domingo, 11 de dezembro de 2016

Marchezan vai cortar 13 órgãos do primeiro escalão na prefeitura de Porto Alegre


O prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchezan, anunciou na sexta-feira cortes de secretarias e novos critérios para seleção de Cargos em Comissão (CCs). A partir de 1º de janeiro de 2017, quando assume a prefeitura, Marchezan pretende manter nove secretarias na administração direita, além de seis no que chamou de "administração transversal" — totalizando 15 pastas. Na gestão Fortunati, o Executivo tem 37 órgãos, divididos em 29 secretarias, quatro autarquias, três empresas públicas e uma fundação. Com as alterações, passam a existir 24 órgãos, entre 15 secretarias, quatro autarquias, três empresas públicas e uma fundação. As novidades na estrutura administrativa anunciadas por Marchezan incluem a criação da Secretaria Municipal de Parcerias Estratégicas, responsável pela aproximação da prefeitura com a iniciativa privada "em todas as áreas". Como exemplo ele citou a possibilidade de realizar concessões nos 75 quilômetros da orla do Guaíba. Outra alteração é origem da Secretaria de Sustentabilidade. Além da reestruturação da máquina pública, Marchezan anunciou que exigirá a comprovação de ficha limpa para a ocupação de cargos de chefia da Prefeitura de Porto Alegre. De acordo com o tucano, haverá um "processo objetivo" para a escolha de secretários e chefes do Executivo. Marchezan afirmou que apostará na "profissionalização" do serviço público. 

CBF denunciou o Internacional ao STJ por fraude na documentação da entidade


Na sexta-feira, a CBF encaminhou, ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), uma denúncia contra o Internacional. Trata-se de uma denúncia de falsificação de documento do "Caso Victor Ramos". Inicialmente, a notícia foi divulgada pelo jornalista Marcio Martins, da rádio Itapoan FM. Na tarde de sexta-feira, a CBF emitiu nota, em seu site oficial, sobre o caso. 'Tendo em vista a matéria veiculada pela imprensa relacionada ao registro do atleta Victor Ramos, do Esporte Clube Vitória, a Confederação Brasileira de Futebol esclarece que arguiu hoje, no Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), a falsidade de e-mails atribuídos ao Sr. Reynaldo Buzzoni, Diretor de Registro e Transferência da entidade. Tal documentação, apresentada e juntada aos autos do processo pelo Sport Club Internacional, teve sua autenticidade impugnada por ser desprovida de fé, conforme procedimento hoje protocolado no STJD (ver anexo)". Também na sexta-feira, o Internacional reagiu à denúncia, alegando que a acusação não procede. "O Inter tem um jurídico altamente cuidadoso, temos provas angariadas no Uruguai, México, Espanha, na Fifa, mas a grande maioria no Brasil. Os autos poderão ser examinados. É uma certeza jurídico-documental", ressaltou Gazen. O caso "Victor Ramos" começou com o clube gaúcho denunciado o Vitória, onde atua o zagueiro, por suposta inscrição irregular do jogador, contratado por empréstimo ao Monterrey, do México. O Internacional pedia a perda dos pontos do Vitória em todos os 26 jogos em que Victor Ramos atuou. Já na quinta-feira, Glauber Guadelupe, procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, optou pelo arquivamento do caso. Segundo ele, a justificativa foi de que "entendendo não haver elementos suficientes para comprovação de violação as regras disciplinares nacionais". 

O executivo propineiro Alexandrino Alencar, da Braskem, delatou todo mundo do grand monde no Rio Grande do Sul


A Braskem possui demandas regionais na Área de RI (Relações Institucionais), tendo um gerente de relações institucionais e uma equipe em cada Estado de sua atuação, quais sejam: Bahia, Alagoas, São Paulo e Rio Grande do Sul.Este desenho administrativo, consta da delação premiada do diretor da Odebrecht, Claudio Melo Filho, tudo no âmbito da delação premiada que ele fez para o Ministério Púbico Federal. No Rio Grande do Sul, o eterno homem da Braskem foi o propineiro diretor Alexandrino Alencar, que até ser preso era também diretor da Fiergs e da Federasul. Como se sabe, cada um dos 70 diretores e executivos da Odebrecht e da Braskem que fizeram delação premiada, contou tudo o que sabia. O homem do grupo para o Rio de Janeiro já teve seu depoimento vazado em partes. No Rio Grande do Sul, o Estado mais hipócrita e cínico do Pais (onde todo mundo sepre se disse o mais honesto do Brasil inteiro, o mais politizado, o mais educado, etc...) a ansiedade entre políticos, empresários, publicitários, marqueteiros, artistas e jornalistas é muito grande em relação ao que delatou o executivo propineiro Alexandrino Alencar. Ele tentou sonegar informações ao pessoal da Lava Jato, mas pressionado, acabou falando. Alexandrino Alencar possui farta munição sobre o que fez e deixou de fazer no Rio Grande do Sul. Praticamente não, no hipócrita "grand monde" gaúcho quem não tenha visitado o bolso de Alexandrino Alencar e da Braskem, da Odebrecht. Como gaúcho é pretensioso e metido a culto, no Rio Grande do Sul a empreiteira propineira Odebrecht patrocinava, todos os anos, o "Encontros do Pensamento". Altos nomes do "pensamento comunista" do mundo inteiro deslocavam-se anualmente a Porto Alegre, para deleite da intelligentsia guasca botocuda. Agora, reputações rolarão lomba abaixo. É só esperar pelas revelações. Pensamento esquerdista gaudério se faz movido a propina. Não é isso mesmo, Alfredo Fedrizzi?

STJD desconhece tentativa de "tapetão" do Internacional


O Internacional terá que lutar por sua permanência na Série A do Brasileirão dentro de campo. A procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) arquivou na quinta-feira o caso envolvendo o zagueiro Victor Ramos, do Vitória, que, de acordo com pedido da equipe gaúcha teria sido escalado de maneira irregular. Inter, Vitória e Sport lutam pelas duas últimas vagas na Série A de 2017. O Inter ainda pode recorrer da decisão ao procurador-geral do STJD, Felipe Bevilacqua. O procurador Glauber Guadelupe foi quem assinou o arquivamento do pedido colorado na quinta-feira. O Inter alegou que a negociação de Victor Ramos foi feita de maneira irregular. O zagueiro pertence ao Monterrey, do México, e foi emprestado ao Vitória nos moldes de uma transferência nacional, pois seu Certificado de Transferência Internacional (ITC) ainda se encontrava no Brasil. Isso se deve ao fato de o jogador ter atuado pelo Palmeiras antes de seguir para Salvador. Vislumbrando a possibilidade de tirar pontos do Vitória, a direção do Inter trouxe o caso à tona e apresentou ao STJD um documento no qual apontava “erros jurídicos” na transferência. O Inter queria a reabertura do caso pelo Tribunal e a perda de pontos nas 26 partidas em que o Victor Ramos atuou no Campeonato Brasileiro. A procuradoria do STJD ouviu os dois lados, além da CBF, e concluiu que o jogador poderia ser escalado normalmente, já que não havia irregularidade. O Inter está na zona de rebaixamento, em 17º, com 42 pontos, três a menos que o Vitória, 15º, e dois a menos que o Sport, 16º. Na última rodada, que será disputada a partir das 17 horas deste domingo, o Inter visita o Fluminense, enquanto o Vitória recebe o Palmeiras e o Sport recebe o Figueirense.