quinta-feira, 31 de julho de 2014

THE ECONOMIST DIZ QUE "CALOTE É UM PADRÃO" ARGENTINO E AFIRMA QUE PAÍS VIRA "PÁRIA FINANCEIRO"

A nova edição da revista The Economist publica editorial com forte crítica ao governo da peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner que fracassou na tentativa de chegar a um acordo com os credores da dívida externa. Para a publicação britânica, o calote é o “padrão de comportamento do governo argentino” e o país parece novamente um “pária” do mundo financeiro. Com o título “Oito vezes azarado”, a revista The Economist lembra que a falta de acordo na noite de 30 de julho com os credores gerou a oitava situação de default da Argentina desde 1824. Tantas situações de não pagamento fazem com que “a maioria dos investidores veja um padrão de comportamento nisso”. A The Economist rebate o argumento argentino de que, se aceitasse as condições exigidas pelos fundos classificados de “abutres” pela Casa Rosada, seria exigido tratamento idêntico para todos os demais investidores. “Porque a Argentina não teria pago os holdouts voluntariamente, mas por uma ordem judicial”, argumenta a revista: “Além disso, alguns donos de títulos reestruturados já haviam concordado em renunciar a seus direitos”. A publicação mostra ainda em um gráfico que vários emergentes têm o calote como um fato relativamente comum. Desde 1820, Equador e Venezuela entraram em default dez vezes. Uruguai, Costa Rica, Brasil e Chile tiveram essa situação nove vezes e Argentina, Peru, México e Turquia deram calote oito vezes. A diferença é que Argentina, Equador, Venezuela e Uruguai enfrentaram essa situação recentemente – todos após o ano 2000. Outros emissores como Brasil, México e Chile enfrentaram essa situação pela última vez no início dos anos 1980.

MAIS UM ATO ESCANDALOSAMENTE ILEGAL: DESTA FEITA, A PROTAGONISTA É DILMA

Mais um ato ilegal na CUT. Mais uma vez a Lei Eleitoral, a 9.504, foi escandalosamente afrontada. Mais uma vez, um dinheiro de origem pública, coletiva, foi posto a serviço de uma candidatura, de um partido, de um grupo de políticos. Desta feita, a protagonista da agressão ao estado democrático e de direito é ninguém menos do que a presidente Dilma Rousseff. Ela é uma das estrelas daquele partido, o PT, que exigiu — e obteve — a cabeça da funcionária de um banco privado que ousou dizer a verdade aos clientes: quando o mercado avalia que Dilma melhora nas pesquisas, os indicadores econômicos pioram. Que coisa! Uma mulher, de uma empresa privada, porque diz uma verdade, tem a cabeça entregue a Lula na bandeja. A presidente da República, jogando a lei na lata do lixo, não é molestada por ninguém.

A que me refiro? Nesta quinta-feira, foi a vez de Dilma discursar num evento da CUT, central sindical que é financiada, entre outras fontes, pelo imposto sindical, pago compulsoriamente por todos os trabalhadores formalizados, sejam sindicalizados ou não. Lula já tinha discursado lá. Os dois usaram o encontro da central para fazer proselitismo eleitoral em favor do PT e, ainda mais escandaloso, para satanizar a oposição. Dilma deu mostras, mais uma vez, de que, pressionada, pode tirar do fundo do baú o pensamento da velha militante da VAR-Palmares, aquela que não tinha adversários, mas inimigos políticos, que tinham de ser eliminados. E os grupos aos quais ela pertenceu mataram inocentes. Sigamos.
Em franca campanha eleitoral, a presidente afirmou que seus adversários querem acabar com os benefícios sociais. Num momento em que a retórica resvalou no chão, mandou brasa: “Nós vamos fazer uma campanha respeitosa, não precisamos xingar ninguém. Agora, é uma campanha que vai confrontar a verdade ao pessimismo que querem implantar no Brasil, que querem criar o ambiente de quanto pior melhor. Nós queremos um Brasil de quanto mais futuro melhor”.
Não existe xingamento maior, ofensa maior, agravo maior, na política, do que atribuir a adversários o jogo do “quanto pior, melhor”, especialmente quando estes disputam o poder, como é o caso, segundo as regras do jogo. Por quê? Que grande programa do governo Dilma os oposicionistas sabotaram? Contra que grande benefício social eles se opuseram? A pecha valeria, sim, é para aquele PT que votou contra o Plano Real e que tentou derrubar a Lei de Responsabilidade Fiscal.
Apelando ao drama vulgar, afirmou:“Não fui eleita nem serei reeleita para colocar nosso país de joelhos diante de quem quer que seja. Isso significa também reconhecer para vocês que eu não sou uma pessoa pretensiosa. Posso não acertar sempre, como qualquer outro ser humano, posso não agradar a todos, aliás acho que desagrado alguns. Eu não traio meus princípios, meus compromissos, não traio minha parceria…”.
Quem pôs o país de joelhos antes dela? Contra a vontade do PT, o país se levantou, isto sim, da hiperinflação, por exemplo. Ainda voltarei ao assunto, é claro! Não deixa de ser fascinante que alguém faça um discurso tão tonitruante no momento em que atropelava princípios básicos do republicanismo. Tem de ter muita cara de pau. Por Reinaldo Azevedo

CRISES NO ORIENTE MÉDIO REDUZEM APOIO AOS ÁRABES PALESTINOS

Em um Oriente Médio inflamado por múltiplas crises, os palestinos estão recebendo menos apoio árabe que antes no seu atual conflito com Israel na Faixa de Gaza. Pode haver mais solidariedade nas ruas de Paris e Nova York do que no Cairo ou em Beirute. Nações árabes que há tempos advogam a causa palestina estão envoltas em suas próprias batalhas, como as guerras sectárias na Síria e no Iraque e a batalha política no Egito com a Irmandade Muçulmana, que envolveu Estados rivais do Golfo Pérsico. O saldo de mortos na ofensiva israelense lançada em 8 de julho passa de 1.400 palestinos. Do lado israelense, 59 foram mortos, a maioria soldados. Alguns palestinos dizem ter sido abandonados. O que antes era impensável, comentaristas no Egito direcionaram suas críticas de Israel para os palestinos. A mudança ecoa a hostilidade do governo egípcio contra a Irmandade, parente ideológica do grupo Hamas, que controla Gaza. “Deixem Gaza arder com os que estão ali dentro”, disse Tawfik Okasha, proeminente comentarista em um programa no horário nobre da TV egípcia. A Liga Árabe, sediada no Cairo, só fez uma reunião durante a atual crise, refletindo o atrito entre os países árabes que discordam em temas como a derrubada do presidente islâmico da Irmandade no Egito no ano passado pelas mãos dos militares. “Não há dúvida de que desta vez os palestinos se sentem sozinhos nesta luta, que está mais violenta do que as anteriores”, afirmou o analista político palestino Khalil Shaheen, sediado em Ramallah, na Cisjordânia ocupada. Ainda assim há muitas demonstrações de apoio no mundo árabe, onde a causa palestina tem sido um clamor comum desde a criação de Israel em 1948. Como gesto de solidariedade, parlamentares libaneses convocaram uma sessão por Gaza, e a Argélia exortou sua população a observar um minuto de silêncio. Também houve manifestações, mas o entusiasmo para tomar as ruas parece limitado. Alguns citam o desencanto com a chamada "Primavera Árabe", que levou esperanças de democratização em 2011, mas mergulhou boa parte da região em um caos. Outros vêem as mídias sociais, e não as ruas, como a melhor maneira de expressar solidariedade. “Tanto no nível popular quanto no oficial, o apoio árabe é inadequado”, acrescentou Shaheen. A Arábia Saudita, que incentiva a repressão egípcia à Irmandade Muçulmana, apoiou a diplomacia do Egito na crise de Gaza. Os egípcios se queixaram de que o Catar, apoiador da Irmandade, conspirou para minar sua mediação depois que o Hamas rejeitou as propostas de trégua aceitas por Israel. “A causa palestina era algo que unia todos os árabes, mas agora há discórdia sobre tudo: sobre mostrar solidariedade, sobre a iniciativa egípcia”, declarou o destacado comentarista saudita Jamal Kashoggi. “É fácil encontrar um artigo em um jornal árabe culpando o Hamas pela agressão israelense em Gaza. Antes, mesmo aqueles que nutriam tal ideia teriam vergonha de publicá-la”, disse. Funcionário do Hamas sediado no Líbano, Raafat Murra afirmou que a reação no mundo árabe não está à altura da escala da destruição em Gaza por causa da “fraca posição oficial árabe, e em parte por causa das crises sociais e políticas em andamento no mundo árabe”.

GOVERNO PETISTA DE DILMA ROUSSEFF ELEVA EM R$ 30 BILHÕES A CARTEIRA DO PSI COM JUROS BANCADOS PELO TESOURO NACIONAL

O governo da petista Dilma Rousseff elevou a 80 bilhões de reais, ante 50 bilhões de reais, a capacidade de empréstimo do BNDES com juros bancados pelo Tesouro Nacional, informou nesta quinta-feira o Ministério da Fazenda. A ampliação foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelecendo que esses recursos serão emprestados nas linhas de crédito do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). "A medida faz parte do esforço de continuar o processo de aceleração da economia", disse o secretário-adjunto da Secretaria de Política Econômica do ministério, João Rabelo. Ele não soube informar o novo custo que o Tesouro terá com a equalização dos juros das linhas do PSI operadas pelo BNDES, dizendo apenas que ele é diluído no tempo e coberto com fontes orçamentárias diversas, entre as quais a arrecadação tributária. A equalização de juros ocorre porque o BNDES capta recursos em várias taxas, entre as quais a TJLP (hoje em 5% ao ano), e outros custos e empresta, nas linhas do PSI, a encargos menores. Essa diferença é bancada pelo Tesouro. Pelo voto aprovado, a linha de crédito do PSI mais beneficiada é a de financiamento de ônibus e caminhões, cuja carteira passa a 119,7 bilhões de reais, ante 108,6 bilhões de reais para. A segunda linha de crédito do PSI mais beneficiada é a de financiamento de máquinas e equipamentos, cuja carteira passa a 42,1 bilhões de reais, sobre 37,5 bilhões de reais.

A GRANDE ECONOMISTA DILMA DIZ QUE "A VERDADE TEM DE VENCER O PESSIMISMO", ESSA É A RECEITA DELA PARA INFLAÇÃO, DESEMPREGO, PERDA DE RENDA....

A presidente Dilma Rousseff voltou a atacar os pessimistas. Durante primeiro ato de campanha em São Paulo, na Central Única dos Trabalhadores (CUT), em Guarulhos, a petista disse que "assim como a esperança venceu o medo" na eleição do ex-presidente e alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr), nessas eleições, "a verdade tem de vencer o pessimismo. Passaram mais de dois anos falando que não ira ter Copa do Mundo, que ia dar errado", disse. "Até racionamento de energia eles contrataram", completou: "E vimos que nada disso aconteceu". Segundo Dilma, líderes da oposição chegaram a dizer que a Copa deveria ser devolvida para a Fifa. "Vimos o contrário. A Copa deu certo, foi um sucesso", repetiu. Para a presidente, "o povo brasileiro e o governo deram uma goleada nos pessimistas".

MILÍCIAS ISLÂMICAS DA LÍBIA DOMINAM BENGHAZI

Milícias islâmicas tomaram controle da cidade de Bengazi, na Líbia, nesta quinta-feira. Entre os militantes está um grupo acusado pelos Estados Unidos de matar o embaixador americano e outros dois cidadãos dos Estados Unidos em 2012. A escalada de violência da última semana renovou os temores de que a Líbia, que vive uma grave instabilidade política desde a deposição e o vil assassinato do ditador Muamar Kadafi, em 2011, possa agravar a situação de guerra civil. Nesta semana, as milícias também voltaram a lutar pelo controle do aeroporto internacional de Trípoli. As disputas continuaram mesmo em meio a um incêndio em um depósito de combustíveis, que fica próximo ao local. A capital da Líbia enfrenta o pior episódio de violência desde a guerra civil de 2011. Rigorosamente, não existe um estado líbio, é um ajuntamento de tribos. Os conflitos já deixaram 97 mortos e mais de 400 feridos, segundo números do Ministério da Saúde.

LUCRO DA MAGAZINE LUIZA CAI PELA METADE NO SEGUNDO TRIMESTRE

O Magazine Luiza registrou lucro líquido consolidado de apenas R$ 26,6 milhões no segundo trimestre de 2014, queda de 51,3% ante igual intervalo do ano passado. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado do trimestre foi de R$ 133,0  milhões, queda de 16,9% ante igual período de 2013. A margem Ebitda saiu de 8,8% para 5,7%.
A receita líquida da varejista de abril a junho chegou a R$ 2,342 bilhões, resultado 28,5% superior ao dos mesmos meses do ano passado. O resultado financeiro foi negativo em R$ 79,5 milhões, ante despesas líquidas de R$ 59,5 milhões de abril a junho de 2013.

PASTOR EVERALDO NÃO QUER SER O CANDIDATO APENAS DOS EVANGÉLICOS

Everaldo Dias Pereira, 56 anos, nascido dentro de um templo da Assembleia de Deus no Rio de Janeiro, é o primeiro candidato a presidente a usar o nome de "Pastor" na urna. Apesar do título e de sua história ligada à religião, Pastor Everaldo diz que não é candidato apenas dos evangélicos. "Sou um candidato do Partido Social Cristão. 'Evangélicos' não é um partido político, então não existe um candidato dos evangélicos. Existe o candidato do PSC que é um evangélico que não abre mão e não nega sua fé", afirma o candidato, ressaltando que o uso do nome "Pastor" na urna não foi planejado: "Sou conhecido assim desde que minha vida política começou. Pastor Everaldo, é o meu nome". Escolhido pelo PSC ainda em 2011, Everaldo afirma que sua candidatura busca representar "74% da população brasileira que quer mudança" e reconhece que a passagem do deputado federal Marco Feliciano (PSC) pela presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara deu notoriedade ao partido. "Foi muito bom porque a sociedade passou a conhecer o PSC e a clareza com que defendemos o que acreditamos. Mais de 80% são contra o aborto, é a sociedade brasileira, não é uma coisa de religiosos, de evangélicos", afirmou, dizendo que Feliciano foi um ""marco divisor" para a legenda. O pastor define-se como conservador no sentido moral e liberal no sentido econômico. "Somos conservadores no sentido moral, dos costumes, da boa tradição brasileira, e liberais no mercado. Tem que trabalhar, o Estado tem que tirar a mão de cima", explicou, criticando a alta carga tributária do Brasil. Segundo ele, os brasileiros querem alguém que "fale claramente aquilo que defende". "Não é falar uma coisa e praticar outra. Eu respondo pelo PSC, que é transparente", diz. Everaldo não conta como "automático" o apoio evangélico à sua candidatura. Diz que pede o voto de todos, mas não negocia apoio.

DILMA DIZ: "NOSSO PROJETO É GARANTIR EMPREGO E RENDA"; POIS EMPREGO E RENDA ESTÃO DESPENCANDO

A presidente Dilma Rousseff (PT) fez críticas indiretas ao partido de seu adversário Aécio Neves (PSDB) ao dizer que o governo do PT tem uma atitude de mais respeito com os trabalhadores diante da crise financeira mundial que, segundo ela, ainda não acabou. "Nosso projeto é de passar e superar a crise garantindo emprego e renda e mantendo a valorização do salário mínimo", afirmou. Segundo Dilma, não se pode permitir que o País retorne ao tempo daqueles que "sempre combateram a crise reduzindo salários". Mas, tudo que está acontecendo no governo dela é queda da renda e do emprego. Dilma defendeu a bandeira da Central Única dos Trabalhadores (CUT) de negociação coletiva de salários e criticou propostas de adversários que falam de flexibilização das leis trabalhistas. "Flexibilizar é mudar no mau sentido", disse. Segundo ela, é preciso assegurar que os brasileiros avancem em seus direitos e "não voltem para trás". "Temos de fazer que mais categorias tenham direitos como as domésticas", afirmou. Ou seja, ela rema contra a maré. A presidente e candidata disse que sua reeleição é a continuidade de "um projeto". "Vamos eleger um projeto, não A, B, C ou D", afirmou. Em um outro momento de críticas indiretas aos tucanos, Dilma disse que esse projeto foi o que garantiu que o País não ficasse mais de joelhos para o Fundo Monetário Internacional (FMI). "Esse projeto foi o que garantiu a esse País que ele não voltasse a recorrer três vezes ao FMI", disse: "Eles ficaram de joelhos diante do FMI e deviam os olhos da cara". É inacreditável ouvir essa mulher. O regime petista pegou o Brasil com uma divida de 400 bilhões, e elevou para mais de 3 trilhões.

GOVERNO DA PETISTA DILMA QUER AGORA EVITAR PUNIÇÃO A PREFEITO QUE MANTIVER LIXÃO EM FUNCIONAMENTO

Às vésperas do prazo fixado pela Política Nacional de Resíduos Sólidos para o fim dos lixões em todo o País, no sábado, a  ministra do Meio Ambiente, a petista Izabella Teixeira, avisou nesta quinta-feira, 31, que o governo vai dialogar com o Ministério Público para buscar uma "construção de soluções" e firmar acordos evitando a judicialização do tema. O governo da petista Dilma Rousseff está preocupado com a possibilidade de prefeitos virarem alvo de ações judiciais em pleno ano eleitoral. "Não tem caça às bruxas, ninguém quer ter lixão em casa. A gente tem de acabar com essas fantasias no Brasil, nenhum gestor público quer ter problema ambiental, tá todo mundo buscando solução", disse a ministra petista. "O governo apóia uma discussão ampliada sobre a lei. Empurrar com a barriga o prazo, sem considerar todas as questões, entendemos que é insuficiente". O governo da petista Dilma Rousseff já deu reservadamente aval à iniciativa de parlamentares de esticar o prazo - uma emenda apresentada pelo deputado Manoel Junior (PMDB-PB) garante mais oito anos para o cumprimento da lei, mas o tempo extra é considerado excessivo pelo governo. A ampliação destes prazos é uma tremanda mão a favor das empresas lixeiras, que dominam os aterros sanitários no País. Aterro sanitário representa uma tecnologia completamente ultrapassada, além de altamente contaminante e comprometedora dos solos e subsolos no País. Como se não bastasse, lixo representa energia elétrica. Cada três toneladas de lixo queimadas são capazes de gerar um megawatt de energia. Segundo um auxiliar da presidente Dilma Rousseff, é preciso garantir que os prefeitos não sejam criminalizados e que se cumpra a legislação dentro de um período "mais razoável". Esse governo é muito incompetente, nunca completa nada.

ABAV AVISA QUE TURISTAS COM PASSAGEM NA MÃO PODEM FICAR SEM PODER VIAJAR AOS ESTADOS UNIDOS

Os vistos americanos que já foram aprovados estão sendo enviados aos solicitantes, mas o processo pode levar mais do que o prazo normal de dez dias úteis. Desde quarta-feira, 30, o serviço de emissão do documento foi suspenso em todo mundo por problemas técnicos. A Embaixada dos Estados Unidos afirmou nesta quinta-feira, em nota, que o Departamento de Estado continua trabalhando para restaurar totalmente o sistema, mas ainda não há previsão para que o problema seja resolvido. No Brasil, apenas os passageiros em situação de emergência, como tratamento de saúde e falecimento, estão conseguindo documentação para viajar. O critério de avaliação dos casos cabe ao consulado americano. Por causa da pane, as entrevistas que estavam agendadas para esta quinta-feira foram adiadas para o dia 13 de agosto em todo o País. Já o atendimento nos Centros de Atendimento ao Solicitante de Visto (Casv), onde é feita a primeira etapa da documentação, não foi afetado. Aprovada como bolsista em um doutorado em Harvard, Paola Mello, de 29 anos, comprou passagem para os Estados Unidos mesmo sem ter visto de estudante e agora não sabe quando vai poder embarcar. A viagem está marcada para o dia 15 de agosto, mas a embaixada já a aconselhou a adiar a ida. “Eu precisava chegar com antecedência para conseguir apartamento e organizar minha vida”, explica Paola, que deveria se apresentar em Harvard em 1º de setembro.

ESTADOS UNIDOS DEFENDEM FORNECIMENTO DE MUNIÇÃO A ISRAEL DURANTE CONFLITO EM GAZA

Os Estados Unidos fizeram nesta quinta-feira um apelo para que Israel faça mais para proteger os civis na sua ofensiva militar na Faixa de Gaza e condenaram um ataque israelense contra uma escola da ONU, ao mesmo tempo em que defenderam medidas para reabastecer seu aliado próximo com munição. A Casa Branca reiterou sua posição de que Israel tem o direito de se defender e descreveu o reabastecimento de munição como "rotina". O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, rejeitou sugestões de que o reabastecimento aos israelenses pode prolongar o conflito, dizendo que era "parte de uma entrega de vendas militares estrangeiras de rotina". "Os itens solicitados foram prontamente disponibilizados e fornecidos, como tem ocorrido em várias outras ocasiões", disse Earnest. As autoridades norte-americanas fizeram os comentários pouco antes de os Estados Unidos e a Organização das Nações Unidas anunciarem um cessar-fogo de 72 horas e um acordo para que as delegações israelense e da organização terrorista Hamas se reúnam no Cairo para buscar um "cessar-fogo duradouro".

GUERRA ENTRE ISRAEL E O HAMAS - VAMOS DAR A NOTÍCIA DIREITO!

Noticia-se mundo afora que Israel e Hamas aceitaram um cessar-fogo de 72 horas, negociado pelos Estados Unidos e pela ONU. Ok. É um fato, mas pode ser dito de outro modo, mais de acordo com a natureza desse fato. O Hamas aceitou o cessar-fogo desta vez, o que não tinha feito até agora. Sim, esse detalhe escapava ao noticiário majoritariamente anti-Israel. Era o movimento terrorista que recusava suspender os ataques. Afinal, para eles, quanto mais cadáveres, melhor; quanto mais mortos, melhor; quanto mais vítimas, melhor. É assim que um movimento terrorista caiu no gosto da estupidez politicamente correta.

Consta que a trégua é incondicional. Em situações semelhantes, no passado, ela sempre foi rompida pelo Hamas. Mesmo nesta jornada, combinou-se um cessar-fogo humanitário de algumas horas para atender a algumas vítimas. Os terroristas não a respeitaram. Consta que haverá negociações posteriores, encerrado esse período de três dias. Tomara! Se o Hamas insistir no tal “fim do bloqueio a Gaza”, não haverá acordo. Como esquecer que, antes do início dessa nova incursão, eram os extremistas muçulmanos que estavam no ataque.
E por que o Hamas aceita agora o cessar-fogo, se é que vai levar a sério a palavra? Porque é claro que a situação em Gaza é dramática. Segundo a ONU, há 200 mil pessoas abrigadas em suas instalações e outro tanto na casa de parentes. O desavisado logo parte para o ataque: “Estão vendo? Israel só agride civis…” Não! O Hamas é que, de forma declarada, infiltra-se entre os civis e transforma bairros em bases militares – e, portanto, em alvos militares também. É bom não esquecer: antes desse novo conflito, havia um clima de revolta contida contra o Hamas na Faixa de Gaza. Eles precisam de corpos para manter o poder.
A operação Margem Protetora está em seu 24º dia, a mais longa desde que Israel retirou militares e civis judeus de Gaza, em 2005. Depois disso, o Exército realizou outras duas operações: uma entre 2008 e 2009, que durou 23 dias, e outra em 2012, durante sete dias. Essa também é a operação que fez o maior número de soldados israelenses mortos desde a Guerra do Líbano. Por Reinaldo Azevedo

PETISTA COMUNISTA RUI FALCÃO DIZ QUE TEMAS COMO ABROTO NÃO TERÃO RESSONÂNCIA NA CAMPANHA ELEITORAL

Integrante da coordenação de campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff, o presidente do PT, o comunista Rui Falcão (foi militante e dirigente do antigo Partido Comunista Operário, o POC), acredita que temas considerados "tabus", como o aborto, não terão "ressonância" na disputa eleitoral deste ano. "Não creio que essa vai ser a temática desta eleição. Até porque Dilma Rousseff está aí há três anos e sete meses e não houve nenhuma violação aos compromissos que ela assumiu naquela ocasião em 2010 com as igrejas. Aborto, união civil, nada disso", afirmou o petista comunista Rui Falcão. Na eleição presidencial de 2010, a primeira disputada por Dilma, a petista foi alvo na reta final de intensas críticas de vários setores religiosos principalmente em relação à descriminalização do aborto. O tema chegou a ser alvo de análise por parte de Dilma em encontro com aliados logo após as urnas confirmarem que haveria segundo turno na disputa presidencial. "Quem partir para isso, acho que não vai ter ressonância", afirmou o comunista petiusta Rui Falcão. O presidente do PT também minimizou o impacto de uma possível redução do apoio dos eleitores evangélicos devido ao ingresso na disputa presidencial deste ano do Pastor Everaldo (PSC): "Se não tivesse um candidato evangélico, provavelmente teria mais votos evangélicos no mercado. Como tem um candidato, a tendência é cada um perder um pouquinho".

EM SUA TERRA NATAL, PERNAMBUCO, EDUARDO CAMPOS "EMPATA" COM A PETISTA DILMA ROUSSEFF

Pesquisa divulgada pelo Ibope na quarta-feira mostra que Eduardo Campos (PSB), candidato à Presidência da República, aparece empatado com a presidente Dilma Rousseff em sua terra natal – ele governou o Estado até abril. De acordo com a pesquisa, a petista aparece com 41%, enquanto Eduardo Campos tem 37%. Como a margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos, o cenário aponta empate técnico. O candidato tucano Aécio Neves aparece em terceiro lugar, com 6% das intenções de voto, e Pastor Everaldo (PSC), com 1%. Pernambuco é um Estado-chave na disputa por ser também terra natal do ex-presidente e alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista na ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr), o que faz com que o petista tenha grande força política local. Na quarta-feira, o Ibope mostrou que o candidato apoiado por Eduardo Campos para disputar o governo pernambucano, Paulo Câmara, tem apenas 11% das intenções de voto, enquanto seu adversário Armando Monteiro (PTB), apoiado pelo PT, lidera a pesquisa com 43%.

BOLSONARO PEDE DESCULPAS A ISRAEL POR NOTA "HIPÓCRITA" DO BRASIL

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) enviou uma "nota de apoio" em nome dos brasileiros ao embaixador de Israel no Brasil, Rafael Eldad, contra a nota do Itamaraty que condenou, na semana passada, o uso desproporcional da força israelense contra Gaza. No comunicado, o parlamentar resgata a vida da presidente Dilma Rousseff na época da ditadura militar no Brasil par dizer que "desde cedo, ela militou em grupos terroristas no Brasil". Segundo ele, o Brasil "também enfrentou o seu terror", no passado, quando a esquerda armada tentou chegar ao poder. A "justa reação" do Estado "está sendo contestada até hoje", continua Bolsonaro, em referência ao golpe militar, e compara: "assim como Israel o está ao se defender do Hamas". Militares e civis brasileiros "sofreram, e ainda sofrem ataques da mídia semelhantes aos que hoje são praticados contra o povo de Israel", diz. O deputado assegura que "a maioria dos brasileiros dotados de cultura, dignidade e bom senso está com o povo de Israel e contra o terrorismo, sempre ao lado da democracia, da liberdade e do respeito aos verdadeiros direitos humanos". Bolsonaro termina o documento pedindo desculpas pela "destrambelhada, inoportuna, hipócrita e covarde manifestação do governo brasileiro".

CONSUMO DE ELETRICIDADE PELA INDÚSTRIA BRASILEIRA CAIU 4,9% EM JUNHO, ISSO QUER DIZER QUEDA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL

A indústria brasileira reduziu em 4,9% o consumo de eletricidade em junho, na comparação anual, anulando a alta do consumo de outros segmentos, em um mês em que a baixa atividade econômica e a Copa do Mundo influenciaram a demanda por energia. Isso significa apenas uma coisa: queda de produção industrial. O consumo total de eletricidade no Brasil em junho subiu apenas 0,1% ante mesmo mês do ano passado, enquanto residências e comércio registraram as menores taxas de crescimento mensal deste ano na comparação com meses correspondentes de 2013, informou a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) nesta quinta-feira. O consumo das residências subiu 2,2% em junho e o do comércio avançou 4,2%. A EPE disse que a realização da Copa do Mundo no País ainda não foi plenamente captada pelo mercado de junho, já que os dados em grande parte referem-se ao consumo medido no período entre 15 de maio e 15 de junho. No semestre, o consumo de eletricidade no País subiu 3,7%, com a indústria registrando retração de 1,7% na demanda, as residências avanço de 7,1% e o comércio alta de 8,5%.

NILMAR RESCINDE CONTRATO COM CLUBE DO CATAR E ENTRA NO MERCADO

O jogador Nilmar está livre para voltar ao País. Nesta quinta-feira, o El Jaish, time do Catar que ele defendeu na última temporada, anunciou o rompimento do contrato com o atacante, que assim entra no mercado para ser contratado sem custo. De acordo com o El Jaish, a rescisão foi amigável e interessava às duas partes. O clube, porém, ressalta que é grato a Nilmar pelos seus esforços durante a temporada em que o vestiu a camisa do time do Exército do Catar no vice-campeonato nacional e na Liga dos Campeões da Ásia, competição na qual o El Jaish foi eliminado na fase de grupos. Nilmar está com 30 anos e não joga por clubes brasileiros desde que trocou o Corinthians, pelo qual foi campeão brasileiro em 2005, pelo Internacional. No Beira-Rio, ficou entre 2007 e 2009, faturando o Campeonato Gaúcho de 2008 e 2009 e a Copa Sul-Americana de 2008. Em meados de 2009, por cerca de 15 milhões de euros, ele acertou com o Villarreal, fazendo duas temporadas como titular e uma como reserva. Desejado principalmente pelo São Paulo, fechou com o Al Rayyan, do Catar, onde jogou por dois anos. No futebol asiático, não conquistou nenhum título relevante.

ISRAEL E HAMAS ACERTAM CESSAR-FOGO HUMANITÁRIO DE 72 HORAS EM GAZA

Israel e a organização terrorista islâmica Hamas concordaram com um cessar-fogo de 72 horas no conflito na Faixa de Gaza a partir desta sexta-feira, afirmaram o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o secretário-geral da ONU, o esquerdóide Ban Ki-moon, nesta quinta-feira. O cessar-fogo começará às 8 horas no horário local (2 horas em Brasília) desta sexta-feira, disseram em uma declaração conjunta. A nota afirmou que as "forças no solo vão permanecer no local" durante a trégua, sugerindo que as forças terrestres israelenses não vão se retirar. "Apelamos a todas as partes para agir com moderação até que este cessar-fogo humanitário comece, e para que respeitem plenamente os seus compromissos durante o cessar-fogo", disseram Kerry e Ban.

AGÊNCIA DE RISCO FITCH REBAIXA NOTA DA ARGENTINA PARA "CALOTE RESTRITO"

A agência de classificação de risco Fitch Ratings rebaixou o rating soberano da Argentina de CC para RD, ou "default restrito", após o país não ter sido capaz de realizar o pagamento dos juros de bônus discounts emitidos sob lei estrangeira depois do vencimento em 30 de julho. "Segundo os critérios da Fitch, isso constitui um default (calote)", afirmou a agência, em relatório. O teto-país da Argentina foi rebaixado de B- para CCC. De acordo com a Fitch, o rebaixamento reflete a visão de que a economia argentina vai sofrer com a maior incerteza e volatilidade financeira que se segue ao default, especialmente se a duração da moratória for imprevisível. "A economia argentina já está em recessão e isso deve se agravar na medida em que o default afeta a confiança e potencialmente restringe os fluxos estrangeiros ao país, provocando volatilidade cambial", apontou. A agência ressaltou que a retomada do pagamento das dívidas deve levar a uma elevação do rating soberano e que, quando isso ocorrer, a Fitch vai revisar todos os ratings da Argentina e fazer uma avaliação baseada na capacidade do país de cumprir suas obrigações, além de seus fundamentos econômicos e riscos remanescentes de litígio. Na quarta-feira, antes do anúncio de que a Argentina não entrou em acordo com os credores, a agência Standard & Poor's rebaixou o rating soberano da Argentina de CCC- para "default seletivo", argumentando que o país foi inadimplente em algumas de suas obrigações.

AÉCIO NEVES GARANTE QUE OBRA DE AEROPORTO EM CLÁUDIO FOI CORRETISSIMA E PLANEJADA

O candidato à Presidência da República pelo PSDB, senador Aécio Neves, afirmou nesta quinta-feira, após o evento de inauguração de seu comitê em Minas Gerais, que a reforma de um aeroporto instalado em um terreno desapropriado da fazenda do ex-prefeito Múcio Guimarães Tolentino, tio-avô dele, na cidade de Cláudio, foi "corretíssima" e "planejada", importante para estimular o desenvolvimento de toda uma região não só o do município onde está localizado. "Falo com o maior prazer, o aeroporto é uma obra importante para a região, vai estimular o desenvolvimento de toda aquela região, não só de Cláudio, assim como as milhares de obras que fizemos foram obras importantes, planejadas. Não tenho dúvida de que o tempo mostrará a correção da obra, a transparência com que foi feito, o Ministério Público mostrou isso. O nosso exemplo, em Minas Gerais, o nosso governo, é algo para ser seguido em todo o País, em todos os aspectos", declarou. Ele também reiterou que se orgulha muito do que fez no Estado, que continuará a disputa pelo pleito com serenidade, firmeza, tranquilidade, "dando explicações a qualquer tema que surja, já que é papel do homem público fazer isso". Visivelmente mais calmo do que a última vez que veio a Minas Gerais, quando foi ao Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na região metropolitana de Belo Horizonte, um dia após a notícia do aeroporto ser publicada, Aécio Neves respondeu a outro questionamento sobre o assunto, dizendo que a obra foi "corretíssima". "Não me refuto a responder sobre o assunto. A obra foi planejada, como milhares de outras obras feitas em Minas Gerais. O que há, na verdade, é uma grande demora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para fazer essas homologações e fui, de forma inadvertida, não me preocupei efetivamente de saber ou não se havia ou não homologação da pista. Isso é um erro, eu assumo esse erro", disse, em linha com o que escreveu em artigo sobre o aeroporto publicado nesta quinta-feira pela Folha de S. Paulo. Questionado quais seriam as pastas a serem cortadas, o presidenciável informou que Antonio Anastasia, ex-governador de Minas Gerais e candidato a Senador pelo PSDB, estaria incumbido de preparar o desenho da nova estrutura de governo. "Desburocratização, simplificação e transparência serão marcas do nosso governo", declarou.

FAMÍLIA ESPÍRITO SANTO SAI DA LISTA DOS MAIS RICOS DE PORTUGAL

Membros da família Espírito Santo ficaram de fora pela primeira vez em dez anos da lista das 25 maiores fortunas de Portugal. Em primeiro lugar aparece o empresário Américo Amorim, com patrimônio avaliado em 3,3 bilhões de euros (4,42 bilhões de dólares). Segundo o levantamento, portugueses também ficaram menos ricos, com as maiores fortunas totalizando 14,3 bilhões de euros (19,15 bilhões de dólares) em 2013 ante 16,7 bilhões de euros (22,36 bilhões de dólares) em  2012. A família Espírito Santo, uma das mais ricas e influentes de Portugal, é proprietária do Grupo Espírito Santo. O conglomerado é controlado por Maria do Carmo, José Manuel Espírito Santo, António Ricciardi, Ricardo Salgado e Mário Mosqueira do Amaral (morto recentemente). Os cinco estavam na lista das maiores fortunas do país em 2012, mas desapareceram em 2013 devido aos problemas financeiros que atravessam atualmente. Maria do Carmo, a maior acionista do Grupo Espírito Santo, ocupava a décima posição do ranking em 2012 e era considerada a segunda mulher mais rica de Portugal. Já Ricardo Salgado foi presidente do Banco Espírito Santo (BES) durante 22 anos, mas acabou sendo substituído há poucos dias por acusações de fraude fiscal e lavagem de dinheiro. A revista suíça Bilan divulgou na quarta-feira a lista das maiores fortunas da Europa. O empresário brasileiro Jorge Paulo Lemann aparece na nona colocação do ranking, com patrimônio estimado em 22,4 bilhões de francos suíços (24,70 bilhões de dólares). Na primeira posição está Amancio Ortega, proprietário da Inditex, conglomerado de empresas têxteis da Espanha. Seu patrimônio é avaliado em 58,8 bilhões de francos suíços (64,83 bilhões de dólares).

SETOR METAL-MECÂNICO GAÚCHO MAL COMEÇOU AS DEMISSÕES EM MASSA

Os anúncios de redução da jornada de trabalho para os próximos três meses na Randon e a demissão de 160 trabalhadores da Gerdau em Sorocaba, são apenas a ponta do iceberg que vem rapidamente à tona. É o que acha o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravatai, Alcir Ascari, conhecido como "Quebra Mola". Ele enfrentou três meses de jornadas reduzidas na GM. E tem informações de que novos anúncios virão em seguida nas indústrias metalmecânicas, automotivas e siderúrgicas.

MINISTÉRIO PÚBLICO PAULISTA ENTRA COM AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONTRA PRIVILÉGIOS CONCEDIDOS PELO PETISTA HADDAF AO MTST, DO COXINHA RADICAL GUILHERME BOULOS

Finalmente, um pouco de bom senso contra a irracionalidade. O Ministério Público Estadual entrou com uma ação civil pública contra a Prefeitura de São Paulo, conforme anunciou que faria, para pôr fim aos privilégios de que passou a gozar o tal MTST — Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto — na distribuição de moradias na cidade. O dito movimento, comandado pelo coxinha radical Guilherme Boulos, transformou-se numa espécie de gestor informal dos programas de moradia da cidade. Pior: a Prefeitura mantém em sigilo, contra a lei, o cadastro dos inscritos. A questão se transformou num jogo de compadres. Boulos e seus comandados ajudaram a fazer a campanha eleitoral do senhor Fernando Haddad, do PT, e Haddad, como paga, talvez, fez deles sócios preferenciais de sua gestão. É ilegal. É imoral. É discriminatório. Como agem Boulos e seus sequazes? Segundo a lógica da tropa de assalto ao poder e ao Estado! Atropelam a administração e furam a fila dos inscritos. Na prática, essa gente privatizou os programas de moradia. Afirma em sua ação o promotor Mauricio Antônio Ribeiro Lopes: “Trata-se de privilegiar o absurdo dos absurdos! Aceitar-se o descontrole em nome de política rasa de privilégio a grupos em troca de votos ao invés de respeitar o direito de milhares”. É isso mesmo! O promotor vai além: “O que pretende na verdade o Movimento? Destinação privilegiada de áreas públicas ou particulares para edificação de moradia para os seus associados ou simpatizantes [...], com burla à lista de inscritos que esperam há anos pelo almejado sonho da casa própria”. Mais uma vez, nada a corrigir. É exatamente isso o que está em curso. Boulos também é colunista da Folha, como sou. Em seu mais recente texto, ele decidiu me atacar e a meus leitores. Afirma que represento, imaginem vocês, um perigo porque começo a “juntar adeptos, movidos por ódio, preconceitos e mentiras”. Esse é o cara que comandou, por exemplo, uma invasão no Morumbi, na Zona Sul de São Paulo. Uma invasão, na verdade, feita de barracas, não de pessoas. Ou por outra: os seus sem-teto eram uma farsa. Trata-se, enfim, de uma especialista em ódio, preconceitos e mentiras. O promotor aponta o óbvio: a concessão de privilégios aos comandadoos do senhor Boulos agride o direito de terceiros e fere a Constituição. Escreve ele: “O que se vê do duelo entre Administração Pública e as consequências da luta política do MTST é a fragilização do direito de igualdade dos que aguardam em condições ordeiras, há anos, ser chamados para obtenção de financiamento habitacional”. Traduzindo: quem está tendo seus direitos agravados não são os ricos, os poderosos, como tentam fazer crer Boulos e seus apaniguados, mas os pobres.  É preciso, em suma, não confundir uma pessoa que não tem casa própria com um comandado do MTST. O primeiro é um pobre de verdade; o segundo é um militante político, que usa a pobreza para impor uma ideologia. Numa patética entrevista concedida à Folha desta quinta-feira, afirma o prefeito Fernando Haddad: “Cobra-se muito a revolução em São Paulo desde que não se mexa em nada. Isso é impossível. Como eu estou disposto a mudar a cidade, vou seguir a minha intuição de que existe uma chance de que a cidade descubra um destino para o qual ela está vocacionada. Essa cidade pode mais". É mesmo? Em primeiro lugar, quem é que está a cobrar a revolução? Que revolução é essa? Qual é seu conteúdo? Em segundo lugar, observo que essa historia de cidades ou países terem um “destino” e uma “vocação” é papo de políticos fascistóides, que se julgam ungidos pela história. A conversa de Haddad ilustra muito bem, enfim, por que sua gestão é rejeitada por 47% dos paulistanos e aprovada por apenas 15%. Sua entrevista deixa entrever que há espaço para cair ainda mais. Por Reinaldo Azevedo

POPULAÇÃO DE QUEDAS DO IGUAÇU FAZ PROTESTO CONTRA INVASÃO DO MST

 Luiz Carlos da Cruz/Especial para a Gazeta do Povo / Protesto em Quedas do Iguaçi foi pacífico, segundo a Polícia MilitarA invasão de uma nova área da Araupel pela organização terrorista clandestina  Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Rio Bonito do Iguaçu, no Centro-Sul do Paraná, motivou uma nova manifestação promovida por entidades classistas de Quedas do Iguaçu, onde está a sede regional da empresa. No final da manhã desta quinta-feira (31) cerca de duas mil pessoas se concentraram na principal praça da cidade onde com faixas, cartazes e bandeiras brancas pediram que o governo cumpra a reintegração de posse. A manifestação reuniu autoridades locais e regionais e teve a participação de Tarso Giacomet, diretor da Araupel. Depois da manifestação, eles se dirigiram em carros e cerca de 40 ônibus até a BR-277, em Nova Laranjeiras, onde preparam uma nova manifestação. A ideia é fazer uma panfletagem e paralisar o trânsito de tempos em tempos. Os manifestantes seguravam bandeiras brancas com a inscrição “Lutamos por Quedas do Iguaçu”. Alguns seguram bandeiras do Brasil, do Paraná e do município. A proposta era fazer a manifestação no posto de pedágio, mas a concessionária que administra a rodovia conseguiu um interdito proibitório que impede o fechamento do posto. Giacomet disse que não há possibilidade alguma de a empresa ceder mais uma área para reforma agrária. Segundo ele, o que poderia ser feito pelo movimento social já foi feito, por a Araupel ter desapropriada dois terços de suas terras.

JUSTIÇA SUSPENDE JULGAMENTO DE BEIRA-MAR NO RIO DE JANEIRO

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu o julgamento do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, previsto para acontecer no dia 26 de agosto no Tribunal do Júri de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O Ministério Público Estadual fez um pedido ao Superior Tribunal de Justiça para que ele seja julgado na cidade do Rio de Janeiro, por questão de segurança. A Justiça Estadual então optou por suspender o julgamento até que o STJ opine sobre o pedido. O Ministério Público suspeita que haja um plano para resgatar Fernandinho Beira-Mar durante o julgamento em Caxias, cidade de origem do réu, apontado pela polícia como um dos líderes da principal facção criminosa do Rio de Janeiro. Além disso, o Ministério Público acredita que o poder intimidatório do réu influencie os jurados. Beira-Mar já está preso há 12 anos e  foi condenado há 200 anos por vários crimes. Desta vez, será julgado pelo assassinato e tortura do estudante Michel Anderson Nascimento dos Santos, que teve os pés, as mãos e orelhas decepadas antes de morrer, em 1999, na Favela Beira-Mar, em Duque de Caxias.

DIÁRIO OFICIAL TRAZ APOSENTADORIA DE JOAQUIM BARBOSA

Saiu publicado nesta quinta-feira na página 3 – seção 2 do Diário Oficial da União, o ato da presidente Dilma Rousseff concedendo aposentadoria ao ministro Joaquim Benedito Gomes Barbosa, do Supremo Tribunal Federal. Com o ato, Joaquim Barbosa deixa automaticamente a presidência do mais importante tribunal de justiça do País 11 anos após ter sido nomeado para o cargo pelo então presidente Lula. A sessão desta sexta-feira do Supremo, a primeira do segundo semestre, será presidida pelo atual vice-presidente Ricardo Lewandowski. Na sessão, será feita a escolha dos novos dirigentes do Supremo para os próximos dois anos. Os dez ministros da Corte votam na única chapa inscrita – Lewandowski para presidente e Cármen Lúcia para vice-presidente. O resultado final, de acordo com a tradição, é 9 a 1. Por que? Porque o candidato a presidente, no caso Lewandowski, escolhe o nome da ministra Cármen Lúcia evitando desta forma votar em si próprio. Joaquim Barbosa, de 59 anos, poderia ainda permanecer por mais 11 anos no Supremo, até completar a idade da aposentadoria compulsória. Mas resolveu por se beneficiar de uma aposentadoria precoce. É lastimável.

PARLAMENTARES PETISTAS PAULISTAS INVESTIGADOS POR PARCERIA COM A ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA PCC OMITEM BENS À JUSTIÇA

Investigados em inquéritos do Ministério Público de São Paulo sobre a relação de cooperativas de transporte público com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), os irmãos petistas Senival Moura, vereador na capital paulista, e Luiz Moura, deputado estadual, omitiram bens na declaração exigida dos candidatos pela Justiça Eleitoral neste ano. A lista patrimonial é um requisito previsto em lei para o deferimento da candidatura. Levantamento feito pelo site de VEJA na Junta Comercial de São Paulo mostra que ao menos três empresas recém-abertas pelos irmãos com familiares – eles não são sócios entre si – não constam na declaração. Se comprovada, a omissão pode configurar crime eleitoral previsto no artigo 350 do Código Eleitoral – em caso conduta dolosa ou de má fé do candidato. A norma prevê pena de reclusão de até cinco anos e pagamento de multa para quem "omitir, em documento público ou particular, declaração que dele deveria constar".  Luiz Moura deixou de informar que é sócio majoritário em ao menos um posto de gasolina no município de Guarulhos, na Grande São Paulo. O Auto Posto R66 tem capital social de 300.000 reais, sendo que Moura possui 297.000 reais em cotas –- os 3.000 reais restantes são da mulher do parlamentar. Eles compraram a empresa em novembro do ano passado. O patrimônio informado pelo deputado neste ano, sem o posto em Guarulhos, soma 1.063.100,27 reais distribuídos em imóveis, aplicações bancárias e outros quatro postos de gasolina – um deles, que soma 100.000 reais de capital, foi vendido pelo deputado e sua mulher há um mês. Senival Moura não informou participação em duas empresas. Ele é presidente do conselho administrativo da SPM, uma empresa constituída em março deste ano para transporte municipal e interestadual de passageiros e de cargas, com sede em Lageado, no extremo leste da cidade. O capital social é de 20.000 reais. A outra empresa é a academia Gym Box Brasil, aberta em abril pelo parlamentar, sua mulher e seus dois filhos no bairro da Casa Verde, na Zona Norte. A microempresa tem capital social de 20.000 reais – sendo 3.000 reais em nome de Senival, sócio minoritário. Sem as duas empresas, Senival informou ter patrimônio total de 1,4 milhão de reais – cerca de 400.000 reais a mais do que eleição de 2012. O valor está distribuído em imóveis, automóveis e contas bancárias. Desde 2008, ano em que se elegeu como vereador mais votado do PT paulistano, o patrimônio declarado por Senival saltou 329% – era de 340.000 reais. Já Luiz Moura perdeu 80% de seu patrimônio, se comparados os dados de 2014 com a sua declaração de bens de 2010, ano em que elegeu-se pela primeira vez. Em, 2012 ele tentou disputar a prefeitura de Ferraz de Vasconcelos (SP) e declarou possuir 1,1 milhão de reais. A diferença se explica pelo fato de Moura ter deixado o quadro societário da Happy Play Tour, empresa de transporte na qual teria injetado 4 milhões de reais. O Ministério Público encontrou indícios de que empresa era de fachada e servia para lavagem de dinheiro do PCC obtido com o tráfico de drogas e armas. A Happy Play Tour, atualmente transformada em Expresso Cidade Tiradentes, e mais duas empresas do Consórcio 4 Leste são investigadas por elo com o PCC e irregularidades na prestação de serviço de transporte coletivo. O Ministério Público suspeita que dois ex-sócios do deputado na companhia, Vilson Ferrari e Gerson Sinzinger, são suspeitos de colaborar com o PCC. Eles movimentaram milhões de reais em imóveis e entraram na Happy Play Tour na mesma época que Moura, em 2009 – cada um dos três aportou 4 milhões de reais. A participação de Moura na empresa é o indício mais forte contra o parlamentar obtido até o momento pelos promotores de Justiça. Desde 2010, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) conduziu duas investigações que tramitavam em conjunto em que os explosivos irmãos Moura foram citados. O vereador Senival Moura pediu ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) o registro para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados, em Brasília. O deputado Luiz Moura, por sua vez, trava uma batalha jurídica com o PT para tentar concorrer a seu segundo mandato na Assembleia Legislativa.

PETISTA DILMA SANCIONA LEI PARA COIBIR DESVIOS EM CONTRATOS COM ONGs

Quase quatro anos após o fim melancólico da CPI das ONGs no Senado, quando a tropa de choque do governo barrou a apuração de entidades suspeitas de irregularidades, a presidente petista Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira o marco regulatório para as chamadas organizações da sociedade civil, com regras claras sobre parcerias entre ONGs e órgãos da administração pública – e mecanismos para coibir que apadrinhados políticos utilizem essas entidades para desviar dinheiro do contribuinte. O texto tem como base projeto de lei apresentado pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). De acordo com a lei sancionada nesta quinta-feira, as ONGs que quiserem se tornar parceiras de órgãos do governo deverão ter, pelo menos, três anos de existência, além de experiência prévia no projeto que se dispõem a realizar. Também não podem ter em seus quadros dirigentes considerados fichas sujas. A nova lei estabelece ainda crimes específicos para a relação entre agente público e ONG: a liberação irregular de recursos, por exemplo, pode levar à pena de seis meses a dois anos. Segundo o senador Aloysio Nunes, o objetivo é “coibir a obtenção, individual ou coletiva, de benefícios ou vantagens indevidas” em decorrência de relações ilegais de ONGs e governo no processo decisório ou da ocupação de dirigentes dessas organizações em posições estratégicas que permitam irregularidades e desvios. Foi durante o governo do alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr) que as parcerias com essas organizações se multiplicaram. Os governos petistas largaram mais de 25 bilhões de reais por ano para as ONGs, dinheiro saído direto do orçamento da União. E a parceria de ONGs com o governo esteve no centro de boa parte das crises do governo Dilma. Em 2011, escândalo do tipo derrubou o ministro do Esporte, Orlando Silva. Pedro Novais, defenestrado do Turismo no mesmo ano, já havia sido atingido por outro escândalo envolvendo ONGs. Desta vez, no Amapá: verbas liberadas pelo Ministério do Turismo iam parar em entidades de fachada. Em 2009, veio à tona um esquema de favorecimento do MST por meio de entidades não-governamentais: parlamentares destinavam emendas para essas ONGs que, na prática, eram braços do movimento que vive a desrespeitar a lei. Um ano antes, surgiram revelações de que a Universidade de Brasília repassava recursos a ONGs fraudulentas. As denúncias influenciaram a queda do então reitor Timothy Mulholland. A relação espúria de setores do governo com determinadas organizações da sociedade civil ficou evidenciada ainda em esquema de contratos milionários no Ministério do Trabalho que envolveu o empresário Adair Meira, das ONGs Fundação Pró-Serrado e Rede Nacional de Aprendizagem, Promoção Social e Integração (Renapsi), e o então chefe da pasta, Carlos Lupi. A Controladoria-geral da União (CGU) apontou falhas na licitação e execução dos contratos de capacitação de mão-de-obra assinados pela ONG, mas o então ministro Lupi só deixou o governo após nova revelação de VEJA de que ele utilizou um jatinho do próprio Adair Meira para cumprir agenda no Maranhão.

BOLSA ARGENTINA DESPENCA QUASE 7% APÓS CALOTE

O principal índice da Bolsa de Valores da Argentina, o Merval, abriu em queda nesta quinta-feira, após o país ter entrado em default (calote) pela segunda vez em 13 anos. Com apenas cinco minutos de pregão, o índice já caía 1,15%, mas as perdas se intensificaram rapidamente e, por volta de 11h30, já estavam em 6,76% (aos 8.230 pontos). Na tarde anterior, o índice fechou em alta de 7,08%, aos 8.937 pontos. Em julho, o Merval chegou a subir quase 14%, possivelmente com o mercado esperando uma resolução do problema. A Argentina entrou na noite de quarta-feira em default (situação em que o país dá um calote em seus credores) pela segunda vez em 13 anos depois que acabaram as esperanças de um acordo de última hora com os credores chamados de "fundos abutres", ou "holdouts". A Argentina deve aprofundar sua recessão econômica. O efeito mais pernicioso da moratória é o fim do acesso do governo argentino ao mercado internacional. O que significa que o país não pode emitir títulos. A medida também dificulta a captação externa dos bancos e empresas argentinas. Por essa razão, bancos privados do país tentaram montar um fundo de garantias de mais de 200 milhões de dólares para oferecer aos abutres como forma de negociação. Kicillof afirmou que a tentativa dos bancos é legítima e disse que "sentia muito" pelos prejuízos que o setor privado do país teria com a restrição ao mercado internacional. Os credores também podem conseguir na Justiça o bloqueio de bens do país no exterior, como forma de amortizar a dívida.

ANEEL QUER SEIS TÉRMICAS DO GRUPO BERTIN DE VOLTA

O drama vivido pelo Grupo Bertin no setor elétrico chegou ao seu momento mais agudo. A empresa, que em meados de 2008 chegou a ser alçada ao papel de nova "gigante" da geração de energia no País, após vencer dezenas de leilões do setor, está prestes a perder as últimas concessões de usinas térmicas que ainda possui. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deu início ao processo de revogação dos contratos de seis usinas térmicas que permanecem nas mãos do Bertin. As seis térmicas, todas previstas para usar óleo diesel, somam 1.056 megawatts de potência. A falta dessa energia no sistema nacional desde janeiro de 2013, quando as usinas deveriam ter iniciado a operação, ajuda a aprofundar o rombo bilionário que assombra o setor. As distribuidoras que contavam com essa geração precisam contratar essa energia no mercado livre, onde o preço explodiu nos últimos meses. As estimativas de mercado são de que o custo extra gerado estaria próximo a 3 bilhões de reais só neste ano. No cronograma de novos projetos de geração térmica previstos pela Aneel para entrar em operação até 2018, o Bertin responde sozinho por quase metade da geração total de 2.207 megawatts de usinas que atualmente não têm mais previsão de sair do papel. Em nota, o Bertin informou que, "em função da mudança de cenário macroeconômico e com a crise de crédito mundial", a subsidiária Bertin Energia "teve de ser radicalmente reestruturada". "Várias usinas foram vendidas e algumas tiveram suas licenças revogadas, e a Bertin Energia arcou com o ônus desses fatos. Restam as seis usinas de Aratu, que se encontram em construção e onde já foram investidos perto de R$ 1 bilhão de recursos próprios. Há negociações que vêm sendo conduzidas junto à Aneel há muitos meses, e esperam-se resultados em curto prazo", disse o grupo. A relação entre o Bertin e a agência está longe de ser amistosa. Em sua defesa nos processos, o grupo alega não ter culpa exclusiva pelos atrasos e acusa a Aneel de ter prejudicado o cronograma das obras, por causa de lentidão em processos administrativos de cada projeto. As usinas, previstas para serem erguidas no complexo industrial de Aratu, no litoral da Bahia, foram leiloadas em 2008. Pelo contrato, deveriam ter começado a gerar energia em janeiro de 2013, mas acabaram trilhando o mesmo destino de outros empreendimentos da empresa. Até hoje, nenhum megawatt foi gerado pelos projetos de Aratu. E nem há previsão para que isso ocorra. Depois de esgotar as possibilidades de negociações com o Bertin, a área técnica da Aneel emitiu um "termo de intimação" contra a empresa, decisão que, na prática, marca a abertura do processo de revogação dos contratos. Nos próximos dias, o posicionamento da área técnica da agência será enviado à diretoria colegiada da Aneel, para deliberação final.  As prateleiras da Aneel já acumulam dezessete projetos cancelados do Bertin, por causa de sucessivos atrasos. A lista de multas por descumprimento de contrato também não pára de crescer. A agência exige que o Bertin desembolse mais de 450 milhões de reais por esses atrasos. Trata-se da execução das garantias previstas em cada um dos contratos assinados com o grupo. Só no ano passado, a agência chegou a impor uma multa de 120 milhões de reais à empresa por conta do atraso nos projetos da Bahia. Essas cobranças, no entanto, foram parar na Justiça e liminares judiciais impedem o pagamento de qualquer multa.

EXECUTIVA DO PT DE SÃO PAULO DECIDE EXPULSAR SEU DEPUTADO-BOMBA, PARCEIRO DO PCC

A Comissão Executiva do PT paulista decidiu, por unanimidade, expulsar do partido seu deputado estadual Luiz Moura, flagrado em reunião da qual participaram 18 integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). O parlamentar é investigado pelo Ministério Público de São Paulo por ter sido sócio de uma empresa de transporte de passageiros suspeita de lavar dinheiro para o PCC. O nome do parlamentar é citado em apuração de promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) sobre vínculos da facção criminosa com cooperativas de perueiros que operam na capital paulista. A decisão ainda tem de ser homologada pelo Diretório Estadual do PT, nesta sexta-feira. A expulsão impedirá que o deputado seja candidato à reeleição na Assembleia Legislativa. Na manhã desta quinta-feira, os integrantes da Executiva optaram pela pena máxima prevista no estatuto do partido ao fim do processo disciplinar ao qual Luiz Moura foi submetido. Em junho, a cúpula do PT suspendeu o deputado por 60 dias quando veio a público a informação de que ele foi flagrado pela polícia em reunião com integrantes do PCC. O deputado também teve a legenda negada, mas recorreu à Justiça e conseguiu pedir o registro sua candidatura. O Tribunal Regional Eleitoral ainda julgará a validade do pedido. Como o Diretório Estadual tende a chancelar a decisão da Executiva, Luiz Moura terá prazo de dez dias para recorrer ao Diretório Nacional do PT. Caso ele tente o recurso, a exclusão ficará suspensa. O órgão máximo do partido, porém, deu aval para a expulsão na quarta-feira. "Provavelmente haverá uma disputa judicial por um longo tempo, mas sem que ele participe da campanha – sem ser candidato", disse o presidente do PT paulista, Emídio de Souza. "Ele vai exercer o direito de espernear. Como ele tem mandato, vai usar todos os recursos disponíveis no campo judicial. Mas a Justiça não pode nos obrigar a manter nos quadros do PT alguém que nós não queremos. Nós tomamos a atitude e deixamos claro que não compactuamos com esse tipo de prática”, completou. Segundo o dirigente, Moura não apresentou defesa pessoalmente nem por escrito, tampouco enviou documentos ou testemunhas a seu favor no processo disciplinar. Na tarde de quarta-feira, Moura enviou ao presidente do Diretório Estadual uma carta requerendo a anulação de todo o processo disciplinar partidário. O parlamentar pretendia ser julgado pelo Diretório Nacional. "Ele disse que o processo estava viciado e que a posição do PT estadual e a minha já eram conhecidas. Eu simplesmente neguei", disse Souza. O deputado afirma não ter vínculos com o PCC e diz que só entregará seu mandato por ordem da Justiça.  O procurador-geral de Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, comunicou ao Tribunal de Justiça de São Paulo a intenção de investigar se Moura cometeu sete crimes: organização criminosa, extorsão, constrangimento ilegal, apropriação indébita, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e abuso de autoridade. A investida do PT contra Luiz Moura tem como principal objetivo blindar a candidatura do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha ao governo do Estado e a da presidente Dilma Rousseff à reeleição. São Paulo é um dos maiores focos de rejeição a Dilma em todo o País. Petistas avaliam que a ligação de Moura com o PCC é capaz de minar o discurso do partido no combate ao crime organizado.

MAIORIA DOS ARGENTINOS CULPA O PRÓPRIO GOVERNO POR CALOTE FINANCEIRO

Um levantamento da consultoria Management & Fit aponta que, para 44,2% dos argentinos, o governo da peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner é o responsável pelo fato de os credores terem tomado um calote. Em segundo, aparece a opção "todos os envolvidos", com 18,1%. Em terceiro é o juiz Thomas Griesa, com 17,6% das respostas. Os fundos que não aceitaram as trocas de títulos dos anos de 2005 e 2010 são responsabilizados por 9% dos respondentes. O resto afirma não saber. A pesquisa ouviu 1.054 pessoas, por telefone e presencialmente, entre os dias 23 e 29 de julho - o calote, portanto, era só uma possibilidade. Na quarta-feira (30) venceu um dos prazos da dívida da Argentina. Os credores não receberam seu dinheiro. Por uma decisão do juiz Thomas Griesa o país só poderia honrar esse pagamento caso acertasse sua situação com um grupo de devedores cuja dívida Buenos Aires não reconhece: são detentores de títulos que estão em calote desde 2001. O país os procurou em 2005 para voltar a pagar, mas por um valor menor. Eles não aceitaram e procuraram a Justiça. Um deles, o fundo NML, venceu o país na Corte dos Estados Unidos. Ao anunciar que não chegou a um entendimento com o NML, o ministro da Economia, Axel Kicillof, afirmou que a culpa "está nas costas do juiz Thomas Griesa". Ele disse ainda que não há calote, pois a Argentina depositou o dinheiro. Nesta quinta-feira (31) pela manhã, o chefe do gabinete de Cristina Kirchner, Jorge Capitanich, disse "os credores devem exigir ao juiz o recebimento dos seus fundos que foram depositados pela Argentina". A pesquisa também tentou apurar qual o grau de conhecimento que os argentinos têm da crise da dívida: 31,8% disseram não estar informados. Os que afirmaram estar inteirados são 50,6%. E 12,5% disseram estar muito bem informados sobre o caso. O restante não respondeu. Segundo Mariel Fornoni, gerente da Management & Fit, uma nova pesquisa está sendo feita. "Acredito que os resultados vão ser muito parecidos", completou.

SEM ACORDO, JUSTIÇA DOS ESTADOS UNIDOS CONFIRMA CALOTE DA ARGENTINA

A Justiça dos Estados Unidos disse na noite desta quarta-feira que o calote da dívida da Argentina era iminente, depois de os representantes do país não chegarem a um acordo com os chamados fundos abutres. A confirmação veio no fim do dia, quando o prazo para chegar a um entendimento com os credores se esgotou. No mesmo instante em que o fracasso das negociações foi anunciado, o ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, concedia uma coletiva de imprensa em Nova York sem informar aos jornalistas sobre a situação de calote. Durante toda a coletiva, o ministro afirmou que a Argentina havia efetuado o pagamento dos juros aos credores que aceitaram a reestruturação da dívida — e negou moratória. Quando confrontado por uma jornalista argentina que possuía a nota da Justiça americana informando sobre o default, Kicillof afirmou que desconhecia a informação: “Estou surpreso com o que você acaba de dizer. Esse comunicado me parece escrito para favorecer uma das partes. Eu não entendo a Justiça americana”, afirmou.

Em comunicado, o mediador designado pela Justiça para resolver o impasse, Daniel Pollack, afirmou que o default da Argentina era “iminente”. O país não honrou o pagamento de US$ 539 milhões aos credores que aceitaram a reestruturação da dívida em 2005 e 2010 porque seus representantes não acataram a decisão da Corte dos Estados Unidos, que determinava o pagamento, concomitante, aos fundos abutres. Tais investidores são aqueles que não aceitaram a reestruturação e querem receber o valor total da dívida. “Default não é uma mera condição técnica, mas um evento doloroso e real que vai afetar as pessoas”, afirmou Pollack na noite desta quarta-feira. “As consequências desse default não são previsíveis, mas certamente não são positivas”, disse.
Segundo Pollack, a Justiça chegou à conclusão de que a Argentina não poderia, segundo a lei, pagar os detentores da dívida reestruturada sem que pagasse, também, os que não aceitaram a reestruturação. Nas negociações, a Argentina não cedeu: se os fundos quisessem receber, teriam de aceitar as mesmas condições dos credores que acataram a reestruturação. Contudo, os abutres se negaram a aderir ao plano, que impôs perdas de 40% aos investidores à época. “Trabalhei sem parar, ao longo das últimas cinco semanas, para reunir os representantes da Argentina e os holdouts (como a Corte se refere aos abutres) num acordo que permitisse o pagamento da dívida no dia 30″, afirmou Pollack, em comunicado. “O default não pode se tornar uma situação permanente, algo que acarretará em enormes prejuízos para a Argentina e seus credores, mas, sobretudo, para os cidadãos argentinos, que serão as reais vítimas”, afirma.
Por volta das 17 horas (horário de Brasília), a agência de classificação de risco Standard & Poor’s colocou a nota da dívida argentina em “moratória seletiva”, o que significa que apenas uma classe de bônus, com vencimento em 2033, está em default. Ao saber sobre a classificação, o ministro Kicillof desferiu críticas à S&P. “Quem acredita nas agências de classificação de risco? Quem pensa que eles são alguma referência no sistema financeiro? Se elas sabem tanto sobre risco, por que não viram chegar a crise das hipotecas?”, questionou o ministro, em coletiva à imprensa, logo após terminar sua reunião com Pollack. Durante todo seu discurso, Kicillof negou a moratória e afirmou que não se pode chamar de caloteiro um país que depositou o dinheiro para pagar seus credores. “Querem nos impor algo que é ilegal e muito ruim para a Argentina”, disse o ministro, referindo-se ao pagamento aos fundos abutres.
Consequências
O efeito mais pernicioso da moratória é o fim do acesso do governo argentino ao mercado internacional. O que significa que o país não pode emitir títulos. A medida também dificulta a captação externa dos bancos e empresas argentinas. Por essa razão, bancos privados do país tentaram montar um fundo de garantias de mais de US$ 200 milhões para oferecer aos abutres como forma de negociação. Kicillof afirmou que a tentativa dos bancos é legítima e disse que “sentia muito” pelos prejuízos que o setor privado do país teria com a restrição ao mercado internacional. Os credores também podem conseguir na Justiça o bloqueio de bens do país no exterior, como forma de amortizar a dívida.
Dívida antiga
Nesta quarta, ocorreu o segundo vencimento de uma parcela de US$ 539 milhões relativos a juros que devem ser pagos a credores nos Estados Unidos. O governo Kirchner não pagou o montante no primeiro vencimento determinado pelo juiz Thomas Griesa, em 30 de junho. Griesa é o responsável pela decisão que obriga a Argentina a pagar não apenas os juros devidos aos credores, mas também os valores integrais referentes aos títulos que estão com os fundos abutres, que não aceitaram a reestruturação da dívida argentina nos anos de 2005 e 2010 e, por isso, acionaram o país na Justiça para receber montante total da dívida. A reestruturação se deu depois do calote de 2001 e impôs perdas aos investidores dos papéis do país. Os abutres, contudo, são fundos especializados em compra de títulos de países caloteiros, justamente para acioná-los na Justiça e tentar receber o valor total.
A Argentina se negou a efetuar o pagamento aos abutres porque teme que isso ative a cláusula “Rufo”, cuja sigla em inglês quer dizer “direitos sobre futuras ofertas”, colocada pelo próprio governo, que indica que a Argentina não poderá negar aos demais credores as mesmas condições dadas aos abutres. Com isso, o país pode abrir precedentes para que todos os credores entrem na Justiça para receber o total da dívida, que seria superior às suas próprias reservas internacionais, que estão na casa de 30 bilhões de dólares.
O governo argentino tentou efetuar o pagamento aos credores dos títulos reestruturados, mas o juiz Griesa bloqueou a transação, classificando-a de ilegal. Assim, enquanto não pagar os abutres, a Argentina não pode honrar seus compromissos com os demais credores. Em entrevista ao site de VEJA, Jay Newmann, gestor do fundo NML, o principal abutre, afirmou que, ao longo de dez anos, vem tentando se reunir, sem sucesso, com o governo argentino. Até seu primeiro encontro com os representantes do país, nesta terça, a negativa vinha sendo constante, e o governo exigia, segundo Newman, que os fundos aceitassem a proposta argentina de forma unilateral.
Credores europeus
Temendo os efeitos do calote, credores europeus entraram na terça-feira com um pedido de emergência para a suspensão da execução da sentença que determina o pagamento aos credores do país. Os europeus pedem a suspensão do prazo por 90 dias ou até o início de janeiro de 2015, caso contrário consideram bem provável que a Argentina entre em default. O argumento é de que, com a suspensão, a Casa Rosada terá mais tempo para negociar formas de evitar um calote.
No mesmo documento, os credores da dívida em euro afirmam que abrem mão da chamada cláusula Rufo, que determina que as mesmas condições oferecidas aos fundos abutres precisam ser oferecidas aos agentes que aderiram às duas reestruturações da dívida do país, em 2005 e 2010. Esta cláusula é válida até o final de dezembro de 2014. Os detentores da dívida em euro afirmam que já entraram em contato com outros investidores interessados em também abrir mão da cláusula Rufo. Juntos, este grupo detêm 5,2 bilhões de euros da dívida do país, segundo o documento.
ENTENDA O QUE SÃO FUNDOS ABUTRES:
Fundo abutre é um jargão do mercado financeiro usado para classificar fundos de hedge que investem em papéis de países que deram calote — atuam, em especial, na América Latina e na África. Sua atuação é perfeitamente legítima. O termo abutre foi criado para diferenciá-los dos fundos convencionais, justamente por trabalharem como “agiotas” de países caloteiros, emprestando dinheiro em troca de “títulos podres”. São considerados pelo mercado uma espécie de ‘investidor de segunda linha’. Sua atuação consiste em comprar títulos da dívida de nações em default por valor irrisório para depois acionar o país na Justiça e tentar receber ganhos integrais. Os “abutres” compraram os papéis da dívida argentina por us$ 48,7 milhões em 2001 e querem receber, hoje, cerca de us$ 1 bilhão. A Argentina, por sua vez, tenta escapar do pagamento. O país teme que, caso aceite pagar os “abutres” integralmente, os 92% de credores que aceitaram a renegociação da dívida em 2005 e 2010 possam buscar na Justiça o direito de receber ganhos integrais. Neste caso, o pagamento poderia reduzir as reservas internacionais do país a praticamente zero. Outro agravante é que, devido ao histórico de calotes e decisões econômicas escandalosas do país, sua credibilidade para negociar com credores está fortemente abalada.

DÓLAR SOBE A R$ 2,25 E BOVESPA RECUA APÓS REUNIÃO DO FED

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira, aproximando-se do teto informal de 2,25 reais, após o crescimento da economia dos Estados Unidos surpreender positivamente e alimentar expectativas de que o Federal Reserve tenha margem, em breve, para aumentar os juros básicos, que estão próximos de zero. A moeda norte-americana subiu 0,52%, a 2,2427 reais na venda, após bater 2,2610 reais na máxima da sessão, com alta de 1,34%. O giro financeiro ficou em torno de 2 bilhões de dólares. A última vez que a moeda americana fechou acima de 2,25 reais foi em 17 de julho.

VEREADOR DO PT PAULISTANO TAMBÉM É CITADO EM INQUÉRITO SOBRE PCC

Irmão do deputado estadual Luiz Moura (PT) – flagrado pela polícia em reunião com 18 integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) –, o vereador paulistano Senival Moura (PT) é alvo de investigação do Ministério Público de São Paulo por suspeita dos crimes de formação de quadrilha e corrupção, aponta relatório sigiloso. Há uma semana, o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Fernando Elias Rosa, apresentou representação criminal contra o deputado Moura para apurar sete crimes: organização criminosa, extorsão, constrangimento ilegal, apropriação indébita, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e abuso de autoridade. Ligados a perueiros que operam no sistema de transporte público de São Paulo, os irmãos Moura constam em inquéritos abertos para desvendar vínculos do PCC com as cooperativas. As investigações sobre Senival e Luiz Moura foram conduzidas até julho pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). As citações ao deputado, porém, foram remetidas ao procurador-geral de Justiça, a quem cabe investigar parlamentares estaduais, que têm foro privilegiado. Senival Moura consta como investigado no procedimento investigatório criminal (PIC) nº 22/11, aberto em maio de 2011 para apurar como o PCC havia se "infiltrado" em quatro cooperativas de lotações. Além dele, também são alvos do inquérito o deputado Luiz Moura e mais dez pessoas, cinco delas vinculadas a cooperativas de transporte. O Gaeco já apurou que dois deles foram sócios de uma empresa com Luiz Moura e movimentaram milhões de reais em imóveis comprados com dinheiro vivo e empresas de fachada, como a Happy Play Tour, integrante do Consórcio 4 Leste. Luiz Moura chegou a figurar no quadro societário da Happy Play Tour com o capital de 4 milhões de reais em cotas. Em um dos endereços da empresa, segundo o Gaeco, funcionava um açougue. O Gaeco decidiu abrir a investigação após receber uma carta manuscrita anônima. A denúncia afirma que Senival e Luiz são “irmãos de sangue e do PCC” e líderes da facção na Zona Leste, região onde atuariam por meio de “testas de ferro” nas cooperativas de transporte. A denúncia também foi encaminhada à Polícia Federal, que decidiu arquivar o caso, naturalmente. Ou seja, a Polícia Federal é a polícia política do PT. Os promotores do Gaeco, porém, chegaram a fazer uma busca por bens, antecedentes criminais e conexões entre os suspeitos. Em setembro de 2011, o inquérito em que Senival foi citado passou a tramitar em conjunto ao PIC nº 34/10. A investigação ainda está em curso. Neste ano, Senival Moura lançou-se candidato à Câmara dos Deputados, em Brasília, enquanto Luiz Moura trava na Justiça uma batalha para conseguir sair candidato à reeleição na Assembleia Legislativa paulista. O partido decidiu afastá-lo em junho, depois de vir a público a informação de que Luiz Moura, ex-presidiário, havia sido flagrado pela polícia em uma reunião da qual participaram 18 integrantes do PCC, na garagem de uma cooperativa de lotações da Zona Leste, onde os irmãos montaram um relevante reduto eleitoral do partido.

PAI DE NEYMAR É CONVOCADO PARA DEPOR NA ESPANHA

A Justiça da Espanha determinou nesta quarta-feira que o pai de Neymar seja ouvido como testemunha do processo que investiga acusação de evasão fiscal na contratação do jogador brasileiro pelo Barcelona, em 2013. Neymar pai está no centro das investigações porque teria recebido boa parte do dinheiro pago pelo clube, numa transação descrita como aquisição da preferência de compra. Pela decisão do juiz Pablo Ruz, Neymar pai vai ter de se apresentar para depoimento dia 1º de outubro, quando o diretor financeiro do Barcelona, Néstor Amela, também será ouvido. O magistrado espanhol também exige que Neymar pai apresente toda a documentação referente aos contratos assinados com o Barcelona, especialmente com relação aos pagamentos variáveis e reembolso de gastos assumidos pelo clube junto ao jogador, sua família e staff profissional. Quer saber, por exemplo, se o Barcelona paga moradia e transporte como parte do salário e se isso é declarado ao fisco espanhol. A lista de documentos cobrados pelo juiz é ampla e inclui o contrato de direitos de imagem de Neymar e a data em que o Barcelona depositou 900.000 euros (cerca de 2,7 milhões de reais) ao jogador pela temporada 2013/2014. No total, o clube espanhol teria desembolsado 57,1 milhões de euros (cerca de 171 milhões de reais) para ter o jogador.

A BOÇALIDADE NÃO TEM LIMITES, MINISTRO TURCO DIZ QUE MULHERES NÃO DEVERIAM RIR EM PÚBLICO

O vice-primeiro-ministro da Turquia, Bülent Arinc, fez um comentário totalmente boçal ao defender que mulheres não deveriam rir em público. Um dos fundadores do governista Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), do premiê Recep Erdogan (islamista), o político deu a declaração durante um discurso sobre o “declínio moral” na sociedade turca. "A mulher deve ter pureza... Ela não deve rir na frente de todos e não deve ser convidativa em seu comportamento. Ela deve proteger sua honra", disse Arinc, que também criticou as novelas por “promoverem a decadência”. O comentário boçal e medieval provocou uma série de manifestações nas redes sociais, com milhares de mulheres publicando fotos suas rindo ou sorrindo em perfis do Instagram e do Twitter. A escritora e comentarista política Ece Temelkuran foi uma das primeiras a postar uma imagem sorrindo e a encorajar outras mulheres a fazerem o mesmo. “Esta foi uma declaração extremamente ultrajante e conservadora”, disse. “Toda minha linha do tempo é repleta de mulheres rindo – o que é extraordinário”, afirmou. Opositores reclamam da interferência cada vez maior do governo na vida privada dos cidadãos. Ao longo de mais de uma década no poder, Erdogan promoveu uma islamização da Turquia, já que o premiê é um muçulmano fortemente conservador, e também para satisfazer a parcela mais religiosa da população, maioria nas áreas rurais e público importante para as eleições. O premiê é favorito para se tornar o primeiro presidente eleito diretamente da Turquia, um país predominantemente muçulmano. O pleito está marcado para o dia 10 de agosto. Melda Onur, uma parlamentar do principal partido de oposição da Turquia, o CHP, disse no Twitter que os comentários de Arinc classificam risadas como um ato desonroso e deixam as mulheres sujeitas à violência. Um opositor que enfrentará Erdogan na disputa da presidência, Ekmeleddin Ihsanoglu aproveitou a maré contra o vice-premiê para se solidarizar com as mulheres e tuitou: “Mais do que qualquer outra coisa, nosso país precisa que as mulheres riam e ouçam o riso alegre de todos”.

EX-MULHER E DELATORA DO DEPUTADO FEDERAL FELIPPE BETHLEM TINHA UM SALÁRIO DE R$ 10,5 MIL NO GOVERNO

Vanessa Felippe Bethlem, ex-mulher do deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB) e delatora do esquema operado pelo ex-secretário municipal na prefeitura do Rio de Janeiro, também tinha suas boquinhas na administração pública. Ela foi vice-presidente da Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj) entre fevereiro de 2007 e junho de 2012. A autarquia é responsável pela administração de jogos de azar no Estado. Pelo cargo comissionado, obtido por nomeação do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), Vanessa recebia um salário de 10.570,94 reais. Bethlem foi subsecretário de governo do Rio de Janeiro entre 2007 e 2008, responsável no Palácio Guanabara por operações de "choque de ordem". Mais do que um caso de nepotismo, a nomeação de Vanessa para a Loterj foi também alvo de investigação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro - a suspeita era de que ela fosse uma funcionária-fantasma. Denúncia anônima enviada à Promotoria dizia que Vanessa sequer aparecia na repartição. Para rebater a acusação, o governo enviou folhas de ponto, datadas a partir de outubro de 2009, que mostravam comparecimento ao trabalho. Em relação ao período de junho de 2007 a setembro de 2009, porém, não houve comprovação da frequência. A Loterj alegou que a documentação desses meses desapareceu em uma obra de reforma do prédio da autarquia. Foi o suficiente para que a Promotoria determinasse o arquivamento da investigação. O cargo comissionado não foi a única transferência de recursos estaduais para o bolso de Vanessa. Ela era sócia, com o filho Jorge Felippe Bethlem, da revista B4, uma inexpressiva publicação que estampava anúncios da prefeitura do Rio de Janeiro. O governo do Estado repassou 36.750 reais para a empresa de Vanessa pelo pagamento de anúncios. Áudios obtidos pela revista VEJA mostraram que Bethlem prometeu a ela que promoveria um encontro com Wilson Carlos, braço-direito de Sérgio Cabral, para providenciar o patrocínio. Meses depois o dinheiro foi liberado.

FED REDUZ PROGRAMA DE ESTÍMULOS AO SETOR FINANCEIRO PARA APENAS US$ 25 BILHÕES

O Federal Reserve (Fed) reduziu nesta quarta-feira suas compras mensais de ativos em 10 bilhões de dólares, ou seja, de 35 bilhões de dólares para 25 bilhões de dólares. Com isso, a autoridade monetária pode encerrar seu programa de estímulos em outubro deste ano. O Fed também melhorou a avaliação para a economia norte-americana, ao citar o fortalecimento do mercado de trabalho, com a queda do desemprego, e o avanço da inflação. "A inflação se moveu para um pouco mais perto do objetivo de longo prazo", informou o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc). O Fed utilizou uma linguagem diferente neste comunicado, sugerindo que a autoridade está mais atenta aos riscos inflacionários. O Departamento do Comércio informou que a economia norte-americana cresceu a uma taxa anual de 4% no segundo trimestre, o que provavelmente ampliou o debate dentro banco central sobre quando os juros devem subir. O Fed reiterou nesta quarta-feira que provavelmente manterá as taxas de juros perto de zero por um período mais prolongado, e que a política expansionista é necessária. O banco central tem mantido sua principal taxa de juros na mínima recorde desde dezembro de 2008 e seu balanço patrimonial mais do que quadruplicou graças às compras mensais de ativos, achegando a 4,4 trilhões de dólares. Algumas autoridades preocupam-se com a possibilidade de as taxas de juros permanecerem baixas por muito tempo, o que poderia levar a inflação para patamares indesejáveis. Outras autoridades, como a presidente do Fed, Janet Yellen, são mais cautelosas com relação a redução das taxas de juros. Segundo elas, ainda há capacidade ociosa na economia norte-americana. Yellen acredita que a taxa de desemprego de 6,1% superestima as condições do mercado de trabalho. No entanto, ela alertou em julho que um aumento nas taxas de juros poderia ocorrer "mais cedo e ser mais rápido" que o esperado, se o fortalecimento do mercado de trabalho continuar a superar as expectativas. O relatório da ADP mostrou nesta quarta-feira que as companhias norte-americanas contrataram 218 mil funcionários em julho, um bom nível apesar de ligeiramente abaixo das projeções de economistas.

GOVERNO DA PETISTA DILMA ROUSSEFF QUER QUE CONTRIBUINTES PAGUEM A DÍVIDA MULTIBILIONÁRIA DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM TRÊS ANOS

O governo da petista Dilma Rousseff pretende diluir em três anos, e não mais em dois, o reajuste na conta de luz para pagar o empréstimo bancário feito para as distribuidoras de energia, disse nesta quarta-feira o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann. A ideia do governo petista, segundo ele, é reajustar a conta de luz em 2,6% em 2015, em 5% no ano seguinte e em 1,4% em 2017. Até agora, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) disse que o aumento da tarifa para pagar o empréstimo bancário tomado pelas distribuidoras, de 11,2 bilhões de reais, ocorreria nos próximos dois anos, em 2015 e 2016. A diluição do reajuste por um prazo maior reduzia o impacto do aumento da tarifa de luz na inflação, em um momento que a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), encontra-se sob pressão e perto do teto da meta do governo, de 6,5% ao ano. O pagamento da dívida das empresas referente aos gastos de maio foi adiado duas vezes, primeiro para o dia 31 de julho e agora para dia 30 de agosto. Tudo para a equipe do governo ganhar tempo para levantar outros 6,5 bilhões de reais em socorro às distribuidoras.

MORRE JULIO GRONDONA, O ETERNO PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO ARGENTINA DE FUTEBOL

O presidente da Federação Argentina de Futebol (AFA), Julio Grondona, de 82 anos, morreu nesta quarta-feira por complicações no coração. O dirigente, que também ocupava o cargo de vice-presidente da Fifa, sentiu-se mal durante a madrugada e foi levado ao Sanatório Mitre, em Buenos Aires. A AFA chegou a afirmar, em comunicado oficial, que o dirigente havia sentindo "uma ligeira indisposição" e foi levado ao hospital "por precaução". Pouco depois, a morte foi confirmada. Grondona sofreu com diversos problemas de saúde nos últimos anos e chegou a ser internado em algumas oportunidades com complicações no intestino. Ele foi presidente da AFA por 35 anos e esta semana esteve reunido com o técnico Alejandro Sabella, vice-campeão com a Argentina na Copa do Mundo de 2014. O dirigente teria marcado para os próximos dias uma reunião com outro treinador, Gerardo Martino, candidato ao cargo.

ATAQUES CONTINUAM DURANTE TRÉGUA HUMANITÁRIA EM GAZA

Israel autorizou uma trégua humanitária de quatro horas nesta quarta-feira, mas a pausa nas hostilidades não durou nem mesmo esse breve período. Foguetes continuaram a ser lançados a partir de Gaza pelos terroristas do Hamas contra Israel, que respondeu com ataques aéreos. O grupo terrorista Hamas, que havia rejeitado a proposta de cessar-fogo temporário, afirmou que um mercado perto da Cidade de Gaza foi bombardeado, com 17 pessoas mortas e 200 feridas.

RODRIGO BETHLEM ANUNCIA SUA SAÍDA DA CORRIDA PELA REELEIÇÃO A DEPUTADO FEDERAL

O deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ) disse a aliados que vai desistir da candidatura à reeleição. Caciques do partido passaram a pressioná-lo para que abandonasse a disputa eleitoral. Na última sexta-feira, o site de VEJA revelou que Bethlem operava um esquema de corrupção na prefeitura do Rio de Janeiro. Ele deixou o secretariado para tentar a reeleição na Câmara. O objetivo da cúpula peemedebista é conter os estragos causados pelas ações de Bethlem à campanha do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e à imagem do prefeito Eduardo Paes (PMDB). Bethlem era considerado homem forte de Paes na prefeitura e tinha influência também no governo do Rio de Janeiro. Áudios e vídeos mostram o deputado, que já chefiou as secretarias de Ordem Pública, Assistência Social e Governo do Rio de Janeiro, em conversas com a ex-mulher, Vanessa Felippe, afirmando que recebe mensalmente propina da ONG Tesloo, contratada para administrar o cadastro único de programas sociais da prefeitura – usado para pagamento de programas como o Bolsa Família e o Cartão Família Carioca. "Eu tenho de receita em torno de 100.000 reais por mês", afirma o peemedebista na gravação, explicando que, do contrato, retirava entre 65.000 e 70.000 reais por mês.