segunda-feira, 16 de setembro de 2013

DOM ODILO SCHERER REPUDIA DESVIOS NA GESTÃO DE BENS PÚBLICOS

O cardeal arcebispo Metropolitano de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, disse nesta segunda-feira que "não podemos aceitar qualquer forma de corrupção ou desvio na gestão dos bens públicos", ao se referir às denúncias que envolvem o Ministério do Trabalho e a ONG Centro de Atendimento ao Trabalhador (Ceat). Em nota da Arquidiocese de São Paulo, ele se disse surpreso com as denúncias de irregularidades e afirmou que tem todo o interesse em ver plenamente esclarecidas tais acusações: "A Igreja Católica confiou no trabalho daqueles que haviam ajudado a fundar o CEAT". Os gestores da ONG Ceat estão sob investigação da Polícia Federal por desvio de R$ 18 milhões de um convênio com a pasta do Trabalho. A Polícia Federal identificou lobby da organização criminosa sobre o ministro Gilberto Carvalho, secretário geral da Presidência da República. Interceptações telefônicas da Operação Pronto Emprego, da Polícia Federal, identificaram os movimentos do padre Lício de Araújo Vale, diretor de Relações Institucionais da ONG, e a presidente, Jorgette Maria Oliveira. Eles buscaram apoio e incentivo de Gilberto Carvalho para obtenção de aditamentos ao convênio com o ministério. Gilberto Carvalho admitiu que "recomendou" a ONG aos ex-ministros Carlos Lupi e Brizola Neto, por sugestão de cardeais das Arquidioceses de São Paulo e do Rio. O secretário geral da Presidência diz que acolheu recomendações de Dom Cláudio Hummes e Dom Odilo Scherer, além de Dom Orani Tempesta, cardeal do Rio de Janeiro. "Esse é o típico caso em que a gente deu apoio confiando muito na posição da Igreja. O Ceat sempre foi o orgulho da Igreja. Não estou dizendo que há algum culpado, mas agimos baseados nas recomendações de dom Cláudio, dom Odilo Scherer e de dom Orani. Quem sempre reforçou a referência sobre padre Lício foram eles". Ou seja, Gilberto Carvalho deu a entender que a roubalheira agora tem a benção e o patrocínio da Igreja Católica.

PETROBRAS CONCLUI A CONSTRUÇÃO DA PLATAFORMA MARÍTIMA COM MAIOR CONTEÚDO NACIONAL NO PAÍS

A Petrobras informou nesta segunda-feira que concluiu as obras da plataforma P-55, uma das sete previstas para este ano e a que atingiu até agora o maior índice de conteúdo nacional: 79%. Foi também a primeira plataforma concluída no estaleiro Rio Grande, no Rio Grande do Sul. O estaleiro Rio Grande recebeu o casco da P-55 do Estaleiro Atlântico Sul, em Pernambuco, e fez as instalações do convés e dos módulos, bem como a integração dos sistemas das plataformas. A P-55 vai ser instalada no campo de Roncador, na bacia de Campos, para onde a unidade seguirá após testes de inclinação. Com 52 mil toneladas e 10 mil metros quadrados de área, a P-55 é também a maior plataforma semissubmersível construída no Brasil e tem previsão de começar a operar em dezembro de 2013. A unidade tem capacidade de produzir 180 mil barris diários de petróleo e 4 milhões de metros cúbicos de gás natural. A unidade será interligada a 17 poços, sendo 11 produtores e seis injetores de água. Junto com outras seis unidades, a P-55 tem a missão de ajudar a Petrobras a elevar sua produção, debilitada nos últimos anos em função de atraso de entrega de equipamentos, de concessão de licenças ambientais e paradas programadas e não programadas para manutenção. Estão programadas para entrar em operação também neste ano as plataformas P-61, P-58, P-63, Cidade Paraty, Cidade Itajaí e Cidade São Paulo.

ROUBALHEIRA NO MNISTÉRIO DO TRABALHO: GILBERTO PÔNCIO PILATOS CARVALHO DIZ QUE SÓ ATENDEU A PEDIDOS DE CARDEAIS

O ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, admitiu que "recomendou" a ONG Centro de Atendimento ao Trabalhador aos ex-ministros do Trabalho Carlos Lupi e Brizola Neto, por sugestão de cardeais das Arquidioceses de São Paulo e do Rio. "Mas eu nunca pedi que forçassem uma barra para o Ceat". Ele disse que recebeu padre Lício "muitas vezes". "Quando eu era chefe de gabinete do Lula, dom Cláudio Hummes me pediu apoio do presidente ao Ceat, falou de uma entidade realizadora na qualificação do trabalhador. O presidente Lula sempre deixou claro que, em primeiro lugar, estava a questão técnica. Foi renovado o vínculo com o Ceat com base nas informações da Igreja. A análise de contas não era e nunca foi minha função". "Mais de uma vez vieram pedir. Padre Lício dizia para que eu falasse que o Ceat é de gente séria", relata Carvalho: "Falei com o Lupi, depois com o Brizolinha. Pedi que atendessem, sempre ressaltando que olhassem a prestação de contas". O ministro demonstra inconformismo: "Esse é o típico caso em que a gente deu apoio confiando muito na posição da Igreja. O Ceat sempre foi o orgulho da Igreja. Não estou dizendo que há algum culpado, mas agimos baseados nas recomendações de dom Cláudio e dom Odilo Scherer e de dom Orani (cardeal do Rio de Janeiro). Quem sempre reforçou a referência sobre padre Lício foram eles. Padre Lício sempre teve comportamento irrepreensível". Gilberto Carvalho destaca que o Ministério do Trabalho e a CGU "não sinalizaram" com problemas nas contas da ONG: "Recomendei o Ceat sim, com a chancela da Arquidiocese de São Paulo e do Rio, que atestavam o trabalho como muito consistente". "Padre Lício veio me convidar para evento do dia 1º de maio, veio com a Jorgette (presidente da ONG) e com gente respeitável. Aí pediu que eu falasse com o ministro Manoel Dias, que seria importante. Eu disse: ‘fale direto com o ministro, ele já conhece o trabalho de vocês’. Eu não fiz nenhuma interferência, até poderia ter falado com o ministro Manoel Dias, como falei com os outros (Lupi e Brizola) porque não tinha suspeita sobre o Ceat. Assim como eu, a Igreja ficou absolutamente surpresa. Essa é a verdade. Quando houve as prisões eu pensei que devia ser engano muito grave, alguma pirotecnia. Liguei para o Zé Eduardo (Cardozo, ministro da Justiça), ele disse que era coisa séria. Tentei falar com d. Cláudio, estava em retiro. Dom Odilo já sabia das prisões, muito surpreso". Coronel do Blog

FGV ELEVA PROJEÇÃO DE CRESCIMENTO DA ECONOMIA PARA 2,5% ESTE ANO

Com base no crescimento de 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre deste ano, o Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas, aumentou a projeção do crescimeno da atividade econômica este ano de 2,3% para 2,5%. “Está um pouco melhor mas, apesar disso, a gente antevê que o terceiro trimestre virá fraco”, disse o economista Régis Bonelli, coordenador do Seminário de Análise Conjuntural Ibre. A estimativa atual é que o PIB do terceiro trimestre terá queda de 0,4% em comparação ao trimestre imediatamente anterior, porém o percentual pode ser revisto, avaliou Bonelli. A projeção leva em conta vários indicadores, como a redução da produção industrial em julho. “A indústria, pelos efeitos indiretos, tem uma influência grande no PIB, pelo lado do comércio, dos transportes. Pelas várias interligações com o resto da economia, a gente não está otimista com a indústria”. “E agora, para o terceiro trimestre, a gente não vê um quadro bom, não”, acrescentou. Em relação à inflação, a perspectiva é chegar até o final do ano inferior a 6%. “Deve ficar acima da meta de 4,5%, mas abaixo do teto de 6,5%”, destacou Bonelli.

CFM MANTÉM EXIGÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO EXTRA PARA MÉDICOS ESTRANGEIROS

O Conselho Federal de Medicina (CFM) vai continuar com a exigência de documentação extra dos profissionais estrangeiros participantes do Programa Mais Médicos, apesar do parecer contrário publicado nesta segunda-feira pela Advocacia-Geral da União (AGU). Publicado na edição do Diário Oficial da União desta segunda-feira, o parecer diz que os conselhos regionais de Medicina (CRMs) não podem exigir qualquer documento diferente dos definidos pela Medida Provisória (MP) 621/2013 e pelo Decreto 8040/2013, que regulamentam o programa, para liberar o registro provisório dos médicos estrangeiros. Em entrevista, o advogado-geral da União, ministro Luís Inácio Adams, criticou algumas exigências dos CRMs para expedir o registro provisório dos profissionais estrangeiros, tais como informar seu local de atuação e dar o nome de seus tutores e supervisores. "O que é necessário para que se dê o registro é, estritamente, a absorção do profissional no programa. Nós entendemos que essas exigências de outros documentos têm conteúdo político e visam a impedir o programa, como aconteceu em Porto Alegre, onde fecharam o conselho para impedir que as pessoas entrassem com o pedido de registro", disse Adams. A nota da entidade representativa dos médicos diz que, para manter suas atividades de fiscalização, o CFM e os 27 CRMs "precisam ter informações sobre o local de trabalho dos intercambistas e o nome dos seus respectivos tutores/supervisores de ensino". O CFM também reiterou afirmação anterior de que os gestores públicos e médicos tutores/supervisores podem ser corresponsáveis e "passíveis de processos e penalizações de caráter ético-profissional, civil e criminal pelos atos praticados por participantes e intercambistas do Mais Médicos". Porém, o CFM considera agora que eles continuam corresponsáveis pelas orientações dadas aos seus pós-graduandos ou supervisionados, mas que, na "existência de fato concreto que justifique a abertura de sindicância ou processo, será feita análise caso a caso.

DILMA RECEBE TELEFONEMA DE OBAMA E ANUNCIA NESTA TERÇA-FEIRA SE VIAJA OU NÃO AOS ESTADOS UNIDOS

O porta-voz da Presidência da República, Thomas Traumann, informou nesta segunda-feira que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou às 18h30 para a presidente Dilma Rousseff. Conforme o porta-voz, ela anunciará nesta terça-feira a sua decisão aobre a viagem ao país, programada para outubro. De acordo com Traumann, a conversa entre os dois presidentes durou 20 minutos, mas o porta-voz não revelou detalhes da conversa. Dilma se reuniu no final do dia com o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, para discutir o retorno dado pelo governo norte-americano aos questionamentos do Brasil sobre as denúncias de espionagem.

LUIZ CARLOS BUSATTO ASSUMIU NA NOITE DESTA SEGUNDA-FEIRA A PRESIDÊNCIA DO PTB NO RIO GRANDE DO SUL

O deputado federal e secretário estadual de Obras, Luiz Carlos Busatto, assumiu na noite desta segunda-feira a presidência do PTB do Rio Grande do Sul. Ele é de Canoas e é da estrita confiança da alta nomenklatura trabalhista no Estado, vale dizer, do proprietário e sub-proprietário do PTB no Rio Grande do Sul, respectivamente, Sérgio Zambiasi e Claudio Antonio Manfrói.

AFOCEFE COBRA DO GOVERNADOR TARSO GENRO A REALIZAÇÃO DO CONCURSO QUE AUTORIZOU NA SECRETARIA DA FAZENDA

Com mensagem forte em outdoors espalhados pelas ruas de Porto Alegre, o Afocefe Sindicato pede que governo encaminhe concurso público para Técnico do Tesouro do Estado do Rio Grande do Sul. O Afocefe Sindicato utilizou outdoors, instalados em pontos estratégicos da capital, nesta segunda-feira, para que o governo dê andamento ao concurso público para Técnico do Tesouro do Estado. Na mensagem, direcionada ao governador Tarso Genro, o Sindicato pede o fim das manipulações na Secretaria da Fazenda e exige um órgão público transparente, com tratamento igualitário a todas as carreiras. Os Técnicos do Tesouro reivindicam a formação imediata da comissão de realização do concurso e a publicação de portaria pela Secretaria da Fazenda, no Diário Oficial do Estado. Na semana passada, o secretário da Fazenda, Odir Tonollier, publicou portaria no Diário Oficial do Estado nomeando a comissão para a realização do concurso de Auditor do Estado. As autorizações de concurso para as duas carreiras foram assinadas na mesma data pelo governador Tarso Genro. A falta de iniciativa do governo para dar encaminhamento ao concurso para Técnico do Tesouro, a maior carreira da Secretaria da Fazenda, causa indignação e demonstra que o secretário não quer contrariar os interesses de outra categoria, ficando refém do corporativismo que manda na Secretaria da Fazenda. O Afocefe não aceita manipulações e irá fortalecer a campanha pela realização do concurso com mensagens mais incisivas veiculadas em outdoors e na mídia. A nomeação de outros 22 agentes fiscais, conforme publicado no Diário Oficial do Estado do dia 6 de setembro, totalizando 65 nomeações em pouco mais de dois meses, até para exercer funções na CAGE (Controladoria e Auditoria Geral do Estado), onerará o Estado com altos salários e revela o modelo de gestão que beneficia o corporativismo, evidenciando que quem comanda a Sefaz se rende a interesses e vontades de uma categoria.

OSX, DE EIKE BATISTA, RECEBE LICENÇA DE OPERAÇÃO PARA ESTALEIRO DO AÇU

A OSX, empresa de construção naval do grupo EBX, do empresário Eike Batista, recebeu licença de operação para a Unidade de Construção Naval do Açu, informou a empresa em comunicado nesta segunda-feira. A licença foi recebida do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) do Rio de Janeiro, autorizando o início de atividades operacionais da Fase 1 do estaleiro. As obras começaram em julho de 2011, no Complexo Industrial do Superporto do Açu, no norte fluminense. Segundo a OSX, a Fase 1 "contempla áreas e facilidades industriais necessárias ao cumprimento dos contratos da atual carteira de encomendas da companhia". "Essas atividades operacionais concentram-se na área do Cais Norte, com capacidade para montagem de dezenas de módulos e de integração simultânea de dois FPSOs (plataformas flutuantes) de grande porte", afirmou a empresa.

BOLÍVIA PEDE AOS ESTADOS UNIDOS A EXTRADIÇÃO DE EX-PRESIDENTE ACUSADO DE GENOCÍDIO

O Ministério Público da Bolívia iniciará esta semana os trâmites para solicitar pela segunda vez aos Estados Unidos a extradição do ex-presidente Gonzalo Sánchez de Lozada, acusado pela morte de 60 pessoas em uma revolta social, em 2003. O procurador-geral do Estado, Ramiro Guerrero, anunciou que seu escritório apresentará nesta semana o precatório suplicatório referido à extradição de Sánchez de Lozada ao Tribunal Supremo de Justiça da Bolívia, instância que deverá validar esse documento para seu posterior envio aos Estados Unidos. A Bolívia reivindica a extradição de Sánchez de Lozada (1993-1997 e 2002-2003) para que seja julgado neste país pelo crime de genocídio, por suposta responsabilidade na morte de mais de 60 pessoas durante a repressão a uma onda de protestos sociais em outubro de 2003. Aquele protesto foi uma reação à decisão de Sánchez de Lozada de exportar gás boliviano aos Estados Unidos através de um porto do Chile, país com o qual a Bolívia perdeu em uma guerra do final do século 19 seu acesso ao oceano Pacífico. Por este caso, cinco ex-chefes militares bolivianos foram sentenciados em 2011 a penas de 10 a 15 anos de prisão pelo delito de "genocídio sob a modalidade de massacre sangrento". No entanto, ficou pendente o julgamento de Sánchez de Lozada e outros oito ex-ministros que fugiram do país e obtiveram asilo ou se encontram refugiados nos Estados Unidos, Peru e Espanha. O governo de Evo Morales recebeu há um ano uma nota dos Estados Unidos negando a extradição do ex-presidente, solicitada no final de 2008, assim como as de Carlos Sánchez Berzaín e Jorge Berindoague, que foram seus ministros da Defesa e de Hidrocarbonetos, respectivamente.

SENADO APROVA PROJETO DA MINIRREFORMA ELEITORAL EM PRIMEIRO TURNO

O plenário do Senado aprovou em primeiro turno o substitutivo do senador Valdir Raupp (PMDB-RO) ao Projeto da Minirreforma Eleitoral. A minirreforma regula questões relacionadas aos pleitos eleitorais, adequando a lei a situações que surgiram nos últimos anos. Ela estabelece que o último comício possa se estender pela madrugada e permite carreata no dia da eleição, práticas atualmente proibidas por lei. O projeto também extingue a pena de prisão para quem fizer boca de urna, mantendo apenas multa. Pelo texto, a data para o início das campanhas passa a ser 7 de julho e as convenções partidárias devem ocorrer entre 12 e 30 de junho. As atas das convenções deverão ser publicadas em um prazo de 24 horas, na internet, e não mais em cinco dias, como vigora atualmente. O projeto também libera o uso das redes sociais para emissão de opinião política pessoal, sem considerar como campanha antecipada. A discussão de políticas públicas em eventos partidários e se fazer e divulgar prévias dos partidos em redes sociais também não serão consideradas campanhas antecipadas. Entretanto, o autor das postagens poderá responder civil e criminalmente por ofensas e agressões a terceiros e caberá à Justiça Eleitoral determinar a retirada das publicações do ar se for o caso. Na tentativa de baratear os custos das campanhas, o autor do texto, senador Romero Jucá (PMDB-RR), também estipula o limite do tamanho de adesivos nos carros. Eles devem ter entre 40 a 50 centímetros e ser colocados nos vidros traseiros dos veículos. Fica proibido envelopar carros e instalar faixas, placas e pinturas em muros. A contratação de pessoal para trabalhar nas campanhas e os gastos com alimentação fica limitado, bem como o aluguel de veículos. O próprio Jucá apresentou emenda, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), para retirar de seu texto o trecho que liberava o uso de verba do Fundo Partidário para o pagamento de multas eleitorais dos partidos. Ele considera que o dinheiro do fundo passa a ser de uso privado do partido depois que é repassado mas, diante de reações contrárias, Jucá pediu ao relator, senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que retirasse o artigo para evitar "interpretações equivocadas".

COM ABSOLVIÇÃO, RÉUS DO PT DEIXARIAM PRISÃO EM 1,5 ANO

A eventual absolvição dos quatro petistas pelos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, em um possível novo julgamento do processo do Mensalão do PT, pode lhes garantir a redução drástica do tempo em que devem permanecer na prisão. Se isso ocorrer, o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, o ex-presidente do PT e deputado federal José Genoino, (SP), o também deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) e o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares, teriam um regime de cumprimento de pena mais favorável e passariam, no máximo, um ano e meio na cadeia. Pela Lei de Execuções Penais, condenados têm direito a pedir à Justiça um regime menos rigoroso após cumprirem um sexto da pena, caso apresentem bom comportamento. Esse tempo em cada regime pode ser reduzido mais ainda, caso o detento opte por trabalhar ou prestar serviços na prisão. Aqueles que tenham penas de prisão acima de oito anos têm de começar a cumprir a pena em regime inicialmente fechado. Em condenações que variam de quatro a oito anos, vão para o semiaberto, ocasião em que só têm a obrigação de dormir na penitenciária. Abaixo disso, ganham direito ao regime aberto, em que não precisam ir para a cadeia e, geralmente, prestam serviços comunitários no período da pena. Caso se livrem da punição pelo Supremo Tribunal Federal em um novo julgamento ou tenham as penas declaradas prescritas, José Dirceu, Delúbio Soares e João Paulo Cunha deixariam o regime fechado para o semiaberto. Caberá ao ministro Celso de Mello, o decano da Corte, dar o voto de desempate sobre se o tribunal vai fazer um novo julgamento do processo. Se isso ocorrer, somente 12 réus terão esse direito: aqueles que, mesmo condenados, tiveram pelo menos quatro votos favoráveis à absolvição. Se escapar da punição por formação de quadrilha, o ex-ministro da Casa Civil, por exemplo, teria que ficar apenas 1 ano, 3 meses e 20 dias dormindo na cadeia. Atualmente, ele terá de cumprir pelo menos 1 ano, 9 meses e 15 dias em regime fechado. Em situação semelhante à de Dirceu, Delúbio Soares trocaria uma pena de 1 ano, 5 meses e 20 dias o dia inteiro na prisão por 1 ano, 1 mês e 5 dias em regime semiaberto. João Paulo Cunha, que busca ser absolvido do crime de lavagem de dinheiro, também seria beneficiado com a mudança de regime. Trocaria pelo menos 1 ano, 5 meses e 25 dias integralmente na prisão por no mínimo 1 ano e 15 dias no qual poderia ficar na rua durante o dia, tendo de se recolher à penitenciária à noite. Por sua vez, José Genoino não teria os benefícios de mudança de regime dos demais petistas, uma vez que já vai cumprir pena inicialmente no semiaberto. Contudo, se for absolvido por formação de quadrilha, teria de ficar apenas 9 meses e 10 dias dormindo na cadeia. Atualmente ele teria de passar no mínimo 1 ano, 1 mês e 20 dias recolhendo-se à noite à penitenciária. No caso das punições por formação de quadrilha, as chances de reversão das condenações em um novo julgamento são consideráveis. Além da aposentadoria do ministro Carlos Ayres Britto, voto certo pela punição dos mensaleiros por esse crime, os novos ministros Roberto Barroso e Teori Zavascki, no julgamento do senador Ivo Cassol (PP-RO) em agosto, tiveram entendimento contrário ao dos demais colegas no caso do mensalão. Outros oito réus podem ser beneficiados com o novo julgamento. Em caso de absolvições pelo crime de formação de quadrilha, o operador do mensalão Marcos Valério e seus ex-sócios Ramon Hollerbach e Cristiano Paz e os ex-dirigentes do Banco Rural Kátia Rabello e José Roberto Salgado continuariam a cumprir o início da pena em regime fechado, mas com tempo menor na cadeia. Já Simone Vasconcelos, ex-diretora das agências de Marcos Valério, que tenta ser absolvida pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas, deixaria de passar 2 anos e 29 dias em regime fechado para apenas 8 meses e 10 dias no semiaberto. O ex-assessor do PP, João Cláudio Genú, e o ex-corretor da Bônus Banval, Breno Fischberg, tentam se livrar da condenação de 3 anos e 6 meses em regime aberto por lavagem de dinheiro.

MINISTRO MARCO AURÉLIO MELLO SERÁ O RELATOR DO PROCESSO DO EMPRÉSTIMO DO BMG PARA O PT

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, foi sorteado relator do processo que levou à condenação do ex-presidente do PT e deputado federal José Genoino (SP), do ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, e mais oito pessoas, por conta de um empréstimo fraudulento tomado no BMG para abastecer o esquema do Mensalão do PT. O caso havia sido distribuído antes para o presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa. Em dezembro do ano passado, a Justiça Federal de Minas Gerais havia condenado por crimes de falsidade ideológica e gestão fraudulenta os dois petistas e outras pessoas sob a acusação de terem fraudado uma operação de R$ 10 milhões naquela instituição financeira. No início deste ano, José Genoino assumiu mandato de deputado federal, o que, por conta do foro especial do parlamentar, fez com que o processo retornasse ao Supremo. No despacho anterior, Joaquim Barbosa, que havia recebido os autos do ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que o caso era para ser redistribuído. Embora tenha sido o relator original do caso, Joaquim Barbosa citou na decisão artigo do regimento interno do Supremo que prevê que o ministro eleito presidente da Corte só continuará como relator ou revisor do processo em que tiver apresentado o relatório do caso ou com voto pronto para julgamento. Devolvido o processo, ele foi redistribuído automaticamente e caiu nas mãos de Marco Aurélio Mello. Nesse processo, Genoino, Delúbio, o empresário Marcos Valério e seus dois ex-sócios Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, e o ex-advogado das empresas dele, Rogério Tolentino, foram condenados pela Justiça Federal mineira por falsidade ideológica. Quatro dirigentes do banco BMG foram considerados culpados pelo crime de gestão fraudulenta por não terem levado em conta critérios técnicos na concessão do empréstimo: Ricardo Annes Guimarães. João Batista Abreu, Márcio Alaôr de Araújo e Flávio Pentagna Guimarães.

TRADICIONAL CANTINA GIGETO SERÁ REABRIRÁ EM NOVO ENDEREÇO EM SÃO PAULO

A tradicional cantina paulistana Gigeto, na Bela Vista, vai mudar de endereço na próxima semana. A cantina, que completou 75 anos no domingo, fechou as portas no imóvel da rua Avanhandava e reabrirá aos clientes em uma casa da década de 1920, no Bixiga. O Gigeto fazia um fabuloso filé apimentado com rodelas fritas enfarinhadas de cebola, algo diivino. Em torno de suas mesas, durante décadas, a cantina Gigeto reuniu artistas, jornalistas, boêmios, políticos e homens de negócios de São Paulo.

MINISTÉRIO DO ESPORTE, CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E CBF ANUNCIAM INVESTIMENTOS NO FUTEBOL FEMININO

Uma parceria do Ministério do Esporte, com a Caixa Econômica Federal e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai incentivar o futebol feminino brasileiro. O principal investimento, anunciado nesta segunda-feira, é  um acordo para que o Campeonato Brasileiro da modalidade volte a ser disputado no País. A competição nacional que não ocorria desde 2001. O patrocínio da Caixa Econômica Federal exclusivo para o Campeonato Brasileiro 2013, que vai ter jogos até 1º de dezembro, será R$ 10 milhões. A marca do banco estará exposta nas camisas das atletas, que estarão divididas em 20 times de 13 Estados mais o Distrito Federal. As despesas dos clubes com passagens aéreas com distâncias acima de 500 quilômetros,  de ônibus leito até esta distância e alimentação em hotéis serão cobertas pelo patrocínio. A CBF vai garantir o mesmo esquema de estádios para os jogos do campeonato masculino. Terá arbitragem profissional e sistema de ambulância para atendimentos de emergência. Com a volta da competição, o País terá Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil de futebol feminino. O último Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino foi disputado em 2001 e teve como campeão o Santa Isabel, de Minas Gerais. Daí em diante, a única competição de futebol feminino de nível nacional no País é a Copa do Brasil, que começou em 2007 e é disputada no sistema mata-mata (jogos eliminatórios de ida e volta). O Campeonato Brasileiro é por pontos corridos. O último campeão da Copa Brasil foi o São José, de São Paulo, este ano.

SARNEY RETORNA AO SENADO FEDERAL APÓS 54 DIAS DE AFASTAMENTO

O senador José Sarney (PMDB-AP) retomou nesta segunda-feira suas atividades parlamentares depois de 54 dias de afastamento. O senador passou por complicações de saúde ao contrair dengue e ter princípio de pneumonia. Sarney esteve internado nos hospitais UDI do Maranhão e Sírio-Libanês, em São Paulo, de onde recebeu alta em 21 de agosto. Antes de deixar a internação, o senador passou por um cateterismo coronariano. Em seu retorno ao Senado, Sarney participou de sessão solene que comemorou os 70 anos de criação do Amapá. Em discurso, ele comemorou a chegada ao Estado por onde se elegeu da linha de transmissão que vai ligar o Amapá ao Sistema Interligado Nacional (SIN). O Estado não era ligado ao sistema que distribui a energia elétrica ao restante do País por questões ambientais. "Isso é importante porque é uma obra extraordinária. Eu a considero tão importante quanto aquela que determinou o presidente Juscelino Kubitschek ao fazer a estrada Belém-Brasília. É uma obra que rasga a floresta com torres de transmissão atravessando o rio Amazonas. Para que se tenha uma idéia do que significa a obra, ela foi feita acima da floresta, preservando a mata, para que, de modo algum, pudesse interferir no meio ambiente", disse. O senador disse que fez um esforço para reassumir o mandato nesta data para estar presente na comemoração dos 70 anos de criação do Estado.

EMPRESA BRASILEIRA É DENUNCIADA POR AMEAÇAR ÁREA INDÍGENA NO PARAGUAI

O habitat dos indígenas silvícolas do noroeste do Paraguai é ameaçado pelo desmatamento praticado pela empresa pecuarista brasileira Yaguareté Porá, que exporta carne para a Europa, denunciou nesta segunda-feira a ONG petralha Survival International em um comunicado. "Fotos de satélite revelam novas extensões de florestas arrasadas pelos tratores" da empresa brasileira, informou a Survival International em um comunicado. A ONG, com sede em Londres, reiterou que a floresta onde os indígenas vivem em isolamento voluntário na região do Chaco central, 650 km a noroeste de Assunção, está sendo destruída pela Yaguareté Porá. Essa ong faz sempre oposição cerrada ao agronegócio brasileiro. Segundo a ONG Survival, a empresa é signatária do Pacto Mundial das Nações Unidas que recomenda que as companhias adequem suas operações e estratégias a princípios universalmente aceitos de direitos humanos. No entanto, segundo a ONG, suas operações "colocam em risco a vida dos indígenas ayoreo auto-isolados". Ele advertiu que o contato com a civilização dos "não contactados" os expõe a doenças com consequências fatais.

ATENTADO EM WASHINGTON RESULTOU EM 13 MORTOS

O número de mortos devido ao tiroteio em uma base da Marinha dos Estados Unidos na capital Washington subiu para 13, incluindo o autor dos disparos, que foi identificado como Aaron Alexis, um prestador de serviço militar do Texas. O prefeito da cidade, Vincent Gray, confirmou que as forças de segurança ainda não encontraram um segundo suspeito de ter participado do massacre. O FBI informou, por sua parte, que o autor do tiroteio foi Aaron Alexis, de 34 anos, que morreu em circunstâncias não especificadas no mesmo local, uma instalação do Comando de Sistemas Navais da Marinha, às margens do rio Anacostia. Alexis poderia ter atuado com a ajuda de um segundo suspeito, um homem negro de cerca de 40 anos, com costeletas e vestido com um uniforme de estilo militar, verde oliva, que fugiu do lugar. Os registros militares indicam que Alexis passou quatro anos como reservista da Marinha entre maio de 2007 e janeiro de 2011. As autoridades não proporcionaram ainda o número de feridos, mas segundo o prefeito o número será "uma dúzia ou mais". Um oficial de polícia e duas mulheres estão sendo atendidos no hospital Medstar da capital americana pelos ferimentos de bala recebidos durante o tiroteio. Segundo Janis Orlowsky, porta-voz do hospital, os três feridos têm previsões favoráveis e espera-se que se recuperem totalmente. O atentado ocorreu no edifício do Comando Naval dos Sistemas do Mar (NAVSEA), uma instalação da Marinha altamente protegida no coração da capital dos Estados Unidos.

CRMs NÃO PODEM PEDIR DOCUMENTOS EXTRAS PARA ESTRANGEIROS, DIZ A AGU

Parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) afirma que os Conselhos Regionais de Medicina não podem pedir documentos extras para conceder o registro profissional provisório aos estrangeiros participantes do programa Mais Médicos. De acordo com a AGU, os conselhos têm de seguir a relação apresentada na Medida Provisória 621 deste ano e no Decreto 8040. O parecer foi preparado depois de consulta feita pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Na semana passada, o ministro da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams, fez duras críticas aos CRMs, que têm recorrido à Justiça contra o Mais Médicos. "É um desserviço ao Brasil", afirmou, ao protocolar recurso no Tribunal Regional Federal no Recife, contra liminar concedida pela Justiça Federal do Ceará. O Cremec, que acabou derrotado, queria dispensa da obrigatoriedade de conceder visto provisório aos formados no Exterior.

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO DE JANEIRO VAI À POLÍCIA APÓS TER SEU SITE INVADIDO POR HACKERS

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que teve o site invadido no fim de semana, divulgou nota na tarde desta segunda-feira, para informar que o procurador-geral da Casa, Harriman Araújo, encontrou-se pela manhã com o delegado Gilson Perdigão, titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, para registrar a ação de hackers. De acordo com a nota, o procurador-geral “acertou com o delegado que enviará documentos sobre o caso ao longo da semana”. “A partir daí, a Alerj aguardará o transcorrer das investigações para tomar as devidas providências". No sábado e no domingo, o site da Alerj exibia apenas uma animação com piratas dançando e uma música com a mensagem em inglês “Do what you want cause a pirate is free / You are a pirate!" Na semana passada, foi aprovado em regime de urgência na Assembleia o projeto de lei que proíbe o uso de máscaras em manifestações políticas no Estado, de autoria do presidente da casa, Paulo Melo (PMDB), e do líder do partido, Domingos Brazão. O projeto foi sancionado pelo governador Sérgio Cabral (PMDB), principal alvo das manifestações realizadas no Rio. Na noite de sábado, o site da Polícia Militar do Rio de Janeiro foi atacado por hackers e informações pessoais de 50 mil policiais foram divulgadas.

SENADO AMERICANO É FECHADO POR SEGURANÇA APÓS TIROTEIO NO EDIFÍCIO DA MARINHA EM WASHINGTON

O Senado dos Estados Unidos fechou as portas na tarde desta segunda-feira, por motivos de segurança relacionados ao ataque a uma base da Marinha em Washington. O senador Harry Reid, líder da maioria democrata, já havia adiado para esta terça-feira as votações originalmente previstas para a noite desta segunda-feira. O chefe da polícia do Senado, Terrance Gainer, informou que o complexo legislativo foi fechado por causa da possibilidade de suspeitos continuarem à solta depois do ataque. Até segunda ordem, ninguém podia entrar nem sair do Senado.

LÍDER DO PDT NO SENADO FEDERAL DIZ QUE DENÚNCIA DE CORRUPÇÃO NO MINISTÉRIO DO TRABALHO NÃO ATINGEM O MINISTRO MANOEL DIAS

O líder do PDT no Senado, Acir Gurgacz (RO), afirmou nesta segunda-feira, que o ministro do Trabalho, Manoel Dias, já tomou todas as providências devidas para esclarecer as denúncias de irregularidades na pasta que comanda. "O Manoel é a pessoa certa para fazer um limpa lá. Ele tem respaldo, tem experiência, tem idade", afirmou. Para o congressista, as denúncias dizem respeito a pessoas que cercam o ministro não devem atingi-lo. O jornal O Estado de S. Paulo revelou nesta segunda que a mulher do ministro, Dalva Dias, e seu chefe de gabinete, Rodrigo Minotto, foram envolvidos em irregularidades com convênios em Santa Catarina, base política de Manoel Dias. "Ele já fez o que devia, mandou apurar todas as denúncias", ressaltou Gurgacz. O senador também saiu em defesa do seu partido que, em 2011, sofreu grande desgaste com acusações semelhantes às de agora. Na época, enfraquecido, o então chefe da Pasta, Carlos Lupi, acabou demitido no que ficou conhecido como "faxina", no primeiro ano de gestão da presidente Dilma Rousseff. Em discurso no plenário, o senador Pedro Taques (PDT-MT) disse ter ficado "consternado" com as denúncias que envolvem o Ministério do Trabalho. "Qualquer agente público ou privado que tenha facilitado por ação ou omissão uma irregularidade, tem que ser investigado ou punido", disse. "Sou membro do PDT e não tenho qualquer compromisso de passar panos quentes a quem quer que seja", completou. Para o senador do Mato Grosso, o PDT não precisa de ministério para apoiar Dilma, uma vez que, para ele, um partido não serve para "aparelhar o Estado". "Nós confiamos no trabalho que está sendo feito pelo ministro Manoel Dias, mas uma resposta precisa ser dada à sociedade brasileira", disse.

DUAS PROVOCADORAS FORAM PRESAS POR SE BEIJAREM EM CULTO DO PASTOR FELICIANO NO LITORAL DE SÃO PAULO

Duas estudantes, de 18 e 20 anos, foram presas na noite de domingo, após se beijarem durante evento evangélico realizado em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo. O protesto foi realizado enquanto o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) iniciava sua pregação a cerca de dois mil fiéis. Para o evento, um forte esquema policial foi montado pelas polícias Civil, Militar e Guarda Civil Municipal (GCM) com intuito de evitar manifestações durante o 5º Glorifica Litoral, que estavam programadas para ocorrer durante o culto com o deputado. "Essas duas precisam sair daqui algemadas", bradou Feliciano, sob aplausos dos evangélicos, que assistiram à cena por meio de dois telões. Do palco, o deputado instruía os policiais a localizarem as jovens em meio à multidão. Ele tinha toda razão em dar voz de prisãos às duas estudantes, que promoveram uma agressão às convicções religiosas de milhares de fiéis em pleno culto religioso, o que é contra o que dispõe a Constituição Federal. Joana Palhares, de 18 anos, e Yunka Mihura, de 20 anos, foram cercadas, detidas e algemadas por guardas municipais e encaminhadas para o 1º Distrito Policial de São Sebastião. O advogado Daniel Galani, que representou as jovens, disse que irá formalizar uma denúncia contra o deputado na Comissão dos Direitos Humanos da OAB. "Foi uma afronta gravíssima aos direitos humanos e ao direito à livre expressão", avaliou. Este Brasil, com certeza, deve ter enlouquecido. Foi, ao contrário do que diz o advogado, um ato premeditado de agressão ao direito de reunião, culto e profissão de fé, conforme garantido pela Constituição Federal, do qual participaram as duas estudantes e mais cerca de dez pessoas que a acompanharam. Ainda segundo o advogado, as estudantes não mantêm relacionamento homoafetivo. "Apenas se beijaram para se manifestarem contra a posição preconceituosa do deputado". Marco Feliciano criticou a atitude das estudantes. Com todo o público a seu favor, disparou críticas contra as jovens e seus respectivos pais: "O que pensam os pais dessas meninas que vêm a um culto para beijar outra mulher? Esses baderneiros terão o troco no ano que vem, pois seremos a maior bancada evangélica da história no Congresso". Feliciano também criticou a imprensa: "Se os jornais publicarem matérias e derem razão para esses baderneiros, vou convocar uma grande manifestação nas portas desses jornais para protestarmos na próxima terça-feira". Ele se disse "perseguido" e "humilhado" pela mídia. O que efetivamente tem acontecido. Marco Feliciano postou às 16h08 três mensagens em seu perfil no Twitter transcrevendo o art. 208 do Código Penal Brasileiro. "Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: pena detenção, 1 mês a 1 ano ou multa. Se há emprego de violência, a pena aumenta de 1/3, sem prejuízo da correspondente à violência". Ele tem toda razão.

A COMUNISTA MANUELA D'ÁVILA AVISA QUE VAI CONCORRER A DEPUTADA ESTADUAL NO PRÓXIMO ANO NO RIO GRANDE DO SUL

A deputada federal gaúcha Manuela d'Ávila (PCdoB) anunciou nesta segunda-feira, por meio do Twitter, que não vai se candidatar a um novo mandato na Câmara dos Deputados no próximo ano. Ela disse que, depois de conversar om o partido, tomou a decisão de concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Interpretando: o PCdoB do Rio Grande do Sul quer aumentar bancada e sua importância política regional, e precisa dos votos dela. "Tenho muita vontade de devolver ao meu Estado a experiência que acumulei nesses dois mandatos em Brasília", afirmou Manuela D'Ávila, que está no seu segundo mandato como deputada federal.  "A situação do Rio Grande exige atenção e estou disposta a dar minha contribuição. Acredito que a política deve ser espaço de renovação, e que o meu Estado e a minha cidade, Porto Alegre, poderão contar ainda mais comigo se estiver mais próxima do que hoje estou. E eu ficarei feliz militando fisicamente mais perto da população e dos movimentos sociais", explicou.

ENTENDA O ENORME PROGRAMA DE PRIVATIZAÇÕES DE INFRAESTRUTURA DO GOVERNO DILMA

A LCA Consultores é uma das maiores empresas de consultoria do Brasil acaba de editar um estudo bastante enxuto e completo sobre o que ela chama de “Soluções estratégicas em economia”, na verdade uma análise do programa de privatizações na área de infraestrutura do Brasil. Trata-se de um programa de concessões de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, energia e petróleo.  Nunca, jamais antes neste País, governo algum ousou privatizar tanto na área de infraestrutura. O total de investimentos programados é de R$ 450 bilhões. Sairá tudo por leilões que começaram em maio e irão até março do ano que vem. O governo Dilma Roussef, do PT, autorizou um leque de 11 bancos para financiar os projetos de concessões, via empréstimos que podem ser sindicalizados, sendo que os fundos de pensão estatais, Caixa Federal e o BNDES poderão ter até 49% de participação no capital das concessionárias. As empresas privadas brasileiras e estrangeiras também contarão com o apoio da Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores. Em inúmeros casos, o governo do PT entregará rodovias prontas. Aliás, todas as estradas serão pedagiadas.
Clique aqui para examinar o estudo, elaborado pela LCA  pouco antes dos dois primeiros leilões de rodovias, ocorrido quinta-feira. O trabalho é bem resumido, no formato de tabelas. Por Políbio Braga

DILMA ASSEGURA QUE PÓLO NAVAL DO RIO GRANDE DO SUL VAI MOVIMENTAR US$ 6 BILHÕES NOS PRÓXIMOS ANOS

O Polo Naval do Estado deve movimentar US$ 6 bilhões nos próximos anos, afirmou a presidente Dilma Rousseff na manhã desta segunda-feira, em cerimônia realizada no Palácio Piratini, para assinatura do contrato de construção de duas plataformas de petróleo. Durante o discurso, ela falou também sobre destinação de royalties do petróleo para a educação e elogiou a maturidade da indústria naval brasileira. Por causa do mau tempo, a visita de Dilma a Rio Grande foi cancelada. O evento no Palácio Piratini marcou a assinatura de contratos para a montagem das plataformas P 75 e P 77, que serão usadas na exploração do pré-sal na Bacia de Santos. Com, o cancelamento da viagem ao sul do Estado, a direção da empresa Quip, responsável pela execução do projeto em Rio Grande, veio para Porto Alegre. Graça Foster, a primeira a discursar, saudou trabalhadores do polo naval de Rio Grande e ressaltou a importância de acelerar a construção de plataformas para que as oito unidades sejam concluídas no país ainda em 2013. Das oito plataformas em construção no Brasil, três são no Rio Grande do Sul.

MANO CAETANO - SOCIALISMO DA VIERA SOUTO ENQUANTO "A TERRA FICA ESFAIMANDO"

Há pessoas com peninha de Caetano? Deixem de bobagem. Ele está por baixo e conta comigo e com Olavo de Carvalho para aparecer um pouco, atrair as plateias mais ou menos esquerdizadas, em particular a turma anti-Sérgio Cabral no Rio (que reúne todos os “vermelhos” do Leblon, de Copacabana e de Ipanema), e desfilar seu charme supostamente consciente em verso & prosa e alguma rima. O Brasil inventou, como já cravei há mais de 20 anos, o burguês do capital alheio, que é a vigarice sindical que se adona do estado para satisfazer corporações. E conta também com os socialistas dos bens alheios — um grupo muito influente entre “artistas’. A maioria não saberia distinguir Lênin ou Gramsci de uma taça de champanhe, financiada pela Lei Rouanet. É o socialismo da Vieira Souto, com vista para o mar, enquanto, como diria um poeta baiano — mas do século XVII —, “a terra fica esfaimando”. Não tenho paciência pra isso, não! Alguns leitores indagaram o que quis dizer num post de domingo quando afirmei isto:

“Ele [Caetano] é só um ‘velho baiano’. Eu sou só um maduro dois-correguense. Isso quer dizer que Caetano está por baixo, e eu, por cima. Bahia tropicalista é categoria de pensamento no Brasil. O interior de São Paulo que tem catiretê é categoria econômica. Ninguém liga. Só na hora de fazer as contas. Escrevo no celular. Cuido de Caetano à noite. O catiretê vela pela balança comercial. Caetano zela por metáforas que, durante um tempo, pensava-se, nos fariam mais inteligentes.”
Explico. Quem se define como “só um velho baiano” é ele próprio. Fiz uma ironia — um terreno sempre perigoso em nossas letras, mesmo as da crônica jornalística, eu sei. Mas não resisto. Só quis dizer que não recepciono, como diriam os ministros do STF, a autodepreciação fingida de quem, no fim das contas, quer mesmo é imunidade. Ao se dizer “só um velho baiano”, Caetano pede compreensão com a sua irresponsabilidade, com o seu miolo mole. Resolveu pôr a sua assinatura nos atos fascistoides dos black blocs e depois vem com esse muxoxo choramingas: “Poxa, mas eu sou só um velhinho inimputável…”. De resto, por que a referência à origem? Muito bem! Se ele pode se dizer um “baiano” ao explicar por que cobre a cara, eu posso me dizer um “paulista” ao explicar por que não cubro? “O que o cateretê (ou “catira”) tem a ver com isso? O mesmo que o tropicalismo tem a ver com as tolices de Caetano — nada! Citei a cultura caipira do interior de São Paulo porque as “cigarras” do Brasil costumam odiar o trabalho das formiguinhas, não é mesmo? Foi só uma homenagem ao Brasil que produz — em São Paulo e em qualquer parte — e tem de prestar satisfações a quem não produz porcaria nenhuma. Um país em que os que geram riqueza têm de se subordinar aos caprichos de quem gera sentenças de igualdade está condenado a ser mixuruca. “Famoso blog de direita”? O que sabe Caetano sobre direita e esquerda, justamente ele que diz “ler os dois lados” para, então, se situar no centro? Trata-se de uma tolice formidável. Até porque o Brasil — e o mundo —, definitivamente, não se esgota em “dois lados”. E não é raro que determinados eventos possam ter, hoje ou na Alemanha da década de 30, apenas um lado moralmente aceitável. Caetano está bravinho porque demonstrei que condescender com a violência — ou, na prática, estimulá-la, ainda que diga o contrário — se situa no campo das escolhas inaceitáveis, a menos que se opte pela tática do terror, que, entendo eu, está fora da política. Eu estou me lixando se ele me considera de direita ou não — já escrevi centenas de textos a respeito. Já demonstrei por que um dos desastres da política brasileira é não haver um partido conservador forte, que seja alternativa de poder, como há em todas as democracias dignas desse nome. Por aqui, todo mundo é de centro-esquerda: Lula, Paulo Maluf, Marina, Dilma, Aécio Neves… Se Gêngis Khan ressuscitasse e decidisse disputar uma vaguinha no establishment brasileiro, não teria dúvida em se dizer de centro-esquerda. O curioso é que a sociologia que essa gente diz adotar ou que serviria de substrato a suas elucubrações aponta justamente essa trapaça como fonte de muitos dos nossos desatinos — penso especialmente em “Raízes do Brasil” e “Os Donos do Poder”, de Sérgio Buarque de Holanda e Raymundo Faoro, respectivamente. Quando um filósofo ou um jornalista, fora do aparato do estado, participam do debate público cobrando clareza e distinção — e distinguindo, por sua vez, alhos de bugalhos —, então lá vem um aiatolá do “pensamento alternativo” (qual???) a usar a notoriedade conquistada com seus trinados para fazer o trabalho de demonização. O mais antigo e persistente trabalho ideológico e propagandístico da esquerda consistiu e consiste em transformar seus crimes em novos umbrais da humanidade. É assim desde a revolução bolchevique de 1917. Intelectuais os mais variados se tornaram meros justificadores do assassinato em massa, da brutalidade transformadora, da violência redentora: na URSS, na China, em Cuba, no Vietnã… Escolham aí. Com o fim do império soviético, as simpatias se voltaram para as lideranças islâmicas antiocidentais. Os nossos pensadores adoram odiar a liberdade que lhes garante o direito de pensar. Quando me dou conta da quantidade de absurdos que um Michel Foucault escreveu sobre a revolução iraniana, chego a ficar de estômago embrulhado. Gays, como ele próprio, eram enforcados em guindastes em praças públicas — e ele, não obstante, via palpitações verdadeiramente eróticas nos fanáticos de Khomeini. Esse Caetano que tenha mais cuidado ao lidar com as ideias — se pretende mesmo continuar nesse terreno. Paulo Francis está morto há 16 anos. Evocá-lo, hoje, como ele fez, deve ser visto como um pedido de desculpas? Francis vivo, o então “só um quase-jovem baiano” respondeu a uma crítica cultural chamando o outro de “bicha amarga” e “boneca travada” — e olhem que o jornalista, então, teceu elogios ao artista Caetano Veloso, criticando apenas, como chamou, seu ser totêmico. Enquanto Caetano não se desculpar, a sua imagem fantasiado de black bloc segue sendo uma aceitação tácita de uma tática e um convite a uma forma de ação. Num célebre e então muito bem colocado discurso num festival, em 1968, o cantor baiano reagiu à boçalidade da plateia, que o impedia de catar “É proibido proibir”. Disse que aquela gente não se distinguia em nada dos brucutus fascistoides que haviam invadido a peça “Roda Viva” e espancado os atores. E não eram se distinguiam mesmo. O que se fez daquele Caetano? “Isso foi em outro país, e aquele rapaz morreu”, para lembrar as palavras finais do artigo de Francis. Por Reinaldo Azevedo

DEMANDA DAS EMPRESAS POR CRÉDITO RECUA 4,2% EM AGOSTO, NO ANO A QUEDA JÁ É DE 4,0%

A demanda das empresas por crédito recuou 4,2% em agosto na comparação com julho, segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira pela empresa de consultoria Serasa Experian. Em julho, foi registrado crescimento de 9,7% na busca por crédito em relação ao mês anterior. Na comparação com agosto do ano passado, a demanda foi 6,2% menor. De acordo com a Serasa, a variação acumulada passou de -3,7%, entre os meses de janeiro e julho, para -4,0%, de janeiro a agosto, em relação aos mesmos períodos do ano passado. Segundo os economistas da Serasa, a queda da confiança dos empresários, a alta do dólar e os juros em elevação impactaram negativamente na busca de crédito pelas empresas no mês passado. A queda registrada em agosto foi concentrada nas micro e pequenas empresas, que registraram queda de 4,7% em relação a julho. Na direção contrária, houve avanço de 2,5% na demanda por crédito nas médias empresas e de 4,5% por grandes empresas. No acumulado do ano, as grandes empresas registraram a maior demanda por crédito: alta de 18,3% de janeiro a agosto em relação ao mesmo período do ano passado. As médias empresas aparecem a seguir com 4,7% no acumulado do ano. Em contrapartida, no período de janeiro a agosto houve queda de 4,7% na busca das micro e pequenas empresas por crédito.

APÓS AUMENTO DE CAPITAL DA LLX, EIG INVESTIRÁ R$ 1,3 BILHÃO NA EMPRESA

A LLX Logística informa que fechou, no domingo, um acordo de investimento com a EIG LLX Holdings que prevê investimento pela EIG na companhia de até 1,3 bilhão de reais, por meio de sua participação em operação de aumento do capital social da empresa, por subscrição privada, a ser deliberado em breve pelo conselho de administração, nos limites do capital autorizado. O acordo foi concluído com a interveniência de Eike Batista, da Centennial Asset Mining Fund, controladores da empresa, da Centennial Asset Participações Açu e da EBX Brasil, além da LLX Açu Operações Portuárias e da LLX Brasil. Pelo acordo, o atual acionista controlador cederá gratuitamente em favor da EIG seu direito de preferência para participação na operação de aumento do capital social. Será conferido aos minoritários, na forma da lei, o direito de preferência para participação na operação. O Grupo EIG se comprometeu a subscrever a totalidade das ações que poderiam ser subscritas pelo atual controlador, além da totalidade das ações não subscritas pelos acionistas minoritários, até o limite total do aumento do capital. As ações que serão emitidas em decorrência do aumento do capital terão o preço de emissão fixado em R$ 1,20, conforme anteriormente divulgado em fato relevante de 14 de agosto. Pelo acordo, o atual controlador deixará de integrar a administração da companhia, mas continuará a ser um acionista relevante, e preservará o direito de indicar um membro do conselho de administração da LLX. O acerto prevê ainda a alienação para a companhia da participação acionária de 30% detida indiretamente pelo acionista controlador na LLX Açu, que passará a ser uma subsidiária integral da companhia. "Com o processo de due dillegence pelo Grupo EIG já concluído, a operação somente está sujeita ao cumprimento de condições precedentes remanescentes, que deverão ser concluídas em 20 dias. Após a conclusão da operação, a EIG se tornará a nova acionista controladora da LLX", informa a empresa. Segundo a LLX, a EIG é um veículo de investimento da EIG Management Company, LLC, integrante do Grupo EIG, que é líder no setor de energia global, com 12,8 bilhões de dólares sobre sua gestão em 30 de junho. O Grupo EIG se especializou em investimentos privados nos setores de energia e recursos relacionados à infraestrutura.

ATAQUE A PRÉDIO DA MARINHA DOS ESTADOS UNIDOS EM WASHINGTON MATA AO MENOS 12 PESSOAS

Disparos efetuados na manhã desta segunda-feira em um edifício da Marinha dos Estados Unidos, em Washington, deixaram ao menos 12 mortos, segundo informou o prefeito Vincent Gray. Um dos suspeitos foi morto, mas outros dois ainda são procurados, de acordo com a chefe da polícia metropolitana da capital, Cathy Lanier. O número de feridos ainda é incerto. Segundo a rede CNN, há pelo menos dez, entre eles dois policiais. Três pessoas foram levadas para o hospital com ferimentos graves, segundo a rede de TV americana. O prefeito Gray disse que não há motivos para acreditar que o ataque foi um ato de terrorismo, embora a hipótese não possa ser descartada. Os primeiros disparos foram registrados às 8h20 (9h20 no horário de Brasília). Segundo o Washington Post, que citou fontes da polícia, os atiradores entraram em um dos prédios do complexo e dispararam contra dezenas de pessoas que estavam no local. A rede ABC informou que o atirador morto pela polícia usava roupas camufladas. Ele seria um funcionário do complexo. Homens do FBI vasculham a área atrás de outros suspeitos. “Nossa preocupação no momento é que possivelmente há dois outros atiradores que não foram localizados”, disse Cathy Lanier. A chefe da polícia afirmou que outros dois suspeitos eram buscados. Mais tarde, no entanto, um deles foi identificado e a polícia descartou que ele tenha envolvimento no episódio. Segundo a rede britânica BBC, o ataque limitou-se a um dos prédios do Washington Navy Yard, um complexo administrativo da Marinha dos Estados Unidos ao sul da capital, que abriga o centro de operações navais do país e gabinetes da Justiça naval. Cerca de 3 000 pessoas trabalham no local. O tiroteio levou à suspensão de decolagens do aeroporto Ronald Reagan, em Washington. Por volta de 12h30 (13h30), o presidente Barack Obama falou sobre o ataque. Ele classificou o episódio como uma "tragédia" e um "ato covarde" e disse que ele "será investigado".

DILMA DIZ QUE PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NÃO PODE PARAR

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira que o Programa Ciência sem Fronteiras tem trazido resultados importantes ao País e, por isso, não pode parar. Segundo Dilma, o programa, criado em 2011 com a meta de enviar cerca de 100 mil estudantes das áreas de ciência e tecnologia para instituições do Exterior até 2015, tira o atraso do setor educacional do País. Ela também defendeu a expansão do ensino superior no País. “Não podemos parar com o Ciência sem Fronteiras, porque permite tirar o atraso, levando nossos estudantes a estudar em universidades de nível A do mundo”, disse a presidente, ressaltando também as parcerias entre universidades e pesquisadores brasileiros e estrangeiros estimuladas pelo programa.  Até agosto, 37.786 bolsistas já haviam iniciado seus estudos no Exterior, sendo 30.690 na modalidade graduação sanduíche, 4.071 em doutorado sanduíche, 2.160 em pós-doutorado e 859 em doutorado. Os países que mais receberam estudantes do programa foram Estados Unidos, França, Canadá, Reino Unido, Austrália e Alemanha. As áreas mais procuradas são engenharias, biologia, ciências biomédicas e da saúde e ciências exatas e da terra.

CHEGADA DE MÉDICOS ESTRANGEIROS VAI ATRAIR MELHORIAS PARA REGIÕES POBRES, ASSEGURA MINISTRO

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse nesta segunda-feira que a chegada dos médicos estrangeiros nas comunidades pobres do País vai estimular a melhora da infraestrutura nas unidades de saúde. “O maior obstáculo era ter o médico. Construir a unidade de saúde, equipá-la e mantê-la reformada é uma ação que o município fica estimulado a fazer quando vê que nós conseguimos garantir um médico para atender aquela população”, declarou o ministro, que participou da cerimônia de abertura da Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Padilha citou situações que viveu quando trabalhou como médico na Amazônia. O ministro foi supervisor de um núcleo da Universidade de São Paulo (USP), atuando em comunidades amazônicas, e conta que percebeu que a chegada dos médicos atraiu desenvolvimento para a região. “Não tinha nenhuma estrutura nos lugares onde trabalhamos. A presença de médicos lá estimulou o município, outras universidades e organizações a montar estrutura. Uma aldeia indígena não tinha nada, hoje tem centro cirúrgico, ambulatório para tratamento. A cidade de Santarém (PA) não tinha uma faculdade. Hoje tem a faculdade de medicina, que é um grande hospital regional”, disse. O ministro informou ainda que todos os municípios participantes do Programa Mais Médicos usarão recursos do Ministério da Saúde para reforma, ampliação e construção de unidades de saúde. Segundo cronograma do ministério, o início do trabalho dos profissionais do programa está previsto para o dia 23. De acordo com o ministro, as inscrições para os interessados em participar do programa serão abertas mensalmente, prioritariamente para médicos brasileiros. Padilha ressaltou que os estrangeiros podem ocupar apenas as vagas não ocupadas pelos profissionais brasileiros. “Aos poucos, vamos poder mostrar o programa, mostrar que ele não tira emprego de nenhum médico brasileiro”, destacou. Nesta semana, disse o ministro, está programada a seleção dos médicos estrangeiros que se inscreveram no segundo mês do Mais Médicos. Eles poderão optar pelas cidades onde querem trabalhar. “O Mais Médicos é um primeiro passo de uma longa caminhada para fazer uma mudança profunda na realidade da saúde da nossa população, mas é o passo mais corajoso”, disse.

MINISTRO DIZ TER "CRENÇA HISTÓRICA" DE QUE MENSALÃO NÃO TEVE RECURSOS PÚBLICOS

O secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, disse nesta segunda-feira ter “crença histórica” de que não houve uso de recursos públicos no caso investigado pelo processo do mensalão, que está sendo julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Para ele, esses recursos têm como origem o caixa 2 de empresas para financiamento de campanhas eleitorais, prática que, segundo o ministro, foi um erro e, como tal, carece de punição. “Tenho uma crença histórica de que não houve uso de recursos públicos, e sim um erro que tem de ser punido, todos sabemos, de uso do caixa 2 em eleições e processos eleitorais. É disso que se trata, a meu juízo. Qualquer desvio tem de ser punido”, disse o ministro após participar do lançamento do Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência na Presidência da República. Segundo Carvalho, o governo está numa posição de expectativa em relação ao julgamento: “Vamos esperar. Não vamos fazer nenhum juízo de valor". O ministro ressaltou que tem acompanhado o processo, mas prefere não dar nenhuma opinião: "Não cabe neste momento". Nesta quarta-feira, o ministro Celso de Mello, decano do STF, decidirá se são cabíveis os recursos que pedem novo julgamento para 12 réus condenados do Mensalão do PT. A votação sobre a possibilidade de novo julgamento está empatada em 5 a 5. É quase completamente certo que ele decidirá a favor dos mensaleiros.

BRASIL SEM MISÉRIA DEVE INCLUIR MAIS 600 MIL FAMÍLIAS EM 2014...... CLARO, EM ANO ELEITORAL

Desde o início do Brasil sem Miséria, há dois anos, "22 milhões de pessoas saíram da extrema pobreza no País", disse a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, ao abrir nesta segunda-feira o seminário sobre o programa. A ministra lembrou que 910 mil famílias foram incluídas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e no Bolsa Família nos últimos dois anos e meio. A meta para o ano que vem é incluir mais 600 mil famílias, informou Tereza, em balanço sobre o programa, durante o 2º Seminário Nacional sobre Pactuação Federativa no Brasil sem Miséria. Entre os dados apresentados no encontro, a ministra destacou que 13,8 milhões de famílias recebem o Bolsa Família, cujo orçamento alcança quase R$ 24 bilhões, o equivalente a 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do País. “Os dados mostram que o Bolsa Família não só beneficia a população pobre, mas também beneficia a economia do Brasil". Segundo ela, o programa tem sido a forma de a população pobre ter acesso à renda e a outros benefícios. Tereza Campello também ressaltou que, pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec-Brasil sem Miséria), foram feitas 700 mil matrículas em 503 tipos de cursos. No programa Microempreendedor Individual, dos quase 3 milhões de beneficiários, 642 mil estão inscritos no CadÚnico. No programa Água Para Todos, criado em 2011 para universalizar o acesso à água no Semiárido, foram construídas 370,7 mil cisternas, e meta é contemplar 750 mil famílias até o ano que vem.

APURAÇÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA LIGA MULHER DE MINISTRO DO TRABALHO A VERBA IRREGULAR

No mesmo dia em que a Polícia Federal prendeu três funcionários do Ministério do Trabalho acusados de desviar recursos da pasta, o Tribunal de Contas de Santa Catarina decidiu pedir ao Tribunal de Contas da União investigação de denúncias que ligam a mulher e o chefe de gabinete do ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias (PDT-SC), a irregularidades em convênios abastecidos por dinheiro do ministério em Santa Catarina. O Estado é a base eleitoral de Manoel Dias. Relatórios do órgão apontam suposto dano ao erário e favorecimento de três entidades, uma delas ligada ao PDT, em parcerias de R$ 2,1 milhões, firmadas nas gestões de Dalva Maria de Luca Dias, como secretária estadual de Assistência Social, Trabalho e Habitação do Estado, e Rodrigo Minotto, então coordenador do Sistema Nacional do Emprego (Sine) no Estado. Dalva Dias, atual presidente do PDT em Florianópolis (SC), foi secretária estadual de maio de 2007 a julho de 2010. Segundo matéria do Estadão, Rodrigo Minotto, o chefe de gabinete do ministro, ocupou vários cargos públicos indicado por Manoel Dias, entre eles o de superintendente regional do Trabalho em Santa Catarina. Na última segunda-feira, o Tribunal de Contas de Santa Catarina determinou o envio das auditorias e da documentação dos convênios ao Tribunal de Contas da União, que fiscaliza e pune irregularidades no uso de verbas federais. Dos R$ 2,1 milhões previstos, 83% vinham do Ministério do Trabalho, na época comandado por Carlos Lupi (PDT-RJ), padrinho político de Manoel Dias, que liderava o partido em Santa Catarina. (Políbio Braga)

SOB INVESTIGAÇÃO CONTRATO SUSPEITO DA FAB, DE QUASE R$ 90 MILHÕES

O Ministério da Defesa diz que “acompanha” a investigação da denúncia protocolada em março no Ministério Público do Rio de Janeiro e na Controladoria-Geral da União, de suposto superfaturamento de contrato sem licitação da FAB para modernizar 50 aviões C- 95 (Bandeirantes). Com os aditivos, o contrato de R$ 84,4 milhões, assinado em 2008, chegou a R$84,9 milhões, mas só seis aeronaves foram modernizadas. (Claudio Humberto)

CÂMARA GASTA FORTUNA EM BOUTIQUES DA SAÚDE PARA DEPUTADOS FEDERAIS

A Câmara dos Deputados gasta por ano R$ 2,7 milhões em convênios com os hospitais Sírio Libanês e Albert Einstein, de São Paulo, para atender deputados federais e ex-deputados, apesar de manter um completo e dispendioso Departamento Médico (Demed) – praticamente um hospital de primeira linha, com atendimentos ambulatorial e de emergência, dotado de laboratórios de análise e com capacidade de fazer cirurgias. O contribuinte paga tratamento médico no Sírio Libanês e no Albert Einstein também para servidores efetivos da Câmara e dependentes. A assessoria da Câmara esclareceu que não foi necessário fazer uma licitação porque os hospitais tem “notória especialização”. Ah, bom! (Claudio HUmberto)

SEGUNDO A POLÍCIA FEDERAL, GILBERTO CARVALHO ERA O INTERLOCUTOR DA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA QUE DESVIOU R$ 18 MILHÕES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO

A organização criminosa que desviou R$ 18 milhões de um convênio com o Ministério do Trabalho buscou apoio e incentivo do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, para tentar obter aditamentos e novos repasses de verbas para o Centro de Atendimento ao Trabalhador (Ceat), ONG que teria se transformado no reduto da quadrilha. Relatório da Operação Pronto Emprego, da Polícia Federal, deflagrada dia 3 em São Paulo, revela que o ministro era tratado pela quadrilha como seu "interlocutor" na pasta do Trabalho. Interceptações telefônicas mostram que, em maio, o grupo estava preocupado com perda de espaço no ministério e com uma divisão na cúpula da pasta. "Gilberto Carvalho irá resolver isso", diz Jorgette Maria Oliveira, presidente da ONG, em ligação gravada. Gilberto Carvalho recebeu em seu gabinete muitas vezes o padre Lício de Araújo Vale, a quem a Polícia Federal atribui papel destacado na quadrilha, "articulador dos constantes aditamentos irregulares junto ao Ministério do Trabalho". Outros dois personagens centrais da trama foram recebidos por Gilberto Carvalho - Jorgette e o advogado Alessandro Rodrigues Vieira, diretor jurídico da ONG. O relatório da Polícia Federal, de 192 páginas com fotos, organogramas e planilhas da evolução patrimonial dos investigados, descreve os movimentos da organização e o assédio sobre o ministro. "É bastante comum a dupla (Vieira e Padre Lício) ir a Brasília para tratar da renovação junto a funcionários de alto escalão do Ministério do Trabalho e da Secretaria-Geral da Presidência da República", diz o documento, à página 82. A ONG foi criada pela Arquidiocese de São Paulo, em 2002. Depois, desvinculou-se da Cúria e virou Organização da Sociedade Civil de Interesse Público para capacitação de trabalhadores. Em 2008, firmou convênio com o Ministério do Trabalho. O escoadouro do dinheiro público, diz a Polícia Federa, se deu por meio de aditamentos. Nessa fase a organização pediu colaboração de Gilberto Carvalho e corrompeu assessores da pasta: Gleide Santos Costa, da Secretaria de Políticas Públicas do ministério, foi preso em flagrante com R$ 30 mil que recebera de Jorgette. Grampo de 20 de maio, às 11h43, pegou Jorgette e Gleide. Ela diz que irá a uma reunião no gabinete de Gilberto Carvalho. Às 12h42, Jorgette conversa com Alessandro Vieira. Ele conta que se encontrou com o secretário executivo do Trabalho, Paulo Roberto dos Santos (que caiu na Operação Esopo), e que este pediu a Gleide que providenciasse a renovação do convênio. Vieira diz que "seria melhor ganhar a simpatia do ministro Manoel Dias (Trabalho) por intermédio de Gilberto Carvalho". Vieira diz que Paulo Roberto seria "o 'gatilho' do ex-ministro Carlos Lupi dentro do Ministério do Trabalho". A Polícia Federal diz que padre Lício é "sacerdote e empresário, sócio do Centro Brasil do Trabalho, que não existe de fato, e recebeu R$ 1,26 milhão do Ceat, recursos desviados por meio de prestação de serviços fictícios". À página 62, o relatório mostra que Jorgette foi informada de fiscalização do TCU na ONG e ficou tensa. "A minha grande questão é, eles vão só na gente ou vão nos clientes também, nos terceirizados?" É citado Rodolfo Torelly, diretor do Departamento de Emprego e Salário do Trabalho. Ele alerta Jorgette "sobre resistências dentro do ministério, entre o grupo de Paulo Roberto e o grupo do Manoel Dias". Ressalta a "importância de se aproximar de Manoel Dias". Ela se diz confiante: "Gilberto Carvalho irá resolver isso". No dia 4 de junho, às 15h25, Jorgette comenta com o padre que Manoel Dias "não está se aproximando" do Ceat porque seriam ligados a Lupi. "Está na hora do Gilberto Carvalho falar com o Manoel Dias e informar que o Ceat é do governo", diz a presidente da ONG. Ela orienta o religioso a falar com Carvalho e pedir que os ajudem porque "existe uma divisão no ministério e, de alguma forma equivocada, os associaram ao Lupi". Jorgette recomenda ao padre que diga a Carvalho que "não são ligados a ninguém, a não ser ao próprio governo, ao ministro e ao ex-presidente Lula". Dia 5, às 11h11, da antessala de Carvalho, Lício telefona para Jorgette e diz que, enquanto aguardava ser atendido, encontrou-se com Manoel Dias e o convidou para visitar a entidade. O padre afirma que "o interlocutor do Ceat é Gilberto Carvalho". Depois, comenta que pediu a Carvalho para "dar um toque no Manoel Dias, pois ele acha que o Ceat é ligado ao Lupi". (Estadão)

CENTRAIS SINDICAIS QUEREM AUMENTO DE 16,81% NO VALOR DO SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL

As centrais sindicais gaúchas entregaram ao governo estadual o seu pedido de reajuste de 16,81% para o salário mínimo regional de 2014 no Rio Grande do Sul. O percentual inclui a inflação e o avanço do PIB deste ano. Os valores passariam de um mínimo de R$ 770,00 para um máximo de R$ 941,00, dependendo da categoria. Atualmente o Rio Grande do Sul conta com quatro diferentes pisos salariais por categoria profissional: 1) trabalhadores na agricultura e na pecuária, trabalhadores domésticos, trabalhadores em turismo e hospitalidade, trabalhadores nas indústrias da construção civil, trabalhadores nas indústrias de instrumentos musicais e de brinquedos, trabalhadores em estabelecimentos hípicos, empregados em garagens e estacionamentos e empregados em hotéis, restaurantes, bares e similares, ganham R$ 770,00 (com o aumento passariam a ganhar R$ 899,43);  2) trabalhadores nas indústrias do vestuário e do calçado, em empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas, empregados em estabelecimentos de serviços de saúde e empregados em empresas de telecomunicação, "telemarketing", ganham R$ 787,73 (com o aumento passariam a ganhar R$ 920,14); 3) trabalhadores nas indústrias do mobiliário, indústrias químicas e farmacêuticas, indústrias da alimentação e empregados no comércio em geral ganham R$ 805,59 (com o aumento passariam a ganhar R$ 941,00); 4) trabalhadores nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico, trabalhadores em empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito, trabalhadores em edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares, empregados em entidades culturais, recreativas, de assistência social, de orientação e formação profissional e marinheiros fluviais ganham R$ 837,40 e com o aumento passariam a ganhar R$ 978,16. (Políbio Braga)