeiro de 2013 – Página 3 . DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA, no uso de suas atribuições legais, EXONERA, a contar de 01/02/2013, CARLOS VICENTE BERNARDONI GONÇALVES, 829710, do Cargo em Comissão Assessor Técnico – CC 1327, com base no artigo 71, inciso II, letra “a” da Lei Complementar 133 de 31/12/1985, através do Ato 15 de 18/01/2013 (processo 005.0092.13.4). O ato foi assinado pelo atual diretor-geral, André Carus, homem das confianças totais de Luiz Fernando Zachia e Sebastião Melo. Mas, ele não faria isso se o prefeito José Fortunati não quisesse. Significa que, agora, o lixo de Porto Alegre tem donos exclusivos.

A verdade é que a imprensa brasileira sempre foi tolerante com as besteiras de Lula e ajudou a criar o mito fanfarrão. Ou: Bobeou, Lula “passa o pente”…

Por Reinaldo de Azevedo - Luiz Inácio Apedeuta da Silva foi a Havana participar de um troço chamado “Conferência pelo Equilíbrio Mundial”. Atacou aquela velha senhora, a Dona Zelite, especialmente a imprensa, que perseguiria democratas e humanistas como Cristina Kirchner, Evo Morales, Hugo Chávez… No Brasil, disse ele, a “mídia” não gosta de ver pobre andando de avião. Vai ver é por isso que o fanfarrão tentou reinstaurar a censura no Brasil: para que passássemos a elogiar aeroportos fedorentos, caindo aos pedaços, entregues a uma gestão ineficiente, lotada de larápios. Vai ver ele e Dilma retardaram em quase dez anos a privatização do setor para dar uma lição aos jornalistas: “Vocês vão ter de aguentar o povo!”. Como é mesmo? “País rico é país sem conforto”. Em peregrinação pelo Brasil, José Dirceu ataca o Ministério Público, o Judiciário e, claro!, a imprensa — que estaria disposta a instaurar uma ditadura no Brasil. Não uma ditadura qualquer, mas do tipo nazifascista, segundo Rui Falcão, este democrata exemplar. Pois é… A verdade, no entanto, é bem outra. Ao longo dos anos, ao longo das décadas, o jornalismo brasileiro foi é complacente com Lula e sempre relevou — quando não promoveu — sua pletora de bobagens na suposição de que ele, afinal, era um autêntico representante do povo e tinha, por isso, licença especial para dizer tolices. Raramente Lula foi visto como aquilo que de fato era: um político empenhado na construção de um partido para disputar o poder. Era tratado como uma força da natureza; como o bom selvagem que vocalizava não um conteúdo político, mas uma mensagem vinda das entranhas da Terra. Seus juízos eram, sim, meio toscos — “mas ele não teve estudo, coitado!”. Suas soluções eram simplistas, primárias, notavelmente ignorantes — “mas ele é um representante das massas, e apontar suas burrices é manifestação de preconceito”. E se foi criando, então, o mito do homem que sabia tudo sem estudar nada. Em uma entrevista à revista “Primeira Leitura”, que eu dirigia, Marilena Chaui comparou o chefão petista à deusa grega Métis (ainda vou recuperar a passagem; é notável). Voltemo-nos àquela entrevista que o então já bastante poderoso e influente Lula concedeu à revista Playboy em 1979. Que outra figura pública teria resistido à confissão de que iniciou sua vida sexual com animais? Que outra personalidade teria sobrevivido à admissão de que ficava de olho nas viuvinhas que entravam no sindicato para, recorrendo a seu vocabulário iluminado, “papá-las”? Atenção! Aquele notável líder da classe trabalhadora aproveitava-se da morte de um companheiro e da fragilidade da mulher — que tinha ido ao órgão de classe para cuidar da pensão — para, como se diz por aí, “passar o pente”. Que outra expressão do sindicalismo ou da política teria superado a revelação de que tinha na galeria dos homens admiráveis e admirados Hitler e Khomeini. Por quê? “Porque estavam do lado dos menos favorecidos…”, ele explicou. “Lá está o Reinaldo querendo ressuscitar velharias…” Não! Já demonstrei que não são velharias. As escolhas que Lula fez na política externa, por exemplo, indicam coerência com seu passado. As escolhas que faz na política interna são compatíveis com aquela visão de mundo. E ousaria mesmo dizer que certos sucessos de sua vida privada — com repercussões na esfera pública — remetem àquela espreitador de viuvinhas. No sindicato, na Presidência e no partido, ele nunca soube distinguir suas necessidades privadas das questões coletivas. Isso está dado pelos fatos. É mentira, das mais escancaradas, essa história de que a imprensa persegue Lula, o PT e os petistas. Ao contrário: há mais de 30 anos, essa gente está entre os pauteiros mais influentes do jornalismo. Com muita frequência, em razão de alinhamentos ideológicos e afinidades eletivas, é poupado das críticas. Não se trata aqui de apelar ao escatológico ou ao que parece anedótico para definir um homem inteiro. Usar um cargo num órgão de representação de classe para “papar” viúvas fragilizadas não define apenas um gosto sexual; define também um caráter. Afirmar que Hitler é um homem admirável, ainda que discorde de sua ideologia, por causa do “fogo de se propor a fazer alguma coisa” é mais do que a mera expressão de um juízo torto; Lula conseguiu atravessar a camada do horror para descobrir no facínora o ardor da transformação. O Lula de 1979 está presente no Lula de 2013 e, de fato, jamais o abandonou. A cada vez que confunde o público com o privado, em que toma a sua própria vida como metro de todas as coisas, quem se manifesta é o molestador de viúvas. A cada vez que justifica os crimes dos companheiros (os petistas ou os governantes delinquentes da América Latina), ouve-se a voz do admirador de Hitler e Mussolini. Não especulo se aquele Lula escatológico tem expressão ainda hoje em dia porque minha imaginação se nega a visitar certas paragens… Ataque à imprensa por quê? Com raras exceções, noticiou-se a sua óbvia e indevida intromissão na prefeitura de São Paulo e mesmo no governo Dilma como se fosse algo natural, corriqueiro, aceitável. Lula decide na base do dedaço quem é e quem não é candidato no partido, e se considera isso muito normal porque, afinal de contas, ele é mesmo o líder inconteste no partido. Os mais sabujos vêem nisso um “saudável processo de renovação” do partido. Num seminário, os porta-vozes do Apedeuta anunciam quem será o verdadeiro articulador do governo Dilma, e ninguém se ocupa de indagar: “Mas com quais credenciais que a tanto o habilitem, se não é deputado, não é senador, não é ministro, não é assessor da Presidência?”. Mas ao petismo não basta. Se o partido conseguisse cooptar todos os meios de comunicação menos um, seguiria reclamando e denunciando o “complô” da mídia contra as forças do povo, como naquela carta-programa dos nazistas… A imprensa que Lula agora ataca, tudo bem pensado, praticamente o inventou como líder e segue tendo com ele uma generosidade que a nenhum outro político é dispensada. Aquele que é hoje um dos homens mais poderosos do país ainda é visto por muitos como o ignorante amoroso, de bom coração, cheio de boas intenções, dono de uma intuição genial, interessado apenas na redenção do seu povo. Não há o que perguntar às cabras. A indagação teria de começar pelas viúvas…

Blogueira cubana Yoani Sanchez estará em Porto Alegre no dia 9 de abril

O Instituto Liberdade, de Porto Alegre, prepara uma recepção de gala para a blogueira cubana Yoani Sánchez, que participará do 26º Fórum da Liberdade. O evento terá como tema “O que se vê e o que não se vê” e será realizado nos dias 8 e 9 de abril deste ano, no Centro de Eventos da PUCRS, em Porto Alegre. A ditadura comunista da dinastia Castro liberou o passaporte para Yoani Sanchez e para quem mais quiser sair de Cuba.

Voltam a acontecer os ataques criminosos em Santa Catarina, já são 13 atentados em 48 horas

Até a manhã desta sexta-feira, chegava a 13 o número de ataques criminosos registrados em Santa Catarina. As ocorrências foram registradas nos municípios de Florianópolis, Palhoça, Itajaí, Balneário Camboriú, Camboriú e Gaspar. Um homem de 23 anos foi preso e encaminhado para a 1ª Delegacia de Polícia. A polícia militar apreendeu também um adolescente de 17 anos. Toda a Polícia do Estado está em alerta para atuar no que for preciso. Por volta da 5 horas da madrugada desta sexta-feira, a Base Operacional da Polícia Militar da Praia de Canasvieiras, em Florianópolis, foi incendiada. O que foi atacado pelos criminosos: 8 ataques a ônibus, 1 atentado à delegacia, 1 base da Polícia Militar incendiada, 1 carro particular queimado, 1 viatura de trânsito incendiada, 1 casa comercial incendiada.

MORREU A 236ª VÍTIMA DO INCÊNDO CRIMINOSO DA BOATE KISS

Às 21h45min de quinta-feira morreu a 236ª vítima do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria. O santa-cruzense Matheus Raschen estava internado em estado grave no Hospital de Pronto Socorro, em Porto Alegre, desde a manhã do último domingo. De acordo com o pai, Nestor Rachen, Matheus havia tido uma melhora durante a quarta-feira. No entanto, nesta quinta-feira voltou a piorar e acabou não resistindo.