terça-feira, 15 de julho de 2014

ANAC, EMPRESAS AÉREAS E INFRAERO SÃO MULTADAS EM R$ 10 MILHÕES DE REAIS PELO CAOS AÉREO DE 2006

Deus não joga, mas fiscaliza. E a Justiça pode tardar, mas não falha. Nesta terça-feira a Justiça Federal condenou a União Federal, a Agência Nacional da Aviação Civil (ANAC), a Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) e outras seis empresas de transporte aéreo ao pagamento de R$10 milhões pelos danos e transtornos causados a seus clientes, devido aos vários cancelamentos e atrasos de vôos ocorridos em 2006. O valor será destinado a um fundo de reparação dos danos causados à sociedade e coletivamente sofridos. De acordo com os autores da ação, desde 27 de outubro de 2006 os consumidores sofreram com a crise que se instalou no sistema de tráfego aéreo brasileiro, tendo seu ápice em 2 de novembro de 2006, quando o tempo de espera para embarque chegou a mais de 15 horas, sem que houvesse sido oferecido aos passageiros informações ou auxílios razoáveis como água e alimentação, sendo necessário que muitos dormissem no chão ou em cadeiras. A ação foi proposta com os pedidos de reconhecimento da prevalência do Código de Defesa do Consumidor (CDC) sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA) e para que fossem determinadas a obrigatoriedade de fornecimento de informações com antecedência sobre atrasos e horário previsto de saída dos vôos, tanto por telefone como nos painéis eletrônicos dos aeroportos, a prestação de assistência material a partir da primeira hora de atraso e reparação integral e efetiva dos danos materiais e morais sofridos pelos consumidores, além de multa no caso de descumprimento no valor de R$ 1 mil por passageiro. Para o juiz federal João Batista Gonçalves, titular da 6ª Vara Federal Cível de São Paulo/SP, foi provada a má organização, administração, gerenciamento, fiscalização e prestação de serviço de transporte aéreo, e diante disso entendeu que “se faz necessária a condenação, objetiva e solidária, de todos os réus, inclusive públicos ante os termos do art. 22 do CDC, pelos danos causados à coletividade, servindo a sua fixação também para desencorajar os réus a reincidir nos fatos indignos à pessoa humana, de todo evitáveis”. A Anac é aquele organismo que teve como dirigente a paulista Denise Maria Aires de Abreu, pessoa da confiança do bandido petista mensaleiro José Dirceu (deputado federal cassado por corrupção). Em pleno apagão aéreo ocorreu o primeiro grande desastre da aviação comercial aérea brasileira, com a queda do Boeing da Gol no dia 29 de setembro de 2006. O apagão aéreo ainda foi sucedido, no dia 30 de março de 2007, pela paralisia total do tráfego aéreo nacional, devido à greve dos controladores de vôo (todos sargentos ou oficiais da Aeronáutica). Na noite desse dia, enquanto todos os aviões no Brasil ficavam no chão, a diretora da Anac, Denise Maria Aires de Abreu, participava de festa de casamento exuberante em Salvador e foi fotografada fumando charuto. No dia 17 de julho de 2007, ocorreu o desastre com o Airbus A230 da TAM, no Aeroporto de Congonhas, que passou a ser o mais trágico da aviação comercial aérea nacional, com 199 mortos. Denise Maria Aires de Abreu responde a processo crime por este desastre na 1ª Vara Federal Criminal de São Paulo, onde está pronto para receber sentença.  O processo contra a Anac, governo federal e empresas aéreas na Justiça Federal de 1ª Instância da 3ª Região é o de nº 0028224-49.2006.403.6100. Clique no link a seguir para ter acesso à integra da sentença que foi expedida nesta terça-feira, dia 15 de julho de 2014: https://drive.google.com/file/d/0B8_RBOFhHrDUZWQyWjd5TDAxbzA/edit?usp=sharing A

JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO MANDA SOLTAR 13 DOS 19 TERRORISTAS DO BLACK BLOCS, MAS A GAÚCHA SININHO CONTINUA NO PRESÍDIO DE BANGU

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro mandou soltar, nesta terça-feira, 13 das 19 delinquentes presos no último sábado sob a acusação de formação de quadrilha, por articular a prática de atos violentos para a final da Copa do Mundo, inclusive com a posse de armas e munições. A decisão foi emitida pelo desembargador Siro Darlan. Pelo menos seis dos criminosos continuam presos, entre elas a gaúcha Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, que tinha fugido para Porto Alegre e onde foi apanhada para ser recambiada ao Rio de Janeiro. Ela está com presas comuns no Presídio do Bangu. Todos são considerados de altíssimas periculosidade. Outros nove terroristas estão foragidos.

PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL ELEITORAL NO RIO GRANDE DO SUL IMPUGNA VÁRIOS POLÍTICOS, MAS IGNORA ATÉ AGORA O MAIS NOTÓRIO FICHA SUJA, O DEPUTADO FEDERAL PEEMEDEBISTA ALCEU MOREIRA

O deputado estadual Valdeci Oliveira (PT), líder do governo do peremptório petista "grilo falante" tenente artilheiro e poeta de mão cheia Tarso, é um dos candidatos com candidatura impugnada pela Procuradoria Federal Regional Eleitoral no Rio Grande do Sul, todos atingidos pela Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/2010). Os impugnados são os seguintes: Sérgio Camps de Morais (que concorre ao Senado como 2º suplente), Antonio Valdeci Oliveira de Oliveira (atual deputado estadual petista, candidato a deputado federal), Fabio Josue Leote Rocha (candidato a deputado federal), Flavio Percio Zacher (candidato a deputado federal), Élio Melvin Jones do Amaral (candidato a deputado estadual), o petista Ségio Luís Stasinski (candidato a deputado estadual) e Valdir Severo Borin (candidato a deputado estadual). No Rio Grande do Sul, 1.055 nomes da lista divulgada pelo Tribunal Regional Eleitoral em 10 de julho foram analisados por procuradores e servidores da instituição. É incrível que os procuradores eleitorais federais não tenham analisado a condição do deputado federal peemedebista Alceu Moreira, um ficha suja, com certidão inscrita no cadastro do Conselho Nacional de Justiça, e que pretende concorrer à reeleição. Veja na imagem a certidão da ficha suja de Alceu Moreira.

JUSTIÇA CONFIRMA MULTA PARA O PETISTA ALEXANDRE PADILHA POR CAMPANHA ANTECIPADA

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo confirmou nesta terça-feira a condenação por campanha antecipada do PT e do candidato do partido ao governo do Estado, Alexandre Padilha. Eles haviam sido obrigados a pagar 50.000 reais cada um por infração à legislação eleitoral ao promoverem 125 caravanas com intuito de divulgar a imagem de Padilha no interior paulista. O plenário da corte negou um recurso do PT e de Padilha contra a multa aplicada por decisão liminar do desembargador Cauduro Padin. Agora, o PT só poderá recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral contra a representação da Procuradoria Regional Eleitoral paulista. O partido argumenta que as caravanas tinham objetivo de discutir o programa de governo de Padilha, mas os juízes eleitorais votaram com o relator, segundo quem houve “nítido caráter eleitoral e intuito de pré-campanha nas caravanas”. Desde fevereiro, quando deixou o primeiro escalão do governo Dilma Rousseff, Padilha percorreu em um ônibus especial mais de 125 cidades paulistas, em reuniões públicas e fechadas com empresários, vereadores, prefeitos, líderes comunitários e segmentos da sociedade civil organizada. Os eventos foram divulgados em um site aberto pela agência contratada para sua campanha eleitoral na internet e em redes sociais. O PT criou o cargo camuflado de "coordenador de caravana" para o ex-ministro e passou a remunerá-lo. O partido dizia que as incursões pelo Estado serviriam para colher subsídios para o programa de governo a ser apresentado por Padilha. Para a Justiça Eleitoral, as caravanas tinham uma finalidade bem clara: campanha disfarçada. O PT afirmou que irá recorrer da decisão no TSE.

CÂMARA APROVA NOME DE INDICADO DE RENAN CALHEIROS PARA O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira o nome do advogado Bruno Dantas para uma vaga de ministro do Tribunal de Contas da União. Aliado do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), Bruno Dantas foi indicado ao cargo após o senador Gim Argello (PTB-DF) ter retirado sua candidatura ao posto. Argello foi alvo de protestos de servidores do Tribunal de Contas da União, segundo quem o senador não tinha “reputação ilibada”, um dos requisitos exigidos para ocupar uma vaga na Corte de contas. Gim responde a diversos processos no Supremo Tribunal Federal por suspeitas de crime contra a Lei de Licitações, crime eleitoral, peculato, crime contra a administração pública, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Em 2009, ele foi condenado pela 5ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal por irregularidades na época que presidia a Câmara Legislativa do Distrito Federal. Na votação desta terça-feira, a última antes das férias – ou "recesso branco" – da Câmara dos Deputados, Bruno Dantas teve o nome aprovado por 270 votos a favor e sete contra. Houve três abstenções. O novo ministro assumirá a vaga aberta com a aposentadoria de Valmir Campello.

DEFESA DO PETISTA ANDRÉ VARGAS SEGUE ENROLANDO O CONSELHO DE ÉTICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Sem conseguir negar a estreita relação do petista André Vargas com o doleiro Alberto Youssef, pivô de um esquema de lavagem de dinheiro, a defesa do deputado federal paranaense escalou nesta terça-feira um prefeito petista para prestar depoimento ao Conselho de Ética. Carlos Alberto Preto, de Apucarana (PR), reduto eleitoral de André Vargas, foi chamado pelos advogados para protelar o desfecho do caso. Iniciado há quase três meses, o processo contra Andrpe Vargas avança lentamente graças a diversas manobras de deputados federais aliados e da defesa. O objetivo é empurrar o caso, que pode terminar em um processo de cassação de mandato, para depois das eleições e evitar danos ao projeto eleitoral de nomes petistas ligados a André Vargas, como a candidata ao governo paranaense, a senadora Gleisi Hoffmann, e o candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha. "Vargas saiu do PT, mas o PT não saiu dele. O partido está trabalhando para não vincular seu desgaste com as eleições”, disse o deputado federal Júlio Delgado (PSB-MG), relator do processo.

MÉDICOS CUBANOS AMEAÇAM PARAR EM ARAÇATUBA, CUJO PREFEITO É DO....... PT

Vinte e dois médicos cubanos do Programa Mais Médicos que atuam na cidade de Araçatuba (SP) ameaçam deixar seus postos de trabalho por causa de atrasos no pagamento dos auxílios moradia e alimentação. Os benefícios são de responsabilidade das prefeituras e, no caso de Araçatuba, da administração do prefeito Cido Sério (PT). Os salários são pagos pelo governo federal.  Por meio de nota oficial, a prefeitura afirmou que irá pagar os auxílios, que devem ser repassados todo dia 1º, a partir desta sexta-feira, mas anunciou que irá reduzir seus valores. Cada médico recebe 2.500 reais de auxílio moradia e 500 reais de auxílio alimentação. A administração afirmou que irá reduzir o total para 1.700 reais e, como o valor foi definido como teto, pode legalmente reduzi-lo. Os médicos dizem que querem deixar a cidade e procurar "outros municípios, onde seremos mais respeitados". Um casal de médicos cubanos afirmou que, com o atraso, falta dinheiro para pagar o aluguel e outras despesas com energia elétrica, gás, condomínio e água. O casal diz que a prefeitura também não quer pagar os auxílios individuais para cada um: "Eles querem que a gente receba somente um auxílio para cada casal, pensamos que isso não é legal". O secretário de Saúde de Araçatuba, José Carlos Teixeira, declarou em nota que a redução do valor do auxílio foi estabelecida em acordo com os médicos, que de agora em diante não precisarão mais prestar contas dos seus gastos. Os profissionais estrangeiros reclamaram da obrigação de apresentar notas fiscais e comprovantes de gastos com a verba dos benefícios. Segundo Teixeira, a Secretaria de Saúde de Araçatuba comparou os auxílios pagos em outros sete municípios e chegou à conclusão de que o valor de 1.700 reais é suficiente para cobrir os gastos dos médicos. No entanto, o presidente do diretório do PT de Araçatuba, Fernando Zahr, disse que a cobrança de comprovantes de gastos pela prefeitura é uma atitude constrangedora para o município e para seu partido. Segundo ele, os médicos cubanos foram bem recebidos e estão prestando um excelente serviço, mudando a forma de atendimento nas unidades de saúde do município. Desde maio, quando iniciaram os trabalhos, os médicos cubanos fizeram 6.574 consultas nas unidades do município.

PMDB GAÚCHO TENTA IMPUGNAR A CANDIDATURA DO PETISTA DANIEL BORDIGNON; O PT NÃO VAI TENTAR IMPUGNAR A CANDIDATURA DO FICHA SUJA PEEMEDEBISTA ALCEU MOREIRA?

O Diretório Estadual do PMDB do Rio Grande do Sul protocolou, nesta terça-feira, o pedido de impugnação do registro de candidatura do deputado estadual Daniel Bordignon (PT), no Tribunal Regional Eleitoral, com base na lei da Ficha Limpa. O candidato petista já foi condenado em duas ocasiões por colegiado doTribunal de Justiça, por improbidade administrativa. Em ambas, teve suspenso seus direitos políticos, tornando-se inelegível por oito anos. Segundo o advogado do PMDB, Paulo Renato Gomes Moraes, que move a ação, a Lei da Ficha Limpa torna inelegíveis os candidatos que tiveram suas contas de exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que seja enquadrada como improbidade administrativa. Agora resta esperar para ver se o PT não vai responder, pedindo a impugnação da candidatura do peemdebista Alceu Moreira, um ficha suja com certidão inscrita no cadastro do Conselho Nacional de Justiça.

ADVOGADA DENISE ABREU, RÉ NO PROCESSO DO DESASTRE DO AIRBUS DA TAM, QUE MATOU 199 EM CONGONHAS, PEDE QUE TSE EXCLUA PEN DE ALIANÇA COM AÉCIO NEVES

A advogada paulista Denise Abreu, que foi diretora da Anac e é ré no processo do desastre do Airbus da TAM, que matou 199 pessoas no Aeroporto de Congonhas, entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tirar o Partido Ecológico Nacional (PEN) da coligação “Muda Brasil” – formada por PSDB / PMN / SD / DEM / PEN / PTN / PTB / PTC / PT do B – que apóia a candidatura do tucano Aécio Neves à Presidência da República. Denise Abreu alega que a convenção nacional do partido que decidiu pela aliança teria sido irregular. A advogada tentou disputar a Presidência da República o Executivo pela legenda, mas foi derrotada na convenção. Outros dois integrantes do PEN também tentaram se lançar candidatos ao Planalto, no entanto, foram barrados pelo presidente do partido, Adilson Barroso. “Eles não demonstraram potencial para serem candidatos do PEN”, disse o presidente do partido do partido. O ministro João Otávio
de Noronha, do TSE, é o relator do registro de candidatura de Aécio no TSE. Não há previsão de quando a ação será analisada pela Corte eleitoral. Caso a Justiça Eleitoral acate os argumentos da advogada e decida pela exclusão do PEN da coligação, o PSDB poderá perder cerca de 45 segundos de propaganda no rádio e na televisão.

DOLEIRO ALBERTO YOUSSEF AGORA TAMBÉM É RÉU POR LAVAGEM DE DINHEIRO NO ESCÂNDALO DO MENSALÃO DO PT

A Justiça Federal do Paraná aceitou nesta terça-feira mais uma ação penal contra o doleiro Alberto Youssef, desta vez acusado de operações de lavagem de dinheiro que movimentaram pelo menos 1,16 milhão de reais distribuídos no Mensalão do PT. Operador de um megaesquema de lavagem descoberto pela Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, Youssef foi acusado pelo Ministério Público Federal de esconder a origem de parte do dinheiro obtido ilicitamente pelo ex-deputado federal José Janene (PP-PR), morto em 2010. A denúncia contra o doleiro foi apresentada à Justiça Federal do Paraná na última quinta-feira. Na ação, Youssef é acusado de ocultar a origem de parte dos 4,1 milhões de reais recebidos por Janene no Mensalão do PT. O esquema utilizou a empresa Dunel, de Londrina (PR). Janene virou sócio da empresa com um investimento de 1,16 milhão de reais, como se fosse um investidor interessado no crescimento do negócio. Mas a investigação constatou que o objetivo era, na verdade, encontrar um caminho para desviar recursos para empresas de fachada comandadas por Youssef e dar aparência legítima ao dinheiro recebido no Mensalão do PT . Assinam a denúncia os procuradores Deltan Dallagnol, Januário Paludo, Carlos Fernando Santos Lima, Orlando Martello Júnior e Andrey Mendonça. Além de Youssef, familiares de Janene também foram acusados e passam a responder à ação penal. A filha do ex-deputado, Danielle Janene, e o primo Meheidin Hussein Jenani, ajudavam na operação da empresa. O irmão de Janene, Assad Jannani, auxiliou na ocultação de ativos desviados da Dunel. O doleiro Carlos Habib Chater, um dos personagens da Operação Lava-Jato, também participou do esquema de lavagem de dinheiro do ex-deputado obtido da corrupção do Mensalão do PT. A investigação foi aberta em 2009, quando um sócio de Janene desconfiou do esquema. A partir deste inquérito, a Polícia Federal constatou que Youssef descumpriu acordo de delação premiada firmado com a Justiça e voltou a praticar crimes. Este foi o princípio da Operação Lava-Jato, que desvendou operações de lavagem que movimentaram cerca de 10 bilhões de reais. A polícia também constatou que o doleiro era o verdadeiro dono da corretora Bônus-Banval, uma das fontes dos recursos do Mensalão do PT. Esta é a nona ação penal aberta na Justiça como desdobramento da Operação Lava-Jato. Como os outros, o caso tramita na 13ª Vara Federal do Paraná. Os acusados vão ser julgados pelos crimes de lavagem de dinheiro, associação criminosa, apropriação indébita, estelionato, falsidade ideológica e uso de documento falso. Foi expedido novo mandado de prisão preventiva contra Alberto Youssef, Carlos Habib Chater e dois subordinados deles, também já detidos: Carlos Alberto Pereira da Costa e Ediel Viana da Silva. (Veja)

USO DA INTERNET NAS ESCOLAS PÚBLICAS CRESCE, MAS CONEXÃO AINDA É LENTA

O percentual de professores de escolas públicas que utilizaram a internet durante as aulas em 2013 foi 46%. O número representa crescimento de dez pontos percentuais em relação a 2012 e foi divulgado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, na pesquisa Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação. O levantamento, feito com 994 escolas públicas e privadas de todo o País, revelou também que a velocidade de conexão com a internet é menor nas instituições públicas do que nas particulares. Os dados revelam que 43% das escolas particulares dispõem de internet com velocidade entre 5 e 10 mega. Por outro lado, entre as instituições públicas, 52% contam com conexão a internet de até 2 mega. Entre os recursos educacionais mais usados pelos professores estão imagens, figuras, ilustrações ou fotos (84%), textos (83%), questões de prova (73%), vídeos (74%), jogos (42%), apresentações prontas (41%), e programas e softwares educacionais (39%). A coleta de dados desta quarta edição da pesquisa ocorreu entre setembro e dezembro do ano passado. Foram entrevistados 939 diretores de escolas, 870 coordenadores pedagógicos, 1.987 professores e 9.657 alunos. De acordo com as informações, a sala de aula cresceu como local de uso do computador e da internet, o ambiente mais comum para o uso de computador ainda é a casa do estudante. Apenas 7% dos alunos da rede pública e 2% dos estudantes de escolas particulares disseram que acessam a internet, mais frequentemente, em suas escolas. A maioria usa a rede mundial de computadores com mais frequência em casa: 68% dos alunos de escola pública e 93% dos matriculados em escolas particulares.

PRODUÇÃO DE ENERGIA EÓLICA AUMENTA 44,4% EM UM ANO

A produção de energia eólica aumentou 44,4% no último ano, segundo a edição do Boletim de Operações de Usinas da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A comparação é entre os meses de maio de 2013 e 2014. No mesmo período, a geração de energia termelétrica aumentou 20,7%. Apesar de apresentar uma redução de 5,1%, a energia produzida por hidrelétricas mantém-se predominante, sendo responsável por 66,5% da produção brasileira. De acordo com a CCEE, em maio, fontes eólicas produziram 747 megawatts (MW) médios e térmicas, 17.307 MW médios. O boletim informa que o salto na entrega das térmicas foi impulsionado pelas usinas nucleares: foram produzidos 1.763 MW médios – número 154,1% acima do registrado em maio de 2013. As usinas térmicas a carvão geraram 1.823 MW médios (aumento de 37,3%) e as de biomassa 3.038 MW médios, produção 21,6% superior à registrada em maio de 2013. A capacidade instalada somou 127.026 MW provenientes de 1.118 usinas que estão operando comercialmente no período. Ainda segundo o boletim divulgado hoje (15), a geração total de energia pelas usinas do Sistema Integrado Nacional foi 60.978 MW médios. Apesar de a geração ter sido 2,8% inferior à registrada em abrile, é 1,8% maior do que o resultado obtido em maio de 2013.

PRAIA DE COPACABANA RECEBEU MAIS DE UM MILHÃO DE PESSOAS NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO

Mais de 1 milhão de pessoas assistiram aos jogos da Copa do Mundo na praia de Copacabana, segundo o secretário municipal de Turismo, Antônio Pedro Figueira de Melo, em balanço divulgado nesta terça-feira. A prefeitura do Rio de Janeiro informa que 815 mil pessoas passaram pela Fifa Fan Fest, mas estima um público maior em Copacabana considerando também quem acompanhou as partidas nos telões do lado de fora da festa oficial. "Instalamos um telão fora da Fan Fest e muita gente acompanhou do lado de fora nos dias de jogos do Brasil e na reta final da Copa. Esse número passou de 1 milhão", disse o secretário, que lembrou que as duas pistas da Avenida Atlântica foram fechadas na hora dos jogos do Brasil e na final, quando a praia foi tomada por argentinos que vieram ao País sem ingressos para o Estádio do Maracanã. Foram rebocados 753 veículos e multados 1.811 na Fifa Fan Fest e nos arredores da Rua Alzira Bandrão, outro ponto tradicional de transmissão dos jogos, conhecido como Alzirão. Mais de 25 mil itens foram apreendidos de ambulantes em atividade irregular e 60 pessoas foram multadas por urinar na rua. O Programa Lixo Zero, que pune quem joga lixo no chão da cidade, rendeu mais 6.234 multas, sendo 1.249 para turistas estrangeiros. As sete partidas do Maracanã tiveram uma média de público de 74 mil pessoas e somaram 518 mil espectadores. A partida da final foi vista por 3,6 bilhões de pessoas em todo o mundo. "A final foi mostrada para metade da população do planeta", disse o secretário. O número de repórteres credenciados pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) chegou a 19 mil, e 3,5 mil se credenciaram no Centro Aberto de Mídia, no Forte de Copacabana.

INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE PORTO ALEGRE OBRIGADO A RESTRINGIR O ATENDIMENTO DE PACIENTES PELO SUS E CONVÊNIOS

Com 24 pessoas internadas em um local com apenas 17 vagas, na emergência, o Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul confirmou restrição de atendimento a casos graves e com risco de morte nas emergências que atendem pacientes do SUS e de convênio, em Porto Alegre. Nas vagas do Sistema Único, a superlotação persiste desde a semana passada e, na de convênios, a situação se agravou nesta terça-feira. Em casos menos graves, a orientação é de que os pacientes procurem os postos de saúde ou outros hospitais. O problema é que mais três emergências seguem com atendimento restrito na capital gaúcha, também em função da superlotação. É a "Saúde Padrão Fifa" dos governos petistas de Dilma Rousseff e do peremptório petista "grilo falante" tenente artilheiro e poeta de mão cheia Tarso Genro. Em dois desses hospitais, o setor está com o triplo de pacientes para o número de vagas disponíveis. No São Lucas, da Pucrs, a emergência atendia na manhã desta terça-feira 43 pacientes para apenas 13 leitos. No Hospital de Clínicas, havia 141 pessoas em um setor com 41 leitos, com acréscimo de vagas. No Hospital Conceição, a emergência atende ao dobro da capacidade, com 138 pacientes nas 64 vagas disponíveis. No único hospital ainda sem restrição de atendimento, o Hospital Santa Clara, no Complexo da Santa Casa, havia 44 pacientes sendo atendidos em 26 leitos. Já a reforma da Maternidade do Hospital de Clínicas, que soma 64 leitos para gestantes, sobrecarregou a procura no Hospital Fêmina. Na segunda-feira, o número de atendimentos foi de 197, enquanto a média é de 160. Em relação aos partos, só nessa manhã foram 14, enquanto a média de um dia inteiro é 15. As obras no Clínicas, que incluem limpeza dos dutos de ar condicionado e reforma na sala de recuperação, devem ser entregues até 12 de agosto. Assim sendo, os portoalegrenses ficam avisados: em caso de necessidade urgente, o melhor atendimento de saúde em Porto Alegre é o Aeroporto Salgado Filho e um jatinho direto para São Paulo.

MILITAR TROCADO POR TALIBÃS VOLTARÁ TRABALHAR NO EXÉRCITO AMERICANO

O sargento Bowe Bergdahl, capturado por rebeldes afegãos em 2009 e libertado no final de maio após uma controversa troca de prisioneiros entre o governo dos Estados Unidos e o Talibã, voltará a trabalhar no Exército. Bergdahl, de 28 anos, retorna à ativa apenas seis semanas após sua libertação. Ele está no momento em um hospital de uma base militar próxima a San Antonio, no Texas, confirmou o Pentágono. "O sargento Bergdahl concluiu a fase final do processo de reintegração e agora vai voltar à ativa", informa um breve comunicado oficial. O Pentágono, porém, não informou quais funções o sargento vai exercer na base militar. O texto ainda destaca que a volta do militar à ativa não significa que o inquérito sobre uma possível deserção foi arquivado. "A investigação do Exército sobre os fatos e as circunstâncias que rodeiam o desaparecimento e captura de Bergdahl continua", ressalta o Pentágono. A investigação foi anunciada por causa das acusações de que Bergdahl teria desertado de seu posto no Afeganistão. Várias dessas alegações foram feitas por colegas da unidade do sargento, que afirmaram que ele não é um herói, mas sim um traidor. O encarregado da investigação é o general Kenneth Dahl, que prometeu conduzir um inquérito minucioso. O Pentágono já concluiu que o sargento foi capturado após simplesmente deixar a sua base sem autorização. Agora, os investigadores vão tentar descobrir se ele pretendia desertar. Não há previsão para a conclusão do trabalho. A libertação de Bergdahl não só provocou controvérsia por causa das especulações sobre seu desaparecimento. O governo do presidente Barack Obama, que liderou os esforços, se tornou um alvo da oposição por causa do preço pago pela libertação: cinco militantes talibãs detidos na prisão de Guantánamo. Em resposta, o secretário de Estado, John Kerry, justificou a libertação afirmando que teria sido "insultante" e "incompreensível" abandonar um militar americano nas mãos do Talibã.

APROVADOS NO VESTIBULAR DAS FATECs JÁ PODEM FAZER MATRÍCULAS EM SÃO PAULO

A matrícula de estudantes aprovados no vestibular de inverno das Fatecs (Faculdades de Tecnologia do Estado de São Paulo) começou nesta terça-feira e segue até esta quarta-feira. A lista de candidatos aprovados foi divulgada na segunda-feira. A lista de convocação para a segunda chamada será divulgada na quinta-feira. Mais de 44.000 pessoas se inscreveram para concorrer a uma das 14.605 vagas oferecidas nas 63 Fatecs do Estado. Do total de vagas, 1.120 são ofertas em cursos de ensino à distância em 20 Fatecs. O curso de graduação tecnológica de análise e desenvolvimento de sistemas na Fatec São Paulo, na capital, foi o mais concorrido no processo seletivo, com relação de 11,94 candidatos por vaga. Em segundo lugar, ficou o curso de gestão empresarial, com relação de 11,63 candidatos por vaga. A matrícula deve ser feita na secretaria da Fatec onde o candidato foi aprovado. Para efetuar o cadastro, é necessário levar foto 3x4 e cópia dos seguintes documentos: certificado de conclusão do ensino médio; histórico escolar completo; certidão de nascimento ou casamento; RG; CPF; título de eleitor e comprovante de votação para maiores de 18 anos e documento de quitação com o serviço militar maiores de 18 anos do sexo masculino.

EMISSÃO DE VISTOS PARA OS ESTADOS UNIDOS CRESCE 4% NO PRIMEIRO SEMESTRE

Os Estados Unidos emitiram 525.358 vistos para brasileiros no primeiro semestre de 2014, aumento de 4% ante igual período de 2013. Somente em junho, foram emitidos 87.288 vistos, queda de 3,8% sobre os 90.776 vistos impressos em maio. As informações são da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. O consulado de São Paulo registrou o maior número de vistos emitidos nos primeiros seis meses do ano, com 281.410 documentos, seguido por Rio de Janeiro (136.401), Brasília (61.781) e Recife (45.766).  De acordo com a Embaixada, o tempo médio de espera para o agendamento do processo para tirar o visto é de dois dias nas quatro cidades. Recife foi a cidade em que mais cresceu o número de processos, 15%, contra 5% de São Paulo e 1% de Brasília e Rio de Janeiro. Estimativas do Departamento de Comércio dos Estados Unidos apontam que o volume de visitantes no país deve subir 3,5% em 2014, para 72,2 milhões de pessoas. No ano passado, o crescimento foi de 4,7%, para 69,8 milhões de pessoas. O Departamento de Comércio também prevê um aumento de 3,4% a 4,1% no volume de visitantes entre 2014 e 2018, para 83,8 milhões de pessoas. A maior parte do crescimento deverá ser impulsionada por quatro países, Canadá, China, México e Brasil. Segundo a entidade, embora China e Brasil apresentem taxas consistentes de crescimento, países tradicionais de origem, como o Canadá, continuarão a ditar o aumento do volume de visitantes nos próximos anos. Em 2013, os Estados Unidos recebeu 69,8 milhões de estrangeiros. O Canadá alcançou o número de visitantes no país, com 23,4 milhões de pessoas, enquanto o Brasil apareceu na quinta colocação, com 2,1 milhões de pessoas.

COMEÇA A LIMPEZA, RODRIGO PAIVA É DEMITIDO DA CBF APÓS 12 ANOS

Além do técnico Luiz Felipe Scolari e de sua comissão técnica, a CBF demitiu Rodrigo Paiva, que ocupava o cargo de diretor de comunicação desde 2002. Durante a Copa do Mundo, ele foi punido pela Fifa por agredir um jogador do Chile no corredor dos vestiários no intervalo da partida que foi vencida pelo Brasil nas oitavas de final, no Mineirão. Também foram demitidos o analista de desempenho Thiago Larghi, o preparador físico Paulo Paixão, o médico José Luis Runco e o treinador de goleiros Carlos Pracidelli, além do auxiliar técnico Flavio Murtosa, do coordenador Carlos Alberto Parreira e do técnico Luiz Felipe Scolari. Paiva é formado em jornalismo e fez marketing esportivo nos Estados Unidos. Foi remador do Flamengo e cabo eleitoral da campanha de Marcia Braga à presidência do clube em 1990. Com a vitória do cartola, virou funcionário e deixou a Gávea em 1999, ao ser contratado pelos empresários de Ronaldo para cuidar da imagem do jogador. Ele já havia feito trabalho semelhante por cinco anos com Romário no Flamengo. Em 2002, foi contratado pela CBF para trabalhar também como assessor da entidade. A relação profissional com Ronaldo chegou ao fim em 2005, por divergências em relação ao casamento do atacante com Daniela Cicarelli. Paiva seguiu na CBF e era também diretor de Comunicação do comitê Organizador Local da Copa do Mundo.

BANCO DOS BRICS TERÁ SEDE EM XANGAI E PRESIDÊNCIA DA ÍNDIA

Os chefes de governo dos Brics definiram nesta terça-feira que a presidência do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) ficará a cargo de um indiano e a cidade chinesa de Xangai sediará a nova instituição. A decisão foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff depois de um intenso debate entre Brasil e Índia sobre a presidência da instituição, enquanto África do Sul (com a cidade de Johanesburgo) e China disputavam a sede do banco. Os líderes se reúnem na VI Cúpula dos Brics, em Fortaleza. O encontro entre Dilma Rousseff, os presidentes da Rússia, Vladimir Putin; da China, Xi Jinping; e da África do Sul, Jacob Zuma; e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, também definiu o tempo de mandato da presidência do NBD, fixada em cinco anos. A presidência da instituição será rotativa. A China, por ser a sede do banco, será o último país a presidi-lo. O Brasil ficará com a presidência do conselho de administração, enquanto o presidente do conselho de governadores será da Rússia. Haverá ainda uma subsidiária africana para o banco, chamada de Centro Regional Africano do Novo Banco de Desenvolvimento, que será estabelecida na África do Sul. Como esperado, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul decidiram investir 10 bilhões de dólares cada no novo banco, totalizando 50 bilhões de dólares. Contudo, o banco está autorizado a captar até 100 bilhões de dólares. Além do NBD, os países definiram a criação do Arranjo Contingente de Reserva (ACR), que funcionará como uma espécie de um fundo de reservas para os Brics, a exemplo do Fundo Monetário Internacional (FMI). O fundo terá capital inicial de 100 bilhões de dólares. "Esse arranjo terá efeito positivo em termos de precaução, ajudará países a contrapor-se a pressões por liquidez de curto prazo, promoverá maior cooperação entre os Brics, fortalecerá a rede de segurança financeira mundial e complementará arranjos internacionais existentes", informaram os líderes, em comunicado. Em nota, o Banco Central informou que a China vai fazer o maior aporte ao fundo: 41 bilhões de dólares. Já Brasil, Índia e Rússia investirão 18 bilhões de dólares cada um, enquanto a África do Sul destinará 5 bilhões de dólares. A liberação dos recursos se dará por meio de operações de swap, que consiste na venda de moeda no mercado futuro. O Banco Central explicou que o país solicitante receberá dólares, mas, em contrapartida, fornecerá contratos em sua própria moeda aos países contribuintes. Para a criação do mecanismo e a concretização dos aportes do Brasil, será necessária a aprovação do Congresso Nacional. Ainda segundo o Banco Central, os países membros não utilizarão suas reservas internacionais para capitalizar o fundo. Além disso, grandes saques só poderão ser feitos se o solicitante mantiver um programa de apoio financeiro com o FMI. Caso contrário, o requerente poderá sacar o máximo de 30% do valor solicitado. O valor máximo de saque será determinado por multiplicador aplicado ao compromisso de cada país: a China terá multiplicador igual a meio, o que permitirá o saque de metade dos seus compromissos (20,5 bilhões de dólares); Brasil, Índia e Rússia terão multiplicador igual a um, podendo sacar montante equivalente a seus compromissos individuais (18 bilhões de dólares); e África do Sul terá multiplicador igual a dois, podendo sacar o dobro de seu compromisso (10 bilhões de dólares).

SENADOR CLÉSIO ANDRADE RENUNCIA AO MANDATO

O senador Clésio Andrade (PMDB-MG) renunciou ao mandato nesta terça-feira. A carta de renúncia foi lida por Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente do Senado. O peemedebista alegou razões de saúde. Clésio, cujo mandato se encerraria em janeiro de 2015, havia assumido o mandato em 2011, após a morte do titular da cadeira, Eliseu Resende. Agora, quem fica com a vaga é Antônio Aureliano Sanches de Mendonça, filho do Aureliano Chaves, governador de Minas Gerais na década de 1970 e vice-presidente da República durante o governo Figueiredo. O novo senador não terá muito trabalho: o Congresso está esvaziado por causa do período eleitoral. Clésio é réu em um dos processos do valerioduto mineiro. Com a renúncia, é possível que a ação penal deixe o Supremo Tribunal Federal e volte à primeira instância.

CDL DIZ QUE A COPA DO MUNDO FOI DESASTROSA PARA AS VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA DE PORTO ALEGRE

Balanço nem um pouco edulcorado foi feito na tarde desta terça-feira pelo presidente do Clube de Dirigentes Lojistas (CDL) de Porto Alegre, Gustavo Schiffino. Ele disse: "O faturamento do comércio no Estado durante os 31 dias de Copa do Mundo foi 14,5% abaixo do mesmo período do ano passado, registrando R$ 275 milhões. A variação inclui os R$ 90 milhões deixados pelos turistas durante os jogos em Porto Alegre. Os segmentos do varejo contabilizados foram tecidos, vestuário, calçados, lojas especializadas (material de escritório, informática, comunicação, eletrônicos, móveis). Parte desta venda deve retornar ao varejo durante o segundo semestre. O período foi marcado por acontecimentos que vão ficar como legado para a população. Nossa entidade apostou que o policiamento seria suficiente e eficaz para garantir a segurança e, realmente, percebemos que, com planejamento adequado, isso se tornou possível. A mobilidade urbana também funcionou bem, assim como a conexão de celulares, inclusive no Estádio. Sem falar da queridice do nosso povo, reconhecida e divulgada pelos estrangeiros".

THE ECONOMIST: BRASIL PRECISA DE NOVA GESTÃO E DE NOVAS IDÉIAS DENTRO E FORA DO CAMPO

A revista inglesa “The Economist” traz um texto intitulado “Lições de um Armagedom Futebolístico” em que afirma que a derrota de sete a um para a Alemanha evidencia que o Brasil precisa de novas ideias dentro e fora do campo. O texto lembra a metáfora hiperbólica de Nelson Rodrigues quando a Seleção perdeu de 2 a 1 para o Uruguai em 1950, em pleno Maracanã: “Uma catástrofe nacional… Nossa Hiroshima”. Se é assim, diz a revista, então a tragédia do Mineirão foi o Armagedom, e não apenas por causa da dimensão da derrota de 7 a 1, mas também em razão da facilidade com que os rápidos e tecnicamente superiores alemães penetravam na zaga brasileira, como uma faca cortando tapioca, compara.

Com alguma ironia, a publicação diz que a humilhação deixou os brasileiros em estado de choque, muito especialmente porque o Brasil não tem Hiroshimas reais a lamentar. A reportagem observa que, além da breve participação brasileira na Segunda Guerra, entre 1944 e 1945, o conflito armado anterior em que se meteu data de 1860 — a Guerra do Paraguai. O país tem a sorte de não enfrentar ameaças de vizinhos, terrorismo, tensões étnicas ou religiosas.
Apelando ao antropólogo Roberto DaMatta, o texto lembra que o futebol deu ao brasileiro a confiança em si mesmo que nenhuma outra instituição proporcionou, inventando uma narrativa nacional e uma cola social, isso num país que jamais conseguiu fazer jus a seu potencial. Ganhou cinco Copas do Mundo, mas nenhum prêmio Nobel, contrasta.
A revista prossegue observando que, quando o Brasil obteve o direito de sediar a Copa do Mundo deste ano e os Jogos Olímpicos de 2016, o então presidente Lula pretendia demonstrar que o país tem outros motivos para se orgulhar. O mundo conheceria a sétima maior economia do planeta, uma democracia vibrante, com notável progresso social, que tem visto cair a pobreza e a desigualdade de renda.
Mas o torneio aconteceu justamente quando os brasileiros estão menos confiantes sobre o futuro. A economia vive um mau momento; a inflação está em 6,5%, apesar das sucessivas elevações da taxa de juros. Os R$ 11 bilhões de recursos públicos destinados ao financiamento de estádios desencadeou grandes protestos no ano passado contra a precariedade dois serviços públicos, a corrupção e as prioridades equivocadas dos políticos. A correria para concluir as obras e o trágico desabamento de um viaduto recém-construído em Belo Horizonte evidenciaram as dificuldades do pais com projetos de infraestrutura.
Ao contrário de algumas previsões, destaca a Economist, o evento em si foi bem-sucedido, sem colapso nos transportes ou protestos significativos. Pesquisas começaram a demonstrar que os brasileiros estavam aquiescendo com o fato de o país sediar o torneio. Mesmo vaiada na cerimônia de abertura, Dilma Rousseff, sucessora e protegida de Lula, sentiu-se encorajada a anunciar que iria participar da final.
A derrota do Brasil para a Alemanha tirou de Dilma qualquer esperança que ela tenha alimentado de que a Copa do Mundo lhe daria um impulso para a eleição de outubro, quando ela vai buscar um segundo mandato. Mas, por si, essa derrota também não vai ajudar a oposição. As coisas não são assim tão simples. Os brasileiros terão outras coisas em mente quando votarem, daqui a três meses. A Economist lembra que Fernando Henrique Cardoso venceu a reeleição em 1998, quando o Brasil foi derrotado na Copa, e que não conseguiu fazer seu sucessor em 2002, ano em que a Seleção sagrou-se campeã.
Num nível mais profundo, diz a revista, a humilhação do Mineirão tem potencial para reforçar o mau humor do país, o que é potencialmente perigoso para Dilma. Embora as pesquisas ainda a apontem como favorita, a campanha só começa para valer agora. Seu índice de aprovação é pouco superior a 40%, e as pesquisas têm demonstrado de forma consistente que entre 60% e 70% dos brasileiros querem mudança. O PT está há 12 anos no poder. Será que ela pode oferecer essa mudança?, indaga a revista. As principais conquistas do partido estão no passado, lembra a publicação, como o aumento do emprego e do salário real — e ambas começam a se perder.
O desastre do Mineirão demonstra que o futebol brasileiro já não é mais uma fonte da confiança nacional. Ele também precisa de mudanças que vão muito além da construção de novos estádios. Seus principais agentes são corruptos, e sua estrutura doméstica é mal administrada. Quem vive das glórias do passado não tem futuro. Os brasileiros podem acabar chegando à concussão de que precisam de uma nova gestão e de novas ideias dentro e fora do campo. Por Reinaldo Azevedo

ISRAEL ACEITOU A TRÉGUA PROPOSTA PELO EGITO, MAS OS TERRORISTAS PALESTINOS ISLÂMICOS DO HAMAS CONTINUARAM BOMBARDEANDO DESDE A FAIXA DE GAZA

Terroristas palestinos islâmicos do Hamas lançaram foguetes contra Israel, nesta terça-feira, depois de o governo israelense concordar com uma proposta egípcia para pôr fim ao conflito de uma semana na Faixa de Gaza, e o chefe do Hamas disse que o grupo ainda não decidiu se aceita o cessar-fogo. Pelos termos do plano anunciado pelo Egito – cujo governo, apoiado pelos militares, não mantém bom relacionamento com o Hamas–, a redução dos ataques estava prevista para começar às 9 horas (3 horas no horário de Brasília), com o fim das hostilidades dentro de 12 horas. Depois das 9 horas foram feitos disparos contra Israel e a TV mostrou a interceptação pelo sistema antimísseis israelense Cúpula de Ferro de vários projéteis sobre o porto de Ashdod. Uma fábrica foi atingida, mas os serviços de emergência informaram que ninguém ficou ferido. Israel afirmou que suspendeu os ataques contra a Faixa de Gaza, mas iria retomá-los com força se os disparos de militantes palestinos prosseguissem. O governo israelense aprovou os termos da trégua, que foram rejeitados pelo braço armado do Hamas, as Brigadas Al-Qassam. No entanto, Moussa Abu Marzouk, alto dirigente do Hamas que estava no Cairo, disse que o grupo ainda não havia tomado uma decisão final.

A MÁSCARA DO GIGANTE - ARTIGO DO ESCRITOR MÁRIO VARGAS LLOSA SOBRE O BRASIL E A DERROTA DA SELEÇÃO

Fiquei muito envergonhado com a cataclísmica derrota do Brasil frente à Alemanha na semifinal da Copa do Mundo, mas confesso que não me surpreendeu tanto. De um tempo para cá, a famosa seleção Canarinho se parecia cada vez menos com o que havia sido a mítica esquadra brasileira que deslumbrou a minha juventude, e essa impressão se confirmou para mim em suas primeiras apresentações neste campeonato mundial, onde a equipe brasileira ofereceu uma pobre figura, com esforços desesperados para não ser o que foi no passado, mas para jogar um futebol de fria eficiência, à maneira européia. Nada funcionava bem; havia algo forçado, artificial e antinatural nesse esforço, que se traduzia em um rendimento sem graça de toda a equipe, incluído o de sua estrela máxima, Neymar. Todos os jogadores pareciam sob rédeas. O velho estilo – o de um Pelé, Sócrates, Garrincha, Tostão, Zico – seduzia porque estimulava o brilho e a criatividade de cada um, e disso resultava que a equipe brasileira, além de fazer gols, brindava um espetáculo soberbo, no qual o futebol transcendia a si mesmo e se transformava em arte: coreografia, dança, circo, balé. Os críticos esportivos despejaram impropérios contra Luiz Felipe Scolari, o treinador brasileiro, a quem responsabilizaram pela humilhante derrota, por ter imposto à seleção brasileira uma metodologia de jogo de conjunto que traía sua rica tradição e a privava do brilhantismo e iniciativa que antes eram inseparáveis de sua eficácia, transformando seus jogadores em meras peças de uma estratégia, quase em autômatos. Não houve nenhum milagre nos anos de Lula, e sim uma miragem que agora começa a se dissipar. Contudo, eu acredito que a culpa de Scolari não é somente sua, mas, talvez, uma manifestação no âmbito esportivo de um fenômeno que, já há algum tempo, representa todo o Brasil: viver uma ficção que é brutalmente desmentida por uma realidade profunda. Tudo nasce com o governo de Luis Inácio 'Lula' da Silva (2003-2010), que, segundo o mito universalmente aceito, deu o impulso decisivo para o desenvolvimento econômico do Brasil, despertando assim esse gigante adormecido e posicionando-o na direção das grandes potências. As formidáveis estatísticas que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística difundia eram aceitas por toda a parte: de 49 milhões os pobres passaram a ser somente 16 milhões nesse período, e a classe média aumentou de 66 para 113 milhões. Não é de se estranhar que, com essas credenciais, Dilma Rousseff, companheira e discípula de Lula, ganhasse as eleições com tanta facilidade. Agora que quer se reeleger e a verdade sobre a condição da economia brasileira parece assumir o lugar do mito, muitos a responsabilizam pelo declínio veloz e pedem uma volta ao lulismo, o governo que semeou, com suas políticas mercantilistas e corruptas, as sementes da catástrofe. A verdade é que não houve nenhum milagre naqueles anos, e sim uma miragem que só agora começa a se esvair, como ocorreu com o futebol brasileiro. Uma política populista como a que Lula praticou durante seus governos pôde produzir a ilusão de um progresso social e econômico que nada mais era do que um fugaz fogo de artifício. O endividamento que financiava os custosos programas sociais era, com frequência, uma cortina de fumaça para tráficos delituosos que levaram muitos ministros e altos funcionários daqueles anos (e dos atuais) à prisão e ao banco dos réus. As alianças mercantilistas entre Governo e empresas privadas enriqueceram um bom número de funcionários públicos e empresários, mas criaram um sistema tão endiabradamente burocrático que incentivava a corrupção e foi desestimulando o investimento. Por outro lado, o Estado embarcou muitas vezes em operações faraônicas e irresponsáveis, das quais os gastos empreendidos tendo como propósito a Copa do Mundo de futebol são um formidável exemplo. O governo brasileiro disse que não havia dinheiro público nos 13 bilhões que investiria na Copa do Mundo. Era mentira. O BNDES (Banco Brasileiro de Desenvolvimento Econômico e Social) financiou quase todas as empresas que receberam os contratos para obras de infraestrutura e, todas elas, subsidiavam o Partido dos Trabalhadores, atualmente no poder. (Calcula-se que para cada dólar doado tenham obtido entre 15 e 30 em contratos). As obras da Copa foram um caso flagrante de delírio e irresponsabilidade. As obras em si constituíam um caso flagrante de delírio messiânico e fantástica irresponsabilidade. Dos 12 estádios preparados, só oito seriam necessários, segundo alertou a própria FIFA, e o planejamento foi tão tosco que a metade das reformas da infraestrutura urbana e de transportes teve de ser cancelada ou só será concluída depois do campeonato. Não é de se estranhar que o protesto popular diante de semelhante esbanjamento, motivado por razões publicitárias e eleitoreiras, levasse milhares e milhares de brasileiros às ruas e mexesse com todo o Brasil. As cifras que os órgãos internacionais, como o Banco Mundial, dão na atualidade sobre o futuro imediato do país são bastante alarmantes. Para este ano, calcula-se que a economia crescerá apenas 1,5%, uma queda de meio ponto em relação aos dois últimos anos, nos quais somente roçou os 2%. As perspectivas de investimento privado são muito escassas, pela desconfiança que surgiu ante o que se acreditava ser um modelo original e resultou ser nada mais do que uma perigosa aliança de populismo com mercantilismo, e pela teia burocrática e intervencionista que asfixia a atividade empresarial e propaga as práticas mafiosas. Apesar de um horizonte tão preocupante, o Estado continua crescendo de maneira imoderada – já gasta 40% do produto bruto – e multiplica os impostos ao mesmo tempo que as “correções” do mercado, o que fez com que se espalhasse a insegurança entre empresários e investidores. Apesar disso, segundo as pesquisas, Dilma Rousseff ganhará as próximas eleições de outubro, e continuará governando inspirada nas realizações e logros de Lula. Se assim é, não só o povo brasileiro estará lavrando a própria ruína, e mais cedo do que tarde descobrirá que o mito sobre o qual está fundado o modelo brasileiro é uma ficção tão pouco séria como a da equipe de futebol que a Alemanha aniquilou. E descobrirá também que é muito mais difícil reconstruir um país do que destruí-lo. E que, em todos esses anos, primeiro com Lula e depois com Dilma, viveu uma mentira que seus filhos e seus netos irão pagar, quando tiverem de começar a reedificar a partir das raízes uma sociedade que aquelas políticas afundaram ainda mais no subdesenvolvimento. É verdade que o Brasil tinha sido um gigante que começava a despertar nos anos em que governou Fernando Henrique Cardoso, que pôs suas finanças em ordem, deu firmeza à sua moeda e estabeleceu as bases de uma verdadeira democracia e uma genuína economia de mercado. Mas seus sucessores, em lugar de perseverar e aprofundar aquelas reformas, as foram desnaturalizando e fazendo o país retornar às velhas práticas daninhas. Não só os brasileiros foram vítimas da miragem fabricada por Lula da Silva, também o restante dos latino-americanos. Por que a política externa do Brasil em todos esses anos tem sido de cumplicidade e apoio descarado à política venezuelana do comandante Chávez e de Nicolás Maduro, e de uma vergonhosa “neutralidade” perante Cuba, negando toda forma de apoio nos organismos internacionais aos corajosos dissidentes que em ambos os países lutam por recuperar a democracia e a liberdade. Ao mesmo tempo, os governos populistas de Evo Morales na Bolívia, do comandante Ortega na Nicarágua e de Correa no Equador – as mais imperfeitas formas de governos representativos em toda a América Latina – tiveram no Brasil seu mais ativo protetor. Por isso, quanto mais cedo cair a máscara desse suposto gigante no qual Lula transformou o Brasil, melhor para os brasileiros. O mito da seleção Canarinho nos fazia sonhar belos sonhos. Mas no futebol, como na política, é ruim viver sonhando, e sempre é preferível – embora seja doloroso – ater-se à verdade.

PROCURADOR QUER CASSAR A CANDIDATURA DE CÁSSIO CUNHA LINHA

Candidato tucano ao governo da Paraíba, o senador Cássio Cunha Lima terá que convencer o TRE do Estado (e depois provavelmente o TSE) de que já cumpriu o prazo de inelegibilidade de oito anos por ter sido condenado, em 2009, por abuso de poder econômico e conduta vedada na sua eleição em 2006. O procurador federal eleitoral Rodolfo Alves da Silva entende que o parlamentar não pode concorrer porque o prazo de inelegibilidade previsto na lei da ficha limpa está em vigor e só terminaria após o próximo pleito. O senador vai recorrer.

EDITORAL DE O ESTADÃO ALERTA PARA A CRESCENTE DEPENDÊNCIA BRASILEIRA DO AGRONEGÓCIO

Com um rombo em torno de US$ 100 bilhões anuais no comércio de manufaturados, o Brasil depende cada vez mais da exportação de produtos do agronegócio para evitar um desastre nas contas externas. Por isso é especialmente preocupante a perspectiva de preços agrícolas em queda nos próximos dois anos, apontada por um relatório conjunto de duas importantes entidades multilaterais, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A divulgação do relatório coincidiu com o anúncio, na sexta-feira, das novas estimativas de oferta e demanda de grãos e oleaginosas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos para a safra 2014-2015, ainda em fim de plantio no País. Cotações caíram imediatamente, na primeira reação dos mercados às novas informações. Mesmo com a correção de algum exagero, observada já na segunda-feira, as perspectivas continuam desfavoráveis aos produtores, como têm sido na maior parte deste ano. Segundo as projeções da FAO e da OCDE, os preços dos produtos vegetais devem cair ainda por dois anos e em seguida se estabilizarão em níveis superiores aos de antes da crise de 2008. Já há algum tempo os mercados vêm-se acomodando, depois de alguns anos de cotações excepcionalmente altas. No caso das carnes, os preços devem continuar sustentados por uma demanda crescente. Apesar da acomodação da maior parte das cotações nos próximos dois anos, ao longo da próxima década a evolução dos mercados deve ampliar as oportunidades para os produtores. A demanda global de cereais em 2023, pouco acima de 1,2 bilhão de toneladas, deve ser 150 milhões de toneladas maior que a do ano passado. Também de acordo com o relatório, deverá crescer o consumo de proteínas, óleos e açúcar, como consequência do crescimento da renda e da urbanização. A produção global de cereais deverá aumentar 15% e a de oleaginosas, 26%. A agricultura será impulsionada tanto pela demanda de alimentos - em boa parte por causa da melhora de condições nos países em desenvolvimento - quanto pelo uso crescente de biocombustíveis. As oportunidades para o Brasil são evidentes. O agronegócio terá de fazer sua parte, cuidando de sua tecnologia. O governo precisará cuidar da infraestrutura, manter condições razoáveis de financiamento e, acima de tudo, resistir às pressões de seus parceiros - ideológicos ou meramente malandros - contra o sucesso empresarial no campo. A curto e a médio prazos, no entanto, o País terá de enfrentar os problemas associados à deterioração dos preços internacionais. Até agora, o agronegócio conseguiu produzir um belo resultado comercial, apesar das condições externas. De janeiro a junho as exportações do setor, no valor de US$ 49,11 bilhões, corresponderam a 44,43% da receita do comércio de mercadorias. O superávit do agronegócio, de US$ 40,78 bilhões, só compensou parcialmente o déficit dos manufaturados, de US$ 56 bilhões. Para uma comparação mais precisa, seria preciso separar desse valor uma pequena parcela de itens do agronegócio incluída na conta de manufaturados (açúcar refinado e etanol, por exemplo). De toda forma, o quadro geral é claro. O bom resultado conseguido com os produtos da agropecuária ocorreu apesar da queda de preços da soja em grão (4,2% em relação ao mesmo período de 2013), farelo (7,8%), óleo (17,4%), carne de frango (9,8%), açúcar (15,1%) e café (9,1%), para citar só os mais importantes. Mas, além de se preocupar com as condições de produção e de comercialização da agropecuária (investindo em infraestrutura, por exemplo), o governo terá de se preocupar com a competitividade da maior parte da indústria. É ruim para a economia brasileira depender tanto quanto hoje do sucesso comercial da agropecuária e das indústrias ligadas ao setor. Mas a política industrial terá de ir muito além da escolha de campeões e do protecionismo dos últimos anos - políticas inequivocamente fracassadas. Fracassos maiores ainda ocorrerão, se o governo continuar incapaz de aprender com seus erros.

ESPECIALISTAS DISCUTEM "BANALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA"

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal discutiu nesta terça-feira a banalização da violência, com base em dados do Mapa da Violência 2014, divulgado no início deste mês. O representante da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Felipe da Silva Freitas, destacou o alto índice de mortes violentas envolvendo jovens negros no País. Segundo ele, estudos recentes mostram que o medo de morrer é uma das preocupações da juventude negra brasileira. Para Freitas, as políticas não estão conseguindo alcançar, na mesma proporção, jovens negros e brancos: “Esse contingente de jovens negros tem o medo de morrer inserido no rol de suas preocupações. E esse medo não pode ser uma preocupação majoritária dos jovens, nem pode assumir uma relevância tão grande". Já o representante da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade, Cândido Alberto Gomes, ressaltou o que chamou de dissonância entre os poderes Legislativo e Executivo, sobretudo em relação a medidas socioeducativas para menores infratores. “Elas são motivo de piada para muitos jovens”, disse Gomes. De acordo com Gomes, outro exemplo é a demora na conclusão dos casos e na consequente condenação de suspeitos. “Quando há um prazo dilatado para esse fechamento, perde-se a confiança na Justiça, na polícia e no Estado. E surge a falsa confiança nas armas como meio de defesa.” Gomes lembrou que existem leis ótimas sobre o controle de armas, mas destacou que não são cumpridas.

DIRETOR DA CSN ALERTA EM ARTIGO QUE...... A BOLA PAROU E É HORA DE ENCARAR UMA REALIDADE NADA AGRADÁVEL, O BRASIL CAMINHA PARA UMA RECESSÃO

Artigo de Benjamim Steinbruch, diretor-presidente da CSN e primeiro-vice-presidente da Fiesp
As derrotas do Brasil e da Argentina para a Alemanha, poderosa no futebol e na economia, fizeram-me lembrar de uma brasileira, dessas senhoras que só vêem futebol durante a Copa. Com os olhos cheios de lágrimas, em 1998, quando a França derrotou o Brasil por 3 a 0, ela lamentou: “Isso é injusto, os franceses já são tão ricos, poderiam deixar pelo menos essa alegria do futebol para o povo brasileiro”. A frase se adapta agora melhor ainda à Alemanha, país riquíssimo e talvez o único da Europa que atravessa a atual crise sem grande impacto para a população. É difícil, mas necessário, escrever sobre economia em um dia como este, ainda marcado pelas repercussões da final da Copa. Mas o fato é que a bola parou e é hora de encarar uma realidade nada agradável, a de que o País caminha para uma recessão. Enquanto rolava a bola, vários indicadores foram confirmando o esfriamento da atividade em vários setores, inclusive no comércio, que deveria ser beneficiado pelo movimento de compras da Copa. A produção industrial está bastante fraca. Em todo o País, houve três quedas mensais seguidas, em março, abril e maio. O nível de maio estava 3,2% abaixo do de maio de 2013 - o emprego acompanha essa tendência. Na indústria paulista, as previsões do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp indicam que haverá redução de produção de 4,4% neste ano. É bastante provável que, em junho/julho, a indústria tenha enfraquecido ainda mais, com a atividade prejudicada pela redução da produção nos dias de jogos. Nas fábricas de veículos, houve queda de 33% na produção de junho em relação a igual mês do ano passado. No setor de serviços, ainda será preciso apurar se a demanda gerada pela Copa, especialmente em turismo, foi suficiente para compensar a paradeira em outras áreas - o turismo de negócios em São Paulo, por exemplo, caiu quase a zero. O que de fato preocupa é o comportamento adotado por parcela da opinião pública brasileira, que pouco se importa com crescimento da economia e criação de empregos. Alastrou-se a idéia conservadora de que o País precisa unicamente de corte de gastos públicos, sejam eles correntes ou de investimentos, e de uma rigorosa política monetária. Às portas da recessão, a economia brasileira convive com os juros mais altos do mundo, de 11% ao ano, nível que deve ser mantido pelo Banco Central nesta quarta-feira. E não se ouve um pio contra essa aberração. O crédito, por sua vez, deve crescer só 12% em 2014, a menor taxa de expansão em 11 anos. Enquanto isso, os juros na Europa e nos Estados Unidos continuam próximos de zero. E a presidente do banco central americano, Janet Yellen, deixa claro que não pretende aumentar a taxa para responder a um quadro de instabilidade financeira, como deseja o mercado, porque ela se preocupa com o nível de emprego nos Estados Unidos. Esqueçamos a Copa e olhemos para a frente. Já começou a campanha eleitoral e é interessante que os programas dos candidatos apresentados até agora sejam apenas discursos superficiais sobre os programas econômicos que defendem. Seria muito útil ao debate sucessório que se pudesse aprofundar desde logo a discussão em relação a pontos cruciais da condução econômica, como juros, câmbio, crédito, política fiscal e de desenvolvimento, incentivo ao capital nacional e à inovação tecnológica. Seria também muito útil que os programas pudessem dizer desde já se e como pretendem reavivar o enorme parque industrial brasileiro, já bastante diversificado e até bem distribuído geograficamente no País. A indústria vem tendo sua competitividade corroída por fatores internos, como custos do crédito, guerra fiscal entre estados, infraestrutura precária e falta de estímulo ao investimento em tecnologia. E enfrenta também obstáculos externos, como a invasão do mercado local por produtos estrangeiros, muitos carregados de subsídios na origem. A Copa ficou para trás, e agora é hora de olhar para a economia. Quem pretende lutar pelo crescimento e pela criação continuada de empregos precisa mostrar as armas e o método que vai utilizar. Não bastam discursos teóricos, que muitas vezes expõem uma clara contradição com outras posições conservadoras de assessores e apoiadores. E há providências que nem podem esperar as eleições.

TENSÕES DA COPA DO MUNDO E DISPUTA AO PIRATINI JÁ DERRUBARAM TRÊS SECRETÁRIOS DE FORTUNATI; MAIS GENTE PODERÁ SAIR

Do jornalista Políbio Braga - Além dos secretários de Comunicação e de Planejamento Estratégico e Orçamento, Flávio Dutra e Isabel Mattos, o prefeito José Fortunati também perdeu o seu secretário da Fazenda, Roberto Bertoncini. Os três pediram para sair. As baixas não ficarão por aí. O próprio José Fortunati tem demonstrado irritação com o desempenho de alguns secretários, considerado  personalista ou abaixo do que ele esperava. Isabel é do PP e Bertoncini é do PMDB, o que significa que seus substitutos devem ser dos mesmos partidos. O governo José Fortunati passou por dois anos tempestuosos por causa das obras da Copa, registrou dois déficits seguidos e somente na undécima hora conseguiu liberar a conta gotas dinheiro emprestado à Caixa Econômica Federal para o programa de mobilidade urbana inicialmente incluído no PAC 2 e na chamada Matriz da Copa. Dilma foi quem levou Fortunati ao conjunto enorme de obras, prometendo R$ 888  milhões da CEF, dinheiro emprestado que reteve até que a prefeitura estivesse esgoelada, tendo adiantado recursos orçamentários que não tinha e com isto quase quebrando a prefeitura, paralisando além disto a enorme maioria das obras iniciadas, o que se percebe em qualquer das regiões da cidade que for visitada. A prefeitura teve que sacar dos próprios recursos os R$ 86,9 milhões que investiu nas avenidas Beira-Rio e Padre Cacique, inclusive no viaduto Pinheiro Borda, mais os R$ 19,8 milhões no Eixo da Rodoviária (Viaduto Júlio de Castilhos. No total, foram R$ 106,7 milhões de dinheiro próprio. Só quando já estava no vermelhíssimo é que a CEF começou a liberar. Até agora, foram R$ 146,7 milhões, 16,5% dos empréstimos. O dinheiro todo já deveria ter sido liberado há muito tempo, porque os contratos foram assinados em 2010. As demais obras estão paralisadas há vários meses ou seguem em ritmo muito lento. As empreiteiras abandonaram os canteiros de obras, sendo que a prefeitura manteve apenas as vitais para a Copa, no caso as do entorno do Beira Rio e do Eixo da Rodoviária. Além dos três conjuntos de obras já concluídos, inclusive dois viadutos, o prefeito José Fortunati mantém quatro obras em ritmo muito lento e outras seis paralisadas. O mais ambicioso de todos os empreendimentos é a duplicação da avenida Tronco, R$ 122,6 milhões. Caso o prefeito José Fortunati consiga concluir pelo menos a metade do que programou - 14 obras no total, que podem chegar a 20 -  nenhum outro prefeito num único mandato terá deixado um conjunto tão formidável de obras em Porto Alegre. Com este capital em mãos, que será também político, o prefeito será candidato natural às eleições de 2018 para o governo do Rio Grande do Sul.
Obras concluídas
Duplicação da avenida Beira-Rio
Ampliação da Padre Cacique e Viaduto Pinheiro Borda
Obras viárias do entorno do Beira Rio
Eixo da Rodoviária, com Viaduto Júlio de Castilhos
Obras em andamento lento
Viaduto da Bento
Trincheira da Anita
BRT da Bento
BRT da Protásio
Obras iniciadas e paralisadas
BRT da João Pessoa
Duplicação da Voluntários
Prolongamento da Severo Dullius
Trincheira da Avenida Ceará
Duplicação da Tronco
Obras da Plínio Brasil Milano

BLACK BLOCS PRESOS NO RIO DE JANEIRO TINHAM BOMBA DE "ALTA LETALIDADE"

Um laudo do Esquadrão Antibombas deixa claro que baderneiros presos no sábado no Rio de Janeiro se organizavam para cometer crimes em protesto marcado pelas redes sociais para a decisão da Copa do Mundo, no domingo, no Maracanã. A Justiça aceitou o pedido de prisão temporária de Elisa Quadros, conhecida como Sininho, e outros 18 black blocs sob o entendimento judicial de que o grupo forma uma quadrilha armada. O laudo mostra que um casal de baderneiros preso pela polícia na operação guardava em casa uma bomba de fabricação caseira com "capacidade de provocar mortes". O artefato continha 140 gramas de pólvora (o rojão que matou o cinegrafista Santiago Andrade, em fevereiro deste ano, continha 60 gramas). O delegado Alessandro Thiers, chefe da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, sustenta que as 28 pessoas investigadas na operação Firewall 2 planejaram cometer crimes no domingo e estiveram envolvidos em atos violentos em manifestações anteriores. O material apreendido até o momento corrobora a versão policial. Durante as buscas feitas no sábado, a polícia encontrou uma bomba de fabricação caseira, em formato de tubo, na casa em que estavam a professora Camila Rodrigues Jourdan e o ativista Igor Pereira D'Icarahy. Camila é funcionária pública concursada e dá aulas na Faculdade de Filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Igor é filho do advogado Marino D'Icarahy Júnior, que defende Sininho em processos judiciais. No apartamento também foram encontradas garrafas e litros de gasolina, material para preparação de coquetéis molotov. Os investigadores dizem ter indícios de que o casal tinha uma conduta específica na quadrilha de black blocs e, por isso, a Justiça expediu um mandado de prisão temporária contra cada um. A situação da dupla se complicou depois da apreensão da bomba. O casal passou a responder na Justiça não somente por formação de quadrilha armada, mas também por porte de explosivo. Mesmo que consigam um habeas corpus contra a prisão temporária por formação de quadrilha, vão precisar de outra ordem judicial para escapar da prisão em flagrante pela posse de explosivos. Laudo técnico assinado pelos inspetores Francisco Sidney Farias Rodrigues e Raphael Ferreti de Souza atesta que a bomba caseira é chamada tenicamente de "bomba tubo" e foi "confeccionada por agente que demonstrou habilidade e conhecimento no manuseio de bombas caseiras desta natureza". A perícia diz ainda que "a detonação deste artefato explosivo tem capacidade de provocar mortes, lesões corporais diversas, bem como danos patrimoniais e ao meio ambiente". Na operação de sábado, 19 adultos foram presos e dois adolescentes detidos. Sete suspeitos ainda estão foragidos. Nas residências dos investigados, a polícia localizou armas de choque, martelos pontiagudos, litros de gasolina, garrafas e escudos. De acordo com a investigação, eram instrumentos para a participação criminosa dos suspeitos em protestos. Na casa de uma das adolescentes, que morava com a irmã, foi encontrado um revólver. O pai da menina se apresentou como dono da arma de fogo e foi autuado por omissão de cautela, crime de menor potencial ofensivo que vai ser julgado no Juizado Especial Criminal. Mas a adolescente vai ficar detida por ato infracional análogo ao porte ilegal de arma de fogo. Incomodado com críticas sobre a prisão dos black blocs, o delegado garante que vai detalhar as provas contra os suspeitos na conclusão do inquérito. Ele prevê que isso será feito em até 10 dias. Após o fim do sigilo judicial na fase de investigação, pretende exibir um organograma com a responsabilidade de cada um dos 28 investigados na "quadrilha". "Existe uma quadrilha armada cometendo atos violentos durante manifestações, com divisão de tarefas. As apreensões só confirmam isso. Foram apreendidos galões de gasolina, garrafas de coquetel molotov, diversos martelos pontiagudos e uma bomba de fabricação caseira. Não era uma bombinha de festa de faculdade. Quem anda com isso? Tinham o nítido propósito de fazer depredação. O viés político que estão querendo colocar é uma atitude de desespero de advogados", afirmou Thiers. A acusação de formação de quadrilha armada foi corroborada pelo promotor Luís Otávio Figueira Lopes, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O crime apontado pela polícia motivou a decretação de prisão, por cinco dias, como permite a legislação em casos do gênero. A decisão foi do juiz Flavio Itabaiana de Oliveira Nicolau, titular da 27ª Vara Criminal da Capital do Rio de Janeiro.

UNIÃO EUROPÉIA SE MOSTRA MUITO PREOCUPADA COM A PRISÃO DAS DAMAS DE BRANCO PELA DITADURA COMUNISTA DE CUBA

A União Européia manifestou nesta segunda-feira sua "profunda preocupação" com a prisão de 89 Damas de Branco e 9 homens no domingo em Havana, durante um protesto na rua. "A União Européia lamenta o incremento, nos últimos meses, das prisões temporárias e pede às autoridades cubanas que autorizem as reuniões pacíficas", destacou seu porta-voz. No domingo, uma centena de opositoras cubanas foram detidas durante uma caminhada para assistir uma missa em Havana, por ocasião do 20º aniversário do naufrágio de um rebocador - interceptado por quatro navios - que deixou 37 mortos em 13 de julho de 1994. Para lembrar a tragédia, uma flotilha formada por exilados cubanos nos Estados Unidos navegou até o limite das águas territoriais diante de Havana para soltar fogos de artifício durante a noite. O grupo, fundado em 2003 por familiares de presos políticos, é o setor mais visível da oposição cubana e o único que tem autorização, desde 2010, para realizar protestos nas ruas. Em fevereiro, a União Européia lançou um processo de normalização de suas relações com Cuba, regido pela chamada "Posição Comum", que condiciona os contatos e intercâmbios à situação dos direitos humanos, civis e políticos na ilha.

UFSC EM ARARANGUÁ TERÁ 60 VAGAS EM MEDICINA A PARTIR DE 2016

Cursar Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) é uma batalha para poucos vencedores, cada uma das 100 vagas é disputada por 104 alunos. A boa notícia é que será aberto mais um curso no campus Araranguá, para 60 estudantes, e há ainda possibilidade de mais 60 vagas em Florianópolis e outras 30 em Curitibanos, que ainda estão sendo analisadas. Apesar do projeto pedagógico ser diferente de Florianópolis, o campus de Araranguá priorizará a saúde pública às especialidades. O estudo será voltado para a família, a conscientização da prevenção, e o atendimento local, afirma o diretor-geral do campus Araranguá, Paulo César Leite Esteves. A iniciativa integra o plano de expansão do programa Mais Médicos, elaborado pelo Ministério da Educação (MEC), e incluiu a UFSC numa tentativa de fortalecer a rede de saúde da região de Araranguá. A ideia é que haja um fortalecimento no Programa de Estratégia Saúde da Família na cidade e nos atendimentos do hospital e do posto clínico. A população do Sul de Santa Catarina comemora. O Hospital Regional é utilizado por cidades catarinenses e também do Norte e do Nordeste do Rio Grande do Sul. Já a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) trata mensalmente mais de 4 mil pessoas.

MEC DESCREDENCIA 28 INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

O Ministério da Educação descredenciou 28 instituições de educação superior.  A decisão foi publicada nesta segunda-feira no Diário Oficial da União. Segundo a pasta, a medida foi tomada porque as instituições estavam inativas no Censo da Educação Superior e tinham os atos autorizativos vencidos. As instituições e suas mantenedoras devem manter as atividades das secretarias para que sejam preservados e entregues os documentos acadêmicos de estudantes que já tiveram vínculos com elas. Elas também terão prazo de dez dias para publicar, em pelo menos dois jornais de grande circulação da região de cada uma, a decisão do descredenciamento pelo MEC, além de indicar telefone e local de atendimento para entrega de documentação e demais orientações. No início do ano, o MEC descredenciou a Universidade Gama Filho e a UniverCidade. Os 10,8 mil estudantes matriculados tiveram que procurar novas faculdades ou participar de processo de transferência assistida. Veja a lista das instituições que foram descredenciadas pelo MEC: 1 - Instituto De Educação Superior São Francisco de Assis de Teófilo Otoni. 2 - Faculdade de Engenharia e Tecnologia do Instituto Mairiporã de Ensino Superior; 3 - Faculdade Católica Dom Aquino de Cuiabá; 4 - Faculdade Espírito Santense de Ensino Tecnológico; 5 - Faculdade de Letras de Nova Andradina – Falena; 6 - Escola Superior de Estatística da Bahia; 7 - Escola Superior de Estudos Empresariais e Informática; 8 - Faculdade Paulista de Ciências Aplicadas; 9 - Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Tatuí; 10 - Faculdade de Tecnologia Consultime; 11 - Faculdade de Ciências Letras e Educação do Noroeste do Paraná; 12 - Faculdade de Milagres Ceará; 13 - Faculdade de Tecnologia Contec - Facontec; 14 - Instituto Brasiliense de Tecnologia e Ciência; 15 - Faculdade Inconfidência; 16 - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de Pernambuco; 17 - Escola Superior de Educação Física de Muzambinho; 18 - Faculdade de Assuntos Acadêmicos e Científicos Monsenhor Edisson Vieira Lício; 19 - Faculdade de Administração de Campina Verde; 20 - Faculdade de Turismo de Nova Andradina - Fatur; 21 - Faculdade de Administração de Santo Antônio do Monte; 22 - Faculdade Metropolitana; 23 - Instituto Superior de Educação Coração de Jesus; 24 - Faculdade de Administração de Nova Andradina; 25 - Instituto Superior de Educação Berlaar – Iberlaar; 26 - Instituto Unificado Europeu do Brasil – Iunebrasil; 27 - Conservatório de Música de Niterói; 28 - Faculdade Católica de Ciências Econômicas da Bahia.