terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Justiça aceita denúncia contra Joesley Mendonça Batista, da JBS, e João Heraldo dos Santos Lima, do Banco Rural, por crime contra o sistema financeiro

Joesley Batista, presidente da J&F

O Ministério Público Federal em São Paulo informou nesta terça-feira que denunciou nove pessoas ligadas ao grupo J&F, controlador da processadora de carne bovina JBS, e ao Banco Rural, por crime contra o Sistema Financeiro Nacional. Em 19 de janeiro, a denúncia foi aceita pela Justiça. Entre os réus do processo estão Joesley Mendonça Batista, presidente da J&F e presidente do conselho de administração da JBS, e João Heraldo dos Santos Lima, presidente do Banco Rural. Em nota, o Ministério Público Federal mencionou uma operação feita em 2011 como base para a denúncia. Segundo os promotores, as empresas concederam empréstimos entre si, em operações conhecidas como "troca de chumbo", na qual instituições financeiras de diferentes grupos econômicos emitem crédito a empresas que também fazem parte desses conglomerados. A lei veda a concessão de empréstimo de uma entidade financeira a suas sociedades controladoras. De acordo com o Ministério Público Federal, J&F Participações e a Flora Produtos de Higiene e Limpeza, da J&F, obtiveram 80 milhões de reais em empréstimos do Banco Rural, um dia após abrirem contas correntes na instituição. Quatro dias depois, a empresa Trapézio, controladora do Banco Rural, recebeu empréstimo no mesmo valor, 80 milhões de reais, ao firmar contrato com o Banco Original, da J&F, responsável por emitir a nova operação de crédito. Após o anúncio do Ministério Público Federal, as ações do JBS passaram a cair fortemente na Bovespa. Os papéis fecharam em baixa de 7,33%, a 9,86 reais. Em comentário a clientes, analistas do Bradesco BBI afirmaram que se trata de notícia negativa para a JBS. Também citaram que "a quantia, 80 milhões de reais, é pequena em relação ao tamanho do grupo". Mas, é assim que começam as grandes derrocadas. 

Fernando Baiano pede perdão judicial


O lobista Fernando Baiano, operador do petrolão na área internacional da Petrobras, encaminhou ao juiz Sergio Moro pedido de perdão judicial. Ele alega que seus depoimentos de delação premiada foram cruciais para as investigações, em especial para detalhar o papel do pecuarista José Carlos Bumlai e do Grupo Schahin no esquema de propina envolvendo o contrato do navio-sonda Vitoria 10.000. Preso desde novembro, Bumlai admitiu ter contraído um contrato fictício de cerca de 12 milhões de reais no Banco Schahin para depois repassar os valores ao PT. Em troca, a Schahin conseguiu o contrato do navio-sonda. Segundo a defesa de Fernando Baiano, "a colaboração premiada desempenhou papel fundamental nas investigações que resultaram na presente ação penal [que envolve Bumlai]". "As declarações e informações fornecidas ao longo de sua colaboração com o Ministério Público Federal foram indispensáveis para o sucesso da investigação policial. O depoimento de Fernando Soares foi central não só para a elucidação da negociação ocorrida dentro da área internacional, mas também para a compreensão do vínculo entre José Carlos Bumlai e o Grupo Schahin e seu interesse na contratação da empresa pela Petrobras", dizem os advogados.

Máfia da merenda: preso fecha acordo de delação premiada


O ex-presidente da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), Cássio Izique Chebabi, preso na semana passada na Operação Alba Branca, que investiga fraudes em contratos para o fornecimento de merenda em troca de pagamento de propina para agentes públicos, fechou acordo de delação premiada com o Ministério Público de São Paulo. Chebabi presidiu a Coaf até outubro de 2015. Por meio de seu advogado, Ralph Tórtima Filho, Chebabi manifestou interesse em um acordo de delação premiada na quarta-feira passada, um dia após ser preso, e já na quinta-feira relatou durante seis horas o esquema de corrupção aos investigadores da Alba Branca. "Ele não se negou a responder nada e passou informações sobre as cidades em que houve pagamento de propina", diz Tórtima, que não revela se seu cliente detalhou pagamentos a políticos. Depois de depor, Chebabi teve a prisão temporária relaxada e foi liberado. O ex-presidente da Coaf mora em Bebedouro, cidade a 395 km de São Paulo, onde fica a sede da cooperativa devassada pela operação da Polícia Civil. Além de Cássio Chebabi, outros cinco integrantes da Coaf foram presos na terça-feira passada. A Operação Alba Branca envolve acusações contra quatro deputados e o ex-chefe de gabinetes da Casa Civil do governo de São Paulo. Interceptações telefônicas dos integrantes da Coaf e depoimentos dos presos citam, além do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), o tucano Fernando Capez, os deputados federais Baleia Rossi (PMDB) e Nelson Marquezelli (PTB) e o deputado estadual Luiz Carlos Gondim (SD). Também é citado o ex-chefe de gabinete da Casa Civil paulista, Luiz Roberto dos Santos, o "Moita", demitido na segunda-feira, que aparece diretamente nos grampos telefônicos conversando com membros da quadrilha e pedindo dinheiro e eletrodomésticos aos investigados. 

Grande façanha, Porto Alegre agora faz parte da lista das 50 cidades mais violentas do mundo


Porto Alegre conseguiu a suprema façanha, agora na lista das 50 mais violentas do mundo. A lista das 50 cidades mais violentas do mundo, da ONG Conselho Cidadão pela Seguridade Social Pública e Justiça Penal, do México, é liderada pela hondurenha San Pedro Sula. A cidade, que tem uma taxa de homicídios de 171,20 para cada 100.000 habitantes, encabeça o ranking pelo quarto ano consecutivo. No entanto, o que mais preocupa é o aumento das cidades brasileiras entre as 50 mais violentas do mundo. São 21 as brasileiras, inclusive Porto Alegre, que estréia na lista. É o maior número de qualquer País. Das cidades brasileiras, a primeira a aparecer é Fortaleza, em 12º lugar. Em seguida vem Natal, em 13º, Salvador e região metropolitana, em 14º, e João Pessoa (conurbação), em 16º. Belo Horizonte, que figurava na lista do ano anterior, desta vez não apareceu. O contrário aconteceu com 3 cidades brasileiras, que estavam fora da lista de 2014, mas entraram na de 2015: Feira de Santana (27º), Vitória da Conquista (36º) e Campos dos Goytacazes (39º). Também aparecem Maceió (18º lugar), São Luís (21º), Cuiabá (22º), Manaus (23º), Belém (26º), Goiânia e Aparecida de Goiânia (29º), Teresina (30º), Vitória (31º), Recife (37º), Aracaju (38º), Campina Grande (40º), Porto Alegre (43º), Curitiba (44º) e Macapá (48º). Das 50 cidades, 41 ficam na América Latina: 21 no Brasil, 8 na Venezuela, 5 no México, 3 na Colômbia, 2 em Honduras, uma em El Salvador e uma na Guatemala. Outros países com cidades na lista foram África do Sul, Estados Unidos e Jamaica. O Brasil do regime petralha já consegue ser pior do que a destroçada Venezuela do bolivarianismo. É uma façanha inalcançável. 

FGV pesquisa inflação junto a consumidores: 11,3% foi o índice

A Fundação Getúlio Vargas ouviu os consumidores para estimar a inflação dos próximos 12 meses. A pesquisa resultou num acumulado de 11,3%. O indicador é 0,3 % superior à pesquisa realizada em dezembro do ano passado. Conforme a FGV, o aumento é reflexo de um alto Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial, que fechou 2015 em 10,67%, bem acima do teto da meta de inflação do governo federal, de 6,5%. É esperada uma reversão desta expectativa dos consumidores, no entanto, pela fundação, no segundo semestre deste ano, quando os efeitos da crise sobre os preços serão intensificados.

Contas externas apresentam déficit de quase US$ 60 bilhões

O Brasil gasta mais do que arrecada e isso não é novidade. Hoje, o Banco Central apresentou os dados das contas externas do país e, claro, fecharam 2015 com déficit de US$ 58,942 bilhões. Esse saldo negativo das transações correntes, que são as compras e as vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com o mundo, correspondeu a 3,32% de tudo o que o país produziu – Produto Interno Bruto (PIB). O resultado ficou abaixo da projeção do BC para o ano, de US$ 62 bilhões ou 3,48% do PIB. A conta de serviços (viagens internacionais, transportes, aluguel de equipamentos, seguros, entre outros) contribuiu para o resultado negativo, com US$ 36,978 bilhões.

Ibope: 82% acham que Brasil está no rumo errado e ficará pior em 2016

Desde o início da era petista, em 2003, nunca tantos brasileiros avaliaram que o Brasil está indo na contramão quanto agora: 82% acham que o País está no rumo errado, segundo pesquisa inédita do Ibope, exclusiva para a coluna. Só 14% acham que o Brasil vai na direção certa; 4% não sabem dizer. É como se o País seguisse pelo acostamento da mão oposta. A contrariedade com o rumo nacional é maior entre os jovens (88%), nas grandes cidades (87%), no Sudeste (87%) e entre quem ganha mais (88%). Mas também é alta em redutos governistas: 77% no Nordeste e entre os mais pobres. Pior: pela primeira vez, as opiniões dos brasileiros sobre os rumos do País coincidem com o que eles leem e ouvem falar. A percepção pessoal costuma ser bem mais otimista do que a coletiva. Não mais: 82% versus 85%. No Brasil, a incapacidade de a oposição ganhar uma eleição que lhe era francamente favorável bloqueou a mudança de rumo pelas urnas, levando a um impasse que paralisou o País política e economicamente ao longo de 2015. E, pelo que indica esta pesquisa Ibope, o “standoff” deve se estender em 2016. Em relação à política, apenas uma minoria dos brasileiros – 28% – acredita que o novo ano será melhor. Como 2015 foi de impasse, os 31% que apostam que 2016 será igual somam-se aos 38% que acham que o ano será ainda pior. Ou seja, dois em cada três não demonstram esperança de saída para a crise política. Como consequência, 46% acham que a economia do País vai piorar, e 26%, que ficará igual – ou seja, na pior recessão desde 2002.

Ativos totais do Sicredi no Rio Grande do Sul cresceram 21,6%, fechando 2015 em R$ 26,4 bilhões

O Banco Sicredi, no Rio Grande do Sul, fechou 2015 com saldo positivo, somando ativos totais administrados acima de R$ 26,4 bilhões, que representam 21,6% de crescimento sobre igual período de 2014. Os dados foram revelados em Porto Alegre pelo diretor executivo, Gerson Steefeld. As sobras totais (distribuída aos associados no final de cada ano fiscal) somaram R$ 754,5 milhões, tendo crescido 67,39 % sobre o ano passado. As 39 cooperativas do Rio Grande do Sul filiadas ao Sistema Sicredi, que possuem 574 pontos de atendimento com cobertura em 452 municípios (92%), obtiveram aumento de 5,41% no número de associados Pessoa Física e 6,74% em Pessoa Jurídica somando mais de 1,508 milhão de associados. O patrimônio líquido ficou acima dos R$ 3,9 bilhões, representando uma evolução de 21,38% sobre o ano passado. Os depósitos totais cresceram 17,78%, somando mais de R$ 12,3 bilhões (com share de 16,8%). E na carteira de poupança a evolução foi de 22,06%, apresentando mais de R$ 2,7 bilhões (e share de 5,09%). Já nas operações de crédito totais o avanço foi de 6,77%, totalizando mais de R$ 13,4 bilhões (share de 8,01%). O Sicredi é uma instituição financeira cooperativada com mais de 3,2 milhões de associados e 1.394 pontos de atendimentos, em 11 Estados do País: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Pará, Rondônia e Goiás. 
- Mais de 3,2 milhões de associados - cresceu 7,9%
- R$ 52,6 bilhões de ativos totais - cresceu 14,2%
- R$ 30,6 bilhões em operações de crédito total - cresceu 10,1%
- R$ 8,1 bilhões de patrimônio líquido - cresceu 21,1%
- 18,8 mil empregados
- São 95 cooperativas no Brasil
- 1.394 pontos de atendimento - foram 60 novos pontos abertos em 2015
- R$ 1,442 bilhão em sobras - cresceu 14,1%

Jornal diz que parceiro de Erenice pode fazer delação premiada

Por Reinaldo Azevedo - A Folha informa que o ex-conselheiro do Carf José Ricardo da Silva cogita celebrar um acordo de delação premiada. Ele se reuniu com um dos procuradores responsáveis pela Operação Zelotes, Frederico Paiva, na última semana. José Ricardo da Silva, que está preso, é acusado de participar do esquema de pagamento de propina a conselheiros do Carf, órgão vinculado ao Ministério da Fazenda encarregado de julgar recursos de multas aplicadas pela Receita Federal. O advogado do ex-conselheiro, Getúlio Humberto de Sá, confirmou o encontro, mas negou que seu cliente fará a delação. A Procuradoria da República no Distrito Federal informou que não comentará o assunto. Pois é… A esta altura, há companheiros com pesadelo. José Ricardo havia celebrado uma parceira com ninguém menos do que Erenice Guerra. Uma coisa linda! Ele era conselheiro do Carf, mas atuava como advogado, em companhia de Erenice, contra os interesses do… Carf.

Receita vai cobrar CPF de dependentes do IR com 14 anos ou mais


A Receita Federal reduziu para 14 anos a idade obrigatória de inscrição no CPF para dependentes na declaração do Imposto de Renda. A decisão foi publicada nesta segunda-feira (25) no Diário Oficial da União. Antes, a exigência era para brasileiros com 16 anos ou mais. De acordo com o Fisco, a mudança tem o objetivo de reduzir o risco de fraudes relacionadas à inclusão de dependentes fictícios na declaração e à inclusão de um mesmo dependente em mais de uma declaração. A nova regra já valerá para as declarações do IR feitas neste ano, relativas ao exercício fiscal do ano passado. Em 2015, cerca de 890 mil dependentes tinham 14 ou 15 anos, informou a Receita.

'O Brasil não parou, nem vai parar', diz Dilma sobre economia



O Brasil passa por um período de "transição econômica" e "dificuldades temporárias", mas não está paralisado. Esta é a avaliação feita pela presidente Dilma Rousseff em entrevista, no domingo (24), ao jornal 'El Comercio', do Equador. A presidente viajou para Quito, capital do país, onde participa de cúpula da Celac (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos). Em entrevista por escrito, ela comentou temas como a situação política em países vizinhos, os Jogos Olímpicos no Rio e as investigações sobre corrupção na Petrobras. "Confio que a economia brasileira vai superar estes desafios e emergir mais forte e mais competitiva. () O Brasil não parou nem vai parar", afirmou. Questionada sobre a manutenção de políticas sociais, Dilma disse que as ações estão mantidas. "Não vamos retroceder em políticas exitosas de inclusão social e não vamos nos descuidar daqueles que mais necessitam. Mesmo em um contexto de ajuste, mantivemos os programas sociais e os principais investimentos", defendeu. Questionada sobre mudanças no rumo político da região, a presidente afirmou ver com "naturalidade a alternância de poder". Ela ainda minimizou eventuais impactos nas relações do Brasil com países como a Argentina e Venezuela, diante da eleição de Maurício Macri e da vitória da oposição nas eleições legislativas, respectivamente. "As relações do Brasil com seus vizinhos sul-americanos são, antes de tudo, relações entre Estados, fundamentadas em interesses compartilhados e projetos muito concretos de integração." Dilma foi enfática ao ser questionada sobre a postura brasileira diante do cenário de crise política e econômica na Venezuela. "Ocorreu de tudo, menos silêncio por parte do Brasil em relação à Venezuela", argumentou a presidente, citando os "princípios básicos de não ingerência e autodeterminação dos povos". Ela reconheceu, entretanto, que o país vizinho passa por "momentos difíceis" e que a expectativa do Brasil é que governo e oposição "mantenham e aperfeiçoem o diálogo e a boa convivência". Dilma também foi questionada sobre as investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga desvios de verba na Petrobras. Ela ponderou que seu govenro é "implacável" com o combate à corrupção. "A Polícia Federal sempre teve total autonomia para investigar as denúncias de corrupção, e a Justiça brasileira, respeitando a Constituição e a legislação nacional, tem atuado de maneira independente", disse. Dilma voltou a se posicionar contra o impeachment de seu mandato. "Não é aceitável, numa sociedade democrática e participativa, tirar um presidente apenas por divergência política, sem nenhum respaldo jurídico."

Azul anuncia que irá dobrar número de rotas a partir do Recife



A partir de fevereiro, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras pretende dobrar o número de destinos a partir do Recife. Apesar de atingir todas as regiões do País, a nova malha da companhia será focada no interior do Nordeste. Ainda sob avaliação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), as novas rotas foram divulgadas, nesta segunda-feira (25), pela Azul. Por enquanto, a empresa mantém, na capital pernambucana, 24 vôos por dia para 12 bases. Passarão a ter ligações diárias e sem escalas com destino ao Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes vôos das cidade de Petrolina (PE), Juazeiro do Norte (CE), além de Campina Grande (PB). As cidades baianas de Ilhéus e Porto Seguro terão frequências aos sábados. Também fazem parte da estratégia da Azul as cidades de João Pessoa, que estreará a ampliação da malha a partir do 22 de fevereiro. Neste dia, a empresa, ainda, incluirá a maior aeronave de sua frota, o jato A330 com 272 assentos, em uma ligação, que deixará de ser semanal e passará a ser diária entre Campinas (SP) e Recife. Segundo a companhia, as novidades permitirão à Azul ser a única a conectar todas as capitais nordestinas. Do Centro-Oeste, Sul e Sudeste, também terão voos diretos para o Recife as cidades de Brasília, Belém, Curitiba, Goiânia, Presidente Prudente (SP) e São Paulo, por meio do aeroporto de Congonhas. O calendário para o início das novas frequências segue até maio. A partir do dia 15 de março passam a ter vôos diretos à capital pernambucana as cidades de Brasília, Belém, Juazeiro do Norte (CE), Petrolina (PE), Ilhéus (BA), Goiânia e Curitiba. Além das novas rotas, na mesma data, a Azul passará a ter dois vôos diários do Recife para Guarulhos (SP), três para Natal e Confins em Belo Horizonte, e quatro para Fortaleza. No dia 29 de março, a companhia retomará as operações em Campina Grande (PB). Em 2 de abril, entram em operação os vôos para Porto Seguro (BA) e São Paulo. Na sequência, em 7 de maio, será a vez de Presidente Prudente (SP). Aos fins de semana, será criada uma malha dedicada à Azul Viagens - operadora de turismo da Azul - voltada a quem viaja a lazer para o Nordeste. A intenção da companhia é ligar grandes centros urbanos como Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo, por exemplo, aos destinos turísticos da Região via Recife. A Azul Linhas Aéreas Brasileiras detém uma frota de 140 aeronaves, mais de 10.000 funcionários, um número superior a 900 voos diários, mais de 100 destinos servidos e um terço do total de decolagens do País. 

Dois palestinos mortos após esfaquear duas mulheres na Cisjordânia

Dois palestinos feriram a facadas duas mulheres, uma delas gravemente, em uma colônia israelense da Cisjordânia, informaram a polícia e os serviços de segurança israelenses. Os dois homens esfaquearam suas vítimas, de 40 e 58 anos, respectivamente, na colônia de Beit Horon, noroeste de Jerusalém. Uma das vítimas, de 23 anos, ficou gravemente ferida, e a outra, teve ferimentos leves. Os dois agressores foram mortos pelos seguranças da colônia, segundo a polícia. Agentes especiais desarmaram dois artefatos explosivos no local do ataque, segundo o exército e a polícia. Os dois atacantes palestinos foram identificados como Ibrahim Allan, com cerca de vinte anos, e Hussein Abu Ghosh, um adolescente, de acordo com a polícia. Este é o terceiro ataque dentro de uma colônia em oito dias, enquanto Cisjordânia, Jerusalém e Israel vivem uma onda de violência que deixou 159 mortos palestinos e 24 israelenses desde 1º de outubro. A maioria dos palestinos mortos são autores de ataques ou agressores. Um americano e um eritreu também morreram na violência.

PT reúne cúpula nacional para definir estratégia de sobrevivência nas eleições municipais

No momento em que vive a pior crise de sua história, de quase 36 anos, o PT reúne nesta terça-feira, em Brasília, sua cúpula nacional para analisar a conjuntura e traçar sua estratégia de sobrevivência em ano de eleições municipais. A pauta do encontro da Executiva Nacional também deve incluir o agravamento do cenário econômico do País, a Reforma da Previdência proposta pela presidente Dilma Rousseff e as consequências das mudanças eleitorais nas campanhas de 2016. Diante do aumento do desemprego e da volta da inflação, os petistas consideram a crise econômica um tema crucial para a primeira reunião do ano. "A maior preocupação é com as notícias da área econômica", diz o atual líder da bancada do PT na Câmara, Sibá Machado (AC). A corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), majoritária no partido, fez nesta segunda-feira uma reunião prévia ao encontro desta terça-feira. Sibá defende que o partido comece a debater a questão da Reforma da Previdência e que organize uma agenda de conversas com as centrais sindicais antes de se posicionar oficialmente sobre a fixação de uma idade mínima para aposentadoria, como sugeriu a presidente Dilma. O comando do partido pretende definir uma linha de atuação para as eleições municipais. Preocupados com os desdobramentos da Operação Lava-Jato e o reflexo das investigações sobre a imagem da sigla, os petistas temem que a janela partidária — criada a partir da promulgação da emenda constitucional nas próximas semanas que permitirá a migração partidária de detentores de cargos eletivos sem risco de perda de mandato — tire do PT quadros considerados competitivos. Outro ponto que é objeto de preocupação no partido é o fim das doações empresariais para campanhas eleitorais. A questão em discussão será como fazer campanhas mais baratas. Para Guimarães, o principal desafio será criar a unidade na legenda diante da crise econômica e política. Apesar de considerar que o processo de impeachment deflagrado na Câmara dos Deputados tenha esfriado, o vice-presidente do PT afirma que é preciso criar um ambiente de união entre PT, governo e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que o partido tenha condições de enfrentar os adversários em ano eleitoral. 

Israel aprova mais de 150 novas residências na Cisjordânia

O Ministério israelense da Defesa aprovou a construção de 153 novas casas nas colônias da Cisjordânia. Esta é a primeira vez em um ano e meio que o governo aprova planos para novas construções na Cisjordânia. Adotados na semana passada, esses planos se referem a construções de residências perto da colônia de Ariel (norte), da colônia de Carmel, na região de Hebron, e no bloco de colônias de Goush Etzion. 

Macri poderá extraditar guerrilheiro que recebeu asilo de Cristina Kirchner


Em mais uma mostra de que vai conduzir uma política externa oposta à de Cristina Kirchner, o governo argentino de Mauricio Macri indicou que poderá extraditar um ex-guerrilheiro chileno. O sinal foi dado na tarde desta segunda-feira (25) após encontro entre a vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti, e a dirigente do Chile, Michelle Bachelet, em Santiago. 


"A intenção é chegar a um entendimento, inclusive com a possibilidade real de extradição", disse Michetti ao ser questionada sobre o caso de Galvarino Apablaza. O ex-guerrilheiro é acusado de ser o autor intelectual do assassinato do senador Jaime Guzmán, fundador do partido direitista União Democrata Independente (UDI) e um dos principais colaboradores da ditadura de Augusto Pinochet. Aplabaza fugiu para a Argentina em 1993 –dois anos após o crime– e foi considerado refugiado político pelo governo Kirchner em 2010. Desde então, vive em Buenos Aires com três filhos argentinos. Após a visita ao Chile, a vice-presidente argentina segue para o Equador, onde participará da cúpula dos países latino americanos e caribenhos. Michetti afirmou à imprensa chilena que, durante o encontro de Estados, abordará a preocupação da Argentina com a situação dos presos políticos na Venezuela.

Juiz define prazo para Dilma se manifestar

Por Reinaldo Azevedo - O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, determinou que a presidente Dilma Rousseff se manifeste até o dia 5 de fevereiro em ação penal referente à Operação Zelotes. Dilma foi arrolada como testemunha de defesa pelo empresário Eduardo Valadão, preso desde outubro do ano passado. Ela prestará depoimento em processo que apura a suposta compra de medidas provisórias que teriam beneficiado o setor automotivo. A data estabelecida pelo magistrado vale também para outras testemunhas detentoras de foro privilegiado, como o ministro Aloizio Mercadante (Educação) e o deputado José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara. Apenas Dilma, no entanto, poderá se manifestar por escrito, prerrogativa do presidente da República. Os empresários que arrolam autoridades do governo como testemunhas estão em busca do óbvio: que atestem a sua inocência. Até porque há algo obviamente de estranho em tudo isso, não? Se alguém comprou medida provisória, alguém vendeu. É estranho que supostos compradores estejam na cadeia, em prisão preventiva, mas os que seriam, então, os vendedores não sejam sequer investigados em inquérito.

Diplomatas brasileiros foram intimados a abastecer a adega de Lula, a mais valiosa do País


Na reta final do governo, as visitas de Lula ao exterior foram marcadas por ligações do Planalto às embaixadas do Brasil informando que o então presidente “esperava receber de presente” algumas caixas de vinhos especiais, cuja lista era em seguida enviada. Foram usados 11 caminhões da Granero na volta de Lula a São Bernardo (SP), no início de 2011. Um deles, climatizado, levou um espantoso acervo de vinhos. Embaixadores do Brasil naquela ocasião afirmaram que recebiam o “pedido” do Planalto como um ultimato. Outros diplomatas interpretaram o pedido do Planalto como uma “oportunidade de agradecer” o posto que ocupavam no Exterior. Lula deixou o Alvorada com 1.403.417 itens em 11 caminhões, mas d. Marisa pediu à Granero “cuidado redobrado” com a adega de Lula. A oposição planeja, este ano, esmiuçar a formação da adega de Lula, considerada hoje como uma das mais valiosas de todo o País.