segunda-feira, 17 de junho de 2013

DEZ MIL PARTICIPARAM DE PASSEATA EM DIREÇÃO AO MINEIRÃO, EM BELO HORIZONTE

Pelo menos dez mil pessoas, segundo estimativas da Polícia Militar fizeram uma passeata desde o centro de Belo Horizonte em direção ao estádio do Mineirão. Os manifestantes protestaram contra o aumento da tarifa dos transportes coletivos, a corrupção e os investimentos direcionados a Copa do Mundo no País. A concentração teve início por volta das 12 horas na Praça Sete de Setembro no centro da capital e fechou algumas das principais vias da cidade. A manifestação foi acompanhada por dezenas de viaturas da Policia Militar, inclusive a tropa de choque. O grupo que luta contra os gastos na copa do mundo, por causa da violação de direitos, principalmente com a desapropriação de obras para o mundial, gritarou várias palavras de ordem durante a manifestação. Entre elas, "Não é Turquia, não é a Grécia. É o Brasil saindo da inércia". A tropa de choque impediu que manifestantes prossiguissem na caminhada em direção ao estádio Mineirão, onde foi realizada a partida entre Nigéria e Taiti. Manifestantes colocaram um vídeo no Facebook mostrando correria depois do barulho de explosões na Avenida Antônio Carlos, perto da Universidade Federal de Minas Gerais.

SE A CRISE DESBORDAR PARA DENTRO DO CONGRESSO, ATÉ O MANDATO DE DILMA ESTARÁ EM PERIGO

Parlamentares federais gaúchos não escondem o que está ocorrendo em Brasília. Eles apontam que o governo Dilma Roussef parece não ter entendido que, ao lançá-la candidata a presidente, em março, Lula abriu a campanha eleitoral do próximo ano, e não apenas para o governo federal. Com isso, a campanha eleitoral em andamento contaminou a economia, e a economia contaminou a política. A prova disso foi a manifestação de Aécio Neves em cadeia nacional, no programa partidiário do PSDB, criticando o clima de retomada da inflação. Se a presidente Dilma e seu governo não mudarem, conforme os parlamentares, a situação poderá ficar imprevisível. Afinal, em época eleitoral, político só valoriza uma única coisa, o eleitor e o voto. Até o momento, o clima ainda está calmo, mas as manifestações de ruas em praticamente todas as grandes capitais são um perigoso indicativo.

MINISTRO PETISTA JOSÉ EDUARDO CARDOZO DIZ QUE TUDO INDICA QUE O TAMBÉM PETISTA ALEXANDRE PADILHA SERÁ CANDIDATO DO PARTIDO EM SÃO PAULO


O ministro da Justiça, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, disse nesta segunda-feira que suas reiteradas ofertas de ajuda ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, propondo maior parceria na área da segurança pública, não têm qualquer ligação com candidatura. "Tudo indica que o candidato do PT ao governo de São Paulo será o ministro da Saúde, Alexandre Padilha", afirmou ele. "Eu digo e repito, não sou candidato à sucessão de Alckmin e esses boatos só atrapalham o debate sobre os problemas da segurança. Lamentavelmente, alguns parecem não querer que ocorra a necessária integração entre governo federal e Estados". Desde que o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo acusou Alckmin, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, de estar "politizando" a segurança, o tiroteio entre o PT e o PSDB aumentou, tendo como pano de fundo a campanha ao Palácio dos Bandeirantes, em 2014. No contra-ataque, o secretário da Segurança, Fernando Grella, disse que Cardozo estava "equivocado" ao apontar o dedo para Alckmin e muitos tucanos viram interesses eleitorais nas declarações do petista. O tom aumentou, porém, depois que o ministro falou em "excessos" da Polícia Militar no confronto com manifestantes que protestavam contra o aumento da tarifa de transporte, na quinta-feira, 13. O senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB e provável candidato ao Palácio do Planalto, disse que Cardozo estava usando o episódio "para se promover". "Há um descaso com a segurança pública por parte do governo federal", comentou Aécio. "Hoje, 87% dos recursos com segurança no Brasil vêm dos cofres estaduais e municipais. Apenas 13% vêm da União". O "porquinho" petista José Eduardo Cardozo rebateu e afirmou que o Ministério da Justiça tem apresentado gastos "crescentes" com segurança. "A eles têm se somado as despesas com a segurança de grandes eventos, que chegam a R$ 1,8 bilhão. Esses gastos foram feitos não só pensando nos grandes eventos, mas também no legado que ficará para a sociedade. Os 12 Estados que serão sede da Copa vão receber centros de comando e controle de alta tecnologia. Trata-se de um grande salto em segurança pública no País", insistiu o ministro. Para o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo, as críticas de Aécio e de outros tucanos a seu comportamento têm o objetivo de "projetar o problema para o plano eleitoral".

JERÔME VALCKE MARCA ENTREGA DO ITAQUERÃO PARA 5 DE JANEIRO

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, afirmou nesta segunda-feira que o Itaquerão será entregue até o dia 5 de janeiro de 2014. O dirigente mostrou confiança no cumprimento do prazo por parte do Corinthians e da Odebrecht e enfatizou que o prazo é "inegociável". "Temos uma boa relação com Odebrecht e Corinthians. Estamos conversando constantemente e temos todas as garantias de que o estádio será entregue no prazo", declarou Valcke, nesta segunda-feira, em evento no Rio de Janeiro. O prazo estende em cinco dias a data anterior estabelecida pela Fifa, que pretendia contar com todos os estádios da Copa do Mundo em dezembro. A nova data reforça a postura de Valcke em evitar atrasos, como os que aconteceram com arenas sedes da Copa das Confederações. Há algumas semanas, a diretoria do Corinthians entrou em polêmica com Valcke ao citar que a Fifa teria dado prazo até fevereiro de 2014 para conclusão do Itaquerão. Após declarações polêmicas de ambos os lados, o secretário-geral se reuniu com Andrés Sanchez e membros da Odebrecht, COL e CBF para por fim aos atritos e fixar o prazo em dezembro. Nesta segunda-feira, o próprio Valcke ampliou em cinco dias a data de entrega. O dirigente espera que todos os estádios restantes seja liberados para a Fifa na virada do ano. As arenas de Natal, Manaus, Cuiabá, Porto Alegre e Curitiba, que estão fora da Copa das Confederações, ainda não foram entregues.

RENAN CALHEIROS NEGA TER DECIDIDO SOBRE VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO DO SENADO FEDERAL

O presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) disse nesta segunda-feira que a decisão de implantar veículos oficias de comunicação da Casa nos Estados foi arquitetada em presidências anteriores. "Eu ainda não decidi sobre a questão". Renan deu as declarações em almoço com executivos do Grupo Lide em São Paulo. Renan Calheiros acelerou o ritmo de implantação de veículos de comunicação da Casa nos Estados. Ao custo de mais de R$ 15 milhões somente neste ano, Renan quer montar uma máquina de comunicação com o aumento da presença da TV e da Rádio Senado. Essa operação ocorre num momento em que o presidente alardeia que enxuga custos com previsão de economia de R$ 316 milhões em dois anos. O presidente do Senado disse estar ciente do peso negativo dos impostos e da burocracia no Brasil e de que é necessário combatê-lo. Ele afirmou que o Congresso está buscando ficar mais próximo da sociedade. Renan disse que as medidas adotadas em sua gestão já implicaram economia superior a R$ 300 milhões no biênio 2013-2014.

MINISTRO ADMITE ATRASO NOS AEROPORTOS PARA COPA DE 2014

No que diz respeito à preparação para o volume de passageiros que vão chegar e circular pelos aeroportos brasileiros antes e durante a Copa do Mundo de 2014, o primeiro fim de semana da Copa das Confederações foi uma decepção para o governo federal. E, para piorar, as obras para o Mundial estão atrasadas. O ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, admitiu nesta segunda-feira os atrasos e apontou a reforma do Aeroporto Internacional de Fortaleza como a mais preocupante. "Havia uma grande expectativa. Quando vieram os números da Fifa de venda de ingressos, já deu para prever que a movimentação não seria tão grande quanto se previa do ponto de vista da mobilidade", afirmou Moreira Franco, nesta segunda-feira, no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro. Segundo a Fifa, entre 70% e 80% dos ingressos para a Copa das Confederações, em média, foram vendidos para moradores das seis cidades-sede ou respectivas regiões metropolitanas. "A pressão sobre o sistema dos aeroportos não corresponde à expectativa gerada", avaliou o ministro. Ele espera que a Jornada Mundial da Juventude, em julho, seja finalmente um grande teste para a Copa do Mundo de 2014, pelo menos no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, no Rio de Janeiro: "Aí sim, vamos ter condições de ter uma pressão pontual que vai dar uma experiência grande". Segundo o secretário de aeroportos do ministério, Juliano Noman, a taxa de atrasos em todos os aeroportos brasileiros no sábado, primeiro dia da Copa das Confederações, foi de 8,5%.

SEGURANÇA DO PLANALTO FOI REFORÇADA DEVIDO À MANIFESTAÇÃO EM BRASÍLIA

Para evitar novas surpresas com tentativas de invasão ao Palácio do Planalto, como aconteceu há um mês com os índios, a segurança do Palácio do Planalto mais uma vez gradeou o prédio onde funciona a Presidência da República. O governo Dilma temia tumultos na chamada Marcha do Vinagre. O ministro-chefe da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho, recebeu dois representantes de manifestos na manhã desta segunda-feira e recebeu outros à tarde, antes de falar com a imprensa. Rodrigo Montezuma, diretor de Mobilização Social do Instituto de Fiscalização e Controle de Brasília, e sua filha Illyusha, estiveram no Planalto conversando com o ministro-chefe da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho, para apresentarem queixas contra a violência da Polícia Militar do Distrito Federal nos protestos de sábado; contra os gastos com a construção do estádio. Illyusha, que participou da manifestação, disse que foi agredida no protesto. "Onde está o direito constitucional da livre manifestação? Este direito tem de ser respeitado porque os jovens não podem mais sair na rua porque acabam apanhando", reclamou Rodrigo Montezuma, ao comentar que dez mil policiais trabalharam na abertura da Copa das Confederações e depois do evento não eram mais vistos em nenhum outro ponto da cidade.

ALIADOS DO TERRORISTA FASCISTA AHMADINEJAD SOFRERAM DERROTA RETUMBANTE

Os aliados do presidente em fim de mandato do Irã, o terrorista nazista Mahmoud Ahmadinejad, sofreram uma derrota retumbante nas votações legislativas locais da última sexta-feira, de acordo com os resultados finais, anunciados hoje pela televisão estatal iraniana. Nenhum aliado de Ahmadinejad conseguiu assento na Câmara dos Vereadores de Teerã, inclusive a irmã do presidente, Parvin Ahmadinejad. As 31 cadeiras da câmara de Teerã serão repartidas entre reformistas e conservadores. As votações legislativas foram realizadas junto com a votação para presidente, que terminou com a vitória do moderado Hasan Rowhani.

LULA DIZ QUE NINGUÉM PODE SER CONTRA MANIFESTAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

Lula usou o Facebook para se pronunciar sobre as mais de 100 mil pessoas que saíram às ruas para protestar nesta segunda-feira. O perfil é confirmado pela rede social como oficial do político. Lula apoiou a causa dos manifestantes e disse que acredita no poder de negociação do atual prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), para a melhor solução do transporte coletivo. O ex-presidente não comentou as manifestações em Brasília nas últimas horas. Leia a carta na íntegra: "Ninguém em sã consciência pode ser contra manifestações da sociedade civil porque a democracia não é um pacto de silêncio, mas sim a sociedade em movimentação em busca de novas conquistas. Não existe problema que não tenha solução. A única certeza é que o movimento social e as reivindicações não são coisa de polícia, mas sim de mesa de negociação. Estou seguro, se bem conheço o prefeito Fernando Haddad, que ele é um homem de negociação. Tenho certeza que dentre os manifestantes, a maioria tem disposição de ajudar a construir uma solução para o transporte urbano. Lula"

DUAS MIL PESSOAS PARTICIPARAM DE MANIFESTAÇÃO EM NOVO HAMBURGO

Moradores do Vale do Sinos, em Hamburgo, também partiram para a manifestação nesta segunda-feira. Mais de 2.000 manifestantes saíram às ruas. Após concentração na Praça do Imigrante e movimentação pela Avenida Pedro Adams, os manifestantes se dirigiram à Câmara de Vereadores. Os manifestantes entoaram consignas contra a corrupção.

FEPAM FLAGROU E AUTUOU SETE DRAGAS QUE EXTRAÍAM AREIA NO RIO JACUI

A Fundação Estadual de Proteção Ambiental do Rio Grande do Sul (Fepam) autuou sete dragas que extraíam areia no Rio Jacuí, no trecho entre Rio Pardo e Porto Alegre. A última autuação ocorreu nesta segunda-feira, quando uma das embarcações foi flagrada trabalhando a 25 metros de distância da margem do rio, quando o limite mínimo para esta atividade é de 50 metros. O chefe da Divisão de Mineração da Fepam, Renato João Zucchetti, informa que os donos das sete dragas sofrerão multa de R$ 4.080, cada um, o que é insignificante.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL INVESTIGARÁ DESPERDÍCIO DE RECURSOS PARA OBRA EM PRESÍDIOS NO RIO GRANDE DO SUL

O Ministério Público Federal confirmou nesta segunda-feira que abrirá investigação civil sobre recursos federais não usados para obras ou construção de presídios no Rio Grande do Sul. A investigação segue recomendação do Conselho Nacional de Justiça que, em maio, sugeriu a responsabilização de governos estaduais pelo desperdício de recursos federais destinados ao sistema carcerário. O Rio Grande do Sul teve de devolver ao Ministério da Justiça, em 2012, o monante de R$ 18,8 milhões empenhados para a construção de dois presídios regionais, em Bento Gonçalves e Passo Fundo, um albergue em Bagé e um ambulatório prisional em Charqueadas.

PRODUTOS BÁSICOS IMPULSIONAM EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS NO ANO

Impulsionadas por produtos básicos, as exportações brasileiras apresentam crescimento em junho, na comparação com junho de 2012, depois de acumular quedas mensais sucessivas. A média diária nas duas primeiras semanas deste mês é de US$ 1,008 bilhão, 4,1% a mais que em junho de 2012 (US$ 967,7 milhões). As vendas externas de produtos básicos aumentaram 14,9%, puxadas por milho em grão, soja em grão, farelo de soja, bovinos vivos, carne de frango e bovina, e petróleo. Por outro lado, as vendas de produtos manufaturados caíram 7,3% no período, por conta de máquinas e aparelhos de terraplenagem, motores e geradores, óxidos e hidróxidos de alumínio, açúcar refinado, pneumáticos, e bombas e compressores. O resultado de junho ajudou a reduzir a queda acumulada no ano. De janeiro a maio, as exportações tinham registrado retração de 2,8%, pela média diária, em relação à igual período do ano passado. De janeiro até a segunda semana de junho, a queda acumulada nas vendas externas passou para 2,2% na comparação com o mesmo período de 2012. Além disso, houve um arrefecimento no crescimento das importações, reforçadas até maio deste ano pelo registro atrasado de operações da Petrobras de 2012. No ano, as importações crescem 8,9% em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a maio, a expansão era de 9,8%.

MANIFESTAÇÃO NO RIO DE JANEIRO TOMOU CONTA DE TODA A AVENIDA BRASIL

A manifestação que aconteceu na noite desta segunda-feira, no Rio de Janeiro, tomou praticamente toda a extensão da Avenida Rio Branco, no trecho da Candelária à Cinelândia, com várias palavras de ordem sendo entoadas, a maioria contra a redução da tarifa do transporte urbano. Uma das frases era a seguinte: "Olê, olê, olá. Se a passagem não abaixar, o Rio vai parar". As bandeiras de partidos extremistas de esquerda, como PSOL, PSTU, e da UNE, estiveram presentes. Os coros não perdoaram os políticos.

GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL NEGA USO POLÍTICO DA ABIN

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República negou nesta segunda-feira, por meio de nota, que faça operações para vigiar movimentos sindicais ou sindicalistas e que haja conotação política no exercício de sua competência, ao responder matéria da revista Veja que relata a suposta prisão de quatro agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), subordinada ao GSI, no Porto de Suape, em Pernambuco. Segundo a reportagem, quatro agentes, disfarçados de portuários, foram presos pela Polícia Militar de Pernambuco no dia 11 de abril sob suspeita de espionar o governador Eduardo Campos (PSB), e teriam admitido que estavam cumprindo uma missão sigilosa e pedido que não fossem feitos registros oficiais da detenção. De acordo com o GSI, o Centro Integrado de Inteligência de Defesa Social de Pernambuco (Ciids), contatado pela Superintendência da Abin no estado, informou desconhecer e não ter registro sobre a detenção de agentes da agência no Porto de Suape, relatado na reportagem da Veja. O GSI informou, na nota, que todas as atividades externas realizadas por servidores da Abin são controladas oficialmente e que não se manifesta publicamente sobre nomes de servidores porque a legislação determina a preservação de suas identidades.

SECRETARIA DA FAZENDA GAÚCHA EM EBULIÇÃO, TÉCNICOS DO TESOURO PODEM DECRETAR GREVE NESTA TERÇA-FEIRA

Os técnicos do Tesouro, da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, fazem assembéia a partir das 14 horas desta terça-feira, no Teatro Dante Barone, na Assembléia Legislativa, e podem votar indicativo de greve. O Afocefe Sindicato reunirá os Técnicos do Tesouro do Estado, maior categoria da Secretaria da Fazenda, para deliberar sobre vários assuntos, mas o preponderante é a revolta dos técnicos do Tesouro com a incessante iniciativa dos fiscais de acabar com a sua carreira, por meio da sucessiva retirada de atribuições da carreira, e também pela tentativa de criação de uma outra carreira, de nível médio, como apoio paras as atividades da Cage (Contadoria e Auditoria Geral do Estado). Os Técnicos do Tesouro constituem-se atualmente em uma carreira de nível superior. A paralisação dos Técnicos do Tesouro deverá acontecer nos Postos Fiscais, Turmas Volantes, Delegacias Fazendárias e demais setores da Receita Estadual. Para o Afocefe, a criação desta nova carreira, imposta sem diálogo e transparência, é inoportuna e desnecessária, uma vez já que muitas das atribuições da nova categoria já são desempenhadas pelos Técnicos do Tesouro. Conforme o presidente do Sindicato, Guilherme Campos, menosprezando o combate à sonegação e a difícil situação das finanças do Estado, o secretário da Fazenda, ao invés de adotar medidas para aumento da arrecadação, fecha Postos Fiscais, que desempenham papel fundamental na arrecadação do ICMS, maior tributo do Estado, cria uma nova carreira para onerar ainda mais as contas públicas e não efetiva nenhuma ação no sentido de dar andamento a realização do concurso público para suprir os cargos vagos de Técnicos do Tesouro. A categoria está há 12 anos sem concurso e atua hoje com menos de 50% do quadro de pessoal.

PREFEITO DE PELOTAS MANDA REDUZIR OS PREÇOS DAS PASSAGENS DE ÔNIBUS

O prefeito de Pelotas, Eduardo Leite (PSDB), mandou reduzir o preço das passagens de ônibus na cidade. Os usuários, que pagavam R$ 2,75, passarão a pagar R$ 2,60 a partir da zero hora desta quarta-feira. O novo cálculo foi baseado na redução de tributos federais. Assim, após reunião com as empresas responsáveis pelo transporte, o prefeito Eduardo Leite solicitou que a desoneração fosse refletida nas passagens. A  redução não tem a ver com a recente onda de protestos verificadas no Brasil e que não espera diminuição no contingente de pessoas que participarão da manifestação prevista para quinta-feira.

MOODY'S DIZ QUE AUMENTARAM OS RISCOS DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL POR CAUSA DO PROGRAMA "MINHA CASA MELHOR"

A agência de classificação de risco Moody's afirmou, nesta segunda-feira, que o novo programa de empréstimos da Caixa Econômica Federal que visa fornecer crédito às famílias de baixa renda para a compra de móveis e eletrodomésticos - o "Minha Casa Melhor" - vai aumentar os riscos de crédito do banco. "A medida é negativa para o crédito da Caixa Econômica Federal porque vai aumentar ainda mais sua exposição ao risco de crédito para mutuários de baixa renda que vão financiar essas compras a taxas de juros subsidiadas por prazos mais longos", disse a Moody's. Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff anunciou o "Minha Casa Melhor", um programa de crédito para beneficiários do "Minha Casa Minha Vida", que vai distribuir cartões de crédito com limite de 5 mil reais para a compra de mobília e eletrodomésticos, com taxa de juros de 5% ao ano e prazo de até 48 meses para pagar. O programa beneficiará famílias com renda de até 5 mil reais mensais e os juros serão subsidiados pela Caixa Econômica Federal, com recursos do Tesouro Nacional. "Somente em 2012, a Caixa Econômica Federal registrou crescimento de 42% em seu portfólio de empréstimos, bem acima da taxa de crescimento de 16,4% de empréstimos totais do sistema bancário. A forte expansão para segmentos não tradicionais, como o financiamento de veículos e de pequenos e médios negócios, combinada com investimentos limitados em tecnologia de gestão de risco, significa um aumento de risco para a Caixa", afirmou a agência.

VEREADOR PETISTA DE PORTO ALEGRE PROMETE NOVAS REVELAÇÕES SOBRE ESCÂNDALO DA PROCEMPA

O vereador Mauro Pinheiro, do PT, promete novas revelações, esta semana, sobre o escândalo na Procempa (Companhia de Processamento de Dados de Porto Alegre), atingindo diretamente o contrato para instalação do  Sistema Integrado de Administração Tributária (Siat). Desenvolvido por uma empresa privada com custo acima de R$ 10 milhões, o sistema foi entregue em 2012 e tem falhas. O vereador do PT quer chegar ao gabinete do prefeito José Fortunati. Enquanto isso prosseguem as investigações do Ministério Público do Estado, do Tribunal de Contas, da Procuradoria Geral do Município e da Polícia Civil.

RBS PODERÁ REPETIR OS CORONÉIS DO NORDESTE E ELEGER GOVERNADOR E SENADOR DO RIO GRANDE DO SUL

Caso a senadora Ana Amélia (PP) emplaque o governo estadual, e o jornalista Lasier Martins (PDT) vença a disputa pela única vaga gaúcha para o Senado, o grupo RBS terá conquistado duas posições invulgares na cena política gaúcha. Isso é uma coisa que só o coronelismo nordestino conseguiu até hoje, e apenas nos seus melhores tempos, lá na ditadura militar. O jornalista Lasier Martins tirou férias do programa de TV do qual ainda participa (ele se afastou da Rádio Gaúcha há um ano). Ele aproveitará o descanso para refletir sobre os convites que vem recebendo com insistência para disputar a vaga gaúcha ao Senado e até a posição de governador. O mais provável é que o jornalista refilie-se ao PDT e dispute a vaga de senador em uma aliança com o PMDB (José Ivo Sartori) ou com o PT (Tarso Genro). Em 2006, Lasier chegou a se filiar ao PDT, porque iria disputar uma das duas cadeiras senatoriais em jogo naquele ano, mas acabou assinando novo contrato com a RBS, que agora parece chegar ao fim. A opção pelo Piratini só aconteceria no caso da desistência da senadora Ana Amélia Lemos, e neste caso ele teria que se filiar ao PP, que já o convidou.

GOVERNADOR DO PT DIZ QUE MANIFESTAÇÕES DE DOMINGO EM BRASÍLIA FORAM "ATOS CRIMINOSOS"

O governador Agnelo Queiroz, do PT, disse nesta segunda-feira, ao jornal Correio Braziliense, que o trabalho do setor de segurança pública na repressão aos manifestantes de domingo foi correto. “Tudo deu certo. Até as manifestações fazem parte. Todo grande evento mundial atrai manifestações, mesmo como essas que ocorreram, sem uma bandeira específica, apenas para tumultuar e tentar atrapalhar. O importante é que a polícia soube reprimir os excessos e proteger os torcedores de forma altiva e correta”, afirmou Agnelo. Ele sobrevoou o estádio antes do jogo e avaliou o protesto como um ato criminoso. O  comandante da Polícia Militar, Jooziel de Melo Freire, chamou de “criminosos” os manifestantes detidos durante o protesto em frente ao Estádio Nacional. Trinta integrantes do movimento acabaram detidos e levados à 5ª Delegacia de Polícia. À noite, um grupo estimado em mais de 300 pessoas se mobilizou em frente à unidade policial, exigindo a liberdade dos colegas. “Estão pedindo a soltura de criminosos. Quatro policiais foram agredidos com barra de ferro e pedaços de vergalhões”, afirmou o coronel. Jooziel negou que os seus subordinados tenham se excedido na contenção dos manifestantes. Para ele, os militares usaram “o uso progressivo da força” a fim de dispersar o movimento. “Estávamos negociando desde as 9 horas, mas jovens e adolescentes beiraram a inconsequência e tentaram entrar no estádio. O limite estava estabelecido, mas eles não respeitaram. Nesse momento, tivemos que aumentar o uso dessa força, usando bombas e gás lacrimogênio”, disse o comandante da PM. Apesar de a entrada do Estádio Mané Garrincha ter se transformado em praça de guerra momentos antes do início da partida entre Brasil e Japão, Jooziel não viu motivos para que a cidade fique com a imagem arranhada. “O jogo foi normal. Tivemos esse grupo resistente”, disse Jooziel.

DEFENSORIA PÚBLICA PEDE INDENIZAÇÃO DE R$ 10 MIL PARA DETIDOS EM SÃO PAULO “PARA AVERIGUAÇÃO”

A Defensoria Pública do Estado de São Paulo ajuizou nesta segunda-feira ação civil pública na Vara da Fazenda Pública da capital questionando a legalidade das “prisões de averiguação” feitas pela polícia durante as manifestações populares das últimas semanas. Caso a Justiça julgue que as detenções são ilegais, a Defensoria pede multa de R$ 5 mil para cada uma, e indenização de R$ 10 mil por danos morais para as pessoas que foram submetidas ao procedimento. Além disso, a Defensoria Pública ajuizou habeas corpus preventivos em favor de 92 pessoas que foram detidas na manifestação de quinta-feira contra o aumento do preço das passagens. Os boletins de ocorrência posteriormente lavrados para essas pessoas tinham natureza não criminal e não apontavam qualquer delito. Os habeas corpus foram ajuizados no Tribunal de Justiça do Estado. A Defensoria pede ainda que a Justiça determine a realização de buscas pessoais apenas nos casos em que houver “fundado receio de porte de armas ou objetos ilícitos”, conforme previsão do Código de Processo Penal. As ações foram ajuizadas pelos defensores Rafael Galati Sábio e Daniela Skromov de Albuquerque, do Núcleo Especializado de Cidadania e Direitos Humanos, e Bruno Shimizu e Patrick Lemos Cacicedo, do Núcleo Especializado de Situação Carcerária.

ASSOCIAÇÃO DE BANCOS ESPERA CRESCIMENTO DE 15,5% NO CRÉDITO ESTE ANO

A alta dos juros e a perspectiva de baixo crescimento da economia não impedirão o crédito de crescer este ano, avalia a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Segundo a entidade, o estoque de crédito deverá encerrar o ano com crescimento de 15,5%, com leve desaceleração em relação a 2012, quando cresceu 16,2%. Para 2014, a entidade projeta crescimento de 15,4% no volume de crédito na economia. Segundo a entidade, o crédito direcionado (concedido com recursos da caderneta de poupança ou dos compulsórios que os bancos depositam no Banco Central) liderarão a alta, com perspectiva de crescimento de 18,6% em 2013 e 18% no próximo ano. O crédito concedido com recursos livres deverá aumentar 13,6% este ano e 13,5% em 2014. Segundo a Febraban, a inadimplência deverá permanecer sob controle. A entidade estima que as operações de crédito em atraso fecharão o ano em 5,3%, abaixo dos 5,8% registrados em 2012. Para 2014, os analistas esperam novo recuo na taxa de inadimplência, para 5%. A pesquisa indica ainda uma nova redução nas estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013, de 3% para 2,5%. Para 2014, a previsão também foi reduzida, de 3,5% para 3,2%. A Febraban prevê ainda elevação da taxa Selic (juros básicos da economia) na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Os analistas, no entanto, estão divididos em relação ao nível da alta, de 0,25 ou 0,5 ponto percentual. Atualmente, a Selic está em 8% ao ano. O levantamento também mostra piora nas projeções fiscais. A estimativa de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública) caiu de 2% para 1,8% do PIB em 2013 e de 2% para 1,7% em 2014. A previsão para o déficit nominal (rombo nas contas públicas após o pagamento de juros) passou de 2,4% para 2,8% do PIB em 2013 e de 2,4% para 2,9% em 2014.

TRAFICANTES ORDENAM O FECHAMENTO DO COMÉRCIO EM COMUNIDADE "PACIFICADA" DO RIO DE JANEIRO

Traficantes do Morro de São Carlos, no bairro do Estácio, na área central da capital fluminense, ordenaram o fechamento do comércio, nesta segunda-feira, devido à morte do traficante Anderson dos Santos Moura, de 29 anos, conhecido como Brinquinho. À tarde, poucas lojas abriram para atendimento ao público. Apenas uma farmácia e uma padaria funcionaram. Os comerciantes recebiam a entrega de mercadorias para trabalhar, mas continuavam com as portas fechadas. No final da noite do último sábado, policiais militares faziam uma operação de rotina, na comunidade do Querosene, que faz parte do Complexo de São Carlos, quando se depararam com vários homens armados. Houve confronto e, no tiroteio, Brinquinho foi atingido. Ele morreu ao ser levado para um hospital público. Segundo a polícia, Brinquinho é um dos chefes do tráfico da região e tem ligações com Nem da Rocinha, que foi preso quando tentava fugir da comunidade e cumpre pena em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Com Brinquinho, os militares encontraram uma pistola automática. O Morro de São Carlos recebeu a 17ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio de Janeiro, em maio de 2011. Na região, atuam 253 policiais militares, sob o comando do capitão Ricardo Alves, atendendo a cerca de 17 mil pessoas. O Morro do Querosene faz parte do Complexo de São Carlos, composto pelas seguintes comunidades: São Carlos, Querosene, Mineira, Zinco, Azevedo Lima, Clara Nunes e Favela do Rato.

REDUÇÃO DE LIQUIDEZ NA ECONOMIA INTERNACIONAL É DESAFIO PARA O BRASIL, DIZ ECONOMISTA

O cenário futuro aponta para mudanças nas condições da economia internacional, mas isso não significa que o quadro será pior no médio prazo, avaliou nesta segunda-feira o coordenador da Área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Armando Castelar. “Significa que alguns preços na economia vão mudar, como o câmbio vem mudando”, disse o economista. O desafio, acrescentou, será administrar essa transição de um mundo que tinha muita liquidez, muito dinheiro entrando no Brasil, com exportações mostrando bons resultados, para um mundo em que esses elementos vão ser diferentes. Ele advertiu que o problema é que essa transição ocorre em um momento em que a economia do país já estava com seus fundamentos abalados, com inflação em alta e uma política fiscal “bastante esticada”. Há uma situação que o economista definiu como “esquisita”, na medida em que o Banco Central está elevando os juros para conter a demanda e, ao mesmo tempo, o Ministério da Fazenda vem fazendo uma política fiscal expansionista, com o argumento de que é preciso acelerar a economia. “O Banco Central está esfriando a economia e o Ministério da Fazenda está esquentando. É difícil entender. O resultado, muito provavelmente, vai ser uma inflação relativamente alta e pouco impacto sobre o nível de atividade”. Para Castelar, a redução do consumo das famílias reflete o fato de que a renda do trabalhador não está crescendo de forma tão rápida como se observava no ano passado. O mesmo ocorre em relação ao emprego. “O crédito ao consumo parou de crescer. Está estável em termos reais, se você desconta a inflação”. Ele ponderou que a elevação dos juros vai reforçar esse movimento de estabilidade do consumo e que os estímulos fiscais vão implicar aumento da inflação. Indagado sobre a taxa de investimento com relação ao Produto Interno Bruto (PIB), que apresentou uma recuperação importante no primeiro trimestre deste ano, Castelar admitiu que poderá até subir mais um pouco, mas advertiu que o ambiente não é propício para uma expansão muito alta, devido não só à retração do consumo mas também ao não crescimento da demanda. “Eu acho que uma recuperação mais ampla não está muito presente. Os indicadores de confiança de empresários em vários setores estão em queda. Não parece haver uma percepção de que há necessidade de investir porque vai ter muita demanda”. Outro fator importante, disse Castelar, é que uma parte significativa dos investimentos é feita em máquinas importadas. E a desvalorização do real encarece esses investimentos. Chamou a atenção, ainda, para outro elemento importante que poderia dar um alento extra para os investimentos, que é a questão das concessões que, a seu ver, está muito atrasada.

BANCO CENTRAL INTERVÉM NO MERCADO DE CÂMBIO, MAS MESMO ASSIM O DÓLAR FECHA NO MAIOR NÍVEL EM QUATRO ANOS

O Banco Central injetou quase US$ 2 bilhões no mercado de câmbio depois que o dólar atingiu R$ 2,1728 nesta segunda-feira. A venda dos dólares no mercado futuro conteve o ritmo de alta. O dólar comercial fechou em R$ 2,1661 para venda, alta de 0,84%, o maior valor desde 30 de abril de 2009. O leilão de swap cambial tradicional foi anunciado às 16h30. O Banco Central ofertou 40 mil contratos com vencimento em 1º de agosto e 2 de setembro de 2013, dos quais 39 mil foram vendidos por US$ 1,96 bilhão. A moeda norte-americana chegou a iniciar o dia em queda, atingindo R$ 2,1441 na mínima do dia, por volta das 9h30. A cotação subiu de forma consistente nas horas seguintes, até atingir R$ 2,16 por volta das 15h. A pressão sobre o dólar intensificou-se até o câmbio ultrapassar R$ 2,17 por volta das 15h30. Na semana passada, o Banco Central promoveu quatro intervenções no mercado de câmbio, vendendo dólares no mercado futuro, quando a moeda ultrapassou R$ 2,15. O governo também retirou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 1% cobrado sobre a venda de moeda estrangeira no mercado futuro para aumentar a oferta e segurar a cotação. A alta da cotação do dólar nas últimas semanas ocorreu devido à indicação de que o Federal Reserve, o Banco Central norte-americano, reduzirá os estímulos monetários que têm impulsionado a economia dos Estados Unidos nos últimos anos. Com a diminuição do volume de dólares em circulação, a moeda fica mais cara, o que afeta as cotações em todo o mundo.

GOVERNO DILMA VAI LICITAR HIDRELÉTRICA TRÊS IRMÃOS EM SETEMBRO

O Ministério de Minas e Energia divulgou nesta segunda-feira as diretrizes para a licitação da concessão da Usina Hidrelétrica Três Irmãos, marcada para setembro. A hidrelétrica é operada atualmente pela Companhia Energética de São Paulo (Cesp) e não terá o contrato prorrogado porque a concessionária não aderiu às regras para a redução das tarifas determinadas pela Lei 12.783. A usina, com capacidade instalada de 807,5 megawatts, fica no Rio Tietê, entre os municípios de Andradina e Pereira Barreto (SP). O leilão será realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e as empresas participantes deverão comprovar capacidade técnica e experiência em operação e manutenção de hidrelétricas, atestada pela atuação no País em ao menos uma usina compatível com o objeto da licitação. O Ministério de Minas e Energia também divulgou as regras para o leilão de compra de energia elétrica proveniente de novos empreendimentos de geração, denominado Leilão A-5. A licitação será realizada no dia 29 de agosto, e o início do suprimento será em 1º de janeiro de 2018.

ANEEL FAZ PESQUISA PARA SABER OPINIÃO DE USUÁRIO SOBRE A COBRANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deu início a uma pesquisa para saber a opinião dos consumidores de energia sobre possíveis aperfeiçoamentos na forma de cobrança da tarifa. As sugestões deverão subsidiar aprimoramentos na estrutura tarifária, no 4º Ciclo de Revisões Tarifárias Periódicas das distribuidoras de energia elétrica, marcado para 2015. Quem participar da pesquisa deverá responder, por exemplo, se costuma comparar e analisar as informações da conta de luz e o consumo de cada mês, e se optaria por alternativas mais baratas ou por fontes mais limpas de energia, se pudesse escolher diretamente de qual fonte comprar energia elétrica. Outro questionamento é sobre a tarifa branca, que poderá será adotada nos próximos anos para o consumidor de baixa tensão, na qual o custo da energia deverá variar de acordo com as horas do dia. A pesquisa questiona se o consumidor faria ou não a opção pela tarifa branca e quais as condições da mudança. A Aneel também pergunta se o usuário escolheria outra opção de faturamento de energia elétrica, e qual seria a melhor alternativa: se a tarifa variasse de acordo com os dias, se tivesse uma assinatura básica e um valor por quilowatt-hora menor que o atual; se a tarifa aumentasse de acordo com a faixa de consumo ou se o usuário estaria disposto a pagar um valor a mais para ter uma melhor qualidade de energia.

DESACELERAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES FAZ SUPERÁVIT COMERCIAL CAIR NA SEGUNDA SEMANA DE JUNHO

A desaceleração nas exportações de minérios e produtos agrícolas fez o superávit da balança comercial cair na segunda semana de junho. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o país exportou US$ 70 milhões a mais do que importou na semana passada, contra o superávit de US$ 285 milhões na semana anterior. O saldo positivo decorre de exportações de US$ 4,710 bilhões e importações de US$ 4,640 bilhões. Com o resultado da semana passada, o déficit da balança comercial acumulado este ano caiu para US$ 5,039 bilhões, contra o total de US$ 5,109 bilhões registrado até o último dia 10. No ano, as exportações somam US$ 103,366 bilhões e as importações, US$ 108,405 bilhões. Em junho, a balança acumula superávit de US$ 355 milhões. No mesmo período do ano passado, a balança comercial registrava superávit de US$ 5,936 bilhões. O déficit este ano, no entanto, é influenciado pelo registro em atraso de US$ 4,5 bilhões de importações da Petrobras. As operações ocorreram no ano passado, mas só foram incorporadas ao saldo comercial referente ao período de janeiro a maio. Mesmo com a desaceleração das exportações de uma semana para outra, as exportações em junho cresceram 4,1% em relação às duas primeiras semanas de junho de 2012 pelo critério da média diária. O destaque foram os embarques de bens primários, que somaram US$ 538 milhões pela média diária, com alta de 14,9% em relação à primeira quinzena de junho do ano passado. O crescimento foi impulsionado por milho em grão, soja em grão, farelo de soja e bovinos vivos. A média diária das exportações de semimanufaturados, no entanto, caiu 2,7%. A redução decorre da queda dos embarques de semimanufaturados de ferro e aço e do óleo de soja. A venda de produtos industrializados caiu ainda mais, 7,3%, pela média diária na mesma comparação, motivada pela redução nas vendas de máquinas de terraplanagem, motores e geradores. As importações continuaram a crescer na semana passada, mas em ritmo maior do que as exportações. Nas duas primeiras semanas de junho, as compras do Exterior totalizaram US$ 972,2 milhões, com alta de 4,8% pela média diária. O crescimento foi puxado por automóveis e partes (+42,7%), farmacêuticos (+35,3%) e aparelhos eletroeletrônicos (+22,8%). No acumulado do ano, as importações continuam crescendo mais do que as exportações. De acordo com o ministério, as compras externas aumentaram 8,9% no acumulado do ano pela média diária. As exportações, no entanto, caíram 2,2%.

DILMA DEFENDE REFORMAS NO FMI, BANCO MUNDIAL E CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU

A presidenta Dilma Roussef defendeu nesta segunda-feira a “urgente e profunda reforma” dos organismos internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial e o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU). Para ela, é fundamental que esses órgãos reflitam “a nova configuração de forças” do mundo. Dilma criticou a estrutura atual do Conselho de Segurança, que é da década de 40 do século 20, e leva à “carência de representatividade e legitimidade” em defesa da paz mundial. “Esses princípios nos mostram que a governança mundial necessita de urgente e profunda reforma, seja como o Fundo Monetário Internacional ou o Banco Mundial, que se reflita  nesses organismos a nova configuração de forças e também nas próprias Nações Unidas, o Conselho de Segurança, hoje muitas vezes carente de representatividade e legitimidade para defender a paz mundial”, disse a presidenta, na formatura dos novos diplomatas do Instituto Rio Branco. Dilma lembrou que o mundo vem passando por “grandes e aceleradas transformações”, que são acompanhadas pelo Brasil. “Soubemos acompanhar essas mudanças e responder aos desafios, mas ainda há muito o que fazer”, ressaltou a presidenta, destacando as principais características da política externa brasileira: respeito à soberania dos países e adoção do diálogo e da negociações como métodos. Ao se dirigir aos novos diplomatas, a presidenta ressaltou o que considera um momento histórico para o Brasil. “Vocês representam o País que se encontrou consigo mesmo, que recuperou sua autoestima e que está pronto a dar uma contribuição decisiva para um mundo de paz, de desenvolvimento, de justiça social, um mundo que tem de se afastar das guerras e escolher o diálogo como meta de política externa”, disse Dilma aos formandos. A oradora da turma de formandos do Rio Branco, Luana Alves de Melo, ressaltou que a política externa brasileira de respeito à diversidade, aos direitos humanos, à dignidade e à preservação do meio ambiente representa vitórias. “É a diplomacia do respeito da diversidade, da pluralidade, do respeito e da não discriminação”, destacou Luana.

MAIS DE 30 MIL PESSOAS USARAM O METRÔ PARA CHEGAR AO MARACANÃ

Mais de 30 mil pessoas usaram o metrô no domingo para chegar ao Maracanã e assistir à partida entre as seleções da Itália e do México, válida pela Copa das Confederações. Segundo o Metrô Rio, a Estação São Cristóvão ficou fechada entre as 15h40 e as 17h40, por motivo de segurança, devido às manifestações que ocorreram no entorno do Maracanã, mas isso mas não atrapalhou a chegada e a saída dos torcedores do estádio. De acordo com divulgado pela prefeitura do Rio no fim da noite de domingo, a saída do estádio foi rápida. Cerca de 50 minutos depois do término da partida não havia mais espectadores dentro do Maracanã. A Supervia informou, em nota, que cerca de 3 mil embarques foram registrados na Estação São Cristóvão. No entanto, devido à proximidade com o local da manifestação, a entrada da estação ficou fechada durante alguns minutos, para garantir a segurança dos passageiros que se encontravam na plataforma. Os torcedores que foram ao Maracanã em carros particulares, porém, enfrentaram problemas para encontrar vagas de estacionamento e muitos acabaram recorrendo à parada em locais irregulares. Ao todo, 138 veículos foram multados e 195 rebocados nas proximidades do estádio.

GOVERNO NÃO VAI TOLERAR MANIFESTAÇÕES QUE TENTEM IMPEDIR JOGOS DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES, DIZ ALDO REBELO

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse nesta segunda-feira que o governo não vai tolerar manifestações que atrapalhem ou tentem impedir a realização de jogos da Copa das Confederações. Em evento no Rio de Janeiro, o ministro disse que o Brasil assumiu o compromisso de realizar o evento e vai cumpri-lo. "Não vamos permitir que nenhuma dessas manifestações atrapalhe nenhum dos eventos que nos comprometemos a realizar. Quem achar que pode impedir a realização desses eventos enfrentará a determinação do governo de impedir. As manifestações serão toleradas dentro desse limite”, disse Aldo Rebelo. Segundo o ministro, as polícias estaduais tiveram sucesso em garantir a realização dos três primeiros jogos da Copa das Confederações e, por isso, manterão seu esquema de segurança para as próximas partidas. Aldo Rebelo disse não temer que a imagem do Brasil seja prejudicada pelas manifestações e espera que o resto do mundo veja o país como um lugar democrático mas capaz de garantir a ordem. Sobre as vaias à presidenta da República, Dilma Rousseff no jogo de abertura da Copa, no último sábado, em Brasília, o ministro disse que como militante do movimento estudantil teve que conviver com isso, mas não aconselha que os torcedores tenham esse comportamento. Aldo garantiu que todas as obras necessárias estarão prontas para a Copa do Mundo de 2014, apesar de “alguns setores da sociedade” discordarem disso. Segundo ele, as obras que não forem concluídas a tempo sairão da matriz de responsabilidades da Copa e perderão o direito de ter um regime de contratação diferenciada. Sobre as despesas com o evento, Aldo Rebelo disse que, para cada R$ 1 gasto pelo Poder Público, R$ 3,40 foram investidos pela iniciativa privada. No evento sobre economia do futebol, realizado hoje no Rio de Janeiro, o presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter, disse que durante a realização de eventos internacionais, algumas vezes é preciso lidar com eventualidades como os protestos no Brasil e na Turquia, onde a Fifa realizará o Mundial de Futebol sub-20.

CLIENTES RECLAMAM DA ALL POR DESCUMPRIMENTO DE CONTRATOS

A perda de oito mil quilômetros de ferrovia na Argentina no início do mês é apenas um dos problemas que atormentam o dia a dia da América Latina Logística (ALL), a maior concessionária da América do Sul. A empresa, que até há bem pouco tempo vendia a imagem de que mantinha uma saúde financeira invejável, tem sido alvo de uma série de reclamações de clientes por descumprimento de contratos e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) por má conservação dos trilhos. Ela administra 13 mil quilômetros de estradas de ferro nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Nos últimos meses, quatro processos foram abertos no órgão regulador contra a ALL, empresa que tem como sócios o BNDES, o Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil) e a Funcef (dos funcionários da Caixa), além de GP Investimentos. A companhia tem entre seus acionistas a 3G Capital, gestora de recursos do empresário brasileiro Jorge Paulo Lemann, que recentemente fechou a aquisição da Heinz. A ANTT não quis divulgar o nome dos clientes que estão questionando a concessionária, mas fontes apontam que a lista inclui Agrovia, Rumo Logística, Copersucar e Minermix Mineração. As companhias assinaram contratos de longo prazo (em média de 25 anos) com a ALL para transportar seus produtos pelos trilhos. Na maioria dos acordos as empresas investiam na compra de vagões, na recuperação de trechos da malha ferroviária e na construção de terminais de transbordo. Tudo ficava sob a administração da ALL, que dava aos clientes desconto no transporte da carga pela estrada de ferro. De um lado, as empresas reduziam a dependência do transporte rodoviário e do outro a concessionária aumentava a carteira de clientes. A Agrovia, por exemplo, comprou 669 vagões, mas até agora apenas 16% do volume previsto no contrato está sendo cumprido pela ALL. No caso da Rumo, a parceria prevê investimento de 1,2 bilhão de reais na duplicação da malha, construção de pátios e terminais e compra de vagões e locomotivas. O objetivo é permitir que 80% do açúcar produzido pela Cosan (dona da Rumo) seja transportado pelos trilhos até 2015. Mas, segundo fonte ligada à companhia, apesar dos investimentos, apenas cerca de 30% do contrato estava sendo honrado pela ALL. A principal reclamação é de que, com a supersafra de grãos, a ALL estaria desviando vagões e locomotivas dos clientes para atender a outras demandas no Centro-Oeste, cuja rentabilidade seria maior. A vantagem é tamanha que a ALL prefere pagar multa (ou compensações) a honrar o contrato assinado, diz um executivo do setor. Em nota, a ALL afirmou que tem cumprido todas as regras contratuais e que a prestação de serviço é regida por cláusulas compensatórias. Além disso, a concessionária destaca que tem feito os investimentos acordados. Mas questões externas, como demora na emissão da licença ambiental para trechos de duplicação, atraso na expansão da estrutura portuária por parte dos clientes e entraves no compartilhamento de trechos com outras ferrovias, dificultaram a execução de uma parcela do volume contratado. O diretor da ANTT, Carlos Fernando do Nascimento, afirma que a expectativa é resolver o conflito até o fim do mês. Para ele, é importante que os clientes colaborem com o trabalho da agência e denunciem erros, abusos e perdas causadas pelas concessionárias. Por ser a maior empresa ferroviária do país, com a administração de quatro concessões, a ALL é também a campeã de multas na ANTT. São 71 milhões de reais em punições por vários tipos de irregularidades, afirma Nascimento. Mas a maioria está na Justiça, já que a empresa não concorda com a decisão da agência reguladora: "Até hoje ela só pagou 1 milhão de reais em multas. O restante está judicializado". A ANTT já determinou cronogramas para que a empresa recupere uma série de trechos em situação precária, ou sem condições de tráfego. Em algumas áreas, os dormentes estão podres. A concessionária destaca, entretanto, que desde o início da concessão investiu mais de 7 bilhões de reais em melhorias na malha ferroviária, em vagões e locomotivas e registrou um crescimento de volume médio de mais de 10% ao ano desde 1997. "Ou seja, aumentamos em mais de seis vezes o volume transportado em 16 anos de operações. Em 2012, movimentamos cerca de 60 milhões de toneladas de carga", afirmou a ALL.

AÇÃO DA OGX CAI 78% NO ANO E LIDERA PERDAS NAS AMÉRICAS

Um ranking elaborado pela consultoria Economatica mostrou que a OGX, braço de petróleo e gás do grupo EBX, de Eike Batista, é a empresa que mais perdeu valor de mercado no ano em toda a América Latina e Estados Unidos. A lista, que avalia 1.900 ações de companhias com capital aberto, sendo 1.200 americanas, aponta que a OGX perdeu 77,9% de seu valor até 14 de junho. Já a OSX Brasil, também de Eike, acumulou perdas de 77,5% em valor de mercado no período - a segunda maior queda. Nesta quarta-feira, a ação da OGX chegou a valer 0,89 real, a menor cotação de sua história. A mineradora MMX, também de Eike Batista, ficou em sexto lugar, com baixas de 67,2%, enquanto a LLX, cujo valor caiu 50,4%, está em 15º. Os terceiro, quarto e quinto lugares são ocupados pela americana Allied Nevada Gold, de mineração, que perdeu 74,7% e pelas mexicanas Urbi Desarrolos (-73,5%) e Homex Desarr (-68,2%), ambas do setor de construção civil, que foi o que mais acumulou perdas. Entre as 20 primeiras empresas, outras brasileiras também aparecerem, como a HRT Petróleo (-60,5%), que ficou em 9º lugar, Eletropaulo (-60%, 10º lugar), B2W (-54,6%, 11ª posição) e Brookfield (-53,86%, 12º lugar).

MINISTRO FERNANDO PIMENTEL VAI A BUENOS AIRES PARA "DISCUTIR A RELAÇÃO"

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o petista Fernando Pimentel, embarcou para Buenos Aires, onde se reunirá com autoridades do governo argentino para discutir a relação bilateral. A visita de Pimentel não consta na agenda de nenhum dos interlocutores argentinos com o Brasil de primeiro escalão, como os ministros Julio De Vido (Planejamento), Débora Giorgi (Indústria) e Hernán de Lorenzino (Economia), ou os secretários de Comércio Interior, Guillermo Moreno, e de Política Econômica, Axel Kicillof. A agenda do ministro, segundo a assessoria do Ministério, não está fechada, mas estima-se que ele converse com os argentinos a respeito do comércio bilateral e das bases para a prorrogação do atual acordo automobilístico. A reunião está marcada para as 16h30 (horário de Brasília). O encontro ocorre em meio ao distanciamento entre os dois vizinhos e de um ambiente hostil de negócios na Argentina. Há duas semanas, o governo da presidente Cristina Kirchner anunciou a retomada da concessão de duas linhas ferroviárias de carga da América Latina Logística (ALL). O governo da peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner alegou uma série de descumprimentos de contratos para justificar a medida. Em março, a Vale anunciou a suspensão do projeto de 5,9 bilhões do dólares para explorar potássio na Província de Mendoza. A Petrobras esteve a ponto de fechar um acordo de venda de seus ativos no país com o empresário próximo ao governo argentino, Cristóbal López, mas acabou cancelando o negócio. Contudo, a venda dos ativos continua nos planos da companhia. O clima adverso já vinha rondando a relação desde fevereiro do ano passado, quando o governo adotou as Declarações Juramentadas Antecipadas de Importações (DJAI) que implicam em licenças para todas as importações e prejudicam, especialmente, os produtos de origem brasileira. As barreiras e a retração da demanda argentina levaram a um retrocesso do superávit brasileiro com o sócio, de 5,6 bilhões de dólares a 1,5 bilhão.

MARIDO DE NIGELA LAWSON PROCURA MINIMIZAR AGRESSÃO À MULHER

Após a publicação de fotos em que aparece agredindo a mulher, a cozinheira-celebridade Nigella Lawson, em um restaurante de Londres, o milionário Charles Saatchi se defendeu em entrevista ao jornal britânico The Evening Standard. Segundo ele, os dois estavam apenas discutindo. “Cerca de uma semana atrás, estávamos em um restaurante debatendo intensamente sobre as crianças e eu segurei o pescoço de Nigella repetidamente em uma tentativa de enfatizar um argumento”, disse. Após o episódio, Nigella saiu do restaurante às lágrimas: “Não houve força, foi apenas uma leve discussão. As fotos são horríveis, mas dão uma impressão muito mais dramática e grave do que realmente aconteceu. Nigella estava às lágrimas porque nós estávamos brigando, não porque ela estava machucada". Saatchi afirmou, ainda, que eles fizeram as pazes assim que chegaram em casa. Como o local ficou cercado por paparazzi neste domingo, quando o tabloide Sunday People divulgou as fotos, ele pediu que a mulher deixasse a casa com as crianças até que o caso fosse esclarecido. O Standard afirma que Nigella Lawson não tem planos de voltar para casa por enquanto e que seu agente se recusou a comentar o caso. Segundo uma testemunha que estava no restaurante, a cena foi chocante. “Eu não tenho dúvidas de que ela estava assustada. Ela estava muito chorosa e constantemente esfregando os olhos. Nigella estava muito, muito aborrecida”, disse. De acordo com o jornal The Telegraph, a chef de cozinha e o marido saíram de casa em táxis separados no domingo. Ela estava acompanhada do filho, Bruno, que carregava uma mala.

LULA PREFERE NÃO COMENTAR VAIAS A DILMA

O ex-presidente Lula adotou o silêncio e preferiu não comentar as vaias sofridas pela presidente Dilma Rousseff no último sábado, durante a abertura da Copa das Confederações, em Brasília. Segundo a assessoria de imprensa do Instituto Lula, o ex-presidente não comentou e nem comentaria o episódio. O petista também evitou declarações sobre a onda de protestos contra o aumento da tarifa do transporte público que acontece em várias cidades do País. Em 2007, quando ainda era presidente da República, Lula foi vaiado na cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro.

COMISSÃO ABRE PROCESSO PARA ANALISAR CARGOS DE AFIF DOMINGOS

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República abriu nesta segunda-feira processo para analisar a acumulação de cargos do ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos (PSD), que assumiu o posto sem deixar de ser vice-governador do Estado de São Paulo. A informação foi divulgada na tarde desta segunda-feira pelo presidente do órgão, Américo Lacombe. Na opinião de Lacombe, o problema de Afif é muito "maior" no Estado de São Paulo, pelo fato de o cargo de vice-governador ser eletivo. O procedimento preliminar sobre o caso Afif ficará com o conselheiro Marcello Alencar de Araújo, que elaborará um relatório para ser votado pela comissão. Entre as opções possíveis estão a imposição de advertência ou até mesmo a recomendação de exoneração de Afif. A próxima reunião do grupo está marcada para 29 de julho.

LIDERANÇAS POLÍTICAS CRITICAM DECLARAÇÃO DE MINISTRO

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou na manhã desta segunda-feira que o governo federal “não vai permitir que manifestações atrapalhem a realização da Copa das Confederações e da Copa do Mundo”. Ele também parabenizou as forças policiais por “garantirem os três primeiros jogos do torneio”. A declaração foi feita em evento no Rio de Janeiro e foi alvo de críticas de lideranças políticas. O deputado Ivan Valente, do PSOL-SP, presidente do partido e líder da sigla na Câmara, considerou a fala de Rebelo “lamentável”. “Ele deveria saber que os manifestantes têm acordado para a necessidade de educação, saúde, moradia e transporte coletivo de massa enquanto o governo gasta bilhões em elefantes brancos”, disse. Um dos motivos da manifestação em Brasília é o custo da construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, aproximadamente R$ 1,2 bilhões. O deputado ainda espera que o ministro “reveja a posição em face da liderança que representou durante a Ditadura Militar”.

CHEF INGLESA NIGELA LAWSON É AGREDIDA PELO MARIDO EMPRESÁRIO EM PÚBLICO

NIgela Lawson
O tablóide britânico Daily Mirror publicou neste domingo uma série de fotos de autoria de um certo Jean-Paul, em que o milionário executivo de propaganda e influente colecionador de arte Charles Saatchi aparece apertando o pescoço de sua mulher, Nigella Lawson, durante um bate-boca no badalado restaurante Scott’s de Londres. A bela chef inglesa é hoje mais famosa do que seu marido, por sua linha de livros de culinária e seus programas distribuídos em dezenas de países e exibidos pelo canal GNT, aos domingos. Nigella Lawson esteve recentemente no Brasil. A série de fotos se tornou um fenômeno de mídia social. Charles Saatchi, 70 anos, parece fumar como uma chaminé e por isso, o casal é frequentemente fotografado em sua mesa cativa no Scott’s ao ar livre. Outros comensais testemunharam a violência e viraram a cara, mortificados. A direção do Scott’s, que já foi frequentado por Oscar Wilde, disse que não pode comentar sobre a vida pessoal dos fregueses. A chef aparece com uma expressão evidente de agonia nas fotos, chora, beija o marido e em seguida é abandonada na mesa. Saatchi vai para o táxi que os esperava e ela acaba por entrar no carro com ele, visivelmente perturbada. Charles Saatchi dominou a cena da arte em Londres com sua galeria, seu patronato de artistas então desconhecidos como Damien Hirst, e consolidou sua influência especialmente depois da exposição Sensation, na Royal Academy of Arts, que viajou para o Brooklyn Museum, em 1999. O então prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, tentou fechar a exposição Sensation por causa de uma obra de Chris Offilli, A Sagrada Virgem Maria, que usava, além de tinta a óleo, cocô de elefante. Saatchi é um iraquiano de uma abastada família judia que emigrou de Bagdá para Londres quanto era criança. Ele fez sua fortuna como fundador, com o irmão Maurice, agência de propaganda  Saatchi & Saatchi, responsável pela campanha de Margaret Thatcher e pelo famoso slogan “Labour isn’t working” (“O trabalhismo não funciona”).

ISENÇÕES TRIBUTÁRIAS DO GOVERNO PETISTA DE DILMA ROUSSEFF CHEGAM A R$ 170 BILHÕES POR ANO

Se a carga tributária brasileira é elevada, o governo petista do País também é muito generoso na hora de conceder imunidades e benefícios fiscais variados. Em 2013, pela estimativa da Receita Federal, serão ao menos R$ 170 bilhões em isenções, alíquotas reduzidas e deduções. A quantia equivale a quatro vezes o Orçamento de São Paulo, a maior cidade do País, e o ritmo se acelerou durante o governo Dilma. O primeiro lugar vai para as desonerações para micro e pequenas empresas via Simples. Nesse caso, o número pode ser relativizado: sem o Simples, muitas empresas voltariam à informalidade, reduzindo a arrecadação. Não é o caso de outros benefícios. O Brasil deixa de arrecadar, por exemplo, R$ 23 bilhões com rendimentos isentos no Imposto de Renda. A lista de isenções é grande. Entre elas, rendimentos da poupança, resgates de fundos de aposentadoria, pensões de idosos, bolsas de residência médica, indenização reparatória para familiares de desaparecidos políticos, heranças e dividendos. Outros R$ 14 bilhões deixam de ser arrecadados em função das deduções permitidas às pessoas físicas no IR, especialmente de gastos médicos e com educação. Somados, isenções e deduções de pessoas físicas representam quase R$ 37 bilhões. Em comparação, isso é mais do que os Orçamentos anuais dos ministérios do Transportes (R$ 21,4 bilhões) e da Justiça (R$ 11,6 bilhões) juntos. Um argumento a favor das deduções é que despesas com saúde e educação ocorrem para suprir justamente a ausência do Estado. Um contra é que elas beneficiam apenas uma fatia da população: os mais ricos, que declaram IR. Há ainda outros três grandes grupos de beneficiados por bondades fiscais: 1) Entidades sem fins lucrativos, que deixam de pagar R$ 10 bilhões ao ano (essa isenção passa pela Constituição de 1988, que proíbe cobrar impostos de igrejas, entidades sindicais e ONGs voltadas à assistência social e à educação; elas são imunes a qualquer tributação sobre patrimônio, renda e serviços, ou seja, de IR até IPTU, IPVA e ISS); 2) Empresas instaladas na Zona Franca de Manaus, que representam uma perda de R$ 23 bilhões em arrecadação. Os defensores do benefício defendem a necessidade de apoio do Estado na promoção da igualdade de renda entre as diferentes regiões do País (há ainda as desonerações vinculadas à Sudam e à Sudene que representam outros R$ 9 bilhões; além disso, a Zona Franca Manaus, que existe desde 1967, teria um papel importante na ocupação da região Norte, algo que seria estratégico até para a defesa do País; 3) isenções a ramos escolhidos da economia, especialmente agricultura, informática, medicamentos e carros, no valor de R$ 21 bilhões.

SÓCIOS DO GRUPO JBS ESTÃO BRIGANDO NA JUSTIÇA POR TRANSFERÊNCIA DE COTAS

O grupo Bertin, com negócios em infraestrutura, energia e alimentos, abriu guerra na Justiça contra a holding J&F, da família do empresário Joesley Batista. Desde 2009, os dois grupos são sócios na JBS, o maior conglomerado do setor de carnes do mundo. Quatro anos depois de a empresa ter incorporado o frigorífico Bertin, no entanto, a situação entre os parceiros se deteriorou. Na segunda-feira, a empresa Tinto, que representa a família Bertin, entrou na Justiça com ação cautelar em que faz graves acusações. E virou suas baterias contra a J&F. Cotas do fundo Bertin-FIP, por meio do qual a família participa da JBS, teriam sido desviadas de forma "escabrosa" e "criminosa" para uma empresa com sede no Estado de Delaware, nos Estados Unidos: a Blessed LLC. Essa empresa, dizem os representantes da família Bertin, seria da J&F. "Nós trabalhamos com a hipótese de que a Blessed pertence à família Batista", diz o advogado Antonio Carlos Velloso Filho, do escritório Sergio Bermudes, que atua na causa. De acordo ainda com as acusações, assinaturas de integrantes da família Bertin teriam sido falsificadas, em uma "tramóia" para que as cotas fossem transferidas. Elas valeriam R$ 900 milhões, mas teriam sido transferidas por apenas R$ 17 mil, dizem os advogados. Pior, afirmam eles: as cotas garantiam um empréstimo de R$ 100 milhões do grupo Bertin no Banco do Brasil. E o BB correria agora o risco de levar um calote. Na terça-feira, 11, o juiz Fernando Cúnico, da 5ª Vara Cível de São Paulo, deferiu o pedido de liminar dos Bertin e bloqueou a comercialização das cotas. O grupo diz que isso é só o começo: eles pretendem mover uma ação maior contra a Blessed LLC, de ressarcimento de perdas e danos "pelo ilícito praticado". "Não acusamos ninguém pela falsificação das assinaturas. Mas que alguém falsificou, é fato", diz o advogado Velloso Filho. A J&F nega categoricamente que seja dona da Blessed LLC. Diz que não tem nada a ver com a empresa, que estaria na verdade mais ligada à própria família Bertin. De acordo com documentos do site oficial da JBS, destinados a informar investidores, a Blessed integra o fundo Bertin FIP, justamente aquele em que a família Bertin tem cotas. A J&F diz ainda que a dívida de R$ 100 milhões do grupo Bertin com o Banco do Brasil B é de responsabilidade exclusiva da família que o controla, e ela deve responder pelo débito. Em maio, a família Bertin preparou notificação a Joesley Batista, presidente da J&F e controlador da JBS, informando que poderia adotar medidas legais para questionar a operação de incorporação da Bertin pela JBS. A família dizia se considerar prejudicada por ter hoje participação menor do que a estipulada na época em que a negociação foi efetivada. Natalino Bertin, um dos integrantes da família, foi afastado das negociações e substituído pelo irmão, Reinaldo. A fusão entre as operações dos dois grupos, anunciada há quatro anos, foi apoiada pelo governo federal. Em 2007, o BNDES comprou cerca de R$ 4 bilhões em ações dos frigoríficos JBS e Bertin, o que ajudou a viabilizar a fusão dos dois grupos em 2009. O BNDES ficou com 27% das ações da empresa resultante da operação.