domingo, 8 de fevereiro de 2015

Lobista foragido se entrega à Polícia Federal


O lobista Mário Frederico de Mendonça Góes, foragido desde quinta-feira, se entregou neste domingo à sede da Polícia Federal em Curitiba. Ele era o único dos onze operadores investigados que teve a prisão preventiva decretada na nona fase da Operação Lava Jato, batizada My Way. Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (Sobena), Góes é suspeito de ter feito pagamentos de propina não só na Diretoria de Serviços da Petrobras, mas também na BR Distribuidora. De acordo com as investigações, o operador subornou funcionários da estatal a mando de UTC, MPE, OAS, Mendes Júnior, Schahin, Carioca Engenharia, Bueno Engenharia e Arxo. Em depoimentos prestados em acordo de delação premiada, o ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco, admitiu que Góes frequentava sua casa para trazer pagamentos de 300.000 a 400.000 reais em mochilas. Barusco também recebia pagamentos em contas no Exterior, cujos extratos bancários foram entregues aos investigadores. Barusco e Góes chegaram a comprar dois aviões. O primeiro foi revendido para a compra do último modelo, um Beechcraft King Air B200, adquirido por 1,4 milhão de reais. A aeronave estava registrada em nome da empresa de Góes, Riomarine Óleo e Gás, e foi sequestrada pela Justiça para garantir o ressarcimento dos cofres públicos. A participação de Góes no esquema de corrupção e de outros dez operadores foi descoberta a partir das confissões de Barusco. Mas Góes foi citado também por uma ex-funcionária da Arxo, o que deu aos policiais provas de que o operador também esteve envolvido no desvio de recursos da BR Distribuidora. Outros 10 lobistas investigados na operação My Way foram alvos de mandado de condução coercitiva e tiveram de prestar depoimento à Polícia Federal. Acusado de participar do desvio de meio bilhão de reais para os cofres do partido, o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi um dos operadores que foram interrogados.

TEMER ARTICULA PARA APROVAR DISTRITÃO NO CONGRESSO

Contrariando o PT, que quer implantar voto em lista na próxima eleição, o vice-presidente da República, Michel Temer, articula para aprovar ainda este ano a tese do “distritão”. O PMDB negocia o apoio do PSDB para derrotar a proposta de reforma política do PT. O tucanato já está unido ao PMDB para impedir a criação do Partido Liberal, articulado pelo ministro Gilberto Kassab para esvaziar o PMDB e a oposição. Michel Temer almoçou no dia 4 com deputado Miro Teixeira (PROS-RJ), a quem pediu para articular a aprovação do ‘distritão’ na Câmara. Fiel escudeiro de Temer, Moreira Franco elaborará até março proposta de reforma com base em enquete da Fundação Ulysses Guimarães. O distritão, que se configura na eleição majoritária para deputados e vereadores, acabaria com puxadores de votos como Tiririca, Romário…

LULA E ALIADOS QUEREM MERCADANTE FORA DO GOVERNO


O ex-presidente Lula, que o acusou de haver “sequestrado” o governo, e líderes de partidos aliados pressionam Dilma a se livrar de Aloizio Mercadante (Casa Civil), que azedou de vez as relações do governo com o Congresso. Trapalhão, ele conseguiu piorar o clima, após a vitória de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao ameaçar distribuir cargos de segundo escalão segundo o grau de obediência dos parlamentares. Mercadante não percebeu que Eduardo Cunha venceu porque fez os deputados acreditarem que enfim seriam respeitados pelo governo. Lula e os líderes aliados reconhecem ser difícil levar Dilma a demitir Mercadante. Ele é hoje o único contado dela com a vida “lá fora”. Para tornar Dilma dependente, Mercadante afastou do Planalto todos os que tinham acesso a ela, inclusive o velho assessor Gilles Azevedo. A arrogância de Mercadante derrotou o candidato do PT a presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, segundo acredita a cúpula petista.