quarta-feira, 20 de agosto de 2014

APAGÃO À VISTA - TÉRMICAS OPERAM NO PICO, PRATICAMENTE SEM RESERVA TÉCNICA

A utilização das usinas térmicas está no pico. De um total de 16 173 megawatts efetivamente disponíveis para uso, foram usados 15 615 megawatts na segunda-feira, o que representa uma folga mínima de 558 MW. Ou seja, qualquer falha no sistema e… vem o apagão.  As térmicas são  hoje responsáveis por 27% de toda energia consumida no País.

PSL NÃO DARÁ APOIO À CHAPA ENCABEÇADA POR MARINA SILVA

O presidente do PSL, Luciano Bivar, afirmou nesta quarta-feira que o partido não vai se coligar com a chapa presidencial encabeçada por Marina Silva (PSB). O PSL era um dos seis partidos que formavam a coligação em torno da candidatura de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo na semana passada. "Vamos seguir sem candidato à Presidência da República", afirmou o dirigente. Segundo ele, pesou na decisão a desconfiança de que Marina Silva não cumprirá os acordos feitos inicialmente pelo ex-governador. Apesar de alguns integrantes da cúpula do PSB afirmarem nesta quarta-feira que todos os compromissos construídos por Eduardo Campos serão cumpridos por Marina Silva, o presidente do PSL afirma que nenhum deles pode falar pela ex-ministra. Além disso, Bivar contou que não foi procurado por Marina Silva para fazer a composição na chapa. O presidente do PHS, Eduardo Machado, mostrou-se contrariado com a decisão da cúpula do PSB de indicar o nome do deputado Beto Albuquerque para ser o vice na chapa de Marina Silva. Machado disse que não contesta o nome, mas a forma como o processo foi conduzido, pois o partido não foi chamado para opinar. "Achei deselegante, foi feito sem discutir internamente. Mas estamos 100% com Marina Silva em razão de Beto Albuquerque ter o apoio dos familiares de Eduardo Campos", disse. Está previsto para esta quinta-feira, 21, um encontro com todos os integrantes da coligação na sede do PSB em Brasília em que será formalizada a nova chapa presidencial que será encaminhada ao Tribunal Superior Eleitoral.

VALE OBTÉM LICENÇA AMBIENTAL PRÉVIA EIA GLOBAL DE ÁREAS DE CARAJÁS

A mineradora Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo, obteve licença ambiental prévia para o EIA Global (estudo de impacto ambiental) para algumas áreas do Sistema Norte de Carajás, onde a companhia espera ampliar a produção em seu principal pólo minerador. O licenciamento do EIA Global envolve a ampliação das cavas de N4WS, N5S, Morro I e Morro II, que contêm 1,8 bilhão de toneladas de reservas, conforme fato relevante divulgado nesta quarta-feira. A licença prévia "representa um passo importante para o crescimento da produção de minério de ferro e para o alcance de nossas metas, sempre com respeito ao nosso compromisso de agir de forma transparente e sustentável", disse o diretor-presidente da Vale, Murilo Ferreira, em nota. A próxima etapa no processo de licenciamento ambiental das áreas é obter as licenças de instalação e operação, assim como a autorização para supressão vegetal, acrescentou a empresa em comunicado. O complexo minerador de Carajás, o maior produtor de minério de ferro em operação do mundo, engloba a operação simultânea de cinco minas a céu aberto: N4E, N4W, N5E, N5W e N5 Sul. Das minas de Carajás, saem aproximadamente 35% do minério de ferro produzido pela Vale. A área de mineração de Carajás ocupa menos de 3% da Floresta Nacional de Carajás, lembrou a Vale.

MARINA SILVA PROMETE A IMPLANTAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL, JÁ COMPRA BRIGA COM OS PRODUTORES RURAIS NO PRIMEIRO DIA DE CAMPANHA

Agora chancelada candidata do PSB à Presidência, Marina Silva afirmou nesta quarta-feira, 20, que o Código Florestal brasileiro, aprovado em 2012, sendo lei aprovada pelo Congresso, precisa ser cumprido, inclusive no que se refere ao Cadastro Ambiental Rural (CAR). "Infelizmente isso não está sendo feito com a urgência e com a velocidade que precisamos", disse. Sobre o Código, que foi fortemente criticado pelo grupo de Marina Silva quando sancionado, ela defendeu a criação de meios que possibilitem o aumento da produtividade e que se compreenda que "existe na lei um conjunto de medidas que precisam ser tomadas pela recuperação das áreas degradadas e o apoio a investimentos para aumentar a produtividade "sem precisar mais derrubar". Ela disse que, quando ocupou o Ministério do Meio Ambiente, na gestão do ex-presidente e alcaguete Lula (delatava companheiros para o Dops paulista na ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr), o desmatamento caiu e o desenvolvimento aumentou. "Temos hoje situação em que o desmatamento cresce a produtividade cai. Tínhamos uma situação inversa, que é o desejado", concluiu. Perguntada se pretendia, sendo eleita presidente, promover alterações no Código, Marina Silva respondeu: "As leis que não são cláusulas pétreas, estão sempre abertas para o debate, como o próprio Código Florestal. O próprio governo federal pode apresentar uma proposta para melhorá-lo. Mas nosso compromisso agora é de implementá-lo".

TERRORISTA DO CALIFADO QUE DECAPITOU JORNALISTA AMERICANO TEM ORIGEM BRITÂNICA

O homem que aparece com o rosto coberto no vídeo da decapitação do jornalista americano James Foley nasceu em Londres e é conhecido como John, segundo informações divulgadas nesta quarta-feira pela imprensa britânica. Ele atua com outros dois britânicos que fazem parte do grupo terrorista Estado Islâmico e são encarregados dos reféns estrangeiros, informou o jornal The Guardian. O trio foi apelidado por outros jihadistas de ‘Os Beatles’, devido a sua nacionalidade. John mantém sua base em Raqqa, na Síria, e é descrito como um homem bem-educado e inteligente, mas altamente comprometido com o grupo terrorista que tem espalhado a selvageria em um vasto território entre o Iraque e a Síria. A estética da barbárie difundida pelos jihadistas funciona como arma de propaganda para aterrorizar os inimigos e garantir a obediência das populações das cidades conquistadas e para atrair desajustados como John, de todas as nacionalidades. O governo britânico retirou os passaportes de 23 moradores da Grã-Bretanha por suspeitar que eles se preparavam para viajar para o Oriente Médio para se apresentar ao Estado Islâmico. O primeiro-ministro David Cameron interrompeu suas férias depois da divulgação do vídeo e se disse “profundamente chocado” com a brutalidade dos terroristas. “Isso é profundamente chocante. Mas sabemos que britânicos demais viajaram para o Iraque e para a Síria para participar do extremismo e da violência. O que devemos fazer é redobrar nossos esforços para parar essas pessoas”, ressaltou o premiê. Especialistas advertiram que os terroristas britânicos integrados às fileiras do Estado Islâmico (o Califado) estão entre os mais “cruéis e insensíveis” assassinos em ação na região e não são apenas operadores das atrocidades, mas também ocupam posições de liderança. Mais de 500 cidadãos da Grã-Bretanha teriam viajado para o Iraque e a Síria, desde o início do conflito neste país, três anos atrás. Metade teria retornado à Grã-Bretanha. Outro britânico, Waheed Majeed, realizou um ataque suicida na Síria no início deste ano. “Temos visto britânicos operando como suicidas, como executores. Infelizmente, eles estão entre alguns dos mais cruéis e ferozes militantes. Infelizmente, isso é apenas parte de sua radicalização”, disse ao jornal Daily Telegraph, Shiraz Maher, do Centro de Estudos da Radicalização do King’s College, em Londres. O homem que assassinou brutalmente o jornalista americano também foi um dos principais negociadores da libertação de onze reféns do Estados Islâmico no início deste ano. Agentes do FBI, do MI5 – o serviço secreto britânico – e da Scotland Yard tentam estabelecer a identidade exata do terrorista.

SKAF DIZ QUE ALCKMIN NÃO TEM "TESÃO" PARA GOVERNAR

Após afirmar em sua propaganda que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não tem "tesão" para governar o Estado, o candidato do PMDB ao governo estadual, Paulo Skaf, afirmou que suas críticas foram feitas "com muita franqueza". "Disse que ele (Alckmin) era uma pessoa simpática e educada, mas São Paulo precisa de mais que isso, precisa de garra e vontade de enfrentar os problemas", disse. "Falei com muita franqueza. Sinto que temos dois Estados, um com os gráficos do governo, como se tudo estivesse bom, e o Estado verdadeiro, com problemas com saúde, educação e segurança." O candidato do PMDB passou o dia em passeatas pelo interior do Estado. Pela manhã, ele esteve na feira livre em Bragança Paulista. Na ocasião, conversou com moradores e feirantes, perguntou sobre o preço dos produtos e os problemas da região. Comeu uma banana e tomou caldo de cana com a população. A presença de sua campanha, com pessoas com bandeiras e distribuindo adesivos, provocou queixa dos feirantes. Eles reclamaram que a movimentação em torno do candidato afastava a clientela. Skaf aproveitou a visita a Bragança para passar nas obras de uma escola técnica do Senai que deve ser entregue até o final do ano. Skaf é presidente licenciado da Fiesp. Depois, o candidato passou por Atibaia. Desconhecido de grande parte do eleitorado, Skaf era apresentado às pessoas pelo prefeito Saulo Pedroso de Souza. O peemedebista tomou café e comeu um sanduíche de linguiça no mercado central. Depois, foi até Nazaré Paulista, Piracaia e Mairiporã.

SKAF DIZ QUE ALCKMIN NÃO TEM "TESÃO" PARA GOVERNAR

Após afirmar em sua propaganda que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não tem "tesão" para governar o Estado, o candidato do PMDB ao governo estadual, Paulo Skaf, afirmou que suas críticas foram feitas "com muita franqueza". "Disse que ele (Alckmin) era uma pessoa simpática e educada, mas São Paulo precisa de mais que isso, precisa de garra e vontade de enfrentar os problemas", disse. "Falei com muita franqueza. Sinto que temos dois Estados, um com os gráficos do governo, como se tudo estivesse bom, e o Estado verdadeiro, com problemas com saúde, educação e segurança." O candidato do PMDB passou o dia em passeatas pelo interior do Estado. Pela manhã, ele esteve na feira livre em Bragança Paulista. Na ocasião, conversou com moradores e feirantes, perguntou sobre o preço dos produtos e os problemas da região. Comeu uma banana e tomou caldo de cana com a população. A presença de sua campanha, com pessoas com bandeiras e distribuindo adesivos, provocou queixa dos feirantes. Eles reclamaram que a movimentação em torno do candidato afastava a clientela. Skaf aproveitou a visita a Bragança para passar nas obras de uma escola técnica do Senai que deve ser entregue até o final do ano. Skaf é presidente licenciado da Fiesp. Depois, o candidato passou por Atibaia. Desconhecido de grande parte do eleitorado, Skaf era apresentado às pessoas pelo prefeito Saulo Pedroso de Souza. O peemedebista tomou café e comeu um sanduíche de linguiça no mercado central. Depois, foi até Nazaré Paulista, Piracaia e Mairiporã.

PRONTO! MARINA ENTERROU EDUARDO CAMPOS. LÍDER DA REDE JÁ JOGOU NO LIXO OS PRIMEIROS COMPROMISSOS E DEU UM PÉ NO TRASEIRO DO PSB. QUEM ESTÁ SURPRESO? OU: DE NOVO, A VESPA E A JOANINHA INOCENTE

A vespa se aproxima da Joaninha inocente; o objetivo é injetar um ovo em seu abdômen sem que a coitadinha perceba. Nem dói...
A vespa se aproxima da Joaninha inocente; o objetivo é injetar um ovo em seu abdômen sem que a coitadinha perceba. Nem dói…
Depois de algum tempo, a Joaninha passa a carregar a estrovenga, como um zumbi, uma morta-viva. Assim que a nova vespa nascer, a hospedeira morre... para valer
Depois de algum tempo, a Joaninha passa a carregar a estrovenga, como um zumbi, uma morta-viva. Assim que a nova vespa nascer, a hospedeira morre… para valer
O PSB oficializou nesta quarta-feira a candidatura de Marina Silva à Presidência da República, tendo o deputado Beto Albuquerque (PSB-RS) como vice. Para não variar, tudo está sendo feito de acordo com as exigências de… Marina. O partido que a recebeu já foi transformado em mero hospedeiro. Ela não está nem aí para a legenda que a abrigou. Pois é… Eu sempre disse que seria assim. Vamos ver?
1: Marina disse há quatro dias que acataria os acordos regionais feitos por Eduardo Campos. Isso não vale mais: ela só vai subir em palanques em que todos os partidos pertençam à coligação nacional. Isso exclui São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio.
2: O comando do PSB afirmou que Marina assinaria uma carta de compromisso mantendo os fundamentos da programa que Campos queria para o país. Marina já deixou claro que não assina nada.
3: O PSB tinha o comando da campanha de Eduardo Campos, que estava a cargo de Carlos Siqueira. Marina resolveu dividir a função com o deputado federal marinheiro Walter Feldman (SP). Na prática, todo mundo sabe, Siqueira foi destituído.
Vale dizer: Marina está, como sempre, fazendo tudo o que quer, do modo que quer, na hora em que quer. Para alguma melancolia deste escriba, acabo de ouvir na TV uma jornalista a dizer que isso só prova a… “coerência” de Marina. É mesmo, é? Entre a burrice e a desinformação, acuso as duas.
Feldman, agora seu braço-direito, é um portento da “nova política” que Marina diz abraçar. Foi secretário do governador Mário Covas e dos prefeitos José Serra e Gilberto Kassab. Só não se tornou secretário de Saúde do então prefeito Paulo Maluf porque Covas não deixou. Saiu do PSDB atirando contra o governador Alckmin e voltou tempos depois, fazendo uma espécie de mea-culpa. Durou pouco a fidelidade. Ainda como deputado tucano, juntou-se aos marineiros e passou a comandar a resistência a qualquer acordo com o PSDB em São Paulo. Não se trata de uma sequência para depreciá-lo. Trata-se apenas de fatos.
É claro que Feldman vai atuar contra a candidatura de Alckmin à reeleição. Até aí, tudo bem, né? Faça o que quiser. Ocorre que o candidato a vice na chapa do governador é o deputado Márcio França, do PSB, partido ao qual, formalmente ao menos, Marina e seu coordenador pertencem. Aliás, depois de Campos, França é a liderança de maior expressão nacional da legenda, que tem uma grande chance de ocupar um posto político importantíssimo no Estado mais rico do país e com o maior eleitorado.
Se Marina já deixou claro que não vai respeitar os acordos firmados por Campos, ainda que esteja ocupando o seu lugar, por que ela respeitaria o programa do PSB caso se eleja presidente da República? A minha tarefa é fazer a pergunta. A dela é cuidar da resposta.
Olhem aqui. No dia 19 de dezembro de 2013, escrevi um post em que comparava Marina a certa vespa que usa outros insetos, especialmente a joaninha — ainda viva — para depositar seu ovo. A estrovenga é injetada diretamente no abdômen da vítima, que carrega, então, a futura larva até que uma nova vespa venha à luz. Quando esta nasce, o hospedeiro morre. Há oito meses, portanto, com Campos ainda vivo, afirmei que era precisamente isso o que Marina faria com o PSB. Como eu sabia? A partir de determinado momento, ela tentou ser hospedeira do PT, com agenda própria. Foi repelida. Buscou fazer o mesmo com o PV. Foi repelida outra vez — e sua grande votação não levou a um aumento da bancada da legenda. Era o partido do “Eu-Sozinha”. Não fez, por exemplo, o menor esforço para eleger uma bancada do PV. Terminada a eleição, tentou tomar a direção do partido. Não conseguiu e saiu para fundar a Rede. Agora, no caso do PSB, não sei, não, parece que o ovo foi parar no abdômen do partido.
Ganhe Marina a eleição ou não, tão logo ela migre para a sua Rede, o PSB será menor do que era antes da sua entrada. Na nova legenda, aí sim, ela será, como sempre quis, em sua infinita humildade, Igreja e Estado ao mesmo tempo; rainha e autoridade teológica. E sempre cercada de fanáticos religiosos, com diploma universitário. Por Reinaldo Azevedo

GERENTE JURÍDICO DA PETROBRAS DEFENDE REVISÃO DE PUNIÇÃO

O gerente jurídico internacional da Petrobras, Carlos César Borromeu de Andrade, defendeu nesta quarta-feira que o Tribunal de Contas da União reveja a punição imposta por causa dos prejuízos acarretados na estatal na compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA). A Corte decidiu cobrar de integrantes da então Diretoria Executiva um prejuízo de US$ 792 milhões com a operação. "Espero que, nessa próxima etapa no TCU, a gente possa apresentar esses esclarecimentos adicionais para que haja essa compreensão pelos nossos julgadores para que eles possam rever essa punição", afirmou Borromeu de Andrade, em depoimento à CPI mista da Petrobrás. Segundo o gerente, as cláusulas que foram omitidas do Conselho de Administração da Petrobras, na compra da primeira metade da refinaria de Pasadena em 2006, eram "importantes" por darem à estatal a primazia que a estatal queria ter na negociação. Ele disse, entretanto, que não está participando da defesa jurídica de integrantes da estatal no TCU, atuando apenas pontualmente para dirimir eventuais dúvidas durante o processo. Em nota ao jornal O Estado de S. Paulo em março, a presidente Dilma Rousseff afirmou que, se tivesse tido acesso a todas as cláusulas, não teria aprovado a operação. Ela presidia o Conselho de Administração da estatal no momento da compra da primeira metade da refinaria. As cláusulas foram omitidas pelo ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Nesta quarta-feir, mais cedo, Borromeu de Andrade disse que seu setor recomendou, com base em uma avaliação de um escritório de advocacia internacional, a compra da primeira metade da refinaria de Pasadena em parecer preparado no dia 27 de janeiro de 2006. Segundo ele, no texto constavam as duas cláusulas - a Put Option (de saída dos sócios) e a Marlim (de rentabilidade dos sócios) - no documento que foi encaminhado à Gerência de Novos Negócios da estatal. Posteriormente, ele foi repassado para a Diretoria Internacional. Para o gerente, a cláusula Put Option é normal nesses tipos de acordos entre sócios e a Marlim, no caso de Pasadena, não chegou a ser utilizada porque não houve revamp (modernização) da refinaria.

CPMI DA PETROBRAS VOTARÁ EM SETEMBRO CONVOCAÇÃO PARA DEPOIMENTO DA CONTADORA MEIRE POZA, QUE TRABALHAVA PARA O DOLEIRO ALBERTO YOUSSEF

A CPMI da Petrobras deve votar no dia 3 de setembro a convocação de Meire Poza, ex-contadora do doleiro Alberto Youssef. Ela revelou a VEJA detalhes da operação do antigo chefe, que operava um esquema bilionário de lavagem de dinheiro com ramificações em empresas públicas, empreiteiras contratadas pelo governo e gabinetes parlamentares. Na condição de testemunha convocada, a contadora não poderá se recusar a comparecer caso os requerimentos sejam aprovados. Meire Poza já esteve no Conselho de Ética da Câmara, onde falou sobre a relação do deputado Luiz Argôlo (SD-BA) com o doleiro. Ela confirmou que Youssef fez pagamentos ao parlamentar. Nesta quarta-feira, a CPMI da Petrobras ouviu mais dois depoentes: o diretor jurídico internacional da empresa, Carlos Cesar Borromeu de Andrade, e o gerente de Segurança Empresarial da companhia, Pedro Aramis de Lima Arruda. Andrade disse que a cláusula Put Option, que causou prejuízo à Petrobras na compra da refinaria de Pasadena, é “comum” em negócios do tipo. Mas se esquivou quando veio a pergunta a respeito da importância de duas cláusulas – essa e a Merlin – que foram omitidas no resumo apresentado ao Conselho Deliberativo da estatal. A omissão abriu caminho para operações desastradas que causaram um prejuízo de pelo menos 790 milhões de dólares à empresa. “É muito difícil fazer juízo de valor”, disse Andrade. “Eu não posso, como advogado, julgar o que a minha área cliente deve ou não deve incluir no resumo”, afirmou. O diretor afirmou também que a área jurídica não analisava a viabilidade de um negócio: “Não, de forma nenhuma. Nós não podemos emitir juízo de valor sobre uma operação comercial”. Já o gerente de Segurança Empresarial também foi evasivo. Disse que a investigação interna da empresa não identificou o pagamento de propina a funcionários por parte da holandesa SBM Offshore. O relator, Marco Maia (PT-RS), perguntou se não restaram ao menos dúvidas das irregularidades. “Essa pergunta eu não posso responder”, disse o gerente. Arruda também afirmou que Paulo Roberto Costa, ex-diretor da companhia que foi preso por suspeitas de corrupção, “tinha um comportamento normal”. Fosse em qualquer empresa privada, esses caras estariam todos demitidos, no mínimo, por falta de compromisso com os interesses da companhia.

CONTRATO DA HIDRELÉTRICA TRÊS IRMÃOS JÁ PODE SER ASSINADO

O Tribunal de Contas da União (TCU) revogou nesta quarta-feira a medida cautelar que impedia a assinatura do contrato de concessão da Usina Hidrelétrica Três Irmãos, que foi licitada em março. O relator da matéria, ministro José Jorge, entendeu que os ministérios de Minas e Energia e dos Transportes encaminharam estudos sobre a viabilidade técnica do empreendimento. A decisão anterior do TCU que suspendeu o processo foi por causa de um questionamento feito pela atual operadora da usina, a Companhia Energética de São Paulo (Cesp). A hidrelétrica teve que ser licitada novamente, pois a Cesp não aceitou renovar o contrato conforme as regras estabelecidas pelo governo federal no fim de 2012. A estatal pediu o cancelamento do processo do leilão, questionando o fato de o governo não incluir na licitação as eclusas e o Canal Pereira Barreto, que fazem parte do complexo da hidrelétrica. Segundo o ministro, não houve atraso no processo por causa da medida cautelar. “Vamos continuar avaliando a forma do contrato que será feito entre o governo e o vencedor da licitação”, disse José Jorge. O vencedor do leilão foi o consórcio Novo Oriente, formado por Furnas e pela Fip Constantinopla. O grupo apresentou uma oferta de R$ 31,623 milhões pelo custo de gestão dos ativos de geração. A usina está localizada no Rio Tietê, no município de Pereira Barreto, em São Paulo, e tem capacidade instalada de 807,50 megawatts.

LUCIANA GENRO PROPÕE SISTEMA ÚNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA

A candidata do PSOL à Presidência da República, Luciana Genro, defendeu nesta quarta-feira (20) a criação de um sistema único de segurança pública no País. De acordo com Luciana, o Executivo Federal deve assumir, assim, a responsabilidade de dar a estrutura necessária para que os governos estaduais apliquem, em sua totalidade, a legislação relacionada à segurança, como a Lei de Execução Penal. “O Poder Executivo precisa criar um plano nacional de segurança pública, um sistema único de segurança pública. Nós pretendemos assumir essa responsabilidade", disse a candidata. Ela explicou que o PSOL quer uma ação proativa do governo federal na questão, chamando para si a responsabilidade e dando aos governos estaduais a estrutura necessária para que possa ser cumprida, por exemplo, a Lei de Execução Penal. "É uma lei que traz o conjunto de direitos e deveres do encarcerado, que não são cumpridos”, detalhou Luciana. Para a candidata, o engajamento do governo federal com um plano nacional, por exemplo, poderia dar aos juízes mais segurança na adoção de medidas alternativas ao encarceramento. “A ótica do encarceramento em massa tem trazido o incremento da violência e não tem propiciado maior segurança para a população. Os encarcerados acabam tendo, não uma pena privativa de liberdade, mas uma pena privativa de dignidade, porque a Lei de Execução Penal não é cumprida, assim como as medidas alternativas à prisão também são pouco executadas pelos juízes, porque eles não têm segurança de que haverá fiscalização”, acrescentou.

JOSÉ ROBERTO ARRUDA RECORRE AO TSE CONTRA REJEIÇÃO DE REGISTRO DE CANDIDATURA

A defesa de José Roberto Arruda (PR), candidato ao governo do Distrito Federal, recorreu nesta quarta-feira (20) ao Tribunal Superior Eleitoral contra decisão que rejeitou seu registro de candidatura com base na Lei da Ficha Limpa. O processo será relatado pela ministra Luciana Lóssio, tradicional advogada do PT. Mesmo com a impugnação, José Roberto Arruda pode fazer campanha normalmente. Os  advogados alegam que Arruda não está inelegível e deve ter o registro concedido. No dia 12 de agosto, o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) indeferiu a candidatura pelo fato dele ter sido condenado por improbidade administrativa pela segunda instância da Justiça, uma das condições de inelegibilidade previstas na Lei da Ficha Limpa. A defesa do candidato argumentou que a condenação ocorreu após o dia 5 de agosto, quando terminou o prazo para o pedido de registro de candidatura na Justiça Eleitoral e que, portanto, não poderia ser enquadrado pela lei. No dia 9 de julho, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) condenou José Roberto Arruda na ação referente à Operação Caixa de Pandora, que investigou o esquema de corrupção que ficou conhecido como mensalão do DEM.

MINISTRA PETISTA FAZ TERRORISMO E ALERTA PARA BAIXA RESERVA DE ÁGUA NO BRASIL

A ministra do Meio Ambiente, a petista Izabella Teixeira, alertou nesta quarta-feira (20) para a baixa reserva de água no País, lembrando a situação vivida no início desta semana pelos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo e Minas Gerais em relação ao abastecimento do Rio Paraíba do Sul. Izabella disse que o País precisa discutir a questão: “Se você tirar todos os reservatórios de energia elétrica do País, sobra muito pouco para o abastecimento. Temos que discutir a reservação e também a estrutura de redundância". Mas, se o petismo está no poder ha 12 anos, por que não fez isso até agora? Por que não se preocupou em aplicar uma política de reservação de água nesses 12 anos? Ela citou o próprio Rio de Janeiro, explicando que o Estado tem “forte dependência” do Rio Paraíba do Sul por ter pouca reservação. A estrutura de redundância citada pela ministra trata da existência de sistemas auxiliares de estrutura hídrica que podem suprir eventuais falhas no sistema principal. “Se não chover em determinada região, seria possível deslocar água de outras áreas para atender àquela região. Segurança hídrica é garantir que se oferecerá água em situações de estresse”, explicou a ministra, após o lançamento do Plano Nacional de Segurança Hídrica (PNSH), em Brasília.

REDE GAÚCHA DE LOJAS MANLEC ENTRA EM CONCORDATA

A rede gaúcha de lojas Manlec entrou em recuperação judicial. A autorização da justiça gaúcha foi concedida na tarde desta quarta-feira após protocolo de pedido na última sexta-feira. A empresa acumula um montante de cerca de R$ 100 milhões em dívidas — R$ 57 milhões com bancos, R$ 39 milhões com fornecedores e R$ 9 milhões com funcionários. Na semana passada, 135 dos cerca de 600 funcionários da rede foram demitidos. É mais um exemplo do sucesso da política econômica do governo da petista Dilma Rousseff.

OPOSIÇÃO QUER APURAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE BENS DE GRAÇA FOSTER

Parlamentares de oposição defenderam nesta quarta-feira, durante audiência da CPI mista da Petrobras no Congresso, a investigação de supostas operações de transferência de bens da atual presidente da estatal, Maria da Graça Foster, e do ex-diretor da Área Internacional da companhia, Néstor Cerveró. Reportagem publicada nesta quarta-feira no site de O Globo mostra que, após estourar o escândalo sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), eles teriam transferido a parentes imóveis que eram de sua propriedade. A reportagem, baseada em documentos obtidos em cartórios no Rio de Janeiro, aponta que Graça Foster e Cerveró teriam transferido apartamentos em áreas valorizadas no Estado. As operações teriam ocorrido antes da decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de bloquear, no dia 23 de julho, os bens de dez gestores da Petrobras para ressarcir os US$ 792 milhões com a compra da refinaria de Pasadena. Por conta da decisão do TCU, Cerveró está com os bens bloqueados. O tribunal decidiria hoje sobre o bloqueio dos bens de Graça Foster, mas a sessão foi adiada. O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), foi quem leu a reportagem sobre a transferência de bens dos dois durante o depoimento do gerente jurídico internacional da estatal, Carlos Cesar Borromeu de Andrade. Bueno disse que a questão é "grave" e exigiu uma investigação por parte da CPI mista. A intervenção, entretanto, gerou um bate-boca entre ele e a deputada petista Iriny Lopes. "Não quero de novo que esta CPI seja palanque eleitoral. Não vamos aceitar palanque eleitoral", afirmou Iriny Lopes. "O povo brasileiro é que não aceita roubalheira. Está comprovado nos cartórios do Rio de Janeiro", rebateu Rubens Bueno.

"DOAÇÃO DE IMÓVEIS DE GRAÇA FOSTER É TENTATIVA DE BURLA AO PROCESSO", DIZ RELATOR DO TCU

O ministro relator do caso Pasadena no Tribunal de Contas da União (TCU), José Jorge, disse que a doação de imóveis da presidente da Petrobras, Graça Foster, e do ex-diretor da área internacional, Nestor Cerveró, caso seja confirmada, é algo "gravíssimo. "Se isto for verdade e dependendo da extensão, configura uma burla ao processo de apuração de irregularidade", disse o ministro, após a sessão que adiou novamente a definição sobre o bloqueio patrimonial da presidente da estatal. José Jorge afirmou ainda que irá pedir diligências para apurar a veracidade da notícia veiculada nesta tarde no portal do jornal O Globo. De acordo com a publicação, Graça e Cerveró doaram imóveis a parentes após estourar o escândalo sobre a compra da refinaria de Pasadena. No caso de Graça, a doação foi feita em março, um dia após a divulgação pelo Estado da nota da presidente Dilma Rousseff em que diz que a compra de Pasadena foi aprovada com base em parecer tecnicamente falho. "É um indicativo de que nós fizemos a coisa certa ao fazer a indisponibilidade de bens", afirmou José Jorge. O ministro recebeu a notícia por mensagem, durante a sessão, após a leitura de seu voto. De acordo com o relator, a divulgação sobre a doação dos imóveis não muda em nada sua posição, que é pelo bloqueio dos bens da presidente da estatal. "Como havia alguns ministros que tinham votos que excluíam a presidente Graça Foster dessa questão da indisponibilidade dos bens, resolvi tirar de pauta, para que notícia do jornal possa ser apurada", afirmou. O ministro Walton Alencar Rodrigues havia acabado de ler voto no qual era contra o bloqueio de bens de Graça Foster quando José Jorge pediu o adiamento do caso. A expectativa do ministro é de que, em uma semana, possa ser verificada a veracidade da notícia. "Se há uma dúvida, é melhor não decidir", afirmou.

GRAÇA FOSTER TEM DE PEDIR DEMISSÃO OU DE SER DEMITIDA

O Tribunal de Contas da União adiou por mais uma semana o exame do caso de Graça Foster. Ela pertencia à diretoria da Petrobras quando se fez a compra da refinaria de Pasadena, e, como é evidente, não existe nenhuma razão para outros diretores da empresa, à época, estarem com seus bens indisponíveis, e ela não. O governo opera freneticamente nos bastidores para evitar que essa decisão seja tomada. A situação dela piorou bastante. Reportagem publicada pelo Globo mostra que tanto Graça como Nestor Cerveró — o então diretor apontado pela própria Dilma Rousseff como o principal responsável pela operação desastrosa — transferiram bens pessoais para familiares em meio ao imbróglio de Pasadena. Qualquer advogado apenas mediano sabia que a apuração do caso poderia resultar em bloqueio de bens, fosse em razão do processo do TCU, fosse em razão de uma ação por improbidade administrativa. Vou aqui emitir uma opinião que não é nova sobre um assunto que é ainda mais velho. É evidente que Graça Foster perdeu a condição de presidir a maior empresa do País, mormente porque de economia mista, embora seu controle esteja com o Estado brasileiro. Ficou evidente, isto é inquestionável, que Graça fez parte da turma que se organizou para fraudar a legitimidade da CPI da Petrobras no Senado. Sim, a comissão era governista até o osso, mas isso não justifica a conspirata que frauda a própria democracia. A reunião que veio a público, como se sabe, foi realizada na antessala da presidente da Petrobras. Atenção! Um inquérito da Polícia Federal investiga se Graça prestou informações falsas ao Senado sobre a compra de Pasadena e sobre contratos que a empresa de seu marido mantém com a Petrobras. Um novo inquérito deve ser aberto para apurar a ação organizada para fraudar a CPI. E ela será uma das investigadas. Resta a pergunta óbvia: alguém nessa situação pode presidir a maior empresa do País? A resposta é “não”. Só o episódio da CPI deveria bastar. Ainda que Graça seja honestíssima no que concerne a enfiar ou não a mão no dinheiro público, resta a máxima: a mulher de César tem de ser honesta e tem de parecer honesta. Por Reinaldo Azevedo

PSB MUDA COMANDO DA CAMPANHA COM A CANDIDATURA DE MARINA SILVA

A mudança na chapa do PSB na disputa pelo Palácio do Planalto provocou alterações no comando da campanha. Marina Silva pediu que cargos como a coordenação da campanha e as finanças sejam ocupados por nomes mais próximos a ela. Henrique Costa, responsável pela tesouraria, será substituído por Bazileu Margarido, que ocupava o posto de coordenador-adjunto da campanha. Costa, que não é filiado ao PSB, foi indicado ao cargo por Eduardo Campos. Com carreira em instituições financeiras, ele cursou economia com a viúva do ex-governador de Pernambuco, Renata Campos. "Com um novo candidato na titularidade, passa-se a responsabilidade da prestação de contas a ele. Quem responde agora é Marina Silva", afirmou o coordenador de mobilização, Pedro Ivo. Ele participou da reunião realizada na sede da Fundação João Mangabeira, em Brasília, na qual foram feitos os últimos acertos para o lançamento da chapa do PSB. A substituição de Eduardo Campos por Marina Silva também provocou uma outra mudança: a coordenação-geral da campanha ficará com o deputado licenciado Walter Feldman, porta-voz da Rede Sustentabilidade, e braço direito de Marina Silva. Feldman substituirá o secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, que agora ocupará a função adjunta.

PRIMEIRO MINISTRO DE ISRAEL DIZ QUE A ORGANIZAÇÃO TERRORISTA HAMAS É GALHO DA MESMA ÁRVORE DO ESTADO ISLÂMICO

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou nesta quarta-feira que Israel vai continuar com a operação militar contra o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza. "A operação Limite Protetor não será concluída enquanto não tivermos a garantia da segurança dos israelenses", declarou o premiê: "Se o Hamas atacar, vamos responder com mais força ainda. E se eles não entendem hoje, amanhã eles vão entender; e se não for amanhã, será depois de amanhã". O Exército israelense realizou mais de 90 ataques aéreos em resposta a quase 140 foguetes lançados pela organização terrorista Hamas, que rompeu mais um cessar-fogo. Netanyahu também ligou o grupo terrorista fundamentalista que controla Gaza aos terroristas do Estado Islâmico, responsáveis por atrocidades cometidas no Iraque e Síria. Para ele, ambas as organizações são “ramificações da mesma árvore”. Questionado sobre o ataque de Israel contra Mohammed Deif, chefe do braço armado do Hamas, o primeiro-ministro limitou-se a dizer que “os líderes de organizações terroristas são alvos legítimos”: “Ninguém está a salvo de nosso fogo". O bombardeio, na noite de terça-feira, matou a mulher e o filho do terrorista, que não estava na casa que foi destruída. O ministro do Interior de Israel, Gideon Saar, disse que o ataque foi realizado porque Deif era “pessoalmente responsável” por dezenas de mortes. O chefe das brigadas Al-Qassam já escapou de outros ataques, que teriam deixado sequelas. Na região sul de Israel, sirenes foram disparadas após o grupo terrorista lançar trinta foguetes contra o país. Tel Aviv e Jerusalém também entraram em estado de alerta para possíveis ataques.

A PETISTA GRAÇA FOSTER TRANSFERE BENS AOS FILHOS E FAZ O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ADIAR JULGAMENTO O CASO DA REFINARIA DE PASADENA

O Plenário do Tribunal de Contas da União adiou para a próxima quarta-feira a discussão sobre se determina ou não a indisponibilidade de bens da atual presidente da Petrobras Graça Foster. Este é o segundo adiamento do julgamento do processo em que o Tribunal de Contas da União apura responsabilidades da dirigente na compra da refinaria de Pasadena, no Texas. A aquisição dessa unidade de refino é considerada um dos mais desastrosos negócios realizados pela estatal brasileira. Na tarde desta quarta-feira, o relator do caso, ministro José Jorge, defendeu o bloqueio de bens de Graça Foster e do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, Jorge Zelada, por considerar que ambos participaram, pelo menos em uma fase, da compra da refinaria de Pasadena. O ministro Walton Alencar Rodrigues, por sua vez, rejeitou a indisponibilidade de bens, mas afirmou que ambos devem prestar esclarecimentos à Corte. A discussão sobre o caso será retomada na próxima quarta-feira. O novo adiamento ocorreu após denúncia de que a atual presidente da Petrobras e o ex-diretor Nestor Cerveró começaram a transferir imóveis para o nome de parentes assim que o escândalo de Pasadena chegou às portas do Palácio do Planalto, em março deste ano. No caso de Graça, a transferência foi feita aos nomes de seus filhos Flávia e Colin. A denúncia sobre a transferência dos imóveis, publicada nesta tarde pelo jornal O Globo, revela que parentes dos executivos receberam a doação de apartamentos no Rio de Janeiro, “com reserva de usufruto”. Para o ministro José Jorge, a mudança de titularidade dos imóveis pode ser classificada como uma tentativa de driblar as investigações e eventuais punições pela malfadada compra de Pasadena: “É um indicativo de que fizemos a coisa certa ao fazer a indisponibilidade de bens”. “Se for verdade e dependendo da extensão da transferência de imóveis, isso configura uma burla ao processo de apuração da irregularidade. É gravíssimo porque é como se fosse uma tentativa de burlar a apuração do caso”, comentou. Nas últimas semanas, na tentativa de evitar o bloqueio de bens de Graça Foster, o advogado-geral da União (AGU), ministro Luís Inácio Adams, procurou um a um os ministros do Tribunal para tentar convencê-los a não declarar a indisponibilidade dos bens da presidente da Petrobras. Nesta quarta-feira, apesar da revelação de que tanto Foster quanto Cerveró estavam se desfazendo os bens e os transferindo para parentes, Adams defendeu que o Tribunal de Contas da União concluísse o julgamento de imediato. Para ele, a denúncia não mostra que tenha havido “fuga de patrimônio”. “Não há nenhuma fuga patrimonial. E se fuga houvesse, ela seria reversível. Mas não é o caso. O que existe é a necessidade da decisão de forma que aquela que preside a Petrobras e que aqueles diretores da Petrobras possam continuar sua atividade com tranquilidade e cumprindo sua função”, disse o advogado-geral. “Não há como achar que, se houve uma transferência pontual, isso é fuga patrimonial. Fuga patrimonial é desfazimento integral de seu patrimônio em favor de laranjas e de pessoas não identificadas de forma que não se possa recuperar. Não é o caso”, afirmou. O atraso na análise do TCU se deve à intensa articulação do Palácio do Planalto, que pressiona para que o tribunal não bloqueie os bens de Graça Foster. Para a Petrobras, que recorreu no próprio Tribunal de Contas da União contra o bloqueio, a determinação da Corte poderia gerar insegurança para a gestão da companhia. A estatal também alega que o TCU não individualizou a responsabilidade de cada gestor no processo de compra da refinaria de Pasadena e que os ministros apenas “presumiram” ter havido dano ao erário. No último dia 23 de julho, quando analisaram a compra da refinaria, os ministros do TCU chegaram à conclusão de que a Petrobras teve prejuízo de 792 milhões de dólares na aquisição da refinaria de Pasadena, mas isentaram de responsabilidades a presidente Dilma Rousseff e os demais integrantes do Conselho de Administração da empresa na época do negócio. Dilma era a presidente do Conselho e, em março deste ano, justificou a compra como tendo sido baseada em um parecer “técnica e juridicamente falho” elaborado pelo antigo diretor da Área Internacional, Nestor Cerveró.

GOVERNO PAULISTA QUER PROCESSAR A ONS POR DISCORDÂNCIA NA QUESTÃO DA HIDROVIA

O governo de São Paulo vai processar o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para restabelecer o nível de água da hidrovia Tietê-Paraná. A navegação em vários trechos da segunda hidrovia mais movimentada do país foi suspensa no início de junho devido ao baixo nível de água. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo. O governo paulista solicitou em junho ao ONS e à Agência Nacional de Águas (ANA) o remanejamento de parte do volume de água represado em hidrelétricas ao norte do Estado. O pedido, entretanto, foi negado. O ONS afirmou que a medida contraria a "estratégia de operação definida para garantia do atendimento energético" do País. A suspensão impediu que produtores de milho e soja do Centro-Oeste conseguissem escoar parte da produção até o porto de Santos. Entre janeiro e julho de 2014 foram escoadas cerca de 500 mil toneladas grãos pela hidrovia, ante 1,4 milhão de toneladas em igual período de 2013. Empresários também precisaram recorrer ao transporte rodoviário, embora o frete seja três mais caro. "Alguns empresários dizem que parte da produção está apodrecendo. Acredito, mas não é em nossa porta que eles têm de bater. É na do ONS", disse o diretor do Departamento Hidroviário do Estado de São Paulo, Casemiro Tércio Carvalho, em entrevista à Folha de S. Paulo. Na terça-feira, a Secretaria de de Transportes do Estado de São Paulo explicou ao site de VEJA que o Departamento Hidroviário fez diversas tentativas de retomar a navegação na hidrovia Tietê-Paraná, considerada vital para o escoamento da produção agrícola do País. Entre elas, solicitou apoio ao ONS desde fevereiro para manter os níveis de navegação na hidrovia, afetado pela estiagem que acomete todo o Estado, "mas o ONS preferiu direcionar a água para geração de energia em detrimento da navegação". A secretaria explicou ainda que todas as tentativas de apresentar soluções à Agência Nacional de Águas (ANA) e a outros órgãos responsáveis pela gestão hídrica "foram em vão".

OBAMA DIZ QUE O MUNDO ESTÁ HORRORIZADO COM DECAPITAÇÃO DE JORNALISTA PELO CALIFADO

Barack Obama condenou nesta quarta-feira a decapitação de James Foley que foi gravada e divulgada pelo grupo terrorista Estado Islâmico, o Califado, e afirmou que "o mundo todo está horrorizado com o assassinato brutal" do jornalista pelos jihadistas. “Jim era um jornalista, um filho, um irmão e um amigo (...) que foi tirado de nós em um ato de violência que choca a consciência do mundo todo”, disse o presidente, em pronunciamento. Para Obama, o Estados Islâmico é um “câncer que precisa ser combatido antes que se espalhe”. “Nenhuma fé ensina as pessoas a massacrarem os inocentes”, declarou. “Não há espaço para o EI no século XXI". O democrata também garantiu que os Estados Unidos não vão mudar sua postura em relação ao Iraque: “Os Estados Unidos vão continuar a fazer o que deve ser feito para proteger seu povo”. No mesmo vídeo em que Foley é morto, os terroristas mostram outro jornalista, Steven Sotloff, e fazem uma ameaça, ao dizer que a vida dele depende das próximas decisões do governo americano. A rede ABC News informou que o presidente americano sabia da ameaça à vida de Foley antes de os terroristas publicarem o vídeo da decapitação na internet. Obama tomou conhecimento da divulgação das imagens enquanto voava de Washington para o Estado de Massachusetts, para retomar suas férias. Antes do pronunciamento, a Casa Branca reconheceu a veracidade do vídeo em que o jornalista é decapitado. Foley, de 40 anos, havia sido sequestrado em novembro de 2012 quando trabalhava como freelance na Síria. A mãe do jornalista, Diane, afirmou que o seu filho “deu a própria vida para tentar expor ao mundo todo o sofrimento ao qual a população síria é submetida”.

ACUSADOS DE LIGAÇÃO COM O CRIME VIRAM CABOS ELEITORAIS DE GAROTINHO NO RIO DE JANEIRO

Nas últimas semanas no Rio de Janeiro, tornaram-se cabos eleitorais do ex-governador Anthony Garotinho (PR) dois condenados por envolvimento com a máfia dos caça-níqueis que tiveram papel crucial nas políticas de segurança do seu governo e da mulher, Rosinha. Preso em 2008 pela Polícia Federal, o ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Álvaro Lins, chegou a ser condenado a 28 anos de prisão por formação de quadrilha armada, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Recentemente, ele gravou um áudio e enviou para várias pessoas no Estado conclamando “vingança” e pedindo a vitória do seu candidato no primeiro turno. O inspetor Fábio Menezes Leão, o Fabinho, condenado no mesmo processo de Lins, foi ainda mais escrachado: em uma mensagem de celular enviada para dezenas de colegas, afirmou que Garotinho terá o apoio dos “amigos das vans” e que “acabará com essa palhaçada de UPP (Unidade de Polícia Pacificadora)”. O áudio de Álvaro Lins que está circulando na rede revela o rancor do ex-delegado com o governo de Sérgio Cabral (PMDB), que o expulsou da Polícia Civil em 2009. Álvaro não cita Garotinho, mas ressalta que quer a vitória no primeiro turno. Hoje, segundo a última pesquisa Datafolha, o ex-governador é o primeiro colocado com 25% das intenções de voto, sete pontos a frente de Marcelo Crivella (PRB). “Bem aventurados aqueles que têm sede de justiça, pois serão saciados. Essa é a única expressão que vem à minha cabeça quando vejo uma notícia como essa. Eu espero que cada um de vocês nos ajude nessa luta. Eu sou apenas mais um dos muitos que sofreram na mão dessa corja que tem que ser varrida do Rio de Janeiro. Essa é a oportunidade que nós temos, não vai haver outra oportunidade. Daqui um ano, dois anos, quatro anos, dez anos. Acabou. Ou é agora ou nunca. Vamos varrer essa gente do Rio de Janeiro. A gente tem que conseguir isso. Eles é que são bandidos, eles é que roubaram o povo do Rio de Janeiro. Eles não têm nada contra nós. A gente vai dar o troco. Então, vai para rua hoje, telefona para a sua família, para o seu amigo, para pessoa que você não vê há muito tempo. Convence aquele cara que ainda está na dúvida.  E vamos ganhar isso, se possível até no primeiro turno. Essa é a minha voz, eu espero que seja a sua também”, diz Álvaro. Já as mensagens enviadas pelo celular de Fábio Leão assumem compromissos maiores que os de Álvaro. Ele é integrante do grupo dos inhos – como ficou conhecido um núcleo formado por ele e outros dois inspetores chamados Jorge Luiz Fernandes, o Jorginho, e Hélio Machado da Conceição, o Helinho. Os três foram condenados em 2012 pela juíza Karla Nanci Grando, da 4ª Vara Federal do Rio após a operação Gladiador da Polícia Federal. “Irmãos, estive com nosso chefe, Dr Álvaro (Lins) esta manhã e o que ele me pediu para passar é o seguinte: com apoio dos amigos das vans, das comunidades que foram impedidas de terem suas próprias seguranças e foram tomadas por traficantes entre outros casos, provavelmente o nosso governador Garotinho ganhará no primeiro turno”, enviou para um grupo de amigos no Whatsapp. Quando fala em “seguranças próprias”, Fábio está se referindo às milícias que dominam favelas do Rio de Janeiro há anos, contrapondo-se ao tráfico de drogas.

AÉCIO NEVES AFIRMA QUE VAI REAJUSTAR A TABELA DO SUS

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, afirmou na manhã desta quarta-feira que, se eleito, vai sanar as contas do Sistema Único de Saúde (SUS) e corrigir a tabela que determina o valor repassado pelo governo para pagamento de procedimentos médicos. O tucano afirmou que o governo da presidente Dilma Rousseff deixou de repassar verba para a saúde e que os investimentos caíram nos últimos doze anos, período em que o PT está no comando do País. "Quando o PT assumiu o governo, algo em torno de 54% de todos os investimentos eram financiados pela União. Passaram-se doze anos e hoje apenas 45% são financiados pela União. Isso significa que municípios e Estados são obrigados a pagar essa diferença. É algo ilógico. Os que menos têm são levados a gastar cada vez mais com saúde", disse: "Não há hoje no Brasil um município que gaste menos de 25% da receita com saúde, quando o piso constitucional é de 15%". Sobre o repasses de verbas ao SUS, o candidato afirmou que a tabela precisa ser corrigida com urgência. "Vamos enfrentar a defasagem com aumento do financiamento que virá a partir de uma proposta que está sendo votada no Senado. Mas, obviamente, só vou tratar de números no momento em que estiver no governo e com todas as informações que infelizmente nós não temos hoje", disse.

GOVERNO PETISTA DE DILMA ROUSSEFF ANUNCIA REDUÇÃO NA BUROCRACIA PARA FINANCIAR IMÓVEIS

O ministro da Fazenda, o petista Guido Mantega, anunciou nesta quarta-feira que o governo federal vai simplificar o procedimento de aquisição de imóveis por meio de financiamentos, tirando a necessidade de se percorrer diversos cartórios para registrar a papelada. "Quando você vai fazer uma transação imobiliária financiada, tem de tirar um monte de certidão em um monte de cartórios. Vamos concentrar em um único cartório", afirmou. Segundo o ministro, a medida diminuirá o trabalho do comprador, simplificará a operação e dará segurança jurídica. Depois de quatro anos de aumento de entraves e complicações tributárias para o setor empresarial, decorrente das inúmeras medidas protecionistas aplicadas pelo Ministério da Fazenda, a palavra simplificar soa até estranha ao ser proferida pelo ministro, justamente no fim do governo de Dilma Rousseff. Mantega negou o óbvio: que as medidas anunciadas nesta quarta-feira sejam tentativas desesperadas de tentar reaquecer a economia, ou que tenham relação com o calendário eleitoral. Diz o ministro: "Nosso ritmo não é o ritmo politico. As medidas são feitas à medida em que amadurecem. Mesmo durante a eleição soltamos medidas e depois das eleições continuaremos soltando medidas para aperfeiçoar o marco regulatório e dar competitividade à economia". A medida foi anunciada juntamente com outras mudanças com o objetivo de estimular o crédito imobiliário, como a criação de um novo título de renda fixa cujos recursos aplicados servirão para financiar a compra de imóveis: a letra imobiliária. O papel terá isenção de Imposto de Renda se tiver um prazo de maturação superior a dois anos, segundo o ministro. A diferença entre esse novo título e a letra de crédito imobiliário que já existe é que o primeiro terá como garantia o patrimônio da instituição que tem carteira de financiamentos imobiliários. "Esses títulos vão criar funding adicional para o mercado de crédito imobiliário e atrair investidores estrangeiros que gostam desse tipo de papel, os chamados ‘covered bonds’", disse Mantega. O crédito imobiliário vem desacelerando ao longo do ano e recuou 19% em junho, segundo o Banco Central. Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal são os principais agentes para este tipo de financiamento. No segundo trimestre, apesar de a carteira de crédito da Caixa Econômica Federal ter crescido 22%, o banco estatal assiste a uma piora na qualidade de seus clientes. Nos três últimos meses terminados em junho, as provisões da Caixa Econômica Federal para perdas com inadimplência dispararam 76,3%. Com isso, o lucro do banco avançou apenas 2,7% no trimestre, ante mesmo período de 2013. O índice de inadimplência no segundo trimestre subiu a 2,77%, o pico em cinco anos.

GOVERNO PETISTA DE DILMA ROUSSEFF ANUNCIA REDUÇÃO NA BUROCRACIA PARA FINANCIAR IMÓVEIS

O ministro da Fazenda, o petista Guido Mantega, anunciou nesta quarta-feira que o governo federal vai simplificar o procedimento de aquisição de imóveis por meio de financiamentos, tirando a necessidade de se percorrer diversos cartórios para registrar a papelada. "Quando você vai fazer uma transação imobiliária financiada, tem de tirar um monte de certidão em um monte de cartórios. Vamos concentrar em um único cartório", afirmou. Segundo o ministro, a medida diminuirá o trabalho do comprador, simplificará a operação e dará segurança jurídica. Depois de quatro anos de aumento de entraves e complicações tributárias para o setor empresarial, decorrente das inúmeras medidas protecionistas aplicadas pelo Ministério da Fazenda, a palavra simplificar soa até estranha ao ser proferida pelo ministro, justamente no fim do governo de Dilma Rousseff. Mantega negou o óbvio: que as medidas anunciadas nesta quarta-feira sejam tentativas desesperadas de tentar reaquecer a economia, ou que tenham relação com o calendário eleitoral. Diz o ministro: "Nosso ritmo não é o ritmo politico. As medidas são feitas à medida em que amadurecem. Mesmo durante a eleição soltamos medidas e depois das eleições continuaremos soltando medidas para aperfeiçoar o marco regulatório e dar competitividade à economia". A medida foi anunciada juntamente com outras mudanças com o objetivo de estimular o crédito imobiliário, como a criação de um novo título de renda fixa cujos recursos aplicados servirão para financiar a compra de imóveis: a letra imobiliária. O papel terá isenção de Imposto de Renda se tiver um prazo de maturação superior a dois anos, segundo o ministro. A diferença entre esse novo título e a letra de crédito imobiliário que já existe é que o primeiro terá como garantia o patrimônio da instituição que tem carteira de financiamentos imobiliários. "Esses títulos vão criar funding adicional para o mercado de crédito imobiliário e atrair investidores estrangeiros que gostam desse tipo de papel, os chamados ‘covered bonds’", disse Mantega. O crédito imobiliário vem desacelerando ao longo do ano e recuou 19% em junho, segundo o Banco Central. Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal são os principais agentes para este tipo de financiamento. No segundo trimestre, apesar de a carteira de crédito da Caixa Econômica Federal ter crescido 22%, o banco estatal assiste a uma piora na qualidade de seus clientes. Nos três últimos meses terminados em junho, as provisões da Caixa Econômica Federal para perdas com inadimplência dispararam 76,3%. Com isso, o lucro do banco avançou apenas 2,7% no trimestre, ante mesmo período de 2013. O índice de inadimplência no segundo trimestre subiu a 2,77%, o pico em cinco anos.

O GOVERNO DILMA E A ECONOMIA: O CACHORRO CORRE ATRÁS DO PRÓPRIO RABO

Os bancos são obrigados a depositar no Banco Central o valor correspondente a 20% do dinheiro que captam em depósitos a prazo. É o chamado compulsório. Esse dinheiro fica lá, guardadinho, recebendo como remuneração a taxa Selic. Por que o Banco Central faz isso? O principal objetivo é conter a pressão inflacionária, evitando o excesso de circulação de dinheiro. No dia 25 de julho, para estimular o crédito — e, portanto, o consumo —, o Banco Central liberou 50% desse valor para empréstimos. E como ele faz isso? Simplesmente deixa de remunerar o dinheiro. Se os bancos quiserem deixar a grana lá, lá ela fica, só que eles terão de pagar os rendimentos aos clientes, mas não vão receber nada por isso.

A tendência, então, é que os bancos emprestem esse dinheiro. Atenção! Hoje é dia 20 de agosto. Menos de um mês depois de ter tomado aquela medida, o Banco Central decidiu elevar de 50% para 60% essa fatia não remunerada. Ou seja: quer que os bancos emprestem ainda mais. Em julho, estimava-se que, no longo prazo, haveria uma liberação de R$ 45 bilhões para operações de crédito; com essa medida de hoje, outros R$ 10 bilhões se acrescentariam.
Não parou por aí. bancos também são obrigados a fazer uma reserva para calote — isto é, têm de ter em caixa um percentual correspondente ao que emprestam. Hoje, a depender da modalidade de empréstimo e do risco, esse valor varia de 75% a 300%. Isso também mudou: agora a faixa é única: apenas 75%. Com isso, espera-se que outros R$ 15 bilhões fiquem disponíveis para crédito.
Vamos lá, leitores: ninguém pode ser contra o crédito, o aquecimento da economia etc. Assim como ninguém é contra o bem, o belo e o justo. Mas cabe perguntar: que leitura tem do cenário um Banco Central que toma uma medida relativamente forte de incentivo ao crédito e, menos de um mês depois, adota procedimentos adicionais? Parece claro que seu diagnóstico anterior era precário.
Sim, a economia brasileira deve crescer neste ano menos de 0,8%; não obstante, a inflação continua alta, no teto da meta, de 6,5% — e não há perspectiva de redução substancial nos próximos meses. A taxa Selic só está nas alturas porque foi preciso conter o consumo por meio da elevação de juros. E se fez isso com o objetivo de baixar a pressão inflacionária. Pressão que, não há mágica, tende a ser elevada se os bancos passarem a emprestar na intensidade pretendida pelo governo.
O que isso nos diz? Que o governo, este governo ao menos, esgotou os instrumentos de que dispõe para conciliar crescimento, inflação e taxa de juros em níveis decentes. Deixou de ser uma questão de simples administração de política monetária. Entramos naquele ciclo em que o cachorro começa a correr atrás do rabo — ainda uma das imagens mais intrigantes da natureza, não é mesmo? Mais ele corre, mais o rabo foge; se ele consegue prender a ponta da cauda, só lhe resta a imobilidade.
Dilma Rousseff concorre à reeleição e nos promete amanhãs sorridentes. Não vou aqui cobrar nada da candidata. Eu só me pergunto por que a presidente não faz, então, o que candidata promete fazer. É evidente que o Banco Central passou a operar de olho na política eleitoral. E esse é mais um sinal de deterioração institucional em curso.
Encerro com a imagem do cachorro e do rabo: se o Banco Central for bem-sucedido, e houver um aumento substancial de crédito a ponto de interferir no crescimento, haverá pressão inflacionária, e logo será preciso voltar a apelar aos juros para diminuir a inflação. Se for malsucedido agora, o crescimento continua abaixo da linha da mixuruquice, e nem por isso inflação e juros estarão em patamares civilizados. Em síntese, se der certo, dá errado. Se der errado, continua errado. O erro não é só de política econômica. Os brasileiros erraram de governo. São livres, claro!, para escolher. E a gente é livre para criticar. Por Reinaldo Azevedo

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLVEU ACIDENTE DO JATINHO QUE MATOU EDUARDO CAMPOS

O Ministério Público Federal em São Paulo pediu às autoridades aeronáuticas que forneçam a procuradores da República informações sobre a queda do jato em que viajava o ex-governador de Pernambuco. Os dados vão ajudar os procuradores da República a acompanhar os esforços para esclarecer o acidente; órgão instaurou procedimento administrativo no mesmo dia do acidente, para garantir que os trabalhos desses órgãos de controle e investigação sejam devidamente conduzidos. A Polícia Federal também instaurou inquérito para apurar a tragédia, que deixou sete mortos em Santos. Mas, investigações da Polícia Federal são suspeitas, porque ela exerce o papel de polícia política do PT.

TROPA DE CHOQUE DA POLÍCIA MILITAR PAULISTA LIBERA ENTRADA DA USP BLOQUEADA POR FUNCIONÁRIOS GREVISTAS QUE QUEREM RECEBER SEM TRABALHAR

Após ação da Tropa de Choque contra manifestantes, a entrada principal da Universidade de São Paulo (USP) foi totalmente liberada, por volta das 8 horas desta quarta-feira (20). No início da manhã, às 4h30, funcionários que estão em greve há mais de 80 dias e estudantes da instituição fizeram um protesto que bloqueou as três entradas da cidade universitária. Quando os policiais chegaram, atiraram bombas de gás e de efeito moral contra os manifestantes, que dispersaram. Funcionários da Companhia de Engenharia de Tráfego removeram barricadas e entulhos que impediam a circulação de veículos na Rua Alvarenga. Uma longa fila de carros se formou nas proximidades da USP. Segundo o diretor do Sindicato dos Tralhadores da USP (Sintusp), Magno de Carvalho, o ato ocorreu em resposta ao corte no pagamento dos funcionários, que já tiveram um mês descontado. Ele diz que 500 pessoas, entre funcionários, estudantes e alguns professores, participaram do protesto. Isso é um nada absoluto diante dos números da USP, a maior universidade do País. A categoria reivindica reajuste salarial, o fim da suspensão de 35% no corte na verba destinada ao ensino e à pesquisa e a contratação de professores e funcionários. Eles também são contrários à transferência dos Hospitais Universitários da instituição para a Secretaria Estadual de Saúde. O governo precisa demitir esses vagabundos que promovem uma greve ilegal. A tropa de choque da Polícia Militar agiu amparada por medida judicial obtida pela Reitoria da USP.

GOVERNO DA PERONISTA POPULISTA CRISTINA KIRCHNER TENTA DAR UM DRIBLE DE QUINTA CATEGORIA NA JUSTIÇA AMERICANA

A Argentina vai tentar pagar os credores da  dívida reestruturada, sem cumprir a sentença do juiz Thomas Griesa, de Nova York. A sentença – apelada pelo governo argentino e confirmada em todas as instâncias judiciais dos Estados Unidos – obriga o país a acertar antes as contas com dois fundos de investimento e 13 particulares, que não aceitaram renegociar a dívida e ganharam na Justiça americana o direito de cobrar o devido, sem desconto. Na terça-feira (19) à noite, em cadeia nacional de televisão, a presidente da Argentina, a peronista populista e muito incompetente Cristina Kirchner, anunciou que enviou ao Congresso um projeto de lei que muda a jurisdição dos títulos da dívida reestruturada de Nova York para Buenos Aires. Ao mesmo tempo, ofereceu as mesmas condições de pagamento aos fundos que compraram títulos da dívida a preços baixos, depois do calote de 2001, e recorreram à Justiça para cobrar a íntegra (sem os descontos de até 65%, negociados com 93% dos credores, nos acordos de 2005 e 2010). Griesa já tinha alertado que a Argentina incorreria em desacato se não pagasse imediatamente US$ 1,6 bilhão (dívida mais juros) aos fundos NML e Aurelius, além dos treze particulares, que ganharam o litígio em seu tribunal. Esse grupo representa 1% de todos os detentores de títulos da dívida argentina, mas levou o país a uma moratória parcial da dívida. Por ordem de Griesa, foram bloqueados US$ 539 milhões, depositados pela Argentina no Banco de Nova York, para pagar uma parcela da dívida reestruturada, que vencia no ultimo dia 30 de junho. O dinheiro só vai ser liberado depois que o governo cumprir a sentença judicial. A jogada do governo da peronista populista e muito incompetente é muito vagabunda e escancara para o mundo que a Argentina tem um governo vigarista. Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (20), o chefe de gabinete da Presidência Argentina, ministro Jorge Capitanich, disse que a Argentina não pode incorrer em desacato porque “não é a mesma coisa uma pessoa física ou jurídica, que é um país soberano”. Mas, mudar a jurisdição de títulos da dívida tampouco e uma questão tão simples, disse o economista Guillermo Nielsen, que participou da renegociação da dívida argentina. É preciso que os credores da dívida reestruturada aceitem trocar papéis, sujeitos à lei americana, por outros, sob a legislação argentina, sabendo que se houver um problema e não receberem o devido só poderão recorrer aos tribunais locais. O que significaria recorrer a tribunal nenhum, porque a Justiça argentina é manipulada pelo regime peronista populista. Segundo o economista Enrique Swevach, num país como a Argentina – com história de crises econômicas e moratórias (sendo que duas delas nos últimos 13 anos) – não será fácil convencer a maioria dos credores a “darem mais um voto de confiança” ao país.

CONSELHO DE ÉTICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS APROVA POR UNANIMIDADE A PROPOSIÇÃO DE CASSAÇÃO DO MANDATO DO PETISTA ANDRÉ VARGAS

O Conselho de Ética da Câmara aprovou por unanimidade a cassação do mandato do deputado federal petista André Vargas (PR). De acordo com o relator do processo, deputado federal Júlio Delgado (PSB/MG), o petista André Vargas quebrou o decoro parlamentar ao ter atuado na intermediação junto ao Ministério da Saúde em favor do laboratório Labogen, do doleiro Alberto Youssef, preso em março por participação em esquema de lavagem de dinheiro. Para Delgado, Vargas também errou ao viajar em um jatinho providenciado pelo doleiro. Delgado esperava ter aprovado o parecer no início deste mês, mas manobra de parlamentares petistas adiou a análise do caso. A expectativa era que o parecer fosse votado somente em setembro. Com a decisão desta quarta-feira, o petista André Vargas ainda pode recorrer, em cinco dias úteis, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) com efeitos suspensivos. André Vargas garantiu, também no início do mês, que vai recorrer à CCJ e ao Supremo Tribunal Federal. O ex-deputado alega que houve cerceamento de seu direito de defesa. O pedido de cassação ainda precisa ser analisado pelo Plenário da Câmara, onde tem de ser aprovado por 257 deputados, em votação aberta.

PEDRO SIMON RECUSA CONCORRER AO SENADO, ALEGANDO IMPEDIMENTO POR SEU MÉDICO CARDIOLOGISTA FERNANDO LUCCHESE, E JOGA O PMDB GAÚCHO NO PRECIPÍCIO

O senador Pedro Simon, eterno chefão do PMDB do Rio Grande do Sul, disse na tarde desta quarta-feira que não concorre à reeleição para o Senado Federal, substituindo Beto Albuquerque (PSB) na chapa encabeçada por José Ivo Sartori, porque não tem a concordância de seu médico cardiologista, Fernando Lucchese. O médico foi ouvido e confirmou, dizendo que Pedro Simon até poderia cumprir um novo mandato de senador, porém não reuniria condições para se envolver em uma desgastante campanha eleitoral. Isso é típico de Pedro Simon. Ou seja, ele dá indicativo de que aceitaria ser ungido pelos gaúchos como um candidato único, sem necessidade de fazer campanha. Rigorosamente, quase toda sua carreira política foi construída assim, tecendo os fios para não ter adversários. Mas, se Pedro Simon tinha obstáculos de saúde para fazer uma campanha de reeleição, que certamente não surgiram agora, então por que ele colocou as maiores barreiras para a candidatura do ex-governador Germano Rigotto? Agora as coisas ficam claras. Ele não queria de jeito nenhum a candidatura de Germano Rigotto. Ele surrupiou do partido no Rio Grande do Sul até o último momento a sua verdadeira situação de saúde, tudo isso apenas para joquear e terminar colocando o PMDB no Estado como caudatário de uma candidatura nacional do PSB. Agora, Germano Rigotto não aceitar concorrer, e escancara a sua crítica, chamando de "equivocada" a condução de Pedro Simon no processo. Rigotto está sendo bem educado, porque a palavra correta seria "desastrosa". No fim de sua vida, Pedro Simon liquida o PMDB, que ele ajudou a criar e do qual foi o poderoro chefão durante décadas no Rio Grande do Sul. Ele não deixa pedra sobre pedra. É o seu legado. Rigotto aponta o "erro" de Simon. Só que não foi um "erro", foi jogada deliberada. E catastrófica.

ROGER ABDELMASSIH, O DOUTOR HORROR, JÁ DESEMBARCOU EM CONGONHAS, VAI AGORA PARA A PRISÃO DE TREMEMBÉ

O ex-médico Roger Abdelmassih, de 70 anos, desembarcou no Aeroporto de Congonhas na tarde dessa quarta-feira (20) no avião da Polícia Federal. Agora ele está sob a custódia da Polícia Civil e foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) onde passará por exames de corpo de delito. Em seguida o condenado será dirigido para a Penitenciária Doutor José Augusto César Salgado, mais conhecida como Tremembé. Algumas vítimas aguardavam o ex-médico perto da delegacia da Polícia Civil em Congonhas. Além dos casos pelos quais já foi condenado, a Polícia Civil investiga a denúncia de 26 ex-pacientes que também o acusam de estupro. A Delegacia de Defesa da Mulher também quer ouvi-lo sobre crimes de manipulação genética irregular. Existe o relato de quatro pacientes que tiveram problemas na gestação depois do tratamento na clinica do médico. A penitenciária de Tremembé é conhecida por abrigar condenados de crimes de grande repercussão nacional. Por exemplo, estão lá os irmãos Cravinhos e Alexandre Nardoni. Abdelmassih chegou a ficar preso em Tremembé no ano de 2009, mas conseguiu um habeas corpus e desde então era o foragido mais procurado pela Polícia Federal.

DOLEIRO ALBERTO YOUSSEF COMPRAVA GRANDES QUANTIDADES DE REAIS NO PARAGUAI PARA ESCAPAR DA VIGILÂNCIA DO COAF E REGISTROS DO BANCO CENTRAL

Um dos principais esquemas que abasteciam de reais o “banco central” da corrupção no Brasil, chefiado pelo mega-doleiro Alberto Youssef, tinha origem no Exterior. Preso na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, Youssef comprava no Paraguai, por exemplo, cujo comércio aceita reais, o dinheiro gasto pelos brasileiros naquele país, sobretudo  compras em Ciudad del Este. E trazia o dinheiro em caixas e malas. Youssef trocava milhões de reais pelo pagamento, também no Exterior, de dívidas de importadores e comerciantes paraguaios. Compravam-se reais lá fora pela dificuldade de fazer grandes saques em bancos do Brasil sem órgãos de controle como Coaf perceberem. Alberto Youssef é suspeito de participar de casos de corrupção nos três níveis da administração pública no Brasil: municipal, estadual e federal. A intimidade de Youssef com o submundo no Paraguai nasceu com o escândalo das contas CC5. Ele foi sócio do Banestado naquele país.

BETO ALBUQUERQUE, CANDIDATO A VICE DE MARINA SILVA, É UM QUERIDINHO DO AGRONEGÓCIO, TEM CAMPANHAS FINANCIADAS POR ELE

Na eleição de 2010, o deputado federal Beto Albuquerque, agora indicado vice de Marina Silva, teve sua campanha financiada por companhias de sementes, beneficiadoras de grãos e empresas como a Celulose Riograndense e a Klabin. Esses grupos compuseram metade das receitas do deputado gaúcho na campanha. Suas últimas campanhas para deputado também receberam contribuições de uma empresa de defensivos agrícolas, de uma indústria de armas e de uma cervejaria. O estatuto da Rede, de Marina Silva, veda a arrecadação de doadores desses três ramos.

MINISTÉRIO PÚBLICO DENUNCIA MARCOS VALÉRIO POR SONEGAÇÃO FISCAL

O Ministério Público Federal denunciou nesta quarta-feira o empresário Marcos Valério por sonegação de R$ 3,6 milhões em impostos federais. Segundo a denúncia, no periodo de 2003-2004, ele omitiu rendimentos e pagamentos de uma de suas empresas, a 2S Participações Ltda. Além de ter sido condenado a 37 anos de prisão no processo do Mensalão do PT, Marcos Valerio responde a 13 ações penais. Em oito delas, ele  foi condenado. Cinco ações estão andamento. A pena para sonegação varia entre dois e cinco anos de prisão, podendo ser aumentada de um terço até a metade. Para garantir o pagamento das dívidas, a Justiça poderá leiloar os bens do empresário, bloqueados pelo Supremo Tribunal Federal por causa da condenação no processo do Mensalão do PT. Entre os bens estão apartamentos em Belo Horizonte e em São Paulo, além de carros de luxo e fazendas.

PASTOR EVERALDO SE IMPÔS EM SUA ENTREVISTA NO JORNAL NACIONAL, AVISA QUE PETROBRÁS SERÁ PRIVATIZADA NO SEU GOVERNO, E QUE CASAMENTO É SÓ DE HOMEM E MULHER

O candidato à Presidência da República pelo PSC, Pastor Everaldo, afirmou na terça-feira (19), durante entrevista ao vivo no Jornal Nacional, que irá privatizar a Petrobras, caso seja eleito. "Tudo o que for possível passar para a iniciativa privada, nós vamos passar, pegar os recursos e alocar na saúde, na educação e na segurança pública", declarou o pastor da igreja evangélica Assembleia de Deus do Ministério Madureira. Na entrevista, Everaldo Dias Pereira, que prega em seu programa de governo o Estado Mínimo, foi questionado se fazia uma defesa "sincera" do liberalismo ou se era conveniência eleitoral, já que ele e seu partido apoiaram nos últimos anos candidatos mais à esquerda, caso de Leonel Brizola, Lula e a própria presidente Dilma: "Pra mim, que nasci menino pobre, essa proposta [de inserção social] era a melhor, mas no último governo da atual presidente eu vi que foi estabelecido um aparelhamento do Estado que contrariava os princípios que eu acredito, do empreendedorismo, da iniciativa privada". O candidato foi questionado sobre como governaria o País sem uma base aliada - na eleição de 2010, seu partido elegeu 17 deputados e 1 senador. Citando o governo de Itamar Franco como exemplo, ele disse que "quando você levar para a população com transparência o que você quer fazer, o Congresso Nacional jamais vai negar apoio para qualquer candidato". No final, ao falar de suas propostas, Everaldo prometeu isentar do Imposto de Renda trabalhadores que ganhem até R$ 5.000 e repetiu o que disse em sua propaganda eleitoral na TV: é contra o aborto e o casamento gay. E terminou com o slogan "Mais Brasil e menos Brasília".

ELES PERDERAM COMPLETAMENTE A VERGONHA! A PETISTA GRAÇA FOSTER, PRESIDENTE DA PETROBRAS, DOA IMÓVEIS PARA ESCAPAR DO BLOQUEIO DE BENS DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

A presidente da Petrobras, a petista Graça Foster, e o ex-diretor da Área Internacional da estatal Nestor Cerveró doaram imóveis a parentes após estourar o escândalo sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, como mostram registros em cartório. A movimentação envolve apartamentos em áreas valorizadas do Rio de Janeiro. Os bens mudaram de mãos antes de o Tribunal de Contas da União determinar o bloqueio do patrimônio de dez gestores da Petrobras apontados como responsáveis por um prejuízo de US$ 792,3 milhões na compra da refinaria. O bloqueio foi determinado no dia 23 de julho justamente para garantir que os bens não sejam movimentados pelos gestores e possam garantir o ressarcimento aos cofres da estatal. Os documentos oficiais revelam que, em 20 de março deste ano, Graça Foster doou "com reserva de usufruto" um apartamento em Rio Comprido a Flavia Silva Jacua de Araújo, tendo Colin Silva Foster como interveniente. No mesmo dia, a presidente da Petrobras fez uma doação semelhante a Flavia e a Colin de um imóvel na Ilha do Governador. No dia 19 de março, um dia antes das transações feitas por Graça Foster, veio a público um posicionamento da presidente Dilma Rousseff de que apoiou a compra da refinaria de Pasadena por conta de um "parecer falho" elaborado por Nestor Cerveró. Era o início de uma crise que resultou na instalação de duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) no Congresso Nacional. Dilma, como presidente do Conselho de Administração da Petrobras em 2006, votou a favor da aquisição da primeira metade da refinaria. No processo em curso no Tribunal de Contas da União, os ministros a eximiram de responsabilidade no negócio. Graça Foster ainda fez uma "doação com reserva de usufruto" a Colin em 9 de abril deste ano. Trata-se de um imóvel na Praia de Manguinhos, com direito a uma vaga de garagem. Cerveró, por sua vez, doou três apartamentos a parentes em 10 de junho, 45 dias antes de o Tribunal de Contas da União determinar o bloqueio de seus bens e de mais nove gestores da Petrobras. Cerveró doou um apartamento na Rua Prudente de Moraes a Raquel Cerveró; outro apartamento no mesmo prédio a Bernardo Cerveró; e um apartamento na Rua Visconde de Pirajá, também a Bernardo Cerveró.

BANCO CENTRAL - ELEITOREIRO - MUDA REGRAS BANCÁRIAS PARA INJETAR ATÉ R$ 70 BILHÕES NA ECONOMIA, AUMENTAR O CONSUMO E A PRODUÇÃO, MESMO REATIVANDO A INFLAÇÃO

Menos de um mês depois de anunciar medidas que expandem a oferta de crédito no País, o Banco Central voltou a alterar as regras dos compulsórios dos bancos, contribuição obrigatória que as instituições fazem junto ao Banco Central como forma de proteção ao sistema financeiro. A partir de agora, elas poderão usar, em empréstimos, 60% do montante antes reservado exclusivamente para esse depósito. Na medida anterior, anunciada em julho, o Banco Central já havia liberado 50% desse valor para empréstimos aos consumidores, o que disponibilizou ao mercado 30 bilhões de reais. Na prática, com a liberação desses outros 10% do compulsório, as instituições financeiras podem emprestar mais 10 bilhões de reais, somando 40 bilhões em dinheiro novo em circulação. Considerando outras mudanças anunciadas nesta quarta-feira, há ainda um potencial de impacto na liquidez da economia de 15 bilhões de reais. Com isso, as duas medidas anunciadas nesta quarta-feira podem ter um efeito de 25 bilhões de reais no crédito dos bancos. No anúncio de julho, o Banco Central havia comentado que poderia haver um potencial extra de liquidez de 15 bilhões de reais. Assim, somando o dinheiro do compulsório liberado de imediato em julho e agora (40 bilhões) ao potencial de 15 bilhões de julho e mais 15 bilhões desta quarta, poderão ser injetados no mercado de crédito brasileiro um total de 70 bilhões de reais. O Banco Central explica que essas mudanças fazem parte de sua estratégia de retirar, aos poucos, as medidas adotadas pós-crise, em meados de 2010, para proteger o sistema financeiro do Brasil contra os choques do mercado internacional e formar um colchão de reservas de dinheiro. Como o cenário mudou (economias estão se recuperando e o crédito internacional voltou a circular), a autoridade monetária vê espaço para tirar parte das medidas duras. Contudo, vale ressaltar que o Brasil vive um momento de crescimento baixo – economistas projetam expansão menor que 1% para 2014. Assim, economistas acreditam que essas medidas foram anunciadas agora para tentar salvar o Produto Interno Bruto (PIB) via estímulo ao consumo. O problema principal é o risco de esse aumento de crédito aumentar ainda mais a inflação. Há duas semanas, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, defendeu que, apesar de manter a Selic em níveis elevados, as medidas de estímulo ao crédito adotadas em julho não atrapalham a política monetária, que busca a estabilidade de preços. “Não há qualquer contradição ou incompatibilidade entre as ações recentes e a política monetária, uma vez que são instrumentos que têm objetivos distintos”, afirmou ele em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Senado Federal. “Espera-se que as medidas ampliem o acesso a crédito por pequenas empresas e fortaleçam o comércio exterior. Pretende-se, assim, incrementar a eficiência do sistema e salvaguardar sua resiliência”, mostra a nota do Banco Central.

PEDRO SIMON DIZ QUE SÓ CONCORRE SE SEU MÉDICO CARDIOLOGISTA AUTORIZAR, E O MÉDICO VETA

Não adianta, Pedro Simon é Pedro Simon. Ele informou, nesta quarta-feira, que seu médico cardiologista, Fernando Lucchese, o proibiu de concorrer, alegando sua alta idade, de 85 anos, e falta de condições para enfrentar a campanha. Conforme Lucchese, ele poderia continuar por mais oito anos como senador, mas sem ter que enfrentar o peso de uma campanha. Ou seja, isso revela o espírito de sempre de Pedro Simon. Qual seja: ele gostaria de ser ungido. Todos os outros candidatos retirariam seus nomes da disputa, e Pedro Simon seria o candidato eleito por unânimidade pelo povo gaúcho. Essa gente é toda messiânica. Todo mundo se acha uma espécie de enviado especial de Deus para resgatar os pobres homens.

TSE CASSA LIMINAR QUE PUNIA CONSULTORIA POR FAZER UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA A DILMA. O ESTADO DE DIREITO AINDA RESPIRA!

Salve! Admar Gonzaga, ministro do TSE, havia decidido restaurar a censura no País, mas o ministro Gilmar Mendes, que também integra a corte eleitoral, pôs os devidos pingos nos is e nos devolveu ao ambiente democrático, no que foi seguido por quatro outros membros do tribunal. Explico.

Circulavam como propaganda paga na Internet dois textos da consultoria Empiricus com os seguintes destaques: “Que ações devem subir se o Aécio ganhar a eleição? Descubra aqui, já” e “Saiba como proteger seu patrimônio em caso de reeleição da Dilma”. Muito bem. A coligação “Com a Força do Povo”, que tem a petista Dilma Rousseff como candidata à reeleição à Presidência, recorreu ao TSE, acusando suposta propaganda veiculada na internet com conteúdo negativo contra a petista e positivo para Aécio.
O ministro Admar Gonzaga concedeu uma liminar em favor dos reclamantes porque considerou que houve, sim, excesso nas expressões utilizadas nos anúncios, determinando que o conteúdo fosse retirado do ar e aplicando ainda uma multa de R$ 5 mil à Empiricus. A empresa recorreu ao TSE e venceu por um placar muito eloquente.
Gonzaga reafirmou o conteúdo de sua liminar na votação desta terça-feira e voltou a defender as punições. Para ele, a publicidade não só menciona o pleito futuro, por meio de propaganda paga na internet, como também faz juízos positivo e negativo sobre dois candidatos à Presidência. Viu ainda uma “clara estratégia de propaganda subliminar”. Felizmente, só a ministra Laurita Vaz endossou o seu ponto de vista.
Quem abriu a divergência e deu o primeiro voto contra a liminar que impunha a censura foi o sempre excelente ministro Gilmar Mendes. Com absoluta propriedade, afirmou: “Não vamos querer que a Justiça Eleitoral, agora, se transforme em editor de consultoria”. O ministro disse ainda temer que “esse tipo de intervenção da Justiça Eleitoral em um tema de opinião venha a, realmente, qualificar uma negativa intervenção em matéria de livre expressão”. E concluiu de maneira irrespondível: “Tentar tutelar o mercado de idéias não é o papel da Justiça Eleitoral”. Seguiram o seu voto os ministro Luiz Fux, João Otávio de Noronha, Luciana Lóssio e Dias Toffoli, presidente do tribunal.
Que bom que o estado de direito ainda respira, não é mesmo? O PT havia apelado ao TSE com base na Lei Eleitoral, a 9.504. A depender da interpretação que se queira dar a esse texto, o país fica praticamente impedido de debater publicamente questões que digam respeito à política justamente quando isso se faz mais necessário: durante as eleições. É uma sandice e uma piada.
Mendes e os outros quatro ministros puseram as coisas no seu devido lugar. Por Reinaldo Azevedo

O PT ESQUECE O FUTURO E RECICLA ATÉ AS IMAGENS DA CAMPANHA DE 2010. OU: DILMA CORAÇÃO VALENTE SUJA O AVENTAL DE OVO.... ESTAMOS FRITOS!

Começou nesta terça-feira o horário eleitoral gratuito, como todos sabemos. O PSB fez o óbvio e apresentou Eduardo Campos como o profeta que já não está entre nós, mas que deixou uma mensagem. Ao fundo, a música “Anunciação”, do pernambucano — talentoso! — Alceu Valença: “O teu cavalo/ Peito nu, cabelo ao vento/ E o sol quarando/ Nossas roupas no varal (…) Tu vens, tu vens/ Eu já escuto os teus sinais”. O erotismo meio místico da canção, com a imagem de Campos ao fundo, assumiu um novo conteúdo, agora com tinturas messiânicas… Logo, Marina Silva é que será a cavaleira. E vai anunciar o quê? Só Deus sabe, se é que sabe.

O tucano Aécio Neves preferiu dedicar seus quatro minutos a um diagnóstico sobre o país, chamando a atenção para a piora, que é real, da economia. Sua voz chegava a telespectadores e a ouvintes inicialmente distraídos. Aos poucos, na propaganda do PSDB, começavam a prestar atenção ao que dizia o candidato. Ainda desconhecido de parcela significativa da população, a ideia é deixar claro que há alguém dizendo uma novidade. Vamos ver.
O PT dispõe de tanto tempo na televisão que parece ter alguma dificuldade para preenchê-lo. Em maio, o partido levou ao ar a sua propaganda no horário político gratuito. Era um troço ameaçador. Comparava o Brasil de hoje, em que tudo seria uma maravilha, o que é falso, com aquele governado por FHC, quando tudo teria sido uma tragédia, o que também é falso. Escrevi, então, uma coluna na Folha em que observei o seguinte: “Depois de quase 12 anos no poder, o PT não tem futuro a oferecer. Por mais que o filminho de João Santana tenha as suas espertezas técnicas, a verdade é que a peça terrorista revela o esgotamento de uma mitologia”.
E foi, em parte, o que se viu nesta terça, na estreia do horário eleitoral. O maior partido do país não vai além de repetir velhas promessas. Na prática, admite que o governo vai mal, mas jura que vai melhorar se reeleito. Por que Dilma faria depois o que não faz agora? A campanha publicitária não diz. Quem se encarregou de sintetizar a mensagem foi Lula, afirmando que o seu segundo mandato foi melhor do que o primeiro.
Atenção! Não é verdade, sob qualquer aspecto, que os quatro anos finais da gestão Lula tenham sido melhores do que os quatro iniciais. Muito pelo contrário. O desajuste da economia que está em curso é uma herança do segundo governo Lula, piorada pela gestão Dilma. Sem um horizonte a oferecer, restou à campanha da presidente Dilma reciclar até as imagens do passado.
Abaixo, há dois vídeos. O primeiro tem 10min39s e traz a propaganda eleitoral levada ao ar no dia 17 de agosto de 2010. O outro tem 2min10s e é um clip com o jingle “Dilma, Coração Valente”, da campanha deste ano. Vejam. Volto em seguida.
Campanha de 2010
Campanha de 2014
A peça publicitária de 2014 traz um fundo musical novo para imagens da campanha de 2010. Quem chamou a minha atenção para a repetição foi o jornalista Clayton Ubinha, que integra a equipe do programa “Os Pingos nos Is”, que vai ao ar todos os dias na rádio Jovem Pan, entre 18h e 19h. Vejam estes pares de imagens (a primeira é sempre da campanha passada; a segunda, da deste ano).
2010 cena 1
2014 cena 1
2010 cena 2
2014 cena 2
2010 cena 3
2014 cena 3
2010 cena 4
2014 cena 4
2014 cena 5
2010 cena 5
2010 cena 6
2014 cena 6
2010 cena 7
2014 cena 7
Há quatro anos, como se pode constatar, Dilma era oferecida ao eleitorado como a mãe do povo, a quem o pai, Lula, entregaria o país. Agora, em tempos em que a economia está mais para a madrasta da Gata Borralheira, a imagem da mãe já não cola. Então que se recupere a guerreira — “a Dilma Coração Valente” — lutando contra os dragões da maldade. Mas, vocês sabem, é preciso endurecer sem perder a ternura, como diria Che Guevara, o tarado por sangue. Então João Santana houve por bem mostrar a presidente na cozinha, fazendo um macarrãozinho…
Mensagem: a Coração Valente também pode ser “a mamãe com o avental todo sujo de ovo”, como na música de Herivelto Martins, David Nasser e Washington Harline.
Ovo? Tomara não estejamos todos fritos. Por Reinaldo Azevedo