sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

BANDIDO PETISTA MENSALEIRO JOÃO PAULO CUNHA RENUNCIA A MANDATO

O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), preso desde terça-feira no presídio da Papuda, em Brasília, por sua condenação no processo do Mensalão do PT, renunciou ao mandato na noite desta sexta-feira. Em uma carta curta encaminhada à Câmara dos Deputados, o bandido petista mensaleiro diz que deixa o exercício do mandato "com a consciência do dever cumprido". "É com a consciência do dever cumprido e baseado nos preceitos da Constituição Federal e no Regimento Interno da Câmara dos Deputados que eu renuncio ao meu mandato de deputado federal", disse o bandido petista mensaleiro João Paulo Cunha. A carta tem ainda uma citação do escritor e jornalista cubano Leonardo Padura: "...pois a dor e a miséria figuram entre aquelas poucas coisas que, quando repartidas, tornam-se sempre maiores". O bandido ainda quis se fazer de intelectual na hora do reconhecimento de sua bandidagem. O petista João Paulo foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal a 9 anos e 4 meses de prisão durante o julgamento do Mensalão do PT pelos crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Ele foi acusado de receber dinheiro do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, o operador do Mensalão do PT, e de participar de um esquema de desvio de verba pública quando era presidente da Câmara dos Deputados, no início do primeiro mandato do ex-presidente Lula, o alcaguete do Dops paulista na ditadura militar, conforme o delegado Romeu Tuma Jr. Agora, ele está na prisão da Papuda, em Brasília, cumprindo 6 anos e 4 meses referentes aos dois outros crimes para os quais não cabe mais recurso. Como a pena total não chega a oito anos, ele poderá ser transferido para o regime semiaberto, em que é possível trabalhar durante o dia após autorização judicial. Parte dos condenados do Mensalão do PT já presos conseguiu o benefício. Na quarta-feira, o bandido petista mensaleiro João Paulo Cunha chegou a pedir à Justiça para cumprir o mandato, trabalhando como deputado na Câmara. O pedido não chegou a ser avaliado pela Justiça. Com a renúncia do petista, os quatro deputados condenados no Mensalão agora são ex-parlamentares. Tão logo tiveram suas prisões anunciadas, Pedro Henry (PP-MT), José Genoino (PT-SP) e Valdemar Costa Neto (PR-SP) renunciaram ao cargo, todos temendo o processo de cassação na Câmara. João Paulo Cunha também estava ameaçado de ser cassado. Os deputados estudavam a possibilidade de abrir o processo interno já na semana que vem. A oposição, temendo que os aliados do petista tentassem retardar o processo, chegou a ameaçar obstruir as sessões da Casa a fim de pressionar os colegas a cassarem o petista. "Vamos endurecer, obstruir tudo", na quinta-feira o novo líder da minoria, deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), antes da renúncia do bandido petista mensaleiro João Paulo Cunha ser anunciada.

BANDIDO PETISTA MENSALEIRO HENRIQUE PIZZOLATO FEZ TESTAMENTO PARA GARANTIR PROVA SECRETA

Enquanto produzia documentos falsos para assumir a identidade do irmão morto, o ex-diretor do Banco do Brasil, o bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato registrou em cartório orientação para que sua morte, quando ocorrer, seja mantida em sigilo. No documento, de 24 de abril de 2009, Henrique Pizzolato informa não querer "velório, homenagem, celebração nem missa de sétimo dia". Pede, ainda, que seu corpo "seja cremado o mais rápido possível e que suas cinzas sejam jogadas no mar". O bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato justifica no testamento que "não deseja que pessoas fiquem tristes e enlutadas" com sua morte. Com esse procedimento, o atestado de óbito seria a única comprovação de uma suposta morte de Pizzolato. O testamento foi registrado em cartório no Rio de Janeiro. Pizzolato fugiu do Brasil no dia 11 de setembro de 2013 rumo à cidade de Maranello, na Itália, cerca de dois meses antes de o Supremo Tribunal Federal decretar sua prisão pela condenação no processo do Mensalão do PT. Uma ação conjunta das polícias brasileira, italiana, espanhola e argentina revelou que ele viajou usando a identidade de Celso Pizzolato, seu irmão morto há quase três décadas. O ex-executivo deu todos os passos que lhe possibilitariam assumir a identidade do irmão. Reativou RG, CPF, passaporte, declaração de imposto de renda e título de eleitor. Pizzolato, conforme o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), chegou a votar em nome do irmão morto nas eleições municipais de 2008. Ao fazer o testamento, Pizzolato atestou que se encontrava "em seu perfeito juízo e no uso pleno de suas faculdades mentais e inteligência". Informou que vive há 29 anos com Andréa Eunice Haas (a união não foi oficializada) e que deixa para a mulher em caso de morte um apartamento no Rio de Janeiro, sua aposentadoria do fundo de pensão dos servidorores do Banco do Brasil e, em caso de falecimento do seu pai, a totalidade de seus bens não listados no testamento. As testemunhas do testamento são um casal que tem ajudado Pizzolato a apresentar sua defesa, mesmo após a fuga. Alexandre Cesar Costa Teixeira e Marta Alfonço Teixeira não foram localizados pelo Grupo Estado. A Polícia Federal informou que vai investigar se houve anuência de seus servidores na emissão de um passaporte brasileiro em nome de um morto, Celso Pizzolato, apenas se forem encontrados indícios de envolvimento dos agentes. A investigação, conforme a PF, tem como foco o uso de documentos falsos por Pizzolato, incluindo o passaporte brasileiro. Contudo, se essa análise levar ao entendimento de que policiais federais ajudaram na farsa será instaurado um processo administrativo. A direção da PF em Brasília ficou insatisfeita com a divulgação para a imprensa de que Pizzolato conseguiu emitir um passaporte em nome do irmão morto, o que expôs fragilidade de um sistema de responsabilidade da Polícia Federal.

JUSTIÇA DA ITÁLIA NEGA LIBERDADE PROVISÓRIA PARA O BANDIDO PETISTA MENSALEIRO HENRIQUE PIZZOLATO

A Justiça italiana negou nesta sexta-feira o pedido de liberdade provisória do do bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato até o desfecho do seu processo de extradição para o Brasil. Condenado a doze anos e sete meses no julgamento do Mensalão do PT, ele estava foragido do Brasil até ser capturado na cidade de Maranello, no norte do país, na última quarta-feira. Os juízes italianos do Tribunal de Bolonha entenderam que há "risco de fuga" do ex-diretor do Banco do Brasil. Ele ficará preso na cidade de Modena. O bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato fugiu do Brasil em setembro do ano passado usando documentos forjados em nome do irmão, Celso, morto em 1978 em um acidente de carro. A farsa começou a ser tramada em 2007, ano em que ele se tornou réu no Supremo Tribunal Federal. As falsificações deverão acarretar novos processos seja no Brasil ou na Itália. A fuga de Pizzolato começou no dia 11 de setembro de 2013, na pequena cidade de Dionísio Cerqueira, no oeste catarinense, onde cruzou a fronteira para Bernardo de Irigoyen, na província de Misiones, na Argentina. De lá, percorreu 1.314 quilômetros até Buenos Aires. Na capital argentina, embarcou em um vôo da Aerolíneas Argentinas, no dia 12 de setembro, com destino a Barcelona, na Espanha, onde sua mulher, Andréia Haas, já estava há meses. A entrada em solo italiano foi registrada no dia 14 de setembro. A movimentação de sua mulher, que estava na Espanha, também foi decisiva para localizar o paradeiro do mensaleiro na Europa. De acordo com policiais federais que atuaram na operação de captura do fugitivo, Andréa tinha um Fiat Punto vermelho (placa 7597 GNF) em seu nome, registrado na cidade espanhola de Málaga. O fato de a arquiteta não ter adulterado sua identidade permitiu que seus deslocamentos fossem rastreados. A polícia italiana, por exemplo, informou as autoridades brasileiras que o carro estava estacionado em frente a uma casa na cidade de Maranello, no norte da Itália, indicando a presença da mulher de Pizzolato na região. Em seguida, a polícia acabou descobrindo que o imóvel era o esconderijo do bandido petista mensaleiro. Também foi Andréa quem comprou a passagem aérea da Aerolíneas Argentinas para o marido embarcar de Buenos Aires para Barcelona. E foi no embarque no aeroporto de Ezeiza que o ex-diretor do Banco do Brasil cometeu seu pior erro, segundo a polícia: embora tivesse o passaporte em nome de Celso Pizzolato, ele tirou foto e deixou as impressões digitais registradas na imigração, no dia 12 de setembro de 2013, às 19h08. Acabou capturado na quarta-feira.

O IRMÃO DO BANDIDO PETISTA HENRIQUE PIZZOLATO ESTAVA MORTO, MAS "VOTOU" NA ELEIÇÃO DE 2008

À medida que novos detalhes das investigações da Polícia Federal são revelados, a trama do bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato para fugir do Brasil parece ganhar ares hollywoodianos. Não bastasse ter forjado documentos em nome do irmão, Celso, morto em 1978, o mensaleiro usou o título de eleitor falsificado para votar nas eleições de 2008, no Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Federal, Pizzolato conseguiu RG, CPF, título de eleitor e dois passaportes – um brasileiro e um italiano – falsos e em nome de Celso. O sucesso na empreitada ocorreu porque a certidão de óbito do irmão nunca foi registrada em cartório. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Marco Aurélio Mello, encaminhou ao procurador-geral eleitoral, Rodrigo Janot, pedido para que tome providências em relação ao caso.

POLÍCIA CIVIL DO RIO DE JANEIRO TEM CERTEZA DE QUE CINEGRAFISTA FOI ATINGIDO POR TERRORISTA DO BLACK BLOC

A Polícia Civil do Rio de Janeiro afirmou nesta sexta-feira ter certeza de que o cinegrafista da Rede Bandeirantes atingido por um bomba molotov na noite de quinta foi vítima de um dos terroristas do Black Bloc que faziam agitação contra o aumento da passagem de ônibus na cidade. Uma perícia realizada de manhã desta sexta-feira encontrou fragmentos do artefato que atingiu a cabeça de Santiago Andrade. Ele continua internado em estado grave no Hospital Municipal Souza Aguiar, com afundamento craniano. "Tenho convicção de que o explosivo não foi lançado pelas forças de segurança e sim colocado por uma pessoa que participava da manifestação", afirmou o delegado Maurício Luciano de Almeida, titular da 17ª DP (São Cristóvão). A diferença de versões é que o delegado fala que o cinegrafista foi atingido por um rojão. Segundo Almeida, o artefato usado é conhecido como rojão de vara ou rojão treme-treme, vendido livremente em lojas de fogos de artifício ao preço de 6 ou 7 reais a unidade. A diferença de versões é que o delegado fala que o cinegrafista foi atingido por um rojão. A única exigência feita por lojas do ramo a compradores é que sejam maiores de 18 anos - não se cobra, contudo, a apresentação de documentos. De acordo com o delegado, é preciso autorização da Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos (Dfae) da Polícia Civil para utilizar o rojão em via pública. Mas a regra fica só no papel. Por isso, afirma ele, "esse tipo de artefato tem sido apreendido de forma recorrente com manifestantes durante os protestos no Rio de Janeiro". Um homem com blusa cinza e calça jeans que aparece em uma foto correndo logo após o artefato ter sido aceso é considerado suspeito. Para ajudar na identificação, os investigadores estão analisando imagens das câmeras de segurança da região do confronto e também da imprensa, inclusive as registradas pelo profissional ferido. Uma vez identificado, o manifestante responderá por tentativa de homicídio qualificado. Se o cinegrafista morrer, ele será acusado de assassinato.

CINEGRAFISTA FERIDO - NÃO É ASSIM QUE SE FAZ, GLOBONEWS! NÃO É ASSIM QUE SE FAZ, "BOM DIA BRASIL"! E É EVIDENTE QUE TODOS POR LÁ SABEM DISSO. ESPEREMOS O PEDIDO DE DESCULPA!

Partiu de um repórter da GloboNews, Bernardo Menezes — e espero que o fato lhe sirva de lição e a quem deu curso à informação falsa que ele veiculou sem uma verificação mínima —, a afirmação de que o artefato explosivo que atingiu a cabeça do cinegrafista Santiago Andrade tinha partido da polícia.

Infelizmente, a informação foi reproduzida ainda nesta manhã no ‘Bom Dia Brasil”, aí da Rede Globo. O conjunto da obra é tecnicamente indesculpável (vídeo aqui). Sabem por quê?
As primeiras fotos que vieram a púbico sobre a agressão são da Agência Globo. Foi com base nelas que escrevi meu texto assegurando — por óbvio — que aquele troço não poderia ser uma bomba de gás ou uma bomba de efeito moral. Quem conhece os dois artefatos sabe que não produzem aquele tipo de luz, de faíscas, de fragmentos.
Eu conheço porque já enfrentei as duas. Mas ninguém precisa apanhar da polícia ou enfrentar bombas para conhecê-las. Basta a prudência. E, ouso dizer, é preciso ir para as suas também com o espírito desarmado. Acho que jornalistas estão tão viciados em chamar manifestações violentas de “pacíficas” que já não conseguem enxergar o que ocorre. A ideologia — ou o preconceito — faz mais mal à visão do que a minha espetacular miopia.
E que se note: eu não neguei que fosse bomba só com base na minha “experiência”. Se a gente não toma cuidado, nada distorce tanto a verdade como estar no lugar em que os fatos acontecem. Um jornalista que estivesse em Dresden quando houve o ataque dos Aliados poderia ter a impressão de que os nazistas eram as vítimas na Segunda Guerra, não é? Espalhe repórteres entre os alvos de Bashar Al Assad, e ele parecerá o carniceiro que é. Como não os há entre as alvos de seus opositores, estes não parecem os carniceiros que também são. Mesmo tendo a certeza de que aquilo não era bomba de gás, de que não era bomba de efeito moral, tomei o cuidado de perguntar a dois policiais.
Não quero satanizar ninguém, não! Aqueles que deixaram a informação de Andrade ir ao ar, sem a devida checagem, devem dividir com ele a responsabilidade.
Coisas estranhas
Aliás, sabem onde li primeiro que NÃO ERA UMA BOMBA DA POLÍCIA??? Na edição online de “O Globo”, logo depois do fato. Sim, senhores! Aliás, havia lá também o testemunho de um repórter do jornal. Ele vira o artefato partir de um black bloc. MINUTOS DEPOIS, A INFORMAÇÃO DESAPARECEU DO SITE.
Ou seja: entre a versão daquele que viu a bomba (que bomba não era) partir da polícia e a daquele que vira o explosivo partir de um black bloc, o primeiro ganhou. Afinal, ele tinha a narrativa pior para as “forças da repressão”, né?. A Abraji, que se intitula — e acredito que seja — uma associação de jornalistas “INVESTIGATIVOS”, preferiu emitir uma nota toda ambígua, sem investigar minimamente as imagens.
Eu publiquei um post às 22h52 evidenciando por que aquela coisa não poderia ter partido da polícia. Às 4h29 desta madrugada, lamentava a covardia da imprensa, que se negava a reconhecer o óbvio. O “Bom Dia Brasil” foi ao ar, sei lá, às seis e pouco da manhã. Já dava tempo, creio, não de ter me lido (os jornalistas da Globo certamente têm mais o que fazer), mas de ter visto as fotos e consultado alguns especialistas.
No texto que escrevi ontem e no comentário que fiz hoje de manhã na Jovem Pan, lamentarei que a própria Band, em nota, tivesse flertado com a possibilidade de ser uma bomba da polícia.
Não sei como as duas emissoras vão se desculpar. Sei que devem desculpas: aos telespectadores e à Polícia Militar. O erro de visão e de jornalismo é grave porque muda a autoria de um crime grotesco, que ainda pode vir a ser um assassinato. De resto, trata-se de uma agressão à imprensa livre.
Para encerrar
Ouso dizer que algo assim estava pipocando na área, pronto para acontecer. Infelizmente, a indisposição dos jornalistas, especialmente das TVs, com as Polícias e a determinação de tratar arruaceiros como manifestantes, sob a patrulha severa de milícias nas redes sociais, acabaria dando nisso. Esse tipo de comportamento não colabora para melhorar nem o jornalismo nem a democracia.
Não sou Catão de ninguém nem me atribuo esse papel. Mas conviria que o jornalismo brasileiro voltasse ao livro texto da Constituição. Liberdade de manifestação não se confunde com baderna.
Tenho a certeza de que haverá um claro e inequívoco pedido de desculpas. Por Reinaldo Azevedo

O GABINETE DO DOUTOR CALLEGARI, SOB ORDENS DE HADDAD, DESCOBRIU QUE POBRE FAZ MAU USO DAS CANETAS, DOS LÁPIS E DOS CADERNOS E DECIDIU CORTÁ-LOS! É O SOCIALISMO DO "HOMEM NOVO"


Haddad na posse: com a caneta que ele está tirando do bolso, assinou a ordem para cortar canetas dos pobres. Afinal, é um instrumento que tem de estar disponível para os que sabem usá-lo com correção
Haddad na posse: com a caneta que ele está tirando do bolso, assinou a ordem para cortar canetas dos pobres. Afinal, é um instrumento que tem de estar disponível para os que sabem usá-lo com correção
Como são pitorescos os petistas!
O prefeito Fernando Haddad, o “Homem Novo”, cortou canetas, lápis e cadernos do material escolar distribuído aos estudantes da rede municipal — material que ainda não começou a chegar, é bom que fique claro, a exemplo dos uniformes, também atrasados. Havia 41 itens no kit, agora reduzidos a 22. Bem, imaginem se a decisão tivesse sido tomada por um tucano. A rede petralha na Internet já estaria acusando a Prefeitura de detestar os pobres, de discriminar os humildes e, claro!, de ser também racista, já que alguém daria um jeito de demonstrar que a maioria dos beneficiários é composta de negros e mestiços. Vocês sabem como funciona a máquina de difamação dessa gente.
Pois bem. Setores da imprensa têm alguns, como posso chamar?, “queridinhos” na gestão Haddad. Roberto Porto, secretário de Segurança, é um deles. Outro é o da Educação, Cesar Callegari — que afirmou à Folha que a Prefeitura pode repor material escolar caso o novo kit se mostre insuficiente. Certo. Ao jornal, deu ainda uma declaração declaração, como chamarei?, estonteante. Leiam.
Callegari - declaração
Entendi. A pobrada estava deitando e rolando com o farto material que lhe fornecia a Prefeitura. Depois de uma pesquisa profunda, detalhada, meticulosa, os petistas concluíram que as donas de casa estavam usando folhas de caderno para fazer lista de supermercado. Lista de supermercado???
Em que mundo vive o doutor? Ninguém mais faz isso hoje em dia. Os hipermercados estão em baixa — as grandes redes aderiram ao modelo dos mercadinhos — porque não existe mais essa história de lista. As donas de casa vão comprando as coisas aos poucos, ao longo do mês. Mas, para sabê-lo, é preciso conhecer pobres de verdade, não aqueles que aparecem nos manuais petistas.
E parece que noto também uma certa tentação anticonsumista na medida de Callegari. Ao escrever, nesta manhã, sobre as baixarias da petezada contra a médica cubana, afirmei que o PT se mostra homofóbico, falso-moralista, misógino e racista se julgar que isso é episodicamente bom para o partido.
E, como a gente nota, sempre por bons e nobres motivos, pode ser também antipobre. O doutor Callegari acha que, se der menos cadernos, canetas e lápis para o povo, estará contribuindo para a sua educação. Caneta não é pra qualquer um; só para quem sabe usá-la. Por Reinaldo Azevedo

MINISTRO JOAQUIM BARBOSA PROTELOU DECISÃO SOBRE A PRISÃO DO BANDIDO PETISTA JOÃO PAULO CUNHA PARA NÃO ATRAPALHAR A CAÇADA AO BANDIDO MENSALEIRO HENRIQUE PIZZOLATO

Revela o jornalista Jorge Serrão, editor do blog Alerta Total - O Presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, tinha pleno conhecimento da sigilosa investigação feita pela Interpol (envolvendo a Polícia Federal do Brasil, da Argentina, da Espanha e a Guarda de Finança da Itália) para localizar e prender Henrique Pizzolato – foragido após condenação a 12 anos e 7 meses de prisão por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro. Foi para não atrapalhar a caça a Pizzolato que Barbosa não teve pressa em determinar a prisão do deputado João Paulo Cunha, antes das férias do Judiciário. Barbosa foi comunicado por seus assessores de inteligência no STF que a Polícia Federal estava monitorando comunicações entre Pizzolato e a cúpula petista, principalmente alguns condenados na Ação Penal 470. Por sorte, a Interpol interceptou pelo menos uma ligação telefônica feita do Brasil para Pizzolato, na Itália, no dia 16 de janeiro. Quem ligou foi ninguém menos que o deputado João Paulo Cunha. Na interpretação da conversa interceptada pela Polícia Federal, Cunha teria pedido um depósito em dinheiro na conta de uma prima. Tal ligação entre o deputado e o foragido foi fundamental para a polícia italiana localizar Pizzolato. Mas o ato fatal para pegá-lo – segundo versão vazada da investigação - foi uma doação de 50 mil euros feira na Europa para a conta, no Brasil, do ex-tesoureiro petista Delúbio Soares. O dinheiro veio em nome de italianos e marroquinos usados como “laranjas”. Agora, a Procuradoria Geral da República e a Polícia Federal, com a ajuda do Coaf, investigam se houve doações semelhantes para José Genoíno. Os investigadores analisam dados de dois computadores apreendidos na casa do sobrinho de Pizzolato, no momento da prisão em Pozza de Maranello. A Interpol também investiga detalhes de viagens feitas por Pizzolato pela Europa – principalmente pela França e pela Suíça – para realizar transações bancárias. Caso se confirmem tais movimentações financeiras, haverá evidências de que Pizzolato teve ajuda dos companheiros petistas para fugir do Brasil com o objetivo de cuidar do que sempre fez: gerenciar recursos do esquema do Mensalão – e, possivelmente, de outras falcatruas. No interrogatório à Guarda de Finança da Itália, Pizzolato repetiu a mentira de que é completamente inocente das acusações no processo do Mensalão e reiterou que “agiu apenas cumprindo ordens superiores como funcionário do Banco do Brasil” (do qual foi diretor de Marketing). Pelas investigações, Pizzolato continua fazendo parte do time. Seu descontentamento com a cúpula petista, no entanto, pode não ser uma mera encenação, como pode parecer á primeira vista. Pizzolato protagoniza, certamente, um jogo de pressão. O Alerta Total já tinha antecipado na edição extra de ontem que, em um cofre bancário no exterior, Henrique Pizzolato tem uma caixa com três HDs (Hard Disks) contendo um arquivo completo de todas as negociações feitas entre 2003 e 2007 com o esquema do publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza. Pizzolato confia que tais documentos – que podem ser colocados à disposição das autoridades italianas – serviriam como seu “seguro de vida”. Por isso, os petralhas não têm o menor interesse que Henrique Pizzolato seja extraditado pela Itália (país no qual tem cidadania). Farão de tudo para atrasar a resolução final pela justiça italiana. Enquanto isso, já corre nos bastidores do poder uma operação abafa para que dê em nada a investigação sobre a origem do dinheiro doado a Delúbio Soares e José Genoíno. Na tática de despiste, o presidente do PT, Rui Falcão, já entrou ontem com uma representação no STF contra Gilmar Mendes. Falcão alega que o ministro cometeu uma “ofensa à honra do partido, ao sugerir que houve lavagem de dinheiro nas doações a Delúbio e Genoíno”. Pizzolato participa hoje, ás 11 horas, de uma audiência na Corte de Apelação de Bolonha, quando repetirá que não deseja a extradição para o Brasil. Assim, o caso tende a uma providencial embromação. O assunto pode parar na Corte de Cassação de Roma, demorando uns seis meses até uma decisão final. O advogado italiano dele, Lorenzo Bergami, pedirá a liberdade do cliente ou, no máximo, uma prisão domiciliar, com uso de bracelete eletrônico. Formalmente, Pizzolato está preso por falsidade ideológica (tinha um passaporte falso em nome do falecido irmão Celso Pizzolato). Aliás, tal falsificação tende a agravar o julgamento contra Pizzolato, favorecendo sua extradição, caso seja formalmente pedida pelo Brasil. As investigações deixam claro que Pizzolato premeditava uma fuga desde 2007. Difícil vai ser demonstrar que Pizzolato não contou com a ajuda da máquina petralha para montar a falsificação documental que viabilizou sua fuga do Brasil, via Argentina, seguindo pela Espanha, até chegar a Itália. O jornal O Globo relata que, para conseguir obter um passaporte brasileiro em nome do irmão Celso, morto em 1978, Henrique Pizzolato apresentou à Receita Federal, ainda em 2007, uma Declaração Anual de Isento em nome do irmão — 29 anos depois de ele ter falecido. A Receita não se deu ao trabalho de verificar por que um homem, que na época teria 53 anos, havia ficado tanto tempo sem informar nada ao Leão. Com a situação fiscal regularizada, Pizzolato tratou de regularizar o CPF de Celso. Na página da Receita, é possível ver que a situação cadastral em nome do falecido está regular, o que significa que, para a Receita, ele não deve nada e é um cidadão vivo. Em Santa Catarina, também em 2007, o Instituto de Identificação do Estado expediu uma carteira de identidade em nome de Celso Pizzolato. A falsificação foi possível porque em 1978, quando Celso morreu num acidente de carro, a família não enviou o atestado de óbito aos cartórios. De posse do RG falso, Pizzolato partiu para a confecção de novos documentos. O próximo passo foi regularizar a situação de Celso no Tribunal Superior Eleitoral porque, para a emissão de passaporte são exigidos, entre outras coisas, RG e título de eleitor com comprovante de regularização. Pizzolato procurou a Justiça Eleitoral do Rio, onde morava, em janeiro de 2008. Por se alistar fora do prazo — na época, Celso deveria ter 54 anos — ele teve de pagar R$ 3,51. Após se recadastrar, “Celso” faltou ao 1º e 2º turnos das eleições de 2010. Mas, Pizzolato, preocupado em não fazer do irmão um inadimplente, pagou, em março de 2011, a multa pelo não comparecimento: R$ 7,02. A Polícia Federal em Santa Catarina instaurou inquérito policial para investigar toda essa safadeza. Mas, como de costume, a tendência é que o caso corra com a máxima lentidão, até cair no tradicional esquecimento. No Brasil da corrupção e da impunidade, sob governança do crime organizado, só haverá punição rigorosa se e quando o PT for tirado do poder.

HOMEM NOVO - O PETISTA HADDAD REDUZ KIT ENTREGUE A ESTUDANTES E CORTA CANETA, LÁPIS E CADERNO: ÍTENS CAÍRAM DE 41 PARA 22

A administração Fernando Haddad (PT) decidiu reduzir a quantidade de material escolar entregue uma vez por ano aos cerca de um milhão de alunos da rede municipal paulistana –dos ensinos infantil e fundamental. Na primeira etapa do fundamental (1ª a 6ª séries), por exemplo, as crianças recebiam 41 itens. Agora, são 22.

Foram retirados materiais como as oito canetas esferográficas e os três cadernos universitários (com espiral). A quantidade de lápis foi reduzida de seis para quatro. O kit do aluno foi criado na gestão Marta Suplicy (PT, de 2001-2004). A lista de materiais para 2014 é a primeira desenvolvida pela gestão Haddad, ex-ministro da Educação. A do ano letivo passado havia sido feita pelo governo Gilberto Kassab (PSD). A atual Secretaria de Educação disse que havia desperdício de materiais na relação de compras anterior.
A pasta citou como exemplo as canetas esferográficas para alunos da 1ª à 3ª séries. Nesta etapa, disse, a prioridade é o lápis. Estudantes da 4ª à 6ª séries, porém, também não levarão caneta para casa. A prefeitura disse ainda que parte dos itens cortada do kit dos alunos será enviada no material a ser utilizado coletivamente nos colégios. Ainda no caso das canetas, serão mandadas 300 para cada escola de ensino fundamental (cem de cada cor). Quase metade dos colégios municipais possui de 800 a 1.500 estudantes.
“Não vejo nenhum projeto pedagógico consistente que justifique esse corte de itens”, afirmou a pesquisadora Angela Soligo, da Faculdade de Educação da Unicamp: “Você pode até entender que criança pequena não use caneta. Mas diminuíram os lápis. A criança no fim do ano escreverá com o dedo? E é importante ela ter material para trabalhar em casa". 

CUIDADO, SENHORES! SE A PAPUDA VIRA PARLAMENTO, O PARLAMENTO PODE SER CONFUNDIDO COM A PAPUDA!

Ai, ai… O deputado presidiário João Paulo Cunha (PT-SP) vinha perdendo a compostura faz tempo. Boa parte dela se foi quando protagonizou parte das tramoias do mensalão, o que lhe rendeu condenações por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato. Outra parte ele perdeu depois de condenado, quando saiu vociferando por aí contra o ministro Joaquim Barbosa, esquecendo se de que, em dois crimes, ele foi condenado por 9 a 2; em um, por 6 a 5. Logo, Barbosa, sozinho, não poderia mandar ninguém para a cadeia.

Com a compostura zerada, ele decidiu perder também aquela coisa que faz corar as pessoas. Como a gente chama? Decoro? Vergonha? Limites? Não é que o homem decidiu reivindicar à Vara de Execuções Penais do DF a licença para continuar a exercer o mandato durante o dia? Não só isso: também quer sair para dar sequência a seu curso de direito. Este senhor foi condenado a nove anos e quatro meses de prisão, o que lhe renderia regime fechado. Como recorreu de uma das condenações — por lavagem — a parte já com trânsito em julgado é de seis anos e quatro meses. Caso o STF recuse aquele recurso, ele vai é para o regime fechado.
Qual é a de João Paulo? Ele quer fazer de conta que não é o que é: um condenado, um presidiário? Como já escrevi aqui, o regime semiaberto também é um regime fechado, mas que permite certas regalias, a depender da decisão do juiz, com base no comportamento do preso. O regime semiaberto não é o aberto, o do albergado, em que o condenado é apenas obrigado a dormir numa instituição pública.
João Paulo já disse que não vai renunciar. O PT fará de tudo para retardar a abertura do processo de cassação pela Mesa da Câmara. A rigor, já está aí um conflito entre Poderes. O Supremo já havia decidido pela perda automática do mandato dos mensaleiros, mas a Presidência da Câmara insiste que essa é uma prerrogativa sua.
Para que um processo comece, precisa ser aprovado pela Mesa Diretora, onde o PT tem dois representantes. Eles devem pedir vista para adiar o máximo possível. O voto, desta feita, será aberto. Vamos ver. Enquanto isso não acontece, o Brasil passa pelo vexame histórico de ter dois deputados presidiários: João Paulo e Natan Donadon. Por decisão do presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), por enquanto, João Paulo continua com todas as regalias próprias de um deputado.
Os parlamentares que decidiam. Se um lugar feito para recolher bandidos começa a abrigar deputados, os deputados não poderão reclamar se a população passar a confundir a Câmara com um lugar de bandidos. Por Reinaldo Azevedo

A COVARDIA DE PARTE CONSIDERÁVEL DA IMPRENSA E DOS JORNALISTAS É NAUSEABUNDA ATÉ UM UM CINEGRAFISTA, QUE ESTAVA TRABALHANDO, AGONIZA NO HOSPITAL

Santiago Andrade é cinegrafista da Band. Na noite desta quinta, ele estava trabalhando. Cobria o chamado protesto contra o reajuste das passagens de ônibus no Rio. Reajuste correto e necessário — a menos que você, leitor, acredite que existe almoço grátis. Marcharam contra a elevação da tarifa, de R$ 2,75 para R$ 3, os de sempre: partidos de extrema esquerda e, claro, os black blocs. Já não tenho estômago para ouvir repórteres na TV recitando um textinho de manual: “A manifestação era pacífica…”. Mentira! Nunca foi. Até porque os black blocs estavam na turma. E eles nunca são pacíficos. São os primeiros a confessar. Um artefato explosivo atingiu a cabeça de Santiago. Houve afundamento craniano. Já foi submetido a uma cirurgia e está em estado gravíssimo no Hospital Souza Aguiar.

Vejam agora uma sequência de seis fotos, que registram o momento exato em que Santiago é ferido. Volto em seguida.
Santiiago 1Santiago 2Santiago 3Santiago 4Santiago 5Santiago 6
Os veículos de comunicação todos estão reticentes. Dizem não saber se Santiago foi atingindo por uma bomba de gás lacrimogêneo ou algum outro artefato. Não tinha visto ainda esta sequência. Agora vi. Desde quando bomba de gás — ou mesmo a de efeito moral — provoca essa luz? Que história é essa? Há testemunhos de que manifestantes — leia-se, no caso, bandidos — lançaram vários morteiros ou sinalizadores durante os confrontos com a polícia. A luz avermelhada registrada ali e os restos da explosão são, obviamente, compatíveis com morteiro ou sinalizador. Ainda que seja alguma outra coisa, não se trata de bomba de gás ou de efeito moral.
E a Polícia Militar só carrega essas duas. Os demais explosivos são levados para as ditas manifestações pelos arruaceiros. Até uma nota oficial da Band fala da hipótese de ser uma bomba de gás… Desde quando ela causaria aquela luz e provocaria o afundamento de crânio com a gravidade que está sendo noticiada? Não custa lembrar: um sinalizador, como aquele que matou o menino boliviano num estádio de futebol, pode atingir até 300 km por hora.
Associações de jornalistas e emissoras de TV divulgaram notas de solidariedade, mas se negam a censurar a violência explícita e organizada desses que são chamados de manifestantes. Manifestantes defendem ideias, pontos de vista, fazem reivindicação. Não saem por quebrando e incendiando tudo.
Mais uma vez, aquela turma de ontem decidiu depredar a Central do Brasil e as ruas do entorno. Partiram para o confronto com a polícia e hostilizaram, de novo, a imprensa. O jornalismo, no entanto, prefere olhar para o outro lado e se nega a dizer o nome dos seus agressores, uma gente que odeia a democracia, a liberdade e o estado de direito. É mentira! Eles não querem ônibus mais barato porcaria nenhuma! Querem se impor pela violência e pelo terror. Por Reinaldo Azevedo

PT DECIDE ATACAR A HONRA PESSOAL DE RAMONA, A MÉDICA CUBANA, ACUSANDO-A ATÉ DE QUERER… NAMORAR!!! É ASQUEROSO!

Deputado José Geraldo: preconceito e perseguição ideológica
José Geraldo: a cara do preconceito e da misoginia
O PT combate a homofobia, certo? Depende! Na disputa municipal de 2008, Marta Suplicy perguntou se um adversário era casado e tinha filhos. Assim, se for para vencer uma eleição, o PT pode ser homofóbico. A homofobia petista é para garantir o bem maior: o poder do PT. O PT defende os direitos das mulheres, certo? Depende! Se for para sair de uma enrascada, o partido passa tratá-las como lixo. A misoginia petista é para garantir o bem maior: o poder do PT. O PT defende a liberdade sexual, certo, especialmente a das mulheres? Depende. Se for para defender a sua turma, pode chamá-las de devassas. O moralismo rombudo petista é para garantir o bem maior: o poder do PT. O PT combate o racismo, certo? Depende. Se for para proteger os seus condenados, pode espalhar por aí que Joaquim Barbosa é um negro ingrato e traidor. O racismo petista é para garantir o bem maior: o poder do PT.
Na quinta-feira, teve lugar na Câmara dos Deputados uma cena asquerosa, de uma vileza espantosa. O deputado José Geraldo (PT-PA) foi à tribuna para atacar a reputação da médica cubana Ramona Rodríguez, que desertou do programa “Mais Médicos”. O sujeito não se contentou em atacá-la profissionalmente, em desmoralizá-la tecnicamente, em dispensar-lhe o tratamento de objeto, que se joga de um lado para outro, como coisa.  Eles fez chegar aos jornalistas uma carta que acusa a médica de, digamos, tendente à devassidão. Reproduzo o trecho de seu discurso que se refere a Ramona, extraído das notas taquigráficas. Volto depois. Segurem o estômago. Segue em vermelho, conforme o original.
Para terminar, eu quero dizer aos Deputados da oposição, Sr. Presidente, ao Mais Médicos, que podem levar a médica Ramona lá para o Goiás, para o Rio Grande do Sul; paguem um salário para ela, porque o Município do Pacajá não quer essa médica lá. Essa médica foi vista várias vezes totalmente embriagada, a ponto de que nem seus colegas cubanos querem ela mais lá. Eu estou falando porque é o Município de atuação parlamentar deste Deputado. São cinco médicos — três médicas e dois médicos —, e ela não se enquadra. A população quer médicos equilibrados. Infelizmente, numa leva de 10, 13, 15 mil médicos, aparece um ou outro que não tem como prestar um bom serviço à população.
E estou aqui com uma nota do Presidente do Conselho de Saúde do Município do Pacajá, esclarecendo que esta médica não faz falta nenhuma lá naquela cidade; muito pelo contrário, ela não era mais aceita nem pelos seus colegas, que vieram de Cuba.
Então, os Deputados de oposição, que a receberam em seu apartamento aqui em Brasília, podem fazer uma vaquinha, pagar um salário para ela, e podem levá-la para onde quiser, porque lá no Município do Pacajá nem o Prefeito nem Vereadores nem os seus colegas querem ela mais lá. É bom que ela volte para o seu país de origem, porque ela não tem condições prestar serviço médico aqui no Brasil.
Era esse esclarecimento. Estou aqui com a nota que o Presidente do Conselho Municipal de Saúde do Município do Pacajá me mandou, esclarecendo sobre o comportamento dessa médica, nos poucos dias que ela ficou no Município.
RetomoE José Geraldo teve a indignidade de distribuir a tal carta da Presidente do Conselho de Saúde do Município de Pacajá, cujo prefeito é do PSB. Na carta, lê-se o seguinte (conforme o original):“Ao chegar em Pacajá a Drª Ramona fez amizade com um comerciante local passando a frequentar a casa do mesmo, e por várias vezes ingeriu grande quantidade de bebida alcoólica ficando visivelmente embriagada. Recentemente ao retornar à noite para casa onde se hospeda, trouxe consigo um homem estranho, no intuito de levá-lo aos seus aposentos e foi impedida pelas colegas que não concordaram com a presença do estranho por ser essa uma conduta proibida pelas regras de convivência da casa. Tal fato arruinou de vez a convivência da Drª Ramona com suas colegas de trabalho chegado a se indispor com enfermeiros e demais funcionários do hospital onde trabalhava”.
Assassinato de reputaçãoEis aí. Essa é uma prática corrente das tiranias, especialmente das comunistas. Aquele que incomoda ou que é dissente é tratado como louco, como bêbado ou como devasso. Aliás, a carta da tal presidente do Conselho deixa claro em que condições moram os cubanos: em espécie de alojamentos, submetidos a regras coletivas. As pessoas estão impedidas de levar uma vida normal. E nem seria possível, já que ganham um salário de fome. Releiam o trecho. Ainda que o que vai acima fosse verdade, do que a médica estaria sendo acusada: de fazer sexo?
Se Ramona tivesse ficado quieta, de boca fechada, então não seria bêbada, relapsa ou devassa. Em outras circunstâncias, ONGs que defendem os direitos das mulheres sairiam em defesa da cubana. Desta feita, como vocês verão, não vai acontecer nada. A ministra Eleonora Menicucci, das Mulheres, também vai se calar. E não se deve esperar que Maria do Rosário, dos Direitos Humanos, proteste.
Ora, como esquecer os espetáculos grotescos que esquerdistas protagonizaram no Brasil por ocasião da visita de Yoani Sánchez? Uma blogueira dissidente, que enfrenta uma ditadura, foi perseguida por uma malta em nosso país, e o Parlamento brasileiro abrigou discursos de pterodáctilos contra a sua presença. Ela não conseguiu participar de debates porque os vândalos não permitiam.
É nojento o que fez este deputado Zé Geraldo. Se as chamadas feministas do PT tiverem um mínimo de vergonha na cara, vão protestar com veemência contra a baixaria. Mas não farão isso.
O PT pode ser homofóbico se precisar.
O PT pode ser machista se precisar.
O PT pode ser misógino se precisar.
O PT pode ser até racista se precisar.
Por Reinaldo Azevedo

NÃO TENHO RESPEITO POR UMA IMPRENSA QUE PUXA O SACO DOS SEUS ALGOZES. COVARDES! O ÓBVIO É RECONHECIDO: CINEGRAFISTA NÃO FOI ATINGIDO PELA POLÍCIA DO RIO DE JANEIRO. EU "DESCOBRI" ISSO VENDO UMA FOTO!


Foi a ignorância ou a má-fé que levou alguns a achar que isso poderia ser uma bomba de gás lacrimogêneo?

Foi a ignorância ou a má-fé que levou alguns a achar que isso poderia ser uma bomba de gás lacrimogêneo?
Até quando a imprensa brasileira, com raras exceções, vai ser tolerante com os black blocs?
Até quando a imprensa brasileira, com raras exceções, vai confundir direito à livre manifestação com arruaça?
Até quando a imprensa brasileira, com raras exceções, vai primeiro condenar a polícia para depois apurar o que que aconteceu?
Até quando a imprensa brasileira, com raras exceções, vai fingir que as ditas manifestações são essencialmente “pacíficas” e depois fogem do controle?
Até quando a imprensa brasileira, com raras exceções, vai se calar sobre o cerco que sofre nas ruas — E QUE NÃO É DA POLÍCIA?
Até quando a imprensa brasileira, com raras exceções, vai esconder de telespectadores, de leitores, de internautas e de ouvintes que está sendo caçada nas ruas por bandidos disfarçados de sonhadores?
Até quando a imprensa brasileira vai confundir uma horda de comuno-fascistoides com democratas?
Até quando a imprensa brasileira, com raras exceções, vai puxar o saco de seus algozes?
Pronto! Agora os especialistas falam o que já era evidente desde o primeiro momento — bastava ver as fotos: o cinegrafista Santiago Andrade, da Band, que foi gravemente ferido na manifestação desta sexta, no Rio, foi vítima de morteiro, ou algo parecido, mas não de bomba de gás lacrimogêneo.
Órgãos de comunicação e associações de jornalistas emitiram notas covardes a respeito, afirmando desconhecer a origem do artefato explosivo que atingiu Andrade — sempre presente a hipótese da bomba de gás.
Tenham paciência! Eu nunca cobri protestos de rua. Eu já fiz protestos de rua. Eu nunca reportei bombas de gás; eu já enfrentei bombas de gás. Só a ignorância alarmante ou a má-fé — eventualmente uma combinação das duas coisas —, diante daquelas imagens, poderia insistir na hipótese de que fosse uma bomba de gás ou de efeito moral. Desde quando produzem aquela luz? Desde quando produzem aqueles fragmentos? Desde quando têm aquelas características? Ninguém tinha o direito de se enganar depois da divulgação da primeira imagem.
Mas como resistir à tentação de condenar a polícia? Infelizmente, boa parte dos jornalistas detesta mais os policiais do que os bandidos. Sei que muitos babam de rancor quando escrevo essas coisas, mas eu sempre digo o que penso, mesmo quando não me pagam para isso.
Mas como resistir à tentação de puxar o saco dos ditos “manifestantes”? Afinal, tudo o que jornalista mais teme hoje em dia é cair na boca do sapo de grupelhos terrorististoides nas redes sociais. Muitos jornalistas hoje em dia querem mais ser amados do que se comprometer com a verdade.
Imaginem
Imaginem o escarcéu que não se estaria a fazer a esta altura se Andrade tivesse sido ferido pela polícia. Alguém dirá: “Ora, Reinaldo, é natural. A polícia está aí para proteger as pessoas”. É verdade! Mas e os manifestantes? Sua tarefa é agredir os policiais e os bens públicos e privados?
Ainda ontem li textos moralmente delinquentes afirmando que a polícia do Rio usou bombas de gás lacrimogêneo e que os manifestantes responderam com paus, pedras e depredações. Como é que é? Foi o contrário! Quem reagiu foi a polícia. Voltemo-nos um pouco para São Paulo. Não fossem duas câmeras de segurança, os policiais que atiraram no tal Fabrício Proteus estariam com suas vidas e carreiras destruídas. Como o algoz de manual era a vítima, e a vítima de manual era o algoz, não se fala mais do assunto.
As associações de jornalistas, no entanto, são incapazes de emitir uma nota de protesto sem aquele tom politiqueiro e demagógico que, no fim das contas, acaba acusando sempre a polícia. Uma delas cobra que o estado garanta o direito à livre manifestação. É? Quem, por acaso, a está ameaçando?
E a OAB do Rio de Janeiro? Continua a se comportar como babá de black blocs? Informa a VEJA.com:Um fotógrafo da Agência O Globo que testemunhou e registrou a explosão afirmou, em entrevista ao RJTV, ter visto o momento em que um integrante do grupo Black Bloc acendeu o artefato e lançou na direção de policiais. O homem que acendeu o explosivo usava, segundo ele, calça jeans e camisa cinza. O comandante do 5º BPM (Praça da Harmonia), Luiz Henrique Marinho, estava a poucos metros do local e disse ter visto, no momento da explosão, manifestantes mascarados lançando bombas caseiras contra os policiais.
Pois é… Fica uma dica: de hoje em diante, ao contratar um jornalista, sugiro que uma questão seja considerada eliminatória: “Você conhece bomba de gás lacrimogêneo?”. Por Reinaldo Azevedo

TRABALHADORES DE PORTO ALEGRE JÁ PAGARAM 20 MILHÕES DE REAIS A MAIS EM PASSAGENS PARA OS DONOS DOS ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

Os moradores de Porto Alegre, trabalhadores assalariados, nestes 12 dias de duração da selvagem greve de motoristas e cobradores de greve, totalmente ilegal, conforme já decretado pela Justiça, já gastaram a mais, de seu próprio bolso, a quantia não inferior a 20,4 milhões de reais para pagamento de passagens nos lotações que funcionam na cidade. Vale dizer: esses lotações pertencem aos donos das empresas de ônibus, muitos deles colocados em nome de seus parentes. Assim, o dinheiro que os empresários deixam de ganhar por causa da paralisação dos ônibus, entra por meio dos lotações, um tipo de veículo de custo muito inferior, e que funciona com apenas um funcionário. Por isso os donos das empresas não têm qualquer pressa para resolver o problema. Está muito bom para eles, os lucros são ainda maiores com a greve. Aliás, isso é tudo, menos greve de trabalhador, é lockout, movimento de paralisação do serviço essencial por ordem dos patrões. O grande prejudicado é o povo que precisa de transporte, e seu prejuízo não será reposto por ninguém. É um legítimo assalto à economia popular. Quem patrocina esse assalto, além dos donos das empresas? Vamos lá, por partes: 1) a Força Sindical, do vereador Claudio Janta, que decretou a greve; 2) o PSOL, que tomou conta da greve; 3) o governador do PT, o peremptório "grilo falante" Tarso Genro, que nega a atuação da Brigada Militar para dar segurança à saída dos ônibus das garagens das empresas; 4) a Justiça do Trabalho, que age com uma tibieza fabulosa, nunca vista, que permite inclusive a afronta total às suas decisões.

ANFAVEA DIZ QUE JANEIRO DE 2014 É O MELHOR DA HISTÓRIA EM LICENCIAMENTOS

A produção de veículos no mês de janeiro superou dezembro em quase 6,6 mil unidades. Os números de montagem e vendas foram maiores em todas as regiões do Pais. Segundo dados divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), 312,6 mil unidades foram comercializadas, fato que caracteriza o último mês como o melhor janeiro da história em licenciamento de automóveis. O volume significa acréscimo de 0,4% sobre os 311,5 mil veículos de janeiro de 2013. Para o presidente da Anfavea, Luiz Moan Yabiku Junior, os resultados poderiam ser ainda melhores caso a liberação dos financiamentos do PSI - linha de crédito utilizada para caminhões, ônibus, máquinas agrícolas e rodoviárias - tivesse ocorrido mais no início do mês. A produção de veículos automotores no Brasil fechou janeiro com 237,5 mil unidades fabricadas. Isso representa um aumento de 2,9% em relação a dezembro de 2013. No entanto, em janeiro do mesmo ano foram produzidas 292,2 mil unidades, número que corresponde a 18,7% mais veículos produzidos que no primeiro mês deste ano. A queda mais sentida foi no consumo externo. Em janeiro de 2014 foram exportados 25,8 mil autoveículos. Número 28,9% menor que os 36,2 mil que deixaram o País no mesmo mês do ano passado. Todas as regiões do País registraram, desde 2002, aumento nos níveis de produção e do consumo interno. Em 2013 foram comercializadas 3,77 milhões de veículos automotores no Brasil. Este número representa um crescimento de 154,8% frente às 1,5 milhões de unidades vendidas em 2002. Quanto à produção, no ano passado foram montados 3,71 milhões de autoveículos, enquanto que em 2002 o país produziu 1,79 milhões.

ESTADOS UNIDOS REDUZIRÃO AÇÃO DE DRONES NO PAQUISTÃO

O governo do presidente norte-americano, Barack Obama, reduzirá o programa de ataques com drones (aviões não tripulados) no Paquistão.   Desta forma, os alvos serão limitados a uma lista de terroristas de alto nível, entre eles o número 1 da Al Qaeda, Ayman al Zawahri. A redução reflete as queixas do Paquistão e os problemas que a CIA deve enfrentar no final deste ano, quando as forças norte-americanas devem se retirar do país vizinho Afeganistão, onde estão as bases dos drones, escreveu o jornal "The Wall Street Journal". A medida foi fomentada por questões logísticas, mas também pelo risco de travar o diálogo entre o governo paquistanês e os talibãs do Tehrek-e-Taliban Pakistán (Ttp), que teve início em Islamabad.

CÂMARA DOS DEPUTADOS VAI VOTAR PELA SEGUNDA VEZ A CASSAÇÃO DO DEPUTADO FEDERAL BANDIDO NATAN DONADON

Vai a voto no plenário da Câmara, pela segunda vez, o pedido de cassação do mandato do deputado federal presidiário Natan Donadon. Será na quarta-feira da próxima semana. Para que a anomalia seja extirpada será necessário que pelo menos 257 dos 513 deputados votem a favor da cassação. Donadon foi condenado pelo STF a 13 anos de prisão por formação de quadrilha e pelo desvio de R$ 8 milhões da Assembleia Legislativa de Rondônia. Encontra-se no presídio da Papuda, em Brasília, desde junho do ano passado. Em agosto, numa sessão espantosa, a Câmara optou por manter o mandato do preso. Votaram a favor da cassação 233 deputados. Faltaram 24 votos para atingir o mínimo necessário para a cassação. Votaram contra 131 deputados. Abstiveram-se 41. Agora o voto será aberto. Nada de cédulas nem de urnas. A reanálise da cassação de Donadon ocorrerá na sessão noturna da Câmara. Antes, em reunião vespertina, a Mesa diretora da Casa decidirá o que fazer com o bandido petista mensaleiro João Paulo Cuna PT-SP), o mais novo detento-parlamentar. Baixado à Papuda na terça-feira (5), João Paulo ganhou uma semana para refletir sobre a renúncia.

TELECOM APROVA PROCEDIMENTO PARA EVENTUAL VENDA DA TIM BRASIL

O Conselho de Administração de Telecom Italia aprovou nesta quinta-feira por unanimidade, em reunião em Milão, um "procedimento especial e reforçado" para a eventual venda da TIM Brasil. Além disso, o procedimento valerá para qualquer ativo ou bem de Telecom que tenha um valor superior a 2 bilhões de euros (R$ 6,5 bilhões), informou a companhia em comunicado. Os detalhes do acordo serão publicados nos próximos dias no site da companhia. "O procedimento estabelece um percurso sumário e decisivo para as operações que possam causar a transferência de qualquer sujeito externo a Telecom Italia nas participações que possui na sociedade do grupo TIM Brasil", explica o comunicado.

OPOSIÇÃO ARGENTINA PEDE A RENÚNCIA DO VICE-PRESIDENTE ACUSADO DE "DELINQUENTE"

A oposição argentina reivindicou nesta quinta-feira a renúncia ou a abertura de um julgamento político contra o vice-presidente, Amado Boudou, a quem acusam de "delinquente" depois que o Ministério Público pediu seu indiciamento em um caso de corrupção por "negociações incompatíveis" com a função pública. "Boudou é um delinquente, mas não menos que os demais de seu partido", afirmou nas redes sociais a deputada Elisa Carrió, da coalizão de esquerda UNEN. A opositora previu que Boudou, que também ocupa o cargo de presidente do Senado argentino, renunciará "no final de fevereiro ou no início de março". Segundo Carrió, a situação pode desembocar em um "auto golpismo" já que, perante uma possível recaída da presidente peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner, que esteve ausente por doença entre outubro e novembro, o próximo presidente do Senado, que será nomeado em março, seria o encarregado de exercer a presidência. O deputado Felipe Solá, da opositora Frente Renovadora, também reivindicou a renúncia do vice-presidente, em declarações a uma rádio local, "para libertar" Cristina Kirchner, já que "se Boudou for processado, vai haver uma reviravolta" no governo. Por sua parte, Patricia Bullrich, parlamentar da coalizão conservadora Proposta Republicana (PRO), pediu a abertura de um julgamento político para estudar a cassação do líder. Além disso, Margarita Stolbizer, do partido social-democrata Geração para um Encontro Nacional (GEN), criticou a "enorme proteção política" da qual, segundo sua opinião, goza Boudou, e que lhe permitiu continuar no cargo até agora. O procurador Jorge Di Lello acusou Boudou de ter usado seu cargo de ministro da Economia (2009-2011) para beneficiar a empresa de papel-moeda Ciccone Calcográfica. Segundo o procurador, o agora vice-presidente deu um tratamento especial à empresa, que declarou falência em 2010 e que acabou nas mãos da sociedade The Old Fund, presidida por Alejandro Vandenbroele, apontado como "testa-de-ferro" de Boudou.

CHEFE DA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA MST DIZ QUE PROTESTAR DURANTE A COPA DO MUNDO É UM ERRO


  • O chefe da organização terrorista clandestina Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, afirmou nesta quinta-feira que realizar protestos durante a Copa do Mundo do Brasil é um erro. O motivo é simples, segundo ele: a maioria da população está interessada em acompanhar o torneio. "Não somos contra o Mundial. Todo o povo brasileiro quer assistir a Copa. Mesmo que os ingressos sejam muito caras e a Fifa fique com todo o lucro, as pessoas irão querer assistir em suas casa, pela televisão", analisou. O dirigente do MST ainda revelou que o movimento rural apoia as reinvindicações da sociedade, mas ressaltou que os problemas do País não se limitam às denúncias de irregularidades nas obras de construção dos estádios a serem usados na Copa. A supervalorização dos orçamentos é algo mínimo, segundo Stédile, na comparação com outras necessidades. O dirigente citou, por exemplo, a concessão realizada em 2013 para a exploração do campo de Libra. "O pior momento para as manifestações é durante o Mundial, seria um erro dos jovens. As mobilizações devem ser feitas antes", disse Stédile. Em 2013, diversas manifestações foram realizadas em cidades que receberão a Copa das Confederações e algumas delas terminaram em confronto entre polícia e protestantes. 

VIOLINO STRADIVARIUS ROUBADO REAPARECE NOS ESTADOS UNIDOS

Um raro violino Stradivarius roubado na semana passada, no estado do Wisconsin, foi encontrado em perfeito estado. Uma foto do instrumento, um violino feito à mão há 300 anos pelo famoso artesão italiano Antonio Stradivari, foi divulgada na conta de Twitter da Polícia da cidade de Milwaukee para celebrar sua recuperação em boas condições, exibido sobre um veludo lilás. O valioso instrumento tinha sido roubado do maestro Frank Almond, da Orquestra Sinfônica de Milwaukee, na noite de 27 de janeiro, quando três ladrões armados o atacaram depois de uma apresentação no Wisconsin Lutheran College. A polícia encontrou rapidamente a caixa do violino, mas não conseguiu convencer os ladrões, detidos na segunda-feira, a dizer o que tinham feito com o precioso instrumento. Finalmente, as autoridades conseguiram recuperar o Stradivarius, que estava escondido em uma bolsa no porão de uma casa no leste da cidade.

AVÓS DA PRAÇA DE MAIO ENCONTRA O 110º NETO DESAPARECIDO NA DITADURA MILITAR

A Associação das Avós da Praça de Maio anunciou nesta quinta-feira que foi identificada a 110° neta sequestrada e adotada ilegalmente durante a ditadura militar (1976-1983). A neta recuperada, que hoje tem 37 anos, é filha de Oscar Rómulo Gutiérrez e Liliana Isabel Acuña, sequestrados em 26 de agosto de 1976, quando sua mãe estava grávida de cinco meses. O anúncio foi feito em coletiva de imprensa pela presidente da associação, Estela de Carlotto, que estava acompanhada pelo tio da jovem e outros netos encontrados. A mulher, ausente da entrevista coletiva, se apresentou no último dia 31 de outubro na sede da associação com dúvidas sobre sua identidade. Sua mãe adotiva havia contado que ela foi encontrada em uma estrada na província de Buenos Aires e a polícia ofereceu o bebê. Desculpas similares são bastante comuns entre os casais, geralmente ligados à ditadura militar, que se apropriavam dos filhos de presos políticos quando estes eram mortos. Os pais da mulher foram assassinados em 1976. Ela era uma estudante de Agronomia e ele um sociólogo, ambos militantes do grupo peronista terrorista Montoneros. Seus avós faleceram antes de encontrar a neta. Vilma de Gutiérrez, avó paterna, foi uma das fundadoras da associação e morreu dois anos atrás. Criada no final dos anos 1970, a associação luta para identificar os bebês filhos de presos políticos que foram sequestrados e adotados. Acredita-se que cerca de 500 crianças tenham sumido durante este período.

ESTUDO MOSTRA QUE SECA AMEAÇA FRATURA HIDRÁULICA NOS ESTADOS UNIDOS

Os dois anos de seca que castigam o centro dos Estados Unidos estão pressionando a indústria de fratura hidráulica para gás e petróleo, de grande demanda hídrica, segundo um novo estudo publicado na quarta-feira. Quase 50% dos poços perfurados desde 2011 usando fratura hidráulica, com o objetivo de explorar depósitos de petróleo e gás, ficam em áreas com "estresse hídrico alto ou extremamente alto", segundo o estudo realizado pelo grupo Ceres, uma organização sem fins lucrativos que promove a sustentabilidade nos negócios. Isso poderia colocar a fratura hidráulica em conflito com outros usuários ou com recursos hídricos subterrâneos crescentemente pressionados, incluindo fazendeiros no meio-oeste e no oeste dos Estados Unidos. As maiores pressões ocorrem no Texas, onde tem havido um crescente 'boom' na fratura hidráulica nos últimos três anos. Nessa região, as empresas que usam água para suas operações são afetadas pela recente seca. Quem também enfrenta grandes problemas são os exploradores da técnica na Califórnia, que sofrem com a pior seca em um século. Os poços de fratura podem usar seis vezes mais água, em média, do que a perfuração convencional. Além disso, a fratura para a exploração de gás natural usa muito mais água do que os poços de exploração de petróleo, aumentando o estresse hídrico em regiões como Eagle Ford, no Texas.

CARTEL DOS TRENS: CORREGEDORIA DIZ QUE ATUAL SECRETÁRIO DE HADDAD DEFINIU PREÇO DE SERVIÇOS NA CPTM

A Corregedoria Geral da Administração (CGA), órgão do governo paulista, afirmou nesta quinta-feira que o engenheiro Osvaldo Spuri, atual secretário de Infraestrutura Urbana e Obras da prefeitura de São Paulo, trabalhou na formação de preços de concorrências e também como presidente da comissão de licitações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Spuri, que foi funcionário da CPTM de 1993 a 2005, nega ter participado da precificação dos serviços. O Ministério Público, a Polícia Federal e a CGA investigam como os preços eram definidos desde que a multinacional Siemens delatou a combinação dos valores por um cartel do setor metroferroviário.

Em nota, a Corregedoria disse que a CPTM confirmou nesta quinta-feira que Spuri tinha acesso aos documentos. “Podemos informar, galgados nos elementos constantes dos procedimentos administrativos, que o sr. Osvaldo Spuri, além de presidir as Comissões de Licitações, era Coordenador Técnico dos Projetos, de sorte a congregar todas as informações, inclusive a formação de orçamento.”
A Corregedoria informou que passou a apurar a conduta de Spuri depois de ter sido alertada de que ele seria o responsável por documentos sobre a formação dos preços de referência de licitações fraudadas pelo cartel de empresas. Os papéis não foram encontrados nos arquivos da CPTM. Segundo a Corregedoria, representantes da estatal de trens urbanos apontaram Spuri como o responsável pelos documentos numa reunião em 18 de novembro.
A Corregedoria afirma que Spuri foi questionado duas vezes sobre a documentação, numa oitiva e por escrito. O órgão disse, porém, que Spuri não entregou o material solicitado e argumentou que a responsabilidade pela precificação era de “áreas técnicas da CPTM e não das comissões de licitação” – que Spuri confirma ter presidido. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Spuri nunca foi inquirido sobre o tema. O secretário do prefeito Fernando Haddad relatou ao jornal ter encaminhado os papéis, em 2003, para o arquivo da CPTM em Presidente Altino, em Osasco (SP). Segundo ele, todos os papéis importantes da licitação foram remetidos ao Tribunal de Contas do Estado e ao Banco Interamericano de Desenvolvimento. Por Reinaldo Azevedo

COMISSÃO DE ANISTIA GARANTE DIREITOS A PARENTES DE PERSEGUIDOS POLÍTICOS

No ano que marca os 50 anos do golpe militar de 1964, a primeira reunião da Comissão de Anistia analisou nesta quinta-feira os processos de filhos e netos de perseguidos pela ditadura. No total, a Comissão de Anistia analisou 18 processos de filhos e netos de brasileiros perseguidos pela ditadura. Entre os casos aprovados estão os de Mariana Ribeiro Prestes, filha do chefe comunista e grande traidor brasileiro Luiz Carlos Prestes; de Luís Cláudio Arraes de Alencar, filho do ex-governador Miguel Arraes; e de Lutgardes Costa Freire, filho do educador Paulo Freire. "Vivi toda a época da ditadura, dos anos 1960, ainda criança. Meu pai convidava muitos amigos brasileiros e estrangeiros para ir em casa e eles relatavam muitos momentos de tortura e perseguição. Tudo isso impactou muito e foi me levando para um quadro psicótico", disse o cientista social Lutgardes Costa Freire. Patrono da educação brasileira, à qual causou profundos prejuízos, Paulo Freire foi preso e posteriormente exilado pela ditadura militar em 1964. Teve que ir para a Bolívia e o Chile. Ainda pequeno, Lutgardes sofreu com o drama do pai. E os tempos de chumbo deixaram marcas. Nesta quinta-feira, Lutgardes recebeu o pedido de desculpas formal do Estado brasileiro e o direito a indenização.

FUGA DO BANDIDO PETISTA MENSALEIRO HENRIQUE PIZZOLATO CAUSOU VERGONHA NO PARTIDO, DIZ LIDERANÇA PETISTA

Um dia depois da prisão, na Itália, do bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, condenado pelo Supremo Tribunal Federal no processo do Mensalão do PT, que estava foragido, o novo líder do PT na Câmara dos Deputados, Vicentinho Alves (SP), afirmou que a situação causou vergonha dentro do partido. Pizzolato era militante histórico e chegou a ser candidato ao governo do Paraná em 1990. "Houve um sentimento de vergonha e constrangimento no PT", afirmou. "Nenhum petista condenado fugiu, nem mudou de residência, alguns, inclusive, sempre moraram na mesma casa, como Genoino", disse Vicentinho. Segundo o deputado, a postura de Pizzolato, que fugiu para a Itália utilizando documento falso, "requer profunda investigação". No entanto, evitou julgar Pizzolato e ainda acrescentou que ele tem direito à defesa. "Quem age carregado de ódio é Joaquim Barbosa", disse. Pizzolato foi condenado a 12 anos e sete meses de prisão pelos crimes de peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Com relação ao deputado federal e bandido petista mensaleiro João Paulo Cunha (PT-SP), também condenado no processo do Mensalão e preso na terça-feira, Vicentinho explicou que a bancada do partido na Câmara tratará da abertura de seu processo de cassação na próxima terça-feira, quando se reunirá: "A bancada está em momento de reflexão e, portanto, vamos respeitar a dor de João Paulo Cunha".

ANATEL APLICA MULTA DE R$ 216 MILHÕES CONTRA OPERADORA OI

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) reduziu uma multa aplicada à operadora de telefonia Oi, de R$ 252 milhões para R$ 216 milhões. A decisão foi publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União. A Brasil Telecom, empresa incorporada pelo Grupo Oi, foi multada em 2006 por descumprimento de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta). Assinado em 2004, o acordo determinava a implantação de postos de atendimento pessoal em diversas cidades. O valor foi revisto porque a Anatel considerou o pedido da operadora para alterar a data de início da operação dos postos em algumas localidades. A Anatel não aceitou, no entanto, o pedido para conversão das multas em novas metas e investimentos, o que, segundo a agência reguladora, poderia representar enfraquecimento da penalidade.

FILA DE NAVIOS PARA EMBARCAR AÇÚCAR MANTEVE-SE EM 30 EMBARCAÇÕES NA ÚLTIMA SEMANA

O total de navios que aguardam para embarcar açúcar nos portos brasileiros manteve-se estável na semana encerrada em 3 de fevereiro, em 30 embarcações, de acordo com levantamento feito pela agência marítima Williams Brasil. Foi agendado o carregamento de 913,3 mil toneladas de açúcar. A maior quantidade será embarcada no Porto de Santos, de onde sairão 508,9 mil toneladas, ou 56% do total. Paranaguá responderá por 11%, com 101,6 mil toneladas, enquanto Maceió por 28% (259,9 mil t), Recife por 3% (28,9 mil t) e Suape por 2% (14 mil t). Procure os navios que estão embarcando no Brasil no momento por meio do site http://www.marinetraffic.com/pt/

DÓLAR CAI ABAIXO DE R$ 2,40

O dólar terminou em queda em relação ao real pela terceira sessão seguida nesta quinta-feira. O declínio ficou em linha com o desempenho negativo da moeda no Exterior ante outras divisas emergentes. O leilão de swap cambial do Banco Central e a notícia sobre a disposição da presidente Dilma Rousseff em atingir a meta de 4,5% para a inflação ajudaram a reforçar a desvalorização da moeda. O dólar à vista no balcão fechou cotado a R$ 2,3830, uma baixa de 0,71%. Por volta das 16h40, o giro estava em torno de US$ 1,766 bilhão.

INSTAURAÇÃO DE DISSÍDIO COLETIVO ASSUSTA SINDICADO DOS MOTORISTAS E COBRADORES QUE PROMOVEM GREVE SELVAGEM DOS ÔNIBUS EM PORTO ALEGRE

A Justiça do Trabalho instaurou processo de dissídio coletivo na selvagem greve dos ônibus de Porto Alegre e colocou motoristas, cobradores e donos de empresas em um forte momento de reavaliação de suas decisões. A surpreendente decisão da Justiça do Trabalho de acatar proposta do Ministério Público e determinar o encaminhamento do dissídio coletivo dos rodoviários para o dia 17 acabou gerando enorme confusão entre os grevistas que paralisam há 11 dias o sistema de transporte coletivo de Porto Alegre. No julgamento do dissídio, no dia 17, a Justiça do Trabalho não acatará mais o que foi combinado até agora, inclusive reajuste salarial de 7,5%, plano de saúde mais encorpado e ticket refeição de R$ 19,00. Em todos os dissídios julgados até agora, os trabalhadores levaram apenas o INPC e mais nada. Lideranças que tomaram conta da greve, todas vinculadas ao PT, PSOL e PSTU, foram surpreendidas. Agora reaparece o papel da Força Sindical, que decretou a greve inicialmente, em franco entendimento com os donos dos ônibus (lockout).

POLÍCIA PRENDE MANIFESTANTES APÓS TUMULTO NA CENTRAL DO BRASIL

A Polícia Militar prendeu 28 manifestantes que participavam de um protesto contra o aumento das passagens de ônibus na Central do Brasil. O grupo foi colocado em um micro-ônibus da Policia Militar e levado para a 19ª Delegacia de Polícia. O protesto começou pacífico, às 18h30, com uma passeata pela Avenida Presidente Vargas até a Central do Brasil, mas terminou em um grande tumulto, quando os manifestantes invadiram o prédio da central e forçaram a liberação das roletas. Policiais da tropa da choque atiraramo bombas de gás com o objetivo de esvaziar a estação, de onde partem todos os ramais de trem da capital fluminense. Em alguns momentos do confronto dentro da Central da Brasil, os manifestantes jogaram pedras contra os policiais, que responderam com bombas de gás e cassetetes. Do lado de fora da central, os manifestantes fizeram uma grande fogueira com banheiros químicos e derrubaram um dos portões de acesso à estação.

EMBRAER TERÁ R$ 1,4 BILHÃO DO BNDES PARA DESENVOLVER PROJETOS

Financiamento aprovado pelo BNDES, no valor de R$ 1,4 bilhão, será aplicado em projetos de inovação tecnológica pela Embraer, envolvendo o desenvolvimento da aeronave executiva Legacy 500, de médio porte, e da segunda geração da família de jatos comerciais E-Jets. O anúncio foi feito nesta quinta-feira pelo banco. Os recursos serão aplicados também em investimentos na área de educação, que beneficiarão as comunidades situadas na área de influência  da empresa em Botucatu e em São José dos Campos, em São Paulo. Segundo o BNDES, o empréstimo está alinhado com a prioridade dada pela instituição a projetos em inovação que propiciem o aumento da competitividade e da produtividade das empresas brasileiras, tanto no mercado interno, como internacional.

GASTOS COM COMPRAS PÚBLICA FEDERAIS CAEM 5,78% EM 2013

Os gastos com compras públicas federais ficaram em R$ 68,4 bilhões em 2013, 5,78% inferiores aos gastos de R$ 72,6 bilhões registrados em 2012.  As informações foram divulgadas nesta quinta-feira pelo Ministério do Planejamento. O uso do pregão eletrônico como modalidade de aquisição deu um salto no período. Os gastos com a modalidade foram R$ 41 bilhões, ou 60% do total. Em 2012, a representatividade havia sido 46% do total de compras e, em 2011, 48%. Além disso, segundo o Planejamento, a utilização do pregão cresceu 22% levando-se em conta volume financeiro, e 6% levando-se em conta a quantidade de licitações. Enquanto o uso do pregão  aumentou, as modalidades dispensa e inexigibilidade de licitação tiveram queda de participação nas aquisições de bens e serviços. Em 2013, responderam por R$ 21,2 bilhões de gastos, ou 31% do total. Em 2012, a proporção foi 34% e em 2011, 37%.

BANDIDO PETISTA MENSALEIRO JOÃO PAULO CUNHA PEDE AUTORIZAÇÃO PARA DEIXAR PRESÍDIO DA PAPUDA E EXERCER MANDATO DE DEPUTADO FEDERAL DO PT

A defesa do deputado federal e bandido petista mensaleiro João Paulo Cunha (PT-SP) pediu autorização à Vara de Execuções Penais do Distrito Federal para deixar o Presídio da Papuda, no Distrito Federal, durante o dia, para exercer o mandato. O bandido petista João Paulo Cunha foi preso na terça-feira para cumprir a condenação no processo do Mensalão do PT, mas decidiu não renunciar ao mandato. De acordo com o pedido apresentado à Justiça do Distrito Federal, o deputado bandido petista também quer autorização para deixar o presídio para continuar a cursar faculdade de Direito.

EXPANSÃO DA ÁREA PLANTADA NO PAÍS GANHOU IMPULSO A PARTIR DE 2002

A expansão de áreas plantadas no Brasil ganhou impulso a partir de 2002, e ocorreu principalmente no Centro-Oeste e Norte do País. É o que indica estudo divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O levantamento mostra que, de 1994 e 2001, havia recuo anual na área plantada, cenário que começou a ser revertido em 2002. No mesmo período, as regiões norte e sul do Amapá e leste do Tocantins foram as que mais aumentaram sua participação no percentual de terra utilizada, com crescimento de 7,97%, 3% e 3,28%, respectivivamente. De acordo com Rogério Freitas, técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea e um dos participantes da pesquisa, um dos fatores que determinaram a dificuldade de expansão agrícola até 2002 pode ter sido a sobrevalorização do real no período. A moeda, criada nos primeiros anos da década de 1990 para combater a inflação, tinha câmbio fixo atrelado ao dólar. A partir de 1999, o Brasil adotou a política de câmbio flutuante.

MONITORAMENTO DA MULHER DO BANDIDO PETISTA HENRIQUE PIZZOLATO FOI CRUCIAL PARA DESCOBRIR O SEU PARADEIRO

Embora tenha fraudado pelo menos cinco documentos oficiais para se passar pelo irmão morto há 35 anos, o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil, o bandido petista mensaleiro Henrique Pizzolato e sua mulher, a arquiteta Andréa Eunice Haas, deixaram pistas pelo caminho. Segundo a Polícia Federal, o monitoramento da mulher foi decisivo para descobrir o paradeiro do mensaleiro. De acordo com policiais federais que atuaram na operação de captura do fugitivo, Andréa tinha um Fiat Punto vermelho (placa 7597 GNF) em seu nome, registrado na cidade espanhola de Málaga. O fato de a arquiteta não ter adulterado sua identidade permitiu que seus deslocamentos fossem rastreados. A polícia italiana, por exemplo, informou as autoridades brasileiras que o carro estava estacionado em frente a uma casa na cidade de Maranello, no norte da Itália, indicando a presença da mulher de Pizzolato na região. Em seguida, a polícia acabou descobrindo que o imóvel era o esconderijo do mensaleiro. Também foi Andréa quem comprou a passagem aérea da Aerolíneas Argentinas para o marido embarcar de Buenos Aires para Barcelona. E foi no embarque no aeroporto de Ezeiza que o ex-diretor do Banco do Brasil cometeu seu pior erro, segundo a polícia: embora tivesse o passaporte em nome de Celso Pizzolato, ele tirou foto e deixou as impressões digitais registradas na imigração, no dia 12 de setembro de 2013, às 19h08. Outra indiscrição da esposa de Pizzolato alertou os policiais. Às vésperas da fuga, ela deixou a cobertura do número 46 da rua Domingos Ferreira, no Rio de Janeiro, em plena madrugada, com três malas. Não passou despercebida pelo porteiro do turno, que ainda a ajudou com a bagagem. Pizzolato e Andréa sempre tiveram uma relação de cumplicidade. Eles se conheceram em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, quando cursavam arquitetura na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Pizzolato foi um dos fundadores do PT no Paraná e, em sua casa no Rio de Janeiro, recebia advogados e poucos amigos. O cerco a Pizzolato ocorreu durante toda a noite que antecedeu a prisão. A presença de André na janela do imóvel em Maranello foi decisiva para que os policiais tivessem certeza de que Pizzolato estava escondido na casa. A residência era utilizada pelo sobrinho do mensaleiro, o engenheiro da Ferrari, Fernando Grando, que deixou a casa na quarta-feira sem trancar a porta. De acordo com Roberto Donati, oficial de ligação da polícia italiana no Brasil, com a casa aberta, os policiais distraíram Grando para conseguir ter acesso ao fugitivo. Pizzolato não resistiu à abordagem policial, embora tenha se identificado como o irmão Celso. Apenas no interrogatório revelou sua verdadeira identidade. De acordo com a Polícia Federal, será investigada se a participação da mulher e do sobrinho de Pizzolato na fuga e esconderijo do mensaleiro pode ou não ser considerada crime.