segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

A antena de Marisa

A assessoria de imprensa do Instituto Lula, procurada pelo Valor para comentar a reportagem sobre a antena da Oi, respondeu que "o ex-presidente Lula não possui aparelho celular". José Carlos Bumlai, em depoimento à Lava Jato, já havia explicado isso. Lula usa o celular de sua mulher, Marisa.

Lava Jato quer lista de chamadas da antena da Oi montada para atender o sítio de Atibaia

A Oi instalou em 2011 uma antena junto ao sítio de Lula em Atibaia. De posse dessa informação, a força-tarefa da Lava Jato vai pedir agora o histórico de chamadas tentadas, geradas e recebidas por meio daquela torre. O pedido do Ministério Público Federal engloba os últimos três anos, pois a licença de operação dessa ERB (Estação Rádiobase) foi concedida em 2013. Para agilizar o processo, a Lava Jato vai restringir o pedido a determinados celulares usados por pessoas citadas na investigação, o que inclui familiares de Lula e os "donos formais" do sítio, Jonas Suassuna e Fernando Bittar. 

Lista de chamadas telefônicas vai mostrar quem usou o sítio de Atibaia

O objetivo da quebra do sigilo das chamadas feitas por meio da antena da Oi instalada ao lado do sítio de Atibaia é mostrar quem frequentava o local. A Lava Jato poderá checar se Jonas Suassuna e Fernando Bittar, que se dizem donos do sítio, fizeram ou receberam ao menos uma chamada. O mesmo raciocínio vale para registros que mostrem telefonemas de Marisa, de José Carlos Bumlai e de seguranças de Lula.

O rombo de R$ 46 bilhões dos fundos de pensão

A Folha de S. Paulo diz que “nos cálculos de técnicos da Fazenda, se nada for feito, o sistema previdenciário brasileiro colapsará em dez anos, e não em 30 anos, conforme projeções anteriores”. Uma parte do sistema previdenciário, na verdade, já quebrou: aquela que foi saqueada diretamente pelo petismo. Uma reportagem de O Globo, publicada nesta segunda-feira, revela que "o rombo acumulado dos quatro principais fundos de pensão de estatais - Postalis, Petros, Funcef e Previ - deve ter ultrapassado 46 bilhões de reais em 2015".

Colaboracionismo tucano

Lula mandou a CUT rejeitar a reforma da Previdência. Dilma Rousseff, porém, está tranquila: ela pode contar com o apoio do PSDB. O Valor disse: “No que depender do PSDB, principal partido de oposição, o governo pode contar com apoio para discutir e até aprovar algumas das reformas que considera fundamentais, como a da Previdência Social. Ao contrário do que aconteceu ano passado, quando namorou com a irresponsabilidade fiscal e surpreendeu a própria militância, o partido agora pretende imprimir ação legislativa coerente com suas antigas bandeiras”. O Valor disse também: “O impeachment de Dilma perdeu força dentro do PSDB, durante o recesso parlamentar. No contato com suas bases eleitorais, os tucanos registraram que a pressão para tirar o deputado Eduardo Cunha da presidência da Câmara é hoje maior que a pressão para o afastamento da presidente”.

Lula contra Dilma

Lula é um patriota. Ele disse a sindicalistas, segundo Monica Bergamo, “que, em caso de conflito maior entre trabalhadores e o governo Dilma Rousseff por causa da reforma da Previdência, eles devem optar por suas bases sociais”. E mais: “O apoio ao governo, portanto, não deve se sobrepor à própria sobrevivência política dos dirigentes sindicais”.

O umbigo de Dilma

O desgaste de Lula pode levar ao impeachment de Dilma. É o que dizem os oposicionistas, segundo o Estadão: “A decisão de apostar em um desgaste de Lula pode ajudar a oposição a tentar resgatar a força do pedido de impeachment de Dilma, em suspenso por decisão do STF. Para o líder do DEM, Pauderney Avelino, o governo ‘se engana’ ao achar que o movimento pelo afastamento de Dilma arrefeceu. ‘Lula e Dilma estão umbilicalmente ligados, não tem como separar’, avalia ele”.

Rosa Weber vai salvar Dilma no TSE

A carta de Dilma Rousseff para barrar o processo no TSE é Rosa Weber. A Folha de S. Paulo informa que “o Palácio do Planalto e o PT apostam em mudanças na composição do plenário do TSE para arrastar a análise dos processos de cassação da presidente Dilma Rousseff e de seu vice, Michel Temer, e beneficiá-los no julgamento”. Em 13 de maio, o ministro Dias Toffoli será substituído no TSE por Rosa Weber, “considerada mais técnica e menos afeita a paixões partidárias, nas palavras de auxiliares da presidente”.

Quem assinou o contrato com a Oi?

Companhias de celular costumam pagar entre R$ 2 mil a R$ 10 mil pela locação dos terrenos onde instalam suas torres. São contratos de dez anos. A Lava Jato precisa requisitar urgentemente o contrato da "antena do Lula".

Sítio de Atibaia não tem licença para uso de água..... é tudo na ilegalidade

O Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE) confirmou que "não houve pedido para o uso da água na propriedade" frequentada por Lula em Atibaia. Após consulta, o DAEE informou que "enviará uma equipe técnica para vistoriar a área do Sítio Santa Bárbara" e "em caso de irregularidade, os proprietários serão notificados e terão o prazo legal de 30 dias para prestar os devidos esclarecimentos". Disse também que "Os usuários sem outorga para o uso da água estão sujeitos às sanções previstas na legislação que regulamenta o uso dos recursos hídricos (Lei 7.663/91, Decreto 41.258/96, Portaria DAEE 717/96, Portaria DAEE 01/98, Portaria DAEE 1800/2013 e Portaria DAEE 1.29/2014)". É mesmo?!!! Mas.... até agora, nenhum burocrata paulista tinha levantado o traseiro de sua carreira para fiscalizar sítio tão famoso, não é mesmo? As tecnocracias no Brasil sabem se proteger mutuamente muito bem. 

Azul corta vôos, devolve 20 aviões e dá licença para evitar demissões

A crise se aprofunda também no setor aéreo, como noticiamos. A Azul acaba de comunicar aos tripulantes um programa de "licença não remunerada". No comunicado interno a companhia fala em redução da oferta de vôos e devolução de mais de 20 aeronaves neste semestre. O que houve com a classe C que lotava os aeroportos? Cadê a famosa classe C do petismo? Onde está ela, que se evaporou dos aeroportos? Até companhia de americano se ferra no Brasil. A Azul pertence ao americano David Neeleman. O problema dele deve ser porque nasceu no Brasil. Enfim, esses capitalistas paraestatais brasileiros, que só crescem grudados ao Estado, acreditaram piamente no regime petralha, alavancaram-se a mais não poder, e agora despencam todos dos céus. Preparem-se, porque vai acontecer falência de companhia aérea. É o milagre do petismo.  


PIB deve despencar 5,37% no 1º trimestre, aponta o boletim Focus do Banco Central


A atividade econômica brasileira deve encolher 5,37% no primeiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2015, segundo os economistas consultados pelo Banco Central para o Boletim Focus. Se confirmado, será o segundo maior tombo da série histórica, iniciada em 1996. A maior queda do PIB (Produto Interno Bruto) deve ter acontecido no quarto trimestre de 2015, também na comparação com o mesmo período do ano anterior, com recuo de 5,70%, segundo previsão do Focus. O resultado do PIB no último trimestre do ano passado será divulgado dia 3 de março. O desempenho do PIB vem piorando desde o segundo trimestre de 2014, quando recuou 0,8%, e desde então apresenta quedas cada vez mais profundas.
Período Variação em relação ao mesmo período do ano anterior
1º trimestre/2014 +3,20%
2º trimestre/2014 -0,80%
3º trimestre/2014 -1,10%
4º trimestre/2014 -0,70%
1º trimestre/2015 -2,00%
2º trimestre/2015 -3,00%
3º trimestre/2015 -4,50%
Fonte: IBGE
A partir deste ano, a atividade econômica deve desacelerar o ritmo de queda, mas manter o patamar negativo até, pelo menos, o primeiro trimestre de 2017, quando o PIB deve recuar 0,40%.
4º tri/2015 -  -5,70%
1º tri/2016 -  -5,37%
2º tri/2016 -  -3,93%
3º tri/2016 -  -2,45%
4º tri/2016 -  -1,33%
1º tri/2017 -   -0,40%
Fonte: Banco Central - Boletim Focus
As fortes quedas trimestrais devem levar o PIB a encerrar este ano com recuo de 3,33%, mas mostrar recuperação e crescer 0,59% em 2017, segundo o Boletim Focus.

Top-top deveria falar com as vítimas

O fubango Marco Aurélio Garcia deveria repetir o que disse sobre o triplex de Lula às vítimas da Bancoop que fizeram fila no sábado diante do promotor Cássio Conserino. Ele esteve no residencial Colina Park. Hoje, estará no Ilhas de Itália e amanhã no Casa Verde.

O programa da semana: Lula no Fórum Criminal

A agenda imperdível:
- 17 de fevereiro, às 11 horas, depoimento de Lula e Marisa no Fórum Criminal da Barra Funda, Av. Dr. Abrahão Ribeiro, 313;
- 23 de fevereiro, às 8 e meia da noite, panelaço no programa partidário do PT;
- 13 de março, protesto pelo impeachment.

O TSE e a obrigação moral

Na semana passada, O Antagonista ouviu de um senador que o TSE só julgaria a ação de impugnação do mandato eleitoral de Dilma Rousseff em meados de 2017. Agora, com as informações enviadas por Sergio Moro ao tribunal, mostrando que houve o uso de propina do petrolão para doações eleitorais registradas, como é o caso dos 4 milhões de reais dados ao PT de João Vaccari Neto, os ministros do TSE têm a obrigação moral de acelerar os prazos do julgamento. Sim, obrigação moral: ela ainda existe, apesar do esforço das autoridades brasileiras em cancelá-la.

Já está preparada a fraude do financiamento eleitoral neste ano

Desde a década de 80 a ORCRIM disfarçava seus gastos eleitorais com fajutas listas de doadores individuais, assim encobrindo os recursos obtidos com desvios e propinas de administrações municipais controladas pelo partido. Uma horda de estúpidos acreditava píamente que ajudando o partido emprestando seus nomes e seus CPFs. Atualmente, depois de 13 anos de regime petralha, a ORCRIM detém listas gigantescas, cadastros enormes, que já foram utilizados na última eleição com objetivo de terrorismo eleitoral, via torpedos ou mensagens pelo Whatsapp. Conhece casal aposentado de auditores da Receita Federal que acreditaram nessas ameaças e mudaram o voto do primeiro para o segundo turno, votando na petista Dilma no segundo turno, com medo de perder suas mordomias. Vocês pensam que é só "gentinha" do Bolsa Família ou do Minha Casa Minha Vida que acreditava nas ameaças? Pois é, a ORCRIM está aparelhadíssima para promover a maior de todas as fraudes eleitorais de todos os tempos, algo como nunca antes na história deste País tinha sido visto. E o Ministério Público vai fazer alguma coisa? Essa inútil Justiça Eleitoral vai fazer algo? Lembrem-se dos cadastros do governo federal que eram usados pelo comitê da deputada federal petista gaúcha Maria do Rosário, no segundo turno da eleição em 2014, e das ameaças que eram feitas em ligações telefônicas de central montada em seu comitê eleitoral, na Avenida João Pessoa, em Porto Alegre. Enquanto a Justiça Eleitoral neste País não tiver ritos sumários, ela seguirá sendo uma gigantesca farsa.

Laranja descascada também é laranja

Então Jonas Suassuna quer se apresentar à Lava Jato espontaneamente, abrir os sigilos e tudo o mais, para negar que o sítio de Atibaia seja de Lula? Laranja agora acha que pode deixar de ser laranja só porque já vem descascada.

Justiça bloqueia jatinho e iate de Neymar

A Justiça Federal emitiu uma série de ofícios para bloquear os bens de Neymar, inclusive o jatinho e o iate, além de imóveis nas cidades de Guarujá, Santos, Praia Grande, São Vicente, São Paulo e Itapema (SC). O bloqueio foi feito a pedido da Procuradoria da Fazenda Nacional e também atinge contas bancárias até o limite de R$ 192 milhões. 

"Não se ouviu ninguém no inquérito"

Dora Kramer lembrou como o Ministério Público e a Polícia Federal foram lenientes com o caso Gamecorp, revelado pela Veja em 2005... "O Ministério Público e a Polícia Federal nem sempre foram tão rigorosos como atualmente em relação ao ex-presidente Lula e companhia. Leia-se família, hoje alvo de investigações por suspeita de ocultação de patrimônio. Em 2012, o MP e a PF concluíram pelo arquivamento do inquérito aberto sete anos antes para investigar o aporte de R$ 5 milhões da operadora de telefonia Telemar, atual Oi, na empresa Gamecorp de jogos eletrônicos de propriedade de Fábio Luiz da Silva. O problema não é a conclusão de que não houve irregularidade, mas o método de investigação. Não se ouviu ninguém no inquérito. Houve apenas pedidos por escrito, enviados à Gamecorp, ao BNDES e à Telemar, cujas negativas de ilícitos satisfizeram plenamente as autoridades. Sem outros questionamentos. Diante desse tipo de procedimento, adotado em tempos de bonança política, não é de se estranhar a falta de cerimônia com que o ex-presidente aceitou benesses de empresas favorecidas em seu governo." A única iniciativa que quase prosperou foi a de criminalizar os repórteres e editores da Veja que descobriram essa e outras maracutaias de Lulinha.

Vista grossa para a legalização da corrupção

O jurista Modesto Carvalhosa publicou um artigo no Estadão, exigindo que Rodrigo Janot se explicasse por que não deu prosseguimento a uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a MP da Corrupção, que embute os acordos de leniência escusos que o governo está fazendo com as empreiteiras do Petrolão do PT. O pedido para que o procurador-geral da República entrasse com uma Adin contra a Medida Provisória foi feito no último dia 22 de dezembro, pela Associação do Ministério Público e o Instituto Não Aceito Corrupção. Passados quase dois meses, o procurador-geral da República permanece em silêncio, enquanto as empresas e o governo seguem costurando os tais acordos vergonhosos. Muito feio, Rodrigo Janot. Assim como dois erros não fazem um acerto; nenhuma quantidade de acertos compensa o erro de legalizar a corrupção.

Dako e Continental também fecharam as portas

Mil trabalhadores ocuparam desde a manhã de hoje as linhas de produção da Dako e da Continental, ambas do grupo Mabe, que teve falência decretada pela Justiça de São Paulo. Os cerca de 1,9 mil trabalhadores estão sem receber salário desde dezembro. E todo aquele incentivo de IPI para geladeiras e fogões? 

Moreira Franco já desceu do muro, falta Michel Temer

Moreira Franco defendeu em Belo Horizonte que o PMDB desça logo do muro e passe a fazer oposição ao governo Dilma. O presidente da Fundação Ulisses Guimarães é conhecido por suas posições anti-PT e anti-Dilma. No sábado, Moreira publicou artigo em O Globo defendendo o fim do monopólio da Petrobras e o projeto de lei de José Serra. No domingo, o editorial do mesmo jornal reiterou os argumentos de Moreira. Quem precisa descer do muro é Michel Temer.

Jornalistas brasileiros estão profundamente corrompidos pelo Petrolão do PT

Jornalistas vagabundos, ordinários, desclassificados, pulhas, vigaristas, estão trabalhando como "gestores de imagem" de notórios criminosos investigados pela Operação Lava Jato, sendo pagos com dinheiro do Petrolão do PT. O jornalismo brasileiro está profundamente degradado, degenerado, prostituído, corrompido.

MPF notificou Bittar e Suassuna

Jonas Suassuna e Fernando Bittar foram notificados pelo Ministério Público Federal para prestarem depoimento no inquérito sobre o sítio de Atibaia. A versão de que Suassuna resolveu se apresentar espontaneamente à Lava Jato é conversa mole de advogado e gestores de imagem. Também foram notificados pelo Ministério Público Federal executivos da OAS e da Odebrecht envolvidos no caso.

"Frequentava o sítio? Não muito"

O advogado Ary Bergher, que defende Jonas Suassuna, disse a Lauro Jardim que o cliente já pisou no sítio, mas que não frequentava muito o local. Sobre o motivo da compra do imóvel em Atibaia, Bergher alegou que "isso será esclarecido no seu devido tempo". Pelo visto, Suassuna ainda não teve tempo de combinar a versão com Bittar, Lulinha, Marisa e Lula.

A única atitude responsável

Imprensa, mercado financeiro e o que restou do setor produtivo pregam "responsabilidade" na votação de projetos do governo que amenizariam a crise econômica. Conversa para boi dormir. A crise é o governo; a crise é o PT, a crise é Lula; a crise é Dilma Rousseff. Economia requer um mínimo de credibilidade. Essa gente não tem e jamais terá credibilidade. Essa gente pedala, essa gente rouba, essa gente mente, essa gente manipula. Ah, mas se não se fizer nada, a herança será ainda pior para o governo seguinte. Senhores, a herança será a pior possível de qualquer forma, a menos que Dilma Rousseff seja tirada do poder o quanto antes. Os instrumentos constitucionais estão aí para isso. A única atitude responsável é o impeachment ou a cassação.

Suassuna trocou de advogado

Jonas Suassuna trocou recentemente sua equipe de advogados.

Moro recomenda que TSE ouça delatores

No ofício que enviou mais cedo ao TSE, Sérgio Moro disse ser "tecnicamente inviável disponibilizar cópia de todos os inquéritos e ações penais" da Lava Jato. Ele indicou então uma lista de ações penais contra as empreiteiras Camargo Correa, UTC, Engevix, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, OAS, Setal, Odebrecht e Andrade Gutierrez, além de cópia de três sentenças. Em pelo menos uma das sentenças, segundo Moro, "reputou-se comprovado o direcionamento de propinas acertadas no esquema criminoso da Petrobrás para doações eleitorais registradas". Moro sugeriu ao TSE que ouça os delatores Alberto Youssef, Paulo Roberto Costa, Pedro José Barusco Filho, Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, Milton Pascowitch e Ricardo Ribeiro Pessoa. "Como os depoimentos abrangem diversos assuntos, seria talvez oportuno que fossem ouvidos diretamente pelo Tribunal Superior Eleitoral a fim de verificar se têm informações pertinentes ao objeto da requisição." Moro disse ainda que enviará ao TSE novos fatos que possam surgir relacionados ao processo contra Dilma Rousseff e Michel Temer.

Perder ou perder

Até 2018, a presidente Dilma Rousseff e seu partido, o PT, só têm duas opções: perder as eleições, mas salvar o país por meio de reformas dolorosas, mas vitais; ou pensar apenas em se reeleger a qualquer custo, implodindo os fundamentos econômicos com políticas populistas, em troca de um voo de galinha do PIB. A avaliação é do cientista político Carlos Melo, do Insper. “O governo precisa decidir quem vai desagradar”, resume. Por enquanto, fora os companheiros, desagrada a todos.

Moro nega requerimentos de Odebrecht contra provas reunidas pelo MPF


O juiz Sergio Moro, que conduz os julgamentos da Operação Lava Jato em Curitiba, indeferiu uma série de requerimentos apresentados pela defesa do herdeiro e ex-presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, na ação penal aberta contra ele e executivos da empresa. Moro havia decidido anteriormente não analisar os documentos, alegando ter havido atraso na apresentação deles, mas o Tribunal Regional Federal da 4ª Região atendeu a um recurso da defesa do empreiteiro e determinou na sexta-feira que o magistrado fizesse a análise. O juiz federal Nivaldo Brunoni, responsável por julgar os recursos da Operação Lava Jato durante as férias do desembargador federal João Pedro Gebran Neto, decidiu que "o juízo corrigido deve aceitar a petição formulada dentro do prazo concedido, e analisar as teses trazidas naquele arrazoado". Os requerimentos apresentados pelos advogados do empresário contestavam a utilização como provas, pelo Ministério Público Federal, de mensagens interceptadas do aplicativo de mensagens BlackBerry Messenger (BBM) e relatórios sobre material de informática apreendido com os executivos e na sede da empreiteira. Os defensores também protestavam contra o uso da delação premiada de Walmir Pinheiro, diretor financeiro da UTC, e pediam depoimentos de cinco testemunhas canadenses, entre as quais o ministro da Justiça do Canadá. Ao indeferir os requerimentos, Moro justificou que as provas contestadas pela empreiteira não serão utilizadas no julgamento da ação penal em questão e escreveu que "embora deva-se respeitar a ampla defesa, não vai ela ao ponto de justificar a apresentação de requerimentos probatórios intempestivos, nem ao ponto de justificar a produção de provas manifestamente protelatórios, como aqui evidenciado pela pretensão em ouvir cinco testemunhas residentes no Canadá, inclusive o Ministro da Justiça daquele país". Com a decisão de Moro, o processo segue em fase de alegações finais. Esta é mais uma derrota judicial para Marcelo Odebrecht, preso desde junho do ano passado. Em outubro e janeiro, o STF negou liberdade ao empreiteiro, que também teve a liberdade negada em dezembro pelo STJ. Em um dos processos que envolvem a Odebrecht na Lava Jato, o Ministério Público conseguiu documentar a prática de 56 atos de corrupção e 136 lavagens de dinheiro para beneficiar a empreiteira. Neste caso, foram movimentados 389 milhões de reais em corrupção e 1,063 bilhão de reais com a lavagem.

Presidente do PT se contradiz sobre defesa de Lula


Na mira do Ministério Público em São Paulo e da Operação Lava Jato, o ex-presidente Lula reuniu nesta segunda-feira o Conselho Político da Presidência do PT para tratar das investigações contra ele. Oficialmente, o grupo foi chamado também para tratar da conjuntura do País e discutir saídas para a crise econômica - provocada justamente pela desastrada gestão da presidente Dilma Rousseff. Na sexta-feira, Lula se reuniu com Dilma em São Paulo e, depois do encontro, ela se comprometeu a assumir um discurso de defesa moderada de seu antecessor. No sábado, a presidente afirmou que o padrinho político é alvo de uma "injustiça". Pouco antes da reunião em um hotel (sempre em hotéis, é impressionante a gastança do PT com aluguéis de hotéis) na capital paulista ter início, o presidente do PT, Rui Falcão, divulgou nota em que tratava da pauta do encontro. "As ameaças crescentes ao Estado Democrático de Direito, a ofensiva reacionária para criminalizar o PT e a escalada de ataques ao companheiro Lula são temas prioritários na reunião do Conselho Político da Presidência do PT, nesta segunda-feira (15), em São Paulo", dizia o texto publicado pela agência de notícias do partido. Horas depois, em coletiva de imprensa ao término do encontro, Falcão negou que a reunião tenha abordado as suspeitas que pesam contra o ex-presidente Lula em relação sítio de Atibaia e ao tríplex do Guarujá, que foram reformados por empreiteiras do Petrolão do PT. Disse ele: "Queria desmentir cabalmente o que hoje alguns sites deram de que essa reunião era para discutir linhas de defesa do presidente Lula. Isso não ocorreu, não estava na pauta".

"Sócio" do sítio de Lula pede para ser ouvido na Lava Jato


Os advogados do empresário Jonas Suassuna, que consta oficialmente como um dos donos do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), encaminharam hoje à força tarefa que conduz a Operação Lava Jato uma petição para que Suassuna seja ouvido o mais cedo possível na investigação sobre a propriedade. A defesa do empresário também tornou disponíveis os sigilos bancário e telefônico dele, a partir da data que os investigadores julgarem conveniente. A Lava Jato investiga obras feitas na propriedade pela Odebrecht e apura se as benfeitorias foram alguma forma de compensação às empresas por contratos firmados com o governo. Além de Suassuna, também figura como proprietário formal do sítio o empresário Fernando Bittar, filho de Jacó Bittar, amigo de Lula e um dos fundadores do PT. Logo após deixar o governo, pertences de Lula e de sua família foram levados para o sítio em Atibaia. Mais de 200 caixas com pertences da família do ex-presidente foram levadas de Brasília até a propriedade no interior paulista - 37 delas eram caixas de bebidas, conforme registraram os funcionários encarregados de fazer a mudança. Os documentos com o registro da mudança estão arquivados na Presidência da República. Suassuna e Bittar são sócios de um dos filhos de Lula, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha. "Nós nos antecipamos porque tivemos notícia pela imprensa de que o inquérito foi desmembrado (para uma investigação específica sobre o sítio). Como algumas informações estão distorcidas, Jonas Suassuna tem interesse em prestar todos os esclarecimentos à força-tarefa", afirmou Ary Bergher, advogado do empresário.

Ministro Gilmar Mendes avisa que dinheiro desviado pelo Petrolão do PT pode irrigar eleições em 2016


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, disse nesta segunda-feira que as próximas eleições municipais poderão ser abastecidas com recursos desviados da Petrobras. Ele anunciou a criação de uma área de Inteligência no Tribunal Superior Eleitoral, cuja presidência assume em maio, para que o País "não seja surpreendido" no pleito marcado para outubro. "Essa é uma questão delicada sobre a qual vamos ter que discutir. Se de fato houve apropriação de recursos ilícitos em montantes muito significativos, pode ser que esses recursos venham para as eleições na forma de caixa 2 ou até na forma disfarçada de caixa 1. Vamos ter as doações de pessoas físicas. Pode ser que esses recursos sejam dados a essas pessoas para que façam a doação aos partidos políticos ou aos candidatos. Tudo isso precisa ser olhado com muita cautela", alertou Gilmar Mendes. Em São Paulo, onde participou de um evento na sede da Federação das Indústrias (Fiesp), o ministro alertou para "os escândalos todos que se acumulam, associados muitas vezes ao financiamento eleitoral". O ministro considera que será "um desafio" coibir o caixa 2 nas próximas eleições. "Temos uma eleição desafiadora. Pela primeira vez vamos ter uma eleição sem doação de pessoa jurídica privada. Portanto, corremos o risco de ter caixa 2. Temos que contar com o auxílio da comunidade, dos vários setores, OAB, Ministério Público, CNBB, para evitar esses abusos. Não podemos tornar essa eleição agora um império do caixa 2, um mundo de faz de conta. Por isso temos um grande desafio". Gilmar Mendes criticou enfaticamente o veto às doações eleitorais de empresas, que vigora pela primeira vez em 2016, e ironizou o "populismo constitucional" da medida: "Ah, agora a gente vai resolver o problema. A causa da corrupção está no financiamento privado. Logo, tudo o que ocorreu aí, especialmente agora no Petrolão, está associado a esse fenômeno. O próprio Supremo disse que o financiamento privado é inconstitucional, então estamos absolvidos, até anistiados". O ministro invocou seu próprio voto no Supremo, ainda em 2015, contra a proibição imposta às pessoas jurídicas de doarem aos políticos. Ele disse que, se "o partido do governo" recebeu um terço dos desvios na Petrobras - estimados em 20 bilhões de reais -, poderá financiar suas campanhas por longos anos. "Se ele (PT) gastou na campanha presidencial (de 2014, quando Dilma Rousseff foi reeleita) 360 milhões de reais, então tem dinheiro para campanhas aí até 2038, não é? Precisamos olhar isso com cuidado". A estratégia para coibir o caixa 2, segundo avaliação de Gilmar Mendes, passa pela mobilização da sociedade e pela estruturação de uma área estratégica na Corte eleitoral. "Vamos ter que criar um sistema de Inteligência, conversar com a Receita Federal, conversar com o Tribunal de Contas da União, com o Banco Central, com a Polícia Federal, para que estejamos devidamente informados e não sejamos surpreendidos. Quando lidei com a prestação de contas da presidente da República chamei para compor a equipe do Tribunal Superior Eleitoral técnicos do TCU, do Banco Central, do Conselho de Contabilidade. Precisamos renovar isso, mas de uma maneira permanente. É preciso que olhemos isso de maneira ampla e tenhamos uma estrutura permanente de cooperação para evitarmos surpresas". Para Gilmar Mendes, "certamente haverá métodos, tentativas de burlar a legislação" nas eleições. "Veja que, em grande parte dos municípios, pequenos municípios, os vereadores, em princípio, não poderão gastar mais que 8 mil reais. Essa foi a decisão do Congresso. É uma quantia pequena. Talvez tenhamos uma campanha ecológica. Essas pessoas farão campanha de bicicleta, não é? Porque não dá para comprar muitos tanques de gasolina considerando esse limite. As campanhas para prefeito não podem ultrapassar 100 mil reais. Ora, vamos ter que lidar com isso e, de fato, informar a sociedade, divulgar quais são os limites nos 5.800 municípios brasileiros e chamar a atenção. Não dispomos de fiscais na Justiça eleitoral para dar atenção a todos esses municípios. A própria sociedade terá que fiscalizar. A disputa municipal, às vezes, é muito mais acirrada do que a disputa nacional. Então, é muito provável que haja ânimo de violar a legislação, especialmente na ausência de uma fiscalização mais visível". Sobre os quatro pedidos de cassação de mandato da presidente Dilma e do vice Michel Temer, sob exame do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro disse que não acredita em manobras protelatórias. "Agora que houve a citação vamos ter a apresentação das provas, a oitiva de testemunhas. Não acredito que haja manobras dilatórias. E, se houver, o tribunal dispõe de mecanismo para inibir. Quer dizer, eventualmente decidir ouvir uma testemunha em Marte, ou coisas do tipo, são manobras que de vez em quando ocorrem, claro que estou falando em sentido figurado, mas coisas desse tipo o juiz pode indeferir, provas impossíveis ou coisas dessa índole. De modo que não acredito que haja essa possibilidade, nem cogito que, de fato, a assessoria jurídica da presidente e do vice vá se orientar nesse sentido. Não nesse sentido, não me parece ser o padrão adequado. Acredito que nesse período vamos ter essa decisão e é bom para o País. Se for uma decisão de rejeição (dos pedidos de cassação) pacífica essa temática. Se for uma decisão eventual de acolhimento também se resolve o tema."

Oposição apresenta voto em separado por rejeição das contas de Dilma


Parlamentares da oposição apresentaram na sexta-feira (12), na Comissão Mista de Orçamento do Congresso, um voto em separado pela rejeição das contas de 2014 de Dilma Rousseff. A iniciativa é um contraponto ao parecer do relator das chamadas pedaladas fiscais, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que em dezembro apresentou um relatório prévio pela aprovação das contas, contrariando a recomendação do Tribunal de Contas da União. Assinado pelo deputado Izalci (PSDB-DF), o voto retoma os argumentos usados pelo TCU, que em outubro, recomendou por unanimidade a reprovação das contas por considerar que a presidente descumpriu, em 2014, a Constituição e as leis que regem os gastos públicos. "O voto do senador Acir Gurgacz é muito inconsistente e desqualifica o parecer do TCU. O que o senador fez foi adotar o entendimento da Advocacia-Geral da União, que o próprio tribunal contestou", afirmou Izalci. Como é o Congresso quem dá a palavra final sobre a aprovação das contas de um presidente, os 41 deputados e senadores titulares da comissão decidirão se mantêm a decisão de Gurgacz ou se retomam o entendimento do TCU. Quando apresentou seu parecer, Gurgacz afirmou que é preciso ter cuidado para não criar, ao se reprovar as contas, uma jurisprudência que possa trazer um engessamento das administrações públicas nos três níveis: federal, estadual e municipal. Os integrantes da comissão têm até esta segunda-feira (15) para apresentar emendas ao relatório do senador, que até sexta-feira já havia recebido seis emendas. Gurgacz terá, então, até 28 de fevereiro para apresentar seu relatório final, acatando ou não as mudanças sugeridas. O relatório final e o voto em separado da oposição deverão, então, ser votados em 6 de março. O texto que for aprovado será encaminhado no prazo de cinco dias para análise do Congresso Nacional. Um dos pontos analisados pelo TCU foram as chamadas pedaladas fiscais, que são resultado de artifício usado pelo governo para atrasar repasses de recursos do Tesouro Nacional para bancos públicos. Para Gurgacz, houve inadimplência por parte do governo, mas isso não fere a Lei de Responsabilidade Fiscal. Já para Izalci, o fato de o governo ter assumido o pagamento de R$ 72,4 bilhões até o fim do ano passado para quitar as pedaladas é uma das provas de que as contas de Dilma devem ser rejeitadas. Em seu parecer, Gurgacz também minimizou a gravidade da assinatura de Dilma a decretos não numerados, portanto, sem o aval do Congresso, liberando crédito extraordinário. É justamente a assinatura desses decretos que embasa o pedido de impeachment aceito pela Câmara dos Deputados. Izalci incluiu ainda uma novidade em seu voto. Ele acrescentou o prejuízo que a Petrobras teve em 2014 de R$ 23 bilhões. "Este fato, a meu ver, deveria estar presente na análise sobre a prestação de contas como mais uma irregularidade que enseja a rejeição das contas apresentadas", disse. Apesar de a oposição não ser maioria na comissão, Izalci acredita que o voto em separado pode ser aprovado com o apoio, já garantido de acordo com ele, dos outros seis tucanos que integram a comissão, além dos parlamentares de outros partidos de oposição e parte do PMDB. 

PGR contra arquivamento do inquérito da filha de Eduardo Cunha


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestou contrário a pedido formulado pela publicitária Danielle Dytz da Cunha Doctorovich, filha do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que reivindica o arquivamento do inquérito no qual é investigada no Supremo Tribunal Federal. A decisão sobre o arquivamento ou não do inquérito será do ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Operação Lava Jato no STF. Em documento do inquérito datado do domingo (14), Janot classifica o pedido como "improcedente" e afirma que o trancamento de um inquérito é circunstância reservada para "situações excepcionais, de flagrante e inequívoca atipicidade ou impossibilidade de o imputado ser autor do fato, o que não se verifica". O pedido de Danielle Cunha tem como base documentação enviada em setembro do ano passado à PGR pelo Ministério Público da Suíça sobre supostas contas secretas mantidas naquele país pelo deputado Eduardo Cunha. Essas contas teriam recebido dinheiro oriundo do esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Lava Jato - Cunha nega ser titular de contas no Exterior. Além de Cunha e da mulher dele, a jornalista Cláudia Cordeiro Cruz, um inquérito também investiga Danielle Cunha porque ela teria um cartão de crédito vinculado a uma suposta conta em nome de Cláudia Cruz. No pedido ao Supremo Tribunal Federal, a defesa de Danielle Cunha argumenta que ela não aparecia como investigada na Suíça e, por extensão, não poderia ser investigada no Brasil "sob pena de “extrapolação dos limites da delegação de competência criminal da Suíça para o Brasil”. A defesa também afirma que ela não se enquadra na investigação de lavagem de dinheiro e corrupção passiva realizada pelas autoridades suíças. Em sua manifestação, o procurador-geral afirma que, pelo acordo de transferência dos processos firmado com as autoridades suíças, "o Brasil poderá apurar todos os fatos sujeitos à sua jurisdição, ampla e plenamente, de acordo com sua legislação". A PGR também argumenta que o fato de Danielle Cunha ter um cartão de crédito vinculado à conta investigada "comprova que poderia realmente dispor dos valores existentes na referida conta, independentemente de qualquer autorização de Cláudia Cruz". "Assim, também a agravante tinha o dever de declarar os valores ao Banco Central do Brasil", afirma Janot.

PTB substitui deputado que votou contra Cunha no Conselho de Ética

congresso

O PTB substituiu no Conselho de Ética da Câmara o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que havia votado a favor da continuidade do processo de investigação do presidente da casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Quem passará a ocupar a vaga de membro titular da bancada será o deputado federal Nilton Capixaba (PTB-RO). Ele próprio já foi alvo de processo no colegiado, que resultou na aprovação de um relatório pela cassação do seu mandato em 2006. O motivo foi a acusação de envolvimento com a chamada “máfia dos sanguessugas”, como ficou conhecido o escândalo de compra de ambulâncias superfaturadas com emendas parlamentares. O processo não teve continuidade porque a legislatura terminou e, na ocasião, Capíxaba não foi reeleito para um novo mandato. A troca no conselho foi definida pelo líder da legenda na Casa, Jovair Arantes (PTB-GO), aliado de Cunha. Nesta terça-feira (16), o órgão se reúne para retomar o caso de Cunha, que voltou à estaca zero com a anulação da votação que aprovou o parecer preliminar do deputado Marcos Rogério (PDT-RO), pela continuidade do processo. O relatório inicial havia sido aprovado por um placar apertado (11 votos a favor e 9 contra) e a mudança na composição do colegiado, formado por 21 parlamentares, eventualmente poderá ter impacto no resultado de uma nova votação. Em caso de empate, cabe ao presidente do conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA) dar o voto de minerva. Pelas regras do regimento interno da Câmara, os membros do Conselho de Ética só podem ser substituídos em caso de renúncia do próprio integrante, independentemente do motivo, morte ou perda do mandato. O objetivo é blindar os deputados que compõem o órgão de pressões externas dos partidos. Arnaldo Faria de Sá explicou que abriu mão da vaga a pedido do líder do PTB: “O líder do meu partido pediu a vaga. Eu não vou ficar brigando com ele por causa de uma vaga. A vaga é do partido e não vou criar caso”. 

Semana no Congresso terá debate sobre cassação de Delcídio do Amaral


A semana será decisiva para o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) no Congresso Nacional. Preso em novembro na Operação Lava Jato, o petista tem até a próxima quinta-feira (18) para apresentar defesa ao Conselho de Ética e convencer os colegas de que não quebrou o decoro parlamentar ao oferecer dinheiro e sugerir uma rota de fuga para livrar o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, da prisão. Depois da chegada da defesa, a comissão terá cinco dias úteis para apresentação de relatório preliminar, que vai indicar se a denúncia contra Delcídio será acatada ou não. A representação contra o senador foi feita pelo Rede Sustentabilidade em conjunto com o Partido Popular Socialista (PPS), em 1º de dezembro. "Vamos ouvir pessoas que possam contribuir para a formação do parecer conclusivo. Feito isso, o senador Delcídio também pode — e acredito que o fará — apresentar a sua defesa final", disse o senador do Tocantins. A expectativa de Ataídes é que o processo no Conselho de Ética siga até a segunda quinzena de março. A denúncia contra Delcídio do Amaral pede instauração de procedimento disciplinar para verificação de quebra do decoro parlamentar do senador. A prisão do senador foi autorizada pelo ministro relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Teori Zavaski, que atribuiu ao senador a tentativa de obstruir as investigações.

Decisão do STF sobre afastamento de Eduardo Cunha aguarda notificação e defesa

Motivo de apreensão no meio político em Brasília, a possibilidade de afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ainda precisa passar por trâmites antes da decisão pelo Supremo Tribunal Federal, que ainda não tem data certa para ocorrer. Apresentado no final do ano passado pela Procuradoria Geral da República, o pedido de afastamento ainda não foi formalmente apresentado ao próprio Eduardo Cunha. Só a partir da notificação, que deve ocorrer na semana que vem, é o que o deputado poderá se defender, num prazo de dez dias. A partir daí, caberá ao ministro Teori Zavascki, relator do caso, preparar um voto e levar o assunto para decisão final do plenário do STF, composto por 11 ministros.

O afastamento foi pedido sob o argumento de que Eduardo Cunha usa o cargo para obstruir as investigações da Operação Lava Jato e o andamento de uma representação contra ele no Conselho de Ética da Câmara. A Procuradoria Geral da República diz que o peemedebista usa seu poder para constranger e intimidar parlamentares, réus colaboradores, advogados e agentes públicos. O deputado nega, diz que o pedido é baseado em "ilações" e "agressões" e que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pretende fazer uma "cortina de fumaça" para tirar o foco do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. No início deste mês, Teori Zavascki indicou que a decisão sobre o afastamento poderá ocorrer só depois que o plenário do STF decidir sobre outra pendência relacionada ao deputado: uma denúncia apresentada em agosto que o acusa de receber ao menos US$ 5 milhões de propina para viabilizar a contratação de dois navios-sonda para a Petrobras. Cunha nega. Ele desafiou que se provasse que pediu propina e disse que o delator que apontou a suposta vantagem foi obrigado a mentir. Fruto de um inquérito aberto em março do ano passado, na primeira leva de investigações da Operação Lava Jato no STF, a denúncia da Procuradoria Geral da República está quase pronta para ser julgada. Em dezembro, os advogados de Eduardo Cunha apresentaram a defesa prévia sobre o caso e, no último dia 27 de janeiro, a Procuradoria Geral da República respondeu a questionamentos processuais sobre a peça. Falta somente a conclusão da análise de Teori Zavascki, que prepara o voto a ser levado ao plenário do STF, a quem cabe a decisão sobre a denúncia. Se ela for aceita, Eduardo Cunha passa a responder como réu em uma ação penal. Além do pedido de afastamento e da denúncia, ainda tramita no STF um inquérito sobre contas secretas supostamente mantidas pelo deputado na Suíça para receber dinheiro de origem ilícita. Eduardo Cunha nega ser titular de contas bancárias no Exterior.

Justiça condena ONG de Eduardo Cunha a indenizar ex-empregados, cujo trabalho era fazer campanha


A Justiça do Trabalho condenou o “Centro de Cidadania Eduardo Cunha”, ONG criada em 2009, no Rio de Janeiro, pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a indenizar seus funcionários. A condenação se deu por conta de violações trabalhistas e uso dos empregados para realizar campanha eleitoral em favor do deputado. De acordo com informações da revista Época, a ONG funcionou por cerca de um ano, sendo fechada após as eleições de 2010, garantindo mais um mandato para Eduardo Cunha. Na sentença, o juiz afirma que “restou comprovado que o réu [Eduardo Cunha] era mantenedor do centro, confundindo-se com a figura de empregador” e funcionários contaram que, apesar de terem sido contratados oficialmente para oferecer serviços gratuitos de dentista, advocacia, balcão de emprego e fisioterapia, o trabalho real era fazer campanha política. “Na época da política, davam panfleto para a gente. Para todo mundo que buscava atendimento, a gente tinha de falar para votar nele”, disse uma das funcionárias, que recebia R$ 400,00 para cuidar da limpeza e do cafezinho.

Nova velocidade permite baixar 500 filmes em um segundo


Cientistas da Universidade de Londres desenvolveram uma tecnologia que deixa a internet mais rápida. Extremamente mais, na verdade: "Para dar um exemplo, a taxa de dados que nós alcançamos permitiria o download de uma temporada inteira de "Game of Thrones" em menos de um segundo e em alta definição", diz o pesquisador Robert Maher. São usados cabos de fibra ótica, que conseguem atingir a velocidade de 1,1 terabyte por segundo. Isso é 100 mil vezes mais rápido que uma conexão convencional (e já bem veloz) de 10 Mbps. "Estamos trabalhando com um equipamento sofisticado em nosso laboratório para projetar a próxima geração de redes e sistemas de comunicação que podem lidar com sinais de dados a taxas acima de 1 terabyte por segundo", diz Maher. As longas horas de espera para que a sua série preferida seja baixada estão contados. Atualmente, a velocidade impressionante só pode ser atingida em condições de laboratório, mas os pesquisadores já estão trabalhando para que, em breve, o sistema esteja acessível para boa parte da população. A demanda pelo desenvolvimento de uma internet mais rápida nasceu com a explosão dos conteúdos digitais. No estudo, o transmissor foi conectado diretamente aos aparelhos para atingir a taxa máxima de dados. Em breve, o sistema será testado em transmissões de longa distância, já que os sinais podem ficar distorcidos enquanto viajam por milhares de quilômetros de fibras ópticas.

Mau cheiro de aterro sanitário causa desconforto a moradores de Timbó

Todos os dias são levados para Timbó, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina, o equivalente 2,5 mil toneladas de resíduos domésticos. O aterro sanitário recebe o lixo de nove municípios, que criaram o local como uma alternativa para atender a uma exigência do Ministério Público de Santa Catarina. Treze anos após a implantação do espaço, o mau cheiro causa tremendo desgosto aos moradores. “Baixou o sol, vem um ventinho e pronto”, diz Deniter Ivanoff. Ninguém aguenta o odor, a situação que nunca foi agradável piorou nos últimos meses. A vizinhança diz que o lixo depositado no aterro está descoberto desde setembro de 2015. “Disseram que depositariam o lixo, mas não ficaria a céu aberto, que diariamente o cobririam, mas ultimamente não está sendo cumprido”, afirma Tânia Stahnke. O aterro sanitário custou R$ 2 milhões, uma mixaria, a maior parte paga pelos municípios de Timbó e Indaial. Os moradores da região sabem que o aterro é importante, serve para dar o destino adequado para os resíduos, mas não entendem a razão de não estar sendo cuidado da forma adequada. Até 2015, o aterro era uma responsabilidade do Departamento de Água e Esgoto de Timbó, mas a operação apresentava uma série de problemas. O consórcio intermunicipal do Médio Vale do Itajaí, que assumiu a administração, explica que o lixo está desta forma porque choveu muito no fim de 2015, o que dificultou o trabalho das máquinas. Além disso, o barro não pode ser usado para compactar os resíduos. Agora, o consórcio estuda outros materiais para cobrir o lixo. “Talvez pudéssemos fazer uma cobertura provisória com uma manta específica, leve, para manter o material livre de exposição, mas ainda é preciso estudar a melhor opção”, explica, sem justifica, o diretor do consórcio, Valter Conrado Araújo. Os moradores já deveriam saber, o caminho é o Ministério Público Estadual de Santa Catarina. E, se este não agir, o Conselho Nacional do Ministério Público

Rede gaúcha de lojas Bronzatto confirma fim de atividades

A morte mais notável entre as 100 mil lojas brasileiras que fecharam no ano passada foi com certeza a rede gaúcha das Lojas Bronzatto, com 56 anos de existência. A Bronzatto & Cia. confirmou o fechamento. A ironia das ironias é que o proprietário da empresa era um dos mais notórios petistas no meio empresarial do Rio Grande do Sul, daqueles de aparecer em eventos do partido e se mostrar como fiador do partido no meio empresarial. Outro grupo gaúcho muito chegado ao PT é o da Marcopolo, vendedora de carrocerias para ônibus. Bronzatto comeu agora um pouco do seu próprio veneno. 

Se continuar sob intervenção, PSDB de Porto Alegre não poderá disputar eleição em outubro

O PSDB não poderá apresentar candidato à sucessão de cidades como Porto Alegre, Caxias e São Leopoldo, caso o interventor federal, deputado Nelson Marchezan Junior, não convoque imediatas eleições para os diretórios municipais. A ordem é do Tribunal Superior Eleitoral, conforme a Resolução 23.465, pulicada no Diário Oficial do dia 22 de dezembro do ano passado, mas só conhecida agora. O TSE determinou que os partidos só podem manter convenções provisórias por 120 dias e que estas não podem apresentar candidatos às eleições municipais. No Rio Grande do Sul, o interventor Marchezan interveio em uma dezena de municípios e terá que recuar. Nesta segunda-feira, 20 partidos, entre os quais o PSDB, resolveram mover Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a Resolução nº 23.465, com ênfase para o artigo 39, justamente o que trata do prazo de validade das comissões provisórias. O expediente da intervenção e da nomeação de comissões provisórias tem sido usado frequentemente como elemento de dominação e autoritarismo partidário, capaz de manter sob rédea curta os divergentes, como é o caso do Rio Grande do Sul. Derrubada a intervenção e realizadas convenções para a eleição de novas direções dos diretórios municipais, é muito provável que o PSDB lance a candidatura de Yeda Crusius para a prefeitura de Porto Alegre. Ela teria todas as chances de se apresentar como uma forte candidata, porque está muito presente no imaginário popular gaúcho o sucesso de sua administração econômico-financeira do Estado do Rio Grande do Sul, enquanto se sobressai o fracasso do PMDB para controlar a falência produzida pelo governo petista do peremptório "grilo falante" e poeta de mão cheia e tenente artilheiro Tarso Genro. A administração de Porto Alegre na gestão de José Fortunati (PDT) é um desastre único. Como ele tem alma petista, nada a estranhar. 

Fitch prevê quebradeira de siderúrgicas e companhias aéreas brasileiras


O diretor da Fitch, Joe Bormann, disse para a Bloomberg que nunca viu as empresas brasileiras numa situação tão difícil. "O mais acentuado período de recessão do Brasil em mais de um século, com dois anos seguidos de forte retração do PIB e a queda dos preços das commodities estão deixando as empresas de setores como o de siderurgia e de companhias aéreas sob maior risco de calote".

Quebradeira à vista de empresas no Brasil


Um experiente executivo brasileiro, nascido na Africa do Sul, tornado brasileiro, de família européia, descendente de ingleses e alemães, disse-me na tarde sábado, durante um café no Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre: "O Brasil quebrou e suas empresas estão muito baratas. Mas, a crise ainda não alcançou seu auge, e os investidores internacionais vão esperar piorar muito mais para comprar muito mais barato as empresas brasileiras, que estão tremendamente endividadas". Nesta segunda-feira, executivo da Fitch informa que empresas dos setores siderúrgico e aéreo brasileiro vão quebrar. Confirma-se integralmente o que me disse no sábado o executivo sul-africano. E tem mais: brasileiros que pretendam comprar passagens aéreas, tomem muito cuidado, vocês podem ficar sem asas na hora da viagem marcada com antecedência. Quem tiver ações de empresas desses dois setores em especial no Brasil, o siderúrgico e o aéreo, tome muito cuidado: seu dinheiro pode evaporar.

O novo marqueteiro do PT já sabe como pretende deixá-lo careca ou matá-lo de diarréia

Da publicidade às técnicas, ou sei lá como chamar, da neurolinguística, é preciso que se tenha um símbolo, um emblema, um mito-referência a seguir. Edinho Barbosa escolheu o seu: a luta, considerada a maior de todos os tempos, entre Muhammad Ali (Cassius Clay) e George Foreman, ocorrida no Zaire (hoje República Democrática do Congo), em 1974


Por Reinaldo Azevedo - O PT tem o seu terceiro marqueteiro baiano: depois de Duda Mendonça e de João Santana, é a vez de Edson Barbosa, também ele Edinho. Agora, um mesmo diminutivo, em pessoas diferentes, cuida do marketing do governo (o Edinho Silva) e do partido (o Barbosa). Lembro o primeiro verso de uma música de Chianca de Garcia e Herivelto Martins: “A Bahia da magia, dos feitiços e da fé…”. Numa entrevista concedida ao Estadão, publicada neste domingo, o novo marqueteiro expõe, vamos dizer assim, os seus achados para enfrentar o novo momento. Dos três, não se duvide, é ele quem vai precisar mais de magia, feitiços e fé. Duda pegou o PT antes de chegar ao poder. Tinha nas mãos o Lula carismático, um país que havia acabado de sair de um apagão e uma enorme esperança pela frente, que deveria vencer o “medo”. Santana foi o mais sortudo. Contava com um governo popular e com uma economia em crescimento. Em 2014, com o sonho já se esfarelando, fez a bola bater na trave, mas conseguiu marcar o gol. O tal Edinho tem um forte adversário a vencer para convencer as pessoas de que o PT é a saída: seu nome é PT. Mas ele está, claro!, muito animado e confiante. Ou seria um filósofo cínico, não um marqueteiro. Não considero a marquetagem política, como se faz habitualmente, um ramo da publicidade, cujo trabalho intelectual é essencialmente honesto, havendo, claro, a propaganda enganosa como exceção. No primeiro caso, lamento constatar, a desonestidade intelectual é a regra. Se um publicitário faz bem o seu trabalho buscando ressaltar as qualidades do produto, o marqueteiro político se dedica principalmente a esconder os defeitos do seu. Há outras diferenças relevantes: a escolha da maionese, da sandália ou do detergente não salva ou dana um país. Já uma escolha infeliz para a Presidência da República… Vejam o caso de João Santana em 2014. O seu principal trabalho consistiu, atendendo à necessidade de sua cliente, em esconder a real situação econômica do país. Ao contrário: ele ajudou a dar uma bela embalagem, sem dúvida muito competente no gênero, ao maior estelionato eleitoral da história — talvez sem comparação no mundo. Fosse um xampu, os consumidores teriam ficado carecas. Fosse uma salsicha, teriam morrido de infecção intestinal; fosse um automóvel, teriam se lascado em acidentes provocados por deficiências técnicas. Um pouco mais pode ser dito. Os marqueteiros estão convencidos de que crises políticas, econômicas, morais — e sei lá quais outras — podem ser resolvidas com a criação de um “conceito”, que depois será traduzido numa “frase” e, finalmente, com um pouco de sorte, até num programa de governo. Saibam que o “Fome Zero” foi uma idéia de Duda Mendonça, depois de uma conversa com Lula. O programa nunca existiu ou saiu do papel. Mas nascia ali o mito de que o Demiurgo acabou com a fome no Brasil. O novo Edinho já tem o seu conceito. Curiosamente, nasce do cruzamento da fala de dois argentinos. Segundo diz, é uma mistura de papa Francisco com Che Guevara, de “baixem os vidros” (do carro, pedido do Sumo Pontífice em viagem ao Brasil) com “hay que endurecerse pero sin perder la ternura jamás”. A fala do papa remete ao encurtamento das distâncias, ao “somos todos iguais”, ao “nada nos separa, e tudo nos une”. A memória de Guevara, o assassino, o porco fedorento, evoca a mística socialista e redentora, sem a qual não se podem prometer as doces abstrações que matam, não é mesmo? Por isso o PT levou ao ar comerciais de 30 segundos que, a um só tempo, faziam de Lula um homem acima dos mortais — aquele que mora no coração dos brasileiros —, mas também convidavam as pessoas a ignorar essa conversa de partidos, de oposição, de divisão. Mensagem da enganação: “Estamos todos juntos, apesar das nossas diferenças, e Lula é o nosso guia”. Vocês avaliam se esse é um produto honesto ou se é um xampu do tipo que deixa careca ou uma salsicha que mata de diarréia.  O publicitário é novo, sim, mas vem para reforçar a tradição. Entre as suas atribuições está o culto a Lula. Daí que assegure na entrevista, contra todas as evidências, que Lula seria eleito de novo presidente da República ainda que a disputa ocorresse agora, quando ele não consegue explicar a sua relação com um apartamento e com um sítio. Confrontado com os levantamentos que indicam o contrário, dispara uma frase forte, bem marqueteira: “Pesquisa em cima do que não existe não vale nada. É prestidigitação. Parou-se o País numa maluquice esquizofrênica, como se fosse uma Câmara de Vereadores comandada por Eduardo Cunha, num contrassenso total”. A frase embute mentiras sobre o xampu que deixa careca: o impeachment seria obra de Cunha, e as dificuldades que o governo enfrenta no Congresso, decorrentes da atuação do presidente da Câmara. Um marqueteiro político precisa de magia, feitiços e fé. Para conseguir o cargo, talvez o emprego mais bem pago da República, também é preciso convicção, e o Edinho baiano tem: “Se tivesse eleição hoje, o Lula ganharia, total. Seria muito mais fácil do que em 2018. Seria uma porrada só, não tinha nem discussão”. Da publicidade às técnicas, ou sei lá como chamar, da neurolinguística, é preciso que se tenha um símbolo, um emblema, um mito-referência a seguir. Edinho Barbosa escolheu o seu: a luta, considerada a maior de todos os tempos, entre Muhammad Ali (Cassius Clay) e George Foreman, ocorrida no Zaire (hoje República Democrática do Congo), em 1974. Ali apanhou durante sete rounds, ficando nas cordas, esquivando-se, levando o adversário, muito mais forte e mais jovem do que ele (25 a 32 anos), ao cansaço. No oitavo, numa sequência surpreendente, nocauteia Foreman, que havia vencido, até então, as 40 lutas que travara. Ocorre que era um atleta de explosão, despreparado para o confronto longo. Edinho Barbosa acha que a oposição é Foreman e que Lula é Muhammad Ali. Vale dizer: sua tarefa é transformar Lula num herói da resistência. Você topa usar comer essa salsicha, usar esse xampu, andar nesse carro?

Copa Airlines, a empresa aérea preferida dos "laranjistas" brasileiros


Ministério Público Federal e Polícia Federal podem pedir as listas de passageiros dos últimos anos à empresa aérea Copa Airlines, em seus vôos diretos para a Cidade do Panamá, e já terão os maiores indícios sobre os "laranjistas" brasileiros, aqueles que iam, ou ainda vão, ao Panamá, para abrir offshores e movimentar as contas bancárias destas empresas. Se o governo panamenho encrespar para fornecer os nomes de empresas offshores abertas por brasileiros, basta pedir a informação para o juiz nova-iorquino Jed Rakoff, que comanda a ação contra a Petrobras. Desde a invasão do Panamá pelas forças armadas americanas, para prender o ex-ditador narcotraficante Manuel Noriega, quem manda no país são os Estados Unidos. A lista de passageiros da Copa Airlines dará um poderoso indicativo de quem viaja ao pais para praticar a evasão de divisas do Brasil. Vão encontrar alguns gaúchos na lista que voam com uma frequência de ponte-aérea pela Copa Airlines, nos vôos que saem direto de Porto Alegre. Há algumas figuras públicas notórias entre esses passageiros.

A corrida presidencial de 2018, como ela se apresenta até o momento....

Os seguintes candidatos já estão no páreo, além de Jair Bolsonaro (PSC), Cristovam Buarque (PPS) e Ciro Gomes (PDT): Marina Silva (Rede), Aécio Neves (PSDB), José Serra (PMDB), Geraldo Alckmin (PSB), Luciana Genro (PSOL), Alvaro Dias (PV), Haddad (PT). Ainda surgirão mais uns cinco candidatos, do tipo "Eymael" e congêneres. Isso mostra o quanto está fragmentada a área política nacional, e o quão pouco representam os partidos políticos existentes.