quinta-feira, 10 de julho de 2014

TEMPO NA TV - DISTRIBUIÇÃO REBAIXA A POLÍTICA. OU: NEGOCIATAS COM BENS PÚBLICOS

Saiu a distribuição oficial do tempo de rádio e televisão. Ela expõe, por si, a imoralidade em que se transformou isto que, em tese, seria uma forma de privilegiar a democracia. O tempo transformou-se em mercadoria, em moeda de troca. Por causa dele, governos de turno, nas três esferas da administração, loteiam a coisa pública. Uma reforma política que fosse levada a sério começaria por rever essa indecência. Mas, claro!, isso não vai acontecer.

TABELA DO TEMPO NA TV
E atenção! Não escrevo essas coisas porque Dilma ficou com um latifúndio, não. Essa é a minha opinião desde que essa estrovenga existe. Vamos lá. A candidata do PT ficou com 11min48s do tempo — ou 47,2% do total. É o que resulta da coligação de nove partidos: PT, PMDB, PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB.
O tucano Aécio Neves tem o segundo maior tempo, mas que corresponde a menos da metade daquele destinado à sua adversária: 4min31s. Também ele conta com o apoio de nove legendas. Muitos, no entanto, são pequenos partidos, que rendem apenas alguns segundos. São eles: PSDB, PMN, SDD, DEM, PEN, PTN, PTB, PTC e PTdoB.
Em terceiro, mas muito atrás, vem Eduardo Campos, com 1min49s. Conta o apoio de PSB, PHS, PRP, PPS, PPL e PSL. Pastor Everaldo, candidato do PSC, terá 1min8s. Na sequência, está Eduardo Jorge, do PV, com 1min1s. Os outros seis candidatos têm menos de um minuto: Luciana Genro (PSOL), 51s; Eymael (PSDC), 47s e Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Mauro Iasi (PCB) e Rui Pimenta (PCO), todos com 45s.
Quero que o leitor tenha claro uma coisa: EU SOU CONTRA A EXISTÊNCIA DO HORÁRIO ELEITORAL GRATUITO — que, para começo de conversa, gratuito não é. Nós pagamos. As emissoras de rádio e TV deixam de arrecadar impostos — e é justo que assim seja porque, afinal, no tempo em que mantêm os políticos no ar, deixam de veicular propaganda.
Uma vez existindo esse troço, é preciso haver algum critério para distribuir o tempo. E se usa como base a bancada de deputados. Ocorre que o tempo de TV deveria ser uma decorrência de alianças formadas com base em afinidades, princípios, causas comuns. Em vez disso, o que se tem é um comércio descarado. “Querem o meu tempo? Troco pelo ministério X”. Ou não vimos Dilma Rousseff tirar Cesar Borges da pasta dos Transportes por exigência do PR? Foi o preço para Dilma contar com o tempo de que dispunha o partido na TV. Ou vocês acham que PCdoB e PP têm uma agenda comum? A forma que tomou essa questão no Brasil envergonha a institucionalidade e a democracia. Reparem: gratuito, o tempo não é porque, insisto, nós pagamos. Então, os políticos já negociam algo que nos pertencem. E o fazem em troca de nacos da administração pública, que igualmente nos pertence. Usam o que é nosso para se apropriar do que… também é nosso! Algum político terá um dia a coragem de propor o fim dessa indecência? Por Reinaldo Azevedo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO ACEITA DENÚNCIA CONTRA JUIZ QUE CHAMOU DESEMBARGADOR DE "FILHO DA PUTA" E AMEAÇOU "DAR-LHE UM SOCO"

Por maioria de votos, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul aceitou denúncia contra um juiz gaúcho por desacato e injúria. Ele teria ameaçado um desembargador do 2° Grupo Cível da corte. Segundo o processo, ele disse: “Eu devia te dar um soco, filho da puta, tu fugiu da raia, quem tu pensa que tu é?” De acordo com a ação, a ameaça ocorreu após sessão do grupo em que foi julgado Mandado de Segurança impetrado pela mulher do acusado. Ela questionava o fato de ter sido reprovada em concurso público para o cargo de juiz no Rio Grande do Sul. Por maioria, o pedido foi rejeitado. Terminado o julgamento, o juiz teria dito: “Presidente, eu sei que não é regimental isso aqui que eu vou dizer para o senhor. Todo mundo sabe, isso é uma grande hipocrisia, que o exame oral sempre foi usado para afastar os indesejáveis. Todos sabem que a minha esposa era indesejada, naquela época, porque eu dobrei o tribunal para cumprir uma decisão do Superior Tribunal de Justiça. E o que a maioria está fazendo aqui é chancelar esta hipocrisia. Eu me envergonho de vocês três. É uma vergonha. Vocês podem me processar”. Já fora da sala, o acusado teria ameaçado um dos desembargadores. Em sua defesa, o juiz sustentou inépcia da denúncia por atipicidade do fato imputado, exclusão da punibilidade por não ter agido com intenção de injuriar ou desacatar e extinção da ação por decadência, pois já teriam passado mais de seis meses dos fatos. O órgão especial, por maioria, também rejeitou os argumentos. Para o relator da ação, desembargador Gaspar Marques Batista, não resta dúvida de que podem ter ocorrido os crimes de desacato ou injúria, “já que falar de hipocrisia e vergonha, dependendo da conotação ou da forma como tais palavras são empregadas, pode ser ofensivo, humilhantes (...), principalmente tratando-se de um desembargador”. “Da mesma forma, chamar alguém de ‘filho da puta’ e prometer dar um soco no ofendido, pode constituir-se em ofensa à dignidade e ao decoro, traduzindo desprezo ou menoscabo”, concluiu o relator. (Conjur)

FIFA EMPRESTOU, SEM JUROS, US$ 10 MILHÕES À MATCH PARA "HOSPITALIDADE" NA COPA DO MUNDO

Em meio aos escândalos envolvendo o nome da Fifa e da Match Services no esquema internacional de venda ilegal de ingressos para a Copa do Mundo, o jornalista e escritor britânico Andrew Jennings solta mais uma "bomba". Jennings enviou ao Jornal do Brasil o Relatório Anual e o Demonstrativo Financeiro da Match, referente ao ano de 2012, onde aparece um empréstimo na ordem de U$ 10 milhões da Fifa para a empresa, a ser investido em acomodações para a Copa no Brasil. O empréstimo foi feito de forma generosa, sem cobrança de juros e com o prazo de pagamento para janeiro de 2015. O empréstimo está detalhado na página 19 do relatório, no item "Valores a vencer após um ano". 

Na terça-feira, Jennings afirmou ao Jornal do Brasil que Ray Whelan conhece todo o esquema fraudulento de venda de ingressos que tem como maior fornecedor a Fifa. "Ele sabe absolutamente de tudo", garante o jornalista. Segundo Jennings, Whelan é companheiro de Ivy, irmã dos mexicanos Jaime e Enrique Byrom, sócios do sobrinho de  Joseph Blatter, presidente da Fifa, Philippe Blatter. Ivy e Whelan moram na cidade de Stockport, em Manchester. O jornalista conta também que Whelan entrou no esquema de corrupção da Match depois da Copa no México, no ano de 1986. Nessa época, os irmãos receberam a ajuda do ex-presidente da FIFA, João Havelange, conseguindo abrir uma empresa na Ilha de Mann, além de contas bancárias no Exterior. 

Relatório financeiro da empresa Match, com empréstimo da Fifa para a Copa no BrasilRelatório financeiro da empresa Match, com empréstimo da Fifa para a Copa no Brasil

Jennings atribuiu a Joseph Blatter, ex-presidente da Ffia, a responsabilidade de transferir a venda dos ingressos para a Copa do Mundo no Brasil para a empresa Match, num acordo fechado no ano de 2003. Na contabilidade do jornalista, foram 450.000 ingressos Vips para venda em pacotes de hospitalidade, incluindo 24 mil para as partidas das Semifinais e 12 mil para a Final. 
Ao tomar conhecimento da prisão de Ray Whelan no Rio de Janeiro, Jennings disse: "a polícia precisa saber que ele é a melhor testemunha para se chegar ao esquema de corrupção da Fifa". O jornalista é autor dos livros "Um Jogo Sujo" e "Um Jogo cada vez mais Sujo", que revela detalhes do envolvimento da Fifa no esquema internacional de cambismo. Jennings acredita que com a prisão de Ray "a história agora explode". "Ele [Ray Whelan] negocia há 25 anos os ingressos dos Byroms. Diga aos policiais que ele é o melhor testemunho que jamais poderia chegar ao topo de corrupção da FIFA. Ou será que ele quer gastar os próximos anos em Bangu?", ironizou o jornalista inglês. "Seus policiais vão ser heróis no mundo", complementou ele. 
Whelan foi preso na tarde de segunda-feira por policiais da 18a. DP (Praça da Bandeira), em uma suíte do Copacabana Palace, onde está hospedada a cúpula da Fifa para a Copa. O executivo da Match, única empresa autorizada pela Fifa a vender as entradas do Mundial, foi acusado de ser o chefe da quadrilha internacional de cambistas. Por volta das 4h50 desta terça-feira (8), Whelan foi liberado da delegacia, por determinação da desembargadora do Plantão Judiciário do Rio de Janeiro, Marília Castro Neves Vieira, após pagamento de fiança pela Match. Whelan não compareceu para prestar depoimento na 18a. DP, apesar de uma determinação policial. 
De acordo com as investigações da polícia, Ray estaria acima do franco-argelino Mohamadou Lamine Fofana, preso desde a semana passada com outras 10 pessoas acusadas de participação no esquema. Os detidos em regime temporário estão no Complexo Penitenciário de Bangu. O promotor responsável pelo caso, Marcos Karc, da 9a. Promotoria de Investigação Penal (PIP) do Rio, não descartou a possibilidade de membros da Fifa estarem sendo investigados e questiona a organização não saber do esquema que envolve um volume grande de ingressos e grandes cifras no mercado negro. 
O Ministério Público do Rio de Janeiro recebeu nesta quarta-feira (9/7) o inquérito da Operação Jules Rimet, produzido pela Polícia Civil sobre a máfia internacional de cambistas de venda de ingressos para a Copa do Mundo. Doze presos, incluindo o CEO da Match Services, Ray Whelan, foram indiciados pelos crimes de cambismo e associação criminosa. A polícia pediu a prisão preventiva de 11 dos detidos desde o início da operação no Rio de Janeiro e em São Paulo.
Já o franco-argelino Lamíne Fofana segue detido no Complexo Penitenciário de Bangu, junto com outros 10 membros da máfia dos ingressos. A Justiça negou o habaes corpus de Lamine Fofana, permitindo o pedido de prisão preventiva pela PC, já que o prazo de prisão temporário do suspeito encerrou nesta quinta-feira.

MINISTÉRIO PÚBLICO COBRA R$ 486 MILHÕES DE SINDICATOS POR GREVE DE ÔNIBUS E METRÔ EM SÃO PAULO

O Ministério Público de São Paulo cobra na Justiça o pagamento de R$ 354 milhões pelo Sindicato dos Metroviários como multa pela greve deflagrada pela entidade entre os dias 5 e 9 de junho. Além disso, a Promotoria cobrará de outro sindicato, o dos Motoristas e Cobradores de Ônibus, R$ 131,7 milhões por um movimento grevista em maio. Ambas as ações civis foram ajuizadas nesta quinta-feira pelo Ministério Público. Os dois valores pedidos pela Promotoria são muito mais elevados do que os fixados pelo Tribunal Regional do Trabalho à época do julgamento das duas greves. Segundo o promotor Mauricio Ribeiro Lopes, responsável pelas ações, os patamares correspondem a um trigésimo de salário mínimo para cada uma das pessoas que teriam ficado impossibilitadas de andar de ônibus e metrô durante as duas paralisações. Nos cálculos do Metrô, que é controlado pelo governo do Estado, um total de 7.177.932 passageiros não puderam circular por suas quatro linhas (há uma outra, a 4-Amarela, que é gerida pela iniciativa privada e que não foi atingida pela greve). Ribeiro Lopes argumentou na ação que, além dessa perda, “nos dias de greve houve interrupção de rodízio de autos na capital, acarretando além dos congestionamentos de centenas de quilômetros pela cidade, considerável desgaste emocional à população, aumento do nível de estresse” e piora da qualidade do ar atmosférico, dobrando o valor da penalidade. Com isso, a multa indenizatória calculada por Ribeiro Lopes no caso dos metroviários chega a R$ 354.406.998,32. O promotor alega que o ressarcimento será pelo fato de a população ter tido “danos materiais e morais decorrentes da abusiva paralisação que trouxe o caos ao sistema de mobilidade urbana”. O Ministério Público informou que a São Paulo Transporte (SPTrans), da Prefeitura, calculou que 2.729.900 pessoas ficaram sem os ônibus municipais entre os dias 20 e 23 de maio (no dia 12, algumas linhas da zona sul também foram afetadas), enquanto a greve esteve ativa. Pela lógica da Promotoria, o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores Rodoviários Urbanos de São Paulo  (Sindmotoristas) terá que desembolsar R$ 131.744.974,00. Ribeiro Lopes também levou em conta, como no caso do Metrô, os transtornos para os motoristas e o aumento da emissão de gases poluentes. A Promotoria também quer o bloqueio de todos os bens dos dois sindicatos. O dinheiro arrecadado com a aplicação das multas iria para o Fundo Especial de Despesa de Reparação de Interesses Difusos Lesados, mantido pela Secretaria Estadual da Justiça.

PRIMO DE ROSEMARY NORONHA, A "AMIGA ÍNTIMA" DO ALCAGUETE LULAX9, É EXONERADO DO DNIT

Marcelo de Lara Peixoto foi exonerado do cargo em comissão que ocupava no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). O Ministério Público Federal em São Paulo informa que a exoneração do servidor foi comunicada à autora da recomendação, a procuradora federal Thaméa Danelon, em ofício datado de 25 de junho, assinado por Herbert Drummond, chefe de gabinete do Ministro dos Transportes. A exoneração ocorre somente 2 anos e 8 meses depois da Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, deflagrada em novembro de 2012. Marcelo de Lara Peixoto é primo da ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Noronha, a "amiga íntima" do alcaguete LulaX9 (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr.). Ele ganhou um cargo na extinta Rede Ferroviária Federal em São Paulo (RFFSA) em 2009, informa o Ministério Público Federal. Ao pedir a demissão de Marcelo de Lara Peixoto do serviço público, a procuradora destacou que, ao praticar ato que visa ao atendimento de interesses individuais, como é o caso, a Administração Pública desvirtuou o interesse público – o que torna ilegal a nomeação. “O próprio Supremo Tribunal Federal já consagrou o entendimento de que a prática do nepotismo viola a Constituição Federal”, explica a procuradora, em nota divulgada pelo Ministério Público Federal em São Paulo. A exoneração foi publicada no Diário Oficial da União do dia 24 de junho. Marcelo de Lara Peixoto ocupava cargo de código DAS 101-3, cujo salário chega a quase R$ 4,5 mil por mês. O cargo DAS é referente a posto de “Direção e Assessoramento Superior”. Rosemary teve o nome envolvido na Operação Porto Seguro, deflagrada pela Polícia Federal, que desarticulou um esquema de venda de pareceres técnicos em órgãos federais. A operação da Polícia Federal revelou uma série de crimes como formação de quadrilha, corrupção ativa, corrupção passiva, tráfico de influência, falsidade ideológica e falsificação de documento particular. Segundo o Ministério Público Federal em São Paulo, nessa investigação foram interceptados e-mails, com autorização judicial, revelando a solicitação, por parte de Rosemary, da nomeação, “com urgência”, do primo Marcelo de Lara Peixoto para o cargo comissionado no Ministério dos Transportes.  Em setembro do ano passado, a Controladoria-Geral da União decidiu aplicar pena de destituição de cargo público a Rosemary. No final de 2012, ela tinha sido exonerada. Em 2013, houve a conversão da exoneração em destituição de cargo público, que é uma medida mais rigorosa. Em função dessa punição, a ex-servidora ficou impedida de retornar ao serviço público federal durante cinco anos. Ela não era do quadro efetivo do serviço público.

ONU INFORMA QUE MAIS DA METADE DA POPULAÇÃO MUNDIAL JÁ VIVE EM ÁREAS URBANAS

Hoje, 54% da população mundial vive em áreas urbanas, uma proporção que deve chegar a 66% em 2050, anunciou nesta quinta-feira a Organização das Nações Unidas (ONU). As projeções mostram que a urbanização, combinada com o crescimento populacional, pode acrescentar 2,5 bilhões de pessoas às populações urbanas até a metade do século, com quase 90% desse aumento concentrado na Ásia e na África. Os países em que o fenômeno deve acontecer com mais intensidade são Índia (que somará 404 milhões às cidades), China (292 milhões) e Nigéria (212 milhões), que juntos devem representar 37% do crescimento projetado até 2050. A população urbana mundial cresceu rapidamente de 746 milhões em 1950 para 3,9 bilhões em 2014. A Ásia, sozinha, hospeda 53% desse quinhão, seguida pela Europa (14%) e pela América Latina (13%). As cidades do planeta deverão somar 6 bilhões de habitantes em 2045, o que apresentará a países em desenvolvimento "diversos desafios para saciar as necessidades" como "habitação, infraestrutura, transporte, energia e emprego, bem como serviços básicos como educação e saúde", apontou a ONU. O relatório observa que, em 1990, havia dez "megacidades" com 10 milhões de habitantes ou mais, somando pouco menos de 7% da população urbana global naquele período. Em 2014, há 28 megacidades que abrigam 453 milhões de pessoas, ou 12% do contingente humano residente em cidades. Tóquio segue como a maior cidade do mundo, com 38 milhões de habitantes, seguida de Nova Délhi (25 milhões), Xangai (23 milhões), Cidade do México, Mumbai e São Paulo, cada uma com cerca de 21 milhões de habitantes.

SUSPEITO DE CHEFIAR ESQUEMA DE VENDA ILEGAL DE INGRESSOS NA COPA DO MUNDO ESTÁ FORAGIDO

A Justiça carioca decretou nesta quinta-feira a prisão preventiva de Raymond Whelan, CEO da Match, principal suspeito de chefiar o esquema de venda ilegal de ingressos dos jogos da Copa do Mundo. O britânico deixou o hotel onde estava hospedado e está foragido da Justiça, informou o delegado Fábio Barucke à imprensa. "Ele saiu pela porta dos funcionários, vimos pelas imagens ele saindo apressado. Ele é considerado foragido", explicou. Além de Whelan, outras 11 pessoas foram acusadas de pertencer à rede internacional de revenda de ingressos da Copa do Mundo. O diretor-executivo da Match Services — empresa que oferece bilhetes para o público geral e hospedagem — já havia sido preso na segunda-feira, mas acabou sendo liberado na terça-feira após pagar uma fiança de R$ 5 mil e deixar seu passaporte na Justiça para garantir que não fugiria. Escutas telefônicas mostraram conversas de Whelan com o cambista franco-argelino Lamine Fofana, também preso há uma semana. Segundo as investigações, o grupo revendia ingressos por um preço acima do impresso no bilhete, o que é proibido pelo Estatuto do Torcedor. Para a Match, não existe indícios de que a conversa prove que Whelan tenha atuado como cambista. A empresa alega que os ingressos pedidos por Fofana foram fornecidos pelo valor que de fato custam no website.

DIREÇÃO DA CBF NÃO ACEITA TER TÉCNICO ESTRANGEIRO

A chance de a seleção brasileira ter um técnico estrangeiro no lugar de Luiz Felipe Scolari é zero. José Maria Marin, ainda presidente da CBF, e seu sucessor eleito, Marco Polo Del Nero, rejeitam todas as tentativas ou pressões para trazer um treinador de outro país. Nem mesmo nomes badalados como o português José Mourinho e o espanhol Pep Guardiola animam a dupla de dirigentes. Marin jamais admitiu contratar um técnico que não fosse um brasileiro. Quando demitiu Mano Menezes, em novembro de 2012, com a aprovação de Del Nero, o presidente da CBF recebeu algumas sondagens da possibilidade de trazer um treinador europeu, como Guardiola, mas siplesmente disse não. Com a saída de Luiz Felipe Scolari após a Copa do Mundo, os apelos por um técnico de fora do Brasil crescem. Marin e Del Nero ainda não se manifestaram a respeito do futuro de Felipão, mas já sinalizam que o sucessor deve mesmo ser um brasileiro.

EMPRESA DA FAMÍLIA ESPÍRITO SANTO AVALIA PEDIR RECUPERAÇÃO JUDICIAL

A Espírito Santo International (ESI), que faz parte do Grupo Espírito Santo (GSE), avalia pedir proteção judicial contra seus credores em Luxemburgo, paraíso fiscal onde tem sede. A companhia cogita essa possibilidade caso não consiga chegar a um acordo de renegociação de sua dívida. A empresa declarou calote técnico após não conseguir garantir os rendimentos de seus investidores no início do mês. Foi detectado um passivo não-reconhecido no valor de 1,2 bilhão de euros nas contas da empresa. Se a justiça de Portugal declarar situação de "insolvência controlada", a empresa pode entrar com pedido de recuperação judicial. Com isso, terá a proteção da justiça para renegociar sua dívida sem que seus bens sejam confiscados. Contudo, isso poderá implicar no afastamento dos representantes da família Espírito Santo da gestão, devido às irregularidades de contabilidade que foram detectadas na ESI e que estão sendo investigadas pelas autoridades de Luxemburgo. O GSE está tentando vender ativos, renegociar os prazos da sua gigantesca dívida de 7 bilhões de euros e converter a maior parte dela em ações preferenciais da Rioforte, sua subsidiária não financeira. A companhia encontra-se atualmente sem acesso a financiamento nos mercados e teve seu rating reduzido recentemente pela agência de classificação de risco Moody's. Além disso, a instituição já atrasou o pagamento de títulos comerciais que foram subscritos por clientes do seu banco suíço, o Banque Privée Espírito Santo. O plano de renegociação de dívida e venda de ativos será submetido ainda à aprovação dos acionistas da ESI (na qual a família Espírito Santo tem 56% de controle), em uma Assembleia Geral marcada para 29 de julho. Na agenda da reunião consta o plano de recuperação do grupo e a nomeação de Caetano Espírito Santo Beirão da Veiga para o cargo de gerente-executivo. Outra proposta prevê a nomeação da consultoria KPMG para assumir a revisão de contas, substituindo a Machado da Cruz. A ESI é a principal acionista do Grupo Espírito Santo, detendo 100% da Rioforte. Esta, por sua vez, é dona de 49% do Espírito Santo Financial Group (ESFG), o maior acionista do Banco Espírito Santo (BES), com 25% de participação. É neste contexto particularmente difícil que o pedido de insolvência poderá constituir uma salvaguarda, impedindo os credores de executarem as dívidas durante as próximas semanas. A seu favor, a ESI tem o fato de, tradicionalmente, Luxemburgo ser mais generoso com os devedores insolventes do que outras jurisdições.

DILMA INDICA TRÊS NOMES PARA A DIRETORIA DA ANEEL

A presidente Dilma Rousseff encaminhou ao Senado a indicação de três nomes para a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), sendo que duas representam reconduções aos cargos. Entre os indicados para recondução estão o servidor de carreira da Aneel, André Pepitone, para o cargo de diretor, e Romeu Rufino para o cargo de diretor-geral. A presidente também indicou Tiago de Barros Correia para o cargo de diretor da agência. As indicações, que completam o quórum de cinco integrantes da diretoria, ainda precisam passar pela aprovação do Senado.

GOVERNO DA PETISTA DILMA NEGOCIA OUTRO EMPRÉSTIMO PARA AS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

O governo da petista Dilma Rousseff está negociando com bancos um aditivo ao empréstimo de 11,2 bilhões de reais para as distribuidoras de eletricidade, disse uma fonte que acompanha as negociações. Segundo ela, a quantia deve superar 2 bilhões de reais, o suficiente para pelo menos cobrir as liquidações do mercado de curto prazo de energia de julho e agosto. Somente em julho, o valor a ser liquidado pelas distribuidoras, e que não está coberto pelas tarifas de energia elétrica, é de 1,3 bilhão de reais, referentes às operações do mercado de curto prazo em maio. Na quarta-feira, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiou para 31 de julho o pagamento do montante, que deveria ocorrer inicialmente até esta sexta-feira. O principal objetivo do adiamento é ganhar tempo para achar uma solução e possibilitar que as distribuidoras façam a liquidação sem comprometer suas finanças. No final de abril, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) assinou um contrato de empréstimo de 11,2 bilhões de reais com um sindicato formado por Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Itaú Unibanco, Santander Brasil, Citibank, BTG Pactual, Bank of America Merrill Lynch, JPMorgan e Credit Suisse.

EDUARDO CAMPOS AFIRMA: "QUEM QUISER HOMENAGEAR SARNEY, VOTE NA DILMA"

Em visita ao Maranhão, o candidato do PSB à Presidência da República Eduardo Campos tentou aproveitar o desgaste do clã Sarney no Estado para associá-lo à adversária Dilma Rousseff. "Eu fui o único candidato do Brasil que disse com todas as letras que quando eu e Marina Silva estivermos governando o Brasil, a partir do dia 1º de janeiro, o PMDB de José Sarney estará na oposição. É a primeira vez em 50 anos que temos um candidato que diz isso. Quem quiser prestar homenagem ao Sarney que vote na Dilma", disse ele. Apesar de ter transferido seu domicílio eleitoral para o Amapá nos anos 1990, Sarney ainda tem o Maranhão como reduto político. O Estado é comandado desde 2009 por sua filha Roseana. Desgastados, os dois desistiram de disputar as eleições neste ano. Em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, Eduardo Campos também tentou associar o tucano Aécio Neves à velha política maranhense. "Quem quiser continuar com Sarney também pode votar no Aécio Neves, porque todo mundo sabe que o PMDB está com pé em duas canoas. A única em que ele não bota o pé é a nossa, porque a nossa canoa é a da renovação. No nosso governo não terá essa velha política", afirmou. Apesar do discurso, o PSB está coligado ao PMDB na disputa pelo governo de cinco Estados: Mato Grosso do Sul, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Sergipe. O candidato do PSB desembarcou na manhã desta quinta-feira na capital maranhense, retomando a agenda de campanha após pausa de um dia motivada pela eliminação do Brasil da Copa do Mundo. Campos foi ao Maranhão acompanhado de sua vice, Marina Silva, a santinha da floresta, e participou na tarde desta quinta-feira de uma caminhada pelas principais avenidas da cidade ao lado do candidato ao governo estadual, Flavio Dino (PCdoB), apoiado pelo PSB – e adversário de Lobão Filho (PMDB), herdeiro político da família Sarney. Nesta sexta-feira, Eduardo Campos deve visitar as cidades de Natal e Mossoró, no Rio Grande do Norte.

PARA O MINISTÉRIO PÚBLICO, JOSÉ ROBERTO ARRUDA NÃO PODE TOMAR POSSE SE FOR ELEITO..... PODE SIM, A LEI DIZ QUE PODE, O MINISTÉRIO PÚBLICO ESTÁ QUERENDO FAZER UMA LEI PRÓPRIA

O esforço para viabilizar a candidatura de José Roberto Arruda (PR) ao governo do Distrito Federal deve ser apenas o início de uma longa batalha judicial. Na quarta-feira, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal confirmou a condenação de Arruda por improbidade administrativa, o que, na prática, o incluiria na Lei da Ficha Limpa. Sua defesa, no entanto, alega que a decisão não o impede de disputar as eleições porque foi tomada depois de protocolada a candidatura na Justiça Eleitoral. E isso é mesmo o que está na lei. Aliás, qualquer brasileiro mediano conhecedor das leis do País sabe que nenhuma lei pode retroagir em seus efeitos para prejudicar um cidadão. Mas, para o Ministério Público Eleitoral, mesmo se Arruda disputar e ganhar as eleições, não poderia assumir o cargo. Segundo o procurador-regional eleitoral do Distrito Federal, Elton Ghersel, se a Justiça Eleitoral homologar a candidatura de José Roberto Arruda e ele for eleito, a inelegibilidade pode ser aplicada no momento da posse. “Se não houver nenhum recurso e a condenação da Justiça estiver em vigor em dezembro, que é a época da diplomação, o Arruda não conseguirá receber o diploma, e, portanto, não conseguirá entrar em exercício do cargo", disse Ghersel. "Ele foi condenado por um ato de improbidade administrativa que causa enriquecimento ilícito e a Lei da Ficha Limpa é clara ao dizer que, nesse caso, ele está inelegível".

AÉCIO NEVES DIZ QUE O GOVERNO DA PETISTA DILMA ROUSSEFF VAI "PAGAR O PREÇO" PELO USO POLÍTICO DA COPA DO MUNDO

O candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves, criticou nesta quinta-feira que o governo de sua adversária Dilma Rousseff (PT) vai “pagar o preço” por tentar utilizar a Copa do Mundo como catalisadora de votos nas eleições de outubro. “Copa do Mundo é uma coisa, eleição é outra. O governo da presidente Dilma, infelizmente, a cada momento, tem uma reação diferente. Quando vieram as manifestações, Dilma não tinha nada a ver com Copa do Mundo. Quando a Copa dá certo, parecia até que era ela a artilheira da seleção. Acho que quem vai pegar o preço são aqueles que tentaram se apropriar de um evento que é de todos os brasileiros”, disse o senador tucano, em campanha na cidade capixaba de Vila Velha. No início da semana, durante um bate-papo nas redes sociais, a presidente-candidata afirmou que a Copa seria uma “belezura” e criticou as manifestações contra a realização do mundial de futebol. “Antes falavam que não ia ter Copa. Agora, muita gente boa quer mais Copa. Tudo com gosto de quero mais. Azar dos urubus”, disse a petista na ocasião. “Aqueles que esperavam fazer da Copa do Mundo, como disse a presidente, uma belezura para influenciar nas eleições, vão se frustrar”, disse Aécio Neves, nesta quinta-feira, no Espírito Santo. Após ter participado de ato político ao lado do candidato a governador Paulo Hartung (PMDB), Aécio Neves também criticou a condução da economia e disse que a administração federal adota um “centralismo exacerbado” prejudicial aos Estados. "A proposta que encabeço hoje representa o sentimento de milhões de brasileiros indignados com a incapacidade do governo de fazer o País crescer e avançar, de controlar a inflação e permitir que os nossos indicadores econômicos melhorem”, afirmou. “Esse excesso de propaganda do governo federal é quase um acinte à inteligência dos brasileiros, porque não vem acompanhado de ações concretas. Está na hora de confrontar o Brasil da propaganda com o Brasil real”, afirmou o tucano.

BANCO ESPÍRITO SANTO, DE PORTUGAL, ENVOLVIDO NO PROCESSO DO MENSALÃO DO PT, DERRUBA BOLSAS EUROPÉIAS E FMI EMITE ALERTA

Investidores por toda a Europa reduziram a exposição a bancos nesta quinta-feira, em reação às crescentes preocupações com a saúde do maior banco listado de Portugal, levando as bolsas européias a atingir a mínima em dois meses. O índice português PSI recuou à mínima em nove meses (queda de 4,18% a 6.105 pontos) e exibiu desempenho inferior a dos demais índices europeus. Negociações com ações e títulos do Espírito Santo Financial Group, o principal acionista do Banco Espírito Santo, foram suspensas devido ao anúncio de default técnico da Espírito Santo International (ESI), que faz parte do Grupo Espírito Santo (GSE). Esse grupo Espírito Santo está envolvido no esquema de corrupção petista do Mensalão. As negociações do papel do Banco Espírito Santo também foram interrompidas mais tarde, após queda de 19%, deixando investidores nervosos em toda a Europa. O índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais ações do continente, fechou em queda de 1%, a 1.349 pontos, após chegar a 1.342 pontos na mínima da sessão, menor nível desde o início de maio. "A situação do BES é uma história emaranhada de participações cruzadas e dívidas não explicadas, que destaca os riscos que ainda existem em alguns bancos europeus", disse o diretor administrativo do B Capital Wealth Management, Lorne Baring. Em Londres, o índice FT500 recuou 0,68%, a 6.672 pontos, enquanto a bolsa de Frankfurt caiu 1,52%, a 9.659 pontos. Em Paris, o índice CAC-40 perdeu 1,34%, a 4.301 pontos. O desempenho negativo dos mercados fez com que o Fundo Monetário Internacional emitisse um comunicado sobre a situação do sistema bancário português. O fundo afirmou, em nota, que "o sistema bancário português foi capaz de suportar a crise sem perturbações significativas, ajudado pelo apoio substancial de capital público e por medidas extraordinárias do Banco Central Europeu". Contudo, a entidade presidida por Christine Lagarde afirma que, " há mostras de vulnerabilidade que necessitam de medidas corretivas em alguns casos, e de supervisão intrusiva em outros". Tal supervisão significa a intervenção do Fundo para evitar o risco sistêmico. Em relação ao caso específico do Banco Espírito Santo, o FMI afirmou não "fazer comentários sobre instituições financeiras individuais". O Banco de Portugal emitiu um comunicado no final da tarde desta quinta-feira afirmando que o BES é "sólido". O Banco Espírito Santo vem sendo arrastado por um turbilhão de problemas em suas holdings controladoras. A origem das preocupações é a Espírito Santo International (ESI), principal acionista do GSE, detendo 100% da Rioforte, que é a holding não-financeira do grupo português. Esta, por sua vez, é dona de 49% do Espírito Santo Financial Group (ESFG), o maior acionista do Banco Espírito Santo (BES), com 25% de participação. A ESI afirmou nesta semana que não conseguiu cumprir suas obrigações com alguns credores dentro do prazo estabelecido, o que configura situação de calote. A insolvência da ESI afeta diretamente o emaranhado de empresas do grupo — sobretudo porque todas estão muito interligadas. O problema respinga no Brasil porque a Portugal Telecom tem como segundo maior acionista justamente o GES. A tele portuguesa, em processo de fusão com a Oi, fez um aporte de 900 milhões de dólares na Rioforte, controlada pela falida ESI. Contudo, não comunicou o investimento aos sócios brasileiros. Como os títulos comprados pela Portugal Telecom vencem nos dias 15 e 17 de julho, caso a Rioforte não consiga honrar com seus compromissos, a companhia de telecomunicações ficará com seu caixa fortemente afetado. Os desdobramentos podem inviabilizar a fusão com a Oi nos termos que haviam sido acertados no ano passado. Estima-se que a Portugal Telecom tenha de reduzir sua participação de 38% para 20% na nova operadora que será criada no Brasil. O BNDES, um dos maiores acionistas da Telemar, que controla a Oi, afirmou considerar as operações com a Rioforte inconsistentes, com padrões mínimos de boa governança corporativa. Tal como a própria Oi já havia feito, o BNDES afirmou ter pedido mais informações “detalhadas” sobre a aplicação feita pela tele portuguesa. Segundo o BNDES, sua única preocupação é "a preservação dos interesses dos acionistas da Oi".

AUDITORIA INTERNA DA PETROBRAS CONFIRMA RELATÓRIOS DO TCU E INVESTIGAÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL, HOUVE SUPERFATURAMENTO DE CENTENAS DE MILHÕES DE REAIS NA CONSTRUÇÃO DA REFINARIA ABREU E LIMA

Auditorias internas da Petrobras revelam que a construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, contou com projeções de lucro acima do mercado por fornecedores, favorecimento em licitações, contratações sem concorrência e sem disputa e pagamentos a mais a empreiteiras. Os relatórios foram elaborados entre 2011 e 2014 e detalham irregularidades em um empreendimento cujo orçamento saltou de US$ 2,3 bilhões para mais de US$ 20 bilhões, valor do gasto total estimado até novembro deste ano, data prevista para o início do funcionamento da refinaria. O superfaturamento em Abreu e Lima, segundo as estimativas mais recentes do Tribunal de Contas da União, ultrapassa R$ 1,1 bilhão. Um relatório de sete páginas, elaborado por três auditores da Petrobras, apontou um lucro indevido projetado pelo Consórcio Alusa-CBM, responsável por um contrato de R$ 651,7 milhões. Para implantar a unidade da carteira de enxofre da refinaria, o consórcio estimou um lucro de 12%, inclusive para a elaboração do projeto, delegada a outra empresa. Os auditores compararam, então, esses ganhos com o “ranking” das 14 maiores construtoras, cuja margem média de lucro era de 7%, “sendo que 60% dessas empresas apresentaram percentuais inferiores ou iguais a 6%”. A unidade responsável justificou que as propostas se referem a contratos por preço global e não poderiam ser analisadas pontualmente. Os auditores discordaram: “O fato de o contrato ser por preço global não impede a análise da composição de seu valor, ainda na licitação, visando à negociação de condições mais vantajosas para a Petrobras, inclusive com possível enquadramento de suas parcelas ao praticado no mercado”. Outra equipe de três auditores lançou suspeita sobre um segundo contrato com a Alusa. A empresa foi contratada por R$ 921 milhões para realizar projeto executivo à implementação da casa de força da refinaria. A Alusa, porém, não atendia aos requisitos expressos no edital de licitação. Na ocasião, em 2008, foram encaminhados convites a 12 empresas. A empreiteira só conseguiu participar após enviar e-mail a um gerente da área de engenharia demonstrando interesse em disputar. A Petrobras justificou a inclusão como uma forma de aumentar a concorrência: “Apesar de a Alusa não atender integralmente aos critérios estabelecidos inicialmente para o convite, ela possuía capacitação, porte adequado e experiência na prestação de serviços semelhantes na Petrobras. Considerou-se, ainda, que a inclusão dela no processo poderia aumentar a competitividade no certame". Os auditores não se deram por satisfeitos. O relatório destacou que 12 concorrentes já participavam e que a flexibilização dos critérios deveria ter sido estendida a outras empresas. “Uma vez aberta a excepcionalidade para essa empresa, outras que estavam nas mesmas condições deveriam ter sido convidadas não só para conferir isonomia ao processo, como, também, para aumentar a competitividade e evitar questionamentos”, argumentaram. Questionamentos ao processo licitatório foram feitos também em um certame vencido pela Jaraguá Empreendimentos, citada na Operação Lava-Jato da Polícia Federal como uma das que repassaram recursos para uma empresa de fachada do doleiro Alberto Youssef. Os dois auditores que assinam este relatório observaram que a empresa venceu uma concorrência de R$ 13,3 milhões para o fornecimentos de equipamentos de energia na qual nenhum concorrente participou. A Petrobras convidou 16 empresas, mas só a Jaraguá apresentou proposta. A equipe observou que o TCU já determinou à Petrobras que devem existir pelo menos três propostas válidas para um processo licitatório ter continuidade. Um contrato de R$ 2,7 bilhões com o Consórcio Ipojuca, formado pela Construtora Queiroz Galvão e pela Iesa Óleo e Gás, teve reajustes de preços antes do previsto na parceria com a Petrobras. As empreiteiras são responsáveis pela implantação de tubovias de interligação. Os auditores apontaram um “desembolso indevido” de R$ 6 milhões, e pediram a devolução do dinheiro. Outra iniciativa criticada foi o aumento de itens e a manutenção do preço unitário, o que levou a um “acréscimo de R$ 245 milhões". “Considerando que os itens destacados representam os maiores volumes das medições, essa situação pode induzir à percepção de antecipação de recursos com vantagem financeira para a contratada”, citou o relatório. O consórcio deveria instalar um sistema de tratamento de efluentes, o que não foi feito e implicou custo adicional de R$ 15 milhões. Relatórios apontaram ainda repasses de recursos a fornecedores contratados antes da prestação de serviços e sem atualização dos valores nos pagamentos, além de reajustes inadequados, que levaram a pagamentos a mais. Estes recursos só foram ressarcidos à Petrobras após o trabalho da fiscalização. A auditoria questionou o fato de a Petrobras ter deixado de cobrar multas previstas em contrato, de até 10% do valor total, por atrasos na obra e desmobilização de mão de obra. Isso ocorreu em dois contratos que ultrapassavam R$ 1,3 bilhão, mas a Petrobras preferiu apenas repactuar os prazos com os fornecedores.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS REJEITA RECURSO DE EX-SENADOR DEMÓSTENES TORRES

Em sessão extraordinária realizada na quarta-feira, a Corte Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás rejeitou, por unanimidade, o recurso interposto por Demóstenes Torres no processo penal que investiga oito crimes de corrupção passiva. Para o desembargador Leandro Crispim, relator do processo, não existe nada que justifique a alteração do recebimento da ação penal. Já com relação a revisão do afastamentos do ex-senador do cargo de procurador da Justiça, o desembargador Norival Santomé pediu vistas do processo. A decisão, portanto, só deverá voltar à pauta de discussão no dia 27 de agosto. Instaurada no dia 22 de janeiro deste ano, a ação penal acata denúncia criminal de corrupção passiva feita pelo Ministério Público de Goiás. Além de Demóstenes Torres, foram denunciados Carlos Augusto de Almeida Ramos (Carlinhos Cachoeira) e Cláudio Dias de Abreu, da Construtora Delta, pela prática de crime de corrupção ativa.

BERLUSCONI DAVA DINHEIRO PARA MÁFIA, DIZ EX-MAFIOSO

O ex-mafioso italiano Antonino Galliano disse em depoimento nesta quinta-feira que o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi dava dinheiro a Cosa Nostra, a máfia siciliana. “O ex-senador Marcello Dell’Utri era o intermediário entre a Cosa Nostra e o Estado e dava dinheiro de Berlusconi para Antonio Cinà. Através do meu tio Raffaele Ganci o dinheiro chegava até Totó Riina (chefe da Cosa Nostra preso desde 1993)“, afirmou Galliano, que atualmente colabora com a Justiça italiana. O ex-mafioso contou que existiram duas fases na relação do então empreendedor Silvio Berlusconi e a máfia. A primeiro, anterior à guerra da máfia dos anos 1980, na qual através de Delll’Utri o ex-premier pagava os chefes mafiosos para assegurar a proteção dele e de sua família em Milão. “Depois da morte de (chefe do clã mafioso da Cosa Nostra, Stefano) Bontate, aqui começa a segunda fase, houve uma trégua e Berlusconi não pagava mais, nem Dell’Utri recebia mais Cinà.
Então Riina, para fazer o Berlusconi retomar os pagamentos, colocou uma bomba em frente a sua casa. Neste momento ele (o ex-premier) buscou ajuda através de Dell’Utri e voltou a pagar”, relatou Galliano. Dell’Utri foi condenado pala Justiça italiana a sete anos de prisão por associação mafiosa. Ele manteve contatos com a Cosa Nostra e assinou com a máfia siciliana um acordo para proteger Berlusconi em 1974.

MAIS DE 170 TORCEDORES GANESES PEDEM REFÚGIO AO BRASIL, A FIFA FEZ PAPEL DE "COIOTE" PARA IMIGRAÇÃO ILEGAL

Com visto de turistas para acompanhar a Copa do Mundo, 178 ganeses apresentaram pedido de refúgio à Polícia Federal em Caxias do Sul entre o dia 3 e esta quinta-feira. A Polícia Federal na região, no entanto, estima que mais de mil ganeses devem fazer o pedido para continuarem no Brasil definitivamente após o encerramento do Mundial. Ou seja, a Fifa prestou o papel de "coiote" na imigração ilegal para o Brasil. De acordo com o delegado Noerci da Silva Melo, chefe da delegacia da Polícia Federal em Caxias do Sul, os ganeses têm sido atraídos para a região serrana do Rio Grande do Sul devido à promessa de emprego. Na cidade, acrescentou o delegado, os estrangeiros encontram abrigo em igrejas e apoio de políticos locais. “A região da Serra Gaúcha é tida como local que há emprego. Mas agora já está saturado. A gente percebe, andando pelo centro da cidade, que muitos haitianos, senegaleses, estão vendendo relógios, Cds piratas. Como a região tinha um atrativo do emprego, eles vieram para cá”, disse o delegado. De acordo com Melo, desde o início da Copa, a demanda por pedidos de asilo cresceu substancialmente. “A gente direcionou nossos esforços para atender e não deixar os estrangeiros irregulares. A partir de hoje, no entanto, vamos ter que limitar o número de atendimentos. Conseguimos dar atendimento diferenciado, mas não por muito tempo. Agora, vamos receber 20 pedidos de refúgio por dia. Antes, vínhamos atendendo uma quantia bem maior, cerca de 65 diariamente”, informou o delegado. Com o pedido de refúgio, os ganeses conseguem a Carteira de Trabalho e podem buscar emprego no País. De acorco com a Lei 9.474, de 22 de julho de 1997, que criou o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), o estrangeiro que chegar ao território nacional poderá expressar sua vontade de solicitar reconhecimento como refugiado a qualquer autoridade migratória que se encontre na fronteira. A autoridade, por sua vez, deverá fazer o trâmite legal e submeter o pedido ao Conare. Ainda segundo a legislação, recebida a solicitação de refúgio, a Polícia Federal deve emitir protocolo em favor do solicitante e de seu grupo familiar que se encontre no território nacional, o qual autorizará a permanência até a decisão final do processo. De acordo com o Conare, não há um prazo específico para o fim do processo. De acordo com o Itamaraty, todos os vistos emitidos com base na Lei Geral da Copa, gratuitamente, foram dados somente aos estrangeiros que comprovaram ter adquirido ingressos para os jogos do torneio. Os demais vistos de turista, para quem não preenchia os requisitos da legislação específica da Copa, seguiram os trâmites regulares para sua obtenção. Os vistos especiais para a Copa têm validade de 90 dias e a entrada no País só pode ocorrer até a data da final da competição.

MEDIDA PROVISÓRIA QUE AJUSTA REFIS INCENTIVA EMISSÃO DE TÍTULOS DE PEQUENAS EMPRESAS

A Medida Provisória (MP) 651 publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União além de ajustes no Refis e na desoneração da folha de pagamento das empresas dá incentivos para a emissão de títulos de pequenas e médias empresas. A MP isenta de imposto de renda o ganho de capital de ações emitidas dentro do programa de incentivo à captação de recursos dessas empresas, informou o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. Para fazer jus ao benefício, as empresas enquadradas nesta situação devem ter valor de mercado no momento do lançamento dos papéis não superior a R$ 700 milhões. Também não devem ter receita bruta do exercício anterior ao lançamento de até R$ 500 milhões, além das emissões serem primárias. Ou seja, a empresa não pode ter feito anteriormente operações no mercado para captação de recursos. A MP propõe ainda que os rendimentos dos fundos de Investimento em renda fixa com cotas negociadas em bolsa de valores e mercados, por exemplo, sejam tributados a partir de alíquotas do Imposto de Renda decrescentes em função do prazo médio de repactuação das carteiras dos fundos da seguinte forma: 25% para 180 dias, 20% de 181 dias a 720 dias e 15% acima desse prazo. Segundo o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Dyogo Henrique, não haverá impacto do come-cotas, que é a cobrança antecipada de impostos para quem investe em fundos tradicionais. Outra medida fixa limites para a inscrição na Dívida Ativa da União de devedores do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). No caso da inscrição, o devedor de R$ 1 mil, por exemplo, não será inscrito em dívida. Para ajuizamento, o valor mínimo foi R$ 20 mil. Os valores são baseados no que já faz hoje a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. O governo também resolveu dispensar da retenção na fonte do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica, da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e de PIS/Cofins quando do pagamento na aquisição de passagens aéreas pelo sistema de compras centralizadas. Antes, o imposto era recolhido antecipadamente e depois as empresas trocavam por crédito tributário. O objetivo é disponibilizar mais recursos para as companhias investirem, informou o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Dyogo Henrique de Oliveira. O governo simplificou ainda a tributação do PIS/Pasep e da Cofins incidente sobre operações de renda variável (ações) de moda a se adequar a novos padrões contáveis e facilitou a importações em situação de calamidade. Segundo o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, a medida procura facilitar o socorro às populações nestas situações e desburocratizar as operações. A MP altera ainda as regras do Programa Nacional de Habitação Urbana e do Fundo Garantidor de Habitação Popular (FGHab) no âmbito do Programa Minha Casa, Minha Vida. Por meio da MP, o FGHab concederá garantia para até 2 milhões de financiamentos imobiliários contratados exclusivamente no âmbito do programa. Por fim,  aumento no valor de doação de cédulas ao governo do Haiti, que passa de R$ 4,2 milhões para R$ 9 milhões e permite meios alternativos para a Casa da Moeda comercializar moedas comemorativas.

SISTEMA CANTAREIRA CHEGA A 18% DA CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

Em quedas sucessivas desde o dia 16 de maio, quando a reserva técnica foi incorporada ao volume útil, o Sistema Cantareira alcançou nesta quinta-feira 18,7% da capacidade, segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). No dia 15 de maio, o total armazenado passou de 8,2% para 26,7%, com a entrada de 182,5 bilhões de litros de água do chamado volume morto. Caso as bombas que possibilitaram o uso da reserva não tivessem sido instaladas, o Cantareira estaria quase zerado, com 0,2% da capacidade. O sistema abastece 9 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo. O Sistema Alto Tietê também dá sinais de esgotamento e chegou nesta manhã a 24,1% da capacidade. Ele abastece mais de 4 milhões de habitantes da Grande São Paulo. No começo de junho, o volume armazenado estava em 30,8%. Em março, a Sabesp anunciou a redução da captação do Cantareira e a complementação dele por meio de outros sistemas, incluindo o Alto Tietê. A chuva acumulada neste mês nas represas que formam o sistema está em 7,7 milímetros (mm), o que corresponde a 15,7% da média histórica, que é 49 mm. A chuva chegou às represas do Cantareira há três dias. Ainda assim, o acumulado no mês (22,1 mm) está abaixo da média, que é 49,9 mm. Para o segundo semestre, a presença do El Niño pode trazer chuvas acima da média na primavera e no verão. O fenômeno é caracterizado pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico que pode afetar o clima regional e global.

ZICO CRITICA CBF E DIZ QUE ENTIDADE NADA FAZ PELO FUTEBOL BRASILEIRO; AGORA ESSES EX-CRAQUES RESOLVEM FALAR..... SÓ AGORA....

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não faz nada pelo esporte no País, disse nesta quinta-feira o ex-jogador Zico. O ídolo do Flamengo e da seleção brasileira criticou duramente a CBF por não apoiar os clubes  na formação e manutenção de atletas no País, inclusive financeiramente. "A CBF só usufrui dos nomes dos jogadores, arrecada, tem não sei quantos patrocinadores, mas não faz nada para melhorar o futebol brasileiro", afirmou o jogador, no Rio de Janeiro. Para Zico, um dos maiores problemas do futebol brasileiro é ausência de escolas de formação de atletas e condições de reter talentos, desafios que recaem sobre os clubes. Segundo ele, a CBF, além de não auxiliar os times nessas tarefas, tira proveito. “É muito fácil um clube sofrer, passar cinco anos preparando jogador e a CBF vai, pega, leva para seleção dela, é campeã da categoria sub-17 e sub-18, mas não deu uma ajuda sequer ao clube”, criticou. Ex-jogador de três copas, Zico disse que jovens atletas devem ter o direito de buscar melhores condições de vida no Exterior, mas, em defesa do esporte nacional, os clubes no Brasil devem ser fortalecidos pela confederação. “Ninguém pode impedir o direito do jovem, mas a CBF podia ajudar os clubes, fazer com que tivessem mais poder”, completou. Para ele, há uma histeria por jogar em times europeus, “como se o futebol brasileiro não fosse importante”. Para reverter o quadro, Zico defende que os próprios clubes, que escolhem a diretoria da CBF, opinem sobre o uso dos recursos da organização. “A politica atual não está sendo benéfica ao futebol brasileiro, mas aos clubes europeus. E a CBF senta na cadeira, muito cômoda. A hora que precisa, traz os jogadores, não paga nada. Lamento profundamente que os clubes estejam comprometidos com a eleição do presidente, mas não tenham o apoio que deveriam ter”. Zico também criticou a ausência de cursos para comissão técnica; a escolha de jogadores de base por características físicas, em vez do talento; e a ausência de torcedores nos estádios. "O Brasil é tido como país do futebol, mas tem 7 mil, 8 mil pessoas [por jogo] no estádio. Na Alemanha tem 40 mil, 50 mil, 60 mil. Quer dizer, que país do futebol é esse?", questionou. “Os clube estão enfraquecidos, os melhores jogadores não estão aqui”, justificou, sobre o baixo comparecimento do público.

OUTRA MÉDICA CUBANA FOGE DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS NO RIO GRANDE DO SUL

Outra médica cubana decidiu fugir do programa cubano-brasileiro “Mais Médicos”, desta vez no Rio Grande do Sul, porque desapareceu de Estância Velha, cidade localizada na Grande Porto Alegre. Trata-se da doutora Yaisel Quintana Almeida, segundo denúncia feita pela secretária municipal da Saúde, Ângela Marmitt. A prefeitura resolveu registrar boletim de ocorrência na delegacia de polícia, que junto com a Polícia Federal já está no encalço da fugitiva. Como os demais casos já registrados no Brasil, a médica reaparecerá quando estiver em segurança nos Estados Unidos.

GOVERNO DO PEREMPTÓRIO PETISTA "GRILO FALANTE" TARSO GENRO DÁ CALOTE DE R$ 130 MILHÕES EM TRANSPORTE ESCOLAR NAS PREFEITURAS GAÚCHAS

O presidente da Famurs (Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul), Serge Menegaz, confirma o valor total de repasses para transporte escolar devido pelo governo estadual. São R$ 130 milhões. Isto significa um valor equivalente a mais de um ano de repasses do governo estadual para as prefeituras. O orçamento para este ano prevê repasses de R$ 98 milhões. As prefeituras são obrigadas a retirar dinheiro de outras rubricas, sobretudo investimentos, para garantir o transporte escolar para os alunos, tudo dentro do programa Peate, proposto pelo próprio governo do peremptório petista "grilo falante" tenente artilheiro e poeta de mão cheia Tarso Genro. Algumas prefeituras já romperam os convênios que tinham com o Piratini. Entre elas estão Santa Maria, São Francisco de ?Assis, Santigo e Santo Antonio das Missões. (Políbio Braga)

OS MARQUETEIROS NA CAMPANHA ELEITORAL GAÚCHA

Os principais candidatos ao governo gaúcho já definiram ou estão na iminência de definir seus marqueteiros para as eleições deste ano. Os mais prováveis responsáveis serão os seguintes:
Tarso Genro - João Ferrer, jornalista que dirigiu a área de comunicação do governo, é o nome mais conhecido, mas não será ele o nome mais importante da área. O marqueteiro será Mauro Dorfmann, um dos donos da Dez, agência que atende o governo do Estado.
José Sartori -  Marcos Martinelli, jornalista que fez a campanha do prefeito José Fortunati.
Ana Amélia - Agência E-21, cuja maior expressão é o publicitário Cado Bottega
Vieira da Cunha - Fabner Utida, indicado pela direção nacional depois de campanhas exitosas no Nordeste, com ênfase para o Ceará. (Políbio Braga)

JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO DECRETA PRISÃO PREVENTIVA DOS ENVOLVIDOS NA MÁFIA DOS INGRESSOS DA FIFA

A Justiça do Rio de Janeiro decretou nesta quinta-feira a prisão preventiva de 11 envolvidos na máfia dos ingressos da Copa. A decisão vale para Raymond Whelan, CEO da Match Services, única empresa autorizada a vender ingressos para o Mundial. Equipes da Polícia Civil saíram para prender o executivo. Whelan é o único que permanece em liberdade, graças a um habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro na madrugada de terça-feira. Segundo a polícia, o executivo inglês tem um endereço na Barra da Tijuca, Zona Oeste, e estava hospedado no Copacabana Palace, onde está a delegação da Fifa. Os 11 e mais um suspeito estão indiciados pelos crimes de cambismo e associação criminosa. O objetivo da medida é impedir a fuga dos suspeitos e garantir que não haja interferências nas investigações. O inquérito da 18ª Delegacia de Polícia, na Praça da Bandeira, foi entregue ao Ministério Público do Rio de Janeiro. O promotor Marcos Kac tem cinco dias para analisar o caso e decidir se denuncia ou não os suspeitos à Justiça. Raymond Whelan havia sido preso na segunda-feira no Hotel Copacabana Palace, na Zona Sul, suspeito de fornecer ingressos para partidas do Mundial. No momento da prisão, Whelan estava com mais de 80 ingressos para os jogos. Segundo decisão da desembargadora Marília de Castro Neves Vieira, que concedeu o habeas corpus ao CEO da Match, a prisão deve obedecer o princípio da proporcionalidade o que, segundo o documento, não aconteceu. Além de revogar a prisão provisória de cinco dias, ela determinou o pagamento de fiança no valor de R$ 5 mil, o comparecimento quinzenal no cartório e a entrega do passaporte do executivo inglês. Os outros 11 suspeitos, incluindo o argelino Mohamed Lamíne Fofana, apontado como chefe da quadrilha, foram presos no dia 1º de julho. Fofana teve o habeas corpus negado na noite de terça-feira. O prazo de cinco dias da prisão temporária decretada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro terminou nesta quinta-feira. Em nota divulgada na quarta-feira, a Match Services informou que Whelan vai se descredenciar de forma voluntária da Copa do Mundo e que, ao fazer isso, reafirma seu compromisso com a proteção dos interesses da empresa, da Fifa e do evento. Segundo a nota, o executivo reitera que toma esta decisão mesmo não tendo cometido qualquer ato ilegal e diz ainda que permanecerá colaborando com as investigações com a certeza de que será inocentado. A Match Services voltou a criticar a forma como a investigação policial está sendo conduzida e afirmou que não há nada de inapropriado ou ilegal na conduta de Raymond Whelan. Deflagrada no dia 1º de julho, a operação da 18ª DP (Praça da Bandeira) no Rio de Janeiro prendeu 12 pessoas. No dia 1º, 11 suspeitos foram detidos no Rio de Janeiro e em São Paulo, entre eles o apontado como operador do esquema, o argelino Mohamed Lamíne Fofana. Na segunda-feira, Raymond foi preso por suspeita de ser o facilitador da obtenção dos ingressos. Com a listagem de celulares da Fifa em mãos, um dos agentes policiais digitou no aparelho celular apreendido do argelino Lamíne Fofana o prefixo 96201, que precedem os telefones da entidade. Apareceu, então, o nome "Ray Brazil", para qual havia 900 registros entre telefonemas e mensagens. Ao todo, a operação está lendo e escutando 50 mil registros telefônicos, dos quais mais de 50% já foram apurados. Segundo as investigações, três empresas de turismo localizadas em Copacabana, interditadas pela polícia, faziam contato com agências de turismo que traziam turistas ao país e vendiam ingressos acima do preço. Eram ingressos VIPs, fornecidos como cortesia a patrocinadores, a Organizações Não Governamentais (ONGs) e também destinados à comissão técnica da Seleção Brasileira – desde bilhetes de camarotes até entradas de assentos superiores. Uma entrada para a final da Copa no Maracanã chegava a custar R$ 35 mil e a quadrilha faturava mais de R$ 1 milhão por jogo. Segundo a polícia, Fofana também conseguia entradas vendidas pelos agentes oficiais da categoria "hospitalidade", pacotes de luxo, controlados pela Match Hospitality. Até carro forte foi usado para abastecer a quadrilha que vendia entradas para todos os jogos da abertura à final do torneio. Segundo o delegado Fábio Barucke, responsável pelo caso, os presos já atuaram em pelo menos quatro mundiais e estimativas apontam que a quadrilha poderia movimentar cerca de R$ 200 milhões por Copa do Mundo. Além de Fofana, estão presos o policial militar reformado Oséas do Nascimento; Alexandre Marino Vieira; Antônio Henrique de Paula Jorge, um dos contatos de Fofana no Brasil (antes de ser preso, Henrique tentou retirar de um banco R$ 177 mil em dinheiro vivo); Marcelo Pavão da Costa Carvalho; Sérgio Antônio de Lima, que teria tentado subornar um dos agentes; Ernane Alves da Rocha Júnior; Júlio Soares da Costa filho e Fernanda Carrione Paulucci. Alexandre da Silva Borges e o advogado José Massih foram presos em São Paulo.

VEJA A DESTRUIÇÃO CAUSADA EM ISRAEL PELOS FOGUETES DOS TERRORISTAS DO HAMAS

PSOL PEDE A IMPUGNAÇÃO DA CANDIDATURA DE JOSÉ ROBERTO ARRUDA

O PSOL protocolou nesta quinta-feira, no Tribunal Regional Eleitoral de Brasilia, um pedido de impugnação da candidatura de José Roberto Arruda ao governo do Distrito Federal. Na quarta-feira, Arruda foi condenado em segunda instância por improbidade administrativa pelo envolvimento no esquema que ficou conhecido como o Mensalão do DEM. Se a punição for aplicada imediatamente, ele ficará inelegível pelos próximos oito anos.

Embora tenha sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa, a defesa de Arruda afirma que ele ainda pode disputar as eleições. Isso porque o candidato do PR já apresentou seu registro ao TRE, o que lhe garantiria o direito de concorrer ao pleito. No entanto, como o registro ainda não foi homologado, há o entendimento de que ele pode tornar-se inelegível já nas eleições deste ano.
Em entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira, Arruda afirmou que manterá a candidatura: “Eu sou candidato a governador do Distrito Federal dentro do que estabelece a legislação brasileira”, disse. Seguindo a cartilha dos políticos flagrados em esquemas de corrupção, Arruda afirmou estar sendo vítima de ataques dos adversários – alegou que foi alvo de um “golpe” planejado pelo PT e que seu governo foi “criminosamente interrompido”. Segundo as investigações, Arruda comandava o esquema de cobrança de propina e compra de apoio de deputados. Em um dos vídeos gravados por seu ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, ele aparece recebendo 50.000 reais em dinheiro, que guarda em um envelope pardo.
“Importa destacar que somente o apego a um formalismo vazio, destituído de sentido e frontalmente contrário aos mais legítimos anseios da sociedade brasileira no combate à corrupção e aos mais expressivos princípios constitucionais pode reconhecer que a Lei da Ficha Limpa somente se aplica para decisões ocorridas antes do pedido de registro de candidaturas”, diz a ação assinada pela presidente do PSOL-DF, Juliana Selbach, além do candidato ao governo Antônio Carlos de Andrade, e ao Senado, Aldemario Araújo.
A ação ainda afirma que a presença de Arruda como candidato nas eleições de 2014 “é motivo de inquietação e vergonha para a sociedade candanga”. “A participação atrevida e petulante do artífice maior do mensalão do DEM e outras deletérias práticas de improbidade administrativa no pleito eleitoral desafia os mais elementares padrões de ética e moralidade no trato da coisa pública”, continua.
Pelo crime de improbidade administrativa, Arruda foi condenado à perda dos direitos políticos por oito anos, além do ressarcimento de 300.000 reais aos cofres públicos. A decisão ocorre cinco anos após a Operação Caixa de Pandora da Polícia Federal, que tornou Arruda o primeiro governador do país a ser preso. Pivô das investigações, Durval Barbosa, então secretário de Relações Institucionais do DF, revelou detalhes do esquema de corrupção, pontuado por desvios de recursos em contratos do governo com empresas de informática e publicidade, cooptação de parlamentares e caixa dois de campanha eleitoral. O delator chegou a gravar vídeos que mostravam Arruda recebendo maços de dinheiro.
De acordo com o Ministério Público, que apresentou denúncia à Justiça, dependendo do tipo de contrato a ser celebrado com o governo, a divisão da propina podia chegar a 10% para secretários, 30% para Arruda e 20% para Paulo Octavio, à época vice-governador do Distrito Federal. Conforme a denúncia, os pagamentos aos envolvidos eram regulares e, em alguns casos, mensais. Por Reinaldo Azevedo

PRODUÇÃO INDUSTRIAL GAÚCHA SEGUE PARA O PRECIPÍCIO (MENOS 2,1% ESTE ANO) MAS FIERGS CALA SOBRE DESASTROSA POLÍTICA ECONÔMICA DE DILMA

Nos cinco primeiros meses do ano, em relação ao mesmo período de 2013, o IDI-RS (Índice de Desempenho Industrial) teve uma queda de -2,1%, puxado principalmente pela forte desaceleração nas compras industriais (-7,7%). O IDI é apurado pela Fiergs. A menor necessidade de insumos e matérias-primas indica uma retração na produção futura. A Fiergs acha que para recuperar as perdas verificadas até aqui, a atividade das indústrias gaúchas precisaria crescer 1% ao mês, o que é mais do que improvável.  A Fiergs não analisa as razões das quedas continuadas da produção industrial, o que a impede de fazer qualquer diagnóstico e buscar soluções, embora se saiba que grande parte do que ocorre aqui é resultado de uma política econômica que se esgotou e que não oferece solução. As lideranças industriais marcham bovinamente para o precipício, sem enfrentar a desastrosa política econômica do governo Dilma, que já deu o que tinha que dar e não é substituída por nada. A sujeição ao caráter patrimonialista do Estado, mais o viés atrasado do setor industrial tradicional gaúcho, pode explicar esta posição submissa. O PIB do Brasil dificilmente crescerá mais do que 1% este ano. O Rio Grande do Sul, apesar dos discursos grandiloquentes do governo estadual, acompanhará este número desastroso. O mais curioso nos números apurados pela Fiergs é que o crescimento de 2,3% na atividade industrial do Estado em maio, na comparação com o mês anterior, número que inverteu a tendência, embora seja incapaz de marcar novo vetor, é que tudo se deve, em maio, ao aumento:
- Compras de matérias-primas e insumos (6,2%)
- Massa salarial (0,3%).
Todas as demais variáveis permaneceram negativas:
- Horas trabalhadas na produção (-1,5%)
- Faturamento (-0,9%)
- Utilização da capacidade instalada (-0,5%)
- Emprego (-0,3%).
Também há maior ociosidade nas máquinas e equipamentos com a queda na utilização da capacidade instalada (-2,0%). O faturamento e as horas trabalhadas recuou -1,5% e -1,1%, respectivamente. Os únicos avanços foram registrados nos indicadores relacionados ao mercado de trabalho: massa salarial real (3,0%) e emprego (0,3%). A Fiergs também não consegue explicar por que razão a produção industrial cai, tudo em função da redução de todos os fatores que integram sua equação, menos salário real e emprego. Ainda nessa base de comparação, dez dos 17 setores industriais pesquisados registraram queda na soma dos cinco primeiros meses de 2014. Os principais responsáveis, em termos de influência sobre o resultado global, foram Metalurgia (-15,4%), Veículos Automotores (-6,1%), Máquinas e Equipamentos (-2,0%) e Couros e Calçados (-2,3%). Os avanços de maior impacto ficaram com Bebidas (7,2%), Alimentos (4,7%) e Borracha e Plásticos (3,6%). (Políbio Braga)

DEPOIS DE TENTAR PEGAR CARONA NA SELEÇÃO, AGORA A PETISTA DILMA BUSCA SE DESCOLAR DO DESASTRE DOS 7 A 1

Na segunda-feira, a presidente Dilma estava batendo papinho no Facebook — desocupação é a morada do capeta — para atacar os “urubus do pessimismo”, tentando pegar carona até na contusão de Neymar. Mandou um “É TOIS” e ainda posou fazendo um “T” com os braços, logo transformado por um gaiato nas redes sociais num “7”, referência ao número de gols da Alemanha. Reportagem da Folha desta quinta-feira informa que a Soberana, que havia decidido faturar com a Copa, agora busca um modo de se descolar do evento — sempre elogiando, claro!, a garra dos brasileiros.

Nota à margem: a exemplo do que fez reportagem do Estadão, também a da Folha incorre num erro, a saber: “O fracasso aventado pela oposição na logística da Copa não aconteceu”. Pergunta: quando foi que “a oposição” aventou “o fracasso logístico” da Copa? Quem da oposição? Que político? Que partido? Que nome? Apontar problemas não é antever fracasso ou caos. Nesse particular, mais a imprensa tem do que se penitenciar do que a oposição, não é mesmo? Ou nem tem. Ao apontar problemas, que houve às pencas, o jornalismo cumpre a sua função. E a oposição também. Jogar nas costas dos adversários do PT a antevisão do insucesso da Copa é só endossar uma pauta petista, voluntária ou involuntariamente. Não haveria nada de errado nisso se fato fosse. Mas não é. A menos que surjam as evidências. Sigamos.
Dilma concedeu uma entrevista à rede norte-americana CNN e disse coisas como: “Sei que somos um país que tem uma característica bastante peculiar: nós crescemos na adversidade”. Isso é peculiar, é? Estados Unidos, Japão, Coréia do Sul e Alemanha, para citar alguns países, sucumbiram às suas respectivas adversidades? De resto, estamos de volta à cascata de sempre. NÃO ACONTECEU TRAGÉDIA NENHUMA COM O PAÍS. Aconteceu foi um vexame, um desastre, mas com a Seleção Brasileira, que não é o Brasil. Ela é, sim, uma das expressões da nacionalidade. E só! A esmagadora maioria de nós se sente representada por ela, MAS É UMA REPRESENTAÇÃO QUE SE DÁ APENAS NO CAMPO DE FUTEBOL.
Quem tenta transformar o esporte em manifestação política é gente como Dilma Rousseff e Lula. Vejam que curioso: o Brasil venceu uma Copa em 1994. O presidente era Itamar Franco. Quem ganhou a eleição, como é sabido, foi o Plano Real, representado por Fernando Henrique Cardoso. Pesquisei. Não há textos tratando do binômio Copa-eleição. A nossa Seleção voltou a vencer em 2002. O presidente era Fernando Henrique Cardoso. Quem venceu a disputa eleitoral pouco mais de três meses depois foi Lula. Pesquisei de novo. Ninguém relevante se ocupou de especular se o “penta” ajudava o governo ou a oposição.
E é fácil de saber o motivo. Itamar ficou longe da bola. Fernando Henrique Cardoso fez o mesmo. E olhem que este pode se dizer ainda hoje pé quente, não? Era o homem do Real em 1994 e o presidente em 2002. O PT estaria mais para seca-pimenteira se fosse o caso de ligar a política à pelota. Por que isso agora é um assunto? Também essa questão tem resposta fácil: porque o PT politizou o torneio desde que o Brasil foi declarado a sede do evento de 2014. As ruas, nunca a oposição, lançaram o “Não vai ter Copa” — movimentos, aliás, que eram interlocutores de Gilberto Carvalho.
Estava, sim, em curso uma onda “ninguém segura este país” e “Brasil, ame-o ou deixe-o”. Essa gente não cria “black list” de jornalistas à toa. Isso não quer dizer que o povo cairia na conversa. Quer dizer apenas que a tentativa de manipulação estava em curso. Agora Dilma busca pular fora, sob o risco de entregar a taça a Lionel Messi, em pleno Maracanã. Por Reinaldo Azevedo

FIFA SUSPENDE FEDERAÇÃO DA NIGÉRIA POR INTERFERÊNCIA GOVERNAMENTAL

O comitê de Emergência da Federação Internacional de Futebol (Fifa) decidiu nesta quarta-feira suspender a Federação Nigeriana de Futebol por causa de ingerências governamentais na entidade. Conforme o Artigo 13, do Estatuto da Fifa, os membros associados estão obrigados a administrar os assuntos de forma independente e sem interferência de terceiros. Antes de aplicar a punição, a entidade havia encaminhado uma carta à federação, no dia 4 de julho, em que expressava preocupação com o processo judicial contra a federação e a ordem judicial do Alto Tribunal da República Federal da Nigéria, que impedia o presidente, os membros do comitê executivo e o congresso da NFF de administrar o futebol do país africano. Com a suspensão, nem as seleções e nem clubes nigerianos podem participar de torneios regionais, continentais ou internacionais. A punição inclui as partidas amistosas e determina que nenhum membro ou integrante da NFF participe de programas de desenvolvimento ou cursos promovidos pela Fifa e a CAF durante o período de vigência da suspensão. Se a medida permanecer até o dia 15 de julho, a Nigéria ficará fora da próxima Copa Mundial Feminina Sub-20 da Fifa, que será disputada entre 5 e 24 de agosto.

DILMA DIZ QUE NEM NO PIOR PESADELO O BRASIL PERDERIA POR 7 A 1

Um dia depois de a seleção brasileira sofrer a maior derrota de sua história, no jogo contra a Alemanha, a presidente Dilma Rousseff disse que “nem no pior pesadelo” poderia imaginar a derrota por 7 x 1. Ela disse que o Brasil tem uma característica peculiar de saber enfrentar as adversidades. Em entrevista para a jornalista Christiane Amanpour, do canal americano CNN, a presidente petista disse estar “profundamente triste” com a derrota, “assim como todos os brasileiros”. Mas, assegurou que a capacidade de superar a derrota é “marca de uma grande seleção e de um grande país". À emissora americana, Dilma lembrou que o Brasil foi para o jogo, no Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, sem dois dos seus principais jogadores, Neymar, craque e artilheiro do time, e Thiago Silva, capitão da equipe. Em outro encontro no Palácio do Planalto, a presidente voltou a comentar o resultado do jogo. De acordo com o fundador da Amil Assistência Médica Internacional, Edson Bueno, Dilma estava “um pouco abatida”, mas confiante de que o País vai superar este momento.

JUSTIÇA NEGA HABEAS CORPUS PARA O ARGELINO LAMINE FOFANA

O Plantão Judiciário do Rio de Janeiro negou na terça-feira habeas corpus ao franco-argelino Lamine Fofana, suspeito de participar de um esquema de venda de ingressos para a Copa do Mundo, desarticulado pela Operação Jules Rimet, da Polícia Civil fluminense. Segundo o Tribunal de Justiça, a desembargadora Cristina Tereza Gaulia argumentou que o pedido tinha os mesmos fundamentos de solicitações de habeas corpus já negadas pela Justiça. Também foi negado um pedido de habeas corpus para Júlio Soares da Costa Filho, integrante dos 12 suspeitos do esquema. Os dois estão presos junto com os nove suspeitos devido a mandados de prisão temporária emitidos pelo Juizado do Torcedor. O décimo-segundo suspeito de integrar o esquema, o britânico Raymond Whelan, que havia sido preso na tarde da segunda-feira, foi solto por determinação da desembargadora Marília Castro Neves Vieira, depois de pagar uma fiança de R$ 5 mil e deixar seu passaporte sob os cuidados da Justiça. O delegado Fábio Barucke encaminhará logo o relatório final do inquérito sobre a Operação Jules Rimet, indiciando os 12 por associação criminosa e cambismo (venda ilegal de ingressos) e pedindo sua prisão preventiva.

PARA EMPRESA LIGADA À FIFA, DIRETOR NÃO COMETEU CRIME

Com os nomes envolvidos no maior esquema de cambistas já desbaratado pela polícia no Brasil, a Fifa e a agência Match, ligada à federação, adotaram, nesta quarta-feira, uma nova postura de defesa de seus representantes citados no escândalo. A agência Match passou a acusar a Polícia Civil do Rio de Janeiro de ter feito uma prisão “arbitrária e ilegal” de seu CEO, o inglês Raymond Whelan. Segundo a companhia, os ingressos negociados entre Lamine Fofana – argelino chefe dos cambistas, preso há uma semana - e Whelan jamais foram vendidos. Portanto, na versão da agência, não haveria crime. Na última terça-feira, escutas telefônicas entre Whelan e Fofana apresentadas à imprensa revelavam como o cambista e o executivo negociavam pacotes de ingressos durante a Copa. A empresa confirma que Whelan falou pelo telefone com Fofana. Mas, segundo a companhia, os ingressos solicitados por Fofana foram oferecidos por Whelan por seu preço de tabela, de 24.700 dólares. O delegado Fábio Barucke, da 18ª DP (Praça da Bandeira), indiciou onze suspeitos de integrar a máfia dos ingressos e pediu as prisões preventivas do grupo - o advogado Jose Massih, apontado como braço-direito de Fofana - foi poupado por colaborar com as investigações. Barucke também pediu a quebra dos sigilos bancário e telefônico de todos os envolvidos. Whelan mentiu. Até a apresentação das gravações, o diretor da Match dizia não conhecer ou ter relações com Fofana. Os ingressos, segundo a Match, teriam sido uma sobra de um pacote que havia sido comprado em 2013 ainda por uma rede hoteleira no Rio de Janeiro. Naquele momento, o hotel solicitava 42 ingressos. Mas informou em maio de 2014 que reduziria seu pedido. A empresa explica que, para não ficar com os ingressos na mão, no valor de 594.000 dólares, optou por revender a sobra pelo preço oficial. Apesar de a Fifa dizer que Whelan não lidava com ingressos, o comunicado da Match aponta que o suspeito negociou os ingressos na capacidade de "consultor da Match". Mas garante que os ingressos jamais foram vendidos. "Whelan não sabia que a Match havia bloqueado a venda para Fofana", justificou a empresa. Ou seja, na linha de defesa da companhia, seu diretor não tinha conhecimento de uma decisão importante do comando da empresa. A empresa de Fofana havia sido impedida de comprar ingressos, segundo a Match, depois que ficou provado que a companhia estava agindo no mercado negro. "As vendas jamais ocorreram", garantiu a Match. Para a companhia, a divulgação das escutas telefônicas é ilegal e a polícia está tirando conclusões "sem fazer investigações e sem entender minimamente" como funciona a venda de pacotes. Em um comunicado emitido nesta quarta-feira, a Match acusa a polícia de "selecionar" o que é divulgado.

PRESIDENTE DO COI VÊ AVANÇO NA PREPARAÇÃO DA RIO 2016

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, acredita que “os brasileiros vão abraçar a Olimpíada após seu dia de luto” por causa da histórica derrota para a Alemanha por 7 a 1 na Copa do Mundo. Segundo disse nesta quarta-feira, em Lausanne, na Suíça, a Rio 2016 será beneficiada pela organização da Copa do Brasil. De acordo com ele, já é possível ver a evolução no trabalho para superar os atrasos na construção das estruturas necessárias para o evento. Na sexta-feira, o alemão Thomas Bach terá um encontro com a presidente Dilma Rousseff para discutir a preparação para a Olimpíada. Apesar do otimismo, ele alertou para os prazos apertados. “Temos que continuar vigilantes e não podemos perder tempo, mas dá para sentir a determinação e o entusiasmo do Comitê Organizador”, disse. No domingo, Bach estará no Rio de Janeiro para acompanhar a final da Copa do Mundo. O francês também citou o início da construção do Complexo Esportivo de Deodoro, assim como o progresso na construção do centro de mídia e do laboratório antidoping. “Nossa maior preocupação agora é com os locais de competição. É necessário que estejam prontos para os eventos-teste". Bach disse ter ficado feliz por não ter havido grandes problemas no decorrer da Copa e acredita que a situação será a mesma nos Jogos Olímpicos de 2016.

FIFA CONFIRMA GISELE BUNDCHEN NA FINAL DA COPA DO MUNDO

A Fifa confirmou na noite desta quarta-feira que a modelo brasileira Gisele e o ex-zagueiro Carles Puyol, campeão mundial em 2010 pela Espanha, participarão da cerimônia de encerramento da Copa do Mundo, no dia 13 de julho, no Maracanã. Gisele e Puyol levarão a taça até o gramado, minutos antes do início da partida. A entidade não informou oficialmente quem entregará a taça ao campeão no final da partida, mas, na última segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff revelou ter aceitado o convite da Fifa. “Vou entregar a taça no domingo, e torço para que seja para o Brasil", disse Dilma, um dia antes da eliminação brasileira diante da Alemanha.

SLOTS DE CONGONHAS SERÃO REDISTRIBUÍDOS PELA ANAC

O Conselho de Aviação Civil determinou que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) redistribua os slots (horários para pousos e decolagens) no aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP). Segundo nota publicada no Diário Oficial da União nesta quarta-feira, os critérios serão baseados na regularidade e pontualidade dos vôos, além do porcentual de participação de cada companhia aérea no mercado nacional e regional, com base no indicador de demanda "passageiro quilômetro pago transportado" (RPK). ?Com base nesses critérios (maior participação nacional, participação regional e maior índice de eficiência operacional), a Anac terá de adotar um sistema de pontuação. As empresas que ficarem em primeiro lugar em cada um dos três parâmetros terão a preferência na política de alocação de slots. Ainda segundo o Conselho, os slots redistribuídos no aeroporto devem ser operados por aeronaves com, no mínimo, 90 assentos. "Na primeira distribuição de novos slots no aeroporto, após a publicação desta Resolução, a Anac deverá destinar 100% dos slots novos às empresas entrantes", determina o texto. As companhias entrantes são aquelas que detenham até 12% do total de slots disponíveis no aeroporto. A primeira distribuição de novos slots em Congonhas deverá começar a partir de 1º de agosto. Mais tarde, em outubro, a agência reguladora deverá verificar a regularidade e a pontualidade das empresas para realizar a primeira redistribuição das faixas de horários para a temporada seguinte (verão).

EMPRESÁRIO FRANCÊS É ESCOLHIDO PARA DIRIGIR O BANCO DO VATICANO

O empresário francês Jean-Baptiste de Franssu foi nomeado nesta quarta-feira para a direção do Banco do Vaticano, oficialmente chamado de Instituto para as Obras de Religião (IOR), substituindo o industrial alemão Ernst von Freyberg, anunciou a Santa Sé. De Franssu, de 51 anos, dirigia até agora, em Bruxelas, uma empresa de assessoria de fusões e aquisições, chamada Incipit. Até outubro de 2011, foi diretor-executivo da Invesco Europe e anteriormente havia sido diretor do Groupe Caisse des Dépôts et Consignations da França. Na coletiva de imprensa, o cardeal australiano George Pell, encarregado do recém-criado ministério da Economia, anunciou que será criada uma nova plataforma para melhorar a administração econômica da Santa Sé. O IOR anunciou na véspera que o lucro líquido do Banco do Vaticano desabou em 2013, ao passar de 86,6 milhões a 2,9 milhões de euros, em grande parte pelos excepcionais custos do processo de reforma.

GRUPO TERRORISTA PAGA SALÁRIO DE MAIS DE 4 MIL REAIS PARA JIHADISTAS

O grupo terrorista dissidente da Al Qaeda que instaurou um cotidiano de brutalidade em um vasto território entre a Síria e o Iraque funciona de forma organizada, liderada por Abu Bakr al Baghdadi junto de uma espécie de gabinete. O Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) teria cerca de 25.000 integrantes leais, cada um deles com uma função específica e um salário mensal, segundo informou o jornal britânico Daily Telegraph. Informações sobre a estrutura do grupo foram encontradas em cartões de memória achados na casa de um de seus integrantes, morto em uma operação militar no Iraque. Segundo o analista de segurança Hisham al Hashimi, que teve acesso aos documentos, cada membro da organização tem uma tarefa a desempenhar e recebe entre 300 e 2.000 dólares por mês (665 a 4.400 reais), dependendo do posto ocupado. Todos têm como chefe Baghdadi, um comandante em campo de batalha que faz tudo aquilo de que seus seguidores gostam, incluindo planejar atentados com carro-bomba contra civis e decapitação de infiéis, sejam xiitas ou sunitas imperfeitos do ponto de vista dos fundamentalistas – na tomada de Mosul, a segunda maior cidade iraquiana, as ruas estavam coalhadas de corpos mutilados. O controle de Mosul, no mês passado, incluiu os bancos da cidade, e rendeu muito dinheiro para os jihadistas, com a receita do grupo saltando para 1,5 bilhão de dólares, segundo Hashami. Armas e veículos abandonados também ficaram com a organização. Em reportagem recente, o jornal The New York Times ressaltou um problema enfrentado pelos Estados Unidos e seus aliados no combate ao terror. “A campanha para interromper e desmantelar o financiamento do terrorismo depois do Onze de Setembro, que obteve sucesso e fez Osama bin Laden lamentar a falta de fundos nos cofres da Al Qaeda, deu lugar a uma nova realidade. Os movimentos terroristas inspirados na Al Qaeda aprenderam a arrecadar milhões de dólares localmente, enquanto os conflitos na Síria e no Iraque ressuscitaram as antigas redes de financiamento do terrorismo. Abu Salah, cujo verdadeiro nome é Muafaq Mustafa Mohammed al Karmoush, é o encarregado de gerenciar as finanças do grupo terrorista nas províncias iraquianas. Também há os responsáveis por controlar prisioneiros, cuidar do transporte de homens-bomba para o local dos ataques, administrar operações com explosivos improvisados e até mesmo assessorar a família dos suicidas e dos jihadistas mortos em confrontos, como apontam os documentos citados pelo Telegraph. Segundo o analista de segurança ouvido pelo jornal inglês, as informações indicam que, ao contrário de seus antecessores, que centralizavam o poder, Baghdadi delegou aos seus adjuntos a supervisão de várias ações, mas as peças chave são dois integrantes do grupo jihadista. Abu Ali al Anbari, encarregado das operações na parte do território sírio controlado pelos jihadistas foi general militar no Iraque sob o regime do ditador Saddam Hussein. O vice do EIIL, Abu Muslim al Turkmani, foi tenente-coronel no centro da inteligência militar do Iraque e também foi oficial das forças especiais. “Esses dois homens são a razão por trás da força de Abu Bakr al Baghdadi. Eles são as peças chave que o mantém no poder”, avaliou Hashimi.

PARA O FINANCIAL TIMES, A DERROTA NA COPA DO MUNDO É O FIM SIMBÓLICO DO BOOM ECONÔMICO DO BRASIL

Na tentativa de encontrar metáforas para a derrota do Brasil para a Alemanha, por 7 a 1, nos jogos da semifinal da Copa do Mundo, o jornal britânico Financial Times apelou para analogia econômica. Segundo o Financial Times, o desastre da última terça-feira foi "simbolicamente, um fim apropriado para os longos anos de boom econômico do Brasil". O Financial Times cita o estatístico americano Natel Silver para afirmar que, com base em rankings antes dos jogos, foi o placar mais inesperado na história da Copa do Mundo. O jornal britânico tem sido um feroz crítico do governo brasileiro e de suas políticas protecionistas que serviram para agravar os problemas estruturais do País — e, de quebra, colocaram a inflação num patamar difícil de ser rebaixado. A derrota por goleada contra a Alemanha, na avaliação do Financial Times, sumariza o que tem sido o período de declínio da economia brasileira. Mas, segundo o jornal, é improvável haver qualquer correlação comprovada entre a derrota na Copa e as eleições de outubro. Em outro artigo, publicado na coluna Lex, o Financial Times prevê possibilidades de bons ventos na bolsa de valores para investidores da Petrobras, afirmando que a má notícia da derrota pode ser, na verdade, boa para os investidores. A coluna aponta que as ações da estatal, depois de subirem durante a instauração da CPI que investiga evasão de divisas e a relação entre a empresa e os investigados na Operação Lava-Jato, se mantiveram estáveis às vésperas e durante a Copa, justamente o período em que a aprovação da presidente Dilma parou de cair. Investidores se mostraram otimistas em relação à empresa todas as vezes em que pesquisas mostravam a queda da intenção de voto em Dilma Rousseff. Segundo a coluna Lex, uma mudança de governo deve aumentar as chances de um reequilíbrio dos preços de combustíveis no Brasil e a retomada do aumento dos lucros da Petrobras, para que a empresa consiga arcar com seu alto endividamento, de cerca de 300 bilhões de reais.

BANCO DOS BRICS DEVE SER FORMALIZADO EM CÚPULA NO BRASIL

O acordo que criará o banco de desenvolvimento dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) está praticamente fechado e deve ser assinado pelos membros do grupo na 6ª cúpula do bloco, que será realizada nos dias 15 e 16 de julho, em Fortaleza. A intenção dos líderes dos Brics é que a nova instituição ocupe parcialmente o espaço do Banco Mundial e do FMI, reduzindo a dependência dos países-membros desses organismos. Segundo o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov, o local da sede do banco de desenvolvimento ainda não está definido. Xangai, na China, e Nova Déli, na Índia, são as opções mais prováveis. A presidência do Conselho do banco, com um mandato de cinco anos, vai rodar entre os países-membros, mas a primeira também não foi decidida ainda. O banco foi primeiramente proposto em 2012 e contou no mesmo ano com o aval da cúpula dos Brics na África do Sul. Contudo, ele não conseguiu ser lançado durante a reunião do G20 na Rússia em 2013 por discordâncias sobre seu financiamento, administração e sede corporativa. Segundo Siluanov, o financiamento seria dividido igualmente, com um total inicial de 10 bilhões de dólares em dinheiro ao longo de sete anos, e 40 bilhões de dólares em garantias. A capitalização de 50 bilhões de dólares, porém, pode dobrar para 100 bilhões e o banco já pode começar a realizar empréstimos em 2016. A instituição ficará aberta a outros países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), mas a cota dos Brics não poderá ficar abaixo de 55%. Os líderes dos Brics também assinarão um acordo sobre outro projeto do grupo, um fundo de 100 bilhões de dólares para estabilizar os mercados de câmbio.

DIRETOR DA MATCH VAI DEVOLVER CREDENCIAL À FIFA

Acusado pela polícia do Rio de Janeiro de atuar num esquema internacional de cambistas, o inglês Raymond Whelan, CEO da agência Match, pretende devolver sua credencial do Mundial à Fifa para se defender das denúncias. Whelan foi preso na segunda-feira e liberado cerca de 13 horas depois, na madrugada de terça-feira, após o pagamento de 5.000 reais de fiança e um habeas corpus do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Ele aparece em gravações telefônicas, autorizadas pela Justiça, negociando valores de pacotes de ingressos com o argelino Lamine Fofana, preso na semana passada pela operação Jules Rimet, com outros dez suspeitos. Na terça-feira, a Match informou que Whelan continuaria trabalhando no Mundial, operando no setor de acomodação. A Fifa também indicou que essa decisão havia sido tomada pela empresa. Nesta quarta-feira, porém, os representantes da Match informaram que ele vai devolver a credencial para se defender e mostrar que não teria qualquer envolvimento.

HONDA PENSA EM AMPLIAR PARQUE EÓLICO EM XANGRI LÁ

Foram desembarcadas nesta quarta-feira no Porto de Imbituba (SC) as pás dos aerogeradores que serão utilizados no parque eólico da Honda, em Xangri-lá, no litoral norte do Estado. Programado para começar a gerar em setembro, vai suprir toda a necessidade de energia da unidade da montadora japonesa em Sumaré (SP), que pode produzir até 120 mil veículos por ano. Serão nove torres, que somarão capacidade de 27 megawatts (MW). O investimento é de R$ 100 milhões. Mas como a Honda está construindo uma nova fábrica no interior paulista, dessa vez na cidade de Itirapina, há novidades no horizonte: "É nosso pensamento ampliar o parque. Essa outra fábrica terá uma capacidade similar (à de Sumaré)", avisa Carlos Eigi, presidente da Honda Energy. A intenção da Honda é dobrar o potencial de geração do parque, embora não no mesmo prazo em que ficará pronta a unidade de Itapirina.

25% DAS CIDADES GAÚCHAS ESTÃO EM SITUAÇÃO DE CALAMIDADE

Mais cinco municípios do Rio Grande do Sul encaminharam decreto de situação de emergência para a Defesa Civil nesta quarta-feira. Com isso, o número de cidades em emergência devido à chuvarada subiu para 131, o que representa 25% das prefeituras gaúchas. Conforme o último levantamento da Defesa Civil, divulgado no fim da tarde desta quarta-feira, o total de municípios que tiveram prejuízos por causa da chuva chega a 157, o que representa 30% das cidades gaúchas. Entre os atingidos, dois decretaram estado de calamidade pública: Barra do Guarita, no Noroeste, e Iraí, no Norte. Apesar do aumento de municípios prejudicados, o número de pessoas fora de casa devido à chuva segue estável. Desde a tarde de terça-feira, 18,3 mil gaúchos estão fora das suas residências, sendo 1.321 desabrigados, aqueles que precisam de abrigo público, e 17.070 desalojados, aqueles que estão em casas de parentes ou amigos.

CAMPANHA DE AÉCIO NEVES FAZ PEDIDO DE INVESTIGAÇÃO CONTRA SITE NA INTERNET

O coordenador jurídico da campanha de Aécio Neves (PSDB), o deputado federal Carlos Sampaio, entregou na tarde desta quarta-feira, à Procuradoria da República em Minas Gerais, representação para que o site Poços 10 seja investigado. No documento, os tucanos também pedem que seja verificada a relação do presidente da Câmara Municipal de Poços de Caldas, Paulo Tadeu (PT), com o portal e o "eventual emprego de recursos públicos para patrocínio de campanha difamatória contra o requerente". Sampaio desembarcou nesta quinta-feira em Minas Gerais, onde se encontrou no final do dia com o procurador-geral de Justiça, Carlos André Mariani. A iniciativa tem como base matérias que foram publicadas no site contra Aécio Neves em que ele teria usado a filha para o transporte ilegal de "malas de dinheiro" e "diamantes" para o Exterior. O texto também causou reação da ex-mulher do tucano, Andréa Falcão, que recorreu ao Facebook para rebater as acusações. Na representação, os advogados da coligação de Aécio Neves afirmam que o portal foi registrado em nome da empresa "Moura Móveis", que pertenceria a Rogério Ademir Moura. Ainda de acordo com o documento, o mesmo CPF de Rogério é vinculado ao site www.vereadorpaulotadeu.com.br. "Tudo indica, é o site oficial do vereador Paulo Tadeu D''arcádia, do PT", diz trecho da ação. "Você tem a mesma pessoa responsável por dois sites: o primeiro que é esse Poços 10, que fala mal do Aécio Neves. E um outro que é de um vereador do PT. O pedido de investigação é para apurar quem são os responsáveis por essa prática. Elencamos os indícios das pessoas que estão de uma forma direta ou indireta vinculadas a essas informações", explicou o advogado da campanha de Aécio Neves, Flávio Henrique Pereira. Segundo ele, o vereador também consta como um dos colaboradores do portal Poços10.