quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Mobilização pró-Aécio em São Paulo reúne mais de dez mil pessoas

Segundo a Polícia Militar, a manifestação de apoio ao candidato a presidente Aécio Neves (PSDB) na capital paulista reuniu mais de 10 mil pessoas. A concentração começou no Largo da Batata, na zona oeste, e seguiu pela Avenida Faria Lima. Jingles da campanha se misturaram a gritos de ordem contra o PT. A cantora Wanessa Camargo cantou em cima do carro de som a música oficial da campanha, que já havia gravado para o programa de TV de Aécio Neves. Ela cantou também o Hino Nacional. Entre os gritos anti-PT, repetidos à exaustão pelos manifestantes, destacaram-se hostilidades contra o ex-presidente Lula. "Lula, cachaceiro, roubou o meu dinheiro", gritavam. Também ouviu-se: "Dilma vai embora, o Brasil não quer você, aproveita e leva o Lula e os vagabundos do PT"; "O PT roubou" e "Fora PT". "É uma coisa impressionante, muito semelhante ao que aconteceu nas manifestações de junho do ano passado", disse Walter Feldman, que coordenou a campanha de Marina Silva e que agora se dedica à campanha do tucano. Com nome #VemPraRuadia22, o movimento tentou reavivar o espírito das manifestações que causaram abalo à avaliação da presidente Dilma Rousseff (PT), em 2013. Foi anunciado no carro de som atividades simultâneas em mais de 15 cidades. O carro tocou o jingle da campanha e chamou para gritos de "Fora PT", "O PT roubou" e até uma marchinha de "Dilma vai embora, que o Brasil não quer você / aproveita e leva o Lula e os vagabundos do PT".
Manifestação pró-Aécio em São Paulo reúne cerca de mil pessoas

Muitas pessoas levaram crianças e até cachorros. Misturaram-se eleitores tradicionais do PSDB a eleitores que também já votaram no PT. "Sempre votei no PSDB, sou anti-PT desde a 'revolução de 64'", disse a confeccionista Acrisia Monteiro. Já Vitor Sanches, auxiliar de escritório, que votou em Dilma em 2010, diz hoje apoiar o tucano por ter ficado decepcionado com a capacidade de gestão do governo Dilma. "Nas manifestações, eu fui pra rua e não houve mudança, a mudança vai ser na urna". Subiram no carro de som, no Largo da Batata, o candidato presidencial do PV, derrotado no primeiro turno, Eduardo Jorge , o vereador do PV Gilberto Natalini e o jurista e ex- ministro do governo Lula, Miguel Reali Jr. "O PV foi o primeiro partido que decidiu apoiar Aécio Neves no segundo turno", disse Jorge, que afirmou que o apoio se deve ao atual governo ser "avesso" ao povo e porque o governo "infiltrou até a medula" ministérios e agências reguladoras. "Estamos indignados ou não estamos indignados? Vamos reagir no voto e vamos pôr o PT fora do governo", disse Reali Jr. Os famosos Juca Chaves e Ronaldo Fenômeno também compareceram, assim como os tucanos Jose Serra e Mara Gabrilli.

Conselheiro do Tribunal de Contas de Minas Gerais desmente fala de Dilma

O conselheiro aposentado do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Sylo Costa, rebateu nesta quarta-feira as declarações da petista Dilma Rousseff (PT), de que ele teria dito que vacinas para cavalo foram contabilizadas como despesa de saúde durante a gestão de Aécio Neves (PSDB) como governador de Minas Gerais. "Quase caí da poltrona durante o debate do último domingo, quando ouvi dona Dilma, com ar triunfal, declarar que eu teria dito, na qualidade de relator das contas do então governador Aécio Neves, que vacina para cavalo foi contabilizada como despesa de saúde. O que ela pretendeu fazer - como de hábito, aliás - foi manipular os fatos, numa tentativa de atacar seu adversário", afirmou Costa, em artigo publicado nesta quarta-feira pelo jornal mineiro O Tempo. Costa disse como relator na época, orientado por sua assessoria, que mandou retirar da conta da Secretaria de Saúde uma fatura de compra de vacinas sem especificação e lançá-la na conta da Secretaria de Agricultura, "erro material que não afetava o cumprimento do índice constitucional da saúde", disse. "Tanto que me posicionei pela aprovação das contas", argumenta. "O parecer prévio sobre as contas do governador foi aprovado por unanimidade. Posteriormente, recebi da Secretaria de Agricultura a informação de que a compra das vacinas era mesmo para a saúde, já que se tratava de vacinas contra aftosa para experimentos da Fundação Ezequiel Dias", diz trecho do texto. Em seu artigo, intitulado como "explicação necessária sobre o óbvio", Costa afirma ainda que "quanto à existência de ressalvas - as quais, diga-se, sempre se referem à presença de erros materiais, que, constatados a tempo e a hora, podem ser corrigidos -, isso é mais que comum numa prestação de contas com mais de 40 mil itens". Foi esse pequeno erro material que Dona Dilma citou como se fosse um assunto tão grave como os assaltos do seu governo na Petrobras e em quase tudo o que o governo federal mete o nariz", afirma. Dizendo-se apartidário, no artigo, o então relator declara seu voto no tucano. "O Brasil vai ter que trabalhar uns 20 anos para pagar a conta desses governos do PT. Mas, no domingo, milhões de tucanos ou apartidários como eu estarão enchendo as urnas para o bem do Brasil", finaliza.

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da MMX, de Eike Batista

Divulgação
Após OGPar e OSX, MMX é a terceira do antigo império X a pedir recuperação judicial
O pedido de recuperação judicial da MMX Sudeste Mineração foi deferido nesta quarta-feira pelo juiz Ronaldo Claret de Moraes, da 1ª Vara Empresarial de Belo Horizonte. A solicitação foi entregue na última quinta-feira, dia 16. Um dos motivos para a crise, de acordo com a sentença, foi um “recuo do BNDES de conceder financiamento de longo prazo para projeto de expansão”. O juiz nomeou o advogado Bernardo Bicalho de Alvarenga Mendes como administrador judicial. Também determinou a suspensão por 180 dias a partir desta quarta-feira de todas as ações de execuções contra a MMX Sudeste Mineração, sob a qual fica a unidade de Serra Azul (MG), onde estão as minas Tico-Tico e Ipê. A partir de agora, a companhia tem prazo de 60 dias para apresentação do plano de recuperação judicial. Caso não ocorra dentro do período, pode ser determinada a falência da empresa. Na decisão, o juiz afirma que os documentos apresentados pela companhia denotam “à primeira vista ser passageiro o estado de crise econômico-financeira pelo qual atravessa e também retratam a perspectiva de que ela possa se soerguer”. Anteriormente à ação da mineradora de Eike Batista, foi apresentado pedido de falência contra a MMX Sudeste pela Vision Engenharia e Consultoria, que foi negado. Na sentença sobre a solicitação de recuperação judicial, foi informado que as razões de sua dificuldade para saldar compromissos de curto prazo foram, além do recuo do BNDES, demora na obtenção de licença ambiental para projetos de expansão, redução vertiginosa dos preços do minério de ferro, e recentes restrições parciais impostas por órgãos ambiental estadual para exploração da mina. Com dívidas em torno de R$ 440 milhões, a MMX Sudeste está com a mina Tico-Tico embargada desde 28 de fevereiro. Após OGPar e OSX, a empresa é a terceira do antigo império X a pedir recuperação judicial.

Caminhada na Esplanada dos Ministério defende candidatura de Aécio Neves em Brasília

A Esplanada dos Ministérios, em Brasília, foi palco de uma caminhada a favor do candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, na noite desta quarta-feira (22). A Polícia Militar do Distrito Federal estimou que cerca de 14 mil pessoas participaram do ato. Quatro das seis pistas do Eixo Monumental foram ocupadas. A caminhada tucana foi parte de um movimento nacional chamado "Vem pra rua dia 22", que buscou uma associação com as manifestações de junho de 2013, mês que antecedeu uma forte queda nos índices de aprovação do governo Dilma Rousseff. O evento, criado no Facebook com a convocação para o encontro em diversas cidades do País, tinha 254 mil convidados e 16 mil pessoas confirmadas até o início da noite. A página descreve o ato como uma forma de manifestar indignação com o atual governo e pedir um Brasil novo. O principal meio de divulgação foi o Whatsapp, serviço de mensagens para celular. Pelo aplicativo, foram compartilhados vídeos de Aécio Neves e de seus aliados e apoiadores convidando os eleitores a participar.

Polícia Federal captura traficante colombiano

A Polícia Federal prendeu nesta quarta-feira, 22, Marcos de Jesús Figueroa García, o "Marquitos Figueroa", grande traficante de drogas da Colômbia, que estava foragido no Brasil. Ele era procurado também pela Interpol (International Criminal Police Organization), a polícia internacional encarregada de crimes que não se restringem às fronteiras de um só país. Marquitos foi localizado pela Polícia Federal na cidade de Boa Vista, em Roraima. Já havia um mandado de prisão, para extradição, do traficante. Ele foi levado para São Paulo em um avião da Polícia Federal e deve ser deportado nesta quinta-feira para a Colômbia. Segundo o site "El Colombiano", o ministro da Defesa da Colômbia, Juan Carlos Pinzón, também já confirmou a prisão e disse que "não há delinquente para o qual não chegue o seu dia, não importa onde se encontre". Marquitos, 51 anos, viveu desde pequeno em Barrancas, no departamento de Guajira, norte de Colômbia. É apontado como líder do grupo criminoso "Los Curicheros" e foi acusado de homicídios, contrabando de gasolina e tráfico de drogas para a Venezuela, entre outros crimes. A Polícia Nacional da Colômbia oferecia, inclusive, uma recompensa pela captura de Marquitos.

O alcaguete Lula diz no Mato Grosso do Sul que 99% de donos de terra teriam de votar no PT

Em tom de crítica, o ex-presidente e alcaguete Lula (ela delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr. em seu livro "Assassinato de Reputações") afirmou nesta quarta-feira, 22, em Campo Grande (MS), que os produtores rurais da região deviam agradecer ao governo do PT e apoiá-los nesta reta final das eleições. No Estado, parte dos ruralistas contesta a atuação da candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), no setor. "Em Mato Grosso do Sul, 99% dos proprietários de terra deveriam votar no PT. Antes de o PT chegar à Presidência o que a gente via era fila de fazendeiro em Brasília, protesto todo ano, para negociarem uma maldita dívida que depois não podiam pagar", afirmou Lula, após participar de uma carreata em um bairro popular da capital, ao lado do candidato ao governo local, Delcídio Amaral (PT). Lula ressaltou ainda o fato de o governo do PT ter incentivado o consumo de produtos agrícolas por meio de programas sociais como o Bolsa Família. Em um segundo momento, ele afirmou que os grande proprietários gostam de ser "enganados" ao se referir ao apoio do setor ao candidato presidencial do PSDB, Aécio Neves. "De vez em quando acho que eles gostam de sofrer, gostam de ser enganados. Os ruralistas sabem que o tucano não fez outra coisa a não ser vender patrimônio público. Não queremos comer carne de segunda. Nós ensinamos o povo a andar de cabeça erguida e até domingo os ruralistas vão contar até 10 e pensar em quem votar", ressaltou o petista.

Romário, senador eleito pelo Rio de Janeiro, anuncia apoio a Aécio Neves

Romário (PSB) - Foto: Ag. Câmara
Eleito senador no Rio pelo PSB com 4,6 milhões de votos, o ex-jogador de futebol e deputado federal Romário oficializou seu apoio ao candidato tucano à Presidência da República, Aécio Neves. Ele gravou nesta quarta-feira dois depoimentos que serão veiculados a partir desta quinta-feira na propaganda eleitoral do tucano. No primeiro turno Romário fez campanha para sua correligionária Marina Silva e para o candidato petista ao governo do Rio de Janeiro, Lindbergh Farias. Nenhum dos dois foi alçado ao segundo turno, e então Romário optou por apoiar, no âmbito estadual, o atual governador e candidato à reeleição Luiz Fernando Pezão (PMDB). No âmbito federal, Romário descartou a opção pela candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) e em duas ocasiões agendou encontros com Aécio Neves para oficializar o apoio ao tucano. Ambos acabaram cancelados – o primeiro por iniciativa de Romário porque uma filha dele ficou doente, e o segundo por Aécio porque, no mesmo dia, a candidata derrotada à Presidência, Marina Silva declarou apoio a ele. Além da divergência de agendas, outro fator que teria dificultado a oficialização do apoio de Romário a Aécio Neves seria a participação de Ronaldo Fenômeno na campanha de Aécio, a quem apoia desde o primeiro turno. Os dois ex-jogadores teriam desavenças. Embora já eleito, Romário continua fazendo campanha para correligionários – na terça-feira foi a Brasília participar de atos com o candidato a governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB). Nesta quarta-feira, ainda em Brasília, Romário gravou os depoimentos de apoio a Aécio Neves. Neles, o senador eleito afirma que escolheu Aécio Neves porque ele representa mudanças e porque o tucano se comprometeu a apoiar a moralização do esporte e a causa das pessoas com doenças raras ou deficiências.

Sandra Starling, fundadora condecorada do PT, declara que vai votar em Aécio Neves

A fundadora do PT e ex-deputada federal Sandra Starling divulgou seu voto em Aécio Neves (PSDB) para presidente. Em seu artigo “Meu voto critico em Aécio é um veto ao voto a Dilma”, Sandra Starling diz que é preciso ter coragem para enfrentar os 12 anos de governo “em que o PT se julgou a consciência política do Brasil”, mas foi tão corrupto quanto os demais. A ex-líder do partido na Câmara disse que a censura sobre o IPEA foi a gota d’água. Segundo ela, os dados do IPEA tornariam oficial o que todos já sabem, “a desigualdade social não diminuiu” e a lógica da presidenta Dilma é a mesma do ex-ministro da Fazenda, Delfim Netto, que pregava esconder números que não favorecem o governo. Sandra Starling disse que não vai usar o “direito de ser ‘idiota’”, vai votar em Aécio Neves, pois não pode se “calar diante das mentiras que a Dilma vem assumindo” e deve cumprir o “dever de brasileira”.

Ministério Público do Acre denuncia sobrinho do petista Tião Viana por fraude em licitações

O governador do Acre, Tião Viana: sobrinho enrolado

O governador do Acre, Tião Viana: sobrinho enrolado (Elza Fiúza /Agência Brasil/VEJA)
O Ministério Público Federal do Acre denunciou dois servidores públicos acusados de fraudar licitações na área de saúde pública do Estado. A ação apresentada à Justiça Federal na última sexta-feira é o primeiro desdobramento da Operação G7 da Polícia Federal, deflagrada em maio do ano passado, que tem, entre os investigados, o sobrinho do governador e candidato à reeleição Tião Viana (PT). O ex-diretor de análises clínicas da Secretaria da Saúde, Tiago Viana Neves Paiva, teria favorecido a empresa CENTTRO Medicina Diagnóstica Ltda em licitação para a implantação do Sistema de Digitalização de Imagens Radiológicas em unidades de saúde estaduais com verba federal oriunda do Sistema Único de Saúde (SUS). Ele e Edilene Dulcila Soares, pregoeira responsável pela concorrência, foram denunciados em ação penal e de improbidade administrativa. Se condenados, podem pegar pena máxima de sete anos de prisão. O MPF-AC lista, no processo, provas de que a CENTTRO teria sido criada já com a intenção de ser favorecida em processos licitatórios do governo estadual. Em escutas telefônicas, feitas em setembro de 2011, poucos dias depois da constituição da sociedade, um dos sócios, Narciso Mendes de Assis Júnior, diz ao seu pai que havia se reunido com Tião Viana. Ele descreveu o que teria ouvido do governador: "Olha, Narciso, esse aqui é um radiologista que quer montar uma clínica aqui e tal, mas eu quero dizer já, pra todo mundo aqui, que eu já empenhei apoio para você". Em outra escuta, o ex-diretor de análises clínicas da Secretaria da Saúde orienta Assis Júnior a pressionar a secretária de saúde, Suely Melo, para que a pesquisa de mercado fosse feita apenas com a CENTTRO. O sobrinho de Tião Viana orienta o sócio da CENTTRO sobre como convencer a secretária a adulterar a licitação em favor da empresa: "Secretária, é o seguinte: eu conversei com o governador. Sábado o governador mandou me chamar, porque tinha um grupo de fora, de Porto Velho, oferecendo esses tipos de serviço e ele me chamou e disse na frente de todo mundo que queria que eu entrasse, que eu providenciasse a proposta porque já tinha resolvido tudo. Pronto." Os equipamentos de radiologia seriam instalados na Fundação Hospital Estadual do Acre, no Hospital Geral das Clínicas de Rio Branco e no Centro de Controle de Oncologia do Acre. A assessoria de imprensa do governador Tião Viana foi procurada pela reportagem, mas ainda não retornou para comentar a denúncia da Procuradoria. Deflagrada em maio do ano passado, a operação G7 da Polícia Federal prendeu quinze pessoas, entre empreiteiros e funcionários públicos, acusadas de fraudar licitações de obras públicas. Entre os acusados, estava o secretário estadual de Obras do Acre, Wolvenar Camargo Filho. Segundo a PF, o cartel era formado entre empreiteiras que apenas simulavam a concorrência entre si. As empresas são suspeitas de financiar campanhas de Tião Viana e de seu irmão, o senador Jorge Viana.

Doleira da Operação Lava Jato é condenada a 18 anos de prisão

Nelma Kodama, acusada de esconder 200.000 euros na calcinha

Nelma Kodama, acusada de esconder 200.000 euros na calcinha (Célio Azevedo/Agência Senado/VEJA)
A doleira Nelma Mitsue Penasso Kodama foi condenada pela Justiça Federal do Paraná a dezoito anos de prisão pela prática de 91 crimes de evasão de divisas. A sentença foi publicada nesta quarta-feira. Ela está presa desde o dia 15 de março, quando foi flagrada pela Polícia Federal no Aeroporto Internacional de Guarulhos com 200.000 euros escondidos na calcinha, quando embarcava em voo para Milão, na Itália. Para policiais que participaram do caso, ela soube clandestinamente que era investigada e tentava fugir do país. Nelma e sete comparsas são acusados de integrar a organização criminosa investigada pela Operação Lava Jato. Nelma era próxima do doleiro Alberto Youssef, o principal alvo da operação Lava Jato. Entre maio e novembro de 2013, a doleira conseguiu, com a ajuda de subordinados, enviar ilegalmente 5,27 milhões de dólares para o exterior, por meio de 91 contratos de câmbio fraudulentos que simulavam importações. O grupo de Nelma movimentou 103 milhões de reais em transações feitas por empresas de fachada entre 2012 e 2013, de acordo com rastreamento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O Ministério Público Federal havia pedido a condenação de Nelma a 47 anos e 15 dias de prisão. Ela está presa na Casa de Custódia de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. Outros sete réus também tiveram sentenças decretadas. Pelos crimes de evasão de divisas e por operar instituição financeira irregular foram condenados Faiçal Mohamed Nacirdine (um ano e seis meses); Maria Dirce Penasso (dois anos, um mês e dez dias); Cleverson Coelho de Oliveira (cinco anos e dez dias de prisão); Juliana Cordeiro de Moura (dois anos e dez dias) e Luccas Pacce Júnior (quatro anos, dois meses e quinze dias). Já Iara Galdino da Silva foi condenada a onze anos e nove meses pelos crimes de evasão de divisas, por operar instituição financeira irregular, corrupção ativa e pertinência à organização criminosa. Rinaldo Gonçalves Carvalho foi condenado por corrupção passiva a dois anos e oito meses.

O muçulmano Obama condena ataques no Canadá e oferece ajuda

O presidente Barack Obama conversou por telefone nesta quarta-feira com o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, e ofereceu a ajuda dos Estados Unidos. A conversa ocorreu depois que um soldado foi baleado no memorial de guerra, perto do Parlamento canadense, que foi alvo de um atirador. Obama expressou solidariedade com o país vizinho e “condenou os ataques chocantes, e reafirmou a amizade próxima e a aliança entre os povos”, afirmou a Casa Branca, em comunicado. “O presidente ofereceu qualquer assistência que o Canadá precise para responder a esses ataques”, acrescentou o texto, dizendo apenas que o premiê canadense agradeceu pelo contato. Não foram especificadas quais medidas poderiam ser tomadas em resposta ao atentado. Em entrevista coletiva, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse que os Estados Unidos não estão em posição de dizer se os ataques foram resultado de um ato terrorista. Antes dos incidentes desta quarta, o Canadá havia elevado o alerta contra ameaça terrorista para o nível ‘médio’. Na segunda-feira, um jovem convertido ao islã atropelou deliberadamente dois militares, matando um deles. Depois do atropelamento, o governo informou que deve apresentar nos próximos dias uma nova legislação antiterror. Nesta quarta, o premiê Harper afirmou que os ataques desta quarta na capital não podem deter o governo. “O primeiro-ministro condenou esse ataque desprezível e reiterou a importância de manter o funcionamento do governo e do Parlamento”, afirma um comunicado distribuído por seu gabinete. Harper tinha um encontro agendado para hoje com a ativista paquistanesa Malala Yousafzai, vencedora do Prêmio Nobel da Paz deste ano. Ele estava em seu escritório no Parlamento quando os tiros começaram, mas foi retirado do local em segurança, informaram as autoridades. Assim como o presidente Obama, o secretário de Estado americano, John Kerry, também foi informado sobre os detalhes dos ataques no Canadá. A embaixada americana em Ottawa, localizada perto do Parlamento, foi fechada, e a embaixada canadense em Washington restringiu o acesso apenas a funcionários. Em Nova York, a segurança do consulado canadense foi reforçada. O FBI alertou suas unidades a elevarem o nível de alerta até que fique claro que o incidente em Ottawa foi um caso isolado e não uma ação coordenada. O Norad, comando de defesa aérea conjunta dos Estados Unidos e Canadá informou que estava a postos para qualquer resposta necessária diante da situação.

Dilma volta a falar de falta de água e violência à mulher

Em mais uma agenda de campanha marcada por ataques ao adversário Aécio Neves (PSDB), a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) prometeu nesta quarta-feira, em Duque de Caxias (RJ), combater a violência contra a mulher e a falta de água na Baixada Fluminense. A promessa genérica de acabar com o desabastecimento de água, um problema histórico na região, ocorre na semana em que um dos focos da campanha negativa do PT é a crise hídrica em São Paulo. “Não vão voltar o desemprego, os baixos salários e os juros. Quero assumir um compromisso com a Baixada: água aqui não vai faltar”, afirmou Dilma em discurso durante carreata em veículo aberto no centro da cidade. “Não vamos mais aceitar violência contra a mulher”, acrescentou. Pouco antes de começar o percurso no carro, acompanhada de políticos do estado, Dilma falou aos jornalistas que vai criar a “Casa da Mulher”, um projeto para reunir órgãos do Judiciário, do Ministério Público e do Executivo dedicados ao combate à violência contra a mulher. Rouca, ela só quis responder a uma pergunta, em que aproveitou para atacar Aécio: “Não vamos deixar esse país voltar para trás”. Enquanto Dilma circulava por pouco mais de um quarteirão, eleitores sofriam para se desvencilhar do tumulto no local . Seguranças fizeram um cordão de isolamento e trocaram a posição de grades, espalhadas pela rua, para controlar o fluxo de pessoas. Houve empurra-empurra e discussões exaltadas com seguranças da Presidência da República.

Polícia canadense investiga suspeito de ser atirador

A polícia canadense está investigando um homem identificado como Michael Zehaf-Bibeau, que seria o responsável pelos ataques desta quarta-feira em Ottawa. O suspeito, nascido em 1982, tinha um histórico de uso de drogas antes de se converter ao islã, informou a rede CNN. O jornal The Globe and Mail afirmou que ele era conhecido pelas autoridades canadenses, e recentemente foi designado como um “viajante de alto risco” e que seu passaporte foi confiscado. Fontes do governo americano disseram que as agências de inteligência foram advertidas de que o atirador era um canadense convertido ao islã. As circunstâncias são as mesmas que cercavam Martin Rouleau-Couture, que atropelou deliberadamente dois soldados na segunda-feira, fugiu da polícia e acabou sendo morto. O soldado morto nesta quarta foi identificado como o reservista Nathan Cirillo, de 24 anos. Ele estava em treinamento para integrar a agência de serviços de fronteira, segundo a imprensa canadense. A polícia disse que a investigação continua, mas não confirmou as informações de que mais de um atirador estaria envolvido no ataque. As autoridades pediram a testemunhas que informassem sobre qualquer detalhe que pudesse ajudar nas investigações. A morte de um suspeito e também do soldado foram confirmadas horas depois do início dos ataques. "Uma das vítimas do tiroteio morreu devido aos ferimentos. Era membro das forças canadenses. Nossos pensamentos e orações estão com seus entes queridos", declararam as autoridades. Cirillo foi baleado pouco antes das 10 horas, pelo horário local, quando cumpria seu turno como sentinela no Memorial de Guerra Canadense. Pouco depois desse ataque, tiros foram ouvidos dentro do prédio do Parlamento, que foi isolado pela polícia. A informação sobre outro ataque perto de um shopping center não foi confirmada oficialmente. O edifício invadido abriga a Câmara e o Senado canadenses, bem como os escritórios dos congressistas e a administração das duas Casas legislativas. No momento do ataque, o primeiro-ministro Stephen Harper estava em seu escritório no Parlamento. Ele foi retirado do edifício em segurança. Nesta quarta-feira o Canadá havia elevado de "baixo" para "médio" o nível de ameaça terrorista no país. O Ministério da Segurança Pública do Canadá explicou em comunicado que a decisão não responde a uma ameaça específica contra o país, mas “está vinculada a um aumento geral de conversas de organizações radicais como o Estado Islâmico (EI), Al Qaeda, Al Shabab e outras”. Ainda segundo o comunicado, “este nível significa que a informação da inteligência indica que um indivíduo ou grupo no Canadá ou no exterior tem a intenção e a capacidade de cometer um ato de terrorismo”.

Aécio Neves leva Marina Silva e viúva de Campos à TV contra pancadaria do PT

O candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) e a candidata derrotada no primeiro turno Marina Silva (Rede), concedem entrevista em São Paulo

O candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) e a candidata derrotada no primeiro turno Marina Silva (Rede), concedem entrevista em São Paulo (Joel Silva/Folhapress)
Bombardeado desde o último final de semana por ataques pessoais feitos pelo PT, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, fez um longo depoimento em seu programa eleitoral na TV apontando "a onda de calúnias" propaladas contra ele na reta final da eleição e exibiu mensagens de apoio da ex-senadora Marina Silva (PSB), derrotada no primeiro turno, e de Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos, morto numa tragédia aérea em agosto. Marina afirmou que foi vítima na primeira etapa da eleição dos ataques feitos pela campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff que agora se repetem contra o tucano. "Eduardo Campos e eu fomos vítimas da mesma estratégia destrutiva que agora é usada contra Aécio", disse. "Não se deixem intimidar pela campanha que a candidata Dilma está fazendo", completou. Na sequência, Renata Campos também deixou mensagem afirmando que Aécio "não representa um partido, mas um conjunto de forças que se juntaram no segundo turno". Aécio lembrou a artilharia desferida pelo PT a Eduardo Campos e afirmou que "as mesmas pessoas que chamaram Eduardo Campos de playboy agora dizem o mesmo sobre ele". Foi um recado direto ao ex-presidente Lula, que tem capitaneado a onda de baixarias em comícios pelo país – algo lamentável para um ex-presidente da República. Além de chamar o tucano de "playboy", Lula tem dito que o tucano é violento com mulheres: "Fui acusado de comportamento criminoso, de ser desrespeitoso com as mulheres, uma ofensa à minha esposa e à minha filha". O tucano ainda citou o terrorismo eleitoral feito pelo PT, que desde o início da campanha espalha o discurso do medo, segundo o qual programas como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida serão encerrados se o PT deixar o poder e bancos públicos serão privatizados. "Não podemos ter medo do PT. Eu não tenho medo do PT", disse.

ATAQUE TERRORISTA – Um soldado assassinado e tiros no Parlamento do Canadá. Suspeito principal: Estado Islâmico

O pior pode estar em curso, e o Canadá talvez tenha sido só a primeira vítima. Vamos lá. A região central de Ottawa, onde fica o Parlamento do país, foi fechada na manhã desta quarta e cercada por homens fortemente armados depois que três tiroteios deixaram pelo menos um soldado morto. Não se sabe o número de atiradores — um deles também teria morrido. Os três incidentes armados, desconfia a polícia, se deram de maneira coordenada. Um deles ocorreu no Memorial da Guerra, onde o soldado morreu, e dois outros no centro comercial. Um dos atiradores se refugiou depois no Parlamento, onde estava o primeiro-ministro, Stephen Harper. Segundo testemunhas, pelo menos 20 tiros foram ouvidos. Um porta-voz do hospital de Ottawa, citado pela Reuters, informa que a instituição recebeu três feridos a bala depois dos incidentes. Além do soldado que morreu, havia duas outras pessoas, e uma delas seria guarda do Parlamento. Vídeo (no alto) mostra a operação policial no interior do Parlamento, com muitos tiros. Tão logo se deu alarme da invasão do Parlamento, Harper e outros membros do governo foram retirados do prédio e levados para uma área considerada segura. Os ataques em Ottawa ocorrem dois dias depois de um rapaz investigado por ligações com o jihadismo ter atropelado de forma deliberada dois soldados em Quebec — um deles morreu. O assassino, que também foi morto, se chamava Martin Rouleau Coulture, tinha 25 anos e havia se convertido ao islamismo. No dia em que Coulture praticou o atentado, aviões canadenses haviam chegado ao Kwait para integrar as forças ocidentais que fazem ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque. As autoridades evitam falar o nome da coisa, mas o nome da coisa povoa todas as mentes: Estado Islâmico. O grupo prometeu praticar atentados em todos os países que decidissem integrar as forças que realizam ataques a bases dos terroristas na Síria e no Iraque. Pior: segundo o anúncio que fizeram, essas ações seriam perpetradas pelos naturais de cada país. À diferença do modus operandi conhecido do terror até agora, os homicidas-suicidas anunciados pelo Estado Islâmico não seriam estrangeiros. Não! Eles contam com o fanatismo de convertidos, como era o caso de Coulture, sem nenhuma vinculação histórica, cultural ou familiar com o islamismo. Na maioria das vezes, esses jovens são recrutados ou pela Internet ou por intermédio de religiosos islâmicos extremistas, que atuam livremente nas democracias. Caso se confirme que o evento desta quarta também está relacionado com o Estado Islâmico, parece que os países ocidentais estão com um problema gigantesco nas mãos. Não são apenas os ataques aéreos às bases dos terroristas na Síria e no Iraque que estão se mostrando inúteis. Também no front interno, parece que as táticas para enfrentar o extremismo se mostram ineficazes. Por Reinaldo Azevedo

Aécio: Lula “apequena sua biografia” ao promover baixaria

Por Laryssa Borges, na VEJA.com: O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, criticou nesta quarta-feira o papel desempenhado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na reta final das eleições deste ano. Desde o último final de semana, Lula tornou-se protagonista da baixaria promovida contra o PSDB.  “O Lula não está disputando a eleição, eu o ignoro. Mas lamento apenas que um ex-presidente da República se permita cumprir um papel tão inexpressivo como o que ele vem cumprindo no final dessa campanha eleitoral”, disse Aécio, numa rara menção ao petista. “É triste para sua própria biografia. Só quem perde com isso é ele, que apequena sua biografia com ataques torpes e absurdos”, completou. Embora não seja candidato a nenhum cargo nas eleições deste ano, Lula tem feito ataques pessoais a Aécio, a quem chamou de “filhinho de papai” e insinuou que agride mulheres. “A tática dele é a seguinte: vou partir para a agressão. Meu negócio com mulher é partir para cima agredindo”, afirmou Lula em Belo Horizonte no último sábado. O ex-presidente também comparou o tucano a Fernando Collor de Melo, candidato que em 1989 que protagonizou baixarias contra o próprio petista e, ironicamente, hoje é seu aliado. Nesta terça, o petista chegou ao ponto de comparar tucanos a nazistas. Para minimizar o terrorismo eleitoral disseminado pelo PT, Aécio Neves reiterou nesta quarta o compromisso de manter programas sociais, como o Bolsa Família, fortalecer o papel dos bancos públicos, acabar com o aparelhamento da máquina estatal e discutir um mecanismo para acabar com o fator previdenciário. “Nessa reta finalíssima da campanha é hora de reiterarmos alguns compromissos: o primeiro deles é o compromisso de garantir a continuidade dos programas sociais em andamento, em especial do Bolsa Família. O segundo, o compromisso com o fortalecimento dos bancos públicos, com a sua profissionalização e com a valorização dos servidores de carreira. Falo isso, em especial, aos servidores da Caixa Econômica, do Banco do Brasil, do BNDES e de empresas públicas, como os Correios, a Petrobras e a Eletrobras”, disse. “Quero reiterar meu compromisso com os aposentados brasileiros. Vamos rever o fator previdenciário e encontrar uma forma de não impactar e punir os aposentados brasileiros". Mais uma vez, Aécio Neves disse ser o “candidato de amplo sentimento de mudança” e afirmou que, diante de todos os ataques, “deixa que as pessoas respondam nas urnas todas essas infâmias”. “A verdade vai vencer a mentira e as propostas vão vencer os ataques. Tenho certeza que o Brasil novo, renovado nos seus valores e nas suas práticas vai vencer o Brasil velho e antigo que é representado hoje por este governo”, declarou: “Essa campanha vai ficar marcada na história do Brasil como a campanha da infâmia por parte dos nossos adversários". 

Fascistoides à solta 1 – Lula compara 2014 a 1954, ano da morte de Getúlio. É… Em comum, há o mar de lama

Lula não perdeu o juízo, é claro, porque ele tem é método. Louco não é. O que lhe tem faltado é senso de ridículo e compromisso com a verdade. Segundo ele, o clima de “histeria” que toma conta da disputa se assemelha ao ano de 1954, quando Getúlio Vargas se matou. Aproveitou para dizer que os eleitores de Marina Silva têm a obrigação de votar em Dilma. Que grande petulância a desse senhor! Nem Marina Silva se atreveu a dizer em que seu eleitorado tem a obrigação de votar pela simples e óbvia razão de que ela não é dona de suas respectivas vontades. Ocorre que Lula está convicto de que é dono do Brasil. Este senhor já comparou a oposição a nazistas e a Herodes. É claro que parte do que diz deriva de sua alastrante ignorância, compatível com seu ânimo para ofender pessoas. Num comício em Porto Alegre, afirmou nesta quarta-feira: “A mesma histeria que a direita tinha contra Getúlio, nos anos 50, eu vejo estampada no discurso dos nossos adversários”, disse. Ele ainda ironizou o papel da imprensa, dizendo que a mídia claramente “não tem partido nem candidato” — tentando sugerir o contrário. Ora, basta ler certo noticiário e acompanhar algumas emissoras de TV para constatar que certa mídia tem, de fato, é CANDIDATA. Direita, Lula? Onde está a direita? Vamos ver os partidos que compõem a coligação “Com a Força do Povo”, de Dilma: PT, PMDB, PSD, PP, PR , PROS, PDT, PCdoB e PRB. Como? Então o PSD, o PP, o PROS e o PRB se tornaram agora notórios esquerdistas? Sem contar que o PMDB junta uma boa fatia dos conservadores brasileiros. A acusação de um ridículo ímpar. A propósito: a ser como quer Lula, estão faltando dois cadáveres na história e um ferido. Quem se candidata no PT a repetir o gesto de Getúlio? Quem será o major Rubem Vaz? Quem vai levar um tiro no pé, como Carlos Lacerda? Que bate-pau do petismo se candidata ao papel de Gregório Fortunato, o homem que tramou o atentado contra Lacerda? A tese é de uma ignorância soberba, embora isso lhe tenha sido soprado aos ouvidos pelos intelectuais de quinta categoria do petismo. É bem verdade que, de certo modo, Lula tem razão: uma coisa há em comum com 1954: o mar de lama. Existia há 60 anos; existe hoje — com a diferença de que aqueles eram tempos da bandidagem quase romântica. A de agora se profissionalizou. Por Reinaldo Azevedo

Investigação da Polícia Federal liga desvio de recursos do Pronaf para campanhas do PT gaúcho

Polícia Federal quebrou sigilo de 107 contas bancárias e concluiu que houve desvio de 104 milhões de reais entre 2006 e 2012

Deputado Bohn Gass PT/RS
Deputado Bohn Gass PT/RS (Leonardo Prado/Agência Câmara/VEJA)
A Polícia Federal investiga esquema de fraude envolvendo desvio de dinheiro do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que teria alimentado campanhas eleitorais do PT no Rio Grande do Sul, segundo informou o jornal Folha de S. Paulo nesta quarta-feira. A Operação Colono produziu um inquérito enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de envolvimento de um deputado federal com foro privilegiado, Elvino Bohn Gass (PT), reeleito neste ano. Quando o caso foi enviado ao STF, a juíza Karine da Silva Cordeiro disse que o envolvimento de Bohn Gass estava evidente no relatório. Segundo o inquérito da Polícia Federal, recursos do Pronaf, liberados como empréstimos contraídos no Banco do Brasil em nome de agricultores, entrava em contas da associação Aspac, de Santa Cruz do Sul (RS). De lá, o dinheiro foi enviado a contas pessoais de dirigentes e ex-dirigentes ligados à associação. Durante a investigação, a Polícia Federal quebrou o sigilo de 107 contas bancárias e inferiu que 26.000 depósitos foram responsáveis pelo repasse de 104 milhões de reais no período de 2006 a 2012. Pelo menos 85 milhões de reais eram do Pronaf. Outro petista que recebeu o dinheiro oriundo da entidade, segundo a Polícia Federal, foi o vereador Wilson Rabuske, que recebeu 700.000 reais e sua mulher, 324.000 reais.

Presidente da Câmara dos Deputados vira azarão no Rio Grande do Norte

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB), passou de favorito a azarão na disputa pelo governo do Rio Grande do Norte ante o rival Robinson Faria (PSD). Apesar da aliança com 17 partidos políticos, a última pesquisa Ibope o coloca com 38% das intenções de voto, contra 45% do adversário. Sua rejeição chega a 47%, ante 35% do concorrente. A utilização por Faria de uma gravação de apoio do ex-presidente Lula e o discurso de que o peemedebista, em seus mais de 40 anos ininterruptos como deputado federal, pouco ajudou o Estado são apontados como os principais motivos do atual cenário. No 1º turno, quando era o favorito, a campanha de Faria colocou em Alves a pecha de “incompetente” porque não teria aprovado nenhum projeto relevante em seus 44 anos como deputado. Também o acusou de preferir uma atuação política mais nacional do que local e criticou o fato de ele ter perdido duas eleições majoritárias, quando disputou a prefeitura de Natal em 1988 e 1992. “Se ele não tivesse prestado importantes serviços ao povo do Rio Grande do Norte, não teria conseguido se eleger 11 vezes e chegado onde chegou”, rebateu Garibaldi Alves, coordenador da campanha e primo do presidente da Câmara: “A função dele sempre foi de articulação para trazer recursos federais para o Estado". A campanha de Alves cita projetos como a emenda para beneficiar municípios com menos de 50 mil habitantes no Minha Casa, Minha Vida e afirma que ele “desengavetou” e levou para votação o projeto que destina 75% dos royalties do pré-sal à educação e 15% à saúde.

SIP vê acentuado retrocesso na liberdade de imprensa

O peruano Gustavo Mohme, diretor do jornal La República, de Lima, é o novo presidente da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP). Indicado na tarde desta terça-feira, 21, ao final da 70ª Assembleia-Geral da entidade, em Santiago do Chile, ele sucede à americana Elizabeth Ballantine. O último dia do encontro, que reuniu cerca de 300 profissionais de mídia desde sexta-feira, foi marcado também pela apresentação das “Conclusões” - documento final que resume os 25 relatórios nacionais apresentados pelos países que integram a SIP. O texto afirma que houve “acentuado retrocesso” na liberdade de informação - principalmente pelo crescimento geral da censura indireta e pela violência praticada contra profissionais da mídia em pelo menos oito países do continente. Cita com mais graves as situações no Equador, na Venezuela, na Argentina e no México. A censura indireta, ou autocensura - diz o documento -, resulta das ameaças partidas de milícias e grupos clandestinos ligados ao narcotráfico ou de autoridades de governos que rejeitam todo tipo de crítica. O relatório final informa um total de 11 mortos em seis meses e centenas de atos de violência, boa parte deles em países envolvidos em campanhas eleitorais, como o Brasil. O relatório brasileiro mencionou 84 episódios, entre agressões, censura judicial, prisões e ameaças. Em seu discurso de posse, Mohme dirigiu uma “mensagem de estímulo e solidariedade a todos os perseguidos” - os profissionais citados nos relatórios - e prometeu trabalhar “pela recuperação da democracia e do regime republicano, a separação equilíbrio dos poderes, a plena vigência do Estado de Direito”. Ele se referiu também ao desafio, o do mundo digital. “Enquanto lutamos para preservar a liberdade, o mundo sofre uma vertiginosa transformação. Me refiro concretamente à Internet.” E se mostrou disposto a discutir “a concentração de meios em monopólios e oligopólios, em nível público ou privado, que são motivo de debate em nossas sociedades”.

Alckmin pede que ONU retifique críticas sobre falta de água em São Paulo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), pediu à Organização das Nações Unidas (ONU) que retifique críticas feitas pela relatora especial sobre direitos humanos à água e saneamento básico, Catarina de Albuquerque, em setembro. Na ocasião, ela responsabilizou o governo paulista pela crise no fornecimento de água. Em ofício enviado ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Alckmin afirmou que há “erros factuais inaceitáveis” e que “a relatora decidiu fazer as declarações a poucas semanas da eleição com propósito de inflamar a campanha”, forçando a ONU a tomar um lado político. A assessoria do esquerdóide Ban Ki-moon disse que Catarina tem independência e suas posições não estão sujeitas ao controle da instituição. Também afirmou que as conclusões dos relatores não refletem necessariamente posições oficiais da ONU. O Palácio dos Bandeirantes afirmou que o ofício, “na verdade, é uma resposta do governador a um convite feito por Ban Ki-moon” para a cúpula. O governo disse que aproveitou para “indagar se a funcionária” da ONU falava em nome do órgão ou dela própria.

Acionistas da Santo Antônio Energia aprovam aporte de R$ 1,59 bilhão na empresa

Os acionistas da Santo Antônio Energia, empresa responsável pela hidrelétrica Santo Antônio, no rio Madeira, aprovaram nesta terça-feira aporte de 1,59 bilhão de reais na companhia, segundo ata da assembléia. Foi aprovado aumento de capital social mediante a emissão de 1,59 bilhão de novas ações ordinárias, pelo valor de emissão de 1 real cada. Segundo a ata, 810 milhões de reais foram integralizados nesta terça-feira, e haverá mais duas parcelas de 414 milhões e 366 milhões de reais.
A Santo Antônio Energia tem enfrentado dificuldades de caixa para manter as obras na usina, enquanto tem que arcar com custos de curto prazo relacionados ao atraso da entrega de eletricidade da hidrelétrica. A empresa chegou a afirmar no passado que a manutenção das cobranças relacionadas ao atraso da entrega de energia poderia tornar a obra inviável e, atualmente, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) analisa recursos da empresa contra algumas dessas cobranças.

Legacy 500, da Embraer, recebe certificação de autoridade americana

A Embraer informou nesta terça-feira que o jato executivo Legacy 500 recebeu a certificação da Federal Aviation Administration (FAA), autoridade aeronáutica dos Estados Unidos, o que permite o início das operações da aeronave naquele país ou em lugares que requerem essa homologação. O Legacy 500 recebeu a certificação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em agosto e aguarda a aprovação da European Aviation Safety Agency (EASA), agência européia para segurança da aviação, ainda este ano, disse a Embraer em comunicado. O Legacy 500 é um jato executivo da categoria midsize e a entrega para o primeiro cliente foi realizada em 10 de outubro. Em 2014, serão produzidas até seis aeronaves.

Arqueólogos gregos descobrem cabeça de esfinge em tumba macedônia

Arqueólogos descobriram a cabeça perdida de uma das duas esfinges encontradas guardando a entrada de uma antiga tumba no nordeste da Grécia enquanto os escavadores abriam caminho nas câmaras internas do monumento, informou o Ministério da Cultura do país nesta terça-feira. Escultura de mármore representa habilidade artística "excepcional", analisou o Ministério da Cultura da Macedônia. A tumba no sítio de Anfípolis, a cerca de 100 quilômetros de Salônica, segunda maior cidade grega, foi saudada pelos arqueólogos como uma grande descoberta da era de Alexandre, o Grande. Segundo eles, parece se tratar da maior tumba antiga já desencavada na Grécia. A cabeça de mármore, ligeiramente danificada no nariz, exibe cachos caindo no ombro esquerdo da estátua e vestígios de cor avermelhada. “É uma escultura de uma habilidade artística excepcional”, declarou o ministério, acrescentando que fragmentos das asas das duas esfinges também foram trazidos à tona.
As escavações, iniciadas em 2012, ainda não determinaram quem está enterrado na tumba. Os arqueólogos descobriram um mosaico intricado mostrando o deus Hermes como condutor das almas para o além-túmulo. Feito de seixos coloridos, ele cobre o piso de um cômodo que se acredita ser a antecâmara do sepulcro principal. Autoridades do Ministério da Cultura afirmaram que o monumento aparenta pertencer a um macedônio proeminente do período 300-325 a.C.

Proposta de tarifa a R$ 1,00 faz diferença entre Rollemberg e Frejat cair de 20% para 14%

A proposta de uma tarifa de ônibus a R$ 1,00 a partir de 1º de janeiro de 2015, batizada de Tarifa Frejat, é apontada como o principal motivo para a redução da distância entre os candidatos a governador do Distrito Federal, que passou de 20 para 14%. Rodrigo Rollemberg (PSB) passou de 60% para 57% das intenções de voto, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira, 21. Jofran Frejat (PR), autor da idéia, foi de 40% para 43%. A Tarifa Frejat tem até jingle: "Eu ando de ônibus e vai melhorar, agora vou ter a tarifa Frejat". O candidato, que era vice de José Roberto Arruda (PR), cuja candidatura foi cassada pela Lei Ficha Limpa, chegou a registrar a promessa em cartório. Seus assessores afirmam que a proposta é um fenômeno nas ruas do Distrito Federal e que o candidato tem sido constantemente abordado por eleitores que tiram dos bolsos moedas de R$ 1,00 para evocar a promessa. Apesar da redução da distância entre os adversários, a pesquisa Ibope frustrou a campanha de Frejat, que apostava numa diferença de apenas sete pontos para Rollemberg. Para fazer frente à proposta, Rollemberg a classifica de eleitoreira e propõe a implementação de um bilhete único. "É uma proposta demagógica, eleitoreira. Nós estudamos o Distrito Federal há mais de um ano e meio e apresentamos uma proposta consistente, que é a do Bilhete Único, como já existe no São Paulo e no Rio de Janeiro", disse ele nesta terça-feira, ao participar de caminhada em Taguatinga ao lado do deputado federal Romário (PSB-RJ), eleito senador.

Janot diz que mudança de postura do TSE não atende Constituição

O procurador-geral da República e Eleitoral, Rodrigo Janot, criticou nesta noite a mudança na orientação do Tribunal Superior Eleitoral que, na última semana, decidiu adotar postura mais interventora e barrar ataques pessoais na propaganda eleitoral do segundo turno. Janot citou dispositivo constitucional segundo o qual a lei que altera o processo eleitoral não se aplica à eleição que já está em curso. Na análise do procurador-geral, o dispositivo se destina também ao TSE. "A mudança, na visão do Ministério Público Eleitoral, causa surpresa aos candidatos a poucos dias da disputa, não observa a jurisprudência reiterada, desatende o princípio esculpido na carta constitucional e gera insegurança jurídica, necessária ao Estado de direito e à regularidade do pleito", disse Janot, no plenário do TSE nesta terça-feira, 21. A alteração jurisprudencial no meio das eleições fere, de acordo com Janot, o entendimento do Supremo Tribunal Federal e do próprio TSE. No primeiro turno, a Corte decidiu pelo "minimalismo" da Justiça Eleitoral nas intervenções em propaganda eleitoral. Apenas no segundo turno os ministros decidiram mudar a orientação e passaram a barrar as propagandas. "Mudanças na jurisprudência eleitoral tem efeitos normativos diretos", disse o procurador-geral. A manifestação de Janot foi feita após o presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, apresentar resolução para alterar prazos para analisar pedidos de direito de resposta nas propagadas veiculadas às vésperas do segundo turno. Janot não apresentou críticas à resolução, mas aproveitou o momento para fixar a posição do Ministério Público eleitoral.

Acidificação de oceanos poderá causar prejuízo anual de US$ 1 trilhão

Os impactos da acidificação dos oceanos poderão causar um prejuízo anual de mais de US$ 1 trilhão para a economia mundial até 2100. A conclusão é de um novo relatório internacional lançado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e pela Convenção sobre Diversidade Biológica. O documento foi um dos resultados da 12ª Conferência das Partes (COP 12) da CBD, realizada na semana passada em Pyeongchang, na Coréia do Sul, com a participação de 194 países. De acordo com um dos autores do estudo, Sebastian Hennige, da Universidade Heriot Watt University (Escócia), o prejuízo anual de US$ 1 trilhão até o fim do século teve base na perda prevista de serviços fornecidos pelos recifes de corais - que envolvem turismo, proteção costeira e abastecimento alimentar. "A acidificação da água marinha afeta a calcificação dos corais, interferindo em seu metabolismo. Uma imensa indústria de recreação ligada ao turismo e mergulho depende dos corais, assim como a pesca artesanal em várias partes do mundo. Os recifes de corais têm sido chamados de "Amazônias do mar", por causa de imensa quantidade de espécies que eles mantêm", disse Hennige. De acordo com o estudo, os recifes de coral têm papel fundamental para a subsistência de cerca de 400 milhões de pessoas. Além do turismo e pesca, segundo Hennige, os corais fornecem outros serviços importantes, como a proteção dos litorais, a ciclagem de nutrientes e a absorção de carbono. "O valor desses serviços já é mais difícil de quantificar, assim como a importância cultural dos corais em vários países". declarou. Segundo ele, para proteger os recifes de corais e a economia ligada a eles, a única solução real é uma ação global para reduzir os impactos da acidificação dos oceanos. "Não há outro caminho. É preciso reduzir a quantidade de dióxido de carbono que está sendo lançada no oceano. Quando aumenta a quantidade de carbono na atmosfera - como no crescimento recorde registrado em 2013 - o pH das águas diminui, segundo Hennige. "Essa resposta química é inevitável. O que tem sido questionado é o quanto o processo afeta a vida marinha. Há 10 anos, poucos pesquisadores estavam estudando os impactos da acidificação do oceano. Mas desde então mais de mil estudos foram publicados e agora está claro que muitas espécies marinhas sofrerão com uma alta taxa de CO2 na atmosfera, com grandes impactos econômicos", afirmou. Se não forem tomadas medidas de mitigação das emissões de dióxido de carbono, segundo Hennige, há risco de que o habitat dos corais literalmente se dissolva. "Os corais crescem sobre estruturas feitas por seus ancestrais mortos. Essas estruturas ficarão sujeitas à erosão química em áreas muito grandes do oceano, se as mesmas tendências forem mantidas", disse. Para elaborar o relatório, a CBD reuniu uma equipe internacional de 30 especialistas, liderada por cientistas do Reino Unido. A conclusão foi que a acidificação dos oceanos já está em andamento e que o problema vai piorar, causando impactos generalizados nos organismos e ecossistemas marinhos. A Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 20), que será realizada em novembro, em Lima (Peru), será uma boa oportunidade para dar atenção à questão, segundo outra autora do relatório, Carol Turley, pesquisadora do Programa de Pesquisa em Acidificação do Oceano do Reino Unido.  "O debate posterior ao Protocolo de Kioto teve pouca inclusão dos temas ligados ao oceano e a questão da acidificação só foi incluída no acordo como uma nota de rodapé. A conferência em Lima, na magnífica costa do Pacífico, parece o lugar apropriado para colocar o tema em pauta. Se o tema do oceano não for incorporado na linguagem das negociações sobre o clima global, temo que ele será sistematicamente ignorado", afirmou. Segundo ela, os oceanos absorvem cerca de 90% do calor causado pelas mudanças climáticas globais e cerca de 30% das emissões de CO2 da atmosfera. "Os oceanos são realmente uma vítima não reconhecida do CO2. E a importância deles para a sociedade é gigantesca, como mostra o relatório da CBD.

TSE suspende divulgação de anúncio publicitário do governo de Minas Gerais pró-Aécio

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu liminar no início da noite desta terça-feira, 21, suspendendo anúncios do governo de Minas Gerais em jornais do Estado favoráveis ao candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves. A campanha da candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) alegou que, no fim de semana, foram veiculados em jornais de grande circulação informes publicitários que mencionavam gastos com saúde e educação do governo estadual. Para a defesa de Dilma, a publicação do informe configuraria propaganda eleitoral irregular em benefício de Aécio Neves "travestida de publicidade institucional". A prática, sustenta, é proibida durante a campanha eleitoral. Os advogados da petista dizem que a conduta é ilegal, porque, em vez de ter caráter "educativo, informativo ou de orientação social", conforme prevê a Constituição, a publicidade institucional "representa uma indevida atuação do governo de Minas Gerais no pleito presidencial". O governo mineiro é comandado no momento por Alberto Pinto Coelho Junior (PP), aliado de Aécio Neves. O governador é citado nominalmente na ação da chapa da candidata à reeleição. A peça veiculada nos jornais, segundo a campanha de Dilma, foi uma repetição da propaganda eleitoral do tucano na qual tentou justificar a "situação do piso salarial dos professores mineiros". Em sua decisão liminar, o ministro Admar Gonzaga, relator do processo, determinou que não se pudesse veicular novamente o informe publicitário. Também decidiu que o governo estadual forneça todos os documentos a respeito da contratação do informe publicitário, com a divulgação das datas e dos grupos de comunicação nos quais foram veiculados.

Funcionária do Banco do Nordeste usa e-mail institucional para pedir votos para Dilma

Com a disputa eleitoral acirrada em torno do papel dos bancos públicos no próximo governo, o Banco do Nordeste (BNB) se envolveu em mais um episódio de uso de e-mail institucional para pedir votos para a presidente Dilma Rousseff. Em um e-mail do BNB, que é vinculado ao Ministério da Fazenda, a secretária do banco, Maria Ronilda de Oliveira, convoca outros funcionários da instituição para uma "grande manifestação" nesta terça-feira, 21, em defesa das estatais e pela reeleição de Dilma. "Com faixas, bandeiras e muita gente vestida de vermelho. Aí seria a oportunidade para fazer uma foto boa, se conseguirmos juntar gente suficiente", diz a funcionária, que recomenda que a mensagem seja compartilhada por outros funcionários. No e-mail, ela informa que dois militantes ficarão na entrada dos fundos do Banco (portaria 3), disponíveis para colar adesivos grandes (painéis de vidro traseiro) nos carros daqueles que estiverem dispostos. Não é o primeiro caso de uso de e-mail institucional do governo para a campanha. Na semana passada uma funcionária da Caixa Econômica Federal utilizou o e-mail corporativo do banco para enviar mensagem a colegas com a ameaça de que o banco será "privatizado" caso o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, vença as eleições. O e-mail foi enviado a um número restrito de destinatários. A funcionária da Caixa foi advertida pelo ato pelo supervisor direto e teve a conta bloqueada assim que o banco teve conhecimento da ação. Servidores do Banco do Brasil também receberam, no e-mail corporativo, mensagem com teor semelhante. Com o título "Tucanos querem acabar com os bancos públicos", o e-mail partiu de um grupo que se denomina "Unidade BB", formado por "militantes sindicais e políticos", ligados à Articulação Sindical, corrente da CUT. O uso do e-mail institucional do BNB para fins eleitorais foi denunciado pelo assessor econômico de Aécio Neves na campanha, Mansueto Almeida, no seu blog na internet. "É sempre a mesma coisa - uso de e-mail institucional para pedir voto para a presidente. Acho que as pessoas que tomam essa atitude ou não sabem que estão infringindo a lei ou acham que o partido do governo pode fazer qualquer coisa para ganhar a eleição", critica o economista licenciado do Ipea.

Chefe da ONU anuncia inquérito independente sobre guerra na Faixa de Gaza

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, o esquerdóide Ban Ki-moon, anunciou nesta terça-feira que irá ordenar uma investigação sobre os ataques a algumas instalações da ONU e a utilização de outras delas para o armazenamento de armas durante a recente guerra de Israel contra militantes do Hamas na Faixa de Gaza. A entidade afirmou que dezenas de milhares de moradias foram danificadas ou destruídas nos 50 dias de combate e que 108 mil pessoas estão desabrigadas no território empobrecido e isolado há tempos. Em um incidente, dezenas de pessoas foram mortas em uma escola da ONU durante um bombardeio israelense. Israel alegou que os militantes se valem das instalações da organização para estocar foguetes, razão pela qual elas são alvejadas. “Espero uma investigação minuciosa das Forças de Defesa de Israel sobre este e outros incidentes nos quais instalações da ONU foram atingidas e muitas pessoas inocentes foram mortas”, declarou. “Planejo levar adiante uma comissão de inquérito independente para analisar os casos mais sérios, assim com as ocasiões nas quais se encontrou armamento em dependências da ONU”, acrescentou. Organismo da ONU na Faixa de Gaza é na verdade um braço da organização terrorista Hamas.

AES Tietê cadastra projeto solar de 28 MW no leilão de energia de reserva

A AES Tietê cadastrou um projeto de energia solar de cerca de 28 megawatts (MW) para participar do leilão de energia de reserva marcado para 31 de outubro, disse um executivo da empresa nesta terça-feira. Esse pode ser o primeiro empreendimento de geração de energia da AES Tietê no segmento. A Solar Água Vermelha ficaria do lado da hidrelétrica Água Vermelha da AES Tietê, que tem 1.396 MW de potência instalada, no rio Grande, na divisa entre São Paulo e Minas Gerais. "A idéia é gerar sinergia operacional e reduzir custo de investimento aproveitando a mesma subestação, os mesmos aparelhos de automação da usina que está aí, controle de sistemas e tudo mais, para participar", disse o diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios da AES Tietê, Rodrigo Sartori. O executivo disse que a empresa negocia com fornecedores os contratos de equipamentos para a usina, o que será essencial para a competitividade do projeto no leilão. "O BNDES abriu linhas de financiamentos muito interessantes, mas junto com isso a exigência de nacionalização de equipamentos muito forte. Então, o desafio é conseguir casar tudo isso com o fornecimento nacional para conseguir chegar no preço competitivo de 262 reais que foi dado", disse ele. Sartori acrescentou que a empresa não conseguiu comprovar contrato de gás natural para a térmica Termo São Paulo (550 MW), em Canas (SP), e não se habilitou para participar do leilão de energia A-5 marcado para 28 de novembro.

Justiça do Distrito Federal aceita denúncia contra Arruda

A 7ª Vara Criminal do Distrito Federal determinou o prosseguimento da ação criminal contra o ex-governador José Roberto Arruda, ajuizada pelo Ministério Público estadual. Na ação, a Promotoria denuncia Arruda por “inserir declaração falsa em documento para alterar a verdade dos fatos”. Segundo a Promotoria, o ex-governador teria elaborado quatro declarações falsas para justificar o recebimento de montantes em dinheiro do delator do Mensalão de Brasília, Durval Rodrigues Barbosa, protagonista de um esquema de compra de apoio político, em 2009. As declarações teriam sido usadas para “alterar fatos investigados” em inquérito que tramitava no Superior Tribunal de Justiça. O próximo passo do processo será a realização da audiência de instrução e julgamento, na qual serão ouvidas as testemunhas e interrogado o réu. Segundo a acusação, na primeira declaração, Arruda afirma que recebeu R$ 20 mil de Durval Barbosa Rodrigues para “pequenas lembranças e campanha de Natal de 2004″. No segundo documento, sem data, o acusado teria declarado que recebeu R$ 30 mil de Durval, “para pequenas lembranças e campanha de Natal de 2005″. No terceiro documento, sem data, o acusado teria declarado que recebeu R$ 20 mil de Durval, “para pequenas lembranças e campanha de Natal de 2006″. No quarto documento, também sem data, o acusado teria declarado que recebeu R$ 20 mil de Durval, “para pequenas lembranças e campanha de Natal de 2007″. Em defesa preliminar, o ex-governador afirmou que há cerca de 15 anos faz doações, por simples benemerência, sem caráter público, no período do Natal, a instituições assistenciais, beneficiando creches, orfanatos, asilos, entre outros. Sua ação filantrópica vem sendo registrada em livro próprio, a que denomina “livro de ouro”, e este documento foi submetido à Justiça Eleitoral, que concluiu que “nenhuma providência há de ser adotada”. Defendeu a inexistência de crime, alegando que adulteração de documento sem propósito algum não constitui fato típico. Apontou a inépcia da denúncia e a falta de justa causa para a ação penal. Ao final requereu sua absolvição sumária. Ao decidir pelo prosseguimento da ação, o juiz afirmou: “Não há como, no presente momento, encerrar o processo penal, uma vez que a rigor estão presentes as condições da ação, possibilidade jurídica do pedido, legitimidade, interesse de agir e justa causa, que já foram objeto do juízo de admissibilidade realizado por ocasião do recebimento da denúncia, em 30 de setembro de 2013″. O advogado João Francisco Neto, que faz parte da equipe que defende Arruda, informou que a acusação contra o ex-governador é frágil. “Não houve falsificação nenhuma”, afirma. “”A denúncia formulada contra José Roberto Arruda é ignóbil, pois pretende-se criminalizar ação filantrópica e benevolente, realizada durante muitos anos, independente de ocupação política ou mandato eletivo, a partir de acusações mentirosas de Durval Barbosa, que não tem qualquer compromisso com a verdade, mas sim com interesses espúrios e inconfessáveis. A decisão judicial, portanto, revela-se equivocada e será reformada pelos Tribunais da República, oportunamente".

FBI prendeu três jovens americanas tentaram se juntar ao Estado Islâmico

O escritório do FBI em Denver afirmou, nesta terça-feira, 21, estar investigando o caso de três meninas dessa cidade, no Colorado, que foram detidas na Alemanha enquanto tentavam embarcar para a Síria para se juntar aos terroristas do Estado Islâmico (EI). A porta-voz da polícia federal americana em Denver, Suzie Payne, disse que as meninas foram detidas na Alemanha por agentes do FBI. Elas já foram levadas de volta para os Estados Unidos e estavam com suas famílias. Suzi não divulgou a identidade das três garotas ou outros detalhes da operação. O anúncio foi feito um mês depois de a jovem Shannon Conley, de 19 anos e também de Denver, se declarar culpada das acusações de ter conspirado para ajudar militantes na Síria.

Justiça do Distrito Federal aceita denúncia contra Arruda

A 7ª Vara Criminal do Distrito Federal determinou o prosseguimento da ação criminal contra o ex-governador José Roberto Arruda, ajuizada pelo Ministério Público estadual. Na ação, a Promotoria denuncia Arruda por “inserir declaração falsa em documento para alterar a verdade dos fatos”. Segundo a Promotoria, o ex-governador teria elaborado quatro declarações falsas para justificar o recebimento de montantes em dinheiro do delator do Mensalão de Brasília, Durval Rodrigues Barbosa, protagonista de um esquema de compra de apoio político, em 2009. As declarações teriam sido usadas para “alterar fatos investigados” em inquérito que tramitava no Superior Tribunal de Justiça. O próximo passo do processo será a realização da audiência de instrução e julgamento, na qual serão ouvidas as testemunhas e interrogado o réu. Segundo a acusação, na primeira declaração, Arruda afirma que recebeu R$ 20 mil de Durval Barbosa Rodrigues para “pequenas lembranças e campanha de Natal de 2004″. No segundo documento, sem data, o acusado teria declarado que recebeu R$ 30 mil de Durval, “para pequenas lembranças e campanha de Natal de 2005″. No terceiro documento, sem data, o acusado teria declarado que recebeu R$ 20 mil de Durval, “para pequenas lembranças e campanha de Natal de 2006″. No quarto documento, também sem data, o acusado teria declarado que recebeu R$ 20 mil de Durval, “para pequenas lembranças e campanha de Natal de 2007″. Em defesa preliminar, o ex-governador afirmou que há cerca de 15 anos faz doações, por simples benemerência, sem caráter público, no período do Natal, a instituições assistenciais, beneficiando creches, orfanatos, asilos, entre outros. Sua ação filantrópica vem sendo registrada em livro próprio, a que denomina “livro de ouro”, e este documento foi submetido à Justiça Eleitoral, que concluiu que “nenhuma providência há de ser adotada”. Defendeu a inexistência de crime, alegando que adulteração de documento sem propósito algum não constitui fato típico. Apontou a inépcia da denúncia e a falta de justa causa para a ação penal. Ao final requereu sua absolvição sumária. Ao decidir pelo prosseguimento da ação, o juiz afirmou: “Não há como, no presente momento, encerrar o processo penal, uma vez que a rigor estão presentes as condições da ação, possibilidade jurídica do pedido, legitimidade, interesse de agir e justa causa, que já foram objeto do juízo de admissibilidade realizado por ocasião do recebimento da denúncia, em 30 de setembro de 2013″. O advogado João Francisco Neto, que faz parte da equipe que defende Arruda, informou que a acusação contra o ex-governador é frágil. “Não houve falsificação nenhuma”, afirma. “”A denúncia formulada contra José Roberto Arruda é ignóbil, pois pretende-se criminalizar ação filantrópica e benevolente, realizada durante muitos anos, independente de ocupação política ou mandato eletivo, a partir de acusações mentirosas de Durval Barbosa, que não tem qualquer compromisso com a verdade, mas sim com interesses espúrios e inconfessáveis. A decisão judicial, portanto, revela-se equivocada e será reformada pelos Tribunais da República, oportunamente".

FBI prendeu três jovens americanas tentaram se juntar ao Estado Islâmico

O escritório do FBI em Denver afirmou, nesta terça-feira, 21, estar investigando o caso de três meninas dessa cidade, no Colorado, que foram detidas na Alemanha enquanto tentavam embarcar para a Síria para se juntar aos terroristas do Estado Islâmico (EI). A porta-voz da polícia federal americana em Denver, Suzie Payne, disse que as meninas foram detidas na Alemanha por agentes do FBI. Elas já foram levadas de volta para os Estados Unidos e estavam com suas famílias. Suzi não divulgou a identidade das três garotas ou outros detalhes da operação. O anúncio foi feito um mês depois de a jovem Shannon Conley, de 19 anos e também de Denver, se declarar culpada das acusações de ter conspirado para ajudar militantes na Síria.

Denúncias da Petrobras prejudicam o petista Delcídio Amaral no Mato Grosso do Sul

A polarização entre PT e PSDB que, no âmbito nacional, teve troca de acusações sobre desvios na Petrobras, se repete na disputa pelo governo de Mato Grosso do Sul. Delcídio Amaral (PT), que aparecia como favorito a vencer no primeiro turno, aparece agora numericamente atrás do adversário, em empate técnico com o tucano Reinaldo Azambuja, que tem 51% dos votos válidos contra 49% do petista. A situação eleitoral do petista começou a se alterar quando o nome dele foi citado nas investigações de desvios da Petrobras. As notícias viraram a principal arma dos tucanos nos programas eleitorais de rádio e TV. "Não deixamos de explorar isso em momento algum. No final do primeiro turno chegamos a usar um programa inteiro com as denúncias. Teve efeito, conseguimos conter o crescimento do adversário e aumentar a rejeição dele", afirmou Rodrigo Mendes, coordenador de marketing da campanha do PSDB. Também fez parte da estratégia mudar a forma como a campanha se referia ao adversário. Em vez de Delcídio, passou a ser identificado pelos tucanos como "Delcídio do PT". O presidente estadual do PT, Paulo Roberto Duarte, admitiu que as investidas do PSDB no campo da corrupção contribuíram para que o partido não ganhasse no primeiro turno. "Toda essa campanha do PSDB aqui foi semelhante à adotada por Aécio Neves no âmbito nacional. Aqui o Delcídio apanhou o tempo inteiro. É possível que não tenha ganhado por conta dessa pancadaria", afirmou Duarte. Segundo o dirigente petista, o partido vai contra atacar tentando desconstruir o candidato do PSDB.

PSDB quer ouvir os petistas Paulo Bernardo e Gleisi Hoffman na CPMI do Petrolão

O PSDB apresentou nesta terça-feira requerimentos para convidar o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e a mulher dele, a ex-ministra da Casa Civil e senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), para depor na CPI mista da Petrobras. Os pedidos têm como base reportagem de domingo do jornal O Estado de S. Paulo em que é relatado que o ex-diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, declarou, em depoimentos que têm prestado na delação premiada, ter repassado R$ 1 milhão para a campanha de Gleisi ao Senado em 2010. Segundo a reportagem, o pedido para Paulo Roberto Costa ajudar na campanha teria sido formulado pelo doleiro Alberto Youssef. "Em seu depoimento, Paulo Roberto Costa fez menção ao fato de que, no ano de 2010, Paulo Bernardo, que é marido de Gleisi Hoffmann, ocupava o cargo de ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva", justificou o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que também é coordenador jurídico da campanha presidencial de Aécio Neves, nos dois requerimentos. Os convites têm de ser aprovados em uma sessão administrativa da CPI. Em menor número na comissão, os oposicionistas pressionam os integrantes da base aliada para transformar em sessão administrativa a reunião da CPI marcada para esta quarta-feira (22), que vai ouvir o atual diretor de Abastecimento, José Carlos Cosenza. Para garantir a mudança da sessão da CPI em votação é preciso que, ao menos, 17 parlamentares marquem presença na reunião. Sem a presença dos integrantes da base, contudo, a oposição sozinha não consegue tal quorum mínimo. Por se tratar de convite, mesmo se for aprovado, o convidado, como é o caso de Paulo Bernardo e Gleisi, pode declinar da presença na CPI. Em caso de convocação, a pessoa ou autoridade tem a obrigação de comparecer.

Leilão de energia A-5 deve ter poucas térmicas a gás, diz EPE

O leilão de energia A-5 marcado para 28 de novembro não deve ter grande número de térmicas a gás natural, já que a maioria dos projetos inscritos não conseguiu comprovar contratação de gás, disse o diretor de Estudos de Energia Elétrica da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), José Carlos de Miranda Farias. Ele não quis adiantar o número exato de projetos habilitados mas confirmou que as térmicas Azulão (104 MW), da Petrobras, e Mauá III, da Eletrobras, comprovaram ter contratos de suprimento. A lista oficial das habilitadas, segundo ele, deve ser divulgada em novembro. "Eu diria que não foi uma grande quantidade (de projetos a gás habilitados), mas várias conseguiram alguns contratos. Pena que algumas conseguiram, mas já passou o prazo. Mas vai pro próximo leilão", disse Miranda Farias após palestra no evento Power-Gen Brasil, organizado pela PenWell. Outras térmicas no Sul e no Nordeste do País devem estar no leilão, usando gás importado, o gás natural liquefeito (GNL). Cerca de 20,6 gigawatts de projetos termelétricos a gás natural estavam inscritos para participar, mas esperava-se que o número seria bem menor devido à exigência da EPE de que projetos comprovassem ter contratos para projetos antes do leilão. No Brasil, a Petrobras é praticamente a única fornecedora de gás natural e não tem capacidade para atender todos os projetos interessados no leilão. Com isso, empreendedores de projetos térmicos têm buscado gás natural liquefeito importado e negociado com a Petrobras o uso da capacidade ociosa de seus de terminais de regaseificação de GNL para viabilizar projetos. Outros estudam montar projetos próprios de regaseificação no Nordeste e no Sul do País. Miranda Farias disse que o projeto da Bolognesi, no Rio Grande do Sul, que estava cadastrado para o leilão com a intenção de também construir planta de regaseificação de gás, "está sendo analisado e, provavelmente, vai concorrer". Os preços de GNL no Exterior estão altos, diante da forte demanda e há dificuldades dos empreendedores de fechar contratos de longo prazo a preços competitivos. Miranda Farias disse acreditar que haverá novas descobertas de gás natural no Brasil no futuro para desenvolvimento de novos projetos térmicos.

Dilma desmarca comício na Cinelândia, no Rio de Janeiro

A campanha petista desmarcou o comício que estava previsto para esta quarta-feira, 22, na Cinelândia, no Rio de Janeiro, como uma das atividades de encerramento da campanha à reeleição de Dilma Rousseff, com a presença do ex-presidente Lula. De última hora, foi marcada a viagem de Dilma a Minas Gerais, onde participará de evento em Uberaba, às 10 horas. À tarde, a candidata segue para o Rio de Janeiro, para uma caminhada na feira de São Cristóvão, na Zona Norte, às 13h; e uma carreata em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, às 17h.

Estado Islâmico gera US$ 800 milhões graças ao petróleo

A produção de petróleo do Estado Islâmico (EI) é estimada em US$ 800 milhões, o equivalente a US$ 2 milhões por dia, segundo cálculos da empresa americana IHS. "O grupo terrorista é capaz de gerar lucros significativos mesmo produzindo apenas uma fração da capacidade de petróleo do território sob seu controle e vendendo o que produz com um preço muito baixo no mercado negro", diz a IHS em um comunicado. A empresa americana acredita que a capacidade de produção do Estado Islâmico é de 350.000 barris por dia (bpd), mas tem produzido apenas entre 50 e 60 mil bpd, que depois é vendido no mercado negro por um preço entre US$ 25,00 e US$ 60,00 o barril (US$ 40,00 em média) - bem abaixo das taxas vigentes nos mercados internacionais. O Brent está atualmente em torno de US$ 85,00 por barril. As vendas de petróleo do Estado Islâmico se "fazem essencialmente por meio de caminhões por rotas de contrabando a partir da fronteira com a Turquia", explica IHS. "O petróleo alimenta a máquina de guerra do Estado Islâmico, especialmente os veículos militares vitais para seus movimentos e combates" e "financia diretamente as muitas atividades" do grupo, diz a empresa. No entanto, a capacidade de refino do Estado Islâmico não está claramente estabelecida. A IHS estima ser bastante limitada a unidades móveis que cobrem principalmente o consumo próprio do grupo. Os jihadistas do Estado Islâmico, que lançaram uma grande ofensiva no início de junho no Iraque, controlam extensas faixas de território iraquiano e tentam tomar a cidade curda de Kobani, na Síria.

Conta de luz terá reajuste médio de mais de 17% na tarifa

PAULO LOPES/FUTURA PRESS

A nova rodada de reajustes obrigatórios da conta de luz, autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), elevou a 17,63% o aumento médio da tarifa de energia de 68,7 milhões de unidades consumidoras em todo o País neste ano. Os chamados grandes consumidores, como indústrias, tiveram suas tarifas reajustadas em 18,20% na média. Nas residências, a conta de luz subiu 17,41% na média deste ano. A alta média ordinária aprovada pela Aneel superou a projeção do Banco Central, que estima aumento de 16,8% nas tarifas de energia neste ano. O resultado final pode ser ainda maior, já que o cálculo considera os reajustes autorizados pela Aneel para 56 distribuidoras de energia elétrica em todo o País, desde o início do ano. Até dezembro, outras oito distribuidoras ainda terão analisado o processo de reajuste tarifário pela Aneel. A principal delas é a Light, que atende cerca de 4 milhões de unidades consumidoras no Rio de Janeiro e na Baixada Fluminense. Também terão suas tarifas reajustadas as distribuidoras Boa Vista Energia, Amazonas Energia, Companhia Energética de Roraima (CERR), Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre) e Companhia Sul Sergipana de Eletricidade (Sulgipe). A Aneel aprovou reajustes para três distribuidoras. As tarifas da CPFL Piratininga terão aumento médio de 22,43%. Para grandes consumidores, o reajuste será de 24,35%. Nas residências, serão 20,98%. A companhia atende 1,6 milhão de unidades consumidoras em Santos, Sorocaba, Jundiaí e outros 24 municípios do litoral e do interior de São Paulo. Com 1,7 milhão de unidades consumidoras, a Bandeirante Energia terá suas tarifas elevadas em 21,93%, em média. Para grandes consumidores, o reajuste será de 23,78% e para residenciais, 20,6%. A empresa atende 28 municípios de São Paulo nas regiões do Alto do Tietê e Vale do Paraíba. Para os 70 mil clientes da DME Distribuição, de Poços de Caldas (MG), o aumento médio de 13,69%. Grandes consumidores terão alta de 15,44%, e residenciais, de 12,28%.
No último Relatório Trimestral de Inflação, divulgado em setembro, o BC projetava elevação de 16,8% nas tarifas de energia elétrica neste ano. Foi a quarta revisão do BC. No fim do ano passado, a autoridade monetária projetava alta de 7,5%. Em abril, a previsão passou a 9,5%. Em seguida, subiu a 11,5% em maio e a 14% em julho. Questionado sobre a projeção, o BC informou que suas previsões estão ancoradas não apenas nos reajustes tarifários, mas também em fatores sazonais, como o clima. Além disso, a autoridade monetária considera a inflação de preços livres e a alta de preços medida pelo Índice Geral de Preços (IGP). Pelo IPCA, índice oficial, a inflação da energia residencial acumula 13,19% até setembro. A equipe econômica tem usado os reajustes concedidos pela Aneel para combater o discurso de que o governo controla a inflação segurando os chamados preços administrados, como gasolina e energia elétrica. O aumento do custo da energia foi a principal causa dos elevados reajustes concedidos para as distribuidoras neste ano. Com a seca, o governo decidiu poupar água dos reservatórios das usinas hidrelétricas e acionar as térmicas, que geram energia mais cara. Praticamente, todo o parque de termelétricas está em funcionamento desde outubro de 2012. Até agora, o maior reajuste autorizado pela Aneel foi o da Elektro. O aumento médio foi de 37,78%. As tarifas dos grandes consumidores subiram 40,79%, e a dos residenciais foram elevadas em 35,97%. A companhia atende 2,4 milhões de unidades consumidoras em 223 cidades de São Paulo e cinco de Mato Grosso do Sul.

Em comício em Goiânia, Aécio promete 'libertar o Brasil' da 'infâmia'

Em tom quase profético, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disse na noite desta terça-feira, na Praça Cívica, no centro de Goiânia, que pretende "libertar" o País do "tempo da infâmia e da mentira". Ele acusou o governo da petista Dilma Rousseff de autoritarismo. "Nestes cinco dias que nos separam da grande libertação, sejam a minha voz rouca, sejam a minha coragem, para que possamos mudar de verdade o Brasil", afirmou. O comício durou apenas meia hora, incluindo a execução do hino nacional. O evento, que contou com cascata de fogos e chuva de papéis picados, foi filmado para os últimos momentos do programa gratuito na TV. No discurso, Aécio Neves lembrou o avô, Tancredo Neves, eleito indiretamente para a Presidência, em 1985, que fez comício na mesma praça na campanha por eleições diretas. "Assim como há 30 anos Tancredo convocava de Goiás todos os brasileiros para deixar o regime autoritário, quero convocar os brasileiros a deixar para trás o tempo da corrupção, do desgoverno, da irresponsabilidade, da infâmia e da mentira", declarou: "Vamos construir um Brasil novo, onde todos têm oportunidade de construir o seu destino". O governador goiano e candidato à reeleição, Marconi Perillo, presente no comício, disse que Aécio vai "moralizar" o Brasil. Em pesquisa IBOPE, divulgada horas antes, Perillo aparece com 60% dos votos válidos, contra 40% de Iris Rezende, do PMDB. Aécio Neves retribuiu às palavras de Perillo: "No dia 1º de janeiro, com fé em Deus, estarei subindo a rampa do Palácio do Planalto ao lado de cada um de vocês, subirei essa rampa de mãos dadas com Marconi para iniciamos o grande trabalho de transformação e desenvolvimento do seu Estado". Na semana passada, em Porto Alegre, ele também prometeu subir a rampa de "mãos dadas" com José Ivo Sartori, candidato do PMDB ao governo gaúcho. Debate na TV. Pouco antes do comício na Praça Cívica, em rápida entrevista, Aécio Neves adiantou que manterá, nos últimos dias de campanha, especialmente no debate da TV Globo, na sexta-feira, a estratégia de ataques e contraataques duros. Ele reclamou que Dilma não economizou até agora em "ofensas" pessoais.  "Não deixarei nenhum ataque sem resposta", afirmou: "Eu me preparei 30 anos para viver este momento. Por isso, vou responder com o mesmo tom". Com a voz rouca, ele admitiu que a campanha é de "baixo nível", mas pôs a culpa apenas na candidatura do PT:  "Essa campanha vai passar para a historia como a de mais baixo nível que assistimos por ação do governo. Das 22 inserções e comerciais da minha adversária no segundo turno, 19 eram para me atacar. Isso não foi um desrespeito apenas contra mim e minha família, mas aos brasileiros que deixaram de ver propostas". Ao lado do governador de Goiás e candidato à reeleição, o tucano Marconi Perillo, Aécio Neves disse que pretende surpreender nas urnas. "Estou animado e convencido que a onda de mudança, que foi vitoriosa no primeiro turno, haverá de ser vitoriosa também no segundo turno", afirmou. "A cada mentira e a cada ataque responderei com a verdade. Eu não sou o candidato de um partido ou de uma coligação, m as o candidato da mudança, daqueles que se indignam com denúncias de corrupção", ressaltou: "O Brasil merece um governo decente e qualificado".

Morre Ben Bradley, o editor do Washington Post no caso Watergate

Ben Bradlee chefiou a redação do 'Washington Post' por 26 anos

Ben Bradlee chefiou a redação do 'Washington Post' por 26 anos (Alex Gallardo/Reuters)
O jornalista americano Ben Bradlee, que comandou a redação do jornal Washington Post por 26 anos e dirigiu a cobertura do escândalo de Watergate, morreu de causas naturais nesta terça-feira, aos 93 anos, em sua casa, em Washington. Como editor do Washington Post, Bradlee entregou aos jovens repórteres Bob Woodard e Carl Bernstein a reportagem sobre o arrombamento do Comitê Nacional Democrata, no prédio Watergate, na capital americana. Durante as investigações, ele apoiou e orientou a dupla na apuração que ligaria a Casa Branca a um escândalo de sabotagem e espionagem que culminaria na renúncia do presidente Richard Nixon, em 1974. No comando do jornalismo do periódico por 26 anos, entre 1965 e 1991, Bradlee guiou a transformação do ‘Post’ em um dos maiores jornais do mundo. Sob sua administração, a equipe e a tiragem do diário dobraram de tamanho e o orçamento dedicado às reportagens saltou de 3 para 60 milhões de dólares. Com Bradlee, o jornal, que antes só havia vencido um prêmio Pulitzer por reportagem, ganhou mais dezessete. "Seu charme e talento para a liderança ajudaram a atrair e inspirar uma equipe talentosa e acabaram por transformá-lo no mais celebrado editor de sua era", escreveu o Washington Post em seu obituário. Concorrente do jornal da capital dos EUA, o New York Times também dedicou elogios ao jornalista, dizendo que Bradlee está "carimbado na cultura americana como o exemplo perfeito de editor de jornal de sua época – áspero, cativante e persistente". Outro fato marcante na trajetória do editor foi a decisão de publicar em 1971 documentos secretos do Pentágono sobre a Guerra do Vietnã – mesmo com uma forte pressão contrária de Richard Nixon. Alegando que a divulgação das informações poderia prejudicar a segurança nacional, o governo americano tentou até o fim impedir a publicação. A questão foi parar na Suprema Corte que decidiu a favor do jornal e da liberdade de imprensa.

IBOPE GANHOU R$ 5,2 MILHÕES DO GOVERNO DILMA PARA MEDIR "TRAÇO"

Dos R$ 12,7 milhões pagos pelo governo Dilma Rousseff (PT) a institutos de pesquisa, R$ 11 milhões foram destinados somente a empresas do grupo Ibope. E sempre sem licitação. O Ibope embolsou R$ 5,2 milhões, por exemplo, somente nos últimos três anos e dez meses, para confirmar o que todo mundo já sabe, principalmente no governo: não sai do “traço” a audiência da TV Brasil, a “tevê do Lula”. A TV Brasil, em Brasília sintonizada no canal 2, é mantida pela estatal Empresa Brasil de Comunicação (EBC), criada no governo Lula. Os pagamentos do governo Dilma a institutos de pesquisa saíram da verba publicitária da Secretaria de Comunicação da Presidência. Em 2013, por exemplo, o Ibope recebeu do governo federal mais de R$ 1 milhão para aferir a audiência da TV Lula. Outros institutos, como Datafolha e MDA, ganharam um bom dinheiro no governo Dilma, mas quase dez vezes menos que o Ibope.

AÉCIO DIZ EM CAMPO GRANDE QUE VAI LIBERTAR O BRASIL DO PT

Reinaldo Azambuja e Aecio by orlando brito
Reinaldo Azambuja (PSDB), que lidera no Mato Grosso do Sul, recebeu apoio de Aécio em Campo Grande

Ao lado de lideranças do Estado do Mato Grosso do Sul, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, subiu o tom contra os petistas e reiterou que vai “libertar” os brasileiros do governo do PT. “Vou vencer as eleições e vou tirar o governo do PT. Vou libertar os brasileiros desse partido político que esqueceu dos brasileiros”, afirmou Aécio em comício realizado nesta terça-feira, 21, no Clube nipo-brasileiro. Aécio lembrou que restam apenas cinco dias para a eleição e convocou os presentes para “fazer a mudança mais importante nos últimos anos”, em referência à própria eleição. “O que está em jogo é muito mais do que a vitória de um partido político. Temos uma oportunidade histórica”, disse. “Fiquem vigilantes até o dia 26″. Mais cedo, em coletiva de imprensa, Aécio contestou o resultado do Datafolha, que o mostrou numericamente atrás de Dilma Rousseff (PT), no limite do empate técnico. Os institutos de pesquisas estão devendo explicações desde o primeiro turno. Os erros foram grosseiros em toda parte”, afirmou. “Se o resultado é esse, em comparação com o primeiro turno, considero que o Datafolha me coloca como próximo presidente da República”. No ato em Campo Grande, o candidato do PSDB ao governo do Estado Reinaldo Azambuja, ironizou o adversário do PT na disputa local Delcídio Amaral. “Aqueles que achavam que iam ganhar no primeiro turno compraram até o terno da festa mas esqueceram de combinar com o povo”, disse. De acordo com a última pesquisa Ibope, divulgada ontem, Azambuja tem 51% dos votos válidos contra 49% de Delcídio, em empate técnico. Aécio e Azambuja defenderam o voto casado no Estado com o objetivo de fortalecer futuras parcerias nas áreas de infraestrutura, saúde e segurança.