sexta-feira, 15 de novembro de 2013

NOVE DOS 12 COM PRISÃO DECRETADA JÁ ESTÃO PRESOS; DELÚBIO E SALGADO DEVEM SE ENTREGAR NESTE SÁBADO; POLÍCIA FEDERAL NÃO ACHA O PETISTA PIZZOLATO

Doze condenados do Mensalão do PT tiveram a prisão decretada. Nove deles se entregaram nesta sexta-feira. Dois deles já anunciaram que devem fazê-lo neste sábado. Com um deles, ninguém conseguiu falar. Entregaram-se nesta sexta-feira, em São Paulo, José Genoino e José Dirceu (SP); em Minas Gerais, Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Simone Vasconcelos, Cristiano Paz, Romeu Queiroz e Kátia Rabello; no Distrito Federal, Jacinto Lamas. Devem se entregar neste sábado Delúbio Soares e José Roberto Salgado. A Polícia Federal não conseguiu encontrar Henrique Pizzolato.

REAÇÕES RIDÍCULAS - GENOINO, AGORA GUERRILHEIRO DO MENSALÃO, INVENTA UMA NARRATIVA QUE Á FARSA DE UMA FARSA

A reação de José Genoino à decretação da prisão é a mais grotesca de todas, embora obedeça a um script partidário — basta ver a nota do PT (leia post).  Ao sair de sua casa, o deputado petista levantou o punho, o sinal característico da militância socialista. Vejam (Fotos de Ivan Pacheco).

Prisão de Genoino 1 - casa
Na Polícia Federal, militantes petistas já o aguardavam. Convenham: os olhos arregalados falam mais do que mil palavras.
Prisão de Genoino 2 - fãs
Ao chegar à PF, em São Paulo, mais uma vez, Genoino fez a saudação socialista e gritou um “Viva o PT!”
Prisão de Genoino 3 - PF
Tudo muito constrangedor. Segundo informa a Folha, ainda em sua casa, o deputado comentou: “Fui em cana, cela fechada, sem banho de sol, torturado e estou aqui, de novo com o espírito dos anos 70”. Disse mais:“Na ditadura, em cinco anos eu fui preso, torturado, julgado, condenado e cumpri a pena. Agora, estou há oito anos esperando”.
As duas são falsas, além de estúpidas, são vergonhosas. Estúpidas porque compara períodos incomparáveis. O guerrilheiro Genoino foi preso por uma ditadura; o deputado Genoino, por uma democracia. O processo só não foi sumário porque democracias não fazem juízos sumários. A fala do petista é especialmente asquerosa porque chega a imputar à ditadura que o torturou uma certa superioridade moral.
E que se note: é evidente que ele jamais deveria ter sido torturado, mas, no passado, qualquer regime — democrático ou ditatorial — o teria prendido por aquilo que fez.
Assim, a história de que fosse um paladino das liberdades é falsa, estupidamente mentirosa. Trata-se, em suma, de uma farsa. Ainda assim, comparar o que vive nos dias de hoje ao que viveu no passado constitui outro absurdo.
Genoino, em suma, inventa uma narrativa que é a farsa da farsa. Por Reinaldo Azevedo

CRIMINOSO PETISTA MENSALEIRO JOSÉ DIRCEU JÁ ESTÁ PRESO NA POLÍCIA FEDERAL EM SÃO PAULO

O ex-ministro José Dirceu, bandido mensaleiro petista, entregou-se na sede da Polícia Federal, em São Paulo, na noite desta sexta-feira. Antes de entrar, José Dirceu acenou para um grupinho de militantes petistas e também cumprimentou a mulher de José Genoino. O deputado federal e ex-presidente do PT, o bandido corrupto José Genoino, também se apresentou na sede da Polícia Federal mais cedo. Na chegada, ele foi aplaudido e saudado com gritos de guerra por meia dúzia de militantes petistas. Antes de sair de casa e se apresentar, Genoino divulgou nota afirmando que, "com indignação", vai cumprir a determinação do STF e reiterou que é inocente. Ele afirma que se considera um "preso político". Não é, é apenas um político bandido preso. Genoino diz que não há provas das acusações e que foi condenado porque estava exercendo a presidência do PT. Genoino afirma ainda que foi condenado numa "operação midiática". Ele diz que o processo em que foi julgado teria sido marcado por "desrespeito às regras do Estado democrático de direito" e injustiças. A Polícia Federal informou que um avião da corporação transportará para Brasília os réus condenados cuja prisão foi determinada pelo Supremo Tribunal Federal. Na capital federal, os presos serão levados para exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal. Deverão passar também pela Superintendência da Polícia Federal e depois irão para o Complexo Penitenciário da Papuda.

MARCOS VALÉRIO, OPERADOR DO MENSALÃO DO PT, DEIXA FAZENDA DIRIGINDO O PRÓPRIO CARRO E SE ENTREGA À POLÍCIA FEDERAL EM BELO HORIZONTE PARA COMEÇAR A CUMPRIR LONGA PENA

O principal operador do Mensalão do PT, o empresário Marcos Valério, já está preso na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte. Ele chegou ao prédio às 20h50 depois de deixar a fazenda onde mora em Caetanópolis, Região Central de Minas Gerais, no fim da tarde, dirigindo o próprio carro. Marcos Valério foi condenado a 40 anos, 4 meses e 6 dias de prisão e é um dos 12 réus que tiveram a prisão imediata determinada no começo da tarde pelo Supremo Tribunal Federal. Usando boné e óculos escuros, Marcos Valério saiu da propriedade rural em um Hyundai branco. A fazenda onde ele está recluso fica a aproximadamente 100 quilômetros de Belo Horizonte. A primeira condenada a se apresentar na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte foi a ex-funcionário de Marcos Valério, Simone Vasconcelos, que chegou ao prédio às 18h45 acompanhada pelo advogado. Outro condenado ligado a Marcos Valério que se entregou, pouco depois de Simone, é o ex-sócio do empresário, Cristiano Paz. Pouco depois se apresentaram o ex-deputado do PTB, Romeu Queiroz, e a ex-presidente do Banco Rural, Katia Rabello.

NOTA DO PT SIGNIFICA UM ATAQUE AO PODER JUDICIÁRIO

A direção do PT também emitiu uma nota sobre a decisão de Joaquim Barbosa. Foi redigida em novilÍngua, o idioma oficial do livro “1984”, de George Orwell. O mundo de fato é o contrário do que ali vai relatado. Leiam o texto. Volto em seguida.

*
A determinação do STF para a execução imediata das penas de companheiros condenados na Ação Penal 470, antes mesmo que seus recursos (embargos infringentes) tenham sido julgados, constitui casuísmo jurídico e fere o princípio da ampla defesa. Embora caiba aos companheiros acatar a decisão, o PT reafirma a posição anteriormente manifestada em nota da Comissão Executiva Nacional, em novembro de 2012, que considerou o julgamento injusto, nitidamente político, e alheio a provas dos autos. Com a mesma postura equilibrada e serena do momento do início do julgamento, o PT reitera sua convicção de que nenhum de nossos filiados comprou votos no Congresso Nacional, nem tampouco houve pagamento de mesada a parlamentares. Reafirmamos, também, que não houve da parte dos petistas condenados, utilização de recursos públicos, nem apropriação privada e pessoal para enriquecimento. Expressamos novamente nossa solidariedade aos companheiros injustiçados e conclamamos nossa militância a mobilizar-se contra as tentativas de criminalização do PT.
Rui Falcão
Presidente Nacional do PT
Voltei
O PT é o maior partido do país. Tem a Presidência da República, a maior bancada da Câmara e a segunda maior do Senado. Está em vias de emplacar o quarto mandato presidencial consecutivo. O mínimo que esse partido deve é respeito às instituições da democracia. Não é o que se vê acima. A falcoaria, em todo caso, é cuidadosa. Notem que o texto diz que “cabe aos companheiros acatar a decisão…” Ora, ora… Se dissesse o contrário, o partido estaria incorrendo num crime. E os petistas podem ser acusados de tudo, menos de burros. Isso, definitivamente, eles não são. Mas o texto, no seu conjunto, busca afrontar e humilhar o Poder Judiciário. O PT não se limita a discordar da decisão tomada pelo Supremo. Acusa-o de atuar em desacordo com a lei, com os fundamentos do direito, com as normas do regime democrático. O que se quer aí é desmoralizar uma instituição — e essa prática integra a estratégia do partido há muito tempo. Todos podemos — eu, você, José Genoino e qualquer outro — discordar de decisões da Justiça; todos temos o direito, mesmo condenados, de proclamar a nossa inocência, mas acusar a Justiça de atender a interesses outros, bem, aí as coisas são um pouco mais complicadas. Ainda assim, compreende-se que um indivíduo possa ter essa ousadia. Mas um partido? O partido que está no poder? O partido que nomeou 72% do Supremo? Aí não! Trata-se de um ataque, reitere-se, à instituição, não a uma decisão em particular. Por Reinaldo Azevedo

SUPREMO MANDA PRENDER OS BANDIDOS PETISTAS JOSÉ DIRCEU E JOSÉ GENOÍNO

O Supremo Tribunal Federal expediu nesta sexta-feira os mandados de prisão contra o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, e o ex-presidente do PT, José Genoino. José Genoíno já foi preso em sua casa e levado para a carceragem da Polícia Federal, na Lapa, em São Paulo. A execução das penas de outros 14 réus podem ser expedidas ainda nesta sexta-feira. José Dirceu passou o dia em casa, em Vinhedo, interior de São Paulo, acompanhado da família. Ele havia passado a semana em Itacaré, praia do sul da Bahia, e retornou a São Paulo após o Supremo decidir pela execução imediata das condenações não questionadas por meio de embargos infringentes. O ex-ministro da Casa Civil foi condenado a 10 anos de 10 meses pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha. Ele, no entanto, começa a cumprir pena, em regime semiaberto, apenas para o primeiro crime, pelo qual foi condenado a 7 anos e 11 meses. E permanece neste sistema enquanto o Supremo analisa os embargos infringentes por formação de quadrilha, pelo qual foi condenado a 2 anos e 11 meses. Caso seja mantida a condenação por quadrilha, o bandido petista José Dirceu seguirá para o regime fechado. O deputado federal licenciado José Genoino foi condenado a 6 anos e 11 meses de prisão pela participação no esquema do mensalão (crime de corrupção).

DITADURAS TÊM "PRESOS POLÍTICOS", AS DEMOCRACIAS TÊM É "POLÍTICOS PRESOS"!

Os esquerdistas de Banânia, incluindo o PT, desmoralizaram, pelo caminho da carnavalização do crime comum, alguns dos emblemas, mitos, ícones, totens — escolham aí — do esquerdismo no mundo e história afora. Nos tempos em que a América Latina era quase toda governada por ditaduras militares, havia os chamados “presos políticos”. Entre eles, com efeito, havia democratas, liberais, defensores da liberdade, homens que lutavam apenas por um regime de liberdades públicas. Os tiranos e tiranetes não os distinguiam dos defensores de outra tirania, o comunismo. Prendiam e arrebentavam todo mundo. Nota: não era para prender ninguém — não por crime de opinião. Não era para arrebentar ninguém, sob qualquer pretexto. Hoje, nesta mesma América Latina, em que não há mais ditaduras militares ditas “de direita”, ainda existem presos políticos; ainda existem presos de opinião; ainda se arrebentam pessoas por causa daquilo que pensam: em Cuba, na Venezuela, na Bolívia, no Equador, na Nicarágua… OS ÚNICOS PAÍSES QUE HOJE PRENDEM PESSOAS EM RAZÃO DE SUAS OPINIÕES OU DE SUA MILITÂNCIA POLÍTICA NO CONTINENTE SÃO OS GOVERNADOS PELAS ESQUERDAS. Nota: todos esses governos pertencem a partidos e grupos abrigados sob o guarda-chuva do Foro de São Paulo, criado por Fidel Castro e Lula. O Parlamento da Venezuela, comandado por bolivarianos, acaba de conferir poderes formais de ditador a Nicolás Maduro — a esta altura, ninguém mais naquele país duvida de que seja, além de ditador, maluco. Adiante.

A rede petralha na Internet — nas redes sociais e nos blogs e sites sujos, financiados por estatais — passou a tratar os condenados do mensalão, olhem o escândalo!, como “presos políticos”. Aliás, aqueles delinquentes que saem quebrando tudo por aí, quando detidos, também assim se classificam. Errado! Preso político há em Cuba! Preso político há na Venezuela! Preso político há na Bolívia! O que o Brasil passou a ter, com Natan Donadon e, agora, com a leva de mensaleiros, é outra coisa: POLÍTICOS PRESOS. 
Se é próprio da ditadura ter “presos políticos”, ter “políticos presos” — de acordo com leis democráticas — é coisa típica das democracias. José Dirceu, Delúbio Soares e outros não vão experimentar as instalações da Papuda porque o Brasil vive um regime de exceção, discricionário. Ao contrário: quem os manda para lá são as leis democraticamente pactuadas, guiadas por uma Constituição que resultou da vontade popular, expressa por intermédio do voto. Há, sim, muito por fazer nesse terreno. O emaranhado recursal no Brasil é escandalosamente procrastinador e ineficiente. Não deixa de ser um absurdo que as primeiras punições, no caso do mensalão, só comecem a acontecer mais de oito anos depois de Roberto Jefferson ter denunciado o esquema — denúncia que se provou mais do que verdadeira. Ainda assim, são as leis que temos — e o regime democrático nos oferece os instrumentos para mudar o que tem de ser mudado. Não é fácil, não é simples, mas é possível.
Podem esperar. José Dirceu, por exemplo, tem menos uma vida do que uma mitologia. Estimulará as correntes do PT a fazer caravanas de oração ideológica à Papuda. Até posso antever alguns medalhões da República a visitá-lo, para conferir à sua condenação ares, sim, de prisão política, como se ele lá não estivesse por causa de um crime comum: corrupção ativa — e, a depender do resultado dos embargos infringentes, formação de quadrilha. Só não será um criminoso como centenas de outros  por causa de seu pedigree ideológico. 
O julgamento ainda não acabou. Os embargos infringentes estão chegando. É neles que está o busílis. O que se quer mesmo é inocentar José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares do crime de formação de quadrilha. Trata-se de uma arquitetura penal-intelectual. Ora, se não houve quadrilha, não houve, então uma articulação entre os criminosos, e o mensalão, como esquema, não existiu — tese conhecida no petismo. Se não existiu, então se vai tentar a revisão criminal para livrá-los também do crime de corrupção ativa. Há muita coisa pela frente. Só não se esqueçam disto: a Papuda vai receber alguns ilustres políticos presos. Nas democracias, não há presos políticos. Por Reinaldo Azevedo

ROBERTO JEFFERSON, DELATOR DO ESQUEMA DO MENSALÃO DO PT, DIZ QUE NÃO SE ARREPENDE

Recolhido em sua casa na pequena cidade de Comendador Levy Gasparian, na Região Serrana do Rio de Janeiro, na divisa com Minas Gerais, o ex-deputado federal Roberto Jefferson, delator do esquema do Mensalão do PT, afirmou na quinta-feira, em seu blog e pelo Twitter, que não se arrepende do que fez, e que acredita que a política brasileira pode melhorar daqui por diante. O primeiro texto, sob o título "Nem tudo está perdido", foi publicado às 9h56: "Há oito anos denunciei ao País o maior escândalo que jamais presenciei no Planalto Central desde que me tornei deputado. Tudo realizado por quem, por décadas, apontou o dedo para muitos, acusando-os de corruptos, dando início à nefasta judicialização da política brasileira". E continuou: "Fui cassado e tive meus direitos suspensos por 10 anos; ontem, a Corte Suprema do meu País decretou minha prisão. Estou satisfeito com a decisão? Mentiria se dissesse que sim; conforta-me, porém, a crença de que a política brasileira, daqui para a frente, pode ser melhor". Às 9h58, mudou de assunto. Uma postagem breve, de título "Voltamos quando Deus quiser", dizia: "Amanhã o Brasil comemora a Proclamação da República. Um bom feriado a todos. E não esqueçam: se forem dirigir, não bebam". Quarenta minutos depois, ele voltou a se manifestar: "Não tenho arrependimentos, tudo certo. Não me regozijo, sou um réu condenado como todos os outros, vamos aguardar que se cumpra o destino". De manhã, Jefferson fez fisioterapia e apareceu na porta de casa, que ficou cercada por jornalistas. Estava com sua mulher, Ana Lucia Novaes. Afirmou que não sabia se iria se apresentar à Polícia Federal, no caso de sua prisão ser decretada, ou se esperaria em casa: "Vou combinar com meu advogado, vou aguardar, tenho até o fim do dia". À tarde, embora a sogra do ex-deputado, Marlene, tenha chegado a dizer que Roberto Jefferson se manifestaria, ele permaneceu dentro de casa e não falou com os jornalistas. O ex-deputado teria sido orientado por advogados a não falar para não prejudicar a estratégia de sua defesa.

NEW YORK, NEW YORK, ELES CANTAM, VOCÊ DANÇA

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e mais seis deputados federais embarcaram para Nova York na quarta-feira, antevéspera de feriadão, para cumprir agenda concentrada apenas na próxima segunda-feira. A missão oficial antecipada terá diárias pagas pelo contribuinte e tempo de sobra para outras atividades na capital da Broadway, do Museu Metropolitan e do Rockefeller Center. Os congressistas estavam com embarque marcado para as 18 horas de Brasília para São Paulo, em jato da Força Aérea Brasileira (FAB). Da capital paulista, seguiam em vôos comerciais para Nova York, com chegada prevista para a manhã de quinta-feira. O primeiro compromisso da frente parlamentar no feriadão foi gastronômico, no fim da quinta-feira: um jantar oferecido pelo embaixador Antonio Patriota, representante da Missão do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU). Depois disso, só tinham trabalho previsto para dois dias depois. Para participar de três compromissos na segunda-feira, o presidente da Câmara receberá cinco diárias de US$ 550,00 cada (R$ 1.227,00), a título de cobrir despesas com hospedagem, alimentação e transporte. Os deputados Fábio Faria (PSD-RN), Márcio Bittar (PSDB-AC), Eduardo da Fonte (PP-PE), André Figueiredo (PDT-CE), Danilo Fortes (PMDB-CE) e Esperidião Amin (PP-SC) têm direito a valores um pouco mais baixos (US$ 428,00 por dia). Dois assessores viajaram antecipadamente e já estavam em Nova York para assessorar os congressistas em seus compromissos. As mulheres dos deputados também viajaram, mas não contam com verba da Casa para viajar. As passagens para os Estados Unidos são pagas à parte pelo Legislativo.