terça-feira, 8 de abril de 2014

ANDRÉ VARGAS, O DEMOSTENES DO PT, JÁ ERA, DEVE RENUNCIAR AO MANDATO A QUALQUER MOMENTO

“Conversei com o André Vargas hoje (terça-feira), e ele está absolutamente convencido da sua inocência. Ele está refletindo sobre a possibilidade de renúncia. Essa decisão cabe estritamente a ele. Por enquanto ele está de licença e de hoje para amanhã a gente pode ter o desfecho”. A fala é do deputado federal Vicentinho (PT-SP), líder do partido na Câmara. Parece que André Vargas, o Demostenes do PT, já era. Vicentinho falou depois que Lula deixou André Vargas ao relento. Só para não esquecer. Quando estourou o escândalo do Mensalão do PT, o então ministro José Dirceu disse a frase que é a síntese moral desses caras: “Eu estou cada vez mais convencido da minha inocência”. Comparem com o que disse Vicentinho. Não se repete a história?

O PETISTA ANDRÉ VARGAS, O DEMOSTENES DO PT, E O DOLEIRO YOUSSEF, SÃO RÉUS NO MESMO CASO DE CORRUPÇÃO NO PARANÁ

O deputado federal André Vargas (PT-PR) e o doleiro Alberto Youssef, pivô do pedido de afastamento do parlamentar da Câmara dos Deputados nesta semana, são réus em um mesmo escândalo de corrupção ocorrido no final dos anos 90 no Paraná. Vargas se licenciou do cargo após ter vindo à tona sua ligação com o doleiro. Eles respondem pelo caso na Justiça desde 1999. O chamado caso Ama/Comurb é o maior escândalo de corrupção da história de Londrina, base política de Vargas. No final da década de 1990, ao menos R$ 14 milhões, em valores da época, teriam sido desviados em licitações fraudulentas.

O valor teria sido desviado em diferentes fatias. Em uma delas, em 1998, dos R$ 141 mil que saíram dos cofres municipais, R$ 120 mil acabaram com Youssef, e R$ 10 mil, com Vargas, segundo o Ministério Público do Paraná. Militante do PT à época, Vargas coordenava campanhas locais do partido, como a de Paulo Bernardo (atual ministro das Comunicações) à Câmara dos Deputados. A Promotoria suspeita que o dinheiro tenha abastecido essas campanhas. Já Youssef teria “lavado” (encoberto a origem) do dinheiro por meio de uma conta fantasma.
O doleiro está preso desde o último dia 17, apontado pela Polícia Federal como um dos chefes de um esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões, investigado na Operação Lava Jato. “Não podemos afirmar que há um elo entre Vargas e Youssef, mas há uma situação comum entre eles. Receberam dinheiro na mesma ocasião, fruto do mesmo desvio, no mesmo dia. Estão ligados ao mesmo núcleo do caso”, afirmou o promotor Cláudio Esteves.

FORÇA NACIONAL USA BOMBAS PARA LIBERAR RODOVIA NO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL

Durou mais de dez horas a interdição da BR-40, no entorno do Distrito Federal, por motoristas de ônibus e passageiros que fizeram protestos nesta terça-feira, por motivos trabalhistas, no caso dos motoristas, e melhorias no serviço, pelos passageiros. A Força Nacional foi acionada e dispersou os manifestantes em Valparaíso de Goiás. Os soldados utilizaram bombas de gás contra os manifestantes. Pela manhã, a população queimou pneus e madeira na pista, e o Corpo de Bombeiros também interveio. Diferentemente do informado mais cedo, os manifestantes mantiveram o bloqueio até as 16 horas. Já um outro protesto, também no entorno, na GO-520, em Novo Gama, acabou antes. Os moradores das duas cidades foram afetados pela paralisação dos motoristas e bloquearam as duas rodovias que ligam as cidades goianas do entorno a Brasília. Em Valparaíso, outro agravante foi um veículo ter passado direto, deixando muitos passageiros para trás, o que revoltou os usuários. Eles se reuniram e utilizaram pedras e paus no protesto. Os motoristas pararam, alegando que estão com salários em atraso e que nem combustível há para fazer circular os ônibus da Viação Anapolina, com sede no município de Anápolis. Conforme divulgou o jornal Correio Braziliense, representantes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) estiveram na região e dialogaram com os moradores. A ANTT também informou que está em contato com a Viação Anapolina e que a empresa pode ser penalizada pela paralisação dos serviços ocorrida nesta terça-feira. A precariedade do transporte coletivo na região tem sido motivo de vários protestos por parte da população das cidades que circundam Brasília.

FALHA MANOBRA DE DILMA ROUSSEFF PARA NOMEAR O AMIGÃO GIM ARGELLO PARA O TCU A TOQUE DE CAIXA; INICIATIVA DEBOCHA DO SENADO E DO TRIBUNAL

Atenção! O senador Gim Argello (PTB-DF) é um amigão do peito da presidente Dilma Rousseff. É dessas surpresas, assim, que a vida prepara. Tenho cá pra mim que um não entende dez por cento do que o outro fala, mas existe a linguagem universal do afeto, fraterno acho, que passa, para citar o grande poeta Mário Faustino, “por cima de qualquer muro de credo./ Por cima de qualquer fosso de sexo”. E isso fez de Gim o candidato de Dilma a uma vaga no Tribunal de Contas da União. Sim, no TCU. Mais uma vez, a presidente conta com a ajuda de Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, o mesmo que está ajudando a inviabilizar a CPI da Petrobras. Quem quer Gim no TCU é Dilma, mas Renan está fazendo de conta que a indicação é sua.

Trata-se de uma vergonha em si, que não requer interpretação. Atenção! O senador é réu em nada menos de seis processos no Supremo. É investigado por fraude à lei de licitações, crime eleitoral, peculato, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. Só isso!
Em 2011, o senador foi flagrado fazendo lobby junto à Advocacia-Geral da União em favor do ex-senador Luiz Estevão, lembram-se dele?, justamente para diminuir o valor de uma multa aplicada pelo TCU: R$ 1 bilhão por conta das irregularidades na construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho, em São Paulo, aquele do notório juiz Lalau.
É esse cara que Dilma Rousseff quer como ministro do TCU. Ela deve conhecer qualidades em tão notável senador que ninguém mais conhece. Para diminuir os riscos, Renan tentou votar a indicação em regime de urgência, o que levaria o nome de Gim diretamente para o plenário, sem passar por nenhuma comissão. Seria aprovado com facilidade. Renan pôs o requerimento em votação nesta terça-feira, mas foi derrotado por 25 a 24. Argello terá de enfrentar o trâmite normal para indicações, sendo sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. O governo queria evitar essa sabatina a todo custo.
Senadores que integram legendas da base governista votaram contra a urgência: do PT: Eduardo Suplicy (SP); do PMDB: Waldemir Moka (MS), Jarbas Vasconcellos (PE) e Pedro Simon (RS); do PDT: João Durval (BA) e Pedro Taques (MT); dos oposicionistas Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), além de Paulo Davim (PV-RN).
As coisas já ultrapassam o limite do cinismo e do descaramento. Digamos, só para efeitos de pensamento, que Gim Argello seja inocente nos seis processos. Em qualquer lugar decente do mundo, o normal é esperar que o tribunal faça, então, seu julgamento e, uma vez eliminadas as possibilidades de culpa, então que se nomeie o homem. Não com Dilma! Não com esse governo. A indicação de Gim Argello é uma acinte e um deboche com o Senado e com o TCU. Por Reinaldo Azevedo

LULA DEFENDE CONTROLE DE CONTEÚDO DA IMPRENSA EM ENTREVISTA A BLOGS SUJOS E OS CONVOCA PARA A GUERRA

Quando a coisa aperta, então é o caso de chamar a rede de blogs que se orgulham, com justíssima razão, de ser chamados de “sujos”. É… Faz sentido! Tanto dinheiro público investido nesses patriotas, de forma direta ou triangulada (já explico)  tem de render alguma coisinha, não é? Ao menos uma entrevista chapa-branca. De resto, é sempre um conforto o Apedeuta falar com esses iluminados porque, por dever de ofício e fiel a quem paga a conta, eles são mais lulistas do que Lula, mais petistas do que Lula, mais governistas do que Lula — mais realistas, em suma, do que o próprio rei, como vocês verão. Há até gente convicta entre eles, embora nunca gratuita, como na mais antiga profissão do mundo. Mas também há os que já foram antipetistas roxos — esse segundo grupo, não se enganem, tentará vender seus serviços aos tucanos ou aos peessebistas caso Dilma não seja reeleita. Como vocês verão, no caso do deputado André Vargas (PT-PR), fica claro que o chefão petista é mais duro do que as penas alugadas. Dá para entender os motivos: Vargas já foi o poderoso Secretário de Comunicação do PT e era um dos interlocutores dessa verdadeira quadrilha de iluministas. Adiante.

Lula dá a orientação. Para ele, trata-se de uma guerra e, para evitar a CPI, é preciso, para usar a sua expressão, “ir pra cima”. Com aquele desassombro de que só ele é capaz, afirmou: “A gente não pode permitir que, por omissão nossa, as mentiras continuem prevalecendo”. De que “mentira” exatamente ele está a falar? O problema é outro: Lula não acredita é que possa existir a verdade: para ele, é tudo uma questão de guerra de versões. O mais forte vence. Ele se esquece de que foi a própria Dilma quem pulou, voluntariamente, no olho do furacão. Aliás, nos bastidores, ele próprio diz isso, numa linguagem que está mais para o ambiente sem censura da estiva do que para a nobreza dos salões.
E sobre André Vargas, o que tem a dizer? Isto: “Ele (André Vargas) é vice-presidente de uma instituição importante, que é a Câmara dos Deputados, e acho que quando você está em um cargo desse, você tem que ser exemplo. Espero que ele consiga convencer a sociedade e provar que não tem nada além da viagem de avião, porque, no final, quem paga o pato é o PT”. Embora, mais adiante, ele diga que o caso do avião “já é grave”, note-se que ele considera a questão menor. Como se fosse possível dissociar um presentinho de R$ 100 mil que um doleiro dá uma parlamentar dos favores que o dito-cujo presta ao financiador da prebenda. Mas esse é o mundo de Lula. Ele nunca teve dificuldades de justificar essas concessões. Ou não é verdade que, durante um bom tempo, quem cuidava de sua vida, digamos, financeira era seu compadre e advogado Roberto Teixeira? Assim, que mal há em Vargas ter o seu próprio Teixeira? Lula acha até desculpável.
Regulamentação da mídia
Ah, sim: Lula também quer regulação da mídia. E ele quer mesmo é policiar o conteúdo. Destaco falas suas, segundo informa o Valor:
“Tentaram me derrubar em 2005, mas enfrentamos. Tentaram fazer a Dilma brigar comigo. Quando ela ganhou, tentaram se apoderar dela e quiseram fazê-la minha inimiga, dizer que o Lulinha estava fora. Temos que retomar com muita força essa questão da regulação dos meios de comunicação do País. É necessário. Vejo o mundo todo regulando”. Nota: nenhuma democracia do mundo regula conteúdo, como ele quer. Foi além: “Queremos uma coisa mais digna, mais respeitosa. Quando vejo o tratamento a Dilma, é de falta de respeito e de compromisso com a verdade. Não é possível que (a mídia) não se manque que o telespectador está percebendo”.
Ora, se o telespectador está percebendo, o que Lula quer regular? Alguém aí é capaz de dizer onde está o desrespeito? Vejam como a imprensa americana, por exemplo, cobre as ações do presidente dos EUA e como atua a nossa. Somos umas verdadeiras freiras.
Como Lula falava para a turma que lhe puxa o saco, distribuiu tarefas aos blogueiros sujos: “Vocês têm que começar uma campanha. Já que conquistaram a neutralidade da internet, ter a neutralidade dos meios de comunicação”. Mas ele quer a coisa feita com profissionalismo: disse não almejar uma “mídia que seja chapa branca” porque “as pessoas nem acreditam quando fala muito bem todo dia nem quando fala muito mal”. Entendi. Lula quer um órgão estatal que decida quando falar bem e quando falar mal. É mesmo um democrata exemplar.
Ah, sim: ele aproveitou para dizer que a sua candidata em 2014 é Dilma e que é preciso parar com o boato de que ele pode voltar. O que vem agora parece inacreditável, mas é verdade: um dos, vá lá, “entrevistadores” deu até um bronquinha em Lula. Segundo disse, o ex-presidente não deveria ter negado a candidatura: “Deixa eles pensarem”..Ora, não fosse assim, essas páginas seriam conhecidas como “blogs limpos”, certo? Por Reinaldo Azevedo

WIKILEAKES - REPRESENTANTES DO GOVERNO AMERICANO DEBATERAM PASADENA COM A ENTÃO MINISTRA DILMA PESSOALMENTE

A informação está na página “Direto da Europa”, do jornalista Jamil Chade, no Estadão Online. O site Wikileaks vazou telegramas confidenciais da diplomacia americana que dão conta de que o governo dos Estados Unidos enviou missões ao Brasil para tratar, ora vejam!, da compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras. Um dos telegramas é explícito já desde o título: “A Aquisição pela Petrobras da Pasadena Refining Systems”. Ele relata encontros havidos entre enviados da Casa Branca e representantes do governo brasileiro, inclusive, sim, Dilma Rousseff.

Esse telegrama tem a data de 12 de junho. Nessa data, metade da porcaria já estava feita. Não se esqueçam de que a compra de 50% da refinaria foi efetivada em fevereiro de 2006. Afinal, em 2005, a Petrobras já havia demonstrado interesse na aquisição de 70% da sucata, oferecendo nada menos de US$ 332,5 milhões por essa fatia. Naquele mesmo ano, os belgas haviam adquirido 100% do empreendimento por meros US$ 42,5 milhões. A proposta foi recusada. Em dezembro, a direção da Petrobras mandou bala: propôs US$ 359 milhões por apenas 50%. Ponderando tudo, no prazo de alguns meses, a estatal brasileira elevou a sua oferta em 50%.
A vinda desse telegrama à luz evidencia, mais uma vez, que Dilma sempre soube mais do que disse. Desde que estourou o escândalo, ela tenta se esconder no relatório omisso de Nestor Cerveró, que, de fato, omitiu as duas cláusulas problemáticas do contrato: a Marlim, por intermédio da qual a Petrobras garantia à Astra Oil uma rentabilidade de 6,9% ao ano independentemente das condições de mercado, e a “Put Option”, que impunha à empresa brasileira a compra de 100% da refinaria em caso de desavença entre os sócios.
Alguém acredita que Dilma manteve reuniões com representantes da Casa Branca, em junho de 2006, sem conhecer plenamente as condições do contrato entre a Petrobras e a Astra Oil? Não se trata de ser maldoso, não é?, mas de lidar com informações objetivas. Não posso crer que Dilma, como chefe da Casa Civil, ignorasse o que estava em curso. Tratava-se, afinal, de uma reunião de representantes de um governo com representantes de outro.
Desde sempre, tenho insistido aqui, é bobagem evocar a responsabilidade da conselheira Dilma Rousseff. Para isso, eles têm uma desculpa verossímil. O que interessa é saber o que NÃO FEZ a então ministra e depois presidente Dilma Rousseff. Antes, era só uma questão de ilação lógica. Agora, não é mais. Agora, sabemos, está tudo documentado.
CPI? É pouco! Na letra da lei, Dilma merece ser processada por improbidade administrativa. Vamos ver o que diz o Artigo 10 da Lei 8.429:Art. 10. Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º desta lei, e notadamente:
I – facilitar ou concorrer por qualquer forma para a incorporação ao patrimônio particular, de pessoa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1º desta lei;
II – permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica privada utilize bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1º desta lei, sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;
IV – permitir ou facilitar a alienação, permuta ou locação de bem integrante do patrimônio de qualquer das entidades referidas no art. 1º desta lei, ou ainda a prestação de serviço por parte delas, por preço inferior ao de mercado;
V – permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou locação de bem ou serviço por preço superior ao de mercado;
XII – permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente.
Encerro
Se condenada, rende perda de mandato. 
Por Reinaldo Azevedo

OPOSIÇÃO VAI AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL; JUCÁ FAZ A VONTADE DO PLANALTO; AÇÃO GOVERNISTA VIOLA A CONSTITUIÇÃO E ACORDÃO DO STF

Representantes do PSDB, PPS, SDD (Solidariedade), DEM e PSOL, que são partidos de oposição, e senadores independentes cujos partidos integram, oficialmente, a base governista, entraram com uma representação no Supremo Tribunal Federal para tentar assegurar a instalação da CPI exclusiva da Petrobras. Tudo será inédito. Explicarei já. E cumpre deixar claro de saída: existe um acórdão do Supremo sobre a instalação da CPI que está sendo violado pela base governista. O relator foi o então ministro Paulo Brossard, que deve entender de direito um pouco mais do que Romero Jucá e Renan Calheiros. Chegarei ao ponto.

Cumpre deixar claro, de saída, que a oposição cumpriu as exigências constitucionais e conseguiu o número mínimo de assinaturas para investigar as lambanças na estatal. O foco, como exige o ordenamento legal, não poderia ser mais específico. O Planalto contra-atacou com o que seria, digamos assim, a arma química na guerra política: propôs a sua própria CPI, incorporando, sim, a investigação da Petrobras, mas ampliando as investigações para os governos tucanos de São Paulo e Minas e para a gestão do PSB em Pernambuco. Ao fazê-lo, pretende engolir a CPI da oposição com uma inconstitucionalidade flagrante.
Como sabem, a questão foi remetida para a Mesa do Senado. Renan Calheiros (PMDB-AL, o presidente da Casa — aliado de Dilma e com interesses na Petrobras —, remeteu o caso para a CCJ. Lá, designou-se um relator, outro fiel governista: Romero Jucá (PMDB-RR). Nota: Jucá é fiel a qualquer governo. Ele não teve dúvida: decidiu nesta terça que são inválidos tanto os argumentos da base governista contra a CPI da oposição como o contrário. Resumo da ópera: vai triunfar a CPI oficialista porque supostamente mais abrangente. A decisão caberá ao plenário, mas a gente já sabe qual é.
O que isso significa? Que não se vão investigar as lambanças na Petrobras. E ponto final. É uma manobra escandalosa. Estamos diante de uma clara violação do direito de a oposição fazer oposição. A criação de CPI está disciplinada no Parágrafo 3º do Artigo 58 da Constituição, a saber:“§ 3º – As comissões parlamentares de inquérito, que terão poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas, serão criadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requerimento de um terço de seus membros, para a apuração de fato determinado e por prazo certo, sendo suas conclusões, se for o caso, encaminhadas ao Ministério Público, para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infratores.”
E acabou. É o que está lá. Em nenhum lugar está dado o arbítrio para a Comissão de Constituição e Justiça decidir — com ou sem o auxílio do plenário — se instala esta ou aquela investigações. Trata-se de uma manobra absurda!
Jurisprudência
E há a jurisprudência do Supremo. No julgamento do habeas corpus nº 71.039-5, decidiu o tribunal sobre CPIs:
 Acórdão sobre CPI 1
Acórdão sobre CPI 2
Traduzo:1 – O poder de investigar é inerente ao poder de legislar;.
2 – uma CPI tem, sim, de ter fato determinado — não pode investigar toda e qualquer coisa;
3 – uma vez instalada, pode ampliar o seu foco, desde que esbarre em fatos conexos, ainda que não estejam na motivação original;
4 – isso exclui, portanto, que se instaure uma CPI sem fato determinado, como quer o governo, apenas para tentar atingir adversários.
A ação do governismo, em suma, viola uma primeira vez a Constituição, ao tentar impedir a instalação da CPI; viola-a uma segunda vez ao ignorar o requisito constitucional para essa instalação e, finalmente, joga no lixo acórdão do Supremo
Qual será a decisão do tribunal? Em tempos normais, é evidente que a oposição teria atendido seu pleito, com base apenas no estado de direito. Hoje em dia, dadas algumas decisões que andaram saindo de lá, não sei. Por Reinaldo Azevedo

VALESCA POPOZUDA NUMA PROVA DE FILOSOFIA E O FIM DA ESCOLA. OU: POPOZUDA É A NOSSA SHOPENHAUER

Valesca, cuja música virou tema de uma prova de filosofia: ela dá o que pensar
Valesca, cuja música virou tema de uma prova de filosofia: ela dá o que pensar
A escola brasileira acabou, morreu, foi para o ralo. Virou lixo. Foi vítima de “progressiste” aguda. A “progressiste” é uma infecção provocada por um vírus cuja letalidade se deve à mente torta de Paulo Freire, que muita gente considera um santo. Não é que ele tenha criado o bichinho original. Mas foi quem o espalhou. A “progressiste” — que é o progressismo na sua fase terminal — inverte a lógica da educação: em vez de o professor ter algo a ensinar ao aluno, é o aluno que deve levar a sua experiência ao professor. Ou, então, ter-se-ia uma “relação autoritária” e “não dialógica”, compreendem? No domingo, eu assistia ao Fantástico e fui até o ponto em que uma reportagem cantava as glórias de professores “criativos”, sabem?, que resolvem entrar no universo do “educando”. Era a apologia da morte do conteúdo e do currículo. Cada um brinca do que quiser em sala de aula. Confesso que não aguentei a conversa torta até o fim. Tinha mais o que fazer. Não sei se vi, mas é possível, uma senhora, professora talvez, gingando em ritmo de funk ao algo assim. Ok. Não é aprendendo oboé que os pobres vão parar no “Esquenta” da Regina Casé, tá certo?
Vejo agora que um professor de filosofia do Centro de Ensino Médio 3 de Taguatinga, no Distrito Federal, aplicou uma prova de filosofia — teste!!! — a seus alunos e resolveu, como direi?, “incorporar” Valesca Popozuda, que virou uma questão. Pois é… Até Dilma Rousseff estava dando “beijinho no ombro” no Twitter outro dia. A Dilma Popozuda é a Dilma Bolada em ritmo de funk. A questão é esta:
filosofia Valesca
Dá preguiça debater o mérito da escolha, entrar nas “paulo-freirices” sobre o universo do educando. O que acho mais espantoso, se querem saber, é a formulação. Não sei se a prova trazia a letra, a saber:
Desejo a todas inimigas vida longa
Pra que elas vejam cada dia mais nossa vitória
Bateu de frente é só tiro, porrada e bomba
Aqui dois papos não se cria e nem faz história
Como se vê, a resposta não demanda nem mesmo interpretação de texto. Se a letra, no entanto, não estava disponível, muito pior porque, para “acertar”, seria preciso tê-la na memória. O que o professor, Antônio Kubitschek é nome dele (não sei se parente do ex-presidente), queria testar? Não sei.
No dia 27 de setembro de 2011, escrevi aqui um post texto intitulado “O Brasil precisa de menos sociólogos e filósofos e de mais engenheiros que se expressem com clareza”. Notem que escrevi “precisa DE menos” e não“precisa MENOS”. São coisas distintas. Como há por aí filósofos e sociólogos que precisam DE MAIS LEITURA, muita gente não entendeu o que leu. Fazer o quê? Eu nunca neguei que escrevo para pessoas alfabetizadas. O texto me rende ataques bucéfalos até hoje.
Eu criticava, então, uma proposta estúpida que alguém fez à Secretaria de Educação de São Paulo, sugerindo que o ensino médio desse menos aulas de matemática e língua portuguesa em benefício da filosofia e da sociologia. Felizmente, o governador Geraldo Alckmin repudiou a ideia e pôs um fim à conversa mole.
Qual é o busílis? Seja na escola pública, seja na escola privada, os currículos de filosofia e de sociologia ainda não estão definidos. Cada um “ensina” o que quiser. Não raro, as aulas se transformam em meros pretextos para o proselitismo ideológico — na esmagadora maioria das vezes, de esquerda. “SE FOSSE DE DIREITA, VOCÊ IRIA GOSTAR, REINALDO AZEVEDO?” Não também! Professor não é pregador; não é líder partidário; não é pastor; não é sacerdote.
Hoje, são poucos os alunos que não levam na ponta da língua o discurso — e não mais do que o discurso — da igualdade e da justiça, mas não sabem fazer conta; não dominam o instrumental básico da língua para se expressar com clareza fora de suas “tribos”. Não por acaso, o país fica sempre nos últimos lugares nas provas do PISA, com um desempenho incompatível com o tamanho de sua economia.
A escola brasileira é o reino do vale-tudo.E estamos piorando. Vou reproduzir um trecho de uma entrevista que o poeta Bruno Tolentino, meu querido amigo, concedeu à VEJA na edição nº 1436, de 20 de março de 1996 — HÁ LONGOS 18 ANOS, PORTANTO. Bruno morreu no dia 27 de junho de 2007 sem ver o fundo do poço. Leiam. Volto para encerrar
VEJA — Por que tantas brigas ao mesmo tempo?
TOLENTINO — Para ver se o pessoal cai em si e muda de mentalidade. O Brasil é um país vital que está caindo aos pedaços. Não quero sair outra vez da minha terra, mas não posso ficar aqui sem minha família, que está na França. Não posso educar filho em escola daqui.
VEJA — Por que não?
TOLENTINO — Foi minha mulher quem disse não. Educar um filho ao lado de Olavo Bilac, última flor do Lácio inculta e bela, que aconteceu e sobreviveu, ao lado de um violeiro qualquer que ela nem sabe quem é, este Velosô, causou-lhe espanto. A escola que ela procurou para fazer a matrícula tem uma Cartilha Comentada com nomes como Camões, Fernando Pessoa, Drummond, Manuel Bandeira e Caetano. O menino seria levado a acreditar que é tudo a mesma coisa. Ele nasceu em Oxford, viveu na França e poderá morar no Rio de Janeiro. Ele diz que seu cérebro tem três partes. Mas não aceitamos que uma dessas partes seja ocupada pelo show business.
VEJA — Qual o problema?
TOLENTINO — Minha mulher já havia se conformado com os seqüestros e balas perdidas do Rio, mas ficou indignada e espantada pelo fato de se seqüestrar o miolo de uma criança na sala de aula. Se fosse estudar no Liceu Condorcet, em Paris, jamais seria confundido sobre os valores do poeta Paul Valéry e do roqueiro Johnny Hallyday, por exemplo. Uma vez entortado o pepino, não se desentorta mais. Jamais educaria um filho meu numa escola ou universidade brasileira.
VEJA — Não é levar Caetano Veloso a sério demais? Ele não é só um tema de currículo, entre tantos outros?
TOLENTINO — Não. Ele está também virando tese de professores universitários. Tenho aqui um livro, Esse Cara, sobre Caetano, uma espécie de guia para mongolóides, e a mesma editora desse livro me pede para escrever um outro, sob o título Caetano Se Engana. É preciso botar os pingos nos is. Cada macaco no seu galho, e o galho de Caetano é o show biz. Por mais poético que seja, é entretenimento. E entretenimento não é cultura.
VEJA — O que você tem contra a música popular?
TOLENTINO — Se fizerem um show com todas as músicas de Noel Rosa, Tom Jobim ou Ary Barroso, eu vou e assisto dez vezes. Mas saio de lá sem achar que passei a tarde numa biblioteca. Não se trata de cultura e muito menos de alta cultura. Gosto da música popular brasileira e também da de outros países, mas a música popular não se confunde com a erudita. Então, como é que letra de música vai se confundir com poesia?
(…)
Retomo
Caetano em sala de aula? Pois é… Já lá se vão quase 20 anos. Poderia valer por um Kant, não é mesmo? Não duvidem: a vaca foi para o brejo. Todas as tentativas feitas, em qualquer esfera, de botar alguma ordem na educação brasileira, dando-lhe, quando menos, um currículo esbarram no gigantismo da estrutura, nas corporações sindicais e da ideologia rombuda.
A escola brasileira é o reino em que tudo é possível. Por lá, “todas as experiências são válidas”. Há 18 anos, como aponta Bruno, as coisas já estavam tortas. Depois pioraram. O que se manifestava como um “trabalho de resistência” virou ideologia oficial.
Ao comentar a sua prova, o professor ainda empresta um certo sotaque feminista à coisa, entendem? Leiam o que disse ao Estadão“A prova foi uma provocação. Recebemos várias críticas, e muitas pessoas nem sabem o conteúdo da prova. Colocaram (a Valesca) como um ser que não é pensante, só porque é mulher e funkeira. Se fosse o Mano Brown ou o Gabriel, o Pensador, não teria dado esta polêmica”.
É, talvez não tivesse dado essa polêmica… Notem que, no seu discurso, Mano Brown e “Gabriel, o Pensador” já se tornaram, como posso dizer?, referências “conservadoras”. A escola brasileira morreu. Teremos de recomeçar do zero. Por Reinaldo Azevedo

JUIZ LORACI FLORES DE LIMA VOLTA ATRÁS E DÁ NOVO PRAZO ÀS DEFESAS NO PROCESSO DA CONSPIRAÇÃO RODIN POR CAUSA DAS PROVAS ILEGAIS OBTIDAS PELO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

O juiz Loraci Flores, da 3ª Vara Federal Criminal, de Santa Maria, que atua no processo da Conspiração Rodin, surpreendeu os advogados dos réus na segunda-feira, porque suspendeu a ação criminal e abriu prazo para que a defesa apresente oposição aos indiciamentos contaminados  por conta das criminosas quebras de sigilos fiscais, que o Superior Tribunal de Justiça mandou retirar do processo, em Habeas corpus concedido pela ministra Laurita Vaz, em favor de Denise Nachtgall Luz, impetrado pelo advogado Aury Lopes Jr. Os advogados já tinham recorrido, na sexta-feira, ao Tribunal Regional Federal, diante da negativa do juiz em examinar a contaminação das provas obtidas das quebras de sigilos. O juiz Loraci Flores de Lima concedeu uma suspensão do processo, por um período curto de apenas cinco dias, para que os advogados encaminhem suas postulações. A sua atitude revela que ele está atento ao processo, e que não poderá deixar de considerar o caráter ilegal que acabaram assumindo as ações movidas pelo Miistério Público Federal e pela polícia política do PT. Leia a íntegra do despacho do juiz Loraci Flores de Lima: "Não obstante este juízo mantenha a convicção de que a discussão invocada pela defesa, reiterada nas petições das fls. 61.443/61.448 e 61.61.599, não é nova, é fato que alguns denunciados acabaram não se manifestando, in oportuno tempore, acerca de eventual contaminação, por derivação, de provas eventualmente decorrentes dos elementos de convicção que, agora, segundo a recente decisão do e. STJ, aportaram aos autos de maneira indevida. Por essa perspectiva, e também não olvidando a preocupação, sempre presente em matéria penal, acerca de possível nulidade por afronta ao princípio da ampla defesa, hei por bem acolher, em parte, os pedidos dos réus para conceder, no prazo comum de cinco dias, a oportunidade de indicarem ao juízo, na sua convicção, quais os elementos probatórios que entendem atingidos por conta da indigitada quebra do sigilo fiscal, viabilizando, em sentença, um melhor exame da matéria. Intimem-se".

GOVERNO AMERICANO CONSULTOU DILMA ANTES DE AUTORIZAR A COMPRA DA REFINARIA DE PASADENA PELA PETROBRAS

Jamil Chade, correspondente do Estadão na Europa, publica nesta terça-feira esta informação surpreendente e relevante, porque até este momento nada circulou a respeito de possíveis entendimentos entre a Casa Branca e o Planalto a respeito da operação realizada com a refinaria Pasadena. A nota revela o nível de importância e profundidade, portanto atenção, que cercou o negócio, tratado agora como um acontecimento feito sem muito critério por parte da Petrobrás. Leia: GENEBRA - O governo dos Estados Unidos buscou garantias da parte de Dilma Rousseff em 2006 quando ela ainda era presidente do Conselho da Petrobrás antes de dar o sinal verde para que a empresa brasileira comprasse uma refinaria em Pasadena. Telegramas confidenciais da diplomacia americana obtidas pelo grupo Wikileaks revelam reuniões e missões enviadas ao Brasil pela Casa Branca diante da possibilidade de que a estatal brasileira comprasse a refinaria americana. Outro consultado foi o ex-diretor internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró, epicentro da crise. Um dos telegramas de 12 de junho de 2006 é explícito em relação ao assunto já em seu título: “A Aquisição da Petrobrás da Pasadena Refining Systems”. O documento foi enviado pela embaixada americana em Brasília ao Departamento de Estado norte-americano e relata os encontros de ministros e delegações de Washington com autoridades nacionais, entre elas Dilma Rousseff. Uma das preocupações se referia à atuação da Petrobrás concorrendo contra interesses americanos na América Latina e tirando proveito justamente do fato de que governos da região começavam em 2006 a nacionalizar investimentos americanos. O temor era de que esses governos, uma vez recuperados os ativos de empresas americanas, repassariam os investimentos para a Petrobrás.

CARGAS ARGENTINAS COMEÇAM A SER EMBARCADAS NO PORTO DE RIO GRANDE

O volume de transbordo no Tecon Rio Grande aumentou 275% em março deste ano, em relação ao mesmo período do ano anterior. Esse forte incremento se deu em função de cargas oriundas da Argentina, que chegaram ao terminal em embarcações menores, em fevereiro, e estão sendo transferidas para grandes navios, com destino a países da Europa e Extremo Oriente. As cargas, contendo frutas, totalizam 8 mil contêineres, que serão transbordados até  maio. Destes, mais de 2,5 mil já passaram pelo Tecon Rio Grande. Para dar suporte a essa demanda, o terminal ampliou sua estrutura para armazenamento de carga refrigerada. Os investimentos compreendem o aluguel de 14 geradores (em função do medo dos cortes de energia) e a adequação da área, no pátio do terminal, para receber este volume. O Tecon Rio Grande, que tem hoje um sistema com 2 mil tomadas elétricas, aumentou sua capacidade em mais 800 pontos, com monitoramento 24 horas por dia, garantindo as condições de temperatura ideais, qualidade, agilidade e segurança permanentes das cargas. Este tipo de carga, os portos do Sul poderão perder, futuramente, se o Brasil financiar a construção de um porto em Rocha, no Uruguai.

FMI REDUZ PARA 1,8% A PREVISÃO DE CRESCIMENTO DO BRASIL EM 2014

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu nesta terça-feira sua projeção de crescimento econômico para o Brasil em 2014 a 1,8%, ante 2,3% previstos no início do ano. Em seu relatório “Perspectiva Econômica Global”, o FMI ainda revisou para baixo sua perspectiva sobre a atividade econômica brasileira para 2015, de 2,9% para 2,7%. Em 2013, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 2,3%, considerado um baixo ritmo. O próprio relatório Focus, do Banco Central, preparado a partir da análise de dezenas de analistas de mercado, já diminuiu de 2% para 1,63% sua estimativa para o crescimento econômico do ano desde janeiro.

Segundo o FMI, a economia brasileira está sendo afetada pelas restrições de oferta no mercado interno, especialmente em infraestrutura, e pelo contínuo fraco crescimento do investimento privado. Também pesa a “perda de competitividade e a baixa confiança empresarial”. O órgão internacional também chamou a atenção para a inflação no país, que tem se mantido elevada e próxima do teto da meta oficial (6,5%) e cada vez mais distante de seu centro (4,5%). A estimativa do FMI é que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) feche 2014 a 5,9% e 2015 a 5,5%.
O FMI também projetou que o déficit em conta corrente do Brasil ficará em 3,6% do PIB em 2014 e em 3,7% em 2015. O aumento do endividamento do país e a política fiscal duvidosa, aliados ao baixo crescimento econômico, fizeram com que a agência de classificação de risco Standard & Poor’s rebaixasse o rating soberano do Brasil no mês passado.

OPOSIÇÃO DEVE RECORRER AO SUPREMO POR CPI EXCLUSIVA DA PETROBRAS

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado deveria tomar uma decisão nesta terça-feira sobre qual das comissões de inquérito pode ser instalada na Casa: se a da oposição, que quer investigar evidências de corrupção na Petrobras e constitui o primeiro requerimento a ser apresentado, ou a do governo, que incorpora os casos ocorridos na estatal, mas estendendo a apuração a supostas irregularidades  nos governos tucanos de São Paulo e Minas e na gestão de Eduardo Campos, em Pernambuco. Seria a CPI-do-Planalto-Doido, que investiga tudo e nada ao mesmo tempo. O relator do caso será o senador Romero Jucá (PMDB-RR), um aliado do governo. É possível que Jucá diga que só consegue tomar uma decisão na quinta-feira.

Caso, como se espera, Jucá decida que vale mesmo a comissão criada pelo governismo, as oposições pretendem recorrer ao Supremo Tribunal Federal — e com toda a razão. Notem: embora os oposicionistas tenham cumprido todos os requisitos para a instalação da CPI, o que os governistas estão fazendo é obstruir o seu legítimo direito de investigar, conforme está assegurado na Constituição. Essa história é um escracho. Imaginem agora se a moda pega: nunca mais se vai fazer uma CPI no País, e os Legislativos, nas três esferas, estarão perdendo uma de suas prerrogativas.
O problema é que a Petrobras tira o sono do governo. Se a própria Dilma se diz ludibriada, imaginem o resto do País. A diferença é que ela poderia ter atuado, né? Mas preferiu se omitir. A oposição acerta ao recorrer ao Supremo: é preciso que se evidencie o cerceamento ao direito de a oposição ser… oposição.
O PSDB levará também os escândalos da Petrobras para o horário político do partido. Começaram nesta terça-feira as pequenas inserções de 30 segundos da legenda, abordando as lambança nas estatais. Recortes de jornal e revista sobre os escândalos na empresa serão exibidos, e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) dirá que o que está ocorrendo é “inaceitável” e uma “vergonha”. O tucano lembrará que a empresa perdeu metade de seu valor do mercado e que hoje é a mais endividada do mundo.
O partido  defenderá também tolerância zero com a inflação. Segundo pesquisas recentes, esses temas mobilizam hoje os brasileiros. O Datafolha aponta que 78% dos entrevistados acreditam haver corrupção na Petrobras. A maioria das pessoas também avalia que a inflação tende a subir. O senador tucano vai perguntar se, com o mesmo dinheiro, os brasileiros compram o que compravam há um ano. Esses temas voltarão a aparecer na versão maior do horário político do PSDB que irá ao ar no dia 17, que deverá contar com a participação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
Então é tudo mera campanha eleitoral, como acusa Dilma? Isso é bobagem. É que o PT não se conforma que a função de um partido de oposição é… se opor. Assim como a de um partido governista é… defender o governo. O que se exige e que uma coisa e outra sejam feitas dentro da lei e da Constituição. Por Reinaldo Azevedo

DILMA FAZ CAMPANHA ELEITORAL ILEGAL EM MINAS GERAIS PARA SI E PARA OUTRO PETISTA. OU: MAIS UMA VEZ, ECONOMIA REAGE BEM À QUEDA DE PETISTA EM PESQUISA

Quando lembro que seis ministros do Supremo Tribunal Federal — Luiz Fux, Roberto Barroso, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa e Marco Aurélio — já se pronunciaram contra a doação de empresas privadas a campanhas eleitorais e vejo o uso desavergonhado da máquina pública federal em favor de candidaturas do PT, mais evidente se torna a estupidez da decisão dos doutores. É impressionante. Na semana passada, a presidente Dilma participou da solenidade de entrega de moradias do programa “Minha Casa Minha Vida”, em São José do Rio Preto, em São Paulo. Lá estava Alexandre Padilha, candidato ao governo do Estado. Na segunda-feira, foi a Contagem, em Minas Gerais, para doar caçambas e máquinas de terraplenagem a prefeituras da região. E quem estava pendurado em seu braço? Fernando Pimentel, que vai disputar o Palácio da Liberdade. Trata-se do uso explícito, escancarado, sem rodeios, do dinheiro público em favor das candidaturas do partido. E o que o STF pode fazer a respeito disso? Nada! No máximo, as respectivas oposições podem apelar a Justiça Eleitoral — no fim das contas, para nada.

Em Contagem, Dilma decidiu dar uma de valente. Referindo-se à tempestade de lambanças da Petrobras, afirmou: “É muito usual nos períodos da pré-campanha a utilização de todos os instrumentos possíveis para desgastar esse ou aquele governos. Nós temos experiência disso. Enfrentamos isso em 2006, com a reeleição do Lula, e 2010, na minha eleição. O meu governo continuará governando, mantendo o seu caráter republicano. Não iremos recuar um milímetro da disputa política quando ela aparecer”.
Pois é… A doutora se esquece de que é ela  a principal testemunha de irregularidades na Petrobras, não é mesmo? Ela confessou, de próprio punho, que, na condição de presidente do Conselho de Administração, foi enganada numa patranha bilionária. O que a Soberana não consegue explicar é a sua omissão posterior. Parece que o Planalto não está se dando conta de que, desta vez, a cascata de que tudo não passa de uma conspiração contra a Petrobras não está colando. Pesquisa Datafolha revela que 78% dos entrevistados acreditam haver, sim, corrupção na empresa. E por que não acreditariam? A cada dia, ficamos sabendo um pouquinho mais daquela casa de horrores.
Em seu pronunciamento em Contagem, ao lado do candidato do PT ao governo de Minas Gerais, Dilma, cinicamente, disse que a campanha só começa em junho. É mesmo? O orador dos prefeitos foi o prefeito da cidade de Joaíma, Donizete Lemos. Discursou: “Não tenham medo de apoiar a presidente Dilma. Não tenham medo de encarar a campanha. Vamos manter esse governo. Prefeito não tem que ter medo. A Dilma tem que continuar”. E os presentes entoaram “Olê, olê, olê, olá, Dil-má, Dil-má”. Por muito menos, a Justiça Eleitoral já cassou mandato de prefeito e governador. É evidente que isso caracteriza uso da máquina pública em favor de um partido e compra de voto. Aqueles gloriosos ministros do STF, no entanto, estão ocupados em proibir a doação legal de campanha. Há uma coisa positiva. Há sinais evidentes de que, a cada dia, mais gente vai demonstrando que já está com o saco cheio desse estilo. Na segunda-feira, mais uma vez, os mercados viveram um dia de otimismo. Por quê? Comemoravam a queda de seis pontos de Dilma na pesquisa do Datafolha. Essa gente atrapalha hoje de tal sorte o país que a simples perspectiva de que possa ser, quem sabe, derrotada em outubro já enche os espíritos de um ânimo novo. Por Reinaldo Azevedo

EMPRESA INVESTIGADA EM ESQUEMA DE DOLEIRO DOOU R$ 4,5 MILHÕES AO PT

Investigada pela Polícia Federal sob suspeita de lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato, a empresa Jaraguá Equipamentos doou R$ 4,5 milhões ao diretório nacional do PT entre 2010 e 2012. A empresa, que é fornecedora da Petrobras, é apontada pela Polícia Federal como uma das financiadoras do esquema que seria comandado pelo doleiro Alberto Youssef, atualmente preso em Curitiba. A Jaraguá Equipamentos foi contratada pela Petrobras para a obra da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, no valor de R$ 1,2 bilhão. Em 2010, ano de eleição presidencial, a companhia doou, segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), R$ 2,5 milhões para o PT. Em 2011, repassou R$ 1 milhão ao partido. No ano seguinte, mais R$ 1 milhão. A prestação de contas partidárias de 2013 ainda não está disponível no sistema do TSE. Não há registro de doações para outras legendas pelo menos em 2010 e 2011.

A Jaraguá é uma das nove fornecedoras da Petrobras que depositaram R$ 34,7 milhões na conta da MO Consultoria. A polícia suspeita que essa consultoria repassaria propina para funcionários públicos e políticos. De 2009 a 2013, segundo um lado da Polícia Federal, passaram pela empresa um total de R$ 90 milhões. Além do diretório nacional do PT, parlamentares do PP também receberam em 2010 doações eleitorais da Jaraguá Equipamentos. Um dos deputados beneficiados é o ex-ministro Mário Negromonte (PP-BA), que recebeu R$ 500 mil. Ele disse que foi apresentado à empresa pelo ex-líder de sua legenda José Janene, que morreu em 2010.

CREDIT SUISSE CONTINUA APOSTANDO EM ALTA DOS PREÇOS DAS TERRAS PARA AGRICULTURA NO BRASIL

No relatório divulgado no fim de semana, o Crédit Suisse diz que apesar das incertezas que pairam sobre o mercado no curto prazo, as perspectivas para o agronegócio brasileiro continuam inabalavelmente positivas, conforme dez entre dez estudos publicados no País e no Exterior. Relatório produzido pelo banco após informações coletadas junto às empresas Vanguarda Agro, SLC Agrícola, Biosev (braço sucroalcooleiro da multinacional francesa Louis Dreyfus Commodities), Radar (empresa de terras da Cosan) e ao Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) - ligado à Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) -, concluiu que, apesar das adversidades climáticas que prejudicaram a produção de grãos na região Sul do País nesta temporada 2013/14, o volume permanece expressivo e a rentabilidade, ainda que tenha diminuído, continua atrativa. Nesse contexto, o Credit Suisse considera que os preços das terras agricultáveis, por exemplo, tendem a seguir firmes - sobretudo no longo prazo, tendo em vista as perspectivas de aumento da demanda global por grãos. "Os fundamentos de alta dos preços das terras continuam robustos", atestou o banco. Em entrevista recente, Antonio Sartori, da corretora gaúcha Brasoja, lembrou que, conforme projeções do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), apenas as importações de soja da China tendem a somar quase 1 bilhão de toneladas na próxima década. A soja é o carro-chefe do agronegócio no País, que lidera as exportações globais. Mas não são só a soja ou grãos - a expectativa geral também é boa para o milho brasileiro - que têm um horizonte promissor pela frente. Segundo o Credit Suisse, o potencial de aumento da demanda por biocombustíveis também tende a favorecer o Brasil, bem como a tendência de incremento do consumo de proteínas animais. O banco considera que os investimentos em logística em curso têm condições de gerar incrementos na lucratividade dos produtores e impulsioná-los a expandir suas áreas de produção.

VEJAM COMO A INICIATIVA PRIVADA NO BRASIL FAZ CENSURA A FAVOR DO PETISMO - HOTEL DALL'ONDER BLOQUEIA SITES E DIZ AO SEU HÓSPEDE O QUE PODE E O QUE NÃO PODE ACESSAR; O DALL'ONDER FICA NA CORÉIA DO NORTE?!!!!

Leiam o artigo a seguir, postado nesta segunda-feira pelo jornalista Políbio Braga, e entendam como é que funcionar o "bolivarianismo", em que empresários se colocam a serviço do PT e do petismo. Veja a matéria
Hotel Dall'Onder desbloqueia acesso ao site www.polibiobraga.com.br e diz que não faz censura
Caros Sr. Geraldo Kuhn Gruenwaldt e Sr. Políbio Braga, boa tarde. Entro em contato por motivo dos e-mails trocados abaixo. O bloqueio no servidor de alguns sites através da rede de nossos hotéis é realizado para segurança dos hóspedes e da própria rede interna. Estou solicitando neste e-mail para o Eng. Rodrigo Tregnago da ART Informática para que efetue o desbloqueio do site http://polibiobraga.blogspot.com.br/  em nossa rede (nos lê em cópia). Aproveito o e-mail para afirmar em nome da Direção da Rede Dall’Onder de Hotéis que não possuímos nenhum tipo de censura e não participamos de nenhum partido político preferencial (como instituição e como pessoa física) e que este bloqueio não foi feito intencionalmente de nossa parte. Caso o Senhor queira nos prestigiar no período da Páscoa (e em quaisquer outros períodos) será muito bem-vindo e poderás acessar o Blog acima sem problemas.
M.Sc. Eng. Marcelo Dall'Onder Michelon
Diretor de Patrimônio
Rede Dall'Onder de Hotéis
+55 (54) 3455-3588
marcelo@dallonder.com.br
COMENTO - Na noite em que o Grêmio foi Campeão Mundial, em Tóquio, eu estava hospedado no Hotel Dall'Onder, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha. Sempre o achei um dos grandes hotéis gaúchos. Achava..... porque não acho mais, e recomendo que os turistas gaúchos, brasileiros e estrangeiros, não mais se hospedem nesse hotel. Era só o que faltava, hospedar-me em um hotel onde venham a me dizer o que eu posso e o que eu não ver, ler, acessar. O nomes disso é censura. Não adianta diretor do hotel dizer que a empresa não tem culpa, que isso é coisa da empresa contratada para cuidar do seu sistema de comunicação. Tem culpa, sim, é responsável pelo que faz a empresa contratada. É indesculpável o Hotel Dall'Onder. Isso é patrulhismo ideológico. E devo desconfiar que também Videversus está com acesso bloqueado aos hóspedes do hotel.

GREVE NA CEEE COMEÇA A AFETAR ABASTECIMENTO DE ENERGIA EM PORTO ALEGRE

Os apagões da manhã desta segunda-feira e os repetidíssimos apagões deste início de tarde (foram 4 entre 13h30min e 14h30min) poderão ser ainda mais frequentes e mais prolongados na área de cobertura da CEEE, com ênfase para a Grande Porto Alegre. Outros apagões foram registrados domingo a noite. Acontece que os eletricitários alinhados com o Senergisul, 70% dos empregados da CEEE, decidiram não acatar a ordem judicial de retorno de 70% dos trabalhadores aos seus postos, mantendo apenas o compromisso de garantir em operação 30% dos serviços. A decisão do Senergisul foi tomada em assembleia na manhã desta segunda-feira. Os trabalhadores sabem que ao desrespeitar a decisão judicial, incorrerão em pesadas multas, mas acreditam que poderão levar o assunto à discussão por ocasião de acordo. A CEEE tenta resolver parte dos problemas com a contratação emergencial de empreiteiras, que no entanto não dominam todas as instâncias relacionadas com os sistemas de geração, transmissão e distribuição, sobretudo de distribuição. A possibilidade de acordo ficou remetida para uma audiência na Justiça do Trabalho, quarta-feira, quando a direção da CEEE terá que melhorar sua proposta de reajuste, que ficou em 5,38%. Os trabalhadores querem 12%, mas além disto eles elaboraram ampla pauta de reivindicações, inclusive de pagamento de participação nos resultados. A CEEE alega não ter lucro, mas isto ocorre em função de uma gestão temerária, que tem permitido que o governador Tarso Genro faça o que bem entende na companhia, inclusive esgualepando amplos recursos financeiros que estavam reservados para investimentos. Nesta segunda-feira, técnicos da companhia também entraram em greve, o mesmo podendo fazer nesta terça-feira os 150 engenheiros.

A PARTIR DESTA TERÇA-FEIRA, CONTA DE LUZ VAI AUMENTAR 14% EM MINAS GERAIS E 16% EM SÃO PAULO

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou nesta segunda-feira o aumento de 14,24% na conta de luz para os consumidores residenciais da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que atende 7,7 milhões de residências. A agência também permitirá o reajuste de 16,46% para os clientes residenciais da CPFL Paulista, empresa do grupo CPFL Energia, que atende 3,9 milhões de consumidores em 234 municípios de São Paulo - a capital é atendida pela AES Eletropaulo e a revisão está prevista para julho. O reajuste praticamente zera o desconto de cerca de 20% dado pelo governo na época do pacote do setor elétrico em 2012. Ainda que o fato de haver altas anuais esteja dentro da normalidade, a disparada porcentual foge do padrão para o setor elétrico. Para se ter uma idéia, no ano passado o reajuste da Cemig foi de 5%, enquanto o da CPFL foi, na verdade, uma redução de 1,5% na conta de luz. Os reajustes foram anunciados na tarde desta segunda-feira pela agência reguladora e estavam previstos no calendário anual de revisão do preço da energia. Cabe às distribuidoras fazer o pedido de reajuste e, à Aneel, autorizá-lo. A Cemig pleiteava alta de 29,7%, mas obteve "apenas" 14,24%. Os reajustes valerão a partir desta terça-feira. No caso da empresa mineira, o reajuste foi pleiteado pela empresa como forma de cobrir a queda de receita com o novo modelo de concessão do governo federal. O pacote do setor elétrico lançado em 2012 previa que as empresas do setor antecipassem o fim de seus contratos de concessão e os renovassem mediante um preço menor. A Cemig não aderiu ao pacote e teve de se desfazer de alguns ativos de geração. Já a CPFL, mesmo tendo aderido ao plano, foi uma das mais penalizadas com o aumento do uso das termelétricas — justamente porque o Estado de São Paulo tem registrado mínimas recordes em seus reservatórios. Devido à escassez de água para a geração, a distribuidora teve de comprar energia no mercado livre — onde os preços chegam a ser oito vezes superiores aos que são praticados no mercado regulado pelo governo.

SILO DE TRIGO DESABA E DEIXA VINTE FERIDOS EM MACEIÓ

Uma torre de armazenamento de trigo no bairro do Poço, em Maceió (AL), desabou nesta segunda-feira, deixando ao menos vinte pessoas feridas. Segundo o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), cinco das vítimas ficaram em estado grave e foram encaminhadas para hospitais próximos. Os bombeiros vasculharam a montanha formada por toneladas de trigo e destroços do silo em busca de dez pessoas soterradas, entre elas estudantes de uma escola próxima ao local, uma idosa e motoristas que passavam pela rua no momento do desabamento. Uma casa atingida pelos destroços também desmorou, mas não havia ninguém no imóvel. O silo armazenava em torno de mil toneladas de trigo. Por temor de que o restante da estrutura do silo venha abaixo, a área foi isolada, e a retirada dos escombros e do trigo é feita com cautela. O incidente aconteceu por volta das 16 horas em um dos locais mais movimentados do centro de Maceió.

DÓLAR CAI A R$ 2,22, MENOR NÍVEL EM SEIS MESES

O dólar recuou nesta segunda-feira e fechou no patamar de 2,22 reais, menor nível desde o fim de outubro passado, com a constante atuação do Banco Central no mercado e após pesquisa mostrar queda na intenção de votos da presidente Dilma Rousseff para as eleições de outubro. É o segundo dia consecutivo em que o tombo da moeda supera 1%. A divisa norte-americana recuou 1,06%, a 2,22 reais na venda, após fechar a sessão anterior com baixa de 1,70%. É o nível mais baixo no fechamento desde 30 de outubro, quando terminou o dia a 2,192 reais. Na mínima deste pregão, o dólar chegou a 2,2125 reais na venda. A moeda norte-americana vem recuando fortemente nas últimas semanas em meio à melhora no apetite global por ativos de mercados emergentes e o quadro de fluxo cambial positivo no Brasil. Diante dessas perdas, o banco JPMorgan revisou sua projeção para a cotação do fim deste ano para 2,40 reais, ante previsão de 2,50 reais.

DILMA ROUSSEFF ESTÁ DOENTE, ESTÁ COM DIVERTICULITE

A presidente Dilma Rousseff está com diverticulite, uma doença intestinal que pode ser desencadeada por fatores como a idade e o stress. Como parte do tratamento, Dilma está fazendo uso de antibióticos — sem, no entanto, desacelerar o ritmo de seus compromissos profissionais, uma das recomendações para controlar problema. A diverticulite tem maior incidência entre pessoas acima dos 50 anos, mas também pode atingir pacientes mais jovens. Ela ocorre quando há inflamação dos divertículos, pequenas hérnias que podem aparecer no interior do intestino grosso com o avanço da idade — cerca de 80% dos idosos com mais de 70 anos têm divertículos, e um terço deles terá diverticulite. De acordo com Angelita Habr-Gama, gastroenterologista do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e professora titular de cirurgia da Faculdade de Medicina a USP, além da idade, existem outros fatores que aumentam o risco do surgimento de divertículos no intestino, como hereditariedade, alimentação rica em gordura, sedentarismo e altos níveis de stress. "Os divertículos são formados com uma contração da musculatura do intestino. O stress aumenta essas contrações e favorece a ocorrência de inflamação", diz a médica. Os sintomas da doença podem incluir dores no abdome, geralmente do lado esquerdo, febre e alteração do ritmo intestinal, e o diagnóstico é realizado por um exame clínico e tomografia do abdome. O tratamento da diverticulite é feito na fase aguda da inflamação, normalmente com uso de antibiótico por dez dias, alimentação leve e repouso — alguns pacientes precisam receber o medicamento via intravenosa e são internados no hospital durante esse período. A cirurgia para tratar o problema — que consiste na retirada de uma parte do intestino grosso — é indicada na menor parte dos casos. "Apenas pessoas que apresentam crises muito intensas e complicações graves da diverticulite, como perfuração do intestino, ou pacientes que sofrem crises com muita frequência são operados", diz Angelita. De acordo com a médica, a diverticulite pode se manifestar apenas uma vez na vida do paciente ou se repetir, muitas ou poucas vezes. Dilma Rousseff já havia sofrido da doença em 2007, quando ainda era ministra da Casa Civil de Lula. Na época, ela chegou a ficar internada durante dois dias no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

DOIS HOMENS LIGADOS A POLITICOS DE OPOSIÇÃO SÃO ASSASSINADOS NA VENEZUELA

As forças policiais da Venezuela informaram que encontraram os corpos de dois ciclistas no Parque Nacional Waraira, uma conhecida zona turística na região de Caracas. O crime chamou a atenção pela identidade das vítimas: Luis Daniel Gómez, de 36 anos, irmão de criação de Leopoldo López, o dirigente opositor que está preso desde fevereiro, e Gustavo Giménez, irmão da ex-mulher de Carlos Ocáriz, prefeito de Sucre e membro da mesma sigla de López. Giménez também é primo do presidente das Empresas Polar, Lorenzo Mendoza, que comanda o maior grupo privado do país. Os dois homens haviam desaparecido no sábado. Segundo declarações de parentes e amigos, eles costumavam frequentar o parque para praticar mountain bike. Apesar das conexões políticas e pessoais das vítimas, até o momento a polícia está tratando o caso como um crime comum. Um policial contou ao jornal El Nacional que sequestradores chegaram a contatar parentes próximos das vítimas para exigir um resgate, mas nenhum valor foi pago porque não foi mostrada nenhuma prova de vida para atestar que eles estavam bem. No dia seguinte, os corpos foram encontrados. Ambos levaram tiros na cabeça, segundo a imprensa venezuelana. O sequestro relâmpago é bastante comum em Caracas. Muitas vezes as vítimas são até de classes pobres e o pagamento é feito até com eletrodomésticos. A capital também possui alguns dos piores índices de criminalidade mundo. Políticos da oposição reagiram à tragédia cobrando mais ação do governo no combate ao crime. "É lamentável a perda de Luis Daniel Gómez e de Gustavo Giménez, o que comove toda a Venezuela. Nossos mais sentidos pêsames a seus familiares e amigos", escreveu no Twitter o prefeito de Caracas, o opositor Antonio Ledezma. Já a Vontade Popular, partido liderado por López, exigiu "uma investigação exaustiva do assassinato" de Gómez. "Sinto uma dor imensa na alma. Gustavo era dos bons! Até quando vai esta guerra (...). Chega de violência, por Deus!", escreveu o prefeito Carlos Ocáriz no Twitter.

PRESIDENTE DE RUANDA CRITICA FRANÇA POR PARTICIPAÇÃO EM GENOCÍDIO

A cadeira que seria ocupada pela ministra da Justiça da França, Christiane Taubira, na cerimônia em homenagem aos 800.000 mortos no genocídio de Ruanda, há vinte anos, ficou vazia. O governo francês decidiu não participar do evento em reação às declarações do presidente ruandês, Paul Kagame, que acusa o país de ter tido participação na matança. A acusação não é nova, mas as divergências reavivadas pelos vinte anos do massacre ocorrem em um momento importante para a relação entre os dois países. Ruanda tenta manter seu crescimento econômico e sua reputação como um país estável no continente, enquanto a França está em meio a esforços para controlar os confrontos na República Central Africana, que muitos temem podem resultar em uma situação como a ocorrida em Ruanda, em 1994. Kagame apontou o “papel direto de Bélgica e França na preparação política do genocídio” e disse que tropas francesas tiveram uma participação “ativa” nas mortes, defendendo que a responsabilidade dos soldados foi muito maior do que o país admite. A chancelaria francesa declarou “surpresa” com as declarações do presidente de Ruanda. “Essas acusações vão contra o processo de diálogo e reconciliação mantido por vários anos entre os dois países”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores, em comunicado.

SANTANDER ASSINA ACORDO PARA A COMPRA DA GetNet POR R$ 1,1 BILHÃO

O Santander Brasil informou nesta segunda-feira ter assinado um contrato para a compra de 100% da Getnet Tecnologia Em Captura e Processamento de Transações, em um negócio de 1,1 bilhão de reais. A compra será feita por meio da controlada do banco, a Santander Getnet Serviços Para Meios de Pagamento Sociedade (SGS), joint venture entre o Santander e os atuais sócios da Getnet que atua no segmento de prestação de serviços para meios de pagamento. Segundo fato relevante, a aquisição envolverá o pagamento de 1,104 bilhão de reais, sendo 1,02 bilhão de reais pagos na data do fechamento da operação, e 84 milhões de reais em cinco parcelas anuais. O negócio precisa da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e do Banco Central do Brasil, sendo que antes de sua conclusão, ainda será feita uma reestruturação societária na joint venture SGS. Entre as etapas da operação, está previsto um aumento de capital na SGS no valor correspondente ao preço de aquisição da Getnet, totalmente subscrito e integralizado pelo Santander Brasil. Com isso, o banco passará a deter 88,5% do capital da joint venture, ante 50% hoje, com o restante permanecendo com os atuais sócios da Getnet. O Santander já havia informado em julho do ano passado ter assinado um memorando de entendimento para a aquisição das atividades de captura e processamento das operações de adquirência (cartões de crédito e débito), operações de aluguel de POS já desenvolvidas pela joint venture, e operações verticais da Getnet no segmento de cartões.

CCJ DO SENADO DECIDE NESTA TERÇA-FEIRA SOBRE RECURSO PARA INSTALAÇÃO DE CPI

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado reúne-se nesta terça-feira, a partir das 14h30m, para decidir sobre qual dos dois pedidos (da oposição ou dos governistas) de criação de comissões parlamentares de inquérito (CPI) deve ser aceito. Na semana passada, o presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), pediu à CCJ para deliberar sobre qual pedido de CPI deve ser aceito. Dois requerimentos para criação de CPIs foram apresentados ao Senado. O primeiro, pelos partidos de oposição, que pedem a investigação de denúncias envolvendo a Petrobras como a compra da Refinaria de Pasadena (EUA). O segundo requerimento foi apresentado por partidos da base governista. Ele é mais abrangente e propõe que sejam investigados, além da Petrobras, os contratos dos metrôs de São Paulo e do Distrito Federal, supostas irregularidades no porto de Suape (PE) e suspeitas de fraudes em convênios com recursos da União.

DELEGADO É OUVIDO NA COMISSÃO DA VERDADE E NEGA TER TORTURADO NA DITADURA MILITAR

Reconhecido e apontado como torturador e assassino por vários militantes de oposição ao regime militar, o delegado da Polícia Civil de Presidente Prudente (SP), Dirceu Gravina, foi ouvido na tarde desta segunda-feira por membros da Comissão Nacional da Verdade (CNV), na sede da presidência da República em São Paulo. Além de Gravina, outros dois agentes de Estado também foram convocados a depor: Carlos Alberto Augusto, que não compareceu, e Roberto Artone, que a comissão descobriu ter morrido em janeiro deste ano. Mas Artone já foi ouvido anteriormente pela CNV. O depoimento de Gravina aconteceu, a pedido dele mesmo, de forma reservada, acompanhado por Rosa Cardoso e José Carlos Dias, membros da CNV, e por Ivan Seixas, membro da Comissão Estadual da Verdade de São Paulo. Isso provocou manifestações contrárias de ex-presos políticos e de companheiros de presos políticos, mortos ou torturados durante a ditadura militar, que pretendiam acompanhar o depoimento de Gravina. “Temos que respeitar a lei e o direito da pessoa permanecer calada e em caráter reservado”, disse Dias. Gravina tem  65 anos e serviu no Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), em São Paulo, por um período que se acredita ter sido entre 1970 e 1972. Na época, o DOI-Codi era comandado pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. Na época, Gravina era conhecido como JC, uma alusão a Jesus Cristo, já que tinha cabelos compridos e lisos, usava cavanhaque e um crucifixo no peito. Mas o depoimento de Gravina não trouxe quaisquer contribuições aos trabalhos da comissão. Segundo José Carlos Dias, o depoimento do delegado trouxe várias contradições. Além disso, ele mencionou Deus e sua crença no Espírito Santo em diversos momentos. “Ele disse que jamais torturou, mas não negou que houvesse tortura. Ele disse que ouvia gritos de pessoas que deveriam estar simulando”, falou Dias. “Ele começou atacando a imprensa, dizendo que a imprensa é militante e que o escracha e difama. A segunda coisa, bastante relevante, é que ele confirmou que o coronel Ustra levava a mulher e as filhas para dentro do DOI-Codi. De resto, ele negou tudo, disse que não tinha tortura, que o coronel Ustra levou a família para fazer oração lá dentro, e coisas desse tipo. Ele falou também que ouviu gritos de simulação lá que era para impressionar os presos e os deixarem desestabilizados”, disse Ivan Seixas.

JOAQUIM BARBOSA DEFENDE NOVAS LEIS PARA REGULAR COMUNICAÇÃO NO PAÍS

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, defendeu nesta segunda-feira, em evento no Rio de Janeiro, a criação de leis mais modernas sobre as comunicações no Brasil, bem como algum tipo de regulação do setor. “Normatização, regulação, seja ela vinda do Estado ou autorregulação, é importante. O que não deve haver é nenhuma regulação”, destacou. “Na vida social, sempre há necessidade de estabelecer balizas – isso ajuda bastante o magistrado a resolver os conflitos que surgem. Se deixarmos um vácuo legal, os juízes, na maioria das situações, não saberão o que fazer”, disse Joaquim Barbosa, ao ser perguntado se defendia um novo marco legal para o setor, que atualize o Código Brasileiro de Telecomunicações, de 1962, quando ainda não existia telefonia móvel, internet e outras tecnologias atuais. Joaquim Barbosa, que vive fazendo citações em inglês, e que demonstra fascinação pelo direito americano, esquece o teor da Primeira Emenda da Constituição dos Estados, que diz: "Congress shall make no law respecting an establishment of religion, or prohibiting the free exercise thereof; or abridging the freedom of speech, or of the press; or the right of the people peaceably to assemble, and to petition the Government for a redress of grievances - O congresso não deverá fazer qualquer lei a respeito de um estabelecimento de religião, ou proibir o seu livre exercício; ou restringindo a liberdade de expressão, ou da imprensa; ou o direito das pessoas de se reunirem pacificamente, e de fazerem pedidos ao governo para que sejam feitas reparações de queixas".

DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA PODERÃO PRECISAR DE EMPRÉSTIMO MAIOR PARA COBRIR GASTOS

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse nesta segunda-feira que o valor do empréstimo que as distribuidoras terão de fazer no mercado para cobrir gastos extras com o uso de termelétricas e com a compra de energia no mercado livre poderá ser maior que os R$ 8 bilhões previstos pelo governo. Isso porque um decreto publicado na semana passada definiu que parte dos recursos que serão repassados pelo Tesouro para ajudar as distribuidoras será direcionada para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). “O Tesouro direcionou R$ 2,8 bilhões para a CDE, o que sinaliza que teremos de aumentar o valor da captação, ou, eventualmente, o Tesouro fazer um novo aporte, mas o Tesouro não sinalizou, em momento algum, um novo aporte. Então, o valor da captação pode ter de ser um pouco maior. Agora, quanto será, isso será apurado ao longo do ano”, explicou Rufino. Segundo ele, o valor total do empréstimo vai depender também do resultado do leilão de energia do próximo dia 30 e da variação do preço da energia que as distribuidoras pagam no mercado livre e do volume de energia das termelétricas que for usado.