terça-feira, 29 de julho de 2014

GOVERNO PETISTA DE DILMA ROUSSEFF DIZ QUE SUBSÍDIO PARA A AVIAÇÃO REGIONAL DEVE CUSTAR R$ 1 BILHÃO NO PRIMEIRO ANO

O subsídio à aviação regional no Brasil que será concedido pelo governo federal deverá custar 1 bilhão de reais no primeiro ano, disse o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, nesta terça-feira. Segundo ele, os subsídios às passagens vão variar de acordo com o tamanho do aeroporto, sendo que aeroportos menores terão subsídios maiores. A região Norte terá mais subsídios do que outras regiões do Brasil, disse ele. O governo vai financiar parte do valor das passagens - ainda a ser fixada - de até 50% dos assentos dos vôos, limitado a 60 assentos ocupados por aeronave em cada trecho. Além do subsídio direto, que ainda precisa ser regulamentado, o governo vai também isentar, na aviação regional, as empresas do pagamento de tarifas aeroportuárias e de navegação e os passageiros, do pagamento da taxa de embarque. A expectativa é de que os subsídios entrem em vigor em janeiro do ano que vem. Ou seja, o governo da petista Dilma vai criando dívida para um próximo governo.

ONU IMPÕE SANÇÕES A TRANSPORTADORA NORTE-COREANA QUE CARREGAVA ARMAS DE CUBA

Um ano após uma embarcação norte-coreana ser interceptada no Panamá com armamentos soviéticos provenientes de Cuba e escondidos embaixo de sacos de açúcar, um comitê do Conselho de Segurança da ONU impôs nesta terça-feira as primeiras sanções sobre o caso. O alvo foi a empresa de transporte norte-coreana Ocean Maritime Management Company Ltd., que tem sede em Pyongyang. A companhia fica impedida de funcionar fora do país por ter violado o embargo mundial de armamentos imposto à Coréia do Norte devido ao seu programa nuclear. O comitê determinou ainda que os países membros da ONU congelem os bens da transportadora. A embaixadora americana na ONU, Samantha Power, acusou a Coréia do Norte e Cuba de terem feito uma “tentativa cínica e ilegal de evitar as sanções da ONU que proíbem a exportação de armas” ao regime de Kim Jong-un. A embarcação norte-coreana foi descoberta após autoridades panamenhas desconfiarem do transporte de drogas. O navio foi vasculhado e, sob toneladas de açúcar, foram encontrados os armamentos. O governo cubano tentou explicar a situação dizendo que o material era “obsoleto”, de uso defensivo, e passaria por uma manutenção na Coréia do Norte para depois ser devolvido. Pyongyang também tentou argumentar, dizendo que o contrato firmado com a ditadura dos irmãos Castro era “legítimo”. Após serem investigadas por especialistas do Conselho de Segurança da ONU, as armas foram postas sob custódia da polícia panamenha. Já o açúcar que era transportado pela embarcação permanece em celeiros do Ministério do Desenvolvimento Agropecuário do Panamá, localizados na zona central do país. Dos 35 tripulantes detidos inicialmente pelas autoridades panamenhas, 32 foram liberados no início deste ano. O capitão, um oficial e o comissário político da embarcação foram libertados este mês, depois que a Justiça panamenha decidiu que eles não haviam cometido nenhum crime no país. Os três oficiais viajaram para Cuba. A embarcação norte-coreana também rumou para um porto cubano, em maio, depois do pagamento de uma multa de 693.000 dólares imposta pela Autoridade do Canal do Panamá pela tentativa de cruzar a via interoceânica sem declarar o carregamento de armas.

OUÇA - ESSE É O JINGLE DE CAMPANHA DE AÉCIO NEVES

https://soundcloud.com/veja-com/sets/jingle-de-campanha-aecio-neves
Os primeiros jingles de Aécio Neves foram distribuídos aos 27 coordenadores estaduais da campanha tucana à Presidência da República na segunda-feira. Aécio Neves divulgou um guia prático de como sua coligação, composta por nove partidos, deve produzir material publicitário. Junto com o guia, os coordenadores receberam um CD com fotos e santinhos. Um dos jingles foi elaborado em ritmo de forró, e o outro, com levada pop. No forró, a letra diz que Aécio Neves é “sujeito de raiz” e lembra que ele é neto do ex-presidente Tancredo Neves. Na versão pop, o tucano alfineta a presidente-candidata Dilma Rousseff, que tem no alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr.) seu principal fiador. A música diz que “Aécio não depende de padrinho, não precisa de patrão”.

MERCOSUL, ORGANISMO DO FORO DE SÃO PAULO, DEVE ENDURECER POSIÇÃO CONTRA ISRAEL E A FAVOR DE SEUS ALIADOS TERRORISTAS DO HAMAS

Reunidos em Caracas para a 46ª Cúpula do Mercosul, os presidentes e ditadores dos cinco países que formam o bloco, Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, devem discutir, além de outros temas, o conflito entre Israel e os palestinos na região da Faixa de Gaza. Os representantes das nações devem debater uma posição comum de condenação a Israel e apoio aos seus aliados terroristas do Hamas, como bons membros do Foro de São Paulo. Israel foi o primeiro país fora da América Latina a ter um Tratado de Livre Comércio com o Mercosul, assinado em 2010. Na opinião do comunista Emir Sader, chegou o momento de discutir a pertinência desse tratado e de o Mercosul "endurecer" sua posição contra o país, em um boicote aos produtos fabricados por Israel. "Países como Brasil e Uruguai têm um intenso intercâmbio militar com Israel. Coisa absolutamente indevida", comentou o comunista, um dos principais criadores do Foro Social Mundo, outro instrumento do Foro de São Paulo. O tema de uma resposta do Mercosul a Israel foi sugerido pelo Brasil para ser discutido na cúpula do bloco. Na semana passada, ao chamar de "ação desproporcional" e classificar de "inaceitável" a escalada de violência na região, o País foi chamado de "anão diplomático" pelo porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor.

GRUPO RANDOM, 12 MIL FUNCIONÁRIOS, FORÇA FOLGAS E REDUZ SALÁRIOS PARA NÃO DEMITIR ANTES DAS ELEIÇÕES

O Grupo Random, que emprega 12 mil funcionários, e que tem fortíssimas ligações com o PT gaúcho desde o começo da década de 80, conseguiu aprovar em votação dos seus trabalhadores um regime de "flexibilização da jornada de trabalho", implicando em redução salarial, para não promover demissões antes das eleições do dia 5 de outubro. A flexibilização da jornada de trabalho da Randon, aprovada pelos trabalhadores em votação realizada na segunda-feira, já iniciará nesta sexta-feira, dia 1º. Pela medida, os funcionários não trabalharão em quatro dias por mês em agosto, setembro e outubro, até o total 12 folgas. Isso implicará em redução salarial. Metade desses dias não-trabalhados será descontada dos salários e a outra metade paga pela empresa. A crise é grande no setor metal-mecânico de Caxias do Sul, atingindo principalmente as empresas Randon e Marcopolo. A estratégia da Random busca adequar a produção ao momento de instabilidade econômica que afetou diretamente a área de transporte de cargas e a aquisição de caminhões e, por consequência, o fornecimento de reboques e semirreboques, além da cadeia de autopeças dedicada ao setor.

ELEIÇÃO DO NOVO PRESIDENTE DO SUPREMO SERÁ NA SEXTA-FEIRA

A eleição pró-forma do novo presidente do Supremo Tribunal Federal foi marcada para a próxima sexta-feira. A data foi definida pelo ministro Joaquim Barbosa, atual presidente, que está se aposentando. Quem deve assumir o comando da Corte é o vice-presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski, o mais antigo ministro da casa que ainda não passou pela presidência. A data foi anunciada em edição extra do Diário da Justiça Eletrônico. No texto, Barbosa informou que o processo administrativo que levará à sua aposentadoria como ministro do STF está em fase final de tramitação. “Como consequência do ato de aposentadoria, expirará antecipadamente o atual mandato de Presidente desta Corte”, informou Barbosa ao fixar data para a definição dos novos presidente e vice-presidente do Supremo. A vice-presidência deve ser passada à ministra Cármen Lúcia, também obedecendo o critério de antiguidade. No final de maio, Barbosa comunicou o pedido de aposentadoria antecipada, mas saiu de férias em julho, deixando para o fim do recesso do Judiciário a transferência do posto. Lewandowski ficou responsável pela presidência da Corte durante as férias de Barbosa, que começaram no dia 14 e terminam nesta quinta-feira, 31. Pelo regimento interno do STF, o presidente e o vice-presidente da casa têm mandato por dois anos, vedada a reeleição para o período imediato. O quórum mínimo para eleição, que se dá por voto secreto de acordo com o regimento, é de oito ministros presentes. A eleição está marcada para ocorrer durante a sessão de julgamentos de sexta-feira, que reabre os trabalhos do Judiciário, no período da tarde. Além da eleição do presidente, fazem parte da pauta do dia no Supremo seis processos de matéria relativa a servidores públicos, sendo três com repercussão geral, além de uma discussão processual e um julgamento relativo a contribuições. Os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Marco Aurélio e Cármen Lúcia são relatores dos julgamentos marcados para sexta-feira.

SETOR ELÉTRICO EM PANE E PÂNICO COM O NOVO CALOTE DO GOVERNO DA PETISTA DILMA ROUSSEFF

A Aneel adiou mais uma vez o pagamento do governo às distribuidoras de energia. O prazo venceria nesta quinta-feira. A agência jogou-o para o dia 28 de agosto. A justificativa oficial é que o atraso ocorre devido “à complexidade da operação de empréstimo”. Não explicou que complexidade é essa, no entanto. Na prática, é mais um calote temporário nas distribuidoras. E, como consequência, afeta a credibilidade do governo. O empréstimo não pago refere-se à liquidação dos gastos com a compra de energia feitos em maio. Teriam que ser quitados nos dias 10 e 11 de julho. Não foram. Adiou-se para o dia 31. Agora, empurra-se novamente com a barriga por falta de caixa. É nisso que dá as contas nacionais terem sido entregue a um Mandrake, o petista neotrotskista gaúcho Arno Augustin (é membro da DS - Democracia Socialista, grupelho trotskista que habita o PT), que esculhambou tudo e jogou a credibilidade brasileira a zero.

DEPUTADO FEDERAL JAIR BOLSONARO CRITICA ITAMARATY E APOIA AÇÕES DE ISRAEL

O coerente deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) foi contra a posição oficial do governo brasileiro e manifestou apoio ao Estado de Israel nas ações militares na faixa de Gaza. Na avaliação do parlamentar, a manifestação do Itamaraty, divulgada na semana passada, é “destrambelhada, inoportuna, hipócrita e covarde”. O documento foi protocolado na Embaixada de Israel na última sexta-feira (25), e faz duras críticas a presidenta Dilma Rousseff (PT), que, de acordo com a nota assinada pelo deputado, “militou em grupos terroristas”. Sobre a posição do Itamaraty de classificar a ação de Israel como “desproporcional”, o deputado comparou com a condenação de um policial que tenha revidado um tiro de uma arma calibre .38 com um fuzil 7,62. Veja na imagem a íntegra da nota de Jair Bolsonaro, um parlamentar valente, corajoso, que não se amedronta diante dos uivos dos esquerdopatas e denuncia o terrorismo.

MOODY’S CRITICA USO DA PETROBRAS PARA CONTROLAR A INFLAÇÃO

O uso político da Petrobras para segurar a inflação, com o congelamento de preços de combustíveis, representa um forte obstáculo para a rentabilidade da companhia e um elevado risco aos investidores. O contundente alerta foi emitido nesta terça-feira, 29, pela agência de classificação de risco Moody’s , reforçando a desconfiança do mercado com a condução da estatal. O relatório também reforça a pressão pelo aumento da produção da companhia, condição para aliviar seu fluxo de caixa a partir de 2017 “na melhor das hipóteses”. Após a divulgação do relatório, as ações da companhia fecharam em queda superior a 2% na Bolsa de Valores. A análise encaminhada aos investidores abordava a deterioração do crédito para as estatais de petróleo da América Latina. No cenário, a brasileira figura como a companhia com as menores margens de lucro operacional, o maior saldo devedor, os maiores custos de produção, além de “substanciais riscos políticos”. “O governo utiliza rotineiramente a empresa para ajudar a cumprir os seus objetivos políticos como, por exemplo, a construção de refinarias em regiões não econômicas, para estimular seu desenvolvimento, e o controle da inflação, mantendo os preços da gasolina e do diesel abaixo do valor de mercado”, indica o relatório assinado pelas analistas Nymia Almeida e Kijana Mack. Para a Moody’s, a desaceleração econômica do País levou o governo a “depender mais pesadamente da Petrobras para controlar a política econômica”. A estatal estaria “cerceada” também em seu Conselho de Administração, formado majoritariamente por executivos indicados pelo governo. Segundo o relatório, um pedido de reajuste dos combustíveis foi negado em junho. Fontes próximas ao conselho confirmaram o pedido, tema considerado "recorrente" no colegiado. “Os preços domésticos para a gasolina e diesel, que variaram entre 10% a 20% abaixo do preço internacional (dependendo da taxa de câmbio), coloca um obstáculo significativo na rentabilidade da Petrobras”. A continuidade desta política, segundo o relatório, terá forte impacto sobre a área de refino e abastecimento, que já registrou perdas de R$ 4 bilhões no primeiro trimestre. Na comparação com empresas da Venezuela, Argentina, México e Colômbia, a estatal brasileira também sai perdendo nos indicadores econômicos, como os níveis de endividamento e alavancagem, além do pagamento de lucros. “Todas as empresas que estudamos, exceto a Petrobras, têm fortes indicadores de lucros antes de impostos”, indica o relatório. Para a Moody’s, os níveis de endividamento da Petrobras vão continuar a subir até 2016 e uma melhora sustentável no fluxo de caixa da companhia ainda está “a alguns anos de distância, na melhor das hipóteses”. A situação não é pior pois a estatal possui bom caixa, com US$ 35 bilhões registrados em março, e assim consegue boa cobertura das dívidas. Ainda assim, a análise reforça a pressão sobre o aumento da produção, uma vez que condiciona um melhor fluxo de caixa e redução de indicadores de alavancagem ao sucesso do pré-sal: “A empresa continuará a gastar dinheiro e levantar quantias substanciais de dívida até que a produção do pré-sal comece a gerar significativo fluxo de caixa em 2016 e 2017". Apesar da ressalva, a Moody’s destaca o crescimento esperado para a produção da empresa, entre 5% e 10% anualmente, até 2017, atingindo um total de 3 milhões de barris de óleo equivalente por dia. O problema, segundo a Moody’s, são os riscos e os altos custos operacionais relacionados à exploração em águas profundas. “A produção offshore da companhia pressiona suas margens, enquanto a depreciação do real, a inflação e os custos brasileiros de equipamentos, serviços e mão de obra restringem a rentabilidade”, indicam as analistas. “Mas esperamos que a taxa de aumento de custos desacelere com as iniciativas de cortes da empresa”, completa. O relatório analisou a situação da Ecopetrol, sediada na Colômbia, da PDVSA, da Venezuela, a mexicana Pemex e ainda a YPF, da Argentina. Os destaques foram para a Colômbia, com estabilidade regulatória e boas condições fiscais, e para o México, que corre para abrir seu mercado a investidores estrangeiros. A Moody’s ressalta que nos próximos dois anos, as cinco empresas estatais gastarão mais de US$ 100 bilhões anualmente para financiar seus projetos. “As companhias vão usar dívidas para financiar esses programas agressivos de investimento, colocando riscos adicionais aos seus investidores”, alerta a agência.

FUNCIONÁRIO PETISTA DO PALÁCIO DO PLANALTO, USANDO DINHEIRO PÚBLICO, ATACA ADVERSÁRIOS NA INTERNET

Registros na página sobre o ex-ministro da Saúde, o petista Alexandre Padilha, na Wikipédia, sugerem que o responsável pela inclusão de elogios, a partir de um computador da Presidência da República, foi o funcionário petista Fernando Ramos da Silva, que ocupa o cargo de coordenador-geral de produção e divulgação de informações do Palácio do Planalto. Conforme a Folha revelou na segunda-feira (28), um endereço de IP - similar a uma "impressão digital" na internet - registrado em nome da Presidência foi usado para, de forma anônima, incluir elogios e retirar trecho sobre uma suspeita de envolvimento em corrupção na página de Padilha, candidato do PT ao governo paulista. As três mudanças feitas logo após a que foi realizada de dentro do Planalto são assinadas por "Fernandoramosdf" - mesmo apelido que o servidor usa em outras redes sociais. Uma delas tem conteúdo idêntico à alteração que foi feita, anonimamente, pelo IP da Presidência. Ramos também é responsável por editar o Blog do Planalto. No texto, alterado em 10 de dezembro do ano passado, Padilha é descrito como "defensor do SUS e do acesso universal ao sistema, sobretudo de pessoas mais carentes". Também foram incluídos links para páginas oficiais, levando a textos positivos, como o do Ministério da Saúde e do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). O texto incluído refere-se à presidente Dilma Rousseff como "presidenta", termo pelo qual ela prefere ser chamada - e que é adotado oficialmente pelo governo federal. Informa, ainda, que Dilma desculpou-se com um médico cubano hostilizado. Na palavras incluídas, o profissional foi "vítima de preconceito e xenofobia quando chegou com grupo de outros médicos cubanos" ao Ceará. Procurado pela Folha, o coordenador-geral de produção e divulgação de informações do Planalto, Fernando Ramos da Silva, não respondeu se ele é o responsável pelas alterações. "Você vai ter que falar com a secretaria de imprensa, viu?", afirmou. Após nova tentativa da reportagem, ele ignorou a pergunta mais uma vez: "É o pessoal do atendimento de imprensa que tem que ver". Procurado desde a última sexta-feira (25) para comentar as alterações na página do ex-ministro Padilha, o Palácio do Planalto não respondeu às perguntas enviadas por e-mail e sugeriu que o pedido fosse feito por meio da Lei de Acesso à Informação. Pesquisa com os IPs registrados em nome do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) e da Presidência mostra que onze deles foram usados para editar artigos na Wikipédia como o do MPL (Movimento Passe Livre) e o do ex-governador de São Paulo, José Serra. O Serpro disse que não poderia comentar por motivos legais, porque a empresa e seus servidores "são obrigados a guardar sigilo quanto a elementos manipulados". (FSP)

MINISTÉRIO PÚBLICO RECORRE À JUSTIÇA CONTRA A LIBERTAÇÃO DOS BLACK BLOCS

O Ministério Público do Rio de Janeiro recorreu à Justiça nesta terça-feira contra o habeas corpus concedido a 23 black blocs, que permitiu ao grupo de baderneiros o direito de responder em liberdade às denúncias de associação criminosa armada. Investigados pela Operação Firewall da Polícia Civil, eles são acusados de organizar e praticar atos violentos em manifestações de rua. O procurador Riscalla Abdenur protocolou um agravo regimental na 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. A intenção é fazer com que o desembargador Siro Darlan reconsidere a decisão favorável ao grupo concedida na semana passada. Caso Darlan não reconsidere o habeas corpus, o procurador cobra que o caso seja analisado pelos três desembargadores da 7ª Câmara Criminal em até 48 horas. O promotor também afirma que, até o momento, não foi chamado a se pronunciar sobre o pedido de habeas corpus. Apesar da decisão ser extensiva a 23 acusados, apenas três – Elisa Quadros, a Sininho, Camila Jourdan e Igor D'Icarahy – estavam presos quando a decisão provisória ordenou a libertação do grupo na quinta-feira passada. Dois dos envolvidos – Fábio Raposo e Caio Silva – permanecem presos pois respondem, em outro processo, pelo assassinato do cinegrafista Santiago Andrade, e existem contra eles ordens de prisão preventiva.

O PETISTA ANDRÉ VARGAS, PARCEIRO DO DOLEIRO YOUSSEF, NÃO APARECE NO CONSELHO DE ÉTICA E RELATOR AGORA TEM 10 DIAS PARA DEFINIR PROCESSO

O deputado federal petista André Vargas, parceiro do doleiro Alberto Youssef, voltou a ignorar o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, pela terceira vez, a prestar depoimento ao colegiado nesta terça-feira, prazo final para a realização de audiências. Com isso, o relator do processo de cassação do mandato, deputado federal Júlio Delgado (PSB-MG), tem dez dias para apresentar seu parecer sobre o caso. Delgado afirmou que vai apresentar o relatório já na próxima semana, quando a Casa fará um esforço concentrado para esvaziar a pauta de votações. “Mas o esperado é que haja alguma medida protelatória que pode acabar atrapalhando o trabalho”, disse o relator. Apesar de ter evitado assumir a linha de frente de sua defesa e encarar o Conselho de Ética, o petista André Vargas tem atuado nos bastidores para impedir a abertura do processo de cassação. Seu objetivo é conseguir a aplicação de pena mais branda, como uma suspensão ou advertência. A expectativa é que aliados do ex-petista peçam vista e adiem ao máximo a votação do parecer. Pelo Twitter, Vargas já havia antecipado sua ausência no Conselho de Ética: “Não comparecerei ao Conselho de Ética pois o relator está atropelando meu direito de defesa e a decisão do Supremo Tribunal Federal, que deu acesso aos documentos”, escreveu. André Vargas disse ainda que Delgado “deveria se dar por suspeito” para julgar o caso”. Em mais uma das diversas manobras protelatórias, sua defesa solicitou ao Supremo o acesso aos autos da Operação Lava-Jato da Polícia Federal. Na semana passada, a corte acatou o pedido e estabeleceu até a próxima sexta-feira como prazo para o deputado se manifestar. A defesa alega que o encerramento das audiências só poderia ocorrer após o prazo estipulado pelo Supremo, argumento reiterado pela corte nesta terça-feira. Apesar de ter negado o pedido de André Vargas para paralisar o processo no conselho, o ministro Ricardo Lewandowski determinou que seja respeitado o prazo de cinco dias para a audiência. Com o encerramento das investigações, Delgado não pode mais solicitar audiências nem requisitar documentos relativos ao caso. Já André Vargas pode se manifestar até a apresentação do relatório final.

O PARTIDO DO TERROR, DA CENSURA E DO SILÊNCIO. OU: FUNCIONÁRIA DO SANTANDER JÁ FOI DEMITIDA, COMO EXIGIU LULA

O terror petista já está em curso. A “analista” do Santander, que não teve seu nome divulgado, já foi demitida. A informação foi passada aos jornalistas pelo presidente mundial do banco, Emilio Botín, que foi chamado por Lula, nesta segunda, durante encontro da CUT, de “meu querido”. O chefão petista, aliás, puxou o saco do banqueiro e demonizou a pobre bancária. Afirmou que a moça não sabia “porra nenhuma”, nesses termos, e que o seu amigão deveria dar a ele, Lula, o bônus que caberia à então funcionária.

Só para lembrar: correntistas com conta acima de R$ 10 mil receberam uma avaliação sobre a situação política e econômica do país. O texto informava que os indicadores pioram se aumentam as chances de Dilma ser reeleita. Grande coisa! Isso já virou lugar comum. O PT, no entanto, se aproveitou para inventar uma guerra dos ditos “ricos” contra o PT. Prefeituras do partido que têm a conta salário no banco falam em romper o contrato. A militância estimula os filiados a retirar seu dinheiro do banco. Não passa de oportunismo eleitoral.
Certa feita, um adversário de Marat, o porra-louca jacobino da Revolução Francesa, afirmou sobre o seu furor punitivo: “Deem um copo de sangue a este canibal, que ele está com sede”. Falo o mesmo sobre Lula e o petismo: deem copos de sangue aos canibais; eles estão com sede.
É claro que se trata de uma ação para intimidar o debate. A partir de agora, nas instituições financeiras, bancos ou não, está instalado o clima de terror jacobino. Até parece que isso vai mudar alguma coisa. Não vai, não. Tudo tende a piorar.
O PT apelou ao TSE — e obteve uma liminar absurda — para tirar da Internet dois textos da consultoria Empiricus Research que o partido considera que lhe são negativos. O conjunto da obra é péssimo e indica que o PT não tem um compromisso inegociável com a liberdade de expressão. Não custa lembrar que essa é a legenda que definiu como um de seus principais objetivos o chamado “controle social da mídia”. Imaginem como seria a liberdade de expressão entregue a esses patriotas…
Que coisa! O partido que, na década de 80, queria ser a encarnação da liberdade de expressão agora quer se manter no poder apelando à censura, ao terror e ao silêncio. Por Reinaldo Azevedo

"AJUDA" ÀS EMPRESAS ELÉTRICAS VAI AUMENTAR AS CONTAS DE LUZ DOS BRASILEIROS EM 8% EM 2015

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse nesta terça-feira que o impacto do empréstimo dos bancos paras distribuidoras será de 8% na tarifa de energia. Esse aumento será repassado à conta de luz dos consumidores a partir de 2015 e permanecerá na tarifa por dois anos. "O reajuste leva em consideração um conjunto de fatores, mas podemos dizer que o empréstimo terá um impacto no reajuste dessa ordem de grandeza", afirmou Rufino. Segundo o diretor, esse aumento será tratado como um componente financeiro, que entrará na tarifa em 2015, permanecerá por dois anos, até 2017, e será retirado ao final desse período. O início do repasse dependerá da data do reajuste tarifário anual de cada distribuidora. O nome disso é inflação maior, já antecipamente prevista, que o escandalosamente incompetente governo da petista Dilma Rousseff está atirando para cima do próximo governo brasileiro. E os brasileiros podem esperar que o aumento dessa conta nos próximos dois anos, só para pagar os empréstimos de agora da destrambelhada petista Dilma, será muito maior do que 10%. O diretor-geral tentou voltar atrás no tamanho do impacto ao afirmar que outros fatores podem ajudar a mitigar a alta, de forma a reduzir o valor do reajuste de 2015. "Não estou querendo dizer que o reajuste no ano que vem será de 8%, pois o reajuste leva em consideração outros fatores", acrescentou. A devolução à União das usinas da Cesp, Cemig e Copel, que geram cerca de 5 mil MW médios, deve contribuir para reduzir o aumento, pois o valor cobrado pela energia dessas usinas na conta de luz será bem menor. Segundo Rufino, essa devolução terá um impacto "bastante relevante" e será capaz de "neutralizar, em grande parte, se não na totalidade, o impacto do empréstimo". Ainda de acordo com ele, um regime de chuvas mais favorável pode contribuir para reduzir o valor da energia no mercado de curto prazo, o que ajuda a reduzir o patamar dos reajustes. Ou seja, o camarada petista está contando com o Fator São Pedro para diminuir a inflação. Isso é brincadeira. O financiamento feito pelo consórcio de bancos e intermediado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) deve totalizar 17,7 bilhões de reais para as empresas. Desse total, 11,2 bilhões de reais já foram repassados e outros 6,5 bilhões de reais devem ser liberados até o fim de agosto.

O DÉBIL MENTAL DITADOR NICOLAS MADURO VOLTA A DIZER QUE CONVERSOU COM PASSARINHO

A loucura (ou a chacota) persiste. O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, voltou a afirmar que conversou com um passarinho. Desta vez, a mensagem que ouviu foi a de que seu padrinho político, o falecido coronel Hugo Chávez, “está feliz e cheio de amor”. “Vou confessar a vocês que se aproximou de mim um passarinho, outra vez se aproximou e me disse que o comandante estava feliz e cheio de amor pela lealdade de seu povo”, comentou, durante um evento em Sabaneta, cidade natal do ex-presidente. A primeira menção a uma conversa com um passarinho foi feita em abril do ano passado, em plena campanha eleitoral, pouco depois da morte de Chávez. Ao dizer que o ex-presidente lhe havia aparecido na forma de um passarinho, Maduro, é claro, foi ridicularizado. E ainda se defendeu, dizendo que havia dividido com o povo sua “espiritualidade”. A nova "revelação" foi feita em um dos vários eventos agendados para lembrar 60 anos do nascimento de Chávez. A programação começou na noite de domingo, em um ato público no qual Maduro cantou ‘Parabéns a Você’ e soprou velinhas. Perto da meia-noite de segunda-feira, novo tributo foi acompanhado por presidentes e chanceleres dos países do Mercosul que participam de um encontro em Caracas. A agenda de homenagens contou também com a inauguração de uma estátua de Chávez, financiada pela petrolífera russa Rosfnet, que tem acordo com a estatal venezuelana PDVSA, e canções dedicadas ao antigo mandatário por uma banda russa. “Da Sibéria a Sabaneta, o amor corre por todo o mundo”, discursou Maduro, sobre os laços com o país de Vladimir Putin.

O PODEROSO EMILIO BOTIN RASTEJA PARA O REGIME PETISTA E CONFIRMA DEMISSÃO DE ANALISTA DO BANCO SANTANDER QUE ESCREVEU O TEXTO QUE DESAGRADOU A SOBERANA DILMA

O presidente do Conselho do Santander, o poderoso Emilio Botín, rastejou diante do PT e do regime petista e confirmou nesta terça-feira que uma pessoa foi demitida do Santander Brasil devido à nota enviada a clientes de alta renda com comentários negativos sobre o governo Dilma Rousseff e as perspectivas econômicas ruins caso ela se reeleja. "A pessoa foi demitida", disse Botín a jornalistas nesta terça-feira, recusando-se a dar mais informações a respeito. Na sexta-feira, a imprensa divulgou os comentários enviados pelo Santander Brasil junto com o extrato bancário de cerca de 40.000 clientes do segmento Select, de renda superior a 10.000 reais. Intitulado Você e Seu Dinheiro, o texto afirmava que se a presidente (Dilma Rousseff) subir ou se estabilizar nas pesquisas de intenção de voto, o câmbio se desvalorizará e a bolsa reverterá parte das altas recentes. O teor dos comentários provocou pronta reação do Palácio do Planalto e do PT, o que levou o Santander Brasil a publicar uma nota com um desconfortável pedido de desculpas. Em sabatina promovida pelo jornal Folha de S. Paulo na segunda-feira, a presidente classificou o direito a liberdade de expressão da equipe de análise do banco como "inadmissível" e disse que cobraria pessoalmente explicações do presidente do banco. No mesmo dia em que o governo se armou contra o Santander, o PT silenciosamente protocolou uma representação contra a consultoria de investimentos Empiricus Research no Tribunal Superior Eleitoral. A justificativa foi a mesma que a usada pelo presidente do PT, Rui Falcão, para recriminar o banco espanhol: "terrorismo eleitoral". Ou, de forma mais sofisticada, "fazer manifestações que interfiram na decisão de voto". O Santander comprovou que é um banco rastejante do PT e do petismo.

DEPOIS DA EUROPA, ESTADOS UNIDOS ANUNCIAM MAIS SANÇÕES CONTRA A RÚSSIA

A União Européia superou meses de desentendimentos e liberou finalmente nesta terça-feira novas sanções econômicas contra a Rússia. Horas depois, o governo americano seguiu a ação européia e também anunciou novas medidas destinadas a punir o Kremlin por seu apoio a terroristas separatistas no leste da Ucrânia. A nova onda punitiva ocorre depois da derrubada de um Boeing 777 da Malaysia Airlines por um míssil na região de Donetsk, lançado por terroristas separatistas que têm o apoio da Russia. A tragédia deixou quase 300 vítimas. Os Estados Unidos anunciaram medidas contra “setores chave da economia russa”, incluindo os de energia, armas e financeiro. Bancos serão atingidos, assim como uma grande companhia de defesa. Além disso, o governo americano bloqueou vendas de produtos de tecnologia para a lucrativa indústria de petróleo da Rússia, em um esforço para minar a capacidade do país de desenvolver recursos nesta área, informou o jornal The New York Times. Ao anunciar as novas sanções, Obama afirmou que a Rússia “está mais uma vez se isolando da comunidade internacional e recuando em décadas de progresso genuíno”. Ele ressaltou que o governo Putin foi além do apoio aos separatistas e agora está participando diretamente no conflito, disparando artilharia através da fronteira, transportando mais equipamento para os rebeldes e usando suas próprias tropas. O presidente americano reforçou que seu governo tem provas de que a Rússia está armando os separatistas e que lançou ataques pela fronteira. Ao ser questionado se os Estados Unidos estão considerando uma ajuda militar à Ucrânia, sugeriu que não, ao afirmar que o Exército ucraniano “está mais bem armado que os separatistas”: “A questão é como evitar derramamento de sangue no leste da Ucrânia. Estamos tentando evitar isso. E a principal ferramenta que temos para influenciar o comportamento da Rússia neste momento é o impacto na sua economia”. Obama salientou ainda que as medidas anunciadas terão um impacto maior por estarem combinadas com as sanções européias. As ações foram cuidadosamente orquestradas para demonstrar solidariedade diante do que tanto americanos como europeus consideram uma escalada na participação russa na insurgência no leste ucraniano. Até agora, os líderes europeus resistiam a ampliar as sanções e a decisão de fazê-lo reflete a preocupação com o fato de que a Rússia não está apenas ajudando os rebeldes, mas envolvendo-se diretamente no confronto. As medidas adotadas pela Europa foram as mais duras desde a Guerra Fria, com potencial para causar sérios prejuízos econômicos ao país, que depende muito do mercado europeu para a venda de petróleo e gás, e também como fonte de financiamento e fornecedor de componentes para sua área militar. Todos os três setores serão atingidos pelas sanções anunciadas nesta terça-feira. Ao Washington Post, Sophia Pugsley, especialista em relações União Europeia – Rússia no European Council on Foreign Relations, afirmou que a queda da aeronave “mudou tudo”. Mudou também a postura da Alemanha, de forma decisiva: “Eles são os que vão sentir a dor nas áreas em que dependem da Rússia”. A Rússia fornece um terço do gás consumido pela Alemanha, enquanto a Grã-Bretanha depende muito do dinheiro russo para alimentar seu setor financeiro e a França vende navios de guerra para o governo russo. As sanções dos Estados Unidos incluem três grandes bancos estatais – Banco de Moscou, VTB e Russian Agricultural Bank – e um grupo da área de defesa, United Shipbuilding Corporation. Os Estados Unidos também está barrando exportações de tecnologias em várias áreas do setor de energia, incluindo gás de xisto e exploração de petróleo em alto-mar.

DILMA DEFENDE A ARGENTINA POPULISTA IRRESPONSÁVEL, CRITICA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO E EXIGE "REGRAS CLARAS"; ELA VOLTOU A DEMONSTRAR SUA OJERIZA À INICIATIVA PRIVADA

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta terça-feira a postura da Argentina, que está em um processo de negociação de dívida com credores e corre o risco de calote se não honrar o pagamento até a noite de quarta-feira. A presidente classificou como "inaceitável" que a ação de "uns poucos especuladores" coloque em risco a estabilidade de um país. Dilma, que já havia defendido o país vizinho durante a cúpula da Unasul, no início de julho, se prontificou a levar a questão argentina ao encontro do G20. O governo argentino negocia com credores nos Estados Unidos, os chamados fundos abutres, que não aceitaram a reestruturação da dívida do país após o default de 2001. Tais credores querem receber o valor integral da dívida e acionaram o país na Justiça americana. Em junho, o juiz federal Thomas Griesa concedeu decisão favorável aos fundos. Assim, a Argentina só conseguirá pagar os credores que aceitaram a reestruturação se também honrar o compromisso com os chamados abutres. O gestor do principal fundo envolvido, Jay Newmann, afirmou que o governo argentino jamais aceitou sentar para negociar com os credores e sempre ofereceu propostas unilaterais. A presidente Dilma, contudo, defendeu a atitude do país vizinho. "O problema que atinge hoje a Argentina é uma ameaça não só para um país irmão. Atinge a todo o sistema financeiro internacional", disse Dilma durante reunião de cúpula do Mercosul em Caracas. "Não podemos aceitar que a ação de alguns poucos especuladores coloquem em risco a estabilidade e o bem-estar de países inteiros. Precisamos de regras claras e de um sistema que permita foros imparciais, permita previsibilidade e, portanto, justiça no processo de reestruturação de dívidas soberanas", afirmou. Ou seja, ela voltou a demonstrar a sua ojeriza à iniciativa privada.

SKAF IRONIZA APOIO A DILMA E ABRE CRISE NO PMDB

Um vídeo do candidato do PMDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, ironizando a possibilidade de apoiar a campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff desagradou o vice-presidente da República, Michel Temer, e deflagrou uma crise no partido. Produzido pela equipe da campanha do peemedebista, o vídeo mostra o candidato dentro de um vagão do metrô quando é indagado: "Skaf, e esse papo de apoiar o PT?". Na sequência, ele sorri e responde com um bordão provocativo usado pelo cantor de axé Compadre Washington em uma peça publicitária: "Sabe de nada, inocente!". A divulgação do vídeo na internet deixou Temer em situação desconfortável com o Palácio do Planalto. Desde a última sexta-feira, Temer já enquadrou Skaf sobre o tema três vezes – o último telefonema foi na segunda-feira. Dirigentes do PMDB tentam agendar para esta quinta-feira uma reunião com a Comissão Executiva estadual e a cúpula da campanha de Skaf para afinar o discurso. Fiador da candidatura de Skaf, o vice-presidente já assegurou publicamente que Skaf fará campanha por Dilma. O vice, também candidato à reeleição, defende que as campanhas do PT e do PMDB mantenham uma relação cordial no maior colégio eleitoral do País. "Existe uma insatisfação em relação às declarações que Skaf tem dado. O partido dá a ele sustentação da candidatura e é o dono do palanque. Os companheiros estão chateados, já existe uma revolta, uma espécie de levante na capital paulista e entre prefeitos do interior contrários a esse posicionamento", disse o chefe de gabinete de Temer no Estado, e tesoureiro do PMDB paulista, Arlon Viana. "Ao se posicionar contra a Dilma, ele se posiciona contra o Michel, que é nosso líder maior e bancou a candidatura dele quando existiam outros interessados. O PMDB não dá o direito a ele de tomar essas decisões unilaterais. Eu interpreto o pensamento dos meus companheiros do partido, não é um pensamento só meu". O presidente do PMDB paulista, deputado estadual Baleia Rossi, assegurou que o PMDB fará campanha para Dilma: "O partido sempre esteve alinhado com o Michel e nunca titubeamos. Em termos partidários, nós vamos fazer a campanha da Dilma em São Paulo", disse Rossi. "Houve uma interpretação desse vídeo realmente, mas a questão é estadual. O Paulo Skaf está pontuando que é contra o PT e o PSDB, partidos que não estão vindo com flores na mão para ele". Desde que o comitê de campanha de Dilma começou a tentar uma aproximação com Skaf como alternativa à estagnação da campanha do candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes, Alexandre Padilha, o peemedebista tem rejeitado ceder espaço: "Nossa candidatura não tem vínculos com o PT, nossa proposta é independente. O palanque natural da presidente é o do candidato do PT". Skaf segue uma orientação de marketing, área comandada por Duda Mendonça: afastar qualquer possibilidade de associação da imagem dele à de Dilma – que tem rejeição de 47% em São Paulo.

BRASIL TEM 7 MILHÕES DE ELEITORES A MAIS DO QUE EM 2010

O Tribunal Superior Eleitoral divulgou nesta terça-feira estatísticas das eleições presidenciais deste ano: o número de eleitores no Brasil subiu 5,17%, passando de 135.804.433 em 2010 para 142.822.046 em 2014. As mulheres continuam sendo maioria e representam 74,5 milhões dos votantes neste ano, alta de 5,81% em relação a 2010. Em relação aos homens, o número passou de 65,2 milhões para 68,2 milhões, acréscimo de 4,54% desde a última eleição presidencial. O eleitorado brasileiro está, também, mais velho: a faixa etária predominante está entre 45 e 59 anos - 33,8 milhões de pessoas. O grupo entre 25 e 34 anos passou de 32,7 milhões para 33,2 milhões. Já a população com 60 anos ou mais subiu de 20,7 milhões para 24,2 milhões. Em todo o Brasil, 764 municípios terão urnas eletrônicas com sistema de biometria. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, José Antonio Dias Toffoli, disse que espera um aumento no número de representações contra candidatos à Presidência da República a partir de 19 de agosto, quando começa a propaganda eleitoral no rádio e na TV. Isso porque, a partir de então, as campanhas deverão pedir direitos de resposta e retirada do ar de peças publicitárias de adversários – os dois pontos integram os principais recursos que chegam ao TSE em período eleitoral. Até o momento, a Corte recebeu 46 processos envolvendo os candidatos a presidente, patamar considerado moderado por Toffoli. Nos tribunais regionais eleitorais, porém, a Justiça registrou o acirramento das disputas entre políticos que concorrem a vagas para deputado, senador e governador. “Tenho ouvido dos presidentes dos TREs que há muita judicialização das campanhas estaduais”, disse Toffoli. São Paulo segue sendo o Estado com o maior colégio eleitoral do País - 31,9 milhões de eleitores, ou 22,4% do total. Minas Gerais aparece em segundo, com 15,2 milhões de eleitores, seguido pelo Rio de Janeiro, com 12,1 milhões. A Bahia tem 10,1 milhões de leitores e o Rio Grande do Sul, 8,3 milhões. Roraima é o menor colégio, com 299.000 eleitores.

TECNICO SABELLA ANUNCIA SAIDA DA SELEÇÃO ARGENTINA

O técnico Alejandro Sabella avisou nesta terça-feira à Associação do Futebol Argentino (AFA) que não renovará contrato com a seleção do país. Mesmo antes do vice-campeonato mundial no Brasil, o treinador já havia afirmado que não pretendia seguir no cargo que ocupava desde setembro de 2011. O presidente Julio Grondona tentou convencê-lo do contrário, mas Sabella estava decidido a deixar a seleção. Os nomes mais cotados para substituir Sabella, de acordo com o jornal esportivo Olé, são Gerardo Tata Martino, José Pekerman, Diego Simeone, Miguel Ángel Russo, Mauricio Pellegrino e Ramón Díaz. O próximo compromisso da equipe será uma revanche da final da Copa, em amistoso contra a Alemanha, no dia 3 de setembro, em Düsseldorf.

NOVO LEILÃO DE ENERGIA VAI DISPONIBILIZAR 26,3 MIL MEGAWATTS AO SISTEMA

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) cadastrou 1.034 projetos de geração de energia para o leilão de reserva de 2014, no total de 26.297 megawatts, informou nesta terça-feira a entidade em comunicado. O leilão está marcado para 31 de outubro e busca restaurar o equilíbrio entre a oferta e demanda após a crise aguda enfrentada pelo setor devido à falta de chuvas e à má condução dos leilões promovidos pelo governo no ano passado.Este leilão será importante no atual momento, já que as distribuidoras estão com descompasso entre a energia já contratada e a demanda. No ano passado, os leilões tradicionais do mercado cativo não preencheram todas as necessidades das distribuidoras e, por isso, elas precisam comprar eletricidade no caro mercado à vista. Apesar dos esforços do governo para que as empresas não repassem a conta neste ano aos consumidores, através dos reajustes e revisões tarifárias, no fim, os gastos extras serão pagos de algum modo pelos brasileiros. A fonte solar fotovoltaica tem 400 projetos cadastrados, no total de 10.790 MW. A energia eólica cadastrou 626 projetos, no total de 15.356 MW. Já as térmicas a biogás e resíduos sólidos urbanos cadastraram 8 projetos, somando 151 MW. Os projetos ainda precisarm passar pela fase de habilitação para poderem efetivamente ofertar energia no leilão.

EPIDEMIA DE EBOLA ESTÁ FORA DE CONTROLE

A pior epidemia de Ebola da história, como classificou Organização Mundial da Saúde (OMS), já infectou mais de 1 000 pessoas e matou ao menos 660 no oeste da África. A doença, para a qual não existe cura ou vacina, é conhecida por ser altamente transmissível e mortal: a taxa de óbitos entre infectados pode chegar a 90%. Neste fim de semana, com a confirmação do primeiro óbito na Nigéria, o surto passou a afetar quatro países, incluindo Serra Leoa, Guiné e Libéria. O vírus Ebola foi descoberto em 1976, quando houve 431 mortes. Desde então, os principais surtos aconteceram em 1995 (254 óbitos), 2000 (224) e 2007 (224), todos na África. O atual surto teve início em março, na Guiné e, em maio, se espalhou para Serra Leoa após um curandeiro infectado transitar entre os dois países. Profissionais de saúde que ajudam a tratar pacientes infectados estão entre as vítimas, como um médico que liderava o combate à doença na Libéria, morto no sábado. Alguns fatores ajudam a explicar por que a epidemia cresceu tanto. Um deles é o fato de que, pela primeira vez, o vírus ultrapassou áreas rurais e chegou às capitais, onda a densidade demográfica é mais alta. "Os surtos anteriores foram localizados, o que facilitou o isolamento dos pacientes e o controle da doença", disse Nestor Ndayimirije, representante da OMS. Além disso, crenças populares e falta de informação atrapalham o combate à moléstia. Como não existe prevenção contra a doença, medidas como identificar pessoas infectadas rapidamente e colocá-las em quarentena para evitar transmissão do vírus ajudam a controlar o surto. No entanto, nos países endêmicos, há relatos de pessoas que escondem familiares doentes; de pacientes que fogem do isolamento; e de famílias que mantêm o cadáver de um parente por vários dias em suas casas. A OMS afirma que divulgar o maior número de informações sobre a doença para a população é importante para prevenir os surtos de Ebola. Mas o baixo investimento em saúde nos países acometidos pela doença dificulta essa estratégia. Segundo reportagem da rede americana CNN, na Guiné, por exemplo, onde a expectativa de vida da população é de 58 anos, o governo gastou uma média em 7 dólares por pessoa em saúde em todo o ano de 2011. No mundo, a média em 2010 foi de 571 dólares per capita. Algumas autoridades de saúde africanas, porém, acreditam que os relatos de casos e mortes têm dado mais atenção ao Ebola. "Não estamos dizendo que está tudo bem, mas agora há menos pessoas morrendo em silêncio", disse Sakouba Keita, ministro da Saúde da Guiné.  Um comunicado da OMS divulgado na semana passada exigiu que os governantes adotassem medidas "drásticas" para combater o surto atual diante da preocupação com a possibilidade de transmissão a países vizinhos. No domingo, a presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, anunciou o fechamento da maior parte das fronteiras terrestres do país. Os poucos pontos que não foram interditados, segundo ela, terão centros para auxiliar na prevenção da epidemia. Ellen também determinou que hotéis e restaurantes exibam a seus clientes um vídeo de 5 minutos contendo informações sobre a moléstia e proibiu eventos públicos e manifestações, para reduzir o risco de contágio. A OMS considera baixo o risco de contágio entre pessoas que viajam a regiões endêmicas, já que a transmissão do vírus acontece a partir do contato com fluidos corporais dos doentes (sangue, suor, urina e saliva, por exemplo) – e não pelo ar, por exemplo.

JUSTIÇA ACEITA PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS DO GRUPO ESPÍRITO SANTO

O tribunal comercial de Luxemburgo aceitou o pedido de recuperação judicial apresentado pelo Espírito Santo Financial Group (ESFG) e pela Rioforte Investments, ambas do português Grupo Espírito Santo (GES), que passa por dificuldades financeiras. A idéia é, com a proteção contra credores, ganhar tempo para reestruturar as finanças das empresas e evitar a venda descontrolada de ativos para pagar as dívidas. Em comunicado, o Tribunal disse que considerou admissíveis os argumentos das empresas. Segundo a imprensa portuguesa, o valor das dívidas das duas empresas é de aproximadamente 7 bilhões de euros. As autoridades de Luxemburgo já haviam aceitado o pedido de recuperação judicial de outra empresa do GES, a Espírito Santo International (ESI). A ESI é controlada em 56% pela família Espírito Santo e detém a totalidade do capital da Rioforte, holding através da qual controla 49% da Espírito Santo Financial Group (ESFG), que é, por sua vez, o maior acionista do Banco Espírito Santo (BES), com 20% de participação. As dificuldades financeiras da Rioforte prejudicaram o andamento da fusão entre a Portugal Telecom e a Oi, após a operadora portuguesa tomar calote da Rioforte. O problema teve início quando a Rioforte recebeu, ao longo do primeiro semestre, cerca de 900 milhões de euros da Portugal Telecom, em troca de títulos com vencimento de curto prazo. Ao dar o calote nessa dívida, a Rioforte comprometeu o caixa da Portugal Telecom e, consequentemente, sua fusão com a Oi. Pelo fato de ambas estarem interligadas ao BES, o banco também tem sido alvo de grande desconfiança. Oi e Portugal Telecom tiveram de rever os termos da fusão para que a operadora brasileira seja menos afetada.

MINISTÉRIO PÚBLICO DE SÃO PAULO QUER OBRIGAR A PREFEITURA DE ITU A DECRETAR "ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA" POR FALTA DE ÁGUA, O MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLVEU SE TORNAR PROPAGANDISTA POLÍTICO EXPLÍCITO

O Ministério Público do Estado de São Paulo "recomendou" à prefeitura de Itu (equivale a uma ameaça), cidade localizada na região de Sorocaba, que seja decretado "estado de calamidade pública" devido aos transtornos que a população enfrenta pela falta de água. Com o nível dos reservatórios beirando o esgotamento, os 156.000 moradores convivem com o racionamento desde fevereiro. No sistema de racionamento, a população recebe água em dias alternados. Em alguns bairros o abastecimento ocorre uma vez a cada três dias. Caso seja decretado o "estado de calamidade pública", será possível contratar serviços de abastecimento - como caminhões-pipa - sem a necessidade de licitação. A Promotoria de Justiça de Itu "notificou" o prefeito Antonio Tuíze (PSD). Um inquérito civil público vai apurar se existe responsabilidade da prefeitura ou da concessionária de saneamento pela crise no abastecimento. Segundo a promotoria, a falta de água no município não se restringe aos períodos de estiagem. Outro fator que colaborou para a falta do recurso é a baixa capacidade de armazenamento dos reservatórios usados para captação. O prazo dado à prefeitura pelo Ministério Público é de 30 dias, contados a partir de segunda-feira, para apresentar um plano de abastecimento pleno para a cidade. O Ministério Público quer se arrogar funções do Poder Executivo. Nesta terça-feira, moradores reclamaram que a água fornecida pela
prefeitura chega aos lares turva e com odor ruim. A concessionária Águas de Itu afirmou que as alterações se devem ao acúmulo de cloro e flúor nos encanamentos e alertou a população para evitar o consumo, embora tenha descartado que a água fornecida ofereça risco à saúde. A prefeitura informou que está em busca de alternativas para solucionar os problemas de abastecimento, inclusive cobrando da concessionária medidas para amenizar a falta de água. "Desde que foi notificada, está sendo estudada a melhor maneira para atender as recomendações do Ministério Público, no que cabe ao Poder Executivo", informou o órgão. A Águas de Itu apontou que a estiagem se prolongou além dos índices históricos e está adotando medidas para manter o abastecimento emergencial. O período tradicionalmente chuvoso, que vai de outubro a março, foi caracterizado por uma estiagem atípica entre 2013 e 2014 em São Paulo. A crise hídrica, contudo, não pode ser atribuída apenas aos humores de São Pedro: já em 2004 constava no documento da renovação da outorga do sistema à Sabesp, entregue pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) do Estado, um alerta sobre a insuficiência do Cantareira, sobretudo diante da excessiva dependência do sistema. Os problemas deveriam ter sido sanados pela companhia. Um plano de estudos foi entregue dois anos depois ao DAEE pela Sabesp, mas não atendia completamente a requisição e um novo estudo ficou a cargo do Estado. Iniciado em 2008 e concluído em 2013, o Plano Diretor de Recursos Hídricos para a Macrometrópole Paulista aponta a necessidade de investimentos entre 4 bilhões e 10 bilhões de reais em novos reservatórios, meios de captação e transferência de água. Dessa lista, dois projetos a curto prazo atrasaram e só ficarão prontos em 2018 – caso do novo sistema produtor de águas São Lourenço.

FMI INCLUI O BRASIL NO GRUPO DOS CINCO PAÍSES EMERGENTES VULNERÁVEIS A UMA NOVA CRISE. O PT VAI QUERER CENSURAR O FUNDO TAMBÉM?

Ai, ai, ai… “Quos volunt di perdere, dementant prius”. Eis um velho adágio latino. Podemos traduzi-lo assim: “Quando os deuses querem destruir alguém, começam por lhes tirar o juízo”. É o que me ocorreu ao saber que a presidente Dilma Rousseff afirmou, na sabatina a que se submeteu na segunda-feira, que as perspectivas negativas da economia são equiparáveis ao pessimismo pré-Copa. Ou por outra: seria tudo espuma sem fundamento. A presidente finge que os números não estão aí: juros de 11% ao ano, crescimento abaixo de 1% e inflação, hoje, acima do teto da meta, que é de 6,5%. No fim do ano, deve ficar pouco abaixo desse limite. Vale dizer: não estamos lidando com meras expectativas ou subjetivismos, mas com fatos realizados.

Nesta terça-feira, veio o balde de água fria da realidade na cálida ilusão do palavrório. O FMI incluiu o Brasil no grupo das cinco economias mais frágeis entre os chamados países emergentes, na companhia de Índia, Turquia, Indonésia e África do Sul.
Segundo o Fundo, o Brasil pode ser afetado duramente pela retirada de estímulos à economia dos países ricos, com a consequente elevação da taxa de juros, e pelo crescimento abaixo do esperado dos emergentes. O Brasil pode ficar numa situação difícil, com queda do preço das commodities — o que seria péssimo para uma balança comercial já combalida —; dificuldades para contrair financiamento externo; redução de investimentos; queda no preço dos ativos em Bolsa e desvalorização cambial. O conjunto seria danoso para a expansão do Produto Interno Bruto.
Em agosto do ano passado, o banco americano Morgan Stanley já havia feito um alerta sobre as fragilidades desses cinco países. Por aqui, o governo deu de ombros, com a arrogância costumeira. Naquele caso, falava-se especificamente do fim do ciclo de estímulos à economia americana, que voltava a crescer. Foi batata! Nos meses seguintes, esses cinco países viram fuga de capitais e desvalorização de suas respectivas moedas. Ninguém, como o Brasil, sofreu tanto nesse processo.
É claro que não cabe a Dilma Rousseff, numa sabatina, admitir que a situação é muito difícil. Mas também é preciso tomar cuidado com a parvoíce e com o simplismo, que assustam ainda mais os agentes econômicos. Quando a presidente da República compara dificuldades reais da economia — para as quais o governo, até agora, não aponta respostas — com mero pessimismo sobre Copa do Mundo, dá evidentes sinais de alheamento da realidade.
Segundo o FMI, as principais dificuldades do País hoje são a baixa taxa de investimento e de poupança doméstica. O caminho seria atacar os gargalos de infraestrutura — especialmente no setor elétrico e de transportes —, adotar medidas que elevem a produtividade e a competitividade e mudar o rumo da prosa, não ancorando o crescimento apenas no consumo, como de fez nos últimos anos. Esse ciclo já se esgotou.
Ocorre, meus caros, que isso é tudo o que o governo tem demonstrado que não sabe fazer. Certo! Daqui a pouco, os propagandistas palacianos começam a atacar o FMI e, talvez, Lula venha a público com um palavrão novo — a exemplo do que fez ao contestar a avaliação negativa de um banco sobre a economia —, achando que resolve tudo no berro. Não resolve.
Há uma hora em que é preciso ter mais do que sorte e garganta; é preciso ter também competência. Por Reinaldo Azevedo

ANDRADE GUTIERREZ ASSUME NEGÓCIO DA IESA E SALVA O PÓLO NAVAL DO JACUÍ

A empreiteira Andrade Gutierrez concluiu as negociações para adquirir participação no estaleiro da Iesa Óleo e Gás em Charqueadas (RS), que tem contrato para fornecer módulos de compressão de gás para plataformas tipo FPSO (unidades flutuantes de produção, armazenamento e descarga) da Petrobras, com valor estimado em mais de 800 milhões de reais, mas está com o cronograma atrasado devido a problemas financeiros. A Iesa está com suas atividades praticamente paralisadas e ameaçava afundar o Pólo Naval de Jacuí. Graça Foster, a petista presidente da Petrobras, veio ao Rio Grande do Sul há duas semanas, e todos fizeram pressão sobre a empreiteira para salvar o Pólo. A Iesa queria prosseguir no comando, recebendo apenas dinheiro da Andrade Gutierres, mas foi obrigada a ceder. O contrato será assinado nesta semana.

MINISTRO DA JUSTIÇA E AGU PRESSIONARAM O TCE PARA ADIAR A VOTAÇÃO DO CASA PASADENA

O governo e o PT perderam definitivamente o pudor, porque depois que Lula pressionou o ministro Gilmar Mendes para absolver os mensaleiros, agora o próprio ministro da Justiça e o advogado da AGU, pressionaram o TCU para adiar a votação do caso Pasadena. A Folha de S. Paulo desta terça-feira acusa o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de pressionar o Tribunal de Contas da União para adiar a votação do processo que apurava prejuízo na compra da Refinaria de Pasadena, pela Petrobras, um dia antes do órgão analisar o caso no plenário. Cardozo teria acompanhado, sem aviso prévio, o advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, que tinha audiência agendada com o presidente do órgão, ministro Augusto Nardes. Questionado pelo jornal, o "porquinho" petista José Eduardo Cardozo informou, por meio de sua assessoria, que cabe a ele "acompanhar regularmente todos os casos que dizem respeito a atividades ordinárias da pasta - o que justifica a atuação junto aos órgãos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário por meio do titular da Pasta, secretários e diretores".

GRÊMIO CONTRATA FELIPÃO DE NOVO, É O VELHO ESPÍRITO MÁGICO REDIVIVO

Felipão é o novo treinador do Grêmio. O treinador, que deixou a Seleção Brasileira após o fracasso na Copa do Mundo, quando levou 7 a 1 da Alemanha e 3 a 0 da Holanda, aceitou o convite do presidente Fábio Koff, nesta terça-feira, em reunião realizada em São Paulo. O contrato é para valer até o final de 2016. Felipão deve chegar nesta quarta-feira a Porto Alegre para ser apresentado pelo clube. Felipão retorna ao comando do time do Grêmio depois de 18 anos. Acompanhado do advogado do clube, Gabriel Vieira, o presidente Fabio Koff embarcou para São Paulo por volta das 10 horas. O objetivo era dissuadir Luiz Felipe Scolari de não voltar a treinar nenhum clube após o Mundial no Brasil. E conseguiu. Felipão assume o Grêmio pela terceira vez. Na primeira, em 1987, conquistou o Gauchão. Depois, entre 1993 e 1996, levantou alguns dos principais títulos do clube: Copa do Brasil, em 1994, Libertadores, em 1995, Recopa Sul-Americana e Brasileirão, em 1996.

RISCOS JURÍDICOS SOMAM R$ 2,6 TRILHÕES POR PROVISIONAMENTOS INADEQUADOS

As empresas brasileiras precisam provisionar atualmente um total de R$ 2,6 trilhões para pagamentos na fase de execução das sentenças. O montante representa quase metade do PIB brasileiro. Especialistas apontam que esse valor poderia ser bem menor caso houvesse um acompanhamento rigoroso das empresas sobre sua situação processual. Segundo levantamento da empresa de tecnologia para gestão jurídica e-Xyon, existem cerca de 65 milhões de processos não criminais no Brasil, de acordo com a base de dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Com base nesses dados, a companhia identificou os processos existentes em cada uma das áreas do Judiciário (Cível, Juizado Especial Cível, Trabalhista e Tributário). Para cada uma delas foi estimado um valor médio provisionado, com base em pesquisas e análise de mercado. A área tributária é a que leva A maior média de provisionamento: R$ 40 mil. Na área cível de primeiro e segundo grau, a média provisionada é de R$ 20 mil — no Juizado Especial Cível é de R$ 1 mil. Para processos na Justiça do Trabalho, as empresas reservam cerca de R$ 10 mil. Os valores médios foram estabelecidos com base na alternativa mais otimista de uma análise de cenários. O grau do risco determina quanto a empresa vai imobilizar em recursos para atender as demandas judiciais. Segundo Mauro Sampaio, sócio-diretor da e-Xyon, por falta de informações confiáveis a respeito do andamento dos processos, é comum as empresas destinarem mais dinheiro do que o necessário para cobrir os custos das ações. Segundo ele, o acompanhamento correto liberaria de 10% a 15% dos recursos destinados ao provisionamento. “Isso significa trocar o dinheiro de coluna no balanço saindo da parte de perdas, liberando recursos para o crescimento do negócio, valorizando ainda mais as empresas”, afirma. Segundo José Ricardo de Bastos Martins, sócio do escritório Peixoto & Cury Advogados, quem define os provisionamentos não são advogados, mas auditores e contadores. “A provisão é uma atitude que está dentro da disciplina da contabilidade. Quem toma a decisão é o contador, com base nos preceitos contábeis do país”, explica. Dentre os vários princípios contábeis existe aquele que prevê, quando uma determinada ação judicial é apresentada, é necessário avaliar seu risco para que o valor máximo possível dessa materialização seja separado dos resultados da empresa para pagar essa possível demanda. Para Martins, o papel do advogado nesse tema é contribuir para o processo de decisão com o fornecimento de informações. “É feita uma avaliação dos processos, sobre sua chance de materialização, seja alta, média ou remota”, conta. Isso tem importância porque influencia na qualidade do balanço patrimonial das companhias. O balanço é um retrato da companhia naquele momento. Ele tem a obrigação de dizer a verdade porque é assinado por um contador que aplica princípios contábeis. “Se uma provisão não é feita da maneira correta a foto da empresa não fica correta. Ou seja, os resultados da empresa ficam maquiados”, comenta. Para as sociedades abertas, com ações pulverizadas e sócios anônimos, há uma obrigação de transparência. Se as demonstrações financeiras não estão corretas, o acionista está sendo ludibriado. Por consequência, um provisionamento inadequado pode ser considerado também uma violação das regras de mercados de capitais. Nas empresas fechadas, um balanço incorreto pode prejudicar a gestão de uma companhia e caso as instituições bancárias tomem conhecimento desses erros as linhas de crédito podem ser suspensas e multas aplicadas. “Em casos mais graves, em que fica caracterizada a gestão fraudulenta o caso sai do âmbito cível e vai para o penal”, aponta. Para que os advogados contribuam para um provisionamento adequado são feitos relatórios com base na experiência profissional, conhecimento da lei e jurisprudência. “Em um caso hipotético de acidente de trânsito sobre um carro que bate atrás de outro parado, por exemplo, numa pesquisa é verificado que 97% dos juízes do estado de São Paulo julgaram que é uma prova irrefutável de culpa bater por trás de carro parado. Então eu passo essa grande probabilidade para o contador, que decide provisionar ou não, dependendo qual parte ele representa”, comenta. A demanda pelo mapeamento correto dos riscos jurídicos criou empresas no Brasil com um perfil multidisciplinar, que reúnem advogados e contadores, apenas para quantificar os passivos e liquidação de processos. Na visão de Luiz Carlos Bernhoeft, contador e sócio da Bernhoeft Contadores, existem muitos equívocos na hora de quantificar o passivo do provisionamento. “O caso mais extremo que encontrei foi um processo que estava registrado por R$ 3 milhões, mas a causa era só de R$ 100 mil. Esse dinheiro estava preso, sem uso”, exemplifica. Ele relata que também já encontrou muitas companhias que provisionam menos do que o necessário. Nesses casos ele explica que normalmente os gestores fazem isso para bater metas dentro das empresas. Outros casos são processos cotados indevidamente— isto é, ações que já foram encerradas, mas como as empresas ainda não deram baixa, permanecem provisionados. “Um caso que eu tenho é de uma empresa em que fiz um levantamento para validar sua contingência. Recebi 150 processos para avaliar e descobri que 23% deles estavam encerrados. Aí as razões podem ser várias, como simples desorganização ou até advogados que ganham por processo e não querem retirá-los para não diminuir os honorários”, explica. Bernhoef conta que recebe relatórios de advogados com análises do processo, das teses, do entendimento do Judiciário, a jurisprudência, a tendência do Judiciário de determinada cidade ou Estado, o que permite quantificar em porcentagem o risco de um processo. Ele defende a participação de contadores porque, muitas vezes, os advogados propõem acordos aos reclamantes baseados em números que eles mesmos calculam. “O recomendado é que isso seja calculado por um terceiro, com embasamento jurídico, mas com formação de contador para ser mais isento e aplicar os princípios contábeis”, explica. Ele relata que firmas de auditoria também aceitam outras metodologias para o cálculo do provisionamento, como um critério de média de condenações do ano anterior. “Na minha opinião essa forma é mais sujeita ao erro porque podem existir alguns processos fora da curva. Eu defendo a análise jurídica ampla e os princípios contábeis com método mais confiável”, opina. Outro foco de atuação também é a prevenção das companhias para não precisarem de grandes provisionamentos. “Por exemplo, é muito comum que o passivo trabalhista das empresas seja formado não por funcionários próprios, mas por terceirizados. Um trabalho preventivo importante é prevenir e fiscalizar os passivos dos terceirizados porque hoje há inúmeras decisões de responsabilização solidária das companhias”, comenta. Ele orienta também a necessidade de um conhecimento mais amplo dos diversos públicos, como os clientes, contrapartes, intermediários, fornecedores, órgãos reguladores e autoridades fiscais, além de criação de boas políticas de RH. (Consultor Juridico)

PREVISÃO DE GASTO COM A OLIMPÍADA DO RIO DE JANEIRO PASSA DE R$ 28,8 BILHÕES PARA R$ 37,6 BILHÕES, E VAI CRESCER..... VAI CRESCER......

Com novas obras licitadas, no Complexo Esportivo de Deodoro, os custos com projetos relacionados às arenas, para os Jogos Olímpicos de 2016, passaram de 5,6 bilhões de reais para 6,5 bilhões de reais. Essa diferença representa uma atualização da Matriz de Responsabilidade da Olimpíada, documento que enumera as obras fundamentais para o evento. Agora, os gastos com os Jogos de 2016 já alcançaram 37,6 bilhões de reais, assim distribuídos: arenas: 6,5 bilhões de reais; legado: 24,1 bilhões de reais; e investimento do Comitê Organizador da Olimpíada, 7 bilhões de reais. O orçamento previsto na candidatura brasileira era de 28,8 bilhões de reais. “Não se trata agora de um aumento de custos. Como houve a licitação de 11 intervenções em Deodoro, as cifras foram atualizadas”, disse, nesta terça-feira, no Rio de Janeiro, o presidente da Autoridade Pública Olímpica (APO), general Fernando Azevedo e Silva. Dos 52 projetos essenciais para a Olimpíada, 15 ainda estão sem custo e prazo de início de obras definidos. Quando houver a licitação, os valores do gasto total com os Jogos vão ser alterados. “Essa mudança se dá automaticamente quando a licitação é feita. Portanto, são custos previstos”, disse o general. A Olímpíada vai custar, frouxo, frouxo, por baixo, mas de 50 bilhões de reais.

DILMA E A FAIXA DE GAZA - NÃO É NEM GENOCÍDIO NEM MASSACRE, PRESIDENTE. É SÓ IGNORÂNCIA!

Volto à sabatina a que se submeteu a presidente Dilma Rousseff, promovida pela Jovem Pan, pela Folha e pelo SBT. Mesmo em condições especiais na comparação com outros candidatos — afinal, ela estava em sua casa, ainda que temporária (o Palácio da Alvorada), e sem público —, e com entrevistadores, no geral, benevolentes, seu desempenho foi pífio. Já escrevi a respeito já (leiam post). Volto ao assunto.

Começo pela questão israelo-palestina. Contrariando a avaliação de um dos gênios que ela tem na assessoria, Marco Aurélio Garcia — este milagre às avessas da natureza! —, Dilma avalia que não há “genocídio” na Faixa de Gaza. Ah, bom! Não deixa de ser um avanço. Mas ela vê um “massacre”. Está igualmente errada. Massacre é o que as milícias árabes fizeram em Darfur, presidente, no Sudão, sob o silêncio cúmplice do PT. Foram mais de 500 mil mortos, e o governo brasileiro se negou a condenar o ditador Omar al-Bashir. Massacre é o que praticou Bashar al-Assad em algumas cidades da Síria, sob o mesmo silêncio pusilânime do seu governo. Em Gaza, por mais dramática que seja a situação — e é —, trata-se, sim, de uma guerra. E o grande número de vítimas civis se deve à forma como o Hamas organiza a sua milícia, usando a população como escudo, o que é franca e escancaradamente admitido pelos terroristas. Um “massacre”, soberana, não é mera questão subjetiva.
Uma presidente da República não pode falar o que dá na telha, especialmente sobre política externa. Afinal, representa o conjunto dos brasileiros. Dilma deu vexame. Afirmou que o Brasil foi o primeiro país a reconhecer o Estado de Israel. Provavelmente, lembrou-se de que o brasileiro Oswaldo Aranha presidiu a sessão da ONU que decidiu a partilha do antigo protetorado britânico entre os Estados de Israel e a Palestina. Os  árabes não aceitaram, e vocês conhecem o resto da história. Precederam o Brasil no reconhecimento oficial de Israel — o que se deu em 1949 —  os EUA e a antiga União Soviética. Imagino um candidato à Presidência dos EUA dizendo uma batatada dessa natureza. A coisa seria fartamente explorada pela imprensa. Por aqui, passa como graça.
Economia e pessimismo
Dilma não se saiu melhor quando se referiu à economia. Estava mesmo num dia infeliz. Referindo-se ao que considera ser apenas “pessimismo” infundado, a soberana resolveu estabelecer um paralelo com as expectativas negativas que muitos tinham em relação à Copa do Mundo. Parece que a equipe de marketing achou que essa é uma boa ideia.
Ocorre que os dados ruins da economia  — juros de 11%, crescimento na casa de 1% e inflação, no momento, acima do teto da meta (6,5%), para citar alguns números — são uma realidade presente, não um sentimento, uma aposta ou um presságio ruim. Dilma chegou a dizer que “nenhum país se recuperou” da crise, o que é uma piada — ainda que involuntária. A maior economia do planeta, os EUA, vão crescer 1,7% neste ano (o Brasil deve ficar abaixo de 1%) e 3% no ano que vem (a previsão, por aqui, é de 1,5%). O Brasil cresce a uma taxa muito inferior à da maioria dos países latino-americanos e de economias ricas da Europa.
Dos três principais candidatos, ela foi, de longe, a que teve o pior desempenho, embora esteja na Presidência da República e disponha de instrumentos que lhe permitem fazer agora o que diz que pretende fazer um dia. Por Reinaldo Azevedo

INCORPORADORAS IMOBILIÁRIAS TÊM QUEDA DE 42% NO VALOR DE MERCADO DESDE 2009

O valor de mercado das 19 empresas do setor recuou de R$ 47,31 bilhões no dia 31 de dezembro de 2009 para R$ 20,29 bilhões na última sexta-feira, dia 25 de julho. A variação representa uma queda de R$ 20,29 bilhões ou 42,9%. O tropeço é ainda maior se comparado com o auge vivido pelo setor, em 2010, quando as empresas fecharam o ano com valor de mercado estimado em R$ 55,1 bilhões, o pico da valorização. Das 19 empresas analisadas pela Economatica, 13 tiveram queda de valor de mercado. A companhia com maior recuo foi a Viver (-92,7%), seguida pela Rossi Residencial (-83,5%), Sultepa (-79,9%), Brookfield Incorporações (-74,7%) e PDG Realty (-74,7%). Outras seis, porém, mostraram melhora. A maior delas foi verificada na EZtec (179,0%), seguida por Helbor (135,8%), JHSP Participações (8,1%), João Fortes (7,6%), Direcional (4,7%) e Even (0,29%). Nesses casos, a expansão dos lançamentos de novos projetos imobiliários foi mais moderado, o que implicou em menos complicações operacionais.

DILMA AFIRMA QUE GUARDA DINHEIRO EM CASA, ISSO EXPLICA COMO ELA CUIDA DAS FINANÇAS NACIONAIS

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira que guarda dinheiro em casa porque incorporou o hábito da época em que foi perseguida e presa durante o regime militar. A declaração de bens da presidente de Dilma ao Tribunal Superior Eleitoral deste ano apontou que ela tem R$ 152 mil em dinheiro vivo. "Uma parte disso a gente deposita ao longo do ano, em poupança", disse, lembrando que chegou a dormir de sapato por um tempo depois de passar três anos presa durante a ditadura. Dilma disse ainda que dá parte do dinheiro que guarda para a filha, Paula Rousseff.

DOLEIRO DA LAVA JATO DE VOLTA PARA A PRISÃO NA POLÍCIA FEDERAL E AO BANCO DOS RÉUS

Alberto Youssef, o doleiro da Lava Jato, está de volta à Custódia da Polícia Federal e ao banco dos réus. Nesta segunda feira, ele compareceu à Justiça Federal em Curitiba para audiência em duas das cinco ações penais em que consta como acusado – uma delas relativa ao laboratório Labogen, do qual ele assumiu o controle para, segundo a Polícia Federal, se infiltrar em órgãos públicos para ganhar contratos milionários e para lavar dinheiro. Na sexta feira, 25, Youssef passou mal na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, e foi removido para um hospital da cidade onde os médicos o submeteram a um cateterismo. Nesta segunda feira ele foi levado à sede da Justiça Federal para a audiência na ação penal em que é acusado por lavagem de produto de tráfico de drogas e também para audiência na ação em que é acusado por evasão fraudulenta de divisas por celebração de contratos de câmbio para pagamentos de importações fictícias do Labogen e outras empresas.

O ALCAGUETE LULA DIZ PARA O PESSOAL DA CUT: "NÓS É POBRE, MAS GOSTA DE RESPEITAR OS OUTROS"

"Aqui tem muito corintiano e quando terminar a plenária não vai ter nenhum banco quebrado como os palmeirenses fizeram. Nós ''é'' pobre, mas ''gosta'' de respeitar a casa dos outros", disse o ex-presidente e alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista, durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr), durante discurso na 14ª plenária da CUT, em Guarulhos (SP), fazendo referência ao episódio após o clássico entre Corinthians e Palmeiras, no domingo, quando um grupo de palmeirenses quebrou cadeiras do estádio Arena Itaquerão. O alcaguete citou também o episódio envolvendo o banco Santander, que emitiu, na semana passada, um comunicado sugerindo que se a presidente Dilma Rousseff for reeleita haverá uma deterioração na economia brasileira. "Não tem nenhum lugar no mundo que o Santander esteja ganhando mais dinheiro do que aqui", disse. Segundo o alcaguete Lula, a pessoa responsável pelo comunicado não entende "porra nenhuma" de Brasil e não sabe nada a respeito do governo Dilma. "Manter (o responsável) em um cargo de chefia, pode mandar embora e me dar o bônus", afirmou. O ex-presidente voltou a criticar o mercado financeiro e disse que suas avaliações são baseadas em especulações para ganhar mais dinheiro.