domingo, 13 de novembro de 2016

A democrata comunista Hillary Clinton culpa diretor do FBI por sua derrota na eleição para presidente

Hillary Clinton atribuiu sua derrota na eleição presidencial ao diretor do FBI, James Comey, que, 11 dias antes do pleito, anunciou novas investigações sobre o uso de um servidor privado de e-mail por parte da democrata. As declarações foram dadas neste sábado (12) durante uma conferência telefônica com seus principais doadores. Segundo participantes do encontro, Hillary disse que a decisão de Comey ajudou a reviver a controvérsia em torno do uso de um e-mail pessoal enquanto era secretária de Estado (2009-2013), impedindo-a de terminar a campanha com um tom otimista. "Existem muitas razões pelas quais uma eleição como essa não foi bem-sucedida", disse Hillary segundo um participante ouvido pelo jornal "The New York Times": "Nossa análise é de que o anúncio de Comey levantou dúvidas infundadas e interrompeu nosso impulso final". 

Hillary era considerada a favorita para vencer a eleição presidencial e liderava em praticamente todas as pesquisas nacionais. A democrata teve derrotas surpreendentes, como no Estado de Wisconsin, que não elegia um candidato republicano desde 1984. A investigação sobre os e-mails de Hillary, que havia sido encerrada em julho, foi reiniciada quando e-mails seus foram descobertos durante a apuração de um caso "não relacionado". As mensagens, contudo, pareciam "pertinentes à investigação", segundo Comey. Por conta disso, ele foi criticado por uma suposta interferência no andamento das eleições ao expor Hillary. A democrata comunista afirmou também que o segundo anúncio de Comey, dois dias antes do pleito, teria sido ainda mais prejudicial. Na oportunidade, o diretor do FBI disse que um exame de e-mails encontrado no computador de Anthony Weiner, ex-marido de uma de suas principais assessoras e envolvido em escândalos sexuais, não o tinha levado a mudar sua conclusão anterior, de que Hillary não deveria ser acusada de manipular informações confidenciais.  Weiner é acusado de trocar mensagens e enviar fotos eróticas a uma menina de 15 anos. De acordo com sua campanha, o resultado, aparentemente positivo, na verdade prejudicou Hillary com relação a eleitores que não confiavam nela e eram receptivos às afirmações de Trump de um "sistema fraudado". Em particular, as mulheres suburbanas brancas que estavam indecisas e foram lembradas do imbróglio com relação ao uso do servidor privado.

Maior avião do mundo, o russo Antonov vai pousar nesta segunda-feira no Aeroporto de Guarulhos

O colosso dos céus, o avião russo Antonov Mriya An-225, deve pousar nesta segunda-feira no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. O avião não desaponta com suas dimensões descomunais. São 84 metros de comprimento, 32 rodas, 6 motores e a capacidade de carregar o peso equivalente a mais de 7 Boeings 737, o mais comum da aviação comercial. A última vez que esteve no Brasil, em 2010, o Antonov trouxe dos Estados Unidos equipamentos para a Petrobras. Desta vez a tarefa é a de levar para o Chile um gerador de 150 toneladas fabricado no Brasil. 


Para isso, a primeira parada da aeronave no País será em Viracopos, em Campinas, nesta segunda às 10h30. Mais de 1.800 pessoas confirmaram presença em um evento no Facebook marcado para acompanhar a sua chegada. No pátio do aeroporto, o interior da aeronave será equipado com um suporte especial que servirá para sustentar o gerador. De lá, às 22h30, o Antonov decola para uma viagem curta até o aeroporto de Guarulhos (Grande SP). A previsão da chegada é às 23 horas. A aterrissagem será transmitida ao vivo pela concessionária do aeroporto. No Facebook, 1.400 pessoas confirmaram presença. O Antonov "dorme" em Guarulhos e sua decolagem está prevista para depois das 6 horas. Até lá, a madrugada será tumultuada no pátio do aeroporto. Uma operação especial foi montada para que a carga seja colocada no porão do Antonov. "Essa é a segunda maior carga a ser transportada na aviação comercial mundial", explica o diretor de operações do aeroporto de Guarulhos, Miguel Dau: "É uma operação sem par no Brasil. Vai implicar em uma série de procedimentos adotados exclusivamente para esse dia, exclusivamente para essa aeronave". Para se ter uma idéia, enquanto estiver estacionado no pátio de Guarulhos, o Antonov deverá ocupar o espaço que normalmente recebe de 5 a 7 aeronaves 737. Em Viracopos, o avião ocupará a vaga geralmente usada por três Boeings 747, o segundo maior avião de passageiros do mundo. Nos dois aeroportos, sempre que for taxiar pela pista, nenhuma outra aeronave no aeroporto estará em movimento. "Vai ser a nossa Gisele Bündchen. Enquanto ele estiver andando, nenhuma outra aeronave se mexe", diz Marcelo Mota, o diretor de operações do aeroporto de Viracopos. O único exemplar do Antonov Mriya 225 foi construído entre 1984 e 1988, como parte do programa espacial soviético. O objetivo é que ele pudesse transportar o ônibus espacial soviético até sua base de lançamento. Com seu tamanho descomunal, muitos projetistas duvidaram que o avião conseguiria sair do chão. Por isso, foi apelidado de Mirya, ou sonho em russo. Com a queda da União Soviética, no entanto, o avião, ficou encostado. Em 2000, a fabricante do Antonov, com sede na Ucrânia, resolveu reformar a aeronave. O projeto era o de transformar o modelo no maior cargueiro comercial do mundo. Entre os desafios estava o de obter certificações internacionais, questão desnecessária enquanto o avião operava apenas na União Soviética.

Trump promete fazer a deportação imediata de três milhões de imigrantes ilegais

Donald Trump cumprirá sua promessa de deportar milhões de imigrantes em situação ilegal nos Estados Unidos, afirmou o presidente eleito em uma entrevista transmitida neste domingo, afirmando ainda que cerca de três milhões serão deportados depois que ele assumir o cargo. "O que estamos fazendo é pegar essa gente que é criminosa e suas fichas criminais, membros de gangues, traficantes, que totalizam dois, talvez três milhões. E vamos tirá-los do país e vamos fazer com que sejam presos", declarou Trump em um trecho veiculado da entrevista exibida pelo programa 60 Minutes da CBS. Trump fez da segurança na fronteira entre México e Estados Unidos um dos pontos centrais de sua campanha eleitoral. Na entrevista à CBS, Trump revelou que o muro que prometeu fazer na fronteira com o México não será apenas de concreto e terá cercas em alguns trechos. "Poderá haver cercas", afirmou Trump em sua primeira entrevista na televisão depois de eleito. "Mas, para certas áreas, um muro é mais apropriado. Sou muito bom nisso", disse à CBS. Newt Gingrich, um dos principais nomes ligados ao magnata, lançou dúvidas sobre se Trump obrigará o México a custear a construção desse muro. "Dedicará muito tempo a controlar a fronteira. Talvez não gaste muito tempo tentando fazer o México pagar por ele, mas foi uma grande estratégia de campanha", desconversou Gingrich, segundo The Washington Post. Em outros trechos antecipados pela emissora, Trump diz que manterá alguns pontos da reforma de Saúde promovida pelo presidente Barack Obama, a qual tanto criticou na corrida para a Casa Branca. Sua diretora de campanha, Kellyanne Conway, declarou, porém, ao canal Fox, neste domingo, que essa reforma, conhecida como "Obamacare", será "derrogada". Trump também confirmou que continuará usando sua conta no Twitter. Para ele, trata-se de uma grande ferramenta. A diferença agora é que o tom será mais moderado - explicou o empresário. Continua sendo uma incógnita quem será o chefe de gabinete de Trump na Casa Branca. No sábado, Conway disse que esse anúncio era "iminente" e confirmou que o presidente do Partido Republicano, Reince Priebus, está entre os candidatos. Seu presidente de campanha e dono do portal de notícias conservador Breitbart News, Stephen Bannon, é um dos que sonham com essa posição.