segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Lula e Odebrecht unidos para desmoralizar a Lava Jato

A Veja.com noticia que "o ex-diretor da Odebrecht Alexandrino Alencar atuava em parceria com Lula para tentar desmoralizar a cobertura da imprensa sobre o petrolão e as investigações do Ministério Público Federal sobre as relações do petista com a empreiteira. Perícia realizada pela Polícia Federal no iPhone de Alexandrino revela que um dos assessores de Lula, José Chrispiniano, era o responsável por informar o ex-diretor da empreiteira sobre cada passo dado pelo Instituto Lula ao divulgar notas oficiais e versões favoráveis ao ex-presidente e à empreiteira". De acordo com o site da revista, "entre janeiro e junho desse ano, Chrispiniano e Alexandrino Alencar trocaram 58 telefonemas. O ex-diretor da Odebrecht também telefonou 16 vezes para o Instituto Lula. No auge das revelações das relações comerciais de Lula com a Odebrecht, em abril, o assessor de Lula e Alexandrino se encontraram em São Paulo. Alexandrino chegava a dar a palavra final sobre alguns dos textos que o instituto iria divulgar à imprensa".
E aí, Alfredo Fedrizzi, dono da agência Escala, em Porto Alegre, eu amigo Alexandrino Alencar não era qualquer chinelão, não é mesmo? Ele só agitava nas altas esferas, não é mesmo?

Bumlai recebeu carta do gabinete de Luciano Coutinho

Não bastassem os empréstimos diretos sem garantias para os empreendimentos sinistros de José Carlos Bumlai, a cúpula do BNDES apoiou em 2012 uma "concessão de colaboração financeira" envolvendo o BTG de André Esteves e o BB de Aldemir Bendine. Em carta de 27 de junho de 2012, Márcia Pires, chefe da Secretaria Geral do gabinete de Luciano Coutinho, enviou mensagem a Maurício Bumlai, filho pródigo do amigão de Lula, informando sobre o aval da Presidência do BNDES para a operação.

O fim da Ley de Medios

A Argentina reconquista a liberdade de imprensa. O novo ministro das Comunicações, Oscar Aguad, disse que vai revogar a nefasta Ley de Medios, xodó do PT: "A norma foi criada para aniquilar meios de comunicação, como o Grupo Clarín e também outros com os quais o governo não estava de acordo. A regulação dos meios de comunicação não vai existir". Franklin Martins está de luto.

A propina de 2,4 milhões de reais para Lula

Lula foi eleito em 2006 com 2,4 milhões de reais roubados da Petrobras. A denúncia foi feita por Ricardo Pessoa e reproduzida pelo Estadão: "O empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, afirmou que as empreiteiras Queiroz Galvão, IESA e Camargo Corrêa aceitaram pagar, junto com a sua empresa, R$ 2,4 milhões de caixa 2 para a campanha à reeleição do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006". A propina foi pedida pelo tesoureiro de Lula, José de Filippi Junior, diretamente à Queiroz Galvão, então líder do consórcio QUIP, responsável pela construção da plataforma P53 da Petrobrás. Disse Ricardo Pessoa à Lava Jato: “O atendimento da solicitação (de dinheiro vivo para a campanha de Lula) foi aprovado pelo conselho da QUIP, em uma reunião entre o declarante (UTC), Ildefonso Colares (então presidente da Queiroz Galvão), Valdir Carreiro (executivo da Iesa) e Camerato (executivo da Camargo Corrêa)”. No encontro, segundo a reportagem, "teria ficado definido que Pessoa seria o responsável por operacionalizar os repasses em espécie 'em razão de sua proximidade com Filippi e da facilidade logística pelo fato de ambos estarem em São Paulo'. Ainda de acordo com o delator, os recursos do caixa 2 vieram do dinheiro recebido pelo consórcio pelas obras da P53 'mediante a utilização da empresa Quadrix, no Exterior'". Foram feitas três entregas a Filippi no comitê de campanha de Lula, na Av. Indianópolis, totalizando os R$ 2,4 milhões. Lula será condenado e preso pela Lava Jato.

A mágica financeira dos sócios de Bumlai

Os irmãos Natalino e Silmar Bertin prestaram depoimento à Polícia Federal. Falaram da amizade de mais de 20 anos com José Carlos Bumlai e afirmaram desconhecer movimentações bancárias suspeitas envolvendo o grupo São Fernando Açúcar e Álcool. Mas Silmar entregou uma informação interessante, ao dizer que a Heber Participações, holding que abarcava 50 empresas do grupo, teve faturamento de R$ 10 bilhões em 2009. Curiosamente, a empresa hoje é executada judicialmente por dívidas não quitadas com bancos públicos e nem sequer possui bens registrados para cumprimento das garantias. É a mágica dos empresários amigos do PT. 

Pecuarista ou gângster?

Maurício Bumlai, o mais bem-sucedido filho do pecuarista amigo de Lula, tinha como motorista e guarda-costas um PM da Rota de São Paulo que lhe foi indicado pelo dono do extinto BVA, Ivo Lodo.O policial militar Marcos Sérgio Ferreira é um dos sacadores de recursos identificados pela força-tarefa da Lava Jato. Em depoimento à PF, ele contou que Maurício sempre falava ao telefone por meio de códigos, se referindo a pessoas "por apelidos ou de forma indireta". Ele disse também que Maurício, certa vez, lhe pediu para sacar R$ 100 mil e deixar o dinheiro dentro do carro, um Omega blindado, estacionado na garagem do prédio onde mora. Quando pegou o veículo novamente, o dinheiro já havia sido retirado pelo filho de Bumlai. A Polícia Federal apreendeu num cofre na casa do filho de Bumlai uma pistola Taurus, com registro vencido.

Mais juros por aí

Com o nível geral de preços sem dar trégua e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, reforçando que fará o que for necessário para trazer a inflação para dentro da meta em 2016, os economistas já apontam um novo aumento de juros em janeiro.

Lobão Filho recebeu R$ 8 milhões dos Bertin

Na busca e apreensão da Operação Passe Livre, a Polícia Federal encontrou cópias de oito notas promissórias no valor de um milhão de reais cada, tendo como beneficiário o ex-senador Lobão Filho. O Globo deu a informação no sábado no pé de uma matéria, mas O Antagonista obteve os documentos originais. As notas foram emitidas pela Santri Participações, holding dos Bertin, com vencimento mensal entre agosto de 2014 e maio de 2015 (não houve emissão em novembro e dezembro). Além das notas, a PF apreendeu uma notificação extrajudicial por falta de pagamento da suposta dívida, que teria como objeto um contrato de aquisição de ações das hidrelétricas Curuá Energia e Buriti Energia. Para investigadores da força-tarefa, o contrato e as notas teriam sido forjados para justificar o repasse de R$ 8 milhões para o caixa 2 da campanha do peemedebista ao governo do Maranhão no ano passado. A Polícia Federal agora quer saber a origem do recurso.


Dinheiro na mão sem juros

Bumlai, o magnata do petróleo

O Antagonista não vai mais chamar José Carlos Bumlai de pecuarista. Trata-se de um empreendedor com variadas frentes de atuação. Abaixo, o cartão de visitas de Bumlai como representante da Estre Petróleo. Só para lembrar, Fernando Baiano despachava do mesmo escritório no nono andar da rua Senador Dantas, a 150 metros da sede da Petrobras, com qual a empresa tem mais de R$ 845 milhões em contratos de aluguel de sondas terrestres, além de montagem e manutenção de dutos e tanques.

Schahin sumiu com dois navios-sonda

Roberto Leonel, representante da Receita Federal na Lava Jato, revelou que o grupo Schahin conseguiu retirar do País dois navios-sonda operados pela Petrobras e que estavam sob bloqueio judicial. A Receita e a Procuradoria da Fazenda determinaram o bloqueio de bens do grupo Schahin, inclusive os dois navios avaliados em US$ 200 milhões cada. Leonel explicou que um grupo de advogados representando offshores da Schahin ingressaram com ação na Justiça estadual de São Paulo, pedindo a reintegração de posse das sondas Sertão e Cerrado. "Mesmo sem autorização legal, eles conseguiram retirar os navios do País". Ele acrescenta um detalhe sórdido: os navios tiveram seus 'transponders' desligados para impedir a localização.


Offshores da Schahin receberam 90% dos repasses da Petrobras

Roberto Leonel, da Receita Federal, acrescentou que 90% dos recursos repassados pela Petrobras para o grupo Schahin pelo fretamento das sondas usadas no pré-sal foram repassados para offshores. "A Schahin só reconheceu como receita tributável 10% do valor dos contratos".

Lava Jato: Receita investiga 1,4 mil contribuintes

Roberto Leonel revelou que, em decorrência da Operação Lava Jato, a Receita Federal já abriu procedimentos de investigação sobre contas de 1,4 mil contribuintes.

Grupo Abril: aporte de 450 milhões

A família Civita anunciou um aporte de 450 milhões de reais ao Grupo Abril, para reduzir dívidas e equilibrar as finanças da empresa.

Byron pessimista com Janot

Rodrigo Janot anda literário neste final de 2015. Ele escreveu um artigo para o Estadão em que afirma o que se segue: "Por fim, no anoitecer deste ano, que certamente entrará para a História, sem romantismo quixotesco, mas também sem o pessimismo byroniano, deixo uma mensagem de esperança: o Brasil passará e os bons passarão com ele." Lord Byron continua pessimista com Rodrigo Janot, depois que soube que o procurador-geral da República prega nos bastidores da Câmara para que o TCU seja totalmente excluído da supervisão dos acordos de leniência entre empresas bandidas e o governo.

Informações obtidas pela espionagem da Abin?

A bancada do PT reuniu-se para discutir uma forma de mobilizar-se contra o impeachment. Ricardo Berzoini foi convidado a participar. Qual terá sido a contribuição de Ricardo Berzoini? Informações dos movimentos de Michel Temer obtidas pela espionagem da Abin?

Exclusivo: em carta a Bumlai, "fugitivo" pede R$ 650 mil

Uma carta apreendida no escritório de José Carlos Bumlai em Campo Grande sugere que o empresário amigo de Lula atuava como uma espécie de "banco" para socorrer petistas em apuros. Não é possível identificar o remetente, mas se trata de alguém vinculado à administração do prefeito cassado de Campinas, Dr. Hélio. Quando explodiu o escândalo Sanasa, o autor da carta se escondeu em Osasco, na casa de um sobrinho identificado como Kaique Vergínio. Temendo estar sendo monitorado pelo Ministério Público e pela Polícia Civil, ele enviou a carta para a Associação de Criadores de Nelore do Mato Grosso do Sul, então presidida por Guilherme Bumlai. No texto, repleto de erros de português, pede ao "querido Zé Carlos" que "providencie com máxima urgência possível o montante de seiscentos e cinquenta mil reais, em dinheiro", em data, local e horário a serem confirmados posteriormente. "Não posso tratar aqui de detalhes nem citar nomes", diz, alegando a necessidade de evitar "maiores complicações a todos nós". Diz ainda que o prefeito de Osasco - na ocasião era Emídio de Souza - estava lhe dando apoio até que "as coisas" se acalmassem em Campinas, após a decretação da prisão preventiva da então primeira-dama Rosely e do vice-prefeito Demétrio Vilagra. O caso Sanasa foi um esquema de superfaturamento e pagamento de propina envolvendo a companhia de saneamento de Campinas e as empreiteiras Camargo Corrêa e Constran - que teve Bumlai como executivo. O amigão de Lula foi citado nas investigações, mas acabou poupado. 

Polícia Federal encontra notas frias dos R$ 2 milhões de Bumlai para o doleiro Adir Assad

A Polícia Federal apreendeu no arquivo morto da Usina São Fernando notas fiscais de locação de equipamentos da Legend Engenheiros Associados, empresa de fachada que o doleiro Adir Assad usava para escoar dinheiro desviado dos cofres públicos. As duas notas de serviço, que somam R$ 2 milhões, datam de julho de 2011 - assim como os recibos de depósito. No mês seguinte, segundo Fernando Baiano, ele entregou R$ 2 milhões para José Carlos Bumlai pagar despesas de um imóvel de uma nora de Lula. Apesar da revelação de Baiano, todas as demais pistas sugeridas pelo delator e as explicações dadas por Bumlai só confundiram a força-tarefa. O Antagonista sugere à Lava Jato que questione Assad sobre o caso.

Exclusivo: Bumlai tinha acordo de sigilo com Petrobras

De O Antagoanista: José Carlos Bumlai investiu na produção de álcool com a chancela do amigão Lula e a promessa de compra da produção por parte da Petrobras. Sem qualquer processo licitatório, a estatal firmou em 2007 com a Usina São Fernando um contrato de confidencialidade para "trocar informações inerentes a projetos do setor sucroalcooleiro, visando a exploração de potenciais sinergias". O acordo previa o repasse de "informações confidenciais" ao próprio Bumlai e a Rogério Barros, do grupo Bertin. Além desse, foi assinado outro instrumento idêntico para compartilhamento de dados do setor com o grupo Mitsui, o mesmo enrolado na Lava Jato. Quem assina pela Petrobras é Sillas Oliva Filho:


Itaú BBA corta projeções para a Petrobras

A equipe de análise do Itaú BBA prevê que o plano de investimentos da Petrobras entre 2016 e 2020 atinja US$ 83 bilhões, 37% a menos que a estimativa anterior. A expectativa é que as ações da estatal cheguem ao fim de 2016 a R$ 9,00 na Bolsa de Valores, abaixo dos R$ 13,00 previstos anteriormente.

Anotem os nomes

Eis os prefeitos de capitais que assinaram um "manifesto" contra o impeachment de Dilma Rousseff. Anotem os nomes para que nunca mais recebam os seus votos:
Alcides Bernal, de Campo Grande;
Carlos Enrique Franco Amastha, de Palmas;
Clécio Luis Vilhena Vieira, de Macapá;
Eduardo Paes, do Rio de Janeiro;
Fernando Haddad, de São Paulo;
Roberto Claudio Bezerra, de Fortaleza

Eles não sabem o que falam

Advogados que atuam na Lava-Jato acreditam que o afastamento de Marcelo Odebrecht da presidência do grupo empresarial da família pode pesar a favor da concessão de habeas corpus pelo STJ para o empreiteiro, preso desde junho. A tese desses advogados é de que o afastamento "enfraquece um dos fundamentos da manutenção da prisão, o de que, uma vez solto, Marcelo poderia interferir nas investigações". Esses advogados não sabem do que Marcelo Odebrecht é capaz.

Impeachment: 85% das empresas paulistas são a favor

A Fiesp e o Ciesp também perguntaram como as empresas paulistas se posicionavam sobre o processo de impeachment de Dilma Rousseff. O número é só um pouco menor do que o dos próprios empresários.
Vejam os resultados:
E sua empresa, como se posiciona em relação ao processo de impeachment?
- 85,4% a favor
- 4,9% contra
- 9,7% não souberam responder (O Antagonista)
Sabem quando a petista Fiergs vai fazer uma pesquisa dessas? Nunca!!!!

O PT só faz a alegria da banca

A posição dos empresários paulistas quanto ao processo de impeachment é antípoda à dos banqueiros em geral. Explica-se: o PT arruinou o setor produtivo brasileiro, mas faz a alegria da banca mais extorsiva do mundo. (O Antagonista)

Impeachment: empresários apoiam manifestação da Fiesp

A legitimidade da posição da Fiesp quanto ao processo de impeachment é evidente pelo número de empresários que responderam afirmativamente à seguinte pergunta: 
Você acha que a Fiesp deveria se posicionar a respeito do processo de impeachment?
- 91,9 responderam "sim"
- 8,1 responderam "não (O Antagonista)
É claro que esta pesquisa jamais seria feita no âmbito da Fiergs, porque a entidade é a mais sabuja do País, visceralmente petista.

No fim da linha, governo ainda acha que pode dar murro na mesa

Por Reinaldo Azevedo - Ai, que preguiça! A presidente Dilma Rousseff vai começar amanhã uma série de encontros com partidos da base aliada para ouvir os descontentamentos dos parlamentares. A ideia do Planalto é descobrir “o que está faltando” para as siglas e, ao mesmo tempo, detectar quem são os infiéis que estão votando contra o governo no Legislativo. A coluna Painel, da Folha, revelou no fim de semana que a equipe de Dilma Rousseff não vai mais tolerar que aliados com cargos no governo adotem posição dúbia ou defendam o afastamento de Dilma. É mesmo, é? Ou, então, o quê? Um dos ministros mais influentes, Jaques Wagner, da Casa Civil, era um dos mais revoltados e teria dito que é “um absurdo que alguém com cargo no governo seja a favor do impeachment”. Jaques Wagner, o homem revoltado, é aquele que pediu o impeachment de Itamar quando era deputado. A mudança de postura do Planalto ocorre depois de derrotas importantes no Legislativo. Na última semana, o governo sofreu um baque forte com a deposição do líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), e com a vitória da chapa favorável ao impeachment para a comissão especial que vai analisar o tema.

Satélite disponibiliza imagens em alta resolução da Terra; ache sua casa



O Sentinel-2a, novo satélite de observação da União Europeia, entrou em operação. Usuários podem agora, mediante um registro simples na internet, baixar qualquer imagem do planeta. O satélite, que estava em teste desde seu lançamento, em junho, registra imagens da superfície em luz comum e infravermelha. Suas imagens serão usadas por pesquisadores para acompanhar uma série de situações, do crescimento das megalópoles ao desenvolvimento das principais culturas de alimentos do mundo. Outro emprego promissor será em estudos climáticos. 


A política de dados abertos da União Européia permite que qualquer pessoa possa baixar e manipular as imagens do Sentinel. E diferentemente de registros de satélites especializados, que são de difícil interpretação, as imagens coloridas do Sentinel-2a são simples.


A Agência Espacial Europeia (ESA), que controla o satélite, espera uma grande demanda pelas imagens. Milhares de pessoas já se registraram para fazer downloads do Sentinel - a maioria estava interessada nos registros mais complexos de radar produzidos por outro equipamento da mesma família, o Sentinel-1a. "Esperamos que a procura por dados do Sentinel supere todos os precedentes. Já está sendo algo nunca visto. Nunca tivemos tantos downloads", afirmou Volker Liebig, diretor de Observação da Terra na ESA. "É difícil estimar qual será a demanda para o Sentinel-2a, mas certamente será em petabytes." Um petabyte equivale a aproximadamente a 200 mil DVDs. 


Imagens óticas (basicamente aquelas que podemos ver são a pedra fundamental da observação da Terra, e aparecem cada vez mais em aplicativos móveis e na internet. Um grande sucesso nessa área é a série do programa americano Landsat, que há mais de 40 anos fornece um registro contínuo das mudanças do planeta. O Sentinel-2a terá um papel complementar ao Landsat, mas com maior capacidade – o que explica a estimativa de alta procura pelas imagens. Os instrumentos do 2a são sensíveis a um maior número de espectros de luz, permitindo o discernimento de mais informações sobre a superfície. Também irão cobrir uma faixa maior de solo (290 km contra 185 km no Landsat). Suas imagens coloridas possuem ainda uma resolução de dez metros, contra 30 metros do sistema americano. 


O Sentinel-2a ainda não opera em plena capacidade, mas especialistas avaliam que os primeiros registros já cumprem as expectativas de qualidade. Bianca Hoersch, da ESA, diz que ajustes de qualidade estão em curso, e que o download de um registro de 5 GB deverá demorar menos de dez minutos. Quem planeja baixar imagens do satélite deverá ter memória suficiente no computador, pois os arquivos são pesados. O próximo satélite da família Sentinel a ser lançado dentro do bilionário programa Copernicus da União Europeia é o 3a. O foco desse equipamento, que deverá ser lançado no próximo mês, será os oceanos.  

Análise do Palácio do Planalto mostra por que Dilma tem de renunciar

Por Reinaldo Azevedo - O desespero produz qualquer porcaria. Sem ameaça nenhuma de impeachment, Dilma produziu uma recessão de quase 4% neste ano e outra que já caminha para 3% no ano que vem — e há quem preveja que ela pode ser até maior do que a de 2015. Eis que, apesar disso, o governo anda dizendo por aí, sobretudo a alguns setores da imprensa, que a paralisia econômica vai continuar até a definição do processo de impeachment. Assessores do Planalto afirmam que, sem uma decisão sobre o processo, não há expectativa de retomada de investimentos nem de novos leilões de concessões ou reformas necessárias, como a da Previdência. Palacianos dizem ainda que a demora pode levar até ao rebaixamento da nota de crédito do País pela Moody’s e a um salto exagerado no índice de desemprego. Tão logo Eduardo Cunha aceitou a denúncia contra Dilma, nós vimos a reação positiva dos mercados. Não! O mercado não está pondo preço na indefinição: o que custa caro ao País é o risco de Dilma ficar. Ora, ora… O PT está no 13º ano de governo e descobriu agora a urgência da reforma da Previdência. e todo modo, vou levar a sério o que dizem os palacianos… Essa indefinição é mesmo muito ruim. Por isso Dilma deveria renunciar.

Estados Unidos rejeitam carta de crédito de Marin, e ex-presidente da CBF pode voltar à prisão


Os Estados Unidos rejeitaram uma carta de crédito apresentada pelo ex-presidente da CBF, José Maria Marin. Desse modo, a situação do cartola ficou ainda mais difícil em Nova York. Uma carta enviada por seus advogados aos juízes da Corte nos EUA apontou que as autoridades norte-americanas rejeitaram o crédito. O argumento é de que o banco que concedeu a carta era brasileiro, e não americano. A procuradoria dos Estados Unidos indicou que não dará mais um prazo para que Marin encontre o dinheiro. Contudo, seus advogados, por meio de uma carta, suplicaram ao juiz do caso, Raymond Dearie, uma nova data para o depósito. Marin foi preso na Suíça em maio a pedidos dos Estados Unidos por envolvimento no escândalo de corrupção da Fifa, que culminou na prisão de uma série de outros dirigentes do primeiro escalão do futebol mundial. Ele aceitou ser extraditado para Nova York ao final de novembro, com o objetivo de acompanhar seu julgamento em prisão domiciliar. Pelo acordo, ele pagaria US$ 15 milhões para ficar em seu apartamento, na 5ª Avenida. Mas, em vários momentos, os advogados pediram um adiamento dos prazos de depósitos de sua fiança, sob a alegação de estarem com dificuldades para conseguir uma parte do dinheiro — US$ 2 milhões. Na última sexta-feira, dia 11, o advogado de Marin, Charles Stillman, enviou uma carta ao juiz do caso, Raymond Dearie, informando que as autoridades rejeitaram a proposta de depósito. "Nós estivemos nesta semana com conselheiros do governo para propor uma alternativa para a peça final de crédito", indicou.  "Seria na forma de uma carta de crédito de US$ 2 milhões de uma instituição financeira do Brasil. O governo rejeitou a carta de crédito, sob o argumento de que era de uma empresa não-americana", disse. Mas, segundo o advogado, as autoridades concordaram em examinar os documentos que foram deixados com eles. "Em resumo, estamos trabalhando com energia para resolver esse problema para que possamos nos concentrar em lidar com o caso propriamente dito", escreveu. Os advogados, na carta, admitem que a procuradoria americana já rejeitou dar um novo prazo. Mas pedem que Dearie conceda uma nova data. Nesta segunda-feira, a corte americana pode se pronunciar sobre o destino de Marin.

Reguffe deve deixar o PDT e ficar sem partido

Campeão de votos no Distrito Federal e considerado um dos políticos mais promissores da nova geração, o senador Antônio Reguffe, 43, deve abandonar o PDT e permanecer sem partido por alguns meses, até tomar uma decisão. Questões de princípio separam Reguffe do seu atual partido. A única certeza, por enquanto, é que o senador não deve se filiar ao Rede, partido fundado pela ex-senadora Marina Silva. As divergências entre Reguffe e o PDT não são recentes. Sua atuação independente das posições do partido causa-lhe problemas. Reguffe tem relação difícil com Carlos Lupi, chefe do PDT demitido por Dilma num escândalo de corrupção. No Senado, Reguffe não se associa a posições oficiais, de apoio ao governo Dilma, o que irrita a direção (aliás, sem votos) do PDT.

Comissão do Impeachment já estuda chamar réus do Petrolão para depor

Parlamentares da comissão que vai analisar o pedido de impeachment da presidente Dilma já avaliam a convocação de testemunhas que consideram importantes, como auditores e ministros do Tribunal de Contas da União e o procurador do MP junto ao TCU, Júlio Marcelo de Oliveira, que podem detalhar os crimes cometidas pela presidente, como as “pedaladas fiscais” e a edição de decretos ilegais, fazendo despesas indevidas e usurpando prerrogativas do Poder Legislativo. A comissão do impeachment deve votar a convocação de personagens da Lava Jato, para estabelecer vínculos de Dilma com o escândalo. Três já estão definidos para convocação: o doleiro Alberto Youssef e os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró. Aghostilde Carvalho, ex-Petrobras, contou em delação premiada que Dilma sabia tudo, na compra da refinaria superfaturada de Pasadena. O orçamento 2015 é “batom na cueca” contra Dilma. Quando deixou de “pedalar”, o déficit do governo foi de R$ 51 bilhões para R$ 120 bilhões.

Polícia Militar do Distrito Federal neutraliza bomba debaixo de carro acionada por celular, colocada por árabe


Uma bomba considerada sofisticada, com acionamento por celular, foi encontrada no começo da noite deste sábado, pelas 19h, debaixo do automóvel de uma mulher em Sobradinho (DF), e o principal suspeito é um estrangeiro, da região do Oriente Médio,com quem ela se relacionou, segundo fontes da Polícia Militar. Apesar da técnica que a PM considerou sofisticada, ela foi acondicionada em uma garrafa pet. O carro estava estacionado na quadra Central do Setor Bancário de Sobradinho. O esquadrão antibombas do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi acionado e isolou a área. A PM ainda não deu informações sobre providências para a prisão do suspeito.

Banco Central diz que não deu "chancela" para venda do BSI a André Esteves e BTG


Em nota, o Banco Central do Brasil afirma que não deu "chancela" para que a agência reguladora dos bancos suíços, a Finma, aprovasse a venda do banco BSI, com sede em Lugano, para o BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, em 2014. "A autorização para funcionamento, aquisição e mudança de controle é de competência de cada supervisor nacional. Assim, nenhum intercâmbio específico de informações foi feito entre o BCB e a Finma para chancelar o negócio, cabendo exclusivamente à autoridade de supervisão suíça a autorização da operação, sem quaisquer interferências da supervisão brasileira", destacou o comunicado. Ainda no comunicado oficial, o Banco Central ressalta que a troca de informações entre supervisores não apenas é parte da rotina do trabalho destes órgãos como é o padrão da boa supervisão. "Esse intercâmbio integra os 'Core Principles for Effective Banking Supervision' (Core Principle 3), espécie de documento-base, elaborado pelo Comitê da Basiléia para a Supervisão Bancária, e relativamente ao qual a supervisão brasileira é aderente', destaca: "A troca de informações, contudo, não contempla, em momento algum qualquer 'chancela', tampouco interferência nas competências de cada supervisor nacional".