segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

POR QUE O NEGÓCIO DE VENDA DAS RÁDIOS AM E FM GUAÍBA DE PORTO ALEGRE SÃO OS MAIS PRECIOSOS DO BRASIL

Existe um motivo para que se abra uma forte competição pela aquisição dos dois canais de rádio do Grupo Record em Porto Alegre, das rádios Guaíba AM e FM. Só para comparar: o Grupo RBS tentou comprar o canal 94,9 em Porto Alegre, pertencente à Rede Bandeirantes, no qual opera a Rádio Ipanema FM. O Grupo RBS queria esse canal para abrigar a Rádio Farroupilha FM. O negócio acabou não acontecendo porque a RBS tem um canal em São Paulo alugado para o bispo RR Soares. Então, se uma emissora como a Ipanema FM, com 5 quilowats de potência na antena, valia 20 milhões de reais, quanto valeria a Rádio Guaíba FM, que tem 100 quilowats? Ela foi a primeira emissora brasileira da Classe A3 a operar no País, em uma concessão assinada pelo ex-ministro das Comunicações, Higino Corsetti. As emissoras AM têm até o fim do ano de 2016 para migrarem para a frequência modulada. Então, quem tiver a Rádio Guaíba AM, passará a ter duas emissoras FM da Classe A3, com 100 quilowats de potência. É um grande negócio. Por isso mais grupos empresariais estão se movendo com toda velocidade desde a tarde desta segunda-feira para entrar na negociação com o grupo Record, abrindo forte competição com o empresário Nelson Proença.

TUDO SOBRE AS VENDAS DAS RÁDIOS GUAÍBA AM E FM DE PORTO ALEGRE, DO GRUPO RECORD; COMPRADOR É O EX-DEPUTADO FEDERAL NELSON PROENÇA

O ex-deputado federal Nelson Proença, "chairman" do grupo de investimento Guapo, e dono de um conjunto de oito emissoras de rádio do antigo Grupo Ballvé no Interior do Rio Grande do Sul, é o comprador das rádio Guaíba AM e FM, em operação que pode ser fechada nesta terça-feira. A Rede Record pediu 35 milhões de reais pelas duas emissoras, "in cash". Nelson Proença e seus associdados ofereceram a quantia de 22 milhões de reais "in cash" e outros 13 milhões de reais na assunção de dívidas das duas emissoras. O negócio estava sendo tratado com todo segredo, até que Videversus divulgou o assunto no meio da tarde desta segunda-feira. Imediatamente, o site Coletiva.Net, comandado por ex-subalternos de Nelson Proença no governo Antonio Britto, apressou-se em desmentir o negócio, ouvindo a direção local da Rádio Guaíba. A negativa praticamente funcionou como confirmação. Pouco tempo depois de divulgar o negócio, o editor de Videversus, jornalista Vitor Vieira, recebeu ligações de dois fortes escritórios de advocacia empresarial, que queriam obter mais informações. Ambos declararam representar grupos econômico-financeiros dispostos a participar do processo da compra, abrindo um leilão com possibilidades de chegar até 60 milhões de reais. Nelson Proença tem interesse pelas duas rádios Guaíba (AM e FM) porque, além da expertise no setor de comunicação radiofônica, ele também tem grande proximidade com uma agência de publicidade, a Moove, controlada por seu ex-assessor de imprensa no Palácio Piratini, o publicitário José Luis Monteiro Fuscaldo, que atualmente controla a contra publicitária da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. Como se vê, comunicação, publicidade e poder político sempre andaram de mãos juntas.

EX-GOVERNADOR ARRUDA É CONDENADO EM AÇÃO CIVIL PÚBLICA

O juiz da 1ª Vara de Fazenda Pública do Distrito Federal sentenciou, na sexta-feira, o ex-governador José Roberto Arruda e o ex-secretário de Esportes e Lazer, Agnaldo Silva de Oliveira, a multa civil, suspensão dos direitos políticos, proibição de contratarem com o Poder Público e a perda de eventual função pública quando do trânsito em julgado da condenação. A decisão foi proferida em Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa proposta pelo Ministério Ppúblico do Distrito Federal aduzindo que a contratação na partida amistosa de futebol entre as seleções do Brasil e de Portugal, em 19 de novembro de 2008, não obedeceu aos ditames legais. De acordo com a sentença, Arruda deve ter seus direitos políticos suspensos por quatro anos e Oliveira, por três anos, a contar do trânsito em julgado. Ambos devem pagar multa civil “em quantia equivalente a 50 vezes o valor da remuneração mensal que auferiam à época do fato, em favor do erário distrital, montante que deve ser acrescido de correção monetária pelo IPCA-E a contar de hoje e juros de mora de 1% ao mês a contar da citação”. Eles ficam proibidos também de “contratarem com o Poder Público ou dele receberem quaisquer benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual sejam sócios, pelo prazo de três anos”.

ORGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO CONCLUI VOTAÇÃO DE LÍSTA TRÍPLICE PARA ESCOLHA DE DESEMBARGADOR DO QUINTO CONSTITUCIONAL DA OAB E EXCLUI ADVOGADO SÉRGIO BLATTES

A sessão administrativa do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul desta segunda-feira foi a primeira realizada com a nova composição e sob o comando do novo presidente da Corte, desembargador José Aquino Flôres de Camargo. Estava na pauta a escolha do último nome a compor a lista tríplice da OAB para a vaga de desembargador da Corte gaúcha representando o quinto constitucional dos advogados. O advogado Paulo Roberto Cardoso Moreira de Oliveira recebeu 17 dos 25 votos dos desembargadores integrantes do Órgão Especial. Estavam ainda concorrendo os advogados: Sergio Miguel Achutti Blattes,  Nelson Dirceu Fensterseifer, e Igor Koeheler Moreira. A lista tríplice é composta também pelos advogados  Ana Paula Dalbosco e Gilberto Koenig, escolhidos ainda na sessão realizada no dia 27 de janeiro. Agora a lista será encaminhada ao peremptório governador petista Tarso Genro. A grande favorita é a advogada Ana Paula Dalbosco, porque ela é petista.

SENADOR PEDE QUE TCU INVESTIGUE DENÚNCIA DE FRAUDE NA PETROBRAS

Requerimento do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) ao Tribunal de Contas da União (TCU) pede apuração de denúncia de farsa envolvendo a plataforma P-62 da Petrobras, em Pernambuco, inaugurada e lançada ao mar, no final de 2013, ainda incompleta, sem elementos essenciais para operar com segurança. Já houve inclusive um incêndio na plataforma,  segundo informou o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense. O sindicato denunciou também que a Petrobras simulou a venda dessa plataforma para uma subsidiária na Europa e depois a comprou de volta, apenas para que a operação melhorasse a balança comercial. Aloysio Nunes disse que tudo isso ocorreu apenas no papel; a plataforma P-62 jamais deixou o litoral brasileiro. Segundo o senador paulista, operação semelhante já teria sido feita com outras plataformas, o que teria acrescentado US$ 8 bilhões às exportações brasileiras. "Mera operação de maquiagem das contas externas. Não fosse esse tipo de operação, realizado já em outras oportunidades, com outras plataformas, nós teríamos amargado um déficit maior na nossa balança comercial. Eu estou pedindo que o Tribunal de Contas faça uma auditoria para averiguar a procedência dessas denúncias e  avaliar também o montante de prejuízo que elas causaram à empresa", disse o senador. Aloysio Nunes Ferreira também pediu à Comissão de Fiscalização e Controle do Senado que convide os dirigentes do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense, que visitaram a plataforma, para que prestem esclarecimentos. O parlamentar também pediu à Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal informações sobre o que está sendo feito para identificar as pessoas que, na semana passada, agrediram 30 policiais militares em Brasília durante tentativa de invasão do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ao Supremo Tribunal Federal.

OS DEBOCHADOS - O DELEGADO ZACCONE NO PRÊMIO "MOLOTOV DE OURO"


O delegado Zaccone e Sininho
O delegado Zaccone e Sininho: o representante da ordem e a da desordem
O delegado de Polícia Civil Orlando Zaccone, titular da 31ª DP (Ricardo de Albuquerque), mentiu sobre a data em que conheceu a ativista Elisa Quadros, a Sininho. Incluído na lista de doadores para o evento “Mais amor, menos capital”, realizado em 23 de dezembro do ano passado, Zaccone confirmou ter contribuído com 200 reais, e explicou que só naquela noite esteve pessoalmente com Elisa. Uma fotografia publicada em um blog, no entanto, mostra os dois lado a lado em um evento em 20 de novembro, em outro evento: o “Prêmio dos Protestos de 2013”, promovido pelo humorista-militante conhecido como Rafucko. Nada demais se não fosse Zaccone uma autoridade policial e se não estivessem os manifestantes, naquela noite, festejando, entre outros eventos, o “Maior Ato de Vandalismo” do ano, premiado com o “Molotov de Ouro”. O ato ‘premiado’ foi a quebra dos manequins da Toulon – na noite de 17 de julho, no bairro do Leblon.
Zaccone tem direito de rir do que quiser. Mas, a partir do momento em que acha graça do crime de roubo, depredação do patrimônio público e privado e de atos de vandalismo, deixa de ter credenciais necessárias para chefiar policiais que deveriam, na verdade, investigar e prender quem roubou a Toulon. Em tempo: “Pichar a Alerj” e “Queimar ônibus” também estavam indicados ao prêmio.
 “Não fico vendo folha de antecedentes criminais das pessoas que conheço. Óbvio que, se tiver conhecimento que a pessoa tem mandado de prisão, teria que cumprir”, respondeu o delegado. Como os roubos foram praticados por mascarados, e Zaccone não reconheceu os manequins expostos como egressos da loja saqueada, a história ficou no riso – menos para a Toulon, que amargou o prejuízo, assim como outras lojas atacadas por baderneiros que percorreram as ruas do Leblon e de Ipanema.
Questionado sobre a foto, Zaccone explicou que foi convidado por Sininho, em outubro, para uma palestra em dezembro. O encontro na noite em que o vandalismo foi premiado foi ao acaso. De acordo com o delegado, ele apenas passou pelo evento na Cinelândia, onde encontrou algumas pessoas, e de lá seguiu para um show de Caetano Veloso e Marisa Monte no Circo Voador, na Lapa. Zaccone reclama que se sente perseguido. “Me sinto como se estivesse passando por um processo de inquisição pelo fato de ter contato com pessoa que não existe nenhum processo contra ela. Estão me cobrando o fato de eu ter conhecido e estado com uma pessoa que nem sequer sofreu um processo”, disse Zaccone, sobre Sininho. “Eu tenho a liberdade de conhecer pessoas que não estejam foragidas, que não estejam condenadas. Mesmo assim, se a pessoa não está presa e não tem mandado de prisão, qual seria o meu crime por tê-la conhecido?”, reclamou Zaccone.
DoaçõesAlém do delegado, aparecem na lista de doadores os vereadores do PSOL Renato Cinco e Jefferson Moura – ambos admitiram que seus gabinetes fizeram doações ao evento. O juiz João Damasceno, que figura na planilha, negou ter feito doações. Os doadores alegam, em seu favor, que o dinheiro foi usado apenas para a compra de uma ceia, com rabanadas, para a população carente. E ignoram o fato de o grupo ali acampado é o mesmo que organizou a ocupação do Palácio Pedro Ernesto. A Polícia Civil abriu investigação, no âmbito da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), para descobrir se dinheiro doado por autoridades foi usado para financiar atos criminosos em manifestações. A unidade também foi designada para, a partir de cópias de documentos colhidos pela 17ª DP (São Cristóvão), investigar o aliciamento de manifestantes para atuar em ações violentas nos protestos.

MÉDICOS DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NEGAM A APOSENTADORIA POR INVALIDEZ PARA O BANDIDO PETISTA MENSALEIRO JOSÉ GENOÍNO

Às vésperas de o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, decidir se determina ou não o retorno do ex-deputado e bandido petista mensaleiro José Genoino para a Penitenciária da Papuda, o petista sofreu um novo revés. A junta médica da Câmara dos Deputados realizou mais uma bateria de exames no mensaleiro e concluiu que ele não deve ser beneficiado com a aposentadoria por invalidez. De acordo com o laudo, baseado em exames realizados na última terça-feira, José Genoino não é portador de cardiopatia grave e, por isso, não teria direito a receber os vencimentos na íntegra – 26.700 reais. Atualmente, ele recebe cerca de 20.000 reais de aposentadoria por tempo de serviço. As conclusões dos médicos ainda podem ser revistas, mas foi a segunda resposta negativa ao pedido de aposentadoria por invalidez de José Genoino. No final de novembro, a junta médica havia apontado que o ex-presidente do PT tinha problemas cardíacos, mas o quadro não era grave o suficiente para ser afastado definitivamente do trabalho. Na época, os médicos pediram mais noventa dias para concluir a análise. Como o mais recente laudo é desfavorável, a defesa de José Genoino tenta uma última cartada para reverter o quadro. Na última quinta-feira, o petista anexou ao processo novos exames, incluindo o monitoramento ambulatorial da pressão arterial (MAPA), sistema que registra a pressão arterial a cada quinze ou vinte minutos durante 24 horas. Quatro médicos ainda vão analisar os resultados desse exame para decidir se revisam o laudo sobre a aposentadoria ou se tornam definitiva a decisão contra José Genoino. O bandido petista mensaleiro José Genoino está provisoriamente em prisão domiciliar em Brasília e aguarda decisão do ministro Joaquim Barbosa sobre a necessidade de retornar para o presídio da Papuda. No final de novembro, um laudo médico elaborado a pedido de Joaquim Barbosa constatou que a prisão domiciliar não era “imprescindível” para o ex-presidente do PT. Ainda assim, Joaquim Barbosa estendeu o benefício ao mensaleiro por mais noventa dias, prazo que termina nesta quarta-feira. Ainda nesta semana, o plenário do Supremo deve julgar o último recurso apresentado pelo petista. Ele contesta, por meio de embargos infringentes, a condenação que recebeu por formação de quadrilha. Se os ministros acatarem a tese do mensaleiro, sua pena pode cair para quatro anos e oito meses de prisão.

BLOCO DE LUTAS, INCLUINDO BLACK BLOC, CONVOCA PROTESTO CONTRA DILMA EM PORTO ALEGRE

No dia em que a presidente Dilma Rousseff visita Porto Alegre para inaugurar oficialmente o novo estádio Beira-Rio, o movimento Bloco de Luta pelo Transporte Público, integrado também pelo Black Block, Midia Ninja e outras coisas esquerdopatas do gênero, organiza um protesto contra a Copa do Mundo. Em evento no Facebook, o grupo convoca manifestantes para o ato. Marcado para as 18 horas, a manifestação tinha 340 confirmações de presença na rede social até as 14 horas desta segunda-feira. Quem inventou essa demência? O governo petista do alcaguete Lula.

MAIOR JORNAL DA VENEZUELA, EL NACIONAL, PODE FECHAR POR FALTA DE PAPEL

O maior jornal da Venezuela, o El Nacional, pode parar de circular devido à gigantesca crise que afesta o país, causada pela desastrosa ditadura fascista bolivariana de Nicolas Maduro. A imprensa impressa do país está sendo esmagada pela inflação que atingiu os 56,3% anuais, o desabastecimento absoluto que azucrina a vida da população, o maior índice de violência do mundo, e a negativa do ditador Nicolas Maduro em liberar as quantias necessárias de dólares para a compra de papel imprensa. Doze jornais já fecharam na Venezuela, e outros 15 estão na esteira do mesmo destino. Esse é o sonho de toda ditadura fascista, acabar com qualquer imprensa. O maior jornal da Venezuela, o El Nacional, circula com menos páginas, cortou suplementos e projeta que assim resistirá até maio. Temendo por seus empregos e pela liberdade de se expressar, jornalistas têm saído às ruas para protestar.

CONFIANÇA DO EMPRESARIADO INDUSTRIAL CAI PELO TERCEIRO MÊS CONSECUTIVO

Pelo terceiro mês seguido, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) registrou queda. Elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o indicador ficou em 52,4 pontos em fevereiro, com queda de 0,7 ponto em relação a janeiro e de 5,7 pontos em relação na comparação com fevereiro do ano passado. O Icei varia de 0 a 100. Valores acima de 50 pontos indicam confiança. No entanto, a diminuição constante do indicador mostra, de acordo com a CNI, que as perspectivas dos empresários em relação à economia estão se deteriorando. Para a entidade, a queda do índice significa mais dificuldades para a recuperação da indústria em 2014. A queda foi puxada pelas grandes indústrias, cujo índice caiu 1,1 ponto em fevereiro. Nas médias empresas, o indicador teve retração de 0,6 ponto. Apenas nas pequenas indústrias, o Icei manteve-se praticamente estável, subindo 0,1 ponto no mês. Entre os setores da indústria, os piores resultados foram registrados nos segmentos de automóveis, borracha e calçados, cujos indicadores ficaram abaixo de 50 pontos. A CNI ouviu 2.599 empresas em todo o País entre 3 e 13 de fevereiro. A amostra é constituída de 979 pequenas empresas, 970 médias e 630 grandes.

ÚLTIMAS CHUVAS NÃO MELHORARAM A SITUAÇÃO DOS RESERVATÓRIOS DAS HIDRELÉTRICAS

Relatório do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou nesta segunda-feira que a situação dos reservatórios não apresenta variação significativa em relação à da semana passada, apesar da ocorrência de chuva em áreas importantes como São Paulo e Goiás, onde estão situados importantes reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste. No subsistema, os reservatórios estavam no domingo em 35,5% de sua capacidade máxima, percentual estável em relação ao sábado. No subsistema Sul, o nível dos reservatórios permanece estável em 43% de sua capacidade. O ONS destacou que a melhor situação do ponto de vista do armazenamento é a do subsistema Norte, onde os reservatórios chegaram a 73,6% de sua capacidade, variação de 12,8% em relação ao sábado. No subsistema Nordeste, o índice era 42,4%no domingo.

PRESIDENTE DO URUGUAI, O EX-TERRORISTA TUPAMARO MUJICA, RECEBE LULA, O ALCAGUETE DO DOPS PAULISTA, PARA "ANÁLISE DA SITUAÇÃO DA AMÉRICA DO SUL", É O FANTASMA DA VENEZUELA NAS RUAS QUE ATORMENTA O FORO DE SÃO PAULO

O presidente do Uruguai, o ex-terrorista tupamaro José Mujica, recebeu nesta segunda-feira o criador do Foro de São Paulo, o alcaguete Lula (denunciava companheiros para o Dops paulista na ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr) para analisar a "situação atual da América do Sul e o papel da União de Nações Sul-Americanas (Unasul)". Na verdade, é a esquerdopatia se reunindo para ver o que fazer em face do colapso do regime bolivariano na Venezuela, onde a ditadura fascista de Nicolas Maduro está sendo contestada nas ruas pela população há mais de uma semana. A tal ponto ficou grave a situação que o vagabundo Maduro mandou chamar tropas de cubanos para matar venezuelanos, aparentemente porque o Exército do país se nega a executar esse papel. Nesta segunda-feira, a imprensa uruguaia publicou uma entrevista na qual Mujica diz que o X9 Lula tem todas as condições para assumir a liderança da região: "Sempre pensei que Lula deveria ter muito que ver com o processo de integração da Unasul, porque era a figura mais indicada. Contudo, ele sempre pensou que, por ser brasileiro, se atribuiria ao Brasil uma visão dominadora". O alcaguete Lula está assumindo papéis de representação do Brasil, como se fosse governante.

BALANÇA COMERCIAL TEM NOVO DÉFICIT, DE US$ 338 MILHÕES

A balança comercial brasileira teve déficit de US$ 338 milhões na segunda semana deste mês, resultado de US$ 4,2 bilhões em importações, que superaram os US$ 3,9 bilhões em exportações registrados no período. O saldo negativo foi menor que o da primeira semana de fevereiro, de US$ 1,7 bilhão. O motivo foi o crescimento das exportações, principalmente de produtos não industrializados, e o recuo nas importações. No entanto, o resultado acumulado no ano continua no vermelho, passando de US$ 5,7 bilhões para US$ 6 bilhões. Em janeiro, a balança registrou o pior déficit em 20 anos. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. A média diária das exportações, que corresponde ao volume de ingressos financeiros por dia útil, ficou em US$ 791,2 milhões, 21,4% superior ao da primeira semana. Os itens básicos puxaram a alta, com incremento de 37% na média diária das vendas de petróleo, grãos de soja, milho e café, folhas de fumo e bovinos vivos. As exportações de semimanufaturados e manufaturados também cresceram, com alta respectiva de 17,6% e 6,2%, segundo o critério da média diária. No primeiro grupo, os responsáveis foram açúcar bruto, celulose, semimanufaturados de ferro ou aço e ferro-ligas. No segundo, aumentaram as vendas de automóveis de passageiros, óxidos e hidróxidos de alumínio, polímeros plásticos, veículos de carga, motores e geradores, açúcar refinado e aviões.

DITADURA FASCISTA BOLIVARIANA DA VENEZUELA DÁ PRAZO DE 48 HORAS PARA SAÍDA DE DIPLOMATAS AMERICANOS EXPULSOS DO PAÍS

O chanceler venezuelano, Elías Jaua, informou que a partir desta segunda-feira, os diplomatas americanos Breean Marie Mc Cusker, Jeffrey Gordon Elsen e Kristopher Lee Clark terão 48 horas para deixar o país, após terem sido declarados no domingo personae non gratae na Venezuela, acusados de apoiar atos violentos das manifestações estudantis que ocorrem desde a semana passada e paralisam o país. Em pronunciamento, Jaua disse que a ditaduta fascista bolivariana teve acesso a cópias de e-mails trocados entre os funcionários americanos e estudantes, o que comprovaria que os Estados Unidos estão “financiando os grupos violentos que atuam nas manifestações”. Obviamente, o representante da ditadura fascista bolivariana reconheceu a censura e a interceptação ilegal de comunicações privadas. O chanceler fascista apresentou dados sobre um suposto plano da embaixada norte-americana, organizado e promovido para financiar os atos violentos e desencadear uma crise política no país.

PRIMEIRA AUDIÊNCIA DO CASO AMARILDO SERÁ NA QUINTA-FEIRA

Foi marcada para as 14 horas da próxima quinta-feira a primeira audiência do caso Amarildo. A 35ª Vara Criminal vai fazer a audiência de instrução e julgamento dos 25 acusados de tortura e desaparecimento do corpo do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, na Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. O Ministério Público arrolou 19 testemunhas de acusação e 20 foram indicadas pela defesa. Os policiais envolvidos no caso respondem pelos crimes de tortura, ocultação de cadáver, fraude processual, omissão imprópria e formação de quadrilha. Amarildo desapareceu após ser levado por policiais militares para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) em junho do ano passado, para averiguação de envolvimento com o tráfico.

AGRICULTURA LANÇA PROGRAMA PARA AUMENTAR PRODUÇÃO DE CARNE E LEITE NO BRASIL

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento lançou nesta segunda-feira um programa destinado a aumentar a produção de leite e carne até 2023. O Plano Mais Pecuária, dividido nos eixos Mais Leite e Mais Carne, pretende aumentar a produtividade do gado leiteiro em 40%, elevando, assim, de 35 bilhões para 46,8 bilhões de litros a produção anual. Além disso, tem a meta de dobrar a produtividade do gado de corte, passando de 1,3 para 2,6 bovino por hectare. Uma das estratégias usadas para atingir os objetivos será o melhoramento genético. O  governo apoiará financeiramente iniciativas de incentivo e treinamento da inseminação artificial. O objetivo é, até 2023, disponibilizar cerca de 252 mil touros reprodutores ao ano. O plano também pretende usar ações de marketing para aumentar o número de consumidores de leite e de carne, lançar editais para pesquisas que ajudem a desenvolver novos produtos e firmar parcerias para capacitar técnicos e produtores rurais. Deve haver, ainda, monitoramento da qualidade dos produtos nacionais. Segundo o Ministério da Agricultura, até 2016, todo o leite captado pela indústria deve estar de acordo com os padrões oficiais, com redução da prevalência de brucelose e tuberculose. Quanto à produção de carne, o objetivo é que até 2018 todos os Estados tenham aderido ao  Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal. O Plano Mais Pecuária será organizado por um comitê executivo formado por técnicos e autoridades da pasta da Agricultura, e este órgão acompanhará a execução dos projetos.

JUSTIÇA MARCA DEPOIMENTO DO BANDIDO PETISTA MENSALEIRO JOSÉ DIRCEU EM SINDICÂNCIA SOBRE USO DE CELULAR NA PAPUDA

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal marcou para o dia 25 de fevereiro, às 14 horas, o depoimento do ex-ministro da Casa Civil, o bandido petista mensaleiro José Dirceu, no processo de sindicância que apura o suposto uso de telefone celular dentro do Presídio da Papuda, onde ele está preso. O depoimento deverá ser feito por videoconferência. José Dirceu cumpre pena de sete anos e 11 meses de prisão emitida no processo do Mensalão do PT. O processo de sindicância envolvendo o ex-ministro foi arquivado pela direção do presídio, mas a Vara de Execução Penal determinou que a apuração fosse reaberta porque as partes envolvidas, como José Dirceu e agentes penitenciários, não foram ouvidas. A decisão fez com que o pedido de trabalho externo fosse suspenso. José Dirceu recebeu proposta para trabalhar no escritório do advogado José Gerardo Grossi, atuando na pesquisa de jurisprudência de processos e ajudando na parte administrativa. O horário de trabalho é das 8 às 18 horas, com uma hora de almoço. Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, publicada no dia 17 de janeiro, José Dirceu conversou por telefone celular com James Correia, secretário da Indústria, Comércio e Mineração do governo da Bahia. Segundo a matéria, a conversa ocorreu por intermédio de uma terceira pessoa que visitou José Dirceu. Na ocasião, a defesa do ex-ministro negou que a conversa tenha ocorrido, mas a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal  abriu processo administrativo para investigar o caso.

ESTIAGEM VAI AFETAR O AGRONEGÓCIO DO BRASIL NESTE ANO

A estiagem prolongada e atípica, registrada no início deste ano,  vai afetar algumas culturas agrícolas que terão quebra de safra e de produção, avaliaram nesta segunda-feira especialistas do setor, durante as comemorações dos 117 anos da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), no Rio de Janeiro. O  presidente do Conselho Superior do Agronegócio, da Federação das Indústrias de São Paulo (Cosag-Fiesp), João Sampaio, disse que esse é o caso da cana-de-açúcar, café, laranja, que deverão apresentar quebra. “Mesmo a soja, que está indo muito bem, ainda, no Mato Grosso, nos Estados onde a estiagem foi mais forte, como Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, vai quebrar  um pouco da safra”. A expectativa, segundo explicou Sampaio, é que a chuva se torne regular a partir de agora e minimize os estragos. “Se a chuva não vier, pode  ter um impacto grande na segunda safra de milho, porque, com dificuldade de chuva, não se planta. Certamente, vai ter impacto”, disse ele. O presidente do Cosag-Fiesp não acredita, entretanto, que  o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio venha a ser afetado. O que normalmente ocorre, quando há quebra de safra, disse ele, é que os preços  sobem e a receita bruta do agronegócio pode não ser impactada. Ele explicou que “embora com produção menor, se os preços forem maiores, o PIB fica do mesmo tamanho. Mas, com certeza, afeta a renda do setor, porque, produzindo menos, mesmo que o preço seja maior, você  tem um impacto nos seus custos e  a rentabilidade fica prejudicada”. O presidente da Sociedade Nacional da Agricultura (SNA), Antonio Alvarenga, se mostrou mais otimista. Ele acha que a estiagem comprometeu  pouco a safra de grãos: “Poderia ser um pouco melhor, mas não chegou a comprometer”. No caso de culturas como café, ele acha que essa perda é muito limitada ainda. Alvarenga acrescentou que o PIB do agronegócio não vai sofrer grande problema, devido à estiagem. A entidade trabalha com a perspectiva de crescimento de 3,5% a 4% no PIB da agricultura brasileira este ano, superando o PIB do País, que ele estima ficar em torno de 2%.

EMBRAPA ENVIA FEIJÃO BRASILEIRO PARA BANCO MUNDIAL DE SEMENTES NA NORUEGA

O Banco Global de Sementes de Svalbard, na Noruega, agora também será abastecido com o feijão brasileiro. A Embrapa Arroz e Feijão, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária em Goiânia, fez a seleção - chamada coleção nuclear - das amostras de diversas variedades de feijão que chegaram nesta segunda-feira a Oslo. A amostra segue, então, para o pequeno arquipélago de Svalbard, uma região remota próxima ao Pólo Norte. Lá, em um túnel de 125 metros, dentro de uma montanha, há três câmaras de segurança máxima, abertas apenas quatro vezes ao ano, onde estão armazenadas, a -20 graus Celsius, amostras de sementes de alimentos do mundo todo. Em caso de catástrofe, vai sair de lá o recomeço da agricultura mundial. O termo coleção nuclear é utilizado para definir um grupo limitado de amostras que representam grande parte da variabilidade genética das espécies. “Como é uma coleção nuclear com diversidade bem grande, vai ter feijão-preto, vai ter carioca, feijão-vermelho, com manchinhas, feijão do tipo trepador, do tipo que vira uma pequena árvore, aquele mais adaptado à colheita comercial. A idéia é ser o mais variado possível”, explicou a pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Marília Burle. A coleção brasileira de feijão, com 514 amostras, é a segunda remessa enviada a Svalbard. Em setembro de 2012, a Embrapa já havia mandado ao banco nórdico 264 amostras de milho e 541 de arroz. Segundo Marília, outras espécies devem ser depositadas no banco, mas ainda não há previsão para que isso ocorra. “Nem todos os bancos de germoplasma (unidades de conservação de material genético das plantas) têm uma coleção nuclear pronta. Para esses três produtos importantes na agricultura brasileira, nós tínhamos a coleção estabelecida, e isso, em nível mundial, é reconhecido como o filé de uma coleção, pois representa ao máximo a diversidade genética da coleção maior”. A pesquisadora explica que o governo da Noruega é financiador do banco de Savalbard e também faz um grande esforço para manter a cidade com moradores o ano todo, já que é um lugar muito frio e passa três meses totalmente no escuro. Além do próprio governo, o outro financiador é o Global Crop Diversity Trust, ONG internacional que vem financiando muitas ações de recursos genéticos. O banco internacional tem capacidade para armazenar 4,5 milhões de amostras de sementes e sua localização também leva em conta a hipótese de catástrofe mundial. Segundo a pesquisadora, todos os bancos genéticos espalhados pelo mundo são dependentes de energia elétrica e passiveis de acidentes.

MINISTÉRIO PÚBLICO DENUNCIA À JUSTIÇA OS BLACK BLOCS ACUSADOS DO ASSASSINATO DO CINEGRAFISTA SANTIAGO ANDRADE NO RIO DE JANEIRO

A promotora da 8ª Promotoria de Investigação Penal do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, Vera Regina de Almeida, encaminhou nesta segunda-feira para a Justiça a denúncia contra o agente de serviços gerais e black bloc Caio Silva de Souza e o tatuador e também black bloc Fábio Raposo por crimes de explosão e homicídio doloso triplamente qualificado (praticado por motivo torpe) com impossibilidade de defesa da vítima e com emprego de explosivo. Os black blocs Caio e Fábio são acusados de terem acendido e jogado o rojão que provocou a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Ilídio Andrade, durante uma manifestação, no dia 6, no centro do Rio de Janeiro, em protesto aos reajustes de tarifas de ônibus. De acordo com o Ministério Público, a denúncia aponta que Fábio e Caio caminharam lado a lado, com camisas enroladas na cabeça, até próximo ao local onde o rojão foi acionado e Fábio ainda usava uma máscara à prova de gás. “Fábio, então, entregou o artefato para Caio e se posicionou de forma a poder observar o resultado de sua ação criminosa. Caio colocou o rojão em um canteiro e o acionou, afastando-se correndo do local”, indica a denúncia. O documento descreve também a divisão de tarefas entre os dois. “Com Fábio entregando para Caio o rojão com a finalidade, previamente por ambos acordada, de direcioná-lo ao local onde estava a multidão e os policiais militares e, assim, causar um grande tumulto no local, não se importando se, em decorrência dessa ação, pessoas pudessem vir a se ferir gravemente, ou mesmo morrer, como efetivamente ocorreu”, incluiu a promotora na denúncia. Vera Regina de Almeida requereu à Justiça a prisão preventiva dos jovens suspeitos pelo envolvimento na morte do cinegrafista. Atualmente os dois estão em sistema de prisão temporária de 30 dias. Caio está detido na Cadeia Pública José Frederico Marques e Fábio na Penitenciária Bandeira Stampa, ambas no Complexo de Gericinó, em Bangu. Na Justiça, a denúncia ficará a cargo da 3ª Vara Criminal do Tribunal do Juri. O juiz, depois de analisar, vai decidir se aceita a denúncia.

CGU APONTA FALHAS NO USO DOS TRATORES DOADOS POR DILMA PARA AS PREFEITURAS

Um dos principais cartazes da administração da presidente Dilma Rousseff, o programa PAC Equipamentos, é apontado como suspeito em uma série de irregularidades, segundo relatório da Controladoria-Geral da União. O programa, que custa aos cofres públicos 5 bilhões de reais, vai distribuir apenas nesta semana novas máquinas, como retroescavadeiras e tratores, a prefeitos de municípios em Governador Valadares (MG), Teresina (PI), Maceió (AL) e Caxias do Sul (RS). Ao todo, o governo federal deverá doar 269 equipamentos. O relatório da CGU, que ainda está em andamento, acompanhou a distribuição de retroescavadeiras em uma amostra aleatória de 67 municípios. Em quase metade (43%) dos municípios fiscalizados, os equipamentos doados não foram utilizados em nenhuma obra ou benfeitoria nos dois meses anteriores à vistoria. O documento constatou uma sucessão de falhas que provocam uma espécie de "efeito dominó", revelando falta de controle de gestores federais e municipais sobre o programa. Em janeiro deste ano, o documento foi encaminhado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, pasta responsável por tocar o PAC Equipamentos. O Planalto tem investido em uma "linha direta" com os municípios, seguindo estratégia para aumentar a capilaridade das ações do Executivo, interiorizar a bandeira do governo federal e colher cada vez mais dividendos políticos. Conforme a investigação preliminar da CGU, não há fiscalização adequada tanto do governo federal quanto das prefeituras: retroescavadeiras não passam pela revisão prevista, equipamentos já sofrem com má conservação e em muitos casos os operadores não recebem qualquer capacitação para lidar com as máquinas. Em 82% dos municípios analisados constatou-se ausência ou inadequação dos controles adotados pelas prefeituras para o registro de utilização diária das retroescavadeiras. Mesmo com a confirmação do uso da retroescavadeira por 93% dos municípios da amostra, a falta de controles que registrassem de forma adequada a utilização do maquinário impediu que se verificasse se realmente o equipamento era utilizado apenas para o seu público-alvo - no caso, agricultores familiares e assentados da reforma agrária. Além disso, delegacias federais do Desenvolvimento Agrário, vinculadas ao governo federal, "não estão cumprindo o papel de acompanhamento e fiscalização da execução da ação", segundo a CGU. O trabalho de campo dos auditores descobriu que em Sergipe, por exemplo, a delegacia "não planejou fiscalizações" nem "realizou qualquer fiscalização para verificação e acompanhamento" no ano de 2012 da utilização de 24 retroescavadeiras doadas a municípios do Estado. Na Paraíba, segundo o documento, a delegacia federal "não realizou qualquer ação de fiscalização" após a entrega de 42 retroescavadeiras nem dispõe de "infraestrutura adequada e suficiente para o desempenho destas atividades". Em 39% da amostra analisada a instalação/edificação utilizada pelas prefeituras para a guarda do maquinário não é considerada adequada. Após inspeção in loco, técnicos do governo encontraram maquinários com sinais de má conservação - 18% do total inspecionado. Um dos casos mais emblemáticos das falhas no PAC Equipamentos é o do município de Vicentina, no Mato Grosso do Sul, onde a retroescavadeira doada à prefeitura em junho de 2012 foi repassada depois ao Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural (CMDR) "Constatou-se, ainda, que a utilização do referido equipamento pelos produtores rurais está sendo cobrada", destaca o relatório, alertando que a utilização do maquinário não está ocorrendo "de forma adequada e em conformidade" com os objetivos do programa. Ainda segundo o relatório da CGU, em 42% da amostra analisada, as retroescavadeiras não passaram pelas revisões previstas em manual de operações - e em 37% o fabricante não cumpriu a obrigatoriedade contratual de oferecer a garantia de 24 meses a partir da entrega do maquinário. Também foi verificado que em 55% dos municípios analisados os operadores de retroescavadeira não haviam recebido qualquer capacitação. Em 70% do conjunto de municípios, não foram treinados pelo menos dois profissionais por máquina, o que descumpre o determinado no termo de doação e em edital. Os equipamentos do PAC 2 são doados para municípios com menos 50 mil habitantes e devem ser utilizados para abertura, recuperação, readequação e conservação de estradas na zona rural de municípios com predominância de agricultores familiares e para mitigação dos efeitos da seca nas regiões do semiárido. Ao todo, serão entregues cerca de 18 mil equipamentos, entre retroescavadeiras (5.071), motoniveladoras (5.061), pás-carregadeiras (1.440), caminhões caçamba (5.061) e caminhões pipa (1.440). Uma retroescavadeira custa aproximadamente 160 mil reais aos cofres públicos.

ARENA PANTANAL PODE SER EXCLUÍDA DA COPA DO MUNDO

As obras da Arena Pantanal, em Cuiabá, passaram por inspeção nesta segunda-feira por um perito independente encarregado de informar à Fifa se o incêndio ocorrido no local, em outubro do ano passado, provocou danos estruturais ao estádio. A suspeita faz parte de um relatório do Ministério Público revelado no domingo. De acordo com Delia Fischer, porta-voz da Fifa, a inspeção produzirá um relatório que será entregue tanto à entidade como às autoridades brasileiras. O documento do Ministério Público destaca a possibilidade de o estádio, palco de quatro partidas da Copa do Mundo, não ser entregue a tempo. O texto também critica o governo do Mato Grosso pela insistência em dizer que o incêndio que se alastrou pela obra não provocou dano algum à estrutura do estádio. "Ressalta-se que a perda de resistência pode comprometer a estabilidade global desta construção. Recomenda-se fortemente que seja verificada, por meio de ensaios, os reais danos sofridos pela estrutura", diz o relatório, que revela que "o concreto foi completamente desfragmentado" em alguns setores. O estudo foi entregue em dezembro à Secretária Extraordinária da Copa em Mato Grosso e não se sabe se os danos acusados já foram reparados. Para garantir que não ocorra uma tragédia no estádio, porém, o promotor Clóvis de Almeida defende que não sejam realizados eventos no local por enquanto. "Vamos garantir que nenhum jogo aconteça na Arena Pantanal até que a segurança esteja completamente garantida", disse ele. Na semana passada, o Ministério Público do Estado do Mato Grosso instaurou inquérito para investigar as consequências do incêndio. O secretário Maurício Guimarães, da Secopa, afirmou várias vezes que o incêndio não causou grandes danos no estádio, que estaria em condições adequadas. Em nota divulgada no domingo, a secretaria idade afirma que, depois da perícia feita no local, "todos os reparos necessários foram realizados, seguidos de testes de carga concentrada e ensaios de resistência das estruturas. As análises foram realizadas por engenheiros especialistas em cálculo estrutural". O promotor Almeida diz, no entanto, que os técnicos que fizeram a avaliação "não têm credibilidade" Orçada em 570 milhões de reais, a Arena Pantanal tem 95% das obras concluídas. Se tudo correr como previsto, o estádio deverá ser inaugurado em março, com um amistoso entre times locais. O estádio tem capacidade para 41.300 pessoas e receberá as seguintes partidas na Copa: Chile x Austrália (13 de junho), Rússia x Coreia do Sul (17 de junho), Nigéria x Bósnia (21 de junho) e Japão x Colômbia (24 de junho).

MAIS DE 1.000 PRESOS "SUMIRAM" DOS PRESÍDIOS DO CEARÁ

Pelo menos 1.109 presos simplesmente desapareceram dos presídios do Estado do Ceará durante o ano de 2013. A conclusão é do Mutirão Carcerário realizado pelo Conselho Nacional de Justiça e consta de um relatório aprovado em fevereiro deste ano, que constata o “desaparecimento” ou “sumiço” dos detentos. Política penitenciária petista é assim, faz "sumir" presos. Ciente da falta de controle sobre a população carcerária, o CNJ criticou o Judiciário e o sistema penal local: “Há que se registrar que as Varas Criminais e de Execução Penal não possuem controle da população que se encontra nas casas prisionais, seja na condição provisória ou no efetivo cumprimento da pena". Segundo o relatório, não existe um sistema de controle de detentos no Estado que compartilhe informações com o Tribunal de Justiça do Ceará, sendo impossível, dessa forma, obter a localização dos presos. “O que se constatou foi um sistema deficiente, que, não raras vezes, abriga o controle dos presos em listagens elaboradas manualmente", afirma o relatório. A Secretaria Estadual de Justiça e da Cidadania do Ceará, responsável pela administração e vigilância dos presídios, rebateu as críticas informando que o Estado possui total controle de presos em um sistema chamado Sispen, que é “referência para outros Estados no País”. Que tal, hein?!!! Quando o Ceará é modelo para o resto do País, estamos todos muito bem.... Após o trabalho de vistorias e consultas realizado entre os dias 6 de agosto e 13 de setembro de 2013 no sistema prisional cearense, o documento, de 400 páginas, traça um perfil das condições em que se encontra o sistema no Ceará. Os dois juízes que assinam o relatório, Paulo Augusto Irion e Maria de Fática da Silva, criticaram a administração dos presídios. Os juízes responsáveis pelo Mutirão denunciam ainda desorganização em relação à situação de presos, ou seja, “a partir de uma prisão cautelar começam a computar este preso como sendo provisório - desprezando sua situação de preso com execução penal ativa”. O relatório elaborado pelo CNJ aponta ainda a necessidade de construir cinco novos presídios em um prazo máximo de seis meses e a criação de varas de Execução Penal e mais uma Câmara Criminal. Uma das unidades deverá ser de segurança máxima e localizada no município de Pacajus, região metropolitana de Fortaleza, “evitando-se, desta forma, a contaminação de presos com menor periculosidade com aqueles de maior periculosidade”.

BNDES VAI OFERECER R$ 1,4 BILHÃO PARA SETOR DE CANA-DE-AÇÚCAR

O BNDES vai oferecer 1,4 bilhão de reais em créditos para inovação tecnológico nas lavouras de cana-de-açúcar entre 2014 e 2018, informou o banco durante encontro com indústrias do setor sucroenergético em São Paulo nesta segunda-feira. Os recursos serão oferecidos em parceria com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do governo federal. De acordo com o BNDES, além dos 1,4 bilhão em financiamentos reembolsáveis, o programa ainda disponibilizará 80 milhões de reais de recursos não reembolsáveis, sendo 40 milhões de reais por meio do Fundo Tecnológico (BNDES Funtec) e 40 milhões de reais de subvenção econômica pela Finep. Também nesta segunda-feira, o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, disse, ao fim do evento, que o clima seco e quente no centro-sul do Brasil deverá barrar um crescimento na safra 2014/15 de cana, estimada agora em um volume semelhante ao registrado na atual temporada 2013/14. As usinas do centro-sul, região que responde por 90% da produção nacional de cana, estão encerrando a safra 13/14 com uma moagem recorde de 596,2 milhões de toneladas, segundo os dados atualizados até o final de janeiro. "A verdade é que nós vamos perder todo o potencial que havia de crescimento, perto de 40 milhões de toneladas", disse Padua. As chuvas, que voltaram à região nos últimos dias, deverão apenas impedir novas perdas, sem condições de recuperarem os prejuízos registrados até o momento. "O que perdeu, perdeu. Não tem mais esta recuperação, e a expectativa agora é que a chuva se mantenha na normalidade e que não tenha uma quebra maior ainda do que já aconteceu", disse Padua.

BANDIDO MENSALEIRO JOSÉ GENOÍNO PEDE AO SUPREMO DIREITO DE PRISÃO DOMICILIAR DEFINITIVA

A defesa do ex-deputado federal e bandido petista mensaleiro José Genoino (PT) formalizou nesta segunda-feira pedido ao Supremo Tribunal Federal para continuar cumprindo pena em regime domiciliar. Na quarta-feira terminará o prazo de 90 dias concedido pelo ministro Joaquim Barbosa para que Genoino permaneça em casa. Condenado a seis anos e onze meses por corrupção ativa e formação de quadrilha, o petista tem problemas cardíacos e alega que a prisão domiciliar definitiva teria “caráter humanitário” devido ao seu quadro clínico. “A natureza da prisão domiciliar não representa efetivamente nenhum beneplácito, mas uma modalidade de prisão”, disse a defesa do bandido petista mensaleiro José Genoino no pedido encaminhado ao STF. Para o mensaleiro, o retorno ao presídio da Papuda para cumprir pena em regime semiaberto – ele ainda recorre da condenação de quadrilha – “significa expor desnecessariamente o paciente a elevado risco de morte”, já que ele apresenta “altíssimo risco cardiovascular”. De acordo com o advogado Luiz Fernando Pacheco, nem o sistema penitenciário do Distrito Federal, onde Genoino começou a cumprir pena, nem os estabelecimentos prisionais em São Paulo, onde mora sua família, têm condições de garantir tratamento adequado ao bandido mensaleiro. “Levando em consideração o problema de saúde concreto – paciente idoso vítima de dissecção aguda da aorta, cumulada com outras intercorrências clínicas relevantes – que não possui paralelo exato nos sistemas penitenciários de São Paulo ou do Distrito Federal, bem como a situação específica do estabelecimento prisional (...) – o Centro de Internamento e Reeducação (CIR) – (...) outra não pode ser a conclusão senão a manutenção da prisão domiciliar anteriormente concedida”, afirmou o advogado. O advogado diz que Genoino compareceu sete vezes ao médico neste ano. No final de novembro, um laudo médico elaborado a pedido do ministro Joaquim Barbosa constatou que a prisão domiciliar “não é imprescindível” para o ex-presidente do PT. O estado de saúde do petista foi analisado por uma equipe de cardiologistas da Universidade de Brasília (UnB), segundo quem Genoino é “portador de cardiopatia que não se caracteriza como grave”. Na semana passada, porém, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em parecer sobre o caso, recomendou que Genoino permaneça mais noventa dias em prisão domiciliar e, ao final desse período, seja reavaliado pelos médicos. Genoino foi submetido a uma cirurgia cardíaca em julho após ser detectada a dissecção da aorta. Depois de iniciar o cumprimento da pena, ele passou mal e recebeu autorização provisória para realizar tratamento em casa ou no hospital.

ECONOMISTAS DE BANCOS PROJETAM PIB MENOR E INFLAÇÃO MAIOR PARA 2014

Com base nos dados do relatório Focus, divulgado pelo Banco Central, nesta segunda-feira, agentes do mercado financeiro brasileiro indicam aceleração da inflação para este ano. Além disso, eles esperam que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma redução de 1,9% para 1,79%. O documento é resultado de pesquisa do Banco Central com mais de cem economistas de bancos que operam no mercado brasileiro. Para a inflação de 2014, a estimativa dos analistas passou de 5,89% para 5,93% na semana passada. Com isso, o mercado voltou a acreditar que a inflação terá aceleração neste ano, frente ao patamar registrado em 2013 (5,91%). Se os dados foram confirmados a inflação desse ano será maior que a de 2013. Já para o próximo ano a expectativa dos analistas ficou estável, em 5,7%.

NÃO É QUALQUER GOVERNO QUE PRODUZ ESTES RESULTADOS: É PRECISO SER MUITO RUIM!

Convenham: não é qualquer governo que consegue produzir uma das taxas reais de juros mais altas do planeta (hoje, o Brasil deve estar em segundo lugar) e um crescimento abaixo de 2%, lutando bravamente para a inflação não sair do controle. E não custa lembrar que já está contratado: depois de 13 anos, o Brasil deverá ter déficit na balança comercial em 2014. Aliás, não fosse a contabilidade criativa de Guido Mantega — que fez uma mandracaria, computando como “exportação” plataformas da Petrobras que nunca saíram do país —, já teria havido um déficit de US$ 5,5 bilhões em 2013. Mas eles estão aí: reinventando o passado e senhores absolutos do futuro. Guido Mantega sabe como fazer. Se não for ele, há o risco de ser Aloizio Mercadante. Jesus! Leiam o que informa a VEJA.com.

Na VEJA.com:
Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central reduziram de 1,90% para 1,79% a expectativa de crescimento da economia brasileira em 2014, de acordo com pesquisa semanal Focus divulgada nesta segunda-feira. Para 2015, a estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) do país recuou de 2,20% para 2,10%. Há quatro semanas, as projeções eram, respectivamente, de 2,00% e 2,50%.
Já a projeção de inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2014 subiu de 5,89% para 5,93% – bem distante do centro da meta do governo, de 4,5%. Há quatro semanas, a estimativa estava em 6,01%. Para 2015, a projeção segue em 5,70%. Há quatro semanas, estava em 5,60%. A previsão de inflação para os próximos 12 meses subiu de 6,00% para 6,05%, conforme a projeção suavizada para o IPCA. Há quatro semanas, estava em 5,98%.
Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para o IPCA em 2014 no cenário de médio prazo segue em 5,86%. Para 2015, a previsão dos cinco analistas se manteve em 5,80%. Há um mês, o grupo apostava em altas de 6,19% para 2014 e 6,00% para 2015. Entre todos os analistas ouvidos pelo BC, a mediana das estimativas para o IPCA em fevereiro segue em 0,65%. Há quatro semanas, estava em 0,65%. Para março, a projeção segue em 0,50% há oito semanas.
Ainda que a expectativa de inflação tenha crescido, os economistas mantiveram inalteradas suas previsões quanto a taxa básica de juros da economia, a Selic. Os analistas ouvidos pelo BC esperam a Selic em 11,25% ao ano ao fim de 2014. Para 2015, a mediana segue em 12,00% ao ano. A taxa está hoje em 10,50% ao ano. A previsão para a taxa na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de fevereiro segue em 10,75% ao ano.
A previsão para a Selic média subiu de 10,94% para 10,97% ao ano para 2014 e de 11,75% para 11,79% para 2015. Há quatro semanas, estavam em 10,69% e 11,42% ao ano, respectivamente. No grupo Top 5 a previsão para a Selic no fim de 2014 segue em 11,75% ao ano. Para 2015, segue em 12,25% ao ano.
A projeção para o crescimento do setor industrial em 2014 segue em 1,93%. Para 2015, economistas preveem avanço industrial de 2,89%, ante 2,95% da pesquisa anterior. Um mês antes, a Focus apontava estimativa de expansão de 2,20% para 2014 e de 2,89% em 2015 para o setor. Os analistas reduziram a previsão para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2014 de 34,95% para 34,80%. Há quatro semanas, estava em 34,80%. Para 2015, segue em 35,00% há nove semanas. Por Reinaldo Azevedo

CAETANO, A SONIHA TODA-PURA DOS BLACK BLOCS, DECIDE SER A FADA SININHO DE MARCELO FREIXO


Caetano fantasiado de black bloc: ele apenas viu uma estética, sabem?
Caetano fantasiado de black bloc: ele apenas viu uma estética, sabem?
Mas os black blocs são também uma ética e fazem isto: Santiago Andrade ferido
Mas os black blocs são também uma ética e fazem isto: Santiago Andrade ferido
Caetano Veloso, o esteta dos black blocs, que se deixou fotografar fantasiado de bandido, resolveu, mais uma vez, fazer reflexões políticas. É aquele senhor que chegou a escrever certa feita que os “os black blocs fazem parte”. Infelizmente, não revelou o complemento nominal que tinha em mente para que soubéssemos, afinal de contas, parte de quê.
Neste domingo, em seu artigo no Globo, ele volta à carga com dois truques manjados, velhos, mas que têm eficácia: atacar o veículo em que escreve para a)demonstrar independência; b) fazer com que o jornal prove, então, que ele está errado. Sempre que veículos da grande imprensa são desafiados por esquerdistas e bocós (ou a soma das duas coisas) a provar que não são “de direita”, caem no truque. Até porque não faltam nas redações… esquerdistas e bocós (ou a soma das duas coisas).
Parafraseando uma deliciosa coluna de Diogo Mainardi, sobre outras personagens, noto que Peter Pan e os black blocs têm a fada Sininho. O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) tem Caetano Veloso. Caetano é a fada Sininho de Freixo. Quando a bomba dos piratas está para estourar no colo de Freixo, providencialmente aparece Caetano, batendo as asinhas. Ele carrega a bomba para longe e – bum! – estoura junto com ela, sempre pronto a se sacrificar pela Terra do Nunca.
Leiam o texto de Caetano publicado no domingo. Volto depois.
*
Gosto de Freixo não porque ele é do PSOL. Acho que gosto um tanto do PSOL por ele abrigar Freixo. Sou independente, conforme se vê. Ser estrela é bem fácil. Nada importam as piadas dos articulistas reacionários que classificam minhas posições como Radical Chic. Desprezo a tirada de Tom Wolfe desde o nascedouro. Antigamente tentavam me incluir na chamada esquerda festiva. Isso sim, embora incorreto, me agradava: a expressão brasileira é muito mais alegre, aberta e democrática do que a de Wolfe. Mas tenho vivido para desmontar o esquema que exige adesão automática às ideologias da moda. Deploro o resultado das revoluções comunistas. Todas. E, considerando o Terror que se seguiu a 1789, sou cético quanto a revoluções em geral. Na maioria das vezes, a violência se dá, não para fazer a história humana caminhar, mas para estancar seu fluxo. Olho com desconfiança os moços que entram em transe narcisista ao quebrar vidros crendo que desfazem a trama dos poderes. Ainda hoje não consigo adotar a posição que considera Eduardo Gianetti, um liberal crítico, ou André Lara Rezende, o homem que põe em discussão o crescimento permanente, conservadores. Nem acho que o conservadorismo seja necessariamente um mal. A adesão de alguns colegas meus à nova direita me deixa nauseado, não por ser à direita, mas por ser automática.
Simplesmente me pergunto qual exatamente será a intenção do GLOBO ao estampar manchetes e editoriais induzindo seus leitores a ligarem Marcelo Freixo aos rapazes que lançaram o rojão que matou Santiago Andrade. A matéria publicada no dia em que saiu a chamada de capa com o nome do deputado era uma não notícia. Nela, a mãe de Fábio Raposo, o rapaz que entregou o foguete a Caio Souza, é citada dizendo acreditar que o filho “tem algum tipo de ligação com Freixo”. Isso em resposta a uma possível declaração do advogado Jonas Tadeu Nunes, que, por sua vez, partiu de uma suposta fala da ativista apelidada Sininho. O GLOBO diz que esta nega. Como então virou manchete a revelação da possível ligação entre o deputado e os rapazes envolvidos no trágico episódio? Eu esperaria mais seriedade no trato de assunto tão grave.
Li o artigo do grande Jânio de Freitas em que ele defende a tese de intenção deliberada de assassinar um jornalista, o que está em desacordo com as imagens exibidas na GloboNews. Sem falar na entrevista do fotógrafo, que afirma que o detonador do artefato tinha mirado os policiais. Claro que me lembrei, ao ver a primeira reportagem na GloboNews, dos carros de emissoras de TV incendiados durante as manifestações, o que me levou a participar da indignação dos âncoras do noticioso. Um vínculo simbólico entre aquelas demonstrações de antipatia e o ocorrido em frente à Central é óbvio: um rojão sai das mãos de um manifestante e atinge a cabeça de um jornalista. Mas parece-me abusivo ver nisso o propósito de matar o repórter. Nas matérias que se seguiram, O GLOBO, ecoando falas do advogado Jonas Tadeu, que diz não ser pago por ninguém para defender os dois réus mas conta que um deles diz receber dinheiro para ir às manifestações, insiste em lançar suspeita sobre Freixo, por ser o PSOL, seu partido, um possível doador do alegado dinheiro. Na verdade, as declarações do advogado, mesmo nas páginas do GLOBO, soam inconvincentes. O mesmo Jânio de Freitas, em artigo posterior àquele em que defende a tese de assassinato deliberado, se mostra desconfortável com o comportamento de Jonas Tadeu. Já O GLOBO, no qual detecto uma sinistra euforia por poder atacar um político que aparentemente ameaça interesses não explicitados, trata as falas de Tadeu sem crítica. Uma das manchetes se refere a vereadores do PSOL que teriam contribuído para uma ação na Cinelândia, na véspera de Natal, sugerindo ligação do partido com vândalos, quando se tratava de caridade com moradores de rua. O tom usado no GLOBO é, para mim, de profundo desrespeito pela morte de Santiago.
Freixo, em fala firme ao jornal, desmente qualquer ligação com os dois rapazes. Ele também lembra (assim como faz Jânio) que Jonas Tadeu representou o miliciano Natalino.
Quando Freixo era candidato a prefeito, escrevi artigo elogioso sobre ele. O jornal fez uma chamada de capa que, a meu ver, desqualificava meu texto. Manifestei minha indignação. A pessoa do jornal que dialogava comigo me assegurou não ter havido pressão dos chefes. Acreditei. Agora não posso deixar de me sentir mal ao ver a agressividade do jornal contra o deputado. Tudo — incluindo os artigos de autores por quem tenho respeito e carinho — me é grandemente estranho e faço absoluta questão de dividir essa estranheza com quem me lê.
*
Comento
Caetano Veloso acha que basta classificar de “colunistas reacionários” aqueles que criticam suas irresponsabilidades para que fique tudo bem. Não, senhor! A causa a que ele, em alguma instância, aderiu já tem um morto e é hoje a força que mais constrange a imprensa livre. Essa mesma onde ele vai posar de pensador alternativo.
Os vereadores do PSOL não “teriam contribuído” com black blocs; eles contribuíram. É preciso ser Caetano Veloso para ter a cara-de-pau de afirmar que quem promove quebra-quebra num dia vai fazer caridade de Natal no outro. É do poeta já morto Wally Salomão a melhor expressão para designar esse lado falso sonso de Caetano: posa de “Soninha Toda-Pura”.
O “instituto”, ou algo assim, que fornece os advogados que livram da cadeia os black blocs são umbilicalmente ligados ao PSOL, a Freixo. Até outro dia, a página do partido trazia o texto de um membro da direção considerando a tática black bloc aceitável, parte do jogo político. Os covardes tiraram o texto do ar. A notícia, omitida por Caetano, saiu no Globo.
Ele também faz de conta que o Sindicato dos Professores do Rio, comandando pelo PSOL — e isso quer dizer “Marcelo Freixo” — não promoveu ações conjuntas com os black blocs, o que foi admitido até em nota oficial. A parceria é antiga.
Raramente li texto tão desonesto intelectualmente. E, se notarem bem, não ha um só lamento, uma miserável linha, nada, pela morte de Santiago Andrade. Vai ver isso também “faz parte”.
Eu achava que Caetano estava apenas decadente e que ninguém, à sua volta, por medo de perder o emprego, tinha coragem de dar um toque. Mas vejo que ele já morreu faz tempo.
Estou respondendo ao texto de um defunto moral. Vejam as duas imagens lá do alto. Caetano, nos últimos anos, vinha provocando em mim algo como repulsa intelectual. Desta feita, santo Deus!, é nojo físico mesmo. Não é assim que se lida com a morte de pessoas. Não é assim que se liga com sangue humano.
Seu irresponsável! Por Reinaldo Azevedo

IGREJA UNIVERSAL PÕE À VENDA A RÁDIO GUAÍBA DE PORTO ALEGRE POR 35 MILHÕES DE REAIS

O advogado e jornalista Leudo Costa, que tem proximidade com a Rede Record, anunciou nesta segunda-feira que o grupo de comunicação, controlado pela Igreja Universal, do bispo Edir Macedo, colocou à venda um dos principais ativos no Rio Grande do Sul, a famosa Rádio Guaíba. A emissora está à venda por 35 milhões de reais. A Rádio Guaíba disputou por muito tempo o primeiro lugar em audiência no Rio Grande do Sul com a Rádio Gaúcha, do grupo RBS. Ao passar para o controle da Rede Record, a emissora foi completamente caracterizada. A Igreja Universal tentou transformá-la em uma rádio popularesca, e isso foi rejeitado pela gauchada. A Rádio Guaíba despencou em audiência, e de nada adiantou a sua grande potência de transmissão, de mais de 100 quilowats. Agora vamos ver que futuro terá a Rádio Guaíba.

OS QUE ESTÃO NAS RUAS NA VENEZUELA QUEREM É DEMOCRACIA; OS BLACK BLOCS NO BRASIL SÃO É BANDIDOS


Milhares de estudantes voltam às ruas na Venezuela (Foto: Christian Veron/Reuters)
Milhares de estudantes voltam às ruas na Venezuela (Foto: Christian Veron/Reuters)
Recebi aqui de um leitor um arrazoado bastante capenga, afirmando que uso “dois pesos e duas medidas” para avaliar os protestos na Venezuela e no Brasil. Eu seria favorável às manifestações lá e contrário aqui. Pra começo de conversa, peço um favor: vamos usar a expressão com correção. O certo para indicar o que o rapaz tentou dizer é “um peso e duas medidas” — porque desequilibraria a balança, entenderam? Quem diz que o outro usa “dois pesos e duas medidas” só o está acusando de ter sido justo… Não sei se me fiz entender. Mas sigamos.
A Venezuela, técnica e praticamente, é uma ditadura, e o Brasil, felizmente, é uma democracia plena. Ainda é, e vamos lutar para que continue assim. Neste domingo, milhares de estudantes voltaram às ruas de Caracas para protestar contra o governo e contra encapuzados que têm se infiltrado nas manifestações — aquelas, sim, pacíficas — para promover a violência e o caos. Uma nova convocação foi feita para esta segunda.
Na semana passada, três pessoas morreram a tiros em manifestações de rua, dezenas ficaram feridas, e há nada menos de 200 presos — três deles são jornalistas. Os tumultos foram promovidos, já está mais do que claro, por milícias chavistas armadas, que se infiltraram entre os que protestavam para promover o quebra-quebra e a depredação. Isso forneceu ao ditador Nicolás Maduro o pretexto para uma onda repressiva sem precedentes, com ordem para prender políticos de oposição. Um deles, Leopoldo Lopez, está foragido, e a polícia o caça país afora. Maduro o acusa, acreditem, de terrorismo e de tramar um golpe no país. É um lunático. Neste domingo, anunciou a expulsão de três diplomatas americanos, que, segundo ele, estariam envolvidos em conspiração. É o velho truque dos malandros latino-americanos: quanto tudo vai mal, basta culpar os EUA.
Maduro é ditador mesmo tendo sido eleito? É. Para começo de conversa, foram eleições sujas, feitas sob a ação terroristóide das milícias e sem que a oposição tivesse acesso à televisão — hoje um monopólio estatal. As TVs oficiais, diga-se, se negaram a transmitir os protestos. Nota à margem: o marqueteiro que fez a campanha de Maduro é João Santana, o mesmo que cuidou da reeleição de Lula, da primeira campanha de Dilma e que vai agora se encarregar da segunda.
O presidente da Venezuela tem traços claros de psicopatia. Diz conversar com passarinhos, que lhe transmitiriam mensagens de Hugo Chávez, e vê a imagem do ditador morto em rebocos de parede. Seria só um bufão folclórico se não estivesse conduzindo a nação para o caos. A Venezuela é hoje um dos países mais violentos do mundo. Em Caracas, há mais de 100 homicídios por 100 mil habitantes. No Brasil, com toda a escandalosa violência, são 26 — em São Paulo, 10,5. Isso dá conta do que vai pelas ruas da capital venezuelana.
A economia está destruída: de comida a papel higiênico, falta tudo nas prateleiras dos supermercados — inclusive daqueles estatais, criados pelo modelo chavista para supostamente garantir o abastecimento. A inflação no país é a mais alta da América Latina: se a nossa foi de 5,91% em 2013, a venezuelana foi de 56,2% — 8 vezes e meia a mais.
Os estudantes que vão às ruas na Venezuela se insurgem contra um país em que a liberdade de expressão é limitada, o Judiciário e o Parlamento estão submetidos às gangues chavistas, o tal “Socialismo do Século XXI” condena a população à miséria e ao atraso, e líderes da oposição estão sendo encarcerados. Mesmo o jornalismo impresso, mais independente, sofre terríveis pressões porque o governo ameaça cortar a cota de papel.
Assim, comparar os protestos que ocorrem lá com os que ocorrem aqui, como querem fazer alguns, é uma tremenda bobagem. Os critérios com que se avaliam as lutas contra uma ditadura não podem servir de baliza para manifestações de descontentamento num regime democrático. De resto, os estudantes venezuelanos promovem protestos realmente pacíficos e saíram às ruas neste domingo justamente para repudiar a violência, obra de delinquentes a serviço do governo.
Um lamento adicional é saber que, desrespeitando o protocolo do Mercosul — que não aceita governos ditatoriais —, Dilma Rousseff e Cristina Kirchner, presidente da Argentina, promoveram a entrada da Venezuela no Bloco. O Brasil decidiu ser sócio de um governo que censura a imprensa, prende opositores e mata seu próprio povo. Por Reinaldo Azevedo

IMPRENSA LIVRE, DEMOCRACIA E LEI ANTITERROR. OU: ESTADOS DEMOCRÁTICOS TÊM LEGITIMIDADE PARA DIZER O QUE OS INDIVÍDUOS NÃO PODEM FAZER. E SE FIZEREM? CANA!


Black blocs em ação: será que isso é permitido na democracia? Resposta óbvia: não!
Black blocs em ação: será que isso é permitido na democracia? Resposta óbvia: não!
Em dezenas de artigos neste blog e na minha coluna na Folha de sexta, acusei a omissão da imprensa e dos jornalistas, que não revelam a seu leitores, telespectadores ou ouvintes que são obrigados a se esconder nas manifestações. Um colete com a palavra“Imprensa” não seria uma boa ideia porque, em vez de proteger o jornalista, a vestimenta o exporia a riscos ainda maiores. Pode até ter a sua eficácia na Síria, não nas ruas de São Paulo ou do Rio. E a omissão continua. Por enquanto ao menos, homenagens à parte, no que concerne à reação dos profissionais de imprensa, Santiago Andrade morreu em vão. Aliás, note-se, em vez da justa indignação, começou foi o coro dos hipócritas do “deixa disso”. Há até alguns e algumas bacanas sugerindo que os jornalistas precisam evitar a reação “corporativista”. E assim é, vocês já perceberam, porque os assassinos de Santiago são dois manifestantes. Imaginem o escarcéu que se faria — e com razão, noto — se tivesse sido morto pela Polícia Militar.
Aliás, reações, estas sim, corporativistas, vimos e ainda vemos quando se trata de apontar o dedo contra as forças se segurança. É possível que um ou outro policiais tenham atirado balas de borracha contra jornalistas porque jornalistas — e, ficando evidenciado, têm de ser punidos porque o artefato deixa de ser dissuasivo para se transformar em arma de ataque. No mais das vezes, no entanto, jornalistas foram feridos no fogo cruzado. Infelizmente, a tal bala ainda é incapaz de distinguir profissões. Como os coleguinhas estão sempre fazendo a cobertura do ponto de vista do “manifestante”, nunca da polícia, a chance de ser atingido é grande. “Ah, está justificando!” Não estou. Digo como são as coisas.
Vejo associações de empresas e de jornalistas cobrando “garantias” à polícia. Quais garantias? O instrumento mais eficaz, nesses casos, é haver a clara identificação dos profissionais de imprensa. Ou deem um outro! Mas assim não pode ser porque eles estão com medo — e com razão. No Rio, no dia 13 de junho, policiais foram literalmente linchados. Então a coisa não começou agora, certo? Um grupo foi sitiado na Assembleia, com vândalos dispostos a botar fogo no prédio. Em São Paulo, um coronel da Polícia Militar teve a clavícula quebrada e poderia ter sido morto não fosse a intervenção de homens do serviço reservado. E o coronel estava lá para negociar. Imaginem se esses canalhas cercam um repórter de TV cuja cara é conhecida. Um carro da TV Record foi incendiado — apesar disso, um gigante moral como Paulo Henrique Amorim usa seus dotes momescos para fazer graça com a violência, tripudiando sobre o cadáver de um colega de sua ex-profissão.
Por que a Globo, a Band ou a Record não mandam para as ruas, com a devida identificação no microfone e nas câmeras, seus profissionais conhecidos, justamente os mais experientes e, em tese ao menos, mais aptos a coberturas com esse grau de complexidade? Porque seriam linchados! Ainda que as empresas fossem irresponsáveis o bastante para convocá-los, eles não iriam. Se conhecerem alguns, perguntem a eles se teriam coragem de enfrentar a parada. Não são doidos. Aliás, os repórteres de TV que me leem agora sabem que falo a verdade. As TVs estão recorrendo a estratégias editoriais: o jornalismo atua de modo clandestino, colhendo imagens. Depois, os mais experientes se encarregam de “amarrar” uma reportagem final. E ninguém está se escondendo da polícia. É vergonhoso que isso não tenha sido denunciado ainda:
a: pelas emissoras;
b: pelas associações profissionais de jornalistas;
c: pelas associações profissionais das empresas de comunicação;
d: pela Ordem dos Advogados do Brasil. Esta, então, por intermédio de sua seção no Rio, está, na prática, justificando a violência, como já demonstrei aqui. A atuação da entidade nesse particular tem sido vergonhosa.
Tim Lopes, sim!, mas pior
Mesmo assim, apesar de todas as evidências de que os jornalistas estão sendo caçados nas ruas, prevalecem o silêncio e a reação, esta sim hipócrita, de culpar os dois lados. Por quê? Porque estão todos com medo dos milicianos organizados das redes sociais.
Leio um texto em que se sustenta que Santiago Andrade não pode ser comparada a Tim Lopes porque, nesse caso, os traficantes sabiam quem estavam matando e se tratou de um agressão explícita à liberdade de imprensa. Já a dupla que atacou Santiago, bem, o rojão não estava destinado a ele; teria havido um acidente. A consideração é de uma imoralidade asquerosa. É claro que não era “para ele”. Como confessou um dos agressores, o objetivo era atingir os policiais. E que se note: fosse o morto um fardado, a reação teria sido ainda mais discreta.
Certas ocorrências, ainda que infinitamente menores do que emblemas de tragédias humanitárias, trazem a memória pura da indignidade. Hitler matou seis milhões de judeus. E encontrou um lugar justo na história, sendo cultuado não mais do que por meia-dúzia de lunáticos. Stálin responde pela morte de uns 40 milhões na União Soviética — quase nunca, mas também, matava alguém por pertencer a este ou àquele grupos. A vocação homicida do Bigodão era menos seletiva do que a do Bigodinho. É evidente que o Holocausto Judeu merece um lugar único na história porque o ódio a uma etnia, a um grupo social, a um povo reveste-se de particular gravidade. Hitler matava judeus porque eram judeus. Mas como explicar que partidos comunistas mundo afora e esquerdistas em penca ainda hoje cultivem a memória de Stálin — e, mais genericamente, do socialismo — como um reformador?
A sobrevivência, diga-se, das ideias de esquerda decorre, em grande parte, desse dar de ombros para os crimes cometidos pelos socialistas. Admite-se, em larga medida, que a violência é um instrumento aceitável da luta política, daí um certo Marcelo Chalreo, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, ter citado alegremente numa nota — num daqueles momentos em que a ignorância se cruza com a truculência —, que “a violência é a parteira da história”. Não se enganem: se as organizações judaicas não fossem tão vigilantes e não se empenhassem, ainda hoje, em lembrar quem foi Hitler e o que foi o nazismo, também essa besta-fera já teria sido reciclada para consumo. Afinal, se “a violência é a parteira da história”, então tudo é permitido. Os canalhas intelectuais que acusam os judeus de alimentar “a indústria do holocausto” deveriam atentar para o mal que fizeram os liberais por não terem alimentado a “indústria do morticínio socialista”.
O caso Santiago Andrade, na verdade, é mais grave do que o de Tim Lopes. Sim, os traficantes sabiam quem estavam matando. Mas notem: Tim estava infiltrado no “movimento”, numa operação que sabia de altíssimo risco, para fazer a denúncia por dentro. Fosse um policial ou religioso, uma vez descoberto, teria morrido do mesmo jeito. É tolice achar que o assassinaram porque era um jornalista. Os facínoras que o mataram não estavam se manifestando contra a liberdade de imprensa. Só não queriam ser denunciados. Duvido que Elias Maluco já tenha pensado a respeito da liberdade de informação ou que chame o jornalismo de “mídia conservadora”, com esgar de nojo. Ele habita outro planeta.
Nestes dias, a coisa é bem diferente.  Fato: a dupla não tentou matar Santiago — o artefato era para a polícia… Mas Santiago pertencia a uma categoria que não pode se identificar e mostrar a cara porque grupos organizados, que odeiam o jornalismo livre, que se manifestam abertamente contra a liberdade de imprensa, não permitem.
Vagabundos financiados
Entrem nas páginas dos black blocs e afins na Internet para ver o que eles pensam da imprensa, que acusam de “distorcer” as reais intenções do seu glorioso “movimento”. A tal “Sininho”, que apareceu como animadora de torcida de depredadores, chamou de “carniceiros” os cinegrafistas que, trabalhando, cobriam o depoimento de Fábio Raposo, um dos assassinos de Santiago. Um de seus amigos apontou o dedo para eles: “Vocês serão os próximos”. Levou uma “camerada” na cabeça de um dos cinegrafistas — um gesto que mereceu o meu aplauso. Simples assim.
Façam um exercício: comparem o que os black blocs e outros violentos dizem do jornalismo livre com o que vai em páginas do subjornalismo governista-petista, financiadas pelo governo federal e por estatais. O texto é o mesmo. As acusações são as mesmas. A mesma é a vocação persecutória. O que os facinorosos que matam pessoas pensam do jornalismo não é diferente da pregação de Franklin Martins. Não é diferente do que dizem os documentos da Executiva Nacional do PT.
Em razão de tudo o que expus até aqui, escrevi assim na minha coluna de sexta na Folha:
(…)
Eu acuso Franklin Martins de ser o chefe de uma milícia oportunista contra a imprensa livre.
Eu acuso o governo federal e as estatais, que financiam páginas e veículos que pregam o ódio ao jornalismo independente, de ser corresponsáveis por essa morte.
Eu acuso o ministro José Eduardo Cardozo de ser, querendo ou não, na prática, um dos incitadores da desordem.
Eu acuso o ministro Gilberto Carvalho de especular com o confronto de todos contra todos.
Eu acuso jornalistas de praticar a sujeição voluntária porque se calam sobre o fato de que são caçados nas ruas pelos ditos “ativistas” e obrigados a trabalhar clandestinamente.
Eu acuso empresas e jornalistas de se render a milicianos das redes sociais e de se preocupar mais com “o que elas vão dizer de nós” do que com o que “nós temos de dizer a elas”.
Eu acuso uns e outros de se deixar pautar por dinossauros com um iPad nas patas.
(…)
A lei anterrorismo
O Brasil não tem uma lei antiterrorismo. Não posso afirmar com absoluta certeza porque não fiz o levantamento em todos os países do mundo, mas certamente é dos poucos a ter esse vazio legal. O Chile tem. A Colômbia tem. Os EUA têm. A Alemanha, a França, a Itália e Inglaterra têm. Ah, sim, a Venezuela, Cuba e China também — nesses três casos, diga-se, tão apreciados pelas nossas esquerdas, basta defender a democracia para ser enquadrado como terrorista.
Setores da imprensa brasileira já detonaram o Projeto der Lei do Senado nº 499 SEM LER. A íntegra está aqui. Como é óbvio, não pune manifestantes ou tolhe a liberdade de expressão. Pune com severidade quem infunde terror em massa e quem ataca instalações e bens públicos, incluindo meios de transporte, pondo em risco a segurança de milhares de pessoas. Aliás, a Lei de Segurança Nacional, a 7.170, que está em vigor, poderia já ter mandado para a cadeia alguns dos bandidos que estão por aí aterrorizando as pessoas.
A esquerda do PT saiu gritando contra o Projeto de Lei do Senado. Imediatamente, algumas vozes do jornalismo resolveram fazer eco à gritaria. Confunde-se a violência terrorista com simples distúrbios; confunde-se a repressão ao terror com o cerceamento à liberdade de expressão, o que é, obviamente, um absurdo.
É evidente que o Estado brasileiro não pode definir O QUE SE PODE FAZER NUMA MANIFESTAÇÃO, O QUE SE PODE DIZER, O QUE SE PODE REIVINDICAR. Mas o estado tem legitimidade para definir, sim, O QUE NÃO SE PODE FAZER: explodir bombas, recorrer a coquetéis molotov, incendiar ônibus, infundir terror nas ruas e em aparelhos públicos, que podem pôr em risco a segurança de milhares.
Só a mais escancarada má-fé ou a burrice mais saliente podem confundir o ataque a direitos fundamentais de todos os indivíduos como um pressuposto da liberdade de manifestação de alguns indivíduos. Não se trata de ser “progressista” ou “reacionário”, mas de admitir o não o crime como instrumento de luta política. Por Reinaldo Azevedo