sexta-feira, 18 de julho de 2014

HADDAD, COM 47% DE REPROVAÇÃO, TORNOU-SE UM CARICATURA DE PREFEITO

Haddad, uma caricatura de prefeito, no traço de Boopo, leitor deste blog
Haddad, uma caricatura de prefeito, no traço de Boopo, leitor deste blog
Pois é, pois é… Que coisa, hein, Fernando Haddad? O negócio tá feio. Vejam bem: há dois dias, Lula afirmou que ele deveria entrar de cabeça na campanha do petista Alexandre Padilha ao governo de São Paulo. Padilha já está com 4% dos votos… Atendendo sei lá a que chamado da (i)lógica, o partido teria decidido que a campanha na TV vai tentar recuperar a imagem do prefeito para, então, o prefeito alavancar o candidato. Então tá. Acho que não funciona, mas dou o maior apoio, se é que me entendem.
Está no ar, saibam os leitores que não são da capital paulista, uma campanha publicitária exaltando a suposta competência da Prefeitura na gestão da cidade durante a Copa. Sabem como é: todos eles tentaram pegar uma carona no evento. Leia o noticiário sobre a Vila Madalena. Cada morador de São Paulo certamente temeu uma Sodoma e Gomorra na porta de sua casa… A propaganda pode muito, sim. Quando, no entanto, ela afronta a realidade de maneira tão cabal, aí pode ser contraproducente.
O Datafolha foi a campo para saber o que a população da cidade acha da administração Haddad. O resultado é devastador pra ele: a rejeição à sua administração subiu de 36% para 47% em três semanas. No mesmo período, o índice de ótimo e bom oscilou para baixo: de 17% para 15%. Caiu até os que consideram a sua gestão regular: de 44% para 37%. Vejam quadros publicados pela Folha Online.
Datafolha Haddad julhoDatafolha Haddad 2 julho
Só Jânio Quadros e Celso Pitta, com um ano e meio de gestão, tinham rejeição maior: 66% e 54%, respectivamente. O tucano José Serra, derrotado por Haddad, nesse mesmo período, tinha a reprovação mais baixa desde a gestão Jânio: só 8%. À diferença de Haddad, e como!, era aprovado por 56%.
É uma avaliação justa?
Justíssima! Haddad não governa a cidade para o conjunto da população. Sua administração é um mero balcão de demandas de supostos “movimentos sociais” e de grupos organizados que gritam mais — inclusive aquela “subintelectuália” de esquerda que o leva a adotar medidas destrambelhadas, que prejudicam a vida também dos mais pobres. Desde quando, no entanto, esses esquerdistas de universidade & boteco sabem o que quer o povo? Como diria Monteiro Lobato, da pobreza, não conhecem nem o trinco da porta.
Vamos lá. A Prefeitura de São Paulo tem hoje um troço chamado “Braços Abertos”, um programa que, sob o pretexto de reduzir os danos decorrentes do consumo de crack, na prática, os financia. Um secretário do prefeito admitiu que, na Cracolândia, a droga está legalizada. Vários países do mundo têm programas de assistência a dependentes. Só no Brasil existe algo como esse “Braços Abertos”, que financia o consumo. E tentem me provar que não é assim. É a realidade dos fatos. Diante das críticas, Haddad fez o quê? Está criando mais um núcleo na cidade para abrigar os drogados em hotéis. Vai dobrar a dose do remédio ruim.
O prefeito também decidiu espalhar faixas de ônibus, já escrevi aqui, onde elas são e onde não são necessárias. Sim, quando o ônibus transita com mais velocidade nesses lugares, o usuário aprova. Quando, no entanto, fica mais tempo à espera do ônibus — e fica! — reprova. Ao esmagar os carros particulares — em que pobres também circulam — e criar dificuldades homéricas em certas áreas da cidade, aumenta o caos urbano em vez de resolvê-lo. Basta analisar os dados sobre congestionamentos. Não estão contentes nem os usuários de ônibus nem os de carros particulares. A “má boa-consciência”, no entanto, pode trair o administrador. As pessoas, em sua maioria, se dizem favoráveis às faixas com receio de serem acusadas de defensoras dos ricos…
Haddad passou a flertar abertamente com os movimentos do sem-isso e sem-aquilo, que ajudaram a elegê-lo, sim. Sobretudo, foram muito úteis na demonização de seus então adversários: Celso Russomano e José Serra. O prefeito subiu no palanque do MTST, que hoje manda na distribuição de casas de São Paulo e para a cidade quando lhe dá na telha. Não adianta: isso vai parar na conta do prefeito. E com razão. Ou não foi a sua turma que, na prática, convidou Guilherme Boulos e seus sequazes a cercar a Câmara dos Vereadores. Os que já têm casa, na média, não devem gostar disso. Mas será que os que não têm gostam? Para quem governa Haddad? Para os “mobilizados”?
Ele se tornou uma agência de despachos de micromovimentos. Outra grande ideia será acabar com estacionamentos para aumentar as ciclovias. Por quê? Ora, porque algum subintelectual soprou aos ouvidos do companheiro que esse negócio de carro é um atraso, entendem? Assim, Dilma prorroga isenção de impostos para aumentar a venda de carros — comprados majoritariamente por São Paulo —, e Haddad transforma a vida dos motoristas num inferno.
Vamos mais longe. A Prefeitura, hoje, em vez de coibir os “batidões de periferia”, que destroem a tranquilidade de milhares de moradores pobres, decidiu regulamentá-los, porque, afinal, seus interlocutores são os promotores desses eventos, supostos representantes da “cultura da periferia” — coisa dos coxinhas vermelhos de classe média do complexo Pucusp.
Eis aí o homem que nos prometia o Arco do Futuro.
Supercoxinha
Nunca vi um prefeito eleito e em começo de mandato tão incensado pela imprensa paulistana como Haddad. De certo modo, ele era a cara e a expressão da esmagadora maioria dos jornalistas: esquerdista; oriundo da classe média-alta; absolutamente ignorante sobre o que é a pobreza, vendo a periferia como um lugar de experimentações antropológicas. A gente lia as reportagens, e lá estava o homem prometendo que resolveria isso e aquilo…
Por isso eu o apelidei de “Supercoxinha”. Leitores chegaram a fazer charges, a meu convite, retratando a personagem. Numa entrevista concedida em abril do ano passado à jornalista Joyce Pascowitch, da revista “Poder”, ainda superpoderoso, travou-se o seguinte diálogo:
Joyce – Notório por suas críticas ao PT, o colunista da Veja, Reinaldo Azevedo, tem chamado você de Supercoxinha, como um sujeito bom moço que quer ser super-herói. Que acha disso?Haddad - Ah, você não vai me perguntar dele, vai? [Irritado.] Não frequento o ambiente virtual dele. Ele é uma caricatura de jornalista, né? Mas acho que para a esquerda é funcional a existência dessa figura. Faz muito bem pro nosso projeto! As pessoas veem o quão patética é a alternativa nesse momento. É como o pastor Silas Malafaia. Os ataques dele à minha campanha foram tão ridículos que acabaram me ajudando.
Retomo
Em relação a mim, Haddad deveria ter feito como Santo Agostinho, preferindo a crítica que o corrige ao elogio que o corrompe (no sentido agostiniano, que não é corriqueiro na política). Mas ele fez o contrário. Haddad, um ano e três meses depois dessa entrevista, é uma caricatura de prefeito. Por Reinaldo Azevedo

JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO ACEITA DENÚNCIA E DECRETA PRISÃO PREVENTIVA DE SININHO E MAIS 22 BLACK BLOCS

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou na noite desta sexta-feira denúncia do Ministério Público contra 23 ativistas acusados de formação de quadrilha armada e decretou sua prisão preventiva. Cinco dos réus integram o grupo de black blocs que tiveram a prisão temporária decretada no último sábado, véspera da final da Copa do Mundo, durante a Operação Firewall, e que foram beneficiados por habeas corpus durante esta semana. Segundo o Tribunal de Justiça, os mandados de prisão já foram expedidos. Entre os acusados estão Elisa Quadros, a Sininho, apontada como líder do grupo, que está no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no subúrbio do Rio de Janeiro, e teve a prisão temporária convertida em preventiva, assim como Camila Aparecida Rodrigues Jourdan e Igor Pereira D'Icarahy. Outros dois ativistas que permaneciam detidos, Tiago Teixeira Neves da Rocha e Eduarda Oliveira Castro de Souza, não foram incluídos na denúncia e serão soltos. Segundo a promotoria, não existem provas consistentes contra eles. Em nota divulgada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau atribui a decisão à periculosidade dos acusados, "evidenciada por terem forte atuação na organização e prática de atos de violência nas manifestações populares". “Em liberdade, certamente encontrarão os mesmos estímulos para a prática de atos da mesma natureza. Assim, como a periculosidade dos acusados põe em risco a ordem pública, deve-se proteger, por conseguinte, o meio social”, justifica o magistrado. Entre os 23 acusados estão manifestantes envolvidos em diversos atos de vandalismo no Estado do Rio de Janeiro. Para o promotor Luís Otávio Figueira Lopes, da 26ª Promotoria de Investigação Penal, desde os protestos de junho de 2013 até hoje, os denunciados se associaram com a finalidade de praticar nas manifestações crimes como: posse de artefato explosivo, corrupção de menor, dano básico e qualificado, resistência e lesão corporal (consumada e tentada). De acordo com a denúncia, o grupo recorreu a facas, explosivos, coquetéis molotov, estilingues, rojões alterados para disparar pregos e porretes, entre outras armas. Para o Ministério Público, os atos violentos são incentivados por lideranças e praticados por indivíduos que adotam a tática black bloc. Os dois acusados pela morte do cinegrafista Santiago Andrade, atingido por um rojão no dia 6 de fevereiro deste ano, Fabio Raposo e Caio Silva Rangel, também foram denunciados. Os dois permanecem presos em Bangu pelo crime de homicídio.

TELEFONICA REDUZ FATIA DE PARTICIPAÇÃO ACIONÁRIA NA TELECOM ITÁLIA, DONA DA TIM

A Telefonica se viu obrigada a reduzir sua fatia na concorrente Telecom Italia para facilitar aprovação de seus negócios junto a agências antitruste. No ano passado, a espanhola se tornou a principal acionista da Telecom Italia em um plano que, aos poucos, lhe dará o controle do grupo. O problema é que a Telefonica controla a Vivo, principal operadora brasileira, mas também é a maior acionista da Telecom Italia, dona da TIM, concorrente da Vivo. Como o mercado brasileiro é crucial para a Telefonica, por ser o segundo maior em faturamento do grupo e por seu potencial de expansão, a espanhola quer resolver as questões concorrenciais para agilizar a consolidação de suas operações no Brasil. O regulador de concorrência no Brasil exigiu que a Telefonica se desfizesse ou de sua participação na Telecom Italia ou de seu ativo brasileiro (Vivo). No ano passado, dois membros do conselho da Telefónica renunciaram ao cargo de conselheiros da Telecom Italia em uma tentativa de evitar conflitos de interesse no Brasil. Durante anos a Telefonica fez parte de um grupo de acionistas que juntos tinham uma fatia controladora de 22,4% na Telecom Italia por meio da holding Telco. O grupo, que inclui a seguradora italiana Assicurazioni Generali e os bancos Mediobanca e Intesa Sanpaolo, foi dissolvido recentemente. A Telefonica está reduzindo sua participação na Telecom Italia por meio da emissão e venda de bônus (conversíveis em ações da tele italiana) com valor nominal de 1,01 bilhão de dólares. A venda reduzirá a fatia da empresa na Telecom Italia de 14% para cerca de 7%.

MINISTÉRIO PÚBLICO QUER DEVOLUÇÃO DE DINHEIRO DESVIADO NO MENSALÃO DO PT

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta sexta-feira que o Ministério Público planeja entrar com ações na Justiça para tentar recuperar o dinheiro desviado no Mensalão do PT. Ao longo do julgamento do maior escândalo de corrupção da história do País, os ministros do Supremo Tribunal Federal estimaram que pelo menos 173 milhões de reais tenham passado pelas mãos dos mensaleiros. Já o operador do esquema, Marcos Valério, chegou a projetar que o caixa para subornar políticos chegaria a pelo menos 350 milhões de reais. De acordo com o chefe do Ministério Público, a principal tarefa agora é conseguir contabilizar o montante dos recursos que escoaram pelo esquema. “O Ministério Público está trabalhando, mas temos primeiro que saber o tamanho do estrago”, disse. Em 2007, o Ministério Público Federal tentou, por meio de ações de improbidade administrativa na primeira instância, cobrar dos réus do Mensalão do PT a devolução dos recursos. Na época, foi pedida a devolução de 55 milhões de reais, montante calculado a partir dos valores recebidos pelos partidos políticos que participaram do Mensalão do PT. Além da dificuldade de mensurar o montante de recursos movimentados no escândalo do Mensalão e a quantidade que cada condenado deveria ressarcir aos cofres públicos, os pedidos de recuperação do dinheiro ainda encontram percalços, por exemplo, na própria Lei de Improbidade. O Supremo Tribunal Federal não tem uma posição definitiva sobre a instância indicada para julgar esse tipo de processo contra autoridades com foro, como ministros de Estado, deputados e senadores. De acordo com Janot, o Ministério Público também trabalha para fazer com que os mensaleiros paguem as multas impostas a eles pelo Supremo Tribunal Federal. Embora os petistas José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares tenham realizado campanhas de arrecadação online para quitar os débitos, os condenados do núcleo operacional do esquema, como Marcos Valério e seus ex-sócios Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, não pagaram as multas impostas pela condenação. “Por se tratar de uma pena fixada em processo penal, o autor da execução tem que ser o próprio Ministério Público, que é o titular da ação penal. As dívidas que não foram pagas teremos de executar”, afirmou.

ESCRITOR JOÃO UBALDO RIBEIRO ESTAVA PREPARANDO UM NOVO ROMANCE

O escritor João Ubaldo Ribeiro não se queixava de qualquer problema de saúde desde a última internação hospitalar, em maio deste ano. Por isso, a notícia de sua morte, na madrugada desta sexta-feira, pegou familiares e amigos de surpresa. "O médico havia pedido para que ele parasse de fumar. Ele reduziu bastante, não consumia mais de um maço por dia. E passou a se sentir muito bem", conta Valéria dos Santos, secretaria do escritor há mais de dez anos. No velório que acontece na sede da Academia Brasileira de Letras (ABL), no Centro do Rio de Janeiro, ela revelou que o escritor preparava um novo romance, há pouco mais de um ano. "Ele não chegou a me falar do que se tratava. Disse que queria me proteger, pois as pessoas poderiam ficar em cima de mim, cobrando que eu dissesse alguma coisa", lembra a secretária, que ficou com a missão de recusar a maior parte de convites que ele recebia para eventos em geral. Para o filho Bento Ribeiro, ele chegou a adiantar alguma coisa. "Ele comentou que estava escrevendo sobre as inúmeras histórias de bar que viveu durante toda a vida. Mas queria contar sobre a boemia do Rio de Janeiro usando linguagem da Bahia, que foi onde ele nasceu", explicou o ator, que quase não saiu de perto da mãe, Berenice, no velório. "Meu pai disse que estava no meio do livro. Vai ter de ficar pela metade mesmo", acrescentou. A rotina de Ubaldo andava bastante desgastante, comenta Valeria. Colunista de jornal, ele se preocupava em escrever sempre sobre assuntos atuais. O período da manhã era o seu preferido para o trabalho. A secretária foi a primeira a chegar à casa do chefe, no Leblon, depois de saber que ele havia passado mal, por volta das 3 horas. "Ele estava com a mulher e a filha Francisca. Acordou passando mal. Elas ainda chamaram um médico, mas não havia mais nada a ser feito", conta. De lembrança para Valéria fica a imagem de um "gentleman". A secretária adiantou ainda que a editora Objetiva preparava, para o fim do ano, uma festa em homenagem aos 30 anos de publicação do livro "Viva o Povo Brasileiro".

OBAMA DIZ QUE MÍSSIL QUE DERRUBOU BOEING DA MALAYSIA AIRLINES FOI LANÇADO DE ÁREA CONTROLADA POR SEPARATISTAS UCRANIANOS, ARMADOS PELOS RUSSOS

O presidente Barack Obama afirmou nesta sexta-feira que o avião da Malaysia Airlines que caiu ontem no leste da Ucrânia foi derrubado por um “míssil terra-ar lançado de uma área controlada por separatistas apoiados pela Rússia dentro da Ucrânia”. Um dia depois da tragédia, o presidente americano confirmou a circunstância do desastre, mas adotou tom morno em seu pronunciamento. De forma cautelosa, não culpou diretamente o governo Vladimir Putin pela tragédia, mas apontou para a responsabilidade russa na crise instalada no território ucraniano. “Repetidamente a Rússia se recusou a dar passos concretos para acalmar a situação. Queremos que a Rússia siga por um caminho que resulte em paz na Ucrânia, mas até agora ela se recusou a seguir por esse caminho”, afirmou. “A Rússia continuou a apoiar separatistas violentos. E também se recusou a respeitar um cessar-fogo. Agora é o momento apropriado para que todos nós recuemos e avaliemos o que aconteceu. A Rússia, os separatistas, a Ucrânia, todos têm a capacidade para colocar um fim no conflito”, acrescentou, fazendo uma cobrança também ao seu aliado, para depois lembrar que os Estados Unidos "vão continuar a apoiar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia”. O democrata evitou o tempo todo assumir um discurso mais assertivo, alternando a cobrança a Moscou com frases como "eu não quero me antecipar aos fatos" ou "ainda não sabemos exatamente o que aconteceu". Questionado se a tragédia mudaria sua estratégia sobre a crise ucraniana, Obama recuou: “Eu acho que é muito cedo para dizer quais são as intenções de quem poderia ter lançado o míssil terra-ar. As investigações serão feitas e vamos ter mais informações nas próximas 72 horas, na próxima semana, no próximo mês”. Ainda sobre o apoio russo aos separatistas, disse que os rebeldes “estão fortemente armados e bem treinados”. “E isso não é um acidente, isso é porque eles têm apoio”, completou. “Não é possível para esses separatistas agirem como eles têm agido. Não é possível para um grupo de separatistas reivindicar a derrubada de um caça ucraniano sem apoio. Há apenas alguns tipos de mísseis antiaéreos que podem atingir 10.000 metros”.

AGORA JOSÉ ROBERTO ARRUDA PEDE IMPUGNAÇÃO DA CANDIDATURA DO PETISTA AGNELO QUEIROZ NA GUERRA ELEITORAL DO DISTRITO FEDERAL

Quase duas semanas após o início oficial da campanha, a corrida pelo governo do Distrito Federal ganha contornos de guerra jurídica. Alvo de duas ações de impugnação de candidatura, o candidato do PR, José Roberto Arruda, decidiu nesta sexta-feira apresentar uma ação contra seu principal adversário, o petista Agnelo Queiroz, que busca a reeleição. Na véspera, Agnelo Queiroz alfinetou Arruda ao afirmar que “ficha suja não pode participar de eleição”. Na ação apresentada à Justiça, o PR alega que o governador do Distrito Federal não apresentou as certidões negativas do Superior Tribunal de Justiça, conforme determina o Tribunal Superior Eleitoral para candidatos com foro privilegiado. “Com efeito, possuindo o candidato foro especial, a ausência da juntada de certidão do respectivo tribunal é causa de indeferimento do pedido de registro”, diz o documento assinado por Raquel Costa Ribeiro, candidata a deputada federal pelo PR. Para embasar o pedido de impugnação, a candidata afirmou que Agnelo Queiroz responde a pelo menos quatro ações civis públicas por improbidade administrativa, todas abertas enquanto o petista já ocupava o governo do Distrito Federal. “Não parece cabível, adequado e proporcional autorizar a continuidade da candidatura em tela, razão pela qual o indeferimento de seu registro é medida que se impõe”, afirma a ação.

PESQUISADORES SOBRE AIDS ESTÃO ENTRE AS VÍTIMAS DO MH-17

Estima-se que cerca de 100 das 298 pessoas a bordo do avião da Malaysia Airlines, abatido na Ucrânia nesta quinta-feira quando ia de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia, eram ativistas e importantes pesquisadores sobre a aids. Os especialistas viajavam à Austrália para participar de uma conferência mundial sobre o tema. Ainda não há confirmação oficial sobre quantos pesquisadores estavam no vôo MH-17. O número de 100 foi estimado pelo governo australiano, e informações sobre possíveis vítimas foram passadas por colegas dos especialistas e organizadores da conferência. Acredita-se que, entre as vítimas, estão o pesquisador holandês Josep Lange, ex-presidente da Sociedade Internacional de Aids, entidade que organiza o encontro, e o britânico Glenn Thomas, porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS) e ex-jornalista da BBC. "Temos a informação de que muitos de nossos colegas e amigos estavam no avião", disse Françoise Barre-Sinousi, virologista francesa e vencedora do Nobel de Medicina de 2008 por sua contribuição na descoberta do vírus HIV. Ela é presidente da conferência da Austrália. "Se isso for confirmado, será uma perda terrível para todos nós." "Essas pessoas eram as melhores e mais brilhantes, aquelas que dedicaram toda a sua carreira para lutar contra esse terrível vírus. É devastador", disse ao jornal The Guardian o pesquisador Clive Aspin.

ROMÁRIO CRITICA A CONTRATAÇÃO DE GILMAR RINALDI E DIZ QUE ELE É INCOMPETENTE E SEM PERSONALIDADE

Crítico recorrente da CBF, Romário voltou a atacar a entidade, desta vez pela escolha do ex-goleiro Gilmar Rinaldi como coordenador geral de todas as seleções do Brasil. "É inadmissível Gilmar Rinaldi ser escolhido para assumir o cargo. O cara é empresário de vários jogadores. Tive o desprazer de trabalhar com ele no Flamengo, é incompetente e sem personalidade", escreveu o ex-atacante e atual deputado federal (PSB-RJ), em sua conta no Twitter, na quinta-feira. O ex-jogador afirmou que Gilmar fará da CBF "um banco de negócios para defender seus interesses". Romário e Gilmar Rinaldi foram companheiros na seleção brasileira e conquistaram o tetracampeonato mundial na Copa dos Estados Unidos, em 1994. Na ocasião, Rinaldi era reserva de Taffarel. Depois, se reencontraram no Flamengo, quando Rinaldi trabalhava como diretor, no fim da década de 1990. Durante sua apresentação, Gilmar afirmou que não atua mais como agente de jogadores. Ele admitiu ter mandado na véspera um recado para os atletas com quem trabalhava para informar sobre a sua decisão: "Primeiro, quero deixar claro que minha atividade, que exerci por 14 anos, já não exerço mais, de agente Fifa. Comuniquei aos meus clientes e eles não entenderam nada. Minha atividade agora será somente com a seleção brasileira".

ZITO SOFRE AVC E ESTÁ INTERNADO EM UTI EM SANTOS

O ex-volante e capitão do Santos, José Ely de Miranda, o Zito, sofreu um acidente vascular cerebral hemorrágico quinta-feira e está internado na UTI da Santa Casa de Santos. O ex-jogador de 81 anos está sedado e sem previsão de alta. Natural da cidade paulista de Roseira, Zito iniciou a carreira no Taubaté e se transferiu para ao Santos em 1952. No time da Vila Belmiro, disputou 720 jogos, marcou 57 gols e conquistou mais de 20 títulos, entre eles dois Mundiais Interclubes e duas Libertadores. Zito também foi um dos destaques da seleção brasileira nas conquistas das Copa do Mundo de 1958, na Suécia, e de 1962, no Chile. Na gloriosa equipe do Santos da década de 1960, Zito era chamado de Gerente, pois era o único com autoridade para dar bronca em qualquer companheiro, inclusive em Pelé. Depois de encerrar a carreira, em 1967, Zito continuou ligado ao Santos e, durante os 10 anos da administração de Marcelo Teixeira, descobriu Robinho, Neymar e Gabriel, entre outros talentos que levou para a base do clube.

CHINA EMPRÉSTIMO DE US$ 7,5 BILHÕES PARA A ARGENTINA

A Argentina assinou nesta sexta-feira acordos para tomar o empréstimo de 7,5 bilhões de dólares da China, afirmou o chefe do gabinete argentino, Jorge Capitanich, em um momento em que o país latino-americano não consegue acesso a crédito nos mercados globais devido às disputas para pagar sua dívida. "Sobre o montante total, é de cerca de 7,5 bilhões de dólares, incluindo acordos de cooperação para financiar projetos de infraestrutura e esse acordo de comércio bilateral", disse Capitanich. Entre os dezenove contratos assinados, a presidente argentina, a peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner, e o presidente chinês, Xi Jinping, fecharão um acordo para o empréstimo de 4,7 bilhões de dólares do Banco de Desenvolvimento da China para a construção de duas hidrelétricas na Patagônia. O banco chinês também deve conceder 2,1 bilhões de dólares para ajudar a financiar um projeto de ferrovias, que tornaria mais eficiente o transporte de grãos das planícies agrícolas para os portos da Argentina. A Argentina é o terceiro maior exportador do mundo de soja e milho, enquanto a China é a principal consumidora da soja produzida no pais latino-americano. Xi Jinping ainda assinou acordo para a operação de troca de 11 bilhões de dólares entre os bancos centrais de ambos os países durante três anos, o que permitirá que a Argentina pague as importações chinesas em iuan. "Isso permitirá que o fluxo de reservas se estabilize", afirmou Capitanich.

ARGENTINA AFIRMA QUE PAGARÁ DÍVIDAS E VOLTA A ACUSAR FUNDOS ABUTRES, O ESPORTE PREFERIDO DA PERONISTA POPULISTA E MUITO INCOMPETENTE CRISTINA KIRCHNER

A Argentina afirmou na quinta-feira que pagará suas dívidas e que deseja manter o diálogo com seus credores “de forma justa, equitativa e nos termos legais”. A Argentina também acusou os chamados fundos abutres, que não aceitaram a reestruturação da dívida, de extorsão e de fazerem ameaças e calúnias contra o país. Esse é o esporte preferido do governo da peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner. “Calote significa não pagar e a Argentina paga. É hora de parar com mentiras e especulação”, informou a Argentina, em anúncio de página inteira publicado no jornal norte-americano The New York Times na quinta-feira. Fundo abutre é um jargão do mercado financeiro usado para classificar fundos de hedge que investem em papéis de países que deram calote — atuam, em especial, na América Latina e na África. Sua atuação é perfeitamente legítima. O termo abutre foi criado para diferenciá-los dos fundos convencionais, justamente por trabalharem como agiotas de países caloteiros, emprestando dinheiro em troca de títulos podres. São considerados pelo mercado uma espécie de investidor de segunda linha. Sua atuação consiste em comprar títulos da dívida de nações em default por valor irrisório para depois acionar o país na justiça e tentar receber ganhos integrais. Os abutres compraram os papéis da dívida argentina por 48,7 milhões de dólares em 2001 e querem receber, hoje, cerca de 1 bilhão de dólares. A Argentina, por sua vez, tenta escapar do pagamento. O país teme que, caso aceite pagar os abutres integralmente, os 92% de credores que aceitaram a renegociação da dívida em 2005 e 2010 possam buscar na Justiça o direito de receber ganhos integrais. Neste caso, o pagamento poderia reduzir as reservas internacionais do país a praticamente zero. Outro agravante é que, devido ao histórico de calotes e decisões econômicas escandalosas do país, sua credibilidade para negociar com credores está fortemente abalada. Segundo o anúncio, assinado pela presidente peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner, os fundos abutres se recusaram a negociar os títulos da dívida e, por isso, não participaram da reestruturação entre 2005 e 2010, que teve adesão de 93% dos credores. O texto diz que os fundos abutres querem um lucro de 1.600%, o que poderia elevar a  atual dívida de 1,5 bilhão de dólares para 120 bilhões de dólares. As declarações são uma resposta a outro anuncio da American Task Force Argentina (ATFA), grupo formado pelos credores que não aderiram à reestruturação da dívida, publicado na quarta-feira pela imprensa argentina. O ATFA afirma que o governo argentino se recusou a negociar a dívida, e que um novo calote teria consequências desastrosas para as empresas do país. No final de junho, a Argentina depositou mais de 1 bilhão de dólares para pagar os juros de títulos de sua dívida aos credores que aceitaram a reestruturação da dívida, excluindo os holdouts. O pagamento, entretanto, foi classificado ilegal e desconsiderado pelo juiz norte-americano Thomas Griesa. Do valor total, 832 milhões de dólares foram enviados aos Estados Unidos, sendo que os 539 milhões de dólares depositados no Bank of New York Mellon também foram bloqueados pela Justiça. Griesa convocou uma nova audiência para debater o assunto, a pedido dos bancos Bank of New York Mellon e JPMorgan. A reunião será realizada na próxima terça-feira, em Nova York. Caso não haja alterações na decisão do juiz, a Argentina terá até 30 de julho para honrar os compromissos de sua dívida e evitar o segundo calote em treze anos.

OBAMA CONFIRMA MORTE DE AMERICANO NO VÔO MH 17, DA MALAYSIA AIRLINES, DERRUBADO POR MÍSSIL RUSSO LANÇADO POR SEPARATISTAS UCRANIANOS

Um cidadão americano está entre as vítimas da queda do avião da Malaysia Airlines que foi abatido por um míssil russo na quinta-feira, no leste da Ucrânia, lançado por separatistas ucranianos armados pelos russos. O presidente dos Estados Unidos, o muçulmano Barack Hussein Obama, confirmou a morte e identificou o passageiro como Quinn Lucas Shanzmen. No total, 298 pessoas estavam a bordo, entre passageiros e tripulantes. “Vidas de inocentes foram tiradas. Homens, mulheres, crianças que não tinham nada a ver com a crise na Ucrânia. Suas mortes são um ultraje de proporções indescritíveis”, lamentou Obama, que falou com jornalistas na Casa Branca sobre a tragédia. As  nacionalidade das vítimas são as seguintes: Holanda, 189; Malásia, 44; Austrália, 27; Indonésia, 12; Grã-Bretanha, 10; Bélgica, 4; Alemanha, 4; Filipinas, 3;  Canadá, 1; Nova Zelândia, 1; não identificados, 3. Apenas três pessoas que estavam no vôo MH-17 ainda não tiveram a nacionalidade confirmada. O avião viajava de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia. Estima-se que cerca de cem das 298 pessoas a bordo do avião eram ativistas e importantes pesquisadores que estudam o vírus da aids. Os especialistas participariam de uma conferência mundial sobre o tema em Melbourne, na Austrália.

"PREOCUPADO", O ALCAGUETE LULA ASSUME O COMANDO DE EVENTO DE PADILHA

Com 4% na última pesquisa Datafolha, o candidato do PT ao Governo de São Paulo, Alexandre Padilha, entregou ao alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr) o comando do seu ato de campanha nesta sexta-feira. O roteiro foi o de praxe sempre que o X9 Lula assume o microfone: ataques a adversários do PSDB, ao seu antecessor no cargo, Fernando Henrique Cardoso (ainda que isso tenha ocorrido há doze anos e Lula sequer seja mais presidente) e pedido de votos para Dilma Rousseff na tentativa de reeleição ao Palácio do Planalto. "Podem estar certos que irei me dedicar 24 horas por dia para tirar o Estado de Sao Paulo da mão dos tucanos", disse LulaX9. Dirigindo-se ao seu candidato no discurso, LulaX9 afirmou: "Eu vinha preocupado porque ontem à noite, Padilha, vi uma pesquisa. Nós que fazemos política muitas vezes falamos que não acreditamos em pesquisa quando estamos por baixo, mas cremos nela quando estamos por cima. Depois que se adquire a experiência que adquiri perdendo três eleições, em momentos muito difíceis, acho que a pesquisa serve apenas como referência do que a gente precisa fazer a partir do momento em que recebe a informação", afirmou. E prosseguiu: "Quem elege governador nesse Estado e quem elege presidente da Republica nesse País é o povo trabalhador e o setor médio da sociedade paulista. É para essa gente que você tem de construir um discurso e assumir compromisso". Padilha avaliou que "a pesquisa mostra o retrato do início de uma campanha". "A pesquisa que vale é a de outubro", afirmou. LulaX9 fez questão de comparar seu terceiro "poste" ao segundo, o prefeito Fernando Haddad (PT). O ex-presidente lembrou que, em 2012, Haddad também deu início à corrida eleitoral com apenas 3% nas pesquisas de intenção de voto. "Vai ser eleito quem conseguir fazer a melhor proposta de convencimento da sociedade paulista", afirmou. Coordenador da campanha, o presidente estadual do PT, Emídio de Souza, disse que o partido já havia captado em pesquisas internas que era preciso "ir atrás do público" petista. Padilha fará uma série de visitas a cidades administradas pelo PT na Grande São Paulo e no Interior do Estado. "Vamos buscar o nosso eleitor que não está conosco hoje. Provavelmente tem muito simpatizante nosso que esteja lá com o Alckmin", afirmou Souza. "O Alckmin começou no teto e não tem mais para onde crescer. O Skaf começou despregando do teto. O Padilha tem toda uma avenida para crescer", avaliou. Novato em disputas eleitorais, Padilha seguiu o script do tradicional corpo a corpo com eleitores: pegou crianças no colo, posou para fotos abraçado com militantes, beijou cabos eleitorais e vestiu chapéu de vaqueiro nordestino. Ao longo da tumultuada caminhada por ruas estreitas entre as praças do Patriarca e da Sé, cantou agarrado a uma faixa de campanha. A caminhada e o comício também serviram para a equipe do marqueteiro João Santana gravar imagens de Padilha. Aliás, foi feita só para isso. Aprovado por apenas 17% dos paulistanos, o prefeito Fernando Haddad (PT) levou outra bronca em público de LulaX9. Haddad discursou rapidamente sobre Padilha e ouviu de LulaX9 que ele deveria fazer propaganda de sua gestão. Para emplacar Padilha, LulaX9 tenta promover a gestão de Haddad. Ele fez questão de citar bandeiras do petista na prefeitura e pediu ajuda a Central Única dos Trabalhadores (CUT) em uma campanha para promover o bilhete único mensal.

CRISTÃOS SÃO OBRIGADOS A FUGIR DE MOSUL PARA NÃO SEREM ASSASSINADOS PELOS TERRORISTA ISLÂMICOS

Grupos de cristãos fugiram nesta sexta-feira de Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, após o fim do prazo concedido pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) para que deixassem a localidade, tomada pelos jihadistas em 10 de junho. O pároco de uma igreja da cidade vizinha de Al Hamdaniya, Bashar al Kadia, disse que mais de 110 famílias se refugiaram no povoado e pelo menos outras vinte foram para a localidade de Bashiga. O EIIL tinha dado três dias para que todos os cristãos locais deixassem a cidade. Uma das pessoas que fugiram, Ran Yacob, disse que os extremistas roubaram jóias, dinheiro, móveis e objetos pessoais quando as famílias passaram pelos postos de controle que jihadistas instalaram na saída de Mosul. O califado é um Estado islâmico governado por um único líder político e religioso, o Califa. Califas são considerados por seus seguidores como sucessores de Maomé e soberanos sobre todos os muçulmanos. O primeiro califado surgiu depois da morte do profeta Maomé, no ano de 632. Nos séculos que se seguiram, foram criados outros califados no Oriente Médio e no Norte da África. O último califado foi abolido em 1924 pelo líder turco Kemal Ataturk, criador do Estado moderno turco, depois do colapso do Império Otomano. Após assumir o controle da cidade de Mosul, o EIIL impôs uma interpretação radical da lei islâmica, a sharia, proibiu o álcool e o tabaco e obrigou as mulheres a usarem véus que escondem o corpo e o rosto. Em 27 de junho, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) informou que 10.000 pessoas tinham deixado a cidade de Qaraqosh, de maioria cristã, no norte do Iraque, em direção à região autônoma do Curdistão. Ao lado de outros grupos insurgentes sunitas, o EIIL avançou por diversas zonas do Iraque, enfrentando as forças leais ao governo do xiita Nouri al Maliki. No final do mês passado, o grupo extremista proclamou a instauração de um califado nas zonas sob seu domínio, entre as províncias síria de Aleppo e a iraquiana de Diyala. Os conflitos recentes no Iraque já deixaram 5.576 mortos neste ano, segundo relatório das Nações Unidas (ONU) divulgado nesta sexta-feira. O documento trata do problema humanitário desencadeado pela ofensiva dos militantes sunitas no país. O número de feridos desde o início do ano até o final de junho é de 11.665. Aqueles que tiveram de fugir de suas casas por causa dos conflitos totalizam 1,2 milhão de pessoas. Os dados mostram um aumento do conflito em relação a 2013. Ano passado, que já foi um dos mais violentos do Iraque, 7.800 civis morreram. O conflito "infligiu grande dificuldades e sofrimento à população civil, incluindo assassinatos em massa, ferimentos, destruição de vidas e de propriedades", afirmou o relatório. O documento traz indicações de que os abusos foram cometidos por ambas as forças envolvidas no conflito. Os militantes jihadistas são acusados de violência sexual e sequestros, enquanto o governo do Iraque fez execuções sumárias, de acordo com a ONU.

SEPARATISTAS UCRANIANOS DIFICULTAM ACESSO DE PERITOS AO LOCAL DA QUEDA DO BOEING DA MALAYSIA AIRLINES QUE ELES DERRUBARAM COM UM MÍSSIL RUSSO

O primeiro grupo de investigadores internacionais a tentar chegar ao local da queda do avião da Malaysia Airlines encontrou resistência de separatistas que controlam a área no leste da Ucrânia. A Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) enviou uma delegação de 30 monitores para levantar informações sobre o caso. No entanto, apenas 17 investigadores puderam avançar, e mesmo assim, eles não tiveram acesso total à área, embora os rebeldes tivessem dito que deixariam as equipes estrangeiras trabalharem no local. O embaixador suíço para a OSCE, Thomas Greminger, disse a jornalistas em Viena, na Áustria, que os observadores só passaram 75 minutos no local antes de voltarem para a cidade de Donetsk. Ele acrescentou que os observadores foram seguidamente bloqueados e seguidos por milícias armadas. "Os observadores não tiveram o acesso que era esperado. Eles não tiveram liberdade de movimento para fazer seu trabalho. O local da queda não está isolado", disse Greminger: "Nessas circunstâncias, eles não foram capazes de isolar um corredor que permitiria a entrada daqueles interessados em investigar". A organização afirmou que um tiro de advertência chegou a ser disparado pelos rebeldes. A delegação deverá fazer uma nova tentativa de chegar ao ponto exato da queda neste sábado. “Amanhã será um dia crítico. Há muitos especialistas da Holanda e da Malásia chegando em Kiev, bem como familiares. Os corpos estão começando a se decompor. Uma equipe de especialistas é claramente necessária. Há muito a ser feito em um curto período de tempo”, argumentou o porta-voz da organização, Michael Bociurkiw. O acesso livre ao local foi exigido pelos governos dos Estados Unidos e da Alemanha, entre outros, que cobram uma investigação rápida das circunstâncias do acidente. O temor é que a cena seja alterada para dificultar as investigações. Nesta sexta-feira, o muçulmano Barack Hussein Obama afirmou que a aeronave foi abatida por um míssil disparado a partir da região controlada por separatistas, e ressaltou o apoio da Rússia aos rebeldes. O Boeing 777 levava 298 pessoas a bordo. Em junho, grupos pró-Moscou que tomaram o controle de várias localidades do leste ucraniano sequestraram membros da OSCE que realizavam missões de observação na região. Alguns chegaram a permanecer um mês em cativeiro. O National Transportation Safety Board (NTSB), órgão que recomenda as normas de segurança aérea nos Estados Unidos, normalmente envia um time de especialistas a uma cena de queda em qualquer lugar do mundo horas depois de um grande desastre com uma aeronave de fabricação americana. Horas depois de o vôo MH370 da Malaysia Airlines desaparecer dos radares em março, quando ia de Kuala Lumpur a Pequim, uma equipe foi enviada à Ásia. O órgão tomou as primeiras medidas para uma ação semelhante em relação ao vôo MH-17, mas não houve nenhum anúncio de que a equipe foi, de fato, deslocada para a Ucrânia, informou o Wall Street Journal, que consultou uma fonte ligada à preparação.

MINISTRA ISRAELENSE AFIRMA QUE ACABAR COM O HAMAS É UMA OPÇÃO

A ministra de Justiça de Israel, Tzipi Livni, disse em entrevista a uma TV local que não descarta a derrubada do Hamas como uma possível consequência da operação militar terrestre do Exército israelense. Questionada se havia a possibilidade de destituir o Hamas do comando de Gaza, ela respondeu que essa opção “não foi tirada da mesa” e que Israel faria tudo para restaurar a segurança de sua população. Tzipi foi a única ministra do gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que não apoiou imediatamente a operação terrestre, mas mudou de idéia após o Hamas rejeitar a proposta de cessar-fogo. “"Eu apóio totalmente esta operação", disse ela ao Canal 2, segundo o jornal The Times of Israel. Também nesta sexta-feira, Netanyahu disse que havia instruído os militares "para estarem prontos para a possibilidade de uma expansão significativa da operação terrestre". O primeiro-ministro de Israel ressaltou que ordenou a incursão após dez dias de bombardeios aéreos porque todos os outros meios para interromper o lançamento de foguetes a partir de Gaza tinham falhado. Segundo informou um comunicado do Exército israelense, desde que iniciou a operação terrestre, já foram destruídos 13 túneis utilizados pela milícia palestina para contrabandear armamentos. Um oficial militar ouvido pelo The Wall Street Journal disse que Israel não esperava uma batalha fácil com o Hamas. "Em cinco anos, o Hamas aprendeu as lições em conflitos conosco", disse o oficial. "Nós não estamos falando de um grupo terrorista desorganizado. Estamos falando de tropas treinadas, bem armadas e com capacidade de combate. A sensação é de que estamos diante de um Hamas que é mais avançado”, completou. Cerca de 280 palestinos morreram e mais de 2.000 ficaram feridos desde o início da ofensiva de Israel. Nesta sexta-feira, cinco palestinos morreram na Faixa de Gaza atingidos por disparos de tanques israelenses em incidentes separados, incluindo quatro crianças com idades entre dois e treze anos, de acordo com os serviços de socorro. Do lado israelense, um soldado e um civil morreram. O Hamas costuma ameaçar as pessoas que tentam fugir dos locais dos bombardeios justamente para tentar fazer com que as imagens de vítimas civis choquem o mundo. Em pelo menos uma dessas oportunidades, a Força Aérea israelense suspendeu um ataque depois que dezenas de civis subiram em um prédio que seria bombardeado. Os civis estavam sendo usados como escudos-humanos para proteger instalações do Hamas. De acordo com as Nações Unidas, o número de deslocados quase dobrou nas últimas 24 horas, chegando a 40.000 pessoas. A Faixa de Gaza é uma área de 362 quilômetros quadrados (menor que a Zona Sul de São Paulo ou do Rio de Janeiro) onde vivem 1,8 milhão de pessoas em meio à miséria, submetidas ao terror do Hamas.

PT DÁ PRAZO PARA SEU DEPUTADO QUE SE REUNIU COM O PCC SE DEFENDER

Flagrado em reunião com 18 integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), o deputado estadual paulista Luiz Moura (PT) terá dez dias para se explicar à Comissão Executiva do partido em São Paulo. Moura é alvo de um processo disciplinar interno desde junho, quando o PT decidiu afastá-lo por 60 dias - uma estratégia para blindar a campanha do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha ao governo do Estado de São Paulo. O petista Luiz Moura conseguiu derrubar a suspensão na Justiça comum e, à revelia do partido, pediu o registro de sua candidatura na Justiça Eleitoral. A desembargadora Diva Malerbi, do Tribunal Regional Eleitoral, decidirá sobre a validade da candidatura do petista Luiz Moura à reeleição na Assembleia Legislativa. Na Casa, a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar postergou para o segundo semestre a abertura de processo disciplinar contra o petista. Em nota, o presidente do PT paulista, Emidio de Souza, informou que Luiz Moura foi notificado nesta sexta-feira para que apresente sua defesa. Após o prazo de dez dias, a Comissão Executiva do PT emitirá um parecer sobre o caso. Parte da cúpula petista defende a expulsão do parlamentar - um dos possíveis desfechos do processo disciplinar. Ele, porém, já está articulando sua campanha.

BRASIL FICA EM 15º EM RANKING DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

O Brasil aparece em 15º lugar entre os 16 maiores países do mundo em um ranking sobre eficiência energética, ganhando apenas do México. Segundo um novo estudo publicado pelo Conselho Americano por uma Economia com mais Eficiência Energética (ACEEE), o país mais eficiente do mundo nesse quesito é a Alemanha, seguida pela Itália e com o agregado da União Européia em terceiro lugar. Entre os países do grupo Bric, a China aparece em 4º lugar, a Índia fica com a 11ª posição e a Rússia no fim da lista (14º). O ACEEE elaborou o ranking dividindo a avaliação em quatro áreas, cada uma com uma pontuação máxima de 25 pontos. No total, o Brasil obteve 30 pontos, dos 100 possíveis. O pior desempenho do País foi no tópico da Indústria, no qual recebeu apenas 2 pontos. No item Esforços Nacionais foram obtidos 4 pontos, com mais 10 pontos em Construções. A área em que os brasileiros se saíram melhor foi Transportes, com 14 pontos e a quinta posição no ranking global. Ajudou o fato de os brasileiros usarem bastante o transporte público, respondendo por 37% da distância percorrida. “A política energética no Brasil enfatiza basicamente a produção de energia renovável, deixando uma grande quantidade de eficiência energética intocada”, diz o relatório. No lado positivo, o Brasil se destaca pela taxa de investimentos em ferrovias, que é a maior entre todos os países analisados. Para cada US$ 1,00 investido em rodovias no País, US$ 1,28 é investido em ferrovias. A política nacional sobre uso e conservação de água também foi elogiada. O estudo aponta, porém, que apesar de o governo ter estabelecido um plano nacional sobre mudanças climáticas, não existe uma política nacional sobre economia de energia. Entre os pontos nos quais o Brasil tem bastante a melhorar, o ACEEE lembra que não existem padrões obrigatórios para instalações elétricas em prédios e residências e que as exigências sobre eficiência energética só se aplicam a poucos equipamentos eletroeletrônicos. O relatório também diz que o País se beneficiaria de acordos voluntários entre os setores público e privado para melhorar a eficiência energética na indústria, que incluiriam a criação de cargos específicos para cuidar dessa questão ou o estabelecimento de auditorias periódicas. Grande rival do Brasil na preferência dos investidores entre os países da América Latina, o México tem a pior eficiência energética entre as economias analisadas pelo ACEEE. Os problemas se concentram principalmente na indústria, mas o estudo também ressalta a necessidade de mais recursos para pesquisa e desenvolvimento e um maior investimento em ferrovias. A Rússia, por sua vez, aparece junto com Brasil e México no fim da tabela. A intensidade energética nas residências russas é uma das maiores do mundo, com políticas muito fracas para estimular a economia de energia. Além disso, as termoelétricas do país também estão entre as menos eficientes. Já Índia e China estão melhor colocadas no ranking. Em ambos os casos, o forte uso do transporte público é um ponto positivo, enquanto os chineses também se destacam pelos estímulos aos veículos híbridos e elétricos, embora a eficiência energética nas indústrias do país ainda seja muito baixa.

CORTE DE MILÃO ABSOLVE SILVIO BERLUSCONI EM CASO RUBY; "ESTOU COMOVIDO"’, DIZ O EX-PREMIER ITALIANO

Os juízes da Corte de Apelação de Milão absolveram nesta sexta-feira (18) o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi no processo que ficou conhecido como “caso Ruby”, no qual era acusado de prostituição de menores e abuso de poder. Ele tinha sido condenado em primeira instância a sete anos de prisão. De acordo com os juízes, Berlusconi foi absolvido da acusação de abuso de poder “porque o fato não existe”, e da de prostituição de menores “porque o fato não constitui um crime”. O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi disse estar “comovido” com a decisão da absolvição. “Sou grato aos meus colaboradores e, principalmente, aos milhões de italianos que continuaram a acreditar nas nossas batalhas políticas e se mantiveram próximos, apesar das tentativas de sujar meu nome e minha honra”, destacou. O advogado Franco Coppi, que defende Berlusconi, afirmou à imprensa que esta é uma sentença que “vai além das previsões mais otimistas”. Berlusconi foi condenado em junho de 2013, em primeira instância, a sete anos de prisão por abuso de poder e prostituição de menores. No entanto, o ex-premier recorreu da decisão na Corte Apelação de Milão. Ele tinha sido condenado por ter pago para manter relações sexuais com a jovem marroquina Karima el-Mahroug, conhecida como Ruby, quando ela ainda era menor de idade. Os encontros teriam ocorrido em 2010. O ex-primeiro-ministro, que tem 77 anos de idade, sempre negou as acusações e costuma afirmar que promovia apenas festas e jantares em sua residência, e que o dinheiro dado à jovem era para “ajudá-la”. No recurso, a defesa de Berlusconi esperava conseguir ao menos uma redução da pena de sete anos, pois o ex-premier atualmente faz trabalhos comunitários em uma clínica para pacientes com Mal de Alzheimer, em Milão, como pagamento de uma pena de 1 ano e meio por fraude fiscal no processo “Mediaset”.

JOSÉ ROBERTO ARRUDA CONSEGUE LIMINAR CONTRA O MINISTÉRIO PÚBLICO EM BRASÍLIA

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal acolheu uma representação apresentada pelo Diretório Regional do Partido da República e concedeu uma medida liminar contra o Ministério Público Eleitoral do Distrito Federal – que divulgou nota afirmando ter impugnado a candidatura de José Roberto Arruda ao governo de Brasília. A ação do PR cita os procuradores Elton Ghersel e Fabiana Derziê, que teriam feito “propaganda irregular” contra José Roberto Arruda no intuito de “incutir no imaginário do eleitorado a inviabilidade jurídica da candidatura”. O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal declarou que, ao lançar nota pública dizendo que o candidato José Roberto Arruda teria a diplomação impugnada caso vença a corrida eleitoral, a Procuradoria Eleitoral fez propaganda irregular prevista no Código Eleitoral. Assim, o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal determinou que o Ministério Público Eleitoral retire de seu site oficial a nota emitida a respeito do assunto. “De fato observa-se que as mensagens do Ministério Público Eleitoral configuram propaganda negativa”, afirma a  juíza Eliene Ferreira Bastos. “Os conteúdos impugnados dizem respeito a pleito de competência desse Tribunal Eleitoral e por isso concedo a medida liminar pleiteada para determinar a retirada imediata das mensagens constantes da página virtual do Ministério Público Federal”, conclui.

41,6% DOS ELEITORES ESTÃO CONCENTRADOS EM SÃO PAULO, MINAS GERAIS E RIO DE JANEIRO

Levantamento do Tribunal Superior Eleitoral aponta que 41,6% do eleitorado brasileiro estão concentrados em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Juntos, estes Estados têm ao todo 59.388.252 pessoas aptas a votar nas eleições deste ano. São Paulo lidera com 31.998.429 eleitores (22,4%) e é seguido por Minas Gerais com 15.248.680 (10,6%) e Rio de Janeiro com 12.141.143 (8,5%). Os dados são de junho de 2014 e podem ser atualizados no final do mês. Dando continuidade a lista estão os Estados da Bahia, com 10.185.417 (7,1%) eleitores e o Rio Grande do Sul, com 8.392.033 (5,8%) eleitores. O menor colégio eleitoral é o Estado de Roraima, que representa apenas 0,21% do eleitorado brasileiro, com 299.558 pessoas cadastradas na Justiça Eleitoral. Este número é menor que o de registro de eleitores que votam no Exterior, que é 354.184 e corresponde a 0,24% do total.

JUSTIÇA ITALIANA VAI JULGAR O PEDIDO DE EXTRADIÇÃO DO BANDIDO PETISTA MENSALEIRO FORAGIDO HENRIQUE PIZZOLATO EM OUTUBRO

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta sexta-feira (18), que a Justiça italiana voltará a discutir no próximo dia 28 de outubro o pedido de extradição do bandido petista mensaleiro e foragido Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, condenado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Mensalão do PT. A pena imposta ao ex-dirigente foi de 12 anos e 7 meses de prisão. ”Essa sessão do julgamento foi adiada para o dia 28 de outubro a pedido da própria defesa. O Ministério Público da Itália já se pronunciou a favor da extradição. E agora falta o julgamento judicial. Depois de feito isso, haverá então a decisão política do Ministro da Justiça de recambiar ou não o preso para cá”, afirmou Janot. A decisão de adiar o julgamento ocorreu no último dia 5 de junho pela Corte de Apelações de Bolonha, após os advogados de Pizzolato alegarem falta de provas conclusivas de que os presídios do País são suficientemente seguros, como exige a legislação italiana. Segundo Rodrigo Janot, um relatório atestando as condições de três presídios brasileiros onde Pizzolato poderá cumprir pena foi encaminhado para conhecimento da Justiça Italiana. “O relator do processo decidiu que Pizzolato cumpriria pena na Papuda em Brasília. Como o réu também tem direito a cumprir pena próximo ao seu domicílio, pedi para o Ministério da Justiça que indicasse dois presídios em Santa Catarina. Preparamos um dossiê sobre esses presídios de modo a demonstrar que, no cumprimento da pena, não havia ofensa aos direitos humanos”, afirmou o procurador. Até a nova audiência, Pizzolato seguirá preso em Módena.

LEI DA FICHA LIMPA TERÁ ‘APLICAÇÃO PLENA E INTEGRAL’ NO BRASIL, DIZ JANOT; SE É ASSIM, POR QUE AINDA É CANDIDATO O DEPUTADO FEDERAL GAÚCHO ALCEU MOREIRA?

O Ministério Público Eleitoral já impugnou 1.850 registros de candidaturas às eleições em todo o País. De acordo com balanço parcial divulgado hoje (18), cerca de 20% delas (367) foram com base na Lei da Ficha Limpa, que impede a candidatura de condenados em segunda instância pela Justiça. O número de impugnações deve aumentar até o levantamento final, previsto para o fim deste mês. O procurador-geral Eleitoral, Rodrigo Janot, considerou alto o número de impugnações com base na Lei da Ficha Limpa e disse que vai defender a aplicação da norma na íntegra para evitar brechas. “Nós vamos ter uma atuação bastante forte para que a Lei da Ficha Limpa se consolide em prol da democracia e em prol da sua aplicação. No que depender do Ministério Público Eleitoral, a lei terá aplicação plena e integral”, afirmou. Se é essa a disposição do Procurador-Geral da República, então ele explique por que, até agora, não foi impugnada a candidatura do deputado federal gaúcho Alceu Moreira, inscrito no cadastro nacional de pessoas condenadas por improbidade administrativa e inelegibilidades do Conselho Nacional de Justiça. Os dados se referem à análise de 20 mil candidaturas, feita por 26 procuradorias regionais e pelo Distrito Federal. Faltam ainda as informações de São Paulo, Estado com o maior número de candidaturas. Após o fim do prazo para registro na Justiça Eleitoral, no dia 5 de julho, as procuradorias eleitorais tiveram cinco dias para impugnar as candidaturas que apresentaram irregularidades. Em outubro, cerca de 30 mil candidatos devem concorrer aos cargos de deputado estadual e federal, senador, governador e presidente da República. A entrega do registro não garante a participação do político nas eleições. Após parecer do Ministério Público Eleitoral, os pedidos são julgados por um juiz eleitoral, que verifica se as formalidades foram cumpridas. Para estar apto a concorrer às eleições de outubro e ter o registro deferido pela Justiça Eleitoral, os candidatos devem apresentar declaração de bens, certidões criminais emitidas pela Justiça, certidão de quitação eleitoral que comprove inexistência de débito de multas aplicadas de forma definitiva, entre outros documentos, como previsto na Lei das Eleições (Lei 9.504/97).

ENTIDADES E ARTISTAS CRITICAM ‘DECRETO BOLIVARIANO’ DE DILMA

O decreto bolivariano da presidente Dilma Rousseff (PT), determinando que movimentos sociais participem da administração e auxiliem o Executivo, enfrenta forte resistência não só entre os parlamentares. Artistas e entidades de classe dispararam contra a canetada da petista.
O presidente da Federação Nacional dos Médicos, Geraldo Ferreira, comparou a medida de Dilma à atuação do Executivo em outros países da América Latina. “É uma medida que aproxima o Brasil de regimes semelhantes na América Latina que estão tendo uma posição muito à esquerda e, consequentemente, solapando as bases da democracia”. Artistas, celebridades e pensadores, engajados em causas políticas e sociais, se mobilizaram e também pressionam para derrubar a proposta de Dilma. O apresentador Danilo Gentili, que aparece na lista negra de jornalistas do PT, retuitou a seguinte mensagem: “E SEM DITADURA BOLIVARIANA! RT @PrisciIlIa: 294 votam CONTRA o decreto bolivariano d BANDO. Vão se lascar seus bandidos. O  Brasil é NOSSO". O filósofo Luiz Felipe Pondé foi outro que disparou contra a criação dos conselhos populares. Ele classificou a criação de conselhos populares como um “golpe totalitário indireto”. Em entrevista à TV Cultura, na semana passada, Pondé explicou que “esse tipo de prática que é bem ao gosto da sensibilidade bolivariana, que destruiu a Venezuela e Cuba, entre outros países”. O deputado federal Mendonça Filho, líder do DEM na Câmara, endossou o coro. “A casa de representação popular é o Parlamento, é o Congresso. Evidente que a gente tem outras maneiras de ouvir a sociedade e estamos abertos a esses outros métodos. Mas todos eles devem estar baseados em projetos de lei discutidos de forma democrática aqui no Parlamento brasileiro”, disparou o parlamentar.

JANOT, PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, DIZ: "NUNCA VI TANTO DINHEIRO DESVIADO NA VIDA"; É A OPERAÇÃO LAVA-JATO

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta sexta-feira (18), que o esquema de lavagem de dinheiro investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, envolve vários “destinos e destinatários” e teria movimentado uma quantia de recursos que ele nunca havia visto. “O que eu posso dizer é que é um esquema enorme de lavagem de dinheiro. E esse dinheiro era utilizado em mais de uma utilidade. Então, tem campanha, corrupção, enfim. São vários os destinatários e destinos dessas importâncias”, disse Janot. Questionado se o montante ultrapassaria as primeiras estimativas de desvios de R$ 10 bilhões, afirmou: “Está difícil fazer uma estimativa ainda, mas é muito dinheiro, nunca vi tanto dinheiro na minha vida”. O procurador-geral não quis dar detalhes sobre as investigações, que correm em segredo de Justiça, mas afirmou que, assim que o processo estiver “maduro” para ser encaminhado à Justiça, revelará os nomes dos envolvidos. Na lista deve constar a participação, por exemplo, de alguns congressistas: “A gente está atrás dessas pessoas parlamentares e assim que tivermos condição de revelar os nomes, revelaremos”. Segundo Janot, o fato de nos próximos meses o País passar por período eleitoral não influenciará em um possível adiamento da divulgação dos envolvidos. “Esses fatos aconteceram todos antes do processo eleitoral. As investigações começaram antes do processo eleitoral. O que a gente não pode fazer é deixar de trabalhar em razão de um processo eleitoral. O que a gente não pode fazer, e não faremos, é fazer o uso político de uma investigação”, afirmou. “Esses nomes serão revelados quando a investigação estiver madura para ir para juízo”, acrescentou. O procurador-geral informou ainda que já está de posse dos dados fornecidos pelo governo da Suíça, que pode ter informações referentes a movimentações bancárias do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, no país europeu. No mês passado, o Ministério Público da Suíça bloqueou US$ 23 milhões depositados em contas atribuídas ao ex-diretor da estatal.

BRIGA SÉRIA NA CAMPANHA DA PETISTA DILMA

A campanha de Dilma Rousseff à reeleição vive uma disputa interna entre dois grupos. Um ligado à presidente e outro mais próximo de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.Embora o coro de "volta, Lula" tenha sido abafado na convenção que oficializou a candidatura de Dilma, em 21 de junho, a queda de braço entre as duas alas continua nos bastidores. Em conversas reservadas, dirigentes do PT dizem que amigos de Lula são alvo de "armação" dos "dilmistas". A rede de intrigas aborrece Lula, que tem uma sala montada para ele no comitê da reeleição, em Brasília, mas nenhum compromisso previsto para ocupá-la. O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, esteve na quarta-feira no comitê. Conversou com o presidente do PT, Rui Falcão, e apresentou a ele um plano de trabalho para a corrida presidencial, na tentativa de aproximar Dilma da Igreja e dos movimentos sociais. Isolamento. Ex-chefe de gabinete de Lula, de 2003 a 2010, Carvalho está isolado no governo Dilma. No comitê, petistas dizem que ele recusou convite para integrar a coordenação da campanha. O ministro, porém, jura que nunca foi convidado, embora prefira continuar suas funções no Palácio do Planalto até dezembro. Três funcionários da Secretaria-Geral da Presidência foram indicados por Carvalho para a campanha de Dilma, mas ele próprio não tem intenção de entrar nesse núcleo. Cândido Hilário Garcia de Araújo, Geraldo Magela e José Claudenor Vermohlen despacham na Secretaria Nacional de Relações Político-Sociais, subordinada ao ministério comandado por Carvalho, e deixarão o governo na segunda-feira para trabalhar no comitê. No Instituto Lula, sede da organização não governamental dirigida pelo ex-presidente, a avaliação é que a campanha do PT está em ponto morto, o que atiça o jogo de "mata-mata" entre o grupo mais próximo de Dilma e seguidores fiéis ao ex-presidente. No Planalto, o Instituto Lula foi batizado de "Serpentário do Ipiranga", numa referência ao bairro que abriga a sede da ONG, em São Paulo. A briga por mais poder e influência na campanha de Dilma começou no quartel general da comunicação, atingindo justamente Franklin Martins - homem de Lula no comitê. Ex-ministro do governo Lula, Martins está sendo acusado pelos dilmistas de querer "mandar demais", provocando tensão desnecessária ao publicar posts agressivos, como o que alvejou o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, no site "Muda Mais". Criado há cerca de três meses na conta do PT, o site dá suporte à campanha de Dilma. Lulistas afirmam que um dos focos da "queimação" é o quarto andar do Planalto, onde fica a Casa Civil da Presidência, ocupada por Aloizio Mercadante. (Estadão)

MERCADO REAGE BEM À POSSIBILIDADE DE DERROTA DE DILMA; É PARTE DA REAÇÃO DA SOCIEDADE A UM GOVERNO CADUCO

Vou aqui fazer algumas considerações que, creiam, nada tem de campanha eleitoral ou de expressão de afinidades eletivas, embora eu, como toda gente, faça as minhas opções. Na democracia, desde que os candidatos transitem no escopo democrático e se coloquem na defesa dos valores que essa democracia pode abraçar, todas as escolhas são igualmente legítimas, como legítimas são as divergência ideológicas. Em ciências humanas, e a economia também é uma ciência humana, quase nunca se tem uma resposta única para um problema. Mas é certo que essa resposta tenderá a ser ineficaz ou mesmo contraproducente se contrariar a matemática, a lógica, a história e, eventualmente, a experiência.

Já há algum tempo estamos diante de um dado eloquente. Aquilo a que chamamos “mercado” tem reagido muito bem à queda da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas eleitorais e à possibilidade de a oposição vencer a disputa em 2014. Às vezes, para rimar os números com a esperança de mudança, nem se precisa do fato; basta o boato. E não foi diferente nesta sexta-feira. Como a pesquisa Datafolha apontou um empate técnico no segundo turno entre o tucano Aécio Neves e a presidente — 40% a 44% para ela —  e uma diferença de apenas sete pontos entre a petista e Eduardo Campos — 38% a 45% —, o Ibovespa passou a operar em alta. Às 15hh, estava aos 57.175 pontos. Na máxima do dia, o índice chegou a 3,31%. Os destaques, vejam vocês, ficaram com as estatais: a Petrobras, por exemplo, exibia ganhos de 5,56% nas ações ON (as ordinário-nominativas), aquelas que dão direito a voto, e 5,6% na PN, a preferencial nominativa, a que não dá e é a mais negociada por investidores não profissionais.
Por que é assim? Ninguém precisa ser deste ou daquele partido para saber que, infelizmente, hoje e a há muito tempo já, o governo usa as estatais brasileiras não apenas para fazer política de desenvolvimento, não apenas para cuidar do interesse nacional. Ele as utiliza também para cuidar de interesses bem mais mesquinhos, partidários, e como elemento de ajuste — precário e temporário — dos desacertos da política econômica. É sabido, por exemplo, que as tarifas estão represadas para evitar uma elevação da inflação, que já ultrapassa o teto da meta. Como malefício adicional, seguem intocados os fatores que causam a elevação do índice inflacionário.
É claro que isso tem um preço. Até agora, a presidente Dilma e o PT não deram sinais de que vão mudar essa política caduca caso obtenham mais quatro anos de mandato. Ao contrário até: aqui e ali, lideranças do partido, como o próprio Lula, têm preferido atacar o tal “mercado”, como se ele fizesse um mal ao Brasil. Ao contrário. Felizmente temos um mercado relativamente forte no país, que serve como um radar e como uma advertência. A cada bobagem ou medida atabalhoada que o governo toma na economia, ele reage. Mais importante: reage também a expectativas, a partir de alguns indícios. Isso serve como freio à tendência autocrática dos governos. Sabem quem não tem mercado? Cuba! Sabem quem praticamente não tem mercado? A Venezuela! Já a tirania chinesa tem um, sim, e é gigantesco! A existência de um mercado, em suma, não garante a democracia. Mas só existe democracia onde ele atua e serve como instrumento de leitura da realidade.
Quando os investidores reagem bem à perspectiva de alternância de poder, é preciso que o governo ponha a mão na consciência. Em vez de sair por aí demonizando os agentes econômicos e mesmo seus adversários, talvez fosse o caso der tomar medidas efetivas para mudar de rumo. O que vemos, no entanto, infelizmente, são escolhas que caminham no sentido contrário. Além de tentar atrelar a administração pública federal e seus entes a conselhos formados por militantes políticos, o governo já pensa abertamente em estatizá-los, subordinando ainda mais o interesse público às militâncias organizadas.
A reação do mercado é, na verdade, a reação de uma fatia considerável e legítima da sociedade, que contribui de modo efetivo para gerar as riquezas com as quais se administra a máquina pública e que, inclusive, geram os bens necessários para as políticas de compensação e de distribuição de renda. Atacar os seus fundamentos também corresponde a atuar contra os interesses dos mais pobres. A reação dos mercados é parte importante da reação de uma sociedade que quer mudar porque sente que, hoje, o Estado e o governo viraram seu adversário. Por Reinaldo Azevedo

CÉSAR BUSATTO É A QUARTA BAIXA NO SECRETARIA DE FORTUNATI EM APENAS UM MÊS

Acaba de se afastar do cargo o quarto secretário do prefeito José Fortunati, desta vez o secretário de Governança, Cesar Busatto. Ele ficará quatro meses para se tratar de câncer na próstata. Ele teve a doença há dez anos, fez quimioterapia, melhorou, mas tudo voltou ao estágio inicial. O mais provável é que o secretário não volte ao cargo por vontade própria. O prefeito José Fortunati também não conta mais com a colaboração dos seus secretários da Comunicação, Fazenda e Orçamento, que pediram para sair.

ESSE É O MÍSSIL RUSSO BUK, QUE DERRUBOU O BOEING 777 DA MALAYSIA AIRLINES; É O MESMO QUE PUTIN VEIO AO BRASIL PARA VENDER À PETISTA DILMA ROUSSEFF


ECONOMISTA DIZ QUE O PETISTA TARSO GENRO ESCONDE O CAÓTICO ESTADO DAS CONTAS PÚBLICAS GAÚCHAS

O economista gaúcho Darcy Francisco Carvalho dos Santos afirma em artigo que o governador do Rio Grande do Sul, o peremptório petista "grilo falante" tenente de artilharia e poeta de mão cheia Tarso Genro esconde a realidade caótica das contas públicas do Estado, no artigo a seguir. Leia: "Decisões políticas do atual governo estão transformando em insustentável a situação financeira do Estado. O resultado primário, que é a poupança para pagar a dívida, depois de alcançar, em valores atuais, R$ 2,8 bilhões em 2008, caiu para R$ 623 milhões em 2013, devendo se transformar num déficit próximo a R$ 1 bilhão no ano corrente, segundo dados oficiais do próprio governo. O gasto com pessoal deverá ultrapassar 70% da receita líquida no próximo período governamental, tendo como causa a concessão de reajustes salariais a categorias representativas de servidores, muitos até novembro de 2018, em percentuais bem superiores ao do crescimento provável da receita. Tudo isso, sem pagar o piso do magistério, formando, em decorrência, grande passivo trabalhista. O déficit de caixa médio anual previsto para o próximo governo será bem superior a R$ 4 bilhões e o cheque especial, chamado “caixa único”, estará raspado até o final do ano. Só dos depósitos judiciais que nem pertencem ao Estado foram sacados pelo atual governo R$ 5,1 bilhões. Embora constando dos relatórios da Secretaria da Fazenda, essas evidências não aparecem no discurso oficial. A estratégia política encontrada é se refugiar em números de crescimentos conjunturais do PIB estadual – que nada tem a ver com as ações do governo estadual - e da “atração de investimentos”, descolando-se do drama fiscal que se avizinha. Seja quem for, o próximo governador, ele terá enorme dificuldade para manter a folha de pagamento em dia e cumprir os reajustes salarias já concedidos. Isso sem falar na recuperação dos investimentos e da melhoria dos serviços públicos, sabidamente insuficientes e de baixa qualidade. Mantida a atual política financeira, não haverá outro caminho a não ser vender ativos públicos ou elevar a carga tributária, medidas que manteriam os políticos gaúchos no autoengano, de gastar mais do que se pode. Enquanto não mudar essa mentalidade, não haverá solução definitiva para o Rio Grande do Sul".

PREFEITO PETISTA JAIRO JORGE, DE CANOAS, É PROCESSADO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

O promotor José Nilton Costa de Souza acaba de protocolar na 5ª Vara Cível do município de Canoas (RS), o terceiro mais populoso do Estado, ação de improbidade administrativa contra o prefeito Jairo Jorge, do PT. Na ação, o Ministério Público Estadual pede a indisponibilidade dos bens do prefeito e dos demais réus, até o valor de R$ 3,5 milhões, que é o valor do prejuízo calculado para a compra de uniformes escolares junto à empresa Nayr Confecções, com sede em Mundo Novo, Mato Grosso do Sul. "São valores superfaturados, calculada a conta total de R$ 6,4 milhões", denuncia a petição inicial. O inquérito civil 172/2011  apurou que não existe justificativa para a escolha de uma empresa do Mato Grosso do Sul. Além disto, pareceu suspeita o Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul que Nayr Confecções tenha sido doadora da campanha a deputado estadual do líder local do PT, Nelson Luiz da Silva, conhecido como Nelsinho Metalúrgico, também do PT, mesmo partido do prefeito Jairo Jorge. As investigações ainda constataram incongruências em datas e descrições das notas fiscais apresentadas para pagamento. Caso a ação seja acolhida pelo magistrado do caso, o prefeito Jairo Jorge e os demais réus terão que devolver a diferença considerada superfaturada, R$ 3,4 milhões, e terão seus direitos políticos suspensos por quatro anos.

RAÚL CASTRO SE HOSPEDA NA GRANJA DO TORTO E OPOSIÇÃO PEDE EXPLICAÇÕES

Líderes de partidos de oposição na Câmara dos Deputados questionaram nesta quinta-feira a hospedagem do ditador de Cuba, Raúl Castro, na Granja do Torto, residência oficial de campo da Presidência da República. A oposição pretende pedir informações ao Itamaraty e à Secretaria-Geral da Presidência da República sobre a deferência especial ao líder cubano. A hospedagem de Castro estava sendo tratada como segredo de Estado pelo governo brasileiro, mas o fato foi confirmado por duas fontes do governo. Em Brasília para o encontro da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) com o presidente da China, Xi Jinping, Castro foi o único dos chefes de Estado a se hospedar na casa de campo utilizada pela presidente Dilma Rousseff. Na manhã desta quinta-feira, o ditador cubano recebeu na Granja do Torto o colega venezuelano Nicolás Maduro. "É uma distinção inexplicável e injustificável", criticou o líder da bancada do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA). O tucano lembrou que o ditador cubano, em eventual dificuldade de encontrar hospedagem em Brasília, poderia optar pela Embaixada de seu país. Imbassahy informou que o PSDB vai encaminhar requerimento ao Ministério de Relações Exteriores questionando os custos e a falta de transparência do governo brasileiro. O tucano quer saber se, além da hospedagem, o governo brasileiro teve outros gastos, como transporte do ditador cubano e sua comitiva, além dos motivos pelos quais a estada de Castro foi mantida em sigilo pelo Palácio do Planalto. Outro requerimento será apresentado na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados para que o ministro Luiz Alberto Figueiredo esclareça o alinhamento entre Brasil e "países de regimes ditatoriais". "Depois que deu dinheiro para construção de um porto (de Mariel), supriu o caixa do governo cubano com os recursos do Programa Mais Médicos, o Palácio do Planalto oferece agora mais um mimo especial", atacou o deputado. O líder do DEM, Mendonça Filho (PE), também criticou o tratamento diferenciado ao cubano e chamou a Granja do Torto de "Embaixada da Ditadura no Brasil" e de "hospedaria de ditador latino-americano". "Essa distinção por Cuba, depois de ter criado um programa de importação de médicos para financiar a ditadura cubana, garante a Raul Castro tratamento concedido apenas para outro ditador, o presidente da Venezuela e afilhado político de Hugo Chávez, Nicolás Maduro, nesses 12 anos de governo do PT", afirmou. "Essa simpatia por Cuba faz eco com o alinhamento do governo petista ao Foro de São de Paulo, união de países de cunho populista, autoritário e bolivariano, caso da Ilha dos Castro, da Venezuela e da Bolívia", afirmou. Na opinião do líder do DEM, a deferência só aconteceu porque há uma "sintonia" ideológica entre os dois governos. "Nunca vi a Dilma fazer essa distinção a governos democráticos", emendou. Além do requerimento pedindo informações ao Itamaraty, o DEM deve cobrar explicações da Secretaria-Geral da Presidência da República, responsável pela administração dos palácios e residências presidenciais. Já o líder do PPS, Rubens Bueno (PR), destacou que os demais líderes procuraram hospedagem própria e não precisaram da ajuda do governo brasileiro. Em sua visão, o episódio demonstra o alinhamento político do administração petista com o governo da ilha e o aparelhamento do bem público. "É o DNA do PT de aparelhar a coisa pública para uso ideológico", avaliou. A Secretaria de Imprensa da Presidência da República informou que cedeu a Granja do Torto  atendendo a um pedido do próprio dirigente cubano. Raul Castro chegou a Brasília na noite de quarta-feira para participar na quinta-feira de uma reunião com o presidente da China, Xi Jinping, e os integrantes da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

MORRE SOLDADO DE ISRAEL, MAS EXÉRCITO ISRAELENSE JÁ ELIMINOU 15 TERRORISTAS DO HAMAS NA FAIXA DE GAZA

O exército de Israel lançou um resumo das últimas oito horas de ofensiva terrestre da Operação Borda de Proteção em Gaza na manhã desta sexta-feira de manhã, depois de dezenas de milhares de soldados terem entrado em Gaza e destruído arsenais da organização terroristas Hamas e túneis que eram usados para operações de terror. O exército de Israel anunciou ter eliminado 15 terroristas durante a noite; 103 alvos terroristas foram eliminados, incluindo 20 lançadores enterrados. Um soldado israelense, cuja identidade ainda não foi divulgada,  também foi morto em combate, após ter sido gravemente ferido em confronto perto de Beit Hanoun. Sua morte foi anunciada no Hospital Barzilai, em Ashkelon. Outros quatro soldados também foram feridos durante a ofensiva por terra durante a noite; um sofreu ferimentos moderados. Muitos dos feridos foram atingidos no rosto e pescoço. Todos os soldados feridos estão sendo tratados no Centro Médico Soroka, em Beer Sheva. A partir de sexta-feira, 48 mil soldados da reserva foram convocados; um adicional de 18 mil foram aprovados para o dever de reserva nesta quinta-feira.

PESQUISA DA FIESP MOSTRA QUE 73% DOS BRASILEIROS CULPAM A POLÍTICA ECONÔMICA DE DILMA PELA VOLTA DA INFLAÇÃO

A inflação é um problema para a maioria dos brasileiros. Para 69% da população, houve grandes aumentos de preços nos últimos seis meses. A conclusão é de estudo do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), realizada em parceria com o instituto de pesquisa Ipsos, uma das maiores empresas de pesquisa e inteligência de mercado do mundo. Foram ouvidas 1 mil pessoas em todas as regiões do País entre os dias 17 e 31 de maio. Para o diretor titular do Depecon, Paulo Francini, além da “percepção ampla da presença da inflação”, revelada pela opinião de 69% dos entrevistados a respeito do tema, chama a atenção o fato de que essa análise é muito parecida entre as diferentes faixas de renda, grau de instrução e faixas etárias. No item faixa de renda, a percepção de grandes aumentos de preços é apontada por 67% das pessoas ouvidas pelo estudo que se encontram na classe AB, com 67% compartilhando da mesma opinião na classe C e 70% na classe DE. Segundo o critério do grau de instrução, 72% dos analfabetos ou com primário incompleto ou completo dizem sentir a inflação, com 68% pensando da mesma forma entre os que têm ginásio incompleto ou completo, 69% com colegial incompleto ou completo e 63% com curso superior incompleto, completo ou mais. Na sondagem por faixa etária, a inflação está alta para 66% das pessoas com idades entre 16 e 24 anos, para 72% daquelas entre 25 e 34 anos, 69% entre 35 e 44 anos, 70% entre 45 e 59 e 65% para quem tem 60 anos ou mais. Conforme Francini, a inflação “de cada um é diferente e depende de quanto e como cada um gasta o próprio orçamento”, mas que, por motivos variados, o aumento de preços se faz sentir entre todos. “Para os brasileiros com renda menor, a inflação de itens como alimentação pode se fazer sentir mais, enquanto os gastos com serviços podem pesar mais entre aqueles com renda maior”, disse. “De qualquer modo, todos sentem o aumento dos preços.” Segundo Francini, a taxa de inflação aplicada ao setor de serviços está em torno de 9,5% ao ano, com 6,5% para o índice geral. Entre os itens citados na pesquisa como os que mais sofreram variações de preços, alimentação e bebidas foi citado por 90% dos entrevistados, seguido por habitação (44%) e alimentação fora do domicílio (30%). Ao mesmo tempo em que a alta dos preços é sentida, os reajustes no salário, conforme o estudo, não são suficientes para equilibrar as contas em casa. Assim, a maioria dos entrevistados, 87% do total, declarou que o salário “não tem compensado o aumento de preços”. Para 73% das pessoas ouvidas no levantamento, a política econômica do governo é indicada como responsável pela elevação dos preços. Já para 10%, a responsável é a crise econômica internacional. Em seguida, aparecem as empresas (para 7%) e os próprios consumidores (3%). Os demais 9% ouvidos não sabem ou não responderam. Perguntados a respeito de soluções para conter a inflação, os entrevistados citaram pontos como o controle dos gastos públicos (opinião de 38% do total), o congelamento de preços (para 37%), o controle dos aumentos contratuais de preços (14%) e o aumento da taxa de juros (3%). Para 1% das pessoas ouvidas, o governo não precisaria fazer nada. Outros 7% não sabem ou não responderam. Mesmo diante desse cenário, a maioria dos entrevistados (89%) não concorda com o aumento de juros como forma de controle da inflação. Entre aqueles com renda familiar superior a R$ 1,8 mil, essa proporção chega a 93% das pessoas ouvidas. Em suas próprias vidas, 45% dos entrevistados acreditam que o principal impacto do aumento da taxa de juros é o desestímulo em contrair novas dívidas, enquanto 38% apontam a elevação do valor das dívidas contraídas como o principal impacto. “A inflação é um tema de grande importância”, afirma Francini: “Existe uma opinião formada a respeito dessas responsabilidades. As pessoas sabem que a inflação é consequência do exercício de determinada política econômica".

ENTIDADES MÉDICAS ABREM GUERRA CONTRA DILMA

A Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e a Associação Médica Brasileira (AMB) comunicaram ao presidenciável Aécio Neves (PSDB-MG) que apoiarão a oposição na disputa pela Presidência contra Dilma Rousseff. Em reunião na quarta (16), o presidente da Fenam, Geraldo Ferreira, garantiu ao tucano que a maior parte dos médicos trabalhará por sua eleição. Outra parcela menor apoiará Eduardo Campos (PSB-PE). Segundo Ferreira, o programa de Aécio para saúde ‘ainda é vago’, mas cria carreira nacional e refuta cubanos em situação análoga à escravidão. As entidades médicas consideraram “ousada” a proposta de Aécio de destinar 10% da Receita Corrente Bruta da União para a Saúde. O conselho deliberativo da AMB se reúne hoje em Fortaleza para decidir sobre apoiar Aécio ou, de forma mais ampla, os candidatos de oposição.

ESPECIALISTA DA FGV AFIRMA QUE QUADRO DA ECONOMIA NACIONAL É DE ESTAGNAÇÃO

A economia brasileira está praticamente em um quadro de “estagnação” e “crescimento baixo”, avaliou o economista Paulo Picchetti, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), ao comentar os resultados dos Indicadores de Ciclo da Economia Brasileira, divulgados nesta quinta-feira (17), pelo Ibre/FGV e pelo Conference Board. O especialista ressalta, contudo, que esse cenário não representa um “prenúncio de recessão”. Conforme divulgado pelo Ibre/FGV e Conference Board, o Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE)para o Brasil caiu 0,2% em junho, para 121,1 pontos. O resultado segue-se após recuo de 1,8% em maio e de 0,4% em abril (dados revisados). Já o Indicador Coincidente Composto da Economia (ICCE), que mede as condições econômicas atuais, registrou queda de 0,1%, na marca de 128,2 pontos. Resultado que mantém o apurado em maio, após queda de 0,1% em abril (dados também revisados). Picchetti destaca que o “quadro de estagnação” é apontado de “forma praticamente unânime” também por indicadores de outras instituições, como o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). Conforme divulgado nesta quinta-feira (17), pelo Banco Central, o IBC-Br caiu 0,18% em maio de 2014, em relação ao mês imediatamente anterior, após registrar alta de apenas 0,05% entre março e abril (dado revisado), na série com ajuste sazonal. O economista do Ibre pondera que esse cenário não deve ser encarado como recessão, “primeiro, porque o indicador coincidente, que precisaria estar caindo, está andando de lado, mostrando, portanto, estagnação”. “Segundo, porque mesmo a queda do indicador antecedente não é tão pronunciada como as que calculamos em outros períodos que houve recessão”, acrescenta.

MINISTRO MANOEL DIAS DIZ: "NÃO HÁ MAIS TRABALHADORES PARA EMPREGAR NO BRASIL"; A ESQUIZOFRENIA TOMOU CONTA DO GOVERNO PETISTA

O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, afirmou nesta quinta-feira (17) que a meta do governo é de criar 1 milhão de empregos este ano. A meta é menor que a apresentada no início de 2014, quando o governo confiava na geração de 1,4 milhão a 1,5 milhão de postos de trabalho até 31 de dezembro. Apesar da redução, o ministro disse que a economia brasileira está consolidada. “Acho que o Brasil não tem mais como retroceder. O Brasil é uma economia consolidada”, disse. Em 2013, foram gerados 1,1 milhão de vagas. Ao ser questionado sobre a meta para este ano sinalizar uma geração de empregos no segundo mestre menor que nos primeiros seis meses de 2014, Dias se disse surpreendido pelo desempenho da indústria de transformação, que registrou o terceiro mês consecutivo de demissões no Caged de junho. No acumulado do ano até junho, a criação líquida de empregos formais é de 588.671 vagas, conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quinta-feira. “Havia no início do ano uma outra expectativa. Não havia essa questão da indústria, por exemplo. Nos três primeiros meses, a indústria vinha gerando empregos, o setor automobilístico batia recordes e havia indicativos de que manteríamos aquele ritmo. Mas certamente vamos retomar a reposição das demissões”, disse. O ministro avaliou que o pacote de medidas anunciado pelo governo para o setor industrial, no mês passado, deverá ajudar na retomada. Dias considerou, ainda, que o País não tem “mais trabalhadores para empregar, na medida em que atingimos o pleno emprego”. Bom..... essa foi de cabo de esquadra, nunca antes neste País tinha se ouvido um tamanho delírio de uma autoridade pública.

ENQUANTO OS HABITANTES DE GAZA SOFREM NA POBREZA, OS LÍDERES DO HAMAS VIVEM NO LUXO

Por TheTower.org Staff - Este artigo centra-se pela primeira vez em Ismail Haniyeh, chefe do Hamas. Alguém que tem se beneficiado financeiramente é o ex-primeiro-ministro do Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh. Antes de 2006 e a chocante vitória eleitoral do Hamas e ​​dominação subseqüente do governo palestino na Faixa de Gaza, Haniyeh, de 51 anos de idade, não era considerado uma figura central da organização. Mas, conforme relatórios dos últimos anos, a chegada dele ao primeiro plano no Hamas lhe permitiu tornar-se um milionário. Este é um feito incomum, já que ele nasceu em uma família de refugiados no campo de refugiados de al-Shati, no norte da Faixa de Gaza. Em 2010, a revista egípcia Rose al-Yusuf informou que Haniyeh pagou US$ 4 milhões por um terrenos de 2.500 metros quadrados em Rimal, um bairro à beira-mar da Cidade de Gaza. Para evitar constrangimento, a terra foi registrado no nome do marido da filha de Haniyeh. Desde então surgem relatos de que Haniyeh comprou várias casas na Faixa de Gaza, registradas em nome de seus filhos. Para isso ele pode comprar muitas casas, por que tem 13 filhos. Um relatório menciona que um filho de Haniyeh foi preso na fronteira entre Gaza e Egito, com milhões em dinheiro na mão. Mas Haniyeh não está sozinho. Depois da queda do presidente egípcio, Hosni Mubarak e coincidindo com a breve ascensão da Irmandade Muçulmana, o mercado de Gaza para moradias de luxo que custam pelo menos um milhão de dólares foi crescendo, a maioria comprados por pessoas associadas com a criação do Hamas. Esta liderança do Hamas construiu sua riqueza em grande parte através dos túneis de contrabando. Autoridades do Hamas cobram impostos, normalmente de 20%, sobre as mercadorias que foram contrabandeados através dos túneis. O papel dos túneis para o enriquecimento dos chefes do Hamas e de seus aliados tem sido bem documentada. Der Spiegel fez um perfil do chamado "rei dos construtores de túnel, Abu Ibrahim, em 2008. Em 2012, Khaled Abu Toameh observou que havia uma estimativa de 600 milionários que vivem na Faixa de Gaza, os quais alcançaram sua riqueza graças às centenas de túneis subterrâneos na fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito. Al Monitor relatou que um "resultado do comércio do túnel é a formação de uma nova classe de indivíduos ricos que foram capazes de acumular grandes fortunas em um curto período de tempo". Uma visão global da economia de Gaza, trabalho escrito por Ehud Ya'ari e Eyal Ofer, do Instituto Washington, identificou a economia local está vinculada ao "comércio realizado através dos mais de 800 túneis para o Egito", os quais desempenham um grande papel, como uma ferramenta que ajudou o Hamas a  evoluir de um movimento relativamente pequeno até um conglomerado bem financiado. A riqueza crescente da liderança do Hamas levou a um aumento do ressentimento da população de 1 milhão e 600 mil pessoas contra a organização terrorista que governa Gaza. O Christian Science Monitor relatou, em 2011, que os habitantes de Gaza "contam histórias de autoridades do Hamas, que costumavam dirigir carros modestos, agora ostentando veículos de luxo, e se queixam ... o governo está chegando em seus bolsos, em todos os sentidos". O relatório Ynet observa que, em contraste à liderança do Hamas, um relatório do Banco Mundial classifica "a Faixa de Gaza ... em terceiro lugar na região árabe em termos de pobreza, ficando acima apenas Sudão e Iêmen".  A ironia é que o Hamas teria ganhado popularidade, em parte, devido à sua reputação de honestidade, ao contrário de seu rival Fatah, organização conhecida pela corrupção.

DATAFOLHA: AÉCIO NEVES EMPATA COM DILMA NO 2º TURNO; REJEIÇÃO À PRESIDENTE CRESCE; CAI A APROVAÇÃO AO GOVERNO, E CRESCE A REPROVAÇÃO

Datafolha 17.07.2014 segundo turno
A pesquisa Datafolha encomendada pela Folha e pela Globo é muito ruim para a presidente Dilma Rousseff, do PT, candidata à reeleição. Se a disputa fosse hoje, ela teria 36% das intenções de voto. O tucano Aécio Neves aparece com 20%, e o peessebista Eduardo Campos, com 8%. Há 15 dias, o mesmo instituto conferia 38% à petista. Aécio tinha os mesmos 20%, e Campos, 9%. O pior para a presidente não está no primeiro turno, mas no segundo. No levantamento de agora, ela aparece com 44%, e Aécio, com 40%. Como a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos, há uma situação de empate técnico. Em fevereiro deste ano, há cinco meses, a distância era de 27 pontos: 54% a 27%. Há duas semanas, de 7 (todos os gráficos que aparecem foram publicados pela Folha Online.
Também a distância que separa a petista do peessebista caiu drasticamente. Contra o ex-governador de Pernambuco, ela teria hoje 45% contra 38%. Em fevereiro, a distância era de 32 pontos: 23% a 55%. Há duas semanas, era de 35% a 48% — 13 pontos viraram sete. É feia a coisa. E pode piorar: a rejeição a Dilma também cresceu 3 pontos em relação ao começo do mês: de 32% para 35%. Em seguida, vem Pastor Everaldo, com 18%, seguido por Aécio, com 17% e por Campos, com 12%.
datafolha 17.07.2014
Observem: como é que um candidato com 8% das intenções de voto, ainda desconhecido por muita gente, como Campos, consegue 38% quando confrontado com Dilma, no mano a mano? Para quem está empatado com a presidente no segundo turno, Aécio mantém um índice ainda modesto no primeiro. Também ele tem um índice de conhecimento ainda muito inferior ao dela. O conjunto dos dados parece indicar que cresce a massa de eleitores que não quer mesmo saber de Dilma.
Datafolha 17.07 rejeição
17.07 primeiro turno
Avaliação do governo
A reprovação ao governo e a aprovação empataram, uma situação sempre temida pelos candidatos à reeleição: hoje, acham seu governo ótimo ou bom 32% dos entrevistados — há duas semanas, eram 35%. Consideram-no ruim ou péssimo, 29% (26 na pesquisa anterior). E os mesmos 28% o avaliam como regular.
O Datafolha ouviu 5.377 eleitores em 223 municípios na terça (15) e nesta quarta-feira (16). O levantamento foi encomendado pela Folha em parceria com a TV Globo. Por Reinaldo Azevedo