sábado, 11 de janeiro de 2014

DE FORMA DIDÁTICA, SHARON EVIDENCIOU QUE, SEM A RENÚNCIA DOS PALESTINOS AO TERROR, NÃO HÁ PAZ POSSÍVEL

Morreu Ariel Sharon, depois de uma longa agonia. Os textos de Jean-Philip Struck e Caio Blinder (aqui e aqui) abordam com clareza e eficiência os aspectos ambíguos de sua trajetória política. Deu motivos para ser detestado, mas só ate certo ponto; deu motivos para ser amado, também até certo ponto. Bem, talvez se possa dizer o mesmo de cada um de nós, não? O problema é que o destino colocou Sharon numa região muito particular do planeta, onde amor e ódio mobilizam paixões que vão muito além da esfera privada.

No comando do governo de Israel, Sharon fez o absolutamente inesperado, por críticos e admiradores — e era inesperado de tal sorte que os primeiros tiveram de lhe reconhecer qualidades que não suspeitavam, e os outros se sentiram traídos. Como primeiro-ministro, promoveu a desocupação da Faixa de Gaza e recorreu à força para acabar com os assentamentos judaicos que havia na região, o que lhe rendeu o ódio de algumas correntes religiosas. Também alterou o antigo equilíbrio entre direita (Likud) e esquerda (trabalhistas) com a criação do Kadima. Nota à margem: em Israel, “direita” e “esquerda” assumiram um conteúdo muito particular, que só vale para aquele país e diz respeito, basicamente, às negociações com os palestinos: o Likud, em tese, faz menos concessões. O Kadima, sob o comando de Sharon (quem diria? O velho ícone da direita radical…), apresentou-se como uma força de centro.
A desocupação de Gaza acabou revelando, de maneira insofismável, um aspecto da questão israelo-palestina que muita gente se nega a reconhecer. Ainda que se possa argumentar que Israel pôs fim a uma intervenção cara, estrategicamente inútil e que lhe rendia desgaste internacional, o fato é, e todo mundo sabe, que ela poderia ter se prolongado indefinidamente. A saída, portanto, foi, sim, uma concessão, que lhe rendeu, diga-se, ódios internos incontornáveis.
E aconteceu com Gaza o quê? Caiu nas mãos dos terroristas do Hamas. Não vou entrar na lógica da disputa interna de poder entre os palestinos. O fato é que o território se transformou numa plataforma de lançamento de mísseis contra Israel. Ignorar que as consequências da desocupação da área servem de advertência para o que poderia acontecer com a Cisjordânia caso ficasse inteiramente sob o controle palestino é querer tapar o sol com a peneira.
Em suma: aquela que a foi a mais vistosa concessão do governo de Israel às forças palestinas acabou, por contraste, demonstrando como é estreito e difícil o caminho da paz. De forma didática — e traumática, sim, para o seu próprio povo —, Sharon acabou evidenciando que a paz não é possível enquanto os palestinos não promoverem, então, a sua revolução interna, que ponha fim à perspectiva do terror. Sem isso, não há acordo possível. Existem radicais e truculentos no governo de Israel. O terrorismo palestino só lhes dá razão prática.
O destino acabou sendo cruel com Sharon e, a rigor, com as perspectivas de um entendimento na região. Justamente porque não pesava sobre as suas costas a suspeita de que pudesse pôr em risco a segurança de Israel, poderia ter conduzido negociações mais ousadas do que qualquer outro político — tinha credibilidade junta a fatias importantes dos conservadores. Mas a história não tem “e se…” É o que é. O derrame o colheu quando ele levava para a política a ousadia e impetuosidade que tinha no campo de batalha. E a paz, vejam que ironia, ficou ainda mais distante. Por Reinaldo Azevedo

ARIEL SHARON (1928-2014)


O ferido Sharon ao lado do icônico Moshe Dayan, no canal de Suez na guerra de 1933
O ferido Sharon, ao lado do icônico Moshe Dayan, no canal de Suez na guerra de 1973
Jonathan Freedland escreveu com propriedade no jornal britânico The Guardian: Ariel Sharon passou os últimos oito anos no limbo, entre a vida e morte, depois do derrame de 4 de janeiro de 2006. A imoblidade e o estado de ambivalência não combinavam com este homem resoluto, de ação, do tudo ou nada e que gerava ódio ou admiração. Sharon era o açougueiro de Beirute, aquele que deu sinal verde para as milícias cristãs (os falangistas) massacrarem palestinos nos campos de refugiados de Sabra e Shatila em 1982. Era também Arik, o rei de Israel.
Eu, soldado desde a infância do sionismo de esquerda, cresci com ódio de Sharon, embora ele fosse afilhado do meu herói, David Ben-Gurion, o pai da independência de Israel. Sharon é um dos últimos a partir da geração dos guerreiros da independência em 1948, combatente de ousadas campanhas militares, mas também de guerras sujas, de massacres de palestinos e patrono das colônias judaicas nos territórios ocupados, que deixaram de ter propósitos meramente estratégicos para se tornarem um delírio nacionalista e religioso.
Como outro integrante desta geração, Yitzhak Rabin (o primeiro-ministro assassinado por um extremista judeu de direita em 1995), Sharon fez a transição de soldado implacável para estadista, quem sabe até para profeta da paz. Meu ódio se transformou em perplexidade e mesmo admiração com esta guinada de Sharon. No essencial, ele nunca mudou: a defesa de Israel antes de tudo, mas com a madura, fria e honesta constatação de que o fardo da ocupação era muito pesado. Corajoso e implacável, Sharon, o primeiro-ministro, empreendeu a retirada unilateral da faixa de Gaza em 2005.
Sharon olhava para frente. Dizia-se que ele não parava no sinal vermelho. Sharon assumia os riscos sem hesitação. E este homem resoluto foi mais uma vez para frente (certa vez na guerra, cruzou o canal de Suez) quando reconheceu que a ocupação não poderia continuar. Quem mais tinha tanta credibilidade para dar esta guinada? A direitona israelense ficou com ódio de Sharon (o meu já tinha sido sufocado) e os palestinos e sua claque internacional também preferem ficar imobilizados na sua narrativa sobre o açougueiro, o assassino, o carrasco, mas Sharon deu a guinada por amor a seu país e ao seu povo. Só os judeus deveriam controlar o seu destino, mas não poderiam fazer isto controlando outro povo. O general construtor de assentamentos foi à luta para destruí-los. Sempre fazendo justiça ao apelido de “bulldozer”.
Sharon não era um hippie geopolítico. Seu curso de ação para o desengajamento nos territórios foi modesto. Ele topou o desmantelamento de todos os 21 assentamentos de Gaza, mas apenas de quatro na Cisjordânia. Mais adiante, quem sabe mais desmantelamentos. Mas, já foi um divisor de água em Israel. Falava-se até em guerra civil em 2005 (e não vamos esquecer que dez anos antes Rabin fora assassinado por um judeu), mas Sharon era um visionário com os pés no chão. Ele impediu que as coisas fossem para o espaço ou que o lobby dos colonos revertesse sua decisão histórica em Gaza. Os passos mais ousados rumos à paz, do lado israelense, foram dados por calejados generais como Rabin, Sharon (e também Ehud Barak).
O combatente que improvisava no campo de batalha (e também na política) passou a ver as coisas de forma menos dogmática, conforme diz David Landau que este mês publicará a biografia “Arik”. O militar que muitas vezes desacatava autoridades e descumpria ordens, rendeu-se à realidade e disparou para o centro. Sharon novamente se rebelou, abandonou o direitista partido Likud (do atual primeiro-ministro Benjamin Netanyahu) e fundou o Kadima, que em hebraico significa à frente. Sharon venceria facilmente as eleições quando foi derrotado pela derrame. Hoje, o Kadima é um partido anêmico, embora voz vigorosa a favor do processo de paz e integrante da coalizão de governo liderada por Netanyahu.
Um tarimbado jornalista israelense, Ben Caspit, definiu bem Sharon, o guerreiro-estadista. Ele concluiu que a força de Israel não estava no tamanho do seu território, mas na sua legitimidade, na sua coesão interna e na sua aliança com os EUA (mais difícil com a Europa). Para muita gente, Sharon se tornava uma voz que pregava no deserto, um profeta equivocado. Esta gente está equivocada. O resultado da retirada de Gaza foi o terror do Hamas e seus foguetes. Mas isto não invalida a visão estratégica de Sharon.
Os líderes palestinos que amadureçam como o general-estadista israelense. Na sua visão realista e coragem, Sharon ainda não foi acompanhado pelo outro lado. Será preciso muita paciência. A história do Oriente Médio não se mede por um punhado de anos. Hoje o cenário está desolador. Os palestinos têm líderes venais e Israel, medíocres como Netanyahu.
O Oriente Médio precisa de Mandelas ou pelo menos de bulldozers nativos como Ariel Sharon. Por Caio Blinder

EMPRESA DE TURISMO ESPACIAL FAZ TERCEIRO VÔO DE TESTE

A Virgin Galactic realizou na sexta-feira seu terceiro vôo-teste com a SpaceShipTwo, aeronave que levará turistas ao espaço ainda neste ano. A empresa do bilionário britânico Richard Branson afirmou que o teste supersônico com propulsão de foguete foi completamente bem sucedido. A SpaceShipTwo decolou acoplada a um avião de carga especial que a transportou até uma altitude de 46 mil pés (14 mil metros), quando a espaçonave foi desacoplada e a propulsão de foguete acionada, catapultando a SpaceShipTwo a 71 mil pés (21 mil metros), a maior distancia já atingida nos testes até agora. A velocidade atingiu 1.4 Mach (cerca de 1.700 km/h). O vôo serviu para testar dois sistemas importantes. O primeiro é o controle do piloto no espaço, para melhorar a visão que os turistas terão da Terra, além de melhorar o processo de retorno à atmosfera. O segundo é a proteção antitérmica para manter a temperatura agradável enquanto o foguete está em ação. Com o teste, Branson afirmou que a empresa está a caminho de iniciar as viagens turísticas suborbitais em 2014. A experiência exclusiva tem um custo por passagem de US$ 250 mil. Cerca de 630 pessoas já fizeram a reserva e a empresa arrecadou mais de US$ 80 milhões em depósitos.

CHEFE DO EXÉRCITO DO EGITO DIZ QUE CONCORRE À PRESIDÊNCIA SE O POVO PEDIR

O chefe do exército do Egito, general Abdel Fattah al-Sisi, disse neste sábado que, se concorrer para a presidência deve ser a pedido do povo e com um mandato do exército, disse o jornal estatal "Al-Ahram" em seu website. Sisi é amplamente esperado para concorrer à presidência, mas ainda tem que fazer um anúncio de suas intenções. Esta declaração foi a primeira indicação de que pode fazê-lo. "Se eu ficar, então deve ser a pedido do povo e com um mandato de meu exército ... nós trabalhamos em uma democracia", disse ele. Em julho, o exército depôs o primeiro presidente eleito, o nazista islâmico Mohamed Morsi, após protestos em massa contra seu governo de um ano, que procurava impor a sharia como lei no Egito. Em seguida, foi nomeado um presidente interino e traçado um roteiro para a transição democrática.

MILHARES DE PESSOAS ACOMPANHARAM O ENTERRO DA EX-MISS VENEZUELA QUE FOI ASSASSINADA

Na sexta-feira, uma multidão compareceu ao enterro da atriz Mónica Spear, ex-miss Venezuela, que venceu o concurso em 2004, e seu marido, Thomas Henry Berry, em solidariedade à família do casal, assassinado na segunda-feira em um caso que comoveu a sociedade venezuelana e reavivou o debate sobre a insegurança no país. Quem compareceu ao velório pôde entrar no funeral até pouco antes das 15h30 (horário de Brasília), depois disso  a entrada foi fechada a pedido dos pais da atriz, Rafael e Enna. O enterro atrasou duas horas devido à quantidade de admiradores que foram ao local. “Estamos em um país lindo que minha irmã amava. Façamos algo por este país, criemos consciência, limitemos a venda de armas. Vamos buscar quem está armando o povo de forma errônea e ilegítima”, disse Ricardo Spear, um dos irmãos de Mónica. Ela e o empresário europeu foram assaltados e baleados na frente da filha de cinco anos do casal após ter um problema com seu veículo na estrada. Na sexta-feira, o Ministério Público venezuelano informou que os sete detidos estão em prisão preventiva por ordem de um tribunal. A Venezuela tem uma das maiores taxas de criminalidade do mundo com 79 assassinatos para cada 100.000 habitantes.

SELIC DEVE CONTINUAR A SUBIR ESTE ANO PARA CONTER ALTA DE PREÇOS

A taxa básica de juros da economia (Selic), atualmente em 10% ao ano, deve continuar a subir em 2014 para conter a alta de preços no País, estimam especialistas. A primeira reunião deste ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que define a Selic, está marcada para os dias 14 e 15 deste mês. Na sexta-feira, o IBGE informou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2013 em 5,91%. Em 2012, a inflação ficou em 5,84%. A expectativa do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, de que a inflação em 2013 seria menor do que a de 2012, não foi alcançada. A previsão do Banco Central, divulgada no Relatório de Inflação, era que o IPCA ficaria em 5,8% no ano passado. O IPCA, em 2013, também fechou o ano acima da projeção de instituições financeiras consultadas semanalmente pelo Banco Central (5,74%). O IPCA ficou acima do centro da inflação (4,5%), que deve ser perseguido pelo Banco Central, mas abaixo do limite superior (6,5%). Para o coordenador de Estudos Econômicos da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac,) Miguel Ribeiro de Oliveira, o Copom deve elevar a Selic em 0,5 ponto percentual na reunião da próxima semana. Oliveira acredita que, se o resultado da inflação no ano passado não tivesse ficado acima das expectativas, o comitê poderia aumentar a Selic em 0,25 ponto percentual nesta reunião. Oliveira destaca que um dos fatores que estimularam a inflação no País foi a alta do dólar. O dólar em alta gera aumento da inflação no País porque encarece o preço de produtos e insumos importados. Para Oliveira, o Copom continuará a aumentar a Selic após a reunião deste mês, se houver alguma pressão maior no câmbio. Para o economista Carlos Eduardo Freitas, ex-diretor do Banco Central, a inflação não está fora de controle, mas está se mantendo em patamar elevado. Para que a inflação ceda, é preciso manter o ciclo de alta da Selic. Além disso, Freitas destaca que o governo deveria reduzir gastos e ser mais transparente em relação às contas públicas, eliminando artifícios contábeis para cumprir a meta de superávit primário, economia para o pagamento de juros da dívida pública. “Essa é a receita clássica, aumento da Selic e redução de gastos, desagradável, mas necessária no momento. Assim, a economia sairia com crescimento e investimentos”, diz Freitas. Para o economista, se o governo reduzisse gastos, a Selic poderia fechar 2014 em 11% ao ano. “Se não tiver essa ajuda, acredito em 12,5% ao ano". Isso é a maravilha que o sistema financeiro estava esperando, porque terá remunerações muito mais altas, e o endividamento do Brasil vai crescer.

GOVERNANTES EUROPEUS LAMENTAM A MORTE DE ARIEL SHARON

Governantes de países europeus lamentaram a morte do ex-primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, neste sábado, e lembraram momentos importantes da trajetória do ex-premiê. A imprensa internacional também repercutiu a morte de Sharon, que estava em estado vegetativo desde 2006, quando sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). Em um breve comunicado, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, destacou que “Israel perdeu um líder importante”. Cameron acrescentou que, quando foi chefe de governo, Sharon tomou “decisões valentes e controversas na busca da paz”. A chanceler alemã Angela Merkel apresentou suas condolências a Israel pela morte de Sharon, a quem chamou de "um patriota” que tomou a “decisão valente” de evacuar os colonatos judaicos na Faixa de Gaza. Essa decisão, em 2005, constituiu um “passo histórico” no caminho da paz, acrescentou. O presidente da França, François Hollande, disse que Israel perdeu um “ator maior na história do país”. “Depois de uma grande carreira militar e política, ele escolheu o diálogo com os palestinos”, registrou Hollande. Em mensagem ao governo israelense, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, destacou as qualidades pessoais de Sharon e o importante papel dele na defesa do seu país e também das "relações de amizade russo-israelitas". A imprensa internacional também repercutiu a morte de Sharon. No site do jornal americano The New York Times, acima de uma foto de Sharon, estava o título "Morre feroz defensor de um Israel forte". O site do espanhol El País noticiou que morreu um dos líderes militares que colocaram Israel em diversas guerras contra países árabes. O argentino La Nación diz que Ariel Sharon foi um dos políticos mais bem-sucedidos e controversos da história de Israel. O francês Le Monde traz o título "Ariel Sharon, 'o guerreiro', está morto". Quando entrou em coma permanente, Sharon exercia o cargo de primeiro-ministro, que assumiu em março de 2001, sendo substituído por Ehud Omert. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apresentou suas condolências aos israelenses e à família do ex-primeiro-ministro  Ariel Sharon, a quem descreveu como "um líder que dedicou sua vida a Israel". "Reafirmamos nosso compromisso inabalável com a segurança de Israel. Continuamos a lutar por uma paz e segurança duradouras para o povo de Israel, inclusive através do nosso compromisso com o objetivo de dois Estados vivendo lado a lado em paz e segurança", declarou Obama em referência aos territórios palestinos, citado em um comunicado. "Enquanto Israel se despede de seu primeiro-ministro Sharon, nos unimos aos israelenses para homenagear seu compromisso com o país", acrescentou. A concisão do comunicado presidencial contrastou com a reação do secretário de Estado, John Kerry, que visitou dez vezes a região desde que assumiu o cargo, em março de 2013, ao fazer do processo de paz entre israelenses e palestinos um dos principais eixos de sua política. "O sonho de Israel foi sua razão de viver e Sharon entregou corpo e alma para dar vida a este sonho", declarou o líder da diplomacia americana, que teve seu primeiro encontro com Sharon quando este foi eleito primeiro-ministro, no dia 6 de fevereiro de 2001. "Não é segredo que os Estados Unidos, ao longo de toda a carreira política de Sharon, às vezes tiveram divergências com ele", disse Kerry. "Mas, quer a pessoa estivesse de acordo com suas posições, quer não - e as opiniões de Ariel sempre foram claras como a água - não podia, senão, admirar este homem, determinado a garantir a segurança e a sobrevivência do Estado judeu". Os dois principais líderes políticos de Israel na atualidade se pronunciaram sobre a morte do ex-primeiro-ministro. Benjamin Netanyahu, atual primeiro-ministro de Israel, declarou ao jornal israelense Haaretz que Sharon "foi, em primeiro lugar e acima de tudo, um grande e bravo guerreiro". Shimon Peres, presidente do país, destacou a relação do ex-primeiro-ministro com os israelenses: "Ele amava seu povo e era amado por ele". O filho de Sharon, Gilad, lamentou a morte do pai afirmando que "ele partiu quando decidiu partir". O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, lembrou a coragem política que Ariel Sharon demonstrou quando ordenou a retirada das tropas e dos colonos israelenses de Gaza em 2005 e pediu ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que se inspire em seu pragmatismo.

MORRE O EX-PRIMEIRO-MINISTRO ISRAELENSE ARIEL SHARON

Depois de oito anos em coma, morreu neste sábado, em Tel Aviv, o ex-primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon. Ele estava em estado vegetativo desde que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC), em 2006, e teve falência múltipla dos órgãos. Os médicos informaram à imprensa, desde o início de janeiro, que as possibilidades de recuperação do ex-premiê eram mínimas e que seu estado era crítico. Quando entrou em coma permanente, Sharon exercia o cargo de primeiro-ministro, que assumiu em março de 2001, sendo substituído por Ehud Omert. Ele morreu aos 85 anos, e a imprensa israelense já havia divulgado que Sharon sofria de insuficiência renal. De formação militar, Ariel Sharon comandou as tropas israelenses em diversos combates, especialmente contra alvos palestinos. Foi ministro da Defesa na década de 1980, quando comandou a invasão de Beirute, capital libanesa. Entretanto, foi obrigado a deixar o cargo depois de ter sido responsabilizado pela morte de centenas de palestinos em um campo de refugiados controlado por Israel. Apesar disso, Ariel Sharon voltou a assumir o comando de outros ministérios em diversos governos até se eleger primeiro-ministro pelo partido conservador Likud, que ele próprio ajudou a fundar na década de 1970. O ex-primeiro-ministro era forte defensor da colonização dos territórios em conflito com os palestinos. No entanto, em uma tentativa de amenizar os conflitos com os palestinos, tomou a polêmica decisão de retirar os israelenses da Faixa de Gaza e abandonar assentamentos judeus na região. O plano de retirada israelense encabeçado por Sharon foi motivo de duras críticas internas e provocou rachas no Likud. O ex-primeiro-ministro era acusado de ter dividido o país. No mesmo ano – 2005 - em que o plano começou a ser executado, o então ministro de Finanças, Benjamin Netanyahu, apresentou candidatura própria à presidência do partido e pediu o adiantamento das eleições primárias que ocorreriam em 2006. No entanto, Sharon venceu as eleições novamente e se manteve no cargo. Ao fim daquele ano ele sofreu o primeiro derrame, mais leve e com sequelas menos graves. Poucos meses depois, um segundo AVC provocou o coma permanente que durou quase oito anos. Ariel Sharon ficou viúvo duas vezes e teve três filhos, um com a primeira esposa, morto quando ainda era criança, e os outros dois com a segunda.

DEPUTADO FEDERAL BETO ALBUQUERQUE AVISA: "A PARTIR DE MARÇO, O PT COMERÁ O PÃO QUE O DIABO AMASSOU"

O deputado federal Beto Albuquerque, presidente do PSB do Rio Grande do Sul e um dos coordenadores da campanha presidencial de Eduardo Campos, afirmou que, a partir de fevereiro, a legenda votará como oposição ao PT no Congresso Nacional. Beto Albuquerque fez a declaração dois dias após o PT publicar em sua página no Facebook um texto chamando o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, de "tolo" e "playboy mimado". Beto Albuquerque disse: "Eles vão comer o pão que o diabo amassou". Na Assembléia do Rio Grande do Sul os três deputados socialistas irão somar-se com maior firmeza aos 23 deputados da oposição, que já contam com a adesão de outros dois deputados que até há pouco estavam com o governo: Cassiá Carpes (Solidariedade) e Marcelo Moraes (PTB). Com isto, a oposição terá 28 deputados, portanto a maioria entre os 55 deputados. Oposição relativa, deve ser dito, porque parte da bancada do PMDB tem votado escandalosamente em apoio ao governador peremptório "grilo falante" petista Tarso Genro.

TSE TIRA PODER DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE ORDENAR INVESTIGAÇÕES DE CRIMES ELEITORAIS

Promotores e procuradores terão que pedir autorização à Justiça Eleitoral para abrir apurações de suspeita de caixa dois, compra de votos, abuso de poder econômico, difamação e várias outras práticas. O Tribunal Superior Eleitoral tirou do Ministério Público o poder de pedir a instauração de inquéritos policiais para investigação de crimes nas eleições deste ano. A partir de agora, promotores e procuradores terão de pedir autorização à Justiça Eleitoral para abrir uma apuração de suspeita de caixa dois, compra de votos, abuso de poder econômico, difamação e várias outras práticas. Até a eleição de 2012, o TSE tinha entendimento diferente.

MENEM É AUTORIZADO A PASSAR FÉRIAS EM PUNTA DEL ESTE

O ex-presidente argentino Carlos Menem, de 83 anos, condenado a sete anos de prisão em junho de 2013 pelo contrabando de armas ao Equador e à Croácia durante seu mandato, conseguiu autorização da Justiça para viajar a Punta del Leste, no Uruguai. Menem não foi preso porque é senador e tem imunidade parlamentar até 2017. Mas continua respondendo a um processo e não pode deixar o país sem autorização. Ele chegou a Punta del Este na quarta-feira à noite, em um jatinho. Ele ficará no balneário até o dia 20 no apartamento de sua filha Zulemita. Menem disse aos jornais Clarín e La Nación que estava escapando "do caos e da fogueira" que é Buenos Aires e que queria ir ao balneário uruguaio para ficar com os netos Luca, 9, e Malek, de 1 ano. Também disse que em Punta del Este não há violência como tem na capital argentina.

MULTA DO MENSALEIRO MARCOS VALÉRIO, OPERADOR DO PT, VAI A R$ 4,44 MILHÕES APÓS REAJUSTE

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal atualizou o valor da multa do operador do Mensalão do PT, o publicitário Marcos Valério. Com o reajuste ele terá que desembolsar o total de R$ 4,44 milhões. Quando foi condenado, a multa foi estipulada em R$ 3,06 milhões, com base nos valores da época do crime. Na última segunda-feira, a Vara de Execuções Penais divulgou a intimação para que Marcos Valério e outros quatro condenados no processo do Mensalão do PT paguem as multas devidas. No total, os cinco deverão pagar R$ 13,4 milhões. No início da semana, o advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo, afirmou que o publicitário deverá pagar a multa com recursos que estão bloqueados pela Justiça desde 2005. "O que está nas contas bancárias dele, que estão bloqueadas pela Justiça, é suficiente para o pagamento integral da multa", disse. Segundo o advogado, nenhum bem precisará ser desapropriado. Marcelo Leonardo informou ainda que fará um pedido formal a Vara de Execuções Penais para que use o dinheiro das contas do publicitário para quitar a dívida. Em 2005, o Supremo determinou o bloqueio judicial de dinheiro em contas correntes e bens do publicitário a pedido do então Procurador-Geral da República, Antônio Fernando de Souza.

PRESIDENTE DO PT PEDE DOAÇÕES À MILITÂNCIA PARA AJUDAR O BANDIDO MENSALEIRO JOSÉ GENOÍNO

O presidente do PT, Rui Falcão, divulgou nota oficial na sexta-feira, no site do partido, em que “conclama os militantes, filiados, simpatizantes e amigos(as) do PT a contribuírem para o pagamento da multa injustamente imposta ao companheiro José Genoino Neto”. Ex-deputado federal, José Genoino foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal a pagar R$ 468 mil por sua participação no processo criminoso do Mensalão do PT, mas o valor foi reajustado pela Vara de Execuções Penais do Distrito Federal para R$ 667.513,92. O valor deve ser pago até o dia 20 deste mês. Segundo Falcão, “embora indevida e, além disso, desproporcional, trata-se de sentença judicial, obrigando, portanto, ao seu cumprimento”. “Como o PT, em virtude da lei, não pode utilizar recursos próprios e nem do Fundo Partidário, propomos esta corrente de solidariedade que deve, igualmente, estender-se aos companheiros José Dirceu, Delúbio Soares e João Paulo Cunha”, diz a nota assinada pelo presidente petista, que apontou também as contas onde podem ser feitas as doações. Familiares e amigos de José Genoino (PT-SP) lançaram na noite de quinta-feira um site feito para receber doações que ajudarão no pagamento da multa.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO SUSPENDE DECISÃO DO STJD E MANTÉM PORTUGUESA NA SÉRIE A DO CAMPEONATO BRASILEIRO

Na noite desta sexta-feira, a Justiça de São Paulo, por meio de uma liminar, suspendeu a decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e reestabeleceu os quatro pontos tirados da Portuguesa no Campeonato Brasileiro da Série A. Caso a decisão seja consolidada, a Lusa se salva da queda, rebaixando o Fluminense. A ação, ajuizada por um torcedor do clube rubro-verde, foi distrubuída na 42ª Vara Cível Central, onde já corria um caso semelhante, em relação ao Flamengo. Por sua vez, o clube da Gávea também teve os pontos reestabelecidos. De acordo com o juiz Marcello do Amaral Perino, tanto no caso da Portuguesa quanto na questão rubro-negra, a Justiça desportiva feriu o artigo 35 e o parágrafo segundo do Estatuto da Torcedor. No que diz respeito à Portoguesa, o juiz ainda expressou: “Conforme demonstrado na exordial, o atleta Héverton estava em condições de atuar na partida contra o clube gaúcho”. Porém, as questões jurídicas ainda estão longe de ter fim. Como a liminar é passível de recursos, o Fluminense poderá recorrer da decisão, o que reverteria seu segundo rebaixamento para o Campeonato Brasileiro da Série B.

NAVIO NAUFRAGADO COSTA CONCORDIA SERÁ REBOCADO EM JUNHO PARA DESMONTE

O navio de cruzeiro Costa Concordia, que naufragou em janeiro de 2012 e desde então está encalhado em frente à ilha de Giglio, na Itália, será rebocado em junho, anunciou na sexta-feira o chefe da Defesa Civil italiana, Franco Gabrielli. Ele explicou que, em março, será escolhido o lugar para onde será levado o navio para ser desmontado. Até agora, 12  portos e empresas de seis países já se ofereceram para realizar o serviço. No próximo dia 23 subirão a bordo do navio, que já foi colocado em seu nível correto, os peritos do tribunal que julga o capitão, Francesco Schettino, e os assessores das partes para realizar uma inspeção direta na embarcação e buscar equipamentos, computadores ou servidores do "console" central que apresentem mais provas para o processo judicial aberto. Em julho do ano passado começou o julgamento do capitão do cruzeiro, Francesco Schettino, que pode ser condenado a até 20 anos de prisão, acusado de homicídio culposo múltiplo, abandono do navio, naufrágio e de não ter passado informações às autoridades portuárias imediatamente depois do acidente. O Costa Concordia naufragou em 13 de janeiro de 2012 quando viajava com 4.229 pessoas a bordo após colidir com rochas em frente à ilha de Giglio, no mar Tirreno. A companhia operadora do cruzeiro admitiu que o naufrágio, que provocou 32 mortes, aconteceu depois de o capitão ter se aproximado demais da costa da ilha, alterando a rota estabelecida.

BANCO CENTRAL PUNE CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, QUE PRECISARÁ EXPURGAR R$ 420 MILHÕES REGISTRADOS NO LUCRO LÍQUIDO DE 2012, TUNGADOS DOS POUPADORES

O resultado da Caixa Econômica Federal de 2013 terá que expurgar R$ 420 milhões registrados no lucro líquido de 2012 que foram considerados irregulares pelo Banco Central. O ganho foi obtido porque o banco estatal contabilizou como receitas operacionais R$ 719 milhões que estavam depositados em 496.776 contas de poupança com falhas no cadastro e foram encerradas compulsoriamente. A manobra veio a público em reportagem da revista "Isto é". A Caixa Econômica Federal, em nota, argumentou que, entre 2005 e 2011, tentou localizar de diversas formas os clientes com irregularidades cadastrais. Chegou, inclusive, a bloquear a movimentação eletrônica dos recursos para obrigá-los a comparecer a uma agência. A partir daí, ao longo de 2012 encerrou as 496.776 conta consideradas com CPF ou CNPJ irregulares e lançou o dinheiro depositados (R$ 719 milhões) na sua contabilidade. "Os recursos dessas contas encerradas foram registrados contabilmente na rubrica do passivo 'credores diversos'," explicou a nota do banco estatal. Em seguida, o documento justifica que na falta de uma norma específica sobre a contabilização do dinheiro, a direção da instituição se baseou no "Manual Normativo da Caixa" para lançar a quantia como receita operacional, com impacto no resultado do banco de 2012. "Esse procedimento gerou um acréscimo de receita de R$ 719 milhões e, excluídos os efeitos tributários, de R$ 420 milhões no lucro líquido da Caixa", justifica a nota. A manobra foi contestada pela Controladoria Geral da União e o Banco Central mandou o banco suspender a operação. A Caixa Econômica Federal foi obrigada a acatar de imediato a determinação do Banco Central e mudou sua política de contabilização, com reflexos nas demonstrações contábeis de 2013. Isto resultará em um ajuste na conta de "lucros e prejuízos acumulados" de aproximadamente R$ 420 milhões. A direção do banco estatal diz ainda que nenhum poupador teve prejuízo e que os clientes podem, a qualquer momento, regularizar o cadastro e reaver o dinheiro com as devidas correções.

GOVERNADOR DO PIAUI, DO PSB, DEMITE PETISTAS

O governador do Piauí, Wilson Martins (PSB), exonerou nos primeiros dias do ano os seis petistas que ocupavam cargos no primeiro escalão do governo. O movimento foi interpretado pela direção nacional do PT como mais um passo no processo nacional de ruptura com o PSB por conta da disputa presidencial de outubro deste ano. Foram exonerados os secretários de Justiça, Cidades, Assistência Social e da Pessoa com Deficiência, além dos presidentes da Fundação Cultural do Estado e da Agência de Fomento do Estado, todos petistas. O processo de desgaste entre os dois partidos começou em meados do ano passado, em sincronia com o afastamento entre PSB e PT e a consolidação da pré-candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), à Presidência da República. Além de se livrar dos petistas, Martins costura uma aliança com o PSDB para a disputa pelo governo piauiense contra o senador Wellington Dias (PT). A coligação deve incluir dois partidos da base do governo Dilma Rousseff, PMDB e PCdoB. Martins alega que o motivo das exonerações foi a decisão do PT, ainda em julho do ano passado, de lançar a pré-candidatura à sua sucessão.

PROMOTORES ESTUDAM PEDIR A DISSOLUÇÃO DA ALSTOM NO BRASIL

O Ministério Público de São Paulo estuda requerer judicialmente a dissolução das atividades da empresa francesa Alstom no Brasil. A medida poderá ser tomada se a multinacional francesa não devolver aos cofres públicos valores relativos a superfaturamento do contrato Gisel 10, aditamento para fornecimento de equipamentos para duas subestações de transmissão de energia elétrica no governo Mário Covas (PSDB). No dia 20 de setembro, a promotoria propôs um acordo - rejeitado - ao presidente da Alstom no Brasil, Marcos Costa, quando ele depôs. A multinacional francesa teria de pagar indenização equivalente a US$ 33 milhões ao Tesouro paulista, valor correspondente a um porcentual (por danos morais coletivos) do total do contrato de US$ 55 milhões. A promotoria avalia que já estão comprovados pagamentos de propinas da Alstom a agentes públicos brasileiros e poderá pedir a dissolução da multi amparada nos artigos 50 e 51 do Código Civil, que prevêem a medida quando uma pessoa jurídica é usada com desvio de finalidade para prática de atos ilícitos.

PSDB VAI PROCESSAR CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA DEFENDER OS POUPADORES LESADOS

A Caixa Econômica Federal se apropriou de mais de R$ 700 milhões de mais de 500 mil pequenos poupadores. O PSDB emitiu nota oficial neste sábado, garantindo que irá defender os poupadores lesados. Diz a nota: "É estarrecedora a revelação, feita pela revista Isto É, de que a Caixa Econômica Federal confiscou mais de R$ 700 milhões das contas de poupança de cerca de meio milhão de pequenos correntistas para engordar seu lucro em 2012. Se confirmada esta denúncia, de extrema gravidade, demonstrará, mais uma vez, a falta de limites do governo do PT em sua prática de manipulação contábil, que vem minando a credibilidade das contas públicas do País. Nesta segunda-feira, o PSDB pedirá esclarecimentos formais à CEF e, diante das explicações apresentadas, avaliará as medidas legais cabíveis para garantir os direitos dos poupadores brasileiros, assegurar o fiel cumprimento da legislação em vigor e responsabilizar judicialmente os responsáveis por esta possível apropriação indevida e ilegal de recursos poupados por milhares de brasileiros. Senador Aécio Neves (MG), presidente nacional do PSDB".

JUSTIÇA AUMENTA MULTA DO BANDIDO MENSALEIRO JOSÉ GENOÍNO PRECISA PAGAR PELA CONDENAÇÃO DO PROCESSO DO MENSALÃO DO PT

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal aumentou o valor da multa que o ex-deputado federal e bandido mensaleiro José Genoino, condenado a quatro anos e oito meses de prisão no processo do Mensalão do PT, tem de pagar à Justiça devido à condenação. Com a correção monetária, José Genoino terá até o dia 20 deste mês para pagar R$ 667,5 mil. Mais quatro condenados também tiveram o valor da multa reajustado. Durante o julgamento do processo do Mensalão do PT, a multa de José Genoino foi fixada em R$ 468 mil. No entanto, de acordo com Código Penal, o valor final da multa deve ser corrigido monetariamente o após fim do processo. Os crimes praticados pelo ex-deputado ocorreram em 2003. O valor das multas foi determinado na última segunda-feira, e os condenados têm dez dias para fazer o pagamento. Se não houver pagamento, o débito será inscrito na Dívida Ativa da União, e os bens particulares podem ser confiscados pelo governo como garantia de pagamento. A Justiça do Distrito Federal reajustou as multas de Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, ex-sócios do publicitário Marcos Valério, que terão de pagar, respectivamente, R$ 3,96 milhões e R$ 2,65 milhões. O ex-deputado federal Valdemar Costa Neto foi multado em R$ 1,6 milhão. A multa de Marcos Valério também foi reajustada.

PETROBRAS ANUNCIA RETOMADA DAS ATIVIDADES NA UNIDADE DE COQUE DA REFINARIA DUQUE DE CAXIAS

A Petrobras divulgou nota na sexta-feira anunciando que a Unidade de Coque da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense, está em processo de partida para retomar a produção, o que deverá ocorrer “nas próximas horas”. As atividades na unidade estavam interrompidas desde a noite do dia 4 em razão de um principio de incêndio, que foi controlado pela brigada de incêndio da refinaria, sem que houvesse a necessidade de acionar o Corpo de Bombeiros. O incêndio não teve vítimas ou danos ao meio ambiente. Em consequência do princípio de incêndio, no entanto, a produção da Unidade de Coque da Refinaria foi interrompida. Na ocasião, a Petrobras, ao confirmar o incêndio, anunciou a formação de uma comissão especial para descobrir as causas do acidente. A Reduc processa cerca de 240 mil barris de petróleo por dia, mais de 10% da capacidade de refino do País.

GOVERNO DILMA ESPERA ALCANÇAR MAIS DE 80 BILHÕES DE REAIS EM INVESTIMENTOS DECORRENTES DAS PRIVATIZAÇÕES

A Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae) do Ministério da Fazenda divulgou na sexta-feira um levantamento sobre as privatizações federais licitadas no ano passado. O relatório inclui as primeiras autorizações de terminais portuários dadas sob o novo marco regulatório do setor, a chamada Lei dos Portos (Lei 12.815/13). Segundo a secretaria, em 2013, foram feitas 18 licitações na área de transportes, energia, petróleo e gás, além de cinco autorizações de terminais de uso privativo. Com os leilões de privatização houve comprometimento de investimento estimado em R$ 80,3 bilhões, que serão feitos ao longo do prazo das concessões, que variam de 20 a 35 anos. No entanto, informou a secretaria, por causa das obrigações contratuais, a maior parte dos investimentos será concretizada nos próximos cinco anos. Um dos itens do levantamento diz respeito à privatização dos aeroportos de Confins, em Belo Horizonte, e do Galeão, no Rio de Janeiro, que somam-se às concessões dos terminais de Guarulhos e Viracopos, em São Paulo, e de Brasília, feitas em fevereiro de 2012, além da de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, que foi em agosto do ano anterior. Conforme avaliação de técnicos da Fazenda, cerca de 90% do tráfego internacional de passageiros e 40% do doméstico estão agora sob administração privada. Cinco leilões de privatização de rodovias foram feitos no ano passado, com deságios em relação à tarifa-teto que variaram de -42,3% (BR-050) a -61,1% (BR-040). Foram privatizados 4.247 quilômetros de rodovias federais que servem a importantes pólos econômicos brasileiros, como a Região Centro-Oeste, onde se concentra grande parte da produção de grãos do País. Em 2013, foram licitados 7.145 megawatts em capacidade instalada de geração de energia no ambiente regulado, sendo 65,9% eólica; 16%, hidrelétrica; 6,7%, PCH; e 11,3%, biomassa. Dos 243 empreendimentos outorgados, 202 foram de projetos de parques eólicos. Foram ainda licitados 8.134 quilômetros de linhas de transmissão.

ONS PREVÊ POUCA CHUVA E CUSTO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DEVERÁ SUBIR 38%

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) prevê pouca chuva no Brasil nos próximos sete dias, contribuindo para a elevação ante a semana anterior de 37,7% no custo médio de operação do sistema para o período de 11 a 17 de janeiro. A passagem de uma frente fria deve avançar pela região Sul no início da semana, permanecendo aí até o fim de semana, ocasionando chuva fraca a moderada nas bacias dos rios Uruguai, Jacuí, Iguaçu, Paranapanema e Tietê. "Nas demais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN) permanece a ausência de precipitação", informou o ONS no Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação para a semana de 11 a 17 de janeiro, divulgado na sexta-feira. Esse fator contribuiu para que o Custo Marginal de Operação (CMO) médio semanal do sistema subisse de 280,81 reais por megawatt-hora (MWh) para 386,83 reais por MWh. Diante deste aumento, o ONS também elevou o despacho de usinas termelétricas por ordem de custo (do menor para o maior) de 10.464 megawatts médios para 11.756 MW médios. A escassez de chuva ocorre em um momento em que a demanda por energia elétrica no Brasil está forte, dadas as altas temperaturas que incentivam o uso de aparelhos de ar refrigerado, e em que o nível dos reservatórios das hidrelétricas não está recuperado. No mesmo relatório, o ONS estima que a carga de energia no sistema elétrico brasileiro deva crescer cerca de 10,4% em janeiro ante mesmo período do ano passado. A região Sudeste/Centro-Oeste é um dos destaques na previsão de alta de carga neste mês, com crescimento estimado de 10,8% para a região ante janeiro de 2013, pela intensificação do uso de aparelhos de refrigeração nas residências.

FAMÍLIA DO BANDIDO MENSALEIRO JOSÉ GENOÍNO LANÇA NOVO SITE DE DOAÇÕES E DIZ QUE ELE É "PERSEGUIDO"

Familiares e amigos do ex-presidente do PT, o bandido mensaleiro José Genoino, lançaram um novo site para receber doações para o pagamento da multa de R$ 667,5 mil imposta contra o petista no julgamento do Mensalão do PT. O valor foi corrigido pela Justiça, que antes havia divulgado que o débito era de R$ 468 mil. Em texto publicado na homepage, os organizadores afirmam não reconhecer "nenhum fundamento de justiça na multa" e que o ex-deputado é alvo "de uma perseguição rancorosa e odiosa". Além da condenação de 6 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa e formação de quadrilha, o bandido mensaleiro José Genoino foi multado pelo Supremo Tribunal Federal. A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal corrigiu o valor divulgado anteriormente para R$ 667.513,92 e determinou que o pagamento seja feito até o dia 20. A correção foi feita com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), a partir da data dos fatos que foram julgados pela Justiça. Ou seja, os R$ 468 mil eram em valores de 2005, quando o escândalo do Mensalão do PT veio à tona. A Justiça também determinou a atualização da multa de outros condenados do Mensalão do PT: a multa do empresário Marcos Valério passou de R$ 3,06 milhões para R$ 4,1 milhões, e a de Ramon Hollerbach foi elevada de R$ 2,79 milhões para R$ 3,9 milhões. "Vamos levantar nos próximos dias o dinheiro para quitar a multa. Cada um contribuirá com o que estiver a seu alcance", afirma o texto do site em prol do bandido mensaleiro José Genoino. "Que fique bem claro que não estamos reconhecendo nenhum fundamento de justiça na multa. Mas não ficaremos parados quando se busca humilhar um homem da estatura moral e política de Genoino", diz a mensagem publicada na página intitulada "Parceiros da família Genoino". Os autores relembram a trajetória política do petista e afirmam que a família não tem recursos para arcar com os gastos. A nova página entrou no ar na noite de quinta-feira, no lugar de um site antigo produzido por um designer contratado pela família do bandido José Genoino. Os parentes do petista aproveitaram a abertura de uma conta na Caixa Econômica Federal que centralizará as doações para também relançar o site. Na página antiga, um relatório indica que R$ 13.235,00 haviam sido arrecadados até terça-feira. Agora uma mensagem orienta o internauta a fazer doações pelo novo site, em que apenas doadores conseguem visualizar o valor arrecadado.

ECONOMISTAS AVISAM QUE ALTA DA INFLAÇÃO DEVE CONTINUAR A PREOCUPAR EM 2014

Depois de surpreender o mercado ao fechar 2013 acima do esperado, a 5,91%, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve continuar preocupante em 2014. O cenário para este ano é de diminuição das medidas de desoneração, o que deve ter reflexo nos preços, e de eleições presidenciais, quando é comum que governos federal e estaduais promovam mais gastos públicos, pressionando os preços. Para Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, haverá permanência de risco inflacionário porque o ritmo de arrefecimento dos preços ainda é muito lento. "O recuo ainda é muito modesto, embora a tendência dos preços livres seja de continuar a trajetória de desaceleração", afirma. A economista explica ainda que um dos impactos na inflação é a dificuldade que o governo tem de fazer ajuste fiscal. Zeina lembra que, mesmo com a inflação provocando dores de cabeça no governo no ano passado - o IPCA estourou o teto da meta, de 6,5%, em junho - a presidente Dilma Rousseff anunciou programas de estímulo ao consumo, como o Minha Casa Melhor. Programas de estímulo ao consumo ajudam a elevar os preços. A economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências Consultoria Integrada, classificou o resultado do IPCA como "desastroso", levando em conta o esforço de desonerações feito pelo governo para controlar a alta de preços administrados, como o da energia elétrica. "Não tem nada para comemorar. É muito ruim, em um ano no qual o governo fez de tudo e tomou medidas que custaram caro", disse. Ela lembrou que os preços administrados (ligados a tarifas, e que podem ser controlados pelo governo) fecharam 2013 com alta de apenas 1,5%, influenciados principalmente pela redução do preço da energia elétrica, de cerca de 20%, pela manutenção das tarifas de transporte público em muitas cidades e também pelo controle de preços da gasolina, que ainda estão defasados com relação ao mercado internacional. Segundo Alessandra, esse cenário reforça a expectativa de que o ano que se inicia será de inflação alta, na casa dos 6%, com risco de estouro do teto de 6,5% da meta buscada pelo Banco Central: "Nessa previsão de 6% existe pouco espaço para a acomodação de choques. Se o ano tiver qualquer choque de câmbio ou de alimentos, há risco de a inflação ficar muito próxima do teto ou passar do teto". Para o ex-secretário executivo do Ministério da Fazenda Nelson Barbosa, a inflação será a grande preocupação deste ano na economia. Ele lembrou que o governo precisará tirar os estímulos fiscais (desonerações) e diminuir o controle sobre os preços administrados (gasolina, óleo diesel e energia, especialmente). “O que pode pesar positivamente é o quadro de chuvas, que pode reduzir o preço da energia este ano e os preços de alimentos, que devem ser menos desfavoráveis em 2014 – 2013 foi um ano muito ruim”, diz. Contudo, ele explica que o governo já sinaliza que os reajustes de combustíveis, por exemplo, serão feitos de forma gradual, o que suavizaria o impacto do item nos preços. Barbosa comentou ainda que a tendência de câmbio mais desvalorizado também deve pesar no IPCA de 2014. Com o dólar mais alto, fica mais caro comprar produtos importados — o que estimula o consumo interno e, consequentemente, pressiona os preços para cima. Em relatório distribuído ao mercado, o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, prevê que a taxa básica de juros, a Selic, encerre o ano em 11% ao ano, acima das estimativas do Boletim Focus, que indicavam até o momento a Selic em 10,5% no final deste ano. Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC realizará a primeira reunião do ano e deve fazer uma nova elevação na taxa básica de juros.