quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Papéis de empresas brasileiras despencam em Wall Street

Os investidores estrangeiros tiveram outro dia de mau humor com o Brasil em Wall Street. Os American Depositary Receipts (ADRs, recibos que representam ações) de empresas brasileiras fecharam a quinta-feira com forte queda, influenciada, segundo operadores, pelo crescimento da candidata à reeleição Dilma Rousseff nas pesquisas de intenção de voto. Os papéis do Banco do Brasil despencaram 9,5%, os da Eletrobrás caíram 6,7% e os da Petrobrás tiveram perda de 5%. O mau humor com o Brasil nesta quinta-feira não ficou restrito às ações do que vem sendo chamado no mercado financeiro de “kit eleição”, os papéis das empresas Petrobrás, Eletrobrás e Banco do Brasil, que são normalmente os mais influenciados pelos rumores eleitorais e os números das pesquisas de intenção de voto. Outras empresas e bancos tiveram ADRs em forte queda. Entre elas, a Gafisa caiu 8% e o Itaú recuou 4,4%. Das estatais estaduais, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) caiu 5,7% e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) perdeu 6,8%.
A queda das ações de empresas brasileiras ocorreu em um dia marcado por fortes altas nas bolsas norte-americanas. O Nasdaq subiu 1,6% e o Dow Jones, principal índice da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), teve ganho de 1,3%. A Petrobras teve o maior volume de negócios do dia de toda a NYSE, superando as operações de empresas conhecidas dos Estados Unidos, como Bank of America, segundo maior banco norte-americano em ativos, a AT&T, uma das maiores operadoras de telefonia do país e as montadoras Ford e General Motors. Além das ações, os fundos de índice (Exchange Traded Funds ou ETFs), que reproduzem ativos brasileiros e são listados em bolsas, também tiveram queda forte nesta quinta-feira em Wall Street. Entre os fundos negociados na plataforma Arca, da NYSE, o Direxion Daily Brazil Bull, da Direxion Investiments, despencou 11%, e o ProShares Ultra MSCI Brazil Capped, da gestora ProShares, recuou 7%. O Direxion Daily tem entre suas apostas, segundo seu prospecto, papéis da Petrobras, Ambev, Itaú e Vale.

Juiz autoriza depoimento de Youssef na CPMI da Petrobras

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal  em Curitiba, autorizou nesta quinta-feira que o doleiro Alberto Youssef preste depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) na quarta-feira, às 14h30min. Apesar de ter poderes para convocar investigados, a autorização formal é necessária para que o doleiro deixe a carceragem da Superintendência da Polícia Federal e seja transportado para Brasília. Na decisão, Moro pediu que Youseff não seja conduzido com algemas e lembrou que ele tem o direito de ficar em silêncio durante o depoimento. "Não sendo Alberto Youssef acusado de crimes praticados com violência ou grave ameaça, deve ser evitada a utilização de algemas na apresentação do preso. De forma desnecessária e redundante, consigno, não obstante, que a Alberto Youssef devem ser garantidos os direitos inerentes à condição de acusado/investigado, inclusive direito ao silêncio e à assistência pelo defensor constituído", disse o juiz. No início deste mês, em depoimento à Justiça Federal, nas ações penais oriundas da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, Youssef disse que "agentes políticos" trancaram a pauta no Congresso para forçar a nomeação do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, feita pelo líder do PP à época, José Janene, que morreu em 2008. Segundo ele, o então presidente Lula da Silva foi pressionado por partidos aliados a aceitar a indicação de Paulo Roberto Costa.

O sindicato petista religioso CNBB, uma ong que não representa os católicos, lamenta "ataques pessoais" na campanha

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Raymundo Damasceno Assis, afirmou nesta quinta-feira, 23, que é "lamentável" que a campanha eleitoral "descambe para taques pessoais". O cardeal é um bispo proto-comunista, que substituiu o catecismo pelo manifesto comunista. É bispo vermelho, que transformou a CNBB em sindicato religioso do PT. Esse bispo vermelho ignora, de maneira muita canalha, a campanha mentirosa e terrorista do petismo e da candidata búlgara Dilma. "É lamentável. Sempre disse aos candidatos que o importante não era o resultado da eleição, mas a contribuição que eles dariam na campanha para aperfeiçoar a nossa democracia", afirmou o bispo vermelho, em uma coletiva de imprensa na qual apresentou as discussões abordadas no Sínodo dos Bispos, que aconteceu em outubro no Vaticano. "Muitas vezes a campanha toma outro rumo e lamentamos". Para ele, muitas vezes se vê nos debates "ataques pessoais", e não a apresentação de propostas. A CNBB não representa os católicos, e nem a igreja Católica no Brasil. A CNBB é uma ong, que reúne bispos petistas. A CNBB, também conhecida como Conferência Nacional dos Bispos Bolivarianos, é um sindicato petista entre os católicos.

UMA INDÚSTRIA CRIMINOSA CONTRA AÉCIO – Beneficiária do Bolsa Família recebe mensagem com ameaça velada de que Aécio Neves acabará com programa

MENSAGEM CRIMINOSA
Por Maria Lima, no GloboA empregada doméstica M.L.S recebeu na noite de quarta-feira uma mensagem sugerindo que, se eleito, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, pode acabar com o programa Bolsa Família. Mãe de três filhos pré-adolescentes, ela recebe cerca de R$ 500 e foi sorteada, em agosto último, para receber uma casa do programa Minha Casa Minha Vida. A secretaria de Habitação do governo do Distrito Federal despachou 50 mil cartas a inscritos no programa dizendo que teriam sido sorteados. M.L.S foi uma delas e aguarda ser chamada para receber o imóvel. E está assustada com a possibilidade de perder tudo. “ Minha vizinha também recebeu essa mensagem ontem à noite. E ela me disse que lá em Minas Gerais, onde o Aécio foi governador, estão dizendo que ele não é boa pessoa não’, contou M.L.S". O PSDB já entrou com representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que se investigue denúncias do uso do cadastro único do Bolsa família em mensagens sugerindo que Aécio Neves acabaria com o Bolsa Família. As mensagens estariam sendo veiculadas aos bolsistas, majoritariamente mulheres, onde Aécio Neves vem perdendo terreno. “Estamos pedindo que se investigue se a campanha da presidente Dilma Rousseff ou seus apoiadores estão usando o cadastro único dos programas sociais para sugerir que Aécio acabaria com o Bolsa Família, se eleito, com o uso de robôs e empresas de telemarketing “, explicou Antônio Marra, do escritório de José Eduardo Alckmin, contratado pelo PSDB. O número que aparece na tela como tendo enviado a mensagem, tem prefixo de Minas Gerais (31) 83435079 – mas trata-se de um robô de uma central, como se fosse de telemarketing. O texto reproduz a propaganda da candidata Dilma Rousseff na TV e diz: “O PSDB sempre chamou o Bolsa Família de Bolsa Esmola. Agora Aécio diz que não é contra. Não dá para confiar nele”. A campanha petista estaria usando um serviço de telemarketing oferecido a empresas para enviar grandes quantidades de mensagens de WhatsApp e torpedos. Há denúncias de que centrais montadas em comitês petistas estariam fazendo ligações com ameaças aos beneficiários dos programas sociais. “É mais uma prova do abuso do poder econômico da campanha petista, e do desprezo pelas regras estabelecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral , que proíbe o uso de telemarketing”, diz o advogado Antônio Cesar Marra, da equipe jurídica da campanha de Aécio Neves. Estão sendo enviadas mensagens de WhatsApp e também repetindo os ataques que Dilma vem fazendo contra Aécio na TV. “A receita de Aécio e Armínio é arrocho, recessão e desemprego. Eles são contra os brasileiros melhorarem de vida. Vote Dilma13″. Neste caso, a campanha viola diretamente o contrato de usuário, que expressamente proíbe o uso de aplicativo para envio massificado de mensagens, o que descumpre o termo de serviço, a que todos os usuários devem se submeter. (…) Por Reinaldo Azevedo

Fernando Henrique Cardoso e namorada pedem eleição com mais amor

Em vídeo enviado por Whatsapp, serviço de mensagem por celular, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fala em amor e pede voto a Aécio Neves (PSDB). O tucano gravou ao lado da namorada, Patricia Kundrat, que também pediu “mais amor” na eleição. Quem começa o vídeo é Patricia. “Gente, essa eleição tá com muita falcatrua, muita mentira e discurso de ódio. Essa eleição tem que ser feita, tratada, com amor”, declarou Patricia, que então olha para o ex-presidente, sentado ao seu lado no sofá, mas que ainda não havia aparecido no vídeo: “Não é, Fernando, meu amore?” Eis que surge o ex-presidente. Sério, ele diz: “É, sim. Eu sempre fiz política acreditando nas coisas, com esperança, com amor. Nunca xinguei, usei argumentos. Mas nós temos agora, nesta eleição, um candidato que também olha o Brasil, olha o futuro, tem alegria, tem esperança, é o nosso candidato. Nós vamos votar nele, no Aécio Neves, no 45″. O tucano pega um adesivo com o número 45 e cola na blusa da namorada. 

Renata Campos e filhos participam de caminhada pró-Aécio no centro do Recife

Um dia depois de aparecer na propaganda eleitoral do candidato Aécio Neves pedindo voto para o tucano, a viúva do ex-presidenciável Eduardo Campos (PSB), Renata Campos, participou no final desta tarde, 23, de caminhada no centro do Recife em prol da candidatura do PSDB. Acompanhada dos filhos João, 20 anos, e Pedro, 18, ela não discursou no final do ato, na Praça da Independência, mas foram mostrados os vídeos de Aécio e da própria Renata pedindo voto, veiculados no último programa eleitoral do PSDB na televisão. O engajamento da família Campos na campanha tucana foi reforçada nesta reta final, quando a presidente Dilma demonstra reação nas pesquisas e aparece como a preferida do eleitorado, acima da margem de erro. O governador eleito Paulo Câmara, o senador eleito Fernando Bezerra Coelho, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio (todos do PSB), deputados federais e estaduais da coligação da Frente Popular, a exemplo do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), participaram da caminhada. Os discursos foram marcados pelo mote da defesa de por um fim ao governo do PT, "que não está fazendo bem ao Brasil", como afirmou o presidente estadual socialista, Sileno Guedes. Depois da morte do ex-governador Eduardo Campos, em um acidente aéreo, no dia 13 de agosto, a família Campos imediatamente apoiou a candidatura de Marina Silva, que era a candidata a vice. Com a sua derrota no primeiro turno, o apoio migrou para o tucano.

O engavetador geral da República, Rodrigo Janot, diz que acordo dos candidatos no TSE é "ato inicial" da reforma política

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também reconhecido como engavetador-geral, após sua atuação para paralisar e impedir as investigações da Polícia Federal na roubalheira dos recursos do Pronaf pelos petistas no Rio Grande do Sul, elogiou a iniciativa do Tribunal Superior Eleitoral de propor acordo entre as equipes de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) para acertar uma trégua nas propagandas eleitorais. Janot, que também é procurador-geral eleitoral, pediu a palavra no início da sessão plenária da Corte eleitoral para classificar a atitude do TSE como "ato inicial da reforma do sistema político eleitoral". É engraçado que esses sujeitos se metam no que não têm nada a ver, e deixem de fazer o que é sua obrigação. Procurador não tem poderes de legislador. "Parece ao procurador-geral eleitoral existir um consenso na sociedade sobre a necessidade da reforma do sistema político do Brasil, um sistema político arcaico, vencido, com o viés corruptor", iniciou Janot. "O TSE, através do seu presidente, assumiu o protagonismo do primeiro ato que inicia ou dá partida a essa reforma no sistema político eleitoral", concluiu. Juiz também não é legislador, e não deve se intrometer no que não tem atribuição. Papel de juiz é aplicar a lei. O presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, ex-advogado do PT, destacou que a possibilidade de chegar a um acordo "se deve principalmente aos candidatos". "Pessoas dignas e com toda a condição de exercer mandato de presidente da República", classificou o ministro. Por que ele não pensou assim no primeiro turno, quando a campanha da "pessoa digna" da petista Dilma fez uma carnificina da candidata Marina Silva? A quem Toffoli pensa que está enganando?

Campanha suja da Dilma é replicada por todo o Brasil. Polícia Federal apreende material no Mato Grosso do Sul


A Polícia Federal apreendeu nesta quinta-feira, 23, material de informática utilizado para disseminar ataques e ofensas pessoais contra o candidato do PSDB ao governo do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja. Os equipamentos foram encontrados em busca realizada na produtora Macarena Vídeos que, segundo os oficiais de Justiça, estava arrendada para a campanha do candidato do PT, senador Delcídio Amaral. O candidato nega relação com a produtora. A busca e a apreensão foram autorizadas pela juíza da 44ª Zona Eleitoral de Campo Grande, Cintia Xavier Letterielo Medeiros, com base em denúncia da campanha do tucano. De acordo com o auto de constatação assinado pelos oficiais, o proprietário do imóvel, Tuba Abrão, informou que arrendara o local à campanha do petista Delcídio Amaral e franqueou a entrada da equipe. Os peritos constataram a existência de material ofensivo ao candidato Reinaldo Azambuja e apreenderam dois discos rígidos de computador. O material foi encaminhado à Justiça que deve pedir ao Ministério Público Estadual a abertura de investigação da possível prática de crimes comum e eleitoral. De acordo com a campanha de Reinaldo, a investigação foi pedida depois que até endereços eletrônicos e números de telefones de familiares e partidários do candidato, como a candidata a vice em sua chapa, foram usados para disseminar ataques e ofensas pessoais. (Folha Poder)

IBOPE INDICA DILMA COM 54%, AÉCIO APARECE COM 46%

O Ibope divulgou na tarde desta quinta-feira (23) pesquisa de votos para o segundo turno da corrida para a Presidência da República. É uma pesquisa completamente suspeita de manipulação de dados. A candidata Dilma Rousseff (PT) aparece em vantagem em relação ao senador Aécio Neves (PSDB). Considerando os votos válidos, a petista soma 54% contra 46% do tucano. Nos votos válidos, são excluídos os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 15, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%. Considerando os votos totais, Dilma aparece com 49% e Aécio com 41%. Branco/nulo somam 7%, não sabe/sem resposta, 3%. O Ibope perguntou, independentemente da intenção de voto, em qual candidato o eleitor não votaria de jeito nenhum. Aécio foi o mais rejeitado, com 42%. Dilma foi rejeitada por 36% dos eleitores. O instituto ouviu 3.010 eleitores em 203 municípios entre os dias 20 e 22 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.  A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-01168/2014.

Diretor do ONS pode ter de devolver salários recebidos nos últimos quatro anos

Hemes Jorge Chipp, diretor-geral do ONS

Hemes Jorge Chipp, diretor-geral do ONS (Paula Giolito/Folhapress)
Como se não bastasse as recentes dores de cabeça causadas por uma das mais severas crises no setor elétrico do país, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) está envolvido em um imbróglio jurídico que atinge diretamente o seu diretor-geral: Hemes Jorge Chipp, pessoa de extrema confiança da presidente Dilma Rousseff (PT). O Ministério Público Federal acusa o servidor de ter sido reconduzido ao cargo em dois momentos: em 2006 e 2010, descumprindo a lei número 9.648/1998, que prevê apenas uma recondução. Como forma de "compensar" a ilegalidade, o órgão pede, entre outras exigências, o ressarcimento de todas as verbas salarias recebidas durante o seu segundo mandato, de 2010 a 2014. O ponto que causa divergência entre o MPF, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e o ONS é o fato de que, durante o período de seis meses, de novembro de 2005 a maio de 2006, Chipp assumiu a diretoria-geral interinamente, após a renúncia do então diretor Mário Santos. "As irregularidades são evidentes a partir de então. Em maio de 2006, o Sr. Hermes Chipp foi reconduzido pelo Ministério de Minas e Energia para cumprir mandato na direção geral até maio de 2010", afirmou a procuradora Luciana Loureiro Oliveira. Antes disso, Chipp também havia comandado a diretoria de Planejamento e Programação do ONS, de 1998 a 2005.
ReproduçãoONS Documento
Principais pedidos feitos pela Procuradoria da República do Distrito Federal à Justiça
No entendimento da Aneel, que fiscaliza o ONS, há categorias diferentes de diretores para efeitos de recondução. O fato de ele ter assumido de forma interina e, depois, em caráter permanente, não caracteriza recondução, nem fere o estatuto do órgão. Mas, para o Ministério Público Federal, "a lei não faz essa diferenciação e abarca todos os cargos diretivos na mesma proibição", e o estatuto de nenhuma entidade deve estar acima da legislação. Desde janeiro de 2014 o processo aguarda sentença da juíza Célia Regina Ody Bernardes, da 21ª Vara Federal do DF. Caberá recurso tanto para o Ministério Público Federal quanto para a Aneel, a depender do resultado da sentença judicial. Em abril deste ano, o governo editou uma medida provisória (MP 643/2014) para autorizar, em caráter "excepcional", a ampliação por dois anos do mandato do diretor-geral do ONS, o que permitiria a Chipp a ficar no cargo até 2016. Na ocasião, o governo alegou que a saída do diretor-geral poderia causar "instabilidade" à estrutura de governança do ONS, em um momento em que o país enfrenta um "regime hidrológico adverso". A medida, no entanto, perdeu validade em agosto, após não ser apreciada por parlamentares e caducar no Congresso.

Datafolha aponta a petista Dilma com 53%, e Aécio Neves com 47%

Candidatos à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB)

Candidatos à Presidência da República: Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) (Felipe Cotrim/VEJA.com)
Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira aponta que a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) tem 53% das intenções de votos válidos (excluídos brancos, nulos e eleitores indecisos), contra 47% do tucano Aécio Neves. Como a margem de erro é de dois pontos porcentuais, é a primeira vez que os dois candidatos não aparecem em empate técnico no segundo turno. Na rodada anterior, a petista marcava 52%, e o tucano, 48%.

Segundo o levantamento, encomendado pelo jornal Folha de S. Paulo e pela TV Globo, se contabilizados os 5% de eleitores que pretendem votar em branco ou nulo e outros 5% que ainda não sabem em quem vão votar, Dilma marca 48% das intenções de votos, ante 42% de Aécio.

A sondagem também aponta que a rejeição ao tucano chegou a 41%, superando a taxa da adversária, de 37%.

O instituto ouviu 9.910 eleitores, nos dias 22 e 23 de outubro, em 399 cidades. A pesquisa está registrada na Justiça Eleitoral com o número BR-01162/2014.
Datafolha/VEJADatafolha

Traficante colombiano preso em Roraima é acusado de 250 homicídios

'Marquitos Figueroa' no momento de sua prisão

Marquito Figueroa no momento de sua prisão em Boa Vista (RR) (Divulgação / Polícia Nacional da Colômbia/VEJA)
O traficante mais procurado da Colômbia, Marcos de Jesús Figueroa García, de 47 anos, preso nesta quarta-feira em Boa Vista (RR), é investigado em mais de 100 inquéritos e acusado de participar de pelo menos 250 assassinatos — entre as vítimas, há autoridades colombianas, como políticos, juízes e promotores. Mais conhecido como Marquito Figueroa, por causa da baixa estatura, ele é apontado como o chefe de uma quadrilha de narcotráfico e contrabando de armas, que atua no norte da Colômbia, na fronteira com a Venezuela. Segundo a Polícia Federal, há indícios de que ele tenha ligações com células das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farcs) e com a facção criminosa mexicana Los Zetas. O traficante foi transferido nesta quinta-feira para São Paulo em um avião da Polícia Federal. Ele deve permanecer preso na capital paulista até que o governo colombiano formalize um pedido de extradição, que pode ser feito em sessenta dias. Figueroa foi detido em uma operação conjunta entre a Polícia Federal e a Polícia Nacional Colombiana, em um bairro de classe média alta de Boa Vista. A prisão foi anunciada pelo presidente do país, Juan Manuel Santos, como uma “captura de altíssimo valor”. O governo do país havia estipulado uma recompensa de 350 milhões de pesos (625.000 reais) para quem compartilhasse informações sobre o seu paradeiro. Em agosto deste ano, as autoridades colombianas informaram à Polícia Federal que o traficante estava morando no Brasil. Segundo o adido policial da Colômbia no Brasil, Narcizo Martinez, dois policiais infiltrados no grupo de Figueroa possibilitaram a descoberta do seu esconderijo. Ligações grampeadas feitas por oito mulheres do traficante confirmaram a sua residência em Boa Vista. “Há muitos anos procurávamos esse delinquente. Ele tem cinco ordens de captura por diferentes delitos, entre eles narcotráfico, contrabando, formação de quadrilha e homicídios. Acreditamos que tenha cometido mais de 250 homicídios, inclusive de autoridades e políticos ligados a prefeitos", disse Martinez, em coletiva concedida, nesta quinta-feira, na sede da Polícia Federal em Brasília.

Historiador Evaldo Cabral de Mello é eleito para a ABL

O escritor, historiador e diplomata, Evaldo Cabral de Mello, durante entrevista, em sua residência, no Rio de Janerio - 2012

O escritor, historiador e diplomata, Evaldo Cabral de Mello, durante entrevista, em sua residência, no Rio de Janerio - 2012  (Tomás Rangel/Folhapress)
Como já era esperado, o historiador pernambucano Evaldo Cabral de Mello foi eleito imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL) nesta quinta-feira, no lugar do escritor baiano João Ubaldo Ribeiro, morto em julho deste ano. Como o poeta maranhense Ferreira Gullar, escolhido na semana passada para a vaga do poeta Ivan Junqueira, também falecido em julho, Cabral de Mello recebeu 36 dos 37 votos possíveis. Também diplomata, Evaldo Cabral de Mello vai ocupar a cadeira de número 34 da ABL, por onde já passaram, além do autor de Viva o Povo Brasileiro e Sargento Getúlio, o fundador João Manuel Pereira da Silva, o Barão do Rio Branco e Carlos Castelo Branco, entre outros. Contemporâneo de Gilberto Freyre e irmão do poeta João Cabral de Melo Neto, Evaldo Cabral de Mello nasceu em 1936 no Recife e estudou Filosofia da História em Madri e Londres, antes de ingressar no Instituto Rio Branco, em 1960, e seguir carreira diplomática. Em paralelo, se especializou em história regional e no domínio holandês sobre Pernambuco, no século XVII. A respeito desse período, escreveu livros como Olinda Restaurada (1975), sua primeira obra,Rubro Veio (1986), sobre o imaginário da guerra entre Portugal e Holanda, e, mais recentemente, e Nassau: Governador do Brasil Holandês (2006), este para a Coleção Perfis Brasileiros, da Companhia das Letras.

Datafolha no Rio de Janeiro: Pezão segue na liderança

Os candidatos ao governo do Rio de Janeiro, Luiz Pezão e Marcelo Crivella

Os candidatos ao governo do Rio de Janeiro, Luiz Pezão e Marcelo Crivella (Ale Silva/Folhapress)
Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira mostra que o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) continua na liderança na disputa pelo governo do Rio de Janeiro, com 46% das preferências, mesmo porcentual do levantamento anterior do instituto no segundo turno. O senador Marcelo Crivella (PRB) avançou de 36% para 38%. A taxa de brancos ou nulos continua em 10%, enquanto o índice de eleitores indecisos recuou de 8% para 6%. Considerados apenas os votos válidos, Pezão saiu de 56% das preferências para 55%, enquanto Crivella oscilou de 44% para 45%. O levantamento foi feito nos dias 22 e 23 de outubro, com 1.554 entrevistados em 38 municípios. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-01162/2014.

Datafolha no Distrito Federal: Rollemberg tem 57%, e Frejat ,43%

Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR)

Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR) (Divulgação/VEJA.com)
Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira aponta que o candidato Rodrigo Rollemberg (PSB) lidera a disputa ao governo do Distrito Federal com 57% das intenções de votos válidos, (excluídos brancos, nulos e eleitores indecisos), contra 43% de Jofran Frejat, do PR. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos. O resultado mostra o cenário eleitoral no DF estável: na pesquisa anterior, divulgada no último dia 16, o resultado foi o mesmo – 57% para Rollemberg e 43% para Frejat. Incluídos os votos brancos e nulos, o candidato do PSB tem 47% das intenções de voto, e Frejat, 36%. Dez por cento dos eleitores pretendem votar branco ou nulo e 7% não souberam responder. A pesquisa foi realizada nos dias 22 e 23 de outubro e ouviu 1.212 eleitores em todo o Distrito Federal. O levantamento está registrado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo número DF-00087/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo número BR-001162/2014.

DATAFOLHA MOSTRA SURRA DE SARTORI NO PETISTA TARSO GENRO, VITÓRIA FOLGADÍSSIMA NO SEGUNDO TURNO

Ivo Sartori e Tarso Genro

José Ivo Sartori (PMDB) e Tarso Genro (PT) (Fernando Teixeira/Folhapress)
O candidato do PMDB ao governo do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, manteve os vinte pontos porcentuais de vantagem sobre o governador petista, Tarso Genro, na disputa do segundo turno, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira. Encomendada pelo grupo RBS e pelo jornal Folha de S. Paulo, o estudo mostra Sartori com 60% dos votos válidos, ante 40% do petista. O cenário com votos válidos não considera os brancos, nulos e indecisos. A margem de erro é de três pontos porcentuais. O resultado é o mesmo da pesquisa anterior, divulgada no dia 15 de outubro. Considerados todos os votos, os dois candidatos subiram um ponto: Sartori foi de 52% para 53%, e Tarso Genro, de 35% para 36%. Os votos brancos e nulos somam 4%, e os indecisos, 7%. No cálculo da taxa de rejeição dos dois candidatos, Tarso aparece com 44% – antes eram 41% – e Sartori, com 25% – eram 20%. Surpresa na eleição gaúcha, o peemedebista saiu da terceira posição nas pesquisas para a liderança no primeiro turno, com 40,4% dos votos válidos – Genro teve 32,5%. Terceira colocada na disputa, com 21,7%, a senadora Ana Amélia Lemos (PP) declarou apoio a Sartori. O instituto entrevistou ao todo 1.541 eleitores em 59 municípios do Estado nos dias 22 e 23 de outubro. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01162/2014.

Dilma e Lula sabiam de tudo, diz o doleiro Alberto Youssef para a Polícia Federal

Capa - Edição 2397



Na última terça-feira, o doleiro Alberto Youssef entrou na sala de interrogatórios da Polícia Federal em Curitiba para prestar mais um depoimento em seu processo de delação premiada. Como faz desde o dia 29 de setembro, sentou-se ao lado de seu advogado, pôs os braços sobre a mesa, olhou para a câmera posicionada à sua frente e se colocou à disposição das autoridades para contar tudo o que fez, viu e ouviu enquanto comandou um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar 10 bilhões de reais. A temporada na cadeia produziu mudanças profundas em Youssef. Encarcerado desde março, o doleiro está bem mais magro, tem o rosto pálido, o cabelo raspado e não cultiva mais a barba. O estado de espírito também é outro. Antes afeito às sombras e ao silêncio, Youssef mostra desassombro para denunciar, apontar e distribuir responsabilidades na camarilha que assaltou durante quase uma década os cofres da Petrobras. Com a autoridade de quem atuava como o banco clandestino do esquema, ele adicionou novos personagens à trama criminosa, que agora atinge o topo da República. Perguntado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras, o doleiro foi taxativo:
— O Planalto sabia de tudo!
— Mas quem no Planalto?, perguntou o delegado.
— Lula e Dilma, respondeu o doleiro.

Exportações do Rio Grande do Sul despencam 8,5% no trimestre


No terceiro trimestre do ano, as exportações do Rio Grande do Sul acumularam 5,84 bilhões de dólares, o que significa uma redução de 541,2 milhões de dólares em relação ao mesmo período do ano anterior. . Em decorrência desse resultado, o valor exportado pelo Estado registrou uma evolução (- 8,5%) inferior à observada no país (0,0%). Os dados sobre o desempenho das exportações do Rio Grande do Sul no mês de setembro foram apresentados nesta quinta-feira pelo economista Guilherme Risco, da Fundação de Economia e Estatística (FEE). A variação do volume das exportações do Estado foi negativa (-25,5%) e bem menor que a ocorrida em nível nacional (1,3%). Os preços no Estado, por sua vez, apresentaram uma evolução superior (22,9%) à nacional (-1,2%). Conforme Risco, esse desempenho colocou o Estado em quarto lugar entre os maiores estados exportadores - abaixo de São Paulo (21,56%), Rio de Janeiro (13,81%) e Minas Gerais (12,05%) -, com 9,21% das exportações nacionais.

Saiba para quem trabalha a gráfica onde foram apreendidos panfletos apócrifos contra José Sartori

A Gráfica e Editora Relâmpago, onde foram apreendidos mais de 20 mil panfletos apócrifos contra o candidato José Ivo Sartori, prestou serviços e emitiu notas fiscais para seis candidatos da coligação Unidade Popular pelo Rio Grande. A empresa conhecida por ser a gráfica oficial dos petistas, foi contratada no primeiro turno pelo deputado reeleito Elvino Bohn Gass — envolvido no esquema milionário de desvio de recursos para a agricultura familiar, segundo inquérito da Polícia Federal — e por Tarso Genro. Ao todo, a coligação gastou R$ 109,9 mil, conforme dados da prestação de contas divulgados no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Elvino Bohn Gass gastou R$ 55,3 mil em material gráfico. Parte do material apreendido estava com o militante Marco Aurélio Zborowski Fernandes, filiado há 22 anos no PT.
Quem e quanto gastou:
R$ 55,3 mil – Elvino Bohn Gass (PT)
R$ 28,6 mil – André Luiz de Mello Machado (PC do B)
R$ 13,5 mil – João Hermínio Marques de Carvalho e Silva (PT)
R$ 6,9 mil – Jeferson Oliveira Fernandes (PT)
R$ 5,3 mil – Tarso Genro
R$ 200 mil – Manuela D’Ávila

Veja diz que Lula e Dilma sabiam de tudo. Revista antecipa edição. Bala de prata reproduz videos incriminando Dilma e Lula na corrupção.

Antes de iniciar a delação do Petrolão, Paulo Costa chegou a declarar: "Se eu falar o que eu sei, não sairá eleição". Sairá ? Dilma terá coragem de ir ao debate amanhã a noite na Globo, sabendo que Aécio poderá mostrar áudio ?
A revista Veja Veja traz gravações da delação premiada que comprovam que Lula e Dilma sabiam do propinoduto da Petrobras. A revista irá esta sexta-feira para as bancas com as gravações que mostram que Dilma e Lula sabiam e concordavam com o propinoduto da Petrobras. Desde o início da semana corriam boatos em São Paulo de que a publicação preparava uma edição para definir o jogo eleitoral. O delator do Petrolão, Paulo Roberto Costa, diz em video, com todas as letras, que combinava tudo com Dilma e com Lula. A intimidade de Paulinho com a dupla era tão grande que ele chegou a ser convidado especial para o casamento de Paula, filha de Dilma, a quem regalou com um presentão. Ele esteve com diretores da Petrobrás na cerimônia religiosa na igreja Santo Antonio e também na festa da Associação Leopoldina Juvenil. As fotos que mostram Paulinho sumiram do mercado, mas pelo menos duas cópias estão com o editor. A revista Veja também tem cópias.

Polícia Federal investiga 164 suicídios de colonos gaúchos após fraude petista em financiamentos rurais

Da jornalista Adriana Irion, em Zero Hora
A suposta fraude envolvendo recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar ( Pronaf ) na região de Santa Cruz do Sul pode ter atingido mais do que apenas os bolsos das vítimas. A Polícia Federal ( PF) listou os 134 suicídios ocorridos entre 2010 e 2013 em nove cidades naquela área do Estado e descobriu que 10 dos mortos fizeram transações financeiras com a Associação Santacruzense dos Agricultores Camponeses ( Aspac), entidade suspeita de liderar o esquema. A investigação teve início em 2012 e a fraude teria prejudicado 6,3 mil agricultores e envolvido recursos na ordem de R$ 79 milhões, segundo as conclusões. Um dos investigados é o deputado federal Elvino Bohn Gass ( PT). Por isso, o caso tramita no Supremo Tribunal Federal. O esquema, segundo a investigação, seria o seguinte: a Aspac, ligada ao Movimento dos Pequenos Agricultores ( MPA), pediria aos filiados que assinassem procurações em branco. Por meio delas, contrairia empréstimos pelo Pronaf, no Banco do Brasil. O dinheiro, liberado, iria parar nas contas da Aspac e, parte dele, seria repassado a contas particulares de dirigentes da entidade – sem que os agricultores soubessem. A Polícia Federal rastreou casos de suicídio que poderiam ter ligação com dívidas decorrentes da fraude. Nos relatórios oficiais, constam as transações bancárias que cada uma das vítimas fez com a associação, além de data e detalhes da ocorrência policial de morte.  A Polícia Federal solicitou dados sobre financiamentos do Pronaf feitos por essas pessoas. Em um trecho de documento que consta do processo no Supremo Tribunal Federal, ao qual Zero Hora teve acesso, está registrado: “As consequências desse esquema criminoso, que utilizou os nomes e as contas bancárias daqueles pequenos agricultores, começam pela negativa de crédito para os colonos, em razão da dívida feita em seus nomes e não quitadas pelos criminosos, o que leva ao agravamento de suas situações econômicas – que já eram precárias – e a prejuízos psíquicos, a ponto de ser cogitado como fator motivador da prática de suicídios de alguns, conforme estudo feito com base nas estatísticas, nas pesquisas com fundamento em estudos sociológicos e nas informações bancárias, tudo já juntado aos
autos. Vale lembrar que a região em que os fatos investigados aconteceram contém as maiores taxas
mundiais de suicídios”. A Aspac informaria a muitos agricultores que o financiamento não fora concedido e eles só ficariam sabendo que tinha sido feito empréstimo em seu nome quando fossem cobrados pelo Banco do Brasil. A Polícia Federal aponta que parte do dinheiro contraído em financiamentos pode ter sido usada para pagar contas de campanha de políticos simpatizantes do MPA nos anos de 2008, 2010 e 2012. Entre os investigados estão, além de Bohn Gass, Perci Schuster, que presidia a Aspac, e o vereador do PT e coordenador do MPA em Santa Cruz do Sul, Wilson Rabuske. Schuster trabalhou como assessor parlamentar de Bohn Gass em Brasília. A transferência de um total de R$ 400 mil da Aspac para a Cooperativa Mista de Fumicultores do Brasil Ltda ( Cooperfumos) chamou a atenção da Polícia Federal durante a apuração. “Há um elo entre os envolvidos no esquema que justificaria essa remessa de capitais à Cooperfumos. Perci Schuster, presidente apenas pro forma da Aspac, também faz parte do conselho fiscal da Cooperfumos e seria servidor comissionado do gabinete de Elvino ( Bohn Gass)”, diz trecho de documento da Polícia Federal. Schuster teve ligações telefônicas interceptadas e os sigilos bancário e fiscal quebrados com autorização judicial. A juíza federal Karine da Silva Cordeiro, ao remeter o caso para o Supremo Tribunal Federal, considerou que os telefonemas interceptados indicam, “de forma clara e consistente”, suposto envolvimento de Bohn Gass. O diálogo entre Evandro de Oliveira Lucas (dirigente rural na região de Santa Cruz do Sul) e um agricultor foi divulgado na última terça-feira pelo jornal Folha de São Paulo. As gravações foram autorizadas pela Justiça. Confira:
Evandro de Oliveira Lucas – Eu também, eu não sei muita coisa, mas eu sei que quem tá trabalhando
pra resolver isso é o Elvino Bohn Gass.
Agricultor – Ah, mas é outro sem vergonha.
Evandro – Sim. É o cara que eu acho que vai largar dinheiro pra pagar essa conta... Eu não sei como.
Agricultor – E vai ter que largar mesmo.
Evandro – Vai ser uma espécie de caixa 2, mas é o cara que vai ajudar a resolver isso. Teve rolo. Porque teve muito dinheiro dos (...) inclusive.
Agricultor – Elvino? Evandro – Que foi para... Elvino Bohn Gass...
Agricultor – Ahm...
Evandro – É que muito dinheiro foi pra campanha do Wilson e pra campanha do Bohn Gass...
Agricultor – Claro, claro, mas lógico.
Evandro – Pra campanha do Wilson... E essa dívida que existe tá muito ligada a isso. Só para você ter uma idéia, em Sinimbu a dívida com os agricultores passa de R$ 200 mil. Em Santa Cruz, a gente nem tem idéia, mas deve tá perto da casa de R$ 1 milhão. Aí os caras tão tentando pagar um pouco pra ver o que fazem. O Gilberto (não idenficado) é um que tá louco porque ficou sabendo disso que de última hora e ele sozinho, ele sabia mais ou menos como funcionava lá. Se tu fazia Pronaf de R$ 10 mil, a Aspac ficava com 20% ou 30%. Essas coisas assim eles sabiam, e depois era devolvido pro agricultor, só que já faz um ano que eles não tão devolvendo. E agora, uns dois meses, que isso tá estourando né, tá estourando.
(Evandro x Agricultor, ligação efetuada em 19.11.2013, às 12h26m54s, 280- verso1281 da Ação Cautelar n° 3.601)
Diálogo entre Wilson Luiz Rabuske ( vereador do PT em Santa Cruz do Sul) e Elvino Bohn Gass
(deputado federal do PT)
Elvino Bohn Gass - Rabuske!
Wilson Luiz Rabuske -Tudo bom, deputado?
Bohn Gass -Tudo bem, tudo bem.
Rabuske - Deputado, tava lendo hoje as notícias dos decretos que saíram ontem. O que o senhor acha, é bom?
Bohn Gass -Eu acho, eu acho que os decretos para o pessoal dos assentamentos tá boa, o problema é dia 8, não tá ainda, não veio ainda o do agricultor familiar, né.
Wilson - Mas o jornal de hoje tá dizendo que saiu ontem dois decretos, com selo monetário.
Bohn Gass - Não, não, saiu, mas é... Na verdade, é o Pronaf A, pega ‘pronafianos’, e é pra ter uma nova medida, uma nova reunião, que o Pepe ( ex-ministro do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas) me disse esses dias, que até pelo dia 8, ele queria fazer essa nova reunião, então saiu parte, eu acho que hoje o assentado da reforma agrária tá bem, mas não tá, a outra parte que saiu dos assentados da
reforma agrária é do Pronaf A que é dos assentamentos... então vai ter novidade na agenda sobre isso
no início do ano, tá, vai ter reunião do ministro com os movimentos dia 8 provavelmente. Eu vou pra
Brasília dia 7, já na segunda- feira, pra gente olhar isso aí, tá.
Rabuske - Então tu acha que vai ser positivo.
Bohn Gass - Vai ser, eu acho que vai ser, vai ter, não tudo que a gente deseja, né, mas sempre vai ter
uma... A gente tá conversando muito com o banco, pro banco ser parceiro nisso e eu acho que pelo dia 8 nós vamos saber melhor, tá. Eu vou ficar lá dia 6 e 7, pra acompanhar isso aí, as negociações em Brasília.
Rabuske - Então tá bom. Tá bom, deputado.
Bohn Gass - Wilson, uma boa passada de ano, mas nós nos falamos. Tamo acompanhando direto,
empenho e outras coisas em Brasília, no dia de hoje, tá.
Rabuske - Eu te liguei mais pra desejar um feliz 2014 pro senhor.
Bohn Gass - E que tenhamos todo êxito e obrigado pela parceria, bom 2014, tá bom, Rabuske.
(Wilson x Bohn Gass, ligação efetuada em 31.12.2013, às 13h12m23s, fl.
391 da Ação Cautelar n º 3.601)
Agricultor em Sinimbu, Milton Staub relata que seu pai, Arno, pediu em 2010 um empréstimo de R$ 5 mil para custeio de pastagens de inverno. Fez o pedido no escritório do MPA daquele município.
Passadas três semanas sem receber o dinheiro, foram avisados que o nome de Milton (avalista do pai) estava no Serasa e desistiram do financiamento. Para surpresa dos dois, em 2011 foram cobrados pelo Banco do Brasil por R$ 1,5 mil referentes ao empréstimo que jamais chegaram a receber. Fizeram uma reclamação ao escritório do MPA e, dias depois, o Banco do Brasil afirmou que a dívida tinha sido quitada. Neldor Freese diz que sua esposa contraiu empréstimo no valor de R$ 4,6 mil e, desse total, R$ 3 mil foram parar na conta de Wilson Rabuske, diretor do MPA em Santa Cruz do Sul. A Polícia Federal investigou e descobriu que foram feitos em nome de Freese e sua mulher empréstimos de R$ 29 mil, R$ 16 mil, R$ 6,9 mil e R$ 9,8 mil. Tudo isso após dar autorização ao MPA, via procuração, para obter financiamentos do Pronaf. “Não é possível eu e minha mulher estarmos devendo tanto, pois tudo que temos vale menos que o valor desses empréstimos”, reclamou Freese, em depoimento. No final do mês de setembro, 60 agentes da Polícia Federal chegaram a ser deslocados para Santa Cruz do Sul para cumprir mandados de busca e apreensão na casa de suspeitos de envolvimento na fraude, mas a operação foi abortada por decisão do Supremo Tribunal Federal. O STF atendeu a um pedido da Procuradoria- Geral da República para que os mandados só fossem cumpridos após o dia 6 de outubro – ou seja, depois da eleição. A intenção era não contaminar o clima eleitoral com a investigação já que um parlamentar estaria envolvido. Até agora, os mandados não foram cumpridos.
Como seria o esquema
1 - A Associação Santa- cruzense dos Agricultores Camponeses (Aspac), integrante do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), pediria aos filiados que assinassem procurações em branco. Por meio delas, foram contraídos 6.309 empréstimos em nome dos agricultores, entre 2007 e 2011.
2 - O Banco do Brasil liberou financiamentos que variavam de R$ 10 mil a R$ 100 mil por agricultor. O dinheiro iria parar nas contas da Aspac e, parte dele, seria repassado a contas particulares de dirigentes da entidade ligados ao MPA. Um dos beneficiados, vereador, recebeu R$ 700 mil.
3 - A Aspac informaria a muitos agricultores que o financiamento não fora concedido.
Em outros casos, as vítimas tinham Crédito Direto ao Consumidor (CDC) feitos em seu nome, sem
saberem. Eles ficaram sabendo que tinha sido feito empréstimo em nome deles quando foram procurados pelo Banco do Brasil para quitar a dívida. Em depoimentos à Polícia Federal, vários
lesados garantem que jamais receberam financiamento, mas tiveram de arcar com o débito feito pela
Aspac em seu nome.
4 - O inquérito da Policia Federal aponta, alicerçado em telefonemas gravados dos suspeitos, que parte do dinheiro contraído em financiamentos seria desviado para pagar contas de campanha de políticos simpatizantes do MPA. Em troca, esses políticos se comprometiam a batalhar para que as dívidas fossem renegociadas ou anistiadas, com a desculpa de perdas na lavoura causadas pelo mau tempo.

Outro mensaleiro pede ao Supremo para cumprir pena em casa, o famigerado Valdemar Costa Neto

O ex-deputado federal Valdemar Costa Neto protocolou nesta quarta-feira, 22, no Supremo Tribunal Federal, pedido para passar a cumprir a pena de 7 anos e 10 meses de prisão do Mensalão do PT em casa. Segundo a defesa do bandido mensaleiro, Valdemar Costa Neto, conhecido como "Boy", já cumpriu um sexto da pena porque, em regime semiaberto, trabalha durante o dia e estuda na cadeia, o que recalcula os dias de prisão. Outro mensaleiro ilustre, o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, já beneficiado com a prisão domiciliar, afirmou certa vez que o escândalo de corrupção do Mensalão acabaria virando “piada de salão”. A afirmação foi premonitória. O Código de Processo Penal dá ao preso com bom comportamento o direito de pedir progressão de regime após cumprir um sexto da pena, independentemente da gravidade do crime. O mensaleiro Costa Neto foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e está preso desde dezembro do ano passado. Quatro condenados do processo do Mensalão do PT já obtiveram autorização para ficar em prisão domiciliar: o ex-presidente do PT, José Genoino; o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares; o ex-deputado Bispo Rodrigues e o ex-tesoureiro do extinto PL (atual PR), Jacinto Lamas. O ex-ministro da Casa Civil, o bandido petista mensaleiro José Dirceu, pediu na última segunda, 20, o benefício e aguarda decisão do Supremo. Em regra, no regime domiciliar, o preso deve ficar em casa entre 21h e 5h, podendo sair durante o dia para trabalhar. No entanto, o horário pode ser flexibilizado em acordo com o juiz da Vara de Execuções Penais. No fim de semana, o preso deve permanecer na residência, em período integral. A decisão sobre o pedido do ex-deputado Valdemar Costa Neto será tomada pelo ministro Luís Roberto Barroso, relator das execuções penais do Mensalão do PT.

Comunidade judaica brasileira repudia declaração de Lula

Leiam comunicado emitido pela Conib, a Confederação Israelita do Brasil, que representa os judeus em nosso pais.

*
A Confederação Israelita do Brasil, representante da comunidade judaica brasileira e entidade apartidária, vem a público repudiar as declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, comparando ações do candidato presidencial Aécio Neves e seu partido, o PSDB, a “agressões nazistas”. A Conib, com trajetória de inquebrantável compromisso com a democracia e o debate intenso de idéias, rejeita a banalização de um episódio trágico para a Humanidade, como o nazismo, responsável pelo Holocausto, com a morte de 6 milhões de judeus, e o assassinato de dezenas de milhões de outros inocentes, como ciganos, negros, homossexuais, comunistas, entre outros. Entendemos o calor da campanha eleitoral e a intensidade da disputa, mas conclamamos à manutenção de padrões que sirvam à causa da democracia, e não ao aprofundamento de divisões em nossa sociedade. Defendemos enfaticamente o direito à crítica, inata ao processo democrático, mas temos a convicção de que comparar adversários de um embate eminentemente político e ideológico a nazistas distorce a História e corrói nossa democracia. Desejamos ainda reiterar que não nos manifestamos em nome desta ou daquela candidatura ou partido político. A Conib é apartidária porque representa a comunidade judaica brasileira, onde há militantes e simpatizantes das mais diversas correntes políticas. Manifestamo-nos, sim, em respeito à memória das vítimas do nazismo. 

Governos Lula e Dilma deixaram de gastar R$ 131 bilhões na Saúde

Levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em parceria com a ONG Contas Abertas afirma que o Ministério da Saúde deixou de usar 131 bilhões de reais entre 2003 e 2014 na saúde pública. O período se refere aos dois mandatos do ex-presidente e alcaguete Lula (ele delatava companheiros para o Dops paulista durante a ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr. em seu livro "Assassinato de Reputações") e ao da atual presidente, Dilma Rousseff, ambos do PT. A conta foi feita com base nos recursos autorizados pelo orçamento no período em relação ao que foi desembolsado pela pasta. Pelo cálculo feito no estudo, somente no ano passado 12,78 bilhões de reais permaneceram nos cofres. Neste ano, até outubro, dos 107,4 bilhões de reais autorizados, 80 bilhões de reais haviam sido usados. “Há uma histórica subutilização dos recursos. Algo incoerente, sobretudo quando analisamos as necessidades do setor”, afirmou o presidente do CFM, Carlos Vital. Ele disse que recursos seriam suficientes, por exemplo para construir 320.000 Unidades Básicas de Saúde de porte 1, destinadas para atendimentos mais simples. “O cálculo é feito apenas para dar uma dimensão do que poderia ter sido destinado para o setor e não foi”, completou. Pelos cálculos do CFM, entre 2003 e 2014 a dotação autorizada para a área da Saúde totalizou 1,021 trilhão de reais. No período, no entanto, desembolsos foram de 891 bilhões de reais. Vital avalia que dois fatores impedem a utilização integral dos recursos. A primeira delas seria o contingenciamento, ordem dada pelo governo para que o dinheiro, embora previsto no orçamento, não seja usado. Em seguida, viriam problemas de competência administrativa. “O dono do recurso tem de interagir, ir até seus parceiros, identificar as falhas e ajudá-los a superá-las. Faz parte da sua missão”, disse Vital. Esta não é a primeira vez que o CFM faz levantamentos sobre a utilização de recursos destinados no orçamento para o Ministério da Saúde. Em anos anteriores, resultados foram encaminhados para o Ministério Público Federal e para Tribunal de Contas da União. O levantamento feito pelo CFM mostra que entre 2003 e 2013 foi autorizado o uso de 81 bilhões de reais em ações de investimento em saúde, como construção de Unidades Básicas de Saúde ou aquisição de equipamentos. Desse total, porém, foram gastos 30,1 bilhões de reais – de cada 10 reais para investimentos, 5,6 reais deixaram de ser aplicados. Ainda de acordo com o levantamento, este ano foram reservados para investimentos 10 bilhões de reais mas, até outubro, 3,7 bilhões de reais haviam sido efetivamente pagos.

Ex-prefeito petista de Bento Gonçalves é condenado pelo Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul

O Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul determinou que o petista Roberto Lunelli, ex-prefeito de Bento Gonçalves, devolva aos cofres públicos R$ 870 mil devido a irregularidades na contratação da Fundação Universitária José Bonifácio. De acordo com o relator do processo, conselheiro Adroaldo Loureiro, há deficiências na comprovação dos serviços prestados pela entidade.  Roberto Lunelli comandou uma administração desastrosa e perdeu as eleições. Mais de 100 denúncias correm contra ele. O contrato com a fundação previa a elaboração de estudos visando à estruturação do processo de licitação dos serviços bancários referentes à folha de pagamento dos servidores, à arrecadação das receitas municipais e avaliação do plano de saúde dos funcionários da Prefeitura.

Apontado como Delúbio II do PT, tesoureiro do Partido, Vaccari Neto, decide sair de Itaipu Binacional

Atingido pelas denúncias no escândalo da Petrobras, o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, vai deixar o Conselho de Administração da Usina Hidrelétrica de Itaipu, antecipando em um ano e meio o final do seu mandato no cargo. Segundo o presidente do partido, Rui Falcão, o afastamento de Vaccari é uma decisão do governo que se alia a uma vontade do tesoureiro de "se concentrar mais nas atividades" da legenda.O anúncio da saída é providencial para a campanha de Dilma, desconfortável com os ataques dos adversários contra Vaccari. "Não há nenhuma denúncia comprovada envolvendo o companheiro Vaccari", afirmou o comunista petista Rui Falcão nessa quarta-feira. O dirigente acrescentou que ele permanece cuidando das contas do PT: "Não há nenhuma razão para substituí-lo". Segundo o presidente do PT, Vaccari lhe disse que deixaria Itaipu "antes do surgimento das denúncias infundadas". O mandato de quatro anos no conselho da Itaipu, para o qual Vaccari foi reconduzido em 17 de maio de 2012, só expiraria em 16 de maio de 2016.

TSE investiga empresa de lixo que fez cadastramento de digitais em Niterói

A contratação de uma empresa de limpeza para dar suporte ao trabalho de cadastramento biométrico dos eleitores de Niterói é investigada pela Corregedoria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O órgão apura se a coleta das digitais foi feita de maneira correta nos 378.528 eleitores. No primeiro turno, houve atrasos na votação na cidade, e o estado foi o último do país a totalizar o número de votos. Nesta quarta-feira, juízes e desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) revelaram que o TSE quer saber como uma empresa especializada em serviços gerais foi contratada para o recadastramento biométrico, feito no ano passado. Nos bastidores, há informações de que no contrato consta que a empresa daria apoio logístico, porque a coleta de digitais só poderia ser feita por funcionários do TRE. As falhas no sistema de votação biométrica no primeiro turno colocaram o TRE e o TSE em lados opostos. No dia 8, em sessão plenária, o Tribunal Regional chegou a decidir pela suspensão da biometria no segundo turno na cidade. A corte do Rio de Janeiro queria ainda a substituição das 1,3 mil urnas. Mas o pedido foi vetado pelo TSE. Na terça-feira, dez técnicos do TSE foram a Niterói para treinar as equipes que vão trabalhar no segundo turno, no domingo. Representantes da Corregedoria do Tribunal teriam ido também à cidade para apurar mais dados sobre a suposta terceirização do serviço de coletar dados e as digitais dos eleitores. O sistema de biometria, adotado na cidade, atrasou a votação e provocou longas filas de eleitores. Alguns deles demoraram até quatro horas para votar. Por enquanto, o TSE só reconheceu que houve falha na atuação dos mesários. Mas muitos no Tribunal Regional garantem que isso é só o início.

PETISTA ENROLADO EM FRAUDE CONFISCAVA SALÁRIOS DE ASSESSORES E ‘LAVOU’ DINHEIRO; ALÉM DE FRAUDE NO PRONAF, O DEPUTADO BOHN GASS (PT-RS) TEM OUTROS ROLOS

O deputado federal Elvino Bohn Gass (PT-RS), investigado pela Polícia Federal por fraude em empréstimos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), é o mesmo petista que, quando deputado estadual no Rio Grande do Sul, foi processado em 2009 pelo ex-tesoureiro da facção petista Democracia Socialista, Paulo Salazar, por confisco de salários de assessores, diárias frias, caixa 2 e lavagem de dinheiro em campanha. Uma investigação da Polícia Federal para comprovar denúncia de fraude em empréstimos do Pronaf encontrou referências a Elvino Bohn Gass e ao vereador de Santa Cruz do Sul, Wilson Rabuske, em escuta telefônica autorizada pela Justiça. O caso, que tramitaria no Estado, foi remetido à Procuradoria-Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal, em Brasília, por envolver deputado federal detentor de foro privilegiado. Na transcrição de uma escuta, obtida em Brasília e divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo desta quarta-feira, um homem que a Polícia Federal identifica como ligado à Associação Santa-Cruzense dos Agricultores Camponeses (Aspac) e outro, suposto agricultor, falam que a entidade está com dificuldades para pagar R$ 1 milhão, dando a entender que a dívida está ligada às campanhas. “Muito dinheiro foi para campanha do Wilson e para campanha do Bohn Gass”, afirma um dos participantes da conversa. Em outro trecho, um dos interlocutores diz que “vai ser uma espécie de caixa dois, mas é o cara que vai ajudar a resolver isso”, em possível referência a Bohn Gass. A investigação começou em 2012, quando agricultores da região de Santa Cruz do Sul procuraram autoridades para se queixar de cobranças de empréstimos do Pronaf que não teriam chegado às suas contas. Segundo o jornal, a Polícia Federal constatou que havia valores retirados do Banco do Brasil mediante procurações e depositados em contas da Aspac, com alguns repasses posteriores a dirigentes da entidade ou militantes do PT. O Banco do Brasil confirmou que apurações internas estão verificando as reclamações relacionadas ao Pronaf. O Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul e a Polícia Federal no Estado não comentaram o assunto. O Supremo Tribunal Federal alegou que o caso está, neste momento com a engavetadora Procuradoria-Geral da República. A investigação esteve por duas vezes por deflagrar operações de busca e apreensão conjuntas, com participação do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. Em maio, a ação foi abortada porque a Polícia Federal alegou falta de contingente às vésperas da Copa do Mundo. Nos primeiros dias de outubro foi a vez do Ministério Público pedir adiamento por estar com suas forças voltadas para a fiscalização das eleições. (Claudio Humberto)

Governo decide prorrogar por 30 dias sindicância que apura erros na Pnad

A Casa Civil informou em nota divulgada nesta quarta-feira (22) que o governo decidiu prorrogar por mais 30 dias os trabalhos da comissão que apura as responsabilidades por erros na divulgação dos dados Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2013, em setembro. O IBGE chegou a anunciar que a desigualdade de renda proveniente do trabalho aumentou, mas, um dia depois, informou que diminuiu. O índice de desigualdade anunciado para 2013 era 0,498 – o número correto, segundo o instituto, é 0,495. O equívoco afetou diversos índices divulgados, como analfabetismo e o índice de Gini, que calcula o nível de desigualdade no país. O valor desse índice varia de zero (a perfeita igualdade) até um (a desigualdade máxima). Conforme informou a Casa Civil, portaria será publicada na edição do "Diário Oficial da União" desta quinta-feira (23) comunicando a decisão do governo. Segundo explicou a pasta, a comissão solicitou a prorrogação dos trabalhos em razão de "diligências adicionais" e para elaborar relatório a ser entregue ao ministro Aloizio Mercadante. Outra comissão, que revê a Pnad e é ligada ao Ministério do Planejamento, tem até novembro para entregar os resultados, prazo que pode ser prorrogado. No texto em que cria o grupo, o governo diz que, entre os objetivos da comissão, além de o apontar eventuais erros, está o de "colaborar com a Administração Pública na sugestão de medidas gerenciais, processuais, tecnológicas e operacionais para prevenir ocorrência de revisão de dados". A presidente do IBGE, Wasmália Bivar, pediu desculpas por erros "extremamente graves" durante entrevista coletiva no Rio, à época da divulgação da Pnad. O problema foi identificado nos dados das regiões metropolitanas de sete estados brasileiros. Os índices que também sofreram alteração com a atualização dos dados foram: nível de analfabetismo (8,5%); média de anos de estudo dos brasileiros com dez ou mais anos de idade (7,6); divisão da população entre sexos (51,4% mulheres e 48,6%, homens); população desocupada (6,3%); e queda de emprego de jovens entre 5 e 17 anos (10,6%).

CPI mista deve ouvir Youssef na próxima quarta-feira

Na abertura do trabalho desta quarta-feira, o presidente da CPI mista da Petrobrás, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), informou que o depoimento do doleiro Alberto Youssef ao colegiado será realizado na próxima quarta-feira, 29, após o segundo turno eleitoral. Vital também informou aos presentes da ausência do atual diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza, de prestar depoimento esta tarde.

PDVSA investirá US$ 20 bilhões para aumentar capacidade de refino em 20%

A petroleira estatal venezuelana PDVSA planeja investir 20 bilhões de dólares para expandir sua capacidade de refino em 20 por cento, disse um funcionário da empresa nesta quarta-feira, sem dar um prazo para a realização dos aportes. O país, integrante da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), tem anunciado nos últimos anos planos agressivos de expansão para sua indústria de petróleo que não têm se concretizado, à medida que luta constantemente contra acidentes e interrupções em suas instalações de refino. O chefe da área de refino, Jesus Luongo, disse que a PDVSA acrescentaria 265 mil barris por dia (bpd) de capacidade de refino aos atuais 1,3 milhão de barris por dia. Os planos incluem dobrar a capacidade de El Palito ante os atuais 146 mil bpd e aumentar em 20 mil a 25 mil bpd a capacidade da refinaria Puerto la Cruz, de 187 mil bpd. Os planos envolvem também otimizar as operações do Centro de Refino de Paraguaná (CRP) para aumentar a sua produção, que tem sido historicamente menor do que a sua capacidade de 965 mil bpd. "Durante 100 anos de produção de petróleo, nós não fizemos o suficiente para desenvolver a nossa capacidade de refino", disse Luongo, durante conferência de petróleo na cidade de Puerto la Cruz, transmitida pela emissora de rádio da PDVSA. O complexo CRP foi atingido, em 2012, por uma explosão e por um grande incêndio que matou quase 40 pessoas e deixou uma de suas unidades de destilação desligada por meses. Problemas crônicos no refino forçaram a PDVSA a depender das importações de combustível e de componentes de mistura para atender a demanda no mercado interno fortemente subsidiada, onde os motoristas podem encher um tanque de gasolina por menos do que pagam por um refrigerante.

TCU nega medida que suspenderia pagamento em obras do Comperj

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), José Jorge, decidiu na tarde desta quarta-feira, 22, negar a adoção de medida cautelar para impedir os pagamentos do consórcio responsável por parte das obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). “A despeito das improbidades mapeadas pela equipe de fiscalização, reputo que o dano reverso decorrente da paralisação desse empreendimento poderá ensejar prejuízos superiores aos benefícios almejados ela ação de controle do tribunal”, afirmou. Jorge disse, no entanto, que sua decisão não atenua a gravidade dos indícios de irregularidades já apurados nas obras do Comperj. O ministro recomendou ainda que o TCU faça uma fiscalização específica para identificar prejuízos e apurar responsabilidades pelos atos relativos à contratação do consórcio. Na semana passada, o ministro José Jorge apresentou o resultado de uma auditoria para avaliar a gestão das obras do Comperj. O relatório apontou uma série de falhas gerenciais e inconsistências na divulgação dos custos da obra, mas não foi julgado devido a um pedido de vista do ministro Bruno Dantas. O ministro André Luís de Carvalho sugeriu que a medida cautelar fosse adotada para suspender os pagamentos relacionados à obra da Central de Desenvolvimento de Plantas e Unidades (CDPU). Essa obra é tocada pelo consórcio TUC Construções, formado pela Odebrecht, UTC Engenharia e PPI Plantas Industriais. O consórcio foi contratado sem licitação pelo valor inicial de R$ 3,83 bilhões.

Reunião do CMN é adiada e ficará para depois do pleito

A assessoria do Banco Central informou nesta quarta-feira que, apesar da reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) continuar marcada para esta quinta-feira no site da instituição, o encontro foi remarcado para o dia 30, quinta-feira da semana que vem. O encontro do CMN deve ocorrer todos os meses até a última quinta-feira do mês. A assessoria explicou que a data do dia 23 foi escolhida, em princípio, para não ser muito próxima da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para os dias 28 e 29 (terça e quarta-feira da semana que vem). Agora, a mudança teria sido realizada por questão de agenda.

Oposição vê manobra do Planalto para impedir depoimento na CPI mista

Líderes da oposição que compõem a CPI mista da Petrobrás querem que seja aberta uma investigação para apurar uma suposta adulteração do atestado médico encaminhado nesta quarta-feira, 22, pelo diretor da Petrobrás, José Carlos Cosenza. Os parlamentares consideraram que Cosenza deixou de depor na tarde desta quarta-feira por uma "manobra" do Palácio do Planalto. "Há uma séria desconfiança de que é uma doença pré-eleitoral", disse o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE). O atestado informa que o diretor teve uma crise de hipertensão. O atestado médico entregue à CPMI teve a doença "acrescentada". No documento original, que foi protocolado na comissão às 9h30, não constava a doença que justificava a ausência de Cosenza de comparecer para depor nesta tarde. O atestado assinado pelo médico José Eduardo Couto de Castro, com data de terça-feira, estava escrito apenas que o paciente teve "intercorrências clínicas" que justificaram o afastamento dele por 48 horas.

Com voz fraca, Dilma cancela gravação de programa eleitoral

A presidente da República, Dilma Rousseff, candidata a reeleição pelo PT, chegou na reta final da campanha quase sem voz. A expectativa era que Dilma gravasse um novo programa eleitoral na tarde de quarta-feira, o que acabou não acontecendo. Ela chegou a visitar o estúdio montado no salão Imperial do Hotel Windsor, na zona oeste do Rio de Janeiro, mas, a equipe de gravação foi desmobilizada porque a presidente estava quase sem voz.

Corte dos Estados Unidos rejeita recurso da Argentina sobre depósito em BNY Mellon a credores

Uma corte dos Estados Unidos rejeitou nesta quarta-feira um recurso da Argentina de uma decisão que impede que o Bank of New York Mellon Corp transfira aos credores do país os 539 milhões de dólares que a Argentina depositou para seus detentores de dívida reestruturada. A Segunda Corte de Recursos em Nova York, em uma curta decisão, disse que não tem jurisdição sobre o recurso, uma vez que a decisão de agosto, do juiz distrital Thomas Griesa, foi um detalhamento, não uma modificação de suas decisões anteriores sobre o assunto. Griesa havia determinado que o depósito de 539 milhões de dólares pela Argentina em junho no BNY Mellon para os detentores de títulos que participaram em duas reestruturações de dívida soberana era "ilegal" e, em uma decisão de agosto, determinou que o banco retenha os fundos. O juiz, em sua decisão de agosto, também disse que a retenção dos fundos pelo BNY Mellon não violaria suas decisões anteriores.

TCU vai investigar atuação dos órgãos federais na crise hídrica

O Tribunal de Contas da União vai investigar a responsabilidade de órgãos do governo federal pela crise da falta de água. O órgão quer saber se o Ministério do Meio Ambiente e a Agência Nacional de Águas (ANA) adotaram medidas preventivas e planos de contingência necessários para evitar ou, ao menos, diminuir as consequências da seca no País. A proposta, aprovada pelo plenário do TCU, foi apresentada pelo ministro-substituto André Luís de Carvalho. Advindo da área técnica, ele afirmou que a legislação estabelece que a União é a responsável por propor soluções quando a estiagem atinge mais de um Estado. A ação será relatada por Marcos Bemquerer da Costa. Caso seja encontrada alguma irregularidade, o tribunal pode impor aos gestores o pagamento de multa e ressarcimento de valores. Para defender a necessidade da auditoria por parte do TCU, Carvalho mencionou a crise no Sistema Cantareira, em São Paulo, cuja capacidade nesta quarta-feira era de 3,2%, a redução do volume de água no Rio Paraíba do Sul, no Rio, e a decretação de situação de emergência em 159 municípios de Minas por causa da seca.

PT não é mencionado em material de candidato no Mato Grosso do Sul

Reunidos na tarde desta quarta-feira, 22, no bairro popular Nova Vida, em Campo Grande, militantes do candidato ao governo de Mato Grosso do Sul, Delcídio Amaral (PT), distribuíam material de campanha aos moradores locais. Nos santinhos, panfletos e adesivos, não havia nenhuma menção de destaque ao PT. O partido aparecia apenas na borda lateral dos materiais em letras reduzidas, como determina a Lei Eleitoral. Na maioria dos santinhos, havia apenas a menção ao 13, número do candidato e que também corresponde ao usado pela presidente Dilma Rousseff, que disputa a reeleição. Em alguns adesivos colocados nos cerca de 100 veículos que aguardavam a carreata, a cor usada não era nem o tradicional vermelho do PT, mas o azul.

TCU vai investigar pagamento adicional da Petrobras por gás da Bolívia

O Tribunal de Contas da União vai investigar pagamentos adicionais feitos pela Petrobras na importação gás natural boliviano para o mercado brasileiro, disse nesta quarta-feira o ministro José Jorge. A determinação foi dada pelo ministro em um despacho assinado na segunda-feira. José Jorge disse que o tribunal irá apurar a recente decisão da estatal brasileira em pagar a mais pelos chamados "componentes nobres", que estão na composição do gás. Ele lembrou ainda que o valor desses componentes não eram pagos anteriormente, em um contrato que já dura 20 anos, o que acarretará um desembolso de cerca de 1 bilhão de reais da Petrobras, além de incluir pagamentos retroativos. "Isso era uma reivindicação da Bolívia (pagamento dos componentes), que foi atendida agora. Ninguém sabe como, porque, se estava no contrato, se houve alguma alteração no contrato. Primeiro tem de ver o aspecto formal da questão para identificar porque efetivamente isso aconteceu", disse Jorge. Ele acrescentou que o prazo da investigação nesses casos é de, normalmente, 90 a 120 dias, mas evitou anunciar uma data específica para a conclusão da averiguação. Em agosto, a Petrobras informou o pagamento de 434 milhões de dólares para acertar divergências sobre o contrato com a petroleira estatal boliviana Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) para fornecimento de gás.

Universitários nos Estados Unidos podem fazer estágio de férias no Brasil

Estudantes brasileiros que cursam a graduação nos Estados Unidos podem se candidatar a estágios de férias no Brasil. Estão abertas as inscrições do Summer Job na Prática, programa que oferece estágios em 16 empresas no País entre os meses de maio e agosto de 2015. Mais de 60 vagas estão disponíveis nas corporações Ambev, Arpex Capital, Artemisia, Bain & Company, BRF, BTG Pactual, Endeavor, Falconi, Fundação Estudar, Fundação Lemann, Heinz, Itaú, Kroton, Omega Energia, Pearson e Site Blindado. As inscrições estão abertas até o dia 2 de novembro e devem ser feitas no site do projeto. Podem se candidatar estudantes de todas as áreas de atuação que tenham formação prevista entre 2016 e 2020. As vagas são para diversos setores das organizações, que se situam principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. Há possibilidade de alocação em outras regiões do País, conforme determinação das empresas participantes do programa. A remuneração é a mesma recebida por estagiários regulares das corporações. Os alunos que se inscreverem vão passar por um processo seletivo. Ainda em novembro, será realizada uma pré-seleção pela Fundação Estudar, responsável pelo programa, com possíveis entrevistas por telefone. Já nos meses de dezembro e janeiro, as próprias empresas escolhem os candidatos com os perfis mais compatíveis com as oportunidades. O resultado será divulgado em fevereiro.

CVM abre processo para acompanhar denúncias da Lava Jato sobre roubalheira na Petrobras

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu um novo processo administrativo envolvendo a Petrobras. O objetivo por enquanto é apenas acompanhar as providências tomadas pela companhia em relação às denúncias da Operação Lava Jato. O caso está com a Superintendência de Relações com Empresas (SEP). Na sexta-feira passada, 17, a estatal encaminhou à CVM um primeiro esclarecimento acerca de notícias envolvendo os depoimentos relacionados à Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Em resposta à CVM, a Petrobras listou medidas adotadas em função das denúncias do ex-diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa, e do doleiro Alberto Youssef, delatores de um suposto esquema de desvio de recursos envolvendo executivos da empresa, políticos e empreiteiras que prestam serviços para a petroleira. No comunicado, a Petrobras informou ter constituído comissões internas de apuração para averiguar indícios ou fatos contra a empresa e que teve acesso aos autos das investigações da Operação Lava Jato. A estatal disse ainda esperar a autorização judicial para ter acesso aos depoimentos de Costa no regime de delação premiada, ainda sob segredo. Além disso, a empresa admitiu que está estudando medidas jurídicas para buscar o ressarcimento dos danos sofridos. A CVM considerou as informações insuficientes, pediu mais explicações e abriu o processo administrativo de análise preliminar. Caso surjam daí elementos concretos de violação à Lei das Sociedades Anônimas, a autarquia pode aprofundar a investigação e até abrir um processo sancionador, passível de julgamento e punição aos acusados. A competência da CVM se restringe à esfera administrativa, envolvendo, por exemplo, a eventual quebra do dever de lealdade por administradores da Petrobrás. A Securities and Exchange Comission (SEC), órgão regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos, investiga as denúncias de corrupção na Petrobrás. A companhia brasileira tem ações listadas na bolsa americana, por isso também está sujeita às regras de mercado dos Estados Unidos. A consultoria política Arko Advice distribuiu um relatório para clientes informando sobre a investigação, que envolve um time de 28 advogados e analistas da SEC e do Departamento de Justiça americano.

Artistas pedem voto para Aécio em comício em Belo Horizonte

O comício realizado no início da noite desta quarta-feira, 22, em Belo Horizonte, em torno da campanha do presidenciável do PSDB, Aécio Neves, reuniu apoiadores, artistas e simpatizantes do tucano, no palco montado na Praça da Estação. Um dos primeiros a falar, antes da chegada do candidato, foi o cantor Fagner, que disse: "Vamos chegar domingo atropelando". O cantor Sá, da dupla com Guarabira, também participou do comício, ao lado de outros artistas como o ator Milton Gonçalves, o compositor Fernando Brant e o pagodeiro Fabinho do Terreiro. A chegada da dupla sertaneja Cesar Menotti e Fabiano ao palco do comício causou furor nas fãs.

Goldman chama Lula de "canalha" por comparação com nazistas

O coordenador da campanha de Aécio Neves (PSDB) em São Paulo, ex-governador Alberto Goldman (PSDB), publicou um artigo em seu blog nesta quarta-feira, 22, com fortes críticas ao ex-presidente e alcaguete Lula (ele delatava companheiros para o Dops na ditadura militar, conforme Romeu Tuma Jr, em seu livro "Assassinato de Reputações") e suas declarações que compararam os tucanos aos nazistas. "Este canalha não tem remédio. Não tem outro nome", escreveu Goldman. Segundo o tucano, Lula se utiliza do assassinato de 6 milhões de judeus, "inclusive todos meus antepassados, com exceção dos que imigraram ao Brasil, para fazer uma campanha de ódio, aterrorizado pela perspectiva da derrota". Na terça-feira, em atos de campanha em Pernambuco, ao lado da candidata Dilma Rousseff, Lula fez a comparação quando questionava o passado de Aécio, enquanto Dilma combatia a ditadura militar. "Onde estava o candidato, quando essa moça, aos 20 anos, estava colocando a vida em risco na luta pela liberdade desse País? Estava aprendendo a ser grosseiro, a ser mal-educado? (...) Se o Nordeste ouviu, se o Nordeste leu o preconceito contra nós, as injustiças.... parece que estão agredindo a gente como os nazistas agrediam no tempo da Segunda Guerra", afirmou Lula, que manteve a estratégia de opor o povo nordestino aos tucanos. Para Goldman, "a canalhice de Lula" começa ao tentar pregar nos tucanos a imagem de preconceituosos em relação aos nordestinos. "Nunca fizemos qualquer ofensa aos nordestinos. O uso despudorado e distorcido de frases do Aécio (no caso do FHC que em nenhum momento mostrou preconceito contra ninguém, muito menos contra os nordestinos), ultrapassa qualquer limite do aceitável, seja em campanha eleitoral ou em qualquer manifestação", disse o tucano, lembrando o episódio em que o ex-presidente FHC também foi acusado de preconceito quando disse que o PT cresceu nos grotões do País e com os votos dos menos informados. O coordenador de campanha de Aécio diz que Lula "completa essa canalhice" ao perguntar onde Aécio estava quando Dilma, com 20 anos de idade, arriscava sua vida. "Na época, imbecil, Aécio tinha 10 anos de idade", escreveu Goldman.

Deputado federal Marco Maia diz que rebaixamento do "rating" da Petrobras é eleitoral

O relator da CPI mista da Petrobras, deputado federal Marco Maia (PT-RS), afirmou nesta quarta-feira, 22, que a decisão da agência de classificação de risco Moody''s de rebaixar a avaliação de crédito da estatal petrolífera brasileira tem como único objetivo "influenciar no processo eleitoral". Para Maia, não é razoável para uma agência tratar do assunto no atual momento. "Na minha opinião, uma decisão dessas de um organismo internacional vem viciada para influenciar no processo eleitoral no Brasil. Quais são os interesses que movimentam isso? Não sei. Agora que não é razoável, não é razoável", criticou o relator.

Morre Cibilis Viana, assessor de Brizola

Cibilis da Rocha Viana, um dos principais auxiliares de Leonel Brizola (1922-2004), morreu na terça-feira, aos 94 anos, no Rio de Janeiro. Vítima de falência múltipla dos órgãos, ele estava internado na Clínica São Lucas, em Copacabana. Cibilis assessorou Brizola nos governos do Rio Grande do Sul (1959-1963) e do Rio de Janeiro (1983-1987 e 1991-1994). Foi presidente do Banerj e secretário da Fazenda. O assessor formulou o programa de reforma agrária que Brizola aplicou no Rio Grande do Sul e auxiliou Brizola durante a Campanha da Legalidade promovida em 1961, quando ministros militares tentaram impedir a posse de João Goulart na Presidência da República. Após a ditadura, a redemocratização e a anistia, Cibilis ajudou Brizola a fundar o PDT e em 1982 assumiu a chefia do Gabinete Civil do governo do Rio de Janeiro. No segundo governo de Brizola no Rio, a partir de 1991, Cibilis acumulou a presidência do Banco do Estado do Rio (Banerj) e a secretaria estadual da Fazenda. Gaúcho e pai de três filhos (Ana Luisa, Marcia e Ricardo), Cibilis também era professor, doutor em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e autor de vários livros, como "A Dinâmica do Desenvolvimento Econômico" e "Estratégia do Desenvolvimento Brasileiro".

Argentina autorizará exportação de 400 mil toneladas de trigo da safra 13/14

A Argentina vai autorizar esta semana a exportação de 400 mil toneladas de trigo da safra 2013/14, disseram fontes do setor nesta quarta-feira. A cota é adicional a 1,5 milhão de toneladas da safra encerrada para as quais o governo já autorizou a exportação. Uma das fontes, familiarizada com a situação, disse que na semana que vem as autoridades também deverão aprovar permissão para embarque ao Exterior de 2 milhões de toneladas de trigo da safra 2014/15, cuja colheita está começando no norte do país. "Nesta semana autorizarão uma parte da safra velha e na semana que vem parte da safra nova. Cerca de 400 mil toneladas da velha e, na semana que vem, cerca de 2 milhões da nova safra", disse a fonte. A Argentina é, tradicionalmente, o principal fornecedor de trigo para o Brasil, sob o tratado de livre comércio do Mercosul. No entanto, o Brasil teve os Estados Unidos como seu principal fornecedor para sua indústria de farinha em 2013 e também neste ano até setembro, devido à dificuldade de acesso ao trigo argentino. O governo argentino mantém sob controle as exportações de trigo e de milho para garantir o abastecimento doméstico e também para tentar controlar a inflação dos alimentos.

Aécio defende democratização da mídia e do futebol

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, defendeu nesta quarta-feira, 22, em Belo Horizonte, um mote histórico do PT: a democratização da mídia. Em duas entrevistas coletivas na capital mineira - uma para a grande imprensa e outra para veículos do interior -, o tucano tocou no tema por iniciativa própria: "A regionalização da mídia é algo muito importante. Sua democratização é algo muito importante e eu quero poder, se presidente for, fortalecer a mídia do interior. Tenho o compromisso de democratizar a mídia para que os veículos do interior possam crescer". A família de Aécio é dona de duas rádios (São João e Colonial) e de um jornal semanal (Gazeta de São João Del Rei), todos os veículos de São João Del Rei, no interior de Minas Gerais. O tucano também afirmou que conversou nesta quarta-feira com o senador eleito pelo PSB do Rio de Janeiro e ex-jogador Romário e aproveitou para defender a democratização do futebol brasileiro. "Temos de democratizar o futebol brasileiro. Vou estimular um debate sobre a profissionalização da gestão dos clubes", afirmou. Aécio sugeriu ainda que o calendário do Campeonato Brasileiro seja reformulado. Além do apoio de Romário, Aécio também tem feito campanha ao lado do jogador Ronaldo Nazário e tem como aliado o ex-jogador de vôlei Giovane Gávio, que foi candidato a deputado federal pelo PSDB-MG.

Campanhas fecham acordo no TSE e desistem de todos os pedidos de direito de resposta

A dois dias do fim da propaganda eleitoral na televisão e no rádio, as campanhas dos candidatos Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) decidiram formalizar um acordo na Justiça Eleitoral concordando em fazer uma campanha "propositiva" no horário eleitoral. As equipes jurídicas das duas campanhas, que haviam levado uma enxurrada de representações com pedidos de direito de resposta ao Tribunal Superior Eleitoral nos últimos dias, desistiram de todas as ações protocoladas até esta quarta-feira, 22. Os próprios candidatos chegaram a ser consultados pelas equipes jurídicas, afirmaram integrantes da Corte. Enquanto no primeiro turno da disputa presidencial os ministros do TSE adotaram o "minimalismo", no segundo turno a decisão foi por intervir na campanha eleitoral para barrar os "ataques de baixo nível". A percepção dos ministros foi de que os candidatos passaram a exagerar no tom ácido da propaganda eleitoral, fazendo o eleitor assistir a um "baile do risca-faca", nas palavras do presidente da Corte, ministro Dias Toffoli. A decisão das campanhas tucana e petista é estratégica. Desde a última sexta-feira, primeiro dia de vigência da nova orientação do TSE, ministros concederam dezenas de liminares para suspender trechos das propagandas considerados ofensivos. Ao perceberem a insistência dos marqueteiros nos ataques, o TSE passou a cassar o tempo de inserções dos candidatos. Em dois dias, Dilma perdeu 5 minutos e 50 segundos na televisão e Aécio, 2 minutos e 30 segundos.